Você está na página 1de 5

TOM

Nº 70030236665
2009/CÍVEL

EXECUÇÃO DE SENTENÇA. FAZENDA PÚBLICA.


RITO PRÓPRIO DO ART. 730 DO CPC. MULTA
DIÁRIA. DESCABIMENTO.
I – As modificações introduzidas pela Lei nº
11.232/05 não revogaram as disposições aplicáveis
à Fazenda Pública, cujo procedimento quanto ao
cumprimento da sentença continua sendo aquele
previsto no art. 730 do CPC.
II – É ineficaz a fixação de multa diária contra o
Estado do Rio Grande do Sul na hipótese de
descumprimento de decisão judicial.
AGRAVO PROVIDO

AGRAVO DE INSTRUMENTO TERCEIRA CÂMARA ESPECIAL


CÍVEL
Nº 70030236665 COMARCA DE SÃO BORJA

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO AGRAVANTE


ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVANTE

MARINHO MONTENEGRO AGRAVADO

ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos os autos.
Acordam os Desembargadores integrantes da Terceira Câmara
Especial Cível do Tribunal de Justiça do Estado, à unanimidade, em DAR
PROVIMENTO ao agravo de instrumento.
Custas na forma da lei.
Participaram do julgamento, além do signatário, os eminentes
Senhores DES. EDUARDO DELGADO (PRESIDENTE) E DES. ALMIR
PORTO DA ROCHA FILHO.
Porto Alegre, 18 de agosto de 2009.

DES. TÚLIO DE OLIVEIRA MARTINS,


Relator.

1
TOM
Nº 70030236665
2009/CÍVEL

RELATÓRIO
DES. TÚLIO DE OLIVEIRA MARTINS (RELATOR)
Trata-se de agravo de instrumento interposto pelo ESTADO
DO RIO GRANDE DO SUL E INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO
DO RIO GRANDE DO SUL contra decisão que nos autos de execução se
sentença movida por MARINHO MONTENEGRO assim dispôs:

“Vistos.
Com base no ofício-circular nº 159/06-CGJ, determino
a intimação pessoal do Presidente do IPERGS para
que cumpra o determinado em sentença, devendo
restituir os valores descontados a título de
contribuição previdenciária à parte autora, no prazo de
48 horas, sob pena de multa diária de R$ 100,00 até o
limite de R$ 5.000,00, VEDADA a compensação com
índices de leis posteriores, bem como remeta a este
Juízo os cálculos com os descontos previdenciários
realizados, mês a mês, a fim de se apurar o valor
devido pelo Estado.
Com a resposta, vista ao autor.
Diligências legais”.

Sustentou o recorrente que a execução de título judicial contra


a Fazenda Pública deve seguir o rito próprio, previsto no art. 730, do CPC.
Asseverou ser inviável a fixação de multa diária contra a Fazenda Pública.
Na hipótese de ser mantida a multa, requereu a sua redução. Pugnou pelo
recebimento do recurso em ambos os efeitos e, no mérito, pelo seu
provimento.
O recurso foi distribuído originariamente ao Desembargador
Paulo de Tarso Vieira Sanseverino, o qual declinou da competência para
este Relator.
Restou deferido o efeito suspensivo ao recurso.
O prazo para o oferecimento das contra-razões transcorreu in
albis.

2
TOM
Nº 70030236665
2009/CÍVEL

O Ministério Público opinou pelo provimento do agravo de


instrumento.
Foi o relatório.

VOTOS
DES. TÚLIO DE OLIVEIRA MARTINS (RELATOR)
Merece provimento o agravo de instrumento.
Inaplica-se ao caso em exame o disposto no art. 475-J do
CPC, tendo em vista que as execuções contra a Fazenda Pública possuem
rito próprio, previsto nos arts. 730 e seguintes do CPC.
Ademais, os pagamentos devidos pelo Estado devem obedecer
à ordem cronológica de apresentação dos precatórios, nos termos do art.
100 da Constituição Federal, razão pela qual não é cabível a determinação
para pagamento no prazo de 48 horas, sob pena de multa, conforme
determinado no despacho.
Relativamente a fixação de multa diária, também merece
acolhimento o recurso.
Ocorre que a aplicação de astreinte por descumprimento, ou
cumprimento retardado da ordem judicial, quando figura como destinatário
pessoa jurídica de direito público, acarreta consideráveis custos, a serem
suportados pela sociedade, incompatíveis com os benefícios almejados pela
aplicação da pena pecuniária.
Cumpre salientar, que é possível a aplicação de multa contra o
Estado, uma vez que há jurisprudência pelo cabimento. Porém, entendo ser
ineficaz a sua aplicação, ressaltando que o disposto no § 4º do art. 461, do
CPC, é mera faculdade concedida ao juiz.
Nesse sentido:

“EXECUÇÃO DE SENTENÇA - IMPLEMENTAÇÃO


DOS REAJUSTES PREVISTOS NA LEI Nº 10.395/95
- MULTA PELO DESCUMPRIMENTO DA DECISÃO
JUDICIAL - INVIABILIDADE POR SE TRATAR DE
3
TOM
Nº 70030236665
2009/CÍVEL

PRETENSÃO DE SANÇÃO PECUNIÁRIA CONTRA O


ESTADO E QUE ONERARÁ O CONTRIBUINTE SEM
RESULTADO PRÁTICO COMO INSTRUMENTO DE
PRESSÃO AO CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO -
EXISTÊNCIA DE MECANISMOS DE ORDEM PENAL
E ADMINISTRATIVA CONTRA A AUTORIDADE QUE
DEIXAR DE ADOTAR AS PROVIDÊNCIAS
DETERMINADAS NO ATO JUDICIAL QUE SE
MOSTRAM MAIS EFICAZES DO QUE A APLICAÇÃO
DA MULTA PLEITEADA – REAJUSTES
CONCEDIDOS PELA LEI ESTADUAL Nº 11.005/97 –
MATÉRIA NÃO AVENTADA NO PROCESSO DE
CONHECIMENTO – APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA
FIDELIDADE AO TÍTULO. Agravo provido em parte”.
(Agravo de Instrumento Nº 70017576034, Quarta
Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator:
João Carlos Branco Cardoso, Julgado em 31/01/2007)

“AGRAVO DE INSTRUMENTO. SERVIDOR


PÚBLICO. EXECUÇÃO DE SENTENÇA. LEI N.
10.395/95. ... MULTA DIÁRIA AFASTADA. AGRAVO
PROVIDO”. (Agravo de Instrumento Nº 70017575929,
Terceira Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS,
Relator: Rogério Gesta Leal, Julgado em 21/12/2006)
“AGRAVO DE INSTRUMENTO. EXECUÇÃO DE
TÍTULO JUDICIAL. PEDIDO DE IMPLANTAÇÃO EM
FOLHA DE PAGAMENTO DOS REAJUSTES DA LC
Nº. 10.395/95. ... MULTA DIÁRIA. ... Multa diária que
se mostra desnecessária para o caso concreto. Além
da mandamentalidade própria da determinação, os
fatos não induzem a necessidade da cominação da
vergastada multa diária. DECISÃO PARCIALMENTE
REFORMADA. AGRAVO EM PARTE PROVIDO”.
(Agravo de Instrumento Nº 70015730187, Terceira
Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator:
Paulo de Tarso Vieira Sanseverino, Julgado em
17/08/2006)

Ante o exposto, DOU PROVIMENTO ao agravo de


instrumento.
Foi o voto.

DES. EDUARDO DELGADO (PRESIDENTE) - De acordo.


DES. ALMIR PORTO DA ROCHA FILHO - De acordo.

4
TOM
Nº 70030236665
2009/CÍVEL

DES. EDUARDO DELGADO - Presidente - Agravo de Instrumento nº


70030236665, Comarca de São Borja: "DERAM PROVIMENTO AO
AGRAVO DE INSTRUMENTO. UNÂNIME ."

Julgador(a) de 1º Grau: DR EDUARDO KRAEMER