CIRCO DE COISAS

Cia Circo de Bonecos

“O significado das coisas não reside nas próprias coisas,
mas na nossa atitude relativamente a elas”
Antoine de Saint – Exupéry

A companhia Circo de Bonecos pesquisou o Teatro de Objetos para criar Circo de
Coisas. Com dramaturgia de Claudio Saltini e direção de Teka Queiroz.

Circo de Coisas conta a história de dois clowns que chegam no palco para montar e
apresentar um show de variedades circenses feito por objetos. Um pregador de
roupas é o equilibrista na corda bamba! Uma rolha de champanhe é o Homem Bala
voador. O Homem mais Forte do Mundo, um macaco hidráulico! Ovos de verdade
são acrobatas! Um processador de alimentos é o mágico!

Em Circo de Coisas os objetos, que são os artistas circenses do espetáculo, são
humanizados, não por adereços, mas por suas fragilidades, atributos, aflições e
virtudes. Esta humanidade colocada nos objetos, se transforma em engraçados
números de circo: o elemento circense está no que é humano e não, exatamente, no
virtuosismo das acrobacias.

Com um humor delicado Circo das Coisas se relaciona com as crianças, de igual para
igual, sem infantilizar e sem desprezar, a inteligência mobilizadora do imaginário
infantil. O espetáculo se coloca em jogo: desarmado e pronto para provocar e ser
provocado. Um exercício de invenção que segue despretensioso como aqueles
momentos de pura brincadeira quando movidos pela paixão concreta do momento!
Os clowns manipuladores Claudio Saltini e Sandro Gattone se colocam sempre em
risco, sem máscaras, para que o trabalho se torne vivo e pulsante. As emoções dos
seus personagens se misturam com as deles próprios. Essa comunhão é que dá
vitalidade à cena e atraí a atenção do espectador.

A diretora Teka Queiroz propõe um espetáculo para “fazer rir” toda a família, ao
mesmo tempo, em que transporta o espectador sem tirá-lo do lugar. Resgata algo
que não deveríamos ter perdido: a nossa capacidade de imaginar e ver o mundo de
outra forma.

Sobre o Teatro de Objetos

Toda criança brincando atribui novos significados para as coisas. Uma latinha pode
ser o vagão de um trem, um abridor de vinho uma bailarina, uma cadeira uma nave
espacial. As crianças fazem isto natural e espontaneamente. Mas quando crescem e
se tornam adultos, o cotidiano da vida endurece a mente e a capacidade de olhar
para os objetos de um jeito diferente. Há mais ou menos 30 anos algumas
companhias de teatro da Europa tiveram a ideia de criar espetáculos apenas com
objetos. Os objetos não podiam perder suas características originais: se
transformavam em personagens vestidos do jeito que vinham de fabrica! No palco,
as coisas ganhavam novas funções. Os objetos se transformavam em todos os tipos
de personagens através da manipulação dos atores e da própria aparência que estes
objetos possuem. O Teatro de Objetos é uma “poesia dos objetos”. Cada objeto não
é só o que parece ser, ele pode ser muitas coisas, assim como cada um de nós
quando fazemos teatro ou como uma criança quando brinca de faz-de-conta.

Histórico da Companhia
Desde a sua formação, em 2000, a companhia pesquisa o teatro de bonecos, mas,
também mistura bonecos com atores, com mágica e com objetos. O que sustenta as
suas encenações é a possibilidade de criação e recriação de todas as coisas. A
aparente simplicidade dos espetáculos da Cia Circo de Bonecos esconde uma
engrenagem rica e criativa: a capacidade de sem grandes aparatos, sintonizar a
sensibilidade do espectador, seja criança ou não.

2000 – Circus A Nova Tournée. A Cia Circo de Bonecos é fundada por Claudio Saltini
e Teka Queiroz com a remontagem deste espetáculo criado pela Cia A Cidade Muda.
Prêmio APCA de Melhor Espetáculo de Animação.

2003 – Lolo Barnabé. A Cia Circo de Bonecos cria o espetáculo Lolo Barnabé, livre
adaptação do livro de Eva Furnari.

2004 – O Voo – A Viagem de Teco-Teco. Livre adaptação sobre o texto radiofônico
de Bertold Brecht “O Voo sobre o Oceano”. Prêmio APCA de Melhor Produção.

2005 – Inzoonia. Em parceria com Henrique Sitchin e Veronica Gershman. Prêmio
APCA de Melhor Espetáculo de Animação.

2006 – Guarda Zool. A aventura de dois amigos passando um dia na praia. Parceria
com Henrique Sitchin. Prêmio APCA de Melhor Direção

2008 – Circo de Bonecos. Uma sala de visita é transformada por dois amigos num
delicioso circo!

2010 – Circo de Pulgas. Uma história emocionante de uma pulguinha encontrada na
platéia e adestrada para brincar num pequeno picadeiro circense. Prêmio APCA de
Melhor Espetáculo Infantil e Prêmio FEMSA de Melhor Espetáculo Infantil, Melhor
Ator e Melhor Trilha Sonora.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful