Você está na página 1de 123

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO INDÚSTRIA GRÁFICA

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO INDÚSTRIA GRÁFICA
MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO INDÚSTRIA GRÁFICA
MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO INDÚSTRIA GRÁFICA
MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO INDÚSTRIA GRÁFICA
MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO INDÚSTRIA GRÁFICA
MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO INDÚSTRIA GRÁFICA
MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO INDÚSTRIA GRÁFICA
MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO INDÚSTRIA GRÁFICA

SESI – Serviço Social da Indústria DAM – Diretoria de Assistência Médica e Odontológica GSST – Gerência de Segurança e Saúde no Trabalho

Manual de Segurança e Saúde no Trabalho

INDÚSTRIA GRÁFICA

Coleção Manuais | 2006 | SESI-SP

©SESI – Departamento Regional de São Paulo

Departamento Regional de São Paulo

É proibida a reprodução total ou parcial desta publicação, por quaisquer meios, sem autorização prévia do SESI – SP

Conselho Regional

Outras publicações da Coleção Manuais:

Presidente

Indústria CalçadistaPaulo Skaf

Paulo Skaf

Indústria do VestuárioPresidente Indústria Calçadista Paulo Skaf Indústria Moveleira Indústria da Panificação Ficha

Indústria MoveleiraCalçadista Paulo Skaf Indústria do Vestuário Indústria da Panificação Ficha Catalográfica elaborada

Indústria da PanificaçãoPaulo Skaf Indústria do Vestuário Indústria Moveleira Ficha Catalográfica elaborada por Emilene da Silva Ribeiro

Ficha Catalográfica elaborada por Emilene da Silva Ribeiro CRB-8 / 6801

Serviço Social da Indústria – SESI. Diretoria de Assistência Médica e Odontológica – DAM. Gerência de Segurança e Saúde no Trabalho – GSST. Manual de segurança e saúde no trabalho. / Gerência de Segurança e Saúde no Trabalho. – São Paulo : SESI, 2006. 240 p.: il. color.; 28cm. – (Coleção Manuais ; Indústria Gráfica). Bibliografia: p. 230-236. Índice remissivo: p. 228-229. ISBN 85-98737-07-0.

I. Título. 1. Saúde ocupacional.

ISBN 85-98737-07-0. I. Título. 1. Saúde ocupacional. SESI – Serviço Social da Indústria Departamento

SESI – Serviço Social da Indústria Departamento Regional de São Paulo Av. Paulista, 1313 – São Paulo – SP PABX: (11) 3146-7000 www.sesisp.org.br

Diretoria de Assistência Médica e Odontológica Tel.: (11) 3146-7170 / 3146-7171

manual de segurança e saúde no trabalho Indústria Gráfica

Representantes das Atividades Industriais

Titulares Elias Miguel Haddad Fernando Greiber Luis Eulalio de Bueno Vidigal Filho Suplentes Nelson Abbud João Nelson Antunes Sylvio Alves de Barros Filho

Representante da Categoria Econômico das Comunicações

Ruy de Salles Cunha

Representante do Ministério do Trabalho e Emprego

Titular Márcio Chaves Pires Suplente Maria Elena Taques

Representante do Governo

Wilson Sampaio

SESI-SP

2

|

3

manual de segurança e saúde no trabalho Indústria Gráfica

SEGURANÇA E SAÚDE IMPRESSAS NAS ARTES GRÁFICAS

O conhecimento de seus colaboradores, somado à dedicação e à eficácia, constituem os principais aspectos

do patrimônio da empresa moderna. A rigor, o gerenciamento de pessoas é o mais importante item da

gestão de negócios. Assim, é básico cuidar da sua saúde e segurança. Não é para menos que a busca por

incorporar atenção nesses campos seja, cada vez mais, uma das preocupações dos empresários.

O

respeito aos recursos humanos está entre os principais itens da governança corporativa. E, em todo

o

mundo, surgem os programas de atendimento aos interesses dos trabalhadores. Educação alimentar,

exercícios, combate ao vício do fumo e do álcool, exames preventivos de saúde, hábitos adequados

no exercício das funções são, entre outros, alguns dos pontos aos quais o administrador empenha sua

melhor atenção.

Nessa direção, lançamos o Manual de Segurança e Saúde, cuja série vem contemplando os vários

segmentos industriais.

Esta edição, dirigida a Indústria Gráfica, atende aos interesses de 15.500 empresas, representando 2,6% do

PIB industrial brasileiro, que geram 202 mil empregos diretos. Um segmento industrial que, nos últimos dez

anos, investiu cerca de US$ 6 bilhões.

Que esta leitura contribua para que a Indústria Gráfica do Brasil avance, ainda mais, na qualidade de vida e

bem-estar dos seus colaboradores.

Paulo Skaf

Presidente da Fiesp

4

|

5

SUMÁRIO

Lista de Siglas e Abreviaturas

 

10

Lista de Figuras

 

13

Lista de Quadros

 

14

Lista de Gráficos

 

16

Apresentação .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

PARTE I – INTRODUÇÃO

 

1 Histórico .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

2 Tipificação .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

 

2

1 Pré-impressão.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

2

2

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

2

3 Pós-impressão

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

27

3 Riscos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

 

3

1 Físicos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

3

2 Químicos .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

3

3 Biológicos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

3

4 Ergonômicos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

31

3

5

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

32

PARTE II – ESTUDO DE CAMPO

 

4

Perfil das Empresas Pesquisadas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

36

 

4

1 Avaliação qualitativa dos riscos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

4

2 Avaliação quantitativa dos riscos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

4

3 Avaliação das condições gerais de saúde dos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

4

4 Resultados .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

42

 

4 4 1 Avaliação qualitativa dos riscos

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

42

manual de segurança e saúde no trabalho Indústria Gráfica

 

4

4 2 Avaliação quantitativa dos riscos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

45

4

4 3 Avaliação das condições gerais de saúde dos trabalhadores

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

49

4

5 Considerações finais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

63

PARTE III – PROGRAMAS E AÇÕES

 

5 Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

66

6 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA)

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

68

6

1 Estrutura .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

68

6

2 Etapas para constituição

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

69

6

3 Treinamento

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

72

6

4 Atribuições .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

73

6

4 1 Mapa de risco .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

74

 

6 4 1 1 Modelo de mapa de risco .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

84

6 4 1 2 Medidas recomendadas pela CIPA

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

85

7 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

86

7

1 Desenvolvimento .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

86

7

1 1 Antecipação e reconhecimento dos riscos ambientais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

87

7

1 2 Avaliação da exposição dos trabalhadores aos riscos ambientais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 102

7

1 3 Estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 113

7

1 4 Implantação de medidas de controle .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 113

7

2 Cronograma de atividades a serem executadas .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 134

7

3 Registro e divulgação dos dados

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 134

7

4 Responsabilidades

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 135

7

5 Considerações finais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 135

8 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO)

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 136

8

1 Identificação da empresa .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 137

8

2 Avaliação dos riscos ambientais .

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 137

6

|

7

8

3 Exames médicos e periodicidade .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 137

8

4 Atestado de Saúde Ocupacional (ASO)

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 146

8

5 Prontuário médico

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 148

8

6 Relatório anual

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 148

8

7 Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 151

8

8 Primeiros socorros

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 152

8

9 Planos de ações preventivas de doenças ocupacionais e não ocupacionais

.

.

.

.

.

.

.

.

.

. 153

8

10 Considerações

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.