Você está na página 1de 46

Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos

Filiada a WORLD FEDERATION OF TH E DEAF

LíNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

,/
/-

AUTOR: ANTÔNIO CAMPOS DE ABREU


Prefácio do Autor

Participei da história cultural da Língua de Sinais como ex-aluno do Instituto Nacional de Educação
de Surdos, no RIo de Janeiro, durante mmha fase escolar naquela Instituição educacional. A
participação da qual relato teve muitos colaboradores surdos, mas ainda não havia naquela época
qualquer material sobre o tema devido a proibição da Língua de Sinais que foi desencadeada
durante cem anos de escravidão para os surdos brasileiros. Havia, entretanto, um livro que tinha sido
escrito pelo Sr. Tobias Leite, em 1868, tradução de um livro francês sobre métodos para ensinar
surdos e mudos. Aluno Flausino José da Gama, em 1875.

A sigla LIBRAS foi assim entitulada devido a discussões entre um pequeno grupo de surdos da qual
eu fazia parte. Ana Regina de Souza Campello, Fernando de Miranda Valverde e eu conversamos
muito a este respeito e chegamos à conclusão de que a melhor alternativa para definir a língua que
os surdos brasileiros utilizam era colocá-Ia de acordo com os padrões internacionais que regem as
nomenclaturas de Línguas de Sinais. Então ficaria Língua Brasileira de Sinais, a qual vem sendo
divulgada há dez anos através de cursos e materiais diversos.

A Língua de Sinais tem suas características próprias e não pode ser comparada a qualquer língua
oral , visto que são de modalidades diferentes. Seu vocabulário é rico e vivo. As expressões faciais e
corporais enriquecem , ainda mais, a comunicação através da Língua de Sinais. Há, ainda, a
presença dos classificadores, os usos tautológicos, as expressões regionais e outras lingüisticas,
como em qualquer outra língua. Ela é utilizada predominantemente dentro das Associações de
Surdos de todo o Brasil e tem ganhado espaço dentro da sociedade em geral.

o funcionamento da Língua de Sinais depende de sua divulgação entre surdos e não pode ser
inventado por profissionais ou intérpretes em suas atuações variadas. A riqueza cultural está
justamente aqui, quando na necessidade comunicativa os nativos de determinada língua ampliam
seu vocabulário de acordo com suas necessidades básicas.

Em pesquisas realizadas por mim em inúmeros Estados do Brasil , percebi que é a Associação de
Surdos a principal responsável pela divulgação e riqueza da Língua de Sinais. Ocorrem , entretanto.
influências religiosas e de ouvintes nos acréscimos que a Língua de Sinais ( no caso um ouvinte)
não poderá interferir linguisticamente na Língua de Sinais utilizada pelos surdos.

Enfim, continuo nesta luta em prol da Língua Brasileira de Sinais no sentido de favorecer a
ampliação do conhecimento desta na sociedade em geral e de eliminar o "MURO" que separa surdos
e ouvintes.

MUITO OBRIGADO!

Antõnio Campos de Abreu


APRESENTAÇÃO

A FENEIS APRESENTA MAIS UM TRABALHO EM PROL DA COMUNIDADE


SURDA BRASILEIRA.

TRATA-SE DE UM IMPORTANTE LIVRO CONTENDO O VOCABULÁRIO


SINALIZADO DE ACORDO COM A LíNGUA BRASILEIRA DE SINAIS.

É UMA OPORTUNIDADE IMPAR DE APRENDIZAGEM PARA AMPLIAR A


COMUNICAÇÃO ENTRE PESSOAS SURDAS E OUVINTES.
ALFABETO MANUAL

B c ç

~J K L
- @
M

~.
S T U v

Accenls

03
) \ J) z

'1P
MÃE

MULHER

PAI

HOMEM

AVÔ AVÓ

AVO
04
PASSADO
COSTUME

~'<~'
~{~;:S'-< ' ."
I \ o • • '. lo " ..,,-_ ., ... . -.
,.C.
1.1=1
I \ I - '~
, " ,' v >.: .', .j.;? ...' ,.. ... (---' ,
~ \1 . l .. , ... \ - ~
• ,
\' '.' \. ';' . • r .( , I

. ,,'. ,,-' / ' .. ...:· · .-.i


. _.\ ~~....: ."-4
, \.-::("7:
-,- ', ,. •,11" . .)0.. . . ', ..\\ ).~ _-... .j
~I <'~ ~ -,ê ,t\: ,':'.1
t\rt
'-lÁ v~_··,/ ' I -
1 1 ........ .)._ ; I ç;-
TARDE .,
r" ' .
, ( .... '"
,,' ., ..
,\,J.........
~ " '"' I
.i \
.
,
,
I t 1

NUNCA

NOITE

SEMPRE

05
.'

MORRER
OFENDER

-:::::.--- /

VIVER DIVULGAR

ADMIRAR
COMEÇAR

06
VELHO CASA

ESTUDAR

NOVO

,()~
r'o~'~'~
,
7\
'oi

(
, oy.. .
\ ......
,..1.'..;.r<,
" / (

., .,..
l. ~··:· ...,
, "

BANHEIRO PROFESSOR

07
~ 1\

GUARDAR
I
.\
MATAR

NAMORAR
DIVORCIAR

MANDAR NASCER

08
-
J:J ;A~
00 0

~
. '.:-
!
,~
j~
j

,,
• o ....
\,

NENÉM

MENINO

'f~l- " ,--

JOVEM

FAMíLIA

A\ ~ \\

\\fi\
,,
/

PARABÉNS
AMIGO

09
FILHA
FILHO

) ",
IRMÃ l\f0)~.

IRMÃO

CASADO CASADA

2~

~
10
DEPRESSA SEGREDO

,r..
. "
,:...,;
...",-""
~r.\ ......
: fí., " " ;;.;.. ..1
" ~V ).;1\ ;.
, 'r'I
.
.;:

PAZ.

OUTRA VEZ

SAUDADE
COMO

11
PROBLEMA

RAIVA

\
CERTO
LEMBRAR

..
\
\

ERRADO

CONFUSÃO

12
AVIÃO

MOTOCICLETA

BARCO
BICICLETA

POLICIAL
CARRO

13
ARARA

RATO

MORDER
PASSARINHO

PEIXE

GALINHA

14
BOBO

TEMPO

I DENTE

MUNDO

RÁDIO
íNDIO

15
CORAÇÃO

BOM

FRIO

CARTA

PACIÊNCIA

16
Ji
t

,
\ ,
~'r- j CARNAVAL

ESTRELA

~6-.,~ .:~';; , ~ -
'''':
, --

PRIMEIRA VEZ

LUA

SOL
DIFERENTE

17
(

COMPRAR

AÇÚCAR

CALOR

VINHO

J}

11 \\,

~\ft
~ ?/ ~'l rJ

FRIO
DEITAR

18
GARFO
QUEIJO

I
COLHER
MACACO

FACA
COZINHAR

19
BRASIL
TELEFONE

VASSOURA
ACORDAR

~
~ ''.~' .'
TOMAR BANHO
,
, -
...
\'

GOSTAR
20
.

,/ \\
(j;0
7.
SAL

NATAL

OVO

MORANGO

DOCE

CARNE

21
IMITAR/COPIAR ENCONTRAR

,\

1I
ESPERAR

RÁPIDO

;,. ~
" .,
. ...• - ' (
.
..... . \..~
. .'\ '"
..
\

.
\. \
" , .; ~

PROIBIR ;~.<
...
NÃO GOSTAR

22
1

RIR

AÇOUGUEIRO

/
I _ ---4

CHORAR
ASSUSTADO

,~J
.. /,

••

RESOLVER
DOR

23
BEIJAR
ELE

~
.. '
EU , ,

MEU/MINHA

VOC Ê

SEU / SUA

24
PRESO

FEBRE

CINEMA

SADIO

r
BANCO
HOTEL

25
/
/

ENSINAR
/ MÉDICO

FARMÁCIA
APRENDER

DOENTE

ENFERMEIRA

26
"

POBRE

DESABAFAR

VELHO
FORTE

,.. .. ---r--
I . - - -" .::;.0
;' --::;~:;;J--
./ .,.:'- "
, I
I

, ( •

NOVO

27
/
/~
CHAVE

/ PORCO

ADVOGADO
BOI

CADEIRA

PAPEL

28
MENTIRA

ACABAR

JÁ FOI TARDE

VERDADE

FUTURO

29
\1
\

ORGULHO PENSAR

,
I
I
" PERGUNTA

PARECER

PASSEAR
IMPossíVEL

30
-

QUAL
QUANDO

,
, ,
"
' ..... :

PORQUE QUANTO

QUE
ESCOLHER

31
IDÉIA BRIGAR

POR FAVOR

OBEDECER

LIVRE

OBRIGADO

32
FAZER FLOR

TRABALHAR

MONTANHA

VENTO
ÁRVORE

33
'" ' '"'@ lI)

ALTO

PEQUENO

BAIXO

LONGE

PERTO

GRANDE

34
SURPRESA
MORENO

LÍNGUA DE SINAIS
TER

....

NÃO TER

VER

35
TELEVISÃO FALAR

/ LER
GRITAR

CONVERSAR

36
/
CADA

tJ /
O

INTELIGENTE

OUVIR

TRISTE

DESPREZAR

SURDO

37
~
..,t:'~~T~'-"-;'-;
(
'.l-~--:-r,-~~.-L~'
,

BRINCAR DIRIGIR

PEGAR

ANDAR

PULAR

38
BEBER
MAÇÃ

BANANA

CAFÉ

LARANJA
LEITE

39
PORTA
MESA

,"

CAMA
JANELA

j
LUZ FOGO

40
ÁGUA

ARROZ

FEIJÃO

MÃO

COMER
PASTA DE DENTE

41
BURRO
ÔNIBUS

-~
1O"Tí '-0-
J. _ o
_- o
~

~~1

TAXI CACHORRO

ARANHA CAVALO

42
Plano da Obra e Di reção Geral: Ahtônio Campos de Abreu
Desenhista: Reinaldo José de Anchieta Teodoro
Computação: Leticia de Sousa Fernandes

COPYRIGHT - Todos os Direitos Reservados pela FENEIS


(É proibida a reprodução parcial ou total sem a devida autorização)

INFORMACÃO

A. FENEIS - MATRIZ - Rio de Janeiro


Sede própria: Rua Major Ávila, 379 - Tiju ca
Rio de Janeiro/RJ
CEP. 20511-140
Telefa x: (021) 284-2801

B. FENEIS - Minas Gerais


Rua Albita . 144 - Cruzeiro
Belo HOrlzonte/MG
CEP 30310-160
Telefa x: ( 03~ ) 225-0088

C. FENE IS - São Paulo


Av . Cásper Libero. 58/1702 - Centro
São Paulo/SP
CEP. 01033-000
Telefax (0 11 ) 228-6490

D. FENEIS - Rio Grande do Sul


R. Vicente da Fontoura, 2630 - 51/203 - Petrópol is
Porto Alegre/RS
CEP o90640-002
Telefax: (051 ) 330-2933

43
EDITORA E GRÁFICA LTDA

AV NO, jA 3ENI-'1RA ,JE rÁ IllvlA. 27 11 ' CAf-ilu; PHATt::; ....:EP :lU71( ·OZlJ
TELEFONE {03 1)212-3485 BELO HORIZONTE MG
BRASIL

BRASIL