Você está na página 1de 5
Estudo de obras literárias UFU Prof. Jorge Alessandro Estudo da obra Prof. Jorge Alessandro
Estudo de obras literárias UFU
Prof. Jorge Alessandro
Estudo da obra
Prof. Jorge Alessandro
Viagem pelo contexto
Viagem pelo contexto

Kafka estava frente a questões políticas e históricas importantíssimas. Em meio à crise da ―Bélle Époque‖, compreendido como momento na história francesa do final do século XIX, e que se estendeu até a eclosão da Primeira Guerra Mundial, em 1914. No Brasil, a Proclamação da República (1889) marca o inicio desse período que foi até 1922 com o Movimento Modernista e a realização da Semana da Arte Moderna em São Paulo. Ou seja, seu momento histórico é marcado pelos novos movimentos culturais, transformações, florescimento do belo, novas tecnologias e o cinema. Kafka vivia naquele momento em meio a uma crise existencial e racional.

Apenas se deveriam ler os livros que nos picam e que nos mordem. Se o livro que lemos não nos desperta como um murro no crânio, para que lê-lo? (Franz Kafka)

O Autor
O Autor

Franz Kafka (1883-1924) foi escritor tcheco, de língua alemã, considerado um dos principais escritores da Literatura Moderna. Suas obras retratam a ansiedade e a alienação do homem do século XX. Nasceu em Praga, na época do Império austro-húngaro, atual República Tcheca, no dia 3 de julho de 1883. Filho de Hermann Kafka, rico comerciante, de família judia, e de Julie Kafka. Cresceu sob a influência das culturas judia, tcheca, e alemã. Já na adolescência revela-se socialista e ateu. Estudou Direito em Praga, concluindo o curso em 1906. Trabalhou numa companhia de seguro e dedicou-se à literatura. Intimidado pela educação severa recebida do pai, torna-se isolado e rebelde, comportamento que marcou profundamente sua obra. Fez parte da chamada Escola de Praga e participou de reuniões com grupos anarquistas. Em 1917, se viu obrigado a afastar-se do trabalho devido à uma tuberculose. Escreveu em alemão toda a sua obra, a maior parte publicada postumamente. Seu estilo é marcado pelo realismo, pela crueza e pelo detalhamento com que descreve situações incomuns, como na obra "O Processo", de 1925, cujo personagem principal é preso, julgado e executado por um crime que desconhece. Em seus livros, é constante o confronto entre os personagens e o poder das instituições, demonstrando a impotência e a fragilidade do ser humano. Escreve ainda "A Metamorfose", publicada em 1916, e "O Castelo" em 1926. Engaja-se no movimento sionista. Franz Kafka faleceu em Klosterneuburg, Áustria, no dia 3 de junho de 1924.

em Klosterneuburg, Áustria, no dia 3 de junho de 1924. O A novela enfoca a luta
O A novela enfoca a luta da A
O
A
novela
enfoca
a
luta
da
A
Análise temática e simbólica
Análise temática e simbólica

fantástico - A novela nos coloca diante do tipo mais

puro de fantástico, sem possibilidade de uma explicação científica, religiosa ou mágica. O absurdo é descrito com naturalidade, como se se tratasse de uma doença comum, de uma desgraça qualquer.

Existencialismo a culpa, a solidão como fuga, a paranoia, o pessimismo e a impotência do gigante inseto são temas característicos da sociedade contemporânea que se descortinam na obra kafkiana.

família média pela

manutenção de valores tais como tranquilidade, segurança, prestígio, conforto, enfim, valores típicos da burguesia.

alienação provocada pelo trabalho automatizado e o

alheamento diante da vida estão colocadas pelo personagem Gregor, caixeiro viajante A sua condição de animal parece despertar enfim o humano (Paradoxo). É por meio da metamorfose que Gregor se liberta de seu fardo: seu trabalho e a dependência de sua família.

de seu fardo: seu trabalho e a dependência de sua família. A partir do momento que

A partir do momento que todos os membros da família

arranjam emprego e a questão financeira já está sanada, o pai chega a querer se livrar do filho/inseto ( o sujeito que não

produz no mundo capitalista), o que provoca em Gregor uma dor não apenas física, mas também psicológica: a dor da rejeição.

Estudo de obras literárias UFU

Prof. Jorge Alessandro

Estudo de obras literárias UFU Prof. Jorge Alessandro O herói Kafkiano – os personagens centrais de

O herói Kafkiano os personagens centrais de Kafka

são essencialmente homens comuns, seres insignificantes, vítimas passivas das instituições ético-sociais incapazes de modificar o mundo injusto e desagradável.

incapazes de modificar o mundo injusto e desagradável. A relação de Gregor com o pai se

A relação de Gregor com o pai se dá sob o signo da

autoridade, do poder e da violência O pai o violenta por suas vezes (No episódio da maçã, a ferida não cicatriza)

NARRADOR

assume a perspectiva do personagem principal.

A Metamorfose é narrada por um narrador onisciente, que

Essa ligação do narrador ao protagonista perdura até o

momento da morte deste, quando o narrador se desprende

de Gregor e passa a enfocar sua família.

se desprende de Gregor e passa a enfocar sua família. ENREDO CAPÍTULO I A maçã -

ENREDO

CAPÍTULO I

A maçã - Kafka carrega nas costas o peso de uma vida de fardo. Biblicamente, fruto do conhecimento do bem e do mal, que causou a expulsão do homem do paraíso.

bem e do mal, que causou a expulsão do homem do paraíso. cercado de todos os

cercado de todos os lados por 3 portas. Assim, o personagem se encontra invadido e sua liberdade cerceada.

o personagem se encontra invadido e sua liberdade cerceada. Gregor Samsa sofre uma degradação física (

Gregor Samsa sofre uma degradação física ( pelo corpo deteriorado), uma degradação funcional (pelo desemprego e inutilidade), uma degradação afetiva (pelo abandono por seus familiares).

A Linguagem
A Linguagem

relato dos fatos.

descritiva, criando uma atmosfera de suspense e agonia.

Estudo da narrativa
Estudo da narrativa

TEMPO

presente no qual o protagonista encontra-se metamorfoseado e as lembranças do passado nas relações familiares e como caixeiro viajante

O tempo narrativo procede num vai e vem entre o tempo

ESPAÇO

O espaço central é o próprio quarto do protagonista, seu ambiente familiar.

Importante!
Importante!

quarto de Gregor é o centro

arquitetônico e narrativo da casa. Ele aparece cercado por sua família. De um dos lados fica o quarto da irmã, de outro, o dos pais, e de outro a sala de estar. Isso garante,

O

paradoxalmente, sua liberdade e seu isolamento.

 O quarto – Espaço central da narrativa, seu quarto é    
O quarto – Espaço central da narrativa, seu quarto é
e
sequer conseguia se levantar.

Kafka utiliza uma linguagem impessoal, quase fria, no

A linguagem da narração é lenta e excessivamente

Numa manhã, após uma noite de sonhos turbulentos o personagem Gregor Samsa acorda ―metamorfoseado‖ em um inseto monstruoso.

Fora esse acontecimento inusitado, tudo o mais parece normal: o quarto, os tecidos, o quadro.

Gregor tenta dormir para ver se aquele horror passava, mas não consegue.

Pensa que talvez aquilo seja delírio provocado pelo cansaço. Gregor é caixeiro viajante e sua jornada de trabalho é extenuante e desumana e o chefe é bastante exigente. Entretanto seus pais precisam que ele trabalhe por causa de uma dívida que contraíram.

Gregor se angustia, pois deveria ter pegado o trem das 5h

já passava das 6h. O próximo passaria às 7h, mas ele

Gregor não evitaria mais uma ―trovoada‖ do chefe. Pensa em desculpar-se alegando uma doença, mas prevê que o chefe não acreditaria nele.

A mãe, o pai e a irmã começam a estranhar o fato de Gregor Samsa não ter saído no horário de costume e começam a bater nas portas para chama-lo. (seu quarto possui portas para o quarto dos pais, da irmã e para a sala).

Entretanto, Gregor, que deixa a porta sempre trancada à noite, não consegue levantar-se para abri-la. E sua voz estava mudada, era acompanhada de um ciciar doloroso.

O protagonista/inseto faz várias tentativas de se levantar da cama, mas desajeitado com o seu novo e estranho corpo, acaba se machucando. Pensa em chamar por ajuda, mas naquela condição isso seria impossível.

Ouve-se a campainha na porta de entrada. O gerente da firma, em pessoa, viera saber por que o empregado não fora trabalhar. Gregor se sente vigiado e oprimido.

Por causa da irritação, ele emprega toda força para tentar se virar e sair da cama e acaba caindo fazendo um forte ruído.

Todos tentam se comunicar com Gregor, pedem que ele abra a porta, mas não há resposta. Os pais alegam que talvez ele esteja gravemente doente e pedem que o gerente considere. A irmã chora.

Gregor Samsa tenta falar e acalmar os que o aguardam, mas sua voz já não é humana e ninguém o ouve.

O gerente, então, toma a palavra e fala duramente ao protagonista, ameaça-o com a perda do emprego, achando se tratar de um capricho de Gregor.

Estudo de obras literárias UFU

Prof. Jorge Alessandro uma poupança que havia feito, para surpresa e alívio de Gregor que ouve tudo do quarto.

Aquele dinheiro não duraria muito tempo e a conversa muda para a necessidade de ganhar mais para o sustento, então Gregor arde de tristeza e vergonha.

Grego recupera o sentimento libertador de olhar pela janela, embora a cada die ele perceba que enxergava com menos nitidez.

A irmã seguia em seus cuidados. Gregor sofria imensamente pelo trabalho que a sua condição rendia à irmã tão nova.

Um mês já havia se passado e Gregor percebe que o aspecto de seu corpo animalesco ainda faz repulsa à sua irmã, então sempre que ela entrava no quarto ele se esconde debaixo do sofá.

Sem ser ouvido, Gregor pede paciência ao gerente e implora para que lhe poupe o emprego. Enquanto isso vai se apoiando no armário e se movendo para a porta. A parte inferior do seu corpo dói.

O pai pensa em chamar o serralheiro para abrir a porta. Gregor deseja ser visto, pois assim entenderiam a sua impotência.

Após grande esforço, consegue chegar à porta e com as mandíbulas de inseto, gira a chave e consegue abrir a porta.

As folhas da porta entreabertas não permitem que ele seja visto de imediato, mas aos poucos a família e o gerente testemunham o asqueroso inseto no qual Gregor havia se tornado.

         

Gregor Samsa faz um piedoso apelo ao gerente para que compreenda sua situação e defenda-o junto ao chefe para proteger seu emprego, mas o gerente se afasta horrorizado.

Os pais, que antes achavam a Grete inútil, reconhecem e agradecem o seu trabalho, já que eles mesmos não conseguiam vencer a resistência de chegar perto.

Como Gregor percebe que já possui maior controle sobre suas perninhas avança um pouco pela sala, mas a mãe desespera-se e o gerente foge pelas escadas.

A mãe até deseja ver o filho, mas a irmã e o pai a impedem. Um dia ela chega a grita para vê-lo e precisam usar a força para impedi-la.

Com o auxílio de uma bengala e um jornal enrolado, o pai procura fazer com que o inseto volte para o quarto. Gregor tem dificuldade de andar de marcha ré e volta lentamente.

Gregor aos poucos perde o prazer da comida e adota o hábito de andar ziguezagueando pelas paredes e pelo forro numa distração quase feliz.

A irmã percebe sua andança por causa dos rastros de uma substância aderente que o inseto deixava nas paredes. Então, ela decide retirar os móveis do quarto para aumentar o espaço para sua atividade.

Gregor tem dificuldade de passar pela porta, mas o pai lhe desfere um violento golpe e ele voou sangrando para dentro do quarto.

O pai fecha a porta com a ajuda da bengala e todo volta ao silêncio.

Grete pede a ajuda da mãe para retirar os móveis. Por um instante a mãe pensa que seria melhor deixar o quarto como antes, como sinal de espera pela melhora do filho. Mas a irmã insiste na retirada.

CAPÍTULO II

Já era tarde quando Gregor despertou de seu sono pesado. Sentia-se dolorido e uma de suas perninhas estava ferida.

Elas esvaziam o quarto com exceção do sofá, onde Gregor se escondia. Gregor sente que estão tomando tudo que ele amava.

Suas antenas o atraem para perto da porta onde descobre uma tigela de leite doce com pedaços de pão. Estava com muita fome, mas em sua nova condição, não apreciava o leite.

Gregor não permite, porém que elas retirem o quadro pendurado na parede com a imagem de uma dama vestida de pele. O inseto sai debaixo do sofá e arrasta para cima do quadro.

Tudo está quieto e o silêncio reina na casa. Gregor se orgulha pelo fato de ter conseguido dar aquele sossego à sua família. Mas teme pelo futuro.

A mãe avista a mancha escura na parede e desmaia, a irmã se irrita com Gregor. Enquanto procura um frasco de remédio para a mãe, Gregor sai do quarto na intenção de ajudar; a irmã se assusta deixa os frascos caírem e os estilhaços ferem o rosto de Gregor.

Gregor percebe que todos estão hesitantes em entrar embora as portas estivessem abertas. Esconde-se debaixo de um sofá para que sua imagem não espantasse a irmã.

O pai chega em casa e encontra a confusão armada. Violentamente ataca Gregor com maças da fruteira. Uma das maçãs o fere com gravidade, afundando suas costas. E a mãe e a irmã imploram ao pai que poupasse a vida de Gregor.

A irmã, Grete, entra percebe que o leite não foi consumido, recolhe e traz outros alimentos (queijo estragado, pães velhos, legumes podres) que desta vez são apreciadas por Gregor.

Assim, Grego passa a receber comida diariamente pelas mãos da irmã, a única que tem coragem de entrar no quarto.

A empregada implora à mãe para que lhe demitam, jurando que não contaria nada a ninguém.

Já no primeiro dia, o pai expõe à família sua preocupação com a situação financeira dali em diante. O pai revela

Importante! A postura de Gregor, anterior à metamorfose era a de provedor. Ele se anulava
Importante!
A postura de Gregor, anterior à metamorfose
era a de provedor. Ele se anulava e se
alienava da sua própria existência para
salvar sua família. Essa atitude por um lado
ajudava seus parentes financeiramente, mas
por outro inibia o crescimento e expansão da
família.
atitude por um lado ajudava seus parentes financeiramente, mas por outro inibia o crescimento e expansão

Estudo de obras literárias UFU CAPÍTULO III

Prof. Jorge Alessandro

No dia seguinte, a faxineira descobre o inseto morto e avisa a família.

A família agradece a Deus, faz o sinal da cruz. Observa como o inseto estava magro, a faxineira abre a janela. Era final de março.

Os inquilinos acordam pedindo café. A faxineira chama-os para verem o cadáver de Gregor. O senhor Samsa pede que eles se retirem da casa.

A família decide tirar o dia para descansar e passear. Cada um escreve uma carta para os respectivos trabalhos avisando da falta.

O ferimento fez com que Gregor sofresse mais de um mês. E como ninguém teve coragem de retirá-la, a maçã ficou alojada em suas costas.

Gregor se movimentava com muita dificuldade, como um velho inválido.

A porta da sala que antes vivia fechada, agora ficava aberta à noite e Gregor podia ver a família reunida em volta da mesa iluminada.

Tudo se transformou na casa. Tudo era mais clamo e silencioso. O Pai agora era funcionário servindo café em um banco e nem à noite tirava o uniforme, a mãe costurava para uma firma, a irmã trabalhava como vendedora.

 Ao ir embora, a faxineira diz que não precisam se preocupar com os restos
Ao ir embora, a faxineira diz que não precisam se
preocupar com os restos do inseto. Tudo já estava
resolvido.
Os três deixam o apartamento e vão de bonde para o
subúrbio da cidade, iluminados pelo sol, conversando
sobre o futuro promissor. Grete estava uma moça bela e
enxuta. Os pais pensam que é hora de conseguir um
marido decente para ela.
Desesperança total.
Chegam ao destino e, como numa confirmação, a filha é a
primeira a levantar, espreguiçando o seu corpo jovem.
Importante!
A irmã Grete é de fundamental importância
para a guinada da história. Ela também sofre
uma metamorfose já que no início nutria
amor pelo irmão, mas depois passa a querer
se
livrar dele.
O
desfecho da história parece apontá-la
como o novo eixo da família.
ele desistiu.
Questões

Até as joias da família e alguns móveis tiveram de ser vendidos, a segunda empregada foi demitida e apenas uma faxineira vinha fazer o serviço mais pesado. Ninguém tinha mais tempo para Gregor.

Desejavam deixar aquela casa por uma menor e mais fácil de manter, mas não sabiam o que fazer com Gregor.

-

O protagonista já não dormia e nem conseguia comer, no escuro do quarto pensava no passado, nas viagens e quartos de hotel que frequentava.

A irmã, sem os cuidados iniciais, agora empurrava a comida com o pé cheia de desdém. A arrumação do quarto era feita sem cuidado, a sujeira se ajuntava e qualquer tralha velha era jogada no quarto de Gregor.

A faxineira perturbava Gregor todos os dias abrindo a

porta e dizendo: - Olha o rola-bosta! Certa vez Gregor se pôs em posição de ataca-la, ela reagiu com uma cadeira

e

Para aumentar o orçamento, a família aluga um dos quartos para três inquilinos barbudos. A porta do quarto de Gregor agora vivia trancada.

Certa vez a faxineira deixou a porta aberta, os inquilinos chegaram, jantaram e após a janta ouviram a Grete tocar violino. Gregor se seduz pelo som do violino da irmã e sai do quarto.

Os inquilinos ouvem a música aborrecidos, fumando distraídos. Gregor tem vontade de que a irmã toque para ele (digressão). Um dos inquilinos avista o inseto e a música para.

O pai tenta a todo custo tirá-los da sala, entretanto Gregor parece diverti-los mais que o violino. O pai insiste para que saiam e eles se revoltam e rescindem o aluguem.

Gregor, decepcionado e fraco permanece no mesmo lugar parado na sala. A irmã, então, decide com veemência que aquilo não poderia continuar: era preciso livrar-se daquele monstro!

A família concorda que toda desgraça de suas vidas resultam de Gregor. Muito lentamente, Gregor volta para

o quarto se arrastando e se batendo. Todos olharam para ele silenciosos e tristes.

A porta foi travada e trancada. Gregor se recosrda de sua

família com comoção e aceita a opinião de que deveria mesmo desaparecer. Permaneceu em silêncio várias horas, até que baixou a cabeça e morreu.

01. Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregório Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco inseto. Estava deitado sobre o dorso, tão duro que parecia revestido de metal, e, ao levantar um pouco a cabeça, divisou o arredondado ventre castanho dividido em duros segmentos arqueados, sobre o qual a colcha dificilmente mantinha a posição e estava a ponto de escorregar. Comparadas com o resto do corpo, as inúmeras pernas, que eram miseravelmente finas, agitavam-se desesperadamente diante de seus olhos. Que me aconteceu ? pensou. Não era nenhum sonho. O quarto, um vulgar quarto humano, apenas bastante acanhado, ali estava, como de costume, entre as quatro paredes que lhe eram familiares.

KAFKA, Franz. A metamorfose. Trad. Modesto Carone. São Paulo: Cia das Letras, 1997.

O protagonista da novela A metamorfose, Gregor Samsa, vivencia uma transformação que tem entre suas consequências, exceto:

Estudo de obras literárias UFU

a) A estrutura familiar é comprometida, pois o sustento da família dependia do sacrifício diário de Gregor.

b) Ainda que seja um membro da família, os apaís e a irmã sentem dificuldade em manter a convivência com um ser tão repugnante.

c) A metamorfose irrompe uma série de eventos misteriosos, sem explicações visíveis senão em razões oníricas, míticas e transcendentes.

d) O personagem sente dificuldade de ajustar o corpo estranho mesmo à cadeia das atividades mais cotidianas.

02. Olhou para o despertador, que fazia tique-taque na cômoda. Pai do Céu! pensou. Eram seis e meia e os ponteiros moviam-se em silêncio, até passava da meia hora, era quase um quarto para as sete. O despertador não teria tocado? Da cama, via-se que estava corretamente regulado para as quatro; claro que devia ter tocado. Sim, mas seria possível dormir sossegadamente no meio daquele barulho que trespassava os ouvidos? Bem, ele não tinha dormido sossegadamente; no entanto, aparentemente, se assim era, ainda devia ter sentido mais o barulho. Mas que faria agora? o próximo trem saía às sete; para o apanhar tinha de correr como um doido, as amostras ainda não estavam embrulhadas e ele próprio não se sentia particularmente fresco e ativo. E, mesmo que apanhasse o trem, não conseguiria evitar uma reprimenda do chefe, visto que o porteiro da firma havia de ter esperado o trem das cinco e há muito teria comunicado a sua ausência. O porteiro era um instrumento do patrão, invertebrado e idiota. Bem, suponhamos que dizia que estava doente? Mas isso seria muito desagradável e pareceria suspeito, porque, durante cinco anos de emprego, nunca tinha estado doente. O próprio patrão certamente iria lá a casa com o médico da Previdência, repreenderia os pais pela preguiça do filho e poria de parte todas as desculpas, recorrendo ao médico da Previdência, que, evidentemente, considerava toda a humanidade um bando de falsos doentes perfeitamente saudáveis. E enganaria assim tanto desta vez? Efetivamente, Gregório sentia-se bastante bem, à parte uma sonolência que era perfeitamente supérflua depois de um tão longo sono, e sentia-se mesmo esfomeado.

Prof. Jorge Alessandro

03. Oh, meu Deus, pensou, que trabalho tão cansativo

escolhi! Viajar, dia sim, dia não. É um trabalho muito mais

irritante do que o trabalho do escritório propriamente dito, e ainda por cima há ainda o desconforto de andar sempre a viajar, preocupado com as ligações dos trens, com a cama e com as refeições irregulares, com conhecimentos casuais, que são sempre novos e nunca se tornam amigos íntimos. Diabos levem tudo isto! Sentiu uma leve comichão na barriga; arrastou-se lentamente sobre as costas, mais para cima na cama, de modo a conseguir mexer mais facilmente a

cabeça (

Voltou a deixar-se escorregar para a posição

inicial. Isto de levantar cedo, pensou, deixa a pessoa estúpida. Um homem necessita de sono.

)

a) b) c) d) 04. a) (p.10) b) c) mesmo‖ (p.13) d)
a)
b)
c)
d)
04.
a)
(p.10)
b)
c)
mesmo‖ (p.13)
d)

KAFKA, Franz. A metamorfose. Trad. Modesto Carone. São Paulo: Cia das Letras, 1997.

Pela leitura do texto, inserido no conjunto da obra, pode-se afirmar que o personagem Gregor Samsa possui como marca de sua personalidade o(a):

Dinamismo, pois sua vida é plena de desafios e de movimentos que tornam sua vida significativa.

Esgotamento, pois gasta-se além do limite para atingir o objetivo de ocupar altos cargos em seu trabalho.

Transgressão, pois revolta-se e decide-se por rompe com as regras estéreis que lhe paralisam a vida.

Alienação, pois ignora mesmo sua nova condição ante a preocupação de retomar as atividades diárias

O personagem principal da novela a Metamorfose de

Franz Kafka parece ser atormentado por uma culpa e uma

autocensura que o impede de desligar o fio contínuo da responsabilidade para com sua família e seu trabalho. Em todas as alternativas abaixo, se destacam trechos que comprovam esta visão, à exceção de:

―Certamente o chefe viria com o médico do seguro de saúde, censuraria os pais por causa do filho preguiçoso

Gregório ficou tão irritado quando ela principiou de novo que correu no seu encalço, como se estivesse disposto a atacá-la‖ (p.94)

- Não fique inutilmente aí na cama disse Gregor a si

KAFKA, Franz. A metamorfose. Trad. Modesto Carone. São Paulo: Cia das Letras, 1997.

―Gregor ainda estava aqui e não cogitava minimamente em abandonar sua família‖ (p.18) Contatos: Email:
―Gregor ainda estava aqui e não cogitava minimamente
em abandonar sua família‖ (p.18)
Contatos:
Email: livrovivo@hotmail.com
www.facebook.com/jorgelivrovivo
Whatsapp: (38) 99179-4259
Site: jorgealessandro.wix.com/livrovivo

Considerando o trecho acima extraído da obra A

metamorfose de Franz Kafka, bem como a sua leitura integral, pode-se afirmar que:

a) As reflexões de Gregor sugerem a plena ordenação do mundo burguês, pois adquire a certeza de que se uma doença lhe acometesse, a firma enviaria auxílio médico imediato.

b) O protagonista adere às regras do contrato estabelecido pela família e pelo chefe da firma, aprisionado num cotidiano ditado sempre pelo outro.

c) Gregor possui conhecimento daquilo que se passa à sua volta, tanto em sua casa bem como nos bastidores do seu universo de trabalho.

d) Mesmo após constatar o inusitado da sua metamorfose em um inseto, Gregor mantém a calma e a naturalidade de quem confia na providência do chefe e da família.

Interesses relacionados