15_metalica121_jul.qx:Layout 1 18.06.

16 16:42 Page 6

ARTIGO TÉCNICO

Foto: Divulgação Grupo Clavijo
Parque Solar Curbans, na França: fazenda de energia com capacidade para gerar 33MW

O aço e a energia
fotovoltaica no Brasil
RUBENS AMARAL atual matriz de geração elétrica no geração de energia, ao menos 1,5 vez o per-
AA&P
Consultoria Ltda
A Brasil, em números gerais, conta com centual de crescimento do PIB. Essa relação é
Curitiba (PR)
uma potência instalada da ordem de 140GW, ainda maior se for considerada a composição
para atender a uma demanda média em torno da matriz de geração atual, em sua maior
de 90GWh. Este suprimento esteve e está parte de origem hidroelétrica, algo que não se
muito ajustado à demanda, ainda que nestes repetirá no futuro em função da exaustão dos
últimos anos o crescimento médio do país aproveitamentos hídricos (hoje já se admitem
tenha sido muito modesto e até negativo. Em projetos tipo “fio d’água”, como é o caso de
alguns momentos, o temor dos “apagões” se Belo Monte e outros). Como se sabe, a gera-
tornou real, como já ocorrido no passado. ção efetiva em relação à potência nominal
(instalada) da matriz hídrica é maior do que a
Isso significa, grosso modo, que o país preci- de fontes chamadas limpas (eólicas e solares).
sa de 1,5GW de potência instalada para aten- Daí a proporção de crescimento da potência
der a cada 1,0GWh médio de consumo. instalada ser ainda maior do que a que se
Considerando ser comprovada a relação dire- verifica nos dias atuais.
ta entre a demanda de energia elétrica e o
crescimento do PIB, nas mesmas proporções, Há, em todo o planeta, a preocupação com
o país necessitará adicionar anualmente, na os efeitos da degradação do meio ambiente e

6 | Construção Metálica | julho 2016
15_metalica121_jul.qx:Layout 1 18.06.16 16:42 Page 7
Foto: Divulgação Grupo Clavijo

por isso a geração de energia “limpa” tem específicas, como é o caso da incidência da
sido foco de governos e organizações TUST e/ou TUSD (Taxa de Utilização do
ambientais. O Brasil, além da necessidade de Sistema de Transmissão e/ou Distribuição).
atender à demanda, segue essa tendência
mundial, buscando o incremento de sua Eficiência solar
matriz também com gerações limpas. Os pri-
meiros passos nesse sentido se deram em A eficiência na transformação da energia
2007, com a introdução das geradoras de ori- recebida do sol é de aproximadamente 18%
gem eólica, e recentemente, em 2014, com a nas geradoras com módulos instalados em
introdução da matriz solar fotovoltaica, que é estruturas fixas; mas sobe para até 29% nos
de mais rápida implantação, sem grandes módulos instalados em seguidores solares ou
interferências no meio ambiente, de fácil trackers de um eixo horizontal. Os trackers
manutenção e com custos de operação muito fazem com que os módulos acompanhem a
baixos. trajetória do sol ao longo do dia, de Leste
para Oeste, aumentando a exposição ortogo-
Leilões de energia fotovoltaica nal de exposição em relação aos raios sola-
res. São totalmente automatizados e utilizam,
O primeiro leilão de compra de energia foto- nos softwares de controle, dados astrofísicos
voltaica se deu no final de 2013, em e sensores de luz e velocidade de vento, entre
Pernambuco, por iniciativa do governo esta- outros recursos.
dual. Tal iniciativa não teve o sucesso espera-
do, mas serviu para o aprendizado e a provo- Os suportes dos módulos (placas) fotovoltai-
cação dos agentes públicos e privados para a cos podem ser do tipo fixos e móveis (segui-
busca do entendimento do problema. dores solares ou trackers). No caso do Brasil,
com as melhores áreas de incidência dos
Em 2014, a ANEEL (Agência Nacional de raios solares localizadas em baixas latitudes
Energia Elétrica) lançou o primeiro Leilão de (até 25°S), e seguindo a tendência mundial,
Energia de Reserva, o 1º LER/2014. Surpreen- de 85% a 90% dos projetos devem optar por
dentemente, nesta ocasião, o mercado se estruturas móveis (seguidores solares de 1
mostrou muito receptivo e preparado para os eixo horizontal – 1 horizontal axis tracker),
novos desafios. O cadastramento de projetos que utilizam cerca de 75kg/Wp de aço em
foi além das expectativas e o governo com- forma de perfis, tubos e outras peças compos-
prou energia futura a uma tarifa média bem tas em suas estruturas. As estruturas fixas uti-
abaixo do teto indicado (deságio), demons- lizam cerca de 50kg/Wp. Ambas devem ser
trando que os investidores estavam confiantes galvanizadas e cobertas por garantia de, no
e ávidos por participarem desse novo negó- mínimo, 20 anos.
cio. As concessões somaram quase 900MW
(praticamente 1,0GWp) de geração, que
deverão começar a ser entregues ao ONS
(Operador Nacional do Sistema Elétrico) a
partir de outubro de 2017. Por que suportes móveis?
Em 2015, a ANEEL realizou mais dois leilões: A adoção de trackers de 1 eixo horizontal
1º LER/2015, para entrega de energia a partir no Brasil se justifica pelas baixas latitudes dos
de agosto/2017 (A-2), e 2º LER/2015, para melhores locais quanto à incidência do sol.
entrega a partir de outubro/2018 (A-3). As O ângulo de inclinação do sol no verão e no
quantidades compradas foram muito próxi- inverno é pequeno. Em latitudes maiores, em
mas às do 1º LER/2014, ou seja, praticamen- que esse ângulo é mais acentuado, justifica-se
te 1,0GWp cada. Os projetos foram divididos a adoção de trackers com dois eixos, buscando
em lotes de 20MW a 30MW cada, alguns sempre a maior exposição dos módulos aos raios
reunindo vários deles num só local para solares. Quanto mais próximo da ortogonalidade
melhor usufruir de alguns benefícios reduto- dessa incidência maior a eficiência de conversão
res dos custos da geração por força de regras dessa energia em energia elétrica.

julho 2016 | Construção Metálica | 7
15_metalica121_jul.qx:Layout 1 18.06.16 16:42 Page 8

Estruturas de suporte Presença do aço ligadas ao financiamento dos seus projetos,
de painéis solares do mas que já mostra sinais de que deve rever
tipo tracker em fase
final de montagem
Considerando-se a demanda por energia esta postura e iniciar a aquisição das peças
limpa e os leilões realizados, projeta-se que de aço no mercado nacional. Tal investidor
até outubro de 2018 haverá uma demanda venceu algo como 30% das concessões dos
de praticamente 200.000t de aço, principal- três leilões LER realizados.
mente de chapas, só para atender às conces-
sões já definidas, sem considerar a demanda A ANEEL já anunciou mais dois leilões LER em
pulverizada na Geração Distribuída (GD). É 2016: junho (A-2) e outubro (A-3) próximos,
um volume que a indústria nacional tem para início da entrega de energia previsto para
perfeitas condições de produzir e transfor- junho/2018 e julho/2019, respectivamente.
mar no período, especialmente nestes dias Embora não se saiba o volume de “compra”
de baixa atividade do segmento. Desconte- que o governo vá adotar, supõe-se que sejam
se parte deste volume, cerca de 10%, que novos 2GW, se mantido o ritmo dos três leilões
está sendo importada neste momento pelo anteriores, significando demanda de aproxi-
maior investidor, por força de conveniências madamente mais 140.000t de aço.

CONSUMO DE AÇO (x1000t)

8 | Construção Metálica | julho 2016
15_metalica121_jul.qx:Layout 1 18.06.16 16:42 Page 9

Foto: Divulgação Grupo Clavijo
O gráfico da página anterior mostra a previ- nacionalização nos fornecimentos do proje-
são de consumo aproximado de aço entre to total (CAPEX). Esta regra está impactando
julho/2016 e junho/2019. fortemente no início da implantação dos
projetos, por força da ausência de fornece-
A maioria dos projetos dos parques geradores dores nacionais suficientes dos módulos
(acima de 5MW) ora em desenvolvimento, solares (placas). Este item impacta em apro-
objetos dos leilões LER, está nas mãos de ximadamente 45% do CAPEX e, se forem
investidores internacionais, profundos conhe- importados, impossibilitam o cumprimento
cedores do setor, com investimentos em da regra citada. Isso sem contar com as difi-
diversos países e que acreditam no potencial culdades do BNDES com relação a recursos
brasileiro para este negócio. As tecnologias para estes e outros financiamentos. Mas há
das estruturas de aço a serem utilizadas, tam- que se esperar por solução e pelo início das
bém nas mãos de desenvolvedores e fornece- implantações dos projetos.
dores internacionais, estão maduras e podem
ser rápida e perfeitamente adaptadas às con- Com uma ou outra solução, o fato é que essa
dições do país. Isso já está ocorrendo com matriz energética vai necessitar de aço para
iniciativas de joint ventures e acordos de sua implementação, seja para atendimento
transferências dessas tecnologias. dos parques solares dos leilões LER, seja para
as unidades pequenas e médias da GD. É
Algumas empresas nacionais se anteciparam uma perspectiva positiva para a indústria do
e já encontraram parceiros para o atendi- setor, sem sombra de dúvidas.
mento da demanda local, incluindo o cadas-
tro e o financiamento dos trackers via
BNDES/Finame. É o caso da Brafer e do
Grupo Clavijo, da Espanha, que desde janei-
ro deste ano mantêm acordo formal de
sociedade voltada ao fornecimento de estru-
O que é Geração Distribuída (GD)
turas fixas e trackers.
A GD conta com legislação específica e contempla
Os projetos, em sua maioria, contam em as unidades geradoras de pequeno porte, de até
seus estudos de viabilidade econômico- 5MW. Em geral, são implantadas em pequenos
financeira com financiamento oriundo do espaços (residências, condomínios, indústrias etc.)
BNDES – programas ligados à infraestrutura para atender ao consumo próprio do investidor
– exceto os poucos financiados por fontes sem, no entanto, dispensar o suprimento público.
internacionais. As regras do BNDES, no A maioria dessas unidades também necessita de aço,
entanto, exigem um mínimo de 60% de sendo expressiva essa potencial demanda.

julho 2016 | Construção Metálica | 9

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful