Você está na página 1de 2

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Processo TC nº 01787/08

Município de Cajazeirinhas – Poder Executivo –


Prestação de Contas Anuais – Exercício de 2007.
Recurso de Reconsideração interposto pelo Prefeito,
Sr. José Almeida Silva, contra decisões desta Corte –
Parecer PPL TC 07/2010 e Acórdão APL TC
80/2010. Lei Complementar nº 18/93 (Lei Orgânica do
TCE/PB), Art. 33 c/c Art. 30. Conhecimento. Não
Provimento.

ACÓRDÃO APL TC 729/2010

RELATÓRIO

Este Egrégio Tribunal Pleno, na Sessão realizada em 22/10/2008, apreciou as contas do


Prefeito Municipal de Cajazeirinhas, Sr. José Almeida Silva, referente ao exercício de 2007 e
decidiu:

1. Através do Parecer PPL TC 07/10, à unanimidade, emitir e encaminhar à Câmara


Municipal de Cajazeirinhas, na conformidade do disposto no item 2.13 do Parecer
Normativo 52/04, parecer contrário à aprovação das contas, em razão do não
cumprimento às decisões desta Corte.

2. Através do Acórdão APL TC 80/2010, dentre outras deliberações, à unanimidade,


aplicar multa pessoal à autoridade mencionada no valor de R$ 3.320,00 (três mil,
trezentos e vinte reais) correspondente a 80% do valor previsto no caput do art. 168
da Resolução Administrativa nº 02/04 (Regimento Interno desta Corte) alterada
pela Resolução Administrativa RA TC 13/2009, por infração à norma legal;

Inconformado, o Prefeito, através der representante legal, interpôs o presente Recurso


de Reconsideração, contestando as decisões supracitadas nos seguintes termos:
Cerceamento de defesa do processo administrativo;
Não existência de irregularidade apontada pelo Órgão Técnico quanto à realização de
despesas sem licitação no montante de R$ 22.195,20;
Justificativa do descumprimento de Parecer Normativo por problemáticas políticas;
Inexistência de excesso de gasto na execução de obras dos mata-burros.

A Auditoria, ao analisar a petição recursal, concluiu pela permanência das


decisões, porquanto as alegações apresentadas pelo recorrente não possuem o condão de alterar o
entendimento desta Corte.

O Ministério Público Especial junto ao Tribunal opinou pelo conhecimento do recurso


e, no mérito, pelo não provimento, porquanto não foi apresentado pelo insurreto prova apta à
modificação do panorama dos autos.

É o relatório, tendo sido determinadas as notificações de praxe.

VOTO DO CONSELHEIRO RELATOR

Em harmonia com o entendimento do órgão Auditor e Ministerial, entendo que as


decisões recorridas não devem merecer reforma, porquanto o Recurso de Reconsideração interposto
não trouxe fato ou argumento suscetível de operar a modificação da decisão.

\\Frc2\c\Meus documentos\Assessoria\PLENO\ACORDAO\RECURSO\reconsideração\CJZ-2007.doc
TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO
Processo TC nº 01787/08

Com efeito, a alegação de cerceamento de defesa pelo recorrente se mostra


completamente desarrazoada, porquanto houve citação e foi apresentada defesa. A simples juntada
de decisões de órgão fracionário desta Corte, com repercussão no processo em questão, não
configura hipótese de nova citação, tampouco ofensa à ampla defesa.

Concernente à realização de despesa sem licitação, este não foi motivo para emissão de
parecer contrário, inclusive, dita irregularidade foi relevada.

Respeitante à justificativa do descumprimento de Parecer Normativo por problemáticas


políticas são argumentos frágeis, os quais não tiveram qualquer repercussão no exame da presente
prestação de contas e, nem se apresenta como argumento capaz de afastar o descumprimento deste.

E, por fim, quanto ao excesso de gasto na execução de obras dos mata-burros, esta
irregularidade foi tratada em processo específico cuja decisão repercutiu na análise da presente
prestação de contas, não trazendo fato novo ao processo em exame.

Isto posto, voto pelo conhecimento do Recurso porquanto, adequado e advindo de


legítimo e competente interessado e, no mérito, pelo não provimento, mantendo-se integralmente a
decisão recorrida.

DECISÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS os autos do Processo TC nº 01787/08 que


trata do Recurso de Reconsideração interposto pelo Prefeito Municipal de Cajazeirinhas, Sr. José
Almeida Silva, contra decisões deste Egrégio Tribunal, consubstanciadas no Acórdão APL TC
80/2010 e Parecer PPL TC 07/2010, e

CONSIDERANDO que, após acolhimento do recurso e exame pelo órgão de


instrução, nada de novo foi trazido ao processo de modo a alterar as decisões do Tribunal;

CONSIDERANDO o Relatório da Auditoria, o pronunciamento do órgão


Ministerial, o Voto do Relator e o mais que dos autos consta;

ACORDAM OS MEMBROS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA


PARAÍBA, à unanimidade, em sessão plenária realizada nesta data em conhecer do Recurso de
Reconsideração interposto, porquanto tempestivo, adequado e advindo de legítimo e competente
interessado, negando-lhe, contudo, provimento, mantidas, na íntegra, as decisões recorridas
constantes do Acórdão APL TC 80/2010 e Parecer PPL TC 07/2010.

Publique-se, registre-se e cumpra-se.

TC- PLENÁRIO MINISTRO JOÃO AGRIPINO, 21 de julho de 2010.

Conselheiro Antônio Nominando Diniz Filho


Presidente

Conselheiro Fernando Rodrigues Catão


Relator

Marcílio Toscano Franca Filho


Procurador-Geral

\\Frc2\c\Meus documentos\Assessoria\PLENO\ACORDAO\RECURSO\reconsideração\CJZ-2007.doc