Você está na página 1de 7

Análise de Redes I

Fluxo de Potência em Sistemas de Distribuição

2- Método de Varredura

- Primeiro Passo: Converter o sistema em uma rede estritamente radial;

- Segundo Passo: A partir dos nós terminais em direção ao nó

fonte, calculam-se as injeções de corrente (Backward Sweep);

- Terceiro Passo: A partir do nó fonte em direção aos nós

terminais, calculam-se as tensões nodais (Forward Sweep).

Necessidade de Ordenação do Sistema

1- Introdução

Características dos

Fluxo de Potência

Sistemas de Distribuição

X

Convencional

Sistemas Radiais;

Newton Raphson

Relação R/X elevada;

Desacoplado Rápido

mal condicionamento

Fluxo de Carga Linearizado

Dimensão Elevada

Gauss-Seidel

Desequilibrados

Eficiência

computacional

Novas Metodologias

Ordenação do Sistema 5 4 3 2 13 14 15 16 11 18 8 7
Ordenação do Sistema
5
4
3
2
13
14
15
16
11
18
8
7
6
12
17
21
9
19
20
10

1

1 2 2 13 Camada 1 3 5 4 6 3 8 17 14 Camada
1
2
2
13
Camada 1
3
5
4
6
3
8
17
14
Camada 2
9
7
10
11
12
8
4
9
15
18
Camada 3
13
14
6
15
16
17
18
19
11
20
Camada 4
5
7 10
12
19 20 21
16

Método de Solução

Etapa 1: Atribui-se um perfil horizontal de tensão

V

k

= 1

pu

 

k

=

1, 2,

!

,

n

Etapa 2: Calculam-se as correntes nodais

*

S

(

h

)

 

k

 

YE

(

h

1)

 

=

 

 

k

E

( h 1)

k

kk

 
 

I

− E k S k Y k
E
k
S
k
Y k

( h 1)

h: Contador de Iterações

: Tensão no nó k calculada na

iteração

: Potência complexa injetada no

k

: Soma de todos os elementos shunt ligados ao nó k.

Método de Solução Etapa 4: Calcula-se as tensões nodais (Forward Sweep). ()hh() ()h E =
Método de Solução
Etapa 4: Calcula-se as tensões nodais (Forward Sweep).
()hh()
()h
E
= E
− ZJ
k
l
lk
lk
Onde:
: Impedância do ramo que liga os nós l e k.
Z lk
Método de Solução Etapa 3: Calcula-se as correntes nos ramos (Backward Sweep) () hh ()
Método de Solução
Etapa 3: Calcula-se as correntes nos ramos (Backward Sweep)
()
hh
()
()
h
JI
= −
+ ∑
J
l
m
mn
n ∈Ω
m
Onde:
( h )
I
m
: Corrente injetada no nó m, na iteração h
J ( h )
mn
: Somatório das correntes dos ramos de camadas mais
n ∈Ω
m inferiores que incidem no nó m
Método de Solução Etapa 5: Critério de Convergência - Calcula-se a potência usando os valores
Método de Solução
Etapa 5: Critério de Convergência
- Calcula-se a potência usando os valores de corrente e tensão
calculados nas etapas 2 e 4
()
h
()
hh
() *
() 2
h
= E
()
I
− yE
(
)
S k
k
k
kk
- compara-se com a potência especificada

Δ

P

= Re

{

}

SS

( h )

kkP

ε

Δ P = Re { } SS − ( h ) kkP ≤ ε Δ Q
Δ P = Re { } SS − ( h ) kkP ≤ ε Δ Q
Δ P = Re { } SS − ( h ) kkP ≤ ε Δ Q

Δ

Q = Im

{

}

SS

( h )

kkQ

ε

Δ P = Re { } SS − ( h ) kkP ≤ ε Δ Q
Δ P = Re { } SS − ( h ) kkP ≤ ε Δ Q
Δ P = Re { } SS − ( h ) kkP ≤ ε Δ Q

Extensão para Sistemas Fracamente Malhados

1

2 13 Camada 1 Loop 1 3 14 Camada 2 17 Loop 2 8 11
2
13
Camada 1
Loop 1
3
14
Camada 2
17
Loop 2
8
11
4
18
15
6
Camada 3
9
BreakPoint
BreakPoint
2
1
Camada 4
5
7 10
12
19 20 21
16
Necessidade de conversão para uma topologia radial ^ ^ -J ^ j J j J
Necessidade de conversão para uma topologia radial
^
^
-J ^ j
J j
J j
Determinação
Conversão
das correntes de
BreakPoint
BreakPoint
Breakpoints?
Aberto
Determinação das Correntes de Breakpoints - Matematicamente ⎡⎤ V 1 ⎢⎥ ⎢⎥ V 2 ⎡
Determinação das Correntes de Breakpoints
- Matematicamente
⎡⎤ V 1
⎢⎥ ⎢⎥ V 2
ZZ
L
Z
L
Z
⎤ ⎡⎤ J 1
11
12
1
j
1
n
⎢⎥
ZZ
L
Z
L
Z
J
2
21
22
2
j
2
n
⎢⎥
⎢⎥
M
M MO
MN
M
⎢⎥ M
⎢⎥
= ⎢
⎢⎥
ZZ
L Z
L
Z
Jj
⎢⎥ Vj
j
1
j
2
jj
jn
⎢⎥
⎢⎥
M
⎢⎥
M MN
MO
M
⎢⎥
M
⎢⎥
⎢⎥
Vn
ZZ
L Z
L
Z
Jn
⎣⎦
⎢⎥
⎢ ⎣
n
1
n
2
nj
nn
⎦ ⎥ ⎣⎦
Matriz impedância de breakpoint ???????

Determinação das Correntes de Breakpoints

1 2 3 i n
1
2
3
i
n
   

^

 
    ^  
 

[

Z ]

 

^

^

V

J

 
 
Correntes de Breakpoints 1 2 3 i n     ^     [ Z ]

Determinação da Matriz de Impedância de Breakpoints

1- Para o breakpoint Jj fazer:

J

j

J

i

= 1

= 0

pu

2- Obtensão do vetor de tensões

Dessa forma a coluna J da matriz será igual ao vetor V

Como obter o vetor V ???

- Retirar todas as cargas do sistema;
- Aplicar uma corrente de 1 pu, com polaridade oposta, nos nós do breakpoint;

- Calcular as tensões nodais utilizando o método back/forward (1 iteração);

- subtrair as tensões dos dois nós do “breakpoint” aberto;

- Repetir este processo para todos os “breakpoints”.

- Montar a matriz impedância de breakpoints

Procedimento para Determinação das Correntes de Breakpoints Passo 1: Calcule a matriz impedância de “breakpoint”;
Procedimento para Determinação das Correntes de Breakpoints
Passo 1: Calcule a matriz impedância de “breakpoint”;
Passo 2: Calcule o vetor das tensões de “breakpoint” usando o
algoritmo para sistemas radiais, incluindo as correntes de “breakpoint”
calculadas na iteração anterior. O valor inicial das correntes de
“breakpoint” é zero;
Passo 3: Calcule o incremento para as correntes de “breakpoint”:
()h
− 1
()h
Δ
J
=
[
ZV
]
Passo 4: Atualize os valores de J
( h 1)
+
( hh)
(
)
J
=
JJ
+ Δ
Representação de Barras do Tipo PV Sistema Sistema J de de J J Distribuição Distribuição
Representação de Barras do Tipo PV
Sistema
Sistema
J
de
de
J
J
Distribuição
Distribuição

Procedimento para Determinação das Correntes de Breakpoints

Passo 5: Repita os passos 2, 3, 4 até satisfazer o critério de convergência abaixo:

( V ˆ
(
V ˆ

h

1)

V ˆ

(

h

)

ε

Representação de Barras do Tipo PV

- Metodologia Proposta

- Atribuir um valor inicial para a potência reativa nas barras PV;

- atualizar, durante o processo iterativo,da seguinte forma:

- Onde:

ΔQE=

esp

( h )

k

E

QQQ

+ Δ

kkk

=

( h 1)

+

( h )

: Incremento de potência reativa no nó k calculado na iteração h

E esp

( h )

k

Q

: Tensão calculada no nó k calculada na iteração h

: Potência reativa injetada no nó k calculada na iteração h

Problemas com o Método Back/Forward Sweep

Representação da subtransmissão em conjunto com a distribuição

Sistemas malhado

Geração dispersa e distribuída

Barras do tipo PV

Controle

Dispositivos FACTS

Reguladores de tensão

Etc.

•  Dividindo em parte real e imaginária s st t st t Δ I =
•  Dividindo em parte real e imaginária
s
st
t
st
t
Δ I =
∑ ∑
G V
B V
r
(
s )
2
2
ki
ki
r i
m i
k
+ (
s )
V
V
i
= 1 ∈
t
α
p
r k
m k
(
sp
) s
s
P
V
− (
sp
Q
) s
s
V
n
s
k
k
Δ I =
m k
r k
st
st
t
∑ ∑
G V
t +
B V
m
2
k
(
s )
+ (
s )
2
ki
ki
m i
r i
V
V
i
= 1 ∈
t
α p
r k
m k

(

P

k

sp )

s

V

s

r k

( P k sp ) s V s r k + ( Q sp k )

+ (

Q

sp

k

) s

s

m k

V

( P k sp ) s V s r k + ( Q sp k )

n

3-Método de Injeção de Correntes Trifásico MICT •  Resíduo de Corrente sp s sp s
3-Método de Injeção de Correntes Trifásico
MICT
•  Resíduo de Corrente
sp s
sp s
(
P
)
j Q
(
)
s
k
k
st
t
Δ I =
∑ ∑
Y E
k
s
ki
i
( E )
k
i
∈Ω ∈
t
k
α p

Aplicando o método de Newton-Raphson

abc

⎡ Δ I

⎡ Δ V

abc

Δ I

m

r 1

1

abc

r 1

Δ

abc

V m

"

1

Δ I

abc

Δ V

abc

!

(

11

Y

)

abc

Y

12

abc

Y

1

abc

n

abc

Y

21

(

22

Y

)

abc

abc

Y

2

n


=

!

!

!

abc

1

Y

n

Y

n

abc

2

(

nn

Y

)

abc

!

⎢ ⎢ ⎢

⎢ ⎢

⎢ ⎢

⎢ ⎢

!

⎢ ⎣

Δ I

abc

m

abc

n

"

r n

abc

Δ V

abc

Δ I

r

n

Δ V

m

n

üEsparsa

üAdmitância de barras

üElementos Constantes

m

abc

2

Δ I

r 2

abc

r 2

Δ V

m

2

⎢ m abc 2 Δ I ⎢ r 2 abc ⎥ r 2 Δ V m

Forma da Matriz Jacobiana

1 3 2 1- Barra de Referência 2, 3, 4- Barras PQ 4
1 3
2
1- Barra de Referência
2, 3, 4- Barras PQ
4
•   Forma da Matriz Jacobiana 1 3 2 1- Barra de Referência 2, 3, 4-
•  Representação de barras do tipo PV PV P sp Q GER ( ) s
•  Representação de barras do tipo PV
PV
P sp
Q GER
(
)
s
sp
s
sp
P
V + Q
(
(
) s
) s
s
Q
V
n
GER
s
k
r
k
m
st
t
st
t
Δ I =
k
k
V
B V
r
(
)
2
(
)
2
G ki
ki
s
s
r i
m i
k
V
+
V
i
=
1 ∈
t
α
p
r
m
k
k
(
sp
s
P
)
s
V −
(
(
sp
s
Q
Q
) s
) s
V
n
GER
s
k
m
k
r
st
st
t
Δ I =
k
k
V
t +
B V
m
s
k
(
)
2
(
2
ki
s
)
G ki
m i
r i
V
+
V
i
=
1 ∈
t
α
p
r
m
k
k
•  Representação de controles abc abc abc Z = f V ( , V ,
•  Representação de controles
abc
abc
abc
Z = f V
(
,
V
,
u
)
r
m
abc
abc ⎤
∂Δ I
abc
Δ I
m
Δ V
m
r
abc
u
J
abc
abc
Δ I
⎥ Δ V
r
abc
m
=
∂Δ I
.
r
abc
u
abc
abc
abc
abc
f
f
f
abc
Δ
Z
Δ
u
abc
abc
abc
V
V
u
r
r
•  Representação de barras do tipo PV ü  Equação para controle da tensão s 2
•  Representação de barras do tipo PV
ü  Equação para controle da tensão
s
2
s
2
s
2
(V )
=
(V )
+
(V )
k
m
r k
k
ü  Linearizando
s
s
V
V r
s
m
s
ΔV =
k
ΔV
s +
k
ΔV
k
s
r k
s
m
V
V
k
k
k
•  Representação de barras do tipo PV (Matriz Jacobiana) ⎡ ⎢ ⎥ ⎢ ⎥ ⎥
•  Representação de barras do tipo PV (Matriz Jacobiana)
!
!
" !
!
!
!
!
abc
abc ⎥
ΔI
ΔV
m
i ⎥
• abc
abc
abc
r i
(Y )
… …
Y
Y
abc
abc
⎢ ΔI
ii
ik
il
ΔV
m
r i
i ⎥
!
!
!
" "
!
!
!
!
! ⎥
abc
abc
abc
Y
" "
(Y )
Y
"
X
ki
kk
kl
abc
=
abc ⎥
ΔI
ΔV
m
r k
k ⎥
!
!
" "
!
!
!
!
! ⎥
! ⎥
abc
abc
• abc
Y
" "
Y
(Y )
"
"
li
lk
ll
!
! !
" "
! "
"
! ⎥
!
abc
ΔV
" Z
" "
" "
"
abc
ΔQ
k
k

!

⎤ ⎡ ⎤

!

ΔI

abc

m

k

⎢ Δ I abc ⎥ m k ⎥ Δ V ⎥ abc ⎥ r k

ΔV

abc

r k

abc ⎥ abc ⎥ ΔI ΔV m l r l abc ⎥ abc ⎥ ΔI
abc ⎥
abc ⎥
ΔI
ΔV
m
l
r l
abc ⎥
abc ⎥
ΔI
ΔV
m
l ⎥
r l

4-MICT X Back/Forward Sweep

Ü Alimentador JFAD09

üCEMIG

ü146 barras

üSistema Desequilibrado

ü23 KV

ü8 MVA

Representação de barras do tipo PV (Matriz Jacobiana)

5

1 3 6 1- Barra de referência 2 2, 3, 4, 6- Barras PQ 5-
1
3
6
1- Barra de referência
2
2, 3, 4, 6- Barras PQ
5- Barra PV
4
de barras do tipo PV (Matriz Jacobiana) 5 1 3 6 1- Barra de referência 2

Ü Variando o Carregamento

Ü   Variando o Carregamento Ü   Variando R/X

Ü Variando R/X

Ü   Variando o Carregamento Ü   Variando R/X