Você está na página 1de 16
ans2017 tpssfemaiimarketing locaweb,com belaccaurs/94290'messagee/A¥7e= 1494555058 aso nao esteja visualizando, acesse 0 preview aqui, Brasil — Quem FISCALIZA 0 USO de ‘Arma de Uso Restrito é hitpsilipt scribd com/document’348106036/Brasil- (Quem-FISCALIZA-o-USO-de-Arma-de-Uso- i fe Restrito Estamos, ompiricamente, tentando _efetuar ‘EXERCITO BRASILEIRO avaliagées, sobre 0, concreto, envolvimento, ou, “tala” de envolvimento, ‘das Autoridades Institucionais, —cuja._Atribuigao, Responsabilidade, soja a FISCALIZAGAO do Produtos Controlados (R-105), conforme 0 DECRETON" 3.665, DE 20 DE NOVEMBRO DE € 2000, uma vez que, REFLETE a concreta, z AMORALIDADE, consistente, e persistente, I fos quatros Poderes Institucionals da “Repiiblica_de Bananas", presidida por um : *Golpista Zé NINGUEM’, alicercada por um “Congreso Golpista llegitimo’, abencoada por um “Judiciério que Persegue, ° Proto; MARINHADO BRASIL —_-FoRGA AEREA BRASILEIRA Polticamente’, fiscalizada por um "Ministerio Piblico Cego'de um Olho, © Surdo de um Ouvido" (por atuar em uma tnica diregdo), raz80 pela qual, o Brasil, se ransformou, apenas e tio somente, em um, "NADA", que af esta, 0 que rplica que @ Sociedade Brasileira é PREJUDICADA, _@ ENVERGONHADA, jariamente, de tal forma, ser possivel, mesmo que injustamente, alcunhé-la como uma Sociedade de ignorantes, © uma Sociedade de Alionados, uma Sociedade de Bérbaros, quiga Infelizmente, sou obrigado, mais uma vez, a escrever sobre a, concreta, AMORALIDADE, existento, consistente, @ persistente, nos quatros Poderes Institucionais da *Repiblica de Bananas’, presidida por um "Golpista Zé NINGUEM", alicercada por um *Congresso Golpista llegitimo’, abengoada por um “Judicfario quo Persegue, © Protege, Politicamente’, fiscalizada por um “Ministério Pablico Cego de um Otho, e Surdo de um Ouvido" (por atuar em uma tinica direg&o), raz8o pela qual, 0 Brasil, & transformou, apenas e to somente, em um, "NADA’, que ai esta, o que explica quo a Sociedade Brasileira 6 PREJUDICADA, ¢ ENVERGONHADA, diariamente, de tal forma, ser possivel, mesmo que injustamente, alcunhé-la, como uma Sociedade de Ignorantes, e uma Sociedade de Alfenados, uma Sociedade de Barbaros, quica uma Sociedade de Crudis © ato, concreio, mais recente, que, em meu emplice eniendimenio, esta felacionado ‘a Individues, como por exemple, 0S IRRESPONSAVEIS pela FISCALIZACAO da posse, do manuseio, de aramas de “uso restrito”, sem o necessério arcabouco, Moral, Etico, e Profiesional, para serem reconhecidos como Pessoa, estao, © continuarao, despudoradamente, banalizando,o uso deturpado, em obscura conveniéneia, compativel a ‘pequenez humana’, do Dirsito Constituido, © das instituigdes Democraticas, pois, assim procedendo, tentam, colocar, apenas e to Somento, que, 2 possivel, o necessiria, busca e apreonsdo, de armas de uso restrito (erclisne ou néo} pelas Forgas Armades, om especial o Exércto Brasov, ceve sot hitpssfemalmarketinglocaweb com brlaccounts/@4290mossagos!437e we aosa0r7 atps:femaimarketing locaweb. com be/acceurts/94290'massages/437c= 454555058 reconneciao como uma banal agao pollcial Outro fato, concreto, ndo to recente, @ ainda em curso, da tendéncia do ‘Supremo Tribunal Federal de ndo s6 DEScaracterizar a HEDIONDEZ da ‘posse de Drogas llicitas', mas também, de DEScriminalizar a ‘posse de Drogas llicitas’, em {cial contraposi¢éo a0 DETERMINADO pela Constitui¢ao da Republica Federativa do Brasil, promuigada em 1988, bem como, reconhecendo que doenca, nao tratada, ou intratével, pode, e deve, eximir 0 paciente de qualquer Responsabilidade Criminal, quando entao, apenas © tao somente, esta se colaborando para o SUCESSO do Narcotratico, onde a Distribui¢do, e a Venda de Drogas Iicitas, concretamente, abastece o Narcotrafcante com VULTOSAS somas de Dinheiro, que representa a REAL BASE de seu, efetivo, PODER Isto @ agravado pelo falo, concrelo, néo to recente, e ainda em curso, da tendéncia do Supremo Tribunal Federal de MINIMIZAR a Importéncia, ¢ relevancia, de “MULAS' e “CORREIOS’, utlizados por narcotraficantes, a0 DEScaracterizar as respectivas HEDIONDEZ, como 0 DETERMINADO pela Constituicdo da Republica Federativa do Brasil, promulgada em 1988, uma vez que, 20 eximir 0 paciente de ‘qualquer Responsabilidade Criminal, pela perpetracéo de tas procedimentos, apenas € to somente, esta se colaborando para 0 SUCESSO do narcotrético, onde a Distribuigao, © a Venda de Drogas llicitas, concretamente, abastece o Narcotraficante com VULTOSAS somas de Dinheiro, que representa a REAL BASE de seu, efetivo, PODER, Razo pela qual reapresento o documento *Peti¢do Amicus Curiae - STF - Boa Prética - Bandido Género Feminino’, onde estamos contestando, 0 entendimento restritivo do Supremo Tribunal Federal, entre outras coisas, quanto ao fato de insistir em IGNORAR, que @ Constituicéo de Republica Federativa do Brasil, promulgada em 1988, DETERMINA, ainda HOJE, que Trafico de entorpecentes e drogas afins, deve ser EQUIPARADO, a Crime Hediondo, portanto, ¢ pura aberracao jurisdicional que uma Lei Ordindria de 2006 possa subverter 0 DETERMINADO pela Constituicéo de Republica Federativa do Brasil, principalmente, quando se afrma que “correias’, ou “mulas’, no apresentam um perfil definquencial tipico por nao possuirem “papel relevante’, principalmente, porque 68% das mulheres presas esto envolvidas com 0 Wwafico. Afinal, como entender, e aceitar, que "executores® do tralico de entorpecentes ou drogas afins, no tenham “papel relevante’, apenas © tio somente, por serem “Mutheres", quando estas fungdes, estéo relacionadas diretamente a nevessidade de descentralizar 0 transporte das substancias, de tal forma, ficar dificil a qualquer aparetho repressor, cua localizacao, © apreensao. ‘ups scribd. com/do«/317001926/Pctican-Amicus-Curiac-STE-Bos-Pratca-Bandido-Gencro= Feminino Tais, situagses, vem ao fongo dos tempos, permitido, por exemplo, que os “morros cariocas’ se transformassem em ‘verdadeiros PAIOIS de Armamento Sofisticado’, origem primeira de ‘balas perdidas’, onde © aliciamento de Criancas e Adolescentes, & uma realidade resuitante do PODER do narcotraficante que possui VOLUMES EXORBITANTES de dinheiro disponivel, aplcaveis em sua propria conveniéncia, ‘Algo, que de forma inquestionavel, de forma irrefutével, nos permite afirmar, sem edo de errar, que a “bala perdida’, é uma realidade Brasileira, comum, atemporal, a territorial, relacionada em sua quase totalidade a0 Poder do narcotrético, no caso, caracterizado pela qualidade de armamentos de “uso restrito” que dispée, sem qualquer FISCALIZACAO coerente, plausivel, e necessaria, excecdo feita aos poucos, enfrentamentos com Policiais Militares, ou mesmo grupos de criminosos Logo, pelo menos no Brasil, a “bala perdida’, que vitima mais que alguns conflitos bélicos internacionais, tem sua origem na HIPOCRISIA de uma FISCALIZACAO ficiente quando 0 Cidadao é de BEM, tem sua origem na HIPOCRISIA de uma FISCALIZACAO ineficiente quando 0 Cidadéo ¢ criminoso, tem sua origem na certeza de que “posse de droga’ esia relacionado, nica e exclusivamente, a doenca de um vicio, tem sua origem na certeza de que “MULA’ & “CORREIO' sao 0 artificios de sobrevivéncia de algumas Mulheres, sem qualquer impacto Social. 0 que levianamente é colocado como Responsabilidade, nica e exclusiva, das Policias Militares, que segundo a propria Legislacdo, so apenas e to somente, hitpssfemallmerketinglocaweb com braccouns/84200m essagos!432e= 494665058 ane ‘2082017 pssemsaiimarkating ocaweb com belacotrt4290!messagse7e= 494555058 COLABORADORES da FISCALIZACAO, que é de Responsabilidade das Forcas Armadas, em especial do Exército Brasileiro, contorme o DECRETO N° 3.665, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2000, que dé nova rada¢ao ao Regulamento para a Fiscalizacao de Produtos Controlados (R-108). Afinal, a lamentavel fuga, em massa, de narcotraficantes, portando armamento de “uso restrito”, quando da “tomada’ do complexo do Alemao pelo Exército Brasileiro, apenas © t40 somente, colocou, de forma CLARA, @ RICA, que o Responsavel pela Fiscalizacao de Armas de “Uso Restrito” é INEFICAZ, € INCAPAZ, © principalmente, NAO EXERGA sua Responsabilidade, ¢ sua Atribuicao, Institucional, portanto, se existe alguma Institui¢ao Democratica que ‘ficou MUNDIALMENTE DESMORALIZADA naquela oportunidade, esta pode, e deve, ser reconhecida como Exército Brasileiro. RealMENTE, a “Republica de Bananas’, onde 0 “CAOS" é Moral, & Etico, e, é Profissional, nos apresenta, em meu empirico entendimento, a “certeza” da existéncia de Autoridades Institucionais, em também meu empirico ‘entendimento, Levianas, fica-nos, quase impossivel, admitir, que, algum dia, poderemos nos firmar, e afirmar, como uma Sociedade Livre, Justa e Fraterna, o que nos obriga a reafirmar Ruy Barbosa de Oliveira, 0 Aguia de Haia Portanto, reafirmando Ruy Barbosa de Oliveira, o Aguia de Haia, apenas e tao somente, posso dizer: "TENHO VI IMA DE MIM https:/www.youtube.com/watch?v=Lo1 gPVskp5E Texto de Cleide Canton e Ruy Barbosa por Rolando Boldrim. Pelo exposto, reapresento o Apresento o documento © “STF é transformado em Esgoto @ Céu Aberto”, hitps:/ipt.scribd.com/document/340093352/STF-e-Transformado-Em-Esgoto-a- Ceu-Aberto , onde estamos, empiricamente, tentando efetuar avaliagdes, sobre a “efetivagao do do sr. alexandre de moraes, no papel de “politico inescrupuloso”, como Ministro do Supremo Tribunal Federal, em mesma sinonia da posura de sr. gilmar mendes. Afinal, a Instituigéo Democrdtica Supremo Tribunal Federal, em seu site oficial, na pagina “A Constitui¢éo e 0 Supremo’, nos assegura, a certeza, de que nao basta o Poder Institucional decidir, é imperioso que seja Legitimo, Justo, e Legal, uma vez que, consta: http://www. st jus.br/portal/constituicao/sumariobd.asp. "Ninguém é obrigado a cumprir ordem ilegal, ou a ela se submeter, ainda que emanada de autoridade judicial. Mais: é dever de cidadania opor-se a ordem ilegal; caso contrario, nega-se o Estado de Direito." (HC 73.454, Rel. Min. Mauricio Corréa, julgamento em 22-4-96, 2° Turma, DJ de 7-6-96) “Separagéo dos poderes. Possibilidade de anélise de ato do Poder Executivo pelo Poder Judiciério. (...) Cabe ao Poder Judiciério a anélise da legalidade e constitucionalidade dos atos dos trés Poderes constitucionais, e, em vislumbrando mécula no ato impugnado, afastar a sua aplicacao.” (Al 640.272-AgR, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 2-10-09, 1* Turma, DJ de 31-10-07). No mesmo sentido: Al 746.260-AgR, Rel. Min. Carmen Lucia, julgamento em 9-6-09, 1® Turma, DJE de 7-8-09 “Devem ser postos em relevo os valores que norteiam a Constitui¢ao e que devem servir de orientacao para a correta interpretacéo e aplicagao das normas constitucionais ¢ apreciagao da subsungao, ou nao, da Lei n, 8.89/94 a elas. Vale, assim, uma palavra, ainda que brevissima, ao Preambulo da Constituicéo, no qual se contém a explicitacao dos valores que dominam a obra constitucional de 1988 (...). Nao apenas o Estado havera de ser convocado para formular as politicas publicas que podem conduzir ao bem-estar, a igualdade e a justica, mas a sociedade haverd de se organizar segundo aqueles valores, a fim de que se firme como uma comunidade fraterna, pluralista e sem preconceitos (...). E, referindo-se, expressamente, ao Predmbulo da Constituigao brasileira de 1988, escolia José Afonso da Silva que ‘O Estado Democratico de Direito destina-se a assegurar 0 exercicio de determinados valores supremos. ‘Assegurar’, tem, no contexto, fun¢ao de garantia dogmético-constitucional; nao, porém, de garantia dos valores abstratamente considerados, mas do seu ‘exercicio’. Este signo desempenha, ai, fungao pragmatica, porque, com o objetivo de ‘assegurar’, tem 0 efeito imediato' de brescrever ao Estado uma acdo em favor da efetiva realizacéo dos ditos valores em direcao hnipeviemalimerketing|ecaweb. com brlaccoxnts/04200meseages!432c="494555058 ane ans2017 cS Contsudo espectiia’(..). Na esteira destes valores supremos explicitados no Preambulo da Constituigao brasileira de 1988 é que se afirma, nas nonmas constitucionais vigentes, 0 principio juridico da solidariedade.” (AD 2.649, voto da Min. Carmen Lucia, julgamento em 8-5-08, Plendrio, DJE de 17-10-08) como também, os principios da ‘Seguranga (inclusa a Juridica), da Liberdade, da Justica, da Iqualdade, que, efetivamente, Rermitréo @ Consirao de uma Sociedade Livre, Justa ¢ Fratema. (Pinio Marcos Morera da Rocha} “Enquanto os direitos de primeira gera¢ao (direitos civis e politicos) — que compreendem as liberdades classicas, negativas ou formais — realgam o principio da liberdade e os direitos, de segunda geragao (direitos econémicos, sociais e culturais) — que se identifica com as liberdades positivas, reais ou concretas — acentuam o principio da igualdade, os direitos de terceira geracao, que materializam poderes de titularidade coletiva atribuidos genericamente a todas as formagées sociais, consagram o principio da solidariedade e ‘constituem um momento importante no processo de desenvolvimento, expansdo ¢ reconhecimento dos direitos humanos, caracterizados, enquanto valores fundamentais indisponiveis, nota de uma essencial inexauribilidade.” (MS 22.164, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 30-10-1995, Plenario, DJ de 17-11-1995.) “O principio da isonomia, que se reveste de auto-aplicabilidade, néo é — enquanto postulado fundamental de nossa ordem politico-juridica — suscetivel de regulamentagao ou de ‘complementagdo normativa. Esse principio — cuja observancia vincula, incondicionalmente, todas as manifestacdes do Poder Publico ~ deve ser considerado, em sua precipua fungéo de obstar discriminagées © de extinguir privilégios (RDA 85/114), sob duplo aspecto: (a) 0 da iqualdade na lei; e (b) 0 da igualdade perante a lei. A igualdade na lei - que opera numa fase de generalidade puramente abstrata — constitui exigéncia destinada a0 legislador que, no processo de sua formagao, nela nao poderd incluir fatores de discriminagao, responsdveis pela ruptura da ordem isonmica. A igualdade perante a lel, contudo, pressupondo lei ja elaborada, traduz imposicéo destinada aos demais poderes estatais, que, na aplicagao da norma legal, ndo poderéo subordiné-la a critérios que ensejem tratamento seletivo ou discriminatério. A eventual inobservancia desse postulado pelo legislador imporé ao ato estatal por ele elaborado e produzido a eiva de inconstitucionalidade.” (MI 58, Rel. p/ 0 ac. Min. Celso de Mello, julgamento em 14-12-1990, Plendrio, DJ de 19-4-1991 ) Atenciosamente, Dr. Plinio Marcos Moreira da Rocha “Colando” (copiando) Grau_de Doutor, com Doutorado em Direito de “Merda” (inexistente), em Estabelecimento de “Merda" (inexistente), reconhecido pelo Ministério de Estado da Educagao de "Merda" (que TUDO assiste, duplo sentido), de um Estado de Direito de “Merda” (que TUDO permite), conforme o documento “Resposta a Sérgio Rodas de um Cinquentao com Indole de Jovem’, onde estamos utilizando do direito de resposta, face a tendenciosa, e'achincalhada, “avaliacao" do documento “Peticéo como Amicus curiae’, feita, e publicada, pelo "repérter’ Sérgio Rodas da Revista Consultor Juridico. https://pt.scribd .com/doc/282176485/Resposta-a-Sergio-Rodas-de-Um- Cinquentao-Com-Indole-de-Jovem http:/Awww.conjur.com br/2015-set-16/cinquentao-indole-jovem-participar- julgamento-stf https://pt.scribd.com/document/142382500/Porque-Sou-Doutor-Em-Direito- de-Merda Rua Gustavo Sampaio n°112 apto. 603 — LEME — Rio de Janeiro — RJ CEP ~ 22.010-010 Tel. (Res) 2542-7710 Tel. (Cel) 9 8618-3350 Penso, nao sé Existo, Me Fago PRESENTE Um Cinquentao com indole de um Jovem revoluciondrio apaixonado por TUDO que se envolve, por isso, tem a Despreocupacdo Responsdvel em Inipeviemalimerketing|acaweb.com braccoxnts/0A200messages!432c=494555058 a6 ans2017 tps:femaimarketing locaweb,com belaccaurs/94290'messagee/A¥7e= 1494555068 MUVAK Loncentos e valores. A Despreocupagao Responsavel em MUDAR Conceitos e Valores La leggerezza responsabile di MODIFICARE Concetti e Valori Die Nachlassige verantwortlich zu andern Konzepte und Werte Descuidos a la Responsable de CAMBIAR conceptos y valores De onzorgvuldige Verantwoordelijke VERANDERING van concepten en Waarden The Responsible Easiness in CHANGING Concepts and Values Le négligent responsable de changement Concepts et valeurs “Jaa! aly pail pt lay pal Si teak a ore fac AE Analista. de Sistemas, presumivelmente unico Cidadao Brasileiro COMUM, que mesmo née tendo nivel superior completo (interrompi o Curso de Executivo, com o primeiro semestre completo em 1977), portanto, nao sendo Advogado, nem Bacharél, nem Estudante de Direito, teve suas prdaticas inscritas nas 6%, e 7%, edigdes do Prémio INNOVARE, ambas calcadas no CAOS JURIDICO que tem como premissa 0 PURO FAZER DE CONTAS, reconhecidas, e DEFERIDAS pelo Conselho Julgador, conforme o documento INNOVARE Um Brasileiro COMUM No Meio Juridico Il. http://pt.scribd.com/doc/46900172/INNOVARE-Um-Brasileiro-COMUM-No- Meio-Juridico-II Peagatsfeguentes -DFPC ON LINE Inipatmcpc eb nine php peng frequents BRASIL Sorioos Bara GovBr (pin (rTeneeasw couse ACESSIILOADE (HIDEX PHPIACESSIBLIOADE) Busearno poral a Porgutas toques Vr pppoe rogues) Logoioto Vindoxprptegiakae2) =enaros (index premossios de docurertcs) Noucas pinup ob md brindxanpulires nts) Espaea CAC @igse peo ie!) Contato (indxppeorato) PAcina mica NDEX PHP» PERI FREQUENTES = MENU Perguntas frequentes (/index.php /perguntas-frequentes) Pbtade Out, 1e Ago de 0s 000 Unesco en ines Gy Typo hnipeviemalimerketing!acaweb.com braccoxnts/0A200meaeages!432e= "494555058 56 aosa0r7 tpssfemaiimarketing locaweb,com belaccaursi94290'messagee/4¥7e= 1494555058 1.0 que & 2 orre> A tc UISS PSRSISULGRZSRENBESIZA 9 producdo © o camércio de material bélico, prevista no inciso ‘Vido at 21 da Constituicao Federal, © SESS EOIERSEIGIERSSIRNS. Essa fiscaizacao est’ amparada pelo DDecraton* 24.602, de 05 de jlho de 1824, racepzionado como Lei pola Constiuicaa da Republica Fedecativa os Estados Unidos do Brasil de 1034 Arles da expedico desse Decroto, 0 Exérct ja exercia a avdade de fiscalizagao de Produtos Contolads, atraves do" Servco da Importacao e do Despacho de amas, muricoes,explsivose ec" a cargo do ents Ministerio da Guerre, que, postrionmente,recebeu a denominaco de “Servico de Fiscalizacao da lmpestacto, Depesito © Transport de Armas, Munigces, Explosives, Produtos Quimicos Agrassivos e Matérias-Primas CCorelatas (SFIDT) des ornsr017 15:28 Perot fequetes -DFPC ON LINE Inupstnwwdf chine pp peg re quenes © exercico da fiscalizacao abrange as mais varioda Wvidades, ais come: fabricagao, mportacSo,exportagd, desombaracoaliandogaro, comercialzacdo e afego, cade uma delas adequadas ao interesse que o produto ‘dospecta, Em vitudo da comploxidad, dversidade das avidades e rsponsabildades decorrantes, ol ada @ Diretoria de Fiscalzacao de Produtos Contolados (DFPC), com sede em Brastia, subordinada 20 nto DDopartamonto de Material Bdico, consoante o disposto ro Decreto Prosidencal n’ 87.738, de 20 de outubxo de 11982. Essa Diretoria nascou da fusso da Assessora Técnica do Departamorto de Material Bic (DME) © da ‘Sagao do Fiscalizacdo, importag30, Doposito © Trfogo de Produtos Conirolados (SFIDT/OMB), [A Drctaria de Fisalizacao de Produtos Cortrolados - DFPC, apos sua criagdo, ceniaizu as acoes do Sistema {e FiscalizacBo, niciando seu funcionamento como Organizao Nita independente no primeira dia do més de ‘marco do ano de 1983, conforme tornou publco © BUDME r* 38, daquele ano. ‘Acsrutura da fiscalizacSo veio se aprimorando com o passar dos anos & hoje tem um esrutura funcional ataizada © adequade, executando com desenvoltua os encargos do ordom técnica e burocraie, por mot do ‘suas secoes interna edo trabalho harmoniaso das Regides Mitares, executado pelo Servico de Fiscalzacao o Produtos Contoiados (SFPCIRID, a quom cabo contoartenicae funconalmonta 0s rabalhosrealizados pla Rede Regional composta pelos Servigas de Fiscalizacéo de Produtos Conrolados de Unidad ‘Admiisrativa (SFPCIUA), de Delegacias de Serico Millar (SFPCIDel Si), de Postos de Fiscaizacan (PFPC) ¢ de Fatvicas Cui que possuam fiscais mltares (SEPC/FC). Atualmonte a norma em vigor, que estabeloce ods (0s procedimentos para que sejam exercidasatvdades com pradutos contolados,¢ 0 Decreto n° 3.685, de 20, enovembra de 2000 (htpinvnuplanalo. gov becvl 4e Produtos ContoladosIR-105) sldecretold3685 hu) (Regulamento para a Fiscalizacao Miss Do Exercto 2: itera o Sistema do Mobiiza; 30 do Extrcto(SIMOBE), pari;pando dos stvidades do esto, planejamento, prepara ‘© execucao da mebitzaca 2. Mantra Chia do. OL.0g nada sobre a stuagso do quaker star de rodugto de rodeos certo de MEM 4 Proporaatalizagan da rela dos prodtosconrlatos oda lag do MEME 5. Orion, coorenarecoroar a salza;a0 do Metra do Emprego Mltar QUEM), da gestao do COLOG, dstnedo a ‘xpanagae quan os aspctes de producto, conte da quabdade © erage do materi a se exponado, emitindo patecr sole aconveneni, ou nao da expotag30; a FEC 2. Mantra Chia do COLOG hicrmaca Sabie a stuacto de qualquer Solr de proaucso de prods contoados e de ews 53. Ofna, cordon @ contrlarafiscalzacdo de maa do enprego miltar MEM), do gestio do COLOG, dstinogo 3 ‘xpanacoe quanto 0s aspcts de proaucao, controle da quabade © ereroae do mata a str expanado,aninds| hitpssfemallmerketinglocaweb com braccouns/@4200m essagos!432o= 494665058 ans. aosa0r7 pafecar sob a convenianci, cu nao da expataeae: 4 Propo’ a atuninagse da rele ds produos cantolodes 6 daelato de MEN Integer o Sistema de Mobiizaco do Exérto (SIMOBE),pariipando dos tidades de estat, plreamesto,peporo ‘eexocurae da mobiizagan 2des orns017 15:28 Peat equines - DPPC ON LINE Inupsfowsdfpe