Você está na página 1de 75

Microbiologia

FFI0751

Profa. Dra. Ilana L. B. C. Camargo

Laboratório de Epidemiologia e Microbiologia Molecular (LEMiMo) Grupo de Cristalografia

Profa. Dra. Nelma Regina Seginini Bossolan

Grupo de Biofísica Molecular “Sergio Mascarenhas”

Grupo de Cristalografia Profa. Dra. Nelma Regina Seginini Bossolan Grupo de Biofísica Molecular “Sergio Mascarenhas”
Grupo de Cristalografia Profa. Dra. Nelma Regina Seginini Bossolan Grupo de Biofísica Molecular “Sergio Mascarenhas”
Grupo de Cristalografia Profa. Dra. Nelma Regina Seginini Bossolan Grupo de Biofísica Molecular “Sergio Mascarenhas”
Grupo de Cristalografia Profa. Dra. Nelma Regina Seginini Bossolan Grupo de Biofísica Molecular “Sergio Mascarenhas”
Grupo de Cristalografia Profa. Dra. Nelma Regina Seginini Bossolan Grupo de Biofísica Molecular “Sergio Mascarenhas”

Microbiologia

FFI0751

Profa. Dra. Ilana L. B. C. Camargo

LEMiMo Campus II Piso 1, sala 106

Ramal: 738654 ilanacamargo@ifsc.usp.br

Camargo LEMiMo – Campus II – Piso 1, sala 106 Ramal: 738654 ilanacamargo@ifsc.usp.br http://biologia.ifsc.usp.br/

http://biologia.ifsc.usp.br/

Camargo LEMiMo – Campus II – Piso 1, sala 106 Ramal: 738654 ilanacamargo@ifsc.usp.br http://biologia.ifsc.usp.br/
Camargo LEMiMo – Campus II – Piso 1, sala 106 Ramal: 738654 ilanacamargo@ifsc.usp.br http://biologia.ifsc.usp.br/
Camargo LEMiMo – Campus II – Piso 1, sala 106 Ramal: 738654 ilanacamargo@ifsc.usp.br http://biologia.ifsc.usp.br/
Camargo LEMiMo – Campus II – Piso 1, sala 106 Ramal: 738654 ilanacamargo@ifsc.usp.br http://biologia.ifsc.usp.br/
Camargo LEMiMo – Campus II – Piso 1, sala 106 Ramal: 738654 ilanacamargo@ifsc.usp.br http://biologia.ifsc.usp.br/
Microbiologia
Microbiologia

Microbiologia como ciência;

Impactos sobre o homem;

Tipos de organismos estudados;

Aula Parte I

Células procarióticas e eucarióticas;

Aula Parte II

Microscopia de microrganismos

Microbiologia
Microbiologia

É a ciência que estuda os microrganismos um grande e diverso grupo de organismos microscópicos- que podem ser encontrados como células únicas ou grupamentos celulares.

encontrados como células únicas ou grupamentos celulares. • Diferente dos organismos macroscópicos, os
encontrados como células únicas ou grupamentos celulares. • Diferente dos organismos macroscópicos, os

Diferente dos organismos macroscópicos, os microrganismos são em geral

capazes de realizar seus processos vitais de crescimento, geração de

energia e reprodução, sem depender de outras células.

http://www.ufrgs.br/alimentus/pao/fermentacao/fer_crescimento01.htm

Microbiologia como ciência
Microbiologia como ciência

O que estuda?

Como ciência biológica básica: microrganismos como modelos para estudo de funções celulares de organismos superiores; as bases físicas e

químicas que permitiram o surgimento da vida

provêm de estudos com microrganismos.

Como ciência biológica aplicada: trata de

questões práticas importantes da medicina,

agricultura e indústria.

Microbiologia como ciência
Microbiologia como ciência
Meta dos microbiologistas Compreender como os microrganismos atuam
Meta dos
microbiologistas
Compreender
como os
microrganismos
atuam
Compreender como os microrganismos atuam Otimizar seus efeitos benéficos Minimizar atividades danosas

Otimizar

seus efeitos benéficos

Minimizar

atividades

danosas

Impactos sobre o Homem

© 2004 Pearson Education, Inc.
© 2004 Pearson Education, Inc.
Impactos sobre o Homem
Impactos sobre o Homem
Bactérias são usadas para recuperar metais valiosos de sucata de eletrônicos e rejeitos de minas
Bactérias são usadas para recuperar
metais valiosos de sucata de
eletrônicos e rejeitos de minas
Projeto FAPESP
Coordenador Jorge Soares Tenório / USP
2010/51009-0
Recuperação de ouro de placas de circuitos impresso de computadores
obsoletos através de processo bio-hidrometalúrgico
Dez 2013
Impactos sobre o Homem
Impactos sobre o Homem
Impactos sobre o Homem
Tipos de organismos estudados
Tipos de organismos estudados
Anabaena sp, 600X, MEV Listeria monocytogenes (3000X, MEV) Halobacterium sp, 1600X, MEV
Anabaena sp, 600X, MEV
Listeria monocytogenes (3000X,
MEV)
Halobacterium sp, 1600X, MEV

Bactérias

Fungos Aspergillus ustus, 600X, MEV Saccharomyces cerevisiae, 800X, MEV Mucor sp, 400X, MEV
Fungos
Aspergillus ustus, 600X, MEV
Saccharomyces cerevisiae,
800X, MEV
Mucor sp, 400X, MEV

Algas

Volvox aureus, 40X, MO
Volvox aureus, 40X, MO
Volvox - Detalhe
Volvox - Detalhe
Spirogyra sp, 100X, MO
Spirogyra sp, 100X, MO

Protozoários

Ameba - pinocitose Trypanosoma sp, 1000X, MEV Paramecium multimicronucleatum, 200X, MEV
Ameba - pinocitose
Trypanosoma sp, 1000X, MEV
Paramecium
multimicronucleatum, 200X,
MEV

Vírus

Seres microscópios de natureza acelular

Vírus da hepatite B, 50.000X,
Vírus da hepatite B, 50.000X,

MEV

Retrovirus – HIV, 14.500X, TEM
Retrovirus – HIV, 14.500X, TEM
acelular Vírus da hepatite B, 50.000X, MEV Retrovirus – HIV, 14.500X, TEM Vírus do mosaico do

Vírus do mosaico do tabaco, 27.300X, MEV

Células Procarióticas e Eucarióticas
Células Procarióticas e
Eucarióticas

Aula 1 - Parte I Microbiologia FFI0751

Profa. Dra. Ilana L. B. C. Camargo

Procariotos x Eucariotos
Procariotos x Eucariotos
ribossomos Nucleóide citoplasma Membrana citoplasmática Parede celular Espaço periplasmático Membrana externa
ribossomos
Nucleóide
citoplasma
Membrana citoplasmática
Parede celular
Espaço periplasmático
Membrana externa
Membrana nuclear Membrana citoplasmática Complexo de Golgi Mitocôndria Peroxissomo Lisossomo Vesícula Retículo
Membrana nuclear
Membrana citoplasmática
Complexo de
Golgi
Mitocôndria
Peroxissomo
Lisossomo
Vesícula
Retículo
secretória

endoplasmático

rugoso

Organelas estruturas delimitadas por membrana

Procariotos x Eucariotos
Procariotos x Eucariotos
Procariotos x Eucariotos Mitocôndrias Cloroplastos

Mitocôndrias

Procariotos x Eucariotos Mitocôndrias Cloroplastos

Cloroplastos

Procariotos x Eucariotos Mitocôndrias Cloroplastos
Procariotos
Procariotos
Procariotos Tamanho: 0,2 a 2 µm

Tamanho: 0,2 a 2 µm

Procariotos Tamanho: 0,2 a 2 µm
Procariotos Tamanho: 0,2 a 2 µm
Eucariotos
Eucariotos

Eucariotos

Eucariotos Eucariotos Organelas delimitadas por membrana Tamanho: 10 a 100 µm

Organelas delimitadas por membrana

Tamanho: 10 a 100 µm

Eucariotos Eucariotos Organelas delimitadas por membrana Tamanho: 10 a 100 µm
Eucariotos
Eucariotos

Célula eucariotas (algas, fungos e plantas) parede celular: composta pelo

polissacarídeo quitina além de glicana e manana (fungos), ou celulose (plantas).

além de glicana e manana (fungos), ou celulose (plantas). Protozoários não tem PC, mas tem película

Protozoários não tem PC,

mas tem película

Animais contém o glicocálice (carboidratos adesivos)

Eucariotos
Eucariotos
Eucariotos

Comparação entre os tamanhos

Comparação entre os tamanhos
Procariotos x Eucariotos
Procariotos x Eucariotos
Procariotos x Eucariotos http://pathmicro.med.sc.edu/Portuguese/immuno-port-chapter1.htm

http://pathmicro.med.sc.edu/Portuguese/immuno-port-chapter1.htm

http://www.fortunecity.com/greenfield/eco/813/mod2aula4.html

http://www.fortunecity.com/greenfield/eco/813/mod2aula4.html Trypanosoma em esfregaço sanguíneo. A membrana ondulante

Trypanosoma em esfregaço sanguíneo. A

membrana ondulante e o núcleo são visíveis.

Rickettsia ricketsi dentro de células

do sangue (bactéria).

http://anhembi.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1758&sid=203

Procariotos x Eucariotos
Procariotos x Eucariotos

Células da mucosa vaginal

Célula superficial, cujo citoplasma é avermelhado e cujo núcleo é picnótico, entre duas células intermediárias. Há grande quantidade de bacilos de Döederlein.

http://www.pathology.com.br/papanicolaou/papanicolaou.html

http://www.pathology.com.br/papanicolaou/papanicolaou.html Célula da mucosa bucal
http://www.pathology.com.br/papanicolaou/papanicolaou.html Célula da mucosa bucal

Célula da mucosa bucal

http://clubeaprendiz.googlepages.com/observa%C3%A7%C3%B5esmicrosc%C3%B3picas

Microscopia de microrganismos Aula 1 - Parte II Microbiologia FFI0751 Profa. Dra. Ilana L. B.
Microscopia de microrganismos Aula 1 - Parte II Microbiologia FFI0751 Profa. Dra. Ilana L. B.
Microscopia de microrganismos Aula 1 - Parte II Microbiologia FFI0751 Profa. Dra. Ilana L. B.
Microscopia de microrganismos
Microscopia de microrganismos

Aula 1 - Parte II Microbiologia FFI0751

Profa. Dra. Ilana L. B. C. Camargo

Microscopia de microrganismos
Microscopia de microrganismos

Tabela 1. Unidades de medidas comuns

Microscopia de microrganismos Tabela 1. Unidades de medidas comuns 0,01 m 0,001 m 0,000001 0,000000001 m

0,01 m

0,001 m

0,000001

0,000000001 m

0,0000000001m

O primeiro microscópico da história
O primeiro microscópico da história
O primeiro microscópico da história Ampliação de 300x e resolução de 1  m 28

Ampliação de 300x e resolução de 1 m

Tipos de microscópios
Tipos de microscópios

-Microscópio óptico ou de Luz

-Microscópio confocal

-Microscópio eletrônico

-Microscópio de tunelamento

-Microscópio de força atômica

Relações entre os tamanhos

- Microscópio óptico ou de Luz

-Microscópio Eletrônico

31

Tortora, 6ª ed, 2000

Microscópio óptico composto MO
Microscópio óptico composto
MO

-com várias lentes -Utiliza a luz visível como fonte de iluminação

33
Rota de Luz no microscópio de baixo para cima
Rota de Luz no microscópio de baixo para cima

Oculares

Prisma

Objetivas

Amostra

Condensador

Iluminador

Luz no microscópio de baixo para cima Oculares Prisma Objetivas Amostra Condensador Iluminador Ampliação Ampliação 34

Ampliação

Ampliação

34

Laboratório
Laboratório
Objetivas
Objetivas
Objetivas Código de aumento Tipo de aberração corrigida Correção de curvatura de campo Abertura numérica Aumento
Objetivas Código de aumento Tipo de aberração corrigida Correção de curvatura de campo Abertura numérica Aumento
Objetivas Código de aumento Tipo de aberração corrigida Correção de curvatura de campo Abertura numérica Aumento

Código de

aumento

Tipo de

aberração

corrigida

Correção de curvatura de campo

Abertura numérica

Correção de curvatura de campo Abertura numérica Aumento Comprimento do tubo/ espessura da lamínula
Correção de curvatura de campo Abertura numérica Aumento Comprimento do tubo/ espessura da lamínula
Correção de curvatura de campo Abertura numérica Aumento Comprimento do tubo/ espessura da lamínula

Aumento

Comprimento do tubo/ espessura da lamínula

Distância de trabalho

36

São classificadas como:

Objetivas
Objetivas

Acromáticas: Ajustadas para duas cores, geralmente o vermelho e o verde

(ou seja, permite que apenas algumas cores sejam observadas, selecionando a frequência de luz visível de interesse por meio de seu índice de refração durante a fase de fabricação da lente).

Apocromáticas: Ajustadas para três cores, normalmente o vermelho, o verde

e o violeta.

Não-acromática: Não ajustada para cor alguma. Possui a característica de formar halos coloridos ao redor da imagem.

Lente objetiva Lente ocular
Lente objetiva
Lente ocular
Ampliação total da amostra
Ampliação total da amostra

Ampliação total =

potência de ampliação de lentes objetivas x da ocular

Objetivas:

10X (baixa potência)

40X (alta potência)

100X (imersão em óleo)

Ocular:

Amplia a amostra por um fator de 10

100X

400X

1000X

potência) 40X (alta potência) 100X (imersão em óleo) Ocular: Amplia a amostra por um fator de
Amplificação e resolução
Amplificação e resolução
Amplificação e resolução
Resolução ou Potência de resolução
Resolução ou Potência de resolução

Capacidade das lentes de diferenciar detalhes finos e estruturas

Capacidade de individualizar dois pontos adjacentes

Diferenciar entre dois pontos com uma distância específica entre os mesmos

Ex: Microscópio com resolução de 0,4 nm pode distinguir 2 pontos se eles estão no mínimo a 0,4 nm de distância um do outro.

Quanto menor o comprimento de onda luminosa usado no instrumento, maior a resolução. MO Luz branca com comprimento de onda longo e não pode oferecer resolução a estruturas menores que 0,2 m

Limitação da ampliação a cerca de 2000 X.

Microscópio eletrônico resolução de cerca de 1000 vezes superior!

Limite de resolução
Limite de resolução

D = 0,61

NA

D = limite de resolução (diâmetro do menor objeto que pode ser distinguido) = comprimento de onda da luz visível (em geral 0,5m) NA = Abertura numérica (medida da capacidade de concentrar a luz)

NA = sen

- metade do ângulo dos raios de luz extremos que ainda penetram a objetiva (> valor = 90°)

- Índice de refração do meio intercalante (espaço entre amostra e objetiva)


Luz azul com menor comprimento de onda Melhor resolução = filtro azul!
Luz azul com menor
comprimento de onda
Melhor resolução = filtro azul!

Ar = 1 Óleo = 1,4

43

Limite de resolução
Limite de resolução

Abertura numérica (medida da capacidade de concentrar a luz)

> Largura angular e abertura numérica Melhor resolução < distância de trabalho

de concentrar a luz) > Largura angular e abertura numérica Melhor resolução < distância de trabalho
Índice de refração
Índice de refração

Obtenção de imagem clara e detalhada em MO amostra com alto contraste com seu meio

e detalhada em MO amostra com alto contraste com seu meio Diferenciar o índice de refração

Diferenciar o índice de refração das amostras daquele do seu meio

Altera a direção dos raios de luz sofrendo refração e aumenta o

contraste

dos raios de luz sofrendo refração e aumenta o contraste Velocidade relativa com que a Luz

Velocidade relativa com que a Luz

passa através de um material

sofrendo refração e aumenta o contraste Velocidade relativa com que a Luz passa através de um

Coloraçãoraios de luz sofrendo refração e aumenta o contraste Velocidade relativa com que a Luz passa

Objetiva de imersão
Objetiva de imersão

Ampliação alta (100X) com boa resolução, a lente deve ser pequena

Embora necessitemos que a luz percorra a amostra e o meio para ser refratada de modo diferente, não desejamos perder os raios de luz após eles terem passado através da

amostra corada óleo de imersão e a lente de imersão

corada  óleo de imersão e a lente de imersão 46 Mesmo índice de refração que

46

corada  óleo de imersão e a lente de imersão 46 Mesmo índice de refração que

Mesmo índice de refração que o vidro

e torna-se parte da óptica do vidro do

microscópio.

Para estes raios refratados sejam capturados a lente objetiva deve ter um diâmetro maior

capturados a lente objetiva deve ter um diâmetro maior Sem óleo de imersão nessa lente, a

Sem óleo de imersão nessa lente, a amostra torna-se borrada

Objetivas
Objetivas

Tabela 2. As propriedades das objetivas do microscópio

Objetivas Tabela 2. As propriedades das objetivas do microscópio 47
Amplificação e resolução
Amplificação e resolução

Produto do aumento obtido com as lentes objetivas e ocular

Aumento

do aumento obtido com as lentes objetivas e ocular Aumento 100 X, 400X, ou 1000X 10

100 X, 400X, ou 1000X

10 X

10 X, 40X, ou 100X

Microscópio óptico Limite de resolução é de ~0,2 µm Aumento limite de ~1500x

Como limpar o MO
Como limpar o MO

Solução de limpeza e algodão

Solução de limpeza:

· Solução de limpeza (50% éter sulfúrico PA, 50% clorofórmio PA);

· Cotonete caseiro ou palito isento de ferpas, com ponta envolvido com algodão;

Como carregar o seu microscópio
Como carregar o seu microscópio
Como carregar o seu microscópio 50
Como colocar a lâmina no seu microscópio
Como colocar a lâmina no seu microscópio

Charriot

Platina

Como colocar a lâmina no seu microscópio Charriot Platina 51
Como utilizar o seu microscópio
Como utilizar o seu microscópio
Como utilizar o seu microscópio 52
Como utilizar o seu microscópio
Como utilizar o seu microscópio
Como utilizar o seu microscópio Ajuste as oculares quanto à distância entre seus olhos, afim de

Ajuste as oculares quanto à distância

entre seus olhos, afim de observar um só campo!!

utilizar o seu microscópio Ajuste as oculares quanto à distância entre seus olhos, afim de observar

Tabela 3.

Campo

escuro

Contraste

de fase

Campo escuro Contraste de fase 56

56

Microscopia de Fluorescência
Microscopia de Fluorescência

Para visualizar compostos que fluorescem

(emitem luz de uma cor quando iluminados com luz de outra cor)

57

Microscopia de Fluorescência
Microscopia de Fluorescência
Microscopia de Fluorescência 58

Tipo de microscópio

Características

Utilização

Campo brilhante

Utiliza luz visível

Observar espécimes corados

mortos ou organismos vivos com cor natural

Campo escuro Usa luz visível com um condensador especial com um disco opaco que bloqueia
Campo escuro
Usa luz visível com um condensador
especial com um disco opaco que bloqueia
a luz direta e impede-a de entrar na
objetiva diretamente
Observar organismos vivos
invisíveis no MO que não
podem ser corados ou que são
distorcidos pela coloração
Usa luz visível com um condensador
especial com um diafragma anular que
permite que luz direta passe através do
condensador, focalizando a luz na amostra e
Contraste de
fase
em uma placa de difração na lente objetiva.
Os raios de luz direta e refletida ou
difratada são reunidos para produzir a
imagem. Não é preciso coloração
Observar estruturas internas
das amostras vivas
Fluorescência
Usa luz ultravioleta para estimular
moléculas fluorescentes de microrganismos
para realçá-los
Para técnicas de fluorescência
com anticorpos para identificar
ou detectar rapidamente os
microrganismos em tecidos ou
amostras clínicas
Microscópios ópticos

59

Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão

Para estudo detalhado de

estruturas celulares

internas

Elétrons são utilizados ao invés de raios luminosos

Eletromagnetos atuam como lentes

Sistema em vácuo

internas Elétrons são utilizados ao invés de raios luminosos Eletromagnetos atuam como lentes Sistema em vácuo
Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão
Limite de resolução = 0,2 nm
Limite de resolução = 0,2 nm

61

Limite de resolução = 0,2 µm

Micrografia eletrônica

Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão Feixes de eletróns tem baixa penetrabilidade A célula é muito Espessa e

Feixes de eletróns tem baixa penetrabilidade

A célula é muito Espessa e por isso, São necessários Cortes finos (20-60nm)

Nas amostras

Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão 63
Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão 64
Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão Ilana Camargo 65

Ilana Camargo

Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão
Microscopia Eletrônica de Transmissão Staphylococcus aureus Microscópio óptico Ilana Camargo Microscópio eletrônico

Staphylococcus aureus

Microscópio óptico

de Transmissão Staphylococcus aureus Microscópio óptico Ilana Camargo Microscópio eletrônico de transmissão 66

Ilana Camargo

Microscópio eletrônico de transmissão

Microscopia Eletrônica de varredura
Microscopia Eletrônica de varredura

Características externas de um

organismo

Cobrir com metal pesado (ouro)

Aumentos de 15x a 100.000x

SEM

67

Microscopia Eletrônica de varredura
Microscopia Eletrônica de varredura
Microscopia Eletrônica de varredura 68
Imagens tridimensionais
Imagens tridimensionais

Microscopia de contraste por interferência

Microscopia de força atômica

Laser de varredura confocal

Microscopia Confocal
Microscopia Confocal
Raio laser acoplado ao microscópio óptico
Raio laser acoplado ao
microscópio óptico

70

Microscopia Confocal
Microscopia Confocal
Microscopia Confocal Laser é ajustado para que somente uma determinada camada do espécime torne-se visível 71

Laser é ajustado para que somente uma determinada camada do espécime torne-se visível

Microscopia Confocal
Microscopia Confocal
Microscopia Confocal 72

Microscopia de Tunelamento

A peça básica do STM é uma finíssima ponta metálica que varre a superfície a ser analisada, mas não a toca.

Fica a uma distância muito pequena, inferior a um

nanômetro. O equipamento “vê” a estrutura da superfície por causa do efeito túnel daí a origem do seu nome. Assim, voando baixo sobre a superfície, a agulha vai registrando as rugosidades em escala atômica.

a agulha vai registrando as rugosidades em escala atômica. O microscópio de tunelamento, conhecido pela sigla

O microscópio de tunelamento, conhecido pela sigla inglesa STM, valeu aos seus inventores o Prêmio Nobel de Física de 1986

valeu aos seus inventores o Prêmio Nobel de Física de 1986 73

73

http://www.funpar.ufpr.br:8080/funpar/boletim/novo2/externo/boletim.php?noticia=1811&boletim=71

74

Bibliografia:

- Madigan, M.T. et al. Microbiologia de Brock. São Paulo:

Prentice-Hall, 12ª ed., 2010.

- Tortora, G.J. et al. Microbiologia. Porto Alegre: ArtMed, 8ª ed., 2005.