Você está na página 1de 4

Deixe-nos contar um pouco da nossa história. Se você gosta de música, e da cultura que é produzida

no Brasil, separe uns minutinhos para nos conhecer melhor, você não vai se arrepender.

Estamos a 2 meses de um dos concursos de corais mais disputados no mundo, que nessa edição será realizado na Letônia. O canto coral está para a Letônia como o samba está para o Brasil. Neste concurso, só participam corais premiados em concursos internacionais recentes e com uma alta pontuação no ranking internacional de coros. Ou seja, é uma disputa entre campeões do mundo inteiro.

E o que um pequeno coral, fundado em Niterói há 20 anos, tem a ver com isso? Nós estamos

classificados para este concurso! Nenhum grupo brasileiro conseguiu essa proeza antes. E como

conseguimos isso?

Bem, há 20 anos atrás, quando fundamos o grupo, a gente não imaginava que isso aconteceria um

Mas com o passar do tempo, fomos vendo que os nossos passos estavam dando certo de alguma

forma. Conquistamos algumas medalhas valorosas no exterior nesse meio tempo e as histórias são intermináveis. Histórias de muita luta por mantermos nossos projetos vivos e cantando, não

importando o que acontecesse. Mas a história de chegada dessa nossa última classificação para disputarmos este concurso entre os melhores, foi particularmente especial: conquistamos duas medalhas de ouro em Barcelona em 2014!

dia

Nos inscrevemos nas categorias de nossa maior afinidade musical. Somos um coral diferente, onde os integrantes participam da escolha do repertório e se revezam na regência. Todos somos cantores e regentes ao mesmo tempo. Não chega a ser anárquico, muitos apostariam que não daria certo, mas o fato é que esta nova experiência tem dado muitos frutos. Mesmo assim, em 2014 nós saímos do Brasil com o espírito de sempre, de aprendermos muito com os corais europeus, nossas referências musicais desde sempre. Saímos em expedição, e nos apelidamos de “O incrível exército de Bocaleone”, nos referindo ao bravo cavaleiro Brancaleone, retratado por Mario Monicelli no cinema que, em condições adversas, numa Europa devastada pela Peste Negra, reuniu um exército esfarrapado em busca de um feudo onde teriam suas vidas e almas salvas. Nosso grito de guerra era, então, “Boca, Boca, Boca! León, León, León!” Sabíamos que teríamos que enfrentar coros tradicionais de todos os países europeus e asiáticos. Mas fomos assim mesmo.

Antes de sabermos que tínhamos ido tão bem, vimos várias pessoas se aproximarem com curiosidade e alguma admiração. Os russos elogiaram de várias maneiras a Ave Maria que cantamos em eslavo, o Bogoroditse Devo de Rachmaninoff, de várias maneiras. Um regente que havia sido jurado nos disse que se ele fechasse os olhos, jamais imaginaria que teriam apenas 16 vozes ali… e todos eram unânimes que não esperavam muito de um coral brasileiro. Todos imaginaram que teriam que aturar entre 15 e 20 minutos de sofrimento com a nossa audiência, mas ficaram gratamente surpresos com a técnica e com a capacidade interpretativa do grupo. Após a apresentação, o público e os jurados, quebrando o protocolo, aplaudiram o Boca que Usa de pé! Fomos convidados para participar do concerto de gala noturno com mais dois corais consagrados de lá. Nem assim acreditávamos que as nossas duas premiações de ouro estavam nos esperando, juntamente com a mais alta pontuação do concurso.

Agora o nosso sonho de fazer música coral de qualidade no Brasil do nosso jeito frutificou: temos esta oportunidade e não gostaríamos de deixá-la escapar. Há uma comunidade brasileira na Letônia que nos aguarda ansiosa e estará presente nos dias das competições para torcer por nós. Estamos já muito emocionados com a possibilidade apenas de podermos levar o nome do Brasil e para um evento cultural tão importante no cenário do canto coral mundial. Estamos firmemente convencidos de que a gente conseguiu uma mistura entre o formalismo da arte européia e o gingado brasileiro que está encantando a quem nos ouve mundo afora.

O PORQUÊ DA CAMPANHA:

A NOSSA IDA ESTÁ COMPROMETIDA

Com isso tudo, um senão: a data do ano do concurso nos pegou de calça curta: é alta temporada na Europa. Por mais que consigamos descontos na hospedagem e alimentação por conta da organização do concurso, os preços das passagens estão absurdos para meados de julho. Por isso abrimos essa campanha como última esperança de não deixarmos o nosso sonho morrer e nem deixarmos nenhum cantor para trás. Pensamos que se cada um colaborar com um mínimo, e divulgar, ou convencer ao menos mais um amigo de também colaborar com o mínimo, conseguiremos ir!! Indicações para canais de divulgação também são bem vindos, da grande, média e pequena mídia, com sua sala de aula, ou com os seus familiares. Vamos formar uma rede do bem para que possamos realizar novamente a expedição do nosso incrível exército, em direção ao nosso feudo de realizações e tesouros para a cultura brasileira!