Você está na página 1de 4

O exercício da arte de tratar animais começa com o processo de domesticação dos lobos, pelo homem

primitivo.
O mais antigo registro que se tem notícia, data do século XVIII a.C. – é o “Papyrus Veterinarius de Kahoun”
(egípcio) que fazia referência à medicina animal, indicava técnicas de diagnóstico, sintomas e tratamento de várias
espécies animais com plantas e ervas.
O tratamento através de plantas e cheiros é muito antigo. Na pré-história, hominídeos já queimavam madeira e
folhas para agradar os deuses com aromas.
Na América pré-hispânica, todas as culturas existentes deixaram testemunhos do uso de plantas aromáticas
com fins curativos e rituais.
Não se pode precisar a primeira extração por destilação dos chamados óleos essenciais. Provavelmente esse
fato aconteceu no período posterior ao dilúvio, de acordo com as escrituras hebraicas.
Há alguns milhares de anos, ervas aromáticas, bálsamos, e resinas vêm sendo utilizados para embalsamar
cadáveres em cerimônias religiosas e nenhum documento registra com exatidão o uso de óleos essenciais isolados.
Aromaterapia é o tratamento através dos cheiros, das fragrâncias. A ação terapêutica se dá através dos óleos
essenciais (compostos voláteis extraídos das plantas) e acontece num nível mais elevado, mais sutil que o da planta
inteira ou seu extrato, tendo em geral, um efeito mais pronunciado sobre o físico, a mente e as emoções.
Aromaterapia é um ramo da Osmologia, ciência que se ocupa do estudo do olfato e das partículas que dispersas no
meio, são captadas por células especiais, sendo interpretadas como cheiros pelo cérebro.
Os conceitos da Aromaterapia Para Uso em Animais estão fundamentados na visão holística de tratamento, a
percepção do Universo e do bicho como um todo harmonioso e indivisível. A saúde holística tem como objetivo o
bem-estar do ser total, não limitada aos sintomas da enfermidade. Ela está baseada na suposição que corpo, mente,
emoções e espírito formam uma unidade indivisível e que o desequilíbrio em um desses níveis causa a doença.
Atualmente a Aromaterapia é uma técnica reconhecida e empregada em muitos países do Primeiro Mundo
como um método extremamente eficaz de tratamento: na Inglaterra e França, por exemplo. No Brasil, como
categoria, os Terapeutas Holísticos, têm seu Sindicato reconhecido pelo Ministério do Trabalho, no. 46000.003516/93
e no. 46000.002902/97 – Diário Oficial da União no. 55 de 21/03/1997, Seção I, página 5678 e Diário Oficial da União
no. 134-E de 16/07/1998, Seção I, página 01.
A Aromaterapia, sendo uma terapia holística complementar, não substitui a consulta com o médico veterinário.
De uma forma geral, as terapias holísticas possuem um efeito rápido e efetivo nos animais, no caso da
Aromaterapia, os animais por terem o olfato muito mais desenvolvido que o dos humanos, respondem muito bem ao
tratamento. A absorção dos óleos essenciais se dá pelo olfato e através da pele (tato). As ramificações dos nervos
olfativos na cavidade nasal de um cão por exemplo, ocupam cento e sessenta centímetros quadrados e no homem
ocupam cinco centímetros quadrados. As células olfativas, no homem, são em número de cinco milhões, em um cão
pastor alemão por exemplo, são duzentos e vinte milhões. O olfato nos gatos também é muito desenvolvido. Os
gatos possuem um órgão chamado vomeronasal no céu da boca que os ajuda a identificar odores. É considerado o
segundo sistema olfativo do gato. É como se sentissem o “gosto” do cheiro.
Todos os animais respondem ao tato, às carícias. Neurologistas descobriram que quando a mãe lambe os
filhotes, provoca modificações químicas neles. Se o filhote é separado de sua mãe, diminuem seus hormônios de
crescimento.
Óleos naturais e óleos sintéticos
Além dos óleos voláteis obtidos de plantas (fitogênicos), produtos sintéticos são encontrados no mercado. Na
Aromaterapia somente os naturais são usados. Existe uma diferença marcante na composição química dos óleos
naturais e dos sintéticos, o que impede seu emprego quando se trata de doenças físicas, pois o uso pode, além de
não resolver o problema, ocasionar sérias intoxicações e impede seu emprego na psicoaromaterapia, pois o produto
sintético não carrega consigo a essência vital da planta, impede seu uso energeticamente, pois através dos óleos
essenciais os efeitos se dão não só pelo seu aroma, mas também pela freqüência vibracional e memória que eles
carregam. A adulteração e falsificação de óleos voláteis são conhecidas desde os tempos mais antigos. Além da
fraude em relação ao consumidor, dependendo do tipo de falsificação, esta pode acarretar consequências
desastrosas para a saúde do usuário. Os óleos sintéticos podem causar intoxicações e/ou alergias respiratórias,
principalmente em animais. Portanto é vital a idoneidade do produtor. A Phytoterápica garante a pureza e
procedência de seus produtos, através dos certificados de análise.
Alguns cuidados na utilização dos óleos essenciais em animais
 Não usar óleos essenciais perto dos olhos, nariz e nem nos genitais do animal.
 Se mesmo com todo cuidado o óleo essencial penetrar no olho do bichinho, nariz ou genitais, colocar
algumas gotas de óleo vegetal (óleo de semente de uva, óleo de gergelim, etc.) em uma gaze esterilizada e aplicar
suavemente no local – não lavar.
 Manter os frascos fora do alcance de crianças e de animais - alguns óleos são tóxicos.
 Não dar óleos essenciais oralmente para animais.
 Os óleos essenciais podem ser usados em quaisquer animais: cães, gatos, cavalos, ferretes, ratinhos
brancos, coelhos, bois, cabras, hamsteres, animais silvestres, animais selvagens etc. O que pode variar é a diluição,
em relação ao tamanho do animal.
 Para vaporizar ambientes, usar álcool de cereais.
 No caso de vaporizar o animal, usar água destilada (não usar álcool de cereais), protegendo os olhos do
bicho.
O terapeuta deve obsevar alguns cuidados para a recomendação dos óleos essenciais
 Para animais, é importante estudar características e comportamento da espécie, ambiente onde vive o
animal e temperamento individual.
 Alguns óleos são contra-indicados para uso em fêmeas prenhes.
 Alguns óleos são fotossensibilizantes, principalmente os cítricos – o animal não deve ser exposto ao sol por
um período de até doze horas após a aplicação do óleo.
 Alguns óleos são tóxicos – só devem ser recomendados por terapeuta devidamente habilitado, que saberá
indicar a posologia e freqüência corretas.
 Alguns óleos podem irritar a pele de animais sensíveis.
 Alguns óleos podem provocar convulsões em animais epilépticos.
 Alguns óleos não devem ser utilizados conjuntamente com homeopatia (podem “cortar” o efeito da
homeopatia).
Formas de utilização dos óleos essenciais em animais
Cada caso é um caso e a forma de indicação terapêutica e os óleos a serem utilizados, ficarão a critério do
terapeuta, baseando-se na tabela das propriedades dos óleos essenciais e vegetais (carreadores). Para os animais,
as formas mais comuns de aplicação são:
Inalação: A inalação pode ser considerada a forma mais segura para o emprego da Aromaterapia, pois a
quantidade de óleo absorvida é bem pequena, o que leva a menos riscos de intoxicação. Nos tratamentos por
inalação, a mais eficaz, é a inalação direta. O proprietário pode colocar duas gotas do óleo essencial na caminha do
animal na hora de dormir.
Inalação por difusão: Os difusores podem ser elétricos, à vela ou pastilhas. Exemplos de difusores ou
aromatizadores: difusores por evaporação, aromatizadores elétricos (similares aos que repelem insetos, as pastilhas
são impregnadas com os óleos essenciais), difusores por dispersão a frio (os óleos essenciais são bombeados no ar
sob pressão), pulverização (com spray ou vaporizador).
Banhos: Na água e na última água de enxágue.
Compressas: Para lesões: compressa morna, compressa quente para dor de ouvido, abscessos, dores, etc.
Cataplasma: emplastro de argila ou farinha aplicado entre dois panos para fornecer mais calor por mais tempo do
que a compressa quente.
Pomadas: Podem ser preparadas para caso de dores de coluna ou musculares.
Massagem: A massagem é uma ótima forma de aplicação dos óleos essenciais embora a quantidade de
produto aplicado e absorvido seja bem menor que na inalação. De qualquer forma, a aplicação dos óleos em forma
de massagem traz uma eficácia grande para o animal e uma maior interação entre ele e o proprietário. Os óleos
neste caso devem ser preparados junto aos óleos vegetais (carreadores). O óleo vegetal mais usado para animais é
o óleo de semente de uva, por não ser excessivamente oleoso, ter boa penetração e ser quase inodoro.
Dicas para o uso de óleos essenciais em animais
Os animais, por terem o olfato muito sensível, podem não aceitar, rejeitar, não gostar do aroma de uma
determinada sinergia, então a combinação de óleos essenciais deverá ser mudada.
Contra fungos que causam queda do pelo: 3 gotas de OE (óleo essencial) de Bergamota + 5 gotas de OE
de Lavanda + 2 gotas de OE de Tea Tree + 10 gotas de OV (óleo vegetal) de Semente de Uva: aplicar com pincel
(novo - só usar para essa finalidade) nas lesões 1 vez ao dia. Por 21 dias.
Fungos: 10 gotas de OE de Bergamota + 8 gotas de OE de Lavanda + ¼ de copo americano de água
destilada, 1 vez ao dia ou 10 gotas de OE de Tea Tree + 15 gotas de OE de Lavanda + 2 colheres de sopa de água
destilada, 1 vez ao dia. Por 15 dias.
Fungos (inclusive malacésia): 10 gotas de OE de Tea Tree + 10 gotas de OE de Cedro + 50 gotas de OV de
Semente de Uva. Aplicar com pincel (novo) 1 vez ao dia. Por 21 dias.
Ferimento de ponta de orelha (por mosca): 20 gotas de OE de Lavanda + 10 gotas de OE de Tea Tree + 10
gotas de OV de Semente de Uva: aplicar 3 vezes ao dia. Por 7 dias.
Úlcera gangrenosa (também de orelha, principalmente em gatos brancos e albinos): 5 gotas de OE de
Lavanda + 4 gotas de OE de Cedro + 8 gotas de OV de Semente de Uva, aplicar 3 vezes ao dia (com um pincel
novo). Por 21 dias.
Contra pulgas e carrapatos: 1 gota de OE de Tea Tree + 1 gota de OE de Citronela na caminha do animal 1
vez ao dia. Retirar todos os paninhos e lavar sempre. Pode-se usar 1 gota de OE de Citronela esfregando na coleira
do animal (parte externa), 1 vez de 3 em 3 dias. A maior parte das pulgas (95%) ficam no ambiente, somente 5% no
animal. Então, o chão, móveis, etc., devem ser limpos com desinfetante e depois passar um pano com 6 gotas de OE
de Citronela + 10 gotas de OE de Tea Tree + 1 copo americano de álcool de cereais, 2 vezes ao dia. Por 21 dias.
Xixi e cocô fora de lugar: limpar o local com desinfetante e aplicar 5 gotas de OE de Citronela + 1 colher de
sopa de álcool de cereais em todos os locais onde o animal urinou ou defecou fora de lugar. Insista, use por 30 dias.
Repelente de moscas, mosquitos (inclusive o mosquito da leishmaniose, principalmente onde essa doença é
endêmica): 6 gotas de OE de Citronela + 5 gotas de OE de Tea Tree + 10 gotas de álcool de cereais. Vaporizar o
cômodo, janelas, portas, etc., 3 vezes ao dia. Retirar o animal do ambiente antes de vaporizar.
Dores de coluna: 2 gotas de OE de Gengibre + 5 gotas de OE de Lavanda + 50 gotas de OV Semente de
Uva. Massagear levemente a coluna 1 vez por dia (abrindo bem os pelinhos). Por 21 dias.
Cálculos renais: 2 gotas de OE de Gerânio à noite na caminha do animal. Por 21 dias.
Convulsões: pingar 1 gota de OE de Lavanda no alto da cabecinha do animal 1 vez ao dia. Por 30 dias.
Medo de rojões, trovoadas: pingar 1 gota de OE de Lavanda na cabecinha do animal. Massagem na
barriguinha, interior das coxas e peito com 3 gotas de OE de Lavanda + 10 gotas de OV de Amêndoa Doce.
Massagear uma vez por dia. Por 30 dias.
Queimaduras (óleo, água fervente): 2 gotas de OE de Lavanda, pingar imediatamente sobre a queimadura.
Por 15 dias.
Caspinha no pelo: 6 gotas de OE de Tea Tree + 6 gotas de OE de Cipreste + 3 gotas de OE de Alecrim + 1
colher de sopa de água destilada. Vaporizar o animal protegendo os olhos, 1 vez ao dia. Por 21 dias.
Queda de pelos sem motivo (consulte o veterinário: nutrição deficiente, problemas de tireóide, etc.): 2 gotas
de OE de Cedro + 2 gotas de OE de Lavanda + 5 gotas de OE de Ylang Ylang + 10 gotas de OV de Semente de Uva,
uma colher de café por aplicação. Por 21 dias.
Tranquilizante: 2 gotas de OE de Lavanda puro na caminha do animal.
Sedativo: 1 gota de OE de Lavanda + 6 gotas de água destilada na cabecinha do animal, uma vez por dia.
Cio doloroso (agitação, excesso de vocalizações, etc.): 1 gota de OE de lavanda na cabecinha todas as
noites. Castração é indicada.
Machos agitados com cio de fêmeas - castração é indicada: 1 gota de OE de lavanda na cabecinha 1 ou 2
vezes por dia. Por 3 dias.
Ferida: 1 gota de OE de pau rosa + 3 gotas de OE de lavanda + 8 gotas de OV de andiroba, aplicar com gaze
esterilizada.
Cicatrizante (após cirurgias): 6 gotas de OE de lavanda + 3 gotas de OE de patchouli + 6 gotas de OV de
andiroba. Por 7 dias.
Mau cheiro no animal: 6 gotas de OE de cipreste + 3 gotas de OE de lavanda + 25 gotas de água destilada
(quantidade para uma borrifada). Borrifar no animal 2 vezes ao dia protegendo os olhos. Por 21 dias.
Obesidade: 1 gota de OE de tangerina na cama do animal todas as noites.
Sarna (qualquer tipo): 10 gotas de OE de tea tree + 5 gotas de OE de cedro + 30 gotas de OV de semente de
uva. Aplicar 1 vez ao dia até o animal parar de se coçar. Aplicar com pincel novo e somente para esta finalidade.
Continuar dia sim dia não por mais 15 dias. Depois fazer a pomada com o creme de Bach (1 colher de sopa) e a
mesma sinergia de óleos.
Sarna: 20 gotas de OE de tea tree + 20 gotas de lavanda + 5 gotas de OE de cedro + 100 ml (meio copo
americano) de água destilada. Vaporizar o animal protegendo os olhos do bichinho, 2 vezes ao dia. Por 30 dias.
Feridas com pus: compressas frias - 2 gotas de OE de tea tree + 5 gotas de OE de lavanda.
Limpeza do local onde o animal fica e área de dejetos: 10 gotas de OE de tea tree + 2 colheres de sopa de
álcool de cereais. Aplicar a mistura no local depois de lavar.
Vermes: 10 gotas de OE de tea tree em difusor a frio. Por 30 dias.
Bicheira: 3 gotas de OE de cipreste + 2 gotas de OE de tea tree + 6 gotas de OE de lavanda + 2 gotas de OE
de citronela, aplicar puro 2 ou 3 gotas dessa sinergia sobre a bicheira até resolver o problema.
Abscesso: 1 gota de OE de tea tree em cima do abscesso. Após a purgação, usar 1 gota de OE de lavanda
puro até a ferida fechar, 2 vezes ao dia.
Coceiras sem causa identificada: 4 gotas de OE de tea tree + 10 gotas de OE de lavanda + 6 gotas de OE
de bergamota + 10 gotas de OV de germe de trigo. Por 30 dias.
Laminite (apodrecimento dos cascos de cavalos, bois, etc.): 30 gotas de OE de cravo + 30 gotas de OE de tea
tree + 10 gotas de OE de eucalipto + 60ml de OV de copaíba. Aplicar nos cascos 1 vez ao dia. Por 30 dias. Deve ser
feito a desinfecção do estábulo. Para isso misture 50 gotas de OE de tea tree + 40 gotas de OE de eucalipto + 40
gotas de OE de lemongrass + 3 litros de água destilada. Colocar 2 xícaras dessa mistura em 4 litros de água
destilada e passar no estábulo.
Para tratar animais ariscos: 2 gotas de OE de ylang ylang + 3 gotas de OE de hortelã pimenta + 5 gotas de
OE de lavanda. Pingue 1 gota na nuca do animal 2 vezes ao dia.
Acalmar para tomar o banho: pingar 3 gotas de OE de lavanda na nuca do animal vinte minutos antes do
banho.
Para adestramento: 1 gota de OE de hortelã pimenta + 3 gotas de OV de semente de uva. Pingar na nuca
antes da aula.
Luto, tristeza: 8 gotas de OE de tangerina + 2 gotas de OE de ylang ylang + 5 ml de OV de semente de uva -
pingar 2 gotas dessa mistura na nuca, 2 vezes ao dia. Por 30 dias.
Coprofagia (comer fezes): 5 gotas de OE de citronela + 2 colheres de sopa de água destilada, vaporizar o
local de dejeto por 30 dias ou mais.
Limpar e desodorizar as patas, quando chegar da rua ou após o banho: 10 gotas de OE de limão Tahiti + 1
colher de sopa de álcool de cereais, aplique nas patas com esponja.
Para desinfecção de germes aéreos: 10 gotas de OE eucalipto + 3 colheres de sopa de água destilada.
Vaporizar o ambiente 2 vezes ao dia ou use em difusor elétrico.
Enjôos e vômitos: pingar 1 gota de hortelã pimenta, puro, na nuca, 1 vez ao dia. Por 15 dias.
Para relaxar animais bravos ou selvagens: 5 gotas de OE de ylang ylang + 2 colheres de sopa de água
destilada, vaporizar o ambiente 2 vezes ao dia. Colocar 1 gota de ylang ylang na caminha do animal.
Gengivite: 1 gota de OE de cravo + 1 gota de OE de tea tree + 1 colher de sopa de água destilada. Aplique
numa escova de bebê ou cotonete e espalhe na gengiva. Por 15 dias.
Problemas respiratórios: 15 gotas de OE de eucalipto + 10 gotas de OE de hortelã pimenta + 10 gotas de OE
de alecrim, pingar 3 gotas da mistura na caminha do animal. Por 15 dias.
Artrite, artrose, dores musculares: 5 gotas de OE de canela + 20 gotas de OE de vetiver + 15 gotas de OV
de castanha-do-pará. Massagear as articulações 1 vez ao dia. Por 30 dias.
Cortes e mordidas: 2 gotas de OE de cipreste + 6 gotas de OE de lavanda, pingar algumas gotas da mistura
no local. Por 7 dias.
Inchação da glândula anal em cães: 5 gotas de OE de tea tree + 10 gotas de OV de andiroba. Por 15 dias.
Úlcera grangrenosa na orelha de coelhos: 6 gotas de OE de lavanda + 2 gotas de OE de camomila + 8
gotas de OV de andiroba por 15 dias;
Limpar e desinfetar gaiolas de hamster e aves: 2 gotas de OE de lavanda + ½ litro de água destilada. Não
use outros óleos essenciais em hamsters.
Ratos no estábulo: 20 gotas de OE de hortelã pimenta + 15 gotas de OE de citronela + 3 litros de água
destilada. Após a limpeza passar no local.
Cinetose: 1 gota de OE de hortelã pimenta + 1 colher de sopa de água destilada, pingar 1 gota na nuca do
animal.
Adestramento: 1 gota de OE de hortelã pimenta + 1 gota de OE de lemongrass – misturar e aplicar na nuca
do animal antes das aulas de adestramento;
Traumas emocionais: 2 gotas de OE de lavanda na nuca do animal. Por 30 dias.
Machucado do cavalo pelo uso da sela: 6 gotas de OE de lavanda + 2 gotas de OE de tea tree + 10 gotas
de OV de Copaíba. Por 15 dias