Você está na página 1de 2

Corrosão Biológica

A corrosão é causada por um tipo de microrganismo (bactérias, fungos e algas) que atuam de maneira
intensa nos processos corrosivos. Esses microrganismos estão em toda parte e podem ser encontrados em
uma vasta gama de pHs, sendo que eles podem existir em temperaturas de -5°C até 110 °C , e são um dos
maiores responsáveis pela corrosão em tubulações industriais enterradas.

A maioria desses microrganismos vive naturalmente na área metálica, aderidos a uma superfície de
substratos, que são gerados por série complexa de eventos sofridos pelas superfícies metálicas, tais como
a excreção de expoliremos pelos próprios microrganismos, que se ligam fortemente ao substrato,
formando uma espécie de biofilme (também conhecido como biofouling), que torna favorável a
proliferação desses microrganismos responsáveis pela corrosão.

Manter canalizações e recipientes de ferro cheios de água poderia, em tese, livrá-los da oxidação, dada a
ausência de oxigênio. No entanto, isso nem sempre acontece e, com frequência, mesmo sob essas
condições, o ferro é atacado por bactérias anaeróbicas, logo, adaptadas a ambientes sem oxigênio.
Tal fenômeno de oxidação é comumente chamado de biocorrosão anaeróbica, sendo conhecido há anos e
temido, por exemplo, nas tecnologias de perfuração de campos de petróleo. Contudo, menos conhecidas
são as responsáveis por esse mecanismo de biocorrosão.
Existem vários tipos de microrganismos corrosivos, e dependendo do tipo, o mecanismo de corrosão é
diferente.

Corrosão por excreção de ácidos

Alguns tipos de bactérias do gênero “Thiobacillus“ são capazes de oxidar o enxofre e seus compostos em
ácido sulfúrico a meio aeróbio. Este gênero de bactéria possui varias espécies que são capazes de crescer
em meios de pH ligeiramente alcalinos até extremamente ácidos.

Normalmente, a ação corrosiva dessas bactérias se inicia com a proliferação de espécies em meios
alcalinos. Após a acidificação do meio ao longo do tempo pelas próprias bactérias, outras espécies
corrosivas mais acidofílicas, ou seja, que vivem em um ambiente muito ácido, tomam o controle do
processo de corrosão.

Pela formação de solventes orgânicos

Alguns tipos de microorganismos são capazes de metabolizar substancias orgânicas em condições
anaeróbicas. Se um receptor de elétrons, tal como o nitrato, ou sulfato, não estiver disponível, poderão
ocorrer reações de fermentação.
Neste processo de metabolização, o hidrogênio é transferido entre diversos compostos orgânicos, que
como resultado da fermentação, há formação de outros compostos, como o CO2, por exemplo. Tais
compostos também podem ser ácidos ou solventes orgânicos, como o etanol, o propanol ou o butanol.
Estes solventes podem reagir com os materiais do substrato natural ou sintético, causando a sua
degradação.
Um importante composto associado à corrosão microbiológica é o sulfeto de hidrogênio (H2S), o mesmo
é produzido em condições anaeróbicas pela ação das bactérias redutoras de sulfato, sulfeto e enxofre livre.
O sulfeto de hidrogênio pode ser utilizado pelos microrganismos de várias formas, podendo ser reoxidado
a ácido sulfúrico, em condições aeróbicas, ou, quando na presença de nitratos, formar sulfetos. O H2S
também pode ser produzido em condição aeróbica através da decomposição de aminoácidos sulfurados.

Por outros compostos metabólicos

Um importante composto associado à corrosão microbiológica é o sulfeto de hidrogênio (H2S), o mesmo
é produzido em condições anaeróbicas pela ação das bactérias redutoras de sulfato, sulfeto e enxofre livre.
O sulfeto de hidrogênio pode ser utilizado pelos microrganismos de várias formas, podendo ser reoxidado
a ácido sulfúrico, em condições aeróbicas, ou, quando na presença de nitratos, formar sulfetos. O H2S

E adotar medidas gerais como:  A limpeza sistemática e a sanitização. deve-se apresentar medidas com maior probabilidade de bom desempenho. . periodicamente.  O emprego adequado de biocidas. para análise: como na análise são retirados os depósitos.  O controle de variação de pH.  Uso de técnicas eletroquímicas.  Analise bacteriológica do biofilme.também pode ser produzido em condição aeróbica através da decomposição de aminoácidos sulfurados. Ela pode ser gerada pela degradação da ureia e aminoácidos.  A aeração adequada do sistema. Medidas de prevenção contra a corrosão biológica Para se ter um bom controle contra a corrosão biológica. A amônia é outro composto relevante para a corrosão microbiológica.  Uso de cupons que são retirados. é o meio adequado para as bactérias nitrificadoras. Largamente existente na atmosfera (sais de amônia com sulfato ou cloreto). usar diversos cupons. considerando-se: Análise da água. sendo uma delas um bom monitoramento do sistema em questão.  A análise dos revestimentos e da proteção catódica.