Srimad Bhagavad Gita

Capítulo 1

Lamentação das
consequências da
Guerra
DHRITARASHTRA DISSE:
1. O que os filhos de Pandu e os meus filhos fizeram quando reuniram-se na
planície sagrada de Kurukshetra, ansiosos pela batalha, ó Samjaya?
SAMJAYA DISSE:
2. Tendo visto o exército dos Pandavas elaborado em batalha, o príncipe Duryodhana
então se aproximou de seu Mestre e falou as seguinte palavras:
3. Ó professor, olhe para este grande exército dos filhos de Pandu,
organizado por seu talentoso discípulo, filho de Drupada.
4. Aqui estão os heróis, poderosos arqueiros, iguais em batalha a Bhima e
Arjuna, Yuyudhana, Virata e Drupada, mestre de um ótimo carro de guerra
(maharatha).
5. Dhrishtaketu, Chekitana, e o valente rei de Kasi, Purujit e Kunti Bhoja,
e aquele eminente homem Saibya.
6. O heróico Yudhamanyu e os valentes Uttamaujas, Filho de Subhadra, filhos de
Draupadi, todos mestres de grandes carros de guerra (maharathas).
7. Saiba também, o melhor entre os dois filhos, os nomes dos que são os mais
exímios entre nós, os líderes do meu exército! Estes eu chamo de exemplo ente os
homens.
8. Você e Bhishma, e Karna e Kripa, os vitoriosos na guerra; Asvatthama, Vikarna,
e Jayadratha, o filho de Somadatta.
9. E também muitos outros heróis que dedicam suas vidas para minha causa, armados
com várias armas e mísseis, todos bem qualificados na arte da guerra.
10. Esse exército, organizado por Bhishma é insuficiente, enquanto seu exército,
organizado por Bhima, é suficiente.
11. Portanto, todos vocês, estacionados em suas posições respectivas, nas várias
divisões do exército, protejam Bhishma que está sozinho.
12. Seu glorioso avô (Bhishma), o mais antigo dos Kauravas, para animar
Duryodhana, agora rugiu como um leão e soprou sua concha.
13. Então (seguindo Bhishma), conchas e tambores, chifres de vaca...
Ressoou de forma intensa, repentinamente (do lado dos Kauravas). E o som foi
tremendo.
14. Então, também, Madhava (Krishna), e o filho de Pandu (Arjuna), sentados em suas
carruagens magníficas, com cavalos brancos, sopraram suas conchas divinas.
15. Hrishikesa tocou o "Panchajanya" e Arjuna soprou o "Devadatta", e Bhima, o
executor de grandes e terríveis feitos, soprou a grande concha, "Paundra.
16. O Rei Yudhishtira, filho de Kunti,
explodiu Anantavijaya, Nakula e
Sahadeva sopraram as conchas
Sughosha e Manipushpaka,
respectivamente.
17. O Rei de Kasi, um excelente
arqueiro, Sikhandi, o poderoso
guerreiro, Dhrshtadyumna, Virata e
Satyaki, o não conquistado.
18. Drupada e os filhos de Draupadi,
Senhor da terra, e o filho de Subadra,
o poderoso armado, sopravam suas
respectivas conchas.
19. O som tumultuado abalou os corações do exército de Dhritarashtra, fazendo com
que o céu e a terra estremecessem.
20. Então, vendo todas as pessoas do exército de Dhritarashtra em pé, e o som das
armas prestes a ressoar, Arjuna, o filho de Pandu, cuja bandeira tinha o emblema de
Hanuman, assumiu seu arco e disse o seguinte a Krishna, Senhor da Terra!
21 / 22 Arjuna disse
O Achyuta (Krishna) coloque minha
carruagem entre os dois exércitos
para que eu possa pesquisar aqueles
que estão aqui ansiosos para lutar.
Deixe-me saber na véspera desta
batalha com quem eu tenho que lutar.
23. Observarei aqueles que estão reunidos aqui, e estão prestes a se envolver nesta
batalha, desejosos de agradar ao filho malvado de Dhritarashtra.
24 / 25. Sanjaya disse
O Bharata (Dhritarashtra), assim
solicitado por Gudakesha (Arjuna),
Hrishikesha colocou o carro
magnífico entre os dois exércitos em
frente a Bhishma e Drona e os outros
governantes da terra e disse: Ó Partha
(Arjuna), eis que todos esses Kurus
que se reúnem aqui.
26 . Então Arjuna viu ali estacionados, avós e pais, professores, tios maternos,
irmãos, filhos, netos e amigos, também.
27 / 28. Ele também viu pais e
amigos em ambos os exércitos.
Kaunteya (filho de Kunti), ou seja,
Arjuna vendo todos esses parentes
ali, ficou sobrecarregado pela
compaixão suprema e disse isso
com tristeza.
Arjuna disse
Ó Krishna, vendo esses parentes e
amigos reunidos aqui ansiosos para
lutar., meus membros me falham e
minha boca fica seca, meu corpo
treme e meus cabelos se arrepiam.
29. O Arco Gandiva desliza da minha mão e minha pele queima por toda parte.
30. Agora não consigo aguentar mais. Estou fraquejando, e minha mente está
cambaleando. Prevejo apenas a inauspiciosidade, oh assassino do demônio Kesi.
31. De qualquer maneira, não entendo como pode ser bom matar meus próprios
parentes nessa batalha, nem posso, meu querido Krisna, desejar qualquer vitória
subsequente, reino ou felicidade.
32 / 33 / 34 / 35. Oh Govinda, de que
serve para nós reinos, felicidades ou
até mesmo a vida?
Quando todos a quem presamos, estão
agora dispostos neste campo de
batalha? Oh Madhusudana, quando
Mestres, pais, filhos, avós, tios
maternos, sogros, netos, irmãos e
todos os parentes estão prontos para
desistir de suas vidas e propriedades
e estão de pé diante de mim, então,
por que eu gostaria de matá-los, no
entanto?
Posso sobreviver? Oh mantenedor de
todas as criaturas, não estou
preparado para lutar com eles mesmo
em troca dos três mundos, muito
menos por esta terra.
36. O pecado pesará sobre nós, se matarmos esses agressores. Portanto, não é
bom para nós, matarmos os filhos de Dhrtarastra e nossos parente, o que
Poderíamos ganhar, ó Krisna, marido da deusa da fortuna, e como
poderíamos ser felizes matando nossos próprios parentes?
37 / 38. Oh Janardana, embora esses
homens, tomados pela ganância, não
vejam culpa em matar a própria família e
lutar com amigos, por que devemos, com
conhecimento do pecado, nos dedicar a
essas ações?
39. Com a destruição da dinastia, e a destruição da eterna tradição familiar, o resto da
família se envolve em práticas irreligiosas.
40. Quando a irreligião é proeminente na família, oh Krisna, as mulheres da família se
tornam corruptas e se degradam, oh descendente de Vrsni, e em decorrência dessse
fato, vem a progênie indesejada.
41. Quando há aumento da população indesejada, uma situação infernal é criada, tanto
para a família quanto para aqueles que destroem a tradição familiar. Em famílias tão
corruptas, não há oferta de oblações de comida e água para os antepassados.
42. Devido às más ações dos destruidores da tradição familiar, todos os tipos
de projetos comunitários e atividades de bem-estar familiar são devastados.
43. Oh Krisna, mantenedor do povo, ouvi por sucessão discipular, que aqueles que
destroem as tradições familiares habitam sempre no inferno.
44. Infelizmente, quão estranho é, que nos preparemos para nos comprometer muito
com ações pecaminosas, impulsionados pelo desejo de desfrutar da felicidade
transitória.
45. Eu creio ser melhor, permitir que os filhos de Dhrtarastra, me matassem desarmado
e sem resistência, em vez de lutar com eles.
46. Sanjaya disse: Arjuna, tendo assim falado no campo de batalha, deixou de lado
seu arco e flechas e sentou-se na carruagem, sua mente estava sobrecarregada
com tanta tristeza.
Tradução: Caroline N. F

Projeto Bhaktí Shastra Mantra
https://bhaktishastramantra.blogspot.com.br/

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful