Você está na página 1de 110

FICHA TÉCNICA

Governador
Eduardo Braga
Vice-Governador
Omar Aziz
Reitor
Lourenço dos Santos Pereira Braga
Vice-Reitor
Carlos Eduardo S. Gonçalves
Pró-Reitor de Planej. e Administração
Antônio Dias Couto
Pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários
Ademar R. M. Teixeira
Pró-Reitor de Ensino de Graduação
Carlos Eduardo S. Gonçalves
Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa
Walmir Albuquerque
Coordenador Geral do Curso de Matemática (Sistema Presencial Mediado)
Carlos Jennings

NUPROM
Núcleo de Produção de Material
Coordenador Geral
João Batista Gomes
Projeto Gráfico
Mário Lima
Editoração Eletrônica
Helcio Ferreira Junior
Horácio Martins
Mário Lima
Revisão Técnico-gramatical
João Batista Gomes

Bentes, Arone.
A769c Comunicação e expressão / Arone Bentes, Francisco de Assis
Lima, José Almerindo Rosa. – Manaus/AM: UEA, 2006.

110 p.: il. ; 30 cm.

1. Língua Portuguesa – Estudo e ensino. I. Lima, Francisco de


Assis. II. Rosa, José Almerindo. III. Título.

CDU (1997): 811.134.3

CDD (19. ed.):869.09


SUMÁRIO

Palavra do Reitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Unidade I – A Linguagem, a Língua e a Fala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
TEMA 01 – A Linguagem, a Língua e a Fala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
TEMA 02 – Os Elementos da Comunicação e as Funções da Linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
TEMA 03 – A Língua Portuguesa e a Gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
TEMA 04 – O Ler e o Escrever . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Unidade II – Os Tipos de Textos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
TEMA 05 – A Narração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
TEMA 06 – A Descrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
TEMA 07 – A Dissertação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Unidade III – O Parágrafo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
TEMA 08 – A Estrutura do Parágrafo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
TEMA 09 – Tipos de Parágrafo: ordenação por tempo e espaço, definição e alusão histórica . . . . . . . . 37
TEMA 10 – Tipos de Parágrafo: enumeração, causa e consequência e paralelo e contraste . . . . . . . . . 40
TEMA 11 – Tema, Delimitação e Objetivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Unidade IV – Os Elementos Coesivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
TEMA 12 – A Coesão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
TEMA 13 – Conectivos coordenados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
TEMA 14 – Conectivos relativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
TEMA 15 – Conectivos subordinados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Unidade V – A Dissertação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
TEMA 16 – A Estrutura Dissertativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
TEMA 17 – Dissertação Argumentativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
TEMA 18 – Análise de um Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
TEMA 19 – Produção de Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Unidade VI – Produção de Texto e Apoio Gramatical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Fonética
TEMA 20 – Sílaba, Tonicidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
TEMA 21 – Acento Tônico e Gráfico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
TEMA 22 – Ortografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Morfologia
TEMA 23 – Formação de Palavras Referente à Matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
TEMA 24 – Substantivo e Outras Palavras Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
TEMA 25 – O Numeral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
TEMA 26 – O Verbo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
TEMA 27 – Emprego de Algumas Palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Sintaxe
TEMA 28 – A Concordância Nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
TEMA 29 – A Concordância Verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
TEMA 30 – A Regência Nominal e Verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
TEMA 31 – Crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
TEMA 32 – Colocação Pronominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
TEMA 33 – Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
TEMA 34 – A Vírgula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
TEMA 35 – Produção de Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
PERFIL DOS AUTORES

Arone do Nascimento Bentes


Graduado em Letras pela Universidade Federal do Amazonas – UFAM.
Mestre em Educação pela UFAM

Francisco de Assis Costa de Lima


Graduado em Letras pela Universidade Federal do Amazonas – UFAM.
Especialista em Língua e Literatura Latina pela UFAM.

José Almerindo Alencar da Rosa


Graduado em Letras pela Universidade Federal do Amazonas – UFAM.
Especialista em Literatura Brasileira pela UFAM.
PALAVRA DO REITOR

A Licenciatura Plena em Matemática pelo Sistema Presencial Mediado vem reforçar o compromisso do
Governo e da Universidade do Estado do Amazonas de avançar com ousadia na área do ensino que val-
oriza os meios tecnológicos. Os recursos utilizados para tal (livro didático, tv e web) são reforçados pela pre-
sença de Profes-sores Assistentes para garantir a qualidade necessária e otimizar os efeitos positivos advin-
dos dessa ousadia.

O grande potencial tecnológico que caracteriza a UEA tem de ser utilizado para a formação de professores,
especialmente daqueles que se encontram no interior do Estado, fazendo-os permanecer no seu local de
origem, dando-lhes formação à altura das necessidades regionais e criando condições dignas de trabalho.
Toda a experiência significativa acumulada em outros projetos vai contribuir para que o curso de Matemática
cumpra a contento o papel de formar professores com visão diferenciada, colocando em prática uma didáti-
ca eficiente, centrada nas necessidades imediatas do homem e do meio que o circunda.

As estratégias de ensino-aprendizagem devem ser focadas no aluno. Em função dele é que se lança mão
de todos os recursos inovadores, estimulando-o à pesquisa e à conquista de uma vida melhor. Assim, a UEA
cumpre a tarefa de formar profissionais autônomos e disciplinados, aptos a absorver e a praticar uma políti-
ca educacional que elevará o Estado do Amazonas à posição de vanguarda no âmbito do ensino que ultra-
passa as barreiras da sala de aula.

Lourenço dos Santos Pereira Braga


Reitor da Universidade do Estado do Amazonas
UNIDADE I
A Linguagem, a Língua e a Fala
Comunicação e Expressão – A Linguagem, a Língua e a Fala

É apropriado afirmar ainda que linguagem é a


TEMA 01
faculdade que os indivíduos possuem para ex-
APREENDENDO
pressar seus estados mentais através de um
código chamado língua, que é ao mesmo tempo
A LINGUAGEM, A LÍNGUA E A FALA representativo do mundo interior e do mundo
exterior. Por linguagem entendemos todo sis-
“Linguagem e língua são condições de possibilidade tema de comunicação que utiliza signos organi-
da fala ou do discurso: A fala ou discurso é a utiliza- zados de modo particular.
ção individual da língua, é um ato individual de sele-
Usar a linguagem é natural do ser humano.
ção e de atualização”.
(Barthes, apud: Proença. 1973, p.: 44)
Como instrumento e conseqüência das intera-
ções sociais, é através dela que se processam
A Lingüística é a ciência que se preocupa com o as trocas de experiências, que são definidas as
estudo da língua como fato social. É ela que se cooperações entre os indivíduos, o que, por ex-
encarrega de perscrutar as alterações (ou adapta- tensão, viabiliza a vida em sociedade.
ções) que os falantes fazem nos mecanismos da
língua, nas inúmeras interações sociais de que Na relação de ensino, é fundamental o uso de
participam. À Lingüística interessa a língua como uma linguagem objetiva, uma vez que esta pode
linguagem, e a fala como operacionalização da lín- ocorrer em níveis específicos, que dependem
gua. Assim, os estudos lingüísticos ocorrem sobre fundamentalmente da situação que se esteja
os mecanismos da língua, sobre as estruturas vivendo, do contexto das interações sociais. A
(fonológicas, morfológicas, sintáticas, semânticas) linguagem coloquial, por exemplo, é aquela
que, ao mesmo tempo em que sustentam e man- realizada de forma espontânea, sem a preocu-
têm a língua, dão a ela o caráter de código orga- pação com o rigor formal estabelecido pela gra-
nizado. mática; busca a adequação à situação em que
Neste manual, particularmente, interessa-nos re- se processa e à condição do receptor; é regida
correr aos princípios da Lingüística em função de por um certo dinamismo que caracteriza o nível
sua preocupação com o que ocorre na articulação dos diálogos. Para o uso da língua como lin-
da língua e na crítica que faz ao tradicionalismo guagem coloquial, há recursos disponíveis que
gramatical. Convém, então, expor as definições de agilizam a compreensão, como gestos, expres-
língua, linguagem, fala e de gramática para poste- sões faciais, entonação.
riormente associarmos o que propõe a Lingüística A língua como linguagem Culta ou Padrão (para
ao que se observa nos cursos de graduação no alguns estudiosos, adloquial), por sua vez, é
que tange à língua portuguesa no contexto da aquela que se molda ao longo das experiências
comunicação que o ambiente de ensino e apren- acadêmicas. Não dispõe de recursos extralin-
dizagem exige. Feito isso, poderemos propor inter- güísticos. Seu poder de expressividade repousa
venções pedagógicas para um trabalho didático sobre a escrita, fica restrita às estruturas lingüís-
mais preciso e de resultados mais concretos. ticas e aos recursos estilísticos. Pode-se afirmar
que a linguagem coloquial está para a fala e a
1. Linguagem
Culta ou Padrão (adloquial) para a escrita, em-
Qualquer manifestação compreensível de idéias bora ocasionalmente em alguns textos escritos
e/ou sentimentos constitui linguagem. Há lin- haja a predominância de linguagem coloquial
guagem em todas as relações humanas, confi- em função da própria natureza do texto ou da
gurando-se como verbal, musical, gestual, etc. situação em que esteja inserido.
Os animais irracionais usam linguagem como
resultado do instinto, das percepções senso- A linguagem Culta ou Padrão (adloquial) pode-
riais. O homem é o único capaz de produzir se apresentar como formal ou oficial e artística
linguagem como atividade psíquica, racional, ou literária. Na linguagem Culta (adloquial), for-
como atividade consciente, sugestiva. mal, as orientações oficiais da língua devem ser
seguidas, prezando-se pelo uso da palavra com
Para o professor Antenor Nascentes, linguagem seu significado único, não-sugestivo em função
é todo sistema de sinais que dê a seres cons- da necessidade de comunicar. Na linguagem
cientes a possibilidade de ter relações entre si. Culta (adloquial) artística ou literária, a finalidade
De acordo com Mattoso Câmara, linguagem é a é essencialmente poética, procura expressar
“faculdade que tem o homem de exprimir seus o belo, sugerindo mais do que determinando,
estados mentais por meio de um sistema de usando a palavra em seu sentido figurado, sem
sons vocais chamado língua. Pela atividade da a intenção de definir a mensagem. O resultado
linguagem, ou FALA, faz-se a comunicação”. dessa experiência de produção textual usando a
(MATTOSO CÂMARA, 1977) linguagem culta é um certo encantamento por

11
UEA – Licenciatura em Matemática

parte do leitor, proveniente de uma certa intros- A linguagem realiza-se e, conseqüentemente,


pecção por parte do redator, que produz arte torna-se efetiva ao incidir sobre o outro, sobre o
tendo como matéria prima a palavra, a expres- destinatário, sobre o que ouve, o que vê, o que
são plurissignificativa, isto é, o vocábulo cheio sente. Nesse jogo, o contexto, o ambiente em
de significados. que se realiza é fundamental. As interações
entre quem diz e quem “ouve”, entre locutor e
O mundo está, pois, repleto de linguagens. Os
seres humanos, a cada dia, otimizam suas interlocutor fundam-se sobre a significação; o
relações criando novas formas de comunicar-se. universo em que essas interações ocorrem vai
O diálogo entre o homem e seus pares parece contribuir para que haja efetivamente compre-
intensificar-se através das imagens, dos gestos, ensão. Então, o exercício da linguagem requer
dos inúmeros sinais espalhados pelas ruas, pra- interação, pressupõe troca, uma estrutura so-
ças, vias, rádios, tvs e pelas mídias modernas. cial, um ambiente, um contexto, as pessoas e as
Todo profissional que trabalha com o ensino de- idéias que elas têm de seu derredor. Não é algo
ve ter informação sobre essas maneiras de ex- fechado, concluído. Faz-se e torna-se a ser feita,
pressar-se a fim de converter esses princípios influenciando os sujeitos envolvidos no proces-
em instrumentos para o bom desempenho de so, num jogo de representações e significações.
seu trabalho. Essas significações alteram-se à medida que as
Richer (2000, p.19) diz que “as teorias de aqui- situações de comunicação vão-se alternando.
sição da linguagem estão ligadas a três manei- As expressões usadas na linguagem verbal, por
ras diferentes de explicar o conhecimento hu- exemplo “ganham” significações novas se usa-
mano. Podem, então, ser divididas em três gru- das em contextos diferentes. Baktin (1986) diz
pos”: que a linguagem apresenta duas faces:
! No primeiro grupo, situam-se as teorias que Na realidade, toda palavra comporta “duas fa-
defendem a experiência como fonte básica de ces”. Ela é determinada tanto pelo fato de que
conhecimento. Todas as idéias vêm da experiên- procede “de” alguém, como pelo fato de que se
cia com o mundo material, e a mente só as orga- dirige “para” alguém. Ela constitui justamente o
niza. O mundo exterior e suas conexões não de- “produto da interação do locutor e do ouvinte”.
pendem da mente para serem o que são. Esta Toda palavra serve de expressão a “um” em re-
posição teórica, também conhecida por alguns lação ao “outro”. Através da palavra, defino-me
como Associacismo é, aqui, denominada Beha- em relação ao outro, isto é, em última análise, em
viorismo. relação à coletividade(...) A palavra é o território
comum do locutor e do interlocutor. (p.113)
! No segundo grupo, encontramos teorias que
atribuem à mente o papel mais importante no co- Existe, evidentemente, uma relação entre lingua-
nhecimento. As idéias são inatas, e a experiência gem e saber. Bem como entre linguagem e po-
pouco importante. O rótulo para esta posição der. No que tange ao saber, ela produz saber, é
teórica é Inatismo.
construída pelo saber e proporciona condições
! No terceiro grupo, estão as teorias que evitam para que o saber seja reproduzido. Sem ne-
separar mente e experiência. Para tanto, há duas
nhum rodeio, linguagem é poder. Domine-se a
soluções importantes, que não se excluem. Uma
é admitir que a mente só pode conhecer uma rea- linguagem dos vários estratos sociais, entenda-
lidade social. Ou seja, só posso ver a realidade se como se comunicar com o outro, quem quer
com os olhos do meu grupo (“visão comum”). que seja esse outro, e haverá uma força influen-
Outra é constatar que conhecemos objetos “re- ciadora sobre esse outro.
presentados”[...] Por exemplo, o rosto de uma
pessoa determina aquele que sai na foto [...] A Em sala de aula, a linguagem será estabelecida
experiência “molda” indiretamente a consciência. sob a regência do professor. Considerando que
qualquer instrumento de/para comunicação
A longa citação dá uma idéia da dimensão do constitui linguagem, o professor definirá quais
assunto. Compreender como os seres huma- instrumentos usará a fim de viabilizar o contato
nos lidam com tão importante instrumento que é com a turma. Aliás, esse é o objetivo dessas
a linguagem é mais que relevante, é vital para orientações teóricas: ampliar a capacidade de
que a Educação se processe como formadora comunicação do professor, aguçar sua sensibili-
de caracteres ajustados a um modo de vida to- dade para compreender seus alunos, ajudando-
lerante com as diferenças, com as diferentes
os em suas descobertas, ajudando-os na cons-
maneiras de ver o mundo, não com a ignorân-
trução do conhecimento. Exercícios são lingua-
cia, com o preconceito ou com qualquer forma
gens, pois dizem o que se quer da turma; a
de dominação.
disposição das carteiras em sala é linguagem,
O tema linguagem tem forte relação com um pois diz quem ensina e quem aprende, revelam
processo lúdico de representações e intenções. que para o processo ocorra a contento deve

12
Comunicação e Expressão – A Linguagem, a Língua e a Fala

haver hierarquia; o tom de voz do professor é Celso Cunha, a língua é um sistema gramatical
linguagem, diz se o professor é dado ao diálogo pertencente a um grupo de indivíduos. Para
ou se é ditador; se orienta as descobertas ou Saussure, é a linguagem menos a fala, a parte
pressiona nocivamente. O olhar dos alunos é social da linguagem. Proença Filho (1994, p.14
linguagem, pois diz de seus temores e anseios; e 15) argumenta que a língua pode ser entendi-
suas dificuldades de aprendizagem são lingua- da como a realização de uma linguagem, um
gens, revelam suas dificuldades de adaptação sistema de signos que permite configurar e
quer na vida acadêmica quer na social. Ao pro- traduzir a multiplicidade de vivências caracteri-
fessor deve interessar a construção de um agru- zadoras do modo de ser de cada um no mundo.
pamento de linguagens que efetivamente otimi- Vive em permanente mutação, acompanha as
ze o processo de ensino e aprendizagem. E isso mudanças da sociedade que a elege como
não é difícil de ocorrer, basta uma certa aproxi- instrumento primeiro de comunicação. Envolve
mação da turma, entender que ensinar é apro- uma dimensão social. De acordo com suas
ximar-se respeitosamente dos que desejam próprias palavras:
aprender.
[...] A língua é um sistema de signos, ou seja, um
conjunto organizado de elementos representa-
tivos. Como tal, é regida por princípios organiza-
tórios específicos e marcados por alto índice de
complexidade: envolve dimensões fônicas, mor-
fológicas, sintáticas e semânticas que, além das
relações intrínsecas, peculiares a cada uma, são
também caracterizados por um significativo inter-
relacionamento. A rigor, a língua, mais do que um
sistema, é um conjunto de subsistemas que a
integram.
A língua pode então ser entendida como a reali-
zação de uma linguagem humana: só existe lín-
gua se houver seres humanos que a falem. Para
o estudo de língua portuguesa nas graduações,
especificamente nos cursos de licenciaturas, es-
sas definições têm profunda relevância, uma vez
Nosso tempo é também conhecido como o que a língua é, antes de tudo, uma realização
do advento das mídias. Mídias são canais; humana, uma atividade psíquica que como tal
lugares nos quais se veiculam mensagens. O precisa ser tratada. É ela ainda o instrumento
televisor, o computador, os automóveis, os cha- primeiro nas relações de ensino, o algo de que
mados outdoors, enfim, absolutamente tudo precisam os professores para se expressarem,
que se torne um veículo de comunicação torna- para estabelecerem acordos didáticos, para vei-
se mídia. As inúmeras mídias exigem linguagens cularem, num primeiro momento, as atividades,
adequadas. A televisão, por exemplo, ao lidar as abordagens necessárias para a construção
com as imagens exige uma relativa sincronia do conhecimento.
entre estas e os textos. Tal adequação deve ser
imperativa nas relações de aprendizagem. Considerar o contexto em que se processa o
estudo da língua é fundamental. Sem as de-
2. Língua vidas considerações, há um enorme risco de se
A língua é um código estruturado, um conjunto mecanizar o processo: “temos de fazer um gran-
organizado de relações adotado para permitir o de esforço para não incorrer no erro de estudar
exercício da linguagem entre os homens. “É o a língua com uma coisa morta, sem levar em
sistema de expressão falada particular de tal ou consideração as pessoas vivas que a falam.”
qual comunidade humana” ou, em outros ter- (BAGNO, 2001, p. 9).
mos, “é todo o sistema de sons vocais por que Para alunos das chamadas ciências exatas, isso
se processa numa dada comunidade humana o soa estranhamente, talvez. Como as práticas
uso da linguagem” (MATTOSO CÂMARA apud específicas desses cursos são voltadas para ex-
Proença Filho, 1994, p.:14). pedientes mecânicos que exigem capacidade
Alguns teóricos, ao proporem suas definições de efetuar cálculos considerando fórmulas, ima-
para língua, explicitam a tênue marca que sepa- gina-se que o estudo da língua e sua articulação
ra a língua como terminologia da linguagem, se efetue totalitariamente de tal forma. Mas não
cujas definições vimos anteriormente. Para é assim que as coisas se processam.

13
UEA – Licenciatura em Matemática

Primeiramente, convém entender que qualquer e a do amazonense: enquanto este, na fala, sim-
das ciências depende, para que seja compreen- plesmente ignora o /ñ/ (nhê), aquele o pronun-
dida plenamente, da capacidade de interpre- cia com ênfase. O amazonense fala /farîa/ (para
tação do aprendiz, do investigador. Sem isso, farinha), o paraense fala /fariña/, com o /ñ/ (nhê)
essas ciências correm o risco de se tornarem bem enfatizado. Isso é fala. No interior, em algu-
práticas desprovidas de significação, práticas mas regiões ouvimos a expressão “a buca da
sobre as quais o aluno não consiga erguer noite” (à boca da noite, isto é,no início da noite)
relações com o que ocorre efetivamente ao seu ou ainda um “sôco de copôaçô” (suco de
redor. cupuaçu). Os falantes do português no interior
A língua é notadamente dinâmica. Suas estru- do estado do Amazonas fazem naturalmente a
turas são freqüentemente abaladas em função troca do fonema /o/ pelo fonema /u/, ou do fon
da rapidez em que se processam as interações ma /u/ pelo fonema /ô/. E isso está longe de
humanas. Embora se devesse prezar por um poder ser determinado como certo ou errado. É
certo rigor formal, constantemente os falantes simplesmente fala. Há exemplos dessa natureza
se desviam da normatização. E o fazem por, em todas as regiões do país. O mineiro do inte-
pelo menos, três motivos: pelo simples desco- rior costuma suprimir as últimas sílabas das
nhecimento do padrão estabelecido entre os palavras. Ex.: “Sapassado é’sessetembro.”
membros da comunidade lingüística; pelo con- (“Sábado passado era sete de setembro.”).
texto das situações de comunicação; pela inten-
A fala é para alguns a prova de que a língua
ção de atingir a mente do receptor que, por sua
vez, desconhece o padrão estabelecido. modifica-se constantemente. Nos seres huma-
nos, a primeira manifestação concreta da língua
A língua tem a ver com a vida em sociedade. É é a fala, é ela que, muitas vezes, vai determinar
um tema político por excelência. Tratá-la na es- as alterações na língua, as quais a gramática
cola como um assunto longe da vida dos indiví- não consegue acompanhar.
duos é promover uma espécie de alienação, é
enclausurar o homem, é confundir-lhe a mente 4. Linguagem
uma vez que em sua vida fora da academia
No contexto deste curso, é importante entender
acostumou-se a usá-la sem aperreios. Daí a ne-
que Gramática constitui a convenção adotada
cessidade de uma nova postura como professor
por falantes de uma mesma comunidade lin-
que trabalha tendo como referencial a língua;
güística para o uso da língua. É um tratado que
daí a importância de se produzir (e não apenas
reproduzir!) um conhecimento sobre a língua. expõe as regras da língua. Interessa-lhe a histó-
ria, o registro (Gramática Histórica) e a sistemati-
3. Fala zação de uma língua (Gramática Normativa).
Conforme os aspectos sob os quais pretende
Em uma mesma comunidade, há variações no
investigar os fatos da língua, a Gramática (Nor-
uso da língua. Essas variações constituem a
fala. Fala é a utilização individual da língua. Não mativa) pode ser dividida em Fonética, Morfolo-
há língua sem fala, não há fala fora da língua. gia, Sintaxe, Semântica e Estilística.
Para Saussure “é a atividade lingüística nas Em se tratando de Fonética, os sons da fala, os
múltiplas e infindáveis ocorrências da vida do fonemas, a pronúncia das palavras, a emissão e
indivíduo”. A fala constitui um ato mental do indi- articulação dos fonemas, a acentuação tônica e
víduo, que ao falar, não cria linguagem mas, uti- a figuração gráfica das palavras constituem o
liza o material lingüístico que a comunidade lhe objeto de estudo.
ministrou, ou impôs, fazendo as alterações que
julgar necessárias. No que tange à Morfologia, é a palavra em sua
estrutura, formação e flexões, que irá figurar
No Brasil fala-se a língua portuguesa. Essa como alvo de estudo.
língua apresenta uma enorme variedade de rea-
lizações ao longo da extensão geográfica do As funções das palavras, suas disposições na
país. De norte a sul, de leste a oeste a língua é oração e suas relações entre si no enunciado
articulada como resultado (como não poderia constituem o interesse da Sintaxe.
deixar de ser) das diferenças culturais, sociais, À Semântica cabe o papel de investigar a signifi-
econômicas etc dessas regiões ou comunidade
cação das palavras.
lingüísticas. As heranças culturais, os processos
de povoação, as relações dos membros dessas A Estilística trará essencialmente dos diversos
comunidades entre si, tudo influencia o uso da processo expressivos, valorizando a estética e
língua como fala. Observe-se a fala do paraense despertando emoção.

14
Comunicação e Expressão – A Linguagem, a Língua e a Fala

Gramática (Normativa) jamais deve ser concebida


como camisa de força, mas como elo entre os indi-
LENDO víduos e seus pares. Conforme Perine (apud
BAGNO, 2001, p.124):
Gramática e língua
[...] qualquer falante de português possui um conhe-
Arone Bentes cimento implícito altamente elaborado da língua,
muito embora não seja capaz e explicitar esse co-
A gramática não deve ser confundida com a lín- nhecimento. E [...] esse conhecimento não é fruto
gua: esta é dinâmica e aquela é estática. A língua de instrução recebida na escola, mas foi adquirido
ao se realizar na fala, transforma-se durante a de maneira tão natural e espontânea quanto nossa
azáfama das relações sociais, nas situações do habilidade de andar. Mesmo pessoas que nunca es-
cotidiano. A gramática, por ser resultado de con- tudaram gramática chegam a um conhecimento im-
venções, mantém-se imutável até que se decida plícito perfeitamente adequado da língua. São como
pessoas que não conhecem a anatomia e a fisiologia
modificá-la (pois estranha e óbvia que possa pare-
das pernas, mas que andam, dançam, nadam e pe-
cer essa delcaração!).
dalam sem problemas.
Os membros de uma comunidade lingüística estão
acostumados a entender gramática como sendo o A gramática possui uma função reguladora, jamais
manual da língua, como um compêndio a que se deve servir para determinar o que é certo e o que
recorre todas as vezes que se pretende falar “cor- é errado na articulação da língua. A língua é uma
retamente”, de acordo com o padrão estabelecido herança adquirida, não um mero saber secundá-
pelos falantes. Embora haja necessidade de uma rio, mecânico.
padronização – e a gramática constitui a personi-
ficação dessa padronização –, existem algumas
orientações gramaticais que não condizem com o
que ocorre na efetiva operacionalização da língua. ESCREVENDO
Dessa forma, é extremamente importante para o
trabalho docente que cada professor entenda que 1. Enumere os tipos de linguagem que você obser-
a gramática (Normativa) não é a língua. É sim uma va no trajeto de sua casa para seu trabalho ou
sugestão do que deveria ocorrer na língua. faculdade.
Pode-se falar em pelo menos duas gramáticas1: 2. Leia o texto abaixo e a seguir “traduza-o”.
a natural, resultado das interações com o meio
logo que se começa a usar a língua, quando crian-
ça; e a artificial ou adquirida, que nos é apresenta- Uma história em mineirês
da nos anos de formação escolar, que orienta o (Este texto deve ser lido em voz alta e devagar)
uso da língua e que estabelece padrões e condu-
Sapassado, era sessetembro. Taveu na cuzinha
tas para a articulação oral ou escrita da língua.
tomando uma pincumel e cuzinhando um kidi-
Ao chegar à escola, a criança fala “fluentemente” carne cum mastumate pra fazer uma macor-
sua língua pátria. Ela articula a língua de acordo ronada com galinha assada.
com as informações que capta ao longo de suas
Quascaí de susto quando ouvi um barui vindo
relações com os falantes (dessa língua). Assim,
de dendoforno, parecendo um tidiguerra. A
conforme Perine (apud BAGNO, 2001 p.124) “nos-
receita mandapô midipipoca dentro da galinha
so conhecimento da língua é ao mesmo tempo
prassá. O forno isquentô, o mistorô e a galinha
altamente complexo, incrivelmente exato e extre-
ispludiu!
mamente seguro”. Nessa experiência, obviamente,
a criança se afasta da prescrição da Gramática Nossinhora! Fiquei quinein um lidileite. Foi um
Normativa, contudo, na maioria das vezes con- trem doidimais! Quascaí dendapia!
segue atingir seu maior objetivo que é comunicar. Fiquei sensabê doncovim, proncovô, oncotô.
O professor, então, vai conduzir o estudo da lín- Oiprocevê quelucura! Grazadeus ninguém
gua. Vai mostrar às crianças algo encantador que simaxucô!
é o funcionamento da língua. Vai explicitar os me-
canismos; num sentido metafórico, vai abrir o capô
do veículo e mostrar-lhe o motor, as engrenagens,
os sistemas elétricos e hidráulicos etc. A criança,
o jovem ou adulto iletrado irão perceber que a

1
É a lingüística Moderna, sobretudo na vertente gerativo-transformacional que cha-
ma a atenção para a diferença entre a gramática dos falantes e dos estudiosos e
teóricos. O lingüista americano Noam Chomsky (1928) pesquisador do MIT, é quem
melhor se expressa sobre essa questão.

15
UEA – Licenciatura em Matemática

“Há três técnicas de redação: a descrição, a nar-


TEMA 02
ração e a dissertação. Elas podem vir misturadas
APREENDENDO
em um mesmo texto, mas, geralmente, uma delas
se sobressai.” (Faulstich). A descrição é uma se-
qüência de aspectos, a narração é uma seqüência
OS ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO de fatos e a dissertação, de idéias.
E AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM
Dissertar é, portanto, desenvolver um pensamento,
A convivência entre os indivíduos torna-se viável um conceito ou dar uma opinião. Quem disserta
graças à comunicação. Com esse importante procura explicar os fatos, as idéias, apresentando
recurso, as pessoas podem interagir umas com as causas, efeitos, tecendo comentários, comprovan-
outras, resolvendo seus problemas e satisfazendo do seus argumentos, a fim de convencer o leitor ou
suas necessidades. Comunicar significa simples- ouvinte. Para tanto, deve ter cuidado na seqüência
mente expressar-se e ser compreendido. O ato de das idéias, na coesão do texto ou da fala. Observe
comunicação constitui um processo durante o qual a seqüência de idéias nos textos que se seguem.
se podem perceber, nitidamente, alguns elementos
que, ao atuarem convenientemente, promovem a
compreensão. Conheçamos esses elementos: LENDO
1. Emissor – É o elemento que inicia o processo.
É ele que vai codificar a mensagem, seu papel é Chama o “Aurélio”
expressar-se de tal forma que o receptor entenda; Certos casos da política, de tão inacreditáveis,
2. Receptor ou recebedor – É quem recebe a acabam virando parte do anedotário. Ou vice-
mensagem do emissor. Tecnicamente, decodifi- versa: Algumas piadas traduzem tão bem deter-
ca a mensagem. mina-das características da cultura política que
assumem ares de verdade.
3. Mensagem – Constitui o teor expresso, é o que o
emissor emite e que deverá ser decodificado pelo Em uma hipótese se encaixa a correspondência
receptor. trocada, cerca de 20 anos atrás, entre o prefeito de
Bom Sucesso (MG) e o então secretário estadual
4. Código – É o instrumento usado para comu-
do Interior, Ovídeo de Abreu.
nicar. Nas situações de comunicação oral, a lín-
gua é o código. No nosso caso, o código usado Conta o deputado Elias Murad (PSDB/MG) que
é a Língua Portuguesa. Abreu sempre gostou de falar difícil. Numa certa
ocasião, o secretário recebeu a informação de que
5. Canal – É o elemento que conduz a mensagem Bom Sucesso sofreria um tremor de terra capaz de
ao receptor. No texto escrito, o canal é a folha de quebrar copos e trincar pratos. Preocupado, expe-
papel. diu rapidamente um telegrama ao prefeito: “Mo-
6. Referente – É o assunto de que trata a men- vimento sísmico previsto essa região. Provável
sagem. É também o contexto em que essa men- epicentro movimento telúrico sua cidade. Obsé-
sagem deve estar inserida. quio tomar providências logísticas cabíveis”.
Esses elementos estão presentes nas situações O secretário esperou ansioso pela resposta. Qua-
comunicativas. Tanto naquelas ocasiões em que a tro dias depois chegava o telegrama do prefeito:
“Movimento sísmico debelado. Epicentro preso,
linguagem usada é a Língua Portuguesa, quanto
incomunicável, cadeia local. Desculpe demora.
naquelas em que outras linguagens são usadas.
Houve terremoto na cidade”.
Na rua, por exemplo, o código é outro, não a lín- [24/11/1992] (Jornal Folha de São Paulo)
gua propriamente dita. Se um motorista, ao chegar
a um cruzamento, vir uma luz vermelha num ponto Léxico
estrategicamente localizado, deve parar o veículo
Vereador em São José da Lage, cidadezinha no
que conduz. Isso ocorre porque, o emissor, no
norte de Alagoas, Ramiro Pereira iniciou uma
caso o órgão responsável pelo controle do tráfego discussão com um colega, em plenário.
urbano, emitiu uma mensagem visual (luz verme- Argumento vai, argumento vem, os ânimos se
lha) para o receptor (motorista) que rapidamente exaltaram, o nível caiu, conta Cleto Falcão (“Mis-
decodificou a mensagem, entendeu seu referente são Secreta em Igaci”).
(pare), através de um canal (semáforo). O emissor Lá pelas tantas, Ramiro disparou:
entendeu a mensagem porque tem conhecimento – V. Ex.a é um demagogo!
do código usado que foi o de trânsito. Para que – E o que é um demagogo? – quis saber o ofendido.
haja comunicação, é necessário que emissor e – Sei não. Mas deve ser um cabrinha safado assim
receptor dominem, conheçam o mesmo código e da sua marca.
estejam no mesmo contexto. [12/05/1989] (Jornal Folha de São Paulo)

16
Comunicação e Expressão – A Linguagem, a Língua e a Fala

FUNÇÕES DA LINGUAGEM: FUNÇÕES DA LINGUAGEM:


REFERENCIAL, EMOTIVA E CONATIVA POÉTICA, FÁTICA E METALINGÜÍSTICA

Função referencial ou denotativa: Três, inicialmente, eram as funções da linguagem:


Referencial, Emotiva e Conativa. Jacobson reela-
A função referencial ou informativa, também cha-
borou-as e acrescentou outras três: Poética, Fática
mada denotativa ou cognitiva, privilegia o con- e Metalingüística. Estas seis funções estão intima-
texto. Ela evidencia o assunto, o objeto, os fatos. mente ligadas aos elementos da comunicação e
É a linguagem da comunicação. Faz referência a as usamos em nosso dia-a-dia.
um contexto, ou seja, a uma informação sem qual-
quer envolvimento de quem recebe. Não há preo-
Função Poética:
cupação com o estilo; sua intenção é unicamente
informar. É uma linguagem predominante em tex- Na função poética, a mensagem é posta em
tos de jornais, revistas informativas, livros técnicos destaque. O emissor tem um cuidado especial na
e didáticos. escolha das palavras, realçando sons que suge-
rem significados diversos, para expressar ou enfa-
Exemplo: tizar a sua mensagem.
“Todo brasileiro tem direito à aposentadoria. Mas nem
Exemplos:
todos têm direitos iguais. Um milhão e meio de fun-
cionários públicos, aposentados por regimes espe- “A cor do meu batuque
ciais, consomem mais recursos do que os quinze tem o toque e tem
milhões de trabalhadores aposentados pelo INSS. o som da minha voz...”
Enquanto a média dos benefícios dos aposenta- (Chico da Silva)
dos do INSS é de 2,1 salários mínimos, nos regimes
“Eu quero das matas
especiais tem gente que ganha mais de 100 salários
o valor do silêncio
mínimos”.
e o canto dos bichos
(Programa Nacional de Desestatização)
pra ser um caminho
de paz e oração...”
Função emotiva ou expressiva: (Celdo Braga e Eliberto Barroncas)
Quando há ênfase no emissor (1.a pessoa) e na ex-
pressão direta de suas emoções e atitudes, temos Função Metalingüística:
a função emotiva, também chamada expressiva ou
de exteriorização psíquica. Ela é lingüisticamente A linguagem tem função metalingüística quando
discorre sobre seu próprio conteúdo. É a lingua-
representada por interjeições, adjetivos, sinais de
gem falando da própria linguagem. O dicionário é
pontuação (tais como exclamação e reticências)
metalingüístico por excelência, pois é a linguagem
e também agressão verbal (insultos termos de
explicando a própria linguagem. Quando um filme
baixo calão), que representa a marca subjetiva de
fala sobre a história da pintura, também temos
quem fala.
metalinguagem, uma linguagem explicando outra
Exemplos: linguagem.
“Oh! Como és linda, mulher que passas Exemplo:
Que me sacias e suplicias “Amor. [Do lat. Amore] s.m. 1. Sentimento que predis-
Dentro das noites, dentro dos dias!” põe alguém a desejar o bem de outrem, ou de algu-
(Vinicius de Moraes) ma coisa: amor ao próximo; amor ao patrimônio artís-
“Luís, você é mesmo um burro!” tico de sua terra. 2. Sentimento de dedicação absolu-
ta de um ser a outro ser ou a uma coisa; devoção,
culto, adoração...”
Função conativa ou apelativa: (FERREIRA, Aurélio, Buarque de Holanda. Novo Dicionário da
Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000)
A função conativa é aquela que busca mobilizar a
atenção do receptor, produzindo um apelo ou uma
ordem. Encontra no vocativo e no imperativo sua Função Fática:
expressão gramatical mais autêntica. Se a ênfase está no canal, para verificar sua recep-
ção ou para manter a conexão entre os falantes,
Exemplos:
temos a função fática. Nas fórmulas ritualizadas da
“Seja o que for, seja original, seja guaraná Antárctica!” comunicação, os recursos fáticos são comuns, co-
“Pelo amor de Deus, me ajude aqui rápido!” mo você viu acima.

17
UEA – Licenciatura em Matemática

Exemplos:
Bom dia! ESCREVENDO
Oi, tudo bem?
Ah, é!
1. Reconheça, nos textos a seguir, as funções da
Hum... hum...
linguagem:
Alô, quem fala?
Hã, o quê? a) “Estudos feitos a partir dos indicadores da
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios
(Pnad-IBGE) mostram que houve redução do por-
centual dos pobres em relação à população. Nas
grandes cidades brasileiras, saiu do patamar de
LENDO 44,3%, no ano de 1992, para 38,7%, em 2004. A
pobreza também diminuiu no campo, por décadas
Mestre Aurélio entre as palavras um lugar de expansão de miséria: caiu de 52,7%,
em 1992, para 35,4%, em 2004. Embora os bol-
Ora, resolvi enriquecer o meu vocabulário e adqui- sões de miséria ainda possam ser vistos nas dife-
rir o livro Enriqueça o seu Vocabulário que o sábio rentes regiões do País, os números dessa pes-
Professor Aurélio Buarque de Holanda Ferreira quisa representam uma notícia boa à sociedade.
fez, reunindo o material usado em sua página de A pobreza, no seu grau mais profundo, recuou e
Seleções. abre caminho para estabelecer parâmetros que
devem fazer parte dos planos do Governo Federal
Afinal de contas nós, da imprensa, vivemos de como política governamental, para ser continuada
palavras; elas são nossa matéria-prima e nossa e aprimorada. (...)”
ferramenta; pode até acontecer (pensei eu) que, [02/01/2006] (Jornal A Crítica)
usando muitas palavras novas e bonitas em b) QUADRILHA
minhas crônicas, elas sejam mais bem pagas. João amava Teresa
Confesso que não li o livro em ordem alfabética; fui que amava Raimundo
cantando aqui e ali o que achava mais bonito, e que amava Maria
tomando nota. Aprendi, por exemplo, que a ca- que amava Joaquim
lhandra grinfa ou trissa, o pato gracita, o cisne que amava Lili
que não amava ninguém.
arensa, o camelo blatera, a raposa regouga, o pa-
João foi para os Estados Unidos,
vão pupila, a rola turturina e a cegonha glotera.
Teresa para o convento,
Tive algumas desilusões, confesso; sempre pensei Raimundo morreu de desastre,
que trintanário fosse um sujeito muito importante, Maria ficou para tia,
talvez da corte papal, e mestre Aurélio afirma que Joaquim suicidou-se
é apenas o criado que vai ao lado do cocheiro na e Lili casou com J. Pinto Fernandes
boléia do carro, e que abre a portinhola, faz reca- que não tinha entrado na história.
(Carlos Drummond de Andrade)
dos, etc. Enfim, o que nos tempos modernos, em
Pernambuco, se chama “calunga de caminhão”. E c) “Para fins de linguagem a humanidade se serve,
sicofanta, que eu julgava um alto sacerdote, é ape- desde os tempos pré-históricos, de sons a que se
nas um velhaco. Cuidado, portanto, com os trinta- dá o nome genérico de voz, determinados pela
nários sicofantas! corrente de ar expelida dos pulmões no fenômeno
vital da respiração, quando, de uma ou outra ma-
Aprendi, ainda, que Anchieta era um mistagogo e neira, é modificada no seu trajeto até a parte exte-
não um arúspice, que os pêlos de dentro do nariz rior da boca.”
são vibrissas, e que diuturno não é o contrário do (Mattoso Câmara Jr.)
noturno nem o mesmo que diário ou diurno, é o d) “– Que coisa, né?
que dura ou vive muito. – É. Puxa vida!
Latíbulo, jigajoga, juvalento, gândara, drogomano, – Ora, droga!
– Bolas!
algeroz... tudo são palavras excelentes que alguns
– Que troço!
de meus leitores talvez não conheçam, e cujo sen- – Coisa de louco!
tido eu poderia lhes explicar, agora que li o livro; – É!”
mas vejo que assim acabo roubando a freguesia
de mestre Aurélio, que poderia revidar com zaga- e) “A sua estrela brilha hoje, mas um dia pode preci-
lotes, ablegando-me de sua estima e bolçando-me sar de bateria extra. Faça um plano de previdência
com tumélias pela minha alicantina de insipiente. Unibanco.”
Até outro dia, minhas flores. f) “Sentia um medo horrível e ao mesmo tempo de-
BRAGA, Rubem. A Traição das Elegantes. sejava que um grito me anunciasse qualquer acon-
Rio de Janeiro: Record, 1982 tecimento extraordinário. Aquele silêncio, aqueles

18
Comunicação e Expressão – A Linguagem, a Língua e a Fala

rumores comuns, espantavam-me. Seria tudo ilu-


são? Findei a tarefa, ergui-me, desci os degraus TEMA 03
e fui espalhar no quintal os fios da gravata. Seria APREENDENDO
tudo ilusão?... Estava doente, ia piorar, e isto me
alegrava. Deitar-me, dormir, o pensamento emba-
ralhar-se longe daquelas porcarias. Senti uma A LÍNGUA PORTUGUESA
sede horrível... Quis ver-me no espelho. Tive pre- E A GRAMÁTICA
guiça, fiquei pregado à janela, olhando as pernas
dos transeuntes.”
Primeiro as línguas – Surgem primeiro as lín-
2. Leia o texto a seguir e responda às questões: guas, depois vêm os sistematizadores, ou seja, os
organizadores das gramáticas. Estas, portanto,
Poética normatizam baseando-se nos falares ou nos docu-
Que é Poesia? mentos escritos, literários ou não, da língua que
uma ilha ora surge.
cercada
de palavras Língua e gramática – Língua e gramática não são
por todos a mesma coisa, como normalmente pensamos. A
os lados língua é viva, nasce e morre. A gramática é aquela
Que é um poeta?
que tenta domar a língua para que esta não se
um homem que trabalha o poema
com o suor do seu rosto deixe crescer desordenadamente.
um homem que tem fome
Origem da língua – A nossa língua portuguesa,
como qualquer outro homem.
(Cassiano Ricardo)
oriunda da mistura dos falares celtiberos; da lín-
gua latina principalmente, quer da camada culta,
a) Quais as funções da linguagem predominantes no quer da camada popular; de alguns termos nór-
poema anterior?
dicos e de grande contribuição da língua árabe
b) Quais elementos integram o processo de comuni-
e das línguas surgidas nas terras brasileiras, co-
cação em “Poética” de Cassiano Ricardo?
meça a ser falada em torno do século IX, e os
primeiros documentos escritos são encontrados
no fim do século XII. A primeira gramática da lín-
gua portuguesa surge em 1536 (século XVI). Isso
prova a existência de uma língua viva sem a prisão
gramatical.
Função da gramática – A gramática, no entanto,
não pode ser, simplesmente, condenada. Ela tor-
na-se necessária a fim de que a língua, código
oficial de um país e falada pelo povo, seja norma-
tizada para que todos se entendam.
Valor das normas – As sociedades criam seus
códigos, e as pessoas que nelas vivem tentam
compreender e, na medida do possível, seguem
essas normas. Assim, nós, usuários da língua
portuguesa, ao nos escolarizarmos, aprendemos
os fundamentos básicos da gramática normativa
para bem nos expressarmos, falando ou escre-
vendo.
Modificações – Não devemos, portanto, colocar
os valores gramaticais acima dos valores da lín-
gua. Esta, por ser viva, modifica-se; a gramática,
polícia desta língua atuante, tenta freá-la para que
a mesma não se desvirtue.
Influência das regras – É comum ouvirmos algu-
mas pessoas dizerem que detestam português.

19
UEA – Licenciatura em Matemática

Notamos que estes seres se referem às normas


gramaticais. As regras são desprezadas por causa
LENDO
do abuso da nomenclatura exigida por alguns pro-
fessores que não entendem o verdadeiro valor do
ensino da língua pátria. Ensinar a bem usar a lín- Antes da Nomenclatura
gua portuguesa não significa encher a cabeça dos Carlos Gomes
educandos de regras que nem sempre são – D. Glorinha, a senhora tem de dar-me conta
apreendidas pelos mesmos. dos processos. Se não, mando abrir inquérito,
mando! E há mais: descobri que a senhora só
A nossa gramática, segundo a Nomenclatura
voltando pro Luso.
Gramatical Brasileira (NGB – 1957), divide-se
– Pro Luso Dr. Amadeu? Por quê?
em:
– Foi a senhora que bateu este parecer, não foi? –
a) Fonética. exibiu-lhe um papel todo enfeitado de vermelho
b) Morfologia. que trazia. Pois bem, vim aqui também por isso.
c) Sintaxe. Veja. A senhora estropiou o meu pensamento. E
pôs vírgulas onde não cabia, omitiu os acentos,
Além dessas, as gramáticas normativas podem separou sílabas erradamente; enfim, produziu em
trazer outros componentes: poucas linhas um autêntico corpo de delito de
linguagem. Aprenda de uma vez por todas, O.
a) Semântica – Trabalha a significação dos vocá-
Glorinha: disputa, por motivos éticos, não se de-
bulos.
ve dividir, em fim de linha, deste jeito: dis-puta.
b) Estilística – Trata da polissemia da linguagem. E opção não tem i depois do p. Da maneira como
a senhora escreveu, temos um verdadeiro pala-
Fonética – Trata dos sons vocálicos e consonan- vrão: o pição. Não se grafa assessor com c, veja
tais, dos encontros vocálicos, dos encontros con- como fiz. Nem na translineação se deixa adepto
sonantais e dos dígrafos. Estuda a sílaba, a tonici- deste modo: ade-pto. Além do mais...
dade, a ortoepia – ou ortoépia – (pronúncia corre- – Ah! Dr. Amadeu, chega, chega de sermão...
ta dos fonemas), a prosódia (correta entoação dos depois bato outra vez. Mas, não fique pensando
que não sabia essas bobagens, isto é, antes da
vocábulos) e a ortografia.
Nomenclatura, eu era bamba em português, não
Morfologia – Trabalha com as palavras. Apresenta estou querendo me gabar, não...
a estrutura dos vocábulos, a formação destes, as – Antes de quê?
flexões (masculino, feminino, singular, plural) e a – Antes da No-men-cla-tu-ra entendeu agora?
classificação das dez categorias gramaticais. – Ora, D. Glorinha, Nomenclatura nada tem que ver
ortografia, translineação e os outros erros que a
Sintaxe – Tida como socializadora das palavras no
senhora perpetrou... Nomenclatura é terminologia,
contexto frasal, apresenta-nos a concordância (no- elenco ou rol de nomes, mera lista de termos... Vá,
minal e verbal), a regência (nominal e verbal), o O. Glorinha, vá depressa, volte pro Luso, vá...
uso do acento indicador da crase e a colocação (GOMES, Carlos. Mundo mundo vasto mundo.
dos pronomes oblíquos átonos em relação ao ver- 2. ed. Manaus: EDUA, 1996, p. 84/85)
bo. Além desses aspectos trabalha com a análise
sintática, isto é, a análise dos elementos compo-
nentes de uma frase. ESCREVENDO
A gramática, segundo definição de Silveira Bueno, “é,
pois, a ciência que codifica e sistematiza as regras do Após reler o texto de Carlos Gomes, responda:
idioma, baseando-se na observação dos fatos da lin- a) Os erros de Dona Glorinha referem-se à fonética, à
guagem viva do país.” (Silveira Bueno, 1968, p. 16) morfologia ou à sintaxe? Por quê?

Celso Cunha e Lindley Cintra definem língua como b) A que Nomenclatura referem-se as personagens?
“um sistema gramatical pertencentes a um grupo
de indivíduos. Expressão da consciência de uma
coletividade, a LÍNGUA é o meio por que ela con-
cebe o mundo que a cerca e sobre ele age.”
(CUNHA; SINTRA, 1985, p. 1)

20
Comunicação e Expressão – A Linguagem, a Língua e a Fala

TEMA 04
APREENDENDO LENDO

Dois e dois: quatro


O LER E O ESCREVER
Ferreira Gullar
O Ler
Como dois e dois são quatro
Ler é decifrar o significado de cada símbolo sei que a vida vale a pena
lingüístico, ou seja, significado das palavras. Os embora o pão seja caro
signos valem de acordo com o contexto da frase e a liberdade pequena
onde estão inseridos. Ao lermos jornais, revistas Como teus olhos são claros
ou livros, estamos, normalmente, em busca de e a tua pele, morena
informação ou distração. Esses textos produzidos
pela humanidade, ao longo de sua história, se como é azul o oceano
nos apresentam em forma de prosa (página cheia) e a lagoa, serena
ou de poema (verso) e podem ser informativos como um tempo de alegria
ou literários. por trás do terror me acena
e a noite carrega o dia
O Escrever segundo Clarice
no seu colo de açucena
Para a romancista e contista Clarice Lispector, o – sei que dois e dois são quatro
ato de “escrever é uma maldição”. Porém “é uma sei que a vida vale a pena
maldição que salva”. Quando questionada sobre o mesmo que o pão seja caro
“como se escreve?”, responde: “Sei que a respos- e a liberdade, pequena.
ta, por mais que intrigue, é a única: escrevendo”. (GULLAR, Ferreira. Toda poesia. 5. ed. Rio de
Janeiro: José Olímpio, 1991, p.165)
Ao longo de seus escritos para o Jornal do Brasil,
entre os anos de 1967 e 1973, os quais foram
reunidos no volume A Descoberta do Mundo Leitura e Consciência
(1999), Clarice faz várias referências ao escrever
Tenório Telles
e às suas possíveis dificuldades. Para a escritora,
“Não se brinca com a intuição, não se brinca O pensamento do ser humano se desenvolveu a
com o escrever: a caça pode ferir mortalmente o partir do esforço empreendido para compreender
caçador”. “Mas já que se há de escrever, que ao a complexidade do mundo e, ao mesmo tempo,
menos não esmaguem as palavras nas entre- atribui-lhe sentido. Nos primórdios da civilização,
linhas”. o homem não dispunha dos conhecimentos ne-
cessários para interagir de forma criativa e trans-
“Minhas intuições – insiste Clarice – se tornam
formadora com a realidade. Num processo cumu-
mais claras ao esforço de transpô-las em pala-
lativo, lançou-se ao desafio de dominar o meio
vras”. Por quê? Perguntaríamos nós. “É na hora de
circundante. E nessa empreitada, a leitura foi fun-
escrever que muitas vezes fico consciente de coi-
damental.
sas, das quais, sendo inconsciente eu antes não
É curioso observarmos que, antes de dominar
sabia que sabia; não esperar por um momento
qualquer código de comunicação escrito, o ser
melhor, porque este simplesmente não vinha.”
humano desenvolveu a linguagem e aprendeu a
“Então escrever é o modo de quem tem a palavra ler o mundo. Como conseqüência desse processo,
como isca: a palavra pescando o que não é criou a escrita para fixar suas experiências e rea-
palavra”. “Acho que o som da música é impres- lizou um dos feitos fundamentais do gênero
cindível para o ser humano e que o uso da palavra humano: afirmou-se culturalmente através do
falada e escrita é como a música, duas coisas aprendizado da leitura, engendrando uma revo-
das mais altas que nos elevam dos reinos dos lução em termo de evolução do pensamento e
macacos, do reino animal”. Enfim: “não se faz uma aprimoramento da consciência e da sua capaci-
frase. A frase nasce”. dade reflexiva.

21
UEA – Licenciatura em Matemática

A leitura, portanto está diretamente ligada ao


processo de afirmação social e histórico do ser
humano. Mais do que isso: a leitura é um fator
indispensável no forjamento e na construção do
homem. Somos o que vivemos e o que lemos. Até
porque alguns livros nos marcam definitivamente
pela riqueza de suas mensagens, pelos ensina-
mentos e, sobretudo, pelo conteúdo de humani-
dade de suas histórias, o indivíduo que não domi-
na a leitura estará inevitavelmente privado das
lições que um texto ou uma obra de arte podem
proporcionar a um leitor. Por isso, “quem não lê,
não fala, não ouve, não vê”.
Ao mesmo tempo em que as vivências e a
descoberta do mundo são fundamentais no pro-
cesso de elaboração da sensibilidade e fortaleci-
mento subjetivo dos indivíduos, a leitura é um
pressuposto indispensável na formação da cons-
ciência. O livro, além de portador de sabedoria é
um companheiro que se doa sem fazer exigências
e está sempre disponível. Aquele que aprende a
amá-lo, desde cedo, terá sua vida transformada
para sempre. O livro é como um espelho em que a
vida se reflete. Aprender a decifrar as imagens e
as linguagens que se projetam em sua face, eis
em que consiste a pratica da leitura. A escritora
Lygia Bojunga escreveu um texto ilustrativo dessa
relação transformadora que podemos ter com o
livro. O trabalho é expressivo de sua vivência e da
importância que esse objeto mágico teve na sua
formação: “Pra mim, livro é vida; desde que era
muito pequena os livros me deram casa e comida.
Foi assim: eu brincava da construtora, livro era tijo-
lo; em pé, fazia parede; deitado, fazia degrau de
escada; inclinado, encostava num outro e fazia
telhado. E quando a casinha ficava pronta eu me
espremia lá dentro pra brincar de morar em livro.
De casa em casa eu fui descobrindo o mundo (de
tanto olhar pras paredes). Primeiro, olhando dese-
nhos: depois, decifrando palavras”.
O depoimento de Lygia é revelador da magia e da
força de transformação que pode ter o livro na vi-
da de uma pessoa. Especialmente porque é uma
experiência fundada no prazer, no lúdico e no diá-
logo com as palavras e com o mundo. O livro nos
modifica, nos enriquece e torna clara a nossa visão
das coisas e da dinâmica da própria realidade.
(Jornal A Crítica, 16/11/05)

ESCREVENDO

A fim de bem entendermos um texto, é necessário


contextualizá-lo. Explique, segundo o contexto
histórico brasileiro, o sentido da primeira estrofe
do poema de Ferreira Gullar.

22
UNIDADE II
Os Tipos de Textos
Comunicação e Expressão – Os Tipos de Textos

!Narrador – Ser que conta a história. Pode participar


TEMA 05 da história como personagem (narrador-perso-
APREENDENDO nagem) ou ficar “de fora” narrando o que se passa.
O narrador eventualmente tem o poder de conhe-
cer o pensamento das personagens (narrador
A NARRAÇÃO onisciente); geralmente pode estar em todos os
lugares ao mesmo tempo (narrador onipresente).
Uma palavra que pode facilmente identificar o
texto narrativo é a palavra ação. As narrativas são 2. Divisão do texto narrativo
de natureza dinâmica. Narrar é reproduzir com Novamente, vamos tomar por base o texto de
detalhes fatos reais ou inventados numa seqüên- enredo linear.
cia que verdadeiramente interesse ao leitor. Tecnicamente, o texto narrativo é dividido em:
O texto narrativo é caracterizado pela ação de per- !Apresentação – Um momento em que o redator
sonagens, que atuam regidas por uma lógica que apresenta os personagens, situando no tempo e
envolve: no espaço as ações que começam a se delinear.
a) as personagens e suas respectivas ações; Nessa parte, o redator faz a descrição física e psi-
b) a atuação do narrador; cológica das personagens, descreve o ambiente e
c) a cadência dos acontecimentos, que é o enredo; localiza o tempo em que se desenrolará o enredo.
d) o tempo em que ocorrem essas ações; Também nessa parte, pode-se perceber se o nar-
e) os espaços, que são os lugares em que as ações rador participa da história ou se apenas conta, sem
ocorrem. participar, o que se desenvolve.
!Complicação – Constitui a quebra de uma certa har-
É importante salientar que o texto narrativo é resul-
monia existente entre personagens, ações, tempo
tado dessa inter-relação de personagens, espaço,
e ambiente. Nas histórias infantis, percebe-se
tempo, ação e narrador. Esse conjunto proporcio- claramente esse momento, por meio de algumas
na ao texto o significado de que precisa para expressões usadas, como: “Tudo ia bem, quando
existir e para, conseqüentemente, atrair o leitor. de repente...”; “Até que um dia...”, etc.
!Clímax – É o ponto culminante da narrativa. É o
1. Elementos do texto narrativo momento para o qual parecem ter convergido
Os elementos do texto narrativo são aqui apre- todas as ações. É quando as personagens se
sentados tendo como base uma narrativa de encontram para a decisão final, quando os motivos
enredo linear, aquela com início, meio e fim. Há, são revelados, as intenções conhecidas. O clímax
é a ocasião mais “atraente” do texto; quase sem-
evidentemente, narrativas complexas em que o
pre, antecede a última parte da narrativa.
tempo e o espaço, por exemplo, não estão cla-
ramente determinados. !Desfecho – É a parte final. As forças alcançam
repouso. Uma nova harmonia é apresentada, uma
! Personagens – Elementos que atuam no texto.
vez que as personagens, o tempo, e o ambiente
Podem ser:
alteraram-se durante o processo.
a) Protagonistas (seres que o ocupam o primeiro
lugar na história).
b) Antagonistas (opostos dos protaagonista; 3. A produção do texto
geralmente agem a fim de anular as ações dos Como foi dito anteriormente, a palavra ação
protagonistas). pode resumir as definições para o texto narrati-
c) adjuvantes ou coadjuvantes (personagens
vo. Dessa forma, depreende-se que os verbos
que auxiliam tanto protagonistas quanto anta-
gonistas). de ação devem prevalecer no texto. O texto nar-
Nos textos narrativos, os papéis de protagonista, rativo torna-se interessante porque nele o autor
antagonista ou coadjuvante podem ser desempe- pode – e deve – “mostrar” os acontecimentos. O
nhados por grupos ou por apenas um indivíduo; leitor sente-se, assim, envolvido de tal forma
!Tempo – Momento em que as ações se desen- com o texto, que passa a “conviver” com as per-
volvem. Deve ser muito bem determinado no texto. sonagens e “sentir” o que elas sentem ao viver
!Espaço/ambiente – Lugar em que as ações se as experiências narradas.
desenvolvem. Deve estar determinado no texto.
Vejamos algumas sugestões gramaticais para a
!Enredo – A cadência em que se desenvolvem as
construção desse tipo de texto.
ações. Há enredos lineares (com início, meio e
fim) e enredos não-lineares. (os que quebram !A apresentação é caracterizada, pelo uso de verbos
essa cadência. A obra Memórias póstumas de Brás que indicam estado ou qualidade (ser, estar, pare-
Cubas, do genial Machado de Assis, quebra essa cer, etc). Como nesta parte também se apresenta
estrutura ao iniciar-se pelo fim da história. O perso- o tempo e o ambiente, convém usar algumas
nagem principal morre, e, do túmulo, narra sua expressões que dêem idéia de tempo e de espaço,
história.). como preposições, advérbios, adjetivos.

25
UEA – Licenciatura em Matemática

Exemplos: À noite, em seu quarto no sótão, depois que as


1. Na... três bruxas já tinham saído para o baile, Cinderela
2. Em um lugar chamado... olhava-se num pedaço de espelho, desses bem
3. Sofia era..., tinha os cabelos..., possuía um... gastos. Mesmo com roupas sujas e rasgadas,
4. Inácio sempre estava... via-se bonita. Se houvesse tempo, poderia fazer
5. A região em que moravam parecia...
um vestido para o baile. Mas não havia. Pelo jeito,
!Na complicação, convém situar o leitor no tempo. pensou consigo, sua beleza seria vista apenas
Exemplo: pelos seus amigos passarinhos que, no dia
As coisas iam muito bem, porém, repentinamente... seguinte, viriam acordá-la para mais um dia de
muito esforço.
!Durante o desenvolvimento da história, é interes-
sante transcrever os diálogos para que o leitor Convém lembrar que as informações aqui
“presencie” o que ocorre. O recurso da língua
dispostas dizem respeito aos textos narrativos
usado é o uso do travessão, que marca a fala das
personagens. de enredos lineares. Ou seja, àquelas histórias
contadas que possuem, respectivamente, início,
Exemplo:
– Que lindas nuvens! – disse.
meio e fim. Há muito mais sobre o texto narrati-
vo. Aliás, essa modalidade de texto, sendo pro-
Alguns elementos devem ser usados para ligar fundamente analisada, rende boas abordagens.
diálogos e esclarecer o leitor.
Um outro aspecto do texto narrativo é sua
Exemplo: maravilhosa possibilidade de “dizer algo nas
– Onde você estuda, Astolfo? – perguntou Tina. entrelinhas”. Aliás, a maioria das narrativas diz
– Estudo em uma faculdade de Manaus. algo mais do que a simples (ou complexa)
– Como é possível, se você não mora lá?!
Astolfo suspirou, fez uma pausa inteligente e revelou:
história que veicula. Há alguns que vêem a
– Estou-me formando através de um projeto fantástico. história da América em Iracema, narrativa do
Aqui mesmo onde estou, posso freqüentar as aulas em romântico José de Alencar; há até aqueles que
Manaus, graças à tecnologia de transmissão televisiva. vêem no nome Iracema um anagrama de
Posso também interagir através da internet e do telefone.
Tenho o apoio total de meus professores. Isso propor- América.
ciona ao meu curso a mais alta qualidade de ensino e de Recorrendo-se ao texto narrativo pode-se contar
aprendizagem. uma história, expor um tratado, ensinar uma
lição, propor uma reflexão. As Sagradas Escri-
Em um texto narrativo, prevalecem os detalhes. turas trazem em suas páginas várias narrativas
Eles prendem o leitor. Contar sem detalhes não que encerram sempre uma lição moral. Vejamos
emociona. Note como isso é patente nos exem- um exemplo:
plos abaixo. O primeiro texto “informa superfi-
cialmente”, o segundo “mostra” o que se passa. Certa ocasião, registra, a Bíblia, Davi negou-se a ir
a uma batalha, resolvendo ficar em Jerusalém.
I. Cinderela não poderia satisfazer seu desejo de ir Numa tarde, passeando pelo terraço da casa real,
ao grande baile, principalmente por motivos eco- viu Bate-Seba, uma mulher belíssima, tomando
nômicos, uma vez que vivia em condições de banho. O rei trouxe-a ao palácio e manteve relação
semi-escravidão na casa de sua madrasta, que fez sexual com ela. A mulher engravidou. Extrema-
de tudo para Cinderela não estar pronta na hora da mente preocupado com a noticia, Davi mandou
festa. trazer do campo de batalha Urias, o esposo da
II. Desde a morte do pai, a vida de Cinderela em casa mulher. Urias era funcionário do rei e lutava com
de sua madrasta não estava sendo fácil. Joabe nos campos de Rabá. O rei tentou fazê-lo ir
ter com a esposa, mas este se negou a tal, o mo-
– Cinderela! Você pregou os botões do meu vesti-
narca até tentou embriagá-lo, mas mesmo assim,
do?!
Urias não declinou da idéia de não dormir com sua
– Cinderela! O almoço já está pronto?!
mulher. Foi então que Davi teve uma idéia perver-
– Cinderela! Você cortou lenha para a lareira?!
sa. Enviou uma carta a Joabe, capitão de Urias,
Era assim todo dia e o dia todo. Especialmente para que o esposo, inocente e traído, fosse posto
quando chegou aquele sábado do grande baile, no front para ser alvejado e viesse a morrer, o que
quando seria escolhida a moça que se casaria fatalmente ocorreu. De posse da notícia da morte
com o príncipe. A madrasta e suas duas filhas não de Urias, Davi tomou a Bate-Seba por esposa. O
queriam que Cinderela fosse à festa. Fizeram rei imaginara que o problema estivesse resolvido,
todas as maldades possíveis: puseram-na para que ninguém saberia de sua ardilosa iniciativa.
trabalhar como uma condenada e, pior, destruíram Natã, o profeta de Deus, fora informado da situa-
o lindo vestido que Cinderela havia feito com so- ção e recebeu a ordem divina para repreender o rei
bras de tecidos e de fitas. Cinderela já estava até e informar-lhe das conseqüências de seus atos.
vestida, porém as três mulheres más puxaram,
cada uma de um lado, os retalhos que diziam lhe Segue o relato bíblico em que o profeta usa um
pertencer. texto narrativo para cumprir sua missão.

26
Comunicação e Expressão – Os Tipos de Textos

O Senhor enviou Natã a Davi. Chegando Natã a


Davi, disse-lhe. “Havia numa cidade dois homens, TEMA 06
um rico e outro pobre. Tinha o rico ovelhas e gado APREENDENDO
em grande número; mas o pobre não tinha coisa
nenhuma, senão um cordeirinho que comprara e
criara, e que em sua casa crescera, junto com seus
A DESCRIÇÃO
filhos; comia do seu bocado e do seu copo bebia;
dormia nos seus braços, e o tinha como filho.
Vindo um viajante, o homem rico não quis tomar Descrever é mostrar com palavras aquilo que se
das suas ovelhas e do gado para dar de comer ao viu, sentiu, observou ou imaginou.
viajante, mas tomou o cordeirinho do homem
pobre e o preparou para o homem que lhe havia Para descrever, o emissor capta a realidade atra-
chegado.” Então, o furor de Davi se acendeu vés de seus sentidos e, utilizando os recursos da
sobremaneira contra aquele homem, e disse a linguagem, transmite-a de tal maneira que o re-
Natã: “Tão certo como vive o Senhor, o homem
que fez isso deve ser morto. E pelo cordeirinho ceptor é capaz de identificá-la. Dessa forma, ocu-
restituirá quatro vezes, porque fez tal coisa e pam lugar de destaque na frase o substantivo e o
porque não se compadeceu.” Então, disse Natã a adjetivo, uma vez que o ser, o objeto ou o am-
Davi: “Tu és o homem”. biente são os aspectos mais importantes, ao lado
O relato diz que Davi “caiu em si” e arrependido de suas caracterizações.
verdadeiramente lamentou o seu pecado, implo- Descrever não é copiar friamente, mas é dar vida
rando perdão a Deus. Lindo, não?
àquilo que está sendo descrito e enriquecê-lo com
as emoções do emissor. A descrição é estática, e
os verbos de ação e movimentos são secun-
ESCREVENDO dários. Devem-se valorizar os processos verbais
não-significativos, ou seja, os verbos de ligação.
1. Produza um texto narrativo (crie personagens A linguagem descritiva deve, enfim, traduzir o ver,
com nome, idade, sexo, etc., estabeleça tempo, o sentir, o ouvir, o cheirar, o degustar.
lugar) de enredo linear em que se perceba uma
história real de nossos dias. Exemplo:
Ser Morena
Celdo Braga

Sou cabocla e meu cheiro tem cheiro de mato


de fruta madura, de terra, de flor
tem cheiro de bicho em tempo de cio
e o cheiro molhado de um toque de amor

Minha pele é de lontra, morena, macia


sou felina e manhosa no jeito de olhar
sou cabocla, não nego, no jeito que falo
no jeito que ando, no jeito de amar

Sou baré, sou manau


mistura de índio com gente de longe
sou filha das lendas do homem de branco
do boto vermelho que sabe encantar

Carrego no peito o encontro das águas


a beleza e a graça da garça a voar
a leveza da pluma da samaumeira
e a doce magia do rio a passar

Não sou submissa como muito me pensa


nem do tipo à-toa que não sabe o que quer
sou gente que luta, que sonha, que ama
sobretudo que sabe o que é ser – MULHER.

27
UEA – Licenciatura em Matemática

A descrição é um texto bastante utilizado no dia-a- penosa impressão quando vi, num Museu Impe-
dia. Vejamos outros exemplos de descrição, utiliza- rial de Petrópolis, o manto do Imperador feito de
da em textos diversificados: papo de tucano.
(Marques Rebelo)
ANÚNCIO:
JARDIM PAULISTA, ALEIXO: LINDA CASA com ga- III.Itacoatiara
ragem para três carros, dois andares, toda em grani- Não há solidão mais solidão que o imenso rio
to, murada, gradeada, sala de jantar/estar, duas cozi- transbordando, entrando terra adentro, acaban-
nhas, sala de TV, escritório, área de serviço, quatro do com as margens. E de repente, Itacoatiara.
suítes com hidromassagem, duas piscinas, depen- Os caboclinhos cercam o navio com cestinhas
dência de empregada. Todos os compartimen-
para vender, de um trançado que parece couro
tos com armários embutidos. Varanda nos dois am-
de cascavel se houvesse cascavéis roxas, ver-
bientes.
melhas, verdes ou azuis como as ondas do mar
INFORMAÇÕES ESTATÍSTICAS: que está longe. (1949)
(Marques Rebelo. Cenas da vida brasileira.
A OMS teme que neste ano a dengue atinja um
Rio de Janeiro: Edições de Ouro, s/d, p. 178/179)
patamar sem precedentes. Há mais de 2,5 bilhões de
pessoas com risco de contrair a doença. A situação
brasileira é a pior das Américas: no primeiro trimes-
tre, foram 550 mil casos e 84 mortes. Isso mostra a
urgência de corrigir as falhas no combate à doença. LENDO
(Revista Isto É, agosto/2002)
Rio Madeira
ESQUEMA DA DESCRIÇÃO Oswaldo Cruz

As margens do baixo Madeira, contrariamente ao


que se nota no Amazonas, são relativamente altas
e formam barrancos que só são alcançados na
cheia do rio que atingem a 14 metros acima do ní-
vel mínimo da vazante. Pontos há que, mesmo nas
cheias, não são alagados, como o em que está a
sede da comarca: Humaitá, que goza a fama de
DESCRIÇÃO – Processo espacial, imagem. ser o ponto mais salubre da região. A margens am-
1. Coleta de dados característicos através dos sen- bas são cobertas de densa vegetação constituída
tidos. de árvores gigantescas, entre as quais predomi-
2. Escolha de dados (particularidades). nam entre outras a sumaúma (Ceilea samauma
Mart.), o pau mulato (Calycophyllum spruceanum
3. Ordenamento de dados (enumeração).
Hook. f.) e a castanheira (Bertholletía excelsa
H.B.R.), entrelaçadas pelos cipós que as transfor-
Exemplos:
mam em matos emaranhados, quase impenetrá-
I. A cena veis derrubados aqui e ali para dar lugar à cons-
trução dos barracões, pontos de embarque dos
A cena que vi naquela tarde, à beira de uma seringais. Essas massas enormes de vegetações
e-trada rural, refletia muita tristeza. Perto de mantêm constante estado de umidade da atmos-
mim, um menino sujo e esfarrapado pedia pão; fera. Pela manhã se condensa o vapor d'água sob
mais adiante, no meio da estrada, jazia uma a forma de neblina espessa que envolve a mata e
cadela doente, acompanhada de quatro filhotes que se condensa sobre as habitações, cujos telha-
que choravam; mais além, avistei um cavalo dos gotejam como após grande chuva. Tudo é
magro que tentava se alimentar com o resto de envolvido em água.
grama seca. A fome passara por ali, deixando (CRUZ, Oswaldo. Sobre o saneamento
seu rastro de tristeza. da Amazônia. Manaus: P. Daou, 1972, p. 6))
(FIGUEIREDO, Luis Carlos. A redação pelo
parágrafo. Brasília: Ed. Univ. de Brasília, 1999)

II. Manaus ESCREVENDO


A cúpula do teatro em azulejos azuis, verdes,
amarelos, brancos e grenás perturba a harmo- Organize os períodos A e B para que formem pará-
nia do edifício, como se fosse possível misturar grafos descritivos. Atente para o sentido do con-
severidade e papagaio. Causou-me a mesma texto.

28
Comunicação e Expressão – Os Tipos de Textos

A prímula
TEMA 07
!Ela é originária da Ásia, e suas flores exalam agra- APREENDENDO
dável perfume.
!Prímula é uma espécie de planta ornamental.
!A prímula possui grande variedade de cores. A DISSERTAÇÃO
!Pode ser cultivada em vasos e nos jardins.
“Há três técnicas de redação: a descrição, a nar-
Manaus
ração e a dissertação. Elas podem vir misturadas
!Sua arquitetura conta com forte influência eu-ropéia, em um mesmo texto, mas, geralmente, uma delas
especialmente as construções que foram erguidas se sobressai.” (Faulstich).
durante o período áureo da borracha, grande fase
econômica vivida pela cidade. A descrição é uma seqüência de aspectos, a nar-
!A cidade é o principal portão de acesso à floresta ração é uma seqüência de fatos e a dissertação,
amazônica. de idéias.
!Manaus, a capital do Amazonas, está situada à
margem esquerda dos rios Negro e Solimões. Dissertar é, portanto, desenvolver um pensamento,
(Listel, 2003/2004, p. 6)
um conceito ou dar uma opinião. Quem disserta
procura explicar os fatos, as idéias, apresentando
causas, efeitos, tecendo comentários, comprovan-
do seus argumentos, a fim de convencer o leitor ou
ouvinte. Para tanto, deve ter cuidado na seqüência
das idéias, na coesão do texto ou da fala.
Observe a seqüência de idéias nos textos que se
seguem.

LENDO

Os eternos quilombos
Miséria social e miséria cultural sempre caminha-
ram juntas no Brasil. A dominação do explorador
sobre o explorado não se restringe à apropriação
de bens materiais, estendendo-se à subjugação
cultural de uma classe sobre outra. A lei da selva
(sobrevivência dos mais fortes, eliminação dos
mais fracos) pode ser praticada de maneira violen-
ta ou sutil.
Os portugueses acreditaram que seria possível
usurpar as riquezas dos índios trocando-as por
bugigangas. Mas não se negavam a dizimar al-
deias quando achavam necessário. A introdução
da escravidão no Brasil teve um objetivo material
bem claro – conseguir mão-de-obra barata – mas
foi sustentada ideologicamente por uma explica-
ção frágil – a da inferiorização da raça negra. Os
quilombos, únicos focos de resistência dos negros
no Brasil, foram massacrados.
Século XX. Pouco mudou. Hoje, a violência é subs-
tituída por uma lavagem cerebral promovida pelos
meios de comunicação – mais eficazes e não me-
nos coercitivos que antigos métodos. A ideologia
transmitida pelo TV conforma os explorados e
os “eleva” ao “status” de consumidores. Nessas
condições, são tentados a comprar o que não
podem ter.

29
UEA – Licenciatura em Matemática

A miséria a que a maioria da população está sub- Ela pergunta sobre gravatas, torradeiras e garotas,
metida leva a uma subexistência. As preocu- mas nunca sobre direitos. Ela interpela o consu-
pações estão centradas no que vão comer ou midor (o desejo que há em você) e nunca o
beber amanhã, mas seus sonhos procuram a feli- cidadão (a consciência de se saber fonte de todo
cidade material e espiritual. É o querer inteiro, não poder). Ela quer que o indivíduo (você) se mani-
pela metade. feste em relação à cor da sandalinha ou ao preço
Sonhos caminham juntos. Miséria cultural e social da esteira ergométrica mas, por favor, que ele
vão de mãos dadas. Mas qual puxa a outra? É o (você) nem pense sobre o poder – muito menos
mesmo que querer saber se o ovo nasceu antes da sobre o poder da TV. Chega a ser psicótica a
galinha. O que importa é combatê-las, construir recusa da TV em falar do poder que ela encerra.
quilombos. Pois uma coisa é certa: quando uma Quantos anos deve durar uma concessão de canal
miséria for destruída a outra sucumbirá junto, aberto no Brasil? Alguém já viu essa pergunta no
como gêmeas siamesas. 0900? Hoje, a cada 15 anos as concessões dos
(CALIL, Ricardo Cury. In: Redação
canais abertos devem ser renovadas. Ou não reno-
no vestibular. São Paulo: Texto & ofício)
vadas, desde que dois quintos do Congresso
Nacional assim o queiram, em votação nominal
O tolo interativo
(conforme dispõe o artigo 223 da Constituição
Eugênio Bucci Federal, parágrafo segundo). Algum cidadão aí já
Antes que a televisão digital chegue de vez ao foi consultado sobre o tema? Você já foi? Você
Brasil, com as suas maravilhas interativas, as redes sabe quando foram renovadas as concessões da
nacionais vão iniciando o público nas delícias da Globo? Do SBT? Você conhece os termos dessas
interatividade. É uma iniciação rudimentar, é ver- concessões? Enfim, por que a TV não é interativa
dade; são passos de anfíbios rastejantes perto do quando o assunto é esse?
que promete ser a TV digital (que já pode ser Essa nova ferramenta da utopia tecnológica, a
experimentada em continentes longínquos). Quan- interatividade, tão celebrada pelos futurólogos que
to à promessa, é admirável: o sujeito dá um clique vivem de vender pontos de exclamação ao capital,
no controle remoto ou emite um comando de voz bem que seria útil para consultar o telespectador
ou, por que não?, um reles esgar de sobrancelhas, (o cidadão) sobre as concessões. Pois é em nome
e o mundo do consumo intergaláctico se abre para dele, cidadão, que as concessões são outorgadas.
ele. Uma pizza de milho verde ou a gravata do Seria útil, mas, francamente, você acha que haverá
David Letterman, qualquer coisa se encomenda ao consultas sobre isso?
monitor. A garota de programa para a próxima
Essa tal de interatividade deveria se chamar inter-
meia hora, reservas em hotéis, um eletrocardiogra-
passividade. Nada mais. Interpassividade consu-
ma instantâneo.
mista: anabolizante para o comércio, nuvem de fu-
A TV vai se tornando o gênio da lâmpada. Ela
maça para a democracia. Nos anos 60, um filóso-
instaura a nova ordem: tudo há de circular pelos
fo costumava dizer que a ideologia interpela os
chips, nada será autorizado fora deles. A utopia
indivíduos enquanto sujeitos. Já não importa muito
tecnológica vem, assim, em forma de tirania envol-
o que ele queria dizer. Importa que hoje a ideolo-
vente. Vai monitorar até os fios de cabelo que se
perderem no ralo da pia – e vai angariar o apoio gia (videologia) interpela o indivíduo como fre-
excitado dos telespectadores, que piscam os olhi- guês. E o freguês abre mão, alegremente, de ser
nhos para os lampejos futuristas. Mariposas em aquele de quem emana o poder. Ele é apenas um
volta da lâmpada. qualquer, ser fungível, de quem emana o lucro.
Por ora, o que há de interatividade no vídeo são as [Folha de S. Paulo, 21/10/2001)
enquetes do “Casseta & Planeta”, as consultas do
Galvão Bueno sobre o Felipão e as telefeiras. A No texto “Os eternos quilombos”, o autor defende
platéia adere em frêmitos. Que filme você quer ver a idéia de que miséria social e miséria cultural
na segunda que vem? Quanto você quer doar para sempre andaram de mãos dadas no Brasil. Para
o programa “Criança Esperança”? Compre já esta ele, o mecanismo de dominação apenas se sofisti-
linda torradeira e ganhe grátis uma caneta tinteiro cou, pois, enquanto os colonizadores usavam de
que fura latinha de cerveja. A TV oferta o mundo métodos violentos para subjugar os colonizados,
em dez vezes sem juros. O mundo inteiro, mas os dominadores modernos substituem a violência
nada que importe. O mundo inteiro e, ao mesmo por uma lavagem cerebral promovida pelos meios
tempo, nada. Pelo vídeo só se negocia o que não de comunicação. Finalmente o autor exorta o leitor
conta. A TV interativa, do presente ou do futuro, a combater a dominação, construindo, como no
existe para seduzir o consumidor - e para silenciar passado, quilombos de resistência contra a misé-
o cidadão. Essa é sua lógica central. ria cultura e a social.

30
Comunicação e Expressão – Os Tipos de Textos

O texto “O tolo interativo” defende a idéia de que a) IV – V – II – I – VI – III.


“televisão interativa” é uma fraude, pois, o que b) II – I – III – V – IV – VI.
interessa para ela, na verdade, não é o cidadão, c) I – II – III – VI – V – IV.
d) I – III – VI – V – II – IV.
mas o consumidor, de quem ela pode auferir todo e) II – I – III – VI – IV – V.
o lucro.
Dissertar, é pois, como se viu nos textos anteriores, 2. Indique a seqüência correta que transforma
expor idéias a respeito de um determinado assun- os fragmentos abaixo em um texto coeso e
to. É discutir essas idéias, analisá-las e apresentar coerente:
provas que justifiquem e convençam o leitor da va- I. Assiste-se hoje a um momento de superação do
lidade do ponto de vista de quem as defende. Ao conceito de Estado-Nação.
dissertar, pode-se ter como objetivo: a) convencer II. Novembro de 1989. Anoitece em Berlim e milha-
alguém de que determinado ponto de vista é prati- res de pessoas se dirigem ao Muro de Berlim.
camente inquestionável; b) dar a conhecer ou ex- III. Em questão de horas, o Muro era desfigurado,
plicar qualquer assunto com intenção informativa e, com ele, a ordem internacional implantada no
pós-guerra.
ou pedagógica; c) discutir um assunto, conferindo-
IV. O fenômeno tem atraído a atenção de acadêmi-
lhe tom polêmico de debate, levando o leitor a
cos e analistas políticos de todo o mundo.
tomar posição perante o problema.
V. Na nova etapa histórica que se inaugurou a partir
Comumente, a dissertação apresenta três partes: de então, o mundo assistiu, perplexo, à desinte-
a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. A gração da União Soviética e da Iugoslávia.
introdução constitui a apresentação do assunto
a) IV – III – V – I – II.
por meio de uma idéia-núcleo, construída com b) I – IV – V – II – III.
uma afirmação, definição, citação etc. O desenvol- c) II – III – V – IV – I.
vimento é análise crítica da idéia central. Apresen- d) IV – I – V – II – III.
ta-se cada um dos argumentos ordenadamente, e) II – III – IV – I – V.
analisando detidamente as idéias e exemplificando
de maneira rica e suficiente o pensamento. A con- 3. Separe, nos dois textos lidos, introdução,
clusão exprime a essência do conteúdo desen- desenvolvimento e conclusão, indicando a
volvido. É o lugar do texto em que se reafirma o palavra que abre e a palavra que fecha cada
posicionamento exposto na tese ou lança-se uma uma das partes do texto.
perspectiva sobre o assunto. a) Em “Os eternos quilombos”, a introdução se
O conteúdo do texto dissertativo deve primar pela estende de .......................... a .................................;
criticidade, clareza de idéias, unidade temática, o desenvolvimento, de .............................................
a................................; a conclusão de .....................
coesão e coerência.
a.............................. .
b) Em “Tolo interativo”, a introdução se estende
de ............................a ..........................; o desenvol-
vimento, de ................. a ..................; a conclusão,
ESCREVENDO de...............................a...................... .

1. Assinale a ordem em que os fragmentos a


seguir devem ser dispostos para se obter um
texto com coesão, coerência e correta progres-
são de idéias.
I. Não apenas os manuais de história, mas todas as
práticas educativas da escola são transmitidas a
partir de uma visão etnocêntrica.
II. O sistema escolar brasileiro ignora a multiplici-
dade de etnias que habita o País.
III. A escola brasileira é branca não porque a maioria
dos negros está fora dela.
IV. Deve-se incluir na justificação da evasão escolar a
violência com que se agride a dimensão étnica
dos alunos negros.
V. Estes, se querem permanecer na escola branca,
têm de afastar de si marcas culturais e históricas.
VI. É branca porque existe a partir de um ponto de
vista branco.

31
UNIDADE III
O Parágrafo
Comunicação e Expressão – O Parágrafo

Ceará. A ação ganha pelos funcionários na pri-


TEMA 08
meira instância pede o reajuste de 84,32% dos
APREENDENDO
salários referentes a inflação de março de 1990 e
expurgado pelo governo Collor. O caso vai parar
A ESTRUTURA DO PARÁGRAFO no Supremo Tribunal Federal, que já negou este
direito em ações de outros servidores”.
Parágrafos são blocos de textos que servem de (FARIA, Tales. Revista IstoÉ, 16/04/2003)
divisão para melhor explicitar ao leitor o que se É relevante lembrar que o tópico frasal deve ser
quer transmitir. No papel, eles se caracterizam: claro, específico e detalhado, já que é a idéia cen-
a) Por um ligeiro afastamento da primeira linha da tral do texto. Um tópico frasal obscuro é inútil, pois
margem esquerda. Sabe-se que um parágrafo ter-
minou e outro foi iniciado pela mudança de linha e
perde a sua finalidade de guiar o leitor.
pelo retorno à margem que se convencionou para
o parágrafo.
Exemplo III:
b) Modernamente, pode-se separar os parágrafos Adote um Amigo
por espaços em branco entre eles
Poucas coisas fazem tão bem ao organismo quan-
As partes principais do parágrafo padrão são cha- to uma boa rede de amigos. É o que prova a pes-
mados de: quisa australiana que analisou a saúde de 1,5 mil
a) tópico frasal (o enunciado da idéia que o pará- pessoas com mais de 70 anos. Os que mantinham
grafo irá tratar);
uma boa convivência com amigos apresentavam
b) desenvolvimento (as frases que irão expressar o
maiores chances de sobrevivência.
pensamento do autor sobre a idéia enunciada
(Revista Isto É, 1863, 29/06/2005, p.68)
anteriormente);
c) conclusão (o arremate daquela idéia apresen-
tada).

Parágrafo Padrão LENDO

TÓPICO FRASAL (primeira linha) Acompanhemos, nos parágrafos que se seguem,


DESENVOLVIMENTO o desenvolvimento de cada um, dando especial
CONCLUSÃO (última linha) atenção à conclusão.
Texto I
Exemplo I: Em Favor do Homem
O Tártaro Paulo Evaristo Arns

O tártaro é calcificação da placa bacteriana, resul- “O homem se tornou lobo para o homem, porque
tado da presença de cálcio e sais minerais na a meta do desenvolvimento industrial está concen-
saliva. Os dentistas afirmam que, para evitá-lo, é trada num objeto, e não no ser humano. A tecnolo-
preciso fazer uma boa escovação depois de cada gia e a própria ciência não respeitaram os valores
refeição, além de usar adequadamente o fio den- éticos. E, por isso, não tiveram respeito algum para
tal. Em casos mais graves, o paciente pode até
o humanismo. Para a convivência. Para o sentido
perder o dente por causa da gengivite (inflama-
mesmo da existência.
ção da gengiva), com posterior retração óssea. A
presença de tártaro no interior da gengiva pode ser Na própria política, o que contou no pós-guerra foi
detectada por meio de um exame clínico de rotina. o êxito econômico. É muito pouco, a justiça social
A radiografia é um exame complementar que po- e o cultivo da verdadeira imagem do homem. Fo-
derá mostrar mais detalhadamente a abrangência mos vítimas da ganância e da máquina. Das cifras.
do tártaro. O ideal é consultar um dentista regu- E, assim, perdemos o sentido autêntico da con-
larmente, de seis em seis meses, para fazer a lim- fiança, da fé, do amor. As máquinas andaram por
peza. cima da plantinha sempre tenra da esperança.
(Adaptado do Jornal Folha de S. Paulo, 08/03/2001)
E foi o caos”.
Exemplo II: Texto II
Grana Federal! Deitados... Em Berço
“O TRF de Recife decidiu na semana passada Esplêndido: Eternamente?
suspender o pagamento de R$ 113 milhões a Jovens. Horas de estudo, décadas de insônia, sé-
delegados e funcionários da Polícia Federal do culos da ansiedade e nervosismo; um frio e a

35
UEA – Licenciatura em Matemática

responsabilidade de um futuro promissor. É assim Texto VI


que se sentem aos jovens que enfrentam hoje um O problema do parágrafo
processo seletivo de vestibular. Porém, espalha- De um modo geral, na distribuição das déias ao
dos pelo Brasil a fora: crianças. Horas de frio, longo do texto – o que é muito importante, você
década de fome, séculos de desnutrição e traba- sabe, por ser a própria estrutura de sua redação –
lho infantil; um buraco vazio na barriga e a respon- nós a dividimos em parágrafos, que têm por nú-
sabilidade de um passado envergonhador. É assim cleo as idéias centrais do texto. Cada um dos pa-
que se sentem os jovens, outros, que nasceram rágrafos deve corresponder a uma das idéias
para ontem, hoje e sempre enfrentar o processo centrais da nossa dissertação, apresentando-a e
seletivo da vida. desenvolvendo-a. Você sabe que pela própria
Texto III construção do texto dissertativo – introdução, de-
senvolvimento, conclusão – ele necessita de pelo
Política e Politicalha
menos três parágrafos.
“Política e politicagem não se confundem, não se (BARBOSA, Severino Antônio M. & AMARAL, Emília)
parecem, não se relacionam uma com a outra.
Antes se negam, se excluem, se repulsam mutua-
mente. A Política é a arte de gerir o Estado, segun-
do princípios definidos, regras morais, leis escritas, ESCREVENDO
ou tradições respeitáveis. A politicalha é a indústria
de o explorar a benefício de interesses pessoais.
Identifique os componentes dos parágrafos:
Constitui a política uma função, ou conjunto das
funções do organismo nacional: é o exercício nor-
mal das forças de uma nação consciente e senho- Palavras do outro
ra de si mesma. A politicalha, pelo contrário, é o Escrever é também descobrir o outro. Descobrir a
envenenamento crônico dos povos negligentes e realidade do outro. Uma das formas mais fortes da
viciosos pela contaminação de parasitas inexo- descoberta dos outros é o desvendamento da sua
ráveis. A política é a higiene dos países moral- linguagem. Através das palavras do outro, conhe-
mente sadios. A politicalha, a malária dos povos de cemos sua vivência.
moralidade estragada.” (BARBOSA & AMARAL)
(BARBOSA, Rui. In ROSSIGNOLI, Walter.
Português: Teoria e Prática. São Paulo: Ätica, 1992)
A elegância
Texto IV
A elegância consiste em tornar agradável a leitura
Ler e escrever/Escrever e ler
do texto. E isso é possível quando se observam as
Em nossa vida cotidiana, acostumamo-nos a as- qualidades que apontamos acima: correção gra-
sociar leitura com aquisição de informações, de matical, clareza e concisão. Uma linguagem origi-
conhecimentos sobre os mais variados assuntos. nal e criativa, adequada ao tema tratado, também
Mas nós sabemos que um livro, um texto, também colabora para a produção de um texto elegante.
pode nos colocar como personagens, como inter- (TERRA & NICOLA)
locutores de aventuras insuspeitadas, de senti-
mentos e vivências inusitadas, de reflexões a que
Fazer leitura crítica
não teríamos acesso sem conhece-lo.
(BARBOSA, Severino Antônio M. & AMARAL, Emília) A leitura crítica exige do leitor uma visão abran-
gente em torno do assunto que está sendo fo-
Texto V
calizado. É necessário, pois, que se faça uma
Minha poesia
pré-leitura do material a ser analisado para, então,
Ferreira Gullar estabelecer-se diferença entre a sucessão das
“E a história humana não se desenrola apenas nos idéias principais, contidas nas sentenças-tópico.
campos de batalha e nos gabinetes presidenciais. (FAULSTICH)
Ela se desenrola também nos quintais entre plan-
tas e galinhas, nas ruas de subúrbios, nas casas
de jogos, nos prostíbulos, nos colégios, nas usi-
nas, nos namoros de esquina. Disso quis eu fazer
a minha poesia, dessa matéria humilde e humilha-
da, dessa vida obscura e injustiçada, porque o
canto não pode ser uma traição à vida, e só é justo
cantar se o nosso canto arrasta com ele as pes-
soas e as coisas que não têm voz.”

36
Comunicação e Expressão – O Parágrafo

Pode-se, também, começar por uma descrição


TEMA 09
objetiva:
APREENDENDO
“Quem é ele? Pesa entre 0,5mg e 1mg. Para
sobreviver, precisa de sangue, calor e umidade.
TIPOS DE PARÁGRAFO: Esfomeado, fica cinza. Bem nutrido, torna-se
ORDENAÇÃO POR TEMPO E ESPAÇO, avermelhado. Vive em média um mês e chega a
DEFINIÇÃO e ALUSÃO HISTÓRICA colocar até trezentos ovos por dia. Provoca
coceira e irritação. Última dica: é motivo de eter-
Após termos delimitado o tema, é hora de buscar- na preocupação de pais e professores.”
mos o melhor tipo de parágrafo que se adapte [21/03/1993] (Jornal do Brasil)
à nossa redação. Ordenação por tempo e espa-
ço, Definição e Alusão histórica são alguns dos Percebe-se que o parágrafo descreve as carac-
terísticas do piolho.
tipos de parágrafo apresentados pelos manuais de
técnica redacional. Segundo Othon Garcia, a Alusão histórica “desper-
O parágrafo ordenado por tempo e espaço indica, ta sempre a curiosidade do leitor...” Quando nos
logicamente, o tempo em que acontecem os fatos referimos “a fatos históricos, lendas, tradições,
e as idéias ou o espaço onde os mesmos ocorrem. crendices, anedotas ou acontecimentos testemu-
Nada impede que as referências ao tempo e ao nhados, temos mais chances de atrairmos a aten-
espaço aconteçam simultaneamente. Acompa- ção do leitor”. Acompanhemos, pois, o exemplo:
nhemos o exemplo: “Conta-se que Boabdil, último rei mouro de
“A dita Era da Televisão é, relativamente, nova. Granada, vencido pelos cristãos, ao lançar um
Embora os princípios técnicos de base sobre os olhar de despedida à bela cidade andaluza, do
alto de uma das colinas que a circundam, não
quais repousa a transmissão televisual já esti-
se conteve e chorou. Sua mãe, que o acompa-
vessem em experimentação entre 1908 e 1914
nhava, em vez de reconfortá-lo, teria, ao con-
nos EUA, no decorrer de pesquisas sobre a
trário, dirigido ao príncipe estas palavras cruéis:
amplificação eletrônica, somente na década de ‘Chora, meu filho, como mulher, a cidade que
XX chegou-se ao tubo catódico, principal peça não soubeste defender como homem’ (...)”
do aparelho de tevê. Após várias experiências
(PERES, Jefferson, Jornal A Crítica, 6/12/1987) In SENA,
por sociedades eletrônicas, tiveram início, em Odenildo. A engenharia da redação. (No prelo)
1939, as transmissões regulares entre Nova
Iorque e Chicago – mas quase não havia apare- Em seu famosíssimo livro Comunicação em prosa
lhos particulares. A guerra impôs um hiato às moderna (FGV Editora, 2004), O professor Othon
experiências. A ascensão vertiginosa do novo Garcia orienta que um parágrafo pode ser com-
veículo deu-se após 1945. No Brasil, a despeito preendido como uma pequena parte que forma o
de algumas experiências pioneiras de labora- todo compreensivo que é o texto. Como é esta
tório (Roquete Pinto chegou a interessar-se pela pequena construção dotada de significado que vai
transmissão da imagem), a tevê só foi mesmo compor o texto, convém que se aprenda a elaborá-
implantada em setembro de 1950, com a lo a fim de se tornar habilitado para a redação do
inauguração do Canal 3 (TV – Tupi), por Assis texto todo. O parágrafo dissertativo é o mais apro-
Chateaubriand”. priado para exemplificação. O parágrafo pode ser
(SODRÉ, Muniz. A comunicação visto da seguinte forma:
do grotesco. Petrópoles: Vozes, 1971)

O desenvolvimento por Definição é comum em


obras didáticas ou científicas. Começa normal-
mente definindo algo:
“O parágrafo é uma unidade de composição A introdução é obviamente a primeira parte do
constituída por um ou mais de um período, em parágrafo. É ela o carro-chefe. Garcia (2004) ensi-
que se desenvolve determinada idéia central, ou na que, na primeira parte do parágrafo, se expo-
nuclear, a que se agregam outras, secundárias, nha claramente a idéia que vai ser desenvolvida a
intimamente relacionadas pelo sentido e logica- seguir. Ele chama a este procedimento de elabo-
mente decorrentes dela.” ração da Idéia Central, da Frase-núcleo, do Tópico
(Othon Garcia) Frasal. Essas três expressões identificam a frase

37
UEA – Licenciatura em Matemática

que inicia o texto. A Idéia Central, o Tópico Frasal,


a Frase-núcleo podem ser configurados por uma
LENDO
DECLARAÇÃO, por uma DEFINIÇÃO, por uma
DIVISÃO. Observe os exemplos a seguir:
Electra e Bush
Tipo de Texto: Dissertação Leandro Konder

Assunto: Amazônia Agamenon, rei de Micenas e de Argos, era o


Delimitação: Amazônia Brasileira comandante do conjunto das tropas gregas que
Objetivo do texto: expor outros valores da Amazô- levaram dez anos em luta contra os troianos. Em-
nia Brasileira além de sua rica biodiversidade. bora tenham vencido a guerra, os comandados de
Agamenon tiveram dificuldades para retornar às
Frase-núcleo: Alguns imaginam que a região ama-
suas casas. Como ofenderam a deusa Ártemis, fo-
zônica brasileira é apenas um vasto território cheio
ram castigados por ela, que retardou a volta deles
de inestimáveis recursos naturais.
à península.
Veja que o redator optou por declarar algo; no Para aplacar a ira da deusa, Agamenon sacrifi-
caso, sugerindo outros valores além dos natural-
cou-lhe sua filha Ifigênia. Clitemnestra, esposa de
mente conhecidos. Sua declaração está compre-
Agamenon, adorava Ifigênia e ficou com ódio do
ensível e leva o leitor a uma expectativa quanto ao
marido. Tornou-se, então, amante de Egisto e, jun-
desenvolvimento, quanto ao outro valor que a
tos, assassinaram Agamenon. Além da sacrificada
Amazônia Brasileira possui.
Ifigênia, Agamenon e Clitemnestra tinham um filho,
Orestes, e outra filha, Electra.
Tipo de Texto: Dissertação
Electra tinha uma enorme paixão pelo pai e ficou
Assunto: O ato de Escrever com um ódio imenso da mãe. Freud, no século 20,
Delimitação: O ato de dissertar destacou a riqueza simbólica do sentimento de
Objetivo: mostrar que dissertar, longe de ser trau- Electra. Ésquilo transformou-a em personagem de
matizante, pode ser prazeroso. sua peça As Céforas. Sófocles e Eurípides também
Frase-núcleo: Dissertar graficamente é pôr no pa- a puseram no palco.
pel, de forma coerente e coesa, informações pro- Electra considerava “insuportável” a situação em
cessadas. que se encontrava. Não concebia que o usurpa-
dor e a assassina (uxoricida) permanecessem
Aqui o redator optou por definir o ato de dissertar.
instalados no poder. O coro, então, na tragédia
Fê-lo tecnicamente omitindo o artigo antes do ver-
de Ésquilo, anuncia a Electra que os deuses já
bo dissertar. Note que essa frase-núcleo permite
haviam mandado um emissário para resolver o
um certo prolongamento da abordagem, levando a
problema.
um desenvolvimento saudável do parágrafo.
Electra se limita a esperar que prevaleça a justiça
Tipo de texto: Dissertação dos deuses. Num dado momento, ela indaga do
coro se o emissário dos deuses viria na condi-
Assunto: Televisão
ção de juiz ou na de vingador. Nesse momento,
Delimitação: Programação televisiva Electra, com sua pergunta, torna-se um marco no
Objetivo: mostrar benefícios e malefícios da pro- longo e sofrido caminho da construção de uma
gramação televisiva. consciência adequada às demandas da demo-
Frase-núcleo: A programação televisiva hoje apre- cracia.
senta-se como mocinha e vilã. Electra era uma jovem que não podia exercer seus
direitos de cidadania, porque na Grécia antiga as
Nesse exemplo, o redator decidiu “dividir” o assun-
mulheres não eram cidadãs (não participavam da
to. Essa divisão está clara nas palavras “mocinha”
vida política). Apesar disso, ela teve a lucidez
e “vilã”, numa referência sutil à linguagem dos ve-
excepcional de distinguir entre a condição de vin-
lhos filmes de bangue-bangue exibidos antiga-
gador e a condição de juiz.
mente na TV. Esse procedimento muito contribui
para o desenrolar do texto. O redator só terá o tra- A condição de vingador pertence à esfera privada.
balho de abordar o lado mocinho e o lado vilão da E a vingança é uma coisa que concerne ao sujeito
programação televisiva. como indivíduo privado. A condição de juiz é outra

38
Comunicação e Expressão – O Parágrafo

coisa: é algo que nos remete à esfera pública,


movimenta o aparelho do Estado, aplica as leis e
ESCREVENDO
representa os valores da comunidade. É digna de
admiração a honestidade intelectual de Electra.
Embora ansiasse por vingança, ela percebia que, 1. Construa o desenvolvimento dos parágrafos
no seu anseio, havia o sentimento particular da a seguir, considerando o tópico frasal pro-
filha traída pela mãe, a dor da filha cujo pai havia posto. Faça-o com atenção, de forma a coa-
sido morto por Egisto e Clitemnestra. E havia tam- dunar o que você produziu com os trechos finais
bém a consciência de que havia sido cometido um já escritos.
ato abominável, que contrariava os fundamentos
éticos e jurídicos da comunidade e precisava ser a) A sociedade, no que diz respeito à corrupção,
punido, em nome da preservação da cidadania. apresenta dois tipos de comportamento. _______
_____________________________________________
No fundo, a moça queria saber o que predomina- _____________________________________________
va no seu anseio: a correção da injustiça, encami- _____________________________________________
nhada em termos que podiam contribuir para o _____________________________________________
fortalecimento da cidadania, ou o ódio particular, _____________________________________________
pura e simplesmente. ___________. É assim que vivemos.
Mais de dois mil e quinhentos anos se passaram,
b) Idoso é aquele que, limitado fisicamente pelo des-
desde que Electra teve a valentia de reconhe-
gaste natural do corpo, deveria viver sob o ampa-
cer o problema e admitir a ambigüidade da situa-
ro respeitoso da família e da sociedade. É alguém
ção em que estava posta. Agora – 25 séculos mais
que_________________________________________
tarde – o presidente dos Estados Unidos se defron-
_____________________________________________
ta com Sadam Hussein num quadro que em al-
_____________________________________________
guns aspectos pode lembrar o de Electra. Sadam
____________________________________________.
Hussein é um ditador sanguinário, que queria ma-
Mas, infelizmente, não é isso que acontece.
tar George Bush, o pai de George W. Bush. Sus-
peita-se que Sadam tenha alguma ligação com a c) Nossos pais tiveram uma vida bem mais tranqüila
organização terrorista Al Qaeda, de Osama Bin que a nossa. Eles não tinham que ____________
Laden, que promoveu a horrível explosão das tor- _____________________________________________
res do World Trade Center. _____________________________________________
George W. Bush, então, se tornou, ele mesmo, por _____________________________________________
_____________________________________________
autonomeação, o emissário dos deuses. Sua his-
______________. Certamente souberam o que é
tória se distingue, afinal, da de Electra, com a qual
viver sossegados, sem pressa ou ansiedade.
partilha a devoção ao pai, o fervoroso amor pelo
pai, além da convicção de que há um assassino a d) A raiva é um dom divino e serve para avisar aos
ser punido pelo crime que cometeu. outros quais são os teus limites. Sem a raiva, ____
Enquanto Electra era uma mulher frágil, desprovi- _____________________________________________
da de poderes, Bush é poderosíssimo. Por estar _____________________________________________
no comando de uma superpotência, ele se dispen- _____________________________________________
sa de se perguntar seriamente se age na condição _____________________________________________
de juiz ou na condição de vingador. ____________________. O que não deve ocorrer é o
completo descontrole desse sentimento tão útil
Falta-lhe a emocionante lucidez de Electra, a ca- para as relações humanas.
pacidade de admitir que sua motivação talvez ca-
reça de legítima universalidade. Falta-lhe a gran- e) Falar em política partidária, no Brasil (e, talvez, no
deza da disposição autocrítica, que lhe permitiria mundo), atualmente, é, sem exageros, experimen-
indagar a respeito do que se passa efetivamente tar sensações semelhantes às que tem quem tra-
em sua cabeça e em seu coração. balha com limpeza de esgotos e latrinas. O tema
causa repugnância porque ___________________
Sente-se que, em Bush, a condição de vingador
_____________________________________________
absorve a outra e se torna, por si mesma, a con-
_____________________________________________
dição de juiz. Só que esse juiz, inteiramente absor-
_____________________________________________
vido pela função de vingador, na realidade não é
_____________________________________________
mais juiz: é apenas carrasco.
___________________. E, para piorar, parece que
[05/ABR/2003] (Jornal do Brasil) isso está virando rotina.

39
UEA – Licenciatura em Matemática

2. Construa a conclusão dos parágrafos abaixo;


faça-o com coerência e coesão. TEMA 10
APREENDENDO
a) A idéia que se tem da Amazônia é aquela que a
restringe a uma vasta região verde cheia de tesou-
ros naturais, só isso. A Amazônia é muito mais. Ela
é uma região rica sim, mas em_____________
TIPOS DE PARÁGRAFO:
____________________________________________. ENUMERAÇÃO, CAUSA E CONSEQÜÊNCIA,
E principalmente,_____________________________ PARALELO E CONTRASTE
____________________________________________.
Uma vez que o parágrafo foi introduzido com a
b) A criança em idade escolar precisa, da parte do
construção da frase-núcleo, é necessário que seja
governo, de políticas públicas sérias que valori-
zem sua existência e que garantam ___________
desenvolvido. Nesta seção, vamos expor pelo me-
_____________________________________________ nos três exemplos de desenvolvimento do pará-
_____________________________________________ grafo, que certamente servirão como base para a
__________________________________________. elaboração de outros parágrafos. Apresentaremos
o parágrafo desenvolvido por Enumeração, por
c) A docência superior requer profissionais altamen- Causa e Conseqüência e Paralelo e Contraste.
te capacitados, gente sensível que saiba mobilizar
Resolvemos exibir exemplos para, em seguida,
informações. Não é um campo comum. É com-
plexo porque ________________________________ comentá-los, estimulando a produção.
_____________________________________________
_____________________________________________ 1. Ordenação por enumeração
_________________________________________. A ordenação por enumeração constitui uma for-
ma interessante de estruturar o parágrafo dis-
sertativo.
Exemplo:
“Algumas pessoas alegam duas razões principais
para não gostarem de política. A primeira é que
política é chata e complicada. A segunda é que
todos os políticos são iguais, isto é, corruptos. São
pois tais motivos que uma parcela da população
continua escolhendo mal seus representantes.”
(Aline Alves de Souza, aluna do 1.o período
do Curso de Letras, 2000 In SENA, Odenildo.
A engenharia da redação. (No prelo).)

Comentário – Percebe-se que a redatora deci-


diu enumerar as razões pelas quais as pessoas
não gostam de política. Ela deixa isso claro já na
frase núcleo ao dizer que “Algumas pessoas ale-
gam duas razões para não gostarem de políti-
ca”. Esse tipo de construção torna a produção
do desenvolvimento algo menos trabalhoso,
uma vez que basta ao redator expor as tais duas
razões.

2. Ordenação por contraste


Na ordenação por contraste, o redator deve
procurar estabelecer comparações, apresentar
paralelos, apontar diferenças, evidenciar con-
trastes.
Exemplo:
“Não se pode imaginar contraste mais violento do
que o existente entre as duas regiões. De um lado,
a terra escura, pegajosa, úmida, cavada de sulcos
ou embebida de água, com árvores frutíferas, man-
gueiras, laranjeiras, canaviais, rios limosos. De ou-
tro, um caos de pedras cinzentas cravadas em des-
ordem no chão de argila seca, rachado pelo sol, e

40
Comunicação e Expressão – O Parágrafo

vastas extensões de areia ardente. No litoral, a é a efetiva conversão da imprensa em autêntico


riqueza da vegetação exuberante, de um verde veículo de comunicação de massas. Constru-
quase negro, com raízes mergulhadas nos pânta- ções dessa natureza não são difíceis de serem
nos e o cimo muitas vezes coroado de brumas produzidas, requerem apenas que se conheça
matinais – plantas que arrebentam de seiva, de mel,
o assunto em questão e que se tenha relativa
de perfumes. No sertão, a caatinga, como lhe cha-
mavam os índios, com uma vegetação de cactos,
habilidade gramatical, semântica e de cons-
de moitas espinhosas, de ervas raquíticas, amare- trução textual.
las, calcinadas, de árvores esqueléticas com folhas
raivosamente eriçadas, transformadas em espi-
nhos ou arestas, de árvores ventrudas que são
como odres para reter sob a casca rugosa a maior ESCREVENDO
quantidade possível da mesquinha água da chuva.”
(SOARES, 1978)
Leia com atenção o parágrafo a seguir:
a) assinale o tópico frasal;
Comentário – Está bastante clara a postura do
b) indique o tipo de desenvolvimento;
redator na aconstrução desse parágrafo. Co-
c) sintetize-os;
nhecendo ambas as regiões, pôde traçar um
d) dê a cada um deles um título sugerido pelo seu
paralelo entre elas, revelando-lhes os contras- conteúdo.
tes. Nesse caso, quem escreve deve ter um sig-
nificativo conhecimento lexical: chama a aten- O sistema econômico e a estrutura social do Brasil
ção os adjetivos usados, bem como a maneira não eram, em 1930, muito diversos do que haviam
bastante interessante de jogar com substantivos sido no século anterior. A economia do país conti-
e adjetivos pouco convencionais, embora seja nuava a apoiar-se na exportação de uns poucos
um texto datado de 1978. produtos primários, principalmente café, e o Estado
continuava a financiar-se principalmente com impos-
tos arrecadados sobre o comércio exterior. A pro-
3. Ordenação por causa-conseqüência
dução, seja de café, açúcar, de cacau, etc., estava
A organização do parágrafo faz-se em função organizada em fazendas, que continuavam sendo a
das causas e das conseqüências dos fatos que instituição econômica e social básica do país. Cerca
apresenta. de quatro quintas partes da população do país viviam
nos campos, organizadas econômica e socialmente
Exemplo: nessas fazendas, cujas dimensões eram algumas
vezes consideráveis, abrigando muito milhares de
“Quando a imprensa se converte, efetivamente,
pessoas. Também cerca de quatro quintas partes da
num autêntico, veículo de comunicação de massas
população estavam formadas por analfabetos, e es-
nas áreas urbanas, surgem o rádio e a televisão,
tes, então como hoje, estavam constitucionalmente
como conseqüência do progresso eletrônico, e ra-
destituídos de direitos públicos. As pessoas que ti-
pidamente incorporam-se à estrutura da sociedade
nham participação efetiva no processo eleitoral repre-
de consumo massivo. O rádio e a TV surgiram com
sentavam pouco mais de um por cento da população
maiores condições para levar mensagens às gran- do país. Para a grande massa da população, o Esta-
des massas, porque traziam uma característica do existia apenas através de alguns de seus símbolos
intrínseca – a oralidade –, ampliando o acesso po- mais ostensivos, como a figura do Presidente da Re-
tencial a todos os indivíduos, independentemente pública, que substituiu a do Imperador. As autorida-
dos níveis de alfabetização e educação. Grandes des locais, mesmo quando eram parte integrante da
parcelas da massa populacional, no mundo inteiro, burocracia federal, estavam sob controle dos grandes
so-bretudo nas áreas rurais que se conservavam senhores proprietários de terras. O voto era ostensivo
marginalizadas da cultura, em virtude das caracte- e o controle dos votos era feito por pessoas da con-
rísticas elitizantes da imprensa, passaram a receber fiança dos senhores locais. Por último, havia um me-
informações orais e audiovisuais, respectivamente, canismo por meio do qual os resultados das eleições
através do rádio e da tevê. Isso abalou, profunda- podiam ser alterados pelas autoridades centrais. Des-
mente, as bases da própria cultura alfabética, linear, ta forma, aqueles que estavam no poder dispunham
criando-se novos padrões culturais.” de todos os meios para nele permanecer.
(José Marques de Melo, Comunicação,
opinião, desenvolvimento)

Comentário – Esse tipo de parágrafo é construí-


do tendo como base a idéia de causa e con-
seqüência. O redator toma como objeto de
análise, como assunto, um fato e, em seguida
expõe o que motivou esse fato e as suas con-
seqüências. No caso, o que motiva o surgi-
mento do rádio e da televisão nas áreas urbanas

41
UEA – Licenciatura em Matemática

ASSUNTO/TEMA: A televisão
TEMA 11
APREENDENDO DELIMITAÇÃO DO ASSUNTO:
! O papel privilegiado da televisão entre os meios de
comunicação de massa.
TEMA, DELIMITAÇÃO E OBJETIVO ! A televisão como mecanismo de controle social.
! A programação infantil da TV brasileira.
É importante salientar que ter um plano de ação ! A televisão ditando mudanças de comportamento.
é extremamente importante para a produção de
! O papel cultural da televisão.
um texto. No que diz respeito ao texto dissertativo,
torna-se imprescindível agir a partir dessas orien- ! Concorrência e audiência entre as emissoras de
televisão.
tações prévias. Apresentamos, a seguir, algumas
orientações para elaboração do plano de cons- ! A televisão na criação de mitos.
trução do texto dissertativo. ! A televisão: monopólio do lazer das massas.
Tema, assunto e título – Em primeiro lugar, na ! A televisão como empecilho para a leitura de livros.
perspectiva do texto dissertativo, tema e assunto ! Televisão: o quarto Poder.
têm a mesma definição, ou seja, constituem a pro-
posição do texto, o motivo da composição textual.
O título é de escolha do redator. Deve ter uma li- O OBJETIVO E O PLANO DE
gação semântica com o texto, sugerindo o teor ex- DESENVOLVIMENTO DO PARÁGRAFO.
presso, o assunto que o leitor vai encontrar no
texto. Convém estabelecer qual o assunto a ser A fixação do objetivo
abordado.
Delimitação – Geralmente, há dentro de um as- “Delimitando o assunto, torna-se fácil fixar o objeti-
sunto, alguns campos específicos que, por si só, vo que deve orientar o que será escrito. A fixação
merecem abordagens também específicas. Ao se do objetivo facilita a seleção das idéias e sua orde-
definir esses campos, reduz-se a área de atuação nação. Determinar para quê se vai escrever sobre
e, conseqüentemente, amplia-se a capacidade de determinado assunto, com que finalidade, para
produção. É o que chamamos de delimitação. atingir quais objetivos, é uma etapa indispensável
O desempenho do redator será melhor se o cam- no planejamento do ato de escrever”.
po de atuação for menor, a compreensão do texto (Magda B. Soares e Edson N. Campos. Técnica
também será satisfatória. Daí a importância de de redação. S. Paulo: Ao Livro Técnico, 1987, p.56)
saber-se delimitar o tema. Observe os exemplos:

1. Tema/Assunto: Políticas públicas. Fixar o objetivo é desenvolver o texto em função


do objetivo estabelecido; é manter a unidade e a
Delimitação: Políticas públicas na área da edu- coerência do texto.
cação.
Exemplo:
2. Tema/Assunto: Televisão.
Delimitação: A televisão como instrumento da
Tema: A cidade de Manaus
educação.
Delimitação do tema: Os efeitos provocados
3. Tema/Assunto: Educação. pelas fortes chuvas na cidade de Manaus.
Delimitação: Educação de jovens e de adultos. Objetivo: Apontar os efeitos negativos provo-
cados pelas constantes chuvas no mês de
abril, em Manaus.
Como se percebe, as delimitações aqui apre-
sentadas poderiam ser mais aprofundadas. No
exemplo 1, poderíamos ter ainda Políticas públi-
cas na área de educação na cidade de Manaus O plano de desenvolvimento do parágrafo
ou Políticas públicas na área da educação supe-
rior na cidade de Manaus. Enfim, quanto mais “Ao escrever um parágrafo, devemos, pois, antes
restrita for a delimitação, melhor será a perfor- de desenvolver a frase-núcleo, selecionar os as-
mance do redator, menores serão as dificulda- pectos que serão apresentados e ordená-los:
des que envolvem a produção do texto. devemos construir um plano de desenvolvimento
Se o assunto fosse, por exemplo, televisão, po- das idéias. O plano será um instrumento de con-
deria ser abordado sob vários aspectos, depen- trole do desenvolvimento: evitará a inclusão de
dendo do enfoque desejado: aspectos ou detalhes desnecessários ou incoe-

42
Comunicação e Expressão – O Parágrafo

rentes com o objetivo e assegurará a presença Um pouco de história


de todos os aspectos ou detalhes exigidos pelo
objetivo. Além disso, o plano, determinando a or- A primeira forma de comunicação lingüística uti-
dem em que serão apresentados os aspectos ou lizada pelo homem é a fala. Porém a necessidade
detalhes, garantirá uma boa estruturação do pará- de fixar a mensagem e de transmiti-la a distância
grafo”. levou o homem à busca de outras formas de co-
(Magda B. Soares e Edson N. Campos. Técnica municação. Surge a arte pictórica: o homem, atra-
de redação. S. Paulo: Ao Livro Técnico, 1987, p.73) vés de desenhos, representava diretamente a situ-
ação ou o fato.
(BARROS, Jayme)
Exemplo:

A mulher e a política
Tema: A cidade de Manaus
Agaciel da Silva Maia
Delimitação do tema: Os efeitos provocados
Diretor geral do Senado
pelas fortes chuvas na cidade de Manaus.
Objetivo: Apontar os efeitos negativos provo- No início do século XX o Brasil testemunhou
cados pelas constantes chuvas no mês de inúmeras mobilizações das mulheres. A ordem
abril em Manaus. patriarcal era bem mais repressora, as mulheres
eram em sua maioria privadas de educação formal
Plano de desenvolvimento das idéias:
(alfabetização) e os meios de comunicação, além
Os efeitos negativos das fortes chuvas: as de não serem regulares, eram acessíveis apenas
constantes alagações nas ruas e bairros de nas capitais dos Estados. Ao observador atento a
Manaus; o entupimento dos bueiros e igara- luta das mulheres teve muito de perseverança e de
pés da cidade decorrente dessas alagações; o heroísmo.
acúmulo de lixo; acidentes no trânsito; falta de É oportuno destacar alguns marcos referenciais na
energia em certos pontos da cidade. longa luta da mulher brasileira por seus direitos.
Em 1901, cerca de 700 mulheres denunciaram vio-
lências sexuais que sofriam numa fábrica de São
CONCLUSÃO DO PARÁGRAFO Paulo, a Tecidos Santana, fazendo piquetes numa
greve. Dois anos depois, as tecelãs do Rio de Ja-
neiro entraram em greve em defesa de uma ope-
A Conclusão e o leitor rária despedida, ao voltar da maternidade, pelo
patrão que a engravidara. Em 1917, Bertha Lutz
Conclusão/objetivo – É importante que o seu lei- participou de encontro internacional da Organiza-
ção Internacional do Trabalho (OIT), onde se apro-
tor perceba a coerência entre a conclusão de seu
vou o princípio de salário igual para trabalho igual.
texto e o objetivo traçado. Na conclusão, deve
haver a “frase que define de forma exata, concisa Em 1922, a Federação Brasileira pelo Progresso
Feminino mobilizou milhares de mulheres pelo
e clara a posição adotada”.
direito ao voto e também para que fossem assegu-
Algo novo – É evidente que você não vai repetir rados seus direitos trabalhistas. Nesse rastro de
a introdução. Mesmo quando a conclusão é uma mobilizações é que acontece, em 1953, a hoje fa-
síntese das idéias expostas, seu leitor deve per- mosa greve das “300 mil”, reunindo mulheres em
ceber algo novo, deve sentir o seu trabalho de “re- todas as capitais do país. Um fruto dessa tomada
organização do objetivo proposto”, da introdução de posição foi o surgimento de muitos departa-
e dos aspectos explicitados no desenvolvimento. mentos femininos nos sindicatos.
Você pode, por exemplo, fazer a citação de um Vejamos, agora, um pouco da situação da mulher
fato e/ou de um pensamento mesmo que de ou- no Brasil, nas primeiras décadas do século passa-
tro autor. Tal citação funcionará, então, como do, em uma época em que as mulheres saíram às
uma síntese demonstrativa do que foi afirmado no ruas para conquistar o direito ao voto. Após muita
texto. mobilização, em 3 de maio de 1933, na eleição
para a Assembléia Nacional Constituinte, a mulher
O importante é que sua conclusão esteja redigida
brasileira, pela primeira vez, em âmbito nacional,
de tal forma que desperte uma boa impressão, que votaria e seria votada. A primazia de ser eleita ca-
o leitor termine a leitura de seu texto com uma sen- beria à médica paulista Carlota Pereira de Queiróz,
sação agradável de que leu algo que o fez refletir. a primeira deputada brasileira, que havia se
(BARROS, Jayme) notabilizado como voluntária na assistência aos

43
UEA – Licenciatura em Matemática

feridos durante a Revolução Constitucionalista. Se- Tevê


ria depois reeleita em 1934. Ainda nessa legislatu-
ra tomaria posse a segunda deputada brasileira, a Muniz Sodré
bióloga e advogada Bertha Lutz, que tinha sido
“A tevê, apesar de nos trazer uma linguagem con-
também a segunda mulher a ingressar nos qua-
creta, não fornece uma reprodução fiel da reali-
dros do serviço público brasileiro, em 1919. Assu-
dade. Uma reportagem de tevê, com transmissão
miu uma cadeira na Câmara em julho de 1936.
direta, é o resultado de vários pontos de vista:
Agora, nestes primeiros anos do século XXI, po- 1) do realizador, que controla e seleciona as ima-
demos antever sinais alvissareiros das conquistas gens num monitor; 2) do produtor, que poderá efe-
da mulher em vários campos da atuação humana. tuar cortes arbitrários; 3) do cameraman, que sele-
Enfocaremos, ainda que brevemente, apenas a ciona os ângulos de filmagem; finalmente de todos
atuação da mulher na política. aqueles capazes de intervir no processo de trans-
Antes de 1945 a Áustria era o único país que a missão. Por outro lado, alternando sempre os clo-
havia eleito para a presidência de uma de suas câ- ses (apenas o rosto de um personagem no vídeo,
maras parlamentares. No período de 1945 a 1997, por exemplo) com cenas reduzidas (a vista geral
essa situação se transforma profundamente: de uma multidão), a televisão não dá ao especta-
42 dos 186 países que possuem instituições legis- dor a liberdade de escolher o essencial ou o aci-
lativas têm, uma ou outra vez, selecionado uma dental, ou seja, aquilo que ele deseja ver em
mulher para presidir o seu Congresso Nacional ou grandes ou pequenos planos. Dessa forma, o veí-
uma de suas casas parlamentares. Isso ocorreu 78 culo impõe ao receptor a sua maneira especialíssi-
vezes nesse período. É oportuno destacar que, ma de ver o real.”
nos 24 países que possuem um Parlamento bica-
meral, a presidência foi confiada a uma mulher
mais vezes no Senado do que nas Câmaras.
ESCREVENDO
É gratificante ver que quase 70 anos passados
desde a primeira vez em que a mulher participou
de eleições no Brasil, e também desde a histórica Complete o quadro abaixo, sugerindo uma deli-
mitação para cada assunto e um objetivo que
eleição de Carlota Pereira de Queiróz, observamos
poderia orientar a redação de um parágrafo sobre
o crescimento sistemático da bancada das mulhe-
cada assunto, tal como foi delimitado. O primeiro
res no Congresso Nacional. Em 1998 tínhamos 35
está resolvido para você.
deputadas federais e hoje o Brasil conta com a
energia e o talento de nada menos de 44 depu-
tadas federais eleitas em 2002. Ainda mais signi- Assunto Delimitação do Assunto Objetivos
ficativo foi o aumento do número de mulheres no
Senado: de cinco senadoras eleitas em 1994, te-
apontar as vantagens
mos agora nove, eleitas em 2002, representando Esportes A prática de esportes
da prática de esportes
10 diferentes Estados. A Casa Alta do Congresso
conta, então, com as trajetórias singulares, e os Meio de
Comunicação
esforços incansáveis visando a um país mais justo de massa
e solidário, de Marina Silva (licenciada, ocupando
o Ministério do Meio Ambiente), Ana Júlia, Fátima Juventude
Cleide, Heloísa Helena, Ideli Salvatti, Lúcia Vânia,
Maria do Carmo, Patrícia Gomes, Roseana Sarney
e Serys Slhessaenko. E a par disso contamos com Imprensa
duas governadoras e nada menos de seis vice-
governadoras.
Progresso
Este momento decisivo na história da espécie
humana requer a mais ampla emancipação da
mulher, a concretização da plena igualdade entre Vida moderna
os sexos. Façamos eco às palavras da Casa
Universal de Justiça: a negação dessa igualdade
perpetra uma injustiça contra metade da popu- O Natal

lação e promove atitudes e hábitos nocivos que


são levados do ambiente familiar para o trabalho, a
vida política e as relações internacionais.
[25/MAR/2003] (Jornal do Brasil)

44
UNIDADE IV
Os Elementos Coesivos
Comunicação e Expressão – Os Elementos Coesivos

de idéias, contraste: boa moça não faz oposição à


TEMA 12
charmosa. O redator deve resolver o problema.
APREENDENDO
Uma sugestão seria substituir a tal conjunção por
outra conjunção: a aditiva e; o redator pode ainda
optar pelo uso do adjetivo fumante (ou outro que
A COESÃO lhe convier) no lugar de charmosa.
A citação a seguir prolonga o que foi exposto e
Elementos de coesão
acrescenta informações bastante relevantes sobre
O texto dissertativo é o espaço destinado à ex- o assunto.
posição de um raciocínio, de uma idéia. Para o
Os recursos que tornam possível a existência da
exercício pleno da cidadania, é extremamente coesão podem ser encontrados em vários níveis:
necessário que estabeleçamos uma interação com estão tanto nas relações entre palavras como entre
o ambiente, expressando o que pensamos a res- frases e períodos. São formados por conjunções, pre-
peito dos inúmeros temas que povoam nosso es- posições, diversos tipos de conectivos, expedien-
paço. O texto dissertativo é o instrumento apropria- tes relacionais, operadores argumentativos. O nome
do para veiculação de idéias. Em suas linhas, deve pouco importa, basta notar que se trata de um con-
o redator escrever sobre o que conhece, levando o junto de elementos responsáveis pela passagem de
leitor à compreensão de um ponto de vista, de uma a outra unidade de sentido.
uma interpretação pessoal do tema abordado. Muitas vezes damos pouca importância a tais ele-
mentos. Não deveríamos. Afinal são eles os principais
O texto dissertativo deve ter algumas característi- responsáveis pelo nível coesivo do texto. Por isso, é
cas, além daquela já vista anteriormente que o insuficiente considerá-los apenas como elementos de
identifica como um espaço para exposição de ligação, como muitas vezes ensina a gramática nor-
idéias. Dentre essas características, citaremos aqui mativa, sendo preciso entendê-los também enquanto
instâncias capazes de produzir significados.
duas: a Coesão e Coerência.
O uso dos conectivos (mas, porém, embora, já
Coerência – Entende-se por coerência a parte se- que, pois, etc.); dos denotadores de inclusão (até,
mântica do texto. Ela é resultado de uma constru- mesmo, também, inclusive, etc.); dos denotadores de
ção significativa, do agrupamento de palavras e exclusão (só, somente, apenas, senão, etc.); das
expressões que não se anulam, que, ao contrário retificações (aliás, ou melhor, isto é, etc.); dos
disso, complementam-se formando um todo com- índices situacionais (afinal, então, etc.) está forte-
mente implicado com a construção dos esquemas
preensível, algo perceptível pelo raciocínio lógico,
argumentativos.
pela visão inteligente das coisas. Dessa forma, o
É preciso atentar, contudo, a que tais elementos pos-
redator constrói sua abordagem fundamentando suam funções distintas no interior dos enunciados. É
seu discurso, levando o leitor ao entendimento da- se ler a seguinte passagem do texto de Ricardo
quela abordagem específica que é fruto do proces- Semler:
samento intelectual de quem escreve. O texto dis- “É claro que generalizações sempre implicam
sertativo deve, portanto, resultar de um exercício injustiças, e as honradas exceções devem me per-
reflexivo. doar. Mas não estaríamos nesta situação se os
Coesão – Coesão é a parte gramatical do texto. O donos do dinheiro deste país tivessem dado um
basta às negociatas, à corrupção, e ao imediatis-
texto torna-se coeso quando suas partes estão
mo que nos caracterizam hoje.”
unidas por conectivos efetivamente apropriados.
Constitui o uso apropriado de conjunções, prepo- Os elementos grifados a título de exemplo funcionam
não apenas para relacionar partes do período, mas
sições, verbos, adjetivos e até substantivos. Para
também são definidores ou redefinidores de ordens
que o texto dissertativo fique coeso, o redator de- de sentidos.
ve lançar mãos às orientações gramaticais dispo- O e retifica a frase inicial lembrando que existem
níveis; deve conhecer significados; deve saber exceções no interior das generalizações. O mas pro-
dispor as palavras nas frases, nos períodos, nos move o jogo do contrário, a adversão: existem aque-
parágrafos, buscando a clareza, evitando o duplo las exceções (entre os donos do dinheiro) que não
(ou triplo) sentido. Um exemplo claro da falta de estão ligadas aos esquemas da corrupção, mas per-
coesão e da conseqüente incoerência é a frase a siste a corrupção porque a maioria (dos donos do
seguir: dinheiro) continua alimentando-a. O se cria uma rela-
ção de condicionalidade: caso os donos do dinheiro
Ela é uma boa moça, mas é charmosa. não estimulassem as negociatas, a situação poderia
ser outra. O e funciona como adição: o imediatismo é
Há um problema grave na frase decorrente da falta mais um dos aspectos que produziu a situação a que
de coesão. A frase também se tornou incoerente chegando hoje.
por causa do uso inapropriado da conjunção mas, (CITELLI, Adilson. O Texto Argumentativo.
que é coordenativa adversativa e denota oposição São Paulo: Scipione, 1994)

47
UEA – Licenciatura em Matemática

TEMA 13
LENDO APREENDENDO

De Terra Estrangeira à Central do Brasil


CONECTIVOS COORDENADOS
Walter Salles
Coordenando as idéias
Poucos países sofreram tantas mudanças nos últi-
mos trinta anos quanto o Brasil. Uma industriali- Ou organizamos nossas idéias ou as mesmas não
zação tardia criou uma urbanização caótica. A au- serão apreendidas por quem nos ouve ou nos lê.
sência de reforma agrária, as secas sucessivas e Organizar o pensamento e pô-los no papel exige
as falsas promessas do milagre econômico dos preparo, reflexão e meditação.
anos 70 intensificaram a migração interna no eixo Nem todos, porém, que escrevem pretendem pas-
norte-sul. sar por estas fases. A tendência é escrever de
qualquer maneira como quem se livra de um fardo
A crise estrutural se aprofunda no início dos anos
incômodo. Quando não conseguem, afirmam que
90. Com a derrocada do modelo globalizante do
“deu branco” ou que a inspiração não veio.
(des)governo Collor, o Brasil se torna pela primeira
Escrever não é ato gratuito da inspiração, é traba-
vez em 500 anos um país de emigração. Vive-se
lho, é ato consciente de quem deseja transmitir
então uma terrível crise de auto-estima nacional, algo para alguém. É hora de refletirmos sobre este
tão bem comentada por Contardo Calligaris em fato. René Descartes (1596/1650) já escreveu que
“Alô Brasil”. No início dos anos 90, uma geração o ato de pensar está ligado à existência: “Penso,
em crise, abandonada num país também incerto logo existo”.
de sua identidade, procura uma solução no exílio. Portanto a coordenação de idéias é uma das ba-
Este é o tema de “Terra Estrangeira”, co-dirigido ses para a produção de um texto. Diante de um
por Daniela Thomas. fato, de um tema, o redator pára, e pensa, e pes-
Vários anos se passaram. Estamos próximos de quisa, e rabisca, e rascunha, e rasga, e reorganiza,
um novo século. Sabemos que não existe mais a e substitui e sua, e produz.
ilusão do milagre que resolveria, de um golpe só, O texto pronto não é filho da romântica inspiração,
os problemas estruturais brasileiros. Estamos con- é fruto de algumas horas de trabalho.
frontados a nós mesmos, ao país real (para usar o “Leia e reflita que as idéias poderão surgir”, é o
termo cunhado pelo músico Antônio da Nobrega), que nos dizem os escritores quando questiona-
tão distante do país do real, aquele das estatísticas mos sobre o ato de escrever.
oficiais, que procura mimetizar o modelo neo-libe-
ral e vender, mais uma vez, a ilusão primeiro-mun-
dista. Ao contrário do Brasil da indiferença e da im-
LENDO
punidade, o filme parte à procura de um outro país.
Um país onde um certo humanismo, o afeto e a
Nelson Rodrigues, 25 anos sem ele
inocência talvez ainda sejam possíveis – a frátria.
Armando Nogueira
A história de “Central do Brasil” é simples. Um
garoto de nove anos, introspectivo, endurecido ...Há 25 anos, morria Nelson Rodrigues a quem
pela vida mas digno, parte à procura do pai que sempre considerei o maior cronista esportivo do
nunca conheceu. A viagem de Josué em direção Brasil e do mundo. Nunca pretendeu ser um cate-
ao seu passado inverte o eixo de migração norte- drático, um “expert” na matéria, mas ninguém ja-
sul e permite que o menino redefina a sua própria mais conseguiu ver o futebol com o olhar contem-
estória. Ele é acompanhado na sua busca por uma plativo, poético e apaixonado com que Nelson o
velha mulher que se tornou insensível, cínica, mas viu durante mais de meio século.
que também busca a segunda chance que a liber- Nelson era míope, enxergava pouco, mas tinha
tará de sua existência mesquinha. uma espantosa sensibilidade para recriar uma par-
Uma pequeníssima odisséia: um garoto em busca tida de futebol, dando-lhe tintas ora épicas, ora
do pai, uma mulher à procura dos seus sentimen- dramáticas, ora patéticas.
tos, um país à procura de suas raízes. Todos co- Uma explicação. A meu juízo, o jornalismo espor-
nhecem o significado da palavra perda, mas não tivo se divide em três categorias profissionais:
abdicaram do direito de resistir, de mudar o curso o repórter, que lida com a informação, o comen-
das coisas. tarista, que se ocupa da análise dos fatos e, por
www.centraldobrasil.com.br/fr_dep_p.htm fim, o cronista, que não tem maiores compromis-
sos com a realidade.

48
Comunicação e Expressão – Os Elementos Coesivos

Nelson tinha plena consciência do seu papel. Ele


pouco se lixava para as verdades e versões em
torno de um jogo ou de um jogador, de um gol, de ESCREVENDO
um triunfo ou de uma derrota.
– Se os fatos estão contra mim, azar dos fatos...– Reúna as frases em períodos. Atente para o senti-
era o que me respondia quando eu discutia com do, a pontuação e evite repetições.
eles sobre futebol. A = ADIÇÃO DE IDÉIAS (e, nem, mas também)
Confesso que levei muito tempo até perceber que 1. A – Assinei as cartas.
Nelson tinha razão. Afinal, se não dá pra imaginar o B – Coloquei as cartas no envelope.
futebol alheio à realidade dos fatos, muito menos 2. A – O cliente não saía.
dará pra imaginá-lo alheio à fantasia, que era o uni- B – O cliente não deixava a funcionária sair.
verso preferido por ele. 3. A – Os livros não somente instruem.
Era um otimista desvairado. Torcia pelo Fluminen- B – Os livros divertem.
se. Pelo Fluminense distorcia, também. A seleção
4. A – Os mestres não só ensinam.
era, para ele, a pátria de chuteiras. B – Os mestres educam.
Cigarro “Caporal Douradinho” entre os dedos, olhar
manso, voz cansada ele sempre me perguntava B = OPOSIÇÃO DE IDÉIAS (mas, porém, contu-
à saída do Maracanã: “E então, Armando, o que do, todavia, entretanto, no entanto)
é que nós dois achamos do jogo?” A pergunta tinha 1. A – As virtudes são econômicas.
apenas sabor de saudação. Ele não queria ouvir B – Os vícios são dispendiosos.
a opinião de ninguém. Preferia, sempre, a dele 2. A – O jornal é uma torrente passageira.
próprio, que não vinha do campo. Vinha de um
3. A – A vírgula qualquer um usa.
sonho de 90 minutos. Nelson recriava o jogo, indi- B – O ponto e vírgula requer prática.
ferente à realidade. Os fatos estavam contra ele?
4. A – Netuno é deus do mar.
Pior para os fatos.
Via o jogo ao lado de Gravatinha. Pânico na área do C = IDÉIAS ALTERNADAS (ou, ou; ora, ora; já,
Fluminense: beques vencidos, goleiro batido, a bo- já; quer, quer)
la quase entrando no gol de Castilho. Um dedinho 1. A – Venha agora.
invisível desviava a bola pela linha de fundo, salvan- B – Perderá a vez.
do o gol certo. Milagre do Gravatinha, ditoso perso- 2. A – Galopa.
nagem que ele criou para explicar as inexplicáveis B – Sai da estrada.
vitórias do Fluminense. Era o almofadinha. O pó-de-
3. A – O rio se estreitava.
arroz nato e hereditário.
B – O rio se alargava caprichosamente.
O oposto do Sobrenatural de Almeida. Sobrenatu-
ral era o vago sinistro. Não torcia especialmente 4. A – Se esconde.
B – Ressurge.
por ninguém. Tramava na pequena área, às vezes
C – Inclina.
contra, às vezes, a favor.
Jogador do Fluminense não era gente como nós, D = CONCLUSÃO DE IDÉIAS (logo, portanto,
de carne e osso. Era entidade. Cada um com sua pois, por isso)
aura. Rodrigo, atacante de parco futebol, revivia, no 1. A – Vives mentino.
campo, Cid, o Campeador, herói espanhol do sécu- B – Não mereces fé.
lo XII. Assim, Nelson o retratava em sua crônica. 2. A – Dependendo do solo e da flora.
Épico. Assim a torcida tricolor o saldava na rua e no B – Devemos preservar o solo e a flora.
estádio. O time do Fluminense, do goleiro ao ponta
3. A – O acusado não é criminoso.
esquerda, jogava de sandálias – as pungentes
B – O acusado será absorvido.
sandálias da humildade. Era a mitologia tricolor na
prosa esplêndida de Nelson. Frases musicais. Metá- 4. A – Deus é amor.
foras sempre primorosas. Pérfidas, quase sempre. B – Ele nos ama.
Eu mesmo amarguei a pena impiedosa dele. Nunca E = EXPLICAÇÃO DE IDÉIAS (que, porque, por-
perdoou que eu tivesse descoberto na seleção hún- quanto, pois)
gara do Mundial de 54 uma equipe melhor do que a 1. A – Não mintas para a vida.
brasileira. B – Será sempre melhor.
Nelson Rodrigues, amável carrasco do meu sensa-
2. A – Não te queixes.
to amor pelo futebol. Passei a vida inteira para des-
B – Há outros mais felizes.
cobrir que ele tinha razão: o futebol não é nada sem
o delírio, sem o doce desatino da paixão. Como a 3. A – Corra para dentro menino.
B – A chuva está chegando.
que ele viveu pelo Fluminense e pela Seleção.
(NOGUEIRA, Armando. A + A revista do lance. 4. A – Ela devia estar triste.
Ano 6, No. 274, 03 a 09/12/05) B – Não sorriu uma só vez.

49
UEA – Licenciatura em Matemática

tanto, que o pronome relativo é o pronome que liga


TEMA 14
duas orações, substituindo, na segunda oração,
APREENDENDO
um termo já expresso na primeira. Os pronomes
relativos dividem-se conforme o quadro a seguir:
CONECTIVOS RELATIVOS PRONOMES RELATIVOS
Variáveis Invariáveis

Quadrilha o qual, a qual, os quais, as quais,


que, quem
cujo, cuja, cujos, cujas,
onde, como.
João amava Teresa quanto, quanta, quantos, quantas.

que amava Raimundo


que amava Maria Emprego dos Pronomes relativos
que amava Joaquim
que amava Lili Agostinho Carneiro faz as seguintes observações
que não amava ninguém. sobre o uso dos pronomes relativos:
João foi para os Estados Unidos, “O uso do pronome relativo pode cair em abuso e
Teresa para o convento, daí as incorreções ou o mau gosto. Uma causa bas-
Raimundo morreu de desastre, tante comum do mau uso do pronome relativo con-
siste em posicioná-lo muito afastado de seu antece-
Maria ficou para tia,
dente, gerando imprecisões ou ambigüidades: Vou
Joaquim suicidou-se indicar um capítulo deste livro que me parece muito
e Lili casou com J. Pinto Fernandes interessante.
que não tinha entrado na história. Outra razão do mau uso: Este é o esporte de que
(Carlos Drummond de Andrade) gosto. (E não Este é o esporte que gosto).
No terreno do mau gosto, o problema mais freqüente
A palavra “que”, empregada pelo poeta em vários é o excesso: Vi seu irmão que me deu notícias e
versos, é chamada de pronome relativo porque sua tia que está doente desde o acidente que teve
sempre se relaciona, nesse caso, com uma pala- quando ia à festa que se realizou no domingo.
vra anterior, chamada “antecedente”. Perceba que, Em caso de supressão do pronome relativo, pode-se
nas ocorrências do poema, a palavra “que” pode pensar nas seguintes técnicas:
ser substituída por “o qual” ou “a qual”, o que nos ! Emprego de um substantivo como aposto, segui-
assegura tratar-se de um pronome relativo: do de complemento: O exército que libertou a
João amava Teresa cidade... O exército, libertador da cidade,...
que (a qual) amava Raimundo ! O emprego de um adjetivo sem complemento:
que (o qual) amava Maria Dois acontecimentos que concorreram ao mesmo
que (a qual) amava Joaquim tempo. Dois acontecimentos simultâneos.
que (o qual) amava Lili ! O emprego de um adjetivo com complemento: O
que (a qual) não amava ninguém. professor que perdoa facilmente os erros dos
alunos. O professor indulgente com os alunos.
No trecho escolhido, as palavras João, Teresa,
Raimundo, Maria, Joaquim e Lili são os termos ! Emprego de preposições: O livro que tem muitas
antecedentes do pronome relativo “que” aparece folhas. O livro de muitas folhas.
depois delas. ! Emprego de formas reduzidas: O livro que comprei
no sábado...O livro comprado no sábado.”
Observe como ficaria a construção da primeira
(CARNEIRO, Agostinho Dias)
parte do poema de Drummond não fosse o recur-
so ao pronome relativo:
João amava Teresa.
Teresa amava Raimundo. ESCREVENDO
Raimundo amava Maria.
Maria amava Joaquim. 1. Reescreva as frases empregando os pronomes
Joaquim amava Lili. relativos adequados, precedidos ou não de pre-
Lili não amava ninguém. posição.
Como se vê, seria preciso repetir o nome anterior a) Nesta semana, o forte furação ..... passou pela Fló-
para criar o encadeamento desejado. O pronome rida deixou centenas de pessoas desabrigadas.
relativo permite superar essa repetição, unindo as b) Foram muitos os governos ....... gastos resultaram
orações num mesmo período. Pode-se dizer, por- numa vultosa dívida pública.

50
Comunicação e Expressão – Os Elementos Coesivos

c) Não são estes projetos os ........ têm prioridade na


empresa. TEMA 15
d) Alguns pontos turísticos ....... estivemos com os
APREENDENDO
guias ficavam nos arredores da cidade.
e) O carregador ....... entregamos nossas malas já era CONECTIVOS SUBORDINATIVOS
conhecido.
f) Sempre admirei o jeito ..... me falava quando que- Dependendo das Circunstâcias
ria chamar minha atenção.
g) Seriam estes os autores ..... livros sobre história da À proporção que lemos, aumentamos nossa visão
arte se encontram esgotados? de mundo e despertamos para novas idéias. Des-
h) Todas as agências ...... nos dirigimos estavam com de que o prazer da leitura faça parte de nosso
o sistema fora do ar. cotidiano, é possível que tenhamos mais facilidade
i) Alguns fumantes, ...... foi proibida a entrada no sa- de organizar nossos pensamentos antes de
lão, queixaram-se à gerência. colocá-los no papel.
j) Nas praias do Nordeste ....... estivemos nas últi- Embora saibamos a fama que o brasileiro possui
mas férias, é verão o ano todo. perante o ato de ler, devemos acreditar que, quan-
to mais o hábito da leitura for incentivado, mais
consciência política terá nosso povo.
O ler assim como o escrever são práticas que devi-
am ser estimuladas pela família e pela escola. Se
isso acontecesse, talvez a evolução do País ocor-
resse mais democraticamente. Conforme sabe-
mos, ler é um ato reflexivo, e a escrita é uma das
conseqüências desse fato.
Temos dificuldade no escrever porque não nos
habituamos a ler de maneira reflexiva. Ler não sig-
nifica apenas compreender o texto escrito. Ler é
mais amplo. Ler é entender o mundo que nos
cerca. Ler é contextualizar o texto de acordo com
sua época.
O senso comum costuma dizer: “leu tanto que
ficou louco”. No entanto não há prova científica
para tal fato. O importante é: para sermos bons
profissionais, uma dose diária de leitura e algumas
frases rabiscadas são necessárias. Afinal de con-
tas, nossas ações dependem das circunstâncias.

LENDO

A lição de casa
É essencial que o professor proponha a lição
de casa freqüentemente. Isso auxilia o aluno no
desenvolvimento do hábito de estudar e praticar
o que já estudou. Para isso ele pode usar as
Revisões cumulativas, bem como o Caderno das
Atividades suplementares.
Sem exageros, o professor pode e deve dar para o
aluno fazer em casa, além de situações-problema
contextualizadas, exercícios e atividades de mani-
pulação. “A manipulação está para o ensino de
Matemática assim como a prática de escalas musi-
cais está para o aprendizado do piano ou como o
treinamento dos chamados ‘fundamentos’ está
para a prática de certos esportes como o tênis e o
voleibol.

51
UEA – Licenciatura em Matemática

A fluência no manuseio de equações, fórmulas 2. A – Faltavam dados oficiais.


e operações com símbolos e números, o desen- B – Pesquisador prevê futuro sombrio.
volvimento de atitudes mentais automáticas diante 3. A – Ficasse esperando a tarde inteira.
de cálculos algébricos ou construções geomé- B – Ela só sairia dali com o documento assinado.
tricas, a criação de uma série de reflexos condi- 4. A – Você irá passear.
cionados sadios em Matemática, os quais são B – Se tenha portado mal.
adquiridos através da prática continuada de exer- C = RELAÇÃO DE CONSEQÜÊNCIA (que ante-
cícios manipulativos bem escolhidos, permitem cedido de tão, tal, tamanho, tanto)
que o aluno (mais tarde o usuário da Matemática)
1. A – Minha mão tremia.
concentre sua atenção consciente nos pontos
B – Mal podia escrever.
realmente essenciais, salvando seu tempo e sua
2. A – Violenta foi a chuva de ontem.
energia de serem desperdiçados com detalhes B – Arrastou carros e ônibus.
secundários”.*
3. A – Empregados e patrões chegaram a um acordo.
É interessante também propor atividades para B – Não houve greve.
casa de assuntos que serão discutidos na aula 4. A – Há pessoas peçonhentas.
seguinte. Bem dosadas, elas servem de motivação B – Envenenam àquelas com quem convivem.
para a próxima aula, e os alunos já ficarão familia-
D = RELAÇÃO DE CONFORMIDADE (conforme,
rizados com o assunto; eventualmente, alguns até
segundo, consoante, como)
virão para a aula com as atividades realizadas.
1. A – Tudo ocorreu.
A correção da lição de casa é fundamental. Assim, B – Estava previsto.
o aluno perceberá que a lição é parte integrante
2. A – Procederam.
do curso e não castigo. Os alunos, em duplas B – Ordenava a lei.
ou em equipes, podem fazer a correção. Os pro-
3. A – O povo diz.
blemas e/ou atividades em que, eles tiverem mais B – Tristezas não pagam dívidas.
dificuldades podem ser expostos no quadro-de-giz 4. A – Alguns opinam.
pelos alunos e comentados pelo professor. B – A História se repete.
(DANTE, Luiz Roberto. Tudo é Matemática:
ensino fundamenta. Manual pedagógico E = RELAÇÃO DE CONDIÇÃO (se, caso, sem
do professor. São Paulo: Ática, 2005, p. 20) que, desde que)
* LIMA, Elon Lages. Matemática e ensino. Rio de Janeiro, 1. A – A viagem será ótima.
SBM, 2001. (Coleção do Professor de Matemática).
B – O tempo esteja bom.
2. A – Não sairás daqui.
B – Antes me confesse tudo.
ESCREVENDO 3. A – Jamais conseguiria emprego.
B – Não fosse a tua boa vontade.
Organize as frases em períodos. Sem alterar o sen- 4. A – Iniciou o gesto.
tido dos mesmos, atente para o uso do conectivo B – Não chegou a completá-lo.
e para a pontuação. F = RELAÇÃO DE COMPARAÇÃO (como, mas
A = CAUSA E EFEITO (porque, como, visto que, que, menos que)
já que) 1. A – O mistério explica mais.
1. A – Os jovens flutuam à mercê de múltiplas corren- B – A claridade.
tes filosóficas. 2. A – A praça é do povo.
B – Não tem ainda idéias claras e definidas. B – O céu é do condor.
2. A – O tambor é oco. 3. A – Envelheçamos rindo.
B – As árvores fortes envelhecem.
B – O tambor é o emblema do falador.
4. A – Ela o atraía irresistivelmente.
3. A – Deixaste, porém, o coração cativo. B – O ímã atrai o ferro.
B – Te fizeste sempre humano.
4. A – Deve ser bem louco este homem. G = RELAÇÃO DE FINALIDADE (a fim de que,
B – Plantou agora esta árvore.
para que, que)
1. A – Os índios tomaram das armas.
B = RELAÇÃO DE CONCESSÃO (embora, mes- B – Não invadam as reservas indígenas.
mo que, conquanto, ainda que, se bem 2. A – Bentinho seria metido no seminário.
que) B – Não mais se encontrar com Capitu.
1. A – Devo levantar-me. 3. A – O grupo dos cartolas empurra.
B – O corpo dói. B – Passar.

52
Comunicação e Expressão – Os Elementos Coesivos

4. A – Não tivemos coragem.


B – Romper os laços de uma tradição.

H = RELAÇÃO DE PROPORCIONALIDADE
(à proporção que, à medida que, quanto
mais, quanto menos)
1. A – Eu gritava.
B – Mais rouco ficava.
2. A – A terra se faz mais branca e macia.
B – Do litoral a viagem se aproxima.
3. A – Você fala.
B – Menos me convence.
4. A – As horas passavam.
B – Sentia-me cair num estado de covardia.

I = RELAÇÃO DE TEMPO (quando, logo que,


assim que)
1. A – Chegou Domingo.
B – Chegou também a preguiça.
2. A – Ismália enlouqueceu.
B – Pôs-se na torre a sonhar.
3. A – Você irá passear.
B – Chegar seu pai.
4. A – Chegaram ao seu destino.
B – Terminou a peregrinação.

53
UNIDADE V
A Dissertação
Comunicação e Expressão – A Dissertação

tude, já começo contra-argumentando que essa é


TEMA 16
uma atitude que nos afasta do exercício pleno da
APREENDENDO
cidadania.

DESENVOLVIMENTO DA DISSERTAÇÃO
A ESTRUTURA DISSERTATIVA
O desenvolvimento se dá no franco desenrolar
Um certo professor ouviu de um aluno já tarimba- do tema proposto. É o momento de construir um
do por um relativo tempo de estudo sobre o tema raciocínio lógico, claro, resultado de articulações
produção textual: “Professor, eu sei que um texto de palavras e expressões, levando o leitor a com-
deve ter introdução, desenvolvimento e conclusão, preensão da idéia. Quando o redator habilmente
eu não sei é fazer isso”. Sem receio de cair no tece a cadeia de relacionamentos gramaticais e se-
senso comum, seria cômico, se não fosse trágico. mânticos, levando a uma significação particular,
É trágico porque infligimos uma metodologia de ele cria o que alguns chamam de argumento. Aliás,
ensino que, ao invés de levar o aluno à prática da
a capacidade de argumentar decorre dessa habili-
construção o texto, acaba enchendo-o de regras
dade de relacionar, justificar, de tornar compreen-
que não dizem nada de significativo, que não exor-
sível uma idéia, uma intenção.
tam ao escrever, ao escrever bem.
Desenvolvimento: “É a parte do texto em que idéias,
Pois bem, a estrutura do texto dissertativo é esta – conceitos, argumentos de que você dispõe serão
introdução, desenvolvimento e conclusão – por- desenvolvidos, de forma organizada e criteriosa.
que a compreensão se dá por etapa. Como o reda- O desenvolvimento deve nascer da introdução: Nes-
tor quer fazer-se entender usando a língua escrita, ta, apontam-se as questões relativas ao assunto que
então ele deve fazê-lo seguindo uma trilha segura, será abordado; naquele, essas questões devem ser
com a menor possibilidade de não comunicar. desenroladas, avaliadas – sempre por partes, de for-
ma gradual e progressiva. A introdução já anuncia
Na introdução ele apresenta o assunto já anteci- o desenvolvimento, que retoma, ampliando e desdo-
pando sua perspectiva sobre a questão. É na intro- brando, o que lá foi colocado de forma sucinta.
dução que o leitor encontra uma prévia da abor- O conteúdo do desenvolvimento pode ser organizado
dagem que deverá ver no desenvolvimento do de diferentes maneiras, de acordo com as propostas
texto. do texto e as informações disponíveis.”
(Ulisses Infante)
“A introdução precisa ser rápida. Evidentemente,
nunca terá tamanho igual ao do corpo. Numa reda-
ção de trinta linhas, cremos que ela não deve exce- Ser cidadão é, essencialmente, reconhecer a re-
der de cinco ou seis. O aluno não pode começar com alidade que nos cerca, além de assumi-la; de
rodeios ou digressões. Tal atitude poderia ser inter- modo que, conscientemente, se possa adotar o
pretada como temor ou fuga ao assunto.” brasão existencialista: “eu sou eu mais minhas
(MACEDO, José Armando) circunstâncias”. Assim como o jovem Sartre
declarou ser a II Guerra Mundial a sua guerra, é
Introdução – “É o ponto de partida do texto. Por isso, preciso ter garra, assumir a responsabilidade
deve apresentar de maneira clara o assunto a ser sobre a guerra civil da desigualdade que existe
tratado e também delimitar as questões referentes a hoje no Brasil e em várias partes do mundo, e
esse assunto que serão abordadas. Dessa forma, a partir para a ação.
introdução encaminha o leitor, colocando-lhe a orien-
tação adotada para o desenvolvimento do texto. Atua, Qualquer ser pensante com mais de dois neu-
assim, como uma espécie de ‘roteiro’. rônios é um questionador. O problema são as
Ao confeccionar a introdução do seu texto, você pode modalidades de dúvida: há a dúvida passiva,
utilizar recursos que despertem o interesse do leitor: que, tudo somado, aceita a ordem que vige; por
formular uma tese, que deverá ser discutida e prova- fim, há o indivíduo que apresenta o “patológico”
da pelo texto; lançar uma afirmação surpreendente, caso de dúvida ativa. Felizmente, é desse grupo
que o corpo do texto tratará de justificar ou refutar; de jovens, poetas e dementes que saem aque-
propor uma pergunta, cuja resposta será dada no les que reconhecem sua função social, que de-
desenvolvimento e explicitada na conclusão”. sejam interferir, cada qual à sua maneira. Tome
(Ulisses Infante)
o caso de um renomado oftalmologista paulis-
E Nossas Circunstâncias tano que, no auge de sua carreira, é contamina-
do pelo germe da cidadania e, num grande
Manda o manual do (suposto) bom dissertador complexo hospitalar público, atende e fornece
que ele dilua suas convicções pessoais sob o véu cerca de 20.000 pares de óculos de grau para
dos impessoalíssimos verbos em terceira pessoa e crianças carentes. Imagine quantos miguilins,
das generalizações, tudo em nome da credibida- gratos, tiveram sua visão modificada!
de. E eu, cá do alto da minha ainda vigorosa juven-

57
UEA – Licenciatura em Matemática

CONCLUSÃO DA DISSERTAÇÃO tempo, reforçam e ajudam a materializar esses


modelos de pensar e agir.
Ao expor sua idéia sobre determinado tema, o
Já faz muito tempo, Heleno de Freitas foi um gran-
redator precisa ratificar sua abordagem, precisa
de ídolo do futebol. Segundo consta, jactava-se de
arrematar o que foi dito no desenvolvimento. Ao
tomar uma cachacinha antes do jogo, para aumen-
fazer isso, ele constrói a conclusão, que nasce do
tar a criatividade. Entrava em campo exibindo seu
que foi exposto, do argumento criado. Tudo que
bigodinho e, após o gol, puxava o pente e corri-
foi apresentado surge em termos claros, numa
gia o penteado. O ídolo era a genialidade pura do
proposição compreensível. Mais do que um mero
futebol-arte.
resumo, constitui a confirmação do que se expôs.
Mais tarde, Garrincha era a expressão do povo,
Conclusão – “É a parte final do texto, um resumo com sua alegria e ingenuidade. Era o jogador cujo
forte e sucinto de tudo aquilo que já foi dito. Além estilo brotava naturalmente. Era a espontaneidade,
desse resumo, que retoma e condensa o conteúdo como pessoa e como jogo, e era facilmente ama-
anterior do texto, a conclusão deve expor claramente do pelos brasileiros, pois materializava as virtudes
uma avaliação final do assunto discutido. Nessa parte da criação genial.
também se podem fazer propostas de ação (que não
devem a adquirir ares de profecia)”. Para o jogador “cavador”, cabia não mais do que
(Ulisses Infante) um prêmio de consolação. Até que veio Pelé.
Genial, sim. Mas disciplinado, dedicado e total-
mente comprometido a usar todas as energias
Deste modo, fica patente que função social para levar a cabo sua tarefa. E de atleta completo
todo mundo tem; que os escritores escrevam, e brilhante passou a ser um cidadão exemplar.
que os estudantes pesquisem, que os AAs con-
É bem adiante que vem Ayrton Senna. Tinha talen-
tinuem, junto com o Greenpeace, a fazer essa
to, sem dúvida. Mas tinha mais do que isso. Tinha
Terra um pouquinho melhor, cada qual em sua
a obsessão da disciplina, do detalhe e da dedica-
esfera de ação. Pois a decisão está tomada,
ção total e completa. Era o talento a serviço do
nem que seja de deixar o mundo acontecer à
método e da premeditação, que são muito mais
nossa volta.
críticos nesse desporto.
(Revista do Enem, Ano 2/n.o
2 –2002) Há mais do que uma coincidência nessa evolução.
Nossa escolha de ídolos evoluiu porque evoluí-
mos. Nossos ídolos do passado refletiam nossa
Quem são nossos ídolos? imaturidade. Era a época de Macunaíma. Era a
Cláudio de Moura Castro apologia da genialidade pura. Só talento, pois
esforço é careta. Admirávamos quem era talentoso
“Nossa educação ainda valoriza o aluno genial, por graça de Deus e desdenhávamos o sucesso
que não estuda. Precisamos de modelos que originado do esforço. Amadurecemos. Cresceu o
mostrem o caminho do sucesso por via do esforço peso da razão nos ídolos. A emoção ingênua
e da dedicação” recuou. Hoje criamos espaço para os ídolos cujo
Eu estava na França nos idos dos anos 80. Ligan- êxito é, em grande medida, resultado da dedica-
do a televisão, ouvi por acaso uma entrevista com ção e da disciplina – como Pelé e Senna.
um jovem piloto de Fórmula 1. Foi-lhe perguntado Mas há o outro lado da equação, vital para nossa
em quem se inspirava como piloto iniciante. A res- juventude. Necessitamos de modelos que mos-
posta foi pronta: Ayrton Senna. O curioso é que trem o caminho do sucesso por via do esforço e da
nessa época Senna não havia ganho uma só cor- dedicação. Tais ídolos trazem um ideário mais dis-
rida importante. Mas bastou ver o piloto brasileiro ciplinado e produtivo.
se preparando para uma corrida: era o primeiro a Nossa educação ainda valoriza o aluno genial, que
chegar no treino, o único a sempre fazer a pista a não estuda – ou que, paradoxalmente, se sente na
pé, o que mais trocava idéias com os mecânicos e obrigação de estudar escondido e jactar-se de não
o último a ir embora. Em outras palavras, sua dedi- fazê-lo. O cê-dê-efe é diminuído, menosprezado, é
cação, tenacidade, atenção aos detalhes eram tão um pobre-diabo que só obtém bons resultados
descomunais que, aliadas a seu talento, teriam de porque se mata de estudar. A vitória comemorada
levar ao sucesso. é a que deriva da improvisação, do golpe de mes-
Por que tal comentário teria hoje alguma impor- tre. E, nos casos mais tristes, até competência na
tância? cola é motivo de orgulho.
Cada época tem seus ídolos, pois eles são a Parte do sucesso da educação japonesa e dos
tradução de anseios, esperanças, sonhos e identi- Tigres Asiáticos provém da crença de que todos
dade cultural daquele momento. Mas, ao mesmo podem obter bons resultados por via do esforço e

58
Comunicação e Expressão – A Dissertação

da dedicação. Pelo ideário desses países, pobres


e ricos podem ter sucesso, é só dar duro. TEMA 17
APREENDENDO
O êxito em nossa educação passa por uma evolu-
ção semelhante à que aconteceu nos desportos –
da emoção para a razão. É preciso que o sucesso DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
escolar passe a ser visto como resultado da disci-
plina, do paroxismo de dedicação, da premedi-
tação e do método na consecução de objetivos. Produzir um texto dissertativo é expor idéias sobre
A valorização da genialidade em estado puro é o determinado assunto. Na elaboração do texto de
atraso, nos desportos e na educação. O modelo natureza dissertativa, o redator pode assumir uma
para nossos estudantes deverá ser Ayrton Senna, postura meramente expositiva em que se limita a
o supremo cê-dê-efe de nosso esporte. Se em seu explanar o assunto sem maiores aprofundamen-
modelo se inspirarem, vejo bons augúrios para
tos, ou predispor-se a abordar o tema com uma
nossa educação.
[06/06/2001] (Revista Veja) relativa profundidade, justificando idéias, relacio-
nando-as entre si, procurando persuadir o leitor
com dados precisos. A dissertação argumentativa
é portanto um texto no qual o redator, de posse de
informações sobre o assunto, tenta construir um
raciocínio lógico, conduzindo as abordagens até
que o texto se torne um todo significativo. Essa
construção se plenifica graças à argumentação
que é capacidade de conduzir de uma reflexão
prévia até o entendimento por parte do leitor da
idéia trabalhada.

A Mão e a Luva
O grande negócio deste final de século será a es-
pecialização em leituras. Assim mesmo, no plural.
Um mesmo texto hoje – além de muitas cópias –
fornece várias leituras, cada qual diferente da
outra. Mais do que nunca, a versão ganha preemi-
nência sobre os fatos. Aliás, a nova técnica permite
leitura de objetos, pessoas, situações.
Depois que tudo passou a ter significado legível,
antes descartável, só fica faltando o raio laser –
que lê os discos compactos – ler pelo homem.
Tudo será leitura em breve. De um fato qualquer
não escrito, pode-se fazer mais de uma leitura. De
uma eleição, tiram-se várias leituras, a partir do
resultado, com os olhos de quem vence ou com os
do perdedor. Pode-se ler o resultado eleitoral, à
maneira, nas entrelinhas, ou à paulista, de acordo
com o nível de renda do leitor.
Num sentido geral – incluindo os analfabetos, que
lêem com os olhos da televisão – lê-se muito mais
do que nunca. Tudo é leitura, num certo sentido.
Pelo menos na procura de sentido para as coisas.
Lia o cego com os dedos antes que a semiótica
deitasse e rolasse na leitura.

59
UEA – Licenciatura em Matemática

Há tantas maneiras de ler quanto as de ser. Tresler DISSERTAÇÃO EXPOSITIVA


não conta, porque é ler ao contrário. Folhear livro
não é leitura, mas preliminar. E vizinha da chama-
“Podemos expor idéias que nos são indiferen-
da leitura em diagonal, que nada tem a ver com a tes, com isenção, resumindo ou comentando o
geometria. É um modo de dizer que alguém pas- assunto. Procedendo desta maneira estaremos
sou os olhos em vôo rasante sobre o texto, de expondo uma série de opiniões acerca do tema
cima para baixo e da esquerda para a direita, mais proposto, sem, no entanto, tomarmos partido
útil para quem se dedica à caça de frases na desta ou daquela idéia. Assim, podemos dis-
temporada certa. Os machistas fazem há séculos a correr sobre energia nuclear sem ser a favor ou
mesma leitura antiquada da mulher, e o feminismo contra a utilização da mesma. É importante
faz deles uma leitura moderna. Há sempre o que lembrar que a exposição envolve um conheci-
ler, de parte a parte. São leituras de quem sabe de mento prévio, uma pesquisa sobre o assunto e,
cor e salteado tudo sobre o outro. Decorado. conforme o grau de dificuldade e o público a
que se destina a dissertação, envolve também
A política, com os dois pés na terra, lê nas nuvens, a consulta a uma bibliografia especializada
que Aristófanes decodificou muito antes de Cristo. sobre o tema”.
Quando se olha qualquer delas, estão dizendo PASSONI, Célia A. N. Redação teoria e prática.
uma coisa. Olha-se daí a pouco, e já estão sussur- 2.a ed. rev. São Paulo: Núcleo, 1993.p.97)
rando outra. É tudo assim. A semiótica, que vê
tudo inteiro (e não pela metade, como pensarem
ao pé da letra os trocadilhistas), oficializou a leitu- Exemplo:
ra múltipla. O máximo que o homem se permitiu
durante séculos foi ler e, numa percentagem pe- Guerra ou Paz?
quena, reler. Lia com lentes bifocais, para captar o
sentido perto e mais distante. Agora se lê com um A criação de um mundo de justiça, progresso e
sentido multifocal. paz para todos os povos é dificultada pelo acrésci-
mo e pelo aperfeiçoamento constantes de meios
Cada leitura comporta uma interpretação coerente. de destruição em massa. As conseqüências desse
Desde que coerente, pode ser menos que interpre- estado de coisas são duplamente angustiantes.
tação. Tantas são as versões ao alcance quantas o Por um lado, fazem pairar sobre o mundo inteiro a
leitor seja capaz de extrair do texto. Ou do contex- ameaça de uma hecatombe sem precedentes; as
to. Pode-se fazer leitura de qualquer episódio não radiações atômicas não respeitam fronteiras, não
escrito. No sentido de palpite oral, nunca se leu respeitam países; nenhum povo está a salvo dos
tanto entre nós. Já não é preciso saber escrever efeitos de um conflito nuclear maior.
para ler. Separam-se amigavelmente a escrita da Por outro lado, os imensos recursos humanos e
leitura. materiais postos à disposição das indústrias béli-
cas e da pesquisa e desenvolvimento de armas
A anedota foi a pioneira no lançamento do con- são desviados da luta mundial contra a pobreza
ceito de que tudo comporta, no mínimo, duas leitu- que sacrifica tantos povos; 500 mil engenheiros e
ras ao gosto do freguês. A questão se apresentou cientistas dedicam seu talento e suas energias ao
com um rapaz em dificuldades pedindo dinheiro aperfeiçoamento de técnicas de matar, e bilhões
para a emergência, e o pai fazendo uma leitura que de dólares são gastos anualmente para esse fim.
ressaltava a arrogância. A solução veio na segun- Apenas uma parte desses recursos intelectuais,
da leitura do telegrama que a inflexão materna financeiros e tecnológicos aplicada adequada-
amaciou: papai, mande dinheiro. Estava implícito mente bastaria para reverter as tendências e
que era por favor. permitiria que se começasse a reduzir a distância
que separa grupos privilegiados de grupos des-
Há leituras nas entrelinhas, que se faz com os
favorecidos dentro de cada nação. A própria
óculos na ponta do nariz quando a primeira, nas
fisionomia de nosso planeta poderia ser transfor-
linhas, não satisfaz. O mais das vezes, lê-se à pro-
mada com isso.
cura do sentido escondido por interesse, pudor
A alternativa que se abre para nós é, portanto,
ou por discrição do autor. De qualquer forma, ler
insofismável. Ou prossegue a corrida armamen-
e interpretar são parentes próximos embora mo-
tista, cercada de todas as injustiças, prolongando
rem em cidades diferentes. Melhor é ler nos olhos, todos os egoísmos e multiplicando as causas de
como é especialidade dos namorados. conflitos e os perigos de conflagração, ou as na-
(Wilson Figueiredo, Jornal do Brasil. ções se unem , pondo o senso do futuro comum
1.o Caderno, 24/06/1990, p.11) acima dos interesses individuais e das ambições

60
Comunicação e Expressão – A Dissertação

de curto prazo. Com isso, o enorme potencial cien-


tífico e técnico do mundo poderia ser utilizado para TEMA 18
fins pacíficos, beneficiando a todos e permitindo o APREENDENDO
estabelecimento de relações baseadas na justiça e
na solidariedade.
(Amadou-Mahtar in O Correio da Unesco, Rio de Janeiro, ANÁLISE DE UM TEXTO
Fundação Getúlio Vargas, ano 10, n. 5, 1982, p. 4. )
Um texto não é um aglomerado de palavras sem
uma função ou significado. É antes de tudo um
instrumento de comunicação, servindo para infor-
ESCREVENDO
mar, entreter, educar. Possui uma estrutura fecha-
da, com uma organização vocabular e fraseológi-
1. Você estudou a distinção entre a dissertação
ca completa; constitui o resultado de uma rigorosa
argumentativa e a dissertação expositiva. Agora
leia os trechos a seguir e classifique-os em dis- seleção de matéria-prima lingüística, incluindo
sertação argumentativa ou expositiva: uma forma particular de ordenação de palavras e
expressões. A análise de um texto ocorre a partir
de sua leitura, por mais óbvio que isso possa pare-
Nunca é demais repetir que linguagem e pensa-
mento formam um só processo, impossível de ser cer. Leitura no sentido mais amplo que o vocábulo
desmembrado. Pensamos com vocábulos assim venha apresentar.
como criamos, alocamos e fundimos vocábulos O célebre educador Paulo Reglus Neves Freire
para poder formular pensamentos. Quando rejeita-
(1921 – 1997) usava uma expressão bastante apro-
mos a expressão verbal, estamos fechando as
comportas das idéias e as riquezas interiores. priada para o ato de ler. Em seus escritos, ele
(Luís Carlos Lisboa)
estimulava o educador a promover em sala de
aula, antes da exposição do universo das letras
Sendo o espaço geográfico a realidade histórica aos alunos, o que ele chamava de “leitura de mun-
mais imutável, sobre ele o homem vem exercen-
do”, a observação atenta do universo e suas imbri-
do contínua atividade, no sentido de dominá-lo por
meio da técnica. Desde que o homem iniciou a cadas relações. Para o educador, o indivíduo é
domesticação de animais e os utilizou pra reduzir capaz de ler mesmo sem ter acesso às letras.
as distâncias até a mais moderna tecnologia de O que é ler? Como dominar a leitura e, conseqüen-
transmissão por satélites, o seu objetivo tem sido a
temente, analisar textos escritos? Quando, efetiva-
eliminação do binômio espaço-tempo.
(Virgílio Noya Pinto) mente, ocorre o início das manifestações escritas?
Essas questões formam uma cadeia de raciocínio
A tensão do futebol é igual à tensão da vida, com-
capaz de otimizar o trabalho de análise de texto.
postas, ambas, pela insegurança de um resultado
positivo, pelo risco e pela incerteza. Na vida, como Resumir o ato de ler e de interpretar um texto
no futebol, nada é definitivo: estamos sempre tran- escrito à mera decodificação de letras e números
sitando entre vitórias e derrotas. O futebol consti- é mediocrizar a faculdade humana de processar
tui, portanto, perfeito paralelo com a vida do ho-
informações. Ler vai além da simples ação de ob-
mem e em especial com a vida em sociedade, pois
é um jogo que estimula a cooperação em grupo servar o derredor. Está ligado à idéia de ver e intuir,
como fator decisivo para a vitória: ‘No esporte e na de compreender as relações, de construir pensa-
vida, a integração é a vitória’, como salientava um mento a partir das observações, que por extensão,
slogan propagandista do Governo do Presidente tornam-se cada vez mais profundas à proporção
Médice.”
( Maria do Carmo L. de Oliveira Fernadez,
que os indivíduos se habituam a praticá-la. Nesse
Futebol, fenômeno lingüístico) sentido, podemos dizer que ler e interpretar são
ações concomitantes, fazem parte de uma duali-
Durante algum tempo, o futebol, no Brasil, foi um dade inseparável: não há como ler sem interpretar,
esporte amador, praticado por estudantes ricos,
de boas famílias (ex.: o Fluminense), ou por em- ao ler, seguramente, o idnivíduo será capaz de in-
pregados de companhias, geralmente inglesas terpretar. O indivíduo é capaz de ler mesmo na vida
(ex.: o Bangu, formado mestres ingleses da Com- intra-uterina. A criança, ao ser “acariciada” no ven-
panhia Progresso Industrial do Brasil). No entanto, tre da mãe, sente esse estímulo; ela lê a voz do pai,
já por volta de 1917, eram denunciados, no Rio, sabe quando é a mãe que acaricia, lê o que a mãe
certos ‘estímulos financeiros’ concedidos a alguns
sente. Talvez essa abordagem soe esquisita, con-
jogadores.
tudo é necessária para que se perceba que ler não
é apenas uma atividade mecânica, é uma
faculdade natural: nascemos para ler/interpretar.

61
UEA – Licenciatura em Matemática

É comum entre professores das chamadas áreas A seu ver o que falta não é lei, mas uma nova ati-
de exatas dizerem que: “O problema da maioria tude e comportamento operacional do Estado em
dos alunos que vão mal em matemática é que face do crime. – Mais importante que mudar a lei,
eles têm dificuldades de interpretação. Como não aumentar as penas e endurecer o regime peniten-
sabem interpretar, não conseguem resolver as ciário, é preciso modificar os instrumentos de que
questões.” o Estado dispõe para enfrentar o crime organiza-
O comentário é procedente. Muitos de nós, infeliz- do: polícias, Poder Judiciário e sistema prisional –
mente, não crescemos com essa cultura interpre- afirmou, escudado na convicção de sua experiên-
tativa. Fomos levados, desde os primeiros anos cia de mais de 40 anos como criminalista.
escolares a “aceitar” comodamente o que nos era E novamente acertou. Salta aos olhos e à reflexão
imposto. Fazia parte das imposições entender que que o Brasil não é carente de leis. Muito pelo con-
ler significava juntar letras, formar sílabas, juntar trário. O Código Penal de 1940, remendado na
sílabas, formar palavras, juntar palavras, formar década de 80 e contextualizado por normas extra-
frases, juntar frases, formar textos. O atividades vagantes – como a lei dos crimes hediondos e a
ligadas à busca da compreensão daquilo que se nova lei de tóxicos – tem bala na agulha mais que
lia ficava para bem depois de “aprender a ler”. Daí suficiente para o combate à realidade nova do
essa herança de dificuldades para interpretar. crime. Extorsão praticada por agentes da lei e
Como já dissemos, ler e interpretar não estão dis- promiscuidade com o crime organizado, latrocínio,
sociados. Contudo, já que há uma falha (dentre tráfico, tortura como a que tem sido habitual em
tantas!) pedagógica a ser atenuada, convém suge- casos de seqüestro e atos de terrorismo: qualquer
rir ações que ajudem o aluno a interpretar, a voltar das modalidades mais comuns da exacerbação da
a unir leitura e interpretação. As sugestões não violência já se acha tipificada penalmente. Se,
devem ser seguidas em ordem de apresentação. ainda assim, esse tipo de crime é praticado em
! Ao ler, o leitor deve prestar atenção em tudo: título,
escala, é porque alguma coisa não tem funciona-
autor, data de publicação, local etc. do bem em sua prevenção, processamento e exe-
! O leitor deve precisar o contexto do que lê.
cução penal.
Contexto é o que cerca a obra: sua publicação, Para enfrentar o crescente poder de fogo e destru-
época histórica, ao que se refere. ição do crime organizado, as autoridades e os
! O leitor deve buscar perceber do que trata o texto órgãos de segurança podem perfeitamente valer-
que lê, o que levou o autor a escrever. se das leis em vigor. Desde que se disponham a
! O leitor deve separar o todo do texto em partes mudar radicalmente sua atitude e seu comporta-
identificáveis. mento em face do crime e do criminoso. A violên-
! Deve o leitor estabelecer relação entre as partes, cia grave – sobretudo a que é praticada pelas
ver o que une essas partes. falanges organizadas – tem que ser vista como a
! O leitor deve conhecer os vocábulos e as expres- suprema perversão da ordem e veneno letal para a
sões usadas pelo autor, isso inclui conhecer ter- paz e a tranqüilidade do cidadão. E o criminoso
mos de conhecimento geral, muitas vezes usados. violento, o narcotraficante, o terrorista que age em
! Deve perceber a intertextualidade, isto é, o cruza- bando para afrontar a Justiça e infernizar a vida
mento de outros textos com o que está lendo. nas cidades têm que ser tratados como inimigos
ferozes em uma guerra que eles próprios decla-
Essas atividades devem, obviamente, ser orien-
raram à sociedade. A execução penal tem que
tadas num primeiro momento. Texto menos den-
bani-los do convívio com a sociedade e fazer pesar
sos são mais bem usados nessa fase da apren-
sobre eles o máximo rigor que é previsto na lei. E
dizagem, Quando o leitor tiver atingido um relativo
tudo isto se resume, no dizer do ministro, a uma
avanço na sua autonomia interpretativa, deve ser
questão puramente institucional.
estimulado a continuar interpretando. O professor
pode ainda exercitar, fazendo argüições orais com Faz sentido o que diz. Mas o próprio Ministério da
base em acontecimentos: O que aconteceu? Justiça até agora não apresentou um plano con-
Quando? Por quê? O que isso tem a ver (usando creto de ação que convença e tranqüilize o mais
uma expressão bem discente)? simples dos mortais. O que o cidadão quer é saber
como, onde e quando acaba seu sofrimento pes-
soal e começa o desassossego da bandidagem.
O Melhor Programa
Quer um programa como o que foi apresentado
O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, pelo prefeito do Rio, Cesar Maia: objetivo, coerente
acertou na mosca ao afirmar ontem, na Câmara e acima de tudo, para início imediato. O melhor
dos Deputados, que o maior problema da segu- programa de segurança é o que começa já.
rança no Brasil não é normativo; é institucional. [27/MAR/2003] (Jornal do Brasil)

62
Comunicação e Expressão – A Dissertação

Governar
LENDO Os garotos da rua resolveram brincar de Governo,
escolheram um Presidente e pediram-lhe que go-
Aprendendo a ler vernasse para o bem de todos.
– Pois não – aceitou Martim. Daqui por diante
Aos nove anos eu era quase analfabeto. vocês farão meus exercícios escolares e eu assino.
Ora, uma noite, meu pai me mandou buscar um Clóvis e mais dois de vocês formarão a minha
livro que deixara na cabeceira da cama. Entrei no segurança. Januário será meu Ministro da Fazenda
quarto, peguei com repugnância o antipático obje- e pagará o meu lanche.
to e voltei à sala de jantar. – Com que dinheiro? Atalhou Januário.
Meu pai determinou que eu principiasse a leitura. – Cada um de vocês contribuirá com um cruzeiro
Principiei. Mastigando as palavras, gaguejando, por dia para a caixinha do Governo.
gemendo uma cantilena medonha, indiferente à – E que é que nós lucramos com isso? pergun-
pontuação, saltando linhas e repisando linhas, taram todos.
alcancei o fim da página.
– Lucram a certeza de que têm um bom Presi-
No meio do capítulo pôs-se a conversar comigo, dente. Eu separo as brigas, distribuo as tarefas,
perguntou-me se eu estava compreendendo o trato de igual para igual com os professores. Vocês
que lia. Explicou-me que se tratava de uma histó- obedecem, democraticamente.
ria, de um romance, exigiu atenção e resumiu a – Assim não vale. O Presidente deve ser nosso
parte já lida. Animei-me a parolar. Sim, realmente servidor, ou pelo menos saber que todos somos
havia alguma coisa no livro, mas era difícil reco- iguais a ele. Queremos vantagens.
nhecer tudo.
– Eu sou o Presidente e não posso ser igual a
Alinhavei o resto do capítulo, diligenciando pene- vocês, que são presididos. Se exigirem coisas de,
trar o sentido da prosa confusa, e uma luzinha serão multados e perderão o direito de participar
quase imperceptível surgia longe, apagava-se, da minha comitiva nas festas. Pensam que ser
ressurgia, vacilante, nas trevas do meu espírito. Presidente é moleza? Já estou sentindo como este
Recolhi-me preocupado: os fugitivos, os lobos e o cargo é cheio de espinhos.
lenhador agitaram o meu sono. Dormi com eles, Foi deposto, e dissolvida a República.
acordei com eles. As horas voaram com essas (Carlos Drummond de Andrade. Contos Possíveis.
criaturas de sonho, incompletas e misteriosas. In: Jornal Folha de São Paulo, 20/03/1979)
À noite meu pai pediu novamente o volume, e a
cena se reproduziu: leitura emperrada, mal-enten-
didos, explicações.
Na terceira noite fui buscar o livro espontanea- ESCREVENDO
mente, mas o velho estava sombrio e silencioso.
E no dia seguinte, quando me preparei para moer 1. As anedotas a seguir fazem parte do repertório
a narrativa, afastou-me com um gesto, carrancudo. popular. Diga o que as torna engraçadas.
Nunca experimentei decepção tão grande. Era a) Sujeito em conversa com amigo diz:
como se tivesse descoberto uma coisa muito pre- – Eu nunca mantive relações sexuais com minha
ciosa e de repente a maravilha se quebrasse. mulher antes do casamento. E você?
Confessei a minha prima Emília o desgosto e pro- – Não sei – respondeu o amigo – como é o nome
pus-lhe que me dirigisse a leitura. Emília respon- dela?
deu com uma pergunta que me espantou. Por que b) Indivíduo cai no mar, durante um cruzeiro, e grita
não me arriscava a tentar a leitura sozinho? desesperado para um figura a bordo:
– Socorro,eu estou me afigando. Jogue-me uma
E tomei coragem, fui esconder-me no quintal, corda!
com os lobos, o homem, a mulher, os pequenos, – E ainda assim quer se enforcar? Responde o
a tempestade na floresta, a cabana do lenha- gaiato no barco.
dor. Personagens diminutas cresciam, vagarosa- 2. A respeito dos textos sugeridos para leitura,
mente me penetravam a inteligência espessa. responda:
Vagarosamente. a) Do que tratam.
(Fragmentos do cap/itulo Os astrônomos do livro Infância) b) Há outros textos subentendidos? Quais?
RAMOS, Graciliano. Infância. Rio de c) Em um parágrafo reescreva-os com o máximo de
Janeiro/São Paulo: Record/Martins, 1975. fidelidade ao tema original.

63
UEA – Licenciatura em Matemática

pedaços que eu dei e o que ele forneceu formaram


TEMA 19
os 8 pedaços que couberam a você, mercador.
APREENDENDO
Maravilhado, o mercador reconheceu que era ló-
gica, perfeita e irrefutável a demonstração apre-
sentada pelo matemático Beremiz e imediata-
PRODUÇÃO DE TEXTO
mente se dispôs a pagar da forma que tinha sido
defendida.
As três divisões do homem que calculava:
– Esta divisão – retorquiu o calculista – de sete
a divisão simples, a correta e a perfeita
moedas para mim e uma para meu amigo, con-
Numa antiga aldeia nos arredores de Bagdá, forme provei, é matematicamente correta, mas não
Beremiz e seu companheiro de viagem encon- é perfeita de acordo com meus princípios éticos.
traram um pobre viajante, roto e ferido. E tomando as moedas do mercador, dividiu-as
Socorreram o infeliz e tomaram conhecimento de em duas partes iguais. Deu para seu companheiro
sua desgraça: era um bem-sucedido mercador de quatro moedas, guardando para si as quatro
Bagdá que viajava numa caravana que tinha sido restantes.
atacada por nômades do deserto. Todos os seus
companheiros tinham perecido e ele, milagrosa- Questões para a produção de texto
mente, tinha conseguido escapar ao se fingir de
morto. Organize a sala em grupos para resolver o proble-
ma proposto. Discuta com os grupos as seguintes
Ao concluir sua narrativa, pediu alguma coisa para
questões:
comer, pois estava quase a morrer de fome.
Beremiz tinha 5 pães e seu companheiro, 3 pães. Você concorda ou não com o mercador? Por quê?
O mercador fez a proposta de compartilhar esses Procure descobrir como Beremiz, o homem que
pães entre eles e que, quando chegasse a Bagdá, calculava, fez a divisão matematicamente correta,
pagaria 8 moedas de ouro pelo pão que comesse. cujo resultado garante 7 moedas a ele e apenas
Assim fizeram. No dia seguinte, ao cair da tarde, uma ao seu companheiro.
chegaram na célebre cidade de Bagdá, a pérola Em nome de quais princípios você acha que
do Oriente. Como tinha prometido, o mercador Beremiz dividiu as moedas em duas partes iguais?
quis entregar 5 moedas a Beremiz e 3 a seu com- Você concorda ou não com essa divisão? Por quê?
panheiro. Com grande surpresa, recebeu a se- Reflitamos as seguintes questões:
guinte resposta: A relação entre legalidade e justiça – nem sempre
– Perdão, meu senhor. A divisão, feita desse modo, o que é legal é justo e vice-versa.
pode ser muito simples, mas não é matematica- A relação entre teoria e prática – o cálculo era cor-
mente correta. Se eu dei 5 pães, devo receber 7 reto matematicamente, mas aplicado à vida real,
moedas; o meu companheiro, que deu 3 pães, poderia legitimar uma injustiça.
deve receber apenas uma moeda. Agora elabore um texto dissertativo, abordando a
Pelo nome de Maomé! Retrucou o mercador. – redistribuição de riqueza no Brasil. Observe que já
Como justificar, ó estrangeiro, tão disparatada temos assunto (riqueza) e delimitação (redistri-
forma de pagar 8 pães com 8 moedas? Se con- buição de riqueza no Brasil). Não se esqueça de
tribuíste com 5 pães, por que exiges 7 moedas? Se estabelecer um objetivo para seu texto. Para a
o teu amigo contribuiu com 3 pães, por que afir- obten-ção de dados, você pode-se se valer do
mas que ele deve receber uma única moeda? texto base “Belíndia”, transcrito a seguir, de Alan
O Homem que Calculava aproximou-se do mer- Henriques.
cador e falou: Texto base
– Vou provar-vos, ó senhor, que a divisão das 8 Belíndia
moedas, pela forma por mim proposta, é matema-
(Alan Henriques, 2002-09-16)
ticamente correta. Quando, durante a viagem,
tínhamos fome, eu tirava um pão da caixa em que Em 1974, Edmar Bacha cunhou essa expressão
estavam guardados e repartia-o em três pedaços. para definir o que seria a distribuição de renda
Se eu dei 5 pães, dei, é claro, 15 pedaços; se o no Brasil, à época (uma mistura entre uma peque-
meu companheiro deu 3 pães, contribuiu com 9 na e rica Bélgica e uma imensa e pobre Índia),
pedaços. Houve, assim, um total de 24 pedaços, o economista ainda pensa ser válida a expres-
cabendo portanto, 8 pedaços para cada um. Dos são para definir a distribuição de riquezas no país
15 pedaços que dei, comi 8; dei na realidade 7; hoje. E ao que parece segundo dados apura-
o meu companheiro deu, como disse, 9 pedaços dos pelo IBGE, infelizmente é exatamente o que
e comeu, também, 8; logo deu apenas um. Os 7 podemos constatar.

64
Comunicação e Expressão – A Dissertação

No campo da distribuição de riquezas o Brasil, mesmo nesse campo encontramos algumas dis-
ainda tem pouco a comemorar, segundo o IBGE torções que atestam a validade da expressão
no espaço temporal entre 1992 e 1999, o rendi- “Belíndia”, no Estado do Rio de Janeiro as mulhe-
mento dos 10% mais ricos e dos 40% mais pobres res estão vivendo 11 anos em média mais que
cresceu percentualmente a mesma coisa. O que os homens, por conta da violência urbana que
significa dizer que, em termos absolutos, o fosso toma contornos de guerra civil em alguns centros
aumentou. Se, em 1992, a diferença entre esses urbanos do país, já que vitima mais jovens do sexo
dois grupos era de R$ 1.717, em 1999 ela passou masculino.
para R$ 2.270. Um aumento de R$ 553.
No Rio de Janeiro, a maioria da população já é de
Em 1992, os 10% mais ricos detinham 45,8% da velhos e de mulheres, no caso da capital flumi-
renda nacional, já em 1999, os 10% mais ricos pas- nense a proporção de mulheres e homens é a
saram a deter 47,4% da renda nacional. Se medi- menor do país, são 88 homens para 100 mulheres.
do pelo coeficiente de Gini, (que varia de 0 até 1) O acesso dos negros a nossa Bélgica é bem mais
quanto mais próximo de zero melhor a distribuição difícil que o acesso dos brancos, os analfabetos
de renda, o Brasil em 1992 estava com o índice em brancos em 1999, eram apenas 8,3%, enquanto
0.571, já em 1999 o índice se encontrava em 0.567,
que os negros analfabetos nesse mesmo período
uma melhora muito discreta para o período anali-
foram de 21%, ou seja, quase três vezes mais.
sado pelo estudo, pois nesse mesmo período, o
O rendimento médio dos brancos em 1999 foi
Brasil derrotou a inflação dando fim com isso ao
de 5,25 salários mínimos, enquanto que o rendi-
propalado “Imposto Inflacionário” o mais cruel dos
mento médio dos negros foi de 2,43 salários míni-
impostos que transferia renda dos mais pobres
mos, ou seja, menos da metade que o rendimento
para os mais ricos. Mesmo com tudo isso, o país
dos brancos.
não avançou muito na redistribuição de riquezas
ficando muito aquém do avanço em outras áreas A PNAD (Pesquisa Nacional de Amostragem de
como educação e saúde. Durante o período, do domicílios), constatou também a desigualdade de
“Plano Real” implementado em 1994, que não con- riqueza entre as regiões brasileiras, sem novida-
seguiu lograr grandes êxitos quanto à distribuição des, segundo o índice de Gini a região que tem a
das riquezas, as causas desse insucesso talvez renda mais bem distribuída é a região Sudeste
estejam na política adotada para debelar a infla- com 0,537, seguida da região Sul com 0,543, a
ção, no início do Plano Real a política cambial ado- região Norte com 0,547, a região Centro-Oeste
tada ocasionou vultosos déficits na balança comer- com 0,573 e por último a região com a pior con-
cial a partir de 1995. Somando-se ao déficit na centração de renda do Brasil é a região Nordeste
balança de serviços que o país já apresentava com 0,587, que por sua vez, possui o Estado com
tradicionalmente, o Brasil passou a conviver com a pior distribuição de renda do Brasil; a Paraíba se-
vultosos déficits na balança de pagamentos como gundo o índice de Gini, o Estado está com 0,644,
um todo. Que passaram a ser compensados pelo sem dúvida a pior entre os Estados brasileiros.
capital externo que entrava atraído com os juros Estes números, denotam anos e mais anos de
mais altos. endividamento do Estado brasileiro, que levou a
Essa política de juros aliada a manutenção de uma incapacidade quanto ao atendimento das
salários, o resultado só poderia ser mais concen- demandas sociais mais prementes.
tração de renda, o irônico é que o instrumento
Os grandes recursos que seriam investidos na
usado para debelar a inflação o aumento nos juros
criação de mais empregos que possibilitaria um
reais e a política cambial acabaram por impedir
que a redistribuição da renda fosse efetuada com melhor acesso à saúde ou educação de qualidade
mais eficácia durante o período estudado pelo as populações de nossos grandes centros, foram
IBGE. Ainda segundo a análise feita, pelo IBGE, o usados para o pagamento de juros ou os “serviços
tempo que os 20% mais pobres precisam trabalhar da dívida”.
para para igualar sua renda à dos 20% mais ricos Com certeza, se tais recursos tivessem sido usa-
é de 2 anos e oito meses, enquanto que no topo dos no atendimento as “tais demandas pre-
da lista encontra-se a Polônia, onde os mesmos mentes”, o perfil de renda da sociedade brasileira
20% mais pobres precisam trabalhar apenas 3 me- seria outro. Em particular, o Estado da Paraíba o
ses para se igualarem aos 20% mais ricos, contu- que detém o triste título da pior distribuição de
do, houve avanços quanto ao rendimento mensal, renda do Brasil, por ironia foi o Estado que teve o
que aumentou de R$ 364 em 1992, para R$ 472 maior crescimento do PIB entre 1980 e 1998, em
em 1999. média 8,93%, nesse caso houve uma inconteste
Outros indicadores dão demonstração de nossa concentração em que o grande crescimento do
melhora, a expectativa de vida aumentou de 66 produto de um Estado acabou parando na mãos
anos em 1992, para 68 anos em 1999, entretanto, de poucos.

65
UEA – Licenciatura em Matemática

São dados como esses que fazem nossa grande


dívida social tomar contornos de uma Índia, prova
disso é que em 1999, os 1% mais ricos detinham
13,1% de toda a riqueza nacional, enquanto que
os 50% mais pobres detinham apenas 14% de to-
da renda nacional, ou seja, quase a mesma coisa
Ainda pior, é que em 1993 a distribuição era exata-
mente igual, ou seja, não houve avanço algum,
quando o salário mínimo passou de R$ 150 para
R$ 180, em 1 de Maio de 2001, só esse fato já foi
suficiente para tirar da linha da pobreza algo em
torno de 3,5 milhões de brasileiros, mesmo com
isso, a situação não melhorou muito já que muitos
empregadores não tinham condição de arcar com
esse nível de salário mínimo.
Segundo o DIEESE em estudo divulgado também
em 1 de Maio o salário mínimo deveria ser hoje de
R$ 1066, omando como base o capítulo II da Cons-
tituição federal em seu artigo 7.o, inciso IV, que de-
termina que o salário mínimo teria que atender as
necessidades básicas de uma família tais como
moradia, alimentação, educação, lazer, vestuário
etc, no entanto, todos sabemos que se um salário
mínimo dessa magnitude fosse adotado a econo-
mia não suportaria, em um país com o tamanho de
nossa dívida social o salário mínimo é fundamental
na redistribuição da renda.
Em suma, distribuição de renda significa mais pes-
soas consumindo, o que daria um incremento ao
mercado interno diminuindo nossa dependência
de grandes exportações para cobrir o déficit na
balança de pagamentos, déficit esse que seria
coberto pela maior arrecadação do governo oriun-
do do mercado interno, o que sem dúvida levaria a
economia brasileira a um novo “círculo virtuoso”
de desemprego baixo, crescimento acelerado do
PIB, e superávit do setor público, tal como o ocor-
rido atualmente com a economia norte-americana.
(Fonte: Economianet. www.economiabr.net)

66
UNIDADE VI
Produção de Texto e Apoio Gramatical
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Os monossílabos podem ser ÁTONOS ou TÔNI-


TEMA 20
COS. Os tônicos possuem autonomia fonética, isto
APREENDENDO
é, mesmo isolados, possuem significado próprio e
nem todos são obrigados a receber acento gráfico.
Já os monossílabos átonos são pronunciados fra-
FONÉTICA
camente, logo, sem tonicidade, sem autonomia fo-
SÍLABA, TONICIDADE
nética.
Acompanhemos, no texto, principalmente, o uso São monossílabos átonos:
dos monossílabos.
! Os artigos e suas respectivas combinações.
Fim de Tarde ! Os pronomes pessoais oblíquos e suas combi-
nações.
Abra-me a janela para que o último raio de sol entre
e também possamos ver o mar. O fim do dia aproxi- ! O pronome relativo que.
ma-se. Tal proximidade de sol e sal me encanta. Na ! Algumas preposições e conjunções.
luz que Deus oferece a mim e a ti há um quê de cor
e de dor que sensibiliza o ser humano. A flor, o pôr-
São monossílabos tônicos os verbos monossilá-
do-sol são sempre um bem para nós que vivemos bicos, os pronomes pessoais do caso reto e, logi-
quer seja sob a lei das forças naturais; quer seja sob camente, os pronomes pessoais oblíquos tônicos.
a mão divina. As palavras classificam-se, quanto à tonicidade,
em OXÍTONAS, PAROXÍTONAS e PROPAROXÍTO-
As palavras são formadas por sílabas e estas po- NAS. Estes nomes indicam, respectivamente, a in-
dem ser fracas ou fortes quando pronunciadas. Ve- tensidade da pronúncia dos vocábulos na última,
jamos os conceitos de três gramáticos sobre a penúltima e antepenúltima sílaba. A nossa voz é to-
SÍLABA. nal. Ao falarmos ou cantarmos, nossa voz é mais
intensa em algumas sílabas. Esta intensidade é a
“Compõem a sílaba uma vogal isolada, ou o nossa conhecida sílaba tônica. Observemos:
agrupamento de uma ou mais consoantes (ou
semivogais) com uma vogal”. “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas...”
(Rocha Lima)
Se pronunciarmos bem as palavras, as separações
silábicas serão feitas seguindo a emissão das sí-
“Sílaba é um fonema ou grupo de fonema emitido labas.
num só impulso expiratório”.
(Evanildo Bechara) A separação silábica não é apenas gráfica. Ainda
que, na prática, a utilidade principal seja a partição
em fim de linha. Ao pronunciarmos um vocábulo
“Sílaba. Unidade fônica emitida num só impul-
com calma e tranqüilidade, as sílabas devem ser
so expiratório, e caracterizada pela presença
bem enunciadas. Vejamos os grupos de separa-
de um centro de sílaba ou fonema silábico.
ção silábica que apresentam dificuldade
Essa emissão vocal pode manifestar um só
fonema (no caso vogal), ou então dois ou mais:
a, é, há; dá, paz, dois, qual, quais... O impor- I. Ti-o II. Ci-ên-cia III. A-rei-a
tante é que esses vários fonemas apareçam Cru-a Ci-ên-ci-a Cui-a
integrados num mesmo impulso de voz, e um Re-bo-a His-tó-ria Pa-pa-gai-o
deles seja vogal (na língua portuguesa, o cen- A-le-go-ri-a His-tó-ri-a Goi-a-ba
tro da sílaba é sempre uma vogal, e sem esta Ma-ri-a O-zô-nio Al-dei-a
não há sílaba)”. Ri-a O-zô-ni-o Se-rei-a
(Celso Pedro Luft) Ti-a An-tô-nio Se-mei-a

IV. Pro-gres-so V. Sub-mis-são VI. Ad-je-ti-vo


As sílabas, quanto ao número, classificam-se em:
Car-ro-ça Sub-di-re-tor As-pec-to
Des-ça Su-bes-ta-ção Pneu-má-ti-co
! Monossílabos Ex.: Já o vi.
Ex-ce-to Su-bu-ma-no Psi-co-lo-gi-a
! Dissílabos Ex. Capim Tra-sa-ma-zô-ni-ca
Re-nas-ci-men-to Subs-tan-ti-vo
! Trissílabos Ex. Gramado Fa-ri-nha Trans-con-ti-nen-tal Op-tar
! Polissílabos Ex. Gramática, gramaticalmente Quan-do Trans-por-te Rap-tar

69
UEA – Licenciatura em Matemática

Após termos observado a separação silábica das Cresce por todo lado o universo embrionário do
palavras de cada grupo, vamos construir um con- lodo que se expande e levanta os germes das fu-
ceito para cada um deles: turas carnações, para a conjunção renovada, car-
I. A penúltima vogal é sempre tônica, logo se nal e misteriosa do rio com a mata. O rio, que ama
separa da última. e fecunda enquanto mata. A mata, que antegoza o
II. O penúltimo som vocálico é sempre átono, logo futuro enquanto morre. A flor arrancada aos bar-
a separação é facultativa. Na morma culta, pre- rancos fendidos, a árvore que se deitou pra rece-
fere-se o ditongo ao hiato. ber a extrema-unção das sombras, a procissão
gorjeante das touceiras que vagam, todo o
III. Quando houver a união de vogal + semivogal cenário desse encontro lento e bruto, por camin-
+ vogal em uma palavra, as duas primeiras per- hos de regressões e anelos selvagens, chega ao
manecem na mesma sílaba, e a última forma ponto de igapó com a índole atenuada, seu furor
sílaba isolada. pacificado, mas guardando de tudo a energia pri-
IV. Separam-se os dígrafos rr, ss, sc, sç, xc. mordial, como lenda de morte e vida que viesse
V. Palavras formadas por prefixos terminados em sendo contada de beiradão em beiradão, de praia
consoantes. A consoante final do prefixo une-se em praia, de várzea em várzea, e afinal conhe-
ao radical se este se inicia por vogal ou se sep- cesse a paz num ancoradouro de canoa amarga
ara se o início for uma consoante. aos pés da palafita.
(Nosso Senhor das águas. (O Cristo dos igapós).
VI. As consoantes chamadas mudas, isto é, sem Manaus, GRAFIMA, 1993, p. 172)
apoio de vogal, unem-se à primeira sílaba da
palavra ou apóiam-se na vogal anterior.

ESCREVENDO

LENDO
Sugestão de Atividades:
Saudade ! Ler o texto “Nhamundá”, em voz alta, observando
Astrid Cabral as sílabas fortes das palavras.
! Destacar do texto as palavras pedidas de acordo
Já disse e repito: com a classificação das sílabas tônicas; destacar
aos dezoito, saudade até 5 exemplos de cada tipo de palavra quanto à
era trissílabo paroxítono tonicidade.
e nada mais.
Hoje, saudade é sangue
sangria desatada
correnteza no mangue
de mim mesma.
(CABRAL, Astrid. Rasos D’Água.
Manaus: Valer, 2003, p. 34)

Nhamundá ! Separar as sílabas das palavras negritadas no


Max CARPHENTIER texto.

A enchente do Nhamundá progride bem, fundan-


do novamente os igapós repletos. As águas que
sobem são celebradas pela espera da mata, pois
a mata submerge na alegria de um ritual de
raízes afogadas, cálices vertidos, frutos libertados,
incenso de androceus surpreendidos. Para cada
avanço da água na floresta há uma ladainha de
pombos tresmelhados. É um regozijo trágico da
flora. Sob a aparência da morte afogada a vida
ocorre, e, nessa renúncia à luz na submissão
ansiada, a fertilidade chega na maré pontual que
traz polens longínquos em folhas naufragadas.

70
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

4. Proparoxítonos – Acentuam-se todos os propa-


TEMA 21 roxítonos: máquina, médico, método, fábrica,
APREENDENDO título, barômetro, física, tímido, gramática, mate-
mática, química, político.

ACENTO TÔNICO E GRÁFICO 5. Ditongos abertos – Acentuam-se os ditongos


abertos tônicos: éi(s) assembléia, anéis; éu(s)
O acento tônico e o acento gráfico não devem ser céu, troféus; ói(s) heróico, heróis.
confundidos. O primeiro refere-se à pronúncia da 6. Hiatos
palavra e marca a sílaba tônica. O segundo é o a) Acentuam-se o i e u tônicos quando formam hiato
sinal usado na grafia de alguns vocábulos. Reto- com a vogal anterior, estando eles sozinhos na
mando os dois períodos anteriores, percebemos sílaba ou acompanhados apenas de s: Apuí, Ariaú,
que os termos acento, sinal e grafia possuem saída, saúde, egoísmo. Se o i for seguido de nh,
apenas acentos tônicos; no entanto as palavras não será acentuado: rainha.
tônico, gráfico e sílaba recebem sobre a sílaba b) Acentuam-se as primeiras vogais dos hiatos ôo e
tônica o acento gráfico. êe: enjôo, vôo, entôo, vêem, crêem, lêem.

São três os acentos gráficos: o agudo (´), o cir- Observação – Quando os sete países lusófonos
cunflexo (^) e o grave (`). (Portugal, Brasil, Cabo Verde, Guiné – Bissau, São
O acento agudo indica que a sílaba é tônica e que Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique) assinarem
o timbre da vogal é aberto (com exceção das que o acordo ortográfico, os acentos gráficos das re-
terminam em ditongo nasal em ou ens): Humaitá, gras 5 e 6 serão extintos.
tímido, república, cúmulo, geléia, férias, fórmu-
Observações importantes:
la, código, Belém, armazém, parabéns, vinténs.
O acento circunflexo indica que a vogal é fechada 1. O u dos grupos gue, gui, que recebe acento
quanto ao timbre e, ao mesmo tempo, que a síla- agudo se for tônico: (ele) argúi, (que ele) ave-
ba é tônica: câmara, cômodo, lâmpada, colônia, rigúe, averigúem, obliqúe, etc.
têxtil, pôde, etc. 2. O u dos grupos gue, gui, que, qui recebe trema
O acento grave, após a Reforma Ortográfica de se for átono e pronunciado: tranqüilo, seqües-
1971, só é usado para indicar a crase: à, àquele, tro, agüentar, lingüiça, delinqüente, ungüento,
àquilo, àquela, àqueles, àquelas, às. lingüeta, míngüe.
Acompanhemos as regras de acentuação gráfica 3. Coloca-se o acento circunflexo no o tônico da
segundo a Reforma Ortográfica de 1971: forma verbal pôde (pretérito perfeito do indica-
tivo do verbo poder) para diferenciá-la da forma
1. Monossílabos – Acentuam-se os monossílabos
pode (presente do indicativo).
tônicos terminados em: a(s) lá, cá; e(s) pé, mês;
o(s) pó, nós. Os monossílabos tônicos termina- 4. Coloca-se o acento diferencial para distinguir as
dos em i ou em u não são acentuados: nu, cru, homógrafas tônicas das átonas. (Palavras
ti, li. homógrafas são aquelas que têm a mesma gra-
fia.)
2. Oxítonos – Acentuam-se os oxítonos termina-
Pára (verbo), para (prep.); pôr (verbo), por
dos em: a(s) Nhamundá, Japurá, Tapauá; e(s)
(prep.); pêlo, pêlos (subs.), pélo (verbo pelar),
você, Maués, Tefé; o(s) cipó, paletó; e em(ens)
pelo, pelos (contração: per + o, per + os),
nin-guém, armazéns. As oxítonas terminadas
péla, pélas (verbo pelar), péla (subs. = certo
em i ou em u não levam acento: Javari, Coari,
jogo de bola), pela, pelas (contração: per + a,
urubu, cupuaçu, pirarucu, pacu. (Palavras como per + as); pólo, pólos (subs.), pôlo, pôlos
Jaú, Anhangabaú, Urubuí e Jutaí pertencem a (subs. = certa espécie de ave), polo (contração:
outra regra.) por + o); pêra (subs.), pera (contração arcaica:
As formas verbais terminadas em a, e ou o, per + a), péra (subs. = pedra); côa, côas
seguidas de lo, la, los, las, acentuam-se nor- (verbo coar); coa, coas (contração: com + a,
malmente: dá-lo, fá-la, amá-lo, adorá-las; sê-lo, com + as).
vendê-los, fazê-las; pô-lo, dispô-los, etc.
5. Atenção para a grafia das seguintes formas ver-
3. Paroxítonos – Acentuam-se os paroxítonos ter- bais: ter – ele tem, eles têm; vir – ele vem, eles
minados em: l útil, têxtil; n hífen, pólen; on(ons) vêm; crer – ele crê, eles crêem; ler – ele lê, eles
elétron, prótons; r açúcar, caráter; x Fênix, látex; lêem; ver – ele vê, eles vêem; dar – (que) ele dê,
ã(ãs) ímã, órfãs; ditongo fáceis, órfão; i, is táxi, (que) eles dêem. Os compostos dos verbos ter
lápis; us vírus, ônus; um(uns) álbum, álbuns; ps e vir levam acento também na terceira pessoa
bíceps, tríceps, fórceps, Quéops. do singular: manter – ele mantém, eles mantêm;

71
UEA – Licenciatura em Matemática

deter – ele detém, eles detêm; convir – ele con- Somos cuidantes quando não nos contentamos
vém, eles convêm. apenas em classificar e analisar dados, mas quan-
do discernimos, atrás deles, pessoas, destinos e
6. Para acentuar as formas verbais que possuem
valores. Por isso, somos cuidantes quando distin-
pronome oblíquo em ênclise (depois do verbo)
guimos o que é urgente e o que não é, quando
ou mesóclise (no meio do verbo), devemos
estabelecemos prioridades e aceitamos proces-
considerar cada elemento como uma palavra
sos. Em outras palavras, ser cuidante é ser ético,
independente.
pessoa que coloca o bem comum acima do bem
particular, que se responsabiliza pela qualidade de
vida social e ecológica e que dá valor à dimensão
espiritual, importante para o sentido da vida e da
LENDO morte.
A tradição iluminista de educação tem enfatizado
Críticos e cuidantes muito a dimensão crítica e criativa e menos a
cuidante. Esta é hoje urgente. Se não formos cole-
Leonardo Boff tivamente cuidantes esvaziaremos a crítica e a cria-
Já se disse acertadamente que educar não é en- tividade e podemos pôr tudo a perder, o bem viver
cher uma vasilha vazia, mas acender uma luz. Em em sociedade com justiça mínima e paz neces-
outras palavras, educar é ensinar a pensar, e não sária e as condições da biosfera, sem as quais não
apenas ensinar a ter conhecimentos. Estes nas- há vida. Albert Einstein despertou para a dimensão
cem do hábito de pensar com profundidade. Hoje cuidante de todo saber quando Krishnamurti o
em dia conhecemos muito mas pensamos pouco interpelou: “Em que medida, Sr. Einstein, a sua
o que conhecemos. Aprender a pensar é decisivo teoria da relatividade ajuda a minorar o sofrimento
para nos situar autonomamente no interior da humano”? Einstein, perplexo, guardou nobre silên-
sociedade do conhecimento e da informação. Ca- cio. Mas mudou. A partir daí se comprometeu pela
so contrário, seremos simples caudatários dela, paz e contra as armas nucleares. Em todos os
condenados a repetir modelos e fórmulas que se âmbitos da vida, precisamos de pessoas críticas,
superam rapidamente. Para pensar, de verdade, criativas e cuidantes. É condição para uma cidada-
precisamos ser críticos, criativos e cuidantes. nia plena e para uma sociedade que sempre se
renova. Tarefa da educação hoje é criar tal tipo de
Somos críticos quando situamos cada texto ou pessoas.
evento em seu contexto biográfico, social e histó-
[23/ABR/2004] (Jornal do Brasil)
rico. Todo conhecimento envolve também interes-
ses que criam ideologias, que são formas de justi-
ficação e também de encobrimento. Ser crítico é
tirar a máscara dos interesses escusos e trazer à
tona conexões ocultas. A crítica boa é sempre tam- ESCREVENDO
bém autocrítica. Só assim se abre espaço para um
conhecimento que melhor corresponde ao real
sempre cambiante. Pensar criticamente é dar as Releia o texto de Leonardo Boff e retire os termos
boas razões para aquilo que queremos e também acentuados graficamente de acordo com as re-
implica situar o ser humano e o mundo no quadro gras:
geral das coisas e do universo em evolução. ! Monossílabos tônicos.
Somos criativos quando vamos além das fórmulas ! Oxítonas.
convencionais e inventamos maneiras surpreen- ! Paroxítonas.
dentes de expressar a nós mesmos e de pronun- ! Proparoxítonas.
ciar o mundo; quando estabelecemos conexões ! Hiatos.
novas, introduzimos diferenças sutis, identificamos
! Ditongo aberto.
potencialidades da realidade e propomos inova-
ções e alternativas consistentes. Ser criativo é dar ! Homógrafo tônico.
asas à imaginação, “a louca da casa”', que sonha
com coisas ainda não ensaiadas, mas sem esque-
cer a razão, que nos segura ao chão e nos garante
o sentido das mediações.
Somos cuidantes quando prestamos atenção aos
valores que estão em jogo, atentos ao que real-
mente interessa e preocupados com o impacto que
nossas idéias e ações podem causar nos outros.

72
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

3. Emprego da letra S
TEMA 22
APREENDENDO ! A letra s é usada, entre outros, nos seguintes
casos:
! Em todas as formas dos verbos querer e pôr (e
ORTOGRAFIA seus derivados).
Ex.: quis, pus, quiseram, compusermos, propu-ser.
! No sufixo ês, esa, indicando origem, procedência.
Ortografia é a parte da gramática que estabelece
Ex.: chinês, camponês, burguês, holandês, du-
as normas que devem ser seguidas para que as quesa, calabresa.
palavras sejam escritas de maneira correta. (Or-
! Nos verbos terminados em isar, derivados de
tografia = orthós = correto + grafia = escrita). palavras que já têm a letra s no fim do radical
As orientações ortográficas atualmente em vigor ou não.
fazem parte do Pequeno Vocabulário Ortográfico Ex.: frisar (friso); paralisar (paralisia); pisar (piso).
da Língua Portuguesa, eleborado pela Academia ! A terminação oso, osa.
Brasileira de Letras e publicado em 1943. Ex.: Saudoso, Saudosa
Há quem afirme que para escrever bem é neces- ! Nomes que correspondem a verbos cujo radical
termina em d:
sário ter inspiração. A não ser para poetas e com-
Ex.: ascender – ascensão; pretender – pretensão;
positores, a inspiração, em se tratando de reda- compreender – compreensão
ção, é um mito. Escrever bem e corretamente é
! Nomes que correspondem a verbos cujo radical
uma atividade que exige sobretudo muita leitura. termina em rg:
Ler para fazer é a regra número um. A palavra é a Ex.: imergir – imersão; aspergir – aspersão
matéria-prima da redação e ela só pode ser culti- ! Nomes que correspondem a verbos cujo radical
vada mediante leitura permanente. termina em ter e tir:
Ex.: converter – conversão; reverter – reversão;
Observe: divertir – diversão.
Palavra primitiva Palavra derivada
4. Emprego do SS
Laranja laranjeira
Análise analisar ! Nomes que correspondem a verbos cujo radical
tem d. Complete com SS:
Feliz felizmente
Conceder – conce____ão Suceder – suce_____o
Viagem viageiro Interceder – Interce____ão suce_____ão
Pajear pajem Retroceder – retroce____o Exceder – exce______o
Aceder – ace____o Proceder – proce______o

1. Emprego da letra G ! Nomes que correspondem a verbos cujo radical


tem gred. Complete com SS.
Observe que as letras são usadas de acordo Regredir – regre_____o
com alguma terminação ou origem da palavra. Progredir – progre____o / progre____ão

! Malandragem, elegem, vertigem, paragoge, ! Nomes que correspondem a verbos cujo radical
ferrugem. tem prim.
Imprimir – impre____ão Suprimir – supre_____ão
! Estágio, egrégio, remígio, relógio, refúgio.
Oprimir – opre______ão Comprimir – compre_______a
! Aspergir, divergir.
! Nomes correspondentes ao verbo meter e seus
derivados. Completar com SS:
2. Emprego da letra J
Intrometer – intromi____ão
A letra J é usada, entre outros, nos seguintes Submeter – submi____ão
casos: ! Nomes que correspondem a verbos terminados
com tir.
! Nos derivados de palavras terminadas em ja ou
Permitir – permi___ão Percutir – percu____ão
jar ou aje.
Discutir – discu____ão Admitir – adimi____ão
Ex.: gorjeta (gorja = garganta); franjinha (franja);
enferrujar: enferrujem, enferrujei; laje, traje.
! As palavras de origem afro-indígena escrevem-se 5. Emprego da letra Z
com j. A letra z é usada, entre outros, nos seguintes
Ex.: jibóia, canjica, jirau, jiló, etc.
casos:
! Todas as palavras derivadas de outras com j. ! Nos substantivos abstratos femininos derivados de
Ex.: nojo: nojeira, nojento. adjetivos.
! As seguintes palavras: alforje, berinjela, gorjeta, Ex.: rapidez (rápido); sensatez (sensato); leveza
lambujem, majestade, manjedoura, cafajeste, etc. (leve).

73
UEA – Licenciatura em Matemática

! Nos verbos terminados em izar, derivados de pa-


lavras que não tem a letra s no fim do radical.
Ex.: atualizar (atual); dinamizar (dinâmico); sinte- ESCREVENDO
tizar (síntese).
Obs.: batismo: batizar; Catequese: catequizar;
exorcismo: exorcizar; hipnose: hipnotizar. 1. Complete as palavras usando:
ch – x
6. Emprego da letra Ç
pra.....e pran.....a pi.....ar
! Derivados de palavras cujo radical termina em t:
fei.....e ma.....i.....e .....u.....u
Ex.: exceto – exceção; canto – canção; projeto –
mo.....ila dei.....ar fle.....a
_________; injetar – ________
be.....iga me.....erico li.....ar
! Derivados do verbo ter: bru.....a acon.....ego lin.....ar
Ex.: abster – abstenção; reter – retenção; deter – .....alé .....ale en.....ame
deten__ão
! Palavras formadas com os sufixos -aço(a), -ação, sc – sç – ss – s – x – ç – c – xc – xs
iço(a), uço(a).
Ex.: Rico = ricaço; marca = marcação; carne = dan.....ar esca.....ez ân.....ia
carniça; dente = dentuço pan.....a re.....u.....itar a.....ude
pi.....ina ace.....ível extin.....ão
! Palavras de origem: ob.....eno ob.....e.....ão elei.....ão
Tupi: Ex.: Juçara, Paraguaçu, Paiçandu, açaí, pê.....ego ob.....ecado alma.....o
paçoca. cansa.....o e.....e.....ão agre.....ão
Árabe: Ex.: açúcar, almaço, açude, açucena. bên.....ão arreme.....o sui.....o
Africana: Ex.: miçanga, caçula. compa.....o conce.....ão regre.....o
man.....dão e.....encial ví.....eras
7. Emprego da letra X carí.....ia ra.....ional fa.....ismo
re.....ente a.....ensorista plá.....ido
Essa letra é usada, entre outros, nos seguintes
flore.....er con.....iliar ra.....ismo
casos: an.....ioso e.....udação pró.....imo
! Em geral, depois de ditongo. an.....iedade má.....imo de.....er
Ex.: feixe, ameixa, trouxa. na.....a cre.....a a.....en.....ão
Exceção: A palavra caucho e seus derivados
(recauchutar, recauchutagem, etc.) são escritos g–j
com ch.
conta.....em ima.....em su.....eito
! Em geral, depois da sílaba inicial en.
no.....ento ma.....estade la.....e
Ex .: enxame, enxó, enxugar, enxurrada.
pro.....eto re.....ente ultra.....e
Exceções: encharcar (charco); encher, enchen-
con.....elar sar.....eta tra.....e
te etc. (cheio); enchumaçar (chumaço); encho-
cafa.....este berin.....ela ti.....ela
va (nome de um peixe).
here.....e .....er.....elim .....ia
! Depois da sílaba me.
Ex.: mexer – mexerico – mexilhão – remexer 2. Circule em cada série a palavra grafada incor-
retamente:
8. Emprego do CH
a) marquesa, inglesa, calabreza holandesa
O dígrafo ch possui o mesmo fonema da letra b) solidez, pequinês, pequenez, Cortez
x. Surgem daí as dificuldades ortográficas. Para c) beleza, malvadesa, avareza, correnteza
o ch não existem regras. Devemos visualizar as d) ágil, algema, gengiva, tijela
palavras a fim de as grafarmos corretas quando e) tanjerina cereja, loja, jiló
f) monge, gesto, vagem, gorgeta
necessário.
g) geito, agiota, gesso, agitar,
! Apetrecho, arrocho h) previlégio, laxante, enxoval, verniz
! Bochecha, boliche i) estupidez, impecilho, vazio, gazeta
! Cochilar,colcha, chuchu
j) talvez, altivez, atravéz, humanizar
! Despachar, debochar
l) pechincha, fachina, manjericão, pichar
! Encher, encharcar
m) caximbo, enxaqueca, xingar, chicória
! Flecha, ficha
! Guache
! Hachurar
3. Marque a única opção em que todas as
! Inchado palavras são grafadas com X :
! Mochila, mecha a) pu....ar, pi.....e, pe.....incha, col.....a.
! Pichar,piche, pechincha b) amei.....a, en.....arcado, .....u.....u, trou.....a
! Rachar c) en.....oval, .....ingar, cai.....eiro, .....ícara
! Salsicha d) cartu.....o, .....adrez, cai.....a, .....ouriço
! Tacho, tocha e) co.....a, en.....ada, en.....ofre, recau.....utar

74
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

4. Todas as palavras estão corretamente grafadas 12. Indique a opção que não condiz com a norma
na opção: culta da língua:
a) sarjeta, prestígio, salsicha, faxina, cortês. a) êxtase – extorquir – xenófobo – hesitar.
b) acessor, previlégio, cortez, jejum, vazar. b) cincoenta – quiz – expontâneo – gorgeta.
c) burgueza, beleza, rigidez, surdez, talvez. c) êxito – privilégio – garagem – erva.
d) sargeta, gorgeta, pexinxa, fachina, jia. d) sarjeta – berinjela – jia – jiló.
e) xingar, bochecha, flexa, cachumba, gia. e) canjica – canjerê – hesitar – buliçoso.

5. Indique a palavra cuja ortografia contraria a


norma culta da língua:
a) bueiro d) privilégio
b) pexincha e) disenteria
c) faxina

6. Todas as palavras são escritas com X na


opção:
a) mo.....ila – acon.....ego – lin.....ar
b) pi.....e – .....ale – me.....erico – bru.....a
c) maca.....eira – me.....er – be.....iga – .....ale
d) .....ampu – .....ingar – fle.....a – pra.....e
e) pran.....a – ma.....i.....e – pic.....ador – ei.....o

7. Estavam ............... de que os congressistas


che-gassem .............. para ............ de abertura.
a) receosos, atrasados, sessão
b) receosos, atrazados, sessão
c) receiosos, atrazados, seção
d) receiosos, atrasados, cessão
e) receosos, atrazados, seção

8. Assinale a alternativa cujas palavras não foram


convenientemente escritas.
a) pichar – desprezo – maxixe – pesadelo.
b) macaxeira – privilégio – empecilho – piche.
c) rasura – tigela – gorjeta – bruxa – chalé.
d) xale – sarjeta – berinjela – isento – feixe.
e) balisa – moxila – obceno – compreenção.

9. Indique a alternativa em que há uma palavra


incorretamente escrita:
a) jia, pesadelo, obsceno, nascimento.
b) jibóia, acessório, linchar, xale, ancioso.
c) consciência, ascensão, exceção, praxe.
d) herege, hemorragia, baía, ânsia, chalé.
e) pichar, xingar, mexerico, açude, fascismo.

10. Assinale a alternativa em que todas as palavras


estejam corretamente grafadas:
a) minissaia – rigidês – paralizar – indu.
b) aborígene – cafuzo – tijela – riqueza.
c) princesa – privilégio – analisar – profetisa.
d) montês – canalizar – capitalizar – crâneo.
e) impecilho – chuvisco – jaboticaba – chalé.

11. São escritas com X todas as palavras da


opção:
a) fle.....a – salsi.....a – .....ingar – pi.....e.
b) .....ereta – en.....oval – en.....ente – .....ale.
c) en.....ada – me.....er – me.....erico – .....ícara.
d) .....u.....u – maca.....eira – capi.....aba – .....ave.
e) en.....urrada – .....arco – .....ícara – en.....er.

75
UEA – Licenciatura em Matemática

Acutângulo
TEMA 23
APREENDENDO Do latim, trata-se de uma palavra formada de duas
outras: acutus (pontudo) + angulus (ângulo). Acu-
tângulo são os ângulos menores que 90o (ângulos
MORFOLOGIA
pontudos).
FORMAÇÃO DE PALAVRAS
REFERENTES À MATEMÁTICA No caso do triângulo, ser acutângulo entende-se
aquele cujos ângulos internos são menores que
Estudar Etimologia (origem) das palavras empre- 90 o, como é o caso do triângulo eqüilátero (aequi-
gadas na Matemática amplia consideravelmente o lateralis):
nosso entendimento do assunto enfrentado. Não
raras vezes deparamos com estudantes de mate-
mática às voltas com palavras usadas no universo
vocabular matemático, cuja origem remonta aos
gregos, romanos, árabe e indianos. Cremos que
recorrer à etimologia antes adentrar a qualquer
assunto em Matemática será sempre uma alterna-
tiva didática eficiente. Por isso, nesta aula, sele-
cionamos vários vocábulos colhidos no dicionário
de matemática, encontrado no Portal Prandiano,
no endereço eletrônico www.prandiano.com.br.
Adjacente
Abscissa Do latim adjacens subentende estar próximo de,
Do latim abscissa provem do verbo abscindere isto é, ad (perto, junto de) + jacere (estar deitado,
que conjuga a ação de cortar (scindere) alguma jazer).
coisa. No gráfico, o eixo horizontal corta o eixo ver- No exemplo do triângulo retângulo (rectangulus)
tical. abaixo, os lados (latus) 1 e 2, 1 e 3, 2 e 3 são lados
A palavra abscissa aparece na Matemática em adjacentes (adjacens). Entretanto, no retângulo
1659, no livro Geometriae Speciosae Elementa, abaixo os lados 6 e 8, 5 e 7 não são adjacentes.
escrito em Bolonha por Pietro Mengoli no qual na
página 53, ele escreveu: omnibus abscissis (soma
das abscissas).
Gottfried Whilhelm Leibniz, em um manuscrito
datado de 26/outubro/1675, interpretando o plano
cartesiano usou para o eixo horizontal a palavra
axem (axial, eixo longitudinal). Mais tarde ele tam-
bém usaria recta abscissa (reta cortada). Aleatório
Seguem duas outras notações para os eixos for-
madores de um gráfico: Na Roma antiga, aleatoris eram as casas de jogos.
Aleam ludere ou aleator era o jogador de dados.
Assim, do latim, alea refere-se a um dado bem
como ao ato de jogá-lo cujo resultado é incerto
(jogo de sorte).
Alea jacta est: a sorte foi lançada. Periculosa opus
et alea: obra incerta e perigosa

** co (junto de, complementa o) + ordinatio(arranjo


de alguma coisa, no caso, as linhas horizontais são
arranjadas para serem paralelas umas as outras.)

76
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Álgebra Descarte, em 1637, no seu Discours de la Méthode


(Geometry Analytique), mostra que a ação (analy-
Khowarizm's Mohamed Musa que, por volta do ano
tique) de resolver um problema é procurar o
1000 da era cristã, compilou seu:
méthode (meta, caminho, raciocínio) que permite
Al-Jebr Wa’l Muqabalah. decompor seu todo nas partes que o constitui.
Do árabe antigo, a palavra Jebr significa agrupar, No século XIV era comum os matemáticos euro-
reunir, juntar alguma coisa que foi quebrada, frag- peus usarem a palavra analyticu em substituição
mentada. O verbo Jabara articula a ação de reunir da palavra al-Jebr.
pedaços de um todo que foi quebrado enquanto o
verbo qabalah significa pesar com uma balança de Ângulo
dois pratos.
Do latim angulus. O sufixo-ulus implica diminutivo.
Assim, angulus é entendido como canto ou peque-
na dobra (um fio que foi dobrado como indica a
figura abaixo).

Enfim, o matemático Al-Khowarizm’s quando em-


pregou a palavra Al-Jebr queria fazer entender
que é possível resolver equações (reunir o x) tra-
balhando nos dois lados da igualdade (=) que as
caracteriza: Esse termo foi difundido em boa parte da Europa,
no ano de 1450, com a tradução do livro de Anísio
Torquato Boécio: De Consolatione Philosophiae.
Boécio estuda nesse livro o Quadrívio: Aritmética,
Música, Geometria e Astronomia.

Apótema
Palavra de origem grega formada por apó (sair da)
Somou-se 4 nos dois lados da iqualdade e dividiu- théma (posição): apothema.
se por 2: qualquer operação que se faz em um
lado da igualdade deverá também ser feita no
outro .
Álgebra foi traduzida no século XV por Scientia
Restaurations (Ciência Restauradora)

Análise Apótema é o segmento de reta que liga o centro


Do grego análysis vem de analýein, isto é, aná de um polígono regular, perpendicularmente, a um
(para cima) + lýein (soltar, afrouxar, decompor). de seus lados. Como se pode ver no hexágono
Análise significa desfazer, jogar para o alto. O acima.
termo provavelmente tem sua origem no benificia-
mento do trigo in natura que, quando triturado e Aritmética
jogado para o alto, é possível separar grãos da
palha.
Pappus de Alexandria, em 390 d.C, no seu Opus
Magnus, estabelece o conceito matemático da Do grego arithmós refere-se aos números enquan-
palavra analytikós: os elementos desconhecidos to o prefixo ar-implica reunir, isto é, arithmética é a
de uma teoria, são construídos com base nos ele- ciência que reúne (soma, subtração, multiplicação,
mentos conhecidos; e o todo, é constituído de etc.) números.
partes que se organizam em uma totalidade coe- Do prefixo -ar – lembre-se que argentário (rico) é
rente e lógica. aquele que reúne prata (argentum).

77
UEA – Licenciatura em Matemática

Asterisco Cálculo
Do grego asteriskós é o diminutivo da palavra Do latim calc (pedra) + ulus (pequena). Calculus
estrela (astér). se diz das pedrinhas.
Calculator (calculador) era o romano que associa-
va, por exemplo, uma pedra a uma ovelha, duas
pedras a duas ovelhas, assim por diante. Daí a
palavra calculus.
Esse símbolo é usado com freqüência na Mate-
mática, em particular, na Teoria dos Grupos e na
Integral de Convolução:

Baricentro
Do grego báros, do latim gravitas refere-se ao con-
ceito de "pesado".
Báros (pesado) + kéntron (centro).
Baricentro é o centro de massa de um corpo. Esse
tema, muito importante na Física, tem seu maior
conteúdo no trabalho de Ferdinand Möbius (1287):
Der Baricentrische Calcul. Centro
Para o caso de três corpos pontuais, distribuídos Do grego kéntron (ferrão de animal), pelo latim
em um plano, que tem suas coordenadas de local- centrum.
ização dadas por (x1, y1), (x2, y2) e (x3, y3) e massas Kéntron significa também uma pequena estaca de
m1, m2 e m3, respectivamente, o centro de massa madeira. Isso pelo fato de os antigos gregos
do sistema é dado por: traçarem um círculo amarrando um fio de lã a uma
pequena estaca (kéntron) cravada no chão.
Chamavam kéntron o centro do círculo, isto é, a
estaca.

Esse tema é importante na Logística, que trata de


inúmeras aplicações da Matemática. Coeficiente
Os números 8 e 3, dentro dos retângulos abaixo,
base são coeficientes:
Do grego basís (andar), quer dizer “andar com os 8x 3x 2
pés”, “com as partes mais baixas do corpo de
quem anda”. Basís também pode ser entendido Do latim co- (junto de) + efficient que se origina de
por pé. efficere (ex + facere), ou seja, fazer do lado de
Em um compasso perpendicular a um plano, sua fora. Coefficiente é literalmente “aquele que traz
basís é o segmento de reta que liga as duas pon- algo, junto do lado de fora”. Nos dois casos cita-
tas que tocam o plano. dos, os números 8 e 3, que estão juntos (co-) das
variá-veis, são coeficientes: multiplicam-nas
(facere) do lado de fora (ex).
Esse termo aparece em 1591, no livro In Artem
Analyticam Isagoge escrito por Francis Vieta.
Maiores detalhes sobre o uso dos coeficientes
junto a das variáveis N (numerus), Q (quadratus) e
Na Música, o baixo (graussimus sonus) é o instru- C (cubus) ... x, x2, x3...associados aos coeficientes
mento que emite as notas baixas. A, B e C... Ax, Bx2,Cx3..., encontram-se no livro de
Na Matemática, a base de um triângulo, por exem- Vieta, publicado em 1553: Variorum de Rebus
plo, é seu lado de baixo. Mathem. Responsorum Liber.

78
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Decimal No círculo, o diâmetro é qualquer segmento de


reta que passa pelo centro ligando dois pontos
Do latim medieval decimus originou em português
opostos pertencentes à circunferência, como
décimo.
mostra o desenho.
Decimus têm sua origem no verbo decimate conju-
gado pelos generais romanos nas ocasiões que
Discriminante
seus soldados se rebelavam. Para restabelecer a
ordem dezimavam (decimate) um soldado em Do latim dis (separar, distinguir) + crimen (acusa-
cada grupo de dez: cortavam-lhe a cabeça. ção, indício). Daí a palavra crime.
A palavra é entendida como aquilo que distingue
um indício.
Na equação do segundo grau ax2+bx+c=0, o dis-
criminante é dado em termos dos coeficientes atra-
vés da fórmula Δ = b2 − 4ac. Distinguem-se três
casos:
duas raízes reais distintas
raiz real dupla
duas raízes complexas distintas

Derivada
Distância
Do latim de (a partir do) + rivus (riacho).
Do latim dis (separado) + stare (estar), isto é, qual
A palavra derivus ou derive significa literalmente separados estão dois pontos.
“aquele que flui”. Daí o termo latino derivative , em
inglês fluxion e em francês dérivative. ( x 2 , y2 )
Na Física – Matemática esse termo induz a se- d
guinte noção: a função aceleração “flui” da função
velocidade:
dv ( x 1 , y1 )
a= = v 0 = v1
dt
Domínio
Diagonal Do latim medieval dominus significa senhor, Deus,
Do grego diá (através de) + gonía (ângulo): “ris- dono de uma casa (domus). Senhor da vida de
cando através do ângulo”. alguém. In capite alicujus dominari: aquele que
estipula como se deve viver.
Dominus era o tratamento que os romanos deram
aos seus imperadores a partir de Calígula, que se
intitulava um deus entre os homens. Assim, quan-
do os romanos se referiam ao dominus caligulae,
No quadrado, por exemplo, a diagonal é o seg- esperavam que os deuses os ouvisem* através do
mento de reta que une dois vértices (angulus) não imperador. Dies dominicus ou dominica, domingo,
adjacentes. O quadrado tem duas diagonais, en- para os católicos, é o dia santo, o dia do Senhor
tretanto o triângulo não tem nenhuma. Um polí- Deus.
gono de n lados tem n(n-3)/2 diagonais.
Fórmula
Diâmetro
Do latim forma, do português molde, forma: mode-
Do grego diá (através de, de lado ao outro) + lo oco de madeira ou gesso onde se verte subs-
métron (medida, medição); isto é, diámentros trata- tância derretida que solidificada forma, modela,
se de uma medida entre “lados opostos”; “pontos objetos iguais.
opostos”.
O sufixo -ula implica diminutivo: pequena forma.
Do direito formula = forma + ula, refere-se a uma
regra da jurisprudência que induz a aplicação
da lei de forma igual todos. Daí a origem da
palavra fórmula usada em Matemática que tem,

79
UEA – Licenciatura em Matemática

por exemplo, em πR2 a regra (formula) que deve A


ser aplicada no cálculo da área de todos os círcu- F B
los de raio R.
Entende-se também a palavra latina formula como
E C
aquilo que encontramos ao término (orgasmós) do
D
desenvolvimento de uma ação.
Do grego orgasmós: o mais alto grau de excitação O hexágono é um polígono de seis lados, conse-
dos sentidos humanos qüentemente tem seis ângulos.

Função Infinito
Do latim functus, refere-se ao particípio passado Palavra de origem latina: in (não) + finis (fim).


do verbo fungor que, em português, significa inter- Infinitus é o que não tem fim.
pretar, isto é, falar sobre aquilo que se conhece.
Ação de cumprir um encargo. Defunctus é aquele
que já não mais fala, cumpriu seu papel de vivo.
O símbolo de infinito foi proposto na Matemática
A palavra functus foi usada em matemática no ano no ano de 1655, por John Wallis, no seu famoso
de 1697, nas cartas trocadas entre Gottfried Des Sectionibus Conicis quando escreveu:
Wilhelm Leibniz e Jean Bernoulli: Conmercium
Esto enim ∞ nota numeri infiniti (isto ∞, pois deno-
Philosophicum et Mathematicum Leibniz et
ta o número infinito).
Bernoulli, vol. I, 1745.
Wallis usou da representação ∞ inspirado na anti-
Leonhard Euler, em 1734, na revista Comment
ga notação romana para o 1000.
Petropol. ad Annes, rotulou uma função por
f(x) quando escreveu: “f(x) denote functionem
quamcunque ipsus x”, isto é, “f(x) denota uma Infinitesimo
função para qualquer x.” Do latim infinitus (infinito) acrescido do prefixo
-esimus que remete ao significado oposto de
Graus infinitus, ou seja, algo muito pequeno: infinita-
mente pequeno.
Do latim gradus, do inglês degree, do francês
degré que significa passo, marcha, dar passos,
percorrer uma distância em trechos, dividir em
partes etc. Acontece o mesmo com a palavra mille (mil) que,
A circunferência, na trigonometria, por exemplo, foi acrescida de -esimus, resulta em millesimus: uma
dividida em 360 gradus (360 graus) 360 partes. parte em mil.
Centigrade significa dividir em cem (centum)
partes (lembre a escala Celsius). Inteiro
A palavra inglesa integer tem sua origem lingüíisti-
ca alicerçada no latim / hindu:
in (não) + tag (tocar)
Gráfico
Inteiro, portanto, significa aquilo que não foi toca-
Do grego grapho, corresponde a fazer marcas, do, quebrado.
desenhar, marcar uma pedra, um pedaço de ma-
deira ou uma folha de papel. Pode-se traduzir
Intervalo
graphein também por escrever. Daí os historia-
dores afirmarem que nossa civilização foi ágrafa Palavra de origem latina usada pelos soldados
(que não escrevia). romanos:
inter (entre, no meio) + valum (trincheira, paredes)
Hexágono
Intervalo é a região entre duas paredes.
Do grego héx (refere-se ao número seis) + gonía
(refere-se ao ângulo). [ ]
80
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Logarithimo Método
Palavra de origem grega formada de: Palavra de origem grega importantíssima na eti-
lógos (razão, evolução, discurso) + arithmós (nú- mologia matemática:
mero) metá (reflexão, raciocínio, verdade) + hódos (ca-
Logarithimo, literalmente, significa a evolução de minho, direção).
um número. Méthodes refere-se a um certo caminho que per-
Os logaritmos foram criados em 1590, pelo impor- mite chegar a um fim.
tante matemático escocês John Napier e publica-
Em 1637 René Descartes publicou seu Discours
dos em 1614, com o título Mirifici Logarithmorum
de la Méthode, em que aponta o caminho para um
Canonis Descriptio.
novo raciocínio científico que deveria conduzir seu
O símbolo log, contração de logarithm, é devido ao articulador aos segredos (principia) da natureza
astrônomo Kepler que, em 1624, publicou seu (phýsis ou natura).
Chilias Logarithmorum.
Com seu méthode, permitiria aos filósofos chega-
rem, descobrirem as leis que o Criador necessitou
Losango para a perfeita harmonia do universo. Daí o livro de
Do francês arcaico losenge, referia-se a um peda- Isaac Newton, escrito em 1686: Philosophiae
ço de bolo de ervas. Naturalis Principia Mathematica.
Do latim arcaico lausa, do espanhol losa, designa O termo philosophiae refere-se a palavra grega
uma pedra achatada. metá (reflexão, raciocínio), enquanto o termo
mathematica refere-se à palavra hodes (caminho).
O resultado é o naturalis principia (leis, princípios
da natureza (phýsis).

Os romanos designavam o peixe arraia por lau- Norma


sange.
Os carpinteiros e pedreiros romanos cunharam a
palavra norma designadora de um esquadro. Esse
Matriz instrumento é usado até hoje nas construções on-
Do latim matrix significa mãe, útero: mater + ix de é comum os operários medirem ângulos retos.
O sufixo -ix implica em um sujeito de gênero femi- Normallis em latim, normal em português, é uma
nino. linha perpendicular a outra formando um ângulo
de 90o.
A palavra -matrix tem sua etimologia na raiz ma que
na língua hindu significa mãe. Na óptica, a normal (N) a um espelho plano é a
linha vertical em relação a este que marca os ângu-
Matriz, portanto, dá a entender como aquilo que
gera, determina, algum resultado. los de incidência ( ) e reflexão( ) da luz:
A solução de um sistema de equações pode ser N
gerada através de matrix:
5
3

No cálculo vetorial a norma de um vetor é o seu


Sistema Solução matricial do sistema
comprimento (sua magnitude).
“Os coeficientes a, b, c, d, e, f introduzidos nas
O vetor tem sua norma dada por:
matrizes (úteros) geraram a solução do sistema de
equações, isto é, determinão os valores x e y.”
Ortogonal
As barras usadas na representação de uma matriz
foram compostas por Arthur Cayley em 1846, Palavra de origem grega que se refere a duas li-
enquanto a palavra matrix, foi cunhada por Joseph nhas perpendiculares formadoras de um ângulo
Sylvester em 1850. reto: orthos (perpendicular) + gonía (ângulo)

81
UEA – Licenciatura em Matemática

Paradoxo Prisma
Do grego: pará (junto de) + doxa (opinião): pará- Do latim prisma, do grego prísma.
doxon Os antigos marceneiros gregos chamavam de
Do latim: para (contrário, ir de encontro) + doxum prísma os pedaços de madeira serrados. Assim,
(opinião): paradoxum a palavra latina prisma refere-se a um sólido que
foi cortado.
Vale lembrar que do francês, parachute significa ir
contra a queda.
Parádoxon implica literalmente um conceito con-
trário ao senso comum.
Vejamos como exemplo o Paradoxo de Cantor que
afirma contundentemente existir a mesma quanti-
dade de números pares e naturais. Como isso é Exemplos de prismas:
possível se os números pares estão contidos nos Na Matemática, prisma é um poliedro que tem
naturais? duas faces idênticas e paralelas.

Perímetro Prova
Palavra que tem sua origem no idioma grego: perí A palavra prova, tão freqüente e pertinente dos
(em volta de) + métron (medida). textos matemáticos, tem sua origem na palavra
Perímetron significa medir em volta de alguma latina probo que significa honesto, correto. O ver-
coisa. bo probare implica julgar com honestidade.

O perímetro do círculo, sua circunferência, mede Hoc difficile est probatu: Isto é difícil de provar.
2πR onde R é o raio.
Sistema
Poliedro Do latim systema e do grego sýstema. Isto é: sy
O termo poliedro tem sua origem no idioma grego: (junto) + sta (permanecer)
póly (vários) + hedra (faces) Sýstema é aquilo que permanece junto. Na Mate-
mática, um sistema de duas equações:
Poliedro refere-se aos sólidos geométricos de vá-
rias faces.

devem ser resolvidas juntas.

Tensor
tetraedro octaedro dodecaedro
Palavra latina formada pela aglutinação de: tensus
(esticado) + or (aquele que faz).
Polígono O sufixo or induz a seguinte interpretação de ten-
sor: aquele que estica.
O termo polígono tem sua origem no idioma Perceber a palavra actor = act (agir) + or: aquele
grego: que age (representa).
póly (vários) + gonía (ângulos)
Polýgonon refere-se à figura geométrica de vários Teoria
ângulos. A palavra grega theoreîn significa olhar através de.
Aquele que olha é chamado de theorós (especta-
dor).
5 Assim tem-se: Theoreîn = théa (através) + horós
3 (ver).
A Relatividade, por exemplo, é a forma através da
triângulo pentágono qual Einstein via o universo.

82
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Trigonometria c) prisma:
d) poliedro:
Palavra de origem grega: tri (três) + gonía (ângulo)
e) ortogonal:
+ métron (medida)
f) norma:
Do latim trigonometria, refere-se às medidas feitas
no triângulo (trígonon). g) método:
h) losango:
Esse termo é devido a Bartolomeu Pitiscus, que
publicaria em 1595 seu famoso: Trigonometriae i) matriz:
Sive de Solutione Triangulorum Tractaus Brevis et j) logaritmo:
Perspicuus. k) coeficiente:
A segunda edição desse livro foi publicada em l) derivada:
1600, com o pomposo e sonoro título: Trigono- m)hexágono:
metrae Sive de Dimensione Triangulorum Libri
Quinque.
Pitiscus, com seu trabalho, influenciaria gerações
e gerações de matemáticos.

Vetor
Os romanos chamavam de vector aquele que car-
regava alguma coisa. Implicava o portador de uma
mensagem, por exemplo.
No caso específico de Matemática, vector é um
transportador de três informações de uma gran-
deza vetorial: direção, sentido e magnitude.
veho (levar) + or (aquele que faz)

Daí também a palavra vehiculum (veículo).


Da Física, a palavra convecção que em inglês se
escreve convection e em latim convectionis implica
o calor transportado por um fluido.

Zero
Os europeus medievais escreviam: zefiro,
zephirum, zeroth.
Do árabe sifr, do sanscrito sunya que significa
vazio, desprovido de conteúdo, os arábes trans-
creveram dos hindus e foram adaptados pelos
europeus, daí a origem hindu-arábica, da palavra
zero.

ESCREVENDO

1. Explique, indicando a etimologia, o sentido dos


vocábulos matemáticos a seguir:
a) cálculo:
b) polígono:

83
UEA – Licenciatura em Matemática

5. Nos compostos de dois substantivos, cujo pri-


TEMA 24
meiro elemento concentra a importância do
APREENDENDO
vocábulo, e o segundo apenas limita ou quali-
fica, apenas o primeiro elemento varia.
SUBSTANTIVO E OUTRAS Ex: Compramos bananas-maçã, mangas-es-
PALAVRAS VARIÁVEIS pada e admiramos os pombos-correio pousa-
dos nos navios-escola.
O substantivo, também conhecido como NOME,
6. Vocábulos compostos por dois verbos, ou
é o indicador de pessoas, animais ou objetos e
verbo e advérbio, conservam-se invariáveis.
comanda as demais classes de palavras variáveis.
O gênero (masculino e feminino) e o número (sin- Ex: Os perde-ganha junto com os leva-e-traz
gular e plural) do artigo, do adjetivo, do numeral e participaram dos bota-foras dos pisa-mansi-
do pronome dependem de o substantivo ser mas- nhos depois que organizaram os abaixo-assi-
culino ou feminino, singular ou plural. A variação nados.
de número do verbo também depende do nome Obs.: O dicionário Houaiss registra: os perde-
substantivado. ganhas.
Para interpretarmos bem um texto, são necessá-
rias algumas informações gramaticais. Não basta 7. Os compostos formados por verbos repetidos
saber a regra, é preciso entendê-la tendo sempre vão ambos para o plural.
como finalidade o melhor aproveitamento da leitu- Ex: Os corres-corres e os fechas-fechas acon-
ra e da escrita. Segundo Clarice Lispector, em teceram.
recado para quem está começando a escrever,
quem quiser desrespeitar as regras gramaticais, 8. Apenas o último elemento varia nos compos-
deve antes conhecê-las, ou será simples erro e tos onomatopaicos.
ignorância. Ex: Os bem-te-vis e os reco-recos eram ouvi-
A classificação dos substantivos, dos artigos, dos dos.
adjetivos, dos pronomes e dos numerais não é o
9. Em compostos cujos elementos são variáveis,
ponto forte de nossa aprendizagem. Saber lê-los
logicamente ambos vão para o plural.
em um contexto e saber escrevê-los, quando ne-
cessário, é o que pretendemos. Ex: Os bóias-frias saíam às sextas-feiras e os
guardas-civis com os seus guarda-chuvas os
Apresentaremos, a seguir, algumas explicações do
observavam como se fossem guardas-costas.
uso de palavras compostas.
10. Os adjetivos compostos cujo segundo elemen-
Substantivos e adjetivos compostos to é um substantivo representativo de uma cor,
ficam invariáveis.
1. Nos compostos formados por dois substan- Ex: Comprou blusas amarelo-ouro e vestidos
tivos ou por substantivo mais adjetivo ou adje- verde-mar.
tivo mais substantivo, ambos vão para o plural.
Ex: Os claros-escuros da aurora. 11. Os adjetivos que indicam cores e são forma-
dos pela expressão cor de, embora esta ex-
2. Em compostos formados por dois adjetivos, pressão esteja ausente, tornam-se invariáveis.
varia somente o último.
Ex: Possuía roupas cor-de-rosa, objetos
Ex: Os cabelos castanho-claros das moças laranja, sapatos creme e camisas cinza.
luso-brasileiras, que vestiam saias verde-
Observações:
escuras aureolavam os olhos verde-azuis.
a) Silveira Bueno (1968) informa-nos: “As cores são
Roupas claro-escuras. indicadas, às vezes por substantivos e ainda que
não sejam compostos, permanecem no singular:
3. Varia apenas o último vocábulo em compostos gravatas cinza, vestidos alecrim, ternos
formados por verbo mais substantivo. salmão.”
Ex: Os beija-flores voam. b) Napoleão Mendes de Almeida (1979) escreve
que podemos “... dizer raios ultra-violeta e não
4. Nos compostos formados por substantivos raios ultra-violetas. Diz-se raios infravermelhos,
unidos por preposição, somente o primeiro mas vermelho é legítimo adjetivo, ao passo que
elemento varia. no outro caso a cor é designada por nome de
Ex: Os pães-de-ló são deliciosos. planta e não por adjetivo”.

84
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Napoleão Bonaparte sacudia a Europa e provoca-


va imensas transformações. Em 1807, as tropas
LENDO do Exército Imperial Francês, sob o comando do
general Junot entram em Portugal sem maiores
A capital do mormaço LXXXV resistências, enquanto a corte portuguesa se
Márcio Souza transfere às pressas para o Brasil.
O príncipe regente D. João e os nobres, os seus
O Brasil começou atrasado em relação aos outros políticos, os administradores, logo percebem que
países latino-americanos. Eis um fato: por volta de a colônia não é um país, na verdade, é uma de-
1808, quando é impresso e publicado o primeiro cepção, uma droga que não existe. Até mesmo
livro no Brasil, o México contava com um enorme para os padrões modestos da corte portuguesa o
catálogo de publicações impressas em suas gráfi- Brasil é de um atraso lamentável. Aos olhos dos
cas. Os países hispano-americanos também cortesãos portugueses é uma colônia sem qual-
possuíam universidades criadas pelos próprios quer infra-estrutura, com um imenso território
colonizadores espanhóis, enquanto o Brasil se- assustadoramente mergulhado na selvageria, e a
quer contava com escolas de 2.o grau em 1808. sua capital, o Rio de Janeiro, um conjunto insalu-
No Brasil a educação no período colonial se faria bre de tugúrios fétidos. É aqui que, o príncipe
de uma forma extremamente limitada, apenas para regente mostra a sua sagacidade. Se os portugue-
os filhos das famílias mais abastados, e se resu- ses quisessem manter a estrutura imperial e, colo-
mia às primeiras letras. Alguém que quisesse pro- nial, teriam que, dar condição a essa colônia que
gredir no campo da educação tinha que sair do transformavam em capital do império. Mas não
Brasil, estudar na metrópole, em Portugal. Matri- podiam exagerar sob pena de perderem o controle
cular-se na Universidade de Coimbra foi a base da da colônia.
formação educacional dos filhos da oligarquia (A Crítica, 04/12/05)
colonial. A única opção para os jovens menos afor-
tunados era entrar para a Igreja Católica. Esta séria
limitação educacional, fez com que o Brasil moure-
jasse na ignorância por mais de três séculos.
ESCREVENDO
Enquanto os outros países já tinham desenvolvido
um pensamento crítico, haviam já estabelecido
uma teoria sobre o continente, e até mesmo uma 1. Leia o texto de Márcio Souza e indique qual ou
proposta política de unidade continental, o Brasil quais o(s) substantivo(s) que comanda(m) a va-
era um melancólico exemplo de apatia intelectual. riação das palavras no terceiro período do pri-
Frente a uma massa de analfabetos adeptos de meiro parágrafo.
uma cultura rústica, os homens de cultura leiga 2. No terceiro parágrafo, a quem se refere o verbo
eram sempre retornados, pessoas que voltavam de: “... entram em Portugal...”?
para o Brasil depois de longa formação na Europa.
Naturalmente se sentiam deslocados da realidade
e viviam como exiladas. A estratégia portuguesa
era perfeita, porque sem massa crítica intelectual
uma colônia jamais se transforma em país. Por
isso, é surpreendente que de um lado, no século
XVIII, as Minas Gerais produzissem literatura, músi-
ca, artes-plásticas e arquitetura. De outro lado, não
causa nenhuma surpresa que essa rica floração
artística, especialmente a literatura, procurasse in-
ventar uma abstração geográfica, uma paisagem
de campos, europeus com ervas daninhas ameri-
canas. Uma literatura que existia antes de um país,
de um povo, antes mesmo do surgimento de
leitores. Estranho paradoxo.
Uma prova de que algo de novo estava ocorrendo
é a edição, em 1808, do primeiro livro impresso no
Brasil. A presença de um prelo, mesmo pertencen-
do à Impressão Régia, um órgão oficial, refletia
uma mudança inesperada para uma colônia como
o Brasil, tratada sempre com restrições e vigiada
de perto. Era um sinal de apreciável mudança.

85
UEA – Licenciatura em Matemática

a 12. Também, não poderás reclamar, pois tu


TEMA 25
também saíste com visível lucro na transação.
APREENDENDO
E tu, jovem Harim Namir, segundo a vontade de
teu pai, deverias receber 1/9 de 35, isto é, tres e
O NUMERAL tanto. Vais receber 1/9 de 36, isto é, 4. O seu lucro
foi igualmente notável!
Uma singular aventura do Ora, como 18 + 12 + 4 = 34, dos 36 camelos,
homem que calculava restam 2. Um, já sabemos que é do meu amigo e
Adaptado do livro O Homem que Calculava, de companheiro de viagem. O outro camelo que res-
autoria de MALBA TAHAN – grande matemáti-
co brasileiro nascido no Rio de Janeiro – 1895
ta, por direito será meu, pois vocês haverão de
– 1974. concordar que eu fiz uma partilha justa!
Nota: MALBA TAHAN é o pseudônimo de Júlio
César de Mello e Souza.
E, o astucioso Beremiz, tomou posse do camelo e
seguiu viagem com seu amigo. A diferença é que,
agora, cada um possuía o seu próprio camelo!
Poucas horas havia que viajávamos – eu e Beremiz
Samir (O Homem que Calculava) – ambos monta- Onde está a astúcia do Beremiz?
dos num camelo, pela estrada de Bagdad, quando COMENTÁRIO
nos ocorreu uma aventura digna de registro, na
qual meu companheiro de viagem Beremiz, com Observe que o pai dos três árabes, ao determinar
grande talento, pôs em prática as suas habilidades a partilha dos camelos, o fez de uma forma imper-
de exímio algebrista. feita, pois, ao deixar a metade para o filho mais ve-
lho (1/2), um terço para Hamed (1/3) e um nono
Resumo da ocorrência: para Harim (1/9), fez a partilha como (1/2) + (1/3)
Encontramos três homens que discutiam acalo- + (1/9), que não é igual a 1 ou seja 1/1 = 100/100
radamente ao pé de um lote de camelos. Por entre = 100% dos bens, no caso, os 35 camelos.
pragas e impropérios gritavam possessos e
Observe que:
furiosos:
Não pode ser! Ficaram sobrando, portanto, 18/18 – 17/18 = 1/18
Isto é um roubo! dos “bens”.
Não aceito! Como eram 35 camelos, teríamos: (1/18).35 =
35/18
O inteligente Beremiz procurou informar-se do que
tratava. Ora,
Somos irmãos – esclareceu o mais velho – e rece- Fica sobrando 1 camelo mais 17/18. O inteligente
bemos como herança, esses 35 camelos. Segun- Beremiz usou este fato da existência da sobra,
do a vontade expressa de meu pai, devo receber a para fazer uma partilha perfeita e sair lucrando,
metade, o meu irmão Hamed Namir uma terça sem prejuízo das partes.
parte e ao Harim Namir, o mais moço, deve tocar
apenas a nona parte. Como fazer a partilha se a Beremiz recorre aos numerais para fazer a partilha
metade, a terça parte e a nona parte de 35 não são dos camelos. Numeral é a palavra que indica
exatas? quantidade de seres (ou coisas) e a posição ou
É muito simples, atalhou o Homem que Calculava. ordem que eles ocupam numa seqüência ou série.
Encarrego-me de fazer, com justiça, essa divisão, Os numerais classificam-se em:
se permitirem que eu junte aos 35 camelos da he- a) Cardinais – indicam o número ou quantidade:
rança este belo camelo que, em boa hora, aqui Somos irmãos – esclareceu o mais velho – e
nos trouxe! Vou fazer a divisão justa e exata dos recebemos como herança, esses trinta e cinco
camelos que são agora, como vêem, em número camelos.
de 36. b) Ordinais – indicam ordem ou posição numa se-
E, voltando-se para o mais velho, Beremiz assim qüência: Ex.: Ao mais moço deve tocar apenas a
nona parte.
falou:
c) Multiplicativos – indicam o número de vezes pelo
Deverias receber a metade de 35, ou seja, 17 e qual uma quantidade é multiplicada: Ex.: O ho-
meio. Receberás a metade de 36, ou seja, 18. mem queria receber o dobro de camelos que seu
Nada tens a reclamar, portanto, pois saíste lucran- irmão recebeu.
do com esta divisão! d) Fracionários – indicam o número de vezes pelo
E tu, Hamed Namir, deverias receber 1/3 de 35, isto qual uma quantidade é dividida: Ex.: Vais receber
é, 11 e pouco. Vais receber 1/3 de 36 que é igual 1/3 (um terço) de 36 que é igual a 12.

86
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Observe o quadro de classificação dos numerais:


CARDINAIS ORDINAIS MULTIPLICATIVOS FRACIONÁRIOS
um primeiro ******************* *******************
dois segundo duplo, dobro, dúplice meio, metade
três terceiro triplo, tríplice, trino terço
quatro quarto quádruplo quarto
cinco quinto quíntuplo quinto
seis sexto sêxtuplo sexto
sete sétimo sétuplo sétimo
oito oitavo óctuplo oitavo
nove nono nônuplo nono
dez décimo décuplo décimo
onze décimo primeiro undécuplo onze avos
doze décimo segundo duodécuplo doze avos
treze décimo terceiro ******************* treze avos
quatorze/catorze décimo quarto ******************* quatorze avos
quinze décimo quinto ******************* quinze avos
dezesseis décimo sexto ******************* dezesseis avos
dezessete décimo sétimo ******************* dezessete avos
dezoito décimo oitavo ******************* dezoito avos
dezenove décimo nono ******************* dezenove avos
! vigésimo
vinte vigésimo ******************* ! vinte avos
! vinte e.....avos
! trigésimo
trinta trigésimo ******************* ! trinta avos
! trinta e.....avos
! quadragésimo
quarenta quadragésimo ******************* ! quarenta avos
! quarenta e.....avos
! qüinquagésimo
cinqüenta qüinquagésimo ******************* ! cinqüenta avos
! cinqüenta e.....avos
! sexagésimo
sessenta sexagésimo ******************* ! sessenta avos
! sessenta e.....avos
! septuagésimo
setenta septuagésimo/setuagésimo ******************* ! setenta avos
! setenta e.....avos
! octogésimo
oitenta octogésimo ******************* ! oitenta avos
! oitenta e.....avos
! nonagésimo
noventa nonagésimo ******************* ! noventa avos
! noventa e.....avos

! centésimo
cem centésimo cêntuplo ! cento e.....avos

! ducentésimo
duzentos ducentésimo ******************* ! duzentos avos
! duzentos e.....avos
! trecentésimo
trezentos trecentésimo/tricentésimo ******************* ! trezentos avos
! trezentos e.....avos
! quadringentésimo
quatrocentos quadringentésimo ******************* ! quatrocentos avos
! quatrocentos e.....avos
! qüingentésimo
quinhentos qüingentésimo ******************* ! quinhentos avos
! quinhentos e.....avos
! sexcentésimo
seiscentos sexcentésimo/seiscentésimo ******************* ! seiscentos avos
! seiscentos e.....avos
! septingentésimo
setecentos septingentésimo/setingentésimo ******************* ! setecentos avos
! setecentos e.....avos
! octingentésimo
oitocentos octingentésimo ******************* ! oitocentos avos
! oitocentos e.....avos
! nongentésimo
novecentos nongentésimo/noningentésimo ******************* ! novecentos avos
! novecentos e.....avos
mil milésimo ******************* milésimo
milhão milionésimo ******************* milionésimo
bilhão bilionésimo ******************* bilionésimo
trilhão trilionésimo ******************* trilionésimo

87
UEA – Licenciatura em Matemática

Outros aspectos importantes sobre os numerais: A polêmica em torno da leitura


dos Numerais Fracionários
1. Numerais coletivos
Há uma divergência, ainda que velada, entre os
Indicam um conjunto de elementos de quanti-
gramáticos com relação à leitura dos numerais fra-
dade exata:
cionários.
Bíduo – período de dois dias.
Bimestre – período de dois meses.
Almeida (1989, p.159) explica: “Para a leitura dos
Centenário – período de cem anos.
fracionários observe-se: a) dir-se-á, no plural,
Decálogo – conjunto de dez leis ou preceitos morais.
meios, terços, quartos, quintos, sextos, sétimos,
oitavos, nonos; b) quando se tratar de 10 ou de
Decúria – período de dez anos.
potência de 10, o plural será décimos, centésimos,
Lustro – período de cinco anos.
milésimos, décimos milésimos, centésimos milési-
2. Numeral cardinal um e artigo indefinido um mos, milionésimos etc.; c) juntar-se-á a palavra
avos em qualquer outro caso: seis quatrocentos
Numeral cardinal um: avos (6/400), um dois mil avos (1/2000), dois três
! expressa quantidade; mil e cinco avos (2/3005).”
! só varia em gênero (um, uma);
Cunha & Cintra (1985, p. 366) aduzem: “Os
! não tem plural.
NUMERAIS FRACIONÁRIOS apresentam as for-
Artigo indefinido um: mas próprias meio (ou metade) e terço. Os demais
! expressa idéia vaga, indefinida; são expressos: a) pelo ORDINAL correspondente,
! varia em gênero (um, uma); quando este se compõe de um só radical: quarto,
! varia em número (uns, umas). quinto, décimo, vigésimo, milésimo etc.; b) pelo
A distinção é feita pelo contexto. CARDINAL correspondente, seguido da palavra
avos, quando o ORDINAL é uma forma composta:
3. Flexão dos numerais treze avos, dezoito avos, vinte e três avos, cento e
a) Cardinais: quinze avos.”
em gênero (um, dois, duzentos em diante) Sarmento (2000, p. 143) permite inferir, a partir do
em número (os terminados em –ão) quadro dos numerais apresentado em sua
b) Ordinais: gramática, que não compartilha da visão dos
em gênero e número (primeiro(a), primeiros(as)) gramáticos supramencionados, vez que propõe
c) Multiplicativos: esta leitura para os numerais fracionários: “meio
em gênero e número (aposta(s) dupla(s)) ou metade, terço, quarto, quinto, sexto, sétimo,
(jogo(s) duplo(s)) oitavo, nono, décimo, onze avos, doze avos, treze
invariáveis (valor de substantivo: o dobro, o triplo) avos, catorze avos, quinze avos, dezesseis avos,
d) Fracionários: dezessete avos, dezoito avos, dezenove avos, vin-
em número (concorda com o cardinal que o pre- te avos, vinte e um avos, trinta avos, dezenove
cede: um quinto, dois quintos) avos, quarenta avos, cinqüenta avos, sessenta
Atenção para o emprego de meio: avos, setenta avos, oitenta avos, noventa avos,
! como numeral: meio-dia e meia (hora) centésimo, ducentésimo, trecentésimo, quadrin-
! como advérbio: meio insegura gentésimo, qüingentésimo, sexcentésimo, septin-
gentésimo, octingentésimo, nongentésimo, milési-
4. Emprego dos numerais mo, décimo milésimo, centésimo milésimo, milio-
a) Ordinal até o décimo e depois o cardinal em: nésimo, bilionésimo.” Vê-se que, para Sarmento, a
século IX (século nono) leitura dos fracionários, a partir de 100, deve ser
Henrique VIII (Henrique oitavo) igual à dos ordinais.
João XXIII (João vinte e três) Pimentel (2002, p. 116), em sua obra Gramática
capítulo II (capítulo segundo) pela prática, apresenta, por meio de um exemplo,
b) Ordinal até o nono e, a partir de dez, o cardinal em: a seguinte leitura para 11/200: “Ela comprou onze
artigo VIII (artigo oitavo) ducentésimos da fazenda”. Daí se infere sua con-
artigo X (artigo dez) cordância com Sarmento.
c) Ordinal na indicação do primeiro dia dos meses: Pasquale & Ulisses (1998, p. 311) apresentam uma
Hoje é primeiro de fevereiro. solução conciliadora, assim argumentando: “Os
d) Escrita das horas: numerais fracionários propriamente ditos são meio
11h30min6s (onze horas, trinta minutos e seis (ou metade) e terço. Os demais são na verdade
segundos) expressos pelo ordinal correspondente (quarto,
11h30 quinto, centésimo, por exemplo) ou pelo cardinal
11:30h correspondente seguido da palavra avos: onze
e) Consideram-se numerais: zero, ambos e ambas. avos, doze avos, vinte avos, quarenta avos.”

88
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Diante dessa divergência, parece-nos mais sen- 3. Triplo e tríplice são numerais:
sato adotar a solução apontada por Pasquale & a) ordinal o primeiro e multiplicativo o segundo;
Ulisses, qual seja, a de aceitar a duas formas. b) ambos ordinais;
Dessa maneira, o numeral fracionário 1/200 pode c) ambos cardinais;
ser lido “um duzentos avos” ou “um ducentésimo”. d) ambos multiplicativos;
Isso sem entramos no mérito da discussão em e) multiplicativo o primeiro e ordinal o segundo;
torno da concordância de “avo” com o numerador 4. O ordinal quadringentésimo septuagésimo cor-
(1/200: um duzentos avo) ou com o denominador responde ao cardinal:
(1/200: um duzentos avos) a) quarenta e sete;
b) quarenta mil e sete;
ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática c) quatrocentos e setenta;
metódica da língua portuguesa. 36 ed. São Paulo: d) quatro mil e setenta;
Saraiva, 1989. e) nenhuma das alternativas acima.
CUNHA, Celso; CINTRA, Luís. Nova gramática do 5. Indicou-se corretamente o ordinal correspon-
português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova dente aos algarismos abaixo, em:
Fronteira, 1985. a) 349 = trecentésimo quadragésimo nono.
PASQUALE, Cipro Neto; INFANTE, Ulisses. Gramá- b) 684 = sexcentésimo octagésimo quarto.
tica da língua portuguesa. São Paulo: Scipione, c) 793 = setuagésimo nonagésimo terceiro.
d) 867 = octigentésimo sexagésimo sétimo.
1998.
e) 972 = nongentésimo setingentésimo segundo.
PIMENTEL, Ernani Filgueiras. Gramática pela práti-
ca. 6. ed. Brasília: VestCon, 2002.
SARMENTO, Leila Lauar. Gramática em textos.
1. ed. São Paulo: Moderna, 2000.

ESCREVENDO

1. Complete os espaços vazios, segundo o


modelo:
O dólar subiu duas vezes mais. (o dobro)
a) Cada quilo de grão produziu dez vezes mais.
b) Em condições mais favoráveis, os operários ren-
derão cem vezes mais.
c) Queria duas de cada cem sacas de café.
d) Seu lucro era de um por mil.
e) Pretendia nove partes entre cinqüenta da pro-
dução.
f) A seca estragou sete de cada dez alqueires da
plantação.
g) Treze entre vinte e cinco perfurações jorravam
petróleo.

2. Estabeleça a correspondência entre as duas


colunas, relacionando o numeral cardinal ao
ordinal correspondente:
(a) 91
(b) 901
(c) 55
(d) 505
(e) 704
(f) 74
( ) qüinquagésimo quinto
( ) qüingentésimo quinto
( ) nonagésimo primeiro
( ) noningentésimo primeiro
( ) setingentésimo quarto
( ) setuagésimo quarto

89
UEA – Licenciatura em Matemática

TEMA 26 TEMA 27
APREENDENDO APREENDENDO

O VERBO EMPREGO DE ALGUMAS PALAVRAS

O VERBO, palavra que afirma a existência de um Algumas palavras da língua portuguesa causam
atributo do substantivo, contrariamente ao nome, é preocupação em quem as escreve. São comuns
concebido de maneira dinâmica e traz em si a as dúvidas sobre o emprego do por que, por quê,
noção temporal. Classifica-se o verbo em Regular,
porque, e o porquê; ou quando usar onde ou
Irregular, Anômalo, Defectivo e Abundante. Os
chamados verbos auxiliares são utilizados para a aonde; ou ainda quando empregar mal ou mau,
conjunção dos tempos compostos (estou escre- ou mas ou mais. Estas são as mais comuns, mas
vendo; tenho de (que) ir. existem ainda o senão ou se não; a, há; a fim e
afim, etc.
Morfologicamente o verbo possui as flexões de:
Modo, Tempo, Número, Pessoa e Voz. As palavras por que ou porque, embora sejam
Conforme veremos a seguir, exceto a flexão de escritas com as mesmas letras, pertencem a clas-
número (singular e plural), as demais flexões do ses gramaticais diferentes. Ao fazermos uma per-
verbo são em número de três. gunta, usamos a preposição por e o pronome
! As conjugações: Estudar, Escrever, Distrair; interrogativo que. Se esta dupla vier no início da
! Os modos: Indicativo, Subjuntivo, Imperativo; pergunta, o que não será acentuado graficamente,
! As formas nominais: Infinitivo (Salvar), Gerúndio porém se vier no final da pergunta o mesmo rece-
(Salvando), Particípio (Salvado/Salvo); berá o acento circunflexo. Observe como Milton
! Os tempos: Hatoum os empregou no romance Dois irmãos:
– Presente – Estudo
– Pretérito ou (passado) Por que ele ficou tanto tempo no Líbano?
Imperfeito – Estudava Eu perguntava: Por quê? Para que tanto peixe?
Perfeito – Estudei
A dupla de palavras ainda pode vir, em frase, for-
Mais-que-perfeito – Estudara
mada pela preposição por e o pronome relativo
– Futuro
Do presente – Estudarei
que. Acompanha a exemplificação:
Do passado – Estudaria Esta é a direção por que devemos seguir.
Mais-que-perfeito – estudara
! As pessoas: 1.a, 2.a, 3.a do singular e do plural; A frase também poderia ser escrita da seguinte
! As vozes: forma:
– Ativa – O menino salvou o pássaro.
Esta é a direção pela qual devemos seguir.
– Passiva – O pássaro foi salvo pelo menino.
– Reflexiva – O pássaro salvou-se. O termo porque, dissílabo, aparece com con-
Ao refletirmos sobre o verbo, ficamos sabendo junção ao indicar uma causa, conforme os exemp-
que, além de indicar estado ou qualidade de um los encontrados na mesma obra de Milton:
nome ( a letra está bonita), exprime ação (escre-
ver) ou fenômeno da natureza (chover). Mas muita coisa do que aconteceu eu mesmo vi,
Enquanto o nome, segundo Luft, “exprime as reali- porque enxerguei de fora daquele pequeno mundo.
dades estaticamente, o verbo o faz dinamicamen- A cidade estava meio deserta, porque era tempo de
te” Ex.: O lápis caiu no chão. medo em dia de aguaceiro.
O substantivo é a classe de palavra mais impor-
tante dentre as categorias gramaticais; todavia, no Este porque também aparece como explicação e,
contexto frasal é o verbo que impera, que coman- normalmente, após um verbo no imperativo:
da a frase oracional e por este motivo os gramáti- Estude, porque o futuro exigirá muito de você.
cos latinos o chamaram Verbo, isto é, a palavra.
“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto O porquê, substantivo, vem precedido pelo artigo
de Deus e o Verbo era Deus”. Com este versículo e significa motivo ou razão. Acompanhe o exem-
São João inicia seu evangelho. plo retirado do artigo de Jorge Tufic sobre a obra
Veja o que escreveu Lobato em Emília no país da de Carphentier:
Gramática: “Depois dos substantivos são os ver-
bos as palavras mais importantes da língua. Só Em recente encontro com o poeta Max Carphentier,
com um nome e um verbo já podem os homens obtive, dele a explicação formal de “Tiara” e o
exprimir uma idéia. Eles formam a classe militar da porquê do metro setissilábico utilizado em “A coroa
cidade.” das águas”.

90
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Os pronomes interrogativos onde e aonde são Seu noivado desmanchou,


empregados em referência a lugar. O primeiro seu enxoval dispersou,
Acompanha qualquer verbo e não exige muito mas o noivo de Etelvina
cuidado para bem empregá-lo. O segundo, po- Nunca mais se conformou.
rém, deve ser usado com os verbos que exigem Percebemos que o mas indica oposição entre o
movimento, direção, tais como ir, levar, dirigir-se querer de Etelvina e o do noivo. Já o mais refere-
e outros. se a quantidade do tempo que o noivo não acei-
Reflita sobre os exemplos retirados do conto tou, isto é, nunca se conformou, nem com o pas-
Bumbá (GOMES, 1996, p. 5/9): sar dos dias.
Por onde o boi passava... Podemos ainda alegar que mas é sinônimo de
... logo possuía as ruas por onde passava. porém, contudo, todavia, no entanto. Na hora da
Ninguém soube nunca como nem por onde
dúvida é bom trocarmos por um destes elementos.
começou. E mais corresponde ao sinal de adição: quanto
mais eu estudo mais eu apreendo.
Várias eram levadas para muito além, aonde não
chegava a claridade das porongas e fogueiras. Sobre as expressões senão e se não podemos
informar que a primeira pode vir como substantivo:
O adjetivo mau, sempre escrito com a semivogal u o senão do livro, isto é, o problema do livro; ou
final é o oposto de bom. Se bem observarmos como conectivo: Estuda, senão não aprendes. As
estes antônimos não confundiremos o adjetivo palavras se não aparecem em frases que indicam
mau com o substantivo mal, que é o oposto condição: Se não chover, eu irei.
de bem, ou com o advérbio mal, indicador de Usamos o a, preposição e o há, verbo, em frases
tempo ou modo de agir. Vamos aos exemplos relativas a tempo. Para indicar passado: Há anos
retirados, respectivamente, dos primeiros tercetos que eu te espero. Para indicar futuro: Espero-te
dos poemas Soneto do lápis e Soneto da caneta- daqui a duas horas.
fonte da obra Frauta de barro do poeta Bacellar: Finalmente, as expressões a fim de e afim são
Multiplicando o teu mal usadas nestes dois casos. A primeira, muito co-
de reter no branco espaço mum na oralidade e na escrita, indica finalidade,
os breves sons que componho. objetivo e a segunda significa afinidade e é mais
comum no plural: Temos gostos afins. Não é de
Minha Pelikan, teu papo mais lembrar que em parágrafos conclusivos
transfunde a qualquer farrapo usamos, às vezes, a palavra enfim, ou seja, final-
de papel, quer bom, quer mau,... mente; porém ao final de uma comemoração po-
demos usar a expressão: Em fim de festa estamos
No primeiro exemplo, a palavra mal é o substanti- alegres e cansados.
vo, antônimo de bem. No segundo terceto temos
justamente os adjetivos bom e mal qualificando a
expressão “farrapo de papel”.
Acompanhe o uso do mal, advérbio: LENDO
Mal eles chegaram, a prova começou.
Crepúsculo
Este exemplo poderia ser dito ou escrito assim: Astrid Caral

Logo que ou quando eles chegaram, a prova come- Por que esta ânsia de sobreviver
çou. assim se amoita no âmago de mim
sempre que as lerdas pálpebras da noite
Ao terminarem a avaliação perceberam que se baixam nas altas ramas com os morcegos?
saíram mal. Este último indica a maneira, o modo Por que o poente assim me abala o eixo
como eles foram na prova. e de fúnebre pompa alma me embrulha
O uso da adversativa mas e do advérbio de inten- tal qual mortalha um pouco prematura?
sidade mais, se valorizássemos as palavras em Por que me pesa suportar as trevas
suas cargas morfológica e semântica não deveria que o implacável fim do dia instaura
causar espanto, nos que escrevem em língua por- quando já estagiei em precipícios
tuguesa, por sua mera semelhança fonética. Todo saltando trampolins perto de abismos?
o problema do emprego dos dois termos está na Por que morrer me assusta e paralisa
aparência e não no conteúdo. Caso raciocinásse- se o que temo perder, de longe sei
mos, antes de escrevê-los, não os confundiríamos. nada tem de eldorado ou paraíso?
Acompanhemos, atentamente, a leitura da terceira (CABRAL, Astrid. Rasos D’Água.
quadra do poema Santa Etelvina, de Luiz Bacellar: Manaus: Valer, 2003, p.23)

91
UEA – Licenciatura em Matemática

Subsídios à Assembléia dos Bichos 2.


ou Canção de Esperança à Preguiça
Alcides Werk

Aonde vais, comadre Preguiça,


com essas braçadas olímpicas?
Necessário parlamentar de ecologia:
todos fazem isso. (A Crítica, 20/11/05)

Aonde vais, sem pressa nenhuma, 3.


ponderando os galhos?
O trabalho dos nossos Edis
Haverá tempo, ainda, para construírem
Malba Tahan ganhou notoriedade por seus
novos desertos no trópicos? famosos cálculos e projeções. Sendo a Matemá-
– É preciso levar questões assim à assembléia. tica uma ciência exata, demonstraremos com cál-
culos o quanto “trabalham” nossos nobres Edis.
Depois do homem,
Senão, vejamos: eles trabalham três dias por se-
alguém poderá matar os rios, mana (3.a, 4.a e 5.a), de 9h às 13h, portanto, quatro
poluir a chuva, horas por dia, 12 horas por semana e 48 horas por
proibir o orvalho? mês, terão trabalhado exatamente 2 dias no mês;
As sementes envolvidas, trabalhando 2 dias por mês, terão trabalhado 24
de reserva dias no ano; trabalhando 24 dias por ano, quando
– promessas de capoeira: é que os pobres coitados poderão tirar férias? Fi-
não demora, virão os lacres, camos muito preocupados porque o ano só tem
365 dias e seis horas. Nossa preocupação pro-
os muricis, as imbaúbas...
cede pois não sabemos como encaixar os 90 dias
A seu tempo, da terra crestada de recesso dos nobres Edis. Quem puder e quiser
brotarão novamente a acariquara, ajudar a solucionar este problema, favor enviar car-
a castanheira, o mogno, a preciosa tas para este matutino.
e todo um exército de gigantes companheiros, (ALMIRBARROS CARLOS. MANAUS-AM)
cumprimentando o céu (A Crítica, 15/11/05)
e protegendo a terra
e apascentando a vida. 4.
Missão Possível
Aonde flores, amiga,
leva, Benjamin Back
com tua tranqüilidade, Leão mostrou porque é considerado um treinador
meu desespero top. Pegou um time desacreditado limitado e fez o
e meu sonho. que quase ninguém acreditava: colocou o Palmei-
(WERK, Alcides. In Natura: Poemas para ras na Libertadores. E, se continuar no comando
a juventude. Manaus: Valer, 1999, p. 49/50) do Verdão, podem apostar que este time vai gan-
har títulos no ano que vem!
(Lance!, 05/12/05)

ESCREVENDO

Leia, atentamente, os textos que se seguem e


indique qual(is) possue(m) alguma(s) palavra(s)
grafada(s) incorretamente.
1.

(A Crítica, 08/12/05)

92
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

comuns entre nomes e verbos (rigor na relação de


TEMA 28
número e pessoa). Daí a classificação:
APREENDENDO
! Concordância Nominal – Os adjetivos ou palavras
adjetivadas (artigo, numeral, pronome) adaptam-
A CONCORDÂNCIA NOMINAL se modificando sua terminações para harmonizar-
se com o substantivo com o qual mantêm relação.
A língua é um código estruturado. Essa estrutura ! Concordância Verbal – O verbo é alterado para
está organizadamente disposta. Sem essa organi- harmonizar-se com o sujeito da oração.
zação, haveria sérios danos no processo de comu-
nicação. Por exemplo, a estrutura sintática da lín- Regras de Concordância Nominal
gua orienta que o adjetivo concorde com o subs- Regra geral – O artigo, o adjetivo, o pronome adje-
tantivo e que o verbo concorde com o sujeito. tivo e o numeral concordam em gênero e número
Ex.: “Garota bonita”, “Garoto bonito”; “Chegou com o nome a que se referem.
um menino”, Chegaram duas meninas”. Imagine
Exemplo:
se não houvesse essa orientação: frases como
Aqueles dois meninos estudiosos leram os livros
“A gente fomos” (que tanto incomoda os ouvidos!)
antigos.
e “Mamãe e papai chegou” (que tanto prejudica a
comunicação e fere padrões estéticos) estariam Alguns casos
adequadas. É bom frisar que, embora frases dessa
natureza sejam pronunciadas, a rigor, não há co- Quando temos um só adjetivo qualificando mais
mo estimular seu uso, pois ferem algo extrema- de um substantivo, podemos distinguir dois casos:
mente importante para a manutenção da língua
1. O adjetivo vem antes dos substantivos a que
que são as suas normas, coerentemente obedeci-
se refere – Nesse caso, o adjetivo deverá con-
das. Essas frases convertem-se, freqüentemente,
cordar com o substantivo mais próximo.
em motivo de estudo da Lingüística, que se ocupa
Exemplo: Tive má idéia e pensamento ou Tive
em observar a língua como fato social, mas não
mau pensamento e idéia.
são modelos das orientações desse código orga-
nizado que é a língua portuguesa. Com verbos que indicam estado ou qualidade
Os brasileiros compreendem a língua com uma (verbos de ligação), concorda com o substanti-
estrutura bastante peculiar. A atividade psíquica de vo mais próximo ou vai para o plural.
compreensão das mensagens decodifica as cons- Exemplo: Estava calmo o aluno e aluna ou
truções da seguinte forma: Estavam calmos o aluno e a aluna.
O = SJ (Adjuntos) + P (V + Complementos + Caso o adjetivo anteposto refira-se a nomes
Adjuntos). próprios, o plural será obrigatório.
O = oração (construção em que há verbo). Exemplo: As simpáticas Tereza e Zenóbia são
SJ = sujeito. irmãs.
P = predicado.
2. O adjetivo vem depois dos substantivos –
Nesse caso há duas concordâncias:
a) O adjetivo concorda com o substantivo mais pró-
ximo.
Exemplo: Encontramos um jovem e um homem
preocupado.
b) O adjetivo vai para plural, concordando com todos
os substantivos.
Exemplo: Encontramos um jovem e um homem
preocupados.
Embora haja outros padrões de mensagens, esse
Se apenas o último substantivo estiver qualificado,
é o mais comum e o mais eficiente na tarefa de o adjetivo concordará com ele.
comunicar. Exemplo: Comeu peixe e laranja madura.
Concordar é estabelecer laços harmônicos entre Quando se faz opção pela concordância no plural,
os termos que formam a oração. Na construção se pelo menos um substantivo for masculino, o
frasal que apresentamos anteriormente, deve adjetivo vai para o plural.
haver harmonia; em outros modelos de construção Exemplo: Encontramos uma mulher e um homem
também. Caso isso seja negligenciado, pode não preocupados.
haver comunicação. Essa harmonia configura-se Se o adjetivo vier ligado por verbos que indicam
da seguinte forma: pontos comuns entre nomes estado ou qualidade, o plural será obrigatório.
(rigor na relação de gênero e número) e pontos Exemplo: O aluno e a aluna estão reprovados.

93
UEA – Licenciatura em Matemática

Quando vários adjetivos determinam um único


substantivo, há duas possibilidades: TEMA 29
a) Estudamos os idiomas francês, inglês e italiano.
APREENDENDO
b) Estudamos o idioma francês, o inglês e o
italiano. A CONCORDÂNCIA VERBAL
3. As expressões é bom, é necessário, é proi- “Concordância é o processo sintático segundo o qual
bido certas palavras flexionáveis tomam as formas de gê-
Essas expressões geralmente não variam. nero, número ou pessoa correspondentes a palavra
Exemplos: ou palavras a que no discurso se referem.”
a) Aspirina é bom para dor de cabeça. (Said Ali)
b) É necessário paciência.
c) Bebida alcoólica é proibido para menores de 18 A combinação em número e pessoa do verbo com
anos. o sujeito, chama-se concordância verbal.
Se o sujeito vier antecedido de artigo (ou outro Acompanhemos as principais regras:
determinante) a concordância será obrigatória: 1. Sujeito composto – Verbo no plural:
a) A aspirina é boa para dor de cabeça. A chuva e o vento fizeram estragos.
b) É necessária muita paciência.
2. Verbo anteposto ao sujeito composto – Ver-
c) É proibido entrada de estranhos.
d) É proibida a entrada de estranhos. bo no singular ou plural:
Saiu Pedro e Antônio.
4. Anexo e incluso – As palavras anexo e incluso Saíram Pedro e Antônio.
concordam com o substantivo (ou pronome 3. Sujeito composto com pronomes pessoais –
substantivo) a que se referem. A 1.a pessoa prevalece sobre a 2.a e a 3.a, assim
Exemplos: como a 2.a prevalece sobre a 3.a:
a) Segue anexo o livro. Eu e meus alunos sairemos a passeio.
b) Seguem anexos os livros. Tu e teu irmão saireis a passeio.
4. Sujeito composto formado por substantivos
ligados pela partícula ou – Se os dois prati-
carem a ação, verbo no plural; se apenas um,
verbo no singular:
João ou Pedro trabalharão na campanha.
João ou Pedro será eleito presidente.
5. Sujeito formado por pronomes indefinidos
que funcionam como aposto – Verbo no sin-
gular:
Sol, chuva, doenças, festas, nada disso deve atra-
palhar.
6. Os verbos dar, bater, soar concordam com o
sujeito. Caso este esteja ausente, concordam
com o numeral:
O relógio bateu 10 horas.
Na torre da igreja, bateram 10 horas.
7. Os verbos haver e fazer, respectivamente,
com o sentido de existir e tempo, são invariá-
veis (sujeito inexistente):
Há dois anos não te vejo.
Faz dois anos que não te vejo.
8. Os verbos transitivos diretos seguidos do
pronome se exigem a concordância com o
sujeito:
Conserta-se bolsa.
Consertam-se sapatos e bolsas.
9. A expressão um dos que leva o verbo para o
singular ou para o plural:
Ele era um dos que mais sofria.
Ele era um dos que mais sofriam.

94
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

10. As expressões é muito, é pouco, acompa- Ora, nesse catar feijão entra um risco:
nhadas de valores, medidas ou quantidades, o de que entre os grãos pesados entre
pedem o verbo no singular: um grão qualquer, pedra ou indigesto,
Dois mil reais era pouco para o nosso serviço. um grão imastigável, de quebrar dente.
Quarenta litros de combustível era suficiente para a Certo não, quando ao catar palavras:
viagem.
a pedra dá à frase seu grão mais vivo:
11. Palavra de sentido coletivo pede verbo no obstrui a leitura fluviante, flutual,
singular: açula a atenção, isca-a com o risco.
O casal saiu apressado. (MELO NETO, João Cabral de. Antologia Poética.
12. Os nomes plurais precedidos de artigos: Rio de Janeiro: José Olímpio/Sabiá, 1973)
Os Andes atravessam a América do Sul.
Se forem nomes de obras com o verbo ser, Texto III
aceitam-se singular ou plural: Estrelas
Os estatutos do homem é / são um poema de
Murilo Mendes
Thiago de Mello.
Há estrelas brancas, azuis, verdes, vermelhas.
Há estrelas-peixes, estrelas-pianos,
[estrelas-meninas,
LENDO Estrelas-voadoras, estrelas-flores, estrelas-sabiás.
Há estrelas que vêem, que ouvem,
Texto I
Outras surdas e outras cegas.
Eloqüência singular
Há muito mais estrelas que máquinas, burgueses
Mal iniciara seu discurso, o deputado embatucou: [e operários:
– Senhor presidente: não sou daqueles que... Quase que só há estrelas.
O verbo ia para o singular ou para o plural? Tudo
indicava o plural. No entanto, podia perfeitamente
ser o singular:
– Não sou daqueles que... ESCREVENDO
Não sou daqueles que recusam... No plural soava
melhor. 1. Releia o texto I e resolva a dúvida do deputado.
..................................................................................
2. Corrija, segundo a norma culta da língua, o
– Senhor presidente, meus nobres colegas! segundo verso do poema de João Cabral.
Resolveu arrematar de qualquer maneira. Encheu 3. Reescreva o poema de Murilo Mendes trocando
o peito e desfechou: o verbo haver pelo verbo existir.
– Em suma: Não sou daqueles. Tenho dito.
Houve um suspiro de alívio em todo o plenário, as
palmas romperam. Muito bem! Muito bem! O
orador foi vivamente cumprimentado.
(SABINO, Fernando. A companheira de viagem.
São Paulo: Círculo do Livro, 1965)

Texto II
Catar Feijão
João Cabral de Melo Neto

Catar feijão se limita com escrever:


joga-se os grãos na água do alguidar
e as palavras na folha de papel;
e depois, joga-se fora o que boiar.
Certo, toda palavra boiará no papel,
água congelada, por chumbo seu verbo
pois para catar esse feijão, soprar nele,
e jogar fora o leve e oco, palha e eco.

95
UEA – Licenciatura em Matemática

Sem os pronomes oblíquos são usados como


TEMA 30
transitivos diretos:
APREENDENDO
Esqueci a encomenda.
Lembrei a resposta.
A REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL 6. Obedecer – Este verbo é usado apenas com
regência indireta:
Bechara, citando Lázaro Carreter, informa que:
Obedecer ao pai, às leis, obedecer-lhe.
“Regência é ‘a relação necessária que liga entre si
duas palavras, de tal modo que uma dependa gra- 7. Pagar – Põe-se como direto a coisa e como indi-
maticalmente da outra’. reto a pessoa:
A palavra que rege, isto é, aquela de que depende o Paguei o pão ao padeiro.
complemento, se chama regente. O complemento se
diz regido ou regime de tal expressão regente. 8. Querer – Com o sentido de desejar é sempre
Os elementos fundamentais da regência são o verbo, transitivo direto:
o nome e a preposição. O termo regido por uma pre- Não o queremos conosco.
posição é normalmente um substantivo ou pronome:
O livro do menino. O livro dele.” Com o sentido de ter afeto, querer bem, é tran-
(BECHARA, Evanildo. Lições de Português sitivo indireto:
pela Análise Sintática. Rio: Grifo, 1976) Hei de querer-lhe como se fosse meu filho.

Acompanhemos a regência de alguns verbos:


1. Aspirar = respirar, sorver, absorver:
Aspirei o pó. LENDO
Como transitivo indireto, ganha o sentido de
pretender, desejar: Quem namora
Aspiro a um cargo.
Artur da Távola
2. Assistir = prestar assistência, ajudar:
O médico assiste o doente. Quem namora agrada a Deus. Namorar é a forma
bonita de viver o amor. Não namora quem cobra
Em sentido transitivo indireto (exige a
preposição a), significar ver, observar: nem quem desconfia. Namora, quem lê nos olhos
e sente no coração as vontades saborosas do
Assisti a um espetáculo.
outro.
Em sentido de morar, é intransitivo (exige a pre-
posição em): Namora quem se embeleza em estado de amor.
Assistimos em Manaus.
A pele melhor, o olhar com brilho de manhã.
Namora, quem suspira, quem não sabe esperar
3. Chamar – Na acepção de apelidar este verbo mas espera, quem se sacode de taquicardia e
aceita qualquer construção, sem ferir a norma timidez diante da paixão. Namora, quem ri por
culta da língua. Pode-se construir “chamei-o bobagem, quem entra em estado de música da
sábio” ou “chamei-lhe sábio” ou “chamei-lhe de Metro, quem sente frios e calores nas horas menos
sábio. recomendáveis.
No sentido de invocar, pedir que venha, cons-
Não namora quem ofende, quem transforma a
trói-se com objeto direto:
relação num inferno ainda que por amor. Amor às
Chama o Rei os senhores a conselho.
vezes entorta, sabia? E quando acontece, o feito
Ou com preposição por: pra bom faz-se ruim. Não namora quem só fala em
A filha chamava por ela. si e deseja o parceiro/a apenas para a glória do
4. Custar – Na acepção de “ser difícil, demorado, próprio eu. Não namora quem busca a compreen-
penoso”, este verbo só se emprega na terceira são para a sua parte ruim. O invejoso/a não namo-
pessoa: ra. Tampouco o violento!
Custou-me muito contê-los. (certo) Namorados que se prezam têm a sua música.
Custei muito para contê-los. (errado) E não temem se derreter quando ele toca. Ou, se
Custar-lhe-á muito fazer isso. (certo) o namoro acabou, nunca mais dela se esquecem.
Ela custará muito para fazer isso. (errado) Namorados que se prezam gostam de beijo, sus-
5. Esquecer/Lembrar – Estes verbos, quando re- piro, morderem o mesmo pastel, dividir a empada,
flexivos, pedem preposição: beber no mesmo copo. Apreciam ternurinhas que
Esqueci-me da encomenda. matam de vergonha fora do namoro ou lhes pare-
Lembrei-me da resposta. cem ridículos nos outros.

96
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Por falar em beijo, só namora quem beija de mil 4. Assinale a frase correta.
maneiras e sabe cada pedaço e gostinho da boca a) Devo interromper-lhe para fazer-lhe algumas per-
amada. Beijo de roçar, beijo fundo, inteirão, os guntas.
molhados, os de língua, beijo na testa, no seio, na b) Não posso atendê-lo agora, mas agradeço-lhe a
penugem, beijo livre como o pensamento, beijo na visita.
hora certa e no lugar desejado. Sem medo nem c) Autorizei-lhe a sair agora mesmo.
preconceito. Beijo na face, na nuca e aquele es- d) Se nossa conversa não atrapalha, sua irritação é
pecial atrás da orelha no lugar que só ele ou ela porque lhe impediram de entrar na sala.
conhece. 5. Assinale a frase incorreta.
Namora, quem começa a ver muito mais no a) Abraçou os amigos com carinho.
mesmo que sempre viu e jamais reparou. Flores, b) Deus assiste os infelizes.
árvores, a santidade, o perdão, Deus, tudo fica c) Chamam ao diabo de cão.
mais fácil para quem de verdade sabe o que é d) Esta é a primeira vez que o desobedeço, pois
namorar. Por isso só namora quem se descobre sempre lhe quis bem.
dono de um lindo amor, tecido do melhor de si
mesmo e do outro. Só namora quem não precisa 6. Assinale a alternativa com erro, se houver.
explicar, quem já começa a falar pelo fim, quem a) Sabemos que o impediram de entrar na sala, mas
consegue manifestar com clareza e facilidade tudo informo-lhe que sua inscrição foi aceita.
o que fora do namoro é complicado. b) Só não o chamaram de santo e ainda lhe dizem
que o amam.
Namora, quem diz: “Precisamos muito conversar”;
c) Avise o aluno de que a prova versará sobre todo
e quem é capaz de perder tempo, muito tempo, o conteúdo.
com a mais útil das inutilidades e pensar no ser
d) Todas estão corretas.
amado, degustar cada momento vivido e recordar
as palavras, fotos e carícias com uma vontade 7. Qual é a incorreta?
doida de estourar o tempo e embebedar-se de flo- a) Informei-o de nossos planos.
res astrais. Namora, quem fala da infância e da b) Informei-lhe nossos planos.
fazenda das férias, quem aguarda, com aflição, o c) Informei-lhe de nossos planos.
telefone tocar e dá um salto para atendê-lo antes d) Todas estão corretas.
mesmo do primeiro trim. Namora quem namora,
quem à toa chora, quem rememora, quem come- 8. Aponte a opção incorreta.
mora datas que o outro esqueceu. Namora quem a) Incumbiram-lhe das compras.
é bom, quem gosta da vida, de nuvem, de rio gela- b) Cientifique os candidatos das deliberações
do e parque de diversões. Namora, quem sonha, tomadas.
quem teima, quem vive morrendo de amor e quem c) Não vou comparecer à reunião de hoje.
d) Todas estão corretas.
morre vivendo de amar.
[12/06/1990] (Jornal O Dia) 9. Marque a incorreta.
a) O fiscal mora na Rua Santos Paiva.
b) Jamais perdoou aos que fugiram.
c) Sua falta implica rescisão de contrato.
ESCREVENDO d) Todas são corretas.
10. Qual dos itens está incorreto?
Exercícios:
a) Ela presidiu aos exames finais.
1. Assinale a incorreta. b) A secretária acedeu o convite.
a) Prefiro ficar aqui do que sair. c) Queremos muito aos nossos mestres.
b) Eles aspiram o ar puro do mar. d) Todas estão corretas.
c) Estas calças lhe servem bem.
d) Todos querem bem a seus pais. 11. Assinale a correta a opção:
a) Devemos, acima de tudo, visar ao bem do pró-
2. Onde há erro de regência?
ximo.
a) Esqueceram-lhe os compromissos. b) Não respondi, ainda, ao telegrama.
b) Nós lhe lembraremos o compromisso.
c) Não lhe assiste tal direito.
c) Eu esqueci dos compromissos.
d) Todas estão corretas.
d) Não me lembram tais palavras.
3. Indique a frase correta. 12. Assinale a alternativa incorreta.
a) Cheguei tarde a casa ontem. a) É dela a casa em que sempre vou.
b) Resido à rua da Independência. b) O resultado a que se chegou foi surpreendente.
c) Viso uma vida e um emprego melhor. c) Esta é a chave com que abrirei o cofre.
d) Trouxe o livro que você se refere. d) Todas estão corretas.

97
UEA – Licenciatura em Matemática

13. Apenas uma opção é incorreta. Qual?


TEMA 31
a) Abraçou-o.
APREENDENDO
b) Encontrou-o.
c) Obedeço-o
d) Respeito-o.
CRASE
14. Assinale a alternativa com erro de regência.
a) Alguns políticos têm hábitos com que não simpa- O acento grave ou acento indicador da crase é o
tizamos.
b) Analise o fato a que o povo se insurgiu.
que indica a fusão da preposição a com artigo a:
c) Este é o líder por cuja causa lutaste? a) João voltou à (a preposição + a artigo) cidade natal.
d) Um novo Plano Econômico implicará reações b) Os documentos foram apresentados às (a prep. + as
imprevisíveis. artigo) autoridades.

Dessa forma, percebe-se que não existe crase


antes de palavra masculina:
a) Vou a pé.
b) Andou a cavalo.
c) Comprou a prazo.
d) Bife a cavalo.
e) Agradeço a Deus.

O acento indicador da crase é usado:


1. Nas formas àquela, àquele, àquelas, àqueles,
àquilo, àqueloutro (e derivados):
a) Cheguei àquele (a + aquele) município.
b) Vou àquelas cidades da calha do rio Negro.
c) Referiu-se àqueles livros de matemática.
d) Não deu importância àquilo que lhe perguntavam.

2. Nas indicações de horas, desde que determi-


nadas:
Chegou às 8 horas, às 10 horas, à 1 hora.
A indeterminação afasta a crase:
Irá a uma hora qualquer.

3. Nas locuções adverbiais, prepositivas e conjun-


tivas. Eis algumas:
a) Às pressas.
b) Às vezes.
c) À noite.
c) À custa.
d) À destra.
e) À direita.
f) À esquerda.

4. Nas locuções que indicam meio ou instrumento


e em outras nas quais a tradição lingüística o
exija, como à bala, à faca, à máquina, à chave,
à vista, à venda, à toa.
5. Antes dos relativos qual e quais, quando o a ou
as puderem ser substituídos por ao ou aos:
Eis a moça à qual você se referiu.

6. Diante dos pronomes de tratamento senhora,


senhorita, dona e madama.
Estou disposto a contar tudo à senhora.

98
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

O acento grave, indicador da crase, não deve ser Usa-se crase facultativamente:
usado antes de: 1. Antes do possessivo no singular:
1. Nome masculino: Levou a encomenda a sua (ou à sua) tia.
Venda a dinheiro, caminhadas a esmo. 2. Antes de nomes de mulheres sem a determi-
Exceção: Existe a crase quando se pode suben- nação do aposto:
tender uma palavra feminina, especialmente Ele declarou-se a Joana (ou à Joana).
moda e maneira, ou qualquer outra que deter- Em geral, se a pessoa de quem se fala for ínti-
mine um nome de empresa ou coisa: ma, usa-se a crase; caso contrário, não.
Escrever à Machado de Assis. 3. Após a palavra até:
Foi até a porta (ou até à porta).
2. Verbo:
Até a volta (ou até à volta).
Passou a ver.
Começou a fazer.
Pôs-se a falar.

3. Entre substantivos repetidos: LENDO


Cara a cara, frente a frente, gota a gota, de ponta a
ponta. A crase em crise
4. Com pronomes pessoais e demonstrativos (ela, Deonísio da Silva
mim, esta, essa):
Pediram a ela que saísse. A crase, ao contrário de Minas, não está onde
Cheguei a esta conclusão. sempre esteve. Uma tropa de choque, composta
Disseram a mim coisas terríveis. de crases deslocadas, macula expressões, comu-
nicados, editais, informes e avisos, tornando-os
5. Com pronomes que não admitem artigo: estranhos ao espírito de nossa língua.
ninguém, alguém, toda, cada, tudo, você,
alguma, que, quem, nada, qualquer.
Isso não nos leva a nada.
Não diga nada a ninguém.

6. Com as formas de tratamento:


Escreverei a Vossa Excelência.

7. Distância não-determinada:
A polícia ficou a distância.
O navio estava a distância. Legiões de crases indevidas, somadas a outros
Ao se definir a distância, existe crase: erros em exibição, não teriam chegado aonde
chegaram sem encontrar resistência de ninguém,
O navio estava à distância de 500 metros do cais.
sejam redatores ou revisores, se o nível de nosso
A polícia ficou à distância de seis metros dos manifes-
ensino não tivesse caído tanto.
tantes.
Ao dar voto aos analfabetos em 1988, talvez os
8. Terra, quando a palavra significa terra firme: parlamentares estivessem de olho nos eleitos e
O marinheiro foi a terra. não nos eleitores. Pois não é possível que tantas
Nos demais significados da palavra, usa-se a sejam as autoridades que não percebam a derrota
crase: de nossa língua em tão abundantes amostras.
Voltou à terra natal. Afinal, por trás de todos os cargos que não são
Os astronautas regressaram à Terra. preenchidos por concurso público há alguém,
Este subirá à terra firme. eleito pelo povo, que em última instância é o prin-
cipal responsável por ter escolhido a quem esco-
9. Casa sem determinação (o lugar onde se lheu para ocupá-los. Um prefeito pode não saber
mora): direito o português, mas não é possível que sua
Voltou a casa. Secretaria da Educação seja dirigida por quem,
Che-gou cedo a casa. não apenas desconhece, como também desres-
Se a palavra estiver determinada, existe crase: peita a língua. Ou permite desrespeitos.
Voltou à casa dos pais. Um dos piores exemplos é dado nas placas
Iremos à Casa da Moeda. de trânsito, humilhando motoristas e passageiros.
Fez uma visita à Casa Branca. Os responsáveis por tais erros públicos estão

99
UEA – Licenciatura em Matemática

incorrendo em abusos e quem sabe pudessem ser


devidamente enquadrados. Não sei como é que o
ESCREVENDO
Ministério Público ainda não tomou providência
nenhuma. Afinal, a língua é patrimônio público, a
língua não foi privatizada. Talvez seja o caso de Após observar o emprego do acento indicador de
crase nos textos, retire o(s) desneces-sário(s) e
impetrarmos habeas-corpus que nos garanta o
coloque o(s) necessário(s).
direito de não cumprir leis, normas, determinações
e avisos mal escritos. 1.
“Rodovia Washington Luiz” e “Santa Engrácia à
20km” são placas com dois erros. Quem escreveu
tais palavras quis identificar a estrada e informar
que a localidade está a 20km do ponto em que foi
posta a placa. Aliás, rodovia é neologismo criado
pelo presidente Washington Luís (com “s” e não
com “z”), que estava na Presidência da República (Encarte publicitário. Espantalho pneus)
na famosa crise de 1929. Ele juntou duas palavras,
via e rodar, vindas do latim: via, caminho, estrada, 2. (Fuvest-SP) Um avião levanta vôo para ir da
e rotare, rodar, percorrer. É ele o autor da frase cidade A à cidade B, situada a 500 km de dis-
famosa, que resumia seu programa de governo: tância. Depois de voar 250 km em linha reta, o
“governar é abrir estradas”. piloto descobre que a rota está errada e, para
A crase desnecessária sobre o “a”, que no caso corrigi-la, ele altera a direção de vôo de um ân-
funciona como preposição, é um dos mais fre- gulo de 90°. Se a rota não tivesse sido corrigida,
qüentes exemplos conhecidos como hipercor- a que distância ele estaria de B após ter voado
reção ou ultracorreção. Em qualquer dos casos, a os 500 km previstos?
denominação gramatical é controversa.
Com efeito, hipercorreção e ultracorreção seme-
lham eufemismos que evitam o óbvio: identificar o
erro. Quem põe crase onde não deve, erra. Indo
além de onde deveria, vai a lugar errado. Os pre-
fixos “hiper” e “ultra”, presentes em outras pala-
vras, favorecem tal entendimento. Um hipermerca- (BIANCHINI,Edwaldo. Matemática: 7.a Série.
do vai além de um mercado ou de um supermer- 4 ed. São Paulo: Moderna, 1996, p. 180)
cado. De todo modo, sua essência é a mesma.
É um mercado. 3.
Com a crase sobre o “a”, não se dá o mesmo.
A crase indica contração de preposição com arti-
go, duas classes gramaticais diferentes.
Explico a abertura da coluna de hoje. Na crise da
renúncia do presidente Jânio Quadros, em 25
agosto de 1961, o escritor Otto Lara Resende,
autor de frases memoráveis, assim definiu a (Jornal A Crítica, 24/11/05)
posição do então governador Magalhães Pinto:
“Minas está onde sempre esteve”. 4.
E Ferreira Gullar fez curioso esclarecimento: “a
crase não foi feita para humilhar ninguém”. Mas, à
revelia de muitos, está humilhando os brasileiros
há muitos anos e a muitos quilômetros dos gabi-
netes. Às vezes, é dentro dos próprios palácios
que a crase, somada a outros erros grosseiros,
age como inimiga solerte conspurcando documen-
tos oficiais que atestam a ignorância dos reda-
(Jornal A Crítica, 26/11/05)
tores. Afinal, que autoridade pode revisar o pape-
lório que é obrigada a assinar todos os dias?
[02/FEV/2004] (Jornal do Brasil)

100
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Em Roma, no apogeu da literatura latina, temos o


TEMA 32 seguinte verso, do poeta Horácio: “nomina stulto-
APREENDENDO rum ubicumque sunt locorum”, ou seja, “os nomes
dos estultos estão escritos por toda parte”. Com
COLOCAÇÃO PRONOMINAL certeza, havia já na Roma Antiga a mania de pichar
pedras, muros e monumentos com o próprio no-
Os pronomes oblíquos átonos (me, te, se, lhe, o, me... Seriam pichações, como as de hoje, que se
a, nos e vos), em relação ao verbo, ocupam três registram em todos os países?
posições:
Não há dúvida, a comunicação através das
Próclise – Antes do verbo. pichações e dos grafitos tem tido papel importante
Ênclise – Após o verbo. na história e na cultura popular.
Mesóclise – No meio do verbo.
Grafitos são inscrições, pinturas e desenhos
Observemos o relacionamento verbo/pronome no toscos, traçados por pessoas geralmente não-
trecho do poema de Murilo Mendes: identificadas, em paredes, árvores e outras super-
“A palavra nasce-me fícies mais ou menos duras e utilizando lápis,
fere-me carvão, tintas, estiletes e outros objetos pontiagu-
mata-me dos, com a finalidade de transmitir mensagens aos
transeuntes ou usuários dos locais em que se
coisa-me
encontram gravadas. A palavra vem do italiano
ressuscita-me” “grafito” e tem origem greco-latina: “grafein” (es-
A estrofe nos apresenta o pronome oblíquo me crever) e “graphium” (gravado com estilete).
em caso de ênclise. Se quiséssemos, poderíamos Não obstante a difícil identificação dos escribas de
colocá-lo em caso de próclise: “A palavra me grafitos, tanto pelo estilo quanto pela insegurança
nasce”. Porém, se desejássemos usar a mesó- ortográfica, sintática e até pela dissimulação de
clise, teríamos que colocar o verbo no futuro do seus possíveis traços artísticos característicos
presente ou do pretérito: “nascer-me-á a palavra” quando utilizam desenhos, não há dúvida de que
ou “matar-me-ia a palavra”. sua maioria é constituída de pessoas e grupos sob
Conforme percebemos, a próclise, gramatical- pressão social, cujos conceitos, ideologias e
mente, exige uma justificativa (frases negativas, propósitos não encontram abrigo em outros veícu-
pronomes, advérbios, a palavra que,...); a ênclise los, seja por dificuldades individuais de elaboração
é a posição normal do pronome e a mesóclise é intelectual, quanto à linguagem, seja pelo custo de
usada, apenas no futuro, entre o infinitivo do verbo sua feitura, seja, ainda, pela própria essência da
e a terminação: mensagem, composição e caráter do público a
Ferir-me-á a palavra ou ferir-me-ia a palavra. que preferencialmente visam atingir. Enquadram-
se, portanto, nas categorias de grupos sociais
No Brasil, a linguagem coloquial não respeita as
marginalizados.
normas gramaticais. Segundo a gramática norma-
tiva, não devemos iniciar frases com pronomes
oblíquos átonos, mas o uso deles, em nossa fala,
é bastante comum: “Me ajuda aqui” é muito mais
suave que “Ajuda-me aqui”.
No entanto a língua padrão pede-nos que empre-
guemos corretamente os pronomes ao lado dos
verbos. Estudemo-los, pois, a fim de melhor em-
pregá-los.

LENDO

As primeiras pichações e grafitos...


(Luiz Beltrão. FolkComunicação)

Há milhares de anos, os homens primitivos regis-


tram sua presença através de rudes desenhos em
cavernas que eles habitaram... Seriam os primeiros
grafitos?

101
UEA – Licenciatura em Matemática

Por uma questão didática, é possível agrupar os


TEMA 33
sinais de pontuação da seguinte maneira:
APREENDENDO
1. Sinais usados para estabelecer pausas:
PONTUAÇÃO ! Vírgula [ , ] – Usada para pausa pequenas.
! Ponto-e-vírgula [ ; ] – Usado para pausas maiores
O texto escrito difere do texto oral por sua natureza que as marcadas pela vírgula e menores que as
marcadas pelo ponto.
estática. Ao escolher o texto escrito como forma de
! Ponto [ . ] – Usado para marcar pausas maiores.
comunicação, o falante de uma língua considera
Os falantes usam ponto parágrafo para estabele-
que alguns recursos expressivos como tom de
cer o fim dos parágrafos; e o ponto seguido para
voz, expressão facial, gestual etc. não poderão ser aquelas pausas maiores que se concentram no
usados. Assim, outro expediente deve ser usado. interior do parágrafo.
Embora a pontuação não consiga totalitariamente
substituir os recursos expressivos orais menciona- 2. Sinais usados para expressar entonação:
dos, ela pode se aproximar e muito do que se ! Dois-pontos [ : ] – Para seqüências, idéias
observa na língua oral; é ela, o expediente a ser que serão expostas.
usado no texto escrito para expor entonações, ! Ponto-de-interrogação [ ? ] – Usado para
pausas. perguntas diretas;
É célebre o sermão do Padre Antonio Viera, talvez ! Ponto-de-exclamação [ ! ] – Usado para de-
o mais expressivo orador sacro da língua por- monstrar inflexão de voz, intensificando a
tuguesa que aborda a ressurreição do Cristo morto expressão.
na cruz. As Sagradas Escrituras registram que
! Reticências [...] – Usada para marcar inter-
algumas mulheres foram no domingo, após dedi-
rupções, omissões, supressões; para realçar;
carem-se às suas práticas religiosas no Sábado,
para sugerir.
ao lugar em que fora sepultado Jesus. Depararam-
! Aspas [ “ ” ] – Usadas para marcar tran-
se com um anjo que lhes disse:
scrição de textos, de falas; usadas para
– Ressuscitou, não está aqui! realçar.
O famoso padre, em sua explanação, deslocou a ! Parênteses [ ( ) ] – Usado para indicar infor-
vírgula. Isso, evidentemente, modificou o texto mação adicional.
completamente.
! Travessão [ – ] – Usado para marcar falas,
– Ressuscitou não, está aqui. dar ênfase.
Ficou patente a intenção de Vieira: Caso fosse
essa a declaração do anjo, toda base da crença
cristão estaria arruinada. Brilhantemente o padre
enfatizou que a pontuação correta não deixava
LENDO
dúvida alguma: O Cristo ressuscitou, venceu a
morte!
A pontuação é, portanto, extremamente necessária Questão de pontuação
ao texto escrito. É ela a responsável pela “cadên-
cia” do texto. Possui um caráter pessoal. Embora Todo mundo aceita que ao homem
haja regras para o efetivo emprego da pontuação, cabe pontuar a própria vida:
alguns redatores, por força de suas intenções, pela que viva em ponto de exclamação
familiaridade com o processo redacional, optam (dizem: tem alma dionisíaca);
por atribuir a esses procedimentos um caráter
especial, pessoal. Clarice Lispector, escritora de viva em ponto de interrogação
procedência ucraniana, radicada no Recife, gosta- (foi filosofia, ora é poesia);
va de usar uma pontuação própria, sem inter-
viva equilibrando-se entre vírgulas
venção da gramática. Obviamente, para exercer tal
postura convém conhecer as recomendações da e sem pontuação (na política):
gramática normativa, uma vez que suas recomen-
o homem só não aceita do homem
dações buscam evitar ao máximo possíveis
choques semânticos (falta de compreensão). que use a só pontuação fatal:
O objetivo desse Manual é apresentar informações que use, na frase que ele vive
que levem o redator, no caso o professor de o inevitável ponto final.
Matemática, a se expressar convenientemente (MELO NETO, João Cabral de. Museu
usando os sinais de pontuação. de tudo e depois. Rio: Nova Fronteira, 1988)

102
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Querem cassar o ponto-e-vírgula


TEMA 34
Da mesma forma que a crase, o ponto-e-vírgula APREENDENDO
não foi feito para humilhar ninguém. Devido à difi-
culdade que a maioria das pessoas tem de lidar
A VÍRGULA
com ele, o P.-V. está sendo despachado para o
limbo, mas isso não é justo. Hoje só os legisla-
Segundo Pablo Neruda, o ato de escrever é fácil,
dores e alguns escritores transam bem com ele;
basta que comecemos com maiúscula e termi-
o resto foge dele como o quiabo do arroz.
nemos com o ponto. No meio devemos colocar as
A vírgula, irmã do P.-V., se salvou em parte (apenas idéias. E para que estas se tornem claras, muita
em parte), devido talvez à influência da expressão vez, é necessário usar a vírgula.
“uma vírgula” (“prometi, uma vírgula”; “disse, uma
vírgula”; etc.). Porque o que anda de vírgula nos Para quem conhece os fundamentos da sintaxe da
textos por aí é de engasgar leitor, principalmente língua portuguesa, torna-se relativamente fácil o
depois que uns propedeutas (a palavra é feia, mas uso da vírgula.
eles merecem) inventaram que todo advérbio tem A vírgula é usada para separar uma seqüência,
que vir entre vírgulas, mesmo na frase mais fluente; seja de palavras ou de frases, termos explicativos,
tanto que alunos hoje já perguntam: “Fessora, elementos circunstanciais deslocados e termos de
somente tem vírgula?” chamamento. As frases que vamos usar para ilus-
(VEIGA, José J. O almanach de trar os exemplos foram todas extraídas do volume
Piumhy. Rio: Record, 1988)
In Natura (1999) de Alcides Werk.

Usa-se a vírgula para:


1. Separar os elementos de uma seqüência de
ESCREVENDO palavras ou orações:
Que importam as terras caídas, as formigas, os
1. O texto abaixo está sem qualquer sinal de pon- humanos.
tuação. Pontue-o convenientemente. As pessoas passam velozmente,
Vou querer lasanha filhinha por que não pedimos fugindo do tédio,
tambaqui você gosta tanto de tambaqui gosto mas fugindo da vida,
quero lasanha a gente pede uma fritada bem ba- e não se cumprimentam.
cana de tambaqui tá quero lasanha papai não que-
ro tambaqui 2. Separar locuções explicativas: aliás, isto é, por
exemplo, ou melhor, quer dizer:
2. O texto abaixo constitui um testamento. Não
Os preços das frutas estão elevados, ou melhor, exor-
apresenta pontuação alguma. Há quatro interes-
bitantes.
sados na fortuna: a filha, o sobrinho, o alfaiate e
os pobres. Como advogado, você foi contratado 3. Separar as conjunções coordenativas mas,
pelos quatro interessados. Faça então, quatro porém, pois, portanto, todavia, no entanto, ou
testamentos, apenas alterando a pontuação do
... ou ...
original, de forma a atender o interesse de seus
clientes. As águas lavam tudo,
mas não lavam a si mesmas.
Deixo meus bens à minha filha não ao meu sobri-
nho jamais será paga a conta do alfaiate nada A cutia e a paca lamentam,
aos pobres pois te semearam, ...
A conjunção e aceita vírgulas quando aparece
várias vezes repetida, como nos polissíndeto, ou
quando une frases de sujeitos diferentes:
E serás novamente pura,
e a tartaruga virá guardar sua ninhada no teu seio.

4. Isolar as orações explicativas, isto é, as que


esclarecem o termo anterior:
A água,
que é mãe da vida
(antes pura, clara, doce),
passa aí prostituída, ...

103
UEA – Licenciatura em Matemática

5. Isolar palavras ou informações que exprimam Apresentação


circunstâncias. Se estas vierem deslocadas
para o início ou meio da frase e o período for Caro(a) estudante
longo, a vírgula torna-se necessária. Ao escrever este livro tive como objetivo despertar
À noite, encolhidos na rede, seu interesse pelo estudo da Matemática.
ouvíamos estórias dos mais velhos...
Para obter bons resultados leia com atenção
E a natureza, em cânticos de amor, procurando entender passo a passo o desenvolvi-
eleva a voz das aves ao Criador. mento da matéria apresentada.
Então, É natural que em determinados assuntos você
meu espírito pousará sobre ti, suavemente, encontre algumas dificuldades mas isso não deve
e ti amarei com simplicidade, ser motivo para desânimo. Nesse caso você
como antes. poderá contar com a valiosa colaboração de seu
professor que certamente trará soluções às suas
6. Separar o vocativo ou chamamento. Quando dúvidas.
nos dirigimos a alguém, nós os chamamos pelo Leia com vontade de aprender. Confie em sua
nome, apelido ou título: capacidade e será bem-sucedido(a)!
Tu, castanheira, mater dadivosa,
altaneira guardiã de nossas matas, Edwaldo Bianchini
não reages à sanha delinqüente (BIANCHINI, Edwaldo. Matemática: 7.a Série.
dos homens que te abatem com volúpia. 4 ed. São Paulo: Moderna, 1996, p. III)

7. Isolar o aposto. Este conhecido termo explicati-


vo fica normalmente entre vírgulas.
Régia flor
vitória-régia,
rainha do lago,
quando te vejo
desabrochada e nua
ao luar,
tenho ciúmes do jaçanã,
que passeia seu sonho de pássaro
sobre teu corpo.

ESCREVENDO

Pontue corretamente os textos A e B. O primeiro


precisa de onze vírgulas; o segundo, de quatorze.

A. 8 de Janeiro
Márcio Souza

Logo depois do Ano-novo encontrei o João Miguel


irmão mais novo do Germano meu amigo de infân-
cia embora fosse alguns anos mais velho e ele me
levou para uma reunião de negros e tapuias numa
casa do Largo da Memória onde o Zé Patriota um
negro liberto preto-mina da África doutrinava seus
iguais. Fiquei ali alguns minutos e procurei sair
sem despertar a atenção de ninguém pois senti
olhares e atitudes hostis. João Miguel que tinha
traços indígenas mas se vestia como guarda-livros
que era também atraía os mesmos olhares mas ou
não se importava ou fingia ignorar.
(SOUZA, Márcio. Revolta. Rio
de Janeiro: Record, 2005, p. 33)

104
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

A fixação do objetivo
TEMA 35
APREENDENDO Assunto: A televisão
Delimitação: A realidade na televisão
PRODUÇÃO DE TEXTO Fixação do objetivo: Mostrar que a televisão não
fornece uma reprodução fiel da realidade.
Revendo o conceito e processos de elaboração do
parágrafo Características e vantagens da fixação do objetivo
! Facilita a seleção das idéias e sua ordenação.
“O parágrafo é uma unidade de composição con-
! Indica o para quê escrever sobre determinado
stituída por um ou mais de um período, em que se assunto.
desenvolve determinada idéia central, ou nuclear, ! Oferece direção ao assunto.
a que se agregam outras, secundárias, intimamen- ! O texto se desenvolve em função do objetivo esta-
te relacionadas pelo sentido e logicamente decor- belecido.
rentes dela. ! Serve de controle de fidelidade do pensamento.
! Mantém o trabalho nos limites da linha escolhida.
As várias etapas do processo de construção do
! Auxilia na manutenção da unidade e da coerência.
parágrafo dissertativo
a) Escolha do tema. Elaboração da frase-núcleo ou tópico frasal
b) Delimitação do tema.
c) Fixação do objetivo. Assunto: A televisão
d) Elaboração da frase-núcleo ou tópico frasal (suas Delimitação: A realidade na televisão
diferentes feições).
Fixação do objetivo: Mostrar que a televisão não
e) Plano de desenvolvimento (seleção e ordenação
fornece uma reprodução fiel da realidade.
de idéias).
f) Elaboração do desenvolvimento (as várias formas Frase-núcleo ou tópico frasal:
de desenvolvimento). “A tevê, apesar de nos trazer uma imagem concreta,
g) Elaboração da frase de conclusão. não fornece uma reprodução fiel da realidade.”
Características e vantagens da elaboração da
A delimitação do tema frase-núcleo ou tópico frasal
“A delimitação do assunto, feita com adjuntos adno- ! Indica a delimitação do assunto e o objetivo que o
minais e adverbiais, não é capricho do autor. É uma dirige.
forma que lhe possibilita tratar do assunto com maior ! Encerra de modo geral e conciso a idéia-núcleo do
profundidade e eficácia. Permite-lhe total controle do parágrafo.
assunto.” ! Trata-se de um generalização que expressa uma
(Andrade/Medeiros. Curso de Língua Portuguesa.
opinião pessoal, um juízo, define ou declara algu-
ma coisa.
S. Paulo: Atlas, 1997, p.225)
! Trata-se de um raciocínio dedutivo.
Assunto: A televisão ! Constitui um meio eficaz de expor ou explanar
idéias.
Delimitação: A realidade na televisão ! Garante a objetividade, a coerência e a unidade do
Características e vantagens da delimitação parágrafo.
! Define o propósito do parágrafo e evita digressões.
! Torna o tema menos genérico. ! Funciona como um controle de fidelidade ao obje-
! As idéias passam por um processo de afunilamen- tivo fixado.
to. ! Mantém o parágrafo nos limites do objetivo fixado.
! Mais facilidade para controlar o assunto sobre o ! Facilita o resumo ou sumário de um texto.
qual se está escrevendo. ! Serve de orientação para o leitor.
! Melhor definição sobre quantidade e variedade ! Capta o interesse do leitor, prendendo-lhe a
das idéias. atenção.
! Melhor sintonia entre as escolhas e o conhecimen-
Plano de desenvolvimento das idéias
to/interesse do autor.
! Imposição de uma ordem ao assunto. a) A realidade apresentada pela tevê é resultado de
pontos de vista do:
! Estabelecimento dos limites do parágrafo.
– realizador;
! Possibilidade de tratar o assunto com maior pro- – produtor;
fundidade e eficácia.
– cameraman.
! Favorece a criação de idéias. b) O espectador não tem liberdade de escolher o que
! Mesmo assunto permite diferentes delimitações. vai ver.

105
UEA – Licenciatura em Matemática

Desenvolvimento – realizador;
– produtor;
“Uma reportagem de TV, com transmissão direta, é o
resultado de vários pontos de vista: 1) do realizador, – cameraman.
que controla e seleciona as imagens num monitor; b) O espectador não tem liberdade de escolher o que
2) do produtor, que poderá efetuar cortes arbitrários; vai ver
3) do cameraman, que seleciona os ângulos de filma-
Desenvolvimento:
gem; 4) finalmente, de todos aqueles capazes de
intervir no processo de transmissão. Por outro lado, “Uma reportagem de TV, com transmissão direta, é o
alternando sempre os closes (apenas o rosto de um resultado de vários pontos de vista: 1) do realizador,
personagem no vídeo, por exemplo) com cenas que controla e seleciona as imagens num monitor;
reduzidas (a vista geral de uma multidão), a televisão 2) do produtor, que poderá efetuar cortes arbitrários;
não dá ao espectador a liberdade de escolher o 3) do cameraman, que seleciona os ângulos de filma-
essencial ou o acidental, ou seja, aquilo que ele dese- gem; 4) finalmente, de todos aqueles capazes de
ja ver em grandes ou pequenos planos.” intervir no processo de transmissão. Por outro lado,
alternando sempre os closes (apenas o rosto de um
personagem no vídeo, por exemplo) com cenas
Características e vantagens do plano e do desen-
reduzidas (a vista geral de uma multidão), a televisão
volvimento não dá ao espectador a liberdade de escolher o
! Trata-se da explanação da idéia principal do pará- essencial ou o acidental, ou seja, aquilo que ele dese-
grafo contida na frase-núcleo. ja ver em grandes ou pequenos planos.”
! Trata-se da fundamentação, de maneira clara e
convincente, do objetivo fixado pelo autor. Conclusão:
! Trata-se da exposição dos pormenores que irá “Dessa forma, o veículo impõe ao receptor a sua
constituir o corpo do parágrafo. maneira especialíssima de ver o real.”
! Consiste na seleção e ordenação das idéias que (Muniz Sodré, A comunicação do grotesco)
irão dar seqüência à frase-núcleo.
Características e vantagens da frase conclusiva
! A seleção e ordenação das idéias são determi-
nadas pelo objetivo e constituem o plano de de- ! Retoma o objetivo fixado na frase-núcleo ou tópico
senvolvimento. frasal.
! O plano será o controle do desenvolvimento e evi- ! Recapitula conjunto de detalhes que fazem parte
tará a inclusão de detalhes desnecessários. do desenvolvimento.
! A divisão do assunto em parcelas torna o texto ! Reorganiza resumidamente, em uma frase, os
mais comunicativo. diversos aspectos da fase de desenvolvimento.
! Possibilita a expressão de uma idéia de cada vez. ! Apresenta implicações ou inferências da frase-
núcleo ou tópico frasal ou do desenvolvimento.
Elaboração da frase conclusiva
Expressões de transição que, de praxe, articulam o
“A conclusão do parágrafo consiste numa retoma- desenvolvimento à conclusão
da do objetivo expresso na frase-núcleo ou, ainda, ! Dessa forma, de acordo com isso, conseqüente-
numa recapitulação dos detalhes que compuse- mente.
ram o seu desenvolvimento. “Em outros termos, o ! Como conseqüência, em decorrência, portanto.
autor reorganiza resumidamente os diversos as- ! Então, assim, em síntese, em resumo, em con-
pectos da fase de desenvolvimento em uma frase clusão.
final, que fecha o texto.” Trata-se de “uma repre- ! Em suma, afinal, resumindo, concluindo, etc.
sentação sucinta ou geral do objetivo proposto na
Em síntese:
fase de introdução (frase-núcleo) e dos aspectos
“Ao escrever sobre determinado assunto, escrevemos
ou detalhes particulares explicitados na fase de
para atingir um objetivo, que deve estar presente em
desenvolvimento.” todo o texto: nas fases de introdução, desenvolvimen-
(Magda B. Soares e Edson N. Campos.Técnica
to e conclusão, permitindo que se construa uma
de redação. S. Paulo: Ao Livro Técnico, 1987, p.83)
unidade de composição escrita – um unidade organi-
zada de forma articulada, ou integrada. Esta unidade
Delimitação: A realidade na televisão. é organizada de forma que os seus elementos de
introdução, desenvolvimento e conclusão com-
Objetivo: Mostrar que a televisão não fornece uma portem-se como se fossem elos de uma corrente:
reprodução fiel da realidade. cada unidade ou cada peça depende das demais. A
Frase-núcleo ou tópico frasal: esta unidade de composição escrita a respeito de um
“A tevê, apesar de nos trazer uma imagem concreta, assunto particular, produzida para atingir um objetivo,
não fornece uma reprodução fiel da realidade.”Plano e estruturada por um conjunto de orações de intro-
de desenvolvimento das idéias: dução, desenvolvimento e conclusão, dá-se o nome
de parágrafo.”
a) A realidade apresentada pela tevê é resultado de (Magda B. Soares e Edson N. Campos. Técnica
pontos de vista do: de redação. S. Paulo: Ao Livro Técnico, 1987, p.85)

106
Comunicação e Expressão – Produção de Texto e Apoio Gramatical

Exercícios sobre a elaboração do parágrafo

Os temas sugeridos abaixo são bastante amplos.


Para se transformarem em bons parágrafos,
exigem alguma delimitação. Na hipótese de elabo-
rar um parágrafo sobre cada um deles, proponha
a sua delimitação, estabeleça um objetivo e ela-
bore uma frase-núcleo. Além dos sugeridos, pro-
ponha outros cinco temas.
1. A corrupção
2. A televisão
3. A poluição
4. O poder
5. O petróleo
6. Os políticos

107
BIBLIOGRAFIA

ALI, M. Said. Gramática Elementar da Língua Portuguesa. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1965;
ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática metódica da língua portuguesa. 28. ed. São Paulo:Saraiva, 1979;
ARNS, Paulo Evaristo. In: TELLES, Vinícius. Curso Prático de Redação e Gramática Aplicada. Curitiba:
BNL, 1984;
BACELLAR, Luiz. Frauta de Barro. 3. ed. Manaus: Calderaro, 1989;
BARBOSA, Rui. In GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: FGV, 1980;
BARBOSA, Severino Antônio M. & AMARAL, Emília. Escrever é desvendar o mundo: a linguagem criadora
e o pensamento lógico. Campinas: Papirus, 1987;
BECHARA, Evanildo. Lições de Português pela Análise Sintática. Rio: Grifo, 1976;
________. Moderna gramática portuguesa. 307. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001;
BIANCHINI, Edwaldo. Matemática: 7. Série. 4. ed. São Paulo: Moderna, 1996;
BOFF, Leonardo. Críticos e cuidantes. Jornal do Brasil, 23 de abril de 2004;
BRITO. Paulino de. Cantos Amazônicos. 3. ed. Manaus: Valer, 1998;
BUENO, Silveira. Gramática normativa da língua portuguesa. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 1968;
CABRAL, Astrid. Rasos D’Água. Manaus: Valer, 2003;
CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Lisboa: Editorial Verbo, 1972;
CARNEIRO, Agostinho Dias. Redação em construção. São Paulo: Moderna, 2001;
CARPHENTIER, Max. Nosso Senhor das águas. (O Cristo dos igapós). Manaus: GRAFIMA, 1993;
CARVAJAL, Frei Gaspar de. Relatório do novo descobrimento... São Paulo: Scritta; Embajada de España,
1992;
CITELLI, Adilson. O Texto Argumentativo. São Paulo: Scipione, 1994;
CRUZ, Oswaldo. Sobre o saneamento da Amazônia. Manaus: P. Daou, 1972;
CUNHA, Celso & CINTRA, Luís F. Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro:
Nova Fronteira, 1985;
DANTE, Luiz Roberto. Tudo é Matemática: ensino fundamental. Manual pedagógico do professor. São Paulo:
Ática, 2005;
FAULSTICH, Enilde L. de J. Como ler, entender e redigir um texto. Petrópolis: Vozes, 2003;
FIGUEIREDO, Luís Carlos. A redação pelo parágrafo. Brasília: Ed. Univ. de Brasília, 1999;
GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: FGV, 1980;
GOMES, Carlos. Mundo mundo vasto mundo. 2. ed. Manaus: EDUA, 1996;
GULLAR, Ferreira. Toda poesia. 5. ed. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1991;
HATOUM, Milton. Dois Irmãos. São Paulo: Companhia das Letras, 2000;
HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001;
INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto. São Paulo: Scipione, 1998, pág. 267;
LIMA, Rocha. Gramática normativa da língua portuguesa. 21. ed. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1980;
LUFT, Celso Pedro. Moderna gramática brasileira. 2. ed. Porto Alegre: Globo, 1978;
MARQUES REBELO. Cenas da vida brasileira. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1949;
MELO NETO, João Cabral de. Antologia Poética. Rio de Janeiro: José Olímpio/Sabiá, 1973;
MENDES, Murilo. Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997;
NOGUEIRA, Armando. A+A revista do lance. Ano 6, No. 274, 03 a 09/12/05;
OLIVEIRA, José Aldemir de. O coração da seca. A Crítica. 29/12/05;
PASSONI, Célia A. N. Redação: Teoria e prática. São Paulo: Núcleo, 1993;
PEREIRA, Gil Carlos. A palavra: Expressão e Criatividade. São Paulo: Moderna, 1997;
RAMOS, Graciliano. Infância. Rio de Janeiro/São Paulo: Record/Martins, 1975;
SABINO, Fernando. A companheira de viagem. São Paulo: Círculo do Livro, 1965;
SENA, Odenildo. A engenharia de construção do texto. Manaus: EDUA/FAPEAM, 2004;
________. Palavra, Poder e Ensino da Língua. Manaus: EDUA, 1999;
SILVA, Deonísio da. A crase em crise. Jornal do Brasil, 02 de fevereiro de 2004;
SOARES, Magda & CAMPOS, Edson. Técnica de redação. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1978;
SOUZA, Márcio. A capital do mormaço LXXXV. A Crítica, 04/12/05;
________. Revolta. Rio de Janeiro: Record, 2005;
TELLES, Tenório. Leitura e consciência. A Critica. 16/11/05;
TERRA, Ernani & NICOLA, José de. Redação básica. São Paulo: Scipione, 1997;
VEIGA, José J. O almanach de Piumhy. Rio: Record, 1988;
WERK, Alcides. In Natura: Poemas para a juventude. Manaus: Valer, 1999;

http://www.epoca.com.br

Jornais:
Folha de São Paulo, 24 de novembro de 2002, págs. 1/4
Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 21/03/93, pág. 6 (Estilo de Vida)
O Dia, 12 de junho de 1990, pág. 1 (caderno D)

Revistas:
ENEM, Ano II, no 2, INEP/MEC - 2002, pág. 27
IstoÉ/1750 – 16/04/2003, pág. 43