Você está na página 1de 23
Quem Foram osPunitanos? ..€ o que eles ensinaram? Erroll Hulse AS Publicacoes Evangélicas Selecionadas Caixa Postal 1287 01059-970 - Sao Paulo - SP www.editorapes.com.br Parte I A Historia dos Puritanos “Quase ninguém Ie as suas obras hoje”. Assim escreveu William Haller em 1957 em seu livro The Rise of Puritanism (O Surgiamento do Puritanismo). Seu comentério era verdadeiro naquela data. Nao o € agora. Desde 1957 tem ocorrido um reavivamento teolégico reformado, o qual tem suas raizes nos livros puritanos'. Além das realizagdes extensivas de publicacdo da Banner of Truth na Inglaterra e da Soli Deo Gloria nos Estados Unidos, ha outras editoras dedicadas ao resgate e reedicao dos escritos puritanos. Incluso na republicacdo dos escritos puritanos esté a tradugao das exposicdes dos puritanos para outras linguas. Por exemplo, o livro de Jeremiah Burroughs The Rare Jewel of Christian Contentment (A J6ia Rara do Contentamento Cristo) foi publicado recentemente em Albanés, Arabe, Francés, Indo- nésio, Coreano, Persa, Portugués e Espanhol.” A necessidade de um cenério hist6rico popular onde pudéssemos enquadrar 0 autores puritans é uma das razdes para esta apresentacao. Eu recomendo Aqueles que estéo tendo seu primeiro contato " Robert Oliver, The Recovery of the Reformed Faith in Teventieth Century England (A Recuperacio da Fé Reformada na Inglaterra no Século Vinte), Palestra da Biblioteca Evangélica em 1997. Ver também “The Theological Renewal 1950-2000 (A Renovacio Teolégica 1950-2000), Reformation Today No. 162. 20 clissico de Burroughs fot revistoe simplificado com o titulo Learning ro be Happy, Grace Publications. Distribuido por Evangelical Press. Em por- tugués: prendendo a Estar Gontente, Publicado pels P 29 PEELE EEL Quem foram os puritanos? com 0s puritanos a familiarizarem-se com os nomes ¢ as datas dos monarcas ingleses dos séculos XVI e XVII. Essa época specifica ¢ essencial. Cada monarca colocou seu selo peculiar nessa parte da hist6ria. Comparado com a monarquia hoje, os reis e rainhas daquela era pareciam exercer autoridade supre- ma. De fato, verdadeiramente seus poderes eram mal definidos. monarca nao tinha um exército permanente, geralmente nao dispunha de muito dinheiro e tinha que governar lembrado da necessidade de manter a boa vontade dos proprietérios das terras, que eram os lideres naturais naquela sociedade. 30 A Historia dos Puvitanos Um grafico popular das Monarquias Inglesas de 1509 - 1702 A Linhagem dos Tudor Henrique VIII (reinou de 1509-1547) Primeira esposa ~ (divorciou) — Catherine de Aragon ~ mac de Mary que se tornou rainha mais tarde. Segunda esposa - (decapitou) - Anne Boleyn, que em 1533 gerou Elizabeth, que se tornou rainha mais tarde. Esposa ntimero 3 - (faleceu) — Jane Seymor, mae do futuro rei, Edward. Esposa niimero 4 ~ (faleceu) ~ Anne of Cleves — casamento supostamente no consumado. Esposa mtimero 5 ~ (decapitou) ~ Catherine Howard Esposa ntimero 6 — (sobreviveu) — Catherine Parr Epwakp VI (1547-1553) Morreu aos 16 anos. Durante seu reinado a Inglaterra mudou politicamente em direcao ao protestantismo. Many (1553-1558), apelidada de “bloody Mary” (Mary sanguindria) - devido a sua crueldade. Mandou queimar sobre estacas cerca de 270 pessoas por causa da fé que professavam. Mary casou-se com Philip um catélico romano, filho do Imperador Charles V, em 1554. Eizaneri (1558-1603) Principais eventos: 1559 — O Pacto Elisabetano 1570 ~ Elizabeth excomungada pelo papa 1588 - A Armada Espanhola 31 Quem foram os puritanos? A hagem dos Stuart ‘ames I (1603-1625) 1604 Conferéncia de Hampton Court 1611 Publicagao da Versdo Autorizada da Biblia, ou seja, a Versio King James 1618 O Sinodo de Dort rejeita o arminianismo 1624 Tratado anticalvinista de Richard Montagu aponta para o surgimento do arminianismo Cranes 1 (1625-1649) 1629 Durante e anos Charles reinou sem o Parlamento 1637 A imposicio do novo Livro de Oracio provoca protestos em Edimburgo 1640-1660 Governou pelo Parlamento 1642 Guerra Civil 1643-1647 A Assembléia de Westminster 1645 Execugio do Arcebispo William Laud 1649 Execugao de Charles I 1658 Morte de Oliver Cromwell Cranes II (1660 -1685) 1662 Ato de Uniformidade e A Grande Ejeicao (Expulséo) de pastores puritanos James TI (1685 -1688) ‘Wrii1an Ii (1689-1702) ia ar A Histéria dos Puvitanos Em sua “Abreviada Histéria do Povo Inglés”, J-R. Green declarou “Nenhuma mudanga moral jamais aconteceu numa ago como ocorreu na Inglaterra durante os anos entre a metade do reinado de Elizabeth eo encontro do Longo Parla- mento (1640 -1660). A Inglaterra se tornou o povo de um livro, eeste livro era a Biblia”* Isso pode soar exagerado mas podemos ter certeza de que fo que Green quis dizer € que 0s Puritanos eventualmente exerceram uma influéncia espiritual totalmente despropor- cional ao seu pequeno niimero, pois sempre foram minoria. Isso ajudard a ver a historia em perspectiva se nos lembrar- mos de que a populacao da Inglaterra em 1500 era cerca de dois milhées e por volta de 1600 havia crescido para aproxi- madamente quatro milhdes. Em relagio a religiao, apesar da obrigatoriedade de se freqiientar a igreja, € duvidoso afirmar que mais do que um quarto da populacio da Inglaterra durante este perfodo tinha qualquer religiao.* E interessante observar que, na atualidade, a populagao da Inglaterra é de cerca de 48 milhdes e o pais é dividido em 13.000 paroquias com 10.000 clérigos, 8000 deles assalariados. Esta observacao geral precisa ser lembrada, nao somente em relacdo ao periodo em questao, porém muito mais em relaco aos tempo atuais, quando aqueles que professam e praticam a f€ crista constituem provavelmente menos de 10 por cento da populagao. Ralph Josselin, em sua parquia de Essex nao celebrou a Ceia do Senhor por nove anos e quando ele o fez, em 1651, apenas trinta e quatro pessoas foram qualificadas para participar. Josselin falou de trés categorias de paroquianos: primeiro, aqueles que raramente ouvem a pregagao; segundo, aqueles que sio > ER. Green, Short Story of the English People (Abreviada Hist6ria do Povo Inglés), Macmillan, 1909 (primeira publicacio 1878), p.460. “MM. Knappen, Tudor Puritanism (O Puritanismo Tudor), Chicago Press, 1939, p.380. et Er eee Quem foram os puritanos? “ouvintes sonolentos”; e terceiro, “nossa sociedade” um pequeno grupo de pessoas piedosas.* A religido nominal sempre tem caracterizado a grande maioria dos anglicanos. Era assim naquela época tanto quanto agora. Por volta de 1600, 0 ntimero de ministros que cram puritanos havia crescido cerca de dez por cento, ou seja, em torno de 800 dentre os 8000 clérigos da Igreja da Inglaterra. Por volta de 1660 esta proporcdo cresceu aproximadamente vinte ¢ cinco por cento. Entre 1660 e 1662 cerca de 2000 foram expulsos da Igreja nacional.’ Antes da Reforma a Igreja inglesa era catélico-romana. Em caracteristicas, era “uma colegio de priticas, habitos ¢ atitudes ao invés de um corpo de doutrinas intelectualmente coerentes”,’ A protestantizacao da Inglaterra foi essencialmente gradual, ocorrendo vagarosamente durante 0 reinado de Elizabeth “um pouco aqui, um pouco ali”, e de forma muito fragmentada. A partir de 1600 0 crescimento comecou a acelerar-se. Na época do rompimento de Henrique VIII com Roma, a Inglaterra era totalmente catélico-romana. Por volta de 1642 estima-se que nao mais de dois por cento eram catélicos, embora dez por cento da aristocracia ainda o fosse. Por todo 0 periodo que desejo destacar a Inglaterra era uma sociedade monolitica. Todos eram obrigados a con- formarem-sea Igreja da Inglaterra. Isso gerou os “recusantes”, aqueles que, se por causa de suas convicedes puritanas ou pela lealdade a igreja cat6lica romana, recusaram-se a freqiientar os 5 John Spurr, English Puritanism 1603-1689 (O Puritanismo Inglés), Macmillan, 1998, pp.37,41 Leitura recomendada sobre a Grande Expulsio € History of the Puritans, por Daniel Neal (A Hist6ria dos Puritanos, Daniel Neal), Klock and Klock, 1979, vol, Keneth Hylson-Smith, The Churches in England from Elizabeth Iro Elizabeth (As Tgrejas na Inglaterra de Elizabeth Ta Elizabeth ID, vol 1, 1558-1688, SCM, 1966, p.240, citando Loades, The Mid Tudor Crisis, p.161. 34 A Historia dos Puritanos cultos da Tgreja da Inglaterra. De 1570 a 1791 isso era sujeito a penalidades que envolviam muitas desvantagens civis. Os recusantes passaram a aquietar-se para se livrarem dos problemas. Foi durante o perfodo de 1640 a 1660 que surgiram as denominacoes cristas: Presbiterianas, Congregacionais, Batistas ¢ Quaqueres (todos estes juntos representando cerca de cinco por cento da populacio apenas).* O Ato de Tolerancia de 1689 marcou o fim da alegacdo da Igreja da Inglaterra de ser a tinica Igreja inclusiva do povo inglés, embora continuasse a ser a Igreja estabelecida pela lei. Quem foram os Puritanos? Em 1568 havia “muitas congregagdes dos anabatistas em Londres, que se auto denominavam puritanos, ou os cordeiros imaculados do Senhor”.? Tem sido amplamente aceito que a palavra “Puritanos” surgi primeiramente associada a estes grupos."” Foi durante o periodo elisabetano (1558-1603) que os puritanos cresceram intensamente como uma fraternidade distinta de pastores que enfatizavam as grandes verdades centrais do cristianismo: fidelidade as Escrituras, pregagao expositiva, cuidado pastoral, santidade pessoal e piedade pri- tica associada a cada area da vida. A palavra puritano comecou a ser utilizada para referir-se aquelas pessoas que eram escrupulosas em relagio aos seus modos de vida. Os “piedosos”, ou aqueles que nao eram somente crentes nominais, foram § Michael Watts, The Dissenters ~ From the Reformation to the French Revolution (Os Dissidentes ~ Da Reforma a Revolucao Francesa), Oxford University Press, 1985. Watts prové uma andlise detalhada das estatisticas. *Tidip.20, citando J Stowe, Three Fifteenth Century Chronicles (Tres Croni- cas do Século XV), ed. J.Gardiner (Camden Society, 1880, nova serie, xx 143), © Hylson-Smith, Churches in England (Igrejas na Inglaterra), p.61 35 Quem foram os puritanos? apelidados “Puritanos”."' Aqueles que zelavam pelo evangelho (“gospellers”) e que buscavam propagar 0 evangelho foram chamados de “Puritanos”. Como advertem as Escrituras, os piedosos podem esperar censura por causa de suas vidas santas Os piedosos daquela época eram chamados de “estraga-prazeres” e apelidados de “Puritanos”. Um novo significado do termo desenvolveu-se, e este veio através da controvérsia calvinista/arminiana. Os ministros na Inglaterra que identificaram-se com as doutrinas da graca foram chamados puritanos. Quando the foi submetida uma lista de nomes de ministros para serem promovidos, 0 arcebispo William Laud, que era arminiano dogmatico, colocou um “P” na frente dos nomes dos puritanos como um aviso sobre suas convicgoes, eum “O” ao lado de outros nomes, significando que estes eram “ortodoxos” (como Laud interpretava 0 termo) e, portanto, aceitiveis. termo “Puritano” tem sido muito utilizado como um termo de escarnecimento, Em 1641 Henry Parker mostrou sua insatisfacdo declarando que os papistas, bispos, aduladores da corte, os poetas do palco, menestréis, mimicos bufoes, toda a vergonhosa raiz de beberroes, indecentes, ¢ os rufides de carteitinha, e muitos outros, tinham prazer em ridicularizar pessoas como os puritanos”” ‘Nesta secdo do livro I contarei a histéria dos ‘puritanos através de trés itens: primeiro, seus antecedentes, segundo, o desenvolver do movimento puritano através da fraternidade espiritual (1958-1603) e, terceiro, 0 completo florescimento do Puritanismo (1603-1662). Patrick Collinson, Godly People ~ Essays on English Protestantism and Puritanism (Povo Piedoso— Ensaio sobre o Protestantismo Inglés € 0 Puri- tanismo), Hambledon Press, 1983, p. © Spurr, English Puritanism (O Puitanismo Inglés), p.17. 36 Saat SSS SSS A Histbria das Puritanos Os antecedentes dos Puritanos 1, William Tyndale e a supremacia da Biblia ‘A primeira caracteristica do movimento puritano foi 0 amor pela Palavra de Deus. Antes do surgimento dos purita- ‘nos havia uma generalizada ignorancia da Palavra de Deus. Em 1524 William Tyndale (1495-1536) tomou a importante decisio de desafiar as leis que proibiam a traducao da Biblia ¢ impediam que os ingleses deixassem o pais sem permissio. Nascido em Gloucestershire, Tyndale foi educado em Oxford, onde obteve seu grau de Mestre em 1515. Apés isso Tyndale entrou em conflito com o clero local que asseverava sua lealdade ao papa e & tradicdo em preferéncia aos ensinos da Biblia, ‘Tyndale estava horrorizado com a ignorancia prevalecente ¢ argumentando com um de seus oponentes na residéncia de Sir John Walsh em Little Sodbury, em Gloucestershire, ele disse: “se Deus poupar a minha vida, em poucos anos eu farei com que um menino que mancja 0 arado saiba mais das Escrituras do que vocé”. ‘No continente (Europa) Tyndale foi cacado de um lugar a outro. Eventualmente ele foi trafdo e sofreu na prisio. Em William Tyndale 1495-1536 William Tmdale desempenhou um papel inico como tradutor da Bibli Reformador. Ele foi martirizado no ‘periodo anterior aos tempos puritanos. Este retrato foi feito por Lewis Lupron. ‘Quem foram os puritanos? Vilvorde, perto de Bruxelas, em 1536, ele foi sentenciado a morte por estrangulamento e fogo. Assim terminou a vida de um dos maiores herdis da Inglaterra, William Tyndale foi um tedlogo talentoso. Seus escritos teolégicos foram coletados ¢ publicados em 1572. O trabalho de ‘Tyndale representa uma contribuigio formativa ao desen- volvimento do cristianismo protestante, especialmente no assunto central da justificacao somente pela fé, somente pela graca. Isso pode ser visto em sua competente resposta a Sir Thomas Moore (1478-1535), Lorde Chanceler da Inglaterra, que escreveu livros contra Tyndale. ‘Tyndale foi bem sucedido em traduzir e publicar o Novo Testamento, o Pentateuco e o livro de Jonas. Estas traducées foram contrabandeadas de volta & Inglaterra. O ex-frade Miles Coverdale (1488-1568) um sécio de Tyndale foi para a Suica buscando protecdo. L4, utilizando-se do trabalho de Tyndale, ele traduziu toda a Biblia. Henrique VIII aprovou sua tradu- cao. Por volta de 1537 ja haviam sido publicadas duas edigdes na Inglaterra. Mais tarde, em 1560, a Biblia de Genebra tornou-se a favorita dos puritanos. Entre 1579 ¢ 1615 havia no minimo trinta e nove edicdes da Biblia de Genebra impressas na Inglaterra. Foi incluido um catecismo predestinario na Biblia de Genebra e havia notas nas margens ". Por exemplo, as locustas de Apocalipse 9:3 foram identificadas como sendo 0s bispos e os arcebispos, monges ¢ cardeais."* © Nicholas Tyacke, Anti-Calvinist ~ The Rise of English Arminianism ©. 1590-1640 (Anti-calvinista - O Surgimento do Arminianismo Inglés), Oxford, 1987. Spurr, English Purizanism (O Puritanismo Inglés), p.171 38, A Histéria dos Puritanos 2. O papel dos martires ¢ 0 ministério crucial de John Foxe, o martirologista Durante 0 curto reinado de Edward VI (1547-1553) a posigio protestante foi consolidada. Entretanto, com a morte da rainha Mary (1553-1558) a Inglaterra foi tecnicamente realinhada com Roma. Foi durante o reinado dessa rainha, apelidada de “bloody Mary” (Mary sanguinaria) que mais de 270 mértires protestantes foram queimados sobre estacas. Incluidos entre estes destinados & morte por sua fé estavam artesios ¢ pessoas comuns tanto quanto lideres de grande estatura como John Bradford, e distintos bispos, incluindo John Hooper, Hugh Latimer, Nicolas Ridley e Thomas Cranmer, arcebispo de Cantuéria. Assim, durante 0 reinado de Mary, alguns dos mais nobres filhos da Inglaterra perderam suas vidas. As cenas, chocantes de corpos humanos queimando vivos devem ter sido impressos nas mentes das pessoas e sem diivida foram uma das influéncias primérias para moldar os puritanos que viriam em seguida, de 1558 a 1662 € além. O efeito que esta crueldade fez em converter pessoas do catolicismo romano Folin Foxe (1517-1587) O Livro Atos ¢ Monumentos, por Foxe, {foi o titulo formal dado a sua cronica sobre os mértires, e foi a principal influencia de converter a Inglaterra a0 protestantismo, Quem foram os puritanos? Para 0 protestantismo foi incalculavel. Durante seu reinado Mary foi a maior conquista romana na Inglaterra. Desde sua morte, sua meméria tem sido sempre mencionada como a maior conquista de Roma na Inglaterra.!’ O testemunho dos mértires foi extraordinério. Seu impacto foi grandemente aumentado através dos escritos diligentes de John Foxe. Nascido em Lancashire, em 1517, Foxe comecou a estudar em Oxford com a idade de dezesseis anos. Seus estudos foram instrumentos na sua conversio na época em que obteve seu grau de Mestre. Devido as suas convicgoes protestantes Foxe softeu pobreza aguda. Os académicos naqueles dias depen- diam de patronos ricos que Ihes davam alojamento e comida em troca de seus servicos de professor. Incapaz de conseguir tal posi¢ao em Londres, Foxe quase morreu de fome. Um dia ele sentou-se desconsolado no jardim da igreja de Saint Paul. Um estranho aproximou-se dele e colocou uma generosa soma de dinheiro em suas mios. Trés dias mais tarde ele conseguiria uma posicao na casa do Earl de Surrey, em Reigate, onde ele ensinaria os filhos do Earl. Quando Mary subiu ao trono, Foxe foi para o continente (Europa) onde aliou-se aos refugiados ingleses, primeiro em Frankfurt e depois em Basiléia. Ele jé havia comecado a reunir material para seu trabalho sobre os martires desde os tempos dos apéstolos até aqueles que softeram sob o reinado de Mary. O trabalho de Foxe chegou a 1700 paginas. Foxe foi essenci- almente um homem da literatura, meticuloso em detalhes. Sua confiabilidade em termos de acuidade tem sido questionada, mas no refutada. Um Book of Martyrs (Livro dos Mértires) muito mais expandido foi publicado em 1570. Foi colocado '* S.T. Bindofi, Tidor England (A Inglaterra Tudor), Pelican, History of England (A Hist6ria da Inglaterra), p.179. 40 A Historia dos Puritanos nas catedrais e nas igrejas das paréquias ¢ nas salas de entrada das empresas puiblicas. (O Livro dos Martires foi publicado em 1570. Famais houve livro que deu golpe de morte ao papado como este. Nunca antes havia surgido na Inglaterra um trabalho como este, em tal escala, certamente nenhum até aquele momento. Daniel Neal declara: nenhum livro jamais deu um golpe tio mortal no papado quanto estes ele foi dedicado & rainha,e foi tido em tao alta reputagio que era obrigatério colocé- Io nas igrejas, onde fez surgir nas pessoas um horror indizivel e 6dio Aquela religiéo que derramou tanto sangue inocente. Juntamente com a Biblia, The Book of Martyrs (O Livro dos Martires) por Foxe tornou-se o livro da familia em muitos lares.”” O Livro Acts and Monuments, por Foxe, (Atos e Monu- ‘mentos) (titulo formal dado a sua crdnica sobre os mértires) foi o principal modo pratico de converter a Inglaterra a0 protestantismo. Os poderosos testemunhos dos martirizados Pela rainha Mary em suas mortes agonizantes, moveram coragdes e mudaram mentes 20 considerarem as razdes que inspiraram tamanha fé. Além disso, os escritos de Foxe foram utilizados para instilar no Puritanismo o ideal do her6i cristao: “Neal, History ofthe Puritans (A Hist6ria dos Puritanos), voll, p.124 William Haller, Foxe’s Book of Maryrs and The Elect Nation (O Livro dos Martires de Foxe ¢ a Nagio Eleita) Jonathan Cape, 1963, p.2201T Neville Williams, em um ensaio publicado em 1975 pela Biblioteca do Dr, Williams, ajuda a resumir 0 desenvolvimento do sempre crescente ma- ‘nuscrito de Foxe em suas edicées. A melhor edicio com oito grandes volumes foi editrada por Josiah Pratt e publicada em 1853, uma colecdo que pode ser encontrada na Biblioteca Evangélica de Londres. 41 Quem foram os puritanos? a pessoa que dé um testemunho fiel de Cristo mesmo em face da morte. Era glorioso para eles que os martires pudessem triunfar sobre 0 tiltimo e mais temido inimigo. Morrer bem era parte da mentalidade puritana. Vemos isso em O Peregrino, na descricéo que Bunyan faz dos vérios personagens que chegam a cruzaro rio da morte. Lembram-se do Sr. Desespero? Suas tiltimas palavras foram: “Adeus noite, bem-vindo dia!” Foxe imortalizou as palavras agonizantes dos mértires, tais como as do Bispo Hugh Latimer ao Bispo Ridley quando eles agonizavam juntos sobrea estaca: “Seja consolado, Mestre Ridley, e seja homem. Pela graca de Deus, hoje acenderemos uma chama na Inglaterra que, espero, jamais sera apagada”. Existe um monumento em Oxford onde isso aconteceu. John Foxe inspirou e promoveu a idéia da Inglaterra como uma nacio cleita, um povo separado de todos os outros, um povo especialmente chamado para preservar e promover a Palavra de Deus.'* 3. Os movimentos luterano e genebrino yinculados a Reforma, especialmente o exemplo de Joao Calvino. Crescente apoio para reforma chegou a Inglaterra a partir dos escritos e do exemplo dos reformadores continentais como um todo. Martinho Lutero (1483-1546) foi a dominante influéncia inicial e, posteriormente, Joao Calvino (1509-1564) exerceu um profuundo efeito na Inglaterra. O estilo de Calvino, de pregar sistematicamente, texto a texto, livro apés livro nas Escrituras, e seu exemplo de reforma em Genebra impressio- nou os refugiados ingleses, os quais eram cerca de com em Genebra na época do reinado de terror de Mary. Esses refugia- dos assimilaram a visio para a completa reforma da Igreja, em " Haller, Foxe's Book of Martyrs and The Elect Nation (O Livro dos Mirtires, por Foxe, a Nagao Eleita), Jonathan Cape, 1963, p.224fF 42 A Histéria dos Puritanos Joao Calvino (1509-1564) Esta efigie de Calvino provém de uma pintura enconarado nim castelo em 1955. Escrito no verso da pintura estavam as palavras “Imagem de Catoino por Holbein’. Hans Holbein (1497-1543) trabalhow na Suiga, iélia, Franca e nos Paises Baixos, ‘mas é conhecido especialmente por ser o pintor da corte do rei Henrique VII da Inglaterra, sua forma de governo ¢ em sua forma de adoracao. Varios daqueles homens que retornaram na época da ascensio de Elizabeth receberam cargos altos ¢ oficios privilegiados na Igreja Estabelecida, Para seu desapontamento eles descobriram que a reforma radical seria impedida. No devido tempo a visio de uma Igreja reformada nos padrées de Genebra, e tornada presbiteriana, foi iniciada por Thomas Cartwright (1535-1603), um professor popular de Cambridge. As palestras de Cartwright sobre Atos dos Ap6s- tolos, em 1570, tiveram um tremendo impacto ¢ encorajaram tentativas de implementar a reforma no governo da Igreja. Dois de seus discfpulos, John Field e Thomas Wilcox, em 1572, escreveram em detalhes acerca deste tema sob o titulo de Um Aviso ao Parlamento. Fste foi escrito de modo determinado confiante mas ele foi excessivamente impopular com 0 governo. Field e Wilcox foram presos em seguida. Quando Cartwright foi desafiado e acusado de erro ele respondeu com uma declaragdo que sumariza 0 assunto como segue: 1. Arcebispos e arquidiaconos (por exemplo, o sistema episcopal) devem ser abolidos. 43 ‘Quem foram os puritans? Os oficiais da Igreja devem seguir o modelo do Novo Testa mento. Bispos, ou presbiteros, devem pregar e didconos devem cuidar dos pobres. Cada igreja deve ser governada por seus pr6prios ministros eancios. Nenhum homem deve solicitar promocao eclesidstica. Os oficiais da Tgreja dever ser escolhidos pela Igreja e nao pelo Estado. A Hist6ria dos Puritanos O desenvolvimento do movimento puritano através da fraternidade espiritual (1558-1603) Quando Elizabeth entrou em Londres como rainha, em 23 de novembro de 1558, ela tinha 25 anos. Excepcional em sua habilidade de medir forcas politicas, ela captou bem as emo- Bes € 08 desejos de seu povo. Mais do que qualquer outro monarca Tudor, ela controlou a politica do governo e da Igreja. Ela falava fluentemente latim, francés e italiano e podia ler grego. Elizabeth decidiu trabalhar para a criacao de uma tinica nacfo forte com uma (inica Igreja nacional. William Cecil, 0 principal ministro de Elizabeth, acreditava que “o Estado nunca estaria em seguranga enquanto houvesse tolerdncia para com duas religides”. Na €poca da ascensio de Elizabeth ao trono a disputa entre o catolicismo ¢ o protestantismo para ganhar os coracées das pessoas nao estava decidida, A maioria delas estava pronta a seguir qualquer um dos dois. A administracio de Elizabeth era moderadamente protestante. Ela excluiu aqueles compro- missados com o catolicismo romano, mas também nao havia ali nenhum representante do campo genebrino. Elizabeth manteve um equilibrio entre os constituintes cat6lico-romanos € protestantes, Mesmo em relagio ao casamento ela manteve todos em suspense. Um casamento com um principe estrangeiro teria enormes implicagées religiosas e politicas. O fato € que ela nunca se casou, Ela era menos violenta do que sua meia irma Mary, No entanto, pelo menos dois anabatistas foram queimados sobre estacas em 1575 e lideres separatistas tais como Greenwood, Barrowe e Penry foram enforcados em 1593. 45 Quem foram os puritanos? Rainha Elizabeth I~ (1558-1603) Rainha Elizabeth I dominou a Inglaterra durante seu longo reinado, Seu reinado iluste érepresentado aqui por Lewis Lupton. papa excomungou a rainha Elizabeth em 1570. Isso fortaleceu a oposicao ao papa ¢ auxiliou a causa protestante na Inglaterra, Em 1588 a Espanha fez um grande esforco para invadir a Inglaterra, A Armada Espanhola consistia de uma frota impressionante de 130 navios destinados a reunir 50.000 soldados como forca de ataque. A armada sofreu uma derrota esmagadora. Menos da metade dos navios espanhéis voltaram para casa, Este evento também fortalecen o partido protestante na Inglaterra jé que os ingleses, tanto quanto hoje, prezam sua nacionalidade. Eles se ressentiram da ameaca da Espanha catélico-romana, uma nagdo notéria pela Inquisigéo, 0 mais diab6lico ¢ terrivel sistema de perseguicio. Para apreciar as condigoes sob as quais a fraternidade dos piedosos pastores puritanos trabalhou é importante entender os Atos de Supremacia e Uniformidade e 0 novo Livro de Oracao que foram impostos na Inglaterra em 1559. 0 efeito do Ato de Supremacia era declarar Elizabeth como “Lider Supremo da Igreja da Inglaterra”, assegurando portanto 46 A Historia des Puvitanos que a Tereja da Inglaterra nunca estaria livre do controle do governo da realeza até 1640, ‘A maneira pela qual adoramos a Deus é um assunto delicado e nao € de se estranhar quea pressio sobre os ministros para usarem sobrecapa (uma capa branca sobre a roupa) causou ressentimento. A maioria se conformou pelo bem da paz. Outros se recusaram a usé-la. Um péroco auxiliar de Manchester pregou que “a sobrecapa é um trapo do papa uma suprema heresia na Igreja e aquele que a mantém nao pode ser salvo!” ‘Um ministro apresentou-se diante do bispo de Lichfield, em 1570, chamando-a “uma amaldicoada e suja marca da besta” ¢ avisou que devido 20 uso de “tais trapos do anticristo”, o povo “se afastaria de Deus em um segundo papado que seria pior que o primeiro!"” A aplicacao das leis reforgando a conformidade vari- ava de um lugar para outro, Muitos bispos tinham pouco desejo de perseguir os ministros que, apesar de tudo, eram também protestantes. 0 inicio do movimento puritano pode ser encontrado numa comunidade espiritual de capacitados pastores/prega- dores que surgiram em 1580 e 1590. Entre os mais conhecidos estio Richard Greenham, Henry Smith, Richard Rogers, Laurence Chaderton, Arthur Hildersam, John Dod, John Rogers e William Perkins. Os puritanos se multiplicaram através do trabalho destes lideres que se tornaram famosos, no somente pelas suas pregacoes, mas como médicos de almas. Descreverei abreviadamente quatro destes lideres da fraternidade.” ® William Haller, Foxe’s Bool of Martyrs and the Elect Nation (O Livro dos ‘Martires de Foxe e a Nacdo Eleita), Jonathan Cape, 1963, p3. © Bu extrai a maioria do material sobre a fraternidade espiritual da obra de William Halles, The Rise of Puritanism (O Surgimento do Puritanismo), Harper Torchbook, 1957, 464 pp. Material muito valioso, que precisa ser Fepublicado, 47 Quem foram os puritanos? 1, Richard Greenham (1531-1591) Em 1570 Greenham deixou a atmosfera académica de Cambridge, onde tinha sido um tutor, para assumir o trabalho pastoral no humilde vilarejo de Dry Drayton, cerca de 5 milhas de Cambridge. La le labutou por vinte anos, ocasionalmente pregando longe de casa. Greenham era um pastor por exce- léncia, um médico capaz de discernir as profundas experiéncias da alma, um especialista em aconselhar e consolar. Levantava- -se constantemente as 4 horas da manha, inverno ou verio. Recusou varias ofertas lucrativas de promogio e seus atos de generosidade em favor dos pobres eram not6rios. Homens jovens foram morar em Dry Dayton onde formaram a “Escola de Cristo” e devotaram-se pessoalmente as Escrituras ¢ & operacao da Palavra em si mesmos e nos outros. Por que um vilarejo ¢ interessante? A resposta € porque vemos aqui um microcosmo de um trabalho mais amplo, as rafzes do evangelho na Inglaterra rural. Richard Greenham foi criticado pelo seu inconformismo e a maneira pela qual conduzia os cultos de adoracdo. Ele era passivo em sua resisténcia. Nao queria argumentar sobre coisas que via como “didspora”, ou seja, coisas que nao faziam diferenca. Ele pregava Cristo, e Este crucificado, e simplesmente implorava por tolerdncia para que pudesse continuar a ser um fiel ministro de Cristo. Ele gozava da amizade de homens influentes que sempre davam um jeito de livré-lo e manté-lo fora de problemas. 2. Richard Rogers (1550-1620) Em 1574 Richard Rogers tornou-se pregador da Palavra de Deus no vilarejo de Wethersfield, Essex, tanto para trabalhar pela conversdo das almas como também para a mortificacao do pecado em sua prépria alma, Como Greenham, ele mantinha uma escola para homens jovens em sua casa. Tendo primeiramente se comprometido a uma rigorosa vida piedosa, ele escreveu em detalhes sobre a pritica do viver 48 A Hist6ria dos Puritanos Richard Rogers (1550-1620) Tendo-se comprometido, om primeiro lugar, com os rigores da vida piedosa, Richard Rogers escreveu um tratado sobre 0 iver santo na pritica. Iso foi chamado Os Sete Tratados, uma ‘obra da qual sete edigdes foram esgotadas antes cdo 1630. Ezekiel Culverwell, amigo tntimo de Rogers, expresso o dessjo de que os letores do lioro pudessem tr visto a vida pritica do awior com seus préprios those owvido a doutrina dele com seus préprios owvidos. piedoso. Esses escritos foram intitulados The Seven Treatises (Os Sete Tratados) — uma obra que atingiu a sétima edigao antes de 1630. Seu melhor amigo e cunhado Ezekiel Culverwell expressou o desejo de que todos os leitores do livro pudessem ter visto com seus prdprios olhos o seu autor vivendo-o na pritica e ouvissem suas doutrinas com seus préprios ouvidos. ‘Aqui vemos ilustrada a fascinagdo pela esséncia da piedade. Rogers mantinha um diério e por ele podiamos ver um homem caminhando mais préximo possivel de Deus. Uma de suas séries de exposigdes tornou-se famosa, isto é, seus discursos sobre o livro de Juizes.” ‘Nao devemos imaginar que Rogers tivesse uma vida facil, sendo servido por empregados, de modo que pudesse dedicar- ~se a exercicios espirituais. Além dos cuidados dedicados a sua numerosa familia ele escreveu que “... realmente considerava ‘meditar, estudar e escrever como obrigacdes, porém ao mesmo tempo levava a frente, conscienciosamente, as atividades de chefe de familia, fazendeiro, figura importante no meio rural, Pregador, pastor, reformador e diretor de internato”. *" A exposigéo sobre Juizes, por Richard Rogers, com 970 paginas, foi Fepublicada em edicdo fac-simile pela Banner of Truth Trust em 1983. 49 Quem foram os puritanos? 3. William Perkins (1558-1602) O trabalho de William Perkins em Cambridge teve grande efeito. Nele estavam perfeitamente combinadas as qualidades espirituais e habilidades ministeriais tipicas da fraternidade. Ele era excelente tanto no piilpito quanto com a pena, mantendo a impressora da universidade ocupada sempre com muitos livros. Mais do que qualquer outro ministro de seu tempo, seus trabalhos publicados foram encontrados nas prateleiras das geracdes que o sucederam. Ele foi o primeiro a escrever uma exposicdo completa sobre a matéria da pregacio em The Art of Prophesying (A Arte de Profetizar).” A abordagem de Perkins quanto a pregacio era aplicativa, e nisso ele era um tipico puritano. Na preparagao do sermio, ele considerava as necessidades de cada tipo de ouvinte na congregacdo. Seus escritos excederam em quantidade e qualidade aos de todos os outros autores puritanos até aquele tempo. William Perkins nao era um académico da “Torre de Marfim”. Por exemplo, ele tomou como sua tarefa obter William Perkins (1558-1602) Perkins foi excelente tanto no piipito quanto com a caneta, mantendo 0 impressor da tuniversidade ocupado com muitos lioros. Suas obras publicadas podiam ser achadas nas bibliotecas da geragio que o sucedeu, mais do que as de qualquer outro ministro contemporaneo dele. Ele foi 0 primeira a escrever uma exposicdo completa sobre a pregacdo, intitulada: ‘A Arte de Profetizar”. Tipico dos puritanos, Perkins tomouo cuidado de aplicar a doutrina crista ao viver prético. 2 Este titulo tem sido republicado pela Banner of Truth Trust. 30 A Historia dos Puvitanos permissio para pregar aos prisioneitos nas cadeias. Ele ganhou almas para Cristo entre eles, tanto quanto entre a multidao que comparecia para ouvi-lo em Saint Andrews. Dizia-se sobre ele que seus sermées eram a0 mesmo tempo toda a lei e todo o evangelho; toda a lei para expor a vergonha do pecado e todo o evangelho para oferecer o perdao total e completo aos pecado- res perdidos. Seu ministério despertava as almas perdidas as fazia sentirem-se incomodadas por verem a realidade da condenacio eterna. Perkins tinha tamanho dom da elogiiéncia que se dizia que s6 a maneira como ele pronunciava a palavra “perdicdo” fazia os pecadores wremerem. Perkins morreu jovem e sua perda foi muito sentida. Laurence Chaderton (1537-1635) Laurence Chaderton, por outro lado, viveu até quase cem anos e publicou muito pouco. Ele veio de uma rica familia catélico-romana, cercado pelas supersticdes catélicas. Quando abragou o evangelho ¢ o Puritanismo ele foi deserdado. Um conhecido benfeitor daquela época foi Sir Walter Mildmay, que fundou 0 Colégio Emanuel em Cambridge. Sir Walter escolheu Chaderton para ser o diretor do colégio, posic¢ao que ele exerceu por quarenta anos. Ele foi palestrante por cingiienta anos na Igreja de Sdo Clemente em Cambridge. Quando certa vyezele quis parar com suas pregagdes na Sao Clemente, quarenta ministros imploraram-Ihe que continuasse, dizendo que deviam suas conversdes a0 ministério dele. Hé uma descrigao de uma de suas pregagoes na qual, apés duas horas, ele anunciou que nao mais abusaria da paciéncia de seus ouvintes e estaria terminando, quando toda a congregacao clamou “Por favor, Sir Laurence, continue!” O papel das universidades, preletorados ¢ “profecias” _ Ocrescimento do Puritanismo deveu-se a pastores deste tipo cujas vidas e exemplo de piedade capturava a imaginacao 31 Quem foram os puritanos? de muitos, Entretanto, como podemos ver nos casos de William Perkins e Laurence Chaderton, 0 papel da universidade de Cambridge foi tremendo para 0 avango do Puritanismo. Os colégios de confissao puritana, tais como o Emanuel eo Sidney Sussex, produziram um continuo suprimento de talentosos pastores e pregadores puritanos. ‘Ao tracarmos o surgimento do Puritanismo devemos reconhecer também o papel dos preletores. Nos mercados das cidades os magistrados contrataram seus proprios pregadores c organizavam sermées nos finais de semana. Foram organizadas palestras, as quais eram um meio de desviar o sistema de con- formidade com 0 Livro de Oragao e o ritual da Igreja. Richard Rogers, de Wethersfield, Essex, e Henry Smith, da Sao Clemente Danes, em Londres atuaram oficialmente como preletores. Entre 1560 e 1662 no minimo 700 clérigos fizeram palestras em Londres de vez em quando. Destes, pelo menos sessenta por cento eram puritanos.” O apadrinhamento por parte de nobres e pessoas da elite teve um papel importante no avanco dos movimentos puritanos. Patrocinadores ricos deram suporte e protegio aos pregadores puritanos. Durante o reinado de Elizabeth o exercicio de “profecias” tornou-se proeminente. Aquelas eram reunides onde se pregavam sermées expositivos e discussdes que se tornaram bastante populares. Elizabeth sentiu-se ameagada e procurava suprimir estas reunides. O arcebispo Edmund Grindal recusou-se a levar em frente a vontade dela e argumentou a favor das profecias. Devido a sua fidelidade, ele foi suspenso do oficio por pelo menos sete anos de sua vida e confinado em sua casa na maior parte do tempo. Em maio de 1577 a propria rainha enviou cartas aos bispos ordenando que suspendessem as reunides de profecia. ® Paul S, Seaver, The Puritan Lectureships, The Politics of Religious Dissent, 1560-1662 (As Conferéncias Puritanas, A Politica dos Religiosos Desconten- tes, 1560-1662), Stanford University Press, Califérnia 1970, pp.172f. 52 A Hist6ria dos Puritanos O pleno florescimento do Puritanismo (1603-1662) O perfodo de 1603 2 1662 foi turbulento, um tempo quando o conflito entre a Coroa € 0 Parlamento chegou ao seu climax com a Guerra Civil. O pluralismo religioso surgiu na década de 1640. A historia dos puritanos atingiu seu apice neste periodo, especialmente como € visto na Assembléia de ‘Westminster. E vital conhecer esta hist6ria, aqui delineada em cinco fases: primeira, o reinado de James I; segunda, Charles I eoarcebispo Laud; terceira, a Guerra Civil e Oliver Cromwell; quarta, 0 perfodo da ascendéncia dos puritanos; quinta; a restauracao da monarquia e 0 declinio do Puritanismo, James T (1603-1625) Este retrato de James 16 por Lewis Lupion Quem foram os puritanos? 1. O reinado de James I Elizabeth I morren em 1603, Ela tinha o propésito de tornar a Inglaterra grande, e obteve sucesso considerdvel. Apesar da sua imaturidade, péssimo temperamento e com- portamento irracional as vezes, seu reinado foi um perfodo de estabilidade politica, especialmente visto & luz do que se seguiu nos meados do século dezessete. Como jé foi dito, no prinefpio do século dezessete, os puritanos representavam cerca de dez por cento do corpo de clérigos da Igreja da Inglaterra. Os puritanos acalentavam grande esperanca de que 0 novo rei (James VI da Escécia, James I da Inglaterra), originado de uma Escécia presbiteri- ana sinalizasse para a reforma da Igreja. Eles foram tristemente despontados. Uma peticao conhecida por Petigéo Milenar, tida como representativa de cerca de 1000 puritanos, foi entregue a James I quando ia da Escécia para a Inglaterra. Essa petigo instava pela reforma e levou a conferéncia conhecida como Conferén- cia de Hampton Court. Isso aconteceu durante 3 dias, em janeiro de 1604. no Palécio de Hampton Court em Londres. James era muito inteligente. Ele entendia as intrigas do governo da Igreja. Ele cria no “direito divino dos reis”, 0 que significava que cle recebera de Deus 0 direito de governar, e que deso- bedecer ao rei era desobedecer a Deus. James tinha toda a intengdo de manter 0 supremo poder, tendo visto amostra suficiente da rabugice dos presbiterianos na Esc6cia. Era claro como aluz do dia que os puritanos desejavam introduzir a Igreja Presbiteriana na Igreja da Inglaterra. A medida em que a conferéncia de Hampton Court avancava James tornou-se cada vez mais mal-humorado. Ele fez asserces dogmaticas como “Sem bispo, sem rei!” e ainda “o presbitério concorda com 0 monarca tanto quanto Deus com 0 diabo!” ¢ para os ministros puritanos ele disse: “é bom se apressarem para estar de acordo, ou serdo logo logo expulsos da terra.” A conferéncia terminou 34 A Historia dos Puritanos com uma crise real temperamental! © rei concordou que se fizesse uma nova traducio da Biblia. Esta versio é conhecida como Versio Autorizada, ou Versio King James, que foi foncluida em 1611. Por outro lado as concessoes foram poucas ¢ insignificantes. ; Entre 1604 e 1609 cerca de 80 clérigos foram destituidos de seus ministérios (e sustento) por nao se ajustarem as novas regras, muitas dessas antes de 1607. Os bispos foram instruidos a persuadirem, nao a forcarem, a que aderissem & prética an- slicana. No Parlamento os fiéis promoveram uma campanha para que os ministros expulsos fossem reabilitados.™ O rei James enviou delegados a Dort. O Sinodo de Dort, realizado em 1618-1619 na Suécia, foi um evento importante na historia da Igreja Crista. A conferéncia confirmou a posi gio ortodoxa calvinista da soberania de Deus contra as bases do arminianismo. James apoiou a posicao calvinista contra 6s arminianos. Subseqiientemente ele tornou-se ambivalente no assunto. Em 1624 Richard Montagu publicou um tratado anti-calvinista sob o titulo A New Gagg for an Old Goose (Um Novo Grunhido para um Velho Ganso). Isso contribuiu com 0 aumento da tendéncia na Igreja nacional em direcao ao arminianismo.* 2. Charles Ie o Arcebispo Laud James I morreu em 1625. Charles I, belo, digno ¢ casto foi cntronizado rei. Entrctanto, diferentemente de Elizabeth € seu pai James, Ihe faltava habilidade politica, especialmente ha arte de manter o orcamento equilibrado, o que é essencial em politica. Charles casou-se com Henrietta Maria, irma do entéo ® Spurs, English Purizanism (O Puritanismo Inglés), p.6l. % Tyacke — Amti-Calvinist (Anti-Calvinista), pp. 47{f, cf Spurr, English Puritanism (Puritanismo Inglés), pp-S1ft. Charles 1 (1625-1649) Este retrato de Charles T {foi feito por Lewis Lupton. rei da Franca Luis XII. Henrietta Maria era uma catélica romana fervorosa. Ela mesclava sua religiao com os negécios do Estado, Isso criava constante suspeita entre os membros do Parlamento e da nacdo. Essas suspeitas foram misturadas com ‘omedo, pois causa do protestantismo no continente curopeu estava decaindo, uma situagao que colocava muitos protestantes em perigo. William Laud tornou-se 0 conselheiro de confianga de Charles. Desde a época da ascensio de Charles ao trono, em 1625, Laud exercia o poder, que se formalizou quando este se tornou bispo em 1633. James avisara Charles de que Laud nao compreendia 0 povo escocés: “Ele desconhecia o estomago daquele povo”, Esse foi um aviso que Charles nao considerou. Laud era de todas as maneiras hostil aos ensinamentos dos puritanos. Um de seus primeiros atos como arcebispo foi encorajar 0s jogos ¢ os passatempos no dia do Senhor, o que ia contra 0s puritanos. Ele apoiava abertamente o arminianismo, com sua énfase no livre-arbitrio e a rejeicao da predestinagao Laud era supersticioso. Ele abragou a forma exterior da adoracio 56 A Historia dos Puritanos no catolicismo romano mas rejeitava a autoridade do papa Sua idéia do que chamava de “a beleva da santidade” consistia derituais e cerim6nias Até nossos dias muitas igrejas anglicanas possuem altares no lado leste. Apesar da lei do canon sempre se feferir a “mesa santa”, a idéia do altar é perpetuada, A mensagem de um altar 6 aquela do sacrificio. Laud acreditava que o altar fra “o mais alto lugar da morada de Deus na terra” ~ sim, mais alto do que o pilpito."* O famoso historiador Lorde Thomas Macaulay (que no compreendia a espiritualidade dos puritanos) certamente avaliara William Laud ¢ escreven sobre ele: “De todos os preceptores da Igreja Anglicana, Laud foi o que mais se dis- tanciou dos princfpios da Reforma, e bandeou-se em direcao 4 Roma... Ele era por natureza impetuoso, irritével, répido para agir em favor de sua propria dignidade, lento para sim- patizar-se com 0s sofrimentos dos outros, tendendo ao erro, supersticioso, mestre em fazer com que seu péssimo temperamento e seus modos malignos fossem tomados Arcebispo William Laud (1573-1645) De todos 0s arcebispos da Igreja Anglicana foi Laud quem mais se afastou dos principios da Reforma e se aproximou mais da igreja catélica romana. Ele promoveu o uso de janelas de widro colorido, cruzes, crucifix, ¢ altares circuncidados por grades. ® Spurs, English Puritanism (Puritanismo Inglés), p86 37 ‘Quem foram os puritanos? como um zelo piedoso. Debaixo de sua direcdo cada esqui- na do reino foi sujeito a constante e minuciosa inspecao. Cada pequena congregacao de separatistas era perseguida e desfeita...” ” A hipérbole de Macaulay desenha fielmente 0 zelo dos perseguidores, mas podemos ser gratos que nem todas as congregacdes dos separatistas foram desfeitas. Como arcebispo, Laud tinha o poder de prender ¢ encarcerar qualquer um que nao estivessem de acordo. Ele utilizava uma corte chamada de Salo Estrela para interrogar € perseguir. Um exemplo da crueldade de Laud é vista no caso do Dr Alexander Leighton, pai do conhecido arcebispo Robert Leighton. Sem qualquer direito de defesa ou de apelagio, Leighton foi mandado para a prisio em Newgate. Quando levado diante de uma corte arbitréria foi condenado a ter suas orelhas cortadas € o nariz partido em ambos os lados, e a ter marcado em seu rosto as letras SS (Semeador de Sedigao), de ser chicotado duplamente, de ser colocado no pelourinho ¢ sujeito a prisdo perpétua! Quando esta sentenga absurda foi anunciada Laud deu gracas a Deus! Outros bastante conhe- cidos personagens que receberam semelhante tratamento barbaro foram William Prynne, John Bastwick, Henry Burton e John Lilburne, Amarga perseguicao veio contra os puritanos. Entre 1629 e 1640, 20.000 homens, mulheres e criancas foram para Nova Inglaterra, incluindo setenta e nove ministros, vinte oito dos quais retornaram quando as condigées no pais melhoraram.?? Muitos efetuaram seu éxodo através dos Paises Baixos. Dentre os mais famosos Ifderes a se estabelecerem na Nova Inglaterra estavam Thomas Hooker, John Cotton e ‘Thomas B. Macaulay, The History of England (A Historia da Inglaterra), vol. 1, Longman, 1856, p.88 * Neal, History of the Puritans (A Hist6ria dos Puritanos), vol. 1, pp.5381, © Spurr, English Puritanism (Puritanismo Inglés), p.91 58 A Histéria dos Puritanos ‘Thomas Shepard. O papel de William Ames (1576-1633) édigno de nota. Ele foi um puritano cujo ministério foi exercido principalmente na Holanda. Seus escritos eram muito populares ha Nova Inglaterra. The Marrow of Theology (A Medula da ‘Teologia) foi o seu livro de maior influéncia. Charles governou o pais sem o Parlamento de 1629 a 1640. ‘A.administracdo foi mantida através das cortes nos condados. 0 poder politico estava principalmente nas mis de sessenta nobres, fidalgos, aristocratas muito ricos que possufam a maior parte da terra. Abaixo deles estava a sociedade, Quando teve infcio a Guerra Civil, para valer, em 1642, parentes dos aristocratas ¢ a sociedade influente ficaram divididos em sua Tealdade ao rei. 3. A Guerra Civil e a ascensao de Oliver Cromwell Quando Laud tentou impor 0 Livro de Oragao da Tereja da Inglaterra e a Liturgia & Escécia presbiteriana, em 1638, foi como riscar um fésforo sobre pélvora seca! Este fato €evidenciado por um famoso incidente na Igreja de St. Giles, Edimburgo. Enfurecidos por um pomposo dedo vestindo uma longa capa branca caminhando pelo corredor para anunciar a Ieitura, Jenny Geddes pegou seu banquinho e jogou-o sobre ele! Em linguagem de hoje equivaleria a gritar algo como: “Seu miserdvel presuncoso, como se atreve a oficiar missa aqui?” A atitude de Jenny influenciou outros a resistirem & imposicao dos rituais catélicu-romanos, aos quais odiavam. Em 1638 Charles mobilizou um exército para subjugar a Escécia, porém o exército inglés foi derrotado e em 1639 foi negociado um acordo de cessar fogo. ‘As tenses entre 0 Parlamento ¢ o rei aumentaram. Em Londres, demonstracdes contra a autoridade real e 0 papado eram rapidamente abafadas. O rei tentava assegurar sua pr6- pria autoridade sobre o Parlamento. Em 4 de janeiro de 1642, com um batalhio de homens armados, cle entrou na Camara 39 Quem foram os puritanos? Mapa da Inglaterra na época da Guerra Civil, desenhado por John Woodcock. Copiado de The English Civil War: A Concise History (A Guerra Civil Inglesa: Uma Historia Concisa), por Maurice Ashley, publicado por Thames e Hudson Lida, 1974. 60 A Histéria dos Puritanos dos Comuns, a fim de prender o lider do Parlamento, John Pym, outros quatro lideres. O plano nao deu certo. Os cinco haviam sido alertados e fugiram a tempo num barco pelo rio Tamisa ¢ esconderam-se na cidade. Esta iniciativa por parte do rei incitou ainda mais a oposigio. A revolucao estava comecando a tomar forma. Charles foi obrigado a deixar Londres para sua propria seguranca, Em maio de 1642 ele estabeleceu seu quartel general em York. A primeira batalha da Guerra Civil aconteceu em Edge- hill, em outubro de 1642. Esta terminou em retirada. A principio parecia haver um equilibrio de forcas entre os Royalists (Cavaleiros) e as forcas parlamentares (os Roundheads = Cabecas redondas). Na tentativa de evitar uma situacdo militar sem volta para ambos os lados, 0 Parlamento assinou A Liga Solene ¢ a Alianga com os escoceses. Em janeiro de 1644 uma armada escocesa cruzou a fronteira, Em julho de 1644 deu-se a batalha de Marston Moor que foi vencida pela alianca dos exércitos da Escécia, de Yorkshire (liderada por Sir Thomas Fairfax) ea Associagao do Leste (liderada por Oliver Cromwell e pelo Earl de Manches- ter). Foi o papel de Oliver Cromwell e 0 sucesso nessa batalha que deu origem a sua reputacdo militar e seus soldados Teceberam o apelido de “Ironsides (Lados de Ferro)”. Essa vit6ria nao teve prosseguimento. Alguns lideres do Parlamento, especialmente 0 Earl de Essex eram fracos € indecisos. 0 Parlamento descobriu que precisava de uma lideranca mais determinada e resoluta. A vit6ria nao poderia ser obtida sem melhores generais € a reorganizagio do exér- cito. Cromwell acusou um dos lideres, o Earl de Manchester, por bater em retirada ao invés de atacar o inimigo. Manchester deu uma resposta bastante reveladora porque mostrava o que ocorreria caso os Roundheads perdessem aquela guerra para 0s Cavaleiros: “Se vencermos 0 rei noventa e nove vezes ele continuaré sendo o rei, ¢ sua posteridade permanecers, e nds 61 Quem foram os puritanos? Oliver Cromavell (1599-1658) ‘A Cromvell foi dado titulo de Lorde Protetor. Ele ndo foi motioado por ambigao ‘pesioal,e sim pela sua fécrisid. Ese lider extraordindro tem sido crticado por dlarindevida atengio a sentimentos enquanto oravae @ tendéncia de atrbwir seu ‘sucesso a Bencao divina, Contudo, se raciociuiosébrio é refletido na suaescolha de John Owen, Joseph Caryl, Thomas Gooden Fohn Howe como ses capelaes ‘Michael Boland, num excelente sumrio de Cromwell, declara “A megridade religiosa e sabedoria pratica de Oliver Cromeell safoaram a revolugao puritana da esterlidade e auodestricdo. Ele desfeiu golpes duradouros contra a trania 0 clericalismo na Inglaterra e sua lideranga 1ornow o puritanismo inglés famoso f respeitado nos seus dias e nas geragdes subsequentes” — Encyclopaedia of Cirisianity (Enciclopédia de Cristanismo, por Jay Green, 1992). 0 retrato: consia na Collection of Buccleugh and Queensbury (Colecao de Buccleugh e Queensbury). Extraido de The English Civil War: A Concise History (A Guerra Civil Inglésa: Uma Histéria Concsa), por Maurice Ashley publicado ‘por Thames e Hudson Ltda, 1974, 7 62 A Historia dos Puritanos continuaremos sendo seus stiditos; porém se o rei nos vencer tima vez apenas, seremos enforcados endo teremos posteridade alguma”. Em 1645 0 exército foi reorganizado. O comandante em chefe era Sir Thomas Fairfax, de apenas 33 anos de idade Cromwell era seu general de cavalaria. A partir desse momento, a disciplina militar e as estratégias de Cromwell mostraram- ce decisivas nas batalhas da Guerra Civil. Lorde Macaulay descreve Oliver Cromwell como alguém que temia a Deus ¢ yelava pela liberdade piiblica, Ele escreve: “Ele completou sett regimento com homens tais, que, enquanto os submetia & mais rigida disciplina que jamais havia sido vista na Inglaterra, ministrava as suas naturezas intelectuais ¢ morais estimulan- tes temiveis e poderosos.... Fairfax, um bravo soldado, mas de entendimento reduzido e temperamento irresoluto, foi nomeado Lorde General das forcas; mas Cromwell era 0 ver~ dadeiro lider deles... Cromwell apressou-se em organizar todo © exército nos mesmos principios que organizaram seu pr6prio regimento... Aquilo que mais destacava o exército de Cromwell dos outros exércitos era a austeridade moral € 0 temor a Deus que pervadia todas as divisoes. F reconhecido pelos mais zelosos Cavaleiros que naquele acampamento singular nenhum juramento foi ouvido, nenhuma bebedeira ou jogatina foram vistas, e que durante 0 longo dominio dos militares, a propriedade dos cidadios pacificos e a honra das mulheres eram tidas como sagradas”.” Cromwell cercou-se de homens de oragao. Ele liderou esses homens na batalha. Ele possuia uma estonteante habi- lidade de medir a moral de seus soldados ¢ sabia 0 exato momento de partir para a vitoria. Cromwell Jutou muitas Datalhas sem nunca ter sido derrotado. Quando nos lembramos * Tid, pp. LI7#E.A. 6 Quem foram os puritanos? de que ele nunca recebeu treinamento numa academia militar, mas fora seu proprio estrategista na guerra, ele deve entrar para a histria como um dos maiores generais de todos os tempos. A autora cat6lico-romana Lady Antonia Fraser, em sua biografia,” falou a respeito de Cromwell como estrategista: “Realizar 0 que foi necessario fazer, e realizé-lo com perfeicao, € uma rara distingdo em qualquer escala: isso era 0 que dava a Cromwell o direito de ser colocado no hall da fama”. 4. 0 Periodo da Ascenso dos Puritanos O arcebispo Laud foi preso pelo Parlamento em 1641 ¢ executado por traicao, sendo decapitado na Torre de Londres em janeiro de 1645. O governo da Igreja foi retirado das maos dos bispos em 1646. A progressiva vit6ria do Parlamento na Guerra (Civil) trouxe um novo conjunto de problemas. Exis- tia uma divisio no Parlamento entre os presbiterianos ¢ os independentes. A maioria presbiteriana no Parlamento nao gostava e temia o exército, no qual os independentes domi- navam, Havia insatisfagao no exército devido ao nao pagamento dos soldados. Em 1647 Charles negociou um acordo secreto com 0 escoceses que levou ao reaparecimento da Guerra Civil. A duplicidade de Charles I levou-o a ser julgado pelo exército; em janeiro de 1649 ele foi executado como traidor do Commonwealth da Inglaterra. Charles II foi reconhecido como rei da Escécia. O exército que o apoiava foi vencido por Cromwell na batalha de Dunbar em 1650. Exatamente um ano mais tarde os exércitos favordiveis a Charles II foram encurralados por Cromwell em Worcester. Aquele vit6ria do Parlamento trouxe fim Guerra Civil. Charles II fugiu para a Franca. Cromwell tornou-se 0 Lorde 31 Anton'a Fraser, Cromwell, Our chief of Men (Cromwell, Nosso Maior Ho- mem), 1975, Panther, p. 390. 64 A Historia dos Puitanos A Casa dos Comuns Copiado do desenho de Foln Glover. Reprodusido por permissao do ‘Museu Briténico. Desde o tempo das Guerras Civis 0 Partamento tem prevalecido como o poder dominante na Constiuicdo Britdica 65 Quem foram os puritanos? Protetor e reinou através do Parlamento. Ele acreditava fielmente na liberdade religiosa e em relagio a isso esteve & frente do seu tempo. Em 12 de junho de 1643, 0 Parlamento fez uma con- vocacao para uma assembléia dos sabios e religiosos para que fosse estabelecido o governo ea liturgia da Igreja da Inglaterra. Em 1° de julho a Assembléia de Westminster reuniu-se, para a primeira das 1.163 reuniGes que ocorreram até fevereiro de 1649, Havia 151 membros nominais, 121 dos quais eram ministros e 30 obreiros. A Assembléia completou A Confissao de Fé de Westminster, 0 Catecismo Maior, 0 Breve Catecismo ¢ O Diretério de Adoracao Priblica. A influéncia desses escritos, particularmente da Confissao de Fé, nas geracées subseqiientes ao redor do mundo tem sido imensa. Os congregacionalistas, em 1658, ¢ 0s batistas, em 1677, abragaram os pontos bisicos da Confissio, cada um fazendo emendas que nao constituiram mais do que 10% do total A profundidade ¢ a qualidade de lideranca entre os pastores puritanos em meados do século XVII foram tinicas na Tereja de Cristo na Inglaterra. Alguns dos mais renomados puritanos dessa época foram: Robert Bolton, Robert Harris, Jeremiah Burroughs e William Gouge. Dentre os mais famosos puritanos que viveram no periodo de 1640-1660 ¢ além, cujas obras completas tém sido reeditadas integral ou parcialmente nos tempo modernos foram: Thomas Goodwin, Thomas ‘Manton, Stephen Charnock, John Owen, Richard Baxter, Joao Bunyan, John Flavel, William Bridge, David Clarkson, George Swinnock, Richard Sibbes e John Howe. Dentre os lideres envolvidos na Assembléia de Westminster William Gouge um dos mais conhecidos. Ele, provavelmente, sustentou o mais longo e poderoso ministério na histéria de Londres. Edmund Calamy, a quem alguns consideravam o lider do partido dos presbiterianos, foi significativo. Ele pregava freqitentemente no Parlamento. Hanserd Knollys e Henry Jessey eram batistas. 66 A Histéria dos Puritanos ‘suas biografias inspiraram os batistas em anos recentes.”” Em adicdo ao trabalho imortal por Joao Bunyan, O Peregrino © A Guerra Santa, hé muitos livros famosos que continuam a ser reeditados. O livro de Thomas Watson A Body of Divinity (Um Corpo de Divindade) é um exemplo e The Reformed Pastor (O Pastor Aprovado) por Baxter € outro.” 5, ARestauracao da Monarquia ¢ 0 declinio do Puritanismo Cromwell morreu em 1658, Era evidente que Richard Cromwell nao poderia exercer o papel de lideranca deixado por seu pai. Para evitar transtornos futuros a opgao de restaurar a monarquia foi levada em conta. Em Breda, na Holanda, Charles II prometia respeitar as consciéncias mais sensiveis. Quando ele chegou ao poder esse desejo foi logo substituido por ferozes impulsos de vinganga entre os anglicanos que agora tinham maior poder. De 1643 a 1654 cerca de 34% dos 8,600 clérigos de pardquia sofreram algum tipo de persegui- io tanto quanto expulsdes, as vezes por incompeténcia mas também por dar apoio a causa dos Cavaleiros ou ao papado.* Em janeiro de 1661 Thomas Venner, um lider do movimento da Quinta Monarquia, tornou-se proeminente. Ele havia sido anteriormente levado a prisio por planejar uma insurreicao contra Cromwell e nao fora executado. Liderado por Venner, cerca de 50 seguidores aterrorizavam as regides de Londres. Vinte e duas pessoas foram mortas. Maus elementos e desordens civis por parte de fandticos deram aos anglicanos ® Michael A.G. Haykin, Kiffin, Knollys and Keach, Rediscovering our Baptist Heritage (Redescobrindo nossa Heranca Batista), Carey Publications, 1996. » Complete Works (A obra completa) de Joao Bunyan € publicada em 3 Volumes pela Banners of Truth ‘rust, bem como A Body of Divinity de Thomas Watson e The Reformed Pastor (publicada pela PES como O Pastor Aprovado) de Richard Baxter. * Hylson-Smith, Churches In England (Igrejas na Inglaterra), p.225s como em Spurr, English Puritanism (Puritanismo Inglés), p.118. 6 ‘Quem foram os puritanos? no poder uma desculpa para aplicar medidas extremas. Eles no discriminavam. A anarquia deu uma desculpa para as autoridades aumentarem a pressio sobre todos os nao con- formistas. Os batistas procuraram separar-se de Venner, mas foi em vao. Em 10 de janeiro de 1661, foi editada uma proclamacao real proibindo todas as reunides dos anabatistas, quaqueres ¢ homens da Quinta Monarquia. Dentro de pouco tempo foram presos cerca de 4.000 quaqueres. Soldados armados arrancavam os batistas de suas camas 4 noite ¢ 0s jogavam nas prisées. Naquela época Joao Bunyan passou 12 ‘anos na prisio. Ele sobreviveu. Muitos nao resistiram. Seguiu-se a legislacio contra todas as formas de nao- -conformismo, conhecida como Cédigo de Clarendon, assim chamado por causa do Earl de Clarendon. Em 1662 foi feita uma declaracio impondo estrita conformidade com a Igreja da Inglaterra. Caso os clérigos nao tivessem sido ordenados pelo bispo eles deveriam submeter-se uma ceriménia de reordenacio. Era imprescindivel estar de acordo com todas as partes do Livro de Oracao Comum. Os clérigos deveriam fazer um juramento de obediéncia aos canones ¢ renunciar A Liga Solene ea Alianca. Estas demandas tiveram um efeito devastador sobre os puritanos, cujas consciéncias néo podiam submeter-se as condigoes impostas. As estimativas variam, porém calcula-se que cerca de 2,000 foram forcados a deixar suas casas ~ tudo.” Dentre eles haviam alguns que tiveram cargos de ensino Podemos apenas conjecturar quantos puritanos resolveram permanecer na Igreja nacional apesar das pressoes.”* Dentre % Dr Martyn Lloyd-Jones, From Puritanism to Nonconformity (Do Purita- nismo A Nao Conformidade) faz um relatério entusiasmado da Grande Expulsdo e suas implicagées (Palestra na Biblioteca Evangélica em 1962). David L. Wykes, To Revive the Memory of Some Excellent Men (Para Reviver a Meméria de alguns Homens Excelentes), (Palestra na Biblioteca Dr 68 A Histsria dos Puritanos aqueles que ficaram estava o famoso William Gurnall, autor de The Christian in Complete Armour (O Cristo em Armadura Completa). ano de 1662 marca 0 inicio do declinio dos puritanos ingleses. O periodo que se segue € conhecido como a era da ‘spissensio”. Os tiltimos puritanos famosos daquele periodo foram John Howe, que morreu em 1705, € Thomas Doolitlle, que morreu em 1707.” (© ano de 1662, entao, foi um importante marco na hist6- ria dos puritanos. A influéncia de suas pregacdes enfraquecera a partir dali, entretanto seus escritos ministers continuaram. iAiguns dos mais valiosos tratados puritanos foram escritos no periodo pos .-1662. Um exemplo famoso é 0 de John Owen, fujo monumental comentario sobre a Epistola aos Hebreus, seu livro sobre o pecado residente ¢ sua exposicio sobre 0 Salmo 130, foram todos escritos apés 1662. John Owen merece o titulo de “Principe dos Puritanos”. Suas obras completas de cerca de 25 volumes provavelmente constituam ‘o melhor repositério de teologia confidvel em lingua inglesa. Ele € visto como o tedlogo do movimento puritano.** Por que o movimento puritano decaiu abruptamente <<