Você está na página 1de 19

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

O Embrião Metropolitano: O Poder Público e a Produção do Espaço em Belo Horizonte na década de 1920

MEDEIROS¹, F. G. L.; BORSAGLI², A.

1 Centro Federal de Educação Tecnológica – CEFET-MG; 2 Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC-Minas

RESUMO

Belo Horizonte entre os anos de 1897 e 1920 apresentou um pequeno crescimento urbano, se restringindo a ser uma capital administrativa, com um comercio e serviços pouco atrativos. No pós-guerra a capital passou a receber um fluxo populacional continuo, deixando de ser uma capital exclusivamente administrativa para se tornar um polo de atração dentro de Minas Gerais. O artigo pretende mostrar a importância das obras realizadas pelo Poder Público durante a década de 1920, sendo que grande parte delas foi executada pelo Estado, que interviu na capital durante a segunda metade da década, com interesses específicos. O grande número de registros fotográficos dessa década, assim como as Plantas Cadastrais confeccionadas nesse período permitiu a compreensão do processo de mudança espacial e da paisagem urbana. As obras realizadas permitiram a continuidade da expansão urbana dentro e fora dos limites da Avenida do Contorno, assim como a ocupação dos fundos de vale da capital. As obras desencadearam a primeira grande mudança espacial de Belo horizonte, sendo que muitas dessas intervenções ainda configuram a paisagem urbana na capital mineira.

Palavras chave: Poder Público, expansão urbana, paisagem urbana.

INTRODUÇÃO

Belo Horizonte foi construída para ser um modelo de urbs no infante Brasil

Republicano. Projetada pela equipe do Engenheiro Aarão Reis a Planta da nova capital

apresentava um traçado racional e positivista, em conformidade com o pensamento

vigente na época, sendo que a Planta rompia profundamente com a herança colonial,

ainda viva na sociedade brasileira. A nova capital, edificada em apenas quatro anos

dentro no local indicado pela CCNC arrasou por completo o arraial do Curral del Rey,

fundado no inicio do Século XVIII. Entre 1897 e 1920 a Cidade de Minas

(posteriormente denominada Belo Horizonte) apresentou um pequeno crescimento na

zona urbana compreendida dentro da Avenida do Contorno, projetada para delimitar a

zona urbana, simetricamente projetada com ruas regulares e áreas com funções

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

especificas para a zona suburbana, já destinada a população de menor poder aquisitivo e que apresentava ruas e quarteirões irregulares, além da falta de infra estrutura urbana, diferentemente do que acontecia na zona urbana.

A falta de investimento por parte do Poder Publico atrasou a expansão urbana

nos terrenos compreendidos dentro da Avenida do Contorno, cuja ocupação se limitava a região central, e os bairros Floresta e Funcionários. A arrecadação era pequena e os recursos disponíveis não eram suficientes para a realização das obras necessárias. Essa preocupação com a arrecadação era sentida desde os primeiros anos da nova capital, como se lê nas palavras do prefeito interino Antonio Carlos Ribeiro de Andrada registrou em seu relatório de 1906 que “o futuro de Belo Horizonte está na dependencia completa das industrias que aqui se installem”. Durante vinte anos a capital mineira permaneceu com ares de interior devido aos grandes vazios na zona urbana, fato que

nao fugiu aos olhos de diversos visitantes ilustres que passaram por ela nesse periodo.

A situação em que se via a capital mineira mudaria apenas na década de 20,

década abordada no presente artigo, pois foi ao longo desta que se deu a primeira grande mudança espacial na capital mineira, em parte patrocinado pelo Estado, que tinha

interesses especificos nas intervenções realizadas, além de continuar nomeando os Prefeitos que administravam a capital, fato que já ocorrida desde a extinção da Comissão Construtora da Nova Capital em 1898. Para se compreender as intervenções realizadas em Belo Horizonte na década em questão se fez necessária a analise da primeira Planta confeccionada pela Comissão Construtora da Nova Capital (CCNC) em 1895, assim como a Planta da porção destinada à primeira ocupação feita em 1896. As Plantas confeccionadas em 1920 e 1928 foram imprescindíveis para o presente artigo, pois elas foram confeccionadas em conformidade com as obras que estavam em curso no período abordado além das inúmeras fotografias tiradas ao longo da década, o que permitiu uma melhor compreensão da profunda mudança espacial na qual passava a capital mineira. De acordo com CORREA, 2000, p.26 “o espaço urbano é um reflexo tanto de ações que se realizam no presente como também daquelas que se realizaram no passado e que deixaram suas marcas impressas nas formas espaciais do presente”.

O mesmo Corrêa observa que os agentes formadores do espaço urbano são

responsáveis pelas constantes mudanças que ocorrem na paisagem urbana, pois:

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

A ação destes agentes é complexa, derivando da dinâmica de acumulação de capital, das necessidades mutáveis de reprodução das relações de produção, e dos conflitos de classe que dela emergem. A complexidade da ação dos agentes sociais inclui práticas que levam a um constante processo de reorganização espacial que se faz via incorporação de novas áreas ao espaço urbano, densificação do uso do solo, deterioração de certas áreas, renovação urbana, relocação diferenciada da infra-estrutura e mudança, coercitiva ou não, do conteúdo social e econômico de determinadas áreas da cidade. (CORREA, 1993, p.11)

Essa primeira remodelação da capital patrocinada pelo Poder Público é visível na paisagem urbana de Belo horizonte até os dias atuais. Sua abrangência englobou os serviços de água e esgotos, calçamento e pavimentação de ruas e avenidas, retificação e canalização dos cursos d’água, embelezamento das Praças e demais logradouros públicos etc. Obras de tal magnitude aconteceram apenas na construção da capital entre os anos de 1894 e 1897.

Uma capital a procura do crescimento

Projetada para ser a sede da administração do Estado, Belo Horizonte inicialmente não foi dotada de indústrias nem de outros atrativos que pudessem ser os alicerces da arrecadação municipal. Nas duas primeiras décadas que se sucederam após a sua inauguração, a principal fonte de renda do município era a ínfima arrecadação de impostos de uma cidade que nada tinha de capital, apenas os seus edifícios institucionais lembravam que era ai que se exercia o poder central do Estado. O vazio urbano, como dito anteriormente não passou despercebido pelos ilustres visitantes que visitaram a capital mineira nos seus primeiros anos, como registrou o escritor Tristão de Ataíde em Sedução do Horizonte:

As casas perdidas nas ruas. O silêncio. Bondes. (

colégios. E as ruas vazias, as enormes ruas vazias, pelas quais

passava, ainda, o eco de Nabuco a perguntar a João Pinheiro, quase chegando ao Palácio da Liberdade: Quando começa a cidade? (Apud ARAÚJO, 1997).

) Os grandes

Já Afonso de Taunay deixou registrado que “uma melancólica impressão deixavam aquelas ruas enormemente largas e indefinidamente longas e por calçar, onde as casas separavam verdadeiras distancias”.

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

Belo Horizonte apresentou entre os anos de 1914/1918 um decréscimo

populacional, devido a crise econômica causada pela 1ª guerra Mundial. Sem

investimento e sem população para habitar as terras abrangidas pelo sitio urbano

planejado, mas ainda não construído Belo horizonte parecia fadada ao crescimento

desordenado, como ocorreu com Teresina no Século anterior. E isso iria acontecer se o

Poder Público não tivesse agido de forma enérgica em relação à ocupação das terras

dentro dos limites da Avenida do Contorno.

Somente em 1920 a capital mineira voltaria a apresentar um significativo

crescimento econômico e populacional, o que obrigou o Poder Público a aumentar os

investimentos em diversos setores. No inicio da década a capital ainda era um canteiro

de obras conforme as palavras do Engenheiro João Gomes:

Bello Horizonte é e ainda será por muito tempo uma cidade em construcção e, assim, precisa de recursos mais avultados para que possam ser atacados vários serviços de urgência, todos tendentes ao desenvolvimento da cidade, como a construcção de galeria de esgotos, a ampliação da rede de água, a construcção de mais reservatórios, abertura de novas ruas, calçamento e retificação e canalização de córregos em vários pontos (

Como veremos mais adiante esses serviços foram priorizados pela Prefeitura ao

longo da década e permitiu a expansão para as outras Seções Urbanas, conforme projeto

da CCNC.

O planejamento urbano, crucial para a concretização do Projeto da capital que

nesse período se restringia a região central e os bairros Floresta e Funcionários e a uma

pequena parte do Barro Preto, ocupada em grande parte por operários foi exercido com

uma maior rigorosidade por parte do Poder Público que visava a expansão da malha

urbana dentro dos limites da Avenida do Contorno exatamente nos vales dos córregos

que atravessam a zona urbana. Na primeira metade da década empregou-se um grande

esforço para regularizar e ordenar a construção dos quarteirões e ruas conforme a Planta

da CCNC. Diversas ruas e quarteirões abertos entre 1898 e 1920 não estavam em

conformidade com a Planta, como se lê no relatório do então Chefe da Seção de

Cadastro e futuro Prefeito Octacílio Negrão de Lima:

A cidade de Bello Horizonte, realmente, para ter o traçado da regua e compasso que lhe emprestam – necessita de preservar conservando, o que nos legou a C.C.N.C. – O

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

traçado das ruas construídas, em que se admitte um magnífico parallelismo, vae em alguns casos bem de encontro a tal supposição. Na parte construída da cidade, raro é o cruzamento com 90° e quanto aos alinhamentos, olho nú, como aqui na Av. João Pinheiro, descobrem-se casas para dentro e para fora da rua. (RELATÓRIO, 1922)

Foi concluída no ano de 1920 a nova Planta Cadastral de Belo Horizonte, a

primeira feita desde 1895 e que já estava totalmente desatualizada e ainda usada até essa

época. Essa demora de mais de vinte anos para se fazer uma nova Planta acarretou

sérios problemas no que diz respeito à abertura de ruas e ocupação dos lotes na Zona

Urbana e principalmente na Suburbana aonde os lotes eram maiores. A Comissão

Construtora executou apenas uma parte da Planta da nova capital e na medida em que a

cidade crescesse, as outras Seções Urbanas e Suburbanas que estavam na Planta seriam

construídas. Nesse ínterim o traçado urbano sofreu sucessivas modificações até a sua

finalização em meados dos anos 40.

Um exemplo da falta de critérios na abertura de ruas e quarteirões a cargo do

Poder Público era a Avenida Paraúna, atual Getúlio Vargas. Ela apresentava na década

de 20 no local da antiga Praça Sete (atual Praça ABC) um desnivelamento de cerca de

dois metros entre o passeio a dita praça e a Avenida Afonso Pena. Já a Avenida do

Contorno, Carandaí e parte da Avenida Araguaia foram projetadas para ter cerca de

trinta e cinco metros de largura, mas em 1920 tinham apenas cinco metros de largura

devido à existência ai de um lote irregular “vendido” pela Prefeitura no inicio do

Século. Nesse caso a Planta cadastral foi simplesmente ignorada. Devemos lembrar que

a Avenida do Contorno só foi totalmente regularizada no inicio da década de 40.

A prematura extinção da Comissão Construtora da Nova Capital foi sentida a

partir do momento em que se retomaram os estudos para se realizar um novo cadastro

da cidade. Quando da criação da Seção de Cadastro em 1922 a falta de dados era tão

grande que a Seção resolveu reutilizar os vértices da planta geral da CCNC para

elaborar uma nova planta 1 .

A primeira metade da década também foi marcada pelo inicio da primeira

grande mudança espacial na capital: grande parte das terras das antigas colônias

1 Foi abordada de forma sucinta a criação dessa Seção, de extrema importância para a regularização da capital. Para saber mais sobre os trabalhos da Seção de Cadastro consultar o Relatório de 1922 do Prefeito Flávio Fernandes dos Santos, entre outros relatórios.

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

agrícolas estavam sendo loteadas e vendidas a preços módicos, geralmente assentadas

em locais que não existia a mínima infraestrutura necessária para a ocupação. A

precariedade que existia nas vilas recém criadas é descrita no Relatório do Prefeito

Flavio Fernandes dos Santos em 1922:

Existem outras zonas onde não há esgoto de espécie alguma, apesar de já bastante povoadas. Tive ocasião de ver, nestes poucos dias, latrinas secas e de verificar o simples despejo de fezes na superfície do solo, em ruas onde levamos iluminação publica e agua abundante. Isto diz muito mal de nossa cidade, e está a reclamar providencias urgentes de quem direito.

Já a zona urbana planejada se expandia em direção das vertentes do córrego do

Leitão, área reservada pelo Poder Público para as elites belorizontinas. A criação do

bairro de Lourdes nessa década desencadeou o processo, ainda que lentamente de

mudança das elites, antes concentradas na Rua da Bahia e adjacências para o Lourdes.

Essa mudança tinha como justificativa o afastamento da região central, ou bairro

comercial que já apresentava nessa década um intenso movimento fluxo de pessoas,

antes de uso misto (comercial e residencial). As primeiras residências que ai existiram

foram sendo, aos poucos demolidas ou convertidas em lojas comerciais.

Enquanto as obras eram realizadas lentamente, visto que a concessão de credito

para leva-las adiante havia sido protelada pelo Governo Federal durante a primeira

metade da década, Belo Horizonte havia se tornado o centro convergente das migrações

internas no Estado, recebendo imigrantes de todas as regiões do Estado. Só entre os

anos de 1920 e 1925 a população sofreu um aumento de pouco mais de 50%. O vultoso

empréstimo já havia sido cogitado pelo Prefeito Flavio Fernandes dos Santos em 1924,

mas isso se concretizou na gestão do Prefeito Christiano Machado 1926/30, ao mesmo

tempo em que o Estado intervia em vários setores da capital, visando à melhoria dos

serviços e equipamentos urbanos, ao mesmo tempo em que uma nova Planta Cadastral

era feita (FIGURA 01).

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

Nacional de Geografia Histórica 5 a 10 de novembro de 2012 FIGURA 01 – Planta Cadastral

FIGURA 01 – Planta Cadastral de Belo Horizonte confeccionada em 1928. À direita, separadas pela Avenida Bias Fortes se vê as zonas urbanas reservadas para as elites belorizontinas. Fonte: APM

A intervenção direta do Estado no desenvolvimento urbano da capital

Em 1926 assume a Presidência do Estado Antônio Carlos Ribeiro de Andrada, que então nomeia Christiano Monteiro Machado para administrar a capital. Essa manobra política tinha finalidades especificas: o governador era o potencial candidato para assumir a Presidência da Republica em 1930, visto que Minas Gerais e São Paulo estavam se alternando no controle do Brasil desde o final do Século XIX. Antônio Carlos viu em Belo Horizonte a oportunidade que precisava para se promover, e para isso não poupou esforços nem capital para continuar a expansão e melhoria dos equipamentos e serviços públicos necessários para dar suporte a tal crescimento. Segundo RODRIGUES, 1994, o Estado é o principal agente transformador do espaço urbano. Em seguida aparecem as corporações imobiliárias e os proprietários fundiários que agem de maneira diferenciada. Em muitos locais onde as intervenções tiveram a interferência direta do Poder Público, este foi pressionado pelos grupos

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

sociais que posteriormente explorariam as terras despovoadas, as loteando ou mesmo atuando como agentes especuladores. A intervenção do Estado na administração da capital no período 1926/1930 foi direta sendo que o Estado, com capital próprio e dos empréstimos obtidos junto ao Governo Federal encampou os serviços de transporte publico que careciam de mais carros e de investimentos na expansão das linhas do Bonde para os bairros da zona suburbana. A pavimentação e a abertura de ruas e avenidas nas zonas urbana e suburbana foi contínua na segunda metade da década de 20, sendo que os paralelepípedos de diversas ruas foram retirados para dar lugar ao asfalto. O calçamento retirado foi aproveitado na zona suburbana, em particular nos bairros da zona centro sul para o calçamento de diversas ruas (FIGURAS 02 e 03).

sul para o calçamento de diversas ruas (FIGURAS 02 e 03). FIGURA 02 – Rua São

FIGURA 02 – Rua São Paulo e Córrego do Leitão em 1928. Ao fundo a Avenida Augusto de Lima. Fonte: APM

Os serviços de água e esgotos foram ampliados (FIGURA 04), ao mesmo tempo em que se concluía a captação de água dos cursos d’água da região do Barreiro e de Ibirité.

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

Nacional de Geografia Histórica 5 a 10 de novembro de 2012 FIGURA 03 – Pavimentação da

FIGURA 03 – Pavimentação da Rua Professor Morais e o Córrego do Acaba Mundo recém canalizado. Fonte: APM

e o Córrego do Acaba Mundo recém canalizado. Fonte: APM FIGURA 04 – Caixa de união

FIGURA 04 – Caixa de união dos Emissários de esgotos construídos paralelamente ao córrego do Leitão. Fonte: APM As obras foram registradas em centenas de fotografias tiradas por Gines Gea Ribera e incluídas nos dossiês “Calçamento de Ruas de Bello Horizonte” e no “Aspectos da cidade de Bello Horizonte”, ambos editados pelo Governo. Os dossiês foram usados como propaganda de uma administração séria, que promovia o desenvolvimento urbano em prol da população e da modernidade.

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

A venda de lotes iniciada pela prefeitura no inicio da década no vale do córrego do Leitão destinada a população mais abastada iniciou o processo de mudança da população inicialmente estabelecida na região central, em particular a Rua da Bahia e funcionários, locais prioritários e que receberam desde a construção da capital grande parte dos equipamentos urbanos como saneamento, luz elétrica etc. As elites passariam, a partir dessa década a ocupar em larga escala o bairro de Lourdes. As obras tinham objetivos claros: regularizar a zona urbana para proporcionar a expansão da capital segundo o projeto de Aarão Reis. As imagens registradas no período não mostram, mas os operários e a população de baixa renda, antes locados no Barro Preto em uma vila operaria foram sendo “empurrados” aos poucos para fora da zona urbana. À medida que as obras se expandiam eles eram relocados para diversas áreas na zona suburbana como o “pasto da Prefeitura” e terrenos na Lagoinha destinados para esse fim. Propositalmente Aarão Reis havia concebido o projeto da nova capital sem apresentar uma área especifica para os operários e antigos moradores do Curral del Rey expulsos do arraial no decorrer das obras. Na década de 20 eles foram sendo então “empurrados” para fora da zona urbana, na verdade a população pobre iria permanecer na zona urbana apenas no local onde hoje está a Assembleia, sendo expulsa nas duas décadas seguintes com a venda de lotes para a criação do bairro Santo Agostinho. Data dessa década e a construção de um dos ícones da arquitetura de Belo Horizonte: A Ponte Melo Viana, depois denominada Viaduto de Santa Tereza (FIGURA 05). Os estudos começaram em 1924, pois:

Tornou-se inevitável esta obra, visto a ponte metallica existente no local estar deslocada para a margem esquerda cerca de seis metros de sua verdadeira posição em relação ao canal, não permittindo prosseguir-se no revestimento das margens daquelle Ribeirão. (RELATÓRIO, 1924)

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

Nacional de Geografia Histórica 5 a 10 de novembro de 2012 FIGURA 05 – Construção do

FIGURA 05 – Construção do Viaduto de Santa Tereza. Fonte: APM As obras tiveram inicio em 1926 financiada pelo Governo e os serviços ficaram por conta da EFCB. O viaduto era estratégico para a ligação da área central com os bairros Floresta e Santa Tereza, uma das áreas que mais se expandia na Zona Suburbana. Como lemos na citação acima a antiga ponte metálica era um entrave para a canalização do Arrudas, paralisada exatamente no local da antiga ponte. A construção da nova ponte possibilitou a canalização e a continuação da Avenida do Canal, como veremos mais adiante. Projetada pelo Arquiteto Emílio Baumgart em estilo Art-Déco ela foi inaugurada em 1929. Foi realizado nessa década o aterramento da Rua da Bahia entre Antônio de Albuquerque e Emboabas. Parte do terreno que ai existia, projetado pela Comissão Construtora para ser o Jardim Zoológico e que nos anos 20 não passava de uma “barroca” foi então transformado em Parque denominado Santo Antônio. O Córrego do Mendonça que nascia na Encosta do Ilídio e atravessava a área do Parque nas proximidades da Garganta do Ilídio foi então canalizado e o seu antigo leito aterrado para a regularização dos quarteirões do bairro de Lourdes, extremamente importante para a Prefeitura devido ao seu alto valor econômico. Estudado desde o inicio da década, em fins de 1927 resolve se abrir uma avenida sanitária ao longo do Córrego Lagoinha para facilitar a implantação da rede de esgotos de todo o local. A área desapropriada para tal finalidade ia da Avenida do Contorno a Rua Formiga.

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

Os córregos que atravessavam a Zona Urbana de Belo Horizonte, ignorados pela CCNC quando da confecção da Planta da capital 2 tornaram-se, a partir dessa década um entrave ao constante avanço territorial dentro dos limites da Avenida do Contorno.

A retificação 3 e canalização dos córregos compreendidos dentro da zona urbana

passaram a ser uma das prioridades do Poder Público para que se pudesse dar continuidade à expansão urbana. Essas medidas visavam adequar os cursos d’água ao crescimento urbano, pois a canalização possibilitaria a abertura das vias projetadas e a construção e ocupação dos quarteirões. Era uma medida que permitia a continuidade da expansão da malha urbana, mas que traria sérias consequências para a população da capital. As canalizações

também visavam resolver o problema das enchentes que ocorriam com frequência na capital. Naquela época acreditava-se que ao canalizar um curso d’água solucionaria o problema das enchentes, desbarrancamentos etc. Atualmente sabe-se que a canalização

atenua

problema.

A canalização e retificação do Córrego do Leitão foram empreendidas na segunda metade da década de 20, ao mesmo tempo em que eram instalados os emissários de esgotos em sua margem direita. A canalização, como no Acaba Mundo visava proporcionar a urbanização e ocupação na porção de terras localizadas no vale do Leitão, faixa reservada pelo Poder Público para a expansão urbana das classes mais

abastadas. Inicialmente o seu curso foi retificado para as ruas Tupis, Padre Belchior, rua esta que não existia no projeto original da capital e Rua São Paulo até o cruzamento com a Rua Alvarenga Peixoto.

A sua canalização (FIGURA 06) permitiu a expansão urbana e a melhoria da

comunicação viária entre o Barro Preto e o Calafate com a região central cujo único acesso se dava por uma precária ponte que existiu na Rua dos Tamoios. Sobre o vale do Leitão, área prioritária de expansão urbana o Prefeito Flavio Fernandes dos Santos escreveu em 1925 que “com a venda dos lotes na bacia do córrego do Leitão, e conseqüente construção de prédios, a Prefeitura tem procedido à abertura de diversas

mas

não

resolve

esse

2 Os córregos que atravessam a zona urbana de Belo Horizonte foram retificados de acordo com as ruas que seguiam mais ou menos paralelamente à sua calha. Inseridos na paisagem urbana da capital, posteriormente foram convertidos em rede de esgotos e cobertos, com a finalidade do alargamento das vias. 3 Retificar um curso d’água é promover a mudança de seu traçado com o intuito de melhorar o escoamento das águas além de possibilitar, no caso dos centros urbanos a ocupação das terras cortadas pela calha natural do curso d’água.

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

ruas e vai prosseguir com intensidade de trabalhos de terraplenagem, desde a Avenida Cristóvão Colombo (atual Bias Fortes) e Rua Espírito Santo até a Avenida São Francisco (atual Olegário Maciel)”.

até a Avenida São Francisco (atual Olegário Maciel) ”. FIGURA 06 – Canalização do Córrego do

FIGURA 06 – Canalização do Córrego do Leitão na Rua São Paulo. Ao fundo parte do bairro de Lourdes. Fonte: APM Para possibilitar a urbanização e a continuidade do crescimento da malha urbana teve inicio em 1925 a retificação e a canalização aberta do córrego do Acaba Mundo entre a Avenida do Contorno e o Parque Municipal, na sua foz no Ribeirão Arrudas (FIGURA 07). As suas águas foram desviadas para um novo canal construído na Rua Professor Morais e Avenida Afonso Pena (FIGURA 08) e suas águas continuaram a alimentar os lagos do Parque Municipal. O seu antigo leito foi aterrado com o material retirado do Morro do Cruzeiro (Praça Milton Campos), obra realizada ao mesmo tempo das canalizações. Com o aterramento do antigo leito tornou-se possível a construção e urbanização de treze quarteirões compreendidos no bairro Funcionários e adjacências segundo a Planta Geral da capital.

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

Nacional de Geografia Histórica 5 a 10 de novembro de 2012 FIGURA 07 – Canalização do

FIGURA 07 – Canalização do Córrego do Acaba Mundo na Avenida Afonso Pena. Fonte: APM

Córrego do Acaba Mundo na Avenida Afonso Pena. Fonte: APM FIGURA 08 – Retificação e canalização

FIGURA 08 – Retificação e canalização do Ribeirão Arrudas na região central. À direita o aterramento que permitiu a abertura da Avenida dos Andradas. Fonte: APM Em 1925 Belo Horizonte ultrapassou a marca de 80.00 habitantes. Esse aumento refletiu por toda a cidade no que diz respeito ao aumento de construções. Na FIGURA 09 se pode ver o numero de construções realizadas entre os anos de 1924 e 1928. A zona suburbana apresentou um crescimento de cerca de 250% entre os anos de 26 e 27. Já o crescimento da zona urbana teve um pequeno acréscimo no período. Já nas ex- colônias o crescimento foi sensivelmente maior entre os anos de 1924 e 1927 e em 1928 apresentou um aumento de cerca de 50%, em grande parte devido aos novos

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

loteamentos que deram origens as vilas. Daí pode-se concluir que a malha urbana de Belo Horizonte não cresceu do centro para a periferia e sim da periferia para o centro, pois enquanto a zona suburbana se expandia cada vez mais para a periferia, agregando em pouco tempo as vilas a zona urbana ainda apresentava imensos vazios, como ilhas em meio à massa de casas e ruas já estabelecidas.

Na segunda metade da década as subdivisões de grandes terrenos, geralmente sítios ou fazendas que faziam parte do cinturão verde de Belo Horizonte se tornou um problema para a Municipalidade. Os proprietários aproveitavam-se das lacunas que existiam na legislação vigente na época e iam criando as Vilas, muitas delas tão distantes do centro da capital que só receberam os serviços de água, luz e transportes muitos anos mais tarde. Só no ano de 1928 foram aprovadas 47 subdivisões, criando no total 1.156 quarteirões e cerca de 14.900 lotes 4 . Sobre isso o engenheiro Jefferson Baleeiro escreveu em 1927 que as áreas subdivididas para a formação das Vilas eram quatro vezes maiores do que as divisões nas áreas urbana e suburbana. A cidade se dispersava ao invés de se concentrar exclusivamente nas imediações da Zona Urbana.

concentrar exclusivamente nas imediações da Zona Urbana. FIGURA 09 – Construções autorizadas pela Prefeitura

FIGURA 09 – Construções autorizadas pela Prefeitura entre os anos de 1924/1928 na capital. Fonte APCBH Relatório do Prefeito Christiano Monteiro Machado, 1928.

4 Extraído do Relatório do Prefeito Christiano Monteiro Machado de 1928.

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

As Vilas se tornaram atraentes e disputadas, principalmente pela população de baixa renda devido ao baixo custo para aquisição dos lotes. Essas vilas agregadas ao plano da capital contribuíram para o aumento do perímetro urbano ainda na década de 20. Podemos citar as Vilas Santa Terezinha, Santos Dumont e Esplanada como exemplo de vilas surgidas nesse período. O aumento populacional foi um dos motivos das dezenas de aprovações de loteamentos pela Prefeitura entre os anos de 1925/1928. Os loteamentos, em sua maioria foram criados na zona oeste da capital, o que acabou de consolidar o crescimento que se verificava desde a década passada nessa zona da capital. Vários desses loteamentos aprovados não dispunham dos equipamentos urbanos necessários para proporcionar a ocupação dos lotes já vendidos. As reclamações por parte dos moradores eram constantes, visto que grande parte das vilas recém criadas não dispunham nem de água e luz, além de careceram de transporte publico, que nesse período se restringia ao bairro Carlos Prates.

Considerações Finais

A nova capital de Minas Gerais, pensada e concebida no alvorecer da Republica foi desenhada nos meios políticos como uma cidade moderna, saneada, que oferecesse plenas condições para o desenvolvimento urbano, industrial e populacional. Durante duas décadas, devido a falta de recursos e mesmo de população Belo Horizonte era vista como uma capital puramente administrativa, sem atrativos para seduzir e incentivar a migração, importantíssima para a continuidade do seu desenvolvimento e assim se consolidar como uma metrópole de âmbito nacional. As obras iniciadas na primeira metade da década de 20 se espalharam por toda a capital no período 1926/1930 devido aos vultosos investimentos por parte do Estado, que as utilizou como propaganda governamental. Centenas de fotos foram feitas e reunidas em duas publicações, importantíssimas para se compreender toda a mudança espacial que ocorreu na capital. Belo Horizonte chegaria aos 100.000 habitantes no final da década de 20, consolidando-se como um polo de atração no Estado. Restrita ate o inicio da década como uma cidade administrativa ela passou a oferecer também um comercio forte e a

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

prestação de serviços, que abriria caminho para uma acanhada industrialização na década seguinte, ao longo do vale do Ribeirão Arrudas. As formas da paisagem urbana são diversas e, segundo SANTOS, 1998, “é a materialização de um instante da sociedade”. Na paisagem urbana de Belo Horizonte as obras realizadas na década de 1920 e abordadas nesse artigo foram extremamente importantes para a expansão urbana que se acentuaria ao longo das décadas posteriores. As intervenções feitas pelo Poder Público possibilitou o crescimento industrial da capital, ao se determinar um local específico para tal. E possibilitou a abertura das vias arteriais que viria a consolidar a expansão urbana para o norte e oeste da capital mineira. As benfeitorias urbanas realizadas nesse período, em grande parte ainda estão presentes na paisagem urbana de Belo Horizonte, mesmo que muitas delas se encontram sob as vias públicas. Pontes, edifícios, pavimentações construídos e realizados nessa década ainda se fazem presente na paisagem e no tecido urbano da capital, sendo muitas vezes comtemplados como ícones de um período em que se priorizou o desenvolvimento urbano e o embelezamento de algumas regiões específicas de Belo Horizonte (FIGURA 10).

algumas regiões específicas de Belo Horizonte (FIGURA 10). FIGURA 10 – Praça Rui Barbosa na região

FIGURA 10 – Praça Rui Barbosa na região central de Belo Horizonte. O embelezamento da Praça e a nova iluminação foram algumas das obras patrocinadas pelo Estado, com a finalidade de melhorar a imagem da capital mineira para o visitante que desembarcava pela Estação Central, em segundo plano. Fonte: APM

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

Referencias Bibliográficas

Acervos Documentais

APCBH – ARQUIVO PÚBLICO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE. APM – ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO. Fundo Olegário Maciel. MHAB – MUSEU HISTÓRICO ABÍLIO BARRETO

Livros, teses, fontes digitais e impressas

BARRETO, Abílio. Belo Horizonte, memória histórica e descritiva; história média. v.2. Belo Horizonte: FJP/ Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1996.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. Mensagem apresentada pelo prefeito Antonio Carlos Ribeiro de Andrada ao Conselho Deliberativo de Bello Horizonte em 1906 e relatórios anexos. Belo Horizonte: Imprensa Official do Estado, 1906.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. Mensagem apresentada pelo prefeito Affonso Vaz de Melo ao Conselho Deliberativo de Bello Horizonte em 1920 e relatórios anexos. Belo Horizonte: Imprensa Official do Estado, 1920.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. Mensagem apresentada pelo prefeito Flavio Fernandes dos Santos ao Conselho Deliberativo de Bello Horizonte em 1922/1923 e relatórios anexos. Belo Horizonte: Imprensa Official do Estado, 1923.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. Mensagem apresentada pelo prefeito Chistiano Monteiro Machado ao Conselho Deliberativo de Bello Horizonte em 1926 e relatórios anexos. Belo Horizonte: Imprensa Official do Estado, 1926.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. Mensagem apresentada pelo prefeito Chistiano Monteiro Machado ao Conselho Deliberativo de Bello Horizonte em 1928 e relatórios anexos. Belo Horizonte: Imprensa Official do Estado, 1928.

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012

BORSAGLI, A. Os anos 1920; A Primeira Remodelação do Espaço Urbano. Em: < http://www.curraldelrey.com/ >. Acesso em: 25 Julho 2012.

CORREA, Roberto Lobato. O Espaço Urbano. São Paulo: Editora Ática, 4ª edição.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO/Centro de Estudos Históricos e Culturais, Sedução do Horizonte, Laís Correa de Araújo (org.); Belo Horizonte, 1997.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO/Centro de Estudos Históricos e Culturais, Saneamento Básico de Belo Horizonte: trajetória em 100 anos – os serviços de água e esgoto, Belo Horizonte, 1997.

RODRIGUES, A. M. Moradia nas Cidades Brasileiras. 5.ed., São Paulo, Contexto,

1994

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico

I Encontro Nacional de Geografia Histórica

5 a 10 de novembro de 2012