Você está na página 1de 47
zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF G imprimir LEI COMPLEMENTAR N° 840, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 {Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicada no DODF n? 246, de 26/12/11 - Pags. 14 18, Alteracées: Lei Complementar n° 862, de 25/03/2013 - DODF de 26/03/2013 - Pag. 1. Lei Complementar n® 922, de 29/12/2016 - DODF de 30/12/2016 - Pag. 3- Suplemento-A. Dispée sobre o regime juridicos dos servidores piiblicos civis do Distrito Federal, das autarquias e das fundacées publicas distritais. ‘© GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, FACO SABER QUE A CAMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: TITULOL CAPITULO UNICO DAS DISPOSIGOES PRELIMINARES Art. 1° Esta Lei Complementar institui o regime juridico dos servidores publicos civis da administracdo direta, autarquica e fundacional e dos érgios relativamente auténomos do Distrito Federal Art. 22 Para os efeitos desta Lei Complementar, servidor piblico é a pessoa legalmente investida em cargo piiblico. ‘Art. 3° Cargo publico é o conjunto de atribuicdes e responsabilidades previstas na estrutura organizacional e cometidas a um servidor publico. Paragrafo Unico. Os cargos publicos sao criados por lei, com denominacao prépria e subsidio ou ‘vencimentos pagos pelos cofres pliblicos, para provimento em cardter efetivo ou em comissao. TiTULoM DOS CARGOS PUBLICOS E DAS FUNGOES DE CONFIANCA caPiTULo! DO PROVIMENTO SEGA! DAS DISPOSIGOES GERAIS. ‘Art. 42 A investidura em cargo de provimento efetivo depende de prévia aprovacdo em concurso pablico. Art, 52 Os cargos em comissio, destinados exclusivamente as atribuigées de direcao, chefia e assessoramento, so de livre nomeagao e exoneracao pela autoridade competente. § 19 Para os fins desta Lei Complementar, considera-se cargo em comissio: | de diregdo: aquele cujo desempenho envolva atribuigBes da administracdo superior; II- de chefia: aquele cujo desempenho envolva relagdo direta e imediata de subordinagio; il de assessoramento: aquele cujas atribuigdes sejam para auxiliar: a) os detentores de mandato eletivo; b) 0s ocupantes de cargos vitalicios; c) 0s ocupantes de cargos de direcdo ou de chefia. § 22 Pelo menos cinquenta por cento dos cargos em comissao deve ser providos por servidor piblico de carreira, nos casos e condigdes previstos em lei, § 3° £ proibida a designacao para funcdo de confianca ou a nomeacdo para cargo em comissao, incluidos 0 de natureza especial, de pessoa que tenha praticado ato tipificado como causa de inelegibilidade revista na legislacao eleitoral, observado o mesmo prazo de incompatibilidade dessa legislacao. Art. 62 As funcdes de confianca, privativas de servidor efetivo, destinam-se exclusivamente as atribuicbes de direcdo, chefia e assessoramento. Art. 72 Sao requisitos basicos para investidura em cargo publico | anacionalidade brasileira; I~ 0 goz0 dos direitos politicos; IIL a quitagao com as obrigacdes militares e eleitorais; hp hww fazonda dt goubrlaplicacoosoislacan gislacao/TelaSaidaD ocumeto cfm xNum ero=B40&DxANG=20118ixtTipo=4itParo=, var zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF IV- onivel de escolaridade exigido para o exercicio do carg \V- aidade minima de dezoito anos; VI- a aptidio fisica e mental. § 12 Alei pode estabelecer requisitos especificos para a investidura em cargos publicos. § 22 0 provimento de cargo publico por estrangeiro deve observar o disposto em Lei federal § 32 Os requisitos para investidura em cargo puiblico devem ser comprovados por ocasiso da posse. Art, 82 So formas de provimento de cargo piblico: 1 nomeacao; II reversao; IIL- aproveitamento; IV- reintegracio; V- recondugio. Art. 9° € vedado editar atos de nomeacao, posse ou exercicio com efeito retroativo. Art. 10. 0 ato de provimento de cargo piblico compete ao: | Governador, no Poder Executivo; II Presidente da Camara Legislativa; Ill Presidente do Tribunal de Contas. SEGAO I DO CONCURSO PUBLICO Art. 11, As normas gerais sobre concurso puiblico so as fixadas em lei especifica §12(VETADO). § 22 concurso publico é de provas ou de provas e titulos, conforme dispuser a lei do respectivo plano de carreira ‘Art. 12. 0 edital de concurso puiblico tem de reservar vinte por cento das vagas para serem preenchidas or pessoa com deficiéncia, desprezada a parte decimal, § 12 A vaga nao preenchida na forma do caput reverte-se para provimento dos demais candidatos. § 22 A deficiéncia e a compatibilidade para as atribuigBes do cargo so verificadas antes da posse, garantido recurso em caso de decistio denegatéria, com suspensao da contagem do prazo para a posse. § 3° Nao estdo abrangidas pelos beneficios deste artigo a pessoa com deficiéncie apta para trabalhar normalmente e a inapta para qualquer trabalho. ‘Art. 13. O concurso piblico tem validade de até dois anos, a qual pode ser prorrogada uma tnica ver, por igual periodo, na forma do edital. § 12 No periodo de validade do concurso publico, 0 candidato aprovado deve ser nomeado com prioridade sobre novos concursados para assumir cargo na carreira, § 28 O candidato aprovado em concurso publico, no prazo de cinco dias contados da publicaio do ato de nomeacao, pode solicitar seu reposicionamento para o final da lista de classificacao. SEGAO II DA NOMEAGAO Art. 14, A nomeacao faz-se em cargo: 1+ de provimento efetivo; I~ em comisséo. § 12 A nomeacdo para cargo efetivo deve observar a ordem de classificacSo e 0 prazo de validade do concurso publico. § 22 0 candidato aprovado no nimero de vagas previstas no edital do concurso tem direito & nomeacéo no cargo para o qual concorreu. Art. 15. 0 servidor ocupante de cargo em comisséo pode ser nomeado para ter exercicio, interinamente, em outro cargo em comissio, hipétese em que deve |- acumular as atribuigBes de ambos os cargos; II optar pela remuneracao de um deles durante o periodo da interinidade. Art. 16. € vedada a nomeacdo, para cargo em comissio ou a designacdo para funcao de confianca, do cénjuge, de companheiro ou de parente, por consanguinidade até o terceiro grau ou por afinidade: 1- do Governador e do Vice-Governador, na administracao publica direta, autarquica ou fundacional do Poder Executivo; htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, aur zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF I~ de Deputado Distrital, na Camara Legislativa; Iil- de Conselheiro, Auditor ou Procurador do Ministério Publico, no Tribunal de Contas; Iv- (VETADO). § 12 As vedagdes deste artigo aplicam-se: | aos casos de reciprocidade de nomeacio ou designacao; II- as relagdes homoafetivas. § 22 Nao se inclui nas vedacdes deste artigo a nomeacao ou a designacao: I+ de servidor ocupante de cargo de provimento efetivo, incluidos os aposentados, desde que seja observada: a) a compatibilidade do grau de escolaridade do cargo efetivo com 0 cargo em comissio ou a funcio de confianca; b) a compatibilidade e a complexidade das atribuic&es do cargo efetivo com o cargo em comisso ou a fungio de confianca; II realizada antes do inicio do vinculo familiar entre o agente piblico e o nomeado ou designado; lil de pessoa ja em exercicio no mesmo érgéo, autarquia ou fundacdo antes do inicio do vinculo familiar com o agente publico, para cargo, fungdo ou emprego de nivel hierdrquico igual ou mais baixo que o anteriormente ocupado, § 3° Em qualquer caso, é vedada a manutencao de familiar ocupante de cargo em comissao ou fungio de confianca sob subordinacao hierarquica mediata ou imediata. SEGAOIV DA POSSE E DO EXERCICIO Art. 17. A posse ocorre com a assinatura do respectivo termo, do qual devem constar as atribuigdes, os direitos e os deveres inerentes ao cargo ocupado, § 12 A posse deve ocorrer no prazo de trinta dias, contados da publicacdo do ato de nomeacao. § 22 0 prazo de que trata 0 § 12 pode ser prorrogado para ter inicio apés 0 término das licencas ou dos afastamentos seguintes: 1+ licenga médica ou odontolé; II licenga-maternidade; IIL- licenga-paternidade; IV- licenga para o servigo militar. § 3° A posse pode ocorrer mediante procuracdo com poderes especificos. § 42 S6 hd posse nos casos de provimento por nomeagio. § 52 Deve ser tornado sem efeito 0 ato de nomeacio se a posse no ocorrer no prazo previsto neste artigo. Art. 18. Por ocasio da posse, é exigido do nomeado apresentar: 1 os comprovantes de satisfacéo dos requisitos previstos no art. 72 e nas normas especificas para a investidura no cargo; lI declaragéo: a) de bens e valores que constituem seu patriménio; b) sobre acumulagio ou ndo de cargo ou emprego pubblico, bem como de proventos da aposentadoria de regime proprio de previdéncia social; ¢) sobre a existéncia ou nao de impedimento para 0 exercicio de cargo publico. § 1° E nulo 0 ato de posse realizado sem a apresentacdo dos documentos a que se refere este artigo. § 22 A aptidao fisica e mental é verificada em inspecdo médica oficial § 32 A declaracio prevista no inciso Il, a, deve ser feita em formulario fornecido pelo setor de pessoal da reparticdo, e dele deve constar campo para informar bens, valores, dividas e onus reais exigidos na declaracdo anual do imposto de renda da pessoa fisica, com as seguintes especificagdes: | a descrigao do bem, com sua localizacao, especificagées gerais, data e valor da aquisi¢ao, name do vendedor e valor das benfeitorias, se houver; II- as dividas e 0 nus real sobre os bens, com suas especificacdes gerais, valor e prazo para quitacao, bem como 0 nome do credor; IIL- a fonte de renda dos ultimos doze meses, com a especificagdo do valor auferido no periodo. Art. 19. Exercicio € 0 efetivo desempenho das atribuicdes do cargo puiblico. § 12 O servidor nao pode entrar em exercici I+ se ocupar cargo inacumulivel, sem comprovar a exoneragdo ou a vacdncia de que trata o art. 54; hp hww fazonda dt goubrlaplicacoosoislacan gislacao/TelaSaidaD ocumento cfm xtNum ero=B0&bxANG=20118ixtTipo=48iPart=, ar zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF I~ se ocupar cargo acumulavel, sen comprovar a compatibilidade de hordrios; lil se receber proventos de aposentadoria inacumulaveis com a remuneragao ou subsidio do cargo efetivo, sem comprovar a opco por uma das formas de pagamento. § 22 de cinco dias Uteis o prazo para o servidor entrar em exerciclo, contado da posse. § 38 Compete ao titular da unidade administrativa onde for lotado o servidor dar-lhe exercicio, § 42 Com o exercicio, inicia-se a contagem do tempo efetivo de servico. § 52 O servidor que nao entrar em exercicio no prazo do § 22 deve ser exonerado, Art. 20. Ao entrar em exercicio, 0 servidor tem de apresentar ao érgao competente os documentos necessdrios aos assentamentos individuais. Pardgrafo Unico. O inicio, a suspensio, a interrupcio e o reinicio do exercicio sio registrados nos assentamentos individuals do servidor. Art. 21. 0 exercicio de fungao de confianca inicia-se com a publica¢ao do ato de designacao, salvo quando o servidor estiver em licenga ou afastado por qualquer motivo legal, hipétese em que o exercicio se inicia no primeiro dia util apés 0 término do impedimento, que nao pode exceder a trinta dias da publicacao. SEGAOV DO ESTAGIO PROBATORIO ‘Art, 22, Ao entrar em exercicio, 0 servidor nomeado para cargo de provimento efetivo fica sujeito 20 estigio probatério pelo prazo de trés anos. ‘Art. 23. Na hipétese de acumulacdo licita de cargos, o estégio probatério é cumprido em relagao a cada cargo em cujo exercicio esteja o servidor, vedado o aproveitamento de prazo ou pontuacao. Art. 24, O servidor pode desistir do estgio probatério e ser reconduzido ao cargo de provimento efetivo anteriormente ocupado no qual jé possuia estabilidade, observado o disposto no art. 37. Pardgrafo Unico. Ndo pode desistir do estégio probatério 0 servidor que responde a processo disciplinar. ‘Art. 25. € vedado 8 administragio publica conceder licenca no remunerada ou autorizar afastamento sem remuneracio ao servidor em estagio probatério. § 12 Excetua-se do disposto neste artigo o afastamento para o servico militar ou para o exercicio de mandato eletivo. § 22 A vedagio de que trata este artigo aplica-se ao gozo de licenga-prémio por assiduidade. Art. 26. 0 servidor em estégio probatério pode: | exercer qualquer cargo em comissio ou funcdo de confianga no érgéo, autarquia ou fundacao de lotacéo; II- ser cedido a outro érgao ou entidade para ocupar cargo de natureza especial ou de equivalente nivel hierdrquico. Art. 27. Fica suspensa a contagem do tempo de estagio probatério quando ocorrer: |= oafastamento de que tratam os arts. 26, I € 162; II licenga remunerada por motivo de doenca em pessoa da familia do servidor. Art. 28. Durante o estégio probatério, so avaliadas a aptido, a capacidade e a eficiéncia do servidor para o desempenho do cargo, com a observancia dos fatores: I+ assiduidade; I~ pontualidade; I= disciplina; IV- capacidade de iniciativa; \V- produtividade; VI- responsabilidade. § 1° O Poder Executivo e os érgaos do Poder Legislativo devem regulamentar, em seus respectivos Ambitos de atuacao, os procedimentos de avaliacao do estgio probatério, observado, no minimo, 0 seguinte: | até 0 trigésimo més do estgio probatério, a avaliacdo ¢ feita semestralmente, com pontuacgo por notas numéricas de zero a dez; II- as avaliagdes de que trata o inciso | so feitas pela chefia imediata do servidor, em ficha previamente preparada e da qual conste, pelo menos, o seguinte: a) as principais atribuigdes, tarefas e rotinas a serem desempenhadas pelo servidor, no semestre de avaliagéo; b) 05 elementos e os fatores previstos neste artigo; htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, ar zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF €) ociente do servidor avaliado. § 22 Em todas as avaliagées, é assegurado ao avaliado: I= 0 amplo acesso aos critérios de avaliaao; I- o conhecimento dos motivas das notas que Ihe foram atribuidas; lIL- 0 contraditério e a ampla defesa, nos termos desta Lei Complementar, § 32 As avaliagdes devem ser monitoradas pela comissao de que trata o art. 29. ‘Art. 29. A avaliacao especial, prevista na Constitui¢go Federal como condico para aquisicao da estabilidade, deve ser feita por comissao, quatro meses antes de terminar o estagio probatério, § 12 A comissdo de que trata este artigo é composta por trés servidores estavels do mesmo cargo ou de cargo de escolaridade superior da mesma carreira do avaliado. § 28 Nao sendo possivel a aplicacdo do disposto no § 12, a composi¢ao da comisséo deve ser definida, conforme o caso: 1+ pelo Presidente da Camara Legislativa; II pelo Presidente do Tribunal de Contas; IIL- pelo Secretario de Estado a que 0 avaliado esteja subordinado, incluidos os servidores de autarquia, fundacdo e demais 6rgaos vinculados. § 38 Para proceder & avaliago especial, a comisséo deve observar os seguintes procedimentos: | adotar, como subsidios para sua decisS0, as avaliacdes feitas na forma do art. 28, incluidos eventuais pedidos de reconsideracdo, recursos e decisées sobre eles proferidas; II ouvir, separadamente, o avaliador e, em seguida, 0 avaliado; IIL realizar, a pedido ou de oficio, as diligéncias que eventualmente emergirem das citivas de que trata o inciso I, IV- aprovar ou reprovar 0 servidor no estagio probatério, por decisio fundamentada. § 4° Contra a reprovacao no estagio probatério cabe pedido de reconsideracao ou recurso, a serem processados na forma desta Lei Complementar. Art, 30. As autoridades de que trata 0 art. 29, § 22, so competentes para: | julgar, em nica e ltima instancia, qualquer recurso interposto na forma do art. 23; II~ homologar o resultado da avaliacdo especial feita pela comissao e, como consequéncia, efetivar o servidor no cargo, quando ele for aprovado no estagio probatério. Art. 31. 0 servidor reprovado no estgio probatério deve ser, conforme 0 caso, exonerado ou reconduzido ao cargo de origem. SEGAO VI DA ESTABILIDADE ‘Art. 32. 0 servidor ocupante de cargo de provimento efetivo regularmente aprovado no estagio probatério adquire estabilidade no servic pilblico ao completar trés anos de efetivo exercicio, Art. 33. 0 servidor estavel sé perde o cargo nas hipsteses previstas na Constituicio Federal SEGAO VIL DA REVERSAO Art. 34, Reverso é 0 retorno & atividade de servidor aposentado: | por invalidez, quando, por junta médica oficial, ficar comprovada a sua reabilitacao; I~ quando constatada, administrativa ou judicialmente, a insubsisténcia dos fundamentos de concesséo da aposentadoria; Ill voluntariamente, desde que, cumulativamente: a) haja manifesto interesse da administracéo, expresso em edital que fixe os critérios de reversao voluntéria aos interessados que estejam em igual situacao; b) tenham decorrido menos de cinco anos da data de aposentadoria; <) haja cargo vago. § 1° E de quinze dias titeis 0 prazo para o servidor retornar ao exercicio do cargo, contados da data em que tomou ciéncia da reversao. § 28 Nao pode reverter 0 aposentado que tenha completado setenta anos. Art, 35, A reversio deve ser feita no mesmo cargo ou no cargo resultante de sua transformacao. Pardgrafo tinico. Nas hipdteses do art. 34, |e Il, encontrando-se provido 0 cargo, 0 servidor deve exercer suas atribuigdes como excedente, até a ocorréncia de vaga SEGAO Vill itp www. fazonda dt gov rlapicacoesiegslacanegslacanTelaSsidaDocumento cfm 7dtumero=8408ttAno=20118itTipo=4BixtParle=. a7 zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime jursico dos servidorespiblicos civis do DF DA REINTEGRAGAO Art. 36. A reintegracdo 6 a reinvestidura do servidor no cargo anteriormente ocupado, ou no cargo resultante de sua transforma¢ao, quando invalidada a sua demissdo por decisdio administrativa ou judicial, com 0 restabelecimento dos direitos que deixou de auferir no periodo em que esteve demitido. § 12 Na hipétese de o cargo ter sido extinto, o servidor fica em disponibilidade, observado 0 disposto nos arts. 38, 39 e 40, § 2° Encontrando-se provido o cargo, o seu eventual ocupante deve ser reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indenizago, ou aproveitado em outro cargo ou, ainda, posto em disponibilidade. § 32 £ de cinco dias uteis o prazo para o servidor retornar ao exercicio do cargo, contados da data em que tomou ciéncia do ato de reintegracao. SEGAO Ix DA RECONDUGAO Art. 37. A recondugdo 6 0 retorno do servidor estvel ao cargo anteriormente acupado, observado o disposto no art. 202, § 38, e decorre de: | reprovacao em estagio probatério; II desisténcia de estagio probatério; IIL- reintegragdo do anterior ocupante. § 12 Encontrando-se provido o cargo de origem, o servidor tem de ser aproveitado em outro cargo, observado o disposto no art. 39, § 2° O servidor tem de retornar ao exercicio do cargo até o dia seguinte ao da ciéncia do ato de reconduséo. SEGAO x DA DISPONIBILIDADE E DO APROVEITAMENTO Art. 38. 0 servidor sé pode ser posto em disponibilidade nos casos previstos na Constituigdo Federal Pardgrafo nico. A remunerago do servidor posto em disponibilidade, proporcional ao tempo de servico, do pode ser inferior a um terco do que percebia no més anterior ao da disponibilidade. Art. 39. O retorno a atividade de servidor em disponibilidade é feito mediante aproveitamento: I no mesmo cargo; II em cargo resultante da transformacdo do cargo anteriormente ocupado; IIL em outro cargo, observada a compatibilidade de atribuigdes e vencimentos ou subsidio do cargo anteriormente ocupado, ‘Art. 40. € obrigatério o imediato aproveitamento de servidor em disponibilidade, assim que houver vaga em érgio, autarquia ou fundagio. § 12 € de trinta dias o prazo para o servidor retornar ao exercicio, contados da data em que tomou ciéncia do aproveitamento. § 22 Deve ser tornado sem efeito o aproveitamento e ser cassada a disponibilidade, se o servidor nio retornar ao exercicio no prazo do § 18, salvo se por doenca comprovada por junta médica oficial. CAPITULO I DOS REMANEJAMENTOS SEGAO! DA REMOGAO Art. 41, Remocdo é 0 deslocamento da lotagio do servidor, no mesmo érgao, autarquia ou fundacao ena mesma carreira, de uma localidade para outra § 12 A remocio é feita a pedido de servidor que preencha as condigdes fixadas no edital do concurso aberto para essa finalidade. § 220 sindicato respectivo tem de ser ouvido em todas as etapas do concurso de remocdo. § 3° A remocio de oficio destina-se exclusivamente a atender a necessidade de servigos que nao comporte o concurso de remosio. ‘Art. 42. E licita a permuta entre servidores do mesmo cargo, mediante autorizacdo prévia das respectivas chefias SEGA DA REDISTRIBUIGAO htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, aur zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF Art. 43. Redistribuicdo é 0 deslocamento do cargo, ocupado ou vago, para outro érgdo, autarquia ou fundago do mesmo Poder. § 12 A redistribuigao dé-se: | para cargo de uma mesma carreira, no caso de reorganizac3o ou ajustamento de quadro de pessoal as necessidades do servic I~ no caso de extin¢ao ou criacdo de dredo, autarquia ou fundacdo. § 22 Nas hipéteses do § 19, II, devem ser observados 0 interesse da administracao publica, a vinculagdo entre os graus de complexidade e responsabilidade do cargo, a correlacio das atribuisBes, a equivaléncia entre os vencimentos ou subsidio e a prévia apreciacao do orgao central de pessoal. CAPITULO II DA SUBSTITUIGAO ‘Art. 44. 0 ocupante de cargo ou fungo de dire¢o ou chefia tem substituto indicado no regimento interno ou, no caso de omissio, previamente designado pela autoridade competente. § 120 substituto deve assumir automaticamente o exercicio do cargo ou fungio de dire¢o ou chefia: | em licencas, afastamentos, férias e demais auséncias ou impedimentos legais ou regulamentares do titular; II em caso de vacdncia do cargo. § 28 O substituto faz jus aos vencimentos ou subsidio pelo exercicio do cargo de dirego ou chefia, pagos nna proporcao dos dias de efetiva substituigso. ‘Art. 45. O disposto no art. 44 aplica-se aos titulares de unidades administrativas organizadas em nivel de CAPITULO IV DA ACUMULAGAO ‘Art. 46. € proibida a acumulagio remunerada de cargos publicos, exceto, quando houver compatibilidade de horérios, para: I+ dois cargos de professor; II um cargo de professor com outro técnico ou cientifico; IIL- dois cargos ou empregos privativos de profissionals de sade, com profisses regulamentadas, § 12 Presume-se como cargo de natureza técnica ou cientifica, para os fins do inciso Il, qualquer cargo puiblico para o qual se exija educacdo superior ou educacao profissional, ministrada na forma e nas condiges previstas na Lei de Diretrizes e Bases da Educaco Nacional § 28 A proibi¢do de acumular estende-se: |= a empregos e funcées e abrange autarquias, fundacées, empresas puiblicas, sociedades de economia mista, suas subsididrias e sociedades controladas direta ou indiretamente pelo poder puiblico; II aos proventos de aposentadoria pagos por regime préprio de previdéncia social do Distrito Federal, da Unio, de Estado ou Municipio, ressalvados os proventos decorrentes de cargo acumulavel na forma deste artigo. § 3° O servidor que acumular licitamente cargo puiblico fica obrigado a comprovar anualmente a compatibilidade de horérios. Art. 47, Ressalvados os casos de interinidade e substituicdo, o servidor no pode: 1+ exercer mais de um cargo em comisséo ou funcSo de confianca; I~ acumnular cargo em comisséo com fungio de confianca, Art. 48. Verificada, a qualquer tempo, a acumulagaéo ilegal de cargos, empregos, funcdes publicas ou proventos de aposentadoria, o servidor deve ser notificado para apresentar opco no prazo improrrogavel de dez dias, contados da data da ciéncia da notificacdo. § 12 Em decorréncia da op¢ao, o servidor deve ser exonerado do cargo, emprego ou fungdo por que ndo mais tenha interesse. § 28 Com a opgao pela rentincia aos proventos de aposentadoria, o seu pagamento cessa imediatamente. § 3° Se 0 servidor nao fizer a op¢o no prazo deste artigo, o setor de pessoal da reparticio deve solicitar 3 autoridade competente a instaurago de processo disciplinar para apuraglo e regularizac3o imediata § 42 Instaurado 0 processo disciplinar, se 0 servidor, até o tltimo dia de prazo para defesa escrita,fizer a op¢o de que trata este artigo, o processo deve ser arquivado, sem julgamento do mérito. § 52 O disposto no § 4° nao se aplica se houver declaracéo falsa feita pelo servidor sobre acumulacdo de cargos. htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, mar 2aa2017 Lui Complementr 610-11 - Disp see orapimejrica dos srvidoes pics cvs do OF § 6° Caracterizada no processo disciplinar a acumulagao ilegal, a administracao publica deve observar 0 seguinte: I reconhecida a boa-fé, exonerar o servidor do cargo vinculado a0 érgo, autarquia ou fundacao onde 0 processo foi instaurado; ll- provada a mé-fé, aplicar a sanco de demissao, destituicao ou cassacao de aposentadoria ou disponibilidade em relacdo aos cargos ou empregos em regime de acumulacio ilegal, hipétese em que os érgios ou entidades de vinculagio devem ser comunicados. Art. 49. € vedada a participacao de servidor, salvo na condicao de Secretario de Estado, ainda que suplente, em mais de um conselho, comissdo, comité, érgao de deliberacdo coletiva ou assemelhado, na administragdo direta, autérquica ou fundacional do Distrito Federal § 1° € vedada a remuneracio pela participaco em mais de um conselho. § 2° € permitida, observado 0 disposto no § 1°, a participacao remunerada de servidor em conselho de administracao ou conselho fiscal de empresa publica ou sociedade de economia mista em que o Distrito Federal detenha, direta ou indiretamente, participagao no capital socal CAPITULO V DA VACANCIA ‘Art, 50. A vacdncia do cargo puiblico decorre de: I+ exoneracdo; I~ demissao; IIl= destituigéo de cargo em comissao; IV- aposentadoria; V- falecimento; VI- perda do cargo, nos demais casos previstos na Constituicéo Federal. Art. 51. A exoneragio de cargo de provimento efetivo dé-se a pedido do servidor ou de oficio. Pardgrafo Unico. A exoneracdo de oficio dé-se, exclusivamente, quando o servidor: I for reprovado no estigio probatério; II- tendo tomado posse, nao entrar em exerci ‘Art, 52. A exoneracio de cargo em comisséo dé-s I+ a critério da autoridade competente; II- a pedido do servidor. Art. 53. A servidora gestante que ocupe cargo em comissio sem vinculo com o servigo pubblico no pode, sem justa causa, ser exonerada de oficio, desde a confirmagio da gravider até cinco meses apés 0 parto, salvo mediante indenizacdo paga na forma do regulamento. Pardgrafo Unico. Deve ser tornado sem efeito o ato de exonerago, quando constatado que a servidora estava gestante e nao foi indenizada Art. 54, Ao tomar posse em outro cargo inacumuliivel de qualquer 6rgdo, autarquia ou fundagdo do Distrito Federal, 0 servidor estavel pode pedir a vacdncia do cargo efetivo por ele ocupado, observando- seo seguinte: 1 durante o prazo de que trata o art. 32, 0 servidor pode retornar ao cargo anteriormente ocupado, nos casos previstos no art. 37; II 0 cargo para o qual se pediu vacdncia pode ser provido pela administracao piiblica, TITULO DAS CARREIRAS E DO REGIME E DA JORNADA DE TRABALHO. CAPITULO! DAS CARREIRAS SEGAO! DAS DISPOSIGOES GERAIS ‘Art. 55. Os cargos de provimento efetivo sdo organizados em carreira, criada por lei, que deve fixar: | a denominacio, 0 quantitativo e as atribuigdes dos cargos; II 05 requisitos para investidura no cargo e desenvolvimento na carreira; Ill a estrutura da carreira com a fixago dos vencimentos ou do subsidio; IV- os critérios de capacitagao; \V- o regime e a jornada de trabalho. no prazo estabelecido. htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, war zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF Pardgrafo tinico. As alteracdes de requisitos para provimento de cargo piiblico de carreira aplicam-se, exclusivamente, aqueles servidores cujo ingresso se der apés elas terem sido publicadas. SEGAO DA PROMOGAO NOTA: VIDE DECRETO N° 37.770, DE 14/11/16 REGULAMENTA ESTE ARTIGO 56. DODF DE 16/11/16 QUE Art. 56. Salvo disposicao legal em contrério, a promosao é a movimentacao de servidor do ultimo padrao, de uma classe para o primeiro padro da classe imediatamente superior. § 12 A promogao dé-se por merecimento ou por antiguidade, na forma do plano de carreira de cada categoria funcional. § 2° A promogao ndo interrompe o tempo de exercicio no cargo. CAPITULO IL DO REGIME E DA JORNADA DE TRABALHO ‘Art. 57. Salvo disposicao legal em contrério, o servidor efetivo fica sujeito ao regime de trabalho de trinta horas semanais. § 12 No interesse da administracdo publica e mediante anuéncia do servidor, o regime de trabalho pode ser ampliado para quarenta horas semanais, observada a proporcionalidade salarial. § 2° € vedado aplicar ao regime de trabalho interpretagio por analogia, extenso ou semelhanga de atribuigées. § 32 A jornada de trabalho em sistema de escala de revezamento deve ser definida em lei ou regulamento, observando 0 registro em folha de ponto do horario de entrada e de saida. Art. 58. 0 servidor ocupante de cargo em comissdo ou no exercicio de func&o de confianca tem regime de trabalho de quarenta horas semanais, com integral dedicago ao servico. Art. 59. No servigo noturno, a hora é considerada como tendo cinquenta e dois minutos e trinta segundos. Pardgrafo Unico. Considera-se noturno o servigo prestado entre as vinte e duas horas de um dia eas cinco horas do dia seguinte ‘Art. 60. Para atender a situages excepcionals e temporérias do servigo, a jornada de trabalho pode ser ampliada, a titulo de servico extraordinario, em até duas horas. Pardgrafo Unico. Nos casos de risco de comprometimento da ordem e da salide pablicas, o Governador pode autorizar, excepcionalmente, a extrapolagdo dos limites previstos neste artigo, para os servidores que atuem diretamente nas areas envolvidas. Art. 61. Pode ser concedido horério especial | a0 servidor com deficiéncia, quando comprovada a necessidade por junta médica oficial; II- a0 servidor que tenha cénjuge, filho ou dependente com deficiéncia; Ill= ao servidor matriculado em curso da educacso bésica e da educacdo superior, quando comprovada a incompatibilidade entre o horério escolar e o da unidade administrativa, sem prejuizo do exercicio do cargo; IV- na hipétese do art, 100, § 28 § 12 Para o servidor com deficiéncia, o hordrio especial consiste na reducSo de até vinte por cento da jornada de trabalho. § 22 Nos casos dos incisos Ila IV, ¢ exigida do servidor a compensacdo de horério na unidade administrativa, de modo a cumprir integralmente o regime semanal de trabalho. § 3° O servidor estudante tem de comprovar, mensalmente, a frequéncia escolar. Art. 62. Sem prejuizo da remuneracao ou subsidio, o servidor pode ausentar-se do servico, mediante comunicago prévia & chefia imediata: 1 por um dia para: a) doar sangue; b) realizar, uma vez por ano, exames médicos preventivos ou periédicos voltados ao controle de cancer de préstata, de mama ou do colo de iitero; II- por até dois dias, para se alistar como eleitor ou requerer transferéncia do domictlio eleitoral; IIL- por oito dias consecutivos, incluido o dia da ocorréncia, em razdo de: a) casamento; b) falecimento do cénjuge, companheiro, parceiro homoafetivo, pai, mae, padrasto, madrasta, filho, irmao, enteado ou menor sob guarda ou tutela, htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, ur zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF ‘Art. 63. Em caso de falta ao servico, atraso, auséncia ou saida antecipada, desde que devidamente justificados, é facultado & chefia imediata, atendendo a requerimento do interessado, autorizar a compensagio de hordrio a ser realizada até o final do més subsequente ao da ocorréncia. § 12 O atraso, a auséncia justificada ou a saida antecipada so computados por minutos, a serem convertidos em hora, dentro de cada més. § 22 Apurado o tempo na forma do § 18, so desprezados os residuos inferiores a sessenta minutos. § 3° Toda compensagao de horério deve ser registrada pela chefia imediata junto ao setor de pessoal da reparticéo, ‘Art. 64, As faltas injustificadas ao servico configuram: | abandono do cargo, se ocorrerem por mais de trinta dias consecutivos; II inassiduidade habitual, se ocorrerem por mais de sessenta dias, interpoladamente, no periodo de doze Art. 65. Salvo na hipétese de licenca ou afastamento prevista no art. 17, § 22, considera-se falta injustificada, especialmente, a que decorra de: | nao retorno ao exercicio, no prazo fixado nesta Lei Complementar, em caso de reversdo, reintegracao, reconduco ou aproveitamento; II- no apresentagdo imediata para exercicio no érgao, autarquia ou fundacéo, em caso de remogdo ou redistribuigao; IL intersticio entre: a) 0 afastamento do érgio, autarquia ou fundagio de origem e o exercicio no érgéo ou entidade para o qual o servidor foi cedido ou colocado & disposico; b) 0 término da cessdo ou da disposicao de que trata a alinea a e 0 reinicio do exercicio no érgao, autarquia ou fundacdo de origem. TiTULO IV DOS DIREITOS capITULO! DO SISTEMA REMUNERATORIO SEGAOI DOS CONGEITOS GERAIS [Art 66. A retribuigo pecuniéria pelo exercicio de cargo publico é fixada em lei, sob a forma de subsidio ou remunerago mensal § 12 0 valor diario da remuneracio ou subsidio obtém-se dividindo-se o valor da retribui¢3o pecunidria ‘mensal por trinta § 22 O valor horério da remuneracio ou subsidio obtém-se dividindo-se a retribuico pecuniéria mensal pelo quintuplo da carga horéria semanal, § 32 Na retribuigo pecunidria mensal de que tratam os §§ 12 e 22, no se incluemn: | as vantagens de natureza periddica ou eventual, as de carater indenizatério, o adicional noturno e 0 adicional por servico extraordinario; II- os acréscimos de que trata 0 art. 67, 12 VIL ‘Art. 67. O subsidio é constitu(do de parcela tinica, ¢ a ele pode ser acrescido, exclusivamente 1+ 0 décimo terceiro saléri lI o adicional de férias; IIL~ 0 auxilio-natalidade; IV- oabono de permanéncia; \V- o adicional por servigo extraordindrio; VI- oadicional noturno; VII- as vantagens de cardter indenizatorio; Vill - a remuneragao ou subsidio: a) pelo exercicio de cargo em comissao ou de fungao de confianga, de que trata o art. 77; b) decorrente de substituigées. Art. 68. A remuneracio constituida de parcelas e compreende: | 05 vencimentos, que se compdem: a) do vencimento basico; b) das vantagens permanentes relativas ao cargo; tpdtwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2x um ero=B408DANo=2011BtxtTipo=4ttPart=, 1047 zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF II- as vantagens relativas as peculiaridades de trabalho; IL as vantagens pessoais; IV- as vantagens de natureza periédica ou eventual; \V- as vantagens de cardter indenizatério. Art. 69. Os vencimentos ou o subsidio sio irredutiveis, Art. 70. A remuneragio ou 0 subsidio dos ocupantes de cargos e funcdes publicos da administragdo direta, autérquica e fundacional, incluidos os cargos preenchidos por mandato eletivo, e os proventos, as pensdes ou outra espécie remuneratéria, percebidos cumulativamente ou nao, incluidas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza, no podem exceder 0 subsidio mensal, em espécie, dos Desembargadores do Tribunal de Justica do Distrito Federal e Territérios. § 1° O valor do teto de remunerac3o ou subsidio deve ser publicado no Didrio Oficial do Distrito Federal pelo Poder Executivo sempre que se alterar o subsidio dos Desembargadores do Tribunal de Justiga do Distrito Federal e Territérios. § 2° Excluem-se do valor do teto de remuneracao 0 décimo terceiro salério, o adiantamento de férias, 0 adicional de férias, o auxilio-natalidade, o auxilio pré-escolar e as vantagens de cardter indenizatério. SEGAOII DO VENCIMENTO BASICO E DO suBsiDIO Art. 71. 0 vencimento basico é fixado por padrao na tabela de remuneracao da carreira, ‘Art. 72. Na fixagio do subsidio ou dos padrdes do vencimento basico e das demais parcelas do sistema remuneratorio, devem ser observados: | a matureza, o grau de responsabilidade e a complexidade dos cargos componentes de cada carreira; I~ 0 requisitos para investidura; IIL as peculiaridades dos cargos. Art. 73. 0 subsidio ou 0 vencimento basico inicial da carreira no pode ser inferior ao salério-minimo. § 120 valor do subsidio ou do vencimento basico deve ser complementado, sempre que ficar abaixo do salario-minimo. § 28 Sobre o valor da complementaco de que trata 0 § 12, devem incidir as parcelas da remuneragio que incidem sobre o vencimento basico. SEGAO IN DAS VANTAGENS Art. 74, Além do vencimento basico, podem ser pagas ao servidor, como vantagens, as seguintes parcelas remuneratérias: I gratificacoes; II adicionais; IL abonos; IV- indenizagées. § 12 As gratificagbes e os adicionais incorporam-se ao vencimento, nos casos e nas condigées indicados em ei § 2° As indenizagdes nao se incorporam ao vencimento ou provento para qualquer efeito. Art. 75, As vantagens pecuniérias ndo so computadas, nem acumuladas, para efeito de concessao de qualquer outro acréscimo pecunisrio ulterior. SEGAO IV DAS VANTAGENS PERMANENTES RELATIVAS AO CARGO Art. 76. As vantagens permanentes relativas ao cargo, criadas por lei, compreendem as gratificacdes e os adicionais vinculados aos cargos de carreira ou ao seu exercicio. SEGAOV DAS VANTAGENS RELATIVAS AS PECULIARIDADES DE TRABALHO SUBSEGAO! DA GRATIFICAGAO DE FUNGAO DE CONFIANGA E DOS VENCIMENTOS DE CARGO EM COMISSAO Art. 77. Sem prejuizo da remuneracdo ou subsidio do cargo efetivo, 0 servidor faz jus: | a0 valor integral da funco de confianca para a qual foi designado; II a oitenta por cento dos vencimentos ou subsidio do cargo em comissao por ele exercido, salvo disposigdo legal em contrério. htpdtwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumenta cfm 2xNum ero=B408DANo=20118txtTipo=4ttPart= svar zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF § 12 As férias, 0 adicional de férias e 0 décimo terceiro salério so pagos proporcionalmente aos meses de efetivo exercicio do servidor efetivo no cargo em comissio ou funcao de confianca, § 22 O servidor efetivo pode optar pelo valor integral do cargo em comissao, hipétese em que no pode perceber o subsidio ou a remuneracao do cargo efetivo. Art. 78. O disposto no art. 77 aplica-se ao servidor ou empregado requisitado de qualquer érgdo ou entidade dos Poderes do Distrito Federal, da Unido, de Estado ou Municipio. SUBSEGAO II DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E DE PERICULOSIDADE Art. 79. 0 servidor que trabalha com habitualidade em locaisinsalubres ou em contato permanente com substncias téxicas, radioativas ou com risco de vida faz jus a um adicional de insalubridade ou de periculosidade. § 190 servidor que fizer jus aos adicionais de insalubridade e de periculosidade tem de optar por um deles. § 22 0 direito ao adicional de insalubridade ou periculosidade cessa com a eliminacio das condicées ou dos riscos que deram causa a sua concessao. Art. 80. Deve haver permanente controle da atividade de servidores em operacdes ou locals considerados insalubres ou perigosos. Pardgrafo tinico. A servidora gestante ou lactante, enquanto durar a gestacdo e a lactagao, deve exercer suas atividades em local salubre e em servigo nao perigoso. Art. 81, Na concessdo dos adicionais de insalubridade ou de periculosidade, devem ser observadas as situagées estabelecidas em legislacao especifica. Art, 82. Os locais de trabalho e os servidores que operam com raios X ou substancias radioativas devem ser mantidos sob controle permanente, de modo que as doses de radiagao ionizante nao ultrapassem o nivel maximo previsto na legislacdo prépria Pardgrafo tinico. Os servidores a que se refere este artigo devem ser submetidos a exames médicos a cada seis meses. Art. 83. O adicional de insalubridade ou de periculosidade é devido nos termos das normas legais e regulamentares pertinentes aos trabalhadores em geral, observados os percentuais seguintes, incidentes sobre o vencimento basico: I cinco, dez, ou vinte por cento, no caso de insalubridade nos graus minimo, médio ou méximo, respectivamente; I~ dez por cento, no caso de periculosidade. § 1° O adicional de irradiacdo ionizante deve ser concedido nos percentuais de cinco, dez ou vinte por cento, na forma do regulamento. § 22 A gratificacdo por trabalhos com raios X ou substancias radioativas é concedida no percentual de dez Por cento. SUBSEGAO III DO ADICIONAL POR SERVIGO EXTRAORDINARIO. Art. 84. O servigo extraordindrio é remunerado com acréscimo de cinquenta por cento em relacdo a0 valor da remunerago ou subsidio da hora normal de trabalho. SUBSEGAO IV DO ADICIONAL NOTURNO Art. 85, O servigo noturno a que se refere o art. 59 é remunerado com acréscimo de vinte e cinco por cento sobre o valor da remuneracao ou subs{dio da hora trabalhada. Pardgrafo Unico, O adicional noturno incide sobre o adicional de servico extraordinério. SEGAO VI DAS VANTAGENS PESSOAIS SUBSEGAO! DAS DISPOSIGOES GERAIS ‘Art. 86, Consideram-se pessoais as parcelas da remuneracio que dependam da situacdo individual de cada servidor perante a administracéo publica ‘Art. 87. As vantagens pessoais, uma vez adquiridas, incorporam-se a remuneracdo, SUBSEGAO II DO ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIGO hep fazend go bapicacoosgislacanasacaaTelaSadaD ocumerto cn tN umero=B408bxAno=20118xtTiporABetPart=, var zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF Art. 88. 0 adicional por tempo de servico é devido a razdo de um por cento sobre o vencimento basico do cargo de provimento efetivo por ano de efetivo servigo. Pardgrafo Unico. O adicional de tempo de servico é devido a partir do més em que o servidor completar 0 anuénio. SUBSEGAO III DO ADICIONAL DE QUALIFICAGAO ‘Art, 89. 0 adicional de qualficaco, instituido por lei especifica, destina-se a remunerar a melhoria na capacitacdo para 0 exercicio do cargo efetivo. Pardgrafo Unico. Os contetidos dos cursos de qualificacdo devem guardar pertinéncia com as atribuigBes do cargo efetivo ou da unidade de lotagao e exercicio. SUBSEGAO IV DAS VANTAGENS PESSOAIS NOMINALMENTE IDENTIFICAVEIS ‘Art. 90. As vantagens pessoais nominalmente identificdveis so definidas em lei ou reconhecidas em decisdo judicial. Pardgrafo Unico. (VET ADO}. SEGAO VI DAS VANTAGENS PERIODICAS SUBSEGAO! DO ADICIONAL DE FERIAS ‘Art. 91. Independentemente de solicitasao, 6 pago ao servidor, por ocasiio das férias, um adicional correspondente a um terco da remuneragdo ou subsidio do més em que as férias forem iniciadas. § 12 No caso de o servidor efetivo exercer funcao de confianga ou cargo em comissao, a respectiva vantagem é considerada no céleulo do adicional de que trata este artigo, observada a proporcionalidade de que trata o art. 121, § 12 § 2° O adicional de férias incide sobre o valor do abono pecuniério. § 3° A base para o célculo do adicional de férias no pode ser superior ao teto de remuneracdo ou subsidio, salvo em relado ao abono pecuniario. SUBSEGAO II DO DECIMO TERCEIRO SALARIO Art, 92. O décimo terceiro salério, observado o disposto no art. 66, § 32, corresponde & retribuigo pecuniéria do més em que é devido, & razdo de um doze avos por més de exercicio nos doze meses anteriores, § 12 A fracdo superior a quatorze dias é considerada como més integral. § 2° O décimo terceiro salério ¢ devido sobre a parcela da retribuicSo pecunidria percebida por servidor efetivo pelo exercicio de fungdo de confianca ou cargo em comisso, observada a proporcionalidade de que trata este artigo e 0 art. 121, $12 Art. 93. 0 décimo terceiro saldrio é pago: |= no més de aniversério do servidor ocupante de cargo de provimento efetivo, inclufdo o requisitado da administracdo direta, autdrquica ou fundacional de qualquer Poder do Distrito Federal, da Unido, de Estado ou Municipio; II- até o dia vinte do més de dezembro de cada ano, para os servidores no contemplados no inciso | § 1° No més de dezembro, o servidor efetivo faz jus a eventuais diferencas entre o valor pago como décimo terceiro salirio e a remuneracio devida nesse més, § 22 0 Poder Executivo e os érgios do Poder Legislativo podem alterar a data de pagamento do décimo terceiro salério, desde que ele seja efetivado até o dia vinte de dezembro de cada ano. Art. 94, Ao servidor demitido, exonerado ou que entre em licenga sem remuneracdo, & devido o décimo terceiro salario, proporcionalmente aos meses de exercicio, calculado sobre o subsidio ou a remuneragao do més em que ocorrer o evento, Pardgrafo Unico. Se o servidor reassumir 0 cargo, o décimo terceiro saldrio deve ser pago proporcionalmente aos meses de exercicio apés a reassuncio. Art. 95. 0 décimo terceiro salério no pode: | ser considerado para célculo de qualquer outra vantagem; II ser superior ao valor do teto de remuneracao a que o servidor esta submetido. SEGAO VII tp vw. fazonda dt govrlapicacesiegslacanegslacanTelaSsidaDocumento im 7btumero=8408ttAno=20118itTipo=4BixtParle=. sa? zavarot7 Ls Complemertar 840-1 - spe sobre o regime juricco dos servidores ptlicos civs do DF DAS VANTAGENS EVENTUAIS SUBSEGAO! DO AUXILIO-NATALIDADE Art. 96. 0 auxilio-natalidade é devido a servidora efetiva por motivo de nascimento de filho, em quantia equivalente ao menor vencimento bdsico do servico publico distrtal, inclusive no caso de natimorto. § 12 Na hipétese de parto muiltiplo, o valor deve ser acrescido de cinquenta por cento por nascituro, § 22.0 auxilio-natalidade deve ser pago ao cénjuge ou companheiro servidor piblico, quando a parturiente no for servidora publica distrital. § 32 0 disposto neste artigo aplica-se as situagdes de adogio. SUBSEGAO II DO AUXILIO-FUNERAL Art. 97. 0 auxilio-funeral é devido a familia do servidor efetivo falecido em atividade ou aposentado, em valor equivalente a um més da remuneragao, subsidio ou provento. §12 No caso de acumulagdo legal de cargos, o auxilio-funeral é pago somente em razdo do cargo de maior remuneracao ou subsidio. § 22.0 auxilio-funeral deve ser pago no prazo de quarenta e oito horas, por meio de procedimento sumarissimo, & pessoa da familia que houver custeado 0 funeral. § 3° No caso de servidor aposentado, 0 auxilio-funeral é pago pelo regime préprio de previdéncia social, mediante ressarcimento dos valores pelo Tesouro do Distrito Federal Art, 98, O terceiro que custear o funeral tem direito de ser indenizado, no podendo a indenizaco superar 0 valor de um més da remuneracdo, subsidio ou provento. ‘Art, 99. Em caso de falecimento de servidor em servigo fora do local de trabalho, inclusive no exterior, as despesas de transporte do corpo correm & conta de recursos do Distrito Federal, da autarquia ou da fundacéo publica SUBSEGAO II DA GRATIFICAGAO POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO ‘Art. 100. A gratificacdo por encargo de curso ou concurso é devida ao servidor estvel que, em carter eventual | atuar como instrutor em curso de formagao, de desenvolvimento ou de treinamento regularmente instituldo nos Poderes Executivo ou Legislativo; II participar de banca examinadora ou de comisso de concurso para: a) exames orais; b) analise de curriculo; €) correo de provas discursivas; 4) elaboracdo de questées de provas; e) julgamento de recursos interpostos por candidatos; IIl~ participar da logistica de preparacdo e de realizago de concurso puiblico envolvendo atividades de planejamento, coordenagio, supervisio, execucao e avaliago de resultado, quando tais atividades no estiverem incluidas entre as suas atribuigdes permanentes; IV- participar da aplicagao de provas de concurso puiblico, fiscalizé-la ou avalié-la, bem como supervisionar essas atividades. § 12 Os critérios de concessio e os limites da gratificagao para as atividades de que trata este artigo so fixados em regulamento, observados os seguintes parametros: | o valor da gratificagao deve ser calculado em horas, observadas a natureza e a complexidade da atividade exercida; I~ 0 periodo de trabalho nas atividades de que trata este artigo néo pode exceder a cento e vinte horas anuais ou, quando devidamente justificado e previamente autorizado pela autoridade maxima do érgdo, autarquia ou fundaco, a duzentas e quarenta horas anuais; IIL 0 valor maximo da hora trabalhada corresponde aos seguintes percentuais, incidentes sobre o maior vencimento basico da tabela de remuneracao ou subsidio do servidor: a) dois inteiros e dois décimos por cento, em se tratando de atividades previstas nos incisos | eI! do caput; b) um inteiro e dois décimos por cento, em se tratando de atividade prevista nos incisos Ill e IV do caput. § 28 A gratificacdo por encargo de curso ou concurso somente pode ser paga se as atividades referidas nos incisos do caput forem exercidas sem prejuizo das atribuigdes do cargo de que o servidor for titular, htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, war zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF devendo implicar compensacéo de hordrio quando desempenhadas durante a jornada de trabalho, na forma do art. 61, § 2° § 3° A gratificago por encargo de curso ou concurso nao se incorpora & remuneracao do servidor para qualquer efeito e ndo pode ser utilizada como base para calculo de qualquer outra vantagem, nem para fins de calculo dos proventos de aposentadoria ou das pensdes. SEGAO IX DAS VANTAGENS DE CARATER INDENIZATORIO SUBSEGAO! DAS DISPOSIGOES GERAIS. Art, 101. Tem cardter indenizatério o valor das parcelas relativas a: NOTA: VIDE DECRETO N° 37.437, DE 24/06/16 REGULAMENTA ESTE INCISO | DESTE ART. 101, DODF DE 27/06/16 QUE | didria e passagem para viagem; II- transporte; L- alimentagdo; IV- creche ou escola; V- fardamento; VI- conversao de férias ou de parte delas em pectinia; VII- abono de permanéncia, VIII créditos decorrentes de demisséo, exoneragdo e aposentadoria, ou relativos a férias, adicional de férias ou conversdo de licenca-prémio em pectinia Art, 102. Os valores das indenizagées, assim como as condigées para a sua concessio, so estabelecidos em lei ou regulamento, observadas as disposicdes dos artigos seguintes. ‘Art, 103. 0 valor das indenizagdes ndo pode ser: | incorporado a remunerago ou ao subsidio; II computado na base de célculo para fins de incidéncia de imposto de renda ou de contribuigo para a previdéncia social, ressalvadas as disposicdes em contrério na legislacao federal; Ill= computado para célculo de qualquer outra vantagem pecunidria. SUBSEGAO II DA DIARIA E DA PASSAGEM NOTA: VIDE DECRETO N° 37.437, DE 24/06/16 - DODF DE 27/06/16 QUE REGULAMENTA O ART. 104. Art. 104. 0 servidor que, a servigo, se afastar do Distrito Federal em cardter eventual ou transitério faz jus a passagem e didria, para cobrir as despesas de pousada, alimentaco e locomocdo urbana § 12 A didria é concedida por dia de afastamento, sendo devida pela metade quando o deslocamento nao exigir pernoite. § 22 Nos casos em que o afastamento do Distrito Federal constituir exigéncia permanente do cargo, 0 servidor nao faz jus a diaria. NOTA: VIDE DECRETO N° 37.437, DE 24/06/16 REGULAMENTA 0 ART. 105. DODF DE 27/06/16 QUE Art, 105. O servidor que receber didria ou passagem e nao se afastar do Distrito Federal, por qualquer motivo, fica obrigado a restitui-las integralmente, no prazo de setenta e duas horas, contadas da data em que deveria ter viajado. Paragrafo Unico. Na hipstese de o servidor retornar a sede em prazo menor do que o previsto para o seu afastamento, tem de restituir, no prazo previsto neste artigo, as diarias recebidas em excesso. SUBSEGAO II DA INDENIZAGAO DE TRANSPORTE Art. 106. 0 servidor que realiza despesas com a utilizac3o de meio préprio de locomocao para a execucso de servicos externos, por forca das atribuicdes préprias do cargo, faz jus a indenizacao de transporte, na forma do regulamento. SUBSEGAO IV DO AUXILIO-TRANSPORTE htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, 167 zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF Art. 107. Ao servidor é devido auxilio-transporte, a ser pago em pectinia ou em vale-transporte, destinado ao custelo parcial das despesas realizadas com transporte coletivo, inclusive interestadual, no inicio e no fim da jornada de trabalho, relacionadas com o deslocamento da residéncia para o trabalho e vice-versa. § 10 auxilio-transporte nao pode ser computado para célculo de qualquer outra vantagem pecuniéria. § 22 0 auxilio-transporte nao é devido: I+ quando o 6rgao, autarquia ou fundago proporcionar, por meios préprios ou por meio de terceiros contratados, o transporte do servidor para o trabalho e vice-versa; II- durante as férias, licengas, afastamentos ou auséncias ao servico, exceto nos casos de: a) cessio do servidor para 6rgso da administracdo direta, autérquica ou fundacional do Distrito Federal, cujo énus da remuneracao recaia sobre o drgio cedente; b) participacio em programa de treinamento regularmente instituido; ¢) participacao em jai e outros servicos obrigatérios por lei; Ill quando a despesa mensal com transporte coletivo for igual ou inferior ao valor resultante da aplicagao do percentual de que trata o art. 108; IV- cumulativamente com outro beneficio ou vantagem de natureza igual ou semelhante ou com vantagem pessoal origindria de qualquer forma de indenizacdo ou auxilio pago sob o mesmo titulo ou id€ntico fundamento, salvo nos casos de: a) acumulagao licita de cargos publicos; b) servidor que exerca suas atribuigées em mais de uma unidade administrativa do 6rgio ou entidade a que esteja vinculado, aqui compreendidos os estabelecimentos piiblicos de ensino e satide do Distrito Federal § 32 €facultado ao servidor optar pela percepsio do auxfio referente ao deslocamento: | da reparticao publica para outro local de trabalho ou vice-versa; \- do trabalho para institui¢do de ensino onde esteja regulamente matriculado ou vice-versa. Art. 108. O valor mensal do auxilio-transporte corresponde ao montante das despesas realizadas com transporte coletivo, nos termos do art. 107, subtraido o montante de seis por cento incidente exclusivamente sobre: |- subsidio ou vencimento basico do cargo efetivo ocupado pelo servidor; Il- retribuig&o pecunidria de cargo em comissao, quando se tratar de servidor nao detentor de cargo efetvo. ‘Art, 109. 0 pagamento do auxilio-transporte, em peciinia ou em vale-transporte, deve ser efetuado no més anterior ao da utilizago de transporte coletivo, salvo nas seguintes hipdteses, quando pode ser feito até o més imediatamente subsequente: I efetivo exercicio no cargo em razio de primeira investidura ou reinicio do exercicio decorrente de licenga ou afastamento previstos em lei; II- modificagao no valor da tarifa do transporte coletivo, no endereco residencial, no local de trabalho, To trajeto ou no meio de transporte utilizado, quando passa a ser devida a complementacao correspondente; Ill= mudanga de exercicio financeiro. Pardgrafo nico. Aplica-se o disposto no art. 119, § 22, no caso de pagamento indevido do auxilio- transporte, Art, 110. A concessio do auxilio-transporte fica condicionada a apresentacao de declaragio, firmada pelo préprio servidor, de que realiza despesas com transporte coletivo, nos termos do art. 107. § 12 O servidor deve manter atualizados os dados cadastrais que fundamentam a concessdo do auxilio- transporte. § 28 Sem prejuizo da fiscalizacdo da administracdo publica e de eventual responsabilidade administrativa, civil ou penal, presumem-se verdadeiras as infor maces constantes da declaracdo prestada pelo servidor. SUBSEGAO V DO AUXILIO-ALIMENTAGAO Art. 111. € devido ao servidor, mensalmente, 0 auxilo-alimentago, com 0 valor fxado na forma da li Art. 112. 0 auxilio-alimentagio sujeita-se a0s seguintes critérios: |- 0 pagamento é feito em pecinia, sem contrapartid: Il- ndo pode ser acumulado com outro beneficio da mesma espécie, ainda que pago in natura; Ill= depende de requerimento do servidor interessado, no qual declare nao receber o mesmo beneficio em outro érgao ou entidade; htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, 167 zavarot7 Let Complementar 840-11 - Dispée seb o regime juiica dos servidres pitas civis do OF IV- 0 seu valor deve ser atualizado anualmente pelo mesmo indice que atualizar os valores expressos em moeda corrente na legislago do Distrito Federal; \V- ndo é devido ao servidor em caso de: a) licenga ou afastamento sem remunera¢do; b) licenca por motivo de doenga em pessoa da familia; ¢) afastamento para estudo ou misao no exterior; 4) suspensao em virtude de pena disciplinar; e) falta injustificada e nao compensada. Pardgrafo Unico. Aplica-se o disposto no art. 119, § 22, ao caso de pagamento indevido do auxilio- alimentacio. SUBSEGAO VI DO ABONO PECUNIARIO Art. 113. A conversao de um terco das férias em abono pecunirio depende de autorizac3o do Governador, do Presidente da Camara Legislativa ou do Presidente do Tribunal de Contas. § 12 Sobre o valor do abono pecunisrio, incide o adicional de férias. § 2® A base para o célculo do abono pecunisrio nao pode ser superior ao teto de remuneracio ou subsidio, SUBSEGAO VII DO ABONO DE PERMANENCIA Art. 114. 0 servidor que permanecer em atividade apés ter completado as exigéncias para aposentadoria voluntéria faz jus a um abono de permanéncia equivalente ao valor da sua contribuigao previdencidria, na forma e nas condicdes previstas na Constituico Federal. SEGAOX DAS DISPOSIGOES GERAIS Art. 115. Se no for feita a compensacao de horério de que trata o art. 63, o servidor perde: | a remuneracdo ou subsidio dos dias em que faltar ao servigo, sem motivo justificado; I~ a parcela da remuneragao ou subsidio diario, proporcional aos atrasos, auséncias injustificadas saidas antecipadas. ‘Art. 116. Salvo por imposi¢éo legal, ou mandado judicial, nenhum desconto pode incidir sobre a remuneracdo ou subsidio. § 12 Mediante autorizacSo do servidor e a critério da administrago publica, pode haver consignagdo em folha de pagamento a favor de terceiros, com reposicgo de custos, na forma definida em regulamento, § 2° A soma das consignagdes de que trata 0 § 1° ndo pode exceder a trinta por cento da remuneracdo ou subsidio do servidor. § 32 A consignagio em folha de pagamento nao traz nenhuma responsabilidade para a administrag3o Publica, salvo a de repassar ao terceiro o valor descontado do servidor. Art. 117. 0 subsidio, a remuneragao ou qualquer de suas parcelas tem natureza alimentar e nao é objeto de arresto, sequestro ou penhora, exceto nos casos de prestacao de alimentos resultantes de decisio judicial Pardgrafo nico. O crédito em conta bancéria ndo descaracteriza a natureza juridica do subsidio ou remuneracio. Art, 118, A quitagdo da folha de pagamento é feita até o quinto dia util do més subsequente. Pardgrafo tinico. No caso de erro desfavordvel ao servidor no processamento da folha de pagamento, a quitagdo do débito deve ser feita no prazo de até setenta e duas horas, contados da data de que trata este artigo. Art, 119, As reposig&es e indenizagdes ao erario devem ser comunicadas ao servidor para pagamento no prazo de até dez dias, podendo, a seu pedido, ser descontadas da remuneracao ou subsidio. § 12 0 desconto deve ser feito 1 em parcela tinica, se de valor igual ou inferior & décima parte da remuneracao ou subsidio; I= em parcelas mensais iguais a décima parte do subsidio ou remuneracdo, devendo o residuo constituir-se como tiltima parcela. § 2° No caso de erro no processamento da folha de pagamento, o valor indevidamente recebido deve ser devolvido pelo servidor em parcela Unica no prazo de setenta e duas horas, contados da data em que 0 servidor foi comunicado. htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, sar zana2017 Lei Complemertar8t0-1- Disp sobre regime risa dos services pblicas cis do OF ‘Art, 120, O pagamento efetuado pela administrago publica em desacordo com a legislagao nao aproveita ao servidor beneficiado, ainda que ele nao tenha dado causa ao erro. Pardgrafo Unico. E vedado exigir reposicSo de valor em virtude de aplicac3o retroativa de nova interpretagio da norma de regéncia. ‘Art. 121. Em caso de demissio, exoneracao, aposentadoria ou qualquer licenga ou afastamento sem remuneracSo, 0 servidor tem direito de receber os créditos a que faz jus até a data do evento. § 190 disposto neste artigo aplica-se, inclusive, aos casos de dispensa da funcdo de confianga ou exoneracao de cargo em comissao, quando: I seguidas de nova dispensa ou nomeacao; UI- se tratar de servidor efetivo, hipdtese em que faz jus & percepcio dos créditos dai decorrentes, inclusive o décimo terceiro saldrio e as férias, na proporcdo prevista nesta Lei Complementar § 2® Nas hipéteses deste artigo, havendo débito do servidor com o erério, tem ele de ser deduzido integralmente dos créditos que tenha ou venha a ter em virtude do cargo ocupado. § 32 Sendo insuficientes os créditos, 0 débito nao deduzido tem de ser quitado no prazo de sessenta dias. § 42 0 débito ndo quitado na forma dos §§ 2° e 3° deve ser descontado de qualquer valor que o devedor tenha ou venha a ter como crédito junto ao Distrito Federal, inclusive remuneragao ou subsidio de qualquer cargo ptblico, funcao de confianca, proventos de aposentadoria ou pensio, observado 0 disposto no art. 119. § 5° Ando quitagao do débito no prazo previsto implica sua inscrigo na divida ativa. § 6° Os créditos a que o ex-servidor faz jus devem ser quitados no prazo de até sessenta dias, salvo nos casos de insuficiéncia de dotago orcamentéria, observado o regulamento. Art, 122. Em caso de falecimento do servidor e apés a apuracdo dos valores e dos procedimentos de que trata o art. 121, 0 saldo remanescente deve ser: | pago aos beneficiérios da pensdo e, na falta destes, aos sucessores judicialmente habilitados; II cobrado na forma da lei civil, se negativo. Art. 123. 0 débito do servidor com 0 erério ou o crédito que venha a ser reconhecido administrative ou judicialmente deve: | ser atualizado pelo mesmo indice que atualizar os valores expressos em moeda corrente na legislagao do Distrito Federal; II- sofrer compensagdo de mora, na forma da legislagao vigente. Art, 124, € proibida a prestacdo de servicos gratuitos, salvo os casos previstos em lel CAPITULO II DAS FERIAS ‘Art. 125. A cada periodo de doze meses de exercicio, 0 servidor faz jus a trinta dias de férias. § 12 Para o primeiro periodo aquisitivo de férias, so exigidos doze meses de efetivo exercicio.. § 22 0 disposto no § 1° ndo se aplica aos casos de férias coletivas, hipétese em que as primeiras férias sio proporcionais ao efetivo exercicio. § 38 E vedado levar & conta de férias qualquer falta ao servigo. § 4° As férias podem ser acumuladas por até dois periodos, no caso de necessidade do servico, ressalvadas as hipéteses previstas em legislagao especifica § 52 Mediante requerimento do servidor e no interesse da administragao publica, as férias podem ser parceladas em até trés periodos, nenhum deles inferior a dez dias. Art. 126, Até dois dias antes de as férias serem iniciadas, devern ser pagos ao servidor: 1+ oadicional de férias; I oabono pecuniario, se deferido; IL-0 adiantamento de parcela correspondente a quarenta por cento do valor liquido do subsidio ou remuneraco, desde que requerido. Pardgrafo Unico. O adiantamento de que trata o inciso Ill é descontado do subsidio ou remuneracéo do servidor em quatro parcelas mensais e sucessivas de idéntico valor. Art, 127. 0 servidor que opera direta e permanentemente com raios X ou substncias radioativas tem de gozar vinte dias consecutivos de férias, por semestre de atividade profissional, proibida em qualquer hipdtese a acumulagao. Paragrafo Unico. O servidor referido neste artigo nao faz jus ao abono pecuniério. Art. 128. As férias somente podem ser suspensas por motivo de calamidade publica, comocdo interna, convocacdo para juri, servigo militar ou eleitoral ou por necessidade do servico, Pardgrafo Unico. A suspensio das férias depende de: htpitwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumenta cfm 2x um ero=B408DANo=2011BtxtTipo=4ttPart= sar zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF | portaria do Secretario de Estado ou autoridade equivalente, no Poder Executivo; II ato do Presidente da Camara Legislativa ou do Tribunal de Contas, nos respectivos érgéos. Art. 129. Em caso de demissao, destituicao de cargo em comissio, exonera¢ao ou aposentadoria, as {férias ndo gozadas sao indenizadas pelo valor da remuneraco au subsidio devido no més da ocorréncia do evento, acrescido do adicional de férias. § 12 0 periodo de férias incompleto ¢ indenizado na proporcao de um doze avos por més de efetivo exercicio, § 22 Para os efeitos do § 12, a frago superior a quatorze dias é considerada como més integral CAPITULO I DAS LICENGAS SEGAOI DAS DISPOSIGOES GERAIS ‘Art, 130. Além do abono de ponto, 0 servidor faz jus a licenca: 1 por motivo de afastamento do cénjuge ou companheiro; II por motivo de doenca em pessoa da familia; I~ para o servigo militar; IV- para atividade politica; \V= prémio por assiduidade; VI- para tratar de interesses particulares; VII- para desempenho de mandato classista; Vill paternidade; IX~ maternidade; X~ médica ou odontolégica Pardgrafo nico. A concessao da licenca-maternidade sujeita-se as normas do regime de previdéncia social a que a servidora se encontra fillada Art. 131. A licenca concedida dentro de sessenta dias do término de outra da mesma espécie ¢ considerada como prorrogacao. Art. 132. Ao término das licencas previstas no art. 130, Ila X, o servidor tem o direito de retornar & mesma lotagio, com a mesma jornada de trabalho de antes do inicio da licenca, desde que uma ou outra nao tenha sofrido alteragéo normativa. SEGA DA LICENGA POR MOTIVO DE AFASTAMENTO DO CONJUGE OU COMPANHEIRO ‘Art. 133. Pode ser concedida licenca ao servidor estavel para acompanhar cOnjuge ou companheiro que for deslocado para: | trabalhar em localidade situada fora da Regido Integrada de Desenvolvimento Econémico do Distrito Federal e Entorno- RIDE; II- exercer mandato eletivo em Estado ou Municipio ndo compreendido na RIDE. § 19 A licenga é por prazo de até cinco anos e sem remuneracao ou subsidio. § 2° A manutengao do vinculo conjugal deve ser comprovada anualmente, sob pena de cancelamento da licenga. § 32 (VETADO). SEGAO II DA LICENGA POR MOTIVO DE DOENGA EM PESSOA DA FAMILIA a4 0 - ‘comprevande-perjunie-médiee-eficiee NOVA REDACAO DADA AO CAPUT DO ARTIGO 134 PEL LEI COMPLEMENTAR N° 862, DE 25/03/2013 - DODF DE 26/03/2013. ‘Art. 134. Pode ser concedida licenca ao servidor por motivo de doenca do cénjuge ou companheiro, padrasto ou madrasta, ascendente, descendente, enteado e colateral consanguineo ou afim até o segundo grau civil, mediante comprovagao por junta médica oficial § 12 A licenga somente pode ser deferida se a assisténcia direta do servidor for indispensdvel e ndo puder ser prestada simultaneamente com o exercicio do cargo. § 2A licenga é concedida sem prejuizo da remuneracao ou subsidio do cargo efetivo. htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, sa? zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF § 3° Nenhum periodo de licenca pode ser superior a trinta dias, e o somatério dos perfodos nao pode ultrapassar cento e oitenta dias por ano, iniciando-se a contagem com a primeira licenca. § 4° Comprovada por junta médica oficial a necessidade de licenca por periodo superior a cento € oitenta dias, a licenca é sem remuneragao ou subsidio, observado o prazo inicial previsto no § 32. Art. 135. £ vedado 0 exercicio de atividade remunerada durante o usufruto da licenca prevista no art. 134, Pardgrafo Unico, $30 considerados como faltas injustificadas ao servigo, para todos os efeitos legals, os dias em que for constatado, em proceso disciplinar, o exercicio de atividade remunerada durante a licenca prevista no art. 134, ainda que a licenca se tenha dado sem remuneracao ou subsidic. SEGAOIV DA LICENGA PARA O SERVICO MILITAR ‘Art. 136. Ao servidor convocado para o servico militar é concedida licenca, na forma e nas condigBes previstas na legislagao especifica Pardgrafo tinico. Concluido 0 servico militar, o servidor tem até trinta dias sem remunerago para reassumir 0 exercicio do cargo. SECAOV DA LICENGA PARA ATIVIDADE POLITICA Art. 137. 0 servidor tem direito a licenga para atividade politica nos periodos compreendidos entre: | a data de sua escolha em convengio partidaria como candidato a cargo eletivo e a véspera do registro da candidatura perante a Justica Eleitoral; II 0 registro da candidatura perante a Justica Eleitoral e até dez dias apés a data da elei¢ao para a qual concorre. § 12 No caso do inciso |, a licenca é sem remuneragdo ou subsidio; no caso do inciso II, é com remuneraco ou subsidio. § 2° Negado o registro ou havendo desisténcia da candidatura, o servidor tem de reassumir 0 cargo imediatamente, § 3° 0 servidor candidato a cargo eletivo que exerca cargo em comissao ou funcao de confianga dele deve ser exonerado ou dispensado, observados os prazos da legislacao eleitoral. Art, 138. 0 servidor efetivo que pretenda ser candidato deve ficar afastado de suas atribuigdes habituais, quando assim o exigir a legislacao eleitoral. § 12 Ao servidor afastado na forma deste artigo, sem prejuizo da remuneraco ou subsidio, devem ser cometidas atribuigdes compativeis com seu cargo e a legislacdo eleitoral. § 22 0 afastamento de que trata 0 § 12 encerra-se na data da convengdo partidéria, aplicando-se a partir dai o disposto no art. 137, le I. SEGAO VI DA LICENGA-PREMIO POR ASSIDUIDADE ‘Art, 139, Apés cada quinquénio ininterrupto de exercicio, 0 servidor efetivo faz jus a trés meses de licenga-prémio por assiduidade, sem prejuizo da remuneracao ou subsidio do cargo efetivo. Art. 140. A contagem do prazo para aquisigo da licenga-prémio é interrompida quando o servidor, durante 0 periodo aquisitivo: 1+ sofrer sancao disciplinar de suspenséo; II licenciar-se ou afastar-se do cargo sem remuneracéo. Pardgrafo tinico. As faltas injustificadas ao servigo retardam a concessao da licenga prevista neste artigo, nna proporcao de um més para cada falta. ‘Art. 141. 0 niimero de servidores em gozo simultaneo de licenca-prémio nao pode ser superior a um terco da lotacdo da respectiva unidade administrativa do 6rgao, autarquia ou fundagao. Art, 142. Os perfodos de licenga-prémio adquiridos e no gozados so convertidos em pecinia, quando o servidor for aposentado. Pardgrafo tinico. Em caso de falecimento do servidor, a conversio em pectinia de que trata este artigo é ppaga aos beneficidrios da pensdo ou, nao os havendo, aos sucessores judicialmente habilitados. Art. 143. Fica assegurado as servidoras piiblicas 0 direito de iniciar a fruicdo de licenca-prémio por assiduidade logo apds 0 término da licenca-maternidade, Pardgrafo nico. O direito assegurado neste artigo aplica-se a licenca-prémio por assiduidade cujo periodo de aquisi¢o for completado até dez dias antes do término da licenca-maternidade. SEGAO VIL htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, 2aa7 zavarot7 Let Complementar 840-11 - Dispée seb o regime juiica dos servidres pitas civis do OF DA LICENGA PARA TRATAR DE INTERESSES PARTICULARES Art. 144, A critério da administracdo publica, pode ser concedida ao servidor estavel licenca para tratar de assuntos particulares, pelo prazo de até trés anos consecutivos, sem remuneracao, desde que: | no possua débito com o erdrio relacionado com sua situagdo funcional; II- nao se encontre respondendo a processo disciplinar. § 12 A licenga pode ser interrompida, a qualquer tempo, a pedido do servidor ou a critério da administracao, § 22 0 servidor nao pode exercer cargo ou emprego publico inacumulivel durante a licenga de que trata este artigo. § 3° A licenca pode ser prorrogada por igual perfodo, uma tnica vez SEGAO VIII DA LICENGA PARA © DESEMPENHO DE MANDATO CLASSISTA Art. 145, Fica assegurado ao servidor estavel o direito a licenca para o desempenho de mandato em central sindical, confederagao, federagao ou sindicato representativos de servidores do Distrito Federal, regularmente registrados no éraio competente. § 12 A licenga prevista neste artigo ¢ considerada como efetivo exercicio. § 2° A remuneracdo ou subsidio do servidor licenciado na forma deste artigo e os encargos sociais decorrentes so pagos pelo érgio ou entidade de lotagdo do servidor. ‘Art. 146. A licenca de servidor para sindicato representativo de categoria de servidores civis do Distrito Federal é feita da forma seguinte: I= 0 Servidor tem de ser eleito dirigente sindical pela categoria; II- cada sindicato tem direito & licenga de: a) dois dirigentes, desde que tenha, no minimo, trezentos servidores filiados; b) um dirigente para cada grupo de dois mil servidores filiados, além dos dirigentes previstos na alinea a, até o limite de dez dirigentes. Pardgrafo Unico. Para cada dois dirigentes sindicaislicenciados na forma deste artigo, observado 0 regulamento, pode ser licenciado mais um, devendo o sindicato ressarcir 20 érgio ou entidade o valor total despendido com remuneraco ou subsidio, acrescido dos encargos sociais e provisdes para férias, adicional de férias, décimo terceiro salério e conversio de licenca-prémio em peciinia. ‘Art. 147. Para o desempenho de mandato em central sindical, confederacao ou federaco, pode ser licenciado um servidor para cada grupo de vinte e cinco mil associados por instituicdo. § 12 O grupo de servidores referido no caput ¢ aferido pelo ntimero de servidores associados aos sindicatos filiados a cada instituigo de que trata este artigo. § 22.0 servidor deve ser eleito dirigente pela categoria, Art. 148. A licenca tem duracao igual do mandato, podendo ser prorrogada no caso de reeleicao. ‘Art. 149. 0 servidor investido em mandato classista, durante 0 mandato e até um ano apés o seu término, no pode ser removido ou redistribuido de oficio para unidade administrativa diversa daquela de onde se afastou para exercer o mandato, SEGAO Ix DA LICENGA-PATERNIDADE NOTA: VIDE DECRETO N° 37.669, DE 29/09/16 - DODF DE 30/09/16, QUE INSTITUL © PROGRAMA DE PRORROGAGAO DA _LICENCA PATERNIDADE PARA OS SERVIDORES REGIDOS POR ESTA LEI COMPLEMENTAR. Art. 150. Pelo nascimento ou adocao de filhos, o servidor tem direito a licenga-paternidade de sete dias consecutivos, incluido o dia da ocorréncia, ‘SEGAOX DO ABONO DE PONTO Art, 151. 0 servidor que nio tiver falta injustficada no ano anterior faz jus ao abono de ponto de cinco dias. § 19 Para aquisi¢o do direito a0 abono de ponto, é necessério que o servidor tenha estado em efetivo exercicio de 1° de janeiro a 31 de dezembro do ano aquisitivo, § 22 0 direito ao gozo do abono de ponto extingue-se em 31 de dezembro do ano seguinte ao do ano aquisitivo, § 32 0 gozo do abono de ponto pode ser em dias intercalados. pha fazonda dt goubrlaplicacoosoislacan gislacao/TelaSaidaD ocumento cfm xtNum oro=B0&DANG=20118ixtTipo=48itPar=, ar zavarot7 Let Complementar 840-11 - Dispée seb o regime juiica dos servidres pitas civis do OF § 4° O nlimero de servidores em gozo de abono de ponto néo pode ser superior a um quinto da lotacéo da respectiva unidade administrativa do 6rgdo, autarquia ou fundagao, § 52 Ocorrendo a investidura apés 12 de janeiro do periodo aquisitivo, o servidor faz jus a um dia de abono de ponto por bimestre de efetivo exercicio, até o limite de cinco dias, CAPITULO IV DOS AFASTAMENTOS SEGAOI DO AFASTAMENTO PARA SERVIR EM OUTRO ORGAO OU ENTIDADE SUBSEGAO! DO EXERCICIO EM OUTRO CARGO Art, 152. Desde que nao haja prejuizo para o servigo, o servidor efetivo pode ser cedido a outro érgao ou entidade dos Poderes do Distrito Federal, da Unido, dos Estados ou dos Municipios, para o exercicio de: |= emprego ou cargo em comissio ou fungio de confianca, cuja remuneracao ou subsidio seja superior a: a) um décimo do subsidio de Secretério de Estado no caso do Distrito Federal; ) um quinto do subsidio de Secretério de Estado nos demais casos; II cargos integrantes da Governadoria ou Vice-Governadoria do Distrito Federal ou da Casa Civil e do Gabinete de Seguranca institucional da Presidéncia da Republica; IIL cargo em comissao ou funcao de confianga em gabinete de Deputado Federal ou Senador da Repiiblica integrante da bancada do Distrito Federal; IV- cargo em comissiio ou funsio de confianca de Secretario Municipal nos Municipios que constituem a RIDE; \V- cargo em comissio ou fungio de confianca, nas reas correlatas da Unido, de servidores das éreas de satide, educacdo ou seguranca publica § 12 A cessio de servidor do Poder Executivo para érgéo do Poder Legislative aplica-se o seguinte: I no caso da Cémara Legislativa, podem ser cedidos até cinco servidores por Gabinete Parlamentar; II- no caso do Congresso Nacional, podem ser cedidos até dois servidores por gabinete de Deputado Federal ou Senador da RepUblica eleito pelo Distrito Federal § 22 A cessio de servidor é autorizada pelo: |= Governador, no Poder Executivo; II Presidente da Camara Legislativa; IIL Presidente do Tribunel de Contas. § 3° Em caréter excepcional, pode ser autorizada cessio e requisigao fora das hipéteses previstas neste artigo e no art. 154, § 4° O servidor tem garantidos todos os direitos referentes ao exercicio do cargo efetivo durante 0 periodo em que estiver cedido. Art, 153. A cessdo termina com a: | exoneragdo do cargo para 0 qual o servidor fol cedido, salvo se houver nova nomeacao na mesma data; II revogacao pela autoridade cedente. Pardgrafo nico. Terminada a cessdo, o servidor tem de apresentar-se ao 6rgo, autarquia ou fundagio de origem até 0 dia seguinte ao da exoneracao ou da revogacio, independentemente de comunicacso entre 0 cessionério e o cedente. Art, 154, 0 6nus da cessio é do drgao ou entidade cessionéria, Pardgrafo tinico. Excetua-se do disposto neste artigo, passando o énus para o érgéo, autarquia ou fundacdo cedente, a cessdo para exercicio de cargo: I+ previsto no art. 152, lla Ve § 12; II~ em comissdo da administragdo direta, autdrquica ou fundacional de qualquer dos Poderes do Distrito Federal Art, 155. Na cesso com énus para o cessionério, so ressarcidos ao érgao cedente os valores da remuneraco ou subsidio, acrescidos dos encargos sociais e das provisdes para férias, adicional de férias, décimo terceiro salario e licenga-prémio por assiduidade. § 1° O 6rgdo ou entidade cedente tem de apresentar ao cessionério, mensalmente, a fatura com os valores discriminados por parcelas remuneratdrias, encargos saciais e provisées. htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, zur zavarot7 Let Complementar 840-11 - Dispée seb o regime juiica dos servidres pitas civis do OF § 28 Havendo atrasos superiores a sessenta dias no ressarcimento, a cessao tem de ser revogada, devendo o servidor reapresentar-se ao seu 6rgao, autarquia ou fundacao de origem. § 38 Fica autorizada a compensacdo de valores, quando o Distrito Federal for cedente e cessionério de servidores. Art. 156. O servidor, quando no exercicio de cargo em comissio ou funco de confianca, fica afastado das atribuigdes do seu cargo de provimento efetivo, § 12 0 disposto neste artigo aplica-se ao servidor que acumular licitamente dois cargos efetivos. § 28 No caso do § 12, a remuneracdo do segundo cargo efetivo depende da contraprestagio de servico e da compatibilidade de horério com 0 cargo em comisso ou fungo de confianca § 3° A contraprestacdo de servico e a compatibilidade de hordrio com o cargo em comissao ou fungao de confianca de que trata o § 22 devem ser declaradas pelas autoridades maximas dos érgios ou entidades envolvidos § 4° ndependentemente da contraprestagio do servico, se a soma das horas de trabalho dos cargos em regime de acumulacdo ndo superar quarenta e quatro horas semanais, 0 servidor afastado na forma deste artigo faz jus 8 remuneraco ou subsidio dos dois cargos efetivos, salvo no caso da opco de que trata o art. 77, § 2%. SUBSEGAO II DO EXERCICIO EM OUTRO ORGAO Art. 157. 0 servidor estével, sem prejuizo da remunerac3o ou subsidio e dos demais direitos relativos a0 cargo efetivo, pode ser colocado & disposicdo de outro érgao ou entidade para o exercicio de atribuicées especificas, nos seguintes caso: I+ interesse do servigo; II- deficigncia de pessoal em 6rgo, autarquia ou fundagao sem quadro préprio de servidores de Ill requisiggo da Presidéncia da Republica; IV requisicgo do Tribunal Superior Eleitoral ou do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal § 12 O interesse do servigo caracteriza-se quando o remanejamento de pessoal se destina a | lotar pessoal de érgdo ou unidade organica reestruturado ou com excesso de pessoal; II promover 0 ajustamento de pessoal as necessidades dos servicos para garantir o desempenho das atividades do drgéo cessionério; IIL- viabilizar 2 execugo de projetos ou acées com fim determinado e prazo certo, § 22 No caso dos incisos |e II do caput, 0 afastamento do cargo efetivo restringe-se ao Ambito do mesmo Poder e sé pode ser para fim determinado e a prazo certo. SEGAO II DO AFASTAMENTO PARA EXERCICIO DE MANDATO ELETIVO ‘Art, 158. Ao servidor efetivo investido em mandato eletivo aplicam-se as seguintes disposicbes: I- tratando-se de mandato federal, estadual ou distrital, fica afastado do cargo; II- investido no mandato de prefeito, fica afastado do cargo, sendo-Ihe facultado optar pela remuneraco do cargo efetivo; IIL- investido no mandato de vereador: a) havendo compatibilidade de horério, percebe as vantagens de seu cargo, sem prejuizo da remuneracdo do cargo eletivo; b) nao havendo compatibilidade de horério, remuneracSo do cargo efetivo. § 1° O servidor de que trata este artigo, durante 0 mandato e até um ano apés 0 seu término, nao pode ser removido ou redistribuido de oficio para unidade administrativa diversa daquela de onde se afastou para exercer 0 mandato. § 2° O servidor tem garantidos todos os direitos referentes ao exercicio do cargo efetivo durante o periodo em que estiver em cargo eletivo. afastado do cargo, sendo-Ihe facultado optar pela SEGAO II DO AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSAO NO EXTERIOR Art. 159. Mediante autorizacdo do Governador, do Presidente da Camara Legislativa ou do Presidente do Tribunal de Contas, 0 servidor estavel pode ausentar-se do Distrito Federal ou do Pais para: I estudo ou missio oficial, com a remuneracao ou subsidio do cargo efetivo; htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, 2uar zavarot7 Let Complementar 840-11 - Dispée seb o regime juiica dos servidres pitas civis do OF II servigo sem remuneracéo em organismo internacional de que o Brasil participe ou com o qual coopere, § 12 A auséncia ndo pode exceder a quatro anos, nem pode ser concedida nova licenca antes de decorrido igual periodo. § 28 Em caso de exonerago, demissio, aposentadoria voluntaria, icenga para tratar de interesse particular ou vacdncia em razao de posse em outro cargo inacumulivel antes de decorrido perfodo igual a0 do afastamento, o servidor beneficiado pelo disposto no inciso | tem de ressarcir proporcionalmente a despesa, incluida a remuneracSo ou o subsidio e os encargos sociais, havida com seu afastamento e durante ele. SEGAO IV DO AFASTAMENTO PARA PARTICIPAR DE COMPETIGAO DESPORTIVA Art. 160. Mediante autorizagao do Governador, do Presidente da Camara Legislativa ou do Presidente do Tribunal de Contas, pode ser autorizado o afastamento remunerado do servidor estavel | para participar de competicao desportiva nacional para a qual tenha sido previamente selecionado; I~ quando convocado para integrar representao desportiva nacional, no Pais ou no exterior. Pardgrafo nico. O afastamento de que trata este artigo é pelo prazo da competigao e gera como tinica despesa para o érgao, autarquia ou fundacao a prevista no caput. SECAOV DO AFASTAMENTO PARA PARTICIPAR DE PROGRAMA DE POS-GRADUAGAO STRICTO SENSU Art. 161. 0 servidor estével pode, no interesse da administracSo publica, e desde que a participacgo nao possa ocorrer simultaneamente com o exercicio do cargo ou mediante compensacao de hordrio, afastar- se do exercicio do cargo efetivo, com a respectiva remunerago ou subsidio, para participar de programa de pés-graduacio stricto sensu em instituigo de ensino superior, no Pais ou no exterior. § 19 O titular do érgéo, autarquia ou fundacao deve definir os programas de capacitagao e os critérios para participagao em programas de pés-graduacdo de que trata este artigo, com ou sem afastamento do servidor, observado o regulamento. § 28 O afastamento para realizacdo de programas de mestrado, doutorado ou pés-doutorado somente pode ser concedido ao servidor estavel que esteja em efetivo exercicio no respectivo érgdo, autarquia ou fundaco ha pelo menos: | tr8s anos consecutivos para mestrado; I~ quatro anos consecutivos para doutorado ou pés-doutorado. § 3° E vedado autorizar novo afastamento: 1 para curso do mesmo nivel; II- antes de decorrido prazo igual ao de afastamento jé concedido. § 48 O servidor beneficiado pelos afastamentos previstos nos §§ 12, 2° e 32 tem de: I+ apresentar o titulo ou grau obtido com o curso que justificou seu afastamento; II compartilhar com os demais servidores de seu 6rgio, autarquia ou fundagao os conhecimentos adquiridos no curso; Ill- permanecer no efetivo exercicio de suas atribuigées apés 0 seu retorno por um periodo igual a0 do afastamento concedido, § 52 0 servidor beneficiado pelo disposto neste artigo tem de ressarcir a despesa havida com seu afastamento, incluidos a remuneragio ou o subsidio e os encargos sociais, da forma seguinte: |= proporcional, em caso de exoneracdo, demissso, aposentadoria voluntaria, licenca para tratar de interesse particular ou vacdncia em razdo de posse em outro cargo inacumuldvel, antes de decorrido periodo igual ao do afastamento; II integral, em caso de no obtencdo do titulo ou grau que justificou seu afastamento, salvo na hipstese comprovada de forca maior ou de caso fortuito. SEGAO VI DO AFASTAMENTO PARA FREQUENCIA EM CURSO DE FORMAGAO Art, 162. 0 servidor pode afastar-se do cargo ocupado para participar de curso de formaco previsto como etapa de concurso piblico, desde que haja: | expressa previsio do curso no edital do concurso; II incompatibilidade entre os horérios das aulas e os da reparticéo. § 12 Havendo incompatibilidade entre os hordrios das aulas e os da reparti¢do, o servidor fica afastado: htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, aia zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF | com remuneracao ou subsidio, nos casos de curso de formacao para cargo efetivo de drgéo, autarquia ou fundagao dos Poderes Legislativo ou Executivo do Distrito Federal; I~ sem remuneragao, nos casos de curso de formacdo para cargo nao contemplado no inciso | deste Pardgrafo, § 22 O servidor pode optar por eventual ajuda financeira paga em razdo do curso de formagio, vedada a percepedo da remuneracao prevista no § 12, |. CAPITULO V DO TEMPO DE SERVIGO E DO TEMPO DE CONTRIBUIGAO SEGAO! DO TEMPO DE SERVIGO Art, 163, Salvo disposigao legal em contrério, & contado para todos os efeitos o tempo de servico piiblico remunerado, prestado 2 6rgao, autarquia ou fundacdo dos Poderes Executivo e Legislativo do Distrito Federal. § 12 A contagem do tempo de servico é feita em dias, que so convertidos em anos, considerado 0 ano como de trezentos e sessenta e cinco dias. § 2° € vedado proceder: I+ a0 arredondamento de dias faltantes para complementar periodo, ressalvados os casos previstos nesta Lei Complementar; II a qualquer forma de contagem de tempo de servico ficticio; Ill= & contagem cumulativa de tempo de servico prestado concomitantemente: a) em diferentes cargos do servico pubblico; b) em cargo do servigo pubblico e em emprego na administracdo indireta ou na iniciativa privada; IV- & contagem do tempo de servigo jé computado: a) em érgao ou entidade em que o servidor acumule cargo pilblico; b) para concessao de aposentadoria em qualquer regime de previdéncia social pelo qual o servidor receba proventos. Art. 164, Salvo disposicdo legal em contrério, no so contados como tempo de servigo: | a falta injustificada ao servico e a no compensada na forma desta Lei Complementar; II 0 periodo em que o servidor estiver: a) licenciado ou afastado sem remuneracio; b) cumprindo san¢o disciplinar de suspenséo; Ill 0 periodo decorrido entre: a) a exoneragio e o exercicio em outro cargo de provimento efetivo; b) a concesséo de aposentadoria voluntéria e a reversi\ €) a data de publicagao do ato de reversio, reintegracdo, reconducio ou aproveitamento e o retorno a0 exercicio do cargo. Art. 165. Sd0 considerados como efetivo exercicio: I+ as férias; II as auséncias previstas no art. 62; I= a licenca: a) maternidade ou paternidade; b) médica ou odontolégica; ¢) prémio por assiduidade; d) para o servico militar obrigatério; IV- oabono de ponto; \V- o afastamento para: a) exercicio em outro érgdo ou entidade, inclusive em cargo em comissdo ou funcdo de confianga, de qualquer dos Poderes do Distrito Federal, Unio, Estado ou Municipio; b) estudo ou misséo no exterior, com remuneracio; ¢) participacdo em competicSo desportiva; d) participagdo em programa de treinamento regularmente institufdo ou em programa de pés-graduacdo stricto sensu e) (VETADO). htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, sar zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF i o-afastamente-em-virtude de euntio-deenga previste-ne-tegistagio-prevideneidriay REVOGADO 0 INCISO VI DO ART. 165 PELA LEI COMPLEMENTAR N° 922, DE 29/12/2016 - DODF DE 30/12/2016 - SUPLEMENTO-A. VII- 0 periodo entre a demissio e a data de publicagio do ato de reintegracao; VIII- a participagao em tribunal do jiri ou outros servigos obrigatérios por lei. Pardgrafo tinico. A licenca para o desempenho de mandato classista ou o afastamento para exercer mandato eletivo federal, estadual, distrital ou municipal sao considerados como efetivo exercici. Art. 166. Conta-se para efeito de disponibilidade: 1 o tempo de servigo prestado a Municipio, Estado ou Unio, inclusive o prestado ao Tribunal de Justica, Ministério Publico ou Defensoria Piblica do Distrito Federal e Territérios; II~ 0 tempo de servico em atividade privada, vinculada ao regime geral de previdéncia social, inclusive 0 prestado 2 empresa publica ou & sociedade de economia mista de qualquer ente da federacao; IIl- a licenca remunerada por motivo de doenga em pessoa da familia do servidor; IV- allicenga remunerada para atividade politica; \V- o tempo de mandato eletivo federal, estadual, municipal ou distrital, anterior ao ingresso no servigo pubblico do Distrito Federal; VI- o afastamento para frequéncia em curso de formacSo, quando remunerado. SEGAOI DO TEMPO DE CONTRIBUIGAO Art, 167. Faz-se na forma da legislagio previdencidria a contagem do tempo: 1+ de contribuigdo; Il- no servigo publico; Ill - de servico no cargo efetivo; IV - de servigo na carreira. capITULO VI DO DIREITO DE PETIGAG Art. 168, € assegurado a0 servidor o direito de peticio junto aos érglos publicos onde exerce suas, atribuigées ou junto aqueles em que tenha interesse funcional. § 12 O direito de peticao compreende a apresentacao de requerimento, pedido de reconsideracao, recurso ou qualquer outra manifestacdo necessdria & defesa de direito ou interesse legitimo ou & ampla defesa e ao contraditério do proprio servidor ou de pessoa da sua familia § 2° Para o exercicio do direito de peticao, ¢ assegurada: |- vista do processo ou do documento, na reparticao, ao servidor ou a procurador por ele constituido; Il- cépia de documento ou de pega processual, observadas as normas daqueles clasificados com grau de sigilo. § 3° A copia de documento ou de peca processual pode ser fornecida em meio eletrénico. Art. 169. 0 requerimento, o pedido de reconsideracdo ou o recurso é dirigido a autoridade competente para decidi-lo, Pardgrafo Unico. A autoridade competente, desde que fundamente sua decisio, pode dar efeito suspensivo ao recurso. Art. 170. Cabe pedido de reconsideracgo & autoridade que houver expedido o ato ou proferido a primeira deciso, ndo podendo ser renovado, Art. 171. Cabe recurso: | do indeferimento do requerimento, desde que nao tenha sido interposto pedido de reconsideracao; II- da decisao sobre pedido de reconsideragao ou de outro recurso interposto. Pardgrafo Unico. O recurso é dirigido a autoridade imediatamente superior & que tiver expedido o ato ou proferido a decisao e, sucessivamente, em escala ascendente, as demais autoridades. Art. 172. 0 prazo para interposicao de pedido de reconsideracao ou de recurso é de trinta dias, contados da publicacdo ou da ciéncia pelo interessado da deciséo impugnada Art. 173. 0 requerimento, o pedido de reconsideracdo ou o recurso de que tratam os arts. 168 a 172 deve ser despachado no prazo de cinco dias e decidido dentro de trinta dias, contados da data de seu Protocolo. Art. 174, Em caso de provimento do pedido de reconsideracao ou do recurso, os efeitos da deciséo retroagem & data do ato impugnado. htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, 2oit7 zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF Art. 175. 0 direito de requerer prescreve: | em cinco anos, quanto aos atos de demissio, de cassacao de aposentadoria ou disponibilidade, ou de destituicSo do cargo em comisséo; II em cinco anos, quanto ao interesse patrimonial ou créditos resultantes das relacbes de trabalho; Ill em cento e vinte dias, nos demais casos, salvo disposigio legal em contrério. Pardgrafo Unico. O prazo de prescrigao ¢ contado da data: 1+ da publicacao do ato impugnado; II da ciéncia pelo interessado, quando 0 ato nao for publicado; IIL- do transito em julgado da decisso judicial Art. 176, 0 pedido de reconsideragdo e o recurso, quando cabives, interrompem a prescricSo, ‘Art. 177. A prescrigio é de ordem piblica, no podendo ser relevada pela administragio publica. Art. 178. A administracéo publica deve rever seus atos, a qualquer tempo, quando eivados de vicios que 05 tornem ilegais, assegurado o contraditério e a ampla defesa. § 12 Os atos que apresentarem defeitos sandvels podem ser convalidados pela prépria administracio publica, desde que nao acarretem lesio ao interesse puiblico, nem prejuizo a terceiros. § 2° 0 direito de a administracéo publica anular os atos administrativos de que decorram efeitos favordveis para 0 servidor decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo em caso de comprovada ma-F6. § 3° No caso de efeitos patrimoniais continuos, 0 prazo de decadéncia é contado da percepcao do primeiro pagamento § 42 No caso de ato sujeito a registro pelo Tribunal de Contas do Distrito Federal, o prazo de que trata o § 28 comeca a ser contado da data em que o processo respectivo Ihe foi encaminhado. Art. 179, Sao fatais e improrrogaveis os prazos estabelecidos neste Capitulo, salvo por motivo de forca TITULOV CAPITULO UNICO DOS DEVERES Art, 180. Sao deveres do servidor: 1+ exercer com zelo e dedicacao suas atribuigdes II- manter-se atualizado nos conhecimentos exigidos para o exercicio de suas atribuigdes; IIL agir com pericia, prudéncia e diligéncia no exercicio de suas atribuigoes; IV- atualizar, quando solicitado, seus dados cadastrais; \V- observar as normas legais e regulamentares no exe! io de suas atribuigées; \VI- cumprir as ordens superiores, exceto quando manifestamente ilegais; VII- levar 20 conhecimento da autoridade superior as falhas, vulnerabilidades e as irregularidades de que tiver ciéncia em razdo do cargo puiblico au funcdo de confianca; VIll- representar contra ilegalidade, omissdo ou abuso de poder; IX- zelar pela economia do material e pela conservacio do patriménio publico; X- guardar sigilo sobre assunto da reparticao; XI- ser leal 8s instituigdes a que servir; XII ~ ser assiduo e pontual ao servico; XIII manter conduta compativel com a moralidade administrativa; XIV- declarar-se suspeito ou impedido nas hipéteses previstas em lei ou regulamento; XV- tratar as pessoas com civilidade; XVI- atender com presteza a) 0 piblico em geral, prestando as informacdes requeridas, ressalvadas as protegidas por sigilo; b) os requerimentos de expedicdo de certiddes para defesa de direito ou esclarecimento de situacdes de interesse pessoal; c) as requisigdes para a defesa da administragio publica, TiTULo vi DO REGIME DISCIPLINAR CAPITULO! DAS RESPONSABILIDADES htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, amar zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF Art. 181. 0 servidor responde penal, civil e administrativamente pelo exercicio irregular de suas atribuigdes. § 12 As sangGes civis, penais e administrativas podem cumular-se, sendo independentes entre si § 22 A responsabilidade administrativa do servidor é afastada no caso de absolvigio penal que negue a existéncia do fato ou sua autoria, com decisdo transitada em julgado. § 3° A responsabilidade administrativa perante a administracdo publica no exclui a competéncia do Tribunal de Contas prevista na Lel Organica do Distrito Federal Art. 182. A responsabilidade penal abrange crimes e contravencSes imputados ao servidor, nessa qualidade. Art. 183. A responsabilidade civil decorre de ato omissivo ou comissivo, doloso ou culposo, que resulte em prejulzo ao erario oua terceiro. § 12 A indenizacio de prejuizo dolosamente causado ao erario somente pode ser liquidada na forma prevista no art. 119 e seguintes na falta de outros bens que assegurem a execucao do débito pela via judicial § 22 Tratando-se de dano causado a terceiros, responde o servidor perante a Fazenda Publica, em aco regressiva. § 3° A obrigagao de reparar o dano estende-se aos sucessores, e contra eles tem de ser executada, na forma da lei civil Art. 184. A responsabilidade perante o Tribunal de Contas decorre de atos sujeitos ao controle externo, nos termos da Lei Organica do Distrito Federal ‘Art. 185. A perda do cargo publico ou a cassacao de aposentadoria determinada em decisao judicial transitada em julgado dispensa a instauracdo de processo disciplinar e deve ser declarada pela autoridade competente para fazer a nomeacdo. ‘Art. 186. A responsabilidade administrativa, apurada na forma desta Lei Complementar, resulta de infragao disciplinar cometida por servidor no exercicio de suas atribuigdes, em razdo delas ou com elas incompativels § 1° A responsabilidade administrativa do servidor, observado o prazo prescricional, permanece em relagao aos atos praticados no exercicio do cargo 1+ apés a exoneragao; I~ apds a aposentadoria; Ill= apés a vacdncia em razo de posse em outro cargo inacumulivel; IV- durante as licengas, afastamentos e demais auséncias previstos nesta Lei Complementar. § 22 A aplicagdo da sanco cominada a infracao disciplinar decorre da responsabilidade administrativa, sem prejuizo: 1 de eventual ago civil ou penal; II- do ressarcimento ao erério dos valores correspondentes aos danos e aos prejuizos causados & administracdo publica; IIL da devolucao ao erério do bem ou do valor puiblico desviado, nas mesmas condigBes em que se encontravam quando da ocorréncia do fato, com a consequente indenizacéo proporcional a depreciacao. CAPITULO I DAS INFRAGOES DISCIPLINARES SEGAOI DAS DISPOSIGOES GERAIS Art. 187. A infrago disciplinar decorre de ato omissivo ou comissivo, praticado com dolo ou culpa, € sujeita o servidor as sancdes previstas nesta Lei Complementar. ‘Art, 188. As infragées disciplinares classificam-se, para efeitos de cominacdo da sano, em leves, médias, e graves, Pardgrafo tinico. As infragdes médias e as infragées graves sdo subclassificadas em grupos, na forma desta Lei Complementar. Art. 189, Para efeitos desta Lei Complementar, considera-se reincidéncia 0 cometimento de nova infracao disciplinar do mesmo grupo ou classe de infragdo disciplinar anteriormente cometida, ainda que uma outra possuam caracteristicas faticas diversas. Pardgrafo tinico. Entende-se por infragao disc desta Lei Complementat. linar anteriormente cometida aquela ja punida na forma SEGA DAS INFRAGOES LEVES hitpdtwww fazenda dl gov briapicaconseglslacaal egisacad/TelaSaidaD acumerta cfm 2x um ero=B408DANo=2011BtxtTipo=4ttPart= aur zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF Art. 190. Sao infragdes leves: I+ descumprir dever funcional ou decisées administrativas emanadas dos érgéos competentes; II- retirar, sem prévia anuéncia da chefia imediata, qualquer documento ou abjeto da reparticao; lil - deixar de praticar ato necessério & apurago de infraco disciplinar, retardar indevidamente a sua pratica ou dar causa a prescri¢ao em processo disciplinar; IV- recusar-se, quando solicitado por autoridade competente, a prestar informagao de que tenha conhecimento em razdo do exercicio de suas atribuigoes; \V- recusar-se, injustificadamente, a integrar comisséo ou grupo de trabalho, ou deixar de atender designagdo para compor comissao, grupo de trabalho ou para atuar como perito ou assistente técnico em processo administrativo ou judicial; VI- recusar fé a documento publico; VII- negar-se a participar de programa de treinamento exigido de todos os servidores da mesma situagao funcional; VIll- no comparecer, quando convocado, a inspe¢ao ou pericia médica; 1X opor resisténcia injustificada ou retardar, reiteradamente e sem justa causa: a) o andamento de documento, proceso au execugao de servigo; b) a pratica de atos previstos em suas atribuicdes; X-~ cometer a servidor atribuicées estranhas ao cargo que ocupa, exceto em situagdes de emergéncia e em carter transitério; X1~ manter sob sua chefia imediata, em cargo em comissdo ou fungao de confianga, 0 cénjuge, 0 companheiro ou parente, por consanguinidade até o terceiro grau, ou por afinidad. XIl- promover manifestago de apreco ou desapreco no recinto da reparticéo; XIII perturbar, sem justa causa, a ordem e a serenidade no recinto da repartico; XIV- acessar, armazenar ou transferir, ntencionalmente, com recursos eletrénicos da administracdo publica ou postos & sua disposicio, informagées de contetido pornogrifico ou erético, ou que incentivem a violéncia ou a discriminacao em qualquer de suas formas; XV- usar indevidamente a identificagao funcional ou outro documento que o vincule com 0 cargo pibblico ou fungo de confianca, em ilegitimo beneficio préprio ou de terceiro. SEGAO I DAS INFRAGOES MEDIAS Art, 191, Sao infragées médias do grupo | | cometer a pessoa estranha a reparticdo, fora dos casos previstos em lei, o desempenho de atribuicéo que seja de sua responsabilidade ou de seu subordinado; II- ausentar-se do servico, com frequéncia, durante o expediente e sem prévia autorizacdo da chefia imediata, Ill exercer atividade privada incompativel com o hordrio do servico; IV- praticar ato incompativel com a moralidade administrativa; \V- praticar 0 comércio ou a usura na repartiga0; VI- discriminar qualquer pessoa, no recinto da reparti¢o, com a finalidade de expé-la a situagao humilhante, vexatéria, angustiante ou constrangedora, em relacdo a nascimento, idade, etnia, raca, cor, sexo, estado civil, trabalho rural ou urbano, religiao, convic¢des politicas ou filos6ficas, orientagao sexual, deficiéncia fisica, imunolégica, sensorial ou mental, por ter cumprido pena, ou por qualquer particularidade ou condicao. Art, 192. Sao infrages médias do grupo Il: 1 ofender fisicamente a outrem em servigo, salvo em resposta a injusta agressdo ou em legitima defesa propria ou de outrem; II praticar ato de assédio sexual ou moral; IIL~ coagir ou aliciar subordinado no sentido de filiarse a associagSo, sindicato, partido politico ou qualquer outra espécie de agremiacao; IV- exercer atividade privada incompativel com o exercicio do cargo publico ou da fungo de confianga; \V- usar recursos computacionais da administracao publica para, intencionalmente: a) violar sistemas ou exercer outras atividades prejudicias a sites piblicos ou privados; b) disseminar virus, cavalos de tréia, spyware e outros males, pragas e programas indesejéveis; ¢) disponibilizar, em sites do servico publico, propaganda ou publicidade de contetido privado, informacées e outros conteidos incompativeis com os fundamentos e os principios da administrago publica; hp hve fazonda dl gtr picaoostogslcantelacanTelaSeidaD oxment cn ium ero=B#08bAno=201BbTipo=ABeParo= ar zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF d) repassar dados cadastrais e informagées de servidores publicos ou da repartigio para terceiros, sem autorizagao; VI- permitir ou facilitar 0 acesso de pessoa nao autorizada, mediante atribuicgo, fornecimento ou empréstimo de senha ou qualquer outro meio: a) a recursos computacionais, sistemas de informagGes ou banco de dados da administracao publica; b) a locais de acesso restrito. SEGAO IV DAS INFRAGOES GRAVES Art, 193. So infragdes graves do grupo | I+ incorrer na hipétese de: a) abandono de cargo; b) inassiduidade habitual; I~ acumular ilegalmente cargos, empregos, funcées piblicas ou proventos de aposentadoria, salvo se for feita a op¢ao na forma desta Lei Complementar; Ill- proceder de forma desidiosa, incorrendo repetidamente em descumprimento de varios deveres e atribuigées funciona IV- acometer-se de incontinéncia publica ou ter conduta escandalosa na reparticao que perturbe a ordem, 0 andamento dos trabalhos ou cause dano a imagem da administragao publica; \V- cometer insubordinagao grave em servico, subvertendo a ordem hierérquica de forma ostensiva; VI- dispensar licitagdo para contratar pessoa juridica que tenha, como proprietério, sécio ou administrador: a) pessoa de sua familia ou outro parente, por consanguinidade até o terceiro grau, ou por afinidade; b) pessoa da familia de sua chefia mediata ou imediata ou outro parente dela, por consanguinidade até o terceiro grau, ou por afinidade; VII- dispensar licitago para contratar pessoa fisica de familia ou parente mencionado no inciso VI, a e b; VIII- aceitar comissio, emprego ou pensao de estado estrangeiro; IK- exercer 0 comércio, exceto na qualidade de acionista, cotista ou comanditério; X- participar de geréncia ou administra de sociedade ou empresa privada, personificada ou ndo personificada, salvo: a) nos casos previstos nesta Lei Complementar; b) nos periodos de licenca ou afastamento do cargo sem remuneracéo, desde que nao haja proibi¢go em sentido contrério, nem incompatibilidade; c) em instituigBes ou entidades beneficentes, filantrépicas, de carater social e humanitario e sem fins lucrativos, quando compativeis com a jornada de trabalho. Pardgrafo nico. A reassuncdo das atribuigées, depois de consumado 0 abandono de cargo, nao afasta a responsabilidade administrativa, nem caracteriza perdao tacito da administragao publica, ressalvada a prescricdo. Art. 194, Sao infragbes graves do grupo Il: | praticar, dolosamente, ato definido em lei como: a) crime contra a administracdo publica; b) improbidade administrativa; II usar conhecimentos e informacGes adquiridos no exercicio de suas atribuigdes para violar ou tornar vulnerdvel a seguranga, 0s sistemas de informética, sites ou qualquer outra rotina ou equipamento da reparticio; Ill~ exigir, solicitar, receber ou aceitar propina, gratificacéo, comissao, presente ou auferir vantagem indevida de qualquer espécie e sob qualquer pretexto. IV- valer-se do cargo para obter proveito indevido para si ou para outrem, em detrimento da dignidade da funcdo publica; \V- utilizar-se de documento sabidamente falso para prova de fato ou circunstancia que crie direito ou extinga obrigacdo perante a administragao publica distrtal Pardgrafo tinico. Para efeitos do inciso Ill, no se considera presente o brinde definido na legislacao. CAPITULO III DAS SANGOES DISCIPLINARES Art. 195, Sao sanges disciplinares: htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, a7 zavarot7 Let Complementar 840-11 - Dispée seb o regime juiica dos servidres pitas civis do OF | adverténcia; II suspenséo; I= demisséo; IV- cassago de aposentadoria ou de disponibilidade; \V- destituicdo do cargo em comissio. Pardgrafo nico. As sangdes disciplinares sao aplicadas as infrag6es disciplinares tipificadas em lei. ‘Art, 196. Na aplicagio das sang6es disciplinares, devem ser considerados: | anatureza e a gravidade da infragdo disciplinar cometida; I~ 0 danos causados para o servigo piiblico; IIL- 0 Animo ea intengdo do servidor; IV- as circunstdncias atenuantes e agravantes; \V- a culpabilidade e os antecedentes funcionais do servidor. § 12 infracdo disciplinar de menor gravidade é absorvida pela de maior gravidade. § 22 Nenhuma san¢do disciplinar pode ser aplicada: | sem previsao legal; II- sem apuracdo em regular processo disciplinar previsto nesta Lei Complementar. ‘Art, 197. So circunstncias atenuantes 1 auséncia de punicéo anterior; II prestagdo de bons servicos & administracao publica distrital; Iil- desconhecimento justificdvel de norma administrativa; IV- motivo de relevante valor social ou moral; \V- estado fisico, psicolégico, mental ou emocional abalado, que influencie ou seja decisivo para a pratica da infragao disciplinar; VI- coexisténcia de causas relativas & caréncia de condi¢des de material ou pessoal na reparticao; VII- 0 fato deo ser a) cometido a infragao disciplinar sob coagdo a que podia resistir, ou em cumprimento a ordem de autoridade superior, ou sob a influéncia de violenta emoco, provocada por ato injusto provindo de terceiro; ) cometico a infragdo disciplinar na defesa, ainda que putativa ou com excesso moderado, de prerrogatva funcional; €) procurado, por sua espontinea vontade e com eficiéncia, logo apés ainfragdo disciplinar,evitar ou minorar as suas consequéncias; 4) reparado 0 dano causado, por sua espontinea vontade e antes do julgamento. ‘Act. 198, ho cicunstincias agravantes: | a prtica de ato que concorra, grave e objetivamente, para o desprestigio do Srglo, autarquia ou fundagio au da categoria funcional do servidor; I~ econcurse de pessoas; jor ter: I= © cometimento da infragaodisciplinar em prejuzo de crianga, adolescente, idoso, pessoa com deficéncia, pessoa incapaz de se defender, ou pessoa sob seus culdados por forea de suas atribulgBes; I= 0 cometimento da infragdo disciplinar com violéncia ou grave ameaca, quando no elementares da infracdo; \V- sero servidor quem: 2) promove ou organiza a cooperacdo ou dirige 2 atividade dos demats coautores; b) instiga subordinado ou the ordena a pritica da infracSo disiplinar | instiga outro servidor, prope ou solicita a prétice da infragSo discplinar. [Art 199. A adverténcia a sangio por infragdo discipinarleve, por meio da qual se reprova por escrito a conduta do servidor Pardgrafo Unico. No lugar da adverténcia, pode ser aplicada, motivadamente, a suspensdo até trinta dias, seas circunstSncias assim o justifcarem, ‘Art 200. suspensio ¢ a sangio por infragio disciplinar média pela qual se imp8e ao servidor o afastamento compulsério do ‘exericio do cargo efetivo, com perda da remuneraglo ou subsidio dos dias em que estiverafastado, 5.12 suspensio nfo pode ser: I+ superior atrinta dia, no caso de infragio disciplinar média do grupo; Ui- superior a noventa dias, no caso de infracao dsciplinar média do grupo I 5 2° Aplica-se a suspensio de até 1+ trinta dias, quando o servidor incorrer em reincidéncia por infracao disciplinar leve; II noventa dias, quando o servidor incorrer em reincidéncia por infracdo disciplina média do grupo |. § 32 Quando houver conveniéncia para o servigo, a penalidade de suspensao pode ser convertida em multa, observado o seguinte: ~ a multa é de cinquenta por cento do valor didrio da remuneraco ou subsidio, por dia de suspenséo; htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, var zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF II- o servidor fica obrigado a cumprir integralmente a jornada de trabalho a que est submetido. § 42 € aplicada multa ao servidor inativo que houver praticado na atividade infracao disciplinar punivel com suspensao. § 52.A multa de que trata 0 § 42 corresponde ao valor diario dos proventos de aposentadoria por dia de suspensio cabivel. ‘Art. 201. A adverténcia e a suspenséo tém seus registros cancelados, apés 0 decurso de trés e cinco anos de efetivo exercicio, respectivamente, se o servidor ndo houver, nesse perfodo, praticado nova infraco disciplinar, igual ou diversa da anteriormente cometida. § 12 0 cancelamento da sancao disciplinar nao surte efeitos retroativos e é registrado em certidao formal nos assentamentos funcionais do servidor. § 22 Cessam os efeitos da adverténcia ou da suspensio, se lei posterior deixar de considerar como infracao disciplinar o fato que as motivou. § 3° A sancao disciplinar cancelada nos termos deste artigo nao pode ser considerada para efeitos de reincidéncia Art, 202. A demissio é a sangdo pelas infragées disciplinares graves, pela qual se impde ao servidor efetivo a perda do cargo publico por ele ocupado, podendo ser cominada com o impedimento de nova investidura em cargo publico. § 12 A demissio de que trata este artigo também se aplica no caso de: | infracdo disciplinar grave, quando cometida por servidor efetivo no exercicio de cargo em comissao ou funcdo de confianca do Poder Executivo ou Legislativo do Distrito Federal; II reincidéncia em infraco disciplinar média do grupo Il. § 28 Se 0 servidor jé tiver sido exonerado quando da aplicacdo da sangdo prevista neste artigo, a exoneracio é convertida em demissio. § 3° Também se converte em demisso a vacdncia em decorréncia de posse em outro cargo inacumulével ocorrida antes da aplicagao da sano prevista neste artigo. Art, 203. A cassacdo de aposentadoria ¢ a san¢do por infragdo disciplinar que houver sido cometida pelo servidor em atividade, pela qual se impSe a perda do direito & aposentadoria, podendo ser cominada com o impedimento de nova investidura em cargo publico. Pardgrafo tinico. A cassagio de aposentadoria é aplicada por infracdo disciplinar punivel com demissao. Art, 204, A cassacao de disponibilidade ¢ a sancSo por infragdo disciplinar que houver sido cometida em atividade, pela qual se impde a perda do cargo piblico ocupado e dos direitos decorrentes da disponibilidade, podendo ser cominada com o impedimento de nova investidura em cargo publico. Pardgrafo tinico. A cassagao de disponibilidade é aplicada por infracdo disciplinar punivel com demissao nna hipétese do art. 40, § 2%, ‘Art. 205. A destituico do cargo em comissdo é a sancao por infraco disciplinar média ou grave, pela qual se impe ao servidor sem vinculo efetivo com o Distrito Federal a perda do cargo em comissdo por ele ocupado, podendo ser cominada com o impedimento de nova investidura em outro cargo efetivo ou em comissao. Pardgrafo nico. Se o servidor jd tiver sido exonerado quando da aplicagao da sancao prevista neste artigo, a exoneracao é convertida em destitui¢o do cargo em comissio, Art. 206. A demissio, a cassaco de aposentadoria ou disponibilidade ou a destituic3o de cargo em comisso, motivada por infraco disciplinar grave do grupo ll, implica a incompatibilizac3o para nova investidura em cargo piblico do Distrito Federal pelo prazo de dez anos, sem prejuizo de aco civel ou penal e das demais medidas administrativas. ‘Art. 207. A punibilidade é extinta pela: I= morte do servidor; II prescrigdo. ‘Art. 208. A agi disciplinar prescreve em: |= cinco anos, quanto a demissSo, destituigio de cargo em comissao ou cassagéo de aposentadoria ou disponibilidade; II dois anos, quanto & suspensdo; IIL- um ano, quanto a adverténcia. § 12 0 prazo de prescrigio comeca a correr da primeira data em que 0 fato ou ato se tornou conhecido pela chefia da reparticdo onde ele ocorreu, pela chefia mediata ou imediata do servidor, ou pela autoridade competente para instaurar sindicancia ou processo disciplinar. § 22 A instauragdo de processo disciplinar interrompe a prescrigio, uma dnica ver. § 38 Interrompida a prescrico, sua contagem ¢ reiniciada depois de esgotados os prazos para concluséo do processo disciplinar, previstos nesta Lei Complementar, incluidos os prazos de prorrogacao, se houver. tpdtwww fazenda dl govbriapicaconseglslacaal egislacan/TelaSaidaD acumenta cfm 2xNumero=B408DANG=20118txtTipa=4ttPart=, aur zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF § 42 O prazo de prescrigio fica suspenso enquanto a instauracao ou a tramitacao do proceso disciplinar ou a aplicacao de sangdo disciplinar estiver obstada por determinacao judicial. § 5° Os prazos de prescri¢ao previstos na lei penal, havendo aco penal em curso, aplicam-se as infragbes disciplinares capituladas também como crime. Art. 209. Nao é punido 0 servidor que, ao tempo da infracdo disciplinar, era inteiramente incapaz de entender o caréter ilicito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento, devido a: |- insanidade mental, devidamente comprovada por laudo de junta médica oficial; II embriaguez completa, proveniente de caso fortuito ou forga mai Pardgrafo nico. A punibilidade nao se exclui pela embriaguez, voluntéria ou culposa, por alcool, entorpecente ou substancia de efeitos andlogos. Art. 210. Fica isento de sangao disciplinar o servidor cuja conduta funcional, classificada como erro de procedimento, seja caracterizada, cumulativamente, pela: | auséncia de dolo; II eventualidade do erro; IIL ofensa infima aos bens juridicos tutelados; IV- prejuizo moral irrelevante; \V- reparagio de eventual prejuizo material antes de se instaurar sindicdncia ou processo disciplinar. TITULO VII DOS PROCESSOS DE APURAGAO DE INFRAGAO DISCIPLINAR CAPITULO! DAS DISPOSIGOES GERAIS SEGAOI DAS DISPOSIGOES COMUNS ‘Art, 211. Diante de indicios de infracao disciplinar, ou diante de representaco, a autoridade administrativa competente deve determinar a instauracao de sindicancia ou processo disciplinar para apurar 05 fatos e, se for 0 caso, aplicar a sang disciplinar. § 1° So competentes para instaurar sindicdncia ou processo disciplinar as autoridades definidas no art. 255, em relacdo as infracdes disciplinares ocorridas em seus respectivos érgdos, autarquias ou fundagdes, independentemente da sano cominada § 22 A competéncia para instaurar processo disciplinar para apurar infracdo cometida por servidor efetivo no exercicio de cargo em comissao ou funcao de confianga do qual foi exonerado ou dispensado ¢ da autoridade do érgio, autarquia ou fundacdo onde a infragdo disciplinar foi cometida, § 32 Por solicitacdo ou determinacao da autoridade competente, a apuracao da infracao disciplinar pode ser feita pelo orgéo central do sistema de correicdo, preservada a competéncia para o julgamento. § 48 Os conflitos entre servidores podem ser tratados em mesa de comissdo de mediagao, a ser disciplinada em lei especifica. Art. 212. A infraglo disciplinar cometida por servidor & apurada mediante: I+ sindicancia; II proceso disciplinar. § 12 A representacdo sobre infracdo disciplinar cometida por servidor deve ser formulada por escrito e conter a identificacao e o endereco do denunciante § 28 No caso de dentincias anénimas, a administragao publica pode iniciar reservadamente investigacSes para coleta de outros meios de prova necessérios para a instaura¢ao de sindicdncia ou proceso disciplinar. § 3° Em caso de infrago disciplinar noticiada pela imprensa, nas redes sociais ou em correspondéncias escritas, a autoridade competente, antes de instaurar sindicdncia ou processo disciplinar, deve verificar se hd indicios minimos de sua ocorréncia, § 42 Na hipétese do § 32, no caso de no comprovaco dos fatos, a autoridade competente deve se pronunciar por escrito sobre o motivo do arquivamento da verificagdo. § 52 Se houver indicios suficientes quanto & autoria e 8 materialidade da infragao disciplinar, a autoridade administrativa pode instaurar imediatamente o processo disciplinar, dispensada a instaura¢o de sindicancia. Art. 213. Nao é objeto de apuragio em sindicancia ou pracesso disciplinar o fato que: | no configure infrago disciplinar prevista nesta Lei Complementar ou em legislagao especifica; htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, a7 zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF II ja tenha sido objeto de julgamento pelo Poder Judicidrio em sentenga penal transitada em julgado que reconheceu a inexisténcia do fato ou a negativa da autoria, salvo se existente infracao disciplinar residual § 120 servidor nao responde: | por ato praticado com fundamento em lei ou regulamento posteriormente considerado inconstitucional pelo Poder Judiciario; I~ quando a punibilidade estiver extinta. § 22 Deve ser arquivada eventual deniincia ou representaco que se refira a qualquer das hipéteses previstas neste artigo, SEGAOI DA SINDICANCIA Art. 214. A sindicdncia é 0 procedimento investigativo destinado a: | identificar a autoria de infraglo disciplinar, quando desconhecida; I~ apurar a materialidade de infracdo disciplinar sobre a qual haja apenas indicios ou que tenha sido apenas noticiada, § 12 O ato de instauracao da sindicdncia deve ser publicado no Diério Oficial do Distrito Federal. § 220 prazo para conclusio da sindicancia é de até trinta dias, prorrogavel por igual periodo, a critério da autoridade competente. ‘Art. 215, Da sindicancia pode resultar: |= o arquivamento do process: II- instaurago de proceso disciplinar; Ill- aplicagao de sangio de adverténcia ou suspensio de até trinta dias. § 12 Constatado na sindicdncia que a infragao classifica-se como leve ou média do grupo |, a comisséo de sindicdncia deve citar 0 servidor acusado para acompanhar o prosseguimento da apurago nos mesmos autos. § 28 Aplicam-se, a partir do ato processual de que trata o § 12, as normas do processo disciplinar, incluidas as garantias a0 contraditério e & ampla defesa e as normas relativas & comisséo processante. SEGAO I DA SINDICANCIA PATRIMONIAL ‘Art. 216. Diante de fundados indicios de enriquecimento ilicito de servidor ou de evolucio patrimonial incompativel com a remuneracao ou subsidio por ele percebido, pode ser determinada a instauracao de sindicdncia patrimonial. § 12 S80 competentes para determinar a instauracao de sindicdncia patrimonial: |= o Presidente da Cémara Legislativa ou do Tribunal de Contas, nos respectivos éresios; II- 0 Governador ou o titular do 6rgao central de sistema de correigao, no Poder Executivo. § 22 A sindicancia patrimonial constitul-se de procedimento sigiloso com carster exclusivamente investigativo. § 3° O procedimento de sindicancia patrimonial é conduzido por comissdo composta por trés servidores estaveis. § 42 O prazo para concluso do procedimento de sindicancia patrimonial é de trinta dias, prorrogavel por igual periodo. § 5® Concluidos os trabalhos da sindicdncia patrimonial, a comissao responsével por sua conducdo deve elaborar relatério sobre os fatos apurados, concluindo pelo arquivamento ou pela instauragdo de processo disciplinar. SEGAO IV DO PROCESSO DISCIPLINAR Art. 217. 0 processo disciplinar é o instrumento destinado a apurar responsabilidade do servidor por infragao disciplinar. Pardgrafo nico. O prazo para a conclusdo do processo disciplinar é de até sessenta dias, prorrogavel por igual periodo. Art, 218. Os autos da sindicancia, se houver, so apensados aos do proceso disciplinar, como peca informativa da instrucdo. Art. 219. 0 processo disciplinar obedece aos principios da legalidade, moralidade, impessoalidade, publicidade, eficiéncia, interesse publico, contraditério, ampla defesa, proporcionalidade, razoabilidade, motivacdo, seguranga juridica, informalismo moderado, justiga, verdade material e indisponibilidade hpdtwww fazenda dl govbriapicaconseislacaal egislacad/TelaSaidaD acumenta cfm 2x um ero=B408DANo=2011BixtTipo=4BttPart= war zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF § 12 Os atos do processo disciplinar néo dependem de forma determinada sengo quando a lei expressamente o exigir, reputando-se validos os que, realizados de outro modo, preencham sua finalidade essencial § 22 £ permitida: | a notificago ou a intimagio do servidor acusado ou indiciado ou de seu procurador em audiéncia; II 2 comunicagdo, via postal, entre a comisséo processante e o servidor acusado ou indiciado; IIl~ a utilizacao de meto eletrénico, se confirmado o recebimento pelo destinatério ou mediante certificacio digital, para: a) a entrega de peticao & comisséo processante, salvo a defesa escrita prevista no art. 245, desde que o meio utilizado pelo remetente seja previamente cadastrado na comissdo processante; b) a notificagao ou a intimago sobre atos do processo disciplinar, salvo os previstos nos arts. 243 e 245, desde que o meio eletranico tenha sido previamente cadastrado pelo servidor acusado ou indiciado na comisséo processante § 32 Se a comissio notificar ou intimar o servidor por meio eletrdnico, deve, sempre que possive, avisé- lo por meio telefénico de que a comunicagao foi enviada. § 4° 0 uso dos meios permitidos nos §§ 2° e 3° deve ser certificado nos autos, juntando-se cépia das, correspondéncias recebidas ou enviadas. § 5° Nao é causa de nulidade do ato processual a auséncia: | do servidor acusado ou de seu procurador na oitiva de testemunha, quando o servidor tena sido previamente notificado; II do procurador no interrogatério do servidor acusado. Art. 220. Os autos do processo disciplinar, as reunides da comisso e os atos processuais tém cardter reservado, § 12 Os autos do processo disciplinar no podem ser retirados da repartico onde se encontram. § 22 E licito 0 fornecimento de cépia de pecas dos autos ao servidor ou ao seu procurador, observado 0 disposto no art, 168, §§ 2° 32. Art. 221. Salvo quando autorizado pela autoridade instauradora, é vedado deferir ao servidor acusado, desde a instauracao do processo disciplinar até a conclusao do prazo para defesa escrita: + gozo de férias; II- licenga ou afastamento voluntarios; IIL- exoneracdo a pedido; IV- aposentadoria voluntéria, CAPITULO IL DO AFASTAMENTO PREVENTIVO Art. 222. Como medida cautelar e a fim de que o servidor no venha a influir na apuracao da infracdo disciplinar, a autoridade instauradora do proceso disciplinar pode determinar o seu afastamento do exercicio do cargo, pelo prazo de até sessenta dias, sem prejuizo da remuneracao. § 120 afastamento preventivo pode: | ser prorrogado por igual prazo, findo o qual cessam os seus efeitos, ainda que no concluido 0 processo disciplinar; II cessar por determinagao da autoridade competente, § 28 Salvo motivo de caso fortuito ou forca maior, o servidor afastado ndo pode comparecer & repartigo de onde foi afastado, exceto quanto autorizado pela autoridade competente ou pela comissao processante. Art, 223, Em substituigdo ao afastamento preventivo, a autoridade instauradora pode, no prazo do art. 222, determinar que o servidor tenha exercicio provisério em outra unidade administrativa do mesmo érgdo, autarquia ou fundacao de sua lotagao. CAPITULO III DA AMPLA DEFESA E DO CONTRADITORIO Art. 224. No processo disciplinar, é sempre assegurado ao servidor acusado 0 direito ao contraditério e & ampla defesa, Art. 225, 0 servidor acusado deve ser: | citado sobre a instaurago de processo disciplinar contra sua pessoa; II intimado ou notificado dos atos processuais; IIL- intimado, pessoalmente, para apresentacdo de defesa escrita, na forma do art. 245; htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, a7 zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF IV - intimado da decisao proferida em sindicancia ou processo disciplinar, sem suspensao dos efeitos decorrentes da publicagao no Didrio Oficial do Distrito Federal Pardgrafo Unico. A intimagao de que trata o inciso II deve ser feita com antecedéncia minima de trés dias da data de comparecimento. ‘Art. 226. Ao servidor acusado é facultado: 1 arguir a incompeténcia, o impedimento ou a suspeico: a) da autoridade instauradora ou julgadora da sindicéncia ou processo disciplinar; b) de qualquer membro da comissao processante; II constituir procurador; IlI= acompanhar depoimento de testemunha, pessoalmente ou por seu procurador; IV- arrolar testemunha; \V- reinquirir testemunha, por intermédio do presidente da comissao processante; VI- contraditar testemunha; VII- produzir provas e contraprovas; VIII formular quesitos, no caso de prova pericial; IX- ter acesso as pecas dos autos, observadas as regras de sigilo; X~ apresentar pedido de reconsideragio, recurso ou revisdo do julgamento. § 1° A argui¢do de que trata o inciso | do caput deve ser resolvida: | pela autoridade imediatamente superior, no caso do inciso |, a, ou pelo substituto legal, se exaurida a via hierérquica; UI- pela autoridade que instaurou o processo disciplinar, no caso do inciso |, b. § 2° £ do servidor acusado o custo de pericias ou exames por ele requeridos, se ndo houver técnico habilitado nos quadros da administracio publica distrital Art. 227. Quando houver divida sobre a sanidade mental do servidor acusado, a comissao processante deve propor a autoridade competente que ele seja submetido a exame por junta médica oficial, da qual participe pelo menos um médico psiquiatra Paragrafo nico. 0 incidente de sanidade mental deve ser processado em autos apartados ¢ apenso a0 processo principal, aps a expedi¢io do laudo pericial Art. 228, Estando preso o servidor acusado, aplica-se o seguinte: | a citagdo inicial e a intimagdo para defesa escrita so promovidas onde ele estiver recolhido; II- oacompanhamento do processo disciplinar é promovido por procurador por ele designado ou, na auséncia, por defensor dativo; IIL 0 interrogatério ¢ realizado em local apropriado, na forma previamente acordada com a autoridade competente. CAPITULO IV DA COMISSAO PROCESSANTE ‘Art. 229. A sindicancia ou 0 processo disciplinar é conduzido por comissio processante, de carster permanente ou especial. § 12 A comisséo é composta de trés servidores estavels designados pela autoridade competente § 22 Os membros da comissao processante sdo escolhidos pela autoridade competente entre os ocupantes de cargo para o qual se exija escolaridade igual ou superior & do servidor acusadbo. § 3° Nos casos de carreira organizada em nivel hierdrquico, os membros da comissao devem ser ocupantes de cargo efetivo superior ou do mesmo nivel do servidor acusado. § 48 Compete ao presidente da comissdo manter a ordem e a seguranca das audiéncias, podendo requisitar forca policial, se necesséria. § 5° A Comissao tem como secretério servidor designado pelo seu presidente, podendo a indicag3o recair em um de seus membros. § 6° A comissao processante, quando permanente, deve ser renovada, no minimo, a cada dois anos, vedado ao mesmo membro servir por mais de quatro anos consecutivos. § 7° Nas licencas, afastamentos, férias e demais auséncias de membro da comissao processante, a autoridade competente pode designar substituto eventual. § 82 O local e os recursos materiais para o funcionamento dos trabalhos da comissao processante devern ser fornecidos pela autoridade instauradora da sindicancia ou do processo disciplinar. § 92 Podem participar como membros da comisso processante servidores integrantes de outros 6rgios da administracdo publica, distintos daquele onde ocorreram as infragdes disciplinares, se conveniente htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, a7 zavarot7 Let Complementar 840-11 - Dispée seb o regime juiica dos servidres pitas civis do OF para o interesse publico. § 10. A comissdo funciona com a presenca de todos os seus membros. ‘Art. 230. 0 servidor nao pode participar de comissio processante quando o servidor acusado for pessoa de sua familia, seu padrasto, madrasta, enteado ou parente, na forma da lei civil § 12 Também no pode participar de comissio processante o servidor que: | seja amigo intimo ou inimigo capital, credor ou devedor, tutor ou curador do servidor acusado; II seja testemunha ou perito no proceso disciplinar; Ill tenha sido autor de representacdo objeto da apuracdo; IV- tenha atuado em sindicancia, auditoria ou investigagio da qual resultou a sindicdncia ou 0 proceso disciplinar; \V- atue ou tenha atuado como procurador do servidor acusado; VI- tenha interesse em decisdo administrativa a ser tomada pelo servidor acusado; VII- tenha interesse no assunto que resultou na instauragao da sindicdncia ou do proceso disciplinar; VIII- estejalitigando, judicial ou administrativamente, com o servidor sindicado, acusado ou indiciado, ou com o respectivo cénjuge ou companheiro; IX- responda a sindicdncia ou proceso disciplinar; X- tenha sido punido por qualquer infracao disciplinar, ressalvado o disposto no art. 201; XI- seja cénjuge, companheiro, padrasto, madrasta, enteado ou parente, na forma da lei civil, de outro membro da mesma comissio processante. Art. 231. A comissao processante exerce suas atividades com independéncia e imparcialidade, assegurado 0 acesso, nas repartigdes publicas, a informagées, documentos e audiéncias necessérios 8 elucidacdo do fato em apuragio. Pardgrafo tinico. O presidente da comissao de sindicdncia ou de processo disciplinar pode requisitar apoio, inclusive policial, dos érgdos da administracao publica para realizacao de diligéncia, seguranca ou locomogao até o local de coleta de prova ou de realizacao de ato processual. ‘Art, 232. As reunides da comissio processante tém de ser registradas em ata, da qual deve constar 0 detalhamento das deliberacdes adotadas. Art, 233. Sempre que necessério, a comissdo processante deve dedicar tempo integral aos seus trabalhos, ficando seus membros dispensados dos trabalhos na repartico de origem, até a entrega do relatério final. Art. 234, Sao asseguradas passagens e didrias aos membros da comissdo e ao servidor acusado, nos casos de atos processuais serem praticados fora do territério da RIDE. CAPITULO V DAS FASES PROCESSUAIS SEGAOI DAS DISPOSIGOES GERAIS Art. 235. 0 processo disciplinar desenvolve-se nas seguintes fases: I+ instauragéo; II instrugdo; IL- defesa; IV- relatério; \V- julgamento, SEGAON DA INSTAURAGAO, ‘Art. 236. 0 processo disciplinar é instaurado pela autoridade competente, ‘Art. 237, Para a instauragao de processo disciplinar, deve constar dos autos: | a indicag3o da autoria, com nome, matricula e cargo do servidor; II- a materialidade da infragio disciplinar. Pardgrafo tinico. A instauracdo de processo disciplinar depende de ato publicado no Diario Oficial do Distrito Federal, do qual conste: | a comissio processante; I~ o numero do processo que contém as informacdes previstas no caput, |e Il. Art. 238. Instaurado 0 processo disciplinar, 0 servidor acusado deve ser citado para, se quiser, acompanhar o processo pessoalmente ou por intermédio de procurador. hp hww fazonda dt gourlaplicacoosoislacan gislaao/TelaSaidaD ocumento cfm xt um oro=B40&bxANG=20118ixtTipo=48itParo=, amar zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF § 12 A citagao deve ser acompanhada de cépia, eletrdnica ou em papel, das pegas processuais previstas no art. 237 e conter nimero do telefone, meio eletrénico para comunicacao, enderego, hordrio e dias de funcionamento da comissdo processante, § 220 servidor acusado que mudar de residéncia fica obrigado a comunicar & comissao processante 0 lugar onde pode ser encontrado, § 3° Estando o servidor acusado em local incerto ou néo sabido, a citacdo de que trata este artigo é feita por edital publicado no Diério Oficial do Distrito Federal e em jornal de grande circulago no Distrito Federal. § 42 Se, no prazo de quinze dias contados da publicacao de que trata o § 32, o servidor acusado nao se apresentar & comissio processante, a autoridade instauradora deve designar defensor dativo, para acompanhar 0 proceso disciplinar enquanto 0 servidor acusado nio se apresentar. SEGAO II DA INSTRUGAO Art, 239. Na fase da instrucao, a comissao processante deve promover tomada de depoimentos, acareacées, InvestigacBes e dilig&ncias cabivels, objetivando a coleta de prova, recorrendo, quando necessatio, a técnicos e peritos, de modo a permitir a completa elucidagao dos fatos. ‘Art, 240. Para a producao de provas, a comissao processante pode, de oficio ou a requerimento do servidor acusado: 1 tomar depoimentos de testemunhas; II fazer acareagées; IIL colher provas documentais; IV- colher provas emprestadas de processos administrativos ou judiciais; \V- proceder & reconstitui¢ao simulada dos fatos, desde que ndo ofenda a moral ou os bons costumes; VI- solicitar, por intermédio da autoridade competente: a) realizagdo de buscas e apreensdes; b) informagées & Fazenda Piblica, na forma autorizada na legislacdo; ) quebra do sigilo bancério ou telefénico; €) acesso aos relatérios de uso feito pelo servidor acusado em sistema informatizado ou 2 atos que ele tenha praticado; e) exame de sanidade mental do servidor acusado ou indiciado; Vil- determinar a realizagao de pericias; Vill- proceder ao interrogatério do servidor acusado, § 1° O presidente da comisséo processante, por despacho fundamentado, pode indeferir: 1 pedidos considerados impertinentes, meramente protelatérios, ou de nenhum interesse para o esclarecimento dos fatos; I1- pedido de prova pericial, quando a comprovagio do fato independer de conhecimento especial § 29 Sao classificados como confidenciais, identificados pela comissio processante e autuados em autos apartados, os documentos: I+ de cardter sigiloso requeridos pela comissdo processante ou a ela entregues pelo servidor acusado ou indiciado; II- sobre a situagao econémica, financeira ou patrimonial do servidor acusado ou indiciado; IiL- sobre as fontes de renda do servidor acusado ou indiciado; IV- sobre os relacionamentos pessoais do servidor acusado ou indiciado. § 3 Os documentos de que trata o § 22 sao de acesso restrito: 1 aos membros da comisséo processante; II a0 servidor acusado ou ao seu procurador; IIL aos agentes piblicos que devam atuar no processo. § 42 Os documentos em idioma estrangeiro trazidos aos autos pela comisso processante devem ser traduzidos para a lingua portuguesa, dispensada a traducao juramentada, se ndo houver controvérsia relevante para o julgamento da infragao disciplinar. Art. 241. As testemunhas so intimadas a depor mediante mandado expedido pelo presidente da comissio processante, devendo a segunda via, com o ciente do interessado, ser anexada aos autos. § 12 Se a testemunha for servidor puiblico, a expedicéo do mandado deve ser comunicada ao chefe da repartigdo onde tem exercicio, com a indicago do dia e da hora marcados para inquiri¢So. htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, a7 zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF § 2° A auséncia injustificada de servidor puiblico devidamente intimado como testemunha deve ser comunicada a autoridade competente, para apuracao de responsabilidade. Art. 242. 0 depoimento de testemunha ¢ feito oralmente, sob compromisso, e reduzido a termo, ndo sendo licito a testermunha trazé-lo por escrito. § 12 As testemunhas sao inquiridas separadamente. § 22 Na hipétese de depoimentos contraditérios ou que se infirmem, pode-se proceder a acareaco entre os depoentes, § 38 0 servidor acusado, seu procurador ou ambos podem assistir a inquiri¢do das testemunhas, sendo- Ihes: {+ vedado interferir nas perguntas e nas respostas; II facultado reinquiri-as, por intermédio do presidente da comissao processante. Art, 243, Concluida a inquirisio das testemunhas e a coleta das demais provas, a comissdo processante deve promover o interrogatério do servidor acusado, observados os procedimentos previstos nos arts. 241 e 242. § 1° No caso de mais de um servidor acusado, 0 interrogatério é feito em separado e, havendo divergéncia entre suas declaracées sobre fatos ou circunstancias, pode ser promovida a acareaclo entre eles § 2° O nao comparecimento do servidor acusado ao interrogatério ou a sua recusa em ser interrogado no obsta o prosseguimento do processo, nem é causa de nulidade. § 3° 0 procurador do servidor acusado pode assistir ao interrogatorio, sendo-Ihe vedado interferir nas perguntas e nas respostas, facultando-se-Ihe, porém, propor perguntas, por intermédio do presidente da comissio processante, apds a inquirigdo oficial. ‘Art. 244. Encerrada a instrucio e tipificada a infragio disciplinar, deve ser formulada a indiciago do servidor, com a especificacdo dos fatos a ele imputados e das respectivas provas. § 12 Nao cabe a indiciaco do servidor se, com as provas colhidas, ficar comprovado que: 1+ no houve a infragao disciplinar; II 0 servidor acusado nao foi o autor da infracio disciplinar; Ill a punibilidade esteja extinta. § 28 Ocorrendo a hipétese do § 12, a comisso processante deve elaborar o seu relatério, concluindo pelo arquivamento dos autos. SEGAO IV DA DEFESA Art. 245, O servidor, uma vez indiciado, deve ser intimado pessoalmente por mandado expedido pelo presidente da comissao processante para apresentar defesa escrita, no prazo do art. 250, § 19 A citago de que trata o art. 238, § 12, ndo exclui o cumprimento do disposto neste artigo. § 22 No caso de recusa do servidor indiciado em apor o ciente na cépia da intimagao, 0 prazo para defesa conta-se da data deciarada, em termo préprio, pelo membro ou secretério da comissao processante que fez a intimacao, com a assinatura de duas testemunhas. Art. 246, Quando, por duas vezes, o membro ou o secretario da comissao processante houver procurado o servidor indiciado, em seu domictlio, residéncia, ou reparticdo de exercicio, sem 0 encontrar, deve, havendo suspeita de ocultacgo, intimar a qualquer pessoa da familia ou, em sua falta, 2 qualquer vizinho, que voltaré em dia e hora designados, a fim de efetuar a intimagao. § 12 No dia e hora designados, 0 membro ou o secretério da comisso processante deve comparecer a0 domicilio ou & residéncia do servidor indiciado, a fim de intimé-o. § 28 Se 0 servidor indiciado nao estiver presente, o membro ou o secretério da comisséo processante deve: | informar-se das razdes da auséncia e dar por feita a citagSo, lavrando de tudo a respectiva certidao; I~ deixar cépia do mandado de intimaco com pessoa da familia do servidor indiciado ou com qualquer vizinho, conforme o caso, declarando-lhe o nome. ‘Art. 247. Junto & intimacdo para apresentar a defesa escrita, deve ser apresentada ao servidor acusado cépia da indiciagao ‘Art. 248, O servidor indiciado que se encontrar em lugar incerto e no sabido deve ser intimado por edital para apresentar defesa § 12 O edital de citacdo deve ser publicado no Diério Oficial do Distrito Federal e em jornal de grande circulagdo no Distrito Federal. § 2° Na hipétese deste artigo, 0 prazo para defesa é de quinze dias, contados da ultima publicagéo do edital htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, 47 zana2017 Lit Complemertar 810-11 - Disa sobre oragime rico dos sarvidces pics cvs do OF ‘Art. 249. Considera-se revel o servidor indiciado que, regularmente intimado, no apresentar defesa no prazo legal. § 1° A revelia deve ser declarada em termo subscrito pelos integrantes da comissdo processante nos autos do proceso disciplinar. § 22 Para defender o servidor revel, a autoridade instauradora do proceso deve designar um servidor estével como defensor dativo, ocupante de cargo de nivel igual ou superior ao do servidor indiciado, preferencialmente com formacio em Direito, ‘Art. 250. 0 prazo para apresentar defesa escrita é de dez dias. § 12 Havendo dois ou mais servidores indiciados, 0 prazo é comum e de vinte dias. § 29 0 prazo de defesa pode ser prorrogado pelo dobro, para diligéncias reputadas indispenséveis. ‘Art. 251. Cumpridas eventuais diligéncias requeridas na defesa escrita, a comissao processante deve declarar encerradas as fases de instrugao e defesa, Pardgrafo Unico. A comissio pode alterar a indiciagao formalizada ou propor a absolvicao do servidor acusado em funcao dos fatos havidos das diligéncias realizadas. SEGAOV DO RELATORIO ‘Art, 252, Concluida a instrugdo e apresentada a defesa, a comissio processante deve elaborar relatério circunstanciado, do qual constem: 1+ as informagées sobre a instauragio do processo; II- 0 resumo das pecas principais dos autos, com especificago objetiva dos fatos apurados, das provas colhidas e dos fundamentos juridicos de sua convic¢do; IIL a conclusdo sobre a inocéncia ou responsabilidade do servidor indiciado, com a indicagao do dispositivo legal ou regulamentar infringido, bem como as circunsténcias agravantes ou atenuantes; IV- a indicagdo da sancdo a ser aplicada e do dispositivo desta Lei Complementar em que ela se encontra ‘Art. 253. A comissao processante deve remeter a autoridade instauradora os autos do proceso disciplinar, com o respectivo relatério. Art. 254, Na hipétese de o relatério concluir que a infracdo disciplinar apresenta indicios de infragao penal, a autoridade competente deve encaminhar cépia dos autos ao Ministério Piblico. SEGAO VI DO JULGAMENTO ‘Art. 255. Salvo disposicao legal em contrério, 0 julgamento do processo disciplinar e a aplicacéo da sangdo disciplinar, observada a subordinacao hierérquica ou a vinculac3o do servidor, séo da competéncia: |= no Poder Legislativo, do Presidente da Camara Legislativa ou do Tribunal de Contas; II~ no Poder Executivo: a) do Governador, quando se tratar de demissio, destituicao de cargo em comissao ou cassagio de aposentadoria ou disponibilidade; b) de Secretdrio de Estado ou autoridade equivalente, quando se tratar de suspensao superior a trinta dias ou, ressalvado o disposto na alinea a, das demais sangSes a servidor que a ele esteja imediatamente subordinado; ¢) de administrador regional, dirigente de drgo relativamente auténomo, subsecretério, diretor regional ou autoridade equivalente a que o servidor esteja mediata ou imediatamente subordinado, quando se tratar de sancao nao compreendida nas alineas a e b, § 12 No caso de servidor de autarquia ou fundacao do Poder Executivo, o julgamento do processo disciplinar e a aplicacdo da sancdo disciplinar sdo da competéncia: |- do Governador, quando se tratar de demissio, destituigo de cargo em comisséo ou cassacio de aposentadoria ou disponibilidade; II do respectivo dirigente maximo, quanto se tratar de sanc3o disciplinar no compreendida no inciso | deste pardgrafo. § 2° No caso de servidor de conselho ou outro drgéo de deliberacio coletiva instituido no Poder Executivo, o julgamento do processo disciplinar e a aplicago da sang disciplinar so da competéncia: | do Governador, quando se tratar de demissio, destituico de cargo em comissdo ou cassago de aposentadoria ou disponibilidade; II de Secretério de Estado ou autoridade equivalente a cuja Secretaria de Estado o conselho ou o 6reso esteja vinculado, quando se tratar de suspenséo; htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, 4047 zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF IiL- do respectivo presidente, quando se tratar de adverténcia. § 3° A competéncia para julgar 0 processo disciplinar regula-se pela subordinagio hierdrquica existente nna data do julgamento. § 42 Da decislo que aplicar sangdo de adverténcia ou suspensio cabe recurso hierérquico, na forma do art. 171, vedado 0 agravamento da sancao. Art. 256. No prazo de vinte dias, contados do recebimento dos autos do processo disciplinar, a autoridade competente deve proferir sua decisio. § 12 Sea sangdo a ser aplicada exceder a algada da autoridade instauradora do processo disciplinar, este deve ser encaminhado a autoridade competente para decidir no mesmo prazo deste artigo. § 2° Havendo mais de um servidor indiciado e diversidade de sangdes propostas no relatério da comiss3o processante, o julgamento e a aplicago das sangGes cabe a autoridade competente para a imposi¢o da sancao mais grave, § 32 O julgamento fora do prazo legal néo implica nulidade do processo, observada a prescri¢ao. § 4° A autoridade que der causa & prescri¢do de que trata o art. 208 pode ser responsabilizada na forma do Capitulo | do Titulo VL Art, 257. A autoridade julgadora deve decidir, motivadamente, conforme as provas dos autos, § 1° A autoridade julgadora pode converter o julgamento em diligéncia para repeti¢ao de atos processuais ou coleta de novas provas, caso seja necessério para a elucidacao completa dos fatos. § 22 Em caso de divergéncia com as conclusées do relatério da comissdo processante, a autoridade julgadora pode agravar a sancio disciplinar proposta, abrandé-la ou isentar 0 servidor de responsabilidade. § 3° A autoridade competente para aplicar a sancdo disciplinar mais grave ¢ também competente para aplicar sancio disciplinar mais branda ou isentar o servidor de responsabilidade, nas hipoteses previstas no § 22. § 42 Se discordar da proposta de absolvicao ou da inocéncia do servidor acusado nao anteriormente indiciado, a autoridade julgadora deve designar nova comisso processante para elaborar a indiciagdo e praticar os demais atos processuais posteriores, § 5° Verificada a existéncia de vicio insandvel, a autoridade julgadora deve declarar a nulidade total ou parcial do processo disciplinar e ordenar, conforme o caso: I+ a realizagao de diligénci lI a reabertura da instrucdo processual; Ill= a constituigao de outra comisséo processante, para instauragio de novo processo. § 62 Os atos ndo contaminados pelo vicio devem ser reaproveitados. § 72 Nenhum ato ¢ declarado nulo, se da nulidade nao resultar prejuizo para a apuracdo dos fatos, para a defesa ou para a conclusso do proceso. § 8° O vicio a que 0 servidor acusado ou indiciado tenha dado causa no obsta o julgamento do processo. Art, 258, 0 ato de julgamento do processo disciplinar deve: I+ mencionar sempre o fundamento legal para imposi¢ao da penalidade; II indicar a causa da sanco disciplinar; IIL ser publicado no Diario Oficial do Distrito Federal CAPITULO VI DA REVISAO DO PROCESSO Art. 259. 0 processo disciplinar pode ser revisto, a qualquer tempo, a pedido ou de oficio, quando forem aduzidos fatos novos ou circunstancias no apreciadas no processo originario, suscetiveis de justificar a inocéncia do servidor punido ou a inadequacao da sancao disciplinar aplicada, observado o disposto no art. 175, IL § 12 Em caso de falecimento, auséncia ou desaparecimento do servidor, qualquer pessoa da familia pode requerer a reviséo do processo. § 2° No caso de incapacidade mental do servidor, a revis8o pode ser requerida pelo respectivo curador. § 32 A simples alegacdo de injustica da sanco disciplinar aplicada nao constitu fundamento para a § 42 Nao é admitido pedido de reviséo quando a perda do cargo ptiblico ou a cassaco de aposentadoria decorrer de decisdo judicial. Art. 260. No processo revisional, o énus da prova cabe ao requerente, htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, ar zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF Pardgrafo nico. Na petigao inicial, o requerente deve pedir dia e hora para produgao de provas e Inquirigdo das testemunhas que arrolar. Art. 261. 0 requerimento de revisdo do proceso deve ser dirigido, conforme o caso, & autoridade administrativa que julgou, originariamente, o processo disciplinar. § 12 Autorizada a revisdo, 0 pedido deve ser encaminhado ao dirigente do drgdo, autarquia ou fundacao onde se originou o processo disciplinar, para providenciar a constituicao de comissao revisora, observadas, no que couber, as disposigdes dos arts. 229 a 234. § 22 Nao pode integrar a comissao revisora o servidor que tenha atuado na sindicdncia ou no proceso disciplinar cujo julgamento se pretenda revisar. Art. 262. A revisio corre em apenso ao processo originério, Art, 263. A comissio revisora tem o prazo de sessenta dias para a conclusio dos trabalhos, Art. 264. Aplicam-se aos trabalhos da comissdo revisora, no que couber, as normas e procedimentos do Capitulo V. Art. 265. A competéncia para julgamento do pedido de revisio é da autoridade administrativa que aplicou, originariamente, a sangao disciplinar. Pardgrafo nico. O prazo para julgamento é de vinte dias, contados do recebimento dos autos do processo disciplinar, durante o qual a autoridade julgadora pode determinar diligéncias. Art. 266, Julgada procedente a revisdo, serd declarada sem efeito a penalidade aplicada § 12 Se a conclusio sobre o pedido de revisdo for pela inocéncia do servidor punido, deve ser declarada sem efeito a sanco disciplinar aplicada, restabelecendo-se todos os direitos do servidor, exceto em relagdo & destituicao de cargo em comisséo, que deve ser convertida em exoneracao. § 28 Se a conclusio sobre o pedido de revisdo for pela inadequacao da san¢o disciplinar aplicada, deve- se proceder & nova adequacao, restabelecendo-se todos os direitos do servidor naquilo que a sangio disciplinar aplicada tenha excedido. Art. 267. Da reviso do processo nao pode resultar agravamento de sango disciplinar. TITULO Vill DA SEGURIDADE SOCIAL DO SERVIDOR CAPITULO! DAS DISPOSIGOES GERAIS Art, 268. A seguridade social do servidor piiblico distrital compreende um conjunto integrado de ages destinadas a assegurar direitos relativos 8 satide, 8 previdéncia e & assisténcia social. Art. 269. A previdéncia social destina-se exclusivamente aos servidores ocupantes de cargo de provimento efetivo, na forma prevista na Constituicdo Federal e em lei complementar especifica. Art. 270, A assisténcia social deve ser prestada na forma da legislago especifica e segundo os programas patrocinados pelo érgdo, autarquia ou fundacéo. CAPITULO I DA ASSISTENCIA A SAUDE SECAO! DAS DISPOSIGOES GERAIS Art. 271. A assisténcia a satide do servidor ativo ou inativo, de seu cénjuge, companheiro, dependentes € do pensionista compreende a assisténcia médica, hospitalar, odontol6gica, psicologica e farmacéutica e prestada: 1+ pelo Sistema Unico de Sate; II- diretamente pelo servico de satide do érgo, autarquia ou fundacio a que o servidor estiver vinculado; IIL- pela rede privada de satide, mediante credenciamento por convénio, na forma estabelecida em lei ou regulamento; IV- na forma de auxilio, mediante ressarcimento parcial do valor despendido com pianos ou seguros privados de assisténcia a sade, na forma estabelecida em regulamento. Art. 272. 0 servidor deve ser submetido a exames médicos periddicos gratuitos, nos termos e condigées definidos em regulamento. SEGAOM DA LICENGA MEDICA E DA LICENGA ODONTOLOGICA htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, a7 zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF A patti xtordia; me dontolgics tese-emauntiodcenca; NOVA REDAGAO DADA AO ART. 273 PELA LEI COMPLEMENTAR N° 922. DE 29/12/2016 - DODF DE 30/12/2016 - SUPLEMENTO-A. Art, 273, Pode ser concedida licenca médica ou odontolégica para o servidor tratar da prépria saiide, sem prejuizo da remuneracio ou do subsidio. § 1° Apds 24 meses consecutivos de licenca para tratamento de saide, ou 24 meses cumulativos a0 longo do tempo de servico prestado ao Distrito Federal, em cargo efetivo, em razdo da mesma doenca, 0 servidor deve ser submetido & pericia médica, que opinara pela possibilidade de retorno ao servico, pela readaptacdo ou pela aposentadoria por invalidez. § 22 Caso 0 servidor seja readaptado apés o periodo mencionado no § 12 e volte a se afastar em razdo da mesma doenga, deve ter seu quadro de satide analisado por Junta Médica Oficial. § 3° No caso de servidor sem vinculo efetivo com 0 Distrito Federal, suas autarquias ou fundagées, aplicam-se & licenga médica ou odontolégica as normas do regime geral de previdéncia social Art. 274, Alicenca de que trata o art. 273 depende de inspecao feita por médico ou cirurgido-dentista do setor de assisténcia a satide. § 1° Se necessatio, a inspecdo de que trata este artigo pode ser realizada onde o servidor se encontrar. § 29 O atestado de médico ou de cirurgido-dentista particular s6 produz efeitos depois de homologado pelo setor de assisténcia & satide do respectivo érgio, autarquia ou fundagdo. § 32 No caso de atestado de comparecimento a servicos médicos, odontolégicos ou laboratoriais, a auséncia ao servico restringe-se ao turno em que o servidor foi atendido. § 42 O atestado ou 0 laudo da junta médica ndo pode se referir ao nome ou natureza da doenca, salvo quando se tratar de lesdes produzidas por acidente em servico, doenca profissional ou qualquer das doencas especificadas na legislacao do regime préprio de previdéncia dos servidores publicos do Distrito Federal § 52 O atestado médico de até trés dias durante o bimestre do ano civil pode ser recebido pela chefia imediata, sem a homologacio do servico de sade. Art. 275. 0 servidor que apresentar indicios de lesGes organicas ou funcionais deve ser submetido & Inspegdo médica. Pardgrafo Gnico. A administragio publica deve adotar programas de prevencio a moléstia profissional Art. 276. 0 servidor acidentado em servico que necessite de tratamento especializado pode ser tratado em instituigao privada, as expensas do Distrito Federal. Pardgrafo Unico. O tratamento referido neste artigo constitui medida de excego e somente é admissivel quando inexistirem meios e recursos adequados em instituicao publica. SEGAO II DA READAPTAGAO Art. 277. Ao servidor efetivo que sofrer reduco da capacidade laboral, comprovada em inspecio médica, devem ser proporcionadas atividades compativeis com a limitacao sofrida, respeitada a habilitac3o exigida no concurso publico. Paragrafo nico. O servidor readaptado nio sofre prejuizo em sua remuneragio ou subsidio. TITULO IX CAPITULO UNICO DAS DISPOSIGOES FINAIS E TRANSITORIAS ‘Art. 278. 0 dia do servidor publico ¢ comemorado em vinte e oito de outubro. Art. 279. Podem ser instituidos os seguintes incentivos funcionais, além daqueles jé previstos nos respectivos planos de carreira: | prémio pela apresentago de ideias, inventos ou trabalhos que favorecam o aumento de produtividade e a redu¢o dos custos operacionais; II concessio de medalha, diploma de honra ao mérito, condecoragao e elogio. Art. 280, Aos prazos previstos nesta Lei Complementar, salvo disposicio legal em contrério, aplica-se 0 seguinte: htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, aur zavarot7 Let Complementar 840-11 - Dispée seb o regime juiica dos servidres pitas civis do OF | sua contagem é feita em dias corridos, excluindo:se o dia do comeco e incluindo-se 0 do vencimento, ficando prorrogado para o primeiro dia util seguinte o comeco ou 0 vencimento do prazo que cair em dia a) sem expediente; b) de ponto facultativo; c) em que a repartigio ficou fechada; d) cujo expediente foi encerrado antes do horério habitual; II pela interrupgéo, extingue-se a contagem do prazo jé feita e reinicia-se nova contagem a partir da data em que o prazo foi interrompido; IlL- durante a suspensao, a contagem do prazo fica paralisada, devendo ser retomada de onde parou na data em que cessar a causa suspensiva, § 12 Salvo disposicao legal em contrério, os prazos s80 continuos, ndo se interrompem, nao se suspendem, nem se prorrogam. § 28 Os prazos fixados em meses ou anos contam-se de data a data. § 38 Se no més do vencimento nao houver o dia equivalente ao do comeco do prazo, tem-se como termo 0 ultimo dia do més. Art. 281. Em razdo de nacionalidade, naturalidade, condigio social, fisica, imunoldgica, sensorial ou mental, nascimento, idade, escolaridade, estado civil, etnia, raca, cor, sexo, orientaco sexual, convicco religiosa, politica ou filoséfica, de ter cumprido pena ou de qualquer particularidade ou condicéo, 0 servidor nao pode: | ser privado de qualquer de seus direitos; II ser prejudicado em seus direitos ou em sua vida funcional; Ill softer discriminago em sua vida funcional ou pessoal; IV- eximir-se do cumprimento de seus deveres. Art. 282. Ao servidor publico civil so assegurados, nos termos da Constitui¢do Federal, o direito a livre associacao sindical e os seguintes direitos, entre outros, dela decorrentes: |= representago pelo sindicato, inclusive como substituto processual; II desconto em folha, sem dnus para a entidade sindical a que for filiado, do valor das mensalidades contribuigdes definidas em assembleia geral da categoria, ‘Art. 283. Para efeitos desta Lei Complementar, consideram-se da familia do servidor o cOnjuge ou 0 companheiro, os filhos e, na forma da legislacao federal sobre imposto de renda da pessoa fisica, os que forem seus dependentes econémicos. § 12 0 servidor pode requerer o registro em seus assentamentos funcionais de qualquer pessoa de sua familia, § 22 A dependéncia econémica deve ser comprovada, por ocasiéio do pedido, e a sua comprovacgo deve ser renovada anualmente, na forma do regulamento. § 3° Equiparam-se 8 condico de companheira ou companheiro os parceiros homoafetivos que mantenham relacionamento civil permanente, desde que devidamente comprovado. Art. 284. As orientagdes normativas para a uniformizago dos procedimentos de aplicagdo desta Lei Complementar sao formuladas, no Poder Executivo, pelo érgao central do sistema de: |= correicio, sobre questées atinentes ao regime, & sancdo e ao processo disciplinar, sem prejuizo das competéncias de corregedorias especificas; II pessoal, sobre as questées nao compreendidas no inciso | Art. 285. As disposigdes desta Lei Complementar no alteram a jornada de trabalho vigente na data de sua publicagdo, no extinguem direitos adquiridos, nem direitos ou deveres previstos em lei especial. ‘Art. 286. Até que lei especifica fixe 0 valor do auxilio-alimentaco previsto no art. 111, ficam mantidos os valores pagos na forma da legislacao vigente até a data de publicacio desta Lei Complementar. Art. 287. Fica mantido, com os respectivos efeitos, o tempo de servico regularmente averbado na forma da legislacao anterior & publicacdo desta Lei Complementar. ‘Art. 288. Ficam mantidas, até sua adequacio as disposicdes desta Lei Complementar, as normas regulamentares expedidas com base na legislaco anterior, exceto naquilo que conflitarem com esta Lei Complementar. Art. 289. 0 décimo terceiro salério, previsto nesta Lei Complementar, substitui a gratificago natalicia prevista na Lei n® 3.279, de 31 de dezembro de 2003. Art, 290, As remiss6es feitas na legislacdo distrital a dispositivo da Lei federal n® 8,112, de 11 de dezembro de 1990, ou a dispositivos das leis revogadas por esta Lei Complementar consideram-se feitas as disposigBes correspondentes desta Lei Complementar. htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, awiar zana2017 Let Complementar 840-11 - Dispée seb o regime juiica dos servidres pitas civis do OF Art, 291. A Lei Complementar n° 769, de 30 de junho de 2008, passa a vigorar com as seguintes alteragaes: At 12. en § 39 Aplicam-se subsidiariamente as disposicdes desta Lei Complementar as normas do regime juridico dos servidores publicos civis do Distrito Federal. Art. 12. oe § 19 A dependéncia econdmica do conjuge e dos filhos indicados no inciso IV é presumida, e a das pessoas indicadas nos incisos | a Ill deve ser comprovada § 2° Aexisténcia de dependente indicado no inciso IV exclui do direito ao beneficio os indicados nos incisos 1a Il Art. 18. A aposentadoria por invalidez é devida ao segurado que, estando ou no em gozo de auxilio- doenca, for considerado incapaz de readaptacao para o exercicio das atribuigdes do cargo, de forma compativel com a limitacao que tenha sofrido, e deve ser paga, com base na legislacao vigente, a partir da data da publicasio do respectivo ato e enquanto o servidor permanecer nessa condigao. § 9° O servidor aposentado com provento proporcional ao tempo de contribuicéo, se acometido de qualquer das moléstias especificadas no § 52, deve passar a perceber provento integral, calculado com base no fundamento legal de concesséo da aposentadoria. § 10. A doenca, leso ou deficiéncia de que o servidor puiblico era portador ao ingressar no cargo puiblico no Ihe confere o direito & aposentadoria por invalidez, salvo quando sobrevier incapacidade por motivo de progressio ou agravamento das causas de deficién Art. 24. 0 segurado em gozo de auxilio-doenca, insusceptivel de readaptacio, deve ser aposentado por invalidez, Art. 29, § 32 A pensdo deve ser concedida ao dependente que se habilitar. § 48 A concessao da pensdo nao pode ser protelada pela falta de habilitacdo de outro possivel dependente. § 52 0 cOnjuge ausente nao exclui do direito 4 pensdo por morte o companheiro ou a companheira. § 62 A habilitacdo posterior que importe incluso ou exclusdo de dependente s6 produz efeitos a contar da data da habilitagao. Art. 30. As pensdes distinguem-se, quanto & natureza, em vitalicias e temporérias. § 12 A pensdo vitalicia é composta de cota ou cotas permanentes, que somente se extinguem ou revertem com a morte do pensionista. § 2 A pensdo temporaria é composta de cota ou cotas que podem se extinguir ou reverter por motivo de morte, cessaco de invalidez ou maioridade do pensionista. Art. 30-A. Sao beneficidrios da pensio: I vitalicia: a) 0 conjuge; b) a pessoa separada judicialmente, divorciada ou cuja unio estavel foi legal mente dissolvida, com percepcao de pensdo alimenticia; c) 0 companheiro ou companheira que comprove unido estvel; 4) a mae ou 0 pai com percepgao de pensdo alimenticia; I~ temporaria: 2) o filho ou 0 enteado até completar vinte e um anos de idade, ou, se invalidos, enquanto durar a invalidez; b) o menor sob tutela; c) 0 irmao nao emancipado até completar vinte e um anos de idade, ou, se invalido, enquanto durar a invalidez, que perceba pensdo alimenticia. Pardgrafo tnico. € vedada a concesséo de pensto vitalica: |= a0 beneficidrio indicado no inciso I, c, se houver benefi Il- a mais de um companheiro ou companheit Art, 30-8, O valor da pensao, calculado na forma do art. 29, deve ser rateado entre os habilitados de modo a individualizar a cota a que cada beneficiario faz jus. § 12 Nao havendo dependentes previstos no art. 30-A, I,b ou d, ou no art. 30-A, Ic, deve-se observar, no calculo da cota de cada pensionista, o seguinte: rio indicado no inciso |, a; htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, 4847 zavarot7 Let Complementar 840-11 - Dispée seb o regime juiica dos servidres pitas civis do OF |= havendo apenas um pensionista habilitado, o valor da cota corresponde ao valor da penso; II ocorrendo habilitac3o as pensées vitalicia e temporéria, metade do valor cabe aos habilitados & pensio vitalicia; a outra metade, aos habilitados & pensdo temporéria. § 28 Havendo dependentes previstos no art. 30-A, |, b ou d, ou no art. 30-A, Il, c, aplica-se o seguinte: |= a cota desses dependentes ¢ calculada de modo proporcional ao valor da pensdo alimenticia percebida, tendo como base para célculo 0 valor total da pensio; II a cota dos demais dependentes, se houver, deve ser calculada na forma do § 12, tendo como base para cdlculo o saldo do valor da penso que remanescer apés deduzir a cota de que trata o inciso I deste pardgrafo. § 38 O valor apurado na forma do § 28, |, fica limitado pela cota devida a cada beneficiério da penséo vitalicia ou da pensdo temporaria Art, 30-C. A cota do pensionista que perdeu essa qualidade reverte-se, exclusivamente, para seu ascendente, descendente ou irmao que também seja pensionista do mesmo instituidor de pensio. Art. 30-D. Ressalvado o direito de opcdo, é vedada a percepo cumulativa de mais de duas pensdes ppagas por regime prdprio de previdéncia social Art, 292. (VETAD 0}. ‘Art, 293. Esta Lei Complementar entra em vigor no dia 12 de janeiro de 2012. Art. 294, Ficam revogadas as disposic&es em contrério, deixando de ser aplicadas, no Distrito Federal, a Lei federal n? 8.112, de 11 de dezembro de 1990, e a Lei federal n° 8.647, de 13 de abril de 1993, ‘Art. 295. Salvo as disposigdes aplicdveis aos empregados das empresas publicas ou sociedades de economia mista, ficam expressamente revogados: I art. 42 da Lei n2 39, de 6 de setembro de 1989; II- art. 12 da Lei n? 51, de 13 de novembro de 1989; IIL art, $® da Lei 64, de 14 de dezembro de 1989; IV- art. 13, da Lei 68, de 22 de dezembro de 198: V- art. 11 da Lei 88, de 29 de dezembro de 1989; VI- art. 12 da Lei n® 119, de 16 de agosto de 1990; VII- art. 42 da Lei n? 125, de 29 de outubro de 1990; VIII- arts. 12, 13 19 da Lei n® 159, de 16 de agosto de 1991; IX- arts, 42 e 5# da Lei n® 197, de 4 de dezembro de 1991; X- art. 42 da Lei n® 211, de 19 de dezembro de 199: XI- art. 3° da Lei n? 948, de 30 de outubro de 1995; XIl- arts. 3% e 42 da Lei n® 1.141, de 10 de julho de 1996; XIII arts, 18, 28, 32, 5% e 62 da Lei n® 1.864, de 19 de janeiro de 1998; XIV- art. 42 da Lei n® 2.911, de 5 de fevereiro de 2002; XV- art. 42 da Lei n® 4.381, de 28 de julho de 2009; XVI- Lein® 34, de 13 de julho de 1989; XVII - Lei n? 160, de 2 de setembro de 1991; XVIII- Lei n? 221, de 27 de dezembro de 1991; XIX- Lei n® 237, de 20 de janeiro de 1992; XX- Lei n® 463, de 22 de junho de 1993; XXI- Lei n? 786, de 7 de novembro de 1994; XXII Lein? 921, de 19 de setembro de 1995; XXIll- Lei n® 988, 18 de dezembro de 1995; XxIV= Lei n® 1,004, de 9 de janeiro de 1996; XXV- Lei n® 1.136, de 10 de julho de 1996; XXVI- Lein® 1,139 de 10 de julho de 1996; XXVII- Lei n® 1,303, de 16 de dezembro de 1996; XXVIII Lei n® 1.370, de 6 de janeiro de 1997; XXIX- Lein® 1,448, de 30 de maio de 1997; XxX- Lei n® 1,569, de 15 de julho de 1997; XXXI- Lei n? 1.752, de 4 de novembro de 1997; XXXII Lei n® 1.784, de 24 de novembro de 1997; XXXIll- Lei n® 1,799, de 23 de dezembro de 1997; htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, 4647 zaw2017 Lei Complementar 840-11 - Dispie sobre o regime ursico dos servidorespiblicos civis do DF XXXIV - Lei n® 1,836, de 14 de janeiro de 1998; XXXV- Lei n® 2.107, de 13 de outubro de 1998; XXXVI- Lei n® 2.122, de 12 de novembro de 1998; XXXVII~ Lei n® 2.226, de 31 de dezembro de 1998; XXXVIII- Lei n® 2.469, de 21 de outubro de 1999; XXXIX- Lei n? 2.663, de 4 de janeiro de 2001; XL- Lein® 2.674, de 11 de janeiro de 2001; XLI- Lein® 2.895, de 23 de janeiro de 2002; XLII- Lein® 2.944, de 17 de abril de 2002; XLII ~ Lei n® 2.963, de 26 de abril de 2002; XUV Lein® 2.966, de 7 de maio de 2002; XUV- Lei n® 2.971, de 7 de maio de 2002; XIVI- Lei n? 2,992, de 11 de junho de 2002; XIVII- Lei n® 3.279, de 31 de dezembro de 2003; XIVIII- Lei n® 3.289, de 15 de janeiro de 2004; XUX~ Lei n® 3.389, de 6 de julho de 2004; L- Lei n® 3.494, de 8 de dezembro de 2004; L- Lei n® 3.558, de 18 de janeiro de 2005; LiI- Lei n® 3.577, de 12 de abril de 2005; Lill - Lei n® 3.648, de 4 de agosto de 2005; LIV- Lein® 3.692, de 8 de novembro de 2005; LV- Lei n® 3.855, de 22 de maio de 2006; vI- Lei n® 3.894, de 12 de julho de 2006; vil Lei n? 4.477, de 1° de junho de 2010. Brasilia, 23 de dezembro de 2011 1242 da Repubblica e 528 de Brasilia AGNELO QUEIROZ Fechar htpdhwww fazenda dl govbriapicaconselslacaal egislacad/TelaSaidaD acumeta cfm 2xNum ero=B408DxANo=20118txtTipo=4ttPart=, amar