Você está na página 1de 1

A Organizao Mundial de Sade, atravs do The WHOQOL, definiu

qualidade de vida como a percepo que o sujeito tem sobre sua disposio na
vida, levando em considerao sua cultura e valores que vo atuar intimamente
na construo de objetivos, expectativas, padres e preocupaes. Conceito
este influenciado pela sade fsica, estado psicolgico, relaes sociais, nvel
de independncia e relaes mais relevantes. Sendo assim, a qualidade de
vida um parmetro que pode ser utilizado em diversas reas. No caso de
usurios de drogas, com o parmetro, possvel identificar a percepo que o
indivduo possui acerca de sua sade e da doena que o acomete, auxiliando
na tomada de decises sobre o tratamento. A sade fsica ou o declnio da
mesma interfere intimamente na percepo do indivduo sobre sua qualidade
de vida.
Assim, de extrema importncia avaliar a independncia funcional, uma
vez que este marcador permite caracterizar a capacidade do indivduo em
realizar algo com os prprios meios e, para isso, supem-se condies motoras
e cognitivas satisfatrias. Diante do impacto causado pelo abuso/dependncia
de substncias psicoativas, percebe-se que existe alterao na qualidade de
vida e independncia funcional dos indivduos, uma vez que suas funes
fsicas, mentais, intelectuais, emocionais e o convvio com outras pessoas em
diversos ambientes se tornam prejudicadas.
A procura por tratamento, a fim de melhorias na qualidade de vida, feita,
na maioria das vezes, mais tardiamente, pelos prprios usurios de drogas ou
seus familiares, numa fase em que esto fazendo uso crnico dessas drogas e
comeando a apresentar problemas de sade.
Aps o incio do tratamento avaliao de qualidade de vida tem se tornado
um relevante critrio para mensurar resultados teraputicos em diferentes
patologias crnicas, como a dependncia qumica. Ela possibilita a avaliao
da efetividade dos tratamentos em distintos domnios, o que permite o
direcionamento de estratgias teraputicas para focar objetivos mais
especficos no tratamento desses usurios. A avaliao da qualidade de vida
pode, ainda, beneficiar a relao entre paciente e profissional da sade, uma
vez que ambos conseguem perceber o processo de doena de forma mais
ampla, localizando as prioridades, melhorando a compreenso por parte do
profissional de sade e a confiana por parte do paciente.