Você está na página 1de 1

RESCISO INDIRETA ART.

483

O requerente pleiteia a resciso indireta com a autarquia dizendo em


sntese, que na readequao de funo, que repito foi por prescrio
mdica, acredita que estaria violando o artigo 483 da CLT. No assiste razo
o requerente vez que seguindo recomendaes mdica foi alocado em outro
setor para que no prejudicasse a sua sade. Todas as alteraes e atitudes
tomadas foram para o requerente estivesse em lugar que no viesse a fazer
muito esforo fsico, vez que foi restringindo por orientaes mdicas.

Como pode ter a autarquia ter feito algo para que o requerente se sentisse
ofendido, ou qualquer outro motivo para que se sentisse mal, sendo que
todas as vezes foi tratado com cuidado e ateno sendo sempre colocado
sua sade em primeiro lugar em relao as necessidades laborais da
empresa em relao ao requerente. No assiste razo o requerente nesses
aspecto tambm. Cabe ao requerente provar a constituio do seu direito,
vez que acusa de ter sido alocado para um setor e esquecido pela
empresa.

DANO MORAL

O dano moral caracteriza-se como a ofensa ou violao dos bens de ordem moral de
uma pessoa, tais sejam o que se referem sua liberdade, sua honra, sua sade
(mental ou fsica), sua imagem.

O Reclamante no sofreu humilhaes no sendo possvel ficar psicologicamente


abalado, nem constrangido. Quanto sua capacidade laboral, em nenhum momento foi
citado que teve o tratamento desrespeitoso de nenhum profissional,nem superiores,
no podendo dessa forma ter sua honra ofendida. Ocorre que o reclamante foi
transferido seguindo orientaes mdica para no ter sua situao agravada, por isso
foi transferido para um setor que exigia menos dos seus esforos fsicos, vez que no
seria possvel permanecer fazendo as mesmas atividades.

Com efeito, as aes que tm como objetivo a reparao por dano oriundo de ato
ilcito, indiscutivelmente, buscam a responsabilidade civil do empregador
(artigos 186 e 927 do Cdigo Civil), devendo a questo ser resolvida luz do direito
material comum, buscando para a caracterizao a responsabilidade do empregador. O
que se observa que em todo momento os profissionais da reclamada procurou
preservar a sade do reclamante, fazendo todo o possvel para assegurar o seu bem
estar, no sendo possvel vislumbrar responsabilidade da reclamada por ao e muito
menos por omisso, sendo que sempre procurou preservar a sade fsica do obreiro.
No sendo portanto devida nenhum tipo de indenizao por danos morais.