Você está na página 1de 15

TEGMA anuncia crescimento de 11,8% da Receita Líquida e 10,3%

no EBITDAR no 2T09.

São Bernardo do Campo, 13 de Agosto 2009 – A Tegma Gestão Logística S.A., uma das maiores
provedoras de gestão logística do Brasil e líder no segmento de transporte de veículos 0km para a
indústria automotiva, apresenta seus resultados consolidados referentes ao segundo trimestre e ao
primeiro semestre de 2009. A Tegma é um provedor logístico integrado que atua no transporte,
armazenagem, controle e gestão de estoque e desenvolvimento de soluções logísticas em diversos
setores da economia, tais como automotivo, produtos químicos, combustíveis, agronegócio, papel e
celulose, refrigerados, telecomunicações, eletroeletrônicos, e informática. A Companhia oferece um
amplo portifólio de serviços logísticos. Atualmente possui 56 filiais no Brasil, 3.143 colaboradores
diretos, 3.880 equipamentos próprios e de terceiros e uma área total de 1.571 mil m2 em pátios.

DESTAQUES OPERACIONAIS E FINANCEIROS


Teleconferência de
Resultados do 2T09
Data: Sexta- Feira, A receita líquida consolidada atingiu R$282,0 milhões no
14 de Agosto de 2009 2T09, resultado 11,8% maior em relação ao 2T08. A receita
líquida no primeiro semestre de 2009 foi de R$526,0
> Português milhões, um aumento de 13,3% em comparação com o
11:00 (horário de Brasília)
10:00 (horário Nova York) primeiro semestre de 2008.
Tel.: +55 (11) 3013-5467
Replay: +55 (11) 2188-0188 O volume de veículos transportados no 2T09 apresentou
Código: Tegma
uma queda de 2,2% em relação ao mesmo período do ano
> Inglês anterior, atingindo 267,8 mil veículos. Nos primeiros seis
12:00 (horário de Brasília) meses de 2009 foram transportados 487,9 mil veículos,
11:00 (horário Nova York) representado uma queda de 3,2% em relação ao primeiro
Tel.: +1 (973) 935-8893
Replay: +1 (706) 645-9291 semestre de 2008.
Código: 21101396
O EBITDAR cresceu 10,3% no 2T09, atingindo R$37,7
milhões. No primeiro semestre de 2009, o EBITDAR foi de
R$72,5 milhões, 20,9% acima do mesmo período do ano
anterior.

INDICADORES FINANCEIROS E OPERACIONAIS CONSOLIDADOS


(Em Reais mil – exceto percentagens)

2T09 2T08 Var (%) 1S09 1S08 Var (%)


Receita Bruta de Vendas e/ou Serviços 331.153 293.331 12,9% 617.179 537.685 14,8%
Receita Líquida de Vendas e/ou Serviços 282.008 252.356 11,8% 525.988 464.281 13,3%
EBITDAR 37.693 33.947 11,0% 72.470 59.629 21,5%
Despesas não recorrentes - 213 - - 301 -
EBITDAR Ajustado 37.693 34.160 10,3% 72.470 59.930 20,9%
Margem EBITDAR Ajustado 13,4% 13,5% -0,1 p.p. 13,8% 12,9% +0,9 p.p.
Número de veículos transportados 267.808 273.884 -2,2% 487.868 503.892 -3,2%
Nacional + Importado 245.587 245.481 0,0% 449.791 443.237 1,5%
Exportação 22.221 28.403 -21,8% 38.077 60.655 -37,2%
Km média 974 826 17,9% 977 821 19,0%
COMENTÁRIOS DA ADMINISTRAÇÃO SOBRE OS RESULTADOS

É com satisfação que anunciamos os resultados no segundo trimestre de 2009 (2T09), em que
apresentamos um crescimento de 11,8% na receita líquida em relação ao mesmo período do ano
anterior. Comentaremos a seguir os principais efeitos que impactaram os nossos resultados no
trimestre e nos primeiros seis meses do ano.

Setor Automotivo

No segundo trimestre de 2009 observamos a continuidade da recuperação das vendas de veículos


0km no mercado interno iniciada no 1T09. Segundo a ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes
de Veículos Automotores), as vendas no atacado de automóveis e comerciais leves apresentaram um
crescimento de 18,7% em relação ao 1T09, permanecendo num patamar estável em relação ao
segundo trimestre de 2008.

Acreditamos que, além da manutenção do benefício da redução do IPI pelo Governo Federal, outros
fatores foram fundamentais para explicar a recuperação das vendas de veículos no Brasil. Entre esses
fatores destacamos os descontos e promoções oferecidas pelas montadoras, o aumento da confiança
do consumidor e a oferta de crédito em condições semelhantes às encontradas no período pré-crise,
especialmente no que diz respeito aos prazos de parcelamento oferecidos aos consumidores. Em
nossa opinião essas condições, atreladas à forte demanda reprimida e à baixa relação de veículos por
habitante (especialmente fora dos grandes centros urbanos) fizeram com que as vendas de veículos
permanecessem elevadas no segundo trimestre.

A recuperação das vendas no mercado interno não foi acompanhada pelo aumento da produção de
veículos no Brasil, que tem apresentado números inferiores aos do ano passado. Entre os fatores que
explicam esse resultado podemos destacar os altos índices de estoques no início do ano, a postura
conservadora adotada pelas montadoras (dada a forte crise nos principais mercados internacionais,
como EUA e Europa) e principalmente a redução das vendas para o mercado externo.

Assim como ocorreu no 1T09, as exportações de veículos no 2T09 apresentaram resultados inferiores
aos do mesmo período do ano passado. Esse resultado deve-se à forte queda na demanda pelos
principais mercados compradores, como Argentina e México. Segundo a ANFAVEA, no 2T09 e no
primeiro semestre do ano as exportações de automóveis e comerciais leves apresentaram quedas de
39,4% e 46,1%, respectivamente.

Apesar da pouca representatividade do mercado externo nas nossas operações de transporte de


veículos, a forte queda apresentada neste segmento fez com que a quantidade total de veículos
transportados em 2009 fosse inferior a de 2008. No 2T09, transportamos 267.808 veículos, uma queda
de 2,2% em relação ao 2T08. No mercado externo, o nosso volume apresentou uma queda de 21,8% e
no mercado interno (veículos nacionais e importados) transportamos 245.587 veículos no 2T09,
número estável em relação ao 2T08 e em linha com os dados de vendas no atacado divulgados pela
ANFAVEA. Segundo a Associação, foram vendidos 771.783 veículos no 2T09, um aumento de 0,27%
em relação ao 2T08.

É importante ressaltar que o menor volume de veículos transportados não foi refletido na nossa receita
com transporte de veículos. O aumento da distância média ocasionado pela menor participação das
exportações (que apresentam distâncias médias menores), pelas operações na região Norte oriundas

2
dos contratos adquiridos da CTV e pelo maior crescimento das vendas nas regiões afastadas dos
grandes centros produtores de veículos tiveram como conseqüência um forte aumento na nossa receita
bruta com transporte de veículos.

Assim como ocorreu no 1T09, o segmento de transporte de peças apresentou no 2T09 queda no
faturamento em relação ao mesmo período do ano anterior. Essa redução deve-se à diminuição na
produção de veículos, caminhões e máquinas agrícolas no país.

Nosso EBITDAR no setor automotivo foi de R$ 35,3 milhões no 2T09, um crescimento de 21,2% em
relação ao 2T08. No primeiro semestre de 2009, o nosso EBITDAR no setor automotivo foi R$ 62,4
milhões, um crescimento de 25,1% se comparado com o mesmo período do ano anterior. A margem
EBITDAR em relação à receita líquida foi de 15,0% no 2T09 e de 14,6% no primeiro semestre de 2009.
Esses valores representaram um aumento de 1,1 p.p. e 1,5 p.p em relação ao 2T08 e ao primeiro
semestre de 2008, respectivamente.

O crescimento da margem EBITDAR no setor automotivo é decorrente da redução dos custos


operacionais decorrentes dos ajustes estruturais realizados no final de 2008, do aumento da receita
bruta com transporte de veículos (que gera uma maior diluição dos custos fixos dessa operação) e da
queda de receita com transporte de peças e serviços logísticos, os quais apresentam margens
menores.

Outros Setores

Nossas operações nos setores não relacionados à indústria automobilística, que até então não tinham
sido impactados pela crise econômica e apresentavam margens estáveis, sofreram no 2T09 com a
redução do volume de algumas operações, especialmente aquelas diretamente relacionadas com o
mercado externo.

No segmento de transporte, apresentamos uma receita de R$39,0 milhões no 2T09, o que representa
um crescimento 16,8% em relação ao 2T08. É importante ressaltar que esse crescimento foi
prejudicado pela queda de 16,5% na receita bruta com transporte de suco de laranja no trimestre, o
que correspondeu a aproximadamente R$1,0 milhão em comparação com o 2T08. Essa redução do
faturamento deve-se principalmente à queda nas exportações de suco de laranja, dada a menor
demanda externa pelo produto.

No primeiro semestre, a receita bruta com transporte nos Outros Setores foi de R$78,6 milhões, um
incremento de 27,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. Neste período destacamos a
receita bruta com transporte de combustíveis, que apresentou um crescimento superior a R$11,0
milhões em relação ao mesmo período de 2008.

Na linha de serviços logísticos, obtivemos uma receita bruta de R$ 18,5 milhões no 2T09, uma queda
de 6,2% em relação ao 2T08. Nos primeiros seis meses do ano a receita bruta foi de R$42,0 milhões,
um crescimento de 8,3% em relação ao primeiro semestre de 2008.

A queda da receita com serviços logísticos no 2T09 deve-se principalmente à redução no volume de
mercadorias armazenadas no Porto Seco de Cariacica – ES, ocasionada pela diminuição do fluxo de

importações. Segundo dados da SECEX (Secretaria de Comércio Exterior), houve uma diminuição de
36% (em US$ FOB) nas importações brasileiras no 2T09 em relação ao mesmo período do ano
anterior. Além disso, a apreciação do real frente ao dólar ocasionou o aumento da quantidade de
3
mercadorias nacionalizadas. O resultado desses dois efeitos foi a diminuição do volume de
mercadorias armazenadas e a conseqüente queda do faturamento dessa operação, a qual
correspondeu a aproximadamente 2,5% do faturamento da Tegma no ano de 2008.

Considerando as operações de transporte e serviços logísticos, a receita líquida nos outros setores foi
de R$46,9 milhões no 2T09, um crescimento de 7,3% em relação ao 2T08. A receita líquida no primeiro
semestre de 2009 foi de R$98,0 milhões, 17,0% acima do mesmo período do ano anterior.

O EBITDAR dos Outros Setores foi de R$2,4 milhões no 2T09, uma queda de 52,2% em relação ao
2T08. A margem EBITDAR em relação à receita líquida foi de 5,2% no período, o que representou uma
redução de 6,4 p.p. em relação ao ano anterior. Dado o alto nível de utilização de ativos próprios e do
elevado percentual de custos fixos dessas operações, uma eventual queda na receita não é
correspondida diretamente pela redução dos custos operacionais, a exemplo do que acontece no setor
automotivo, impactando diretamente o EBITDAR do setor.

O EBITDAR dos Outros Setores acumulado no primeiro semestre de 2009 foi de R$10,0 milhões,
estável em relação ao mesmo período do ano anterior. A margem EBITDAR no período foi de 10,2%,
uma redução de 1,8 p.p. em comparação com o primeiro semestre de 2008.

Resultados Consolidados

A receita líquida da Tegma foi de R$282,0 milhões no 2T09, um crescimento de 11,8% em comparação
com o 2T08. A receita líquida nos seis primeiros meses do ano foi de R$526,0 milhões, um aumento de
13,3% em relação ao primeiro semestre de 2008.

O nosso EBITDAR consolidado no 2T09 foi de R$37,7 milhões, um crescimento de 10,3% em relação
ao 2T08. A margem em relação à receita líquida foi de 13,4%, uma queda de 0,1 p.p. em relação ao
2T08. Apesar do crescimento de 1,1 p.p. na margem do setor automotivo e da grande
representatividade do setor no resultado consolidado da Companhia, a forte queda na margem dos
outros setores ocasionou a diminuição da margem consolidada.

O EBITDAR nos primeiros seis meses de 2009 foi de R$72,5 milhões, um aumento de 20,9% em
relação ao primeiro semestre de 2009. A margem do período foi de 13,8%, um crescimento de 0,9 p.p.
em comparação com o mesmo período em 2008.

Como conseqüência dos itens expostos acima, o nosso lucro líquido foi de R$15,8 milhões no 2T09,
um incremento de 3,6% em comparação com o 2T08. O lucro líquido acumulado nos primeiros seis
meses do ano foi de R$34,7 milhões, um aumento de 29,3% em comparação com o primeiro semestre
de 2008.

Para os próximos trimestres teremos o desafio de aumentar a nossa rentabilidade em um ambiente


econômico ainda repleto de incertezas. Para tanto, pretendemos intensificar a nossa estratégia de
manutenção de rígido controle de custos, de otimização da utilização de ativos e revisão e
renegociação de contratos e operações menos rentáveis. Entendemos que o resultado dessas
iniciativas será uma maior

seletividade dos nossos investimentos e acreditamos que essas ações, associadas ao nosso modelo
asset light, gerarão ainda mais valor para os nossos acionistas.

4
COMENTÁRIO SOBRE A ALTERAÇÃO NA LEI DAS SOCIEDADES
POR AÇÕES

Em 28 de dezembro de 2007, foi promulgada a Lei no. 11.638, alterada pela Medida Provisória - MP
no. 449, de 4 de dezembro de 2008, que modificaram e introduziram novos dispositivos à Lei das
Sociedades por Ações. Essa Lei e a referida MP tiveram como principal objetivo atualizar a legislação
societária brasileira para possibilitar o processo de convergência das práticas contábeis adotadas no
Brasil com aquelas constantes nas normas internacionais de contabilidade que são emitidas pelo
"International Accounting Standards Board" - IASB. A aplicação das referidas Lei e MP é obrigatória
para demonstrações financeiras anuais de exercícios iniciados em ou após 1o de janeiro de 2008.

As principais alterações introduzidas pela referida Lei e MP e o resultado de sua avaliação pela
Companhia estão descritos a seguir:

Contratos de arrendamento mercantil, relativos à parcela da frota de veículos da Companhia e


de suas investidas, foram registrados no ativo imobilizado e o correspondente saldo devedor da
rubrica "Empréstimos e financiamentos".

Ajuste a valor presente de ativos e passivos: os elementos integrantes do ativo e do passivo


decorrentes de operações de longo prazo, ou de curto prazo, quando houver efeitos relevantes
devem ser ajustados a valore presente, com base nas taxas de desconto que reflitam as
melhores avaliações atuais de mercado quanto ao valor do dinheiro no tempo e os riscos do
ativo e do passivo.

Ágios fundamentados em expectativa de rentabilidade futura foram reclassificados para o ativo


intangível.

As demais mudanças na referida Lei e MP não trouxeram impactos nas demonstrações


financeiras.

COMENTÁRIO SOBRE A UTILIZAÇÃO DOS TERMOS EBITDA E EBITDAR

Com a introdução da Lei 11.638/07 e da Medida Provisória 449/08, as despesas com arrendamento
mercantil (leasing) passaram a ser contabilizadas como despesas financeiras. Desse modo, a
Companhia entende que não é mais necessário ajustar o EBITDA através da eliminação das
despesas com leasing (EBITDAR).

Conforme facultado pelo Ofício Circular CVM/SNC/SEP no 02/2009, as informações do 2T08 e do


primeiro semestre de 2008 apresentadas em conjunto com as informações do trimestre corrente não
foram ajustadas para fins de comparação, pelos efeitos decorrentes da referida Lei e MP. Dessa
forma, optou-se pela manutenção do termo EBITDAR neste relatório e nos demais documentos
apresentados pela Companhia.

5
DESEMPENHO OPERACIONAL E DIVISÕES DE NEGÓCIOS

A seguir analisamos os resultados consolidados do 2T09 e do primeiro semestre de 2009 por Divisão
de Negócios:

SETOR AUTOMOTIVO

2T09 2T08 Var (%) 1S09 1S08 Var (%)


Transporte (Setor) 260.159 225.723 15,3% 472.139 411.295 14,8%
Transporte de Veículos 226.354 183.327 23,5% 409.856 334.087 22,7%
Transporte de Peças 33.805 42.396 -20,3% 62.283 77.208 -19,3%
Serviços Logísticos 13.541 14.544 -6,9% 24.428 25.850 -5,5%
Receita Bruta Total 273.700 240.267 13,9% 496.567 437.145 13,6%
Receita Liquida Total 235.131 208.667 12,7% 427.983 380.481 12,5%
EBITDAR 35.278 29.106 21,2% 62.442 49.903 25,1%
Margem EBITDAR 15,0% 13,9% +1,1 p.p. 14,6% 13,1% +1,5 p.p.
Depreciação e Amortização 6.907 2.193 - 13.468 3.885 -
Despesas Leasing - 556 - - 1.115 -
Número de veículos transportados 267.808 273.884 -2,2% 487.868 503.892 -3,2%
Nacional + Importado 245.587 245.481 0,0% 449.791 443.237 1,5%
Exportação 22.221 28.403 -21,8% 38.077 60.655 -37,2%
Km média 974 826 17,9% 977 821 19,0%

Receita Bruta
A receita bruta do Setor Automotivo foi de R$273,7 milhões no 2T09, representado um aumento de
13,9% em relação ao 2T08, destacando-se:

Transporte de Veículos: A receita bruta com transporte de veículos aumentou 23,5% em relação ao
2T08, atingindo R$226,4 milhões no 2T09 devido a: (i) incremento da distância média em 17,9%. Esse
efeito foi ocasionado pela entrada das operações da CTV na região Norte, pela menor participação das
exportações (que apresentam distâncias médias menores) e pelo crescimento de vendas nas regiões
mais afastadas do eixo Rio-São Paulo e, (ii) reajuste médio de 5% no preço do frete para o mês de
abril.

Quando comparado ao primeiro semestre de 2008, a Receita Bruta de transporte de veículos nos seis
primeiros meses do ano apresentou crescimento de 22,7%, atingindo R$409,9 milhões, devido ao: (i)
aumento de 19,0% na distância média de veículos transportados; (ii) crescimento de 1,5% na
quantidade de veículos transportados para o mercado interno (nacionais+importados) e (iii) reajuste no
preço do frete.

Transporte de Peças: A receita bruta com transporte de peças apresentou queda de 20,3% no 2T09,
refletindo a queda na produção de veículos e máquinas agrícolas no país e os altos estoques no início
do ano.

Quando comparado com o primeiro semestre de 2008, a Receita Bruta com transporte de peças caiu
19,3%, atingindo R$62,3 milhões.

Serviços Logísticos: A receita bruta com serviços logísticos caiu 6,9% atingindo R$13,6 milhões no
2T09. Esse resultado deve-se à diminuição das atividades de PDI (Pre Delivery Inspection), de gestão
de pátios e de embalagens, bem como à redução das vendas para frotistas.

6
A receita bruta com serviços logísticos no primeiro semestre de 2009 foi de R$24,4 milhões, o que
representa uma diminuição de 5,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, devido aos fatores
relacionados acima.

EBITDAR
O EBITDAR do Setor Automotivo foi de R$35,3 milhões no 2T09, representando um aumento de 21,2%
em comparação ao 2T08. Em relação à receita líquida, o EBITDAR atingiu margem de 15,0% no
período ante 13,9% no 2T08.

O aumento da margem deve-se principalmente aos ajustes operacionais realizados no final de 2008,à
aquisição e integração das operações da CTV e à menor participação da receita de transportes de
peças e serviços logísticos na receita do setor automotivo (13% no 2T09 vs 19% no 2T08), sendo que
essas operações apresentam margens menores.

No primeiro semestre de 2009, o EBITDAR do Setor Automotivo atingiu R$62,4 milhões, um aumento
de 25,1% em relação ao primeiro semestre de 2008. Em relação à Receita Líquida a margem foi de
14,6%, representando um aumento de 1,5 p.p. em comparação com mesmo período em 2008.

OUTROS SETORES

2T09 2T08 Var (%) 1S09 1S08 Var (%)


Transporte (Setor) 39.000 33.400 16,8% 78.635 61.782 27,3%
HPC (Home Personal Care) 12.473 11.518 8,3% 25.248 22.605 11,7%
Suco Laranja 5.118 6.131 -16,5% 12.466 8.973 38,9%
Papel e Celulose 9.140 9.065 0,8% 17.538 17.586 -0,3%
Combustíveis 11.921 5.935 100,9% 22.604 11.508 96,4%
Outros 348 751 -53,7% 779 1.110 -29,8%
Serviços Logísticos 18.453 19.664 -6,2% 41.977 38.758 8,3%
Receita Bruta Total 57.453 53.064 8,3% 120.612 100.540 20,0%
Receita Liquida Total 46.877 43.689 7,3% 98.005 83.800 17,0%
EBTIDAR 2.415 5.054 -52,2% 10.028 10.026 0,0%
Margem EBITDAR 5,2% 11,6% -6,4 p.p. 10,2% 12,0% -1,8 p.p.
Depreciação e Amortização 3.827 3.089 - 7.614 5.570 -
Despesas Leasing - 5.612 - - 10.865 -

Receita Bruta
A receita bruta dos Outros Setores apresentou um crescimento de 8,3% no 2T09 e de 20,0% nos
primeiros seis meses de 2009.

Receita Bruta com Transporte

A receita bruta com transporte atingiu R$39 milhões no 2T09 (crescimento de 16,8% em comparação
com o 2T08), destacando-se:

(i) Crescimento de 100,9% (aproximadamente R$6,0 milhões) na receita bruta com transporte de
combustíveis, devido a expansão das operações de transporte de óleo combustível e jet fuel ;

(ii) Queda de 16,5% nas operações de transporte de suco de laranja. Esse decréscimo é decorrente da
diminuição das exportações do produto, ocasionada pela menor demanda externa.

A receita bruta com transporte no primeiro semestre de 2009 foi de R$78,6 milhões, com destaque
para os segmentos de combustíveis, HPC e suco de laranja. Esse valor representa um aumento de
27,3% em relação aos seis primeiros meses de 2008.

7
Serviços Logísticos

A receita bruta com serviços logísticos apresentou uma queda de 6,2% em relação ao 2T08,
ocasionada pelos seguintes fatores:

(i) Redução no volume de mercadorias armazenadas no Porto Seco de Cariacica – ES, devido a:

(a) queda do fluxo de importações, decorrente da diminuição das operações de comércio exterior.
Segundo dados da SECEX – Secretaria de Comécio Exterior do Governo Federal, houve uma redução
de 36% em US$ FOB nas importações realizadas por empresas brasileiras no 2T09, em relação ao
mesmo período do ano anterior.

(b) crescimento do processo de nacionalização das mercadorias armazenadas, ocasionado pela


apreciação do real e pela diminuição do estoque dos clientes nos seus pontos de venda e centros de
distribuição, devido ao reaquecimento do consumo no mercado interno.

(ii) Queda no volume de operações de armazenagem de equipamentos de telecomunicações e


montagem de kits de telefonia celular localizadas no Rio de Janeiro e em Barueri, ocasionada pela
adoção de políticas de redução de estoques e pela queda na participação de mercado dos clientes
desses setores.

No primeiro semestre de 2009, a Receita Bruta com serviços logísticos foi de R$42,0 milhões, o que
representa um crescimento de 8,3% em relação aos seis primeiros meses de 2008.

EBITDAR
O EBITDAR dos Outros Setores atingiu R$2,4 milhões no 2T09, representando uma queda de 52,2%
em relação ao 2T08. Em relação à receita liquida o EBITDAR representou 5,2% no 2T09, uma redução
de 6.4 p.p. em relação ao 2T08.

Essa redução deve-se principalmente a: (i) queda no faturamento das operações de armazenagem e
(ii) menor diluição dos custos fixos nas operações de armazenagem e de transporte de suco de laranja
(na qual utilizamos frota própria), devido à forte queda na receita desses segmentos.

O EBITDAR no primeiro semestre de 2009 foi de R$10,0 milhões, estável em relação ao mesmo
período do ano anterior. Em relação à receita líquida, a margem do EBITDAR foi de 10,2%, uma
redução de 1,8 p.p. em relação ao mesmo período no ano de 2008 devido ao impacto, no segundo
semestre, dos itens citados acima.

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RECEITA BRUTA CONSOLIDADA

A receita bruta consolidada no 2T09 atingiu R$331,2 milhões, resultado 12,9% maior que no 2T08. A
receita bruta acumulada no primeiro semestre de 2009 foi de R$617,2 milhões, um aumento de
14,8% em relação ao mesmo período do ano anterior.

A tabela abaixo está expressa em R$ mil, exceto as percentagens:

8
2T09 2T08 Var (%) 1S09 1S08 Var (%)
Serviços de Transporte 299.159 259.123 15,5% 550.774 473.077 16,4%
Serviços Logísticos 31.994 34.208 -6,5% 66.405 64.608 2,8%
Receita Bruta de Serviços 331.153 293.331 12,9% 617.179 537.685 14,8%

O resultado apresentado no 2T09 deve-se principalmente a: (i) queda de 2,2 % no volume de


veículos transportados; (ii) crescimento de 17,9% na quilometragem média, atingindo 974 km por
veículo; (iii) queda de 20,3% na receita bruta com transporte de peças, (iv) crescimento de 16,8% na
receita bruta com transporte nos Outros Setores, com destaque para o segmento de combustíveis e
(v) queda de 6,2% na receita bruta com serviços logísticos nos outros setores, ocasionada
principalmente pelo menor volume das operações no Porto Seco de Cariacica.

Em relação ao primeiro semestre de 2009, podemos destacar: (i) queda de 3,2% no volume de
veículos transportados, (ii) aumento de 19,0% na distância média, atingindo 977 km por veículo; (iii)
incremento de 27,3% na receita bruta com transporte nos Outros Setores, com destaque para os
segmentos de combustíveis e suco de laranja e (iv) crescimento de 8,3% da receita bruta com
serviços logísticos nos Outros Setores.

DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA CONSOLIDADA

As deduções da receita bruta aumentaram 19,9%, atingindo R$49,1 milhões no 2T09. O percentual
das deduções sobre a receita bruta atingiu 14,8% no 2T09, um aumento de 0,8 p.p. em relação ao
2T08.

No primeiro semestre de 2009 as deduções da receita bruta foram de R$91,2 milhões, um aumento
de 24,2% em relação ao ano anterior.

Em relação à receita bruta, o percentual das deduções no primeiro semestre de 2009 foi de 14,8%,
representando um incremento de 1,1 p.p, quando comparado com o mesmo período do ano anterior.

O aumento das deduções deve-se à variação nos preços dos seguros, impostos e pedágio, que são
repassados integralmente para os nossos clientes.

RECEITA LÍQUIDA CONSOLIDADA

Em decorrência dos fatos mencionados acima, a receita líquida consolidada no 2T09 atingiu R$282,0
milhões, resultado 11,8% maior que o apresentado no 2T08.

A receita líquida acumulada nos seis primeiros meses de 2009 foi de R$526,0 milhões, 13,3%
superior à receita líquida obtida no primeiro semestre de 2008.

CUSTOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS CONSOLIDADOS

O custo dos serviços prestados no 2T09 foi de R$244,8 milhões, um incremento de 11,8% em relação
ao 2T08. Esse acréscimo foi decorrente principalmente de:

(i) Aumento de 5,7% nos gastos com pessoal. Esse valor é inferior ao dissídio da categoria e reflete a
estruturação operacional realizada no final de 2008.

(ii) Aumento de 13,4% nos gastos com agregados, decorrente do acréscimo do faturamento nas
operações de transporte de veículos devido ao incremento da distância média.

9
(iii) Aumento nos outros custos em 10,8% devido ao incremento dos custos com frota própria e com
as bases operacionais.

A tabela abaixo está expressa em R$ mil, exceto as percentagens:

2T09 2T08 Var (%) 1S09 1S08 Var (%)


Com pessoal 29.704 28.110 5,7% 54.986 52.445 4,8%
Com agregados 165.017 145.574 13,4% 301.232 265.893 13,3%
Outros 50.068 45.253 10,6% 99.104 86.792 14,2%
Total 244.789 218.937 11,8% 455.322 405.130 12,4%

O custo com serviços prestados no primeiro semestre de 2009 foi de R$455,3 milhões, representando
um crescimento de 12,4% em relação ao primeiro semestre de 2008. Os principais efeitos foram:

(i) Crescimento de 4,8% nos custos com pessoal. Esse valor é similar à inflação (IPCA) acumulada no
período e inferior ao dissídio da categoria, e reflete a reestruturação da estrutura operacional
realizada no final de 2008.

(ii) Crescimento de 13,3% no gasto com agregados, decorrente do crescimento da distância média e
o aumento da quantidade de veículos transportados no mercado interno;

(iii) Aumento de 14,2% nos outros custos devido ao incremento nos custos com frota própria e com as
bases operacionais.

LUCRO BRUTO

No 2T09 o lucro bruto da Companhia foi de R$37,2 milhões apresentando crescimento de 11,4% em
relação ao 2T08. A margem bruta em relação à receita líquida foi de 13,2%, estável em relação ao
ano anterior.

O lucro bruto referente aos seis primeiro meses do ano de 2009 foi de R$70,7 milhões, um aumento
de 19,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. A margem bruta no período foi de 13,4%,
um aumento de 0,7 p.p. em relação ao primeiro semestre de 2008.

DESPESAS OPERACIONAIS

2T09 2T08 Var (%) 1S09 1S08 Var (%)


Gerais e administrativas 6.582 7.166 -8,1% 12.969 14.470 -10,4%
Honorários da administração 2.396 2.452 -2,3% 3.753 3.553 5,6%
Com Vendas 273 833 -67,2% 520 1.905 -72,7%
Outras Receitas/ Despesas 1.009 110 817,3% 2.036 458 344,5%
Total 10.260 10.561 -2,9% 19.278 20.386 -5,4%

As despesas operacionais (gerais & administrativas, honorários da administração, com vendas e


outras) totalizaram R$10,3 milhões no 2T09, o que representa uma queda de 2,9% em relação ao
2T08.

Essa queda deve-se ao rígido controle de despesas adotado pela Companhia e pela reestruturação
da estrutura administrativa realizada no final de 2008.

No primeiro semestre de 2009, o valor das despesas operacionais foi de R$19,3 milhões, uma queda
de 5,4% em relação ao mesmo período do ano anterior.

10
LUCRO OPERACIONAL

O lucro operacional antes do resultado financeiro foi de R$27,0 milhões no 2T09, um crescimento de
17,9% em relação ao 2T08.

No primeiro semestre de 2009, o lucro operacional foi de R$51,4 milhões, o que representa um
crescimento de 32,6% em comparação com os seis primeiros meses de 2008.

DESPESAS E RECEITAS FINANCEIRAS

2T09 2T08 Var (%) 1S09 1S08 Var (%)


Receitas Financeiras -2.185 -5.220 -58,1% -4.171 -11.315 -63,1%
Despesas Financeiras 4.344 2.367 83,5% 8.606 4.052 112,4%
Total 2.159 -2.853 - 4.435 -7.263 -

O resultado financeiro líquido no 2T09 foi uma despesa no valor de R$2,2 milhões, ante uma receita
de R$2,8 milhões no 2T08. No primeiro semestre de 2009 o resultado financeiro foi negativo em
R$4,4 milhões, sendo que os seis primeiros meses de 2008 apresentaram uma receita financeira de
R$7,3 milhões. Estas variações devem-se aos seguintes fatores

Receita Financeira: Redução da posição de caixa e equivalentes de R$ 176 milhões no 2T08 para
R$69,2 milhões no 2T09. A diminuição do caixa deve-se principalmente à: (i) aquisição do negócio da
CTV; (ii) programa de recompra de ações. Além desses fatores, observamos também a queda no
valor do CDI, que remunera as nossas aplicações financeiras.

Despesas Financeiras: Aumento das despesas com juros devido à aquisição de equipamentos
(cavalos e carretas) para operações nos outros setores e contabilização das despesas com juros das
operações de leasing, conforme exigência da Lei 11.638/07 e MP 449/08.

IMPOSTO DE RENDA

Abaixo demonstramos a conciliação da taxa efetiva do imposto de renda e contribuição social devidos
no período:

2T09 2T08 Var (%) 1S09 1S08 Var (%)


Lucro Antes dos Impostos 24.800 24.981 -0,7% 46.953 45.155 4,0%
Prejuízos nas Controladas 2.484 4.591 -45,9% 2.928 7.519 -61,1%
IPRJ e CSSL diferido de controlada * - - - -15.724 - -
Outras Adições / exclusões -846 -966 -12,4% 1.808 1.174 54,0%
Base tributável Ajustada 26.438 28.606 -7,6% 35.965 53.847 -33,2%
IRPJ e CSSL 8.989 9.726 -7,6% 12.228 18.308 -33,2%
Taxa Efetiva 34% 34% - 34% 34% -

Os prejuízos de nossas controladas recém adquiridas não são base para contribuição de imposto de
renda e contribuição social diferidos devido à inexistência de histórico de lucro em pelo menos 3 dos
últimos 5 anos.

LUCRO LÍQUIDO

Como conseqüência dos resultados expostos acima, nosso lucro líquido consolidado foi de R$15,8
milhões no 2T09, um crescimento de 3,6% em relação ao 2T08.

11
O lucro líquido acumulado no primeiro semestre de 2009 foi de R$34,7 milhões. Esse valor
representa um crescimento de 29,3% em relação ao mesmo período de 2008.

INVESTIMENTOS

Os investimentos no 2T09 totalizaram R$6,3 milhões. Esse valor decorre principalmente de obras de
ampliação, construção e reforma de pátios. Os investimentos realizados no primeiro semestre de
2009 totalizaram R$25,3 milhões.

DISPONIBIILIDADES E ENDIVIDAMENTO

A Companhia possui disponibilidades (caixa e equivalentes) no valor de R$69,2 milhões. A Tegma


concentra os recursos das aplicações financeiras em fundos de renda fixa com remuneração
equivalente a 103% da variação do índice do CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

O endividamento bruto da Companhia é de R$80,4 milhões, e é composto de operações com o


BNDES (FINAME) e arrendamento mercantil (leasing), os quais estão sujeitos aos seguintes
encargos financeiros médios:

(i) FINAME: variação da TJLP mais juros de 3,5% ao ano;

(ii) Contratos de arrendamento mercantil: encargos financeiros que variam entre 1,19% e 1,66% ao
mês.

Em 30/06/2009 apresentávamos também um valor a pagar de aproximadamente R$33,7 milhões


referente à aquisição dos negócios operados pela CTV. Ao considerarmos o efeito desta aquisição, a
nossa dívida bruta sobe para R$114,1 milhões.

12
EVENTOS RECENTES

PAGAMENTO DE DIVIDENDOS

Em reunião do Conselho de Administração realizada em 13/08/2009, foi aprovada a distribuição de


dividendos intercalares no valor de R$ 20,0 milhões, correspondente a R$ 0,3033165465 por ação.
Os proventos serão pagos no dia 24/08/09, considerando a posição acionária do dia 13/08/2009.

EVENTOS PARA DISCUSSÃO DE RESULTADOS


2T08

TELECONFERÊNCIAS SOBRE RESULTADOS DO 2T09

|PORTUGUÊS| |INGLÊS|
6ª feira, 14 de agosto de 2009 6ª feira, 14 de agosto de 2009
11:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário de Brasília)
10:00 (horário Nova York) 11:00 (horário Nova York)
Tel.: +55 (11) 3013-5467 Tel.: +1 (973) 935-8893
Replay: +55 (11) 2188-0188 Replay: +1 (706) 645-9291
Código: TEGMA Código: 21101396

Para informações adicionais, acesse nosso website – www.tegma.com.br/ri - ou entre em contato com nossa
área de Relações com Investidores:

Alexandre Brandão, (+55 11) 4346-2532, alexandre.brandao@tegma.com.br


Hugo Zierth, (+55 11) 4397-9370, hugo.zierth@tegma.com.br

Nós fazemos declarações sobre eventos futuros sujeitos a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base
crenças e suposições de nossa Administração e informações a que a Companhia atualmente tem acesso.
Declarações sobre eventos futuros incluem informações sobre nossas intenções, crenças ou expectativas atuais,
assim como aquelas dos membros do Conselho de Administração e Diretores da Companhia.

As ressalvas com relação a declarações e informações acerca do futuro também incluem informações sobre
resultados operacionais possíveis ou presumidos, bem como declarações que são precedidas, seguidas ou que
incluem as palavras “acredita”, “poderá”, “irá”, “continua”, “espera”, “prevê”, “pretende”, “planeja”, “estima” ou
expressões semelhantes.

As declarações e informações sobre o futuro não são garantias de desempenho. Elas envolvem riscos,
incertezas e suposições porque se referem a eventos futuros, dependendo, portanto, de circunstâncias que
poderão ocorrer ou não. Os resultados futuros e a criação de valor para os acionistas poderão diferir de maneira
significativa daqueles expressos ou sugeridos pelas declarações com relação ao futuro.

13
Demonstração do Resultado

2T09 2T08 Var. % 1S09 1S08 Var. %


Receita Bruta Operacional 331.153 293.331 12,9% 617.179 537.685 14,8%
Serviços Transportes 299.159 259.123 15,5% 550.774 473.077 16,4%
Serviços Logísticos e outros 31.994 34.208 -6,5% 66.405 64.608 2,8%

Impostos e deduções (49.145) (40.975) 19,9% (91.191) (73.404) 24,2%

Receita líquida operacional 282.008 252.356 11,8% 525.988 464.281 13,3%

Custo dos serviços prestados (244.789) (218.937) 11,8% (455.322) (405.130) 12,4%
Com Pessoal (29.704) (28.110) 5,7% (54.986) (52.445) 4,8%
Com Agregados (terceiros) (165.017) (145.574) 13,4% (301.232) (265.893) 13,3%
Outros (50.068) (45.253) 10,6% (99.104) (86.792) 14,2%

Lucro bruto 37.219 33.419 11,4% 70.666 59.151 19,5%

(Despesas) receitas operacionais (10.260) (10.561) -2,9% (19.278) (20.386) -5,4%


Gerais e administrativas (6.582) (7.166) -8,1% (12.969) (14.470) -10,4%
Honorários da administração (2.396) (2.452) -2,3% (3.753) (3.553) 5,6%
Despesas Comerciais (273) (833) -67,2% (520) (1.905) -72,7%
Outras receitas (despesas) líquidas (1.009) (110) 817,3% (2.036) (458) 344,5%

Lucro operacional antes das participações societárias, 26.959 22.858 17,9% 51.388 38.765 32,6%
resultado financeiro e despesas com a oferta pública

Resultado de participações societárias - (730) - - (873) -


Equivalência Patrimonial - - - - - -
Amortização de ágio - (730) - - (873) -

Resultado Financeiro (2.159) 2.853 - (4.435) 7.263 -


Receitas financeiras 2.185 5.220 -58,1% 4.171 11.315 -63,1%
Despesas financeiras (4.344) (2.367) 83,5% (8.606) (4.052) 112,4%

Lucro antes do IR e da CS 24.800 24.981 -0,7% 46.953 45.155 4,0%

Imposto de renda e contribuição social (8.989) (9.726) -7,6% (12.228) (18.308) -33,2%
Do exercício (6.258) (7.447) -16,0% (12.433) (13.314) -6,6%
Diferido (2.731) (2.279) 19,8% 205 (4.994) -

Lucro antes da participação de minoritários 15.811 15.255 3,6% 34.725 26.847 29,3%
Participação de minoritários - 7 - - 9 -

Lucro líquido do exercício 15.811 15.262 3,6% 34.725 26.856 29,3%

14
Reconciliação EBITDAR

Valores expressos em milhares de R$


2T09 2T08 Var. % 1S09 1S08 Var. %
Receita líquida operacional 282.008 252.356 11,8% 525.988 464.281 13,3%
Lucro operacional 26.959 22.858 17,9% 51.388 38.765 32,6%
(+) Depreciação 10.734 5.282 103,2% 21.082 9.460 122,9%
(+) Despesas Leasing 0 6.169 - 0 11.980 -
(+) Outros ajustes * 0 -363 - 0 -576 -
EBITDAR 37.693 33.947 11,0% 72.470 59.629 21,5%
Margem EBITDAR 13,4% 13,5% - 0,1 p.p. 13,8% 12,8% + 1,0 p.p.
(+) Despesas não recorrentes 0 213 - 0 301 -
EBITDAR Ajustado 37.693 34.160 10,3% 72.470 59.930 20,9%
Margem EBITDAR Ajustado 13,4% 13,5% - 0,1 p.p. 13,8% 12,9% + 0,9 p.p.

* Ajuste do critério do cálculo do lucro operacional devido à modificação no formato de


apresentação do resultado.

Balanço Patrimonial

Valores expressos em milhares de R$


Ativo 30/06/2009 31/03/2009 Passivo e Patrimônio Líquido 30/06/2009 31/03/2009

Circulante 240.635 245.367 Circulante 181.074 184.915

Caixa e equivalentes 69.220 61.310 Empréstimos e financiamentos 39.629 34.743


Contas a Receber 134.229 137.940 Fornecedores e fretes a pagar 43.517 47.293
Almoxarifado 1.306 2.136 Partes Relacionadas 11.778 13.951
Impostos a recuperar 10.078 15.230 Tributos a Recolher 11.134 14.002
IR e CS Diferidos 10.165 11.536 Parcelamento de tributos 2.068 1.820
Outras Contas a Receber 12.755 12.938 Salários e encargos sociais 17.713 16.389
Despesas antecipadas 2.882 4.277 Seguros e aluguéis a pagar 4.936 5.529
Dividendos a Pagar 5 12.319
Provisões - IR e CS 2.633 2.922
Não circulante 360.397 367.363 Títulos a pagar 32.529 21.011
Demais contas a pagar 15.132 14.936
Realizável a longo prazo 33.892 34.732
Não circulante 419.958 427.815
IR e CS Diferidos 30.558 31.294
Partes relacionadas 1.512 1.646 Exigível a longo prazo 62.048 85.640
Depósitos judiciais 1.822 1.792 Empréstimos e financiamentos 40.791 51.742
Outros Realizáveis Provisão para contingências e outros 1.978 1.979
Parcelamento de tributos 9.347 10.018
Permanente 326.505 332.631 IR e CS diferidos 3.173 2.550
Títulos a pagar 6.759 19.351
Imobilizado 161.048 167.092
Intangível 165.457 165.539 Participação de Minoritários - 8

Patrimônio líquido 357.910 342.167


Capital social 144.469 144.469
Reserva de Capital 174.055 174.055
Ações em tesouraria (344) (344)
Reservas de Lucro 5.073 5.073
Ajustes de Avaliação Patrimonial (68) -
Lucros Acumulados 34.725 18.914

Total do ativo 601.032 612.730 Total do passivo e do patrimônio líquido 601.032 612.730

15