Shiva Sutras

शिवसत्र
ू ाणि

Shiva Sutras
INTRODUÇÃO
POR KSEMARAJA EM SEU SHIVA SUTRA
Essa Consciência de Shiva, que é totalmente não
VIMARSINI
dual, mas tem a aparência do brilho da dualidade,
mas que é a própria Realidade, desde a qual surge o
रुद्रक्षेत्रज्ञवर्गः समद
ु यति यिो यत्र ववश्रान्तिमिमछ
् ेे ्- grupo de Rudras, e no qual finalmente repousam,
यत्तत्त्वं यस्य ववश्वं स्फुरििमयममय्यममयं ववश्वमेिि ्। cujo Universo consiste de uma pulsação. O bem,
स्वाछेम्यानमदवम् दोछेलदमि ् मयानुत्तिस्पनमदित्त्वं cujo Universo se manifesta Dela mesma, cuja
चैिमयं शाङ्किं िज्जयति यदखिलं ्वैिभासा्वयात्म॥
extensão é este mesmo Universo, que está pleno
Rudrakṣetrajñavargaḥ samudayati yato yatra Dela, a Consciência triunfante e vitoriosa, que é a
viśrāntimṛcched- Potência de Shaktí.
yattattvaṁ yasya viśvaṁ sphuritamayamiyadyanmayaṁ
viśvametat| O princípio da vibração primordial (Spanda) de
Svācchandyānandavṛndocchaladamṛtamayānuttaraspan Anuttara (Shiva, o Ser Supremo), que está composto
datattvaṁ de néctar que emerge da total Liberdade e Bem-
caitanyaṁ śāṅkaraṁ tajjayati yadakhilaṁ Aventurança.
dvaitabhāsādvayātma||
Iha
O DESCOBRIMENTO DO SHIVA SUTRAS kaścicchaktipātavaśonmiṣanmāheśvarabhaktyatiśayādanaṅ
gīkṛtādharadarśanasthanāgabodhyādisiddhādeśanaḥ
इह
śivārādhanaparaḥ
कन्तिश्चछेन्तितिपनािवशोन्तिममषममाहे श्विभतत्यतिशयादनङ्र्ीक्िाधिद pārameśvaranānāyoginīsiddhasatsampradāyapavitritahṛda
शगनस्थनार्बोध्याददमस्धादे शनः मशवािाधनपनिः yaḥ śrīmahādevagirau mahāmāheśvaraḥ śrīmān
पनािमेश्विनानायोगर्नीमस्धसत्सम्प्रदायपनववत्रत्रिहृदयः vasuguptanāmā gururabhavat| Kadāciccāsau
श्रीमहादे वगर्िौ महामाहे श्विः श्रीमान ् वसर् ु प्ु िनामा र्रु
ु िभवि ्। dvaitadarśanādhivāsitaprāye jīvaloke rahasyasampradāyo
कदागचछचासौ ्वैिदशगनागधवामसिराये जीवलोके िहस्यसम्प्रदायो मा mā vicchedītyāśayato'nujighṛkṣāpareṇa paramaśivena
ववछचेदीत्याशयिोऽनुन्तिजघक्ष ् ापनिे ण पनिममशवेन
svapne'nugrahyonmiṣitapratibhaḥ kṛto yathātra mahībhṛti

स्वप्नेऽनुग्रह्योन्तिममवषिरतिभः क्िो यथात्र महीभत् ि महति मशलािले
mahati śilātale rahasyamasti tadadhigamyānugrahayogyeṣu
prakāśayeti| Prabuddhaścāsāvanviṣyaṁstāṁmahatīṁ
िहस्यमन्तिस्ि िदगधर्म्प्यानग्र ु हयोग्येषु रकाशयेति। śilāṁ karasparśanamātraparivartanataḥ
रब् ु धश्चासावन्तिमवष्यंस्िां महिीं मशलां किस्पनशगनमात्रपनरिविगनिः saṁvādīkṛtasvapnāṁ pratyakṣīkṛtyemāni
संवादीक्िस्वप्नां रत्यक्षीक्त्येमातन मशवोपनतनषत्सङ्ग्रहरूपनाखण śivopaniṣatsaṅgraharūpāṇi śivasūtrāṇi tataḥ
मशवसूत्राखण ििः समाससाद। एिातन च सम्प्यर्गधर्म्प्य samāsasāda| Etāni ca samyagadhigamya
भट्टश्रीकल्लटा्येषु सन्तिछेष्येषु रकामशिवान ् स्पनमदकारिकामभश्च bhaṭṭaśrīkallaṭādyeṣu sacchiṣyeṣu prakāśitavān
सङ्र्ह ् ीिवान ्। ित्पनािम्प्पनयगराप्िातन स्पनमदसत्र ू ाण्यस्मामभः spandakārikābhiśca saṅgṛhītavān| Tatpāramparyaprāptāni
स्पनमदतनणगये सम्प्यन्तिग्नणीिातन। मशवसत्र ू ाखण िु तनणीयमिे॥ spandasūtrāṇyasmābhiḥ spandanirṇaye

ित्र रथमं निे श्विभेदवाददरातिपनक्ष्येण चैिमयपनिमाथगिः मशव एव
samyagnirṇītāni| Śivasūtrāṇi tu nirṇīyante||
Tatra prathamaṁ nareśvarabhedavādiprātipaksyeṇa
ववश्वस्यात्मेत्याददशति-
caitanyaparamārthataḥ śiva eva viśvasyātmetyādiśati
Neste mundo, sobre a venerável montanha Mahadeva, vivia alguém digno de reverência. Seu coração havia sido purificado,
pela Tradição do Seres Perfeitos (siddhas) e Yoguis do Senhor Supremo. Estava consagrado a adoração, do Auspicioso Shiva.
Devido a sua grande devoção ao Grande Senhor (Mahesvara), o qual a devoção se manifesta brilhantemente, a causa da
descida, do Poder da Graça Divina, dava um ensinamento que não era concordante com a dos Siddhas do Budismo, tais
como Nagabhodhi e os demais, os quais estavam ocupados com outros pontos de vista. Era um grande devoto do Senhor e
um Guru. Seu nome é Vasugupta.
E certa vez, o Supremo Shiva, diposto a abençoar, e munido da intenção, que a Suprema Tradição não se interrompesse
nesse mundo de seres viventes, principalmente impregnado do ponto de vista dualista, expandiu em sonhos, na Conciência
de Vasugupta, conferindo a Graça, dizendo assim: “Aqui mesmo nessa montanha, será encontrado o Ensinamento secreto,
debaixo de uma grande pedra. Depois de tê-lo obtido, revela-o para os que forem aptos para receber a Graça Divina.
Depois que despertou, Vasugupta começou a buscar essa grande pedra. Ao encontrá-la, com um mero toque da mão, viu
com seus próprios olhos, o sonho confirmado.
Deste modo, ele obteve esses aforismos do próprio Shiva, os quais são um compêndio da Doutrina esotérica de Shiva.
E havendo-os estudado completamente, os revelou aos nobres discípulos, como o mui venerável Kalatta e os demais, e os
resumiu na forma das Spandakarika´s. Os aforismos que tratam da vibração primordial, a saber, as Spandakarika´s ou Spanda
Sutra´s, obtido através dessa ininterrupta sucessão discipular, tem sido amplamente investigado por nós (Ksemaraja
Acharya) no Spandanirnaya. E agora os Shiva Sutras estão sendo explanados.
तनवक्ष
ग ् गर्रिमभत्त्यादददे शे दृन्तिष्टं ववतनक्षक्षपनेि ्।
मशवसूत्राखण ववलीने मानसे भावे वव् त्तक्षीणः रजायिे॥६०॥
Nirvṛkṣagiribhittyādideśe dṛṣṭhiṁ vinikṣipet|
Śivasūtras Vilīne mānase bhāve vṛttikṣīṇaḥ prajāyate
O Yogi deveria direcionar sua atenção, a uma região sem
Primeira Seção : Śāmbhavopāya
árvores, a uma montanha, a um muro, etc... Quando seu estado
O meio que usa o ponto de vista de Shiva mental se dissolver, brotará uma condição na qual todas as
घटाददभाजने दृन्तिष्टं मभवत्तस्त्यतत्वा ववतनक्षक्षपनेि ्। flutuações de sua mente terão cessado completamente.
िल्लयं ित्क्षणा्र्त्वा िल्लयात्तममयो भवेि ्॥५९॥ Vijñānabhairava, 60
Ghaṭādibhājane driṣṭiṁ bhittistyaktvā vinikṣipet|
Tallayaṁ tatkṣaṇādgatvā tallayāttanmayo bhavet
इछेायामथवा ज्ञाने जािे गचत्तं तनवेशयेि ्।
O Yogi deveria direcionar o olhar ao espaço vazio आत्मबु्ध्यानमयचेिास्ििस्ित्त्वाथगदशगनम ्॥९८॥
que se encontra dentro de uma jarra ou qualquer Icchāyāmathavā jñāne jāte cittaṁ niveśayet|
outro objeto similar, deixando ao lado da parede Ātmabuddhyānanyacetāstatastattvārthadarśanam
circundante. E depois de ter alcançado a absorção,
em um instante ele se torna igual a esse vazio Quando um desejo, ou o conhecimento dele surge, com a mente
através dessa absorção. totalmente concentrada, fixa sua mente nele, considerando-o
como o Ser, o Atman, então terás uma visão da Verdade.
Vijñānabhairava, 59
Vijñānabhairava, 98
Śāmbhavopāya

चैिमयमात्मा॥१॥
Caitanyamātmā ||1||

A Consciência Suprema é a verdadeira natureza do Si mesmo (Self).
ज्ञानं बमधः॥२॥
Jñānaṁ bandhaḥ ||2||

O conhecimento limitado é escravidão.
योतनवर्गः कलाशिीिम ्॥३॥
Yonivargaḥ kalāśarīram ||3||

Maya, e sua progênie (os tattvas), que são origem do mundo manifesto,
junto com suas manifestações e atividades (kalā), são também fonte de
escravidão.
ज्ञानागधष्ठानं मािक
् ा॥४॥
Jñānādhiṣṭhānaṁ mātṛkā ||4||

A Matriz dos sons, a Mãe que está oculta (mātṛkā), é a origem do
conhecimento limitado.
उ्यमो भैिवः॥५॥
Udyamo bhairavaḥ ||5||

O repentino vislumbre e elevação á Consciência Divina Transcendente, é
o estado de Bhairava.
शन्तितिचक्रसमधाने ववश्वसंहािः॥६॥
Śakticakrasandhāne viśvasaṁhāraḥ ||6||

Através da união com a roda de poderes, se produz a desaparição do
universo dual.
जाग्रत्स्वप्नसष
ु ुप्िभेदे िुयागभोर्सम्प्भवः॥७॥
Jāgratsvapnasuṣuptabhede turyābhogasambhavaḥ ||7||

Até mesmo, durante os diferentes estados de consciência de vigília, sonho e
sono profundo, existe o deleite e o desfrute do quarto estado (Turya).
ज्ञानं जाग्रि ्॥८॥
Jñānaṁ jāgrat ||8||

O estado de vigília consiste em conhecimento limitado.
स्वप्नो ववकल्पनाः॥९॥
Svapno vikalpāḥ ||9||

O estado de sonho são pensamentos e idealizações [conteúdos
inconscientes].
अवववेको मायासौषप्ु िम ्॥१०॥
Aviveko māyāsauṣuptam ||10||

O sono profundo, que corresponde a Māyā, é a ilusão, a falta de
discernimento ou completa inconsciência.
त्रत्रियभोतिा वीिे शः॥११॥
Tritayabhoktā vīreśaḥ ||11||

Aquele que desfruta da Consciência do Eu, na tríade (de vigília, sonho e
sono profundo) é um Mestre de seus sentidos.
ववस्मयो योर्भूममकाः॥१२॥
Vismayo yogabhūmikāḥ ||12||

As etapas do Yoga são uma fascinante maravilha.
इछेाशन्तितिरुमा कुमािी॥१३॥
Icchāśaktirumā kumārī ||13||

O poder da Vontade (icchā-shakti) é o “Esplendor de Shiva”, manifesto
como (Umā), Kumārī.
दृश्यं शिीिम ्॥१४॥
Dṛśyaṁ śarīram ||14||

No estado desperto, todos os fenômenos são como seu próprio corpo.
हृदये गचत्तसङ्घट्टा्दृश्यस्वापनदशगनम ्॥१५॥
Hṛdaye cittasaṅghaṭṭāddṛśyasvāpadarśanam ||15||

Mediante a união da Consciência no coração, sobrevém a visão
transcendente de todos os fenômenos, dos estados de consciência e do
vazio que aparecem como uma forma da Consciência.
श्ु धित्त्वसमधाना्वापनशश
ु न्तितिः॥१६॥
Śuddhatattvasandhānādvāpaśuśaktiḥ ||16||

Ou pelo constante conhecimento dos princípios puros, o Yogi se torna
alguém em que está ausente o poder que limita e condiciona o ser.
वविकग आत्मज्ञानम ्॥१७॥
Vitarka ātmajñānam ||17||

A Consciência inabalável, é o Conhecimento do Ser.
लोकानमदः समागधसि ु म ्॥१८॥
Lokānandaḥ samādhisukham ||18||

A Bem-Aventurança do Yogi, ao experimentar sua natureza de
Conhecedor (em relação a sujeito e objeto no universo), é o deleite do
Samādhi (samādhi).
शन्तितिसमधाने शिीिोत्पनवत्तः॥१९॥
Śaktisandhāne śarīrotpattiḥ. ||19||

Ao estar unido com o Poder da Vontade (Iccha Sákti), o Yogi pode
produzir ou criar os corpos segundo sua própria vontade.
भि
ू समधानभूिपनथ
् तत्वववश्वसङ्घट्टाः॥२०॥
Bhūtasandhānabhūtapṛthaktvaviśvasaṅghaṭṭāḥ ||20||

Os outros poderes do Yogi são: o poder de unir todos os elementos e o
poder para separá-los.
श्
ु धवव्योदयाछचक्रेशत्वमस्गधः॥२१॥
Śuddhavidyodayāccakreśatvasiddhiḥ ||21||

Através do surgimento de Shuddhavidya, adiquiri-se o domínio sobre a
roda de Shaktís.
महाह्रदानस
ु मधानामममत्रवीयागनभ
ु वः॥२२॥
Mahāhradānusandhānānmantravīryānubhavaḥ ||22||

Unindo-se em meditação ao Grande lago (da Conscicência), o Yogi tem
a experiência da fonte geradora, da potência de todos os mantras.
Segunda Seção :

Śāktopāya
O meio que usa o ponto de vista de Shaktí
कपनालामिमगनो मयस्य तिष्ठममीमलिलोचनः। िनदू े शे शम
ू यिेव क्षणमात्रं ववभावयेि ्।
क्रमेण मनसो दार्ढगयाल्लक्षयेल्लक्ष्यमुत्तमम ्॥३३॥ तनववगकल्पनं तनववगकल्पनो तनववगकल्पनस्वरूपनभाक् ॥४६॥
Kapālāntarmano nyasya tiṣṭhanmīlitalocanaḥ| Tanūdeśe śūnyateva kṣaṇamātraṁ vibhāvayet|
Krameṇa manaso dārḍhyāllakṣayellakṣyamuttamam||33|| Nirvikalpaṁ nirvikalpo
Fixando a mente no interior do crânio e permanecendo com os nirvikalpasvarūpabhāk||46||
olhos fechados, gradualmente percebe-se, por meio da
estabilidade mental, aquilo que é muito discernível.
Vijñānabhairava, 33 Se, com a mente livre de pensamentos,
contempla-se uma parte de seu próprio corpo
como vazio, tão somente por um instante,
तनजदे हे सवगददतकं यर्ु पन्भावये्ववयि ्। haveria a liberação dos pensamentos e habitaria
तनववगकल्पनमनास्िस्य ववयत्सवं रविगिे॥४३॥ na mesma natureza de Nirvikalpa, o estado livre
Nijadehe sarvadikkaṁ yugapadbhāvayedviyat| de pensamentos.
Nirvikalpamanāstasya viyatsarvaṁ pravartate||43|| Vijñānabhairava, 46
Se, no próprio corpo, contempla-se a vacuidade espacial em
todas as direções simultâneamente, com uma mente livre de
pensamentos, lhe sobrevém a completa vacuidade.
Vijñānabhairava, 43
Śāktopāya

गचत्तं ममत्रः॥१॥
Cittaṁ mantraḥ ||1||

A Consciência é o próprio Mantra.
रयत्नः साधकः॥२॥
Prayatnaḥ sādhakaḥ ||2||

O esforço digiligente e espontâneo é eficaz para alcançar o êxito.
वव्याशिीिसत्ता ममत्रिहस्यम ्॥३॥
Vidyāśarīrasattā mantrarahasyam ||3||

O segredo do Mantra reside no corpo do conhecimento do Ser (Shiva).
र्भे गचत्तववकासोऽववमशष्टवव्यास्वप्नः॥४॥
Garbhe cittavikāso'viśiṣṭavidyāsvapnaḥ ||4||

O despertar dos poderes sobrenaturais é um sonho baseado no
conhecimento inferior.
वव्यासमत्ु थाने स्वाभाववके िेचिी मशवावस्था॥५॥
Vidyāsamutthāne svābhāvike khecarī śivāvasthā ||5||

Ao despertar espontâneo do Conhecimento, ocorre um movimento
ilimitado no céu da Consciência (khecarī), o estado de Śivá.
र्रु
ु रुपनायः॥६॥
Gururupāyaḥ ||6||

O Guru é o meio para a realização.
मािक् ाचक्रसम्प्बोधः॥७॥
Mātṛkācakrasambodhaḥ ||7||

Do Guru provém a iluminação da roda das energias, a matriz das letras
(do alfabeto Sânscrito).
शिीिं हववः॥८॥
Śarīraṁ haviḥ ||8||

O corpo do adepto se torna uma oblação (ofertado ao fogo da
Consciência Suprema).
ज्ञानममनम ्॥९॥
Jñānamannam ||9||

O conhecimento limitado (causa da escravidão) é um alimento a ser
devorado.
वव्यासंहािे िदत्ु थस्वप्नदशगनम ्॥१०॥
Vidyāsaṁhāre tadutthasvapnadarśanam ||10||

Com a extinção do Conhecimento, entra-se novamente em estado de
sonho.
Terceira Seção:

आणवोपनाय
Āṇavopāya

O meio que usa o ponto de vista de um anu ser limitado
O meio (upāya) onde o aspirante usa seu intelecto (buddhi), energia vital
(prāṇá), coerpo e sentidos para alcançar a liberação final. Kriyāśakti (poder
de ação) é utilizada predominantemente. Está formado por cinco métodos:
Dhyāna, Uccārá, Várṇa, Káraṇa y Sthānakalpanā. Também conhecidos
como: Āṇavopaya, Bhedopāya y Kriyopāya.
कालान्तिग्नना कालपनदादन्तिु त्थिेन स्वकं पनुिम ्। मशखिपनक्षैन्तिश्चत्ररूपनैमम
ग दलैः शम
ू यपनचचकम ्।
प्लुष्टं ववगचमियेदमिे शामिाभासस्िदा भवेि ्॥५२॥ ध्यायिोऽनुत्तिे शम ू ये रवेशो हृदये भवेि ्॥३२॥

Kālāgninā kālapadādutthitena svakaṁ puram| Śikhipaksaiścitrarūpairmandalaiḥ
Pluṣṭaṁ vicintayedante śāntābhāsastadā bhavet||52|| śūnyapañcakam|
Dhyāyato'nuttare śūnye praveśo hṛdaye
O Yogi deveria imaginar que seu próprio corpo está sendo queimado bhavet||32||
por Kãlãgni. Começando desde o dedo polegar do pé direito. Então,
finalmente surge o estado de paz. Ocorre a penetração no mais alto Vazio, no
Vijñānabhairava, 52 coração, para aquele que medita nos cinco vazios,
por meio das multicores plumas do pavão real.
Vijñānabhairava, 32
उपनववश्यासने सम्प्यग्बाहू क्त्वाधगकुन्तिचचिौ।
कक्षव्योन्तिम्प्न मनः कुवगचेममायाति िल्लयाि ्॥७९॥

Upaviśyāsane samyagbāhū kṛtvārdhakuñcitau|
Kakṣavyomni manaḥ kurvañchamamāyāti tallayāt||79||

Sentado comodamente em ásana, colocando os braços em forma de
arco, acima da cabeça e fixando a mente na cavidade das axilas, o
Yogi ingressa em uma condição de paz, devido a absorção nessa
prática.
Vijñānabhairava, 79
Āṇavopāya

आत्मा गचत्तम ्॥१॥
Ātmā citam ||1||

O Si Mesmo é a mente.
ज्ञानं बमधः॥२॥
Jñānaṁ bandhaḥ ||2||

O conhecimento dual, como a idéia de dor e prazer é escravidão.
कलादीनां ित्त्वानामवववेको माया॥३॥
Kalādīnāṁ tattvānāmaviveko māyā ||3||

O desconhecimento da essência da ação dos Tattvas, tais como Kalā, é
Māyā, ilusão.
शिीिे संहािः कलानाम ्॥४॥
Śarīre saṁhāraḥ kalānām ||4||

A dissolução dos princípios (tattvas) em várias partes, deve ser efetuada
no corpo por meio de Bhavana (concentração).
नाडीसंहािभूिजयभूिकैवल्यभूिपनथ
् तत्वातन॥५॥
Nāḍīsaṁhārabhūtajayabhūtakaivalyabhūtapṛthaktvāni ||5||

A dissolução do fluxo da energia vital (prana), nos canais sutís, a
conquista dos elementos densos, a retirada da mente e a separação dos
elementos densos deve ser feita por meio de Concentração (Bhavana).
मोहाविणान्तित्स्गधः॥६॥
Mohāvaraṇātsiddhiḥ ||6||

Os poderes paranormais decorrem de um véu de Maya, a ilusão.
मोहजयादनमिाभोर्ात्सहजवव्याजयः॥७॥
Mohajayādanantābhogātsahajavidyājayaḥ ||7||

Ao adquirir domínio sobre a ilusão e suas manifestações, chega-se a
conquista da espontânea da Sabedoria.
Os cinco invólucros de Māyā (ilusão):

Kalā = Limitação da Ação.
Vidyā = Limitação do conhecimento.
Rāga = Apego ou limitação da vontade.
Kālá = Noção e Limitação do tempo.
Níyati = Noção e limitação do espaço.
जाग्र््वविीयकिः॥८॥
Jāgraddvitīyakaraḥ ||8||

No estado desperto, por um segundo, o mundo aparece como o
esplendor de sua própria luz.
निगक आत्मा॥९॥
Nartaka ātmā ||9||

O Si mesmo é semelhante a um bailarino.
िङ्र्ोऽमििात्मा॥१०॥
Raṅgo'ntarātmā ||10||

O Si mesmo interior, é o palco.
रेक्षकाणीन्तिमद्रयाखण॥११॥
Prekṣakāṇīndriyāṇi ||11||

Os sentidos são os espectadores.
धीवशात्सत्त्वमस्गधः॥१२॥
Dhīvaśātsattvasiddhiḥ ||12||

A Suprema realização é a Luz da Consciência.
मस्धः स्विमत्रभावः॥१३॥
Siddhaḥ svatantrabhāvaḥ ||13||

O estado no qual se é independente e livre (svatantra) a perfeição é
alcançada.
यथा ित्र िथामयत्र॥१४॥
Yathā tatra tathānyatra ||14||

Esta liberdade transcendente, se obtém por dentro e por fora (dentro do
corpo ou em qualquer lugar).
बीजावधानम ्॥१५॥
Bījāvadhānam ||15||

Atenção a semente (fonte de toda manifestação).
आसनस्थः सि ु ं ह्रदे तनमज्जति॥१६॥
Āsanasthaḥ sukhaṁ hrade nimajjati ||16||

Estabelecido na Suprema Shakti, o adepto facilmente mergulha no Lago
da imortalidade.
स्वमात्रातनमागणमापनादयति॥१७॥
Svamātrānirmāṇamāpādayati ||17||

Dessa forma, adquiri a liberdade de produzir qualquer tipo de forma, na
medida da sua Consciência.
वव्याववनाशे जममववनाशः॥१८॥
Vidyāvināśe janmavināśaḥ ||18||

Enquanto a Sabedoria Pura (Shuddha vidya) prevalece, a possibilidade
de outro nascimento desaparece.
कवर्ागददषु माहे श्वयाग्याः पनशुमाििः॥१९॥
Kavargādiṣu māheśvaryādyāḥ paśumātaraḥ ||19||

Māheśvarī e outras Deusas que estão no alfabeto, a começar com a letra
"ka" (ka), são as Mães dos seres limitados.
त्रत्रषु चिथ
ु ं िैलवदासेछयम ्॥२०॥
Triṣu caturthaṁ tailavadāsecyam ||20||

O quarto estado de Consciência deve fluir como um fluxo contínuo de
óleo nos outros três estados, ou seja, vigília, sonho e sono profundo.
मग्नः स्वगचत्तेन रववशेि ्॥२१॥
Magnaḥ svacittena praviśet ||21||

Ao desenvolver a consciência da sua própria natureza, ele mergulha no
Oceano da Consciência Divina.
राणसमाचािे समदशगनम ्॥२२॥
Prāṇasamācāre samadarśanam ||22||

Com a expansão da energia vital (prana), se manifesta a visão da Unidade.
मध्येऽविरसवः॥२३॥
Madhye'varaprasavaḥ ||23||

Na etapa intermediária, ocorrem os estados mentais inferiores.
मात्रास्वरत्ययसमधाने नष्टस्य पनन
ु रुत्थानम ्॥२४॥
Mātrāsvapratyayasandhāne naṣṭasya punarutthānam ||24||

Quando há a união da Consciência do Eu aos objetos, o estado
transcendental que havia sido perdido, se manifesta novamente.
मशविल्ु यो जायिे॥२५॥
Śivatulyo jāyate ||25||

Esse Yogi se torna semelhante a Śivá. ||25||
शिीिवव् त्तर्व्गिम ्॥२६॥
Śarīravṛttirvratam ||26||

Viver em um corpo é o cumprimento de um ato piedoso.
दानमात्मज्ञानम ्॥२८॥
Dānamātmajñānam ||28||

O Conhecimento do Si Mesmo, ele transmite.
योऽववपनस्थो ज्ञाहे िुश्च॥२९॥
Yo'vipastho jñāhetuśca ||29||

Aquele que está estabelecido em Shakti, é certamente uma fonte de
Sabedoria Transcendental.
स्वशन्तितिरचयोऽस्य ववश्वम ्॥३०॥
Svaśaktipracayo'sya viśvam ||30||

Para ele, o universo é a expansão da totalidade de sua própria energia.
न्तिस्थतिलयौ॥३१॥
Sthiti layau ||31||

Manutenção e reabsorção são também uma manifestação de sua própria
Shaktí.
ित्रवत्त
् ावप्यतनिासः संवेत्तभ
् ावाि ्॥३२॥
Tatpravṛttāvapyanirāsaḥ saṁvettṛbhāvāt ||32||

Apesar da criação, manutenção e dissolução do universo ocorrerem uma
após a outra, não há ruptura na sua Consciência, devido a seu estado de
Conhecedor.
सिु दःु ियोबगदहमगननम ्॥३३॥
Sukhaduḥkhayorbahirmananam ||33||

O Yogui considera prazer e dor como algo externo.

Ou seja, ele não se identifica com essa dualidade como parte dele
mesmo, mas sim, classifica como um estado transitório.
ि्ववमतु िस्िु केवली॥३४॥
Tadvimuktastu kevalī ||34||

Então, totalmente livre do prazer e da dor, ele vive estabelecido na
Consciência do Eu.
मोहरतिसंहिस्िु कमागत्मा॥३५॥
Mohapratisaṁhatastu karmātmā ||35||

No entanto, o ser condicionado, é afligido pelo Karma (lei de ação e
reação).
भेदतििस्कािे सर्ागमििकमगत्वम ्॥३६॥
Bhedatiraskāre sargāntarakarmatvam ||36||

Quando o conceito dual desaparece, Ele se torna o criador e o
transformador de todo Universo.
किणशन्तितिः स्विोऽनभु वाि ्॥३७॥
Karaṇaśaktiḥ svato'nubhavāt ||37||

A energia da criação e destruição de todo o Universo vem com a
experiência de um Yogi, tais como uma alma comum possui o poder de
criar e destruir em estado de sonho.
त्रत्रपनदा्यनुराणनम ्॥३८॥
Tripadādyanuprāṇanam ||38||

Os três estados de consciência (vigília, sonho, e sono profundo), são
animados pelo quarto estado (Turya).
गचत्तन्तिस्थतिवछेिीिकिणबाह्येष॥
ु ३९॥
Cittasthitivaccharīrakaraṇabāhyeṣu ||39||

Como no caso dos estados da mente, assim também no caso do corpo,
órgãos dos sentidos, e as coisas externas, deve haver imersão na bem-
aventurança, da Consciência transcendental.
अमभलाषा्बदहर्गतिः संवाह्यस्य॥४०॥
Abhilāṣādbahirgatiḥ saṁvāhyasya ||40||

Devido ao desejo, há a extroversão do indivíduo, levando a alma
condicionada de um nascimento a outro.
िदारूढरममिेस्ित्क्षयाज्जीवसङ्क्षयः॥४१॥
Tadārūḍhapramitestatkṣayājjīvasaṅkṣayaḥ ||41||

No entanto, quando a consciência está estabelecida no quarto estado
(Turya), ocorre a eliminação desse desejo e se produz também a total
aniquilação do indivíduo limitado.

Ou seja, a transformação do estado condicionado a dualidades e
diferenças.
भिू कचचकु ी िदा ववमत
ु िो भय
ू ः पनतिसमः पनिः॥४२॥
Bhūtakañcukī tadā vimukto bhūyaḥ patisamaḥ paraḥ ||42||

O Yogi utiliza o corpo que está composto de elementos densos como
invólucros, e como está completamente liberado se unifica com a mais
Alta Realidade e se torna uno com o Senhor (Shiva).
नैसगर्गकः राणसम्प्बमधः॥४३॥
Naisargikaḥ prāṇasambandhaḥ ||43||

O vínculo com a energia vital (prana) é natural.
नामसकामिमगध्यसंयमाि ् ककमत्र सव्यापनसव्यसौषम्प्
ु नेषु॥४४॥
Nāsikāntarmadhyasaṁyamāt kimatra savyāpasavyasauṣumneṣu ||44||

A energia vital Prana Shaktí está no canal esquerdo (Íḍa) e no canal sutil
direito (Piṅgalā) e em Suṣumnā - aquela que fica no meio.

Mediante a intensa e constante Consciência (saṁyamāt) do centro, surge
a perfeita Consciência do Eu, do aspecto interno, de prāṇaśakti.

Quando se contempla o centro da Consciência universal, que mais
permanece para ser procurado?
भयू ः स्यात्रतिमीलनम ्॥४५॥
Bhūyaḥ syātpratimīlanam ||45||

Nele, existe a Consciência do Ser Supremo, tanto interna como
externamente.
BIBLIOGRAFIA:

VERSÕES DO SHIVA SUTRAS QUE FORAM CONSULTADAS NA PESQUISA:

- Subhash C . Kak
- Lakshmanjoo
- Jaideva Singh
- V. Krishnaraj
- Swami Shankarananda
- Shiva Sutras de George Feurestain (do livro “A Tradição do Yoga)
- Shiva Sutras de Kshemaraja
- Monier Williams Sanskrit-English Dictionary.
Conheça nosso Blog Shiva Bhakti:
http://shivabhakti.blogspot.com.br

Traduzido por Caroline N. F

Projeto Bhaktí Shastra Mantra

http://bhaktishastramantra.blogspot.com.br/

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful