Diario de Pernambuco | Aqui PE | Clube FM | Rádio Clube AM | TV Clube | Superesportes | Vrum | Lugar Certo | Admite-se

OPINIÃO

Holandeses aqui em Pernambuco
Cláudio Roberto de Souza
Mestrando em história na UFPE
claudiosouza2006@hotmail.com
Publicação: 24/05/2014 03:00

Os 360 anos da expulsão dos holandeses constituem um marco das relações
internacionais que puseram Pernambuco no centro da mais importante
guerra colonial do século 17 e dos conflitos entre católicos e protestantes
que marcaram a Europa. A Holanda era um território espanhol, apesar do
idioma diferente, de uma importante comunidade protestante e de suas
manufaturas e finanças. Ela também participava ativamente dos negócios do
açúcar brasileiro financiando os senhores de engenho, refinando e
transportando o açúcar em seus navios.
Essa situação mudaria a partir de dois eventos. Em 1578, o rei de Portugal,
Dom Sebastião, morreu lutando contra os muçulmanos no Marrocos, abrindo
uma crise na sucessão da Coroa, que só finalizou quando Felipe II, rei da
Espanha, pela sua condição de neto de um outro rei português, assumiu o
trono. Espanha e Portugal formaram a União Ibérica, situação que perdurou
até 1640. A Espanha assenhoreava-se, assim, de todas as colônias
portuguesas, constituindo o primeiro império global dos tempos modernos.
Enquanto ocorria o conflito pela sucessão da coroa lusitana, as guerras entre
católicos e protestantes chegaram aos Países Baixos. A Holanda dividiu-se
quando, em janeiro de 1579, os territórios do sul, correspondentes
atualmente à Bélgica, juraram obediência ao rei espanhol, afirmando o
catolicismo como religião. Como resposta, os Estados protestantes do norte
declararam-se autônomos, constituindo uma República e separando-se dos
espanhóis.
Felipe II determinou, então, a exclusão dos neerlandeses dos negócios do
açúcar colonial, levando o governo da Holanda à decisão de invadir o
Nordeste para garantir os seus negócios. Em 1621 foi criada a Companhia das
Índias Ocidentais, uma companhia de comércio investimentos de judeus e
calvinistas. A Companhia foi responsável por organizar a invasão do Nordeste
e de Angola, controlando tanto a região produtora de açúcar, quanto a que
fornecia os escravos para os engenhos. A conquista de Angola era uma
constatação de uma máxima da época, segundo a qual “sem Pernambuco não
há Brasil e sem Angola, não há Pernambuco”.

A primeira tentativa de invasão ocorreu em 1624, em Salvador, capital do
Brasil. A reação, entretanto, foi forte e a tentativa, frustrada. Os holandeses
foram expulsos, mas, reorganizaram-se. Em 16 de fevereiro de 1630, sete mil
homens, em 67 navios, desembarcaram na praia de Pau Amarelo e cruzaram
o Rio Doce, abrindo o caminho para Olinda e iniciando a guerra de conquista,
que teria marcos como o incêndio da cidade em 1631.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful