Você está na página 1de 103

2

Nelson Matos de Noronha


José Alcimar de Oliveira
Deodato Ferreira da Costa

Filosofia
da Ciência

Manaus 2006
FICHA TÉCNICA

Governador
Eduardo Braga
Vice-Governador
Omar Aziz
Reitor
Lourenço dos Santos Pereira Braga
Vice-Reitor
Carlos Eduardo S. Gonçalves
Pró-Reitor de Planej. e Administração
Antônio Dias Couto
Pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários
Ademar R. M. Teixeira
Pró-Reitor de Ensino de Graduação
Carlos Eduardo S. Gonçalves
Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa
Walmir de Albuquerque Barbosa
Coordenador Geral do Curso de Matemática (Sistema Presencial Mediado)
Carlos Alberto Farias Jennings

NUPROM
Núcleo de Produção de Material
Coordenador Geral
João Batista Gomes
Projeto Gráfico
Mário Lima
Editoração Eletrônica
Helcio Ferreira Junior
Revisão Técnico-gramatical
João Batista Gomes

Noronha, Nelson Matos de.


N852f Filosofia da ciência. / Nelson Matos de Noronha, José Alcimar de
Oliveira, Deodato Ferreira da Costa. – Manaus/AM: UEA, 2006. –
(Licenciatura em Matemática. 2. Período)

103 p.: il. ; 29 cm.

Inclui bibliografia

1. Filosofia. 2. Ciência – Filosofia. I. Oliveira, José Alcimar de. II.


Costa, Deodato Ferreira da. III. Título.
CDU (1997): 101.1

CDD (19.ed.): 100


SUMÁRIO

Palavra do Reitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07

UNIDADE I – Ciência, natureza e cultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09


TEMA 01 – O processo do conhecimento: natureza e cultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
TEMA 02 – Filosofia: a doxa (opinião) e a episteme (ciência) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
TEMA 03 – Filosofia da ciência: definição e estatuto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
TEMA 04 – Filosofia: suas condições e desafios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
UNIDADE II – Filosofia, ciência e técnica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
TEMA 05 – Filosofia e modelos do processo cognitivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
TEMA 06 – Ciência: o espírito científico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
TEMA 07 – Técnica, tecnologia e conhecimento instrumental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
TEMA 08 – Ciência e saber: as diversas expressões do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
UNIDADE III – A ciência na história: o mundo grego . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
TEMA 09 – Os sofistas e Sócrates: o homem como medida do saber . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
TEMA 10 – Platão: dialética do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
TEMA 11 – Aristóteles: o conhecimento pelas causas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
TEMA 12 – A ciência no período helenista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
UNIDADE IV – A ciência na história: o mundo medieval . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
TEMA 13 – A inflexão teocêntrica da razão: a ciência submetida pela fé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
TEMA 14 – Filosofia e ciência no período patrístico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
TEMA 15 – Filosofia e ciência na Escolástica: a inteligibilidade da fé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
UNIDADE V – A ciência na história: o mundo moderno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
TEMA 16 – Do geocentrismo ao heliocentrismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
TEMA 17 – A inflexão antropocêntrica da ciência moderna: humanismo renascentista . . . . . . . . . . . . . . . 55
TEMA 18 – Galileu Galilei: a linguagem matemática do livro da natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
TEMA 19 – Francis Bacon: a grande instauração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
TEMA 20 – René Descartes: a ordem e a medida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
TEMA 21 – John Locke: experiência e crítica ao inatismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
TEMA 22 – David Hume: o conhecimento como probabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
UNIDADE VI – A ciência na história: o Iluminismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
TEMA 23 – A ciência enciclopédica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
TEMA 24 – Rousseau e a crítica a idéia de progresso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
TEMA 25 – Kant e o esclarecimento (Aufklärung) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
TEMA 26 – Kant e a revolução copernicana na filosofia e na ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
UNIDADE VII – A ciência na história: os dilemas do mundo contemporâneo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
TEMA 27 – Hegel: o real é racional e o racional é real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
TEMA 28 – Comte: o otimismo da ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
TEMA 29 – Marx: a práxis e a construção do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
TEMA 30 – Nietzsche e a Gaia ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

UNIDADE VIII – O novos rumos e os desafios da ciência nos séculos XX e XXI . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

TEMA 31 – A teoria crítica: razão instrumental e razão emancipatória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91


TEMA 32 – Thomas Kuhn: o conceito de revolução cientifica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
TEMA 33 – O estruturalismo e as ciências humanas: a crise da razão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
TEMA 34 – Ciência, ética e ideologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
TEMA 35 – Por uma ciência interdisciplinar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
PERFIL DOS AUTORES

Nelson Matos de Noronha


Doutor em Filosofia – UNICAMP
Professor do Departamento de Filosofia - UFAM

José Alcimar de Oliveira


Mestre em Educação – UFAM
Professor do Departamento de Filosofia - UFAM

Deodato Ferreira da Costa


Mestre em Filosofia - PUC-SP
Professor do Departamento de Filosofia - UFAM
PALAVRA DO REITOR

A realidade amazônica, por si só, é um desafio à educação tradicional, aquela que teima em ficar arraigada
à sala de aula, na dependência única dos métodos triviais de ensino. A Universidade do Estado do
Amazonas já nasceu consciente de que o ensino presencial mediado é a única estratégia capaz de respon-
der aos anseios de um público que, por estar disperso, tem de ser atendido por projetos escudados em
dinamismo técnico-científico.

Assim, a Licenciatura Plena em Matemática, ancorada no Sistema Presencial Mediado, nasceu para ofere-
cer aos discentes as habilidades necessárias para que eles venham a construir seus próprios objetivos exis-
tenciais, estimulando-lhes a ousadia de aceitar o novo e de criar novas possibilidades de futuro, dando-lhes
uma visão multifacetada das maneiras de educar.

Os livros-textos em que o curso se apóia são produzidos com o rigor didático de quem sabe que a história
da educação, no nosso Estado, está sendo reescrita. Os agentes desse processo têm visão crítica e apos-
tam na formação de novos professores que saberão aliar inteligência e memória, não permitindo que o ensi-
no em base tecnológica ganhe a conotação de “um distanciado do outro”.

A autonomia de agir que cada um está aprendendo a conquistar virá, em breve, como resposta aos desafios
que se impõem hoje.

Lourenço dos Santos Pereira Braga


Reitor da Universidade do Estado do Amazonas
UNIDADE I
Ciência, Natureza e Cultura
Filosofia da Ciência – Ciência, natureza e cultura

de sua Metafísica, de que “todos os homens


TEMA 01 têm o desejo natural de conhecer, tal o indica
o amor aos sentidos” (1990, p. 04), é
necessário acrescentar que tal desejo, mais
O PROCESSO DO CONHECIMENTO: do que uma inclinação natural, é determina-
NATUREZA E CULTURA do pela necessidade de o homem produzir
sua existência. Por interagir com a natureza
por meio do trabalho, de “uma atividade vital
“Toda ciência seria supérflua se a aparên-
consciente”, que o diferencia “imediatamente
cia exterior e a essência das coisas coin-
da atividade vital animal” (MARX, 1984, p.
cidissem diretamente.”
156), o homem afirma-se positivamente como
(Marx) práxis, como prática que se pensa. Mais do
que um produto humano, racional, abstrato,
o conhecimento deita suas raízes no homem
Pensar o processo do conhecimento, a sua
enquanto existência prática, enquanto ativi-
constituição e o seu desenvolvimento, a sua
dade in-tencional.
filogênese e ontogênese, exige sempre
remover da consciência o que Bachelard
“O animal é imediatamente um com a sua
denominava de obstáculos epistemológicos
atividade vital. Não se distingue dela. É ela.
de base, aqueles obstáculos que, sob a for- O homem faz da sua atividade vital mesma
ma de preconceitos e prejuízos, fixam a con- um objeto do seu querer e da sua consciên-
sciência na doxa (opinião) e dificultam seu cia. Tem atividade vital consciente. Não é
acesso à episteme (ciência). No interior da uma determinidade com a qual ele conflua
imediatamente” (MARX, 1984, p. 156).
disciplina Filosofia da Ciência, ora oferecida
para o curso de Matemática, que, na obser-
vação de Granger, “foram, ao longo da Como expressão de seu ser cultural, o con-
história, os primeiros conhecimentos a atingir hecimento permite ao homem transpor o reino
o estatuto de ciência, no sentido em que o da necessidade e edificar o mundo da liber-
entendemos” (1994 p. 59), consideramos de dade. Igualmente como os outros animais, o
preliminar necessidade deslocar do campo homem nasce como um ser natural, e a biolo-
da metafísica para o campo da práxis o deba- gia é a primeira determinação de sua vida.
te sobre a questão do conhecimento, do con- Segundo Marx, “(...) a universalidade do ho-
hecimento em geral e da ciência em particu- mem aparece precisamente na universalidade
lar, da matemática inclusive. Noutros termos: que faz da natureza inteira o seu corpo
remover o obstáculo metafísico do conheci- inorgânico” (1984, p. 155). Tanto o animal
mento. quanto o homem atuam sobre a natureza. Mas
enquanto nos animais essa relação é una com
“A noção de obstáculo epistemológico pode
a natureza e por ela determinada, no homem
ser estudada no desenvolvimento histórico
do pensamento científico e na prática da
ela se dá pela diferenciação. O homem toma
educação” (Bachelard, 1996, p. 21). distância da natureza. Significa dizer: o homem
ob-jetiva a natureza, dela se distingue pelo tra-
Em que consiste o obstáculo metafísico do balho, atividade intencional, pela qual a
conhecimento? Consiste em atribuir a gêne- natureza é transformada em cultura. Dessa
se do conhecimento mais à idéia de uma relação transformadora, nasce o conhecimen-
razão abstrata, acima da história, do que à to. Co-nhecimento é mediação. A relação ani-
práxis, ao trabalho como atividade inten- mal x natureza é carente de mediação. No ani-
cional, por meio do qual o homem, historica- mal, não há objetivação da natureza: nasce,
mente, produz os meios de sua existência. A vive e morre sob a lei natural, submetido ao
despeito do que afirma Aristóteles no início reino da necessidade.

11
UEA – Licenciatura em Matemática

“No engendrar prático de um mundo objeti-


vo, no trabalhar a natureza inorgânica o
TEMA 02
homem se prova como um ser genérico
consciente (...)” (MARX, 1984, p. 156). O ani-
mal (a abelha, o castor, a formiga), ao con- FILOSOFIA: A DOXA (OPNIÃO)
trário, só produz unilateralmente e somente E A EPISTEME (CIÊNCIA)
o de que necessita, “(...) ao passo que o
homem produz mesmo livre da necessidade
física e só produz verdadeiramente sendo “Necessário é dizer e pensar que só o ser é;
livre da mesma (...)” (idem, 1984, p.157). pois o ser é, e o nada, ao contrário, nada é:
afirmação que bem deves considerar. Desta
via de investigação, eu te afasto (...) pois é
Pelo trabalho, o homem submete a natureza à
a ausência de meios que move, em seu
lei positiva da cultura. Conforme observa Marx,
peito, seu espírito errante.”
“o objeto do trabalho é portanto a objetivação
(PARMÊNIDES)
da vida genérica do homem (...)” (1984, p.
157). A natureza já não se afigura como uma
extensão imediata de sua existência, mas co- O percurso histórico e ocidental do conheci-
mo produto seu, objetivado, tanto intelectual mento vai encontrar, na filosofia pré-socrática
quanto operativamente num mundo criado pe- grega, a primeira e fundamental distinção entre
lo homem. O conhecimento, a ciência, a mate- duas formas de objetivação da realidade: a do-
mática, em seu percurso filo e ontogenético, xa (opinião) e a episteme (ciência). Essa duali-
dade cognitiva perdura até hoje, mesmo que
não são de ordem divina ou natural. Resultam
nem a doxa nem a episteme do mundo grego
antes do longo processo histórico e social, prá-
sejam as mesmas mais de dois milênios de-
tico-teórico, mediante o qual o homem come-
pois, porque nenhuma forma de conhecimen-
çou a objetivar-se a si mesmo e a natureza
to, por ser o conhecimento um produto social,
para aí edificar o mundo da liberdade. Mesmo
é imune às determinações do tempo e do es-
com os instrumentos mais rudimentares e nos
paço. Se a ciência atual olhar retrospectiva-
limites de uma consciência de si e da natureza
mente, encontrará, na ciência de ontem, ele-
ainda prevalentemente regida por estruturas mentos que hoje ela definirá como doxa (opi-
míticas, não tivesse o homem transposto o rei- nião). É muito da opinião (doxa) como tal defi-
no natural da necessidade e sobre ele objetiva- nida pelo atual olhar da episteme (ciência) já
do o mundo cultural da liberdade, sequer a na- foi visto como episteme pela ciência de ontem.
tureza poderia ser dita como tal, pois que lin-
No mundo grego, dentre os filósofos pré-so-
guagem não haveria para dizê-la.
cráticos, Heráclito e Parmênides foram os pri-
meiros a elaborar o mais antigo esboço do que
“A pesquisa científica é um aspecto, na ver-
hoje denominamos epistemologia, como teoria
dade o momento culminante, de um proces-
so de extrema amplitude e complexidade geral do conhecimento, na qual se estabeleceu
pelo qual o homem realiza sua suprema pos- a primeira distinção entre doxa e episteme.
sibilidade existencial, aquela que dá conteú-
do à sua essência de animal que conquistou
“A ciência é o último passo no desenvolvi-
a racionalidade: a possibilidade de dominar
mento espiritual do homem e pode ser con-
a natureza, transformá-la, adaptá-la às suas
siderada como a mais alta e mais caracterís-
necessidades. Este processo chama-se “co-
tica conquista da cultura humana. Produto
nhecimento” (PINTO, 1979, p. 13).
verdadeiramente tardio e requintado, só po-
derá desenvolver-se em condições especiais.
A própria concepção de ciência, em seu sen-
tido específico, inexistia antes do tempo dos
grandes pensadores gregos – antes dos pita-
goristas e dos atomistas, de Platão e de Aris-
tóteles” (CASSIRER, 1977, p. 325).

12
Filosofia da Ciência – Ciência, natureza e cultura

Embora a ciência pré-socrática tenha-se con- comparado a Deus, parecer-se-á a um símio,


stituído mais como ontologia (teoria do ser) do em sabedoria, beleza e todo o resto” (Fr. 83).
que epistemologia (teoria do conhecer), haja Enfim: a racionalidade heraclítica é dialética
vista a preocupação de explicar o constitutivo porque dialética é a estrutura do ser. Em Par-
primordial que possibilitou o surgimento de um mênides, ao inverso, a unidade do ser é a uni-
mundo organizado, a passagem do caos ao dade da identidade, porque nele a idéia de ser
cosmos, essa mesma ciência também já se vai exclui o não-ser, a oposição, exclui, portanto, a
ocupar da questão da verdade e da aparência, dialética. A racionalidade parmenídica é metafí-
da distinção entre a apreensão racional e a sica, como metafísica é a unidade que ele con-
apreensão sensível do mundo. Ambos, Herá- cebe entre ser e pensar, “pois pensar e ser é o
clito e Parmênides, vão defender a superiorida- mesmo”(Fr. 3); e “jamais se conseguirá provar
de do conhecimento racional (episteme) sobre que o não-ser é; afasta, portanto, o teu pensa-
o conhecimento sensível (doxa). Em seu séti- mento desta via de investigação (...)” (Fr. 7)
mo fragmento, Heráclito admite que “se todas (PARMÊNIDES, apud BORNHEIM, 1989, p.55).
as coisas se tornassem fumaça, conhecer-se-
ia com as narinas” (BORNHEIM, 1989, p. 36). “Os pré-socráticos distinguiam o que pode
Se o mundo pudesse ser reduzido ao que apa- ser percebido pelos sentidos – os fenôme-
rece ou parece ser, bastaria ao homem o co- nos, as aparências mutáveis das coisas, que
nhecimento sensível. Parmênides, um quase fundamentam as opiniões, a doxa – e o que
pode ser percebido pela inteligência – o ser,
contemporâneo de Heráclito, afirma a existência
as essências que definem a natureza das
de duas vias ou dois caminhos: o da verdade e coisas, seus princípios comuns e imutáveis,
o da opinião. O caminho da verdade conduz ao que fundamentam o conhecimento, a ciên-
ser, que é uno, imutável e perfeito. O caminho cia, a filosofia” (KÖCHE, 2005, p.35).
da opinião conduz ao não-ser, que efetivamente
não é, e só existe como aparência. Vista pelos olhos da Grécia antiga ou da atual
cultura tecno-científica, continua sempre pro-
“A ciência, tanto por sua necessidade de blemática a demarcação rigorosa de fron-
coroamento como por princípio, opõe-se teiras entre doxa e episteme, entre senso
absolutamente à opinião. Se, em determina-
comum e senso científico. Mesmo que distin-
da questão, ela legitimar a opinião, é por
motivos diversos daqueles que dão origem
tas, a fala da doxa e a fala da episteme igual-
à opinião; de modo que a opinião está, de mente habitam a consciência humana e de-
direito, sempre errada. A opinião pensa mal; frontam-se com o mistério do ser, sempre ir-
não pensa: traduz necessidades em conhec- redutível e maior que o alcance das mais di-
imentos” (BACHELARD, 1996, p. 18). versas formas de objetivação, da doxa à epis-
teme, da poética à razão operatória, do logos
O que difere a espisteme de Heráclito da de mítico-religioso ao logos noético-instrumen-
Parmênides, se um e outro defendem a unida- tal. As sombras não são exclusividade da
de do ser e a via racional como única e ver- doxa. Ainda que seja considerada a faculda-
dadeira via do conhecer? A diferença está nos de humana melhor distribuída, o bom senso
modos de compreensão que distintamente He- cartesiano não tem o monopólio das luzes,
ráclito e Parmênides elaboram sobre a unidade pois a razão produz igualmente luz e sombra.
do ser e sobre a racionalidade. A unidade do Comte pensava ter explicado o desenvolvi-
ser, em Heráclito, é a unidade do diverso, por- mento da consciência pela sucessão qualita-
que o ser é movimento, vir-a-ser: tudo muda e, tiva de três estados: o religioso, o metafísico
no mesmo rio, o homem nunca entra duas ve- e o positivo. Bachelard, ao substituir a tríade
zes. “A guerra é o pai de todas as coisas e de comtiana pelos estados concreto, concreto-
todos os reis” (Fr. 53); “o caminho da espiral abstrato e abstrato, imaginou ter encontrado
sem fim é reto e curvo, é um e o mesmo” (Fr. uma explicação muito mais exata e específica
59); “o mais belo símio é feio comparado ao para a formação do espírito científico. Mesmo
homem” (Fr. 82); “o mais sábio dos homens, plausíveis e verossímeis, as explicações de

13
UEA – Licenciatura em Matemática

um e de outro ainda não estabeleceram a li-


nha de certeza que separa a verdade do erro.
TEMA 03

“Quaisquer que sejam a segurança, exatidão e


certeza com que todos esses fios de relações FILOSOFIA DA CIÊNCIA:
se amarram e se tecem uns com os outros, o
DEFINIÇÃO E ESTATUTO
tecido resultante ficará sempre preso ao poder
da representação e às pretensões de uma
onipotência, a saber, as pretensões da repre-
sentação de poder ser cada vez toda e so- “O mundo das explicações e das razões
mente representação. Nesse sentido, tudo é não é o da existência. Um círculo não é
pensável a não ser a condição de possibili- absurdo, é perfeitamente explicável pela
dade da própria representação. E por que a rotação de um segmento de reta em torno
ressalva? – Porque, por e para poder represen-
de uma de suas extremidades. Mas tam-
tar, o que possibilita a representação, já não
bém um circulo não existe.”
pode ser representado. Ninguém pode pular a
própria sombra” (LEÃO, 1988, p. 12). (SARTRE)

A definição, qualquer que seja, limita sempre a


compreensão do que desejamos conhecer, e
não raro, exatamente porque define, termina
por conferir aparente simplicidade a realidades
complexas. Não podemos, no entanto, escapar
às definições; no máximo podemos problema-
tizá-las, porque a razão humana opera por con-
ceitos, define para conhecer, procede sempre
discursivamente. Não possui a prerrogativa da
intuição imediata das coisas, do ser enquanto
ser aristotélico ou da coisa em si (númeno) kan-
tiana. Esse proceder discursivo da razão é
igualmente constitutivo da razão filosófica e da
razão científica e, em decorrência disso, da
filosofia da ciência, disciplina de que ora nos
ocupamos. Iniciemos pela filosofia, para em
seguida nos atermos à filosofia da ciência.
Não é de pouca monta o que já se discutiu
sobre o que seja a filosofia, sua origem, seu
estatuto, sua utilidade. E o mais grave: nessa
discussão, o preconceito muitas vezes toma o
lugar do conceito. E o preconceito pode de
igual modo proceder da doxa e da episteme, o
que é ainda mais grave. Parece contra-senso,
mas existe preconceito cientifico contra a filo-
sofia. Ou pretensamente cientifico. Não são
poucos os que arrogam a si o direito de ques-
tionar: filosofia para quê? Seria justo também
perguntar: pensar para quê? É como se a ciên-
cia, do alto de sua arrogância positivista, pu-
desse prescindir do sempre necessário espíri-
to de dúvida e de incerteza.

14
Filosofia da Ciência – Ciência, natureza e cultura

dado mais, bem mais, na formulação de per-


“Pior que o simples desconhecimento, con-
tudo, é a ignorância potenciada de uma fal- guntas do que na elaboração de respostas.
sa certeza – o acreditar convicto de quem Afirma Jaspers que “é a demanda da verdade e
está seguro de que sabe o que desconhe- não a sua posse, que constitui a essência da
ce” (GIANNETTI, 1997, p. 11). filosofia” (1978, p. 14). A filosofia, o ato filosófi-
co, implica o conceito, mas a ele não é redutí-
Quando um matemático, um físico, um biólogo
vel. A propósito, observa Wittgenstein que “a
se questionam sobre a cientificidade, o estatu-
filosofia não é teoria, mas atividade” (1968, p.
to, os fundamentos, as implicações éticas, a
76). Significa dizer: a filosofia não é doutrina, é
constituiição, a aplicação das ciências de que
ação, é atividade reflexiva, é produção de sig-
se ocupam, mais do que questão de natureza
nificado, é busca de sentido.
matemática, física ou biológica, estão na ver-
dade entrando no campo da filosofia da ciên-
cia. O que é a ciência? Como se dá a produção “Muitos políticos vêm facilitado o seu nefasto
trabalho pela ausência de filosofia. Massas e
da ciência? O que torna científica uma teoria?
funcionários são mais fáceis de manipular
O que é paradigma científico? Há neutralidade quando não pensam, mas tão somente usam
na ciência? Qual o valor e o alcance objetivo uma inteligência de rebanho” (JASPERS,
de uma teoria? Essas questões são próprias 1976, p. 139).
da filosofia da ciência. E aqui vai um apelo filo-
sófico à ciência: caberá de direito ao matemáti- Para o preconceito, a filosofia é um saber inútil;
co, físico ou biólogo, desde que reconheça sua para o dogmatismo, é um saber inoportuno.
natureza filosófica, propor e tematizar essas Por isso, tanto um quanto outro são objetos de
questões. Um exemplo: uma filosofia da mate- enfrentamento da reflexão filosófica.
mática não se pode constituir exclusivamente
Se pensarmos a filosofia numa perspectiva me-
de proposições matemáticas. Se a ciência é o
ramente prática, como de resto opera a razão
objetivo formal da filosofia da ciência, a con-
instrumental, que deve proporcionar resulta-
strução desse objeto, enquanto objeto filosófi-
dos imediatos, ao ritmo das demandas utilita-
co, é tarefa mais filosófica que cientifica. Por
ristas e do crescente pragmatismo da cultura
fim: a cada ciência ou saber é de direito poder
capitalista, então ela será tida por inútil, ociosa,
construir seu objeto.
contraproducente. No entanto, e contraditoria-
“De novo tornou-se bem clara para mim a
mente, é aí que reside a sua utilidade: resistir à
impossibilidade de penetrar (na ciência) ditadura do útil, do retorno imediato, da gratifi-
sem a filosofia” (MARX apud FLICKINGER, cação imediata. A filosofia não tem pressa. Seu
1985, p. 14). Trecho de carta escrita ao pai trabalho é o trabalho paciente do conceito. He-
em 1837, aos 19 anos. gel considerava que, do ponto de vista do es-
pírito pensante, a filosofia deve ser considera-
Para aqueles que têm uma compreensão estre- da como o que de mais necessário existe. A
ita da ciência e pensam ser esta a única forma ciência, enquanto manifestação do espírito que
de objetivação verdadeira da realidade – por pensa, deve pensar-se, deve questionar a for-
que só à ciência caberia o acesso à verdade das ma e o conteúdo de suas representações. Se o
coisas –, a fraqueza da filosofia residiria em não fizer, já estará fazendo filosofia da ciência.
atingir ou formular conclusões universalmente
válidas e logicamente necessárias, cuja posse “Diante do real, aquilo que cremos saber
daria ao homem a certeza e a segurança de que com clareza ofusca o que deveríamos saber.
necessita. Mas a aparente e discutível fraqueza Quando o espírito se apresenta à cultura ci-
da filosofia talvez seja a sua maior força. Por não entifica, nunca é jovem. Aliás, é bem velho,
tomar as definições como algo acabado, irre- porque tem a idade de seus preconceitos.
tocável; por não limitar o conhecimento do mun- Aceder à ciência é rejuvenescer espiritual-
mente, é aceitar uma brusca mutação que
do, sobre tudo do mundo humano, às con-
contradiz o passado” (BACHELARD, 1996,
clusões formuladas pelas diversas ciências, a p. 18).
filosofia configura-se como forma de saber fun-

15
UEA – Licenciatura em Matemática

Em que consiste o estatuto da reflexão filosófi-


ca sobre a ciência? O que distingue a filosófica
TEMA 04
da ciência? É vasto o campo de reflexão da
filosofia. Ao contrário do discurso das ciências,
que se ocupa de objetos devidamente delimi- FILOSOFIA: SUAS CONDIÇÕES
tados e construídos, a filosofia não se define E DESAFIOS
por ter um objeto próprio ou por se ocupar
deste ou daquele objeto. O conhecimento filo-
sófico caracteriza-se menos por seus possíveis “O pensamento é, pois, a negação do
objetos de reflexão do que pelo modo como espaço natural da vida. Por exemplo, a cri-
efetivamente reflete sobre eles. O conhecimen- ança existe como homem, mas ainda de
modo imediato, natural; a educação é a
to filosófico carece de objeto formal, o que não
negação dessa conduta natural, é a disci-
ocorre com as ciências. Mas na filosofia carên-
plina que o espírito se impõe para elevar-
cia é também excesso, pois, em rigor, tudo po-
se acima de sua imediatidade. Assim,
de ser pensado como objeto filosófico: a vida e
também, o espírito pensante, começando
a morte, o amor e o ódio, a ciência e o senso como movimento, reveste inicialmente sua
comum, a liberdade e a necessidade, a von- forma natural; em seguida, tornando-se
tade e a representação. O filósofo Immanuel reflexivo, supera essa forma, nega-a, e
Kant afirma que o campo de preocupação da enfim compreende, se realiza”
filosofia pode ser compreendido a partir de (HEGEL).
quatro perguntas fundamentais, a cada uma
correspondendo uma área do saber filosófico:
a primeira pergunta é o que posso conhecer? Mesmo que o saber filosófico não se defina
E dela se ocupa a teoria do conhecimento; a como ciência, tomada esta em sua acepção
segunda pergunta é o que devo fazer? E a ela moderna, constituída a partir dos séculos XVI-
corresponde a ética ou a filosofia moral; a ter- XVII, não significa dizer, como quer a interpre-
ceira pergunta é o que me é permitido esperar? tação preconceituosa, que a filosofia seja um
Que diz respeito à filosofia da religião. A quar- conhecimento carente de rigor, de sentido e de
ta e última pergunta que, conforme Kant, re- fundamentos. A despeito de seus detratores e
sume as três precedentes, é o que é o ho- de um recorrente uso não-filosófico da filoso-
mem? – que é objeto da antropologia filosófica. fia, vale sempre lembrar que essa forma de sa-
ber consolidou-se como uma das mais fecun-
“Nunca se protele o filosofar quando se é
das, instigantes e inventivas criações do espíri-
jovem, nem canse o fazê-lo quando se é to da história ocidental. Sem a filosofia, o Oci-
velho, pois que ninguém é jamais pouco dente carece de sentido. Longe dessas linhas
maduro nem demasiado maduro para con- qualquer legitimação ideológica das teses do
quistar a saúde da alma. E quem diz que a “milagre grego”. A filosofia, tal como se consti-
hora de filosofar ainda não chegou ou já
tuiu no mundo ocidental, é sempre filha de seu
passou, assemelha-se ao que diz que ainda
não chegou ou já passou a hora de ser feliz” tempo e de outros tempos. Essa aí é do Hegel,
(EPICURO, 341-270 a.C.). em parte.
O conhecimento filosófico, como de resto todo
conhecimento que se afirma – ao tomar de em-
préstimo um conteúdo kantiano – como ex-
pressão esclarecida da saída do homem do es-
tado de menoridade cognitiva e ética, pres-
supõe algumas condições básicas em seu pro-
cesso de constituição. Sobre essas condições,
que apresentamos em número de sete, discor-
reremos nos sete parágrafos seguintes.

16
Filosofia da Ciência – Ciência, natureza e cultura

A condição da crítica. É a primeira e funda- atender a pelo menos duas exigências lógicas.
mental condição da filosofia. Hegel compre- A primeira, de ordem formal, concerne à cons-
ende-a como “a coragem da verdade e da fé tituição interna do discurso, à sua estrutura
no poder do espírito”. Pensar criticamente é lógico-conceitual. Ou seja, trata-se da exigên-
pensar contra os preconceitos, é questionar o cia do discurso correto. O que ainda não é
estabelecido, é pôr em duvida as certezas de tudo. É necessário, mas não suficiente. Afinal,
uma razão por demais segura de si, é ultra- é possível mentir ao se falar corretamente. Daí
passar as evidências e as crenças constitutivas ser imprescindível ao rigor da filosofia uma se-
do senso comum. Sem atitude crítica, não há gunda exigência lógica, de ordem dialética,
filosofia digna desse nome. Não é próprio da não mais relativa somente à ordenação interna
filosofia tomar as coisas pela aparência, pelo do discurso, mas à relação deste com a reali-
que se apresenta como óbvio e inquestionável. dade. Não basta que o discurso seja correto, é
Ao pensar o ser – e o ser, conforme Aristóteles, necessário que ele se faça verdade, isto é, que
pode ser dito de diversas formas – a filosofia possa objetivar o real, torná-lo legível e inte-
quer pensá-lo radicalmente, em seus funda- ligível por meio de categorias e conceitos ho-
mentos constitutivos. O pensamento verda- nesta e corretamente articulados e submetidos
deiramente crítico é sempre radical. E ser radi- aos critérios do verdadeiro. Não há caminho
cal, conforme sábia observação de Marx, “é fácil para a filosofia. Quem dela quer cuidar
tomar as coisas pela raiz. Ora, a raiz, para o não pode abrir mão do rigor, da paciência e da
homem, é o próprio homem” (1984, p. 19). continuidade no esforço reflexivo.
A condição da verdade. A grande – e por A condição da totalidade. Trata-se de outra
demais otimista – pretensão da ciência no sé- condição indispensável à filosofia em sua tare-
culo XIX foi a de crer que o discurso sobre a fa de compreender e significar a realidade. A
verdade era monopólio do conhecimento cien- totalidade é sempre síntese de múltiplas deter-
tifico. E a configuração positivista da ciência foi minações. Para o senso comum, a realidade
a que levou mais a fundo essa crença. Para o nada mais é do que uma justaposição aleatória
positivismo, o acesso à verdade era prerrogati- e empírica de fenômenos. A condição da tota-
va da ciência, e fora da ciência não havia ca- lidade exige que a reflexão filosófica, ao se
minho legítimo de objetivação do ser. Como da debruçar sobre a realidade, atenda ao princi-
classificação positivista da ciência a filosofia pio dialético de que tudo se relaciona, de que
fora excluída, excluída também fora do con- tudo se condiciona. Conforme Karel Kosik, “a
hecimento da verdade. Ora, a questão da ver- compreensão dialética da totalidade significa
dade é por demais complexa e problemática não só que as partes se encontram em relação
para ser tratada exclusivamente pela ciência, e de interna interação e conexão entre si e com
menos ainda por uma ciência de feição posi- o todo, mas também que o todo não pode ser
tivista. A filosofia, como as demais formas de petrificado na abstração situada por cima das
conhecimento, constitui-se também em via partes, visto que o todo se cria a si mesmo na
possível e legítima de busca e de expressão da interação das partes” (1976, p. 42). Por isso,
verdade. Não de uma verdade absoluta, abs- enquanto objeto de compreensão dialética, a
trata, mas de uma verdade mediada pelo co- totalidade é sempre totalidade concreta.
nhecimento historicamente constituído e dis-
A condição da historicidade. Diante da ideolo-
ponível. Porque para a filosofia a verdade só
gia pós-moderna, que se constitui no interior do
pode ser pensada no horizonte da história.
capitalismo neoliberal e cujas características
A condição do rigor. Muitos há que pensam são, dentre outras, a de ser um discurso ne-
ser a filosofia uma forma refinada ou dissimula- gador de referenciais, refratário às determina-
da do senso comum, de tal modo que qual- ções de natureza ontológica, histórica, social,
quer forma de devaneio revestido de retórica, política e sobretudo ideológica, torna-se sobre-
de falsa seriedade, pode ser tomado por filo- modo imprescindível explicitar na reflexão filo-
sofia. Para a filosofia, a condição do rigor deve sófica – tanto quanto na reflexão filosófica

17
UEA – Licenciatura em Matemática

sobre a ciência – a condição da historicidade. tista. Pode até ser ambos, ou nenhum deles. A
Filosofia e ciência são produções históricas. sabedoria é a ciência com consciência, o que
Ocorre que a ideologia pós-moderna é a ideo- na sábia referência agostiniana apresenta-se
logia da recusa ideológica e do fim da história. como “medida da alma”. A ciência que não
A civilização do capital converte a cultura em pensa os seus fundamentos, seus limites, que
barbárie sob a forma de semicultura. Recorre não reflete sobre seus fins e meios, não é
ao mecanismo de dispersão da razão e do digna desse nome. Por sua vez, se a filosofia
tempo para neutralizar qualquer idéia de proje- não reconhece na ciência uma expressão obje-
to histórico. O seu pragmatismo, que reduz o tiva da razão, capaz de proporcionar aos
tempo à urgência, mutila a vontade, conver- homens os indispensáveis meios para o apri-
tendo-a na exterioridade de uma vida reificada moramento de suas vidas em âmbito pessoal e
pelo caráter heterônomo de um desejo igual- coletivo, corre o risco de se transformar num
mente reificado. Não há progresso histórico exercício meramente retórico, em vazia abs-
sem projeto, sem utopia. A história é também o tração metafísica. Filosofia e ciência devem
campo aberto do ensaio permanente da au- encontrar sua medida na sabedoria.
tonomia, da coragem de ousar e do criativo
exercício da liberdade pessoal e coletiva.
A condição do contraditório. Constitutivo fun-
damental do pensamento dialético, o princípio
da contradição inscreve-se na própria gênese
do pensamento filosófico. Para Heráclito, cuja
teoria do ser se fundamenta na unidade do
diverso, é a contradição que dá origem e move
todas as coisas. Nada na realidade é, tudo está
sendo. O real é o vir-a-ser. Se no interior da rea-
lidade natural e humana não coexistissem for-
ças em permanente estado de oposição e atra-
ção, transformação alguma seria possível. A
contradição habita o interior do próprio ho-
mem. Ele é síntese de múltiplas determina-
ções: biológicas, sociais, históricas, culturais,
econômicas, psicológicas. Nada progride line-
armente. As crises, por exemplo, são momentos
em que a contradição se torna mais aguda, com-
portando igualmente forças de vida e de morte,
de geração, degeneração e regeneração.
A condição da sabedoria. É a condição da
própria filosofia. Em sua gênese, a filosofia
constitui-se sob forma de cultivo da sabedoria.
Ela não é em si mesma a sabedoria, nem o filó-
sofo o sábio. Cabe ao filósofo cuidar da sabe-
doria, manter vivo o seu vigor, não permitir que
o labor filosófico converta-se numa “técnica de
explicação pelas últimas causas”, conforme
observa Heidegger (1967, pp.30-31). A con-
dição da sabedoria implica, desde sua origem,
um empreendimento interdisciplinar. O sábio é
sempre um homem de síntese. Não é simples-
mente um metafísico, menos ainda um cien-

18
UNIDADE II
Filosofia, Ciência e Técnica
Filosofia da Ciência – Filosofia, ciência e técnica

• Modelo objetivista. É o primeiro modelo


TEMA 05 do processo do conhecimento e que
podemos assim representar: S ← O, sendo
S o sujeito e O o objeto. Com se vê, o pro-
FILOSOFIA E MODELOS DO cesso vai do objeto ao sujeito, e o conheci-
PROCESSO COGNITIVO mento apresenta-se como um reflexo me-
cânico do objeto (a realidade) sobre o su-
jeito (a consciência). É nesse modelo obje-
“O que é feito inconscientemente na lin-
tivista que se fundamenta a concepção
guagem é conscientemente pretendido e
clássica da verdade, na qual o juízo se de-
metodicamente executado no processo
fine como lugar da verdade e a adequação
cientifico”
do juízo ao objeto como a essência da ver-
(CASSIRER, 1977, p. 330).
dade. Para o modelo objetivista, o sujeito
tem um papel passivo, de mero receptor
das propriedades que o objeto reflete sobre
O processo do conhecimento constitui-se a
a consciência. Trata-se de um modelo redu-
partir de três elementos básicos e relacionais:
cionista do processo cognitivo.
• O sujeito que conhece (a consciência
cognoscente).
• Modelo subjetivista. É o segundo modelo
do processo cognitivo, assim representado:
• O objeto do conhecimento (a realidade S → O, sendo S o sujeito e O o objeto.
pensada pelo sujeito). Nesse modelo, há uma inversão em relação
• O conhecimento produzido (o resultado do ao modelo anterior, pois aqui a seta vai do
processo cognitivo). sujeito ao objeto, da consciência à reali-
dade, como se o processo do conhecimen-
Todo conhecimento é relacional, histórico e
to desenvolvesse-se pela via única do pen-
intencional, conforme a seguir explicaremos:
samento.
• Relacional, porque implica sempre o pólo
da consciência e o pólo da realidade. Mes- “Se, no primeiro modelo, passivo e contem-
plativo, a predominância na relação sujeito-
mo quando o sujeito toma como objeto do
objeto volta ao objeto, é o contrário que se
conhecimento o próprio sujeito, tal é o caso produz no segundo modelo idealista e ati-
da introspecção socrática, o objeto não se vista: a predominância, se não a exclusivi-
confunde com o sujeito. dade, volta ao sujeito que conhece, que per-
cebe o objeto do conhecimento como sua
• Histórico, porque não existe consciência produção” (SCHAFF, 1987, p. 74).
humana abstrata, acima ou abaixo da histo-
ria, de relações históricas concretas. Cada
Embora haja uma superioridade do modelo
consciência (sujeito cognitivo) tem a marca
subjetivista sobre o modelo objetivista, em
social do tempo e do espaço em que ela se
ra-zão de aquele ressaltar o papel ativo da
constitui.
cons-ciência (sujeito) no processo do con-
• Intencional, porque a consciência que co- hecimento, é preciso dizer que ambos os
nhece não é um em si, um absoluto, mas modelos são reducionistas, porque neles o
sempre uma consciência de, que se dirige processo cognitivo ou se reduz ao objeto
a algo (objeto), seja a ela mesma ou ao (primeiro modelo) ou ao sujeito (segundo
mundo exterior. Do ponto de vista do co- modelo), sem levar em conta que, no con-
nhecimento humano, não existe consciên- hecimento, existe sempre uma interação
cia fora da intencionalidade. entre sujeito e objeto, consciência e reali-
dade.
Existem, pelo menos, três modelos que tentam
explicar como se desenvolve o processo cog- • Modelo histórico ou dialético. É o terceiro
nitivo, sobre os quais falaremos a seguir. modelo ou processo do conhecimento, cuja

21
UEA – Licenciatura em Matemática

formulação mais consistente encontramos


em Marx. Para o modelo histórico ou dialéti-
TEMA 06
co, assim representado: S ↔ O, há uma
interação ou condicionamento mútuo entre
sujeito e objeto. Mais que isso: sujeito e CIÊNCIA: O ESPÍRITO CIENTÍFICO
objeto são compreendidos numa relação
histórica, socialmente condicionados. O
sujeito do conhecimento não é um sujeito “O amor pela ciência deve ser um dinamis-
abstrato, exclusivamente individual. É, an- mo psíquico autógeno. No estado da pu-
tes de tudo, um sujeito social. reza alcançado por uma psicanálise do co-
nhecimento objetivo, a ciência é a estética
Vejamos, a propósito, o que nos diz Marx
da inteligência.”
sobre a problemática do sujeito compreen-
(BACHELARD).
dido como sujeito social:

Se a revolução cientifica dos séculos XVI-XVII


“A conclusão geral a que cheguei e que, uma
vez adquirida, serviu de fio condutor de postulou a matemática como linguagem univer-
meus estudos, pode formular-se resumida- sal da ciência, o século XX estabeleceu a ciên-
mente assim: na produção social da sua cia como forma dominante de exercício da
existência, os homens estabelecem relações razão. O nosso século fala pela linguagem da
determinadas, necessárias, independentes ciência. Mais: a ciência é sua forma de pensar,
da sua vontade, relações de produção que
falar e agir. Mesmo aqueles que não dominam
correspondem a um determinado grau de
desenvolvimento das forças produtivas ma- a linguagem da ciência – e não são poucos –
teriais. O conjunto destas relações de pro- estão a salvo de seu poder ou imunes aos sem-
dução constitui a estrutura econômica da pre mais requintados mecanismos de controle.
sociedade, a base concreta sobre a qual se Se, na antiga Grécia, o velho Heráclito conce-
eleva uma superestatura jurídica e política e bia o logos como uma inteligência divina que a
à qual correspondem determinadas formas
tudo governava, a ciência hoje pode ser defini-
de consciência social. O modo de produção
da vida material condiciona o desenvolvi- da como a inteligência profana que ordena o
mento da vida social, política e intelectual em mundo. O que não significa dizer que o nosso
geral. Não é a consciência dos homens mundo, presidido que é pela razão científica,
que determina o seu ser; é o seu ser social seja, sob perspectiva ética, superior aos mun-
que, inversamente, determina a sua cons-
dos que nos precederam. Progresso cientifico
ciência” (grifo nosso) (MARX, 1983, p.24)
não é sinônimo necessário de progresso ético.

“A ciência moderna produz conhecimentos e


desconhecimentos. Se faz do cientista um
ignorante especializado faz do cidadão
comum um ignorante generalizado” (SAN-
TOS, 2004, p. 88)

Como se constitui o espírito científico? Entre o


senso comum e o espírito cientifico existe rup-
tura ou continuidade? Que elementos de dife-
renciação existem entre senso comum e espíri-
to científico? Será possível, como imaginou o
otimismo positivista do século XIX, que o esta-
do positivo da consciência cientifica converter-
se-á na forma definitiva do conhecimento hu-
mano? Ninguém seguramente desejaria retro-
ceder à fase pré-científica da humanidade. Mas

22
Filosofia da Ciência – Filosofia, ciência e técnica

até agora nada nos autoriza a crer numa con- suas formas de vida pelo conhecimento tradi-
sciência inteiramente constituída pela objetivi- cional, com pouca ou quase nenhuma influên-
dade cientifica. Se vivemos na idade da ciência cia da razão científica moderna? Desse modo,
(é verdade), também é verdade que o senso ao indicarmos em seguida sete notas que car-
comum, ou seja, o nosso modo rotineiro de acterizam o espírito científico, não significa que
existir ainda orienta a maior parte da nossa essas notas sejam um atributo exclusivo da ci-
vida. Nem mesmo Einstein era Einstein o ência, e menos ainda legitimar a ciência como
tempo todo. O espírito cientifico ainda orienta expressão própria da racionalidade, porque
muito pouco no que pensamos, dizemos e esta com igual direito e legitimidade também
fazemos. Mas não resta duvida de que tudo se expressa no senso comum e noutras formas
que se reveste do rótulo da ciência e da tec- de exercício da razão.
nologia impõe aceitação e credibilidade. O que
há de legitimidade nisso tudo? O maniqueísmo “O que distingue a atitude científica da atitude
positivista resiste à dúvida: ou a verdade ou o costumeira ou do senso comum? Antes de
erro. Pensa que a verdade é da ciência, como mais nada, a ciência desconfia da veracidade
de nossas certezas, de nossa adesão imedi-
do senso comum é o erro. Um pouco de aten-
ata às coisas, da ausência de crítica e da falta
ção ao que abaixo transcrevemos de autoria de curiosidade. Por isso, onde vemos coisas,
de Boaventura de Sousa Santos: fatos e acontecimentos, a atitude científica vê
problemas e obstáculos, aparências que pre-
“Ao contrário, a ciência pós-moderna sabe cisam ser explicadas e, em certos casos,
que nenhuma forma de conhecimento é, em afastadas” (CHAUÍ, 2003, p. 218).
si mesma, racional; só a configuração de
todas elas é racional. Tenta, pois, dialogar
Os pontos a seguir, apresentados na forma de
com outras formas de conhecimento deixan-
do-se penetrar por elas. A mais importante ideais, ajudam-nos a caracterizar o espírito
de todas é o conhecimento do senso co- científico:
mum, o conhecimento vulgar e prático com
que no quotidiano orientamos as nossas
• O ideal da objetividade. Busca, por meio
ações e damos sentido à nossa vida. A ciên- de mediações teóricas ou práticas, com-
cia moderna construiu-se contra o senso preender a estrutura objetiva das coisas.
comum que considerou superficial, ilusório
e falso. A ciência pós-moderna procura
• O ideal da universidade. Vale para todos
reabilitar o senso comum por reconhecer os casos e não para esta ou aquela situ-
nesta forma de conhecimento algumas virtu- ação.
alidades para enriquecer a nossa relação
com o mundo. É certo que o conhecimento • O ideal da causalidade. Vai além dos
do senso comum tende a ser um conheci- efeitos, para definir, em cada fenômeno,
mento mistificado e mistificador mas, apesar suas relações causais.
disso e apesar de ser conservador, tem uma
dimensão utópica e libertadora que pode • O ideal da regularidade. Busca recon-
ser ampliada através do diálogo com o con- hecer, mesmo em cada fenômeno diferente,
hecimento científico” (SANTO, 2004, pp. 88- o que se mantém como constância.
89).
• O ideal da medida. Circunscreve o fenô-
meno em seus elementos quantitativos por
O que é o espírito científico? O que é a ciência? meio de critérios de mensuração, compara-
Poderíamos responder: é uma forma lógica, ção e avaliação.
sistemática e objetiva de organizar o pensa-
mento. Não há espírito científico fora desse
• O ideal da imparcialidade. Julga com
isenção cada fenômeno, livre de precon-
enquadramento. Mas essa não é a única forma
ceitos, de opinião.
de organização do pensamento. Não é a única
forma de acesso ao real. Do contrário, como • O ideal da singularidade. Busca distinguir,
teriam resistido e sobrevivido aquelas comu- mesmo em fenômenos aparentemente
nidades que ainda hoje produzem e orientam iguais, o que pertence à natureza diversa.

23
UEA – Licenciatura em Matemática

(CHAUÍ, 2003, p 24).


TEMA 07 O que os filósofos disseram sobre a filosofia no
passado também pode ser aplicado à ciência em
nossos dias: que ela deve servir à humanidade e
TÉCNICA, TECNOLOGIA E que deve ser usada com sabedoria.
CONHECIMENTO INSTRUMENTAL
A valorização do conhecimento, sob o ponto de
vista de sua utilidade, requer uma crítica que per-
“(...) a ciência é a confiança que a cultura mita ao mesmo tempo avaliar o comprometi-
ocidental deposita na razão como capaci-
mento da cultura com a chamada razão instru-
dade para conhecer a realidade, mesmo,
mental e apontar a necessidade ética e política
que esta, afinal, tenha que ser inteira-
de resgatar o valor humanista do conhecimento.
mente construída pela própria atividade
racional.” A filosofia grega classificou o conhecimento
(CHAUÍ, 2003, p. 232). verdadeiro em três grandes domínios con-
forme o tipo de objeto de que ele trata: o co-
nhecimento teorético, o conhecimento prático
No mundo atual, o senso comum, aliado às e o técnico. O primeiro refere-se aos seres
pressões do mercado, concebe o conhecimen- sobre os quais não podemos agir nem inter-
to apenas como uma habilidade mais ou me- ferir, mas apenas contemplá-los ou observá-
nos valorizada conforme a sua eficácia na los. As ações humanas, isto é, os fatos éticos,
solução dos problemas que dificultam os políticos e econômicos constituem o domínio
negócios do comércio, da indústria, das do conhecimento prático. Já o conhecimento
empresas financeiras, da política ou da guerra. técnico refere-se aos saberes pelos quais o
A predominância dessa concepção em nossa homem se torna capaz de interferir no curso da
sociedade faz-se notar pela diminuta carga Natureza, isto é, ao saber desenvolvido pelo
horária que, em todos os níveis de escolari- trabalho humano, pela ação de fabricar, de
dade, é reservada ao ensino da filosofia, das criar instrumentos ou artefatos e que se apre-
letras, das línguas clássicas da antiguidade, senta de várias maneiras na medicina, no arte-
enfim, ao conjunto das disciplinas conhecidas sanato, na arquitetura, na poesia e na retórica
outrora pelo título comum de “humanidades”. (cf. CHAUÍ, 2003, p. 124).
Não é de hoje, no entanto, que a filosofia se Essa classificação, que ainda hoje possui o
depara com essa questão. Desde seus pri-
seu valor, foi elaborada a partir das concep-
meiros passos, ela se viu obrigada a justificar o
ções de Platão e Aristóteles segundo as quais
tempo que seus adeptos dedicavam ao seu
o conhecimento se apresenta de diferentes
exercício, já que seu ensinamento era suspeito
maneiras conforme graus definidos pela maior
de atrair os jovens para a prática de atividades
ou menor presença da verdade em cada um
incompatíveis com o andamento costumeiro
deles. Os conhecimentos que se oferecem
dos negócios do dia-a-dia. Ela não pretende
pelos sentidos, pela imaginação e pela
fornecer ao estudante os instrumentos para al-
memória dão-nos acesso a meras cópias
cançar prestígio, poder, fama e riqueza. Seu
imperfeitas da realidade, segundo Platão; e,
ensinamento não pode ser avaliado do ponto
segundo Aris-tóteles, esses conhecimentos
de vista da utilidade imediata, seja ela
nos fornecem apenas aspectos parciais da
econômica, política ou militar. No entanto, a
realidade. Platão entendia que a essência das
filósofa brasileira Marilena Chauí afirma que a
coisas, as idéias, só pode ser alcançada pelo
filosofia pode ser julgada o mais útil dos con-
conhecimento in-telectual. Aristóteles, por sua
hecimentos se a considerarmos como um
vez, entendia que somente pela intuição int-
saber capaz de “dar a cada um de nós e à
electual alcançamos o conhecimento pleno e
nossa sociedade os meios para serem con-
total da realidade.
scientes de si e de suas ações numa prática
que deseja a liberdade e a felicidade...” Tais concepções remetiam a técnica ao pata-

24
Filosofia da Ciência – Filosofia, ciência e técnica

mar mais baixo entre os conhecimentos verda- será prerrogativa de um novo personagem sur-
deiros. Aí reside o motivo pelo qual o artesão, gido no bojo das transformações históricas,
o arquiteto, o médico, o poeta e o retórico econômicas e sociais pelas quais o trabalho
eram vistos como possuidores de um conhec- escravo e servil da antiguidade será substituído
imento menos nobre do que aquele detido pelo trabalho livre: o indivíduo, átomo social,
pelo filósofo. Ademais, o caráter escravista das capaz de pensar por si mesmo e sem os outros
relações políticas e econômicas na Grécia anti- e que, como tal, pode ser conhecido.
ga determinava a predominância de uma ética
Nesse contexto, o conhecimento da verdade
aristocrática na qual o trabalho manual, o culti-
dependerá exclusivamente das operações do
vo de conhecimentos a partir da observação e
indivíduo, tomado como sujeito autônomo do
da experimentação e a fabricação de artefatos
conhecimento e como consciência reflexiva de
eram julgados atividades desprezíveis, relega-
si (CHAUÍ, 1994, p. 106). Assim, concebida co-
das aos escravos, aos estrangeiros e a todos mo objeto de dominação e dependente das
que não possuíssem entre os gregos a pre- operações do sujeito do conhecimento, a ver-
rrogativa da cidadania. dade finalmente será associada à idéia de util-
De todo modo, nas concepções de Platão e idade ou eficácia, passando a ser julgada con-
Aristóteles, estava patente o fato de que o ho- forme seu uso prático e verificável. Ela será ori-
mem pode conhecer a Natureza porque dela entada pelo princípio do crescimento e da acu-
participa e porque nela habita uma inteligência mulação que, conforme a lógica do capitalis-
que a dirige. Segundo Marilena Chauí, os ver- mo, exige a produção de resultados práticos.
sos do poeta alemão Goethe exprimem a con- A partir do século XX, a concepção de verdade
cepção antiga do conhecimento: e o valor do conhecimento sofreram novas
Se os olhos não fossem solares mudanças. A Europa ocidental e o os Estados
Jamais o Sol nós veríamos: Unidos da América iniciaram a formação de
Se em nós não estivesse a própria força divina, uma sociedade altamente tecnológica que
Como o divino sentiríamos? tende a se expandir por todas as culturas. Na
(Apud CHAUÍ, 1994, p. 113). sociedade do conhecimento, os objetos de
pesquisa passaram a ser criados nos próprios
Entretanto, tal pressuposto não associa a idéia
laboratórios, isto é, deixaram de ser vistos
de verdade à noção de utilidade e à eficácia
como resultados da simples observação, da
prática. O verdadeiro somente pode ser objeto
experiência e da formulação de hipóteses so-
da contemplação pura da realidade, isto é, da
bre os seres para se transformar em con-
theoria. Tratava-se, portanto, de uma con-
struções do pensamento científico. O objeto
cepção bastante diferente da maneira pela
não será mais nem um dado nem uma repre-
qual a verdade passará a ser concebida na era
sentação da realidade, será o artefato produzi-
do capitalismo.
do tecnicamente pelas teorias e pelas experi-
Nessa nova era, a verdade não mais será con- mentações. A verdade, por sua vez, será avali-
siderada a forma superior do espírito humano, ada em função de sua forma lógica e da
valorizada, em si mesma, como um conheci- coerência interna da própria teoria e definida
mento dos princípios racionais da realidade, mediante o consenso da comunidade de
independente dos interesses, das circunstân- pesquisadores (CHAUÍ, 1994, p. 106).
cias e das exigências da vida prática.
Na civilização moderna, o desenvolvimento da
A atividade contemplativa será substituída pela ciência baniu da esfera da educação formal o
atitude intervencionista do homem sobre a Na- culto religioso, substituindo-o pelo ensino dos
tureza, pensada agora como uma dimensão conceitos científicos e dos valores republica-
da existência suscetível à dominação, ao cont- nos e igualitários. Nesse contexto, o conheci-
role e à transformação promovidos pela ação mento científico torna-se objeto do senso co-
humana. A razão universal, cósmica já não se- mum, através da ideologia do cientificismo,
rá mais o apanágio dos espíritos mais nobres; que promove a confusão entre ciência e téc-

25
UEA – Licenciatura em Matemática

nica ao apresentar o conhecimento científico democracia pelo totalitarismo e da plurali-


unicamente sob a forma de mercadorias. A dade das convicções pelo pensamento único.
“mercadoria” circula como algo, ao mesmo
tempo, familiar e estranho: familiar porque se
“Massa: agregado numeroso de indivíduos
coloca à disposição de todos, porque se oferece atomizados, individualizados apenas no
de forma espetacular e promete-nos a fartura; sentido de seu próprio isolamento. Massa
estranho porque o processo de seu aparecimen- de homens isolados significa ausência de
to é desconhecido assim como se desconhece interesse comum (o que a distingue das
classes sociais). Massa de indivíduos atom-
o sentido que ela carrega. Paradoxalmente, a
izados significa, também, massa de homens
“mercadoria” fez renascer, nas civilizações ho- supérfluos.” (Matos, 2000, p. 31)
diernas, um dos aspectos fundamentais da cul-
tura antiga e medieval: o sagrado. Porém o sen-
A razão instrumental reproduz-se por meio de
timento religioso ressurgiu sob as formas do ani-
uma série de práticas e instituições entre as
mismo e do fetichismo, isto é, do fato de que as
quais se inclui a escola, mas, também a tele-
coisas aparecem como se tivessem vida própria
visão, o rádio, a publicidade, a música, o cine-
e como se retirassem delas mesmas o sentido
ma e tantos outros mecanismos de difusão da
de suas existências.
“indústria cultural”. Ela se encarnou naquilo
A “mercadoria” possui algo de atraente e sedu- que, emblematicamente, se tornou conhecido
tor que captura as pessoas, fazendo-as aban- como “cultura de massa” e que, na verdade, se
donar sua consciência de classe. É esse algo traduz na idéia de que o popular se opõe ao
que constitui o caráter sagrado da “mercado- culto ou erudito, o novo se opõe ao antigo e
ria”. Enquanto objeto de admiração e temor, ela ultrapassa-o.
sugere o reconhecimento de um espírito que a
A cultura de massa é o conjunto de informa-
anima ou de um Deus que nela encarna.
ções que se veicula pela mídia e que tem por
O espaço social deixou de ser a fonte de um objetivo oferecer às multidões uma semicul-
sentimento que, na Antigüidade, aproximava tura, isto é, um saber incompleto, destinado a
as pessoas por oferecer-lhes o sentido de per- transformar o cidadão em consumidor, empre-
tencerem a uma existência comum. A razão sário ou mesmo mercadoria, posto que todo
teórica deixou de ser uma busca do conheci- valor que se introduz nesse circuito reduz-se
mento e da virtude para se transformar em um ao valor de troca. O afeto, a solidariedade, a
cálculo visando ao domínio técnico da dignidade e o reconhecimento de interesses
natureza e à circulação “racional” dos valores comuns extinguem-se como desprovidos da-
de tro-ca, ou seja, das mercadorias. quela racionalidade que introduz todas as
Por sua vez, a publicidade que marcou o exer- coisas no universo mercantil.
cício da política na experiência democrática de Ao reduzir seu interesse ao universo do con-
Atenas – isto é, o caráter transparente de uma hecimento científico, a escola reforça a idéia,
prática de deliberar na qual havia reciprocida- que hoje se tornou lugar comum, de que o
de, no que concerne à virtude e à justiça, entre conhecimento deve ter em vista apenas a real-
os que dela participavam – foi substituída pelo idade e a de que esta se reduz às necessi-
espetáculo de uma experiência na qual o ho- dades da economia. Para o pensamento críti-
mem tornou-se estranho ao mundo que ele co, isso re-presenta uma grave ameaça à
mesmo criou, pois, subordinado à racionali- própria civilização. A razão crítica é, por si
dade técnica e científica, o homem tornou-se,
mesma, uma pedagogia que ensina o sujeito a
ele mesmo, mercadoria.
assumir responsabilidades diante da história e
A razão instrumental corresponde ao uso que da sociedade das quais participa. O seu exer-
se faz da faculdade de julgar nesse contexto cício é a afirmação do Eu que resgata a si
da modernidade. Ela é correlativa à substitu- mesmo dessa uniformização dos indivíduos
ição do sujeito autônomo pela massa, da causada pela ló-gica do mercado.

26
Filosofia da Ciência – Filosofia, ciência e técnica

na sociedade industrial, a ciência tornou-se a


forma hegemônica de expressão do conheci-
TEMA 08
mento. Vivemos na era da ciência. Isso signifi-
ca que, em nosso dia-a-dia, lidamos com obje-
CIÊNCIA E SABER: AS DIVERSAS tos produzidos pela ciência em todas as esfe-
EXPRESSÕES DO CONHECIMENTO ras de nossas relações com a natureza e com
a sociedade. Mas, sobretudo, significa, que
até mesmo o nosso modo de vida, as diretri-
“Não apenas em Manaus, mas em todas zes que regem nossas formas de ver, falar,
as cidades amazônicas, a presença da pensar e agir são determinadas pelos mode-
cultura indígena é significativa sob vários los que a ciência prescreve para os indivíduos,
aspectos. Às vezes, é uma presença so- as comunidades e as sociedades sobre as
terrada, passado que se pretende morto, quais ela atua.
à semelhança dos cemitérios indígenas
Além disso, ao examinarmos o fato de que a
de Manaus, sobre os quais foram ergui-
ciência tornou-se um dos recursos fundamen-
dos vários edifícios, símbolos da arquitetu-
tais para a expansão das relações econômicas
ra do poder e da civilização. No entanto,
do capitalismo industrial, a ideologia do cien-
os costumes, a habitação popular, a
tificismo, que julga o valor do conhecimento a
culinária, e até mesmo a língua portugue-
partir de sua utilidade, leva-nos a acreditar que
sa – em cujo vocabulário consta o étimo
o conhecimento científico é superior aos sa-
de vários troncos lingüísticos de nações
beres expressos por meio dos mitos, da me-
indígenas –, tudo isso traduz formas de
mória dos povos indígenas, das práticas de
uma tradição cultural fortemente arraigada
curandeirismo popular ou mesmo da religião,
nas cidades amazônicas. Basta pronun-
da arte, dos ditados populares, da poesia, dos
ciarmos o nome de uma fruta, de um
testemunhos dos doentes mentais que foram
peixe, de uma árvore, ou o nome da
excluídos do convívio social e encarcerados
cidade (Manaus), para que reacenda em
nos hospitais psiquiátricos, dos delinqüentes
nós uma chama dessa tradição indígena,
que passaram anos condenados aos regimes
dessa ausência que, nos anima e que,
penitenciários, dos desempregados das fábric-
mesmo à nossa revelia, se faz presente e as, dos gays e de muitos outros atores sociais,
presença.” (Milton Hatoum, in NUNES E que sempre tiveram o que dizer, mas que
HATOUM, 2006, p. 52). foram sistematicamente censurados, soterra-
dos e negados porque, de antemão, seus dis-
cursos já estavam desqualificados como irra-
Não faz muito tempo, os antropólogos afirma- cionais, desvarios e mistificações.
vam que podemos constatar cientificamente O uso da ciência como operacionalizadora de
que existem fundamentalmente duas formas formas de exploração econômica e modos de
de pensamento: uma apresentada pelos povos sujeição política requer o desenvolvimento de
não-europeus e não-brancos e identificada artifícios retóricos e ideológicos visando trans-
como pensamento pré-lógico ou pré-racional; formar o pensamento científico no único modo
a outra seria o pensamento das sociedades legítimo de enunciar o verdadeiro e, conse-
européias, analítico, lógico, filosófico e científi- qüentemente, em instância competente para
co. Atualmente, muitos dentre aqueles cientis- desqualificar os discursos e as práticas que se
tas sociais já não aceitam tais afirmações, mas mostrem falsas se compradas com os paradig-
nem por isso esse preconceito desapareceu mas científicos. Assim, foi o caso da con-
completamente do senso comum e mesmo cepção ou do mito da neutralidade científica.
dos discursos de alguns dirigentes de nossas
De fato, o trabalho de pesquisa, observação,
sociedades.
experimentação, desenvolvimento de hipó-
O motivo pelo qual isso ocorre é o fato de que, teses, retificações, construção de modelos

27
UEA – Licenciatura em Matemática

teóricos exige do cientista um certo distancia- trabalho pela qual se reconhecem que as
mento dos objetos e fenômenos por ele estu- responsabilidades pela escolha dos temas a
dados; a metodologia e a lógica da investi- serem pesquisados assim como o próprio tra-
gação científica requerem certas precauções balho da pesquisa são distribuídos entre mui-
para que o pesquisador não incorra em precip- tas pessoas e instituições e não recaem ape-
itações e idéias preconcebidas nem se deixe nas sobre alguns indivíduos. Em outras pa-
levar pelos hábitos decorrentes de sua for- lavras, o fato de que a pesquisa científica re-
mação, das influências sociais e psicológicas quer da sociedade vultosos investimentos e
que recebeu ou com as quais se envolveu ao uma complexa divisão social de tarefas em
longo dos anos; da mesma forma, essa lógica uma hierarquia que envolve professores, estu-
se desenvolve mediante uma linguagem deno- dantes, militares, dirigentes de empresas, diri-
tativa, dotada de precisão, despojada de am- gentes políticos, autoridades públicas, etc.
bigüidades, de meias sugestões e de mal- leva-nos a compreender que a neutralidade
entendidos; uma linguagem técnica para aten- científica não passa de um mito, e sua repro-
der à necessidade de rigor, certeza e coerência dução pela publicidade possui evidente viés
formal. Tudo isso levou o senso comum a for- ideológico.
mular a falsa concepção de que o trabalho do Ora, o uso ideológico dessa concepção da
cientista é neutro; ou seja, a supor que ele é ciência como atividade politicamente neutra
indiferente aos embates sociais e aos conflitos aparece, freqüentemente, na constituição de
de interesses, aos desequilíbrios políticos e requisitos formais para a atribuição de com-
econômicos da sociedade. petências profissionais, técnicas e políticas.
Mas tal concepção desconhece as hesitações Ainda é corrente o preconceito de que certos
e as dúvidas que os cientistas experimentam cargos políticos não podem ser ocupados por
em suas pesquisas bem como os processos cidadãos que não tenham percorrido todos os
econômicos e políticos pelos quais os projetos graus de escolaridade.
de pesquisa, os laboratórios e as áreas de con- Isso mostra o quanto a atividade científica está
hecimento são escolhidos como prioritários distante do modo como vive a sociedade em
para receber financiamentos, incentivos e out- seu dia-a-dia e em suas relações econômicas
ras formas de apoio. Assim, no passado, quan- e culturais. Por um lado, a idéia de competên-
do eram os próprios cientistas ou um pu- cia aí se formula como a mera aquisição de
nhado de mecenas que investiam na pesquisa, capacidades para reproduzir conhecimentos
a imagem que se formulava para representá- desenvolvidos no conjunto das instituições
los era a de um gênio cujo brilhantismo era que formam o chamado complexo industrial
responsável pelos formidáveis aparelhos nos militar. Assim, no Brasil, por exemplo, multi-
quais se materializavam as teorias. Hoje, entre- plicaram-se os cursos técnicos profissional-
tanto, como nos ensina Marilena Chauí izantes. Por outro lado, essa idéia de com-
(CHAUÍ, 1994, p. 282), o cientista é visto como petência descarta, como desnecessários para
engenheiro e como mago porque seu ambi- o funcionamento e as finalidades desse com-
ente de trabalho é representado como um plexo industrial-militar, os estudos das humani-
enorme laboratório, onde todos trabalham ves- dades tanto quanto os da ciência pura. Em
tidos de branco – signo da isenção e da cla- conseqüência, ela não apenas contribui para
reza, mas, também, de um certo sacerdócio –, desestimular a sociedade a discutir sobre a
manipulando grandes computadores e reali- finalidade da ciência e os recursos públicos
zando cálculos misteriosos. que são investidos em pesquisa, mas também
impede que o conhecimento teórico funda-
Portanto, mesmo a falsa imagem, cujo senso
mental de onde decorre a produção dos arte-
comum representa atualmente a assepsia ideo-
fatos da ciência seja facilmente acessível à
lógica da ciência, permite-nos compreender
sociedade.
que atividade da pesquisa é realizada por um
complexo sistema ou uma divisão social do Na medida em que os investimentos em

28
Filosofia da Ciência – Filosofia, ciência e técnica

ciência, na atualidade, são dirigidos para fins


militares e industriais, os saberes que concor-
rem para o questionamento dessa situação ou
que simplesmente nos permitem duvidar de
que a ciência é a única forma legítima de ex-
pressão da verdade são sistematicamente des-
qualificados e propositadamente esquecidos.
Tais saberes formam, entretanto, um pa-
trimônio de grande relevância para a socie-
dade quando se trata de pensá-la não simples-
mente sob a perspectiva técnica e econômica,
mas sob a perspectiva mais ampla da cultura e
da dignidade humana. Trata-se de um patri-
mônio constituído pelos monumentos, pelos
objetos do artesanato popular, pelas ferramen-
tas do trabalho artesão, pela arquitetura tradi-
cional, ligada à memória e à história das comu-
nidades tradicionais e étnicas, enfim, um pa-
trimônio material porque repousa sobre su-
portes físicos pelos quais o presente forma
laços com o passado. Mas esse patrimônio
também pode ser imaterial quando o recon-
hecemos nas brincadeiras de rua por meio das
quais as gerações transmitem de uma para
outra suas formas de relacionamento, de
amizade, de sedução, de namoro e tantos out-
ros compromissos que fornecem aos indivídu-
os as bases daquelas experiências de per-
tencimento a uma mesma comunidade, a uma
mesma sociedade ou a uma mesma cultura.
Esse patrimônio imaterial também é encontra-
do sob as formas de uma memória oral, de
uma língua ou um dialeto falado por alguns
poucos sobreviventes de grupos étnicos em
vias de desaparecer, de conhecimentos técni-
cos guardados na memória de antigos trabal-
hadores e operários de fábricas que sucumbi-
ram ao aparecimento de novas tecnologias, de
formas simbólicas deslocadas de seu campo
ritual próprio para o uso comercial, folclórico
ou mesmo lúdico, de neologismos introduzi-
dos na língua corrente a partir do antigo falar
de segmentos étnicos hoje desaparecidos, de
alimentos, pratos culinários, ritos, sons, etc.

29
UNIDADE III
A Ciência na História: o Mundo Grego
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo grego

Convencionalismo
TEMA 09 Eles acreditavam que as leis são convenções
humanas, isto é, que elas são expressões dos
interesses de um indivíduo ou de um grupo e,
OS SOFISTAS E SÓCRATES: portanto, mudam conforme as transformações
O HOMEM COMO MEDIDA DO SABER da cultura, dos hábitos, da classe social ou do
temperamento dos legisladores.

Sofistas: o logos como convenção Agnosticismo


Da mesma forma, os sofistas atribuíam a
existência dos deuses à invenção de alguns
“Nada existe, mesmo que algo existisse, ho-mens que tiveram a pretensão de ate-
não seria compreensível ao homem; morizar seus concidadãos no intuito de con-
mesmo sendo compreensível, seria certa- vencê-los a obedecer às leis. O desenvolvi-
mente incomunicável e inexplicável aos mento da retórica e da arte de argumentar
outros” pelos sofistas indica, de um lado, que eles
(Górgias) estavam certos de que o indivíduo pode ser
moldado pela cultura e, por outro lado, que as
certezas são muito relativas. Assim, a preocu-
Entre os intelectuais dessa época, destacaram- pação desses pensadores foi com o indivíduo
se aqueles conhecidos sob o nome genérico e não com a comunidade. Essa preocupação
de sofistas. ficou patente na frase mais conhecida dos
sofistas. Ela foi atribuída à Protágoras: “O
Os mais conhecidos foram:
homem é a medida de todas as coisas, das que
• Protágoras de Abdera (480 a.C) são enquanto são e das que não são enquanto
• Górgias de Leôncio (483-375 a.C) não são”.
• Crítias de Atenas (475-403 a.C) Isonomia
• Hípias de Ellis (morto em 343 a.C)
A concepção de que as leis, os deuses e as
Esses pensadores não possuíam nem defen- instituições sociais são construções humanas,
diam as mesmas idéias. Eles não formavam e não expressões permanentes de valores ab-
uma “escola”. O que os reunia sob o mesmo solutos corresponde a idéia comum dos sofis-
nome era o fato de terem sido “ profissionais tas, de que os homens são todos iguais entre
do saber”, pois ensinavam a retórica e a arte eles e, portanto, não devem ser tratados de-
de argumentar a quem se dispusesse a lhes sigualmente em função de sua origem ou de
dar um pagamento em dinheiro. O domínio sua riqueza.
dessas habilidades era fundamental para se
Isso nos faz concluir que o ensino ministrado
obter o sucesso na vida pública, a qual, como
pelos sofistas estava em consonância com o
já se viu, era marcada pelo uso da linguagem ambiente no qual a democracia e a idéia de
nos debates sobre a melhor maneira de gov- isonomia se solidificaram como fundamentos
ernar e os rumos a serem dados à cidade. do conceito de cidadania nas sociedades oci-
Relativismo dentais.

Os sofistas não se apegam a princípios imu- Sócrates: o homem no centro da reflexão


táveis. A verdade, a justiça e a virtude, para filosófica
eles, eram valores relativos. O importante seria “Parece, embora o deus não se refira expressa-
a capacidade de convencer os outros para, mente a Sócrates, que ele tenha usado o meu
assim, obter-se o poder e a fama. A verdade nome como exemplo para dizer, ó homens, que
seria apenas objeto de opinião e não de ciên- o mais sábio entre vós é aquele que, como
cia ou conhecimento. Sócrates, reconheceu que, na verdade, quanto

33
UEA – Licenciatura em Matemática

ao saber, não vale absolutamente nada”. (Platão) As idéias de Sócrates chegaram até nós pelos
comentários e referências dos seus discípulos
De um modo geral o pensamento de Sócrates
e contemporâneos, como Platão e Xenofonte.
enfocou o homem, suas ações e as maneiras
Ele não deixou uma obra escrita, além disso,
pelas quais ele produz o conhecimento. Este é
não dava aulas e nem cobrava para ensinar.
um ponto que assemelha nosso pensador aos
Seu pensamento era disseminado por meio
sofistas. Assim como estes, ele também enten-
das conversas que mantinha com pessoas de
dia que a filosofia e o saber têm uma função
todas as categorias e de todos os segmentos
social importante, a qual consiste na formação
sociais nos mercados, nas praças, nos está-
dos cidadãos e dos dirigentes políticos.
dios e nas casas de seus amigos em Atenas.
A questão do método
Nascido de pai pedreiro ou escultor e mãe
Apesar dessa semelhança, acima descrita, era parteira, Sócrates era um homem rude, mas de
radicalmente contrário ao relativismo dos sofis- fina inteligência, com um aguçado sentido de
tas. Acreditava que a verdade é uma só, que civismo e cumpridor de suas obrigações mil-
ela é permanente e pode ser conhecida. A seu itares e políticas. Convicto de que os homens
ver, portanto, a ciência era possível e, também, aspiram ao bem e de que eles, intimamente,
desejável. Além disso, entendia que a razão sabem o que isso significa, entendia que esse
pela qual muitos não praticavam o bem é o conhecimento não podia ser ensinado, mas re-
desconhecimento da verdade. tirado de cada um, mediante um método se-
Para sair dessa ignorância, seria preciso recor- melhante ao utilizado por sua mão na arte de
rer a um método único, cuja finalidade não auxiliar as crianças a nascer. A ironia era o
deveria ser, como ocorria na retórica e na are método pelo qual Sócrates pretendia ajudar os
de argumentar, levar a diversas opiniões pos- homens a dar à luz as idéias verdadeiras que
síveis, mas sim à verdade, isto é, a alguns con- eles possuem, mas que se encontram adorme-
ceitos que expressam, de forma definitiva, o cidas. Esse método consiste em um diálogo
bem, a justiça e a beleza, que foram consider- marcado pelo raciocínio indutivo, isto é, pela
ados os valores fundamentais para a organiza- passagem do conhecimento dos exemplos
ção de uma cidade estável, una, ordenada e, particulares para o das idéias universais.
portanto, justa. Esse diálogo era dividido em duas partes: a
A maiêutica ou a arte de partejar idéias primeira era o momento da refutação das cer-
tezas que seus interlocutores afirmavam pos-
Uma das frases mais conhecidas de Sócrates suir; após a demonstração da inconsistência
é “Conhece-te a ti mesmo”. Ele entendia que a dessas certezas, Sócrates passava à maiêuti-
sabedoria começa com o autoconhecimento e ca, isto é, ao partejamento das idéias que se
que a filosofia é um exercício pelo qual se iam consolidando como verdadeiras nas res-
examinam o comportamento individual e as postas desses interlocutores.
idéias que cada um tem em si mesmo sobre a
virtude , o bem, a justiça, a beleza e a verdade. Essa prática tornou-se incômoda para muitos
entre os poderosos de Atenas, pois colocava
Para ele, esse exame deveria levar ao conhe- em xeque a legitimidade dos seus atos e ad-
cimento de conceitos universais, isto é, a moestava a todos para que agissem com dig-
idéias concernentes não a uma virtude, a um nidade. Por isso, alguns acusaram Sócrates de
bem ou a uma qualidade humana em particu- impiedade e de corromper a juventude. Jul-
lar, as quais apenas expressam opiniões e gado e tendo recusado o exílio que lhe foi ofer-
aparências, mas sim à Virtude, ao Bem ou ao ecido, foi condenado à morte pelo tribunal de
Homem, isto é, às essências dessas coisas. Atenas, pela ingestão de um veneno chamado
Portanto a filosofia e a ciência, em seu entendi- cicuta, aos 70 anos de idade.
mento, devem buscar definições e essências, e
não argumentos para impressionar e con-
vencer.

34
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo grego

divisão social do trabalho que, por sua vez, se


dá em conformidade com uma certa con-
TEMA 10
cepção da natureza dos homens e da edu-
cação que eles recebem.
PLATÃO: DIALÉTICA DO Platão apresenta um processo de educação
CONHECIMENTO
que pretende converter os homens à filosofia,
isto é, ao conhecimento das idéias universais,
“Parece existir um atalho que nos leve, por
absolutas e necessárias e, ao mesmo tempo,
meio do raciocínio, a esta consideração: convencê-los a desapegarem-se das coisas
enquanto tivermos corpo e nossa alma materiais, dos sentidos e das opiniões efême-
estiver unida a esse elemento maléfico, ras e contingentes.
jamais alcançaremos completamente aqui- É pelo diálogo que se dá a ascensão do co-
lo que ardentemente desejamos, ou seja, a nhecimento sensível para o conhecimento in-
verdade” teligível. Assim como Sócrates, Platão recorre
(Platão) à erística, a arte de argumentar dos sofistas,
para lançar mão da dialética como método pa-
ra examinar as diferentes hipóteses que se po-
Indignado com o destino trágico de Sócrates e
dem propor sobre os mesmos problemas e
inspirado pela maiêutica, Platão dedicou sua
vi-da à formulação de um projeto ao mesmo decidir, pela demonstração racional, qual den-
tempo filosófico e político que visava fornecer tre elas é a melhor.
aos homens de sua época um modelo ou parâ- A educação filosófica
metro para organizar a sua vida da polis de tal
Essa concepção é apresentada no “Mito da
modo que ela se tornasse una, estável e justa.
Caverna”. Platão compara a aquisição do con-
A Dialética hecimento ao sofrimento e ao esforço de al-
As principais idéias de Platão estão conden- guém que, depois de ter vivido desde criança
sadas no diálogo República. Por intermédio da em uma caverna, amarrado e obrigado a olhar
voz de Sócrates, Platão propõe uma idéia de somente para as paredes do fundo, é libertado
organização da cidade baseada em uma e conduzido até o exterior.

Esquema de Platão

35
UEA – Licenciatura em Matemática

Até se acostumar com a claridade e conseguir coisas, mas a verdadeira realidade da qual
perceber com nitidez as coisas visíveis no mun- tanto os seres materiais quanto as suas ima-
do exterior, esse homem irá convencendo-se gens são apenas cópias.
de que os objetos que ele via enquanto estava
Nas etapas representadas pelo segmento A-B
preso eram apenas sombras e reflexos dos
do esquema de Platão, encontra-se a opinião
homens que passavam em frente à entrada da
(doxa), que é o conhecimento referente ao mun-
caverna e das coisas que eles transportavam.
do sensível e na qual a inteligência atua junto
Da mesma forma, a saída da ignorância dá-se
com os sentidos apara apreender as sombras,
em etapas nas quais os homens trabalham
as imagens e os objetos sensíveis. Aí o conhe-
para reconhecer as diferenças entre a aparên-
cimento não passa de ilusão e de crença.
cia e a essência da verdade.
O segmento B-C representa as etapas corres-
Essas etapas são apresentadas em um esque-
pondentes ao conhecimento do mundo inte-
ma que se pode referir tanto às fases da edu-
ligível, isto é, ao conhecimento científico ou
cação dos jovens aspirantes ao governo quan-
episteme. Trata-se de um conhecimento que se
to ao processo pelo qual se adquire o conhec-
refere às idéias, sendo que, no estágio repre-
imento filosófico e científico.
sentado pelo segmento B-E, essas idéias ainda
Assim como o homem do mito precisou subir correspondem a certas coisas sensíveis, pois
até a entrada da caverna para perceber a luz do designam a figura, a extensão e certas relações
sol, o aprendiz de filósofo precisa ascender ao entre os seres dessa natureza. Por isso, ele é
mundo inteligível para contemplar a idéia do chamado de conhecimento matemático ou
bem que, tal como o sol, ilumina e esclarece, discursivo (dianóia). É um estágio preparatório
deixando-nos ver com inteligência a ordem, a para alcançar a dialética (noêsis), que é o co-
unidade e as causas de todas as coisas. nhecimento das idéias puras e, portanto, o ver-
dadeiro conhecimento.
Essa ascensão exige grande esforço, pois nela
a inteligência é requisitada para, pouco a Todo esse percurso é pensado como um
pouco, perceber a distinção entre as imagens, processo mnemônico, isto é, um processo de
os objetos e as idéias. O que não se realiza por recordação. Platão acreditava que o homem é
acaso, mas pelo uso de um recurso matemáti- feito de corpo e de alma e que esta última é
co, cuja prática nos ensina a fazer abstrações imortal. Além disso, ele estava certo de que há
e a compreender as relações – como o maior, dois mundos, o das idéias e o das coisas sen-
menor, a igualdade e a desigualdade – e as síveis. Sendo imaterial e eterna, a alma é
qualidades – como a extensão, a figura e o semelhante às idéias. Além disso, ela esteve
número – por meio das quais nós identificamos no mundo das idéias antes de encarnar no
e distinguimos os seres. corpo no qual vive atualmente no mundo sen-
sível. Portanto, a sua capacidade de aprender
Com a prática matemática, o futuro filósofo
não se deve à percepção das coisas pelos sen-
aprende, segundo Platão, a prestar atenção
tidos, ,mas, antes, à sua natureza e à lem-
não aos objetos particulares como, por exemp-
brança das idéias, que é despertada pela
lo, um quadrado em particular ou um triângulo
experiência.
em particular que lhe são dados como exem-
plos visíveis, mas sim às idéias do quadrado
em si e do triângulo em si, que só podem ser
alcançadas pelos “olhos” do intelecto.
Cada etapa desse esforço corresponde a um
tipo de conhecimento que deve ser adquirido e
ultrapassado até a apreensão do objetivo final
da educação filosófica, que é o conhecimento
das idéias do bem, da justiça e da beleza, as
quais não são apenas os modelos de todas as

36
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo grego

A filosofia e a visão científica que se desen-


TEMA 11 volveram no Liceu foram marcadas pelo fato
de Aristóteles não ter sido cidadão de Atenas e
pela influência da tradição de médicos e natu-
ARISTÓTELES: O CONHECIMENTO ralistas que ele recebeu de seus antepassa-
PELAS CAUSAS dos. Diferentemente de Platão, Aristóteles não
estudou a política com o interesse de interferir
nos assuntos da cidade, mas simplesmente
“Nós admitimos, antes de mais, que o filó-
como sábio e erudito. Além do mais, o culto à
sofo conhece, na medida do possível, todas
matemática, que Platão praticou na Academia,
as coisas, embora não possua a ciência de
foi substituído pela devoção às ciências da
cada uma delas por si.”
natureza e da vida, a qual ficou patente nas
(Aristóteles, Metafísica I [A], cap. II, 1-3;
concepções de Aristóteles sobre a ordem do
apud CHAUÍ, 1987, p. 29)
universo e o movimento. No Liceu, Aristóteles
organizou uma classificação das espécies e
Da escola de Isócrates à Academia formou uma coleção de animais e plantas que
eram enviados por Alexandre das partes mais
Aristóteles chegou a Atenas com a idade de
longínquas de seu império.
dezoito anos, vindo da cidade de Estagira,
colônia grega situada na Macedônia. Seu pai Um pensamento sistemático
era médico de Amintas II, rei desse país e pai
Na Idade Média, os estudiosos referiam-se a
de Alexandre, de quem será preceptor após
sair da Academia. Aristóteles pela alcunha de O Filósofo porque
eles achavam que o seu pensamento era a
Seu ingresso nessa escola significou uma es-
forma mais acabada do conhecimento huma-
colha entre duas opções: estudar sob a orien-
no e que nada mais havia a acrescentar ou a
tação de Isócrates, mestre na arte de con-
corrigir em seus livros, cabendo apenas a sua
vencer, ou engajar-se nas investigações pro-
movidas por Platão e seus discípulos sobre os explicação e interpretação por meio de comen-
princípios racionais que devem orientar a ação tários.
política. Após vinte anos e destacado desem- Na modernidade, percebeu-se que a conside-
penho, abandonou a instituição logo depois da ração medieval para com Aristóteles era devida
morte do mestre.
à sistematicidade de seu pensamento. Suas
Mesmo assim, Aristóteles permaneceu fiel aos teses sempre foram propostas após o levanta-
ideais de construção de um conhecimento mento histórico das concepções dos pensa-
baseado em conceitos universais e necessá- dores que o precederam na Grécia. Por isso,
rios, uma ciência que tivesse como objetos as
ele foi considerado o primeiro historiador da
essências e que fosse marcada pela certeza e
filosofia. Esse esforço para recolher as mais
não pela probabilidade. (apud ARISTÓTELES,
diversas opiniões sobre questões como o Ser
1996. pp. 5-22.)
e o devir ou movimento, a unidade e a multi-
A fundação e as pesquisas do Liceu plicidade do universo, a essência ou
Após a ascensão de Alexandre ao trono da natureza e a aparência das coisas visava a
Macedônia, Aristóteles retornou a Atenas para assentar sobre o saber do passado as suas
fundar sua própria escola. Por localizar-se pró- próprias idéias.
ximo ao templo de Apolo Liceano, essa escola
ficou conhecida sob o nome de Liceu. Além Além disso, Aristóteles pretendeu fundar a ci-
disso, seus freqüentadores foram chamados ência sobre as mesmas bases do saber acu-
de peripatéticos (que significa “os que pas- mulado pela humanidade e que, a seu ver, se
seiam”) porque recebiam as lições enquanto perpetuou no senso comum e nos ditados
caminhavam com o mestre. populares.

37
UEA – Licenciatura em Matemática

O Silogismo e o cuidado com a linguagem palavras, pois, uma vez que o conhecimento
consiste em fazer distinções, apresentar defi-
A perspicácia de Aristóteles revelou-se na sua
nições e argumentar mediante demonstrações,
demonstração de que a dialética, tal como foi
o uso correto da linguagem torna-se indispen-
praticada por Platão, não poderia ser utilizada
sável para assegurar ao pensamento a certeza
pela ciência como um instrumento que a con-
das suas conclusões.
duzisse de forma segura à verdade. A razão
dessa ineficácia seria a ausência de uma regra Nos livros que constituem o Organon, além de
que permitisse ao filósofo escolher, sem qual- apresentar os princípios do raciocínio correto –
quer vacilo, a melhor entre as hipóteses exami- o que lhe conferiu o título de criador da lógica
nadas no exercício do diálogo. Essa escolha, – Aristóteles fez um minucioso exame das am-
no método platônico, dependia da pressupo- bigüidades e dos equívocos, ou seja, dos erros
sição da idéia do Bem no último degrau do co- nos quais podemos incorrer quando usamos
nhecimento. Na ausência dessa pressuposi- as palavras sem atentar para a exatidão de
ção, todas as hipóteses passariam a ter o mes- seus significados, como nos casos dos homô-
mo valor. Isso, implicava, segundo Aristóteles, nimos – as palavras que possuem a mesma
que o método platônico deixava margem para grafia ou o mesmo som, mas designam coisas
a probabilidade, a incerteza e o ceticismo. diferentes – e dos sinônimos – as palavras
com grafias e sons diferentes, mas que desig-
Para conduzir a investigação filosófica ao cam-
nam as mesmas coisas.
inho seguro da ciência, Aristóteles forjou um
método de raciocínio pelo qual, no exame de Ele também fez uma classificação das catego-
certas hipóteses, o pensamento é levado, ine- rias pelas quais os seres podem ser definidos
vitavelmente, a uma só conclusão, que deverá em diferentes níveis: gênero, espécie, classe,
ser considerada como verdadeira, desde que o próprio e acidente. As três primeiras situam os
ponto de partida esteja, ele próprio, fundado seres nos conjuntos dos quais eles podem
na verdade. fazer parte, permitindo a definição de suas es-
sências; as duas últimas distinguem a essência
Esse método é o silogismo e consiste em
e as qualidades dos seres, permitindo a identi-
determinar uma proposição – chamada con-
ficação dos indivíduos.
clusão – a partir da percepção intelectual de
uma ligação entre duas outras proposições – Assim, por exemplo
chamadas premissas.
Assim, por exemplo: “O homem é um animal racional”.
Espécie Gênero Classe

“Sócrates é um homem magro”.


Próprio Acidente

A Metafísica, ciência do ser


Outro aspecto fundamental em que Aristóteles
discorda do pensamento platônico é o que
concerne à relação entre o pensamento e a
O que permite a passagem das premissas para realidade. Como vimos antes, a doutrina das
a conclusão é o termo médio, que, no caso, é idéias fazia o conhecimento da verdade depen-
a palavra “homem”, mediante o qual o pensa- der da existência de um mundo inteligível,
mento julga uma situação particular a partir de autônomo e separado do mundo das coisas
um conhecimento universal. sensíveis.
Além da invenção desse método de raciocínio, Aristóteles, por sua vez, entendeu que a ciên-
Aristóteles percebeu que, para alcançar a ver- cia, para ser verdadeira, não se deve limitar a
dade, a ciência requer um exame do uso das formular raciocínios corretos, obedecendo às

38
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo grego

leis da lógica e fazendo um rigoroso uso das quais se pode compreender o ser. Essa ciência
palavras. Além disso, a seu ver, ela deve ex- seria anterior a todas as outras, pois, enquanto
pressar a realidade. Ora, para ele, a realidade estas se ocupam apenas com determinados
que se pode e se deve conhecer não se encon- entes, caberia à Metafísica explicar os funda-
tra separada do mundo no qual os homens mentos e as causas do Ser em geral.
nascem, vivem e morrem.
A Cosmologia de Aristóteles
Em vez de considerar que os seres materiais
O interesse que Aristóteles manifestava, ao
são cópias imperfeitas das idéias, Aristóteles
mesmo tempo, pelas questões humanas e as
compreendeu que as formas essenciais das
da natureza indicam que, em seu entendimen-
coisas são imanentes, isto é, são estruturas
to, o conhecimento da ordem natural e o da
que lhes pertencem e que determinam aquilo
ordem social e política não são incompatíveis,
que elas são, mas que só existem separadas
mas constituem uma unidade. Assim, o caráter
da matéria na mente humana, como conceitos.
sistemático de seu pensamento expressa a sua
A elaboração dessa teoria – chamada hilemor- busca de um princípio único – uma lei – pelo
fismo (o que é relativo à unidade de forma e qual todos os seres seriam regidos e todos os
matéria) – fez-se pela análise das teses de anti- fenômenos, explicados. A determinação desse
gos filósofos como Parmênides e Heráclito, princípio exigiu a formulação de uma con-
que tinham concepções opostas sobre o Ser – cepção geral da ordem do universo, uma cos-
aquilo que existe – e o devir – as alterações mologia.
dos seres. Aristóteles também estudou a dou-
Para ele, o universo é único, finito e eterno,
trina de Platão segundo a qual o não-ser, isto
mas composto por duas dimensões que se
é, o contrário do ser, é o outro – aquilo que
diferenciam pela natureza dos seres que nelas
permite a sua definição e lhe serve de comple-
se encontram. No Mundo Celeste, a matéria
mento.
dos seres seria o éter, cujas características são
A solução proposta por Aristóteles para este a perfeição, a infinitude e a incorruptibilidade.
problema consistiu na demonstração de que a Estes seres só estariam sujeitos ao movimento
palavra “ser” pode designar coisas muitos dife- circular, o único que é perfeito e eterno.
rentes entre si. Mas o principal sentido dessa
A outra dimensão seria a do Mundo Terrestre,
palavra e o que deve ser considerado em pri-
que se encontraria no centro do universo e
meiro lugar é o de substância ou essência
onde os seres seriam constituídos pela com-
porque esse conceito designa um atributo que
posição de quatro elementos essenciais: a
pertence necessariamente ao ente considera-
terra, o ar, o fogo e a água. Nessa dimensão,
do – isto é, sem o qual ele não pode ser o que
as coisas estariam sujeitas a dois tipos de
ele é. Por exemplo, “Sócrates é homem”. Ser
movimento: o movimento natural e o movi-
homem é a essência ou a substância de Só-
mento violento.
crates.
Os demais sentidos dessa palavra são as qual- A Teoria do Movimento
idades ou atributos que designam os aspectos Para Aristóteles, o conceito de movimento
não-essenciais do ente e por isso são consid- abrangia o deslocamento dos corpos no es-
erados acidentes, como por exemplo: “Sócra- paço e, também, as transformações qualitati-
tes é magro” ou “Sócrates é grego”. Ser grego, vas e quantitativas dos seres. Como os seres
ou magro, é um aspecto contingente – ou celestes seriam perfeitos, eles não poderiam
seja, casual – de Sócrates que não interfere sofrer este último tipo de movimento e, além
naquilo que determina a sua natureza. disso, o seu deslocamento no espaço, de mo-
do circular, era concebido como uma maneira
O surgimento dessa teoria indicou ao filósofo a
de perpetuar a perfeição.
necessidade de organizar um domínio do co-
nhecimento científico que se ocuparia com a No que diz respeito aos movimentos dos seres
determinação dos diversos sentidos pelos terrestres, a teoria de Aristóteles afirma que as

39
UEA – Licenciatura em Matemática

mudanças a que eles estão sujeitos são regu- A solução oferecida por Aristóteles consistiu na
ladas pela sua natureza, isto é, pela maior ou concepção de que o ser é uno, e sua identi-
menor quantidade dos elementos que estão dade, inalterável, mas pode-se manifestar de
presentes na sua composição material. Assim, diversos modos. Isso significa que a essência
por exemplo, nos seres em cuja composição o dos seres será sempre a mesma, mas ela po-
fogo está presente em maior proporção do que derá se encontrar, alternadamente, em dois
os demais elementos, o movimento natural é o diferentes estados: em Potência, isto é, como
deslocamento em linha reta para cima, isto é, uma possibilidade latente, como no caso da
na direção do éter, que é incorpóreo, destituí- semente, que é uma planta em potência, e em
do de peso e, portanto, semelhante ao fogo Ato, como no caso da árvore adulta que atual-
que é rarefeito e leve. Por outro lado, o movi- izou (isto é, tornou reais, neste momento, as
mento natural dos seres onde a terra predomi- potencialidades que já possuía quando era
na como elemento material é o deslocamento apenas uma semente).
em linha reta para baixo, isto é, na direção da
O Processo de Conhecimento
Terra, que é densa e pesada.
Para Aristóteles, conhecer alguma coisa con-
Além do movimento natural, os seres terrestres
siste na determinação das suas causas. Mas
estão sujeitos, conforme essa teoria, a mudan-
causa, em seu entendimento, pode significar,
ças e a deslocamentos causados pela ação de
ao mesmo tempo, aquilo de que a coisa é feita
forças estranhas à sua natureza, como, por
– causa material –, o agente que determina a
exemplo, o arremesso do disco pelo atleta nos realização da coisa – causa motora –, a forma
jogos olímpicos, quando um ente denso e pe- segundo a qual ela é realizada – causa formal
sado é forçado a percorrer uma trajetória difer- – e a razão pela qual ela vem a existir – causa
ente da que lhe é natural. Esse tipo de deslo- final.
camento foi denominado movimento violento.
Estes sentidos podem, entretanto, ser resumi-
As alterações qualitativas e quantitativas dos dos a apenas dois: o de causa material e o de
entes, como, por exemplo, a transformação de causa formal porque a forma está tanto no
uma única árvore em várias peças e em diver- agente quanto na finalidade do processo de
sos instrumentos, também são consideradas realização ou atualização da coisa. Assim, uma
como movimentos por Aristóteles. Elas seriam vez que a investigação da essência deve levar
regidas pelo mesmo princípio que ordena o em conta a unidade da matéria e da forma, ela
movimento dos seres celestes e o movimento se desenvolve como um processo no qual são
natural dos seres terrestres, isto é, o princípio empregadas todas as faculdades sensíveis e
de que todos os seres buscam a sua perfeição intelectuais: a sensação, a memória, a imagi-
ou o seu Bem. nação e o raciocínio.

A Teoria da Potência e do Ato Nesse processo, a sensação é o ponto de par-


tida porque é nela que o homem recolhe os
Ora, as concepções de Aristóteles sobre o mo-
dados da realidade. Pelo acúmulo das infor-
vimento, o universo, o ser e o pensamento de-
mações na memória e a sua recordação, con-
senvolveram-se em torno de uma questão que
solida-se a experiência, isto é, o conhecimen-
teria incomodado muitos dos seus predeces-
to prático. A experiência, portanto, é uma
sores e que, até o seu aparecimento, não
forma relevante do saber – ao contrário do que
havia, em seu ponto de vista, sido solucionada.
pensava Platão –, embora não seja o seu obje-
Trata-se de saber como se pode determinar a tivo último. Somente pelo uso do raciocínio,
essência ou a verdade dos entes sem que essa aplicado à experiência, pode-se abstrair dos
definição possa sofrer abalos em função dos entes a sua forma, estrutura ou essência. A
movimentos e das alterações às quais as ciência encontra-se neste último estágio do
coisas estão sujeitas pela ação do tempo e da processo porque, como se viu, ela consiste no
natureza. conhecimento da causa.

40
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo grego

Assim, por exemplo, o mestre de obra conhece


a causa, ou o porquê, quando se trata de con-
TEMA 12
struir, ao passo que o operário sabe o como,
mas não conhece os princípios ou a causas de
sua arte. A CIÊNCIA NO PERÍODO HELENISTA
A ciência, segundo Aristóteles, deve ser capaz
de demonstrar as suas afirmações. Para tanto,
“Parece suceder à filosofia grega aquilo
ela dispõe de dois tipos de raciocínio sobre os
que não deve ocorrer a uma boa tragédia:
quais o filósofo discorreu nos livros do Orga-
ter um desfecho pobre. Com Aristóteles, o
non: a indução, que consiste na formulação de
Alexandre Magno da filosofia grega,
princípios gerais a partir da percepção de fenô-
parece ter fim, na Grécia, a história
menos semelhantes, como no caso da afirma-
ção de que “o chá de boldo é a causa da cura objetiva da filosofia.”

do enjôo estomacal”; afirmação que surgiu (MARX).


após a constatação de que Sócrates, Platão e
Aristóteles foram curados desse mal pela in-
gestão do chá. A dedução, por sua vez, é o Denomina-se período helenista, da filosofia e
raciocínio que se dá no sentido inverso e que da ciência, aquele que se seguiu à morte de
permite a aplicação de um proposição geral a Alexandre Magno (323 a.C.), cujo projeto
um caso particular, como no silogismo. consistiu em tentar unificar o mundo antigo
sob o paradigma cultural grego, e cujo centro
hegemônico se deslocou da velha Atenas, na
Grécia, para a nova cidade de Alexandria, no
Egito. Daí também o termo cultura alexandrina.
O domínio alexandrino determina a terceira,
última e definitiva inflexão do pensamento
grego, tanto na filosofia quanto na ciência. A
primeira é a inflexão da physis, definida pela
filosofia e ciência pré-socráticas. A segunda é a
inflexão da polis, do período clássico, dos so-
fistas, de Sócrates, de Platão e de Aristóteles.
A terceira é a inflexão da cosmópolis, da filo-
sofia pós-aristotélica (helenista), que se vai
expressar em três orientações básicas: o es-
toicismo, o epicurismo e o ceticismo.
Como de resto ocorre em todo processo
cultural, no percurso dessas três inflexões há
ruptura e continuidade. E Atenas é um em-
blema dessa dialética cultural. No período
helenístico, a polis perde a autonomia e não
pode mais presidir seu destino. Atenas é agora
parte, não mais o centro, da cosmópolis
pensada por Alexandre. A cidadania, antes
privilégio da polis e de poucos, abre-se ao
mundo. Ex-aluno de Aristóteles na adoles-
cência, Alexandre não segue o ensinamento
excludente do mestre, para quem os não-
gregos deveriam ser tratados como escravos.
De Atenas, Alexandre está mais interessado

41
UEA – Licenciatura em Matemática

nas mediações culturais, que se constituíram


em padrão de vida cultural do Ocidente. “Cientistas e doutos de todos os países eram
hospedados no Museu e tinham à sua dis-
“O Oriente é muito mais rico – o que a posição um material científico e bibliográfico
Grécia continental jamais foi. Doravante as excepcional para o tempo. Ao Museu foi de-
grandes batalhas pelos impérios e riquezas pois acrescentada a biblioteca, cujo primeiro
não passam mais verdadeiramente por núcleo, diz-se, foi formado pelas obras de
Atenas, que não está mais no centro das tro- propriedade de Aristóteles, e que se tornou
depois riquíssima, até compreender 700.000
cas mediterrâneas e que perde população.
volumes. A cultura alexandrina é caracteriza-
Alexandria e Rodes são muito mais impor-
da pelo divórcio entre ciência e filosofia.
tantes. Em contrapartida, o prestígio intelec-
Enquanto as pesquisas cientificas, a determi-
tual da cidade permanece. Em segundo nação dos métodos da ciência e sistematiza-
plano do ponto de vista político, ela per- ção dos resultados dão grandes passos
manece pelos séculos uma capital intelectu- nesse período, a filosofia renuncia à tarefa
al, sobretudo uma capital filosófica” que constituiu a sua grandeza no período
(DUHOT, 2006, p. 17). clássico: a de procurar livremente os camin-
hos e os modos de uma existência propria-
mente humana” (ABBAGNANO, 1982, p. 23).
Se no período clássico, de afirmação da polis,
a filosofia reinava sobre o mundo e sobre as
ciências, e pretendia mesmo, como atesta a Dentre grandes representantes da ciência ale-
politéia platônica, instaurar uma nova socia- xandrina, podemos citar, no campo matemá-
bilidade política, no período helenista ela tico, as figuras de Euclides, Arquimedes e
abdica da transformação social e volta-se para Apolônio.
o artesanato interior, para a vida imperturbável,
para a consolação do espírito, para a saúde da
alma (como ocorre no estoísmo e no epicuris-
mo), ao mesmo tempo em que duvida do
poder do conhecimento e refuta a adesão a
qualquer doutrina (tal é o exemplo do ce-
ticismo).
Epicuro, com o seu tetraphármakon ou quá-
druplo remédio, é o modelo por excelência
dessa inflexão ética da filosofia:
1. Não há o que temer quanto aos deuses.
2. Não há o que temer quanto à morte.
3. É possível resistir à dor.
4. É possível ser feliz.
Sob o paradigma alexandrino, a filosofia retrai-
se, e as ciências expandem-se. Alexandria ti-
nha sido destinada a se converter no centro
intelectual da cosmópolis, para onde deveriam
convergir as culturas grega e a oriental, agora
mediadas e unificadas pelo grego, a língua que
se tornara patrimônio comum de todos os
doutos. A Academia Platônica e o Liceu aris-
totélico cedem lugar, no helenismo, ao Museu
e à Biblioteca de Alexandria.

42
UNIDADE IV
A Ciência na História: o Mundo Medieval
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo medieval

seguro para o cultivo e, sobretudo, para a con-


servação da sabedoria antiga.
TEMA 13

“(...) era uma teologia que contemplava o


A INFLEXÃO TEOCÊNTRICA DA RAZÃO: mundo como uma grande alegoria. A reali-
A CIÊNCIA SUBMETIDA PELA FÉ dade se lhe apresentava, com efeito, como
uma espécie de grande livro aberto, cuja leitu-
ra devia ser feita pela sobreposição de outro
livro, a Escritura. Esta, por sua vez, era a ale-
“Com efeito, não busco compreender para
goria das verdades divinas que se revelavam
crer, mas creio para compreender. Efeti- através de sua letra” (VAZ, 1986, p. 80).
vamente creio, porque, se não cresse, não
conseguiria compreender.” A teologia como ciência do mundo corre-
(SANTO ANSELMO) sponde ao período de consolidação da cri-
standade medieval, desenvolve-se desde o
século XII – o século do nascimento dos int-
electuais (cfr. Le Goff, 1988, p. 20) – e coincide
A Idade Média compreende um período históri- com a decadência do mundo feudal, que
co de mais de dez séculos, ao longo dos resulta do processo de urbanização e do
quais, por força do domínio da Igreja Romana desenvolvimento das ci-dades. Trata-se, pois,
sobre a Europa, a teologia consolida-se como de uma teologia urbana, de caráter científico,
forma hegemônica da vida cultural. Nesse cujo centro de cultivo se desloca das abadias
período, desde a divisão do Império Romano rurais para as universidades citadinas. Seu re-
em Império Romano do Ocidente e Império ferencial filosófico é mais aristotélico que
Romano do Oriente (no século IV) até a toma- platônico. Com a entrada de Aristóteles no
da de Constantinopla pelos turcos otomanos Ocidente pela influência árabe, os conteúdos
(no século XV), a filosofia e a ciência desen- da teologia alegórica são ressignificados a
volvem-se sob a inflexão teocêntrica da razão. partir das mediações científicas do estagirita.
E, se do ponto de vista da filosofia e da ciência, Nesse registro epistemológico, constituem-se
Platão e Aristóteles se tenham convertido na as grandes sumas, cuja maior em sistematiza-
principal influência da produção intelectual da ção, conteúdo e profundidade é a Suma
Idade Média, vale dizer que já não são mais o Teológica de Santo Tomás de Aquino.
Platão e o Aristóteles da polis grega, pois, no
mundo medieval, a herança platônico-aristo- “É nessa hora de esplendor que a teologia
télica é filtrada pelo teocentrismo cristão. Aliás torna-se, realmente, forma de cultura da
Idade Média. Todos os problemas que
não é por outro motivo que Nietzsche afirma
dizem respeito à organização da cidade, ao
que o cristianismo se converteu no platonismo homem e ao seu destino – o problema ético-
dos pobres. político e o problema da história – vão bus-
car os termos de sua formulação e da sua
Conforme interpretação de Henrique Vaz, a
solução nessa matriz teológica. A partir dela
teologia “como forma unificadora da cultura se eleva a visão do universo que Dante
medieval” (1986, p.80) vai se desenvolver sob Alighieri imortalizou ao termo da Divina
o influxo de dois registros epistemológicos: a Comédia – essa imensa parábola teológica
teologia como alegoria do mundo e ciência do do homem medieval (Par. XXXIII, 85-90)”
mundo, que correspondem a dois períodos (VAZ, 1986, p. 81).

históricos. A teologia como alegoria do mundo,


que alcança o século XII, corresponde ao Ao contrário de certa compreensão estreita e
período de formação da cristandade medieval, preconceituosa, segundo a qual a Idade Média
e se denomina teologia monástica, porque é a idade das trevas, de completa estagnação
numa Europa retraída por sua estrutura feudal, intelectual, é preciso dizer que a razão humana
as abadias beneditinas tornam-se o reduto não entrou em recesso nesse período. O que

45
UEA – Licenciatura em Matemática

ocorre é uma prevalecência da razão teológica


sobre a razão filosófico-científica. As verdades
TEMA 14
da fé balizam toda a atividade racional, e a filo-
sofia converte-se em serva da teologia.
Em forma de síntese, podemos apresentar as FILOSOFIA E CIÊNCIA NA PATRÍSTICA
seguintes notas características do mundo me-
dieval:
“Ora, ninguém pode viver com segurança
• Trata-se de uma sociedade de ordens, hierar- no meio de bens que pode vir a perder
quizada e marcada pelas relações de suse- contra a sua vontade. A verdade e a sa-
rania e vassalagem. No topo da pirâmide bedoria ninguém as pode perder contra a
social, encontram-se a nobreza e o clero. própria vontade. Pois ninguém pode ficar
• Um mundo fragmentado em feudos, cuja separado delas por distâncias de lugar. O
posição social dos homens é determinada que se pode entender por ficar separado
pela propriedade da terra, e no qual con- da verdade e da sabedoria será o amor
figura-se a divisão entre os servos da gleba dos bens inferiores. Aliás, ninguém quer
(despossuídos) e os senhores proprie- alguma coisa sem de fato o querer.”
tários. (SANTO AGOSTINHO)

• Controle da Igreja sobre o mundo da cul-


tura e da educação, em que os únicos letra- A filosofia medieval, embora se desdobre num
dos eram os monges e os membros da hier- espectro que engloba uma grande variedade
arquia. de tendências e tradições, é geralmente dividi-
• O conteúdo do ensino constitui-se das sete da em dois grandes períodos: o período pa-
artes liberais, que são as artes do homem trístico, de formação da filosofia e teologia
livre, distintas das artes mecânicas do ho- cristãs, que compreende os cinco primeiros
mem servil. séculos da era cristã; e o período escolástico,
de consolidação e decadência do pensamento
• A partir do renascimento carolíngio, as artes
medieval, que se desenvolve a partir do século
liberais serão subdivididas por Alcuíno, a
IX, encontra seu apogeu nos séculos XIII e XIV,
mando de Carlos Magno, em dois ramos: o
entrando a partir daí em declínio.
trivium e o quadrivium.
O período patrístico corresponde aos primeiros
• O trivium era constituído pelas disciplinas
séculos do cristianismo, quando vamos encon-
Gramática, Dialética e Retórica; tinha como
trar os primeiros grandes ideólogos da fé cristã
objeto de estudo a expressão do pensamen-
num ingente labor de elaboração e sistemati-
to (verba) e correspondia ao ensino médio.
zação de tratados apologéticos, em defesa das
• O quadrivium era constituído pelas disci- verdades reveladas. Sob a tutela da fé cristã, a
plinas Aritmética, Beometria, Astronomia e ciência (filosofia e teologia) tem por objeto con-
Música. Tinha por objeto de estudo o mun- ferir inteligibilidade racional aos conteúdos da
do das coisas (res) e correspondia ao ensi- revelação. Regra geral, são identificadas duas
no superior, atingindo um número menor de tendências do pensamento cristão nesse pe-
pessoas. ríodo: a tendência dos apologistas gregos e a
• Predomínio da concepção aristotélica da tendência dos apologistas latinos.
ciência, caracterizada por sua natureza es- Os apologistas gregos, notadamente influenci-
peculativo-qualitativa. ados pela tradição platônica da filosofia, defen-
dem a conciliação entre fé e filosofia. O logos
grego é cristianizado, e o cristianismo creden-
cia-se como herdeiro de direito da tradição
filosófica grega. Justino (século II), pensador

46
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo medieval

dessa tendência, sustenta que o logos integral


se manifestou em Cristo, mas antes os seus “Pelo que, pareceu-me que o tempo não é
outra coisa senão distensão; mas de que
germes já se faziam presentes nos filósofos
coisa o seja, ignoro. Seria para admirar que
gregos, como em Sócrates, um cristão antes não fosse a da própria alma” (SANTO
de Cristo. Clemente de Alexandria (séculos II – AGOSTINHO, 1988, p. 290).
III), por sua vez, acreditava que os Evangelhos
eram uma expressão superior e aperfeiçoada
do platonismo e que o próprio Platão era um “Para tratar deste confronto entre fé e história,
Moisés helenizado. “Uma outra de suas doutri- Santo Agostinho escreveu de 413 a 426 sua
nas era que Deus tinha feito três pactos com o obra de maior influência: DE CIVITATE DEI –
A CIDADE DE DEUS. É uma interpretação do
homem – o da Lei, o do Evangelho e o da
mundo à luz da Fé Cristã. Trata-se da pri-
Filosofia” (MONROE, 1974, p. 98). meira teologia e filosofia da história” (LEÃO
Os apologistas latinos, ao contrário dos apolo- apud SANTO AGOSTINHO, 1990, p. 17).

gistas gregos, são adversários da filosofia


grega e não admitem conciliação entre fé e Mais de um milênio antes da emergência carte-
filosofia. Essa tendência não foi a que predomi- siana do cogito, categoria fundante do pensa-
nou, e a despeito de sua atitude hostil à espec- mento filosófico moderno e primeira certeza
ulação grega, involuntariamente assimila e estabelecida quando Descartes submeteu ao
reproduz o pensamento que rejeita. Tertuliano regime epistemológico da dúvida tudo o que
(século II) é a figura mais expressiva dessa ati- excedesse à substância pensante, Santo
tude contraditória e polêmica. Para ele, a fé Agostinho, de forma genialmente antecipado-
basta a si mesma. A filosofia, além de inútil, ra, e sem que a filosofia do cogito (não se sabe
representa séria ameaça às verdades cristãs, se por omissão voluntária) o reconhecesse de-
sendo mesmo considerada fonte de muitas pois, já havia trilhado semelhante argumen-
heresias. Por isso, indaga Tertuliano: “que tem tação a partir da categoria do engano:
a ver Atenas com Jerusalém? Ou a Academia
com a Igreja? Ou os hereges com os cristãos?” “Pois, se me engano, existo. Quem não existe
pode não pode enganar-se; por isso, se me
(apud BOEHNER; GILSON, 1982, p. 138).
engano, existo. Logo, se existo, se me
Em Santo Agostinho (354-430) a filosofia e a engano, como me engano, crendo que exis-
ciência do período patrístico encontram seu to, quando é certo que existo, se me engano?
Embora me engane, sou eu que me engano
apogeu. Em obras como As Confissões e a
e, portanto, no que conheço que existo, não
Cidade de Deus, o mundo ocidental encontra, me engano. Segue-se também que, no que
mais do que dois monumentos literários da conheço que existo, não me engano. Segue-
inteligência humana, duas vias de acesso re- se também que, no que conheço que me
flexivo ao continente da verdade da consciên- conheço, não me engano. Como conheço
que existo, assim conheço que conheço”
cia e da verdade da história, e ambas confluin-
(SANTO AGOSTINHO, 1990, p. 47)
do para a interioridade humana. São duas
autobiografias intelectuais que, na unidade e
no vigor do pensamento, abrem a consciência
ao mundo e o mundo à consciência.

“O que é, por conseguinte, o tempo? Se


ninguém me pergunta, eu sei; se quiser
explicá-lo a quem me fizer a pergunta, já não
sei. Porém, atrevo-me a declarar, sem receio
de contestação, que, se nada sobrevivesse,
não haveria tempo futuro, e se agora nada
houvesse, não existia o tempo presente”
(SANTO AGSOTINHO, 1988, p. 278).

47
UEA – Licenciatura em Matemática

• o argumento do ser necessário;


TEMA 15
• o argumento dos graus do ser;
• o argumento do governador supremo de
todas as coisas.
FILOSOFIA E CIÊNCIA NA ESCOLÁSTICA: A teoria do conhecimento do período escolás-
A INTELIGIBILIDADE DA FÉ tico funda o conceito clássico da verdade: o
lugar da verdade é o juízo, e sua essência é a
adequação entre o intelecto e o objeto.
“(...) Deve-se dizer que ainda que a ver-
dade de nosso intelecto seja causada pela Pedro Abelardo (1079-1142): a questão dos
coisa, não se segue que a razão da ver- universais.
dade se encontre primeiro na coisa, assim
como a razão da saúde não se encontra
Dentre outras, a questão dos universais está
primeiro no remédio e sim no animal. É a
entre as que mais geraram polêmica na filo-
virtude ativa do remédio, não sua saúde,
sofia medieval. Duas correntes disputavam a
que causa a saúde, pois trata-se de um
solução do problema: realismo e nominalismo.
agente não unívoco. Assim também é o
Para o realismo, o universal existe de fato, é
ser da coisa, e não sua verdade, que cau-
uma coisa (res); para o nominalismo, o univer-
sa a verdade no intelecto. Por isso, diz o
sal é apenas um nome, um sopro da voz (flatus
filósofo: Uma opinião ou palavra é ver-
vocis). Em meio à disputa, Abelardo propõe
dadeira porque a coisa é, e não porque a uma saída intermediária denominada concep-
coisa é verdadeira” tualista. Entre os dois extremos, afirma que os
universais são palavras significativas e não
(TOMÁS DE AQUINO).
simples emissões de voz; não existem por si
mesmos, a não ser na mente, mas se referem
A filosofia e a ciência do período escolástico a seres reais.
aprofundam o projeto de conciliação entre fé e Roger Bacon (1210-1292): as fontes da
razão e, ao utilizarem-se da riqueza teórica do ignorância.
patrimônio filosófico grego, sobretudo da con-
tribuição da ciência aristotélica com seu princi- Segundo Roger Bacon, considerado uma das
pio de causalidade, elaboram e sistematizam figuras mais independentes da Idade Média, a
os grandes temas do pensamento cristão. reforma do espírito humano implica a superação
do que ele designa como fonte dos erros hu-
É de Santo Anselmo (1033-1109) o lema que manos (da ignorância), que são quatro: 1 – “O
sintetiza o itinerário do pensamento medieval: exemplo de uma autoridade frágil e indigna; 2 –
fides quaerens intellectum (a fé em busca da A longa duração do hábito; 3 – Os preconceitos
inteligência). Trata-se de tornar a fé cristã inte- do vulgo ignaro; 4 – Os disfarces da ignorância
ligível por meio das mediações da razão filosó- e a ostentação de um saber aparente.” (BOEHN-
fica. A fé não deve ser apenas aceita, deve ser
ER; GILSON, 1982, p. 378-380).
também compreendida. A este propósito, To-
más de Aquino (1224-1274) sustenta a harmo- Tomás de Aquino (1224-1274): o regime de
nia entre fé e ciência, entre teologia e filosofia. cooperação e distinção entre Filosofia e
Porque procedem da mesma fonte da verdade, Teologia.
que é Deus, a fé e a razão não são contra-
Dos pensadores medievais, Tomás de Aquino
ditórias, mas distintas. Em sua teodicéia ou
é aquele que melhor aprofunda e sistematiza a
teologia racional, Tomás de Aquino apresenta
relação entre fé e razão, teologia e filosofia.
os célebres cinco argumentos para provar a
Num profundo e sistemático diálogo com a filo-
existência de Deus:
sofia grega, elabora a Suma Teológica, que
• o argumento do primeiro motor; recobre as questões fundamentais da teologia
• o argumento da primeira causa eficiente; e da filosofia.

48
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo medieval

“Se não existisse a inteligência humana,


assim mesmo as coisas seriam (ditas) ver-
dadeiras por causa de sua relação com a
inteligência divina. Mas se, por absurdo,
ambas as inteligências desaparecessem,
não existiria a verdade sob nenhum aspecto
(...). Portanto, a verdade está na inteligência
divina de maneira própria e primeira; na
inteligência humana de maneira própria e
secundária; nas coisas, porém, de maneira
imprópria e secundária porque ela não
existe a não ser em relação a uma ou a outra
das duas verdades.” (AQUINO apud PEGO-
RARO, 1979, p. 71).

49
UNIDADE V
A Ciência na História: o Mundo Moderno
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo moderno

cem à leis diferentes daquelas que regem os


acontecimentos do mundo celeste. Mediante
TEMA 16
a concepção de que há uma hierarquia entre
esses dois mundos, a situação do homem en-
DO GEOCENTRISMO tre as criaturas era determinada justamente
AO HELIOCENTRISMO pelo fato de ele apresentar, ao mesmo tempo,
características semelhantes às dos seres ce-
lestes – eternos, perfeitos e incorruptíveis – e
“Qualquer pessoa pode dar-se conta, com atributos próprios aos seres terrestres – finitos,
a certeza dos sentidos, de que a Lua é imperfeitos e corruptíveis.
dotada de uma superfície não lisa e poli-
A ciência da época possuía um caráter espec-
da, mas feita de aspereza e rugosidade,
ulativo e livresco, isto é, sua finalidade era a
que, tanto quanto a face da própria Terra,
determinação de modelos políticos, morais e
é por toda parte cheia de enorme ondu-
religiosos a partir da interpretação e do comen-
lações, abismos profundos e sinuosi-
tário das obras dos sábios da antiguidade e
dades.”
dos doutores da doutrina católica. Além disso,
(Galileu Galilei) o método empregado era a lógica aristotélica
que partia dos dados sensíveis e do senso
comum para a explicação dos princípios gerais
A Revolução Científica: de Copérnico a
da realidade.
Descartes
Isso explica o fato de que as idéias apresen-
No fim do século XVI, as sociedades européias
tadas por Copérnico foram rejeitadas pela gran-
estavam passando por transformações profun-
de maioria da população e dos estudiosos.
das nos domínios da economia, da política, da
Como se sabe, Nicolau Copérnico, astrônomo
religião e, também, nos da ciência e da filo-
de origem polonesa, propôs a substituição do
sofia.
geocentrismo pela concepção de que a Terra
Além do esgotamento do regime feudal e da gira em torno do Sol – heliocentrismo – e, tam-
ascensão do capitalismo, a unidade política e bém, faz revoluções sobre o seu próprio eixo.
religiosa foi abalada pelos movimentos sociais
Galileu Galilei, juntamente com Kepler, foi um
que fizeram nascer os Estado Modernos e as
dos primeiros sábios a aderir a essa teoria. Ele
igrejas protestantes. Não se pode esquecer
via aí a possibilidade de desenvolver, com se-
que, nessa época, também ocorreram as
gurança, algumas idéias nas quais acreditava,
grandes navegações que promoveram a des-
mas que eram incompatíveis com o pensa-
coberta do Novo Mundo. Essas transforma-
mento oficial da época.
ções foram acompanhadas de mudanças na
forma de pensar e, especialmente, na forma de Entre essas idéias, a mais importante para a
conceber o universo e o papel da ciência para destruição do edifício teórico vigente era a de
a existência humana. Nesse processo, o que as leis que regem o mundo terrestre são
matemático e filósofo italiano Galileu Galilei as mesmas que regem os acontecimentos na
teve atuação decisiva para a consolidação da esfera celeste. A concepção contrária era o
ciência moderna. que impedia a transformação da astronomia
em uma ciência prática e a aplicação da mate-
Nessa época, a maneira de explicar a ordem
mática no estudo e na explicação dos fenô-
do universo e as leis do mundo físico era pre-
menos físicos.
dominantemente aristotélica-ptolomaica. Ou
seja, a concepção metafísica de Aristóteles foi No início de seus estudos, em Pisa, Galileu tro-
associada à teoria do astrônomo Ptolomeu pa- cou a medicina pela matemática e voltou sua
ra justificar a idéia de que o universo é uno, preocupação para alguns problemas de mecâ-
eterno e limitado, com a Terra situada no seu nica, balística e hidráulica a partir da leitura de
centro, e que os fenômenos terrestres obede- Euclides e Arquimedes.

53
UEA – Licenciatura em Matemática

Como estes sábios da antigüidade, Galileu na forma de pensar. Elas carregam os princi-
acreditava na possibilidade de explicar os fe- pais traços caracterizadores da atitude intelec-
nômenos físicos utilizando a matemática, a ob- tual da ciência moderna. Pode-se dizer que
servação e a experimentação. estes traços são a destruição da idéia do
cosmo e a geometrização do espaço. Ou
Conta-se que, com esse intuito, ele subiu ao topo
seja, o universo deixou de ser concebido como
da torre de Pisa e, de lá, atirou dois objetos de
uno, limitado e hierarquizado, as leis que o
massas e pesos diferentes que, como ele havia
regem deixaram de ser concebidas a partir da
previsto, atingiram o solo ao mesmo tempo.
idéia de finalidade; por outra parte, ele passou
Embora esse episódio não possa ser atestado a ser pensado como um espaço homogêneo,
por fontes documentais, não há dúvida de que onde todos os seres obedecem, de modo
a primeira lei da física moderna foi formulada igual, às mesmas leis, que, por sua vez, se
por Galileu. expressam como enunciados matemáticos.
Constituída por dois enunciados, a lei da Além de determinar os pontos fundamentais
queda dos corpos afirma que: da lei da inércia, Descartes forneceu ao pensa-
a) “A velocidade de um corpo que cai aumenta mento moderno os fundamentos metafísicos e
proporcionalmente ao tempo.” os recursos metodológicos para a destruição
do edifício aristotélico e a transformação da
b) “A aceleração da queda é a mesma para
ciência em um instrumento de intervenção do
todos os corpos.”
homem sobre a natureza
A partir de algumas informações sobre um ins-
trumento que permitia ver a distância, Galileu
inventou, em 1609, o perspicilli ou telescópio e
passou a fazer observações do céu.
As teses de Galileu abalaram definitivamente a
idéia de que os astros são incorruptíveis. Elas
também resgataram o papel da observação,
embora Galileu a tenha associado, de forma
oposta à teoria de Aristóteles, a uma concep-
ção matemática e mecânica do mundo.
As idéias de Copérnico já enfrentavam muita
resistência por parte das autoridades eclesiás-
ticas. Após a publicação, em 1632, do livro
Diálogo sobre os dois maiores sistemas do
mundo – ptolomaico e copernicano, Galileu foi
processado e condenado pelo Tribunal do
Santo Ofício. O processo foi reaberto em 1983,
e o filósofo, absolvido.
Apesar da condenação de Galileu, suas idéias
ganharam cada vez mais adeptos. Alguns de
seus contemporâneos, como Ticho Brahe,
Kepler e Giordano Bruno, também contri-
buíram para a consolidação do heliocentrismo
e da física moderna, da qual, como se sabe,
Isaac Newton, no século XVIII, sistematizou as
leis e completou a teoria.
As teses de Copérnico e dos filósofos do sécu-
lo XVII provocaram uma verdadeira revolução

54
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo moderno

tempo de transição, as rupturas com o mundo


medieval fazem-se notórias, e a meditação
TEMA 17
filosófica da renascença torna-se rica e varia-
da. Ao livrar-se do controle teológico que vi-
A INFLEXÃO ANTROPOCÊNTRICA gorou na Idade Média, o Renascimento deu
DA CIÊNCIA MODERNA: asas à sua ânsia de renovação e expansão,
HUMANISMO RENASCENTISTA que passou a ser uma de suas marcantes car-
acterísticas.
Assim, a filosofia, a arte, a ciência, a política
“Nós não te fizemos nem celeste nem ter- sentem-se livres das amarras teocêntricas e
reno, nem mortal nem imortal, para que tu, desimpedidas para trilhar um outro e novo ca-
quase árbitro e honorário plasmador e minho. O Renascimento, de modo geral, pode
fundador de ti mesmo, possas encontrar a ser entendido como o eclodir de um surto de
forma que preferires. Poderás degenerar criatividade e de liberdade em todas as áreas
até horrendos graus inferiores; poderás do conhecimento.
regenerar-te nos divinos graus superiores,
Os ideais desse período podem ser sintetiza-
segundo a decisão do teu ânimo...”
dos no chamado Humanismo. Este, por sua
(Pico Della Mirandola) vez, consistiu, essencialmente, no cultivo dos
conhecimentos que visavam à felicidade e ao
aperfeiçoamento do homem, os quais estavam
Entende-se por Renascimento o movimento
em franca oposição às cogitações dos teólo-
literário, artístico e filosófico que vai, aproxi-
gos que, voltados para Deus, consideravam a
madamente, desde o fim do século XIV até o Terra um passageiro exílio. É, sem dúvida,
fim do século XVI e que se difundiu da Itália dessa oposição que o termo Humanismo foi
para os outros países da Europa. tirado.
Tanto a palavra quanto o conceito de Renas- O fato de o Humanismo, de modo geral, sinte-
cimento têm origem religiosa. O termo indica o tizar os ideais desse período, não quer dizer
segundo nascimento, o nascimento do homem que a unidade nele tenha vigorado. Ao con-
novo ou espiritual. É como se indicava, na Ida- trário, é um período no qual se fazem pre-
de Média, a volta do homem a Deus, o retorno sentes tendências opostas e inconciliáveis. É a
àquela vida que ele perdeu, no paraíso, com a idade do despertar. Tempo glorioso e fecundo
queda de Adão. que abriu as portas ao livre desenvolvimento
A partir do século XV, o termo assume um novo do pensamento moderno.
sentido: é empregado para indicar uma reno- É curioso observar que, paradoxalmente, é o
vação moral, intelectual e política obtida por neoplatonismo que, nesse período, será toma-
meio do retorno aos valores daquela civiliza- do como arquétipo interpretativo de um mundo
ção em que se julga que o homem tenha con- que é desvendado pela ciência experimental.
seguido sua melhor realização: a civilização Essa concepção filosófica influenciará signi-
greco-romana. ficativamente os pensadores renascentistas.
Dessa concepção filosófica, decorre o entendi-
A princípio, não é difícil perceber o caráter po-
mento de que a grande tarefa da filosofia con-
lêmico e ambíguo do Renascimento: de um
siste em ordenar as coisas e os espíritos entre
lado, sua tentativa de se ligar à idade clássica
Deus como princípio e Deus como fim. Isso ex-
e de extrair diretamente dela a inspiração para
pressa, claramente, o contraste entre o velho
suas próprias atividades; de outro, a influên-
esquema medieval e a nova filosofia da
cia, inegável, do mundo medieval no que se
natureza e da conduta humana, implicando
refere aos problemas e às soluções com que
grande dificuldade doutrinária. É o teocentris-
ainda se ocupa.
mo que abre espaço para a chegada do
Mas, com o passar do tempo, já que é um antropocentrismo.

55
UEA – Licenciatura em Matemática

A organização da sociedade sofre um grande Exemplo disso é Leonardo da Vinci, que é pin-
impacto: enquanto, na ordem social medieval, tor, engenheiro, matemático e físico ao mesmo
o homem está fortemente atrelado à tradição tempo. Mas também podemos lembrar Maqui-
religiosa, cioso da hierarquia e da permanên- avel e Francis Bacon, teóricos importantes do
cia da ordem cósmica, o homem da renas- novo estado moderno e do novo espírito cien-
cença é, principalmente, um espírito individual- tífico respectivamente.
ista que busca abarcar e dominar o mundo Lembremos, no entanto, que o ideal do uomo
com seu pensamento. singolare que configura o arquétipo do human-
Esse novo espírito decorre, é claro, de fatores ismo renascentista, expressão maior do an-
que contribuíram para sua formação. Assim tropocentrismo nascente, não constitui um mo-
podemos destacar: as múltiplas influências so- delo acabado. Trata-se, na verdade, de um
fridas pelo Ocidente cristão a partir do mundo ideal dinâmico, em que a insatisfação de quem
árabe, notadamente no que se refere às tra- busca a perfeição está sempre presente.
duções, realizadas nas universidades, das Por fim, já mencionamos, acima, que o período
obras da ciência antiga; a descoberta do Novo do Renascimento não apresenta uma unidade,
Mundo, no final do século XV; as leituras dos mas tendências do pensamento, o que o torna
autores antigos; o aumento das técnicas, não um período rico e variado. Dentre as tantas
somente graças à bússola, à prova e à impren- tendências que despontam no panorama do
sa, mas também devido às invenções industri- pensamento renascentista, podemos citar: a
ais ou mecânicas, muitas das quais se deve de inspiração neo-aristotélica, que marca um
aos artistas italianos que eram simultaneamen- retorno ao pensamento do Estagirita, de orien-
te artesãos. tação pagã e não cristã ; a de inspiração neo-
Todos esses fatores colaboraram para a platônica, representada por Nicolau de Cusa,
eclosão de uma nova forma de liberdade e de Leão Hebreu, Giordano Bruno, Tomás Cam-
pensamento, em que a fome de saber abarca- panella, entre outros; a de inspiração científico-
va todos os temas. Podemos dizer que os experimental, representada por Leonardo da
homens dessa época, mesmo os que ainda, Vinci e Galileu Galilei; o neoceticismo de Mi-
de alguma maneira, se encontravam apegados chel de Montaigne. São tendências distintas
à tradição, têm a impressão de que a vida, por que, entretanto, apresentam pontos comuns,
largo tempo suspendida, recomeça, que o dado o paradoxal ambiente místico-experimen-
destino da humanidade renova-se. tal que caracterizou o Renascimento.

Há um acordar, um despertar para a conside-


ração objetiva do Estado, e com ela um mane-
jo objetivo das coisas do Estado, bem como de
todas as coisas do mundo em geral. Junta-
mente com essa consideração objetiva do
Estado, ergue-se também o sentido do subjeti-
vo: o homem converte-se em indivíduo espiritu-
al e como tal se reconhece. É o uomo singo-
lare, o uomo único, que se estrutura na luta
pela sobrevivência num mundo cheio de peri-
gos e de realidades maravilhosas, que em na-
da se assemelham ao medievo.
O novo modelo de homem, arquétipo, já não
será o monge, mas a personalidade multifa-
cética do gênio militar que ao mesmo tempo é
comerciante, artista, filólogo e pensador. Tudo
o que é técnico é melhor apreciado e aceito.

56
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo moderno

chas solares em língua vulgar, para obter con-


senso em todos ambientes, e iniciou o trabalho
TEMA 18
de propaganda das teorias de Copérnico.
Essa atividade, especialmente as quatro cartas
abertas endereçadas a Benedetto Castelli so-
GALILEU GALILEI: A LINGUAGEM bre as relações entre ciência e fé, provocou a
MATEMÁTICA DO LIVRO DA NATUREZA denúncia do Santo Ofício e a admoestação pú-
blica do cardeal Bellarmino. Em 1623, escre-
veu O Ensaísta e, 1632, depois da eleição do
“Dado que as Escrituras, em muitas pas-
novo papa Urbano VIII – que sempre fora
sagens, não só são capazes de transmitir
benevolente com ele –, escreveu o Diálogo
conteúdos diferentes do significado literal
sobre os Dois Máximos Sistemas do Mundo
das palavras como têm necessidade de
Ptolomaico e Copernicano. Foi novamente
fazê-lo, parece-me que nas discussões de
convocado pela Inquisição e obrigado a abju-
caráter científico elas deveriam ser deix-
rar. Permaneceu em prisão domiciliar na Vila
adas de lado”
Médici e, depois, na Arcetri, onde escreveu a
(Galileu Galilei) sua última obra, Discursos e Demonstrações
Matemáticas sobre Duas Novas Ciências, pu-
blicada em Leida, em 1638.
Nasceu em Pisa, mas, ao completar 10 anos,
mudou-se para Florença, onde fez seus pri- Muitas são as contribuições de Galileu para a
meiros estudos. Era de uma família da média ciência, nomeadamente para a Astronomia e
burguesia, seu pai era músico e comerciante. para a Física. Opera nesta uma mudança radi-
Por vontade de seus pais, inscreveu-se na Fa- cal no campo da óptica geométrica (lentes,
culdade de Medicina a qual viria a abandonar reflexão e refração da luz), termologia (inventor
mais tarde por não ter o menor interesse por do termômetro), hidrostática, óptica física (teo-
essa área do conhecimento. Sentia-se atraído ria sobre a natureza da luz) e principalmente
pela Matemática, que passou a estudar com no campo da dinâmica, da qual lançou as
empenho e com sucesso sob a orientação de bases.
Ostilio Ricci, discípulo do grande matemático Toda sua produção foi possível devido a vários
Nicolau Tartaglia. fatores de ordem prática. Galileu tinha uma ofi-
Algumas notáveis invenções, por exemplo, a cina com plano inclinado, termômetro, luneta,
bilanceta, uma pequena balança hidrostática relógio de água. Mesmo sendo inventos primi-
capaz de determinar o peso específico dos tivos, eram suficientes para mostrar o valor da-
corpos, valeram-lhe a nomeação para o cargo do à observação, pela qual se tornou possível
de professor de matemática na Universidade abandonar a ciência especulativa – a física an-
de Pisa, onde permaneceu por três anos, estu- tiga, aristotélica – e caminhar em direção à
dando particularmente o problema do movi- construção de uma ciência ativa.
mento natural da queda. Em 1592, foi para a Diferentemente do discurso formal, Galileu re-
Universidade de Pádua onde ficou cerca de quisita o testemunho dos sentidos e o auxílio
dezoito anos. da técnica. Valoriza a experiência e preocupa-
Em 1610, divulgou, na obra Sidereus Nuntius, se com a descrição do fenômeno. Enquanto a
física antiga procurava o “porquê” do fenô-
(Mensageiro Celeste) as descobertas a que
meno e o explicava pelas qualidades inerentes
chegou graças à utilização do telescópio. Esta
aos corpos, Galileu interessa-se pelo “como”,
obra lhe conferiu fama imediata, mas atraiu a
o que supõe a descrição quantitativa do fenô-
hostilidade de teólogos e de astrônomos aris-
meno.
totélicos. Em Toscana, sobre a proteção do
grão-duque Cosimo de Médici, escreveu, em Essa descrição torna-se possível porque nosso
1613, História e demonstrações sobre as man- autor faz distinção entre qualidades secun-

57
UEA – Licenciatura em Matemática

dárias (cor, odor, sabor) e qualidades primárias não submetido à ação de uma força perma-
(forma, figura, número e movimento). As pri- nece indefinidamente em repouso ou em movi-
meiras são subjetivas, enquanto as segundas mento uniforme. Sabe-se, no entanto, que isso
são objetivas e passíveis de aplicação mate- não acontece de fato, pois não é levado em
mática, o que permitiu a Galileu assimilar o es- conta o atrito, mas pode ser pensado como se
paço físico ao espaço geométrico de Euclides. ocorresse.
No que se refere ao movimento, Galileu desfez Galileu Galilei, sem sombra de dúvidas, é um
a diferença aristotélica entre movimento quali- dos expoentes que marcam o surgimento dos
tativo e movimento quantitativo, pois toda mu- novos tempos: a ciência nascente não é o re-
dança torna-se quantitativa. Com isso, estabe- sultado de simples evolução, mas surge de
lece um corte – ruptura – entre as duas leituras uma ruptura, da adoção de uma nova lingua-
do mundo, pois, onde Aristóteles via quali- gem, que, pontua na verdade uma indiscutível
dades (corpos pesados ou leves), Galileu revolução científica. Com Galileu começa, en-
descobre relações e funções. A partir dos seus tão, o processo de separação da ciência das
estudos sobre Arquimedes, percebe que as antigas bases filosóficas. O núcleo dessa rev-
leis do equilíbrio dos corpos flutuantes são ver- olução pode ser visto na mudança de perspec-
dadei-ras, o que o leva a destruir a teoria da tiva a partir da qual se aborda a natureza ou,
“gravidade” e “leveza” dos corpos. “Subir“ e dito de outra forma, a partir da mudança de
“des-cer” não atestam mais a ordem imutável método que agora reúne e privilegia experi-
do mundo, a essência escondida das coisas. mentação e matemática.
A título de exemplo de destruição dessa teo-
ria, podemos citar: onde está a “gravidade” da
madeira quando mergulhada na água? Torna-
se “leve” a ponto de só poder mover-se para
baixo se forçada. Ao explicar “como” os cor-
pos caem (e não “por que” caem), Galileu des-
cobre a relação entre o tempo que um corpo
leva para percorrer o plano inclinado e o es-
paço percorrido. A repetição dessas experiên-
cias confirma as relações constantes e neces-
sárias e abre caminho para a formulação da lei
da queda dos corpos, explicitada numa forma
geométrica.
A percepção dos fenômenos a partir dessas
relações constantes e necessárias não nos au-
toriza, no entanto, a concluir que a nova men-
talidade científica, proposta por Galileu, deve-
ria ser de caráter estritamente experimental,
empírica. O procedimento de Galileu não é
sempre indutivo, não é sempre que ele parte
dos fatos para as leis. Muitas vezes, realiza
“experiências mentais”, por meio das quais
imagina situações impossíveis de verificar ex-
perimentalmente e tira conclusões desses ra-
ciocínios. Ora, o que dá validade científica aos
processos intelectuais é que os resultados de-
vem ser submetidos à comprovação. Foi uti-
lizando esse método que descobriu o Princípio
da Inércia, segundo o qual qualquer objeto

58
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo moderno

1620, que expõe as exigências metodológicas


da nova e grande instauração, já demarca pelo
TEMA 19
título a rejeição ao modelo aristotélico, exposto
pelo estagirita no Organum, que significa instru-
FRANCIS BACON: mento, ou, mais propriamente, a lógica en-
A GRANDE INSTAURAÇÃO quanto instrumento para conhecer a verdade.

“Bacon afirma que a ciência é poder, capaci-


“Ora, de toda essa filosofia dos gregos e dade de domínio sobre a natureza. O valor
todas as ciências particulares dela deri- da ciência é a sua capacidade para instaurar
o regnum hominis no mundo” (SEVERINO,
vadas, durante o espaço de tantos anos,
1984, p. 34).
não há um único experimento de que se
possa dizer que tenha contribuído para
Ao afirmar o caráter prático do conhecimento
aliviar e melhorar a condição humana, que
humano e a sua fundamentação no método
seja verdadeiramente aceitável e que se
indutivo, Bacon vai-se ocupar do que chama
possa atribuir às especulações e às dou-
de “ídolos”, as noções falsas, as imagens en-
trinas da filosofia”
ganosas que impedem a razão de formular um
(FRANCIS BACON).
conhecimento verdadeiro da natureza. Trata-se
de um trabalho epistemológico, de remoção
de obstáculos cognitivos, exatamente porque
A afirmação supra e utilizada como epígrafe
na consciência o mais comum é que o precon-
desse tema, retirada do Novum Organum de
ceito se antecipe ao conceito. Ídolos – imagens
Francis Bacon (1561–1626), é bem ilustrativa
de um deus falso – remetem à idolatria, ao regi-
do espírito intelectual que vai presidir a inflexão
me da crença na qual, ao contrario da ciência,
científica dos tempos modernos. Se na ciência
os objetos apossam-se da razão.
de Galileu a preocupação reside em decifrar o
livro da natureza, no projeto cientifico baconi-
ano, a despeito de não ter compreendido a “São de quatro gêneros os ídolos que blo-
queiam a mente humana. Para melhorar
importância da matemática, a preocupação
apresentá-los, lhes assinamos nomes, a
maior é a de estabelecer um domínio sobre a saber: Ídolos da tribo; Ídolos da caverna;
natureza, porque em Bacon conhecer e poder Ídolos do foro e Ídolos do teatro” (BACON,
equivalem-se. 1984, p. 21).

“Ciência e poder do homem coincidem, Esses ídolos, no original Idola Tribus, Idola
uma vez que, sendo a causa ignorada, frus- Specus, Idola Fori e Idola Theatri, atingem
tra-se o efeito. Pois a natureza não se vence,
igualmente os homens em sua natureza
senão quando se lhe obedece. E o que à
contemplação apresenta-se como causa é
humana, em sua individualidade, em sua lin-
regra prática” (BACON, 1984, p. 13). guagem e em suas representações intelectu-
ais. Nos aforismos abaixo transcritos, de n.o
XLI, XLII, XLIII e XLIV, Bacon apresenta-nos
Segundo Bacon, os novos tempos estavam a
como se constituem os ídolos.
exigir novos métodos. Era necessário instaurar
uma nova mentalidade cientifica, tal é o seu • “Os ídolos da tribo estão fundados na
projeto da instauratio magna, com sua critica à própria natureza humana, na própria tribo
esterilidade da ciência antiga e escolástica, ou espécie humana. É falsa a asserção de
notadamente a Aristóteles, a quem ele tratava que os sentidos do homem são a medida
como “o pior dos sofistas”, embora, por mais das coisas. Muito ao contrário, todas as
de dois mil anos, tivesse se constituído em percepções, tanto dos sentidos como da
modelo e referência da atividade científica. Sua mente, guardam analogia com a natureza
obra mais conhecida, o Novum Organum, de humana e não com o universo. O intelecto

59
UEA – Licenciatura em Matemática

humano é semelhante a um espelho que referimos apenas às que ora existem ou às


reflete desigualmente os raios das coisas e, filosofias e seitas dos antigos. Inúmeras
dessa forma, as distorce e corrompe”. fábulas do mesmo teor se podem reunir e
compor, porque as causas dos erros mais
• “Os ídolos da caverna são os dos homens
enquanto indivíduos. Pois, cada um – além diversos são quase sempre as mesmas.
das aberrações próprias da natureza Ademais, não pensamos apenas nos sis-
humana em geral – tem uma caverna ou temas filosóficos, na sua universalidade,
uma cova que intercepta e corrompe a luz mas também nos numerosos princípios e
da natureza: seja devido à natureza própria axiomas das ciências que entraram em
e singular de cada um; seja devido à edu- vigor, mercê da tradição, da credulidade e
cação ou conversação com os outros; seja da negligência” (BACON, 1984, pp. 21-23).
pela leitura dos livros ou pela autoridade Por fim, mais do que propor a via da experiên-
daqueles que se respeitam e admiram; seja cia, Bacon insiste na necessidade de disci-
pela diferença de impressões, segundo pliná-la, submetê-la à prática metódica. É a
ocorram em ânimo preocupado e predis- observação metódica que estabelece a dife-
posto ou em ânimo equânime e tranqüilo; rença entre a experiência vaga e a experiência
de tal forma que o espírito humano – tal escriturada.
como se acha disposto em cada um – é
coisa vária, sujeita a múltiplas pertur-
bações, e até certo ponto sujeita ao acaso.
Por isso, bem proclamou Heráclito que os
homens buscam em seus pequenos mun-
dos e não no grande ou universal”.
• “Há também os ídolos provenientes, de
certa forma, do intercurso e da associação
recíproca dos indivíduos do gênero huma-
no entre si, a que chamamos ídolos do foro
devido ao comércio e consórcio entre os
homens. Com efeito, os homens se associ-
am graças ao discurso, e as palavras são
cunhadas pelo vulgo. E as palavras, impos-
tas de maneira imprópria e inepta, blo-
queiam espantosamente o intelecto. Nem
as definições, nem as explicações com que
os homens doutos se munem e se defen-
dem, em certos domínios, restituem as coi-
sas ao seu lugar. Ao contrário, as palavras
forçam o intelecto e o perturbam por com-
pleto. E os homens são, assim, arrastados
a inúmeras e inúteis controvérsias e fan-
tasias”.
• “Há, por fim, ídolos que imigraram para o
espírito dos homens por meio das diversas
doutrinas filosóficas e também pelas regras
viciosas da demonstração. São os ídolos
do teatro: por parecer que as filosofias ado-
tadas ou inventadas são outras tantas fábu-
las, produzidas e representadas, que figu-
ram mundos fictícios e teatrais. Não nos

60
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo moderno

Entre esse pensadores, René Descartes foi o


que mais se destacou. Tanto assim, que os
TEMA 20
demais foram chamados simplesmente de
cartesianos. Isso se deve ao fato de a filosofia
RENÉ DESCARTES: de Descartes ter-se apresentado como uma
A ORDEM E A MEDIDA maneira fácil e simples de eliminar as falsas
idéias e de obter conhecimentos seguros, no-
vos e exatos, extraídos somente da razão, mas
“Pois é, ao que me parece, somente ao
aplicáveis à natureza e à vida prática e, portan-
espírito, e não ao composto de espírito e
to, úteis para aumentar o poder do homem
corpo que compete conhecer a verdade
sobre a natureza, melhorar o seu conforto e
(essência e natureza) dessas coisas.”
preservar sua saúde.
(Descartes, Meditação sexta, 27)
Ao mesmo tempo em que se mostrou um entu-
siasta da nova ciência iniciada por Copérnico e
A partir do século XVII, a ciência e a filosofia, Galileu, Descartes afirmou-se como um grande
no mundo ocidental, assumiram novas carac- defensor da fé cristã contra as heresias e o ce-
terísticas. Elas deixaram de ser meramente es- ticismo. Isso significa que suas idéias a res-
peculativas e passaram a ter um papel crucial peito da ordem do universo, das leis do movi-
como instrumentos de domínio e de transfor- mento, da fisiologia e da moral reuniram ele-
mação da natureza pelo homem. mentos do mecanicismo de Galileu e da teolo-
Essa transformação remonta à época do Re- gia católica. Em outras palavras, toda sua visão
nascimento e estende-se até meados do sécu- científica assentou-se sobre uma concepção
lo XVIII, com o apogeu do Iluminismo ou Escla- metafísica cujo ponto principal é a demonstra-
recimento (Aufklärung). Um de seus aspectos ção racional da existência de Deus.
mais importantes foi o crescimento da confi- Essa metafísica se encontra, de maneira mais
ança no poder da razão para compreender, enfática, no livro Meditações. Agindo como um
explicar e modificar os fenômenos naturais e matemático, Descartes examina por ordem as
humanos. idéias de que dispõe a fim de determinar quais
De modo geral, o século XVII foi chamado dentre elas podem ser consideradas indubi-
pelos historiadores da filosofia como “O táveis.
Grande Racionalismo”. Mas nem todos os pen-
O primeiro resultado desse exame é a consta-
sadores dessa época enquadram-se nesse
tação de que a única evidência advém do pró-
rótulo. Entre eles, encontramos empiristas, cé-
prio ato de duvidar como um ato de um sujeito
ticos, trágicos, místicos, mecanicistas e vitalis-
que pensa: “cogito ergo sum”, isto é, “penso,
tas, sendo que muitos podem receber, ao mes-
logo existo” é a determinação da possibilidade
mo tempo, dois ou mais destes nomes. Os
subjetiva do conhecimento e a determinação
principais filósofos desse período aos quais se
atribui o título de racionalistas são René do sujeito (do homem) como instância inicial
Descartes, Baruch (ou Bento) Espinosa, Male- da constituição das certezas – tal como o pon-
branche e Leibniz. to fixo solicitado por Arquimedes para erguer o
mundo com uma alavanca.
Apesar de terem desenvolvido doutrinas muito
diferentes, eles guardam algumas semel- Esse primeiro passo levou-o a determinar a
hanças, como, por exemplo, o apego à possibilidade objetiva do conhecimento, isto é,
geometria, a defesa do mecanicismo em física, a possibilidade de que as idéias do entendi-
o desenvolvimento de um método matemático mento correspondam a objetos que se encon-
para a obtenção de certezas pela ciência, a tram fora dele e, portanto, às certezas de que o
fundamentação do conhecimento em bases sujeito humano possui, além da alma ou razão,
metafí-sicas e a concepção do infinito como um corpo, e de que o mundo existe tal como é
característica fundamental da realidade. percebido pelos sentidos.

61
UEA – Licenciatura em Matemática

Para tanto, fez-se necessário um novo exame subir, pouco a pouco, como por degraus, até o
de suas idéias do qual resultou a constatação conhecimento dos mais compostos; e, supon-
de que a idéia de Deus não somente é uma do mesmo certa ordem entre os que não se
evidência tão firme quanto a primeira, mas, precedem naturalmente uns dos outros.”
também, impõe ao entendimento a certeza de
“E o último, em fazer enumerações tão com-
que Ele existe, é onipotente, eminentemente
pletas e revisões tão gerais que eu estivesse
bom e perfeito de tal forma que, por estas qual-
seguro de nada haver omitido.” (Apud BRÉHIER,
idades, a ação de enganar ou a de iludir seri-
1977, pp. 62-63).
am incompatíveis com sua natureza.
Portanto a exatidão almejada por Descartes
Mediante a prova da existência de Deus, a me-
dependia de um procedimento por meio do
tafísica cartesiana proporciona uma garantia
qual o pensamento se desenvolve de acordo
de que a ciência, tal como Descartes e os raci-
com uma medida – como determinam os dois
onalistas a concebem, possui não somente um
preceitos iniciais: clareza e distinção realizados
conteúdo formal, mas, também, objetivo.
por uma análise – e uma ordem – como deter-
Essa garantia se mostrou necessária em fun- minam os dois últimos preceitos: progressão
ção do modo pelo qual Descartes concebeu o ascendente visando a uma síntese dos obje-
processo de aquisição do conhecimento. Co- tos da série.
mo se disse anteriormente, o método cartesi-
Assim, essa exatidão corresponde a uma rela-
ano era matemático. Isso não significa que es-
ção entre as idéias analisadas. A verdade, nes-
se recurso servisse apenas para apresentar
se processo, encontra-se, antes de tudo, no
quadros e tabelas com dados quantitativos. O
campo do pensamento ou da razão. A idéia de
pensamento, para Descartes, deveria ser exa-
verdade como adequação entre o pensamento
to. O que, em seu entendimento, não poderia
e a realidade – desenvolvida pelos escolásticos
ocorrer nos casos do silogismo aristótelico, da
e retomada no século XVII pelos empiristas –
interpretação dos autores clássicos pelos eru-
será considerada pelos racionalistas apenas
ditos e das experimentações dos alquimistas,
como uma conseqüência secundária do fato de
os quais somente chegavam a resultados
que o mundo é ordenado pelas leis da razão.
aproximados.
Nessa concepção da verdade, a idéia de Deus
Para ser exato, o raciocínio científico deveria
exerce um função crucial. O Deus dos racional-
obedecer às mesmas regras utilizadas pelos
istas e a ordem racional da natureza não são
matemáticos para calcular proporções e equa-
incompatíveis. Tanto assim, que o mais radical
ções. Regras que Descartes apresentou no li-
entre eles, Espinosa, retira de Deus qualquer
vro O Discurso do Método na forma de quatro
poder de alterar, através dos milagres, o curso
preceitos fundamentais:
natural das coisas. Para uns, como Descartes
“O primeiro era não aceitar por verdadeiro e Malebranche, permanecem alguns poucos
nada que eu não conhecesse evidentemente mistérios, mas a ação e o pensamento divinos,
como tal... e de não aceitar em meus juízos pela sua própria essência, não são arbitrários,
senão aquilo que se apresentasse tão clara e mas conforme princípios racionais e imutáveis.
distintamente a meu espírito, de modo a não O conhecimento é exato porque a razão
ser possível colocá-lo em dúvida.” humana – embora limitada – participa da razão
universal, isto é, da razão de Deus.
“O segundo, de dividir as dificuldades que eu
examinasse em tantas parcelas quantas pudes- Esquematicamente, pode-se dizer, a partir das
se ser e fossem exigidas para melhor com- preocupações de Descartes que serão reto-
preendê-las.” madas pelos demais racionalistas, que essa
corrente do pensamento deteve-se sobre três
“O terceiro, de conduzir por ordem meus pen-
problemas fundamentais para a ciência e a
samentos, começando pelos objetos mais sim-
filosofia modernas: a questão do sujeito, a
ples e mais fáceis de serem conhecidos, para
questão da causa e a questão da substância.

62
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo moderno

A determinação do conhecimento como apre- Além do conceito de causa, os modernos e,


ensão exata da verdade implicou a busca da em particular, os racionalistas, alteraram o sen-
unidade do pensamento, a qual foi encontrada tido do conceito de substância. Para eles, este
mediante a investigação da formação das conceito define-se, simplesmente, como “aqui-
idéias no homem que, por sua vez, resultou na lo que subsiste por si mesmo”. Isso reduziu o
distinção entre as idéias confusas e as idéias número das substâncias a três: pensamento,
claras e na determinação destas últimas como extensão e infinito ou Deus; ou, no caso de
ato fundamental da razão subjetiva (do Eu Espinosa, a duas: pensamento e extensão.
penso). Ato que exige a aceitação de Deus Isso implicou a distinção entre dois planos da
como sujeito absoluto ou forma absoluta da realidade aos quais correspondem o conheci-
razão. mento formal e o conhecimento objetivo.
Após a revolução científica deflagrada por Pode-se resumir o pensamento racionalista
Copérnico e Galileu, o conceito de causa afirmando-se que a sua concepção de conhe-
restringiu-se, no campo da física, à relação cimento reside na idéia de representação.
mecânica entre os seres, embora, no campo Essa idéia situa as relações entre o sujeito e os
da moral, ela tenha guardado a idéia de final-
objetos do conhecimento no plano do pensa-
idade. As implicações dessa mudança foram,
mento e determina a verdade como uma rela-
em primeiro lugar, a determinação de que
ção entre as idéias regida pela ordem e pela
não pode haver diferença de natureza entre
medida. O que significa a afirmação da razão
causa e efeito, ou seja, idéias ou pensamen-
como principal faculdade do conhecimento e a
tos só podem ter como efeitos outras idéias e
concepção de que a imaginação e a sensação
outros pensamentos, mas não realidades
são apenas formas confusas de pensamento
materiais. Da mesma forma, as coisas sen-
que precisam ser analisadas para delas se iso-
síveis só podem ter como causas outras
larem as idéias claras e as distintas.
coisas sensíveis.
As teses fundamentais do racionalismo foram
Em segundo lugar, isso significou que, para os
contestadas, já na época de Descartes, por
racionalistas – e, de forma geral, para os mo-
dernos –, que a idéia de criação assumiu um muitos filósofos que não admitiam especial-
novo sentido, diferente da idéia de que o mun- mente a concepção cartesiana da origem das
do surgiu do nada por um gesto de Deus. idéias. Para Descartes, as idéias claras e distin-
Também significou que, diferentemente do que tas são inatas, isto é, já estão presentes na ra-
pensava Aristóteles, as mudanças não se de- zão antes de os homens nascerem. Entretanto,
vem à tendência dos seres para a sua per- somente no século XVIII, com o filósofo inglês
feição, pois, nessa nova concepção de causa, David Hume, a filosofia ocidental encontrou
no efeito não há uma perfeição a ser alcança- uma argumentação bastante sólida para fazer
da, mas, simplesmente, uma alteração deter- objeções ao racionalismo. Essa argumentação
minada mecanicamente. baseou-se principalmente na crítica à idéia de
causalidade que, segundo Hume, não encon-
Por fim, essa mudança preservou, exceto no
tra apoio na experiência.
caso de Espinosa, a idéia de que as ações
humanas são determinadas por uma finali-
dade. É aí que se fundamenta a idéia de livre
arbítrio, a qual se explica pela relação entre a
razão e a vontade do homem. Sendo a
natureza humana um composto do corpo e da
alma, o seu conhecimento e a sua conduta são
determinados por uma razão limitada e por
uma vontade sem limites, o que explica a pos-
sibilidade de o homem conhecer e agir con-
forme os fins da razão ou conforme os fins das
paixões e da imaginação.

63
UEA – Licenciatura em Matemática

apenas valores práticos e não cognitivos. En-


quanto o racionalismo cartesiano prima pelo
TEMA 21
sujeito, Locke prima pelo objeto, bem ao gosto
dos empiristas.
JOHN LOCKE: EXPERIÊNCIA É célebre a teoria da Tabula Rasa, onde Locke
E CRÍTICA AO INATISMO afirma que a alma humana não contém nenhu-
ma inscrição e que todo o conhecimento hu-
mano se inicia após a experiência sensível.
“Suponhamos, portanto, que a mente seja
uma folha em branco, desprovida de ca- Ora, a maior prova que temos disso é o fato de
racteres, sem qualquer idéia. De que mo- não haver um único conhecimento comum a
do receberá as idéias?” todos os homens, mas pelo contrário, o que
testemunhamos é o que tanto a ciência e
(John Locke)
quanto a religião são campos de absoluta di-
vergência entre os homens. Se houvesse pelo
John Locke (1632–1704), talvez o mais radical menos um conhecimento inato, então deveria
dos empiristas, parte da leitura das obras de haver necessariamente um campo de conhe-
Descartes e tem pretensão de saber qual é a cimento em que todos os seres humanos esti-
essência, qual a origem, qual o alcance do vessem de acordo, visto que todos já teriam tal
conhecimento humano. conhecimento de berço. Como podemos per-
ceber, John Locke leva o empirismo a uma
Em sua principal obra, Ensaio sobre o entendi-
enorme radicalização.
mento humano, Locke abandonou o caminho
“lógico” percorrido por Descartes e escolheu o
“psicológico”. Assim, distingue duas fontes
possíveis para nossas idéias: a sensação e a
reflexão. A sensação é o resultado da modifi-
cação feita na mente através dos sentidos. A
reflexão é a percepção que a alma tem daqui-
lo que nela ocorre. Assim, a reflexão reduz-se
à experiência interna do resultado da experiên-
cia produzida pela sensação.
O que proporciona a produção de uma idéia
simples na mente é a qualidade do objeto.
Existem qualidades primárias como a solidez,
a extensão, a configuração, o movimento e o
número, e qualidades secundárias, como a
cor, o som, os odores, que provocam no su-
jeito cognitivo determinadas percepções sen-
síveis. Enquanto as primárias são objetivas e
lógicas pois de fato existem na realidade conc-
reta independentemente do sujeito, as secun-
dárias, variando de sujeito para sujeito, são
subjetivas e relativas.
O sujeito cognitivo, por meio da análise, com-
bina e recombina idéias simples, gerando,
assim, idéias complexas. Se estas são reali-
zadas pelo intelecto, logo carecem de objetivi-
dade. São apenas nomes dos quais nos servi-
mos para ordenar as coisas. Assim, temos

64
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o mundo moderno

primeiras são a verdadeira origem de qualquer


conhecimento, a tal ponto que se pode recon-
TEMA 22
hecer a validade de uma idéia apenas quando
somos capazes de detectar a impressão de
DAVID HUME: O CONHECIMENTO que procede. (Silva, Franklin Leopoldo e. Primeira
COMO PROBABILIDADE Filosofia. São Paulo: Brasiliense, 1987, pág. 188).

Para Hume, o que observamos é a sucessão


de fatos ou a seqüência de eventos, mas
“A idéia de substância, se realmente exis-
nunca o nexo causal entre esses mesmos fatos
tir, deve, portanto, derivar de uma im-
ou eventos. Desse modo, Hume chega à des-
pressão de reflexão. Mas as impressões
concertante conclusão de que não temos co-
de reflexão reduzem-se às nossas paixões
nhecimento verdadeiro de absolutamente na-
ou emoções, nem uma das quais pode
da. O que nos faz ultrapassar o dado e afirmar
representar uma substância.”
mais do que nos permite a fronteira de expe-
(DAVI HUME) riência é o hábito criado por meio da obser-
vação de dados semelhantes. A partir deles,
imaginamos que o fato atual se comportará de
Com o pensamento de David Hume (1711-
maneira análoga. Assim, numa das mais enge-
1776), o empirismo de Locke e de Bacon é
nhosas construções do espírito humano, Hu-
ainda mais radicalizado. Hume parte do princí-
me reduz toda a nossa pretensão de conheci-
pio de que só os fenômenos são observáveis,
mento a simples crenças ancorados em há-
mas nunca o complexo mecanismo interno do
bitos, sem nenhum estatuto de validade univer-
real, que não pode ser reduzido pela nossa ex-
sal. Não foi à toa que esse filósofo despertou
periência. Assim, as relações são exteriores a
Immanuel Kant de seu “sono dogmático”.
seus termos. Não pertencendo aos objetos
nem sendo observáveis, as relações simples Conclusão sobre o empirismo
são modos que o homem tem de passar de um
Pelo que podemos perceber, o empirismo é
objeto a outro, de uma idéia particular a outra
uma resposta às inquietações gnosiológicas
– dois fatos sucedem-se no tempo e, a partir de
do século XVII. Contrapondo-se ao racionalis-
então, o sujeito cognoscente conclui de si
mo que centraliza o conhecimento no sujeito
mesmo que um é a causa e o outro, necessari-
(na razão), o empirismo afirma que todo co-
amente, a conseqüência. São apenas passa-
nhecimento origina-se na experiência sensível
gens externas que nos permitem associar os
e, portanto, centraliza-se no objeto cognoscí-
termos a partir dos princípios de causalidade,
vel. A ação da razão está subordinada à ex-
semelhança e contigüidade. As relações não
periência. Se para os racionalistas é possível
são inerentes aos objetos, mas residem ape-
ao homem atingir verdades universais, eternas,
nas na mente do sujeito cognoscente. Dessa
para os empiristas não há caráter absoluto em
forma, Hume nega a existência de idéias uni-
nenhuma verdade, visto que o conhecimento
versais e necessárias. Não existe validade para
parte de uma realidade em constante transfor-
o princípio de causalidade e para a noção de
mação, sendo tudo relativo ao espaço, ao tem-
necessidade a ele associada.
po, ao humano. A dicotomia entre racionalismo
David Hume, contrapondo-se ao idealismo, não e empirismo, um dos mais espetaculares com-
aceitava que o fundamento do conhecimento bates travados entre os maiores espíritos hu-
pudesse constituir-se de idéias presentes ao manos, encontraria sua conciliação na mais
espírito anteriormente a qualquer experiência perfeita construção teórica do intelecto de um
sensível. homem: a filosofia kantiana.
Para ele, não existem idéias inatas como que
impressas na mente. O conhecimento baseia-
se nas impressões e nas idéias, sendo que as

65
UNIDADE VI
A Ciência na História: o Iluminismo
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o Iluminismo

classes sociais. A universalização da escola foi


a forma que Estados Nacionais encontraram
TEMA 23
para consolidar sua unidade política – unifor-
mizando a cultura nos limites de seu território –
A CIÊNCIA ENCICLOPÉDICA e produzir as competências e habilidades das
quais dependiam a constituição e o funciona-
mento da burocracia estatal e a dos processos
“Devemos considerar o estado presente econômicos que a financiavam.
do Universo como efeito de seu estado
Pode-se dizer que o ideário iluminista concen-
passado e como causa daquilo que virá a
trou-se nas concepções de Liberdade e Refor-
seguir. Uma inteligência que, num único
ma. Ora, essas idéias não surgiram por acaso
instante, pudesse conhecer todas as for-
nos escritos de pensadores como Voltaire,
mas existentes na Natureza e as
Diderot, Rousseau e Kant. Na verdade, tais
posições de todos os seres que nela
escritos podem ser pensados como respostas
existem poderia apresentar numa única
que, por meio desses intelectuais, as popula-
fórmula uma lei que englobaria todos os
ções européias do século XVIII deram aos
movimentos do Universo, desde os
problemas surgidos no âmbito de suas
maiores até os minúsculos e invisíveis.
relações econômicas, políticas e sociais. A par-
Para ela, nada seria in-certo e, aos seus
tir do século XVII, os Estados Nacionais passa-
olhos, o passado, o futu-ro e o presente ram a tomar o lugar anteriormente ocupado
seriam um único e só tempo.” pelo Sacro Império Romano-Germânico, que
(Laplace) nada mais era senão a estrutura político-
administrativa por meio da qual a Igreja Cató-
lica exercia seu domínio sobre a sociedade
Ao longo do século XVII, a Europa passou por feudal. No mesmo período, as cidades revigo-
um processo de emancipação das estruturas raram-se na Europa, e a vida urbana permitiu a
tradicionais do chamado Antigo Regime (An- circulação mais intensa, regular e variada de
cien Régime), isto é, das relações econômicas, bens de consumo, idéias – através de livros,
políticas e sociais que caracterizaram o modo jornais e outros veículos de comunicação – e
de vida na Idade Média, algumas das quais se pessoas. Além disso, com o progresso da
estenderam até a Idade Moderna. No século ciência, a diminuição da interferência da Igreja
XVIII, esse processo de modernização da so- nas questões políticas e a liberdade para se
ciedade e da cultura européias chegou a seu difundir e debater idéias, as concepções reli-
termo. No campo das idéias, o resultado desse giosas do mundo foram dando lugar a esque-
processo e a sua maior expressão foi o movi- mas racionais e científicos.
mento Iluminista, cujo ideário foi decisivo para
a reforma da educação pela qual se consti- Foi nesse ambiente que surgiu um persona-
tuíram, na época contemporânea, os sistemas gem novo nas sociedades ocidentais, o in-
telectual moderno. Os escritores, os juristas,
estatais – públicos –, civis e unificados de ensi-
os economistas, os naturalistas, os filósofos e
no. Foram os intelectuais do Iluminismo que
os artistas que participaram do movimento
instigaram os governantes e os movimentos
ilumi-nista encarnaram esse personagem por
sociais contemporâneos a colocar a educação
meio do qual se constituiu a experiência da
no centro da vida social. No século das luzes,
emancipação do âmbito da cultura.
a escola tornou-se laica, racional e universal,
isto é, desatrelou-se da tutela da Igreja, refor- O jornal, o panfleto, o teatro e o livro foram al-
mou o conteúdo de seus programas de ensino guns dos principais meios usados pelo intelec-
assim como sua didática, adequando-os aos tual moderno para assumir um papel decisivo
novos conhecimentos científicos e às necessi- na cultura que irá se desenvolver nas socie-
dades econômicas e técnicas surgidas com o dades dos séculos XVIII, XIX e XX. Sua ativi-
capitalismo, estendendo o ensino a todas as dade como escritor tornou-se uma arma para

69
UEA – Licenciatura em Matemática

denunciar preconceitos, atacar privilégios, pre- fundamental da liberdade, eminentemente lai-


gar contra a intolerância religiosa e moral, afir- co e organizado a partir de diversos centros de
mar os direitos inalienáveis da liberdade e a interesse – políticos, econômicos e culturais.
alta dignidade dos seres humanos. Também foi Entre tais mudanças, é preciso destacar a
decisiva sua atuação na formação de uma transformação da família e a da educação. Na
nova atitude diante do conhecimento: com ele, Idade Média e na Renascença, a instituição fa-
acentuou-se a crítica ao saber puramente es- miliar exercia funções de natureza econômica
peculativo, fundado nas chamadas disciplinas e educativa voltadas para a perpetuação das
humanísticas e voltado para a orientação moral linhagens e a consolidação da autoridade so-
e religiosa. Em troca, o Iluminismo defendeu a cial. Durante o século XVIII, essas funções da-
consolidação do saber científico e socialmente rão lugar ao papel que a família exerce até hoje
útil, apoiado por um grande e variado número como núcleo de constituição das relações afe-
de meios de difusão a fim de que o mesmo se tivas, de desenvolvimento de tensões psicoló-
tornasse acessível para todas as pessoas. En- gicas e de realização de experiências educati-
tretanto, escrever não foi a única atividade em vas voltadas para a emancipação individual.
que o intelectual se empenhou em seu engaja- Do mesmo modo, as alterações concernentes
mento em favor da liberdade, dos demais direi- à educação estabeleceram a liberdade e a au-
tos humanos e do progresso. Alguns dos mais tonomia dos indivíduos como a finalidade de
ilustres pensadores do século XVIII tornaram- todo o processo educativo. Além de se libertar
se conselheiros de soberanos europeus (como do modelo religioso, a educação vislumbrada
foram os casos de Voltaire e Diderot em rela- pelo Iluminismo recusou submeter a direção
ção a Frederico II, da Prússia, e Catarina II, da da formação do indivíduo a outra autoridade
Rússia, respectivamente) e os influenciaram a além daquela advinda dele mesmo.
promover reformas decisivas para a moderni-
A essa concepção correspondeu um ataque
zação dos seus Estados no âmbito da econo-
ostensivo aos colégios e às universidades,
mia, da política, da justiça, da liberdade de
que, desde a Idade Média, haviam sido encar-
imprensa e, principalmente, no da instrução
regados de conduzir a formação dos jovens
pública. Assim, além de introduzir, difundir no-
na Europa. A mesma espécie de crítica a essas
vas idéias e exercer uma ação pedagógica no
instituições encontra-se na Enciclopédia, por
seio de sua sociedade, esse personagem tor-
meio de D’Alembert, e no Emílio de Rousseau:
nou-se uma espécie de mediador nas relações
tratava-se não apenas de atacar o caráter aris-
entre o poder político e o povo, facilitando as
tocrático, a mediocridade e o descompasso do
reformas promovidas para o fortalecimento do
ensino ministrado em relação ao progresso
Estado, o crescimento econômico, o progres-
alcançado pelas ciências, mas, além disso, de
so da ciência e da indústria, o aumento da par-
denunciar a irrelevância desse ensino no que
ticipação popular nas decisões políticas e a
concerne à preparação do indivíduo para atuar
expansão das liberdades individuais.
na vida social e a sua formação moral. No lugar
Nesse papel, o intelectual também foi teste- da retórica, da especulação filosófica e teoló-
munha da emergência de novos sujeitos no gica e do latim, os iluministas pretendiam colo-
seio da sociedade. As mulheres e o povo tor- car as matemáticas, as ciências empíricas e as
naram-se, a partir do século XVIII, atores cada línguas modernas, principalmente a língua na-
vez mais participativos na articulação da nova cional. Seus projetos pedagógicos previram a
concepção do Estado que estava em curso e, substituição do ensino privado e disperso por
principalmente, na promoção das mudanças sistemas orgânicos e uniformizados de edu-
que alteraram radicalmente as instituições da cação, dirigidos a todas as camadas sociais,
sociedade civil. Em seu conjunto, essas mu- administrados e controlados pelos Estados no
danças determinaram a dinamização da vida território de cada país. O ideário iluminista, por-
social em torno do modo de vida burguês, isto tanto, extrapolou os escritos do intelectual mo-
é, de um modo de vida inspirado no princípio derno para se concretizar nas práticas sociais

70
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o Iluminismo

e nas instituições das sociedades contempo-


râneas. Pode-se dizer que ele ainda vive, uma
TEMA 24
vez que a educação permanece no centro das
preocupações dessas sociedades como uma
chave para o fortalecimento dos Estados e ROUSSEAU E A CRÍTICA
para a emancipação das classes sociais e dos
À IDÉIA DE PROGRESSO
indivíduos. A descoberta da infância e das fa-
ses de desenvolvimento da criança foi crucial
para a constituição da pedagogia contempo- “O homem nasce livre, e por toda parte
rânea. Ora, essa descoberta se deu bem encontra-se a ferros.”
recentemente, por intermédio das reflexões de
(Rousseau, Do Contrato Social)
iluministas como Rousseau, Basedow e Kant e
de seus adversários, como Vico e Herder. Ela
não se ligou primordialmente a investigações “Tudo é certo em saindo das mãos do
científicas, mas a uma nova antropologia que Autor das coisas, tudo degenera nas
emergiu na esteira das críticas ao modo de mãos do homem.”
vida do Antigo Regime. A reforma desse modo
(Rousseau, Emílio ou Da Educação)
de vida não constituiu um fim em si mesmo,
mas uma atitude permanente voltada para cri-
ação de condições propícias à realização do A carreira literária do pensador genebrino de
homem idealizado pelo Iluminismo. Ao selva- língua francesa Jean-Jacques Roussseau
gem, ao servo, ao súdito, ao crente, ao dog- (1712-1778) teve início em 1749, a partir de um
mático e ao tutelado de modo geral, era pre- episódio típico do ambiente intelectual da
ciso opor o homem, isto é, o sujeito capaz de época. Naquele ano, fora publicada a Carta
dirigir a si mesmo em quaisquer circunstân- sobre os Cegos para o uso daqueles que
cias, e o cidadão, isto é, o habitante da cidade, vêem, na qual Denis Diderot revelava clara-
polido na justa medida para cultivar o respeito mente seu ateísmo. Residindo em Paris, desde
e a amizade dos seus concidadãos, e dotado 1742, Rousseau havia-se tornado amigo do
de autonomia, isto é, da capacidade de racioci- filósofo, cuja celebridade se deverá, também,
nar e de agir segundo os ditames da razão. ao fato de dirigir a redação da Enciclopédia.
Pela publicação do opúsculo, Diderot foi per-
seguido pela polícia e encarcerado durante
três meses nos arredores da cidade. Em uma
das tardes em que regularmente fazia o percur-
so para visitar o amigo, Rousseau leu a notícia
de que a Academia de Dijon estava promoven-
do um concurso para premiar a melhor disser-
tação sobre o tema O restabelecimento das
ciências e das artes terá contribuído para res-
taurar os costumes? O entusiasmo que o levou
a responder a questão foi responsável não
apenas pela obtenção do primeiro prêmio,
mas, principalmente, pela composição de uma
série de obras cujas idéias estariam estreita-
mente ligadas a sua vida pessoal, mas que,
apesar disso, revolucionaram a cultura de mo-
do geral e, em particular, a teoria política e a
pedagogia.
No Discurso sobre as ciências e as artes,

71
UEA – Licenciatura em Matemática

Rousseau respondeu negativamente à ques- os horizontes da humanidade e enobrecem


tão proposta pela Academia de Dijon. Nessa seus sentimentos.
resposta, já se encontram alguns dos elemen-
Em suas obras, Rousseau concentra sua pre-
tos estruturais que, segundo Marilena Chauí,
ocupação na possibilidade de devolver a cons-
marcaram toda a obra do pensador:
ciência ao homem cujos deveres e sentimen-
“...relações entre Natureza e sociedade, moral
tos naturais foram subtraídos pela civilização.
fundada na liberdade, primazia do sentimento
Essa recuperação da consciência natural é
sobre a razão, teoria da bondade natural do
vista como o primeiro dever de todo homem
homem e doutrina do contrato social...” (In
civilizado. O caminho para se cumprir esse
Rousseau, 1983 pp. VII-XXI).
dever não pode ser senão o conhecimento da
A idéia de que a vida do homem primitivo era interioridade do sujeito. Uma das principais
bem mais virtuosa e saudável que a do homem contribuições de Rousseau para a história do
civilizado foi interpretada erroneamente como pensamento encontra-se no fato de que, ao
um apelo ao abandono da civilização e ao contrário de Sócrates e dos enciclopedistas,
retorno à vida selvagem. A crítica de Rousseau que também apontam esse caminho como
direciona-se aos modismos, à frivolidade e aos uma exigência para a reforma da política e da
abusos pelos quais se torna impossível o culti- ética, Rousseau define o sentimento e não a
vo da franqueza e da firmeza moral no seio da razão como o princípio que governa o compor-
civilização. O que significa, em seu entender, tamento do indivíduo e o liga à Natureza e à
que a civilização, às vezes, submete as pes- Sociedade. Assim, o ato que leva o indivíduo
soas à condições menos dignas do que aque- desenvolver o autoconhecimento não é uma
las nas quais vivem os primitivos. Trata-se, an- reflexão racional, mas uma experiência mística
tes de tudo, de afirmar o alto valor da huma- na qual ele, ao penetrar, pela imaginação e
nidade e sua bondade essencial lá mesmo pela volúpia, em sua interioridade, alcança a
onde os filósofos do direito natural outrora infinitude da Natureza, se dá conta do sentido
haviam apontado um estado de violência de íntimo da vida, sente sua existência individual
todos contra todos. A ação da civilização sobre como ligada à existência de todos os demais
a natureza humana é vista por ele como preju- seres pela unidade e a universalidade da Natu-
dicial na medida em que degenera o homem reza e, finalmente, toma consciência de sua
sobretudo no que diz respeito à sua morali- liberdade.
dade, enquanto nas sociedades primitivas o
O problema da felicidade coloca-se, assim,
sentimento da existência comum não se disso-
como uma questão mais prática do que teóri-
ciou da estima pela existência individual. Se,
ca. A política e a pedagogia – e não a filosofia,
nas sociedades primitivas, a premência da
a religião ou a teologia – tornam-se, portanto,
necessidade inclina o homem para a agressivi-
dade, seu sentimento inato de piedade refreia os caminhos para a recuperação das virtudes
os impulsos violentos e dá lugar à sociabili- naturais da humanidade. Em 1762, com a pu-
dade. Assim, o livre arbítrio e a auto-suficiência blicação de Do Contrato Social, Rousseau pro-
não se confundem com o individualismo, pois põe que a organização das instituições políti-
só se desenvolvem plenamente a partir da for- cas seja fundada nos princípios da liberdade,
mação das primeiras sociedades. Em troca, igualdade e vontade geral ou fraternidade. Ao
nas sociedades civilizadas, a ostentação int- contrário de John Locke, que o precedeu na
electual e o refinamento das maneiras dão concepção da liberdade e da igualdade dos
lugar à uniformização dos costumes e à cor- homens como atributos fundados na própria
rupção dos sentimentos. De igual modo, ao natureza, Rousseau admite-as como normas e
reconhecer a utilidade das ciências e das não somente como fatos. Isso significa que a
artes, Rousseau não se prende aos modismos organização política da sociedade só terá legi-
das inovações técnicas, mas celebra a criativi- timidade se decorrer do livre assentimento de
dade e a liberdade intelectual dos cientistas e todos os indivíduos que dela fizerem parte de
dos artistas, posto que suas criações ampliam tal modo que as leis sejam atos da vontade

72
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o Iluminismo

geral e não eliminem as liberdades individuais deverá permitir a reconstrução do homem em


que as instituíram. Em outros termos, para conformidade com sua verdadeira natureza.
Rousseau, a liberdade é, ao mesmo tempo, um
No Emílio, o esforço educativo é dirigido à for-
direito e um dever cuja alienação representa mação do homem. Suas idéias-chave são a
um crime contra a condição humana. O Estado “educação negativa” e a “educação indireta”.
que nela se fundamenta não pode pretender, O papel do educador representa uma parte
em nome de alguma autoridade ou razão, im- significativa da discussão sobre a forma de
pedir os indivíduos de buscar sua felicidade. preservar a criança contra os desvios da
Por outro lado, o princípio da igualdade entre natureza causados pelas pressões da
os homens fará que a conduta do cidadão sociedade. Publicado três meses após a publi-
desse Estado seja regulada pelos interesses cação de Do Contrato Social, Emílio é um
da coletividade e não por sentimentos particu- romance peda-gógico estreitamente ligado à
lares. O que não implica restrição da liberdade reflexão política e aos estudos de Rousseau
individual, posto que o que libera cada um das sobre a reforma da família tais como se encon-
forças que o alienam não é o orgulho ou a tram no romance epistolar A Nova Heloísa, de
vaidade, mas a união a todo o corpo social e a 1757. A educação, no Emílio, portanto, visa
fraternidade. O Contrato Social é, assim, o tanto a desenvolver as potencialidades da cri-
meio pelo qual, cada um permanece livre na ança quanto a protegê-la contra os males soci-
proporção em que, ao submeter-se a uma lei ais. Assim, o ensino deverá ser adaptado às
instituída pela vontade geral, não obedece a necessidade de cada etapa de seu desenvolvi-
uma autoridade externa, mas a si mesmo. mento. Na primeira etapa, tratar-se-á de fazer a
criança entrar em contato com as próprias
Assim como o selvagem, a criança, em seu
coisas a fim de lhe dar acesso ao conhecimen-
entender, encontra-se próxima da natureza,
to do mundo. Para tanto, a atenção do edu-
afetada somente pela bondade natural e, por-
cador deve se voltar para as necessidades físi-
tanto, distante dos fatores de corrupção que se
cas da criança, uma vez que as questões int-
encontram na sociedade. Sociável e autônoma
electuais não lhe despertam o interesse. Aliás,
– isto é, livre, por natureza, de quaisquer obri-
as leituras podem afastá-la de suas experiên-
gações e autoridades – a criança está sujeita a
cias imediatas e, desse modo, tornarem-se
uma evolução, em várias etapas, que se articu-
prejudiciais, com exceção do caso do
lam da primeira infância até a adolescência e
Robinson Crusoé, de Daniel Defoe, onde se
nas quais se divisam diversas capacidades
narram as aventuras de um náufrago em es-
cognitivas e diferentes formas de comporta- treito contato com a natureza. Assim, o papel
mento moral. Entre os modelos educativos pro- do educador não é o de transmitir idéias abs-
postos por Rousseau, destacam-se o que se tratas para a criança, mas a de libertá-la das
encontra no Emílio, de 1762, e o que se vislum- pressões da opinião pública, de isolá-la de seu
bra nas Considerações sobre o governo da próprio tempo, de afastá-la das coisas artifi-
Polônia, obra póstuma, publicada em 1782. Em ciais a fim de que ela viva em consonância
ambos os casos, trata-se de tentar operar, por com os seus desejos e suas capacidades na-
meio da educação, a renaturalização do homem, turais, de que conserve sua energia até o
isto é, a restauração da natureza humana contra momento adequado para o aproveitamento de
a alienação e a corrupção produzidas pela suas potencialidades. Enfim, o educador não
opulência e pelas falsas necessidades da civi- deverá interferir diretamente na formação da
lização. Ao identificar a origem do mal que consciência da criança, limitando-se a esti-
afeta a piedade natural do homem na divisão mulá-la a aprender o uso das coisas. Somente
do trabalho e na propriedade privada geradas a partir do momento em que o educando
pelo progresso, Rousseau não se re-vela um adquirir consciência de suas relações com
pessimista, mas um romântico, posto que con- seus semelhantes é que deverá ter início uma
cebe a educação como uma panacéia, isto é, educação positiva na qual as viagens e o estu-
um remédio para todos os males sociais que do das línguas exercerão um importante papel

73
UEA – Licenciatura em Matemática

em sua formação social e política.


Nas Considerações sobre o Governo da Po- TEMA 25
lônia, trata-se mais de formar o cidadão do que
o homem. Enquanto o primeiro modelo pro-
punha uma educação libertária e natural, o KANT E O ESCLARECIMENTO
modelo apresentado por Rousseau nas Consi- (AUFKLÄRUNG)
derações destina-se a fornecer uma educação
social e política segundo o princípio da confor-
mação social. Assim, nesse modelo, a edu-
cação terá como objetivo principal a reforma “Nossa época é a época da crítica, a qual
da sociedade e a formação do espírito na- tudo tem que submeter-se. A religião,
cional. Por isso, ela deverá ser controlada pelo pela sua santidade e a legislação, pela
Estado, que se encarregará de dirigir as opi- sua majestade, querem igualmente sub-
niões e os gostos de tal modo que o sentimen- trair-se a ela. Mas então suscitam contra
to patriótico seja disseminado como uma pai- ela justificadas suspeitas e não podem
xão e uma necessidade entre os cidadãos. aspirar ao sincero respeito, que a razão só
Estes deverão desenvolver o amor pela pátria, concede a quem pode sustentar o seu
concebendo-a como república livre e funda- livre e público exame”
mento da unidade nacional. Para tanto, será (KANT)
necessário que o processo educativo tome a
forma de uma instrução pública em colégios
que propiciem o desenvolvimento do hábito de A filosofia crítica de Kant é uma expressão
viver e agir todos juntos e em público, e que o
das mais consistentes do ideário intelectual
ensino seja ministrado por professores patrí-
do século XVIII, o século do iluminismo, das
cios. Esse modelo de educação foi claramente
luzes, do esclarecimento. É o século no qual
inspirado na tradição espartana, na qual a for-
mação do homem é pensada como o desen- a razão pretende se afirmar em sua autono-
volvimento de um fermento que já se encontra mia, capaz de por ela mesma se autodeter-
em cada indivíduo, aguardando somente as minar e determinar seus próprios limites. É
condições sociais e políticas favoráveis à sua esse empreendimento que faz da filosofia
ebulição. kantiana um marco paradigmático e incon-
tornável do percurso mesmo da razão. Ao
tentar estabelecer objetivamente os limites
da razão, mais do que efetivamente limitá-la,
Kant deseja definir seu caminho crítico por
intermédio de uma autocrítica elaborada pe-
la própria razão. Adorno, herdeiro do ilumi-
nismo kantiano, lembra que “a autocrítica da
razão é sua mais autêntica moral” (1992, p.
110). Se a razão não pode tudo, o que ela
não pode não pode ser definido de modo
heterônomo, ou seja: por uma instância ex-
terior a ela. O esclarecimento aposta na ca-
pacidade da razão mesma poder delimitar e
conhecer o que objetivamente pode ser deli-
mitado e conhecido. Ao proclamar e defen-
der sua autonomia, o esclarecimento de

74
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o Iluminismo

igual modo pretende explicar as leis que de-


finem o funcionamento da razão. Nos con- “Esclarecimento [“Aufklärung”] é a saída do
homem de sua menoridade, da qual ele próprio
teúdos a seguir transcritos, Kant fala-nos é culpado. A menoridade é a incapacidade de
das conseqüências que advêm do uso não fazer uso de seu entendimento sem a direção
crítico da razão. de outro indivíduo. O homem é o próprio culpa-
do dessa menoridade se a causa dela não se
encontra na falta de entendimento, mas na falta
de decisão e conragem de servir-se de si
“Sem esta crítica a razão mantem-se, de
mesmo sem a direção de outrem. Sapere
certo modo, no estado de natureza e não
aude! Tem coragem de fazer uso de teu próprio
pode fazer valer ou garantir as suas afir-
entendimento, tal é o lema do esclarecimento
mações e pretensões a não ser pela guer-
[“Aufklärung”]” (Kant, 1985, p. 100).
ra. A crítica, pelo contrário, que extrai to-
das as decisões das regras fundamentais
da sua própria instituição, cuja autoridade
ninguém pode pôr em dúvida, propor-
ciona-nos a tranqüilidade de um estado
legal em que não nos é permitido tratar o
nosso diferendo a não ser mediante um
processo (...)”. “(...) Tal como Hobbes afir-
ma, o estado de natureza é um estado de
violência e de prepotência e devemos ne-
cessariamente abandoná-lo para nos sub-
metermos à coação das leis, que não limi-
ta a nossa liberdade senão para que possa
conciliar-se com a liberdade de qualquer
outro e, deste modo, com o bem comum.
A essa liberdade pertence também a de
submeter ao juízo público os pensamen-
tos e as dúvidas, que ninguém pode por si
mesmo resolver, sem por isso ser reputa-
do um cidadão turbulento e perigoso. Isto
resulta do direito originário da razão
humana de não conhecer nenhum outro
juiz senão a própria razão humana univer-
sal (...)” (KANT, 1985, pp. 604-605).

A condição de menoridade cognitiva fixa de


tal modo a razão no estado de natureza que
somente com penoso esforço pode o homem
dela desvencilhar-se. A condição do esclare-
ci-mento, da maioridade, portanto, é a do uso
público da razão que, conforme Kant, “deve
ser sempre livre” (1985, p. 104). Elevar a ra-
zão ao plano da maioridade significa ao mes-
mo tempo rejeitar a submissão heterônoma
da menoridade (qualquer forma de tutela) e
limitar seu ímpeto natural de exorbitar de
suas faculdades para então idealmente esta-
belecer objetos de conhecimento carentes
de conteúdo objetivo.

75
UEA – Licenciatura em Matemática

sua crítica da noção de causalidade, tornava


incertas as posições do racionalismo dogmáti-
TEMA 26
co. O filósofo inglês provara “de maneira irre-
futável” que a razão é incapaz de pensar a pri-
KANT E A REVOLUÇÃO COPERNICANA ori e por meios de conceitos uma relação ne-
NA FILOSOFIA E NA CIÊNCIA cessária, tal como é a conexão entre causa e
efeito no processo do conhecimento. Segundo
Hume, somente a experiência – um fenômeno
“Até aqui se admitia que todo nosso con- X que precede a um fenômeno Y – poderia ter
hecimento devia ser regido pelos objetos; formado a noção de causa. Assim, não é difícil
mas não tiveram êxito todas as tentativas concluir que a razão não possui a faculdade de
de estabelecer a priori algo sobre eles, por pensar as relações causais e que, por exten-
meio de conceitos com os quais se são, todas as suas noções a priori não passam
pudesse ampliar o nosso conhecimento, de meras experiências comuns, falsamente
assumindo um tal pressuposto.” rotuladas de “verdades” metafísicas.
(KANT) Apesar de Kant aceitar a crítica de Hume, não
simpatiza, no entanto, com o empirismo cético.
É bem verdade que os dogmáticos constroem
Immanuel Kant nasceu na cidade de Koenigs-
seus edifícios metafísicos em terreno movedi-
berg. Era de família modesta, criado num
ço, onde tudo desmorona antes mesmo de ser
ambiente sereno de profunda religiosidade
levado a termo. Por outro lado, o ceticismo co-
pietista. Sua vida simples e metódica transcor-
mete um grave erro ao desprezar um gênero
reu quase inteiramente em sua cidade natal, de
de pesquisas cujo objeto não é indiferente à
onde poucas vezes saiu. Realizou seus estu-
natureza humana, quer dizer, de problemas co-
dos na cidade onde nasceu, vindo, mais tarde,
mo os da existência de Deus, da imortalidade
a exercer o magistério particular e público, em
da alma, da liberdade do homem no mundo.
nível superior. Dentre as principais obras de
Questões das quais a razão humana não pode
Kant, nas quais a idéia de crítica aparece como
esquivar-se. Para Kant, nossa razão não pode
marca de seu pensamento, podemos citar:
limitar-se à experiência. Os princípios que a ra-
Crítica da razão pura, Fundamentação da
zão emprega no conhecimento experimental
metafísica dos costumes, Crítica da razão práti-
conduzem-na inevitavelmente a sair dos limites
ca, Metafísica dos costumes, Crítica do juízo e
de toda experiência e a conceber realidades
Religião dentro dos limites da simples razão.
transcendentes, tais como a alma, o mundo,
A origem do pensamento kantiano, em espe- Deus. Nesse sentido, a intenção de Kant
cial sua idéia de crítica, pode ser encontrada resume-se no propósito de reabilitar a filosofia
no grande debate travado ao longo de muitos e de assumir a defesa da razão, não dogmáti-
séculos entre o racionalismo e o empirismo. ca, contra o ceticismo.
Mais especificamente, entre o racionalismo de
Kant afirma que o entendimento possui as re-
Descartes até Leibniz e Wolff e o empirismo
gras do conhecer, e possui-as de forma a pri-
cético de David Hume. É a partir da crítica que
ori. O que significa que, ao contrário do que
este último faz ao racionalismo que Kant des-
pensava Hume, são possíveis conhecimentos
pertará – de seu sono dogmático – para a ne-
a priori. Mas não da forma inata, como Des-
cessidade de repensar toda a metafísica. As-
cartes os entenderia, pois se possuímos em
sim, o que conduziu Kant à idéia crítica não foi
nós as formas ou as regras do conhecer, não
a rejeição das conclusões metafísicas, e sim a
possuímos os conteúdos do conhecimento,
consciência da incerteza dessas conclusões e
não possuímos conhecimentos completos
da fraqueza dos argumentos em que assen-
inatos. Os conteúdos provêm de fora, da diver-
tavam.
sidade sensível, e são recolhidos pela sensa-
O empirismo cético de Hume, em particular a ção e pela percepção.

76
Filosofia da Ciência – A ciência na história: o Iluminismo

Os conteúdos, submetidos às regras a priori O problema é de saber por que a metafísica


do conhecer que Kant chama de conceitos fracassou onde a matemática e a física tiveram
puros ou categorias, transformam-se em co- grande êxito, e se esse fracasso é definitivo.
nhecimentos ou juízos que possuem ao mes- Sabemos que o racionalismo dogmático, ape-
mo tempo o caráter sintético próprio do co- sar de justificar o êxito da ciência, não conse-
nhecimento empírico e o caráter a priori que guiu explicar o fracasso da metafísica; o em-
lhes é dado pelo próprio entendimento por pirismo cético, por outro lado, explica bem o
meio de suas regras. São os juízos sintéticos a fracasso da metafísica, mas não o sucesso da
priori. Tais juízos podem ser formulados por- matemática e da física.
que o conhecimento tem dupla origem: uma a
posteriori ou sensível (sensação e percepção); De acordo com Kant, a matemática e a física
e outra a priori, ou puramente lógica, que são começaram “tateando”:
as categorias ou funções sintetizadoras do “O primeiro homem que demonstrou o triân-
próprio entendimento. gulo isósceles (quer se chame Tales ou não)
Assim, para que haja juízos sintéticos a priori é teve uma revelação, pois entendeu que não
preciso que duas condições sejam satisfeitas: deveria indagar o que via na figura, nem ater-
que haja dado sensível para ser trabalhado se ao simples conceito dela, para aprender-lhe
pelo entendimento e que haja categorias in- as propriedades; mas que deveria produzir
telectuais que efetuem o trabalho de síntese. (por construção) aquilo que ele mesmo, pen-
Como diz o próprio Kant: “Pensamentos sem sando, introduzisse nela e representasse a
conteúdos são vazios, intuições sem conceitos priori por conceitos, e que, para chegar com
são cegas. Portanto tanto é necessário tornar certeza a um saber a priori, não deveria
os conceitos sensíveis (isto é, acrescentar-lhes atribuir à coisa senão aquilo que derivasse
o objeto na intuição) quanto tornar as suas necessariamente daquilo que ele mesmo
intuições compreensíveis (isto é, pô-las sob tivesse colocado nela, em conformidade com
conceitos)” (Kant, 1996, pág. 92). o seu conceito” (B XI - XII).
Kant, sem nenhuma dúvida, em sua teoria do A mesma compreensão – entenda-se rev-
conhecimento (epistemologia), leva em conta
olução – aconteceu com a física, quando
a importância da experiência (intuições, dados
Galileu ou Torricelli, em lugar de se guiarem
sensíveis) no processo do conhecimento, mas
pela experiência, acumulando observações
considera também que, no plano lógico, do
diversas, começaram a interrogar a natureza
entendimento, a anterioridade do pensamento
se-gundo as exigências da razão, conseguin-
em si mesmo, a priori, é condição indispen-
do, as-sim, descobrir-lhes as leis. De acordo
sável nesse processo.
com Kant:
No pensamento kantiano, encontramos uma
“A razão não percebe senão aquilo que ela
mudança de perspectiva em relação ao pro-
cesso do conhecimento, que é conhecida co- mesma produz segundo seu próprio projeto”
mumente como revolução coperniciana (co- (B XIII).
pernicana). Essa diz respeito à questão do Essa mudança de método, tanto na matemática
método, que em Kant sabemos que é reflexivo. quanto na física, consiste em determinar o obje-
Para entrarmos diretamente no assunto, dire- to consoante as exigências da razão, em lugar
mos que, na matemática e na física, ao con- de pôr o objeto como uma realidade dada, pe-
trário da metafísica, temos conhecimentos que rante a qual a razão não tem outra alternativa
são ao mesmo tempo racionais e objetivos, no senão a de inclinar-se. É a passagem do méto-
sentido de procederem da só razão e de se
do empírico ao método racional.
referirem ao objeto. Esses conhecimentos nos
interessam de modo particular, pois a preten- Dado o êxito dessa mudança de perspectiva e
são da metafísica é precisamente a de determi- dado o fato de a ciência ter trilhado um cami-
nar certos objetos de forma totalmente a priori, nho seguro, não seria o caso de generalizar o
exatamente como o fazem as ciências. princípio, a fim de que ele também fosse esten-

77
UEA – Licenciatura em Matemática

dido à metafísica, uma vez que o nosso con- própria faculdade cognitiva. Deixemos a Kant a
hecimento dos objetos depende do sujeito conclusão deste momento:
conhecente pelo menos tanto quanto depende
“Não conhecemos a priori nas coisas senão
do objeto conhecido? Temos aqui o que acima
aquilo que nós mesmos nelas colocamos” (B
foi enunciado como revolução copernicana.
XVIII).
Vejamos como Kant a enuncia:
“Até hoje admitia-se que o nosso conhecimen-
to se devia regular pelos objetos; porém, todas
as tentativas para descobrir a priori, mediante
conceitos, algo que ampliasse nosso conheci-
mento, malogravam-se com este pressuposto.
Tentemos, pois, uma vez, experimentar senão
se resolverão melhor as tarefas da metafísica,
admitindo que os objetos se deveriam regular
pelo nosso conhecimento, o que assim já con-
corda melhor com o que desejamos, a saber, a
possibilidade de um conhecimento a priori
desses objetos, que estabeleça algo sobre
eles antes de nos serem dados. Trata-se aqui
de uma semelhança com a primeira idéia de
Copérnico; não podendo prosseguir na expli-
cação dos movimentos celestes enquanto ad-
mitia que toda a multidão de estrelas se movia
em torno do expectador, tentou senão daria
maior resultado fazer antes girar o expectador
e deixar os astros imóveis. Ora , na metafísica,
pode-se tentar o mesmo, no que diz respeito à
intuição dos objetos.” (B XVI-XVII).
A revolução copernicana de Kant é, portanto, a
substituição, em teoria, do conhecimento de
uma hipótese idealista, por uma hipótese rea-
lista. O realismo admite que uma realidade nos
é dada, quer seja de ordem sensível (empiris-
tas), ou de ordem inteligível (racionalistas), e
que o nosso conhecimento deve modelar-se
sobre essa realidade. Conhecer, nessa hipó-
tese, consiste simplesmente em registrar o
real; o espírito, nessa operação, é meramente
passivo. No entanto o idealismo supõe, ao
contrário, que o espírito intervém ativamente
na elaboração do conhecimento e que o real,
para nós, é resultado de uma construção.
Portanto, operando uma síntese entre o realis-
mo e o idealismo, Kant permite-nos entender
que o objeto, tal como o conhecemos é, em
parte, obra nossa e, por conseguinte, pode-
mos conhecer, a priori, em relação a todo obje-
to, as características que ele recebe de nossa

78
UNIDADE VII
A Ciência na História: os Dilemas do Mundo Contemporâneo
Filosofia da Ciência – A ciência na história: os dilemas do mundo contemporâneo

gênio romântico e desregrado. Ao contrário de


Schelling e de Fichte, que escreveram suas
TEMA 27
obras-primas ainda na juventude, Hegel cons-
truiu lentamente o seu sistema filosófico. Talvez
HEGEL: O REAL É RACIONAL pensasse em si mesmo quando, definindo o
E O RACIONAL É REAL modelo de filósofo, descreveu Platão com suas
palavras: Platão estudou ao lado de muitos filó-
sofos, esforçou-se duramente, viajou, não foi
“O que todo finito tem de próprio é a verdadeiramente um gênio produtivo, nem poé-
supressão de si mesmo. A dialética forma, tico, mas uma mente que procedia devagar.
conseqüentemente, a alma motora do
Dentre suas principais obras, podemos citar:
progresso científico; e é o único princípio
Escritos teológicos juvenis, publicados em
pelo qual a conexão imanente e a neces-
1907; Diferença entre os Sistemas Filosóficos
sidade entram no conteúdo da ciência:
de Fichte e de Schelling (1801); Fenomeno-
nesta, principalmente, é a verdadeira, e
logia do Espírito (1807); Ciência da Lógica
não extrínseca, elevação sobre o finito.”
(1812-1816); Enciclopédia das Ciências Filo-
(HEGEL) sóficas em Compêndio (1817); Princípios da
Filosofia do Direito (1821); Lições sobre a His-
tória da Filosofia (1832); Filosofia da Religião
A vida de Wilhelm Friedrich Hegel foi toda de-
(1832).
dicada à carreira acadêmica. Nasceu em
Stuttgart, no seio de uma família abastada – o De Hegel, devemos inferir que a filosofia não
pai era funcionário do Estado. Cursou tranqüi- deve imaginar como o mundo deveria ser, mas
la e integralmente os estudos juvenis. Apai- limitar-se a explicá-lo. A filosofia sempre chega
xonado pelo mundo grego e pelas questões depois, quando a realidade já se constituiu,
teológicas, inscreveu-se na célebre Universi- assim como a coruja de Minerva só levanta vôo
dade de Tübingen, um seminário protestante. no crepúsculo, quando o dia já terminou. A sua
Ali conheceu dois futuros protagonistas da tarefa é simplesmente interpretativa. Seu pro-
época romântica: Hölderlin e Schelling, com blema não é o de estabelecer como a reali-
quem partilhou o entusiasmo inicial pela Re- dade deveria ser, mas de entender aquilo que
volução Francesa. A evolução da situação é, fazer emergir da realidade o conteúdo racio-
francesa, porém, particularmente o período nal, pois a realidade mesma já é per se razão.
chamado Terror, fez desaparecer esses ardo- Por isso, nos diz:
res juvenis, e Hegel acabou por desenvolver “Mesmo ao dizer algumas palavras sobre a
uma posição decididamente conservadora e doutrina de como deve ser o mundo, a filosofia
mesmo reacionária. sempre chega tarde demais. Enquanto pensa-
Começou a trabalhar como preceptor particu- mento do mundo, ela aparece pela primeira
lar até que, em 1801, a convite de Schelling, vez no tempo depois que a realidade comple-
mudou-se para Jena, a cidade mais cultural- tou o seu processo de formação e já está pron-
mente viva da Alemanha. Tornou-se professor ta e acabada... A coruja de Minerva levanta vôo
universitário e galgou todos degraus da car- ao cair do crepúsculo”. (Hegel apud Ubaldo
reira, até tornar-se, a partir de 1818, titular da Nicola, 2005, pág. 354.)
prestigiosa cátedra de filosofia da Uni-
Para Hegel, realidade e racionalidade estão na
versidade de Berlim, obtendo amplo consenso
base da compreensão da estrutura da uni-
até a sua morte.
dade, da totalidade do mundo. Ora, “o que é
Hegel sempre foi sensível às instâncias cultu- racional é real e o que é real é racional”. A
rais do seu tempo e bem-informado sobre os primeira parte desse aforismo revela uma coin-
progressos alcançados em vastas áreas do cidência entre realidade e racionalidade, a par-
saber, mas, por outro lado, foi a antítese do tir da qual Hegel afirma que o mundo não é um

81
UEA – Licenciatura em Matemática

amontoado caótico de substâncias, mas o des- Não poderíamos deixar de mencionar o pro-
dobramento progressivo de uma espirituali- cesso dialético no pensamento hegeliano.
dade racional (que pode ser denominada de Tudo o que até então foi dito sobre o pensa-
Absoluto, Espírito, Idéia, Razão, Deus), que mento hegeliano está dinamicamente inserido
se exprime inconscientemente na natureza e nesse processo. Assim, se aplicarmos a qual-
conscientemente no homem. Na segunda quer elemento da realidade que se queira, a
par-te desse aforismo,a racionalidade coin- doutrina do devir dialético constitui a estrutura
cide com a realidade, indica que a razão não do sistema hegeliano. A transformação é uma
expri-me uma abstração, um dever-ser ideal lei universal (nada lhe escapa) regulada por
ou utó-pico, mas a estrutura profunda do três momentos. O primeiro deles, a tese ou
mundo real. Assim, de um lado, tudo aquilo afirmação, indica a coisa em si, o que ela é no
que é possui uma razão necessária para exis- início da transformação considerada; o segun-
tir; do outro, tudo o que tem uma razão para do momento ou momento intermediário, a
ser existe de fato. antítese ou negação, exprime o estado de
Para justificar o que acima dissemos, recor- passagem. Isso significa que, para haver mu-
ramos a um trecho dos princípios da filosofia dança, toda coisa deve negar a si mesma para,
do Direito de nosso autor: no fim, achar uma síntese que conserve algo
do estado inicial. O terceiro e último momento,
“O que é racional é real e o que é real é a síntese ou a reafirmação, indica o que a
racional. Esta é a convicção de toda a cons- coisa será no fim do processo.
ciência livre de preconceitos e dela parte a
filosofia tanto ao considerar o universo espiri- O resultado que se tem, então, desse proces-
tual como o universo natural (...) A missão da so, é o de que cada estado da realidade, cada
filosofia está em conceber o que é, porque o ser, se encontra a cada instante em uma con-
que é é a razão. No que se refere aos indiví- dição contraditória. Aquilo que é se afirma e
duos, cada um é filho do seu tempo; assim existe de um determinado modo, mas ao
também para a filosofia que, no pensamento, mesmo tempo se nega, torna-se uma outra
pensa o seu tempo” (Hegel, 2003, págs. XXXVI coisa. Hegel partilha da idéia de Heráclito de
- XXXVII). que todo ser, existindo, realiza a unidade dos
contrários.
Para Hegel, toda a realidade pode ser justifica-
da, uma vez que acredita que, para se filosofar,
precisa-se partir de um método científico e
objetivo. Assim, podemos compreender porque
sua idéia de que tudo o que é real – tudo o que
existe na natureza e todos os eventos da his-
tória humana – é, per se, racional e, portanto,
necessário, justificado. Não se deve pensar a
racionalidade como algo abstrato e imaterial,
ou então como um dever-ser do mundo em
relação àquilo que o mundo é de fato, porque a
racionalidade é a substância de tudo o que
existe, inclusive da matéria e da natureza.
Assim, poder-se-ia dizer que nunca nada acon-
teceu por acaso; nada existe no mundo de for-
tuito ou ocasional; tudo o que acontece tem
uma profunda razão de ser; o mundo não
poderia existir de modo diferente do que é, e
tudo o que existe tem a sua importância como
parte necessária da totalidade.

82
Filosofia da Ciência – A ciência na história: os dilemas do mundo contemporâneo

derivassem da observação dos fatos e do em-


prego do raciocínio matemático deveriam ser
TEMA 28
classificados como “metafísicos” e, como tais,
abandonados e substituídos por outros que se
COMTE: O OTIMISMO DA CIÊNCIA originassem dos preceitos do positivismo.
Tratava-se de um tipo de otimismo porque
concebia a ciência como a última e definitiva
O filósofo francês Auguste Comte introduziu, a
etapa de um processo pelo qual a humani-
partir do século XIX, uma nova maneira de con-
dade liberar-se-ia, enfim, das amarras que a
ceber a diferença entre os homens e os demais
impediam de empregar todas as suas capaci-
seres da natureza. Enquanto o humanismo ha-
dades para dominar a natureza, o comporta-
via empregado as idéias de dignidade
mento individual e as relações sociais de tal
humana, razão e civilização para enfatizar a
modo que pudesse prever e dirigir os acon-
con-dição especial dos seres humanos entre
tecimentos históricos conforme finalidades
os seres naturais sem considerá-los, entretan-
estritamente racionais, considerando como
to, como divindades ou como coisas despo-
tais os fins definidos a partir da idéia de que a
jadas de nobreza, Comte valeu-se do conceito
realização da humanidade como tal só ocor-
de positivo para mostrar que os fatos
rerá na espécie e não nos indivíduos e que,
humanos podem ser tratados da mesma
portanto, os interesses coletivos prevalecem
maneira pela qual os fenômenos físicos e
sobre os individuais.
biológicos são observados, experimentados e
explicados pelas ciências da natureza. Esse projeto foi decisivo para o surgimento de
ciências como a sociologia, a psicologia, a his-
O projeto filosófico do positivismo emergiu
toriografia moderna, a antropologia, a lingüísti-
numa época em que a física, a astronomia, a
ca e outras que também se dedicaram a inves-
química, a biologia e as disciplinas que lhes
tigar o homem conforme os princípios, os mé-
eram afins haviam-se consolidado como ciên-
todos e o ideal de cientificidade adotada pelas
cias e, em razão disso, determinaram o estatu-
ciências da natureza.
to da cientificidade, os métodos e os conheci-
mentos considerados científicos. Além da O termo positivismo tanto designa uma teoria
observação e da experimentação sistemáticas, que se opõe, na filosofia, às idéias de negação,
empregadas como métodos por excelência da contradição e relativo, quanto um sistema geral
pesquisa científica, essas ciências adotaram a do conhecimento humano – a filosofia positiva
matemática como modelo de explicação ver- – organizado por Augusto Comte (1798-1857).
dadeira. Para conduzir o “espírito científico” ao Além disso, o positivismo também se apresen-
domínio das investigações sobre o homem, ta como uma proposta de reforma e de organi-
Comte entendeu que a Sociologia, ou Física zação moral e intelectual da sociedade, como
Social, deveria aplicar, por analogia, os méto- se depreende de sua sociologia (física social).
dos, os procedimentos e os princípios daque- Comte considerava haver descoberto a “lei
las ciências, tornando-se, também, uma ciên- fundamental” que explica o desenvolvimento
cia hipotético-indutiva. das sociedades e dos indivíduos.

Esse projeto possui como um de seus pressu- Trata-se da lei dos três estados, segundo a
postos fundamentais a concepção de que a qual a humanidade, em seu curso histórico,
história da humanidade é regulada pela “lei atravessou três grandes estágios ou estados.
dos três estados”, isto é, pelo inevitável pro- O primeiro é o estado teológico ou religioso,
gresso de uma idade teológica primitiva que no qual todas as explicações dos fenômenos
dá lugar a uma idade metafísica até atingir seu são atribuídas a forças sobrenaturais. O segun-
ponto final de amadurecimento em uma idade do é o estado metafísico ou filosófico, que é
científica. Para essa concepção, todas as uma fase de transição entre o estado religioso
idéias e todos os raciocínios que não e o positivo, no qual, conforme Comte, “os

83
UEA – Licenciatura em Matemática

agentes sobrenaturais são substituídos por o fato social pudesse ser matematicamente
forças abstratas” inerentes aos seres. O ter- reduzido a fenômenos quantificáveis; em
ceiro é o estado positivo ou científico, que segundo lugar, o de sacralizar o racional ou
representa o estágio definitivo e mais elevado racionalizar o sagrado, conforme a pretensão
do desenvolvimento da humanidade, no qual de fundar uma religião (a religião da huma-
todos os fenômenos – naturais e sociais – po- nidade) em bases exclusivamente científicas.
dem ser explicados cientificamente.
Para Comte, as explicações produzidas pela
ciência são as únicas capazes de atingir o
estatuto da verdade. Positivamente, a ciência é
tida como única forma válida de conhecimen-
to. Como se vê, o positivismo rejeita a filosofia
como forma de conhecimento; a filosofia é tão-
somente a filosofia positiva, que se divide em
cinco ciências fundamentais: a astronomia, a
física, a química, a fisiologia e a física social. A
física social ou a sociologia desenvolvida pelo
positivismo apresenta-se como a última e a
mais complexa das ciências que integram a
classificação geral das ciências definida por
Augusto Comte.
A sociologia positiva inclui em seu interior
princípios morais, políticos e religiosos, todos
definidos a partir da ciência, e compreende
duas partes : 1) a estática social, que se ocupa
do equilíbrio e da ordem na esfera social ; 2) a
dinâmica social, que estuda as formas de de-
senvolvimento do corpo social com base na lei
dos três estados, ao mesmo tempo em que
define as leis do progresso. O conceito de
ordem, que Augusto Comte vai buscar na
sociedade hierarquizada do medievo, confere
à sociologia comtiana um caráter ao mesmo
tempo conservador e autoritário.
Os conflitos sociais, a luta de classes, nada
disso encontra lugar em sua física social, a não
ser sob a designação de anomia social. A influ-
ência do positivismo no Brasil faz-se presente
até hoje, desde o sistema educacional (o tecni-
cismo pedagógico), até o econômico (a tec-
nocracia financeira), sendo o único país do
mundo que tem cravado em sua bandeira o
lema positivista: ordem e progresso.
Dentre outros, os dois grandes equívocos da
concepção positivista da ciência são, em
primeiro lugar, o de tentar generalizar para as
ciências sociais os mesmos procedimentos
metodológicos das ciências naturais, como se

84
Filosofia da Ciência – A ciência na história: os dilemas do mundo contemporâneo

nação última e essencial. Para a tradição mate-


rialista e dialética do pensamento, também
TEMA 29
conhecida como filosofia da práxis, o homem
define-se como ser da práxis, porque este é o
MARX: A PRÁXIS E A CONSTRUÇÃO conceito fundamental para compreender “a
DO CONHECIMENTO atividade livre, universal, criativa e autocriativa,
por meio da qual o homem cria (faz, produz), e
transforma (conforma) seu mundo humano e
“A verdade é filha do tempo e não da histórico e a si mesmo” (BOTTOMORE, 1988,
autoridade. A nossa ignorância é infinita, p. 292). Conhecimento e ciência são expres-
vamos reduzi-la de um centímetro! De que sões subjetivo-objetivas da práxis. Ao contrário
vale ser tão esperto agora, agora que final- do que afirma o idealismo dialético hegeliano,
mente poderíamos ser ao menos um o mundo das idéias não é um mundo indepen-
pouco menos estúpidos! Eu tive a felici- dente, abstrato, criador do mundo real. Só se
dade inimaginável de encontrar um instru- pode explicar o mundo ideal pelo mundo real,
mento novo, que permite examinar mais pela práxis sócio-histórica.
de perto, não muito, uma franja do univer-
so. Os senhores deveriam aproveitar.” “Por sua fundamentação, meu método
(BRECHT, Vida de Galileu) dialético não só difere do hegeliano, mas é
também a sua antítese direta. Para Hegel, o
processo do pensamento, que ele, sob o
nome de idéia, transforma num sujeito
Para a tradição marxiana e marxista do pensa- autônomo, é o demiurgo do real, real que
mento, só podemos compreender de modo constitui apenas a sua manifestação externa.
objetivo o processo do conhecimento – do co- Para mim, pelo contrário, o ideal não é nada
nhecimento em geral e do conhecimento cien- mais que o material, transposto e traduzido
tifico em particular – enquanto processo his- na cabeça do homem” (MARX, 1983, p. 20).

tórico de desdobramento da práxis. O que é a


práxis? E a atividade efetiva, teórico-prática, na Porque compreendido sob o signo da práxis, o
qual e pela qual os homens se constituem em conhecimento humano, em sua expressão ci-
sua positividade humana. A propósito dessa entífica, não pode confinar-se aos limites da
discussão, ou seja, se é uma questão abstrata, interpretação do real. A undécima tese de Marx
metafísica mesmo, conferir objetividade ao contra Feuerbach aponta-nos que a ciência
pensamento humano, vamos considerar a que só interpreta e se demite da ação transfor-
seguinte observação de Marx: madora converte-se em instrumento de opres-
são e de legitimação ideológica da opressão:
“A questão de saber se é preciso conceder “Os filósofos apenas interpretaram o mundo de
ao pensamento humano uma verdade obje- forma diferente, o que importa é mudá-lo”
tiva não é uma questão de teoria, porém (MARX apud LABICA, 1990, p. 35). Uma inter-
uma questão prática. É na prática que o pretação apressada da undécima tese de Marx
homem deve comprovar a verdade, isto é, a
pode conduzir o entendimento ao equívoco
realidade efetiva e a força, o caráter terrestre
epistemológico de que foi decretado o fim da
de seu pensamento. A disputa referente à
realidade ou à não-realidade efetiva do pen- interpretação, de que toda interpretação é do-
samento – que está isolada da prática – é ravante ociosa. Porque agora chegou a hora
uma questão puramente escolástica” da transformação. O próprio Marx desautoriza
(MARX, apud LABICA, 1990, p. 31). tal interpretação quando nos diz que “toda
ciência seria supérflua se a forma de manifes-
Todo conhecimento humano, toda ciência hu- tação e a essência das coisas coincidissem
mana, todas as formas de objetivação da rea- imediatamente” (1985, p. 271). O que não se
lidade, seja da realidade objetiva, subjetiva, conhece resiste à transformação. O percurso
seja da social, tudo tem na práxis sua determi- intelectual de Marx mostra-nos que nele o

85
UEA – Licenciatura em Matemática

movimento da ciência é sempre um movimen-


to teórico-prático. O parágrafo a seguir, trans-
TEMA 30
crito do grande pensador social Octavio Ianni,
dá-nos a exata medida da fecundidade dialéti-
ca da ciência em Marx: NIETZSCHE E A GAIA CIÊNCIA

“O vigor do pensamento de Marx parte pre- “...pois continuamos necessariamente


cisamente do fato de que ele se constitui
estranhos a nós mesmos.”
como a única interpretação que, ao mesmo
tempo, compreende e nega o capitalismo. (Nietzsche, Genealogia da Moral)
Não se trata de uma interpretação abstrata,
nem isenta. Ao contrário, trata-se de uma
interpretação que adere destrutivamente ao
Em sua história pessoal, na história de nossa
objeto (grifo nosso). Para Marx, o pensa-
mento – explicação científica, sistema filosó- cultura bem como na época moderna, desen-
fico ou doutrina religiosa – pode transfor- volveu-se, para Nietzsche, como que um im-
mar-se em elemento ativo das relações pulso para o conhecimento, uma vontade de
entre pessoas, grupos ou classes sociais.
verdade. Pode-se dizer que esse desenvolvi-
Sabia que a sua interpretação – no instante
mesmo em que se produzia – transformava- mento ordenou-se de tal modo, a partir dos
se em força social. De fato, desde então não problemas que o socratismo e o cristianismo
foi mais possível pensar o capitalismo inde- colocaram em jogo, que não apenas o pro-
pendentemente da sua interpretação dialéti- blema do fim da metafísica, mas, também, a
ca” (IANNI, 1988, p. 9).
questão dos valores morais emergiram no
pensamento moderno como exigências in-
Dentre outras formas de objetivação do ho- contornáveis.
mem e de seu mundo, a ciência configura-se
entre as mais criativas e eficientes mediações Contudo, se um tal impulso tornou-se uma
da práxis. É teoria e prática que se converte em exigência para alguém que, como Nietzsche,
força material e que igualmente pode afirmar o achou-se pessoal e intelectualmente envolvido
projeto do reino da liberdade ou negá-lo. pelas questões mais radicais da cultura euro-
Nega-o quando submetida ao império capita- péia, dele mesmo surgiu uma resistência e
lista do lucro e à lógica universal de mercan- uma desconfiança, uma sólida vontade, que se
tilização de pessoas e bens. E essa, diga-se, voltou contra a direção para a qual parece ten-
tem sido a norma, porque sob a tutela do ca- der, na avaliação desse filósofo, o desenvolvi-
pital, a ciência converte-se num dos mais per- mento histórico dessa cultura.
versos e eficazes mecanismos de negação da Alguma figuras foram tomadas por ele como
vida, da liberdade, da justiça. Afirma-o quando, sintomas desse encaminhamento que a cul-
no interior da práxis histórica, prioriza pessoas tura européia parece estar dando a si mesma
e demandas socialmente justas em lugar do na modernidade. Entre elas, a de Schopen-
lucro a qualquer custo, quando sob discerni-
hauer tem preeminência. Tendo sido um dos
mento ético verifica seus limites e possibili-
pensadores que, mais radicalmente, levaram a
dades e reconhece que progresso técnico não
filosofia a suspeitar das pretensões da me-
é necessariamente sinônimo de desenvolvi-
tafísica, ele se teria, conforme Nietzsche,
mento humano.
enredado nessa tendência moderna de procu-
rar, no campo moral, “valores em si”; ele deu
curso ao que constitui propriamente o desejo
de conhecimento que a tradição socrático-
cristã sempre carregou consigo, o niilismo, a
vontade de nada.

86
Filosofia da Ciência – A ciência na história: os dilemas do mundo contemporâneo

assumiu e o valor que elas efetivamente repre-


“Precisamente nisso enxerguei o grande sentaram para os homens que as viveram. É a
perigo para a humanidade, sua mais sub-
partir desse trabalho que Nietzsche chega à
lime tentação e sedução – a quê? – ao
nada?; mais precisamente nisso enxerguei o
conclusão de que os utilitaristas, como os
começo do fim, o ponto morto, o cansaço “psicólogos ingleses” do século XIX, estão
que olha para trás, a vontade que se volta bem de acordo com sua própria época, pois
contra a vida, a última doença anunciando- eles parecem não levar muito a sério o proble-
se, terna e melancólica: eu compreendi a ma da origem da moral, que também a eles se
moral da compaixão, cada vez mais se alas-
apresenta de modo não solicitado. É em fun-
trando, capturando e tornando doentes até
mesmo os filósofos, como o mais inquie- ção do esgotamento das pretensões da me-
tante sintoma dessa nossa cultura européia: tafísica e ao moderno amolecimento dos senti-
como o seu caminho sinuoso em direção a mentos, signos do pessimismo e do cansaço,
um novo budismo? a um budismo europeu? que este problema nos é proposto.
A um – niilismo...?” (NIETZSCHE, 1988.
Prólogo 5.) Segundo Nietzsche, o que importa ao homem
moderno, no que diz respeito aos valores mo-
rais, é a maneira cômoda e pouco perigosa
A exigência de uma investigação sobre a origem
como a vida se apresenta, em nossos dias,
dos valores morais parece ter-se transformado
graças ao sentido que se deu a esses valores,
em exigência de uma avaliação desses valores
mesmo que eles sejam tomados como resulta-
a partir da percepção daquele perigo. Ora, os
dos do hábito, do esquecimento ou da utili-
conceitos “bom” e “mau” são forjados na época
dade e não como valores absolutos.
moderna como os mais altos valores da morali-
dade, especialmente “no sentido da promoção, Podemos considerar a investigação de Nie-
utilidade, influência fecunda para o homem” tzsche como um exercício filosófico na pro-
(Nietzsche, 1988. p. 14). Nietzsche suspeita jus- porção em que este consiste em levar o pensa-
tamente de que a moderna avaliação desses mento a permanecer veraz mesmo diante das
conceitos deixou no esquecimento a história da questões mais constrangedoras e reveladoras
moral e de que, recorrendo a noções com a de da falta de nobreza que talvez se encontrem na
“utilidade”, Paul Rée e a “psicologia inglesa” origem de nossos valores morais. Mas não se
retomaram a direção do niilismo. deve a um gosto mórbido o impulso para co-
nhecer tais origens e, sim, à necessidade de
O esforço de Nietzsche abriu um novo e mais
uma crítica do papel que esses valores
profundo campo no domínio das investigações
exercem, como estimulantes ou como vene-
sobre a moral. Isso se deve ao emprego de
nos, para a justificação da vida, para seu maior
uma análise propriamente histórica e à im-
ou menor brilho. Se tal crítica se fez necessária
placável honestidade com que ele procurou
a partir de Nietzsche é porque nele se mani-
interpretar as transformações conceituais festou a suspeita de que “precisamente a moral
pelas quais surgiram os valores constituintes seria o perigo entre os perigos” (Nietzsche,
da moral moderna. Ele buscou, na filosofia, na 1988. p. 14).
filologia e em um certo “senso seletivo em
questões psicológicas”, os instrumentos com
os quais redescobriu o arquivo da história efe-
tiva da moral, a “longa, quase indecifrável
escrita hieroglífica do passado moral humano”
(Nietzsche, 1988. p. 14).
A massa de documentos desse arquivo é
cinza, pesada, exigente, difícil, e o trabalho do
genealogista sobre ela não se restringe à des-
crição. Ele consiste em interpretar esses docu-
mentos e julgar as formas que a moralidade

87
UNIDADE VIII
Os Novos Rumos e os Desafios da Ciência nos Séculos XX e XXI
Filosofia da Ciência – os novos rumos e os desafios da ciência nos séculos XX e XXI

projeto genuinamente emancipatório ou, des-


de as suas origens, não portaria os germens
TEMA 31
da dominação instrumental em que se vai con-
verter nos séculos XIX e XX? Será ainda possí-
A TEORIA CRÍTICA: RAZÃO vel recuperar o projeto emancipatório da razão
iluminista, no pensamento, na técnica, na ciên-
INSTRUMENTAL
cia? Para Adorno e Horkheimer, “a racionali-
E RAZÃO EMANCIAPATÓRIA
dade técnica hoje é a racionalidade da própria
dominação. Ela é o caráter compulsivo da socie-
“Seria justo, agora, perguntar se a Teoria
dade alienada de si mesma” (1985, p. 114).
Crítica, no momento de sua constituição, O que, desde logo, a Teoria Crítica percebe é
pertenceria inteiramente ao marxismo, es- que o poder irracional da racionalidade (instru-
taria situada na fronteira do marxismo, ou mental) capitalista vai subtraindo à razão o seu
ainda, se já não significaria uma saída do constitutivo iluminista. Desse modo, os trabal-
marxismo.” hadores, antes objeto das promessas da ra-
zão iluminista, convertem-se agora em vítimas
(OLGÁRIA MATOS)
da reificação produtiva a que o capital reduz a
vida, a razão e a ciência. Se o século das luzes
Explicitar as dimensões ético-pedagógicas da trouxe à humanidade o otimismo de que, pelo
razão crítico-iluminista implica também assimi- uso livre da razão, ou seja, pela razão univer-
sal, seria possível definitivamente superar o
lar o rico e instigante contributo teórico elabo-
mun-do da barbárie, do absolutismo e do fana-
rado pelos pensadores da Escola de Frankfurt,
tismo, para assim construir uma civilização
que, herdeira de uma tradição filosófica cuja
presidida pelo imperativo categórico da
maioridade é conferida por Kant, refaz, em
autonomia ética e pelo tribunal epistemológico
Hegel, o itinerário dialético e emancipador do
da razão crítica, já na primeira metade do
pensamento, redimensiona-se com os mestres
século XIX esse otimismo é abalado pela
da suspeição – sobretudo Marx, Nietzsche e
forma quase monolítica com que a produção
Freud –, e constitui-se, no século XX, sob o industrial pas-sa a submeter os homens e a
ideário de uma Teoria Crítica da sociedade e razão. O enfra-quecimento da razão iluminista
do mundo administrado pelo capital. é a contraface da consolidação de uma forma
A Teoria Crítica, fiel ao caráter dialético do pen- de exercício da razão: a razão instrumental, a
samento de Marx, não só retoma a crítica mar- quase exclusivo serviço do mundo da pro-
xiana do capitalismo e da ciência do século dução. A partir de en-tão, a razão começa a
XIX, como a redimensiona, tanto a partir das ver o mundo pela redutora ótica mercantil.
questões postas pelos desdobramentos do Diante disso, como situar o desafio ético e
científico (e dar a ele resposta) decorrente da
capitalismo no século XX quanto do diálogo
barbárie criada pela razão instrumental? As
com outras expressões do pensamento e da
saídas, quaisquer que sejam, não podem
ciência. Se os grandes pensadores não cou-
prescindir do ideário iluminista da razão.
beram em seu próprio tempo, se à ciência do
presente uniram o caráter visionário de insti-
gantes predições, não é menos verdade que “Uma crise nos obriga a voltar às questões
mesmas e exige respostas novas ou velhas,
eles também são filhos de seu tempo.
mas de qualquer modo julgamentos diretos.
Dentre outras, uma questão torna-se quase Uma crise só se torna um desastre quando
antinômica para a Teoria Crítica, notadamente respondemos a ela com juízos pré-forma-
dos, isto é, com preconceitos. Uma atitude
para Adorno e Horkheimer: como foi possível a
dessas não apenas aguça a crise como nos
ciência emancipatória iluminista converter-se
priva da experiência da realidade e da opor-
tão rapidamente à lógica instrumental e ope- tunidade por ela proporcionada à reflexão”
ratória, igualmente iluminista, da produção ca- (ARENDT, 1979, p. 223).
pitalista? Seria o iluminismo, desde o início, um

91
UEA – Licenciatura em Matemática

O pensamento de Marx e mais ainda os mar- Enquanto a razão não recuperar sua legítima
xismos não estão imunes ao otimismo da ciên- dimensão ético-iluminista, a Teoria Crítica con-
cia do século XIX, sobretudo fortalecido pela tinuará sendo a arma fundamental contra as
idéia cumulativa do progresso, dileto filho da formas opressivas e desumanizantes do cien-
revolução industrial capitalista. Segundo Cris- tificismo e da tecnocracia da razão instrumen-
tovam Buarque, “a história do pensamento eco- tal. Dizia Horkheimer que “a filosofia que pre-
nômico transformou-se em história do pensa- tende se acomodar em si mesma, repousando
mento do progresso da economia” (1990, p. numa verdade qualquer, nada tem a ver, por
50). Ainda segundo este autor, Marx pode ser conseguinte, com a Teoria Crítica” (1983, p.
visto como “um empedernido defensor do pro- 161).
gresso, e sua crítica ao capitalismo baseava-se
na impossibilidade deste sistema em elevar o
nível do progresso” (Idem, p. 54). Ao contrário
de Marx, os pensadores da Teoria Crítica sus-
peitaram da idéia mesma do progresso e de-
nunciaram o seu caráter reificante, sobretudo
no campo da cultura por meio do que eles
denominaram de indústria cultural, ou forma
mercantil da cultura.

“Nas condições atuais – conforme Adorno e


Horkheimer – os próprios bens da fortuna
convertem-se em elementos de infortúnio”
(1985, p. 15).

Para Olgária Matos, “a Teoria Crítica recusa


qualquer otimismo que confira à objetividade –
entendida seja como progresso, seja como
finalidade – a realização da história. É o antifi-
nalismo schopenhaueriano da história que pre-
side o exercício crítico” (1989, p. 254). É sobre
questões, pois, como as da exacerbação do
consumo, da indústria cultural, do tempo livre
administrado, da subjetividade, da reificação
cultural, da ideologia do progresso infinito,
dentre outras, ainda não de todo presentes e
tematizadas à época de Marx, que os pen-
sadores de Frankfurt vão-se debruçar. Ao
reafirmarem o caráter emancipatório da razão
em Kant, “os teóricos frankfurtinos tentaram
tanto interpretar a sociedade quanto transfor-
má-la. A preocupação desses pensadores foi a
de ressaltar a dimensão dialética da história
em sua plenitude” (Pucci, 1995, p. 29), tendo
em vista elaborar uma compreensão histórico-
social dos processos de pensamento, neles
identificando, “em conexão com os processos
sociais reais” (Horkheimer, 1983, p. 121), o
movimento dialético de fatores objetivos e sub-
jetivos.

92
Filosofia da Ciência – os novos rumos e os desafios da ciência nos séculos XX e XXI

uma comunidade científica e serve de base


para os desenvolvimentos subseqüentes. As-
TEMA 32
sim, baseia-se num paradigma (termo grego,
empregado por Platão, em vários sentidos:
THOMAS KUHN: O CONCEITO “exemplo”, “amostra”, “cópia”, “padrão”, “mo-
DE REVOLUÇÃO CIENTÍFICA delo”; para melhor significar o sentido de para-
digma em Platão, devemos precisar o mesmo
como modelo = idéia. O termo também per-
“Se a história fosse vista como um tence ao vocabulário da gramática, designa
repositório para algo mais do que anedotas um exemplo de construção sobre o qual mui-
ou cronologias, poderia produzir uma trans- tos outros podem ser moldados), do qual de-
formação decisiva na imagem de ciência rivam regras (sabe-se, no entanto, que para
que atualmente nos domina.” Kuhn, os paradigmas podem orientar a investi-
(THOMAS KUHN)
gação mesmo na ausência de regras). Estabe-
lecido um paradigma, a investigação procede
de maneira semelhante à solução de “enig-
Norte-americano, Thomas Kuhn nasceu em mas”, não sendo postos em dúvida os funda-
Cincinnati, Ohio (EUA). Foi professor na Uni- mentos do paradigma.
versidade de Princeton; no MIT (Massachu- Descobertas “anomalias” no transcorrer do pro-
setts Institute of Technology), no período de cesso investigatório, o que de fato geralmente
1979 a 1991, onde encerrou sua carreira no ocorre, o pesquisador deixa-as de lado como
magistério. questões relativamente inoportunas, afim de
Kuhn é protagonista do que se convencionou que sejam melhor analisadas posteriormente.
chamar de “a nova filosofia da ciência”. Seu Quando tais anomalias tornam-se excessivas e
trabalho está na esteira de autores aos quais já não se podem ignorá-las ou explicá-las em
reconhece a antecedência, a saber: as pes- termos teóricos “normais” – elas assumem um
quisas históricas de Koyré, Meyerson, Helène caráter metafísico e extrapolam os limites cien-
Metzger, Anneliese Maier, as inspirações de tíficos da teoria – produz-se, então, uma que-
James B. Conant, os trabalhos de Jean Piaget, bra do paradigma, que será substituído por
outro. É no trânsito de um paradigma a outro
de Benjamin Whorf, de Ludwig Fleck, além das
que a ciência oferece um aspecto “anormal”,
análises filosóficas de Quine.
pois já não se está somente diante de perple-
Para Kuhn, o estudo histórico da ciência – que xidades, mas diante de problemas que exigem,
reúne e implica, a um só tempo, a habilidade para sua solução, uma nova teoria, um novo
do historiador e o conhecimento do cientista – paradigma.
é indispensável para se compreender como se
A mudança de paradigma provoca um
desenvolveram as teorias científicas, como
“deslocamento” semelhante ao que se obser-
também por quê, em alguns momentos da his-
va no campo da percepção quando, de acor-
tória, certas teorias foram mais bem aceitas em
do com a Psicologia da Gestalt, se vê uma
vez de outras e, por isso, justificadas e vali-
figura diferente da até então vista. Ora, os
dadas. Essa postura contraria a idéia de que a
mesmos fatos são observados de forma dis-
filosofia da ciência é, simplesmente, uma re-
tinta, numa pers-pectiva diferente, isto é,
construção lógica de teorias científicas.
agora, no âmbito de um novo paradigma. As
Apesar de Thomas Kuhn ter, inúmeras vezes, revoluções científicas consistem nessa crise
revisto e aprimorado seu pensamento, pode- de fundamentos: são mudanças na visão de
mos dizer que suas idéias centram-se no que mundo < invisíveis > inclusive para os
se poderia chamar de “ciência normal” e de próprios cientistas que as rea-lizam.
“ciência anormal”.
As anomalias podem ser interpretadas como
A ciência normal é aquela que é elaborada por falseamento de teorias científicas, mas também

93
UEA – Licenciatura em Matemática

podem ser vistas como condições para o sur- levaria a um irracionalismo e a um relativismo
gimento de uma nova teoria. O paradigma po- terminantemente recusados por Kuhn.
de ser estudado como uma estrutura lógica ou
Essa incomparabilidade ou incomensurabilida-
como uma série de pressupostos que são con-
de entre duas teorias, consiste numa diferença
dições de possibilidade da investigação cientí-
estrutural nas relações de termos-tipo (Kind-
fica.
terms) usados em distintas comunidades. Ela é
As idéias de Thomas Kuhn, sobre a estrutura sempre local, quer dizer, uma mudança teórica
das revoluções científicas, alcançaram grande revolucionária afeta sempre alguns conceitos,
ressonância devido ao fato de: abarcarem um mas nunca sua totalidade. Esse caráter local
campo muito amplo que vai da lógica da des- (específico, não geral) da incomensurabilida-
coberta científica à psicologia (e à sociologia) de, é o que permite uma ampla base conceitual
da produção científica; seus conceitos básicos comum para que se possa, apesar das dife-
terem suficiente flexibilidade para admitir inter- renças conceituais pontuais, comparar teorias.
pretações as mais diversas. Assim, é preciso
Bem entendida, a incomensurabilidade não
considerar que uma mudança de paradigma
impede – como alguns podem pensar – um
pode acontecer subitamente, a exemplo da-
real progresso do conhecimento. Ao contrário,
quele “deslocamento” da visão, antes indica-
é ela que, na realidade, leva ao progresso
do, como também pode acontecer que a for-
cognoscitivo, uma vez que este progresso não
mação de um novo paradigma leve muito tem-
é meramente quantitativo, implicando, assim,
po para se consolidar, o que pode implicar a
uma profunda reorganização do conhecimen-
coexistência de dois ou mais paradigmas num
to até então estabelecido. Não se trata de uma
mesmo momento histórico.
busca progressiva da verdade, pois Kuhn
Kuhn sempre rejeitou interpretações extremas nega a existência de uma verdade indepen-
de suas idéias. Assim, recusou todo reconstru- dente da teoria.
cionismo e mesmo todos os falseamentos in-
O progresso científico precisa ser entendido de
gênuos; não aceitou que sua teoria sobre a
forma instrumental, como um crescimento in-
estrutura e a história das teorias científicas fos-
trateórico da capacidade de resolver proble-
se tratada como uma mera manifestação de
mas e de fazer previsões. É claro que essa
historicismo, psicologismo ou de sociologis-
compreensão do desenvolvimento teórico as-
mo. Seu trabalho está voltado para o desen-
sinala um preço a ser pago pelas comunidades
volvimento, por meio da descrição e da análise
científicas, a saber: a crescente especialização
histórica, de uma teoria da racionalidade den-
que isola as comunidades umas das outras.
tro da qual talvez se possam explicar as no-
ções de paradigma e de mudança de paradig- NB: Cf., Ferrater Mora, 2001, págs. 1669s,
ma, incluindo-se aí toda mudança radical ou 2199s.
revolucionária.
Neste sentido, dado o caso, num determinado
momento histórico, de um paradigma diferir fun-
damentalmente de outro e, de modo específi-
co, se um paradigma novo difere fundamental-
mente do velho paradigma que, com o adven-
to da crise, chegou a substituir, parece que se
tem de concluir que os dois são completa-
mente incomparáveis entre si. Esta situação de
incomparabilidade entre os dois paradigmas
não só tornaria difícil, mas também impossível
uma história da ciência, que é justamente o
que Kuhn procura fazer. Além disso, a ausên-
cia de uma história da ciência, fatalmente

94
Filosofia da Ciência – os novos rumos e os desafios da ciência nos séculos XX e XXI

homem à Idade da Pedra. A barbárie mostra-se


como uma exacerbação do uso da razão na
TEMA 33
organização do modo de existência do homem
contemporâneo. Os filósofos do fim do século
O ESTRUTURALISMO XIX e do século XX viram muito bem esse peri-
E AS CIÊNCIAS HUMANAS go. Nietzsche, em seus livros O Nascimento da
Tragédia e Genealogia da Moral já nos mostra-
(A CRISE DA RAZÃO)
va que a introdução do socratismo na cultura
grega representava um enfraquecimento das
atitudes autênticas e afirmativas da vida em tro-
“Uma coisa em todo caso é certa: é que o
ca da segurança e da hipocrisia da civilização.
homem não é o mais velho problema nem
Outros filósofos, como Heidegger, Walter Ben-
o mais constante que se tenha colocado
jamim e Theodor Adorno denunciaram a colo-
ao saber humano.”
nização da sociedade contemporânea pela ci-
(FOUCAULT, 2003. p. 536).
ência a tal ponto que todas as formas de orga-
nização da vida social e do comportamento in-
dividual passaram a ser regidos por normas
No fim do século XIX e durante todo o século
científicas que desautorizam as formas tradi-
XX, uma série de acontecimentos de ordem
cionais da convivência.
científica, econômica, política, social e artística
colocou em questão os ideais do Iluminismo. O questionamento desse estado de coisas não
Uma célebre declaração de Freud, o psiquiatra se deu apenas no estrito campo da filosofia.
austríaco criador da psicanálise, dá-nos uma Entre intelectuais de outras áreas do conheci-
idéia bem precisa desse questionamento que mento e, também, entre os artistas, esse tema
ficou conhecido como “a crise da razão”. tem sido objeto de uma reflexão que continua
a nos inquietar: como podemos intensificar o
Freud afirmou que três acontecimentos, ao lon-
poder do conhecimento científico sem pre-
go de toda a história, foram cruciais porque
judicar a humanidade do homem? Além dis-
feriram profundamente o narcisismo da huma-
so, a popularidade alcançada por algumas
nidade: o aparecimento do heliocentrismo de
obras de arte, como o quadro Guernica, de Pa-
Copérnico, que retirou o homem do centro do
blo Picasso, os filme Tempos Modernos, de Cha-
mundo; o surgimento da teoria evolucionista
plin, e Blade Runner, de Stanley Kulbric, e até
de Darwin, que evidenciou a condição animal
pela novela brasileira O Clone, é a prova de
do homem; e o nascimento da psicanálise,
que as questões fundamentais da existência,
que demonstrou a subordinação da consciên-
no mundo contemporâneo, deixaram de inquie-
cia humana às forças ao mesmo tempo natu-
tar apenas filósofos e cientistas e passaram a
rais e culturais do inconsciente.
preocupar também o homem da vida cotidiana.
As descobertas feitas pela investigação psi-
No campo da filosofia, alguns pensadores,
canalista confirmaram-se e continuam confir-
como Sartre e Merleau-Ponty, procuraram saí-
mando-se. Antes de tudo, ficou patente que a
das para esse dilema. O primeiro viu, no enga-
violência está inscrita na própria condição hu-
jamento político e na retomada dos ideais do
mana e que, portanto, ainda que a cultura e a
Iluminismo, a possibilidade de substituir a alie-
ciência se aprimorem e a indústria progrida, a
nação na qual a maioria das pessoas se en-
barbárie está sempre à espreita como uma
contra pela tomada de consciência de seu
ameaça constante à civilização. As guerras, as
papel histórico de afirmação da dignidade hu-
desigualdades sociais e a violência que mar-
mana. O segundo, por sua vez, optou por uma
cam as relações sociais do mundo contem-
crítica das formas de engajamento político
porâneo são provas contundentes dessa tese.
que se fundamentam em princípios que são
Ocorre que essa ameaça não se configura sim- antes dogmas do que regras de ação. Para
plesmente como a possibilidade do retorno do ele, a ação política, assim como a produção

95
UEA – Licenciatura em Matemática

do conhecimento científico, precisa passar pe-


lo crivo da prática histórica, levando em conta
TEMA 34
a diversidade dos processos de constituição
do mundo determinada pela intervenção do
homem sobre a natureza e a sociedade. CIÊNCIA, ÉTICA E IDEOLOGIA
O desenvolvimento das ciência sociais exerceu
um papel decisivo no curso tomado, a partir da
“A injustiça é humana, mas muito mais
segunda metade do século XX, pelo debate da
humano é o combate contra a injustiça.”
“crise da razão”. Por meio das pesquisas de
inúmeros antropólogos e etnólogos, entre os (BRECHT)
quais se destacam Marcel Mauss e Claude
Lévi-Strauss, muitos preconceitos relaciona-
Desde a contribuição teórica da ciência polí-
dos à visão que se tinha dos povos indígenas
tica aristotélica, tornou-se impossível definir o
e das culturas não-européias foram destruídos.
homem fora de sua essencial natureza política.
A própria filosofia havia alimentado esses pre-
O homem é um animal político, como quer
conceitos ao sugerir que o pensamento e a
Aristóteles, porque tal característica emana de
cultura da Europa eram as expressões mais
sua própria natureza social, que fundamenta a
altas da civilização. Com as investigações etno-
pólis. A pólis não é apenas o lugar em que as
lógicas, ficaram patentes a solidez, o refina-
pessoas se reúnem para viver em comunidade,
mento e o sentido ético do que Lévi-Strauss
porque “isto fazem também os animais, como,
denominou O Pensamento Selvagem em um
por exemplo, as formigas e as abelhas; é pre-
livro que carrega o mesmo título.
ciso que a pólis seja o lugar em que os cida-
Com essa constatação, a crise da razão tor- dãos vivem bem, ou seja, virtuosamente”
nou-se não somente a crise da ciência ou a (Pegoraro, 1995, p. 30). Ora, a ciência, en-
crise do poder da razão, mas, antes de tudo, a quanto atividade de um animal político, é ela
crise da razão européia. Uma crise que apela também política e, conforme pensa Aristóteles,
para um novo humanismo no qual as formas deveria ser mediação para a vida feliz, para a
de expressão das civilizações e das culturas vida virtuosa. Daí a inseparabilidade, pelo me-
do presente e do passado devem ser avaliadas nos para a compreensão clássica grega, entre
a partir de uma perspectiva da alteridade. ciência e ética.
O descompasso entre o dever-ser e o ser obje-
tivo do ethos científico não é fato estranho ao
mundo grego, poque nele já se consubstancia
a divisão (ideológica) entre atividade teórica
(intelectual), própria dos homens livres e a ati-
vidade prática (manual), própria dos escravos.
O trabalho teórico, portanto, era considerado
superior ao trabalho prático.
E quando a produção se materializa em sua
forma capitalista, tanto se aprofunda o des-
compasso entre ciência e ética quanto aumen-
ta a instrumentalização ideológica da atividade
científica. Sob a lógica do capital, do processo
universal de mercantilização, a ciência é me-
nos uma questão ética do que instrumental.
Sob seu modo de operar pretensamente técni-
co, alheio a determinações axiológicas, oculta-
se sua contraface ideológica.

96
Filosofia da Ciência – os novos rumos e os desafios da ciência nos séculos XX e XXI

A pensadora brasileira Marilena Chauí, nos teira rigorosa entre sujeito e objeto, de tal
parágrafos a seguir transcritos, mostra como forma que este é conhecido em sua inteira
se dá o processo da ideologização-mitologiza- objetividade, isento de qualquer elemento
ção no campo cientifico, tanto na esfera de sua subjetivo ou valorativo. A isso chamamos de
produção quanto na de sua aplicação: mito ou ilusão da neutra-lidade. Ocorre que os
mitos atuais são produzidos de modo bem
“Quando Darwin elabora a teoria biológica mais sofisticado e eficiente, e ao contrário dos
da evolução das espécies, o modelo de relatos figurativos da consciência mítica, a sua
explicação usado por ele permitia-lhe supor
linguagem é de extração técnico-instrumental,
que o processo evolutivo ocorria por seleção
natural dos mais aptos à sobrevivência.
travestida de autoridade cientifica.
Ora, na mesma, a sociedade capitalista
estava convencida de que o progresso “Ideologia da ciência: crença no progresso
social e histórico provinham da competição e na evolução dos conhecimentos científi-
e da concorrência dos indivíduos, segundo cos que, um dia, explicarão totalmente a
a lei econômica da oferta e da procura. Um realidade e permitirão manipulá-la tecnica-
filósofo, Spencer, aplicou, então, a teoria mente, sem limites para a ação humana.
darwiniana à sociedade: nesta, os mais Mitologia da ciência: crença na ciência co-
“aptos” (isto é, os mais capazes de compe- mo se fosse magia e poderio ilimitado sobre
tir e concorrer) tornam-se naturalmente as coisas e os homens, dando-lhes o lugar
superiores aos outros, vencendo-os em que muitos costumam dar às religiões, isto
riqueza, privilégios e poder. é, um conjunto doutrinário de verdades in-
Ao transpor uma teoria biológica para uma temporais, absolutas e inquestionáveis”
explicação filosófica sobre a essência da (CHAUÍ, 2003, p. 234).
sociedade, Spencer transformou a teoria
científica da evolução em ideologia evolu-
cionista. Por quê? Em primeiro lugar, porque
A ciência é força produtiva e, como tal, insere-
generalizou para toda a realidade resultados se e está a serviço do modo capitalista de pro-
obtidos num campo particular de conheci- dução que, por sua vez, é movido muito mais
mentos específicos. Em segundo lugar, pela férrea lógica do lucro do que por exigên-
porque tomou conceitos referentes a fatos cia de natureza ética. No paradigma clássico
naturais e os converteu em fatos sociais,
definido por Sócrates, Platão e Aristóteles, a
como se não houvesse diferença entre
natureza e sociedade. Uma vez criada a ide- ciência é condição da vida virtuosa. No para-
ologia evolucionista, o evolucionismo digma instrumental da produção capitalista,
tornou-se teoria da história e, a seguir, ela se converte em mecanismo de geração da
mitologia científica do progresso humano” mais-valia, refratária a princípios éticos. Segun-
(CHAUI, 2003, p. 237). do Marx, são dois os traço fundamentais do
modo de produção capitalista: em primeiro
É um equívoco pensar que o mito é mero sub- lugar, é um sistema universal de mercantiliza-
produto de uma consciência pré-científica. As ção, tudo o que produz, produz como mer-
ciências também produzem seus mitos, suas cadoria; em segundo lugar, a finalidade direta e
ilusões. Comte, em pleno século XIX, não quis o movente da produção é a produção da mais-
transformar a ciência na única e verdadeira valia (Marx, 1985, pp. 312-313). O valor de tro-
religião da humanidade? O que é isso senão o ca sobrepõe-se ao valor de uso. A capacidade
cientificismo? Uma forma de crença e de dog- produtiva, ampliada pela ciência e pela técni-
matismo que confere à ciência poder que ela ca, longe de direcionar-se pela satisfação das
não tem, que ela tudo pode explicar e que a necessidades humanas básicas, submeteu-as
realidade, seja ela subjetiva, objetiva ou social, à estreita lógica do lucro. O fundamentalismo
é em si mesma redutível às leis cientificas. monolítico do lucro é o responsável pelo mais
Mais do que isso, acredita que suas expli- imoral dos indicadores sociais do modo de
cações gozam da prerrogativa da neutrali- produção capitalista: a fome. Como explicar,
dade, porque a ciência, como nenhuma outra se não por esse fundamentalismo, o fato de o
forma de co-nhecimento, estabelece uma fron- Brasil apresentar a maior mancha de famintos

97
UEA – Licenciatura em Matemática

do mundo ocidental sendo um dos dez mai-


ores produtores de alimentos do mundo?
TEMA 35
A atitude científica, quando presidida por im-
perativos éticos, amplia e fortalece a esfera
pública dos direitos e da justiça. Os discursos, POR UMA CIÊNCIA INTERDISCIPLINAR
bem ou mal, podem-se equivaler, sobretudo
quando não submetidos à unidade dialética
entre forma e conteúdo, entre sentido e refe- “Depois da euforia cientista do século
rência, entre a intenção (viciada ou ética) e a
XIX e da conseqüente aversão à refle-
materialização (ausente ou efetiva). Toda ciên-
xão filosófica, bem simbolizada pelo po-
cia é política e, por isso, passível de uso ideo-
lógico. Por não ser uma atividade neutra, ne- sitivismo, chegamos a finais do século
cessariamente recai sobre ela a sempre ne- XX possuídos pelo desejo quase deses-
cessária valoração ética. As equações são perado de complementarmos o conhe-
muitas e possíveis. Quanto mais ideológico, cimento das coisas com o conhecimen-
mais científico pretende ser o discurso. Para to do conhecimento das coisas, isto é,
fortalecê-lo, nada melhor que a publicidade, ou
com o conhecimento de nós próprios.”
melhor ainda, que a ideologia publicitária. O
espaço público da ciência política cedeu lugar (BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS)
à publicidade da política ideológica da ciência.
A degradação da política na consciência e na
vida das classes empobrecidas resulta menos Uma das notas mais características da pro-
de uma incompreensão incorreta de seu dever- dução e aplicação da ciência a partir da re-
ser do que das práticas abastardadas, delin- volução científica moderna é a de seu regime
qüentes, autoritárias e viciadas pela arrogância disciplinar. Trata-se de um projeto ao mesmo
financeira da baixa política promovida por ex-
tempo cartesiano, instrumental e produtivista,
pressivos setores das classes dominantes ou a
tal como devem ser a ciência e a técnica sob a
elas associadas. Permanecem atuais e opor-
tunos os versos da poesia política brechtiana: lógica da produção capitalista. Para dominar é
imprescindível fragmentar, dividir. Conhecer é
“E possível que em nosso país nem tudo quantificar e mensurar. O que foge desses pa-
ande como deveria andar. Mas ninguém
pode negar que a propaganda é boa. râmetros é devaneio poético ou especulação
Mesmo os famintos devem admitir que o filosófica. A realidade, quantificável que é para
Ministro da Alimentação fala bem” o espírito positivo, é monopólio da razão instru-
(BRECHT, 1987, p. 197).
mental e científica. O mundo é o reino do espe-
cialista que, cego em seu conhecimento espe-
cializado, caminha perdido e deslumbrado
com sua própria miopia intelectual. O positivis-
mo da ciência na mesma proporção com que
globalizou a fragmentação como paradigma
do conhecimento, também comprometeu e
atrofiou a inteligência em sua capacidade de
integrar o singular no universal, de conhecer a
parte pelo todo.

98
Filosofia da Ciência – os novos rumos e os desafios da ciência nos séculos XX e XXI

sua polêmica e desafiante Rebelião das


“A inteligência parcelada, compartimentada,
Massas, José Ortega y Gasset denunciava “a
mecanicista, disjuntiva e reducionista rompe
o complexo do mundo em fragmentos dis- barbárie da especialização”, cujo corolário
juntos, fraciona os problemas, separa o que mais visível configurou-se no aparecimento do
está unido, torna unidimensional o multidi- sábio-ignorante que, na definição do célebre
mensional. É uma inteligência míope que pensador espanhol,
acaba por ser normalmente cega. (...) Por
isso, quanto mais os problemas se tornam
“(...) Não é um sábio, porque ignora formal-
multidimensionais, maior é a incapacidade
mente tudo quanto não faz parte de sua
de pensar sua multidimensionalidade; quan-
especialidade; mas tampouco é um igno-
to mais a crise progride, mais progride a
rante, porque é um homem de ciência e
incapacidade de pensar a crise; mais os
conhece muito bem sua porciúncula de uni-
problemas se tornam planetários, mais eles
verso” (ORTEGA Y GASSET, 1987, p. 125).
se tornam impensáveis. Incapaz de consi-
derar o contexto e o complexo planetário, a
inteligência cega torna-se inconsciente e Ao denunciar o caráter desumanizante e em-
irresponsável” (MORIN, 2000, p. 43).
brutecedor da produção capitalista, Marx
aponta seu direcionamento unilateral como
A ciência e a técnica, a pesquisa e a descober- causa da mutilação das faculdades humanas
ta científica só podem ser tomadas como prin- do indivíduo. Para este indivíduo a ciência e a
cípio educativo se compreendidas e materia-
técnica só se apresentam sob a forma da mer-
lizadas de modo interdisciplinar. Se a semifor-
cantilização e da geração do lucro. São, por-
mação capitalista (para a qual basta a meia
tanto, mediações opressivas e unilaterali-
educação) tem como alicerce a unidimensio-
zantes, que reduzem o indivíduo à condição
nalidade da disciplina, o conceito de formação
reificada de mercadoria produtiva e produtiva-
cultural, imprescindível à educação, constrói-
mente alienada:
se sobre as raízes da dimensão interdisciplinar
do saber e da ciência. Não há verdadeira edu-
cação para a ciência sem o desenvolvimento “Enquanto as circunstâncias em que vive
omnilateral das potencialidades humanas. No este indivíduo não lhe permitem senão o
desenvolvimento unilateral de uma facul-
regime da semiformação capitalista, caracteri-
dade à custa de todas as outras e lhe não
zada por sua visão disciplinar da ciência, a
fornecem senão a matéria e o tempo ne-
consciência humana é expropriada do que cessários ao desenvolvimento desta única
Marx denomina de “sua vida genérica, sua faculdade, este indivíduo só atingirá um
subjetividade genérica efetivamente real” desenvolvimento unilateral e mutilado.
(1984, p. 157). Nenhuma pregação moralizante alterará aí
alguma coisa” (MARX, 1978, p. 62).

Adorno, por sua vez, afirma que “a semifor-


mação passou a ser a forma dominante da A formação unidimensional (semiformação) do
consciência atual (...)”, o que exige um novo homem da ciência e da técnica e a ausência da
conceito de formação no qual a cultura seja compreensão interdisciplinar no ensino da ci-
“tomada pelo lado de sua apropriação sub- ência concorrem para formar sábios ignoran-
jetiva (...)”, o que não é possível nos hori-
tes, especialistas herméticos, alienados e satis-
zontes da sociedade burguesa, “(...) pois já
não se pode pensar que a sociedade bur- feitos em sua visão limitada do mundo (cfr.
guesa represente a humanidade.” Ortega y Gasset, 1987, p. 125). Se Nicolau de
(ADORNO, 1996, p. 389). Cusa, célebre pensador do fim da Idade Mé-
dia, referia-se à atitude da douta ignorância dos
A ciência e a técnica não pertencem ao reino sábios (no mais legítimo sentido socrático),
dos fins. São meios, instrumentos, e como tais não é menos lícito falar atualmente de uma
não podem prescindir de exigências éticas so- inculta ciência dos especialistas. Ao referir-se
bre suas condições de produção e de apli- às conseqüências não compensadas da bar-
cação. Já nos anos 30 do século passado, em bárie da especialização, o autor de a Rebelião

99
UEA – Licenciatura em Matemática

das Massas afirma “que hoje, quando há maior Para Gusdorf, o movimento interdisciplinar do
número de homens de ciência que nunca, há saber e da ciência implica a necessária pas-
menos homens cultos do que, por exemplo, sagem “das ciências humanas à ciência do
por volta de 1750” (ORTEGA Y GASSET, 1987, homem”, o que também implica uma unidade
p. 126). Desse modo, ao processo da fragmen- dialética de movimentos complementares en-
tação do saber cultivado no regime da miopia tre uma “pedagogia da especialização” e uma
disciplinar e que concorre para uma compre- “pedagogia da unidade” (1984, p. 29). Para a
ensão igualmente fragmentada do homem e cultura interdisciplinar, não é admissível a ciên-
do mundo, deve suceder o cultivo da unidade cia sem o cultivo da reflexão filosófica nem a
do saber e da ciência como fecundo exercício filosofia sem o cultivo do conhecimento cientí-
interdisciplinar. fico. Ciência sem sabedoria é ciência insensa-
ta. A cultura interdisciplinar pressupõe a supe-
“Daí decorre o paradoxo: o século XX pro- ração de uma visão inculta da ciência e a con-
duziu avanços gigantescos em todas as stituição de uma ciência com consciência, ci-
áreas do conhecimento científico, assim ente de seus limites e suas possibilidades.
como em todos os campos da técnica. Ao
mesmo tempo, produziu nova cegueira para
os problemas globais, fundamentais e com- “Os problemas fundamentais e os proble-
plexos, e esta cegueira gerou inúmeros mas globais estão ausentes das ciências dis-
erros e ilusões, a começar por parte dos ciplinares. São salvaguardados apenas na
cientistas, técnicos e especialistas” (MORIN, filosofia, mas deixam de ser nutridos pelos
2000, p. 45). aportes das ciências” (MORIN, 2000, p. 40).

Segundo Gusdorf, “toda ciência do homem é


consciência do homem” (1984, p. 25). Essa
nova compreensão está a exigir um novo int-
electual, talvez conforme definição de Sartre,
“um técnico do universal” (1994, p. 35), al-
guém capaz de perceber “que, em seu próprio
domínio, a universalidade ainda não está
pron-ta, está perpetuamente a fazer” (Idem, p.
35). A “barbárie da especialização” disciplinar
per-deu de vista que a verdade da unidade da
ciência encontra-se no homem, pois é de se
admitir que não há ciência que não seja ciên-
cia do homem. E não será o somatório das
visões es-pecializadas que irá reconstruir a
unidade do homem.

“Na ordem do saber, em virtude do caráter


projetivo do conhecimento, cada ciência do
homem pressupõe uma imagem do homem
e a realiza. O especialista, satisfeito com sua
especialidade, acreditando na especifici-
dade de sua metodologia, corta o homem
em pedaços. Ele se convence de que o
homem é um conjunto de pedaços e que um
acréscimo final o reconstituirá na sua integri-
dade. Acontece que o homem, uma vez cor-
tado em pedaços, nunca mais será um
homem pelo bom motivo que começaram
por matá-lo” (GUSDORF, 1984, p. 26).

100
REFERÊNCIAS

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Tradução de Alfredo Bosi et.al. 2.ed. São Paulo: Mestrre Jou,
1982.
ADORNO, Theodor. Teoria da semicultura. Educação & Sociedade. Campinas, ano 17, n. 56, dez. 1996.
______ . Mínima moralia: reflexões a partir da vida danificada. Tradução de Luiz Eduardo Bicca. São Paulo:
Ática, 1992.
ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução de
Guido Antonio de Almeida. 2.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.
ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa de Almeida et.al. 2.ed. São
Paulo: Perspectiva, 1979.
ARISTÓTELES. Metafísica. Tradução de Valentin Garcia Yebra. Madrid: Editorial Gredos, 1990.
BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conheci-
mento. Tradução de Estrela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.
BACON, Francis. Novum Organum. Tradução e notas de José Aluysio Reis de Andrade. 3.ed. São Paulo:
Abril Cultural, 1984. (Os pensadores)
BOEHNER, Philotheus; Gilson, Etienne. História da filosofia cristã: desde as origens até Nicolau de Cusa.
Tradução de Raimundo Vier, O. F. M., 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1982.
BORNHEIM, Gerd A. (Org.). Os filósofos pré-socráticos. 4.ed. São Paulo: Cultrix, 1989.
BOTTOMORE, Tom. Dicionário do pensamento marxista. Tradução de Waltensir Dutra et.al. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar, 1988.
BRECHT, B. Poemas (1913-1956). Seleção e tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Brasiliense, 1987.
BUARQUE, Cristovam. A desordem do progresso: o fim da era dos economistas e a construção do futuro.
Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.
CASSIRER, Ernst. Antropologia filosófica: ensaio sobre o homem: introdução a uma filosofia da cultura
humana. Tradução de Vicente Felix de Queiroz. 2.ed. São Paulo: Mestre Jou, 1977.
CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. 13.ed. São Paulo: Átila, 2003.
DUHOT, Jean-Joël. Epicteto e a sabedoria estóica. Tradução de Marcelo Perine. São Paulo: Loyola, 2006.
FLICKINGER, Hans Gerorg. Marx: nas pistas da desmistificação filosófica do capitalismo. Porto Alegre:
L&PM, 1985.
GIANNETTI, Eduardo. Auto-engano. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
GRANGER, Gilles-Gaston. A ciência e as ciências. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Editora
da Universidade Estadual Paulista, 1994.
GUSDORF, G. Para uma pesquisa interdisciplinar. Trad. Alda Batar. Diógenes, Brasília, n. 7, 1984.
HEIDEGGER, Martin. Sobre o humanismo. Introdução, tradução e notas de Emmanuel Carneiro Leão. Rio
de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1967.
HORKHEIMER, Max. Teoria tradicional e teoria crítica. Tradução de José Lino Grünnewald et.al. 2.ed. São
Paulo: Abril Cultural, 1983 (Os pensadores)
IANNI, Octavio. Dialética e capitalismo: ensaio sobre o pensamento de Marx. 3.ed. Petrópolis, RJ: Vozes,
1988.

101
UEA – Licenciatura em Matemática

JASPERS, Karl. Iniciação filosófica. Tradução de Manuela Pinto dos Santos. Lisboa: Guimarães Editores,
1978.
______. Introdução ao pensamento filosófico. Tradução de Leônidas Hegenberg e Octanny Silveira da
Mota. 3. ed. São Paulo: Cultrix, 1976. (Coleção Os Pensadores).
KANT. Immanuel. Crítica da razão pura. Tradução de Manuela Pinto dos Santos et.al. Lisboa: Fundação
Calouste Gulbenfian, 1985.
______ . Resposta à pergunta: que é “esclarecimento” (“Aufklärung”) In: Immanuel Kant: Textos seletos.
Tradução de Floriano de Sousa Fernandes. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.
KÖCHE, José Carlos. Pesquisa científica: critérios espistemológicos. Petrópolis, RJ: Vozes; Caxias do Sul,
RS: Educs, 2005.
KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Tradução de Célia Neves e Alderico Toríbio. Revisão de Célia Neves.
2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.
LE GOFF, Jacques. Os intelectuais na Idade Média. Tradução de Maria Júlia Goldwasser. Revisão técnica
de Hilário Franco Jr. São Paulo: Brasiliense, 1989.
LEÃO, Emmanuel Carneiro, in Heidedgger, Martin. Ser e tempo. Tradução de Márcia de Sá Cavalcante.
Petrópolis, RJ: Vozes, 1988.
LEÃO, Emmanuel Carneiro, in Santo Agostinho. A cidade de Deus: contra os pagãos (parte I). Tradução de
Oscar Paes Leme. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1990.
MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. Tradução Maria Helena Barreiro Alves. Revisão de
Carlos Roberto F. Nogueira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1983.
______ . Crítica da educação e do ensino. Tradução de Ana Maria Rabaça. Introdução e notas de Roger
Dangeville. Lisboa: Moraes ed., 1978.
______ . Manuscritos econômico-filosóficos. In: FERNANDES, Florestan (Org.) K. Marx, F. Engels: história.
Tradução de Florestan Fernandes et al. 2. ed. São Paulo: Ática, 1984.
______ . O capital, volume I. Tradução de Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
(Os economistas)
______ . O capital, volume III, tomo 2. Tradução de Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Abril
Cultural, 1985. (Os economistas)
MATOS, Olagária C. F. Os arcanos do inteiramente outro: a Escola Frankfurt, a melancolia e a revolução.
São Paulo: Brasiliense, 1989.
MONROE, Paul. História da Educação. Tradução e notas de Edel Becker. 10.ed. São Paulo: Editora
Nacional, 1974.
MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da
Silva et.al. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000.
ORTEGA Y GASSET, J. A rebelião das massas. Tradução de Marylene Pinto Michael. Revisão da tradução
Maria Estela Helder Cavalheiro. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
PEGORARO, Olinto Antonio. Relatividade dos modelos: ensaios filosóficos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1979.
______ . Ética é justiça. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.
PINTO, Álvaro Vieira. Ciência e existência: problemas filosóficos da pesquisa científica. 2.ed. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1979.
PUCCI, Bruno. Teoria crítica e educação: a questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. Petrópolis,

102
Matemática Elementar III – Referências

RJ: Vozes; São Carlos, SP: EDUFSCAR, 1995.


SANTO AGOSTINHO. Confissões. Tradução de J. Oliveira Santos e A. Ambrósio de Pina. 9.ed. Petrópolis,
RJ: Vozes, 1988.
______ . A cidade de Deus: contra os pagãos (parte II). Tradução de Oscar Paes Leme. 2.ed. Petrópolis, RJ:
Vozes, 1990.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2004.
SARTRE, J.P. Em defesa dos intelectuais. Tradução de Sérgio Goes de Paula. São Paulo: Ática, 1994.
SCHAFF, Adam. História e verdade. Tradução de Maria Paula Duarte. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
SEVERINO, Emanuele. A filosofia moderna. Tradução dee José Eduardo Rodil. Lisboa: Edições 70, s/d.
VAZ, Henrique C. de Lima. Escritos de filosofia: problemas de fronteira. São Paulo: Loyola, 1986.
WITTGENSTEIN, Ludwig. Tractactus logico-philosophicus. Tradução de José Arthur Giannotti. São Paulo:
Editora Nacional, 1968.
ANDERY, M. A.et al. PARA COMPREENDER A CIÊNCIA uma perspectiva histórica. Rio de Janeiro : Espaço
e Tempo; São Paulo : EDUC, 1999.
ARISTÓTELES, Vida e Obra; São Paulo : Nova Cultural, 1996.
BRÉHIER, É.; História da Filosofia. Tomo segundo. A Filosofia Moderna. 1 O Século XVII; tradução de
Eduardo Sucupira Filho; São Paulo : Mestre Jou, 1977
CHAUÍ, Marilena et al. Primeira Filosofia; São Paulo : Brasiliense, 1987.
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia; São Paulo : Ática, 1994
FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas uma arqueologia das ciências humanas; tradução Salma Tannus
Muchail; São Paulo : Martins Fontes, 2002.
MATOS, Olgária C. F.; O Espetáculo e seus fetiches. In GHIRARDELLI Jr (Org.). Estilos em Filosofia da
Educação; Rio de Janeiro : DP & A Editora, 2000. pp.25 a 40.
NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral um escrito polêmico; trad. de Paulo Cesar Souza; 2ª ed. São
Paulo : Brasiliense, 1988
NUNES, Benedito e HATOUM, Milton. Crônica de Duas Cidades Belém e Manaus; Belém : SECULT, 2006.
ROUSSEAU [Os Pensadores]; tradução de Lourdes Santos Machado. –3. Ed. – São Paulo : Abril Cultural,
1983

103