Você está na página 1de 181

Para mais informações sobre o livro e/ou temas tratados, visite o nosso website ou entre em contato conosco.

mais informações sobre o livro e/ou temas tratados, visite o nosso website ou entre em contato

www.veraxc.com

mais informações sobre o livro e/ou temas tratados, visite o nosso website ou entre em contato

Alfonso Gallardo Bernardo Andrade David Goldberg Emerson Colin Fernando Oura Marcos Pinto

©© 22000088 -- AAggêênncciiaa BBrraassiilleeiirraa ddee DDeesseennvvoollvviimmeennttoo IInndduussttrriiaall -- AABBDDII

Série Cadernos da Indústria ABDI – Volume II

Qualquer parte desta obra pode ser reproduzida, desde que citada a fonte.

ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial CGEE - Centro de Gestão e Estudos Estratégicos

Esta publicação foi elaborada conforme estudos produzidos pelos pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP):

Alfonso Gallardo, Bernardo Andrade, David Goldberg, Emerson Colin, Fernando Oura, Marcos Pinto.

CCoollaabboorraaççããoo Agenor César Junqueira Leite (Transpetro) Carlos Eduardo Macedo (MDIC) Carlos Gastaldoni (BNDES) Franco Papini (Sinaval) Marco Aurélio Lobo Júnior (CGEE) Nilton Sacenco Kornijezuk (MDIC) Regina Maria Silvério (CGEE) Edna Moura (ABDI)

PPrroojjeettoo ggrrááffiiccoo ee rreevviissããoo Via Brasília Editora

FFoottooss::

Arquivos ABDI e Via Brasília

SSuuppeerrvviissããoo::

Marcia Oleskovicz (Comunicação Social - ABDI)

Ficha catalográfica

A183c

ABDI/CGEE. Construção naval: breve análise do cenário brasileiro em 2007 -- -- Brasília, 2008. 21 x 23 cm; 180p. il.

ISBN 97885-61323-01-1

1.Financiamento e tributação 2. Marinha Mercante e Mercado. 3. Tecnologia e Inovação. I. Autor. II. Título.

CDU - 65

AABBDDII AAggêênncciiaa BBrraassiilleeiirraa ddee DDeesseennvvoollvviimmeennttoo IInndduussttrriiaall Setor Bancário Norte Quadra 1 - Bloco B - Ed. CNC 70041-902 - Brasília - DF Tel.: (61) 3962-8700 www.abdi.com.br

CCGGEEEE CCeennttrroo ddee GGeessttããoo ee EEssttuuddooss EEssttrraattééggiiccooss Setor Comercial Norte Quadra 2 - Bloco A Ed. Corporate Financial Center - Sala 1102 70712-900 - Brasília - DF Tel.: (61) 34249607 www.cgee.org.br

RReeppúúbblliiccaa FFeeddeerraattiivvaa ddoo BBrraassiill

LLuuiizz IInnáácciioo LLuullaa ddaa SSiillvvaa Presidente

MMiinniissttéérriioo ddoo DDeesseennvvoollvviimmeennttoo,, IInnddúússttrriiaa ee CCoomméérrcciioo EExxtteerriioorr

MMiigguueell JJoorrggee

Ministro

AAggêênncciiaa BBrraassiilleeiirraa ddee DDeesseennvvoollvviimmeennttoo IInndduussttrriiaall

RReeggiinnaallddoo BBrraaggaa AArrccuurrii Presidente

CCllaayyttoonn CCaammppaannhhoollaa Diretor

EEvvaannddoo MMiirrrraa

Diretor

JJoorrggee LLuuííss FFeerrrreeiirraa BBooeeiirraa Responsável Técnico

CCeennttrroo ddee GGeessttããoo ee EEssttuuddooss EEssttrraattééggiiccooss

LLuucciiaa CCaarrvvaallhhoo PPiinnttoo ddee MMeelloo Presidenta

MMáárrcciioo ddee MMiirraannddaa SSaannttooss Diretor Executivo

AAnnttôônniioo CCaarrllooss FFiillgguueeiirraa GGaallvvããoo Diretor

FFeerrnnaannddoo CCoossmmee RRiizzzzoo AAssssuunnççããoo Diretor

Apresentação

Apresentação

A indústria naval mundial está em um novo ciclo de crescimento. No Brasil, o aumento da demanda

originada na indústria de exploração de petróleo e gás natural offshore e o conseqüente aumento por serviços de transporte marítimo compõem uma oportunidade de retomada da sustentabilidade desta cadeia produtiva.

Novas plataformas são encomendadas pela Petrobras e a demanda da Transpetro pela construção de navios é crescente. As taxas de frete atingem níveis nunca vistos anteriormente. No entanto, recuperar a robustez dos anos 80, quando o País respondia por 5% da produção mundial, é um desafio a ser cumprido em parceria estreita entre setor público e iniciativa privada.

Para subsidiar as discussões no âmbito da Câmara de Desenvolvimento da Indústria Naval, coordenada pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial – ABDI apresenta esta segunda publicação da Série Cadernos da Indústria ABDI. “Construção naval:

breve análise do cenário brasileiro em 2007” é uma síntese de diversas publicações e sua produção cumpre o papel determinado pela Câmara à Agência, que é o de fornecer serviços de inteligência competitiva para a cadeia.

O estudo tem como foco as cinco áreas temáticas da Câmara: navipeças; qualificação profissional;

tecnologia e inovação; marinha mercante e mercado; e financiamento e tributação.

No momento que a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior inicia seu segundo ciclo de diretrizes e medidas, a indústria naval brasileira figura como uma aposta consciente e estratégica, considerando as oportunidades decorrentes do aproveitamento da extensa área costeira e das águas interiores do País com a navegação de cabotagem. Os efeitos econômicos na construção naval e na infra- estrutura portuária resultarão em melhorias logísticas importantes, principalmente pela interligação inteligente com outros modais de transporte, valendo-se das vantagens comparativas individuais de custo e flexibilidade para a distribuição de produtos no mercado nacional.

RREEGGIINNAALLDDOO AARRCCUURRII

Presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial

Sumário

Sumário

Lista de Tabelas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

10

Lista de Figuras

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

14

Resumo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

16

I. Legislação e tributação

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

II. Marinha Mercante e mercado

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

19

III. Navipeças

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

22

IV. Qualificação profissional

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

V. Tecnologia e inovação

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

1. Modularização de partes do navio

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

2. Gestão das operações

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

3. Tecnologias de construção

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

1. Introdução

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

26

2. Financiamento e tributação

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

30

2.1 Políticas públicas para a construção naval

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

32

2.2 Legislação brasileira

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

34

2.3 Proteção à bandeira e impactos na construção naval

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

36

2.3.1 Afretamento nos mercados protegidos

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

37

2.3.2 Uso do AFRMM em estaleiros brasileiros

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

2.3.3 Acesso a linhas especiais de financiamento

 

41

2.4. Financiamento à construção naval

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

2.4.1 Fundo da Marinha Mercante (FMM)

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

2.4.2 A questão do seguro da construção

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

49

2.5

Tributos relevantes para a construção naval

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

51

2.5.1 Incentivos à exportação e à produção de navios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

53

2.5.2 Incentivos à aquisição de equipamentos na construção naval

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

54

2.5.3 Importação de navios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

55

2.6 Alguns entraves para o desenvolvimento da construção naval brasileira

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

56

2.7 Comparação com políticas de outros países

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

57

3. Marinha Mercante e mercado

 

68

3.1 Introdução

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

70

3.2 Setor de serviços de transporte marítimo

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

70

8

Construção naval: breve análise do cenário brasileiro em 2007

3.2.1 Estrutura de mercado do transporte marítimo

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

70

3.2.2 Evolução do preço do transporte marítimo

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

73

3.2.3 Receitas dos serviços de transporte marítimo no Brasil

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

75

3.3

Frota brasileira

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

76

3.3.1 Frota por tipo de embarcação e por empresa

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

76

3.3.2 Evolução da frota brasileira e idade atual da frota

 

78

3.4 Demanda pela construção de navios brasileiros

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

80

3.5 Parque industrial, capacidade e detalhes associados à construção naval

 

82

3.5.1 Capacidade de produção mundial e tendências

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

82

3.5.2 Parque industrial e capacidade no Brasil

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

84

3.5.2.1 Características e principais atributos da indústria de construção naval brasileira