Você está na página 1de 58

Mamografia Digital:

Perspectiva Atual

Andréa G. Freitas
Mamografia Mamografia digital Mamografia digital
convencional CR DR
Testes com Simuladores

• Karellas A et al (1998), Vedantham S et al (2000), Evans DS


et al (2001):
Características físicas do detector digital de campo total
Resultados favoráveis quanto à resolução espacial e DQE
quando comparada ao sistema tela-filme.
Particularmente notado em imagens de lesões com baixo
contraste.

• Suryanarayanan S et al (2002):
Superioridade das curvas de detalhes de contraste das
imagens digitais .
Testes com Simuladores
Testes com Simuladores
ROC kappa

• Simulador mamográfico modelo ALVIM STATISTICAL


PHANTOM 18-209 MD-LF 0,892 0,80
mp
Sumário dos resultados da detecção das estruturas contidas no simulador
mamográfico
MD-LF 0,848 0,71
ALVIM Statistical Phantom 18-209, utilizando a média das
mg
observadoras, nos diversos
equipamentos geradores de imagem. Imagens adquiridas sem ampliação.
MDLET 0,891 0,80
mp

Detectabilidade de Sinal em função do sistema gerador de imagem


MDLET 0,864 0,74
0,95
mg
0,90
D etectabilid ad e d e Sin al

0,85 MC1 L mp 0,838 0,73

0,80

0,75 MC1 L mg 0,817 0,68


0,70

0,65
MC2 P mp 0,843 0,71
0,60

0,55
MC1 L mp MC1 L mg MC2 P mp MC2 P mg MD-LF mp MD-LF mg MD-LET mp MD-LET mg MC2 P mg 0,816 0,66
Sistem a Gerador de Im agem

ROC Kappa KMicro KFibra


Testes Clínicos

• Lewin JM et al(2002) : mamografia digital e convencional em 6736


pacientes.
Não houve diferença estatisticamente significativa na detecção
de câncer entre os dois sistemas.
Redução no número de pacientes convocadas para realização de
incidências adicionais na mamografia digital em relação a
mamografia convencional
Am J Roentgenol 2002; 179:671-677.

Fischer U et al(2002) :mamografia digital e convencional de


57microcalcificações agrupadas em 55 pacientes.

Mamografia digital - detecção pelo menos igual a mamografia


convencional.
Alta qualidade de imagem, melhor contraste, maior sensibilidade,
melhor caracterização , sem artefatos e com redução da dose
Eur Radiol 2002; 12:2679-2683.
Testes Clínicos
• Skaane P; Skjennald A (2004) : The Oslo II Study
Norwegian. Mamografia digital e convencional em 25.263 pacientes,
randomizado 70% SFM e 30% FFDM.
Radiology 2004; 232:197-204.
Cânceres VPP
Detectados (nºca /
(nºca / nºrecall)
nºpacientes)
14.436 10.306 0,54% 22,1%
pacientes SFM
50-69 anos.

3.986 0,83% 21,6%


FFDM

10.827 7.607 0,22% 7,4%


pacientes SFM
45-49 anos.

3.012 0,27% 7,6%


FFDM
Testes Clínicos
Pisano ED, Gatsonis CA, Hendrick RE, Yaffe MJ, Baum JK, et al
American College of Radiology Imaging Network (ACRIN) DMIST

Avaliar a acurácia diagnóstica da mamografia digital versus mamografia convencional em


mulheres assintomáticas que se apresentaram para mamografia de rastreamento.

Dois radiologistas interpretaram independentemente cada imagem do estudo.

O estudo utilizou cinco tipos de unidades de mamografia digital( 4DR e 1CR).

Um total de 33 centros no Canadá e nos Estados Unidos foram envolvidos nesse


trabalho, com 49528 mulheres avaliadas.

Os resultados iniciais desse estudo foram apresentados em setembro de 2005


demonstraram que na população inteira a acurácia diagnóstica foi similar entre os
dois métodos na área sob a curva ROC.

A acurácia da mamografia digital foi significativamente maior que no filme


mamográfico convencional entre as mulheres abaixo de 50 anos, nas mulheres com
mamas heterogeneamente ou extremamente densas na mamografia e em mulheres
na pré e na perimenopausa .

Não houve diferença estatisticamente significativa na área sob a curva ROC entre
mamografia digital e filme mamográfico convencional entre mulheres com 50 anos
ou mais, mulheres com mamas gordurosas ou com densidades fibroglandulares
esparsas e em mulheres na pós-menopausa.
New Engl J Med 2005; 353.
Sistemas Aprovados para Uso Clínico
Convencional
CR
DR
Receptores: Perfil do sinal

Ecran/filme CR DR Contador de
Photon
indireta direta
RX RX RX
RX RX

-
-
- Contador
CsI(Tl) - de Photon
BaFBr aSe +
+
+
+

Perfil do sinal
• A performance do detector pode ser avaliada através da
medida da função de transferência de modulação (MTF) e
a eficiência quântica do detector (DQE).
• A MTF quantifica a nitidez da imagem .
• DQE é a medida da eficiência do detector para capturar
informações:
• DQE é uma medida da razão do sinal pelo ruído, resolução
do contraste e eficiência da dose.
• Com maior DQE, os níveis de radiação requeridos para
conseguir uma boa RSR são reduzidas, assim como a dose
para a paciente.
Efeito DQE na qualidade da imagem

Sistema tela/filme Sistema digital


Características dos Sistemas Digitais de
Mamografia

Sistema de Pixel spacing Field of view Bit depth Image size Technology
Imagens (cm²) (Ko)

Fuji CR 100 23.7 x 17.7 10 8196 Dual-side CR


Profect

Kodak CR 49 23.4 x 17.5 12 33490 Single-sideCR


850M EHR-M

Konica CR 44 23.8 x 17.7 12 42746 Single-sideCR


Regius 190

GE 100 22.9 x 19.1 14 8587 CsI + a-Si


SEnographe
DS

Lorad Selenia 70 28.6 x 23.3 14 26628 A-Se

Sectra MDM 50 26.5 x 24.3 16 50191 Photon


counter

Med Phys:34(3), March 2007


Med Phys:34(3), March 2007
Med Phys:34(3), March 2007
• Conclusões:

• O Sistema CR Dual-side pode sobrepor a inerente


absorção de raios X e limitações na eficiência em coletar
luz, do sistema CR Single-Side, além de melhorar o DQE de
baixa freqüência em 40%.
• A MTF neste sistema não é melhor e é pobre comparada ao
sistema Photon Counter ( que oferece boa resolução
espacial e o melhor DQE).
• Os sistemas DR e Photon Counter superam os sistemas CR
Single-side em resolução espacial e DQE, exceto em baixas
doses, onde estes sistemas são comparáveis aos DR.

Med Phys:34(3), March 2007


DR: Vantagens e Desvantagens

• Vantagens:

• Alta MTF e DQE.


• A maior DQE leva a superioridade na detecção de
microcalcificações em parênquimas densos, devido
ao alto contraste. Isto não ocorre nos sistemas CR.
• Representa ganho no fluxo e no número de exames
• Serve de plataforma para futuras aplicações:
Tomossíntese Digital

• Desvantagem:
• Custo
CR: Vantagens e Desvantagens

• Vantagem:
• Custo: Sempre usa o equipamento de mamaografia já
existente.

• Desvantagens:
• Baixa MTF e DQE;
• Não representa ganho no fluxo e no número de exames;
• A dose de radiação utilizada nos sistemas CR é maior que nos
sistemas DR.
• Não serve de plataforma para futuras aplicações:
Tomossíntese Digital
• Os algoritmos de processamento de imagens de sistemas CR
são desenvolvidos para outros tipos de exames radiológicos
(p.ex. RX de tórax) e são frequentemente utilizados para
imagens mamográficas.
• Estes algoritmos, ao eliminar ruídos que interferem na
imagem, podem ocultar microcalcificações em áreas densas
na mamografia.
Principais Vantagens da Mamografia Digital

• Separar aquisição, demonstração e


armazenamento da imagem;

• A imagem digital é capturada eletronicamente e


posteriormente pode ser demonstrada,manipulada
e armazenada, quando e onde for necessário;

• Redução no número de reconvocações de


pacientes;
Armazenamento

Disco Magneto-óptico Fita magnética

RAID DVD
Principais Vantagens
• Detectores digitais têm uma resposta linear ao número de fótons
incidentes, isto é, quanto mais fótons passam pelo sistema, mais
escuras ficam as imagens;
• Isto proporciona uma melhor penetração nas partes mais densas da
mama, que podem obscurecer cânceres.
• Melhor Resolução de Contraste:cerca de 16.384 níveis de
cinza(disponíveis desde que a imagem seja avaliada em um monitor
de 14 bit ou em imagens impressas em câmara laser);
Transição filme-digital
Resposta dinâmica – Latitude

Filme
Filme Sistema digital
Linha da pele

Tecido
adiposo

D.O
D.O

Mama
densa
D
exposição . exposição
O

Linha da pele

Tecido
adiposo

Mama
densa
Aplicações Individuais da Mamografia Digital

• Mamografia em Tempo Real


Mamografia em Tempo Real

• Elimina o tempo de Processamento;

• Elimina as variações diárias de processadora


(Checagem de Controle de Qualidade Eletrônica);

• Facilita localização de lesões para realização de


procedimentos invasivos (“fluoroscopia”).
Elimina necessidade de tempo de processamento

Fluxo de trabalho-Técnico

Fluxo de trabalho- Técnicos

Sistema écran/filme
1:30 1:00 2:15 :05 :10 :30
Fluxo de trabalho-Médicos

Paciente 1* 1* filme Último


Última Paciente
na sala exposição exposição
revelado Filme CQ
Liberado
15 min
revelado

5% Repetições

DR 1:30 :45 :45

1* Última Paciente
Paciente liberado
exposição Exposição
na sala
e CQ e CQ
Exame na 7 min
WS

Mínimas
repetições
Impacto na leitura das mamografias:
Fluxo de trabalho-Médico

•Leitura no monitor da estação de trabalho é melhor (processamentos


individuais, com ajustes de contraste).

•Estações de revisão dedicadas para leitura de mamaografia digital,


com monitores de 5-megapixel de resolução.

•Oferece uma seqüência de imagens automaticamente ampliadas de


cada quadrante, tornando mais rápida e automática a seqüência de
leitura de imagens na estação de trabalho.

•O ideal seria que todos os fabricantes tornassem uniforme a


exibição das imagens no monitor
•Tomar cuidado para não perder muito tempo no ajuste da imagem
para leitura.

•Possibilita o uso de CAD, que tem alta sensibilidade para detecção de


microcalcificações, podendo tornar ainda mais rápida e eficiente a
leitura da mamografia.
Estação de Trabalho
Fluxo de trabalho-Médicos
Fluxo de trabalho-Médicos
Impacto na leitura das mamografias

•A comparação com exames anteriores feitos em filme de


mamografia convencional é difícil.

•A luz do negatoscópio próxima ao monitor da estação de


trabalho pode interferir na exibição da imagem do monitor.

•Outra limitação do monitor é relacionada ao inferior contraste


máximo do monitor, comparado ao filme visto com alta
luminância no negatoscópio.

• Muitos fabricantes tentaram compensar esta desvantagem


comprimindo o dynamic range da imagem, assim a mama pode
ser vista da parede torácica à pele simultaneamente, com o
máximo contraste (thickness compensation or density
equalization).
Sala de laudos
Melhora
contraste por
toda a mama.
Tecidos densos e
adiposos bem
demonstrados ao
mesmo tempo.

Elimina ou
minimiza
necessidade de
ajustes de janela
e nível.
Aplicações Individuais da Mamografia Digital

• Mamografia em Tempo Real;

• Imagem Ajustada Após Aquisição;


Imagem Ajustada Após Aquisição

• Ajustes de Sub/Super Exposição Radiológica.

• Ajustes de Janelas de Densidade(Contraste).

• Ampliação Digital de Imagens(Freqüência Espacial).


Imagem Ajustada Após Aquisição

• Melhora Imagens Pouco Definidas(Pequenas Estruturas);

• Realce de Margens;

• Supressão de ruídos;

• Aplicação de recursos de pós-processamento de imagens.


Aplicações Individuais da Mamografia Digital

• Mamografia em Tempo Real;

• Imagem Ajustada Após Aquisição;

• Imagens Arquivadas e Retransmissíveis;

• Aplicações em Teleradiologia;
Imagens Arquivadas e Retransmissíveis

• Rápido/Fidedigno/Barato/Conveniente
• Possibilita envio de imagens para PACS
(tem que ser grande o suficiente para armazenar
imagens mamográficas).
• Exames anteriores podem ser armazenados offline e
recuperados para o sistema, p. ex. na véspera ou pela
manhã do dia em que a paciente vier realizar exame.
• As imagens do servidor PACS podem ser
demostradas em uma ou mais estações de trabalho.
• Facilita envio de imagens para 2ªleitura
Telemamografia: Transferência de Imagem

 Unidade FFDM
(Paciente e Técnico)

 Estação de Trabalho
Mamográfica
(Radiologista)
Telemamografia: Transferência de Imagem

• Problemas:
• Imagens de mamografia digital são arquivos grandes,
variando de 8 a 50 MB por imagem, o que representa de 5 a
20 mamografias completas por Gigabyte.
• Há necessidade de arquivar e transmitir arquivos sem
compressão.
• A rede de transmissão de dados banda larga tem que ser
grande o suficiente para transmitir rapidamente imagens
mamográficas digitais.
Aplicações Individuais da Mamografia Digital

• Mamografia em Tempo Real;

• Imagem Ajustada Após Aquisição;

• Imagens Arquivadas e Retransmissíveis;

• Aplicações em Teleradiologia;

• Novas Modalidades de Aplicação em Radiologia


Mamária.
Novas Modalidades de Aplicação em Radiologia
Mamária

• Subtração dual energética;

• Subtração com contraste;

• Tomossíntese Digital;

• Análise de imagens assistida por computador;

• Fusão FFDM e US
Subtração com contraste

• Contraste realça muitos cânceres, como já foi


demonstrado em estudos com CT e MRI de
mama;

• Exposições pós contraste com Kev logo acima e


logo abaixo do Kev limite do contraste (iodo=33,2
Kev);

• Subtração dos elementos comuns em ambas as


imagens;

• Compressão não impede o fluxo sanguíneo;

• Demonstram-se tumores não vistos de outra


forma.
Subtração com contraste
Tomossíntese Digital
Tomossíntese Digital
Fusão FFDM e US
Obrigada!
Obrigada!

Você também pode gostar