Você está na página 1de 100
JEAN-CLAUDE CARRIERE \ LINGUAGEM SECRET A cy \ Tiel origina Tar Shee Lancs or at © 19949 Random Howse Esta tadugo fol pallid median acon com Pantheon Books dive cs Random Howse I Dircizos de edgio da obra em lingua portuguesa no ral adgutidos pel EpsTons Nowa Fsow tua S.A Todos direitos eserrados. Nenu parte desta obra pole ser aprpriads extocada em items de bane {Be dado os proceno sue, em qulguer forma os imei, seju letra, de ftocpa, grave te ean permissi do detentor do copia Enichorsreci BorroRA Nova FROSTEIRASA, Ra Bambina, 25 Bolg Ricde nei RJ -Brast “Ted: 21) 2131-1111 Fax: (21) 2547-2659 hep nonaeontia come mall sa(@novafonteira com.be 51-050 iPsrasi Catalogagao-n- forte Sindcsio Nacional dos Elitores de Livos, CMAL Carriere jan. Caude ’A ngage seeets do cinema J Jen Glande Cartiore ¢ tradugio de Fernando ‘Albugie Benjamin Albugh Led. especial. Ri de anceo: Nova Frome, 2006 (40 Anos 40 Livros) ‘radio de: The secret language of ln ISBN 85-209-1850-1 1. Cinema ~ Filosofia, 2 Linguagem ineratogete.LTial. cpp 791.4301 cDU T9143 Sumario ~ A linguagem secreta do cinema: um depoimento Fernando Albage Beniamin Albagl 1 Introdugio 15. Algumas palavras sobre uma linguagem J Aealidade em fuga 5 Anatomia do tempo >) Oroteira evaneseente boy Aparas S> A mévoa de imagens A linguagem secreta do cinema: um depoimento Fernando Albaglie Benjamin Albagli autonomia e interdependéncia, sua insergdo entre a artes € as cultura, suainteragio no mundo cotidiano, seus modos de expor fede cultar, 0 que mais nos alegrou, 3 medida que avangsvamos «em nosso prazeroso trabalho, foi aconstatacio de como o cinema pode ser analisido sob diversos pontos de vista, descartandovse a Tigider metodologca e a ortodona ideologica, recusando-se toda « qualquer redusio esta, fzendo-se frente is onipresentes rentativas de homogencizagao, de normatizagio, de rendigio a fonaulas aos clichés, [As fantastcas parcerias entre Carriere e cineastas como Luis Busuel (a mais fundamental de todas, sem sombra de duvida), Milos Forman, Volker Schlindorf, Andrzej Wajda, Peter Brook nize outras, lembrava-nos, a todo momento, dos filmes que viramos juntos ou separados, em memorivels © disputadas -maratonasretrospectivas na Cinemateca doMAML nascharmosis ce discreta tardes no Museu da Imagem e do Som, em iniimeros cineclubese festivals, em casas de amigo, sessoes matinas para 3. Ao indas do processo de tradusao,tamos nos dando conta de como a nossa rela de pai efilho havi sido marcada, acompanhada, comentada, luminada €enriguecida elas imagens cinematogeficas. Era como se 0 Intenso interesse em comm pela chamada “sécima arte” nos tivesse aproximado ainda mas, a imprensae interminaveis noite de bogeia cinematogr Tengo das ida e tornando-nos parcetos, companheiros de viagem, prontos 4 ‘compattilhar sentimentos eideias que os filmes nos despertavar, Pais para o autor de A linguagem seccta do cinema, os flmes nao ‘existem soal, na tela no instante de sua projesao. les se mesclam de ver © mundo, consolidam aetos, esreitam lagos tecer curmplicidades. is nossas vidas, influem na nossa man [No principio, era 0 pailevando o filho pela mio, guiando 0 seu ‘otha, apresentando com jubiloos seus forogramas mais preciosos: ‘os samurais de Kurosawa, o desempregado de Ladroes de bicicleta, © adorivel vagabundo de Charles Chaplin, o parcxismo comico de Jerry Lewis, a leveza migica dos musics, a misteriosa © fasciname odisséia de 2001; e, depois, um pouco mais adiante: 0 choque poitco-esttico de Encourasado Potemkin, a inquictasao visioniia (to dispar!) de Welles, Hitchcock, Glauber, Godard, a poesia melancolica de Fellini, 0 mundo suntuoso de Visconti, as ardentesalegorias de Pasolini, a subversio absoluta de formas © valores de Bunuel. da adolescenca,chegow o momento do flho de, vex por outa chamar a arengao do pai sobre algum filme visto, algum ‘A par aor, algum livro,algum detalhe, alguma quest20 ou algum angulo, cstabelecendo, desse modo, um dislogo que desde entto aunca ‘mais se interrompeu. Dos dribles na censura etiria da década de 1970 — que incluiam a procura de silas de exibigio menos severas com a ‘comprovasio da idade e a maguiagem em catteirinhas escolares| — até colaborasio profssional nos anos 1980-90. a relasio, de pai flho sempre teve, em algum ponto, a mediasao das 8 (reves Canasene imagens cinematogrfieas, Ao wnirmos esforgos para trade. the A lnquagem secrete do cinema, este veo unico, inelastic eristaline,delicioso © dh 10, nis dois, Fernand © Benjamin, chegamios um poco mais perwo de compreendermos toda & dimensio dessa amorosa tajetoria de cinema evi. ened Introdugao Mundial, os administradores colons franceses fre