Você está na página 1de 24
CAPITULO Elementos de circuitos ere) 2.1 Fontes de tensao e corrente 2.2 Resisténcia elétrica (Lei de Ohm) 2.3 Construgdo de um modelo de circuito 24 Leis de Kirchhoff 2.5. Andlise de um circuito que contém fontes dependentes PATS ea) 1. Entender os simbolos e 0 comportamento dos seguintes elementos basicos ideais de circuitos: fontes independentes de tensao e corrente, fontes dependentes de tensao e corrente e resistores. Saber enunciar a lei de Ohm, a lei das tensdes de Kirchhoff, a lei das correntes de Kirchhoff e saber usé-las para analisar circuitos simples. Saber como calcular a poténcia para cada elemento de um circuito simples e 0 equilibrio de poténcia para todo o circuito. Perspectiva pratica Ha cinco elementos bisicos ideais de circuitos: fontes de tensio, fontes de corrente, resistores, indutores ¢ capacito: res. Neste capitulo, discutimos as caracteristicas de fontes de tensio, fontes de corrente ¢ resistores. Embora esse niimero, de elementos possa parecer pequeno para se comegar a anali sar circuitos, muitos sistemas préticos podem ser modelados, apenas com fontes e resistores, Fles também sio um ponto de partida dtil por causa de sua relativa simplicidade: as relagbes ‘matematicas entre tensio e corrente em fontes ¢ resistores, si algébricas. Assim, voce poder’ comegar a aprender as técnicas basicas de analise de circuitos apenas com manipu- lagdes algébricas ‘Adiaremos a apresentagio de indutores € capacitores até 0 Capitulo 6, pois sua utilizagéo requer a resolugio de Contudo, as tée equacées integrais e diferenci liticas basicas para resolver circuitos com indutores e capa- citores sio as mesmas apresentadas neste capitulo, Portan- to, no momento de manipular equagdes mais dificeis, voce provavelmente estaré muito familiarizado com os métodos, para escrevé-las. Seguranga elétrica “Perigo — Alta tensio.” Este aviso muito conhecido & enganador. Todas as formas de energia, incluindo a eric, podem ser perigosas. Mas ndo € s6 a tensdo que pode ma- chucat. 0 choque de eletricidade estitica que vocé recebe quando anda sobre um carpete e toca em uma macaneta é initante, mas no machuca. No entanto, aquela faisca é causada por uma tensdo centenas ou mithares de vezes maior do que as tensGes que podem causar danos. ‘A energia elétrica que realmente pode causar ferimen- tos € devida a corrente elétrica e a0 modo como ela flui pelo corpo. Entéo, por que o sinal de aviso de alta tensdo? Porque, do modo como a energia eltrica € produzida e dis- tribuida, € mais facil determinar tensdes do que correntes, ‘em disso, a maioria das fontes elétricas produz tensbes constantes, especificadas. Portanto, os cartazes advertem do ‘que & fail de medi. Determinar se uma fonte pode fornecer correntes potencialmente perigosas e sob quais condigées {sso pode acontecer & mais ifiil porque isso requer que se fentenda de engenharia elatrica. ‘Antes de podermos examinar esse aspecto da seguran- 6a elétrca, temos de aprender como tensdes e correntes sio produzidas e a relacdo entre elas. O comportamento eli co de objetos, como 0 corpo humano, & bastante complexo €, muitas vezes, esté além de uma compreensdo completa. Para podermos prever e controlar fendmenos elétricos, usa- ‘mos modelos simplificadores nos quais uma simples relacao matematica entre tensdo e corrente aproxima as verdadeiras relagdes existentes entre objetos reais. Tais modelos e méto- dos analiticos formam 0 ndcleo das técnicas de engenharia elétrica, que nos permitirao entender todos os fendmenos elétricos, incluindo os que se referem a seguranca elétrica. ‘No final deste capitulo, usaremos um modelo de circui- to elétrico simples para descrever como e por que as pessoas so feridas por correntes elétricas. Ainda que no seja pos- sivel desenvolvermos uma explicaco exata e completa do comportamento elétrico do corpo humano, podemos obter uma étima aproximagao, usando modelos de circuitos sim- ples para avaliar e melhorar a sequranca de sistemas e dis- positivos elétricos. Desenvolver modelos que proporcionem ‘um entendimento imperfeito, porém adequado, para solu- cionar problemas praticos ¢ o Amago da engenharia. Grande parte da arte da engenharia elétrica, que voc8 aprender por ‘experiéncia, esta em saber quando e como resolver proble- mas dificets usando modelos simplificadores. 16 _Circuitos elétricos 2.1 Fontes de tensdo e corrente Antes de discutirmos fontes ideais de tensio e de corren: te, precisamos considerar a natureza geral das lontes elétricas, Uma fonte elétrica é um dispositivo capaz de converter energia, rio elétrica em energia elétrica e vice-versa. Quando uma pi- Ia se descarrega, converte energia quimica em energia elétri- 2, a0 passo que, quando ela se carrega, converte energia elétrica em energia quimica. Um dinamo ¢ uma miquina que converte energia mecinica em energia elétrica e vice-versa. Quando o dispositivo funciona no modo mecinico-para-elé- {rico, € denominado gerador. Se estiver transformando ener- ‘gia elétrica em energia mecinica, néso denominamos motor. E importante lembrar que essas fontes podem liberar ou ab- sorver energia elétrica, em geral mantendo a tensio ou corren- te, Esse comportamento é de particular interesse paraa andlise de circuitose resultou na criagao da fonte ideal de tensio e da fonte ideal de corrente como elementos bisicos de circuito. 0 desafio € modelar fontes priticas em termos dos elementos biisicos ideais de circuito, ‘Uma fonte ideal de tensao ¢ um elemento de circuito que mantém uma tensio prescrita em seus terminais independen temente da corrente que flui neles. De maneira semelhante, uma fonte ideal de corrente & um elemento de circuito que ‘mantém uma corrente prescrita em seus terminais indepen- dentemente da tensio neles. Bsses elementos de circuito nio ‘existem como dispositivos priticos — sio modelos idealiza- dos de fomtes de tensio e corrente reais Usar um modelo ideal para fontes de corrente e tensio impoe uma restrigdo importante ao modo como podemos, descrevé-lo em linguagem matemitica. Como uma fonte ideal de tensio proporciona uma tensio estavel, mesmo que a corrente no elemento varie, é impossivel especificar a corrente de uma fonte ideal de tensio como uma fungéo de sua tense. Da mesma forma, se a nica informagao que voce tiver sobre uma fonte ideal de corrente for 0 valor da corrente fornecidla, ser impossivel determinar a tensio da- quela fonte de corrente. Sacrificamos nossa capacidade de relacionar tensio e corrente em uma fonte pritica pela sim- Plicidade de usar fontes ideais em analise de circuitos. Fontes ideais de tensio e corrente podem ainda ser des critas como fontes independentes ou fontes dependentes. Uma fonte independente estabelece uma tensio ou corrente fem um circuito sem depender de tenses ou correntes exis- tentes em outros lugares do circuit. O valor da tensio ou corrente fornecida é especificado apenas pelo valor da fonte independente. Ao contrério, uma fonte dependente estabelece ‘uma tensio ou corrente cujo valor depende do valor de uma {ensio ou corrente em outro lugar do circuito. Vocé nao pode especificar o valor de uma fonte dependente a menos que co- rheca o valor da tensio ou corrente da qual ela depende. s simbolos de circuito para as fontes ideais indepen. dentes sio mostrados na Figura 2.1. Observe que é usado um circulo para representar uma fonte independente. Para especificar completamente uma fonte de tensio ideal inde- Pendente em um citeuito, vocé tem de incluir o valor da tensio fornecida ea polaridade de referencia, como mostra a Figura 2.1(a). De modo semelhante, para especificar com- pletamente uma fonte de corrente ideal independente, voce deve incluir o valor da corrente fornecida e sua direcio de referéncia, como mostra a Figura 2.1(b). Os simbolos de circuito para as fontes ideais depen- dentes so mostrados na Figura 2.2. Um losango é usado para representar uma fonte dependente. Tanto a fonte de corrente dependente quanto a fonte de tensio dependente podem ser controladas por uma tensio ou por uma corren- {e existente em outro lugar do circuito, resultando, portan, {o, num total de quatro variagdes, como indicam os simbo- los na Figura 2.2. Fontes dependentes as vezes sio denominadas fontes controladas. Para especificar completamente uma fonte de tensio ideal dependente com controle de tensio, voce deve identi- ficar a tensio de controle, a equacio que permite calcular a tensdo fornecida a partir da tensao de controle e a polarida, de de referéncia para a tensio fornecida. Na Figura 2.2(a), a @ (by Figura 2.1. Simbolos de circuto para (a) uma fonte de tensio ideal independente e (b) uma fonte de carente ideal indepentiente. Be, @) ©. 0, = pig (b) @ Figura 2.2. Simbolos de crcuito ara (a) uma fonte ideal de tensio com controle de tensdo, (b) uma fonte ideal de tens com controle de coment, (c) uma fonte ideal de corrente com controle de tensioe (4) tame fonte ideal de corrente com controle de content. tensio de controle é denominada 1, a equagio que deter- mina a tensao fornecida v, é = HU a polaridade de referéncia para v, €a indicada. Observe ‘que 4. é uma constante multiplicativa adimensional. Existem requisitos semelhantes para especificar com pletamente as outras fontes ideais dependentes. Na Figura 2.2(b), a corrente de controle € i,, a equagao para a tensio fornecida 0, € 0, Pig ‘a polaridade de referencia é a indicada e a constante multi- plicativa p tem a dimensio volts por ampere. Na Figura 2.2(0), a tensio de controle é va equagao para a corrente fornecida i, é i= Oy Capitulo 2 _Elementos de citcuitos_17 a diregao de referencia éa indicada ea constante multiplicativa ‘tem a dimensao ampéres por volt. Na Figura 2.2(d), a cor- rente de controle é i, a equagao para a corrente fornecida i, é Biv, a direcao de referéncia é a indicada e a constante multipli- cativa fi é adimensional Por fim, em nossa discussdo sobre fontesideais, observa ‘mos que elas s4o exemplos de elementos ativos de circuit. Um elemento ative € aquele que modela um dispositive capaz de gerar energia elétrica. Elementos passivos modelam dispo- sitivos fisicos que nao podem gerar energia elétrica. Resisto- res, indutores ¢ capacitores sio exemplos de elementos passi- vos de circuito, Os exemplos 2.1 2.2 ilustram como as caracteristicas de fontes ideais independentes e dependentes, limitam 0s tipos de interconexies permissiveis das fontes. BECHER Teste de interconexdes de fontes ideais Usando as definigdes de fontes de tensio ¢ corrente ideais independentes, diga quais das interconexdes da Fi- gura 2.3 sao permissiveis e quais infringem as restrigbes impostas pelas fontes ideais. Solucao A conexio (a) é valida. Cada fonte fornece tensio pelo mesmo par de terminais, denominados a,b 1ss0 ex ‘ge que cada uma delas fornega a mesma tensio com a mesma polaridade, que é 0 que elas fazem. ‘A-conexao (b) ¢ vilida. Cada fonte fornece corrente pelo mesmo par de terminais, denominados 4b, Isso re- quer que cada uma delas fornega a mesma corrente na ‘mesma diregdo, que é o que elas fazem. ‘A conexio (¢) ni é permissivel. Cada fonte fornece tensio pelo mesmo par de terminals, denominados 4b. Isso exige que cada uma delas fornega a mesma tensio com @ mesma polaridade, e isso elas nao fazem. ‘A conexio (d) nao é permissivel. Cada fonte fornece corrente pelo mesmo par de terminais, denominados ab. Isso exige que cada uma delas fornega a mesma corrente, rna mesma direcdo, o que elas nfo fazem. A conexio (e) ¢ vilida. A fonte de tensao fornece tensao pelo par de terminais, denominados ab. A fonte de corrente fornece corrente pelo mesmo par de ter nais. Como uma fonte ideal de tensao fornece a mesma tensio independentemente da corrente ¢ uma fonte ideal de corrente fornece a mesma corrente independente- mente da tensio, esta é uma conexio permisstvel. Figura 2.3 A Cicuitos para o Bxemplo 21. : : og : 626 fa) tb) ( d te) ‘Usando as definig6es de fontes ideais independentes e dependentes, diga quais das interconexoes da Figura 2.4 sio vilidas e quais infringem as restrigdes impostas pelas fontes ideais. BETMMINEZM = Teste de interconexdes de fontes ideais independentes e dependentes Solusao ‘A conexio (a) €invalida, Tanto a fonte independente quanto a dependente fornecem tensdo pelo mesmo par 18 Circuitos eletricos_ de terminais, denominados ab. Isso requer que cada uma delas fornesa a mesma tenséo com a mesma polati- dade, A fonte independente fornece 5 V, mas a fonte de- pendente fornece 15 V. A conexio (b) évilida. A fonte de tensio independen- te fornece tensio pelo par de terminais denominados ab. A fonte de corrente dependente fornece corrente pelo mesmo par de terminais. Como uma fonte ideal de tensio fornece a ‘mesma tensao independentemente da corrente, e uma fonte ideal de corrente fornece a mesma corrente independente- mente de tenso, essa é uma conexao permissive. A conexio (c) € vilida. A fonte de corrente indepen- dente fornece corrente pelo par de terminais denominados 4a. A fonte de tensdo dependente fornece tensao pelo mes- ‘mo par de terminais, Como uma fonte ideal de corrente for- hnece a mesma corrente independentemente da tensio, € ‘uma fonte deal de tensao fornece a mesma tensio indepen. dentemente da corrente, essa é uma conexdo permissive. ‘A conexio (d) é invlida. Tanto a fonte independen- te quanto a dependente fornecem corrente pelo mesmo par de terminais, denominados a,b. Isso requer que cada uma delas forneca a mesma corrente na mesma diregio de referencia. A fonte independente fornece 2 A, mas a fonte dependente fornece 6 A na direcdo oposta. fav Oo) Figura 2.4 A Ciccuitos para o Exemplo 2.2. aaa AN Tea 2A wo ® uv PROBLEMAS PARA AVALIACAO 21 Para o circuito mostrado, a) Qual é valor de 1, requerido para que a in terconexio seja vilida? b) Para esse valor dev, determine a poténcia as sociada a fonte de 8 A. Resposta: (a) -2 V; (b) -16 W (16 W fornecidos). Objetivo 1 — Entender elementos basicos ideais de circuito NOTA: Tente resolver também os problemas 2.2¢ 2.3, apresentados no final deste capitulo, 2.2 Para occircuito mostrado, a) Qual € 0 valor de a requerido para que a in- terconexio seja vilida? b) Para o valor de a: calculado na parte (a), de- termine a poténcia associada a fonte de 25 V. Resposta: (a) 0,6 A/V; (b) 375 W (375 W absorvidos). 15a 4 2sv 2.2 Resisténcia elétrica (lei de Ohm) Resisténcia a capacidade dos materiais de impediro fu x0 de corrente ou, mais especificamente,o fluxo de carga elétri- ) Hé um risco significativo de ocorrer esse tipo de acidente durante 0 conserto de um computador pessoal, cujas fontes tipicas sio de 5 Ve 12 V? 2.38" Para entender por que o nivel de tensao nao é 0 tn. SSE co determinante do dano potencial devido a um choque elétrico, considere 0 caso de um choque de cletricidade estética mencionado na Perspectiva Pratica no inicio deste capitulo. Quando voce arras- ta 0s pés por um carpete, seu corpo fica carregado. O efeito dessa carga € que todo seu corpo fica a um. determinado potencial elétrico, Quando sua mao se aproxima de uma macaneta de metal, diferenga de potencial entre esta e sua mao faz fluir uma corrente clétrica — mas 0 material de condugo é 0 ar, ¢ no 0 seu corpo! Suponha que o modelo do espago entre sua mio ea ‘maganeta & uma resisténcia de I MQ. Qual édife- renga de potencial (tensio) existente entre sua mio ‘ea macaneta, se a corrente que esta causando o leve choque é de 3 mA? APENDICE Respostas dos problemas selecionados Capitulo 1 b) Uma fonte de 75 V em série com um resistor de Ll 13 16 19 112 Lay 124 1.26 Capitulo 2 22 23 26 28 2.10 241 244 247 HW) rT 50 0 0 110 gigawatts-horas a) 111,6 segundos b) 2.480 bytes 0,10 mm 6 sen 4.000¢ mC a) 600 W de AaB b) 2.000 W de Ba A ©) 2.400 W de Ba A 4) 4.800 W de AaB a) 3,1 mw b) L24 J ©) 21,67 wy a) £= 0,634 1) 5,196 mW (fornecida) ©) t= 2,366 s 4) 5,196 mW (extraida) ©) Om, 4m}, 4 my, 0 my 770 mW 218 219 2.24 228 1.700 W Nao ¢ vilida por causa das fontes de corrente de4 A €5 A no ramo da extrema direita Nio é valida, visto que a queda de tensao entre os nds superior e inferior é diferente em razio das ten- soes diferentes nos ramos da esquerda e da direita Nio € valida, visto que a queda de tensao entre os nds superior e inferior & diferente em razio das ten- s0es diferentes nos ramos da esquerda e da direita Resistor de 8 kA. Resistor de4 kA. a) Uma fonte de corrente de 5 A em paralelo com uum resistor de 20.0. b) 80W a) 2.36 2.37 1 ann OS OSCDSCO isfmay 2.38 200.0 ©) 125mA 4) 375 ma ) 500 mA £) Um modelo linear nao pode prever comporta mento nio-linear a) 2A b)O5A 940V 4) 25 9) 1D5w 0. W, 20 W a) 24A,16A b) I92V ©) Poténcia desenvolvida e dissipada é 768 W 4) 22,22 W, 33,33 W, 11,11 W, 16,67 W,0 W b) 83,33 W ©) Poténcia desenvolvida e dissipada & 83,33 W a) 45V b) Poténcia desenvolvida e dissipada é 741 mW {= 385 mA, portanto deve ser emitido um sinal de alerta e tomadas precaugoes Ry 59,17 Ws Phen 7,40 W 414.23 551, yan = 70422,54 § ©) Todos os valores so. muito maiores do que alguns minutos a) 40V b) Nao, 12 V/800 2 = 15 mA causard um chogue 29,59 W; 3.000 V