Você está na página 1de 21

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE AQUECEDORES DE CALDO

ANDRÉ BRAGA DOS REIS CMAA

CMAA UVT - UBERABA Ribeirão Preto Santos Início Operações 2010 •1.200.000 TC (R) •AEHC 800
CMAA UVT - UBERABA Ribeirão Preto Santos
CMAA UVT -
UBERABA
Ribeirão Preto
Santos
Início Operações 2010 •1.200.000 TC (R) •AEHC 800 m³/dia •EE 45 MW
Início Operações
2010 •1.200.000 TC (R)
•AEHC 800 m³/dia
•EE 45 MW
Ampliação •2.200.000 TC (R) 2012 •VHP 20.000 scs/dia •AEAC 700 m³/dia •EE 85 MW
Ampliação
•2.200.000 TC (R)
2012 •VHP 20.000 scs/dia
•AEAC 700 m³/dia
•EE 85 MW
Atualmente •3.800.000 TC (P) 2015 •AEHC 800 m³/dia •AEAC 700 m³/dia •VHP 35.000 scs/dia •85
Atualmente
•3.800.000 TC (P)
2015 •AEHC 800 m³/dia
•AEAC 700 m³/dia
•VHP 35.000 scs/dia
•85 MW
Trabalhos NR-13 2020 2016 Ciclo de Inspeções Documentações, Periódicas 2014 Inspeções e dequações, 1ª
Trabalhos NR-13
2020
2016 Ciclo de
Inspeções
Documentações,
Periódicas
2014 Inspeções e
dequações,
1ª Etapa
incluindo
concluída
Tubulações
2012
Início
Inspeções

.

Inspeções

 

.

Reconstituição de Prontuários

2012-2014

.

Documentações dos Vasos

.

Adequações de Identificações

.

Levantamento e Identificação de Tubulações (CL A e B)

.

Plano de Inspeção de Tubulações (CL A e B) de acordo:

-

fluídos transportados;

- pressão e temperatura de trabalho;

-

mecanismos de danos previsíveis e consequências no

caso de falhas.

 

Vasos de Pressão

Outros; 3 Casa de Força; 12 ETA; 41 Caldeiras; 15 Moenda; 17 Evaporação; 19 Destilaria;
Outros; 3
Casa de
Força; 12
ETA; 41
Caldeiras; 15
Moenda; 17
Evaporação; 19
Destilaria; 41
Fábrica e
Armazenamento
de Açúcar; 32
Tratamento de
Caldo; 40

2015-2016

Total = 220 Vasos de Pressão Aquecedores = 19 ~ 9% do total de Vasos de Pressão

32 Tratamento de Caldo; 40 2015-2016 Total = 220 Vasos de Pressão Aquecedores = 19 ~

AQUECEDORES DE CALDO

900 tubos c = 4.100 mm
900 tubos
c = 4.100 mm
S D D D S S D D S S S D
S
D
D
D
S
S
D
D
S
S
S
D

entrada de caldo

Entrada de Caldo

saída de caldo

Saída de Caldo

Equipamento: Calandra com Feixe Tubular

Caldo: Circula dentro dos tubos, descendo e subindo, com chicanas divisoras de passes

Vapor: Circula por fora dos tubos

Aquecedores tubulares são usados geralmente para:

1. Aquecer o caldo antes da decantação até 105 C;

2. Antes da evaporação até próximo da temperatura de ebulição do caldo.

o caldo antes da decantação até 105 C; 2. Antes da evaporação até próximo da temperatura

INSTALAÇÕES

INSTALAÇÕES AÇÚCAR / ETANOL AQUECIMENTO SECUNDÁRIO 13 x 400 m² AÇÚCAR AQUECIMENTO TERCIÁRIO 2 x 330

AÇÚCAR / ETANOL AQUECIMENTO SECUNDÁRIO

13 x 400 m²
13 x 400 m²

AÇÚCAR

AQUECIMENTO

TERCIÁRIO

INSTALAÇÕES AÇÚCAR / ETANOL AQUECIMENTO SECUNDÁRIO 13 x 400 m² AÇÚCAR AQUECIMENTO TERCIÁRIO 2 x 330

2 x 330 m²

INSTALAÇÕES AÇÚCAR / ETANOL AQUECIMENTO SECUNDÁRIO 13 x 400 m² AÇÚCAR AQUECIMENTO TERCIÁRIO 2 x 330

TRATAMENTO DE CALDO PRODUÇÃO DE AÇÚCAR

Conjuntos com 3 corpos
Conjuntos com 3 corpos

MODIFICAÇÃO LINHA DE AQUECEDORES PRODUÇÃO DE AÇÚCAR

SIMPLIFICAÇÃO + SEGURANÇA > PERDA DE FLEXIBILIDADE
SIMPLIFICAÇÃO + SEGURANÇA > PERDA DE FLEXIBILIDADE
MODIFICAÇÃO LINHA DE AQUECEDORES – PRODUÇÃO DE AÇÚCAR SIMPLIFICAÇÃO + SEGURANÇA > PERDA DE FLEXIBILIDADE

TRATAMENTO DE CALDO PRODUÇÃO DE ETANOL

TRATAMENTO DE CALDO – PRODUÇÃO DE ETANOL Instalação Típica – Aquecedores em Série

Instalação Típica Aquecedores em Série

TRATAMENTO DE CALDO – PRODUÇÃO DE ETANOL Instalação Típica – Aquecedores em Série

INTEGRAÇÃO DE OPERADORES

INTEGRAÇÃO DE OPERADORES 1 x dia – Treinamento Teórico  OBJETIVOS 1 x semana – Operação

1 x dia Treinamento Teórico

OBJETIVOS

OPERADORES 1 x dia – Treinamento Teórico  OBJETIVOS 1 x semana – Operação Supervisionada 

1 x semana Operação Supervisionada

CONHECIMENTO E CONFIANÇA NA ESTRUTURA OPERACIONAL

APRENDIZADO OPERADORES I

REGISTROS DE TREINAMENTO GARANTIA DE ENTENDIMENTO DOS OPERADORES / FISCALIZAÇÕES MTE

– OPERADORES I  REGISTROS DE TREINAMENTO – GARANTIA DE ENTENDIMENTO DOS OPERADORES / FISCALIZAÇÕES MTE

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

CUIDADOS NA PARTIDA E OPERAÇÃO

Status das Válvulas Automáticas Abrir Válvulas Comunicação Abrir Válvulas Automáticas Campo x COI Manuais
Status das Válvulas
Automáticas
Abrir Válvulas
Comunicação
Abrir Válvulas
Automáticas
Campo x COI
Manuais
COI
COI
Liquidação Liquidação Caldo Condensado
Liquidação
Liquidação
Caldo
Condensado

Saída

Inspeção Visual detalhada
Inspeção Visual
detalhada
Operação OK Fechar By-Pass
Operação OK
Fechar By-Pass
FALHA
FALHA
Condensado Saída Inspeção Visual detalhada Operação OK Fechar By-Pass FALHA Condensado  FALHAS DE VÁLVULAS

Condensado

FALHAS DE VÁLVULAS

Condensado Saída Inspeção Visual detalhada Operação OK Fechar By-Pass FALHA Condensado  FALHAS DE VÁLVULAS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

CUIDADOS NAS PARADAS PARA MANUTENÇÃO E LIMPEZA

Fecha Válvulas Garantia de Garantia de Automáticas Liquidação Fecha Válvula Abrir Válvulas Estanqueidade
Fecha Válvulas
Garantia de
Garantia de
Automáticas
Liquidação
Fecha Válvula
Abrir Válvulas
Estanqueidade
Abrir By-Pass
completa
Fecha Válvulas
de Vapor
COI
de Liquidação
Injeção de Água
no Corpo
das Válvulas,
Manuais
Campo x COI
Inspeção depois
antes da
COI
Fecha Ar Comp.
Campo
Resfriamento
de aberto
abertura
Campo
Tampo Superior
Solicitação de Parada Campo
Solicitação de
Parada
Campo
Campo Tampo Superior Solicitação de Parada Campo Liquidação Caldo Saída Condensado Liquidação
Liquidação Caldo
Liquidação
Caldo

Saída

Condensado

Liquidação

Condensado

Liberação para Limpeza Gestor/PSR
Liberação para
Limpeza
Gestor/PSR
de Parada Campo Liquidação Caldo Saída Condensado Liquidação Condensado Liberação para Limpeza Gestor/PSR
de Parada Campo Liquidação Caldo Saída Condensado Liquidação Condensado Liberação para Limpeza Gestor/PSR

IMPORTÂNCIA DA LIQUIDAÇÃO IMEDIATA NAS PARADAS

400 kgv V1

IMPORTÂNCIA DA LIQUIDAÇÃO IMEDIATA NAS PARADAS 400 kgv V1 Temperatura [C] Volume Ocupado [m³]   65

Temperatura [C]

Volume Ocupado [m³]

 

65

6,4

65 6,4  
 

105

6,6

57 mm

Liquidação Liquidação Caldo Condensado
Liquidação
Liquidação
Caldo
Condensado

Saída

Condensado

Líquido Vapor v = 0,001 m³/kg v = 0,977 m³/kg
Líquido
Vapor
v = 0,001 m³/kg
v = 0,977 m³/kg
57 mm Liquidação Liquidação Caldo Condensado Saída Condensado Líquido Vapor v = 0,001 m³/kg v =

COMUNICAÇÃO E IDENTIFICAÇÕES

COMUNICAÇÃO E IDENTIFICAÇÕES O P E R A Ç Ã O C A M P O
COMUNICAÇÃO E IDENTIFICAÇÕES O P E R A Ç Ã O C A M P O
COMUNICAÇÃO E IDENTIFICAÇÕES O P E R A Ç Ã O C A M P O

OPERAÇÃO CAMPO

GESTÃO

COMUNICAÇÃO E IDENTIFICAÇÕES O P E R A Ç Ã O C A M P O
COMUNICAÇÃO E IDENTIFICAÇÕES O P E R A Ç Ã O C A M P O

OPERAÇÃO C.O.I.

COMUNICAÇÃO E IDENTIFICAÇÕES O P E R A Ç Ã O C A M P O
COMUNICAÇÃO E IDENTIFICAÇÕES O P E R A Ç Ã O C A M P O

COMUNICAÇÃO E IDENTIFICAÇÕES

GARANTIA E CONFIABILIDADE

COMISSIONAMENTO NO INÍCIO DA SAFRA

MANUTENÇÕES PERIÓDICAS

E IDENTIFICAÇÕES  GARANTIA E CONFIABILIDADE  COMISSIONAMENTO NO INÍCIO DA SAFRA  MANUTENÇÕES PERIÓDICAS
E IDENTIFICAÇÕES  GARANTIA E CONFIABILIDADE  COMISSIONAMENTO NO INÍCIO DA SAFRA  MANUTENÇÕES PERIÓDICAS

ASPECTOS IMPORTANTES PREVENÇÃO DE ACIDENTES

PSV´s

ASPECTOS IMPORTANTES – PREVENÇÃO DE ACIDENTES  PSV´s
ASPECTOS IMPORTANTES – PREVENÇÃO DE ACIDENTES  PSV´s

ASPECTOS IMPORTANTES PREVENÇÃO DE ACIDENTES

SUBSTITUIÇÃO DE JUNTAS DE PAPELÃO HIDRÁULICO

CICLOS TÉRMICOS SUBMETIDOS 10 X MAIS RESISTENTE

ABSORVE VIBRAÇÕES E GOLPES DE ARIETE

NÃO HÁ RESSECAMENTO NÃO TEM BORRACHA COMO NOS PAPELÕES

• ABSORVE VIBRAÇÕES E GOLPES DE ARIETE • NÃO HÁ RESSECAMENTO – NÃO TEM BORRACHA COMO
• ABSORVE VIBRAÇÕES E GOLPES DE ARIETE • NÃO HÁ RESSECAMENTO – NÃO TEM BORRACHA COMO
• ABSORVE VIBRAÇÕES E GOLPES DE ARIETE • NÃO HÁ RESSECAMENTO – NÃO TEM BORRACHA COMO

ASPECTOS IMPORTANTES PREVENÇÃO DE ACIDENTES

PARAFUSOS TIPO OLHAL - FORJADOS

ASPECTOS IMPORTANTES – PREVENÇÃO DE ACIDENTES  PARAFUSOS TIPO OLHAL - FORJADOS
ASPECTOS IMPORTANTES – PREVENÇÃO DE ACIDENTES  PARAFUSOS TIPO OLHAL - FORJADOS
ASPECTOS IMPORTANTES – PREVENÇÃO DE ACIDENTES  PARAFUSOS TIPO OLHAL - FORJADOS

ASPECTOS IMPORTANTES PREVENÇÃO DE ACIDENTES

PROJETOS DE ALTERAÇÃO E REPAROS

ASPECTOS IMPORTANTES – PREVENÇÃO DE ACIDENTES  PROJETOS DE ALTERAÇÃO E REPAROS
ASPECTOS IMPORTANTES – PREVENÇÃO DE ACIDENTES  PROJETOS DE ALTERAÇÃO E REPAROS
ASPECTOS IMPORTANTES – PREVENÇÃO DE ACIDENTES  PROJETOS DE ALTERAÇÃO E REPAROS

ASPECTOS IMPORTANTES PREVENÇÃO DE ACIDENTES

PROJETO JAQUETA TEFLON

ASPECTOS IMPORTANTES – PREVENÇÃO DE ACIDENTES  PROJETO – JAQUETA TEFLON

AGRADECIMENTOS E CONTATO

WELDING

CMAA

AGRADECIMENTOS E CONTATO  WELDING  CMAA  FRANCO CARVALHO – GESTOR DE PROCESSOS  CARLOS

FRANCO CARVALHO GESTOR DE PROCESSOS

CARLOS ALBERTO DECELISSE COORDENADOR DE PROCESSOS

CELSO CARDOSO DE OLIVEIRA DIRETOR INDUSTRIAL

André Braga dos Reis andre.reis@cmaa.ind.br (34) 9911-9990

 CELSO CARDOSO DE OLIVEIRA – DIRETOR INDUSTRIAL André Braga dos Reis andre.reis@cmaa.ind.br (34) 9911-9990