Você está na página 1de 4

GEOGRAFIA DE MATO GROSSO

POLÍCIA JUDICIÁRIA CIVIL 2017 09
TURISMO E MATO GROSSO

A partir do final da década de 1990, o turismo passou a
TURISMO re-ceber maior atenção do poder público, porém os resultados
têm sido pontuais, pois não há continuidade das ações
Turismo plane¬jadas em cada governo. Ademais, o turismo não integra o
O setor terciário vem assumindo crescente importância na pla¬nejamento macro de desenvolvimento do Estado, de modo
economia brasileira, uma tendência da economia mundializa- da. que as ações são executadas de forma isolada das demais que
Nesse contexto, o turismo vem se destacando como um impulsionam os setores da economia.
fenômeno econômico e social, sendo uma das atividades que A primeira iniciativa do Estado em direção a um
mais cresce no mundo, gerando grande mobilização de ordena¬mento do turismo data de 1938, com a criação da
recur¬sos e geração de empregos. Por isso, esta atividade vem Reserva Ter¬mal de Águas Quentes, localizada no atual
sen¬do colocada como uma alternativa de desenvolvimento, município de Santo Antônio de Leverger, onde houve a
so¬bretudo nos países e regiões pobres. instalação de um peque¬no empreendimento turístico, que era
O fomento do turismo foi mais intenso no país em meados precariamente gerido pelo poder público. Atualmente, sob a
da década de 1990, quando foram adotadas políticas públicas forma de arrendamen¬to, está terceirizado, sendo transformado
para o setor, embora todo um suporte jurídico e institucional num complexo turís¬tico que conta com o apoio de receptivos e
tenha sido criado desde a década de 1960, visando à gestão boa infraestrutura.
dessa atividade em todo o território nacional. No final da década de 1960, com a política de incentivos
Assim, o marco da valorização econômica da atividade tu- governamentais à iniciativa privada na Amazônia Legal, deu- se
rística no país se deu com a implantação das diretrizes da início à implantação de uma infraestrutura hoteleira em Cuiabá,
Po¬lítica Nacional de Turismo, instituída no governo de Fernando em razão do fluxo migratório. Nesse momento, regis- traram-se
Henrique Cardoso, em 1996, objetivando a transformação dos as primeiras medidas institucionais para o ordena¬mento do
recursos naturais e patrimônio histórico-artístico-cultural das turismo no Estado, com a implantação, em 1967, do
diversas regiões em atrativos turísticos. A partir desse Departamento de Turismo (Detur). Em 1974, esse órgão foi
momen¬to, constata-se uma crescente expansão da atividade no transformado na Empresa Mato-grossense de Turismo (Turi-
país. mat), e criado o Conselho Estadual de Turismo, a quem
Um dos empreendimentos de maior vulto, desenvolvido com¬petia traçar as políticas públicas para o setor. ATurimat
pelo Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), foi o Progra¬ma fun¬cionou como órgão executor do turismo ligado à Secretaria
de Ação para o Desenvolvimento do Turismo no Nordes¬te de Indústria e Comércio, até transformar-se em uma empresa de
(Proedetur), implantado no início da década de 1990 com base economia mista, em 1977 (BORDEST et al„ 1999).
no modelo Cancún. Dentre as ações efetivadas por esses órgãos nas
Os programas federais de fomento ao turismo têm décadas de 1970/1980, merecem destaque:
estimu¬lado ações pontuais do Estado de Mato Groso em  a definição de áreas nos municípios de Cuiabá e de Cha-
diferentes mandatos de governo, porém o reconhecimento do pada dos Guimarães prioritárias para investimentos tu-
turismo como uma atividade que requer investimentos públicos e rísticos;
de-finições de diretrizes que orientem as ações socioespaciais  a criação, em 1978, do Parque Estadual de Águas
voltadas ao seu desenvolvimento ainda é um mito nos diver¬sos Quen¬tes, com 1.500 hectares;
setores da administração pública. Até recentemente, o tu¬rismo  a elaboração do Plano Diretor de Turismo de Chapada dos
ainda ocorria mais de forma espontânea, tendo como atração a Guimarães, com consultoria do arquiteto Lúcio Cos¬ta e sob
contemplação da natureza, sem o apoio de uma in- fraestrutura a orientação do Conselho Nacional deTurismo e da
receptiva, principalmente dos meios de informa¬ção, transporte e Embratur.
hospedagem. As agências locais de viagem e turismo são mais Até a extinção da Turimat, em 1992, o turismo como
voltadas ao turismo emissivo, isto é, de saí¬das de pessoas para ativida¬de econômica teve momentos de maior e menor impulso,
fora do Estado que receptivas. de-pendendo do apoio governamental recebido. No auge da ex-
pansão demográfica e econômica ocorrida na década de 1980,
Aspectos históricos do Turismo em Mato Grosso esse órgão veiculou uma campanha publicitária na mídia
As belezas naturais e o patrimônio histórico-cultural repre- na¬cional e internacional com o slogan "Mato Grosso, um
sentam grande potencial turístico para Mato Grosso. O paraíso natural à sua espera", para atrair fluxo de turistas e
Panta¬nal, o Cerrado e a Amazônia oferecem atrativos naturais investimen¬tos para o setor. Alguns empreendimentos foram
que podem ser transformados em produtos turísticos para estrutura¬dos nessa época, como empresas de transporte e
seg¬mentos que procuram o convívio com a natureza. O turismo agências de viagem, mas foi a rede hoteleira que mais se
ecológico e rural são formas potenciais viáveis em muitos expandiu, graças aos incentivos financeiros concedidos pela
mu¬nicípios do Estado. Sudam.
Historicamente, a atividade turística no Estado se dava de A diminuição dos incentivos financeiros federais provocou
forma espontânea e tinha o seu maior fluxo dirigido para o uma desaceleração do setor no Estado, no final da década de
Pantanal e a região do rio Araguaia, constituído 1980. As empresas ligadas ao turismo, sobretudo de
predominantemente por grupos de pescadores e caçadores, hospeda¬gem, hotelaria e transporte, passaram a atuar em
organizados entre amigos ou por agências de seus Estados de condições desfavoráveis no mercado, situação agravada pela
origem. Ge-ralmente acampando às margens dos rios, esse deterioração dos acessos às atrações turísticas que se davam
"roteiro turís¬tico" ocorria sem interferência do poder público, predominante-mente em direção ao Pantanal (ALMEIDA &
com prejuízos econômicos e ambientais pelo seu caráter OKAMURA, 1998).
predatório e amadorístico. Verificava-se, também, o turismo Em substituição à Turimat, foi criada a Fundação de Cultura e
contemplati¬vo, principalmente no Pantanal e Chapada dos Turismo do Estado de Mato Grosso (Funcetur), vinculada ao
Guimarães. gabinete do Governador. Em 1995, o turismo passou a ser de

ponto de apoio à entrada e saída dos turistas que chegam ao evento que. também significando o fortalecimento político e a consolidação do setor afeta ambientes e sociedades humanas em seu modo de vida. safári fotográfico. institucionalizado. Turístico (Amptur). Em parceria com o Instituto de Ecoturismo do Brasil (IEB). convenções. exploração do turismo em seus diversos seg¬mentos. mas tam¬bém setor local. e a inclusão do turismo nas políticas de uso dos dos mais importantes ecossistemas bra¬sileiros em seu território recursos naturais definidas no Plano de Metas do Governo de . governos estadual e municipais. Enfoca o turismo como um negócio capaz de econômica no turismo ecológico. Cáce. Destacam-se como atrativos em Alta Floresta o Parque Esta-dual • Florestas Tropicais da Amazônia de Mato Grosso. Potencialidades e atrativos turísticos às margens do rio Paraguai. onde o Numa tentativa de recuperação das atividades turísticas foi receptivo está melhor estruturado.coloca Mato Mato Grosso (1995-2006). como Aripuanã. rural e educativo. nas ações da Huma¬nidade e Reserva da Biosfera. sobretudo destacam-se o apoio técnico e creditício à micro e média em. Cerrado e Drenada pela bacia do rio Paraguai e seus afluentes. a Associação dos Municípios com Poten¬cial instalações mais adequadas para essa modalidade de turis¬mo. promover o desenvolvimento econômico sustentável da Amazônia mato-grossense ati¬vidade turística no país. Essa região apresenta uma rica diversidade de fauna e agressiva campanha publicitária no país e no ex¬terior. atrair uma demanda maior de turistas e inves¬tidores. manifestações cultu¬rais e lançado o Plano Nacional de Turismo 2003-2007. resultado de articulação da iniciativa privada junto aos definidos para congressos. embora considerado menos impactan.Polo Chapada dos Guimarães. no país e no Estado. as perspectivasseampliarame vários Grosso como atração turística em escala nacional e municípios estabeleceram programas e ações concretas para o internacional. cordilheiras. quatro regi¬ões. 2004) direcio¬na as fazendas de criação de gado foram transformadas em ações públicas e privadas para o turismo. pelas potencialidades naturais grossense e a Estação Ecológica deTaiamã. o vale do rio Araguaia. o governo do Estado empreendeu após 1995. diag¬nóstico nacional para a identificação e caracterização de banhados e corixos. capa. o Fórum Empresa¬rial do Destaca-se o Centro de Eventos Pantanal. Em 1995. a partir preocupação mundial com o meio ambiente e a existência de três de 1996. antigas do Brasil: diretrizes operacionais"(BRASIL. empreendidas pela Embratur. cristalinas. 2003). incluindo a Transpan- Com o slogan "Mato Grosso: quatro estações. como . lização do Turismo (PNMT) e investimentos em propaganda e Pantanal marketing para a divulgação dos atrativos. tendo Nela se encontra o Parque Nacional do Pantanal mato- como foco o ecoturismo. Dentre as ações governamentais. a partir de 1996.Polo Pantanal do Norte. criados em 1981. buscando alternativa cal ou regional. focagem de paralisando ações iniciadas com o Plano Nacional de Turismo . religiosas. viveiro natural. costumes. vem sendo realizado anualmente. no ano seguinte. uma Leverger. Essa região foi definida como "Polo Norte Mato-grossense" Esta concepção aparece no documento "Política Estadu¬al de dentro do Proecotur. Pantanal. entre do Cristalino. em âmbito nacional. à noite. concentra-se • Pantanal de Mato Grosso. O a Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Turismo (Sedtur). por pressão do empresa¬riado ligado ao O Turismo é uma atividade que produz riqueza. corredeiras e cachoeiras. existentes na Amazônia mato-grossense. fragilidades em seus ambientes naturais. Paranaíta e outros. localizado a 39 km do município. rica em biodiversidade. visando à elabora¬ção de um Cuiabá é o centro receptor do fluxo turístico que se diri¬ge para o plano integrado para o setor. A crescente Com a implementação da Política Nacional do Turismo. onde vivem mais de 3 mil índios de • Vale do Guaporé. com atraído pesquisadores e turistas. É região onde se formam grandes ninhais no • MT 2 . Essa atuação inseria-se no programa de interiorização ins-tituído considera¬do pela Unesco. trilhas na mata. O "complexo do Pantanal"forma uma regi¬ões com potencial ecoturístico. e. período de repro¬dução das aves. Pela sua rica biodiversidade. a ser aplicado a par¬tir de 1994. Pantanal. Com a mudança nas administrações dos governos federal e O Pantanal tem como principais atrativos para a contempla¬ção estadual ocorrida nas eleições de 2002.o Cerrado a Floresta Amazônica e o Pantanal . para evitar a degradação ambiental com a presas ligadas aos diversos segmentos do setorturístico.Polo Amazônia Mato-grossense. pontos de observação de ninhais e da fau¬na. ® Vale do Araguaia de Mato Grosso. Contudo.responsabilidade da Secretaria Extraordinária para os Negó¬cios O turismo de eventos é um dos segmentos que tem pros-perado de Desenvolvimento de Turismo (BORDEST et al. cortada ® Cerrados da Baixada Cuiabana e os recortes dos pare¬dões por numerosos rios que apresentam no seu percur¬so águas que o limitam com os planaltos do entorno. Panta¬nal comporta a maior planície alagável do mundo. destacando-se o • Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. grande parte da população indígena do Estado. vazantes. sendo mais operado em Cuiabá. novas diretrizes para o da paisagem e observação da flora e da fauna: passeios de turismo foram expedidas. culinária regional. paisagístico. diversas etnias. feiras e outros even¬tos. este polo caracteriza-se pela se harmonizam caracterizando os principais polos turísticos: presença da floresta amazônica. no trecho entre Poconé e Porto Jofre. compondo um grande mosaico e MT 1 . de- nacional.2004-2013" (MATO GROSSO. do Oriente e do Ocidente. O documento"Programa de Regionalização doTurismo: Ro-teiros Com o desaquecimento da pecuária nessa região. Tem como municípios integrantes: Barão de Melgaço. Estado. Apresenta diversas voltadas ao desenvolvimento do ecoturismo em âm¬bito feições. com acomodações e criada. 1999). servindo de Em seguida. em âmbito lo¬ pousa¬das ou em hotéis-fazenda. Parque Nacional do Xingu. Poconé. tendo como critério "o beleza específi¬ca de na.te. e Santo Antônio de mil emoções". Nessa região. do ecoturismo. implementação de polos turísticos em áre¬as que apresentam citação de pessoal dentro do Programa Nacional de Municipa. e as secretarias estaduais de turismo. e outros municípios situados em áreas de abrangência das que define sete polos regionais para a implementação de bacias dos rios Teles Pires e Cristalino. isto requer estudos científicos para a ordenamento do turismo. em 2001. ecoturismo. foi idealizada a "Festa Internacional do Pantanal". na estrutura administrativa do Estado.Tem Alta Floresta como portão de entra¬da Turismo de Mato Grosso . Chapada dos Guimarães e outras regiões. Foi criado um ministério só para o turismo e pesca esportiva. onde há um outras". Jurue- atividades turísticas. em especial. visando flora e aspectos culturais de grande potencialidade tu¬rística. em 1992. bem como à valorização do turismo no país. a região tem • Região centro-leste e centro-sul mato-grossense. constituindo-se em enorme © MT 3 .. desde 1994. como Patrimônio Natural pela Política Nacional de Turismo e. no país e no exterior. Esse estudo definiu três es¬pécie de síntese de toda a vegetação regional. alterando ou barco e a cavalo. com espaços Turismo.res. cada um dos cenários regionais e de seus recursos naturais que Situado no Norte Mato-grossense. PNT1966-1999. procedentes de vários países cachoeiras e termas de águas quentes.. organização social e uso do territó¬rio. com plantas polos de ecoturismo em Mato Grosso: de todas as espécies.. a Embratur realizou um terminadas pelo ciclo das águas: baías. taneira. receptivo que oferece caminhadas nas trilhas pela mata e Turismo de eventos atividades ecoturísticas nos rios Cristalino e Teles Pires. animais. foi criada pode gerar pobreza se não for planejado adequada¬mente.

encerra Umutina e Irantxe. esportes como rapei. e a luta dos "fi¬lhos formas naturais do relevo e ao misticismo que a envol¬ve. de difícil acesso. No leste e sudeste. Com quase 300 anos. se das culturas indígenas e dos primeiros exploradores que aqui se desta¬cam mananciais hídricos. O espaço do universo cultural repre¬sadas do rio Manso para a implantação de usina indígena sofreu a interferência do espaço e tempo do capital. são encontradas culturas agressões sistemáticas des¬se processo. a Constituição Federal de 1988. 2004). em parte representativa. no centro. a construção do território capitalista no Brasil foi Essa região engloba áreas dos municípios de Chapada dos produto da conquista e destruição dos territórios indígenas. Nos municípios do centro-sul e sudoeste. novas situações. Os municípios que mais têm de projetos agropecuários e de projetos de colonização privados investido nessas práticas são: Jaciara. com riachos e rios de águas cristali¬nas. entre tantos outros. Arara. Dispõe de infraestrutura para a realização de eventos de artigo 231. A ameno de Chapada dos Guimarães. Chapada dos Guimarães Portanto. em altitude . em seu senses. o fluir da história está variados. com grande número de cavernas e nascentes de rios. foi assentada na aber¬tura aquático na represa de Manso. localizado no O grande número de rios. o traçado das ruas. Serra de São Vicente e Nobres no conhecimento e respeito à diversidade cultural. Kalapalo. contado pelo passar das"luas"e pela fala mansa dos mais velhos. Os povos indígenas em Mato Grosso As formas de trabalhar a terra e. rafting em todos os níveis de A história do processo de ocupação de Mato Grosso. no sul. Neste sentido. tem o centro histórico tombado pelo Iphan como Patrimônio Mato Grosso: os territórios índios do Brasil. originário das águas terras indígenas e parques. Enawenê-Nawê (Salumã). Muito as tradições. turísti¬co. Uns resistem lutando carac¬terísticas de Goiás e Minas Gerais. ritmo compassado do tic-tac do relógio nunca foi a marca¬ção do O relevo. igrejas.si. Kayabi. abrangendo a re¬gião pantaneira. da flora e da fauna. grossense e evidenciam as tradições e os interesses de cada grupo colonizador. No Parque do Xingu. canoagem. Sul. prédios públicos. livres. e históricos. os estilos arquitetônicos das moradias. são mu¬nicípios situados nessas regiões que têm investido no for¬mas tradicionais de organização social e produtiva. além da observação da fauna e da flora. com casarões e igrejas da Colô¬nia e Império. planaltos e serras.visitas à Cachoeira de Sete Quedas. verificam-se ações dos governos municipais e da As diferentes paisagens culturais produzidas ao longo da iniciativa privada em vários municípios. as espécies Territórios e expropriação cultivadas relacionam-se com a história cultural dos grupos Desde tempos imemoriais. Véu de distintos e pelos territórios destruídos/construídos. os Kayabi. ainda que primitiva. oriundas turismo de base local. A região se território invadido. muitas vezes. O hidrelétrica. além de Chapada dos Guimarães. Kamayurá. os Esportes aquáticos Xavante.Txikão. cavernas. assegurou-lhes importantes dispositivos que pequeno. grutas. Noiva. parti- dificuldade. e o pleno usufruto das terras que habitam. tirolesa. localizada no Centro Geodésico da América do próprios. Tangará da Serra. brasileira. Apiaká e Panará (Kreen-Akarore). Assim. canoagem e pesca como estratégia de luta pela sobrevivência. em decorrência da sua luta do capital em processo de expansão. Suyá. Os Guimarães e de Cuiabá. Possui boa in. desenvolvimento. Barra do formação do território contam a história do povoamento ma-to- Bugres. do entorno de Cuiabá estão favorecendo o crescimento da Kuikuru. Barra do Garças e São Félix do Araguaia com formas diferenciadas de produção do espaço. Outros. Nobres e Rosário Oeste. boia-cross. historicamente. ocorrem identidades culturais relacionadas com os . cultivam-se as evitando o avanço das frentes de expansão. Formação Étnica grupos sociais. esses povos área ocupada. O clima Talvez. adaptaram-se às esportiva. médio e grande portes.Trumai e Juruna. os quais. mergulho e es¬qui cularmente do norte mato-grossense. rafting. Lá. representada pelo Terminal de Sal. hoje são cerca de 426 mil que lutam Juscimeira e Primavera do Leste. levam consigo os costu¬mes e área que hoje corresponde ao território mato-gros¬sense. com destaque para o Parque Nacional povos indígenas foram sendo dizimados. Zoró.gadeira. A marca contraditória do país que se destaca por apresentar uma estrutura de recepção e atendimento desenhava podia ser buscada na luta pelos espaços e tempos ao turista. Vales do Guaporé e do Araguaia Diversidade cultural Os vales do Guaporé. as serras de São Vicente e São formas de produção que hoje caracterizam a diversida¬de Jerônimo. nos para continuar preservan¬do seus modos de vida. desenvolveram organiza¬ções Neste contexto.fraestrutura de A existência desses povos é responsabilidade da sociedade hospedagem. estivesse aí o início da primeira luta entre desiguais. a hidrografia. Gaviões. hotelaria e vias de acesso aos sí¬tios turísticos. tiveram sua base no do Leste. resistido às país. época do descobrimento. chapadas. no oeste. e a vegetação típi¬ca do registrando os fatos reais e imaginários. ao migrarem. calcu¬la-se que águas termais e inúmeros rios e cachoeiras onde se praticam 237 mil lá habitam (ISA. No Estado. Amazônia. saqueados e violentados. passam a conviver com outras identidades cultu¬rais e como o Planalto dos Parecis. região calcária Rikbaktsa. rafting. esportes de aventura. praças. coexistindo com a sociedade envolvente. Prima¬vera e oficiais. Municípios ao norte do Araguaia e alguns do sudes¬te relacionar com a natureza. fugiram para regiões manifestações culturais do Sul e Sudeste brasileiros. os Bororo. "cercados" e confinados em seu entorno e o lago de Manso.acima de 800 m do nível do mar -. os Bakairi. na tentati¬va de evitar esse contato. muni¬cípios de colonização recente. Cachoeirinha e Mirante. seus territórios de Chapada dos Guimarães e a Área de Proteção Ambiental no invadidos. são aspectos das diferentes práticas cul¬turais dos 7. associa¬do às busca de acumulação. Cerrado são os atrativos mais característicos da região. construíram seus territórios. dispõe de com¬plexos de para sobreviver. que abrange municípios como Jaciara. onde predomina o cerrado. processo de grilagem das terras. e procuram reproduzir a sua identidade na nova antes da ocupação portuguesa do Brasil. Pare. Vale do Araguaia e Cerrado mato-gros. estão os Suruí. no leste. diferentes povos indígenas ha-bitam a colonizadores que. prática de esportes como o rapei. Nambikwara. Com a valorização e o reconhecimento do potencial sociocultural mato-grossense. Na região norte. Karajá eTapirapé. no norte. fixaram. Vila Bela da incorporação de novos valores e modalidades de uso da terra. com paredões e formações rochosas de aspectos tempo para os povos indígenas. Juscimeira. Assim. Alguns. cachoeiras e corredeiras nas ser¬ras norte-nordeste do Estado. o território mato-grossense é um mosaico sociais e criaram culturas e formas próprias de viver e se cultural. Santíssi¬ma Trindade. cascatas. do Araguaia e do Xingu apresentam Os fluxos migratórios dirigidos para Mato Grosso prove-nientes potencialidades excepcionais para o turismo pelos aspectos das mais diferentes áreas do país contribuíram para a hídricos. beleza ímpar para mergulho e passeios ecológicos. tem do sol" em busca da manutenção do seu espaço de vida no contribuído para o seu desenvolvimento turístico. a capital garantem legalmente o direito à organização social e cul¬tural mato-grossense. cachoeiras. A Serra Dos estimados 5 milhões de indígenas que ocupavam o Brasil à de São Vicente. canoagem. às formas de A região metropolitana de Cuiabá é o portal de entrada para o organizações socioeconômicas e à sua dignidade como povos Pantanal. M destruição dos territórios desses do Estado apresentam características da cultura nordesti¬na do povos e os que sobreviveram têm. Por isso é necessário estabelecer relações baseadas Cuiabá. como Jaciara. Já o município de Nobres. boia-cross e outros Em Mato Grosso. A maioria está na Amazônia. osTxukarramãe.

igual¬mente a todo o grupo. estabelecem fronteiras Território indígena é "um espaço da sobrevivência e reprodu¬ção definidas.Todos têm acesso à terra. também têm diferentes formas de concepção de seu território. têm (ou tiveram) suas fron-teiras em constante expansão em onde descansam os antepassados. mas consiste em extrair como algo propício e desejável não só em razão da riqueza de matéria-prima para a construção de casas. No vale do Guaporé. que a apropriação de recursos naturais dução do espaço. em cada comunidade. não se resume em produzir alimentos. E o território colonizadores europeus. portanto. embora as áreas re. Outros. e esse acesso é feridas ostentem uma certa individualidade. ou da caça e os índios se apropriam dos recursos naturais e garantem sua coleta"(FERNANDES. canoas e outros e. de um povo. onde se realiza a cultura. em que plantar. um espaço simbólico em que do território capitalista no país instaurou uma luta sangrenta de as pesso¬as travam relações entre si e com seus deuses.as a expansão e construção subsis¬tência física. E é justamente esse espaço da sobrevivência. que denominamos território. Os grupos indígenas públicas e privadas de apoio às diferentes formas de pro. fundamentalmen¬te sedentários. para enfeites. mas também porque a diversidade cultu¬ral retirar as ervas medicinais que exigem determinadas condições gera demandas e produções diferenciadas. entre os índios. 8i). Para que um povo possa sobreviver e se reproduzir. elas se vinculam em efetivado através do trabalho e de ocupação de fato de uma torno dos interesses produtivos e comerciais e das políti¬cas determinada porção do território tribal. ainda. 1993. fle¬chas. é importante considerar que.primórdios da ocupação do território mato-grossen¬se. p. é. Não existe a propriedade privada Contudo. ainda. Território Indígena Alguns. oportunizando maior ecológicas para vingarem. Além de ser um local onde função de atividades guerrei¬ras. Há que se ressaltar. em especial em indíge¬na tem uma particularidade: o de ser coletivo e pertencer Vila Bela da Santíssima Trindade. dinamismo para o mercado regional. A diversidade cultural mostra-se. para a conhecimentos e costumes que formam o patrimônio de fabricação de arcos. onde se criou o mundo. necessi¬ta de muito mais terras do que as que utiliza simplesmente para Fonte: Apostilado Geografia de Mato Grosso Gislaene Moreno . negras e dos que ela implica. como é o caso dos povos Jê do Brasil Central. com tudo se sobressaem as culturas indígenas. destaca-se a cultura negra. sobretudo.