Você está na página 1de 9

PORTUGUÊS

UNEC
UNEC

UNIDADE DE ENSINO: PORTUGUÊS APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

Os conhecimentos em Língua Portuguesa sempre foram essenciais para qualquer pessoa se estabelecer no mercado de trabalho. Através da disciplina PORTUGUÊS pretende-se auxiliar os discentes quanto a alguns aspectos da gramá- tica tradicional, essenciais para o domínio do idioma, bem como oportunizar o domí- nio e o uso da língua em termos de sua estruturação frasal, pautando-se nas novas regras determinadas pelo acordo ortográfico da língua portuguesa. Pretende-se, também, reconhecer a necessidade de compreensão da Língua Portuguesa, desde a sua formação histórica, considerando-se a sua utilização na maioria das atividades humanas; demonstrar a necessidade da interdisciplinaridade do conhecimento, de modo a visualizar o profissional frente à diversidade de situa- ções com que poderá se confrontar na vida profissional, produzindo conhecimento à base do saber adquirido; oportunizar o aprimoramento nas atividades de leitura, compreensão, interpretação e produção de textos, de forma a assegurar aos discen- tes habilidades e competências no âmbito da escrita, seja ela formal ou informal, bem como o desenvolvimento de espírito crítico e visão científica, com o pleno co- nhecimento teórico, técnico e prático dos saberes afins à Língua Portuguesa.

Bom trabalho! Prof. MSc. Walter Zavatário walterzavatario.unec@gmail.com

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA NEAD/UNEC Prof. Walter Zavatário: walterzavatario.unec@gmail.com

Página 1

PORTUGUÊS

UNEC
UNEC

CAPÍTULO 1: A LÍNGUA PORTUGUESA

1.1 Sua origem

Aula 01
Aula 01

A Língua Portuguesa tem sua origem no Latim Vulgar 1 que os romanos leva- ram para a Península Hispânica ou Ibérica 2 . Pouco se sabe sobre a história da Pe- nínsula e dos povos que habitaram aquela região antes da invasão dos romanos no século III a.C. Dentre os povos primitivos estão os seguintes:

Os iberos , povo agrícola e pacífico que habitou a região muitos sécu- los antes de iberos, povo agrícola e pacífico que habitou a região muitos sécu- los antes de Cristo;

Os celtas , de origem germânica, considerado como povo guerreiro, in- vadiram a Península, mesclando-se com celtas, de origem germânica, considerado como povo guerreiro, in- vadiram a Península, mesclando-se com os iberos ao longo dos sécu- los, dando origem aos Celtiberos;

Celtiberos. Séculos depois os fenícios, os gregos e os cartagineses estabeleceram colônias comerciais em vários pontos Séculos depois os fenícios, os gregos e os cartagineses estabeleceram colônias comerciais em vários pontos da Península.

Como os cartagineses pretendessem dominar totalmente a Península, no sé- culo III a.C os celtiberos chamaram os romanos para socorrê-los e impedir a expan- são de Cartago, que representava séria ameaça ao domínio do mundo mediterrâ- neo, pretendido por Roma.

1 O Latim Vulgar (Sermo Vulgaris): é a linguagem do povo que transmite espontaneamente suas ideias sem a preocupação de submeter a fala às normas gramaticais. Embora coexistindo com o La- tim Literário não constituíssem duas línguas diferentes, mas duas modalidades da mesma língua, corrente entre as diversas classes da sociedade romana: latim familiar (da classe média); latim ple- beu (da classe baixa); latim castrense (dos soldados); latim náutico (dos marinheiros); latim proletá- rio (dos operários) e latim rural (dos camponeses). 2 Península que se situa na parte mais ocidental da Europa e compreende dois países: Espanha e Portugal. É por vezes chamada Península Hispânica. 3 Aperte tecla Ctrl, clique no link e será direcionado.

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA NEAD/UNEC Prof. Walter Zavatário: walterzavatario.unec@gmail.com

Página 2

PORTUGUÊS

UNEC
UNEC

Em 197 a.C. as legiões romanas dominaram toda a Península, tornando-se província romana. Não se tratava simplesmente de uma conquista político ou militar, mas, acima de tudo, cultural, tendo em vista que paralelamente à sua conquista terri- torial, Roma ia realizando sua conquista linguística, com a imposição da língua latina aos povos vencidos, estabelecendo a romanização da Península. Assim, os romanos abriram escolas, construíram estradas, levantaram tem- plos, organizaram o comércio, o serviço de correio, tendo sido intransigentes na im- posição do uso da língua latina nas transações comerciais e nos atos oficiais e na organização do serviço militar obrigatório, também com o uso obrigatório do Latim. Com a queda do Império Romano e a eliminação dos elementos unificadores do idioma, o Latim Vulgar falado na Península Ibérica, já bastante modificado pela ação das diversas línguas dos povos vencidos, misturou-se com a primitiva língua dos Celtiberos, ou seja, do substrato linguístico. Com a imediata invasão dos povos bárbaros (vândalos, suevos e visigodos) e germânicos, o Latim Vulgar transformou- se em vários dialetos independentes em cada região.

Figura 01 http://www.dayures.com.ar/Celtiberos.htm
Figura 01 http://www.dayures.com.ar/Celtiberos.htm

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA NEAD/UNEC Prof. Walter Zavatário: walterzavatario.unec@gmail.com

Página 3

PORTUGUÊS

UNEC
UNEC

1.2 Sua história

Aula 02
Aula 02

1.2.1 Povos de civilização pós-românica na Península Ibérica:

1.2.1.1 Bárbaros Germânicos No século V d.C: Alanos, Suevos, Visigodos, Vândalos; Ações dos Bárbaros na formação dos dialetos do Latim Vul- gar na Península Ibérica:

1. Causaram a dissolução da unidade política do Império; 2. Fecharam as escolas; 3. Extinguiram
1. Causaram a dissolução da unidade política do Império;
2. Fecharam as escolas;
3. Extinguiram a nobreza romana.

1.2.1.2 Árabes no século VIII d. C. invadiram a Península e sua língua passou a ser usada juntamente com o romanço (latim vulgar modifica- do), ficando a língua árabe limitada aos documentos e a pequena parte da população, os chamados moçarabes, embora muitas de suas pala- vras tenham entrado no romanço peninsular. O domínio árabe, embora tenha durado até o século XV (1492), não foi pacífico. E contra os muçulmanos sur- giram vários grupos de visigodos, auxiliados por guerreiros cristãos que lutaram na Ibéria contra os mouros. Dentre eles destacou-se D. Henrique de Borgonha, que recebeu de D. Afonso VI, Rei de Leão, a mão de sua filha D. Teresa e o

pequeno Condado Portucalense, originado da povoação mais importante, Portucale, si- tuado entre os rios Minho e Tejo, como re- compensa pela sua bravura e dedicação.

e Tejo, como re- compensa pela sua bravura e dedicação. Conde D. Henrique de Borgonha e

Conde D. Henrique de Borgonha e Dona Tereza de Leão.

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA NEAD/UNEC

PORTUGUÊS

UNEC
UNEC

D. Afonso Henriques, filho desse casal, estendeu os limites do território mais para o Sul e em 1140 fez a sua independência em rela- ção à Espanha, proclamando-se o primeiro Rei de Portugal.

O dialeto Galeziano era a língua falada nessa região, sendo que

após a fundação de Portugal passou a ser chamado GALAICO-

PORTUGUÊS, referindo-se à Galiza e Portugal.

1.3 Suas fases

Segundo Leite de Vasconcelos, a História da Língua Portuguesa pode ser di- vidida em três fases:

1ª Fase: Pré-Histórica começa com as origens da língua, indo até o século IX. Do século V ao IX, caracterizado pela ausência de documen- tos é chamado de romance lusitano; 2ª Fase: Proto-Histórica estendendo-se do século IX ao XII. Os documen- tos são redigidos em Latim Bárbaro, com algumas palavras por- tuguesas, tendo em vista que a língua já era falada, mas não era escrita; 3ª Fase: Histórica a partir do século XI, estendendo-se até os dias atuais.

1.3.1 Períodos da fase histórica:

1.3.1.1 1° Período Português arcaico do século XII ao século XVI.

É na língua GALAICO-PORTUGUÊS que foi escrito o primeiro

documento da nossa literatura, a Cantiga da Ribeirinha, por Paio

Soares de Taveirós, em 1.189, dedicada à D. Maria Paes Ribei-

ro, a Ribeirinha. A partir dessa data aparecem textos em poesia

e, posteriormente, em prosa. Em Cancioneiros podemos conhe-

cer as poesias trovadorescas e na prosa de cronistas como Fer- não Lopes, Gomes Eanes Zurara e Rui de Pina. Em 1290, D. Dinis, o Rei Trovador, torna obrigatório o uso da Língua Portu- guesa e funda em Coimbra a primeira Universidade.

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA NEAD/UNEC Prof. Walter Zavatário: walterzavatario.unec@gmail.com

Página 5

PORTUGUÊS

UNEC
UNEC

CANTIGA DA RIBEIRINHA

(ou de Guarvaya) Paio Soares de Taveirós (1189) No mundo non me sei parelha, mentre me for como me vay ca já moiro por vos e ay! mia senhor branca e vermelha, queredes que vos retraya quando vus eu vi em saya! Mao dia me levantei, Que vus enton non vi fea! E, mia senhor, desaqueldi ay me foi a mi muyn mal

e vos, filha de Don Paay

Moniz, e bem vus semelha

d aver eu por vos guarvaya

pois eu, mia senhor, d alfaya

nunca de vos ouve nem ei valia dua correa. (Cancioneiro da Ajuda)

(1) parelha = igual, semelhante;

(2) mentre = enquanto, entrementes;

(3) ca = pois, porque;

(4) retraya = retrate, evoque;

Leia a poesia e depois verifique o significado das pa- lavras logo abaixo.
Leia a poesia e
depois verifique o
significado das pa-
lavras logo abaixo.

(5) que vos enton non vi fea = que então eu vos vi linda;

(6) semelha = parece;

(7) guarvaya = manto escarlate dos reis.

1.3.1.2 2° Período Português modernodo século XVI até os dias atuais. No século XVI aconteceu um processo de

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA NEAD/UNEC Prof. Walter Zavatário: walterzavatario.unec@gmail.com

Página 6

PORTUGUÊS

UNEC
UNEC

aperfeiçoamento e enriquecimento linguístico, sob a in- fluência dos humanistas do Renascimento, quando os escritores voltaram à imitação dos modelos latinos, no esforço de aproximação da Língua Portuguesa do Latim. É o que podemos constatar com a obra de Luís de Ca- mões, Os Lusíadas, em 1572, considerado o maior mo- numento literário e linguístico da Língua Portuguesa.

mo- numento literário e linguístico da Língua Portuguesa. Os Lusíadas: Luiz de Camões Figura 03
Os Lusíadas: Luiz de Camões
Os Lusíadas: Luiz de Camões

Figura 03 http://literaturadecamoes.blogspot.com.br/2012/04/trecho-de-os-lusiadas- analisado.html

A gramaticalização do nosso idioma teve início ainda no século XVI, com a publicação, em 1536, da primeira gramática da Língua Portuguesa, escrita pelo Pe. Fernão de Oliveira, intitulada Gramática da Lingoagem Portugueza. E, em 1540, Jo- ão de Barros escreve a segunda gramática com o mesmo título da primeira.

a segunda gramática com o mesmo título da primeira. Figura 04 http://primeirasgramaticas.wordpress.com/page/3/

Figura 04

http://primeirasgramaticas.wordpress.com/page/3/

Figura 04 http://primeirasgramaticas.wordpress.com/page/3/ Figura 05

Figura 05

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Jo%C3%A3o_de_Barros.jpg

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA NEAD/UNEC

PORTUGUÊS

UNEC
UNEC
PORTUGUÊS UNEC MARQUE AS RESPOSTAS CORRETAS QUANTO ÀS ORIGENS DA LÍNGUA PORTUGUESA: 1. Pode-se dizer que

MARQUE AS RESPOSTAS CORRETAS QUANTO ÀS ORIGENS

DA LÍNGUA PORTUGUESA:

1. Pode-se dizer que o Latim falado na Península Ibérica já era dialetado pela se- guinte razão:

a) O Latim Clássico misturou-se com a língua primitiva dos Celtiberos, tornando- se um substrato da língua dos romanos.

b) O Romance Lusitano misturou-se com a língua dos árabes, tornando-se um substrato do Latim.

c) O Latim Vulgar misturou-se com a língua primitiva dos Celtiberos, tornando-se um substrato da língua dos romanos.

d) O Galaico Português misturou-se com a língua dos árabes, tornando-se um substrato do Latim.

2. O dialeto falado na região após a fundação de Portugal passou a ser chamado como:

a) Galaico-português.

b) Moçárabe.

c) Latim bárbaro.

d) Galeziano.

3. Na fase proto-histórica da língua portuguesa os documentos são redigidos na se- guinte língua:

a) Português arcaico, com algumas palavras árabes.

b) Latim bárbaro, com algumas palavras portuguesas.

c) Galeziano, com algumas palavras celtas.

d) Romance lusitano, com algumas palavras portuguesas.

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA NEAD/UNEC Prof. Walter Zavatário: walterzavatario.unec@gmail.com

Página 8

PORTUGUÊS

UNEC
UNEC

4. Marque a afirmativa correta quanto ao desenvolvimento da língua portuguesa:

a) No século XVI, sob a influência dos povos Ibéricos, houve um processo de aperfeiçoamento e enriquecimento linguísticos, voltando-se os escritores à imi- tação dos modelos latinos, e procurando aproximar a Língua Portuguesa à His- pânica.

b) No século XV, sob a influência dos germânicos, houve um processo de aperfei-

çoamento e enriquecimento linguísticos, voltando-se os escritores à imitação dos modelos alemães, e procurando aproximar a Língua Portuguesa ao Latim Vulgar.

c) No século XVII, sob a influência dos humanistas do Renascimento, houve um processo de aperfeiçoamento e enriquecimento linguísticos, voltando-se os es- critores à imitação dos modelos latinos, e procurando aproximar a Língua Por- tuguesa ao Latim.

d) No século XVI, sob a influência dos humanistas do Renascimento, houve um processo de aperfeiçoamento e enriquecimento linguísticos, voltando-se os es- critores à imitação dos modelos latinos, e procurando aproximar a Língua Por- tuguesa ao Latim.

5. Marque a opção incorreta:

a) A gramaticalização do nosso idioma aconteceu no século XV com a publicação, em 1536, da primeira gramática da Língua Portuguesa, pelo Pe. Fernão de Oli- veira, intitulada Gramática da Lingoagem Portugueza.

b) A obra literária que marcou o início da fase moderna da Língua Portuguesa foi Os Lusíadas, de Luís de Camões, em 1572.

c) A Língua Portuguesa foi tornada obrigatória por D. Dinis, em 1290.

d) O primeiro documento da Língua Portuguesa foi a Cantiga da Ribeirinha, es- crito em 1189.

Portuguesa foi a Cantiga da Ribeirinha, es- crito em 1189. NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA –

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA NEAD/UNEC Prof. Walter Zavatário: walterzavatario.unec@gmail.com

Página 9