Sri Nrsimha-Sahasra-Nama

(Os Mil Nomes do Senhor Narasimha)
Verso 1

om namo narasimhäya

vajra-damshträya vajrine

vajra-dehäya vajräya

namo vajra-nakhäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, cujos dentes são raios (vajra-damshtra),
que tem um raio (vajri), cujo corpo é um raio (vajra-deha), que é um raio
(vajra), cujas garras são raios (vajra-Nakha).

Verso 2

väsudeväya vandyäya

varadäya varätmane

varadäbhaya-hastäya

varäya vara-rüpine

Que é o filho de Vasudeva (Vasudeva), a quem todos devem se curvar
(vandya), que é o doador de dádivas (varada), que é mais glorioso
(varätmä), cujas mãos concedem bênçãos de coragem (varadäbhaya-
hasta) e que é o maior (vara), cuja forma transcendental é gloriosa (vara-
rupi).
Verso 3

varenyäya varishthäya

sri-varäya namo namah

prahläda-varadäyaiva

pratyaksha-varadäya cha

Reverências ao Senhor Narasimha, que é o maior (vareëya e variñöha), e
que é o marido da Deusa da Fortuna (vara sri). Reverências ao Senhor
Narasimha, que é o doador de bênçãos para Prahlada (Prahl - varada), que
é o doador de bênçãos para aqueles, que dele se aproximam (pratyakña-
varada).

Verso 4

parät-para-pareshäya

paviträya pinäkine

pävanäya prasannäya

päshine päpa-härine

Que é o Mestre Supremo, maior que o maior (Parat-para-paresha), que é
o mais puro (Pavitra), que carrega um arco (Pinaki), que é o mais puro
(Pavana), que está cheio de bem-aventurança transcendental (prasanna),
que carrega uma corda (Pashi), e que remove os pecados (papa-Hari).
Verso 5

purustutäya punyäya

puruhutäya te namah

tat-purushäya tathyäya

puräna-purushäya cha

Óh Senhor Nrsimha, glorificado com muitas orações (puru-stuta), que é o
mais puro (punya), cujos santos nomes são cantados pelos devotos (puru-
Huta), que é a Pessoa Suprema (tat-purusha), a verdade Suprema (tathya),
a antiga Suprema Personalidade de Deus (Purana-purusha), reverências a
você!

Verso 6

purodhase pürvajäya

pushkaräkshäya te namah

pushpa-häsäya häsäya

mahä-häsäya shärngine

Óh Senhor Nrsimha, que é o sumo sacerdote (purodha), o mais antigo
(pürvaja), de olhos de lótus (pushkaräksha), sorriso de lotus (Hasa
pushpa), amante da brincadeira (Maha-Hasa) e que possui o Shärnga
(shärngi), reverências a você!
Verso 7

simhäya simha-räjäya

jagad-väsyäya te namah

atta-häsäya roshäya

jala-väsäya te namah

Óh Senhor, que é um Leão (simha), o Rei dos Leões (Raja simha), e o
Mestre do Universo (jagad-vashya), reverências a você! Óh Senhor que ri
alto (Atta-Hasa), que espressa raiva (Rosha), e que possui a água (jala-
vasa), reverências a você!

Verso 8

bhüta-väsäya bhäsäya

shri-niväsäya khadgine

khadga-jihväya simhäya

khadga-väsäya te namah

Óh Senhor Nrsimha, que reside no coração (Bhuta-vasa) de todos, que é
refulgente (Bhasa), que é o lugar de descanso da Deusa Lakshmi (shri-
Nivasa), que detêm uma espada (Khadgi), cuja língua é uma espada
(khadga-Jihva), que é um Leão (simha), e que possui uma espada (khadga-
vasa), reverências a você!
Verso 9

namo mülädi-väsäya

dharma-väsäya dhanvine

dhanajayäya dhanyäya

namo mrityunjayäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, que é a raiz de tudo (vasa mülädi), a
morada da religião (dharma-vasa), o grande arqueiro (dhanvi), o vencedor
da riqueza (dhanaïjaya), e o mais glorioso (dhanya). Reverências a Ele que
é o vencedor da morte (Mrityunjaya).

Verso 10

shubhänjayäya süträya

namah satrunjayäya cha

niranjanäya niräya

nirgunäya gunäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, que é o conquistador de formosura
(shubhänjaya), o segmento em que tudo está firmado (sutra), o
conquistador de inimigos (satrunjaya), intocado pela matéria (Niranjana),
que se deita no Oceano Karana (nira ), que está livre dos modos da
natureza material (nirguna), que é glorioso e com qualidades
transcendentais (guna).
Verso 11

nishpräpanchäya nirväna-

pradäya nividya cha

nirälambäya niläya

nishkaläya kaläya cha

Que é distante do mundo material (nishpräpaca), que é o dador de
libertação (nirväna-prada), que é omnipresente (nivida), que é
independente (nirälamba), cuja tez é escura (nila), que é perfeito e
completo (nishkala), e que aparece em muitas encarnações (kala).

Verso 12

nimeshäya nibandhäya

nimesha-gamanäya cha

nirdvandväya niräshäya

nishcayäya niräya cha

Que é o piscar de olhos (nimesha), que é a escravidão da existência
material (nibandha), que aparece no piscar de um olho (nimesha-gamana),
que está livre da dualidade (nirdvandva), que é todo-penetrante (Niräsha),
que é a Verdade Absoluta (nishcaya).
Verso 13

nirmaläya nibandhäya

nirmohäya niräkrite

namo nityäya satyäya

sat-karma-niratäya cha

Que está livre de toda impureza material (nirmala), que é o auto-controle
(nibandha), que está livre da ilusão (nirmoha), cuja forma não é material
(niräkriti), que é eterno (nitya), que é espiritual, e cujas as atividades são
todas espirituais (sat-karma-nirata).

Verso 14

satya-dhvajäya munjäya

munjä-keshäya keshine

harishäya cha shoshäya

gudäkeshäya vai namah

Reverências ao Senhor Nrisimha, que carrega a verdade como Sua
bandeira (satya-dhvaja), que é a grama munja sagrada, cujo cabelo é a
grama munja sagrada (munjä-kesha), cujo cabelo é gracioso (keshi), que é
o mestre de Brahmā e Shiva (harisha), que faz com que tudo o que é
inauspicioso diminua (shosha), que é o conquistador do sono (gudakesha).
Verso 15

sukeshäyordhva-keshäya

keshi-simha-rakäya cha

jaleshäya sthaleshäya

padmeshäyogra-rüpine

Cuja juba é gloriosa (sukesha e ürdhva-kesha), que é a jóia süryamani dos
Leões da grande manada (keshi-simha-raka) que é o mestre das águas
(jalesha), que é o mestre de todos os lugares (sthalesha) , que é o marido
da Deusa da Fortuna (padmesha), e que é feroz (ügra-rüpi).

Verso 16

kusheshayäya kuläya

keshaväya namo namah

sükti-karnäya süktäya

rakta-jihväya rägine

Reverências ao Senhor Nrisimha, que é gracioso como uma flor de lótus
(kusheshaya), que é o maior (küla), que tem uma juba gloriosa (keshava),
cujas orelhas gostam de ouvir as orações de seus devotos (sükti-karna),
que é personificação das orações védicas (sükta), cuja língua é vermelha
(rakta-jihva), e que ama Seus devotos.
Verso 17

dipta-rüpäya diptäya

pradiptäya pralobhine

pracchinnäya prabodhäya

prabhave vibhave namah

Reverências ao Senhor Nrisimha, cuja forma é esplêndida (dipta rupa,
dipta e pradipta), que é todo atraente (pralobhi), que é a destruição de
tudo o que é inauspicioso (prachinna), que dá a iluminação espiritual
(prabodha). Que é o mestre supremo (prabhu), que tem todos os poderes
(vibhu).

Verso 18

prabhanjanäya pänthäya

pramäyäpramitäya cha

prakäshäya pratäpäya

prajvaläyojjvaläya cha

Que destrói tudo o que é inauspicioso (prabhajana), que é glorioso como
o Sol (pãntha), que é a Verdade Absoluta (prama), que é ilimitado
(apramita), que é esplêndido.
Verso 19

jvälä-mälä-svarüpäya

jvälä-jihväya jväline

maho-jväläya käläya

käla-mürti-dharäya cha

Cuja forma refulgente está protegida por chamas, cuja língua é uma
chama, que é esplêndido como uma hóstia de chamas.

Verso 20

käläntakäya kalpäya

kalanäya krite namah

käla-chakräya shakräya

vashat-chakräya chakrine

Que põe fim ao tempo (käläntaka), que é todo-poderoso (kalpa, kalana e
krit), que é a roda do tempo (kâla-chakra), que é o mais perito (shakra),
que é a palavra vashat nos mantras védicos (vashat-chakra), que detém o
Sudarshana cakra (chakri).
Verso 21

akrüräya kritäntäya

vikramäya kramäya cha

kritine kritiväsäya

kritaghnäya kritätmane

Que é gentil com os devotos (akrüra), que é a morte dos demônios
(kritänta), que é todo-poderoso, que mata os demônios (kritaghna), que é
o todo-penetrante, a Superalma (kritätmä).

Verso 22

sankramäya cha kruddhäya

kränta-loka-trayäya cha

arüpäya svarüpäya

haraye paramätmane

Que desce a este mundo (sankrama), que está zangado com os demônios
(kruddha), que caminha sobre os três mundos (kränta-loka-traya), cuja
forma não é material (arppa), cuja forma é transcendental (svarppa) que
remove tudo o que é inauspicioso (hari), que é a Superalma (paramätmä).
Verso 23

ajayäyädi-deväya

akshayäya kshayäya cha

aghoräya su-ghoräya

ghoräghora-taräya cha

Que nunca é derrotado (ajaya), que é a Suprema Personalidade de Deus
(ädi-deva), que é imortal (akshaya), que mata os demônios (kshaya), que é
suave (aghora), que é feroz, e que resgata os devotos pacíficos, dos
temíveis demônios (ghoräghora-tara).

Verso 24

namo ‘stv aghora-viryäya

lasad-ghoräya te namah

ghorädhyakshäya dakshäya

dakshinäryäya sambhave

Reverências ao Senhor Nrisimha, que é ao mesmo tempo gentil e
poderoso (aghora-virya). Oh Senhor Nrisimha, seu poder feroz é
esplêndido (lasad- ghora), você é o ais feroz, o mais perito (daksha), o
mais santo (dakshinārya), e o mais auspicioso (sambhave).
Verso 25

amoghäya gunaughäya

anaghäyägha-härine

megha-nädäya nädäya

tubhyam meghätmane namah

Que é infalível (amogha), um dilúvio de virtudes transcendentais
(gunaugha), puro (anagha), e o removedor de pecados, que ruge como
trovão (megha-näda) e que ruge ferozmente (nãda). Reverências a Ti,
Senhor Nrisimha, que é como uma nuvem de monção (meghätmä).

Verso 26

megha-vahana-rüpäya

megha-shyämäya mäline

vyäla-yajïopaviträya

vyaghra-dehäya vai namah

Reverências ao Senhor Nrisimha, que é como uma multidão de nuvens de
monção (mogha-vahana-rüpa), que é escuro como uma nuvem de monção
(megha-shy-ma), que usa uma guirlanda (mäli) cujo fio sagrado é uma
cobra (Vyäla-yajnopavitra), e que tem a forma de um Leão (vyaghra-deha).
Verso 27

vyaghra-pädäya cha vyaghra-

karmine vyäpakäya cha

vikatäsyäya viräya

vistara-shravase namah

Reverências ao Senhor Nrsimha, que tem as patas de um Leão (Vyaghra-
pada), e as obras ferozes de um Leão (vyaghra- karmi), (vyäpaka). Aquele
que tudo permeia, cujo rosto é temível (vikatäsya) que é muito poderoso e
heróico (vira), e que possui toda opulência da fama (Vistara-shraväh).

Verso 28

vikirna-nakha-damshträya

nakha-damshträyudhäya cha

vishvaksenäya senäya

vihvaläya baläya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, que tem garras afiadas e dentes (vikirna-
Nakha-damshtra), cujas armas são suas garras e dentes (damshträyudha
nakha), cujos exércitos estão em toda parte (Vishvaksena) que tem um
grande exército (sena), a grande arma, é feroz (vihvala), e que é muito
poderoso (bala).
Verso 29

virupäkshäya viräya

visheshäkshäya säkshine

vita-shokäya vistirna-

vadanäya namo namah

Reverências ao Senhor Nrsimha, cujos olhos são temíveis (Virupaksha),
que é poderoso e heróico (vira), cujos olhos são bonitos (visheshäksha),
que é o testemunho de todos (Sakshi), que nunca chora (vita-shoka) e cuja
boca é muito grande (vistirna- vadana).

Verso 30

vidhänäya vidheyäya

vijayäya jayäya cha

vibudhäya vibhäväya

namo vishvambharäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, que é o autor das regras de escrituras
(vidhana), que é o objetivo a ser alcançado, que regimenta as regras das
escritura (vidheya). Que é a vitória (vijaya e Jaya), que sabe tudo
(vibudha), que é o único amigo (vibhava), e que é o mantenedor do
Universo (vishvambhara).
Verso 31

vita-ragäya vipräya

vitanka-nayanäya cha

vipuläya vinitäya

vishva-yonaye namo namah

Reverências ao Senhor Nrisimha, que não é afetado pelo modo da paixão
(vita-raga), que é o primeiro dos brähmanas (vipra), cujos olhos são
gloriosos (vitanka-nayana), cuja forma é grande (vipula), que é humilde
(vinita), e que é o criador do Universo (vishva-yoni).

Verso 32

chid-ambaräya vittäya

vishrutäya viyonaye

vihvaläya vikalpäya

kalpätitäya shilpine

Que é o mestre do céu espiritual (chid-ambara), a riqueza dos devotos
(vitta), a fama (vishruta), o não nascido (viyoni), feroz (vihvala) e exímio
(vikalpa, kalpätita e shilpi).
Verso 33

kalpanäya svarüpäya

phani-talpäya vai namah

tadit-prabhäya taryäya

tarunäya tarasvine

Que é o criador (kalpana), cuja forma é transcendental (svarppa), cujo
ascento é uma serpente (phani-talpa), que é esplêndido como o
relâmpago (tadit-prabha), que é o objetivo final (tarya), que é
eternamente jovem (taruna), que é todo-poderoso (tarasvi).

Verso 34

tapanäya tapaskäya

täpa-traya-haräya cha

tärakäya tamo-ghnäya

tattväya cha tapasvine

Que é refulgente (tapana e tapaska), que elimina as três misérias da vida
material (täpa-traya-hara), que é o libertador (täraka), que destrói a
escuridão da ignorância (tamo-ghna), que é a Verdade Absoluta (tattva), e
que é glorioso (tapasvi).
Verso 35

takshakäya tanu-träya

tatine taraläya cha

shata-rüpäya shäntäya

shata-dhäräya te namah

Reverência a Ti, Ó Senhor Nrisimha, que é o arquiteto dos mundos
(takshaka), que protege Seus devotos (tanu-tra), que fica na margem mais
distante do oceano de nascimentos e mortes repetidos (tati), que é
esplêndido (Tarala), que se manifesta de cem formas (shata-rppa), que é
pacífico, e que possue um raio.

Verso 36

shata-paträya tarkshyäya

sthitaye shata-mürtaye

shata-kratu-svarüpäya

shäshvatäya shatätmane

Reverências ao Senhor Nrisimha, que é gracioso como um lótus de cem
pétalas (shata-patra), que é carregado por Garuda (tarkshya), que é o
mantenedor (sthiti), que manifesta cem formas (shata-mürti), que é o
Yajna personificado (shata-kratu-svarppa), que é eterno, e que manifesta
cem formas.
Verso 37

namah sahasra-shirase

sahasra-vadanäya cha

sahasräkshäya deväya

disha-shroträya te namah

Que tem mil cabeças (sahasra-shirah e sahasra-vadana), que tem mil olhos
(sahasrāksha), e que é a Suprema Personalidade de Deus (deva).
Reverências a Ti, ó Senhor Nrisimha, cujas orelhas são as diferentes
direções (disha-shrotra).

Verso 38

namah sahasra-jihväya

mahä-jihväya te namah

sahasra-nämadheyäya

sahasräkshi-dhäräya cha

Reverências a Ti, ó Senhor Nrisimha, que tem mil línguas (sahasra-jihva),
uma grande língua, mil nomes (sahasra-nämadheya) e mil olhos
(sahasrākshīdhāra).
Verso 39

sahasra-bähave tubhyam

sahasra-caranäya cha

sahasrärka-prakäshäya

sahasräyudha-dhäriëne

Ó Senhor Nrisimha, que tem mil braços (sahasra-bhu) e mil pés (sahasra-
carana), que é esplêndido como mil sóis, e que detêm mil armas.

Verso 40

namah sthüläya sükshmäya

susükshmäya namo namah

sükshunyäya subhikshäya

surädhyakshäya shaurine

Que é maior do que o maior (sthüla), menor do que o menor (sükshma /
susükshma), feroz (sükshunya), o mantenedor (subhiksha), e o governante
dos semideuses (surädhyaksha), heróico (shauri), reverências a Ti.
Verso 41

dharmädhyakshäya dharmäya

lokädhyakshäya vai namah

prajädhyakshäya shikshäya

vipaksha-kshaya-mürtaye

Reverências a Ti, oh Senhor Nrisimha, que governa os princípios religiosos
(dharmādhyaksha), e é a religião personificada (dharma), o governante
dos mundos (lokädhyaksha), o governante das entidades vivas, o ensino
dos Vedas Shiksha), o destruidor dos demônios (vipaksha-kshaya-mürti).

Verso 42

kälädhyakshäya tikshnäya

mülädhyakshäya te namah

adhokshajäya miträya

sumitra-varunäya cha

O controlador do tempo (kälädhyaksha), feroz (tikshna), o governante da
raiz da matéria (mülädhyaksha), além da percepção dos sentidos materiais
(adhokshaja), do verdadeiro amigo (mitra) e da Deidade adorada por
Mitra e Varuna (Sumitra-varuna).
Verso 43

shatrughnäya avighnäya

vighna-koti-haräya cha

rakshoghnäya tamoghnäya

bhütaghnäya namo namah

Reverências ao Senhor Nrisimha, que é o destruidor dos inimigos
(shatrughna), livre para fazer o que Ele deseja (avighna), o Senhor que
remove milhões de obstáculos (vighna-koti-hara), o destruidor dos
demônios (rakshoghna), o destruidor da ignorância (tamoghna), e o
destruidor de fantasmas (bhütaghna).

Verso 44

bhüta-päläya bhütäya

bhüta-väsäya bhütine

bhüta-vetäla-ghätäya

bhütädhipataye namah

Reverências ao Senhor Nrisimha, que é o protetor do povo (bhüta-päla), o
Senhor que aparece diante de Seu devoto (bhüta), o Senhor que desce ao
mundo material, o mestre do mundo material (Bhüti), o destruidor de
fantasmas e espíritos malignos (bhüta-vetäla-ghäta), e o controlador do
mundo material (bhütädhipati).
Verso 45

bhüta-graha-vinäshäya

bhüta-samyamate namah

mahä-bhütäya bhrigave

sarva-bhütätmane namah

Reverências ao Senhor Nrisimha, que é o destruidor de fantasmas e
espíritos malignos (bhüta-graha-vinäsha), o controlador do mundo
material (bhüta-samyamän), o maior (mahã-bhüta), descendente de
Maharshi Bhrigu (bhrigave) , e a Superalma que tudo permeia (sarva-
bhütätmä).

Verso 46

sarvärishta-vinäshäya

sarva-sampatkaräya cha

sarvädhäräya sarväya

sarvärti-haraye namah

Reverências ao Senhor Nrisimha, que é o destruidor de todas as
calamidades (sarvärishta-vinäsha), o portador de toda boa fortuna (sarva-
sampatkara), o lugar de repouso de todos os mundos, que é tudo (sarva) e
o removedor de Todos os sofrimentos (sarvärti-hari).
Verso 47

sarva-duhkha-prashäntäya

sarva-saubhägya-däyine

sarvadäyäpy anantäya

sarva-shakti-dharäya cha

Reverências a Ti, oh Senhor Nrisimha, que é o removedor de todos os
sofrimentos (sarva-duhkha-prashänta), doador de toda sorte, doador de
tudo (sarvada), ilimitado (ananta) o mestre de todas as potências (sarva-
shakti-dhara).

Verso 48

sarvaishvarya-pradätre cha

sarva-kärya-vidhäyine

sarva-jvara-vinäshäya

sarva-rogäpahärine

O doador de todos os poderes e opulências (sarvaishvarya-prādātā), o
doador de todos os deveres (sarva-kārya-vidhāyi), o destruidor de todas as
febres (sarva-jvara-vināsha), o médico que cura todas as doenças (sarva-
rogäpahāri).
Verso 49

sarväbhicära-hantre cha

sarvaishvarya-vidhäyine

pingäkshäyaika-shringäya

dvi-shringäya marichaye

O destruidor de todos os males (sarvābhichāra-hantā), e o doador de
todas as potências e opulências (sarvaishvarya vidhāyi), de olhos
vermelhos (pingāksha), que têm um chifre (eka-shringa), que têm dois
chifres (dvi- Shringa), que é esplêndido como o Sol (marichi).

Verso 50

bahu-shringäya lingäya

mahä-shringäya te namah

mangalyäya manojnäya

mantavyäya mahätmane

Que têm muitos chifres (bahu-shringa), que não são diferentes da sua
forma Divina (linga), que têm um grande chifre, que é a Suprema
Auspiciosidade (mangalya), que é supremamente bonito e atrativo
(manojna ). Que é o próprio objeto de meditação (mantavya), que é a
Suprema Personalidade de Deus.
Verso 51

mahä-deväya deväya

mätulinga-dharäya cha

mahä-mäyä-prasütäya

prastutäya cha mäyine

Que é a Suprema Personalidade de Deus (mahä-deva), que possui um
mätulinga (mätulinga-dhara), que é a origem da potência mahä-mäyä
(mahä-mäyä-prasüta), que é glorificado pelos sábios ( Prastuta), que é o
mestre da potência ilusória Mäyä (mäyi).

Verso 52

anantänanta-rüpäya

mäyine jala-shäyine

mahodaräya mandäya

madadäya madäya cha

Que manifesta formas ilimitadas (anantänanta-rüpa), que é o Mestre da
potência ilusória Mäyä (mäyi), que descansa nas águas (jala-shāyi), que
tem uma grande barriga (mahodara), que é gentil (manda), que concede
felicidade aos devotos (madada), que é a felicidade transcendental
personificadas (mada).
Verso 53

madhu-kaitabha-hantre cha

mädhaväya muräraye

mahä-viryäya dhairyäya

chitra-viryäya te namah

Que exterminou Madhu e Kaitabha (madhu-kaitabha-hantä), que é o
marido da Deusa da Fortuna (mädhava), que é inimigo do demônio Mura
(Muräri), que é todo poderoso (mahä-virya), que é todo paciente
(dhairya), e que é maravilhosamente poderoso (Chitra-virya).

Verso 54

chitra-kürmäya citräya

namas te chitra-bhänave

mäyätitäya mäyäya

mahä-viräya te namah

Ó Senhor Nrisimha, reverências a você, que se manifestou como uma
maravilhosa tartaruga (chitra-kürma), (chitra), esplêndido como um Sol
maravilhoso (chitra-bhänu), além da potência ilusória de Mäyä (mäyätita),
mestre da potência ilusória Mäyä (mãya) e todo-poderoso (mahä-vira).
Verso 55

mahä-tejäya bijäya

tejo-dhämne cha bijine

tejomäya nrisimhäya

namas te chitra-bhänave

Reverências ao Senhor Nrisimha, que é esplêndido e poderoso (mahä-
teja), a semente de toda existência (bija), o Senhor que reside no
esplêndido mundo espiritual (tejo-dhämä), a semente de toda existência
(biji), refulgente (tejoma), meio homem e meio-leão (nrisimha) e
esplêndido como um Sol maravilhoso (chitrabhänu).

Verso 56

mahä-damshträya tushtäya

namah pushti-karäya cha

shipivishtäya hrishtäya

pushtäya parameshtine

Reverências ao Senhor Nrisimha, que tem dentes grandes e temíveis
(mahä-damshtra), cheio de felicidade (tushta), que mantém e protege
seus devotos (pushti-kara), refulgente (shipivishta), feliz (hrishta),
poderoso (Pushta) e o controlador supremo (parameshti).
Verso 57

vishishtäya cha shishtäya

garishthäyeshta-däyine

namo jyeshthäya shreshthäya

tushtäyämita-tejase

Reverências ao Senhor Nrisimha, que é o maior (vishishta, shishta e
garishtha), que cumpre os desejos de Seus devotos (ishta-däyi), o mais
antigo (jyeshtha), o melhor (shreshtha), feliz (tushta) e ilimitadamente
poderoso (Amita-tejäh).

Verso 58

säshtänga-nyasta-rüpäya

sarva-dushtäntakäya cha

vaikunthäya vikunthäya

keshi-kanthäya te namah

Reverências ao Senhor Nrisimha, a quem os devotos oferecem dandavat /
reverências (säshtänga-nyasta-rüpa), que é o exterminador dos demônios
(sarva-dushtäntaka), o Mestre do mundo espiritual (vaikuntha e vikuntha)
e que têm a forma de um Leão (keshi-kantha).
Verso 59

kanthiraväya lunthäya

nishathäya hathäya cha

sattvodriktäya rudräya

rig-yajuh-sama-gäya cha

Reverências ao Senhor Nrisimha, cuja garganta emana o rugido (kanthi-
rava), que livra os devotos do aprisionamento do mundo de nascimentos e
mortes (luntha), que é supremamente honesto (nishatha), que é feroz
(hatha) , que está situado na bondade transcendental (sattvodrikta), que é
irado (rudra), que recita os hinos do Rig, Yajur e Sāma Vedas (rig-yajuh-
sama-ga).

Verso 60

ritu-dhvajäya vajräya

mantra-rajäya mantrine

tri-neträya tri-vargäya

tri-dhämne cha tri-shüline

Que é a origem das estações (ritu-dhvaja), um raio (vajra), o Rei dos
mantras (mantra-raja) e o melhor conselheiro (mantri), que tem três olhos
(tri-netra), que tem três classes de seguidores (tri-varga), que tem três
residências (tri-dhämä), que possui um tridente (tri-shüli).
Verso 61

tri-käla-jnäna-rüpäya

tri-dehäya tridhätmane

namas tri-mürti-vidyäya

tri-tattva-jnänine namah

Aquele que sabe tudo sobre as três fases do tempo (tri-käla-jnäna-rüpa),
que tem três formas (tri-deha) e três expansões (tridhätmä). Reverências
ao Senhor Nrisimha, que conhece as três verdades (tri-mürti-vidya e tri-
tattva-jäni).

Verso 62

akshobhyäyäniruddhäya

aprameyäya mänave

amritäya anantäya

amitäyämitaujase

Reverências ao Senhor Nrsimha, que é pacífico (Aksobhya), que não pode
ser frustrado (Aniruddha), que é incomensurável (Aprameya), que é
marido da Deusa da Fortuna (MANU), imortal (Amrita), ilimitado (ananta e
Amita), que tem um poder ilimitado (amitaujäh).
Verso 63

apamrityu-vinäshäya

apasmara-vighätine

ana-däyäna-rüpäya

anäyäna-bhuje namah

O destruidor da morte prematura (apamrityu-vinäsha), o destruidor do
esquecimento (Apasmara-vighäti), o doador da vida (anadá), que tem a
forma da vida (ana-rupa), a vida (ana), e o doador da vida (ana-bhuk).

Verso 64

nädyäya niravadyäya

vidyäyädbhuta-karmane

sadyo-jätäya sanghäya

vaidyutäya namo namah

Reverências ao Senhor Nrsimha, que é glorificado com muitas orações
(Nadya), que é extremamente puro (Niravadya), que é preenchido com o
conhecimento transcendental (vidya) cujas actividades são maravilhosas
(adbhuta-KARMA), que de repente aparece diante de Seu devoto (sadyo-
JATA), que é acompanhado por seus devotos (sangha), e que é esplêndido
como um relâmpago (vaidyuta).
Verso 65

adhvätitäya sattväya

väg-ätitäya vägmine

väg-ishvaräya go-päya

go-hitäya gaväm-pate

Reverências ao Senhor Nrsimha, que fica longe do caminho dos
materialistas (adhvätita), que é a Verdade Absoluta (sattva), que está além
do poder descritivo das palavras materiais (väg- ATITA), que é mais
eloquente (vägmi e VAG -ishvara), que é o protetor das vacas (gopa), que
é a auspiciosidade das vacas (go-Hita), e o Mestre das vacas (gaväm-pati).

Verso 66

gandharväya gabhiräya

garjitäyorjitäya cha

parjanyäya prabuddhäya

pradhäna-purushäya cha

Cuja voz é melodiosa (gandharva), que é profunda (gabhira), que ruge
ferozmente (garjita), que é muito poderoso (ürjita), que ruge como um
trovão (Parjanya), que é o mais sábio (prabuddha), que é a Personalidade
de Deus, que é o controlador do mundo material (Pradhana-Purusha).
Verso 67

padmäbhäya sunäbhäya

padma-näbhäya mänine

padma-neträya padmäya

padmäyäh-pataye namah

Que é esplêndido como uma flor de lótus (padmäbha), cujo umbigo é
gracioso (sunäbha), cujo umbigo é uma flor de lótus (padma-Nabha), que
é glorioso (MANI), cujos olhos são flores de lótus (padma-Netra), que é
gracioso como uma flor de lótus (padma), e que é o marido da Deusa
Fortuna (padmäyäh-pati).

Verso 68

padmodaräya pütäya

padma-kalpodbhaväya cha

namo hrit-padma-väsäya

bhü-padmoddharanäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, cuja barriga é uma flor de lótus
(padmodara), que é extremamente puro (Puta), que apareceu no Padma-
kalpa (Padma-kalpodbhava), que fica no lótus do coração, e que pegou a
terra como se fosse uma flor de lótus (BHU-padmoddharana).
Text 69

shabda-brahma-svarüpäya

brahma-rüpa-dharäya cha

brahmanëe brahma-rüpäya

padma-neträya te namah

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que é os Vedas personificado
(Sabda-brahma-svarupa e brahma-rupa-dhara), a Suprema Personalidade
de Deus (Brahma), e o Senhor cuja forma é espiritual (brahma-rupa), e que
tem olhos que são flores de lótus (Padma-Netra).

Verso 70

brahma-däya brahmanäya

brahma-brahmätmane namah

subrahmanyäya deväya

brahmanyäya tri-vedine

Reverências ao Senhor Nrsimha, que dá o presente mais valioso (brahma-
bis), que é adorado por Brahma (Brahmana), que é a Superalma que
orienta os Brahmanas (brahma-Brahmatma), que é adorado pelos
Brāhmaṇas (Subrahmanya) que é a Suprema Personalidade de Deus,
glorioso (deva), que é adorado pelos Brāhmaṇas (brahmanya), e que é o
autor dos três Vedas (tri-vedi).
Verso 71

para-brahma-svarüpäya

panca-brahmätmane namah

namas te brahma-shirase

tadäshva-shirase namah

Reverências ao Senhor Nrsimha, cuja forma é espiritual (para-brahma-
svarupa), que é o Panca-brahma (Panca Brahmatma), que é a cabeça dos
Vedas (brahma-shirah), e que aparece em com um elmo.

Verso 72

atharva-shirase nityam

ashani-pramitäya cha

namas te tikshna-damshträya

laläya lalitäya cha

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que é o líder do Atharva Veda
(Atharva-shirah), que lança um raio (Ashani-Pramita), cujos dentes são
afiados (tikshna-damshtra), e que é graciosos e brincalhão (lala e Lalitá).
Verso 73

lavanyäya laviträya

namas te bhäsakäya cha

lakshana-jnäya lakshäya

lakshanäya namo namah

Reverências a Ti, ó Senhor Nrsimha, que é bonito (lavanya) que tem a
foice que lança para baixo, os demônios (lavitra) que é refulgente
(bhäsaka), que sabe tudo (lakshana-JNA), e que está cheio de qualidades
Transcendentais (laksha e lakshana).

Verso 74

lasad-ripräya lipräya

vishnave prabhavishnave

vrishni-müläya krishnäya

shri-mahä-vishnave namah

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que pode purificar pecados (lasad-
Ripra) que é glorioso (lipra), que a tudo permeia (Vishnu), todo-poderoso
(Prabhavishnu), a raiz da dinastia Vrishni (Vrishni-mula) que é o Senhor
Krishna (Krishna), e o Senhor Maha-Vishnu (shri-maha-Vishnu).
Text 75

pashyämi tväa mahä-simham

harinam vana-mälinam

kiritinam kundalinam

sarvängam sarvato-mukham

Eu contemplo a ti, oh Senhor Nrsimha, que é um grande Leão (maha-
simha), que elimina todo o mau agouro (hari) que usa uma guirlanda de
flores (vana-mali), que usa um elmo (Kiriti) e brincos (kundali). Que a tudo
permeia (Sarvanga) cuja face está em toda parte (Sarvato-mukha).

Verso 76

sarvatah-päni-padoram

sarvato-‘kshi-shiro-mukham

sarveshvaram sada-tushtam

samartham samara-priyam

Cujas mãos, pés e coxas estão em toda parte (pani-Padora sarvatah-),
cujos olhos, cabeças e rostos estão em toda parte (Sarvato-'kshi-shiro-
mukha). Que é o controlador de todos (sarveshvara). Que é sempre feliz
(Sada-tushta). Que é todo-poderoso (Samartha). Que gosta de lutar
(Samara-priya).
Verso 77

bahu-yojana-vistirnam

bahu-yojana-mäyatam

bahu-yojana-hastänghrim

bahu-yojana-näsikam

Quem tem muitas Yojanas de tamanho (bahu-yojana-vistirna e bahu-
yojana-Mayata) cujas mãos e pés são muitos Yojanas (bahu-yojana-
hastänghri), cuja face tem muitas Yojanas (bahu-yojana-Nasika).

Verso 78

mahä-rüpam mahä-vaktram

mahä-damshtram mahä-bhujam

mahä-nädam mahä-raudram

mahä-käyam mahä-balam

Cuja forma é gigantesca (MAHA-rupa) cuja boca é gigantesca (MAHA-
vaktra) cujos dentes são gigantes (MAHA-damshtra) cujos braços são
gigantes (MAHA-bhuja) cujo bramido é gigantesco (MAHA-nada), que é
muito feroz (maha-raudra), cujo corpo é gigantesco (maha-kaya), e que
tem todo o poder (maha-bala).
Verso 79

änäbher-brahmano-rüpam

ägaläd-vaishnavam tathä

äshirsäd-randhram ishänam

tad-agre-sarvatah-shivam

Que é Brahma desde o início do seu umbigo (änäbher-brahmano-rupa).
Que é o Senhor Vishnu desde o início do seu pescoço (ägaläd-Vaishnava)
Que é o Senhor Rudra desde o início da sua cabeça (äshirsäd-randhra),
que é o controlador supremo (Ishana), e que é todo-auspicioso em todos
os lugares (tad-agre-sarvatah-shiva).

Verso 80

namo ‘stu näräyana narasimha

namo ‘stu näräyana vira-simha

namo ‘stu näräyana krüra-simha

namo ‘stu näräyana divya-simha

Oh Narayana, oh Narasimha, reverências a você! Oh Narayana, o Leão
heróico (Vira-simha) reverências a você! Oh Narayana, O Leão feroz
(Krura-simha) reverências a você! Oh Narayana, Transcendental
esplêndido Leão (Divya-Simha), reverências a você!
Verso 81

namo ‘stu näräyana vyaghra-simha

namo ‘stu näräyana puccha-simha

namo ‘stu näräyana pürna-simha

namo ‘stu näräyana raudra-simha

Oh Näräyana, Leão feroz (vyaghra-simha), reverências a você! Oh
Näräyana, transcendental Leão (puccha-simha), reverências a você! Oh
Näräyana, perfeito Leão (pürna-simha), reverências a você! Oh Näräyana,
Leão irado (raudra-simha), reverências a você!

Verso 82

namo namo bhishana-bhadra-simha

namo namo vihvala-netra-simha

namo namo brahita-bhüta-simha

namo namo nirmala-chitra-simha

Oh Leão temível (bhishana-bhadra-simha) reverências a você! Oh Leão
com olhos irados (vihvala-Netra-Simha) reverências a você! Oh Leão
gigante (briahita-bhuta-Simha) reverências a você! O esplêndido, puro, e
maravilhoso Leão (nirmala-chitra-Simha), reverências a você!
Verso 83

namo namo nirjita-käla-simha

namo namo kalpita-kalpa-simha

namo namo kämada-käma-simha

namo namas te bhuvanaika-simha

Oh Leão que derrota o tempo (nirjita-kala-simha) reverências a você! Oh
todo-poderoso Leão (kalpita-kalpa-simha) reverências a você! Oh Leão
que realiza todos os desejos (Kamada-KAMA-Simha) reverências a você!
Oh Leão que governa o mundo (bhuvanaika-simha) reverências a você!

Verso 84

dyävä-pritivyor idam antaram hi

vyäptam tvayaikena dishash cha sarväh

drishtvädbhutam rüpam ugram tavedam

loka-trayam pravyathitam mahätman

Embora você seja um, você está presente por todo o céu e os planetas e
todo o espaço entre eles. Oh grande, como eu contemplo esta forma
terrível, eu vejo todos os sistemas planetários que estão perplexos.
Verso 85

ami hitvä sura-sanghä vishanti

kechid bhitäh pranjalayo grinanti

svastity uktvä munayah siddha-sanghäh

stuvanti tväa stutibhih pushkaläbhih

Todos os semideuses estão entrando em você. Eles têm muito temor, e
com as mãos postas, eles estão cantando os hinos védicos.

Verso 86

rudrädityä väsavo ye cha sädhyä

vishvedevä marutash cosmapäsh cha

gandharva-yakshäh sura-siddha-sanghä

vikshanti tväa vismitäsh chaiva sarve

As diferentes manifestações do Senhor Shiva, o Adityas, os Vasus, o
Sadhyas, o Vishvadevas, os dois Ashvins, os Maruts, os antepassados, e os
Gandharvas, os Yakshas, Asuras, e todos os semideuses perfeitos estão
contemplando sua maravilha.
Verso 87

leliyase grasamän asamantäl

lokän samagrän vadanair jvaladbhih

tejobhir äpürya jagat samagram

bhäsäs tavogräh pratapanti vishnoh

Oh Vishnu, vejo Você devorando todas as pessoas em Suas bocas de fogo
e cobrindo o Universo com seus raios incomensuráveis. Queimando os
mundos, Você é manifesto.

Verso 88

bhävishnus tvam sahishnus tvam

bhrajishnur jishnur eva cha

prithivim antariksham tvam

parvatäranyam eva cha

Oh Senhor Nrsimha, Você é o futuro (bhävishnu). Você é paciente e
tolerante (sahishnu). Você é o mais glorioso (bhrajishnu). Você é sempre
vitorioso (Jishnu). Você é a terra (Prithivi), o céu (antariksha), e as
montanhas e florestas (parvatäranya).
Verso 89

kalä-käshthä viliptatvam

muhürta-praharädikam

aho-rätram tri-sandhyä cha

paksha-mäsartu-vatsarah

Você representa as unidades diferentes de tempo, como a Kala, Käshthä,
Vilipta, Muhurta e Prahara. Você está presente dia e noite (AHO-rätram),
você tem os três Muhurtas conhecidos como o nascer do sol, meio-dia, e
pôr do sol (tri-Sandhya). Você tem as duas quinzenas (Paksha), os meses
(MASA), as estações do ano (Ritu) e o próprio ano (Vatsara).

Verso 90

yugädir yuga-bhedas tvam

samyuge yuga-sandhäyäh

nityam naimittikam dainam

mahä-pralayam eva cha

Rápido, Você é o começo dos Yugas (Yugadi), você está presente em
todos os Yugas (yuga-bheda), como junções dos Yugas (samyuge
yuga-sandhäyäh), e os quatro tipos de aniquilação cósmica - Nitya,
Naimittika, Dainam e Maha-Pralaya.
Verso 91

käranam karanam kartä

bhartä hartä tvam ishvarah

sat-kartä sat-kritir goptä

sac-chid-änanda-vigrahah

Você é a causa (KARANA), o instrumento (kaarana), o criador (kartą), a
manutenção (Bharta), a remoção, o controlador (íshvara), o bom agente
(sat-kartą / SAT-kriti), o protetor (goptä), e o Senhor cuja forma é eterna e
cheio de conhecimento e bem-aventurança (sac-cid-ananda-vigraha).

Verso 92

pränas tvam präninam pratyag

ätmä tvam sarva-dehinäm

su-jyotis tvam param-jyotir

ätma-jyotih sanätanah

Você é a vida de todos os que vivem (präninam prāṇaḥ), você é a
Superalma (pratyag-atma). Você é o esplendor de todas as almas
encarnadas (sarva-dehinām su-jyotih). Você é o resplendor supremo
(param-atma-jyotih e jyotih). Você é eterno (Sanatana).
Verso 93

jyotir loka-svarüpas tvam

tvam jyotir jyotishäa patih

svähä-kärah svadhä-käro

vashat-kärah kripä-karah

Você é o esplendor espiritual (jyotih), a personificação de todos os
mundos (loka-svarupa), a luz de todas as luzes (Jyotir jyotishäm), o mestre
supremo (pati), a palavra sagrada Svaha (Svaha-Kära), a sagrada palavra
Svadha (Svadha-Kära), a palavra sagrada Vashat (vashat- Kära),
misericordioso (Kripa-kara).

Verso 94

hanta-käro niräkäro

vega-kärash cha shankarah

akärädi-hakäränta

omkäro loka-kärakah

A palavra sagrada hanta (hanta-Kära), sem uma forma material (nirakara),
o Vega-Kära mais rápido e potente, auspicioso (shankara), o alfabeto
inteiro, começando e concluindo com o alfabeto (akärädi-hakäränta), a
sílaba sagrada OM (Omkara), e o criador dos mundos (loka-Karaka).
Verso 95

ekätmä tvam anekätmä

chatur-ätmä chatur-bhujah

chatur-mürtish chatur-damshtrash

chatur-veda-mayottamah

Você é a única Suprema Personalidade de Deus (Ekatma), que aparece em
muitas formas (anekätmä), que manifesta como o Chatur-Vyuha (chatur-
atma), que tem quatro braços (chatur-bhuja), que aparece em quatro
formas (chatur-murti) que tem quatro dentes (chatur-damshtra), e que a
personificação dos Vedas (chatur-veda-mayottama).

Verso 96

loka-priyo loka-gurur

lokesho loka-näyakah

loka-säkshi loka-patir

lokätmä loka-locanah

Você é muito valioso aos mundos (loka-priya), o mestre dos mundos (loka-
guru, Lokesha e Loka-Nayaka), o testemunho dos Mundos (Loka-Sakshi), o
Mestre dos Mundos (loka-pati), o Omnipresente nos mundos (lokätmä), os
olho dos mundos (loka-Lochana).
Verso 97

loka-dhäro brihal-loko

lokäloka-mayo vibhuh

loka-kartä vishva-kartä

kratävartäh kritägamah

O responsável pela manutenção dos mundos (loka-dhara), a forma
universal (brihal-Loka e Lokaloka-maya), todo-poderoso (vibhu), e o
criador dos mundos (loka-Karta e Vishva-Karta, kritävarta e kritägama).

Verso 98

anädis tvam anantas tvam

abhüto bhüta-vigrahah

stutih stutyah stava-pritah

stotä netä niyämakah

Você não tem começo (adicionado). Você não tem fim (ananta). Você
nunca foi criado (abhüta). Você é a forma de tudo o que existe (bhuta-
vigraha), você está nas orações oferecidas (stuti). Você é o objeto das
orações de Seus devotos (stutya). Você está satisfeito com as orações de
Seus devotos (stava-Prita). Você glorifica Seus devotos (Stota). Você é o
líder supremo (NETA). Você é o controlador supremo (niyamaka).
Verso 99

tvam gatis tvam matir mahyam

pitä mätä guruh sakhä

suhrdash chätma-rüpas tvam

tvam vinä nästi me gatih

Você é meu objetivo (Gati). Medito sobre Você (mati). Tu és meu pai
(pita), mãe (Mata), mestre espiritual (guru), amigo (Sakha), benquerente
(suhrit) a Super-Alma (atma-rupa). Sem você eu não tenho objetivo e nem
futuro auspicioso.

Verso 100

namas te mantra-rüpäya

astra-rüpäya te namah

bahu-rüpäya rüpäya

pancha-rüpa-dharäya cha

Reverências a você, que é a personificação dos mantras sagrados (mantra-
rupa). Que é a personificação das armas (Astra-rupa), que aparece em
muitas formas (bahu-Rupa), cuja forma é transcendental (rupa), que
aparece em cinco formas (Panca Rupa-Dhara).
Verso 101

bhadra-rüpäya rütäya

yoga-rüpäya yogine

sama-rüpäya yogäya

yoga-pitha-sthitäya cha

Cuja forma é auspiciosa (bhadra-rupa). Que é a personificação dos
Mantras Vedicos. Que é o Yoga personificado (yoga-rupa), o Mestre de
Yoga (iogue), cuja forma é graciosa (sama-rupa). Que é o Yoga
personificado (yoga), que permanece no mais sagrado dos lugares
sagrados (yoga-Pitha-sthita).

Verso 102

yoga-gamyäya saumyäya

dhyäna-gamyäya dhyäyine

dhyeya-gamyäya dhämne cha

dhämädhipataye namah

Que é alcançado pela prática de Yoga (yoga-Gamya) que é bonito e gentil
(saumya) que é alcançado pela meditação (dhyana-Gamya) que é o objeto
de meditação (dhyäyi e dhyeya-Gamya) que é o mundo espiritual (dhama),
e o governante do mundo espiritual (dhämädhipati).
Verso 103

dharädharäha-dharmäya

dhäranäbhiratäya cha

namo dhätre cha sandhätre

vidhätre cha dharäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, aquele que remove os pecados do mundo
(dharädharägha-dharma), que é alcançado através da meditação
(dhäranäbhirata), que é o criador (dhātā, sandhätä, Vidhātā e dhara).

Verso 104

dämodaräya däntäya

dänavänta-karäya cha

namah samsära-vaidyäya

bheshajäya namo namah

Cuja cintura estava amarrada com uma corda (Damodara), que é pacífico e
auto-controlado (Danta), que mata os demônios (dänavänta-kara), que é
um perito médico na cura da doença de nascimento e morte repetidos
(vaidya samsara e bheshaja).
Verso 105

sira-dhvajäya shitäya

vätäyäpramitäya cha

särasvatäya samsära

näshanäyäksha-mäline

Reverências ao Senhor Nrsimha, cuja bandeira é marcada com um arado
(sira-dhvaja), que é a estação fria (shita), que é o vento (vata), que é
incomensurável (apramita), que é a bolsa (Sarasvata), aquele que põe fim
ao ciclo de nascimento e morte (samsara-näshana), que usa um colar de
contas aksha (aksha-MALI).

Verso 106

asi-charma-dharäyaiva

shat-karma-niratäya cha

vikarmäya sukarmäya

para-karma-vidhäyine

Que segura uma espada e um escudo (so-charma-dhara), que é
especialista nos seis atos piedosos (shat-karma-Nirata), que está livre do
karma (vikarma), cujas ações são gloriosas (Sukarma), cujas obras são
transcendentais (para-karma-vidhäyi).
Verso 107

susharmane manmathäya

namo varmäya varmine

kari-charma-vasänäya

karäla-vadanäya cha

Auspicioso (Susharma), que é Kamadeva (manmatha), que é a armadura
(Varma), que usa uma armadura (varmi e kari-carma-Vasana), cujo rosto é
temível (Karala-vadana).

Verso 108

kavaye padma-garbhäya

bhüta-garbha-ghrinä-nidhe

brahma-garbhäya garbhäya

brihad-garbhäya dhürjite

Que é o melhor dos filósofos (kavi), que deu à luz a Brahma em uma flor
de lótus (padma-garbha), que deu à luz todos os seres vivos (bhuta-
garbha-ghrinä-Nidhi), que deu à luz a Brahma (brahma garbha), que deu à
luz a tudo o que existe (garbha e Brihad-garbha, e dhürjit).
Verso 109

namas te vishva-garbhäya

shri-garbhäya jitäraye

namo hiranyagarbhäya

hiranya-kavachäya cha

Oh Senhor Nrsimha, repetidas reverências a Você, o criador dos Universos
(Vishva-garbha), o criador de beleza e opulência (shri-garbha), o guerreiro
que derrota seus inimigos (jitäri), a forma universal (Hiranyagarbha), o
Senhor coberto com uma armadura de ouro (Hiranya-kavacha).

Verso 110

hiranya-varna-dehäya

hiranyäksha-vinäshine

hiranyakasipor-hantre

hiranya-nayanäya cha

Cuja forma é da cor do ouro (Hiranya-varna-deha), que matou
Hiranyaksha (Hiranyaksha-vinäshi), que matou Hiranyakasipu
(hiranyakasipor-Hanta), cujos olhos são dourados (Hiranya-nayana).
Verso 111

hiranya-retase tubhyam

hiranya-vadanäya cha

namo hiranya-shringäya

nisha-shringäya shringine

Cuja semente é de ouro (Hiranya-retäh), cujo rosto é de ouro (Hiranya-
vadana), cujo chifre é de ouro (Hiranya-shringa), cujo chifre é a noite
(nisha-shringa). Que tem um grande chifre (Shringi).

Verso 112

bhairaväya sukeshäya

bhishanäyäntri-mäline

chandäya runda-mäläya

namo danda-dharäya cha

Que é terrível (Bhairava), cuja juba é graciosa (sukesha), que é temível
(bhishana), que usa uma guirlanda de intestinos (Antri-MALI) que é feroz
(chanda), que usa um colar de crânios (runda- Malá), que detêm uma
equipe (danda-dhara).
Verso 113

akhanda-tattva-rüpäya

kamandalu-dharäya cha

namas te khanda-simhäya

satya-simhäya te namah

Que é a Verdade Absoluta (akhanda-tattva-rupa), titular de um kamandalu
(kamandalu-dhara), que é um grande Leão (khanda-simha), e que é um
Leão transcendental (satya-simha).

Verso 114

namas te shveta-simhäya

pita-simhäya te namah

nila-simhäya niläya

rakta-simhäya te namah

Oh Senhor Narasimha, reverências a você, que é um Leão branco (Shveta-
simha), um Leão amarelo (hard-simha), um Leão-preto (Nila-simha), (Nila),
e um Leão vermelho (rakta-simha).
Verso 115

namo häridra-simhäya

dhümra-simhäya te namah

müla-simhäya müläya

brihat-simhäya te namah

Oh Senhor Nrsimha, reverências a você, que é um Leão amarelo (Haridra-
simha), um Leão cor-de-fumo (dhümra-simha), a raiz de todos os Leões
(mula-simha), a raiz de tudo o que existe (mula), e um grande Leão
(brihat-simha).

Verso 116

pätäla-sthita-simhäya

namo parvata-väsine

namo jala-stha-simhäya

antariksha-sthitäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, que é o Leão em Patala-loka (Patala-
sthita-simha), o Leão nas montanhas (Parvata-Vasi), o Leão nas águas
(jala-stha-Simha), o Leão no céu (antariksha-sthita).
Verso 117

kälägni-rudra-simhäya

chanda-simhäya te namah

ananta-simha-simhäya

ananta-gataye namah

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que é o Leão irado do fogo do tempo
(Kalagni-Rudra-simha). Que é um Leão feroz (chanda-simha). Que é o Leão
ilimitado dos Leões (Ananta-simha-Simha), e que é o objetivo que não tem
limite (Ananta-gati).

Verso 118

namo vichitra-simhäya

bahu-simha-svarüpine

abhayankara-simhäya

narasimhäya te namah

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que é um Leão maravilhoso
(Vichitra-simha), a forma de muitos Leões (bahu-simha-svarüpi), o Leão
que dá destemor (abhayankara-simha), e metade homem e metade Leão
(Narasimha).
Verso 119

namo ‘stu simha-räjäya

narasimhäya te namah

säptäbdhi-mekhaläyaiva

satya-satya-svarüpine

Reverências ao Senhor Nrsimha, que é o Rei dos Leões (simha-raja),
metade homem e metade Leão (Narasimha), que é a Terra, que usa os
sete oceanos como uma correia (säptäbdhi-Mekhala), o Senhor cuja forma
é transcendental (svarüpi satya-satya).

Verso 120

sapta-lokäntara-sthäya

sapta-svara-mayäya cha

saptärchih-rüpa-damshträya

saptäshva-ratha-rüpine

Que fica nos sete mundos (Sapta-lokäntara-stha), que é glorificado com
canções com sete notas (Sapta-svara-maya), cujos dentes são esplêndidos
como Sete Sóis (saptärchih-Rupa-damshtra), e que é gigante como sete
carruagens puxadas por cavalos (saptäshva-ratha-rupi).
Verso 121

sapta-väyu-svarüpäya

sapta-cchando-mayäya cha

svacchäya svaccha-rüpäya

svacchandäya cha te namah

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que é como sete ventos fortes
(Sapta-Vayu-svarupa), que é glorificado pelas orações nos sete metros
(Sapta-cchando-Maya) que é puro (svaccha e svaccha-rupa) e que é
supremamente independente (Svacchanda).

Verso 122

shrivatsäya suvedhäya

shrutaye shruti-mürtaye

shuchi-shraväya shüräya

su-prabhäya su-dhanvine

Reverências ao Senhor Nrsimha, que carrega a marca de Shrivatsa
(shrivatsa), que está decorado com brincos (Suvedha), que é
personificação dos Vedas (shruti e shruti-murti), cuja fama é impecável
(Shuchi-shrava), que é heróico (shura), que é refulgente (su-prabha), que
carrega um grande arco (su-dhanvi).
Verso 123

shubhräya sura-näthäya

su-prabhäya shubhäya cha

sudarshanäya sükshmäya

niruktäya namo namah

Que é glorioso (Shubhra), o Mestre dos Semi-deuses (sura-Natha),
refulgente (su-prabha), auspicioso (Shubha), bonito (sudarshana), sutil
(sukshma), e eloqüente (Nirukta).

Verso 124

su-prabhäya svabhäväya

bhäväya vibhaväya cha

sushäkhäya vishäkhäya

sumukhäya mukhäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, que é refulgente (su-prabha), espiritual
(svabhāva), que existe eternamente (bhava), que causa o amor espiritual
(vibhava), bonito (sushäkha), perfeito e completo (Vishakha), que tem um
rosto bonito (Sumukha), o primeiro de todos (mukha).
Verso 125

su-nakhäya su-damshträya

surathäya sudhäya cha

sankhyäya sura-mukhyäya

prakhyätäya prabhäya cha

Cujas garras são gloriosas (su-Nakha), cujos dentes são gloriosos (su-
damshtra), que tem uma grande carruagem (Suratha), que é como néctar
(Sudha), que é descrito pela filosofia Sankhya (Sankhya), que é o líder dos
Semi-deuses (sura-mukhya), que é todo-famoso (prakhyäta), que é
refulgente (Prabha).

Verso 126

namah khatvanga-hastäya

kheta-mudgara-pänaye

khagendräya mrigendräya

nägendräya dridhäya cha

Aquele que mantém uma Khatvanga em Sua mão (Khatvanga-up), que
detém um Kheta-mudgara em Sua mão (Kheta-mudgara pani), que é
transportado por Garuda (Khagendra), que é um grande Leão (Mrigendra)
que é o Rei das Nagas (Nagendra), que é firme e resoluto (Dridha).
Verso 127

näga-keyüra-häräya

nägendräyägha-mardine

nadi-väsäya nägäya

nänä-rüpa-dharäya cha

Que usa um colar e braceletes de serpentes (naga-keyüra-hara), que é
adorado pelo Rei das Nagas (Nagendra), que destrói os pecados (agha-
Mardi), que reside nos rios sagrados (nadi-vasa), que é poderoso e rápido,
que assume muitas formas (Rupa-Dhara-NANA).

Verso 128

nägeshvaräya nägäya

namitäya naräya cha

nägänta-karathäyaiva

nara-näräyanäya cha

Que é o governante dos Nagas (nägeshvara e GAAS), que é o Senhor
adorado e honrado pelos devotos (Namita), que aparece em uma forma
humana (NARA), que anda sobre Garuda (nägänta-karatha), e que é o
Nara-Narayana (Nara-Narayana).
Verso 129

namo matsya-svarüpäya

kacchapäya namo namah

namo yajna-varahäya

narasimhäya te namah

Reverências a Ele que assume a forma de Matsya (matsya-svarūpa)!
Reverências a Ele que assume a forma de Kurma (kacchapa)! Reverências
a Ele que assume a forma de Yajna-Varaha (Varaha-yajna)! Oh Senhor
Nrsimha, reverências a você!

Verso 130

vikramäkranta-lokäya

vämanäya mahaujase

namo bhärgava-rämäya

rävanänta-karäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, que atravessa todos os mundos
(vikramäkranta-loka), que é Vamana (Vamana), que é todo-poderoso
(mahaujäh), que é Parashurama (Bhargava-RAMA), e que é Rama, aquele
que destruiu Ravana (rävanänta-kara).
Verso 131

namas te balarämäya

kamsa-prädhvamsa-kärine

buddhäya buddha-rüpäya

tikshna-rüpäya kalkine

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que aparece como Balarama
(Balarama), que extermina Kansa (Kamsa-prädhvamsa-kari) que é Buda
(Buda e Buda-rupa) que é feroz (tikshna-rupa), e quem se manifesta como
Kalki (kalki).

Verso 132

ätreyäyägni-neträya

kapiläya dvijäya cha

ksheträya pashu-päläya

pashu-vakträya te namah

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que aparece como Dattatreya
(Ãtreya), cujos olhos são o fogo (agni-Netra), que aparece como Kapila
(Kapila). Que é o líder dos Brahmanas (dvija). Que é a forma universal
(Kshetra). Que é o protetor das vacas (pashu-pala), e que têm uma face de
Leão (pashu-vaktra).
Verso 133

grihasthäya vanasthäya

yataye brahmachärine

svargäpavarga-dätre cha

tad-bhoktre cha mumukshave

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que é adorado pelos grihasthas
(grihastha), que é adorados pelos vanaprasthas (vanastha), que é
adorados pelos sannyasis (yati), que é adorado pelos brahmachhäris
(Brahmachari), que concede libertação e reside na Svargaloka
(svargäpavarga-Data). Que é o supremo desfrutador (tad-bhoktā), que
anseia para dar libertação para as entidades vivas (Mumukshu).

Verso 134

shälagräma-niväsäya

kshiräbdhi-shayanäya cha

shri-shailädri-niväsäya

shilä-väsäya te namah

Aquele que aparece como Shalagrama-Shila (shalagrama-Nivasa), que está
reclinado sobre o Oceano de Leite (kshiräbdhi-Shayana), que reside em
Shri Shaila (shri-shailädri-Nivasa) e que aparece como uma pedra (Shila-
vasa).
Verso 135

yogi-hrit-padma-väsäya

mahä-häsäya te namah

guhä-väsäya guhyäya

guptäya gurave namah

Aquele que reside no lótus do coração dos Yogues (yogi-hrit-padma-vasa),
aquele que tem um belo sorriso (maha-Hasa). Reverências ao Senhor
Nrsimha, que fica na caverna do coração (Guha-Vasa, Guhya, e Gupta), e
que é o Mestre Espiritual Supremo (guru).

Verso 136

namo mülädhiväsäya

nila-vastra-dharäya cha

pita-vasträya shasträya

rakta-vastra-dharäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, que é a raiz de toda a existência
(mülädhiväsa), que usa roupas azuis (Nila-vastra-Dhara), que usa roupas
amarelas (pita-Vastra), que está armado com muitas armas (shastra), que
usa um belo vestuário (rakta-vastra-Dhara).
Verso 137

rakta-mälä-vibhüshäya

rakta-gandhänulepine

dhurandharäya dhürtäya

durdharäya dharäya cha

Aquele que usa uma guirlanda (rakta-mala-vibhüsha), que é ungido com
Sândalo vermelho (rakta-gandhänulepi), que é o mantenedor de todos
(dhurandhara), que é astuto (dhürta), que é invencível (Durdhara), e que é
o mantenedor de todos (dhara).

Verso 138

durmadäya duräntäya

durdharäya namo namah

durnirikshyäya nishthäya

durdanäya drumäya cha

Que é feroz (durmada), infinito (duranta), invencível (Durdhara), que é
difícil de ver (durnirikshya), que é fiel (Nishtha), que é difícil de alcançar
(Durdana), que é como uma árvore (druma).
Verso 139

durbhedäya duräshäya

durlabhäya namo namah

driptäya dripta-vakträya

adripta-nayanäya cha

Que não pode ser derrotado (durbheda), que destrói os demônios
(duräsha), que é difícil de alcançar (durlabha), que é feroz (dripta), cujo
rosto é feroz (dripta-vaktra), que é o líder do manso e do humilde
(adripta-nayana).

Verso 140

unmattäya pramattäya

namo daityäraye namah

rasajnäya raseshäya

ärakta-rasanäya cha

Que é selvagem (unmatta e Pramatta), que é inimigo dos demônios
(daityäri), que é especialista em saborear a doçura transcendental
(rasajïa), que é o Rei das doçuras transcendentais (rasesha), e cuja língua é
vermelha (ärakta- rasana).
Verso 141

patyäya paritoshäya

rathyäya rasikäya cha

ürdhva-keshordhva-rüpäya

namas te chordhva-retase

Oh Senhor Nrsimha, reverências a você, que é o Mestre de todos (patya)
que está cheio de bem-aventuraça (paritosha), que anda em uma
carruagem (rathya), e é aquele que saboreia doçuras transcendentais
(rasika), que têm uma grande juba (Urdhva-Kesha), cuja forma é alta e
maciça (Urdhva-rupa), e que é o melhor dos Celibatários (Urdhva-retäh).

Verso 142

ürdhva-simhäya simhäya

namas te chordhva-bähave

para-pradhvamsakäyaiva

shankha-chakra-dharäya cha

Oh Senhor Nrsimha, reverências a você, que é um Leão gigantesco
(Urdhva-simha e simha), que têm armas poderosas (Urdhva-Bahu) que
mata os Demônios (para-pradhvamsaka), que possui uma concha e uma
chakra (shankha- chakra-Dhara).
Verso 143

gadä-padma-dharäyaiva

panca-bäna-dharäya cha

kämeshvaräya kämäya

käma-päläya kämine

Aquele que possui uma flor de lótus (gadā-padma-dhara), que detêm
cinco setas (panca-bana-Dhara) que é o controlador de Kamadeva
(Kameshvara) que é o próprio Kamadeva (KAMA), que protege Kamadeva
(KAMA-PALA), e é o Controlador de Kamadeva (kami).

Verso 144

namah käma-vihäräya

käma-rüpa-dharäya cha

soma-süryägni-neträya

somapäya namo namah

Reverências ao Senhor Nrsimha, que gosta de passatempos amorosos
(kama-vihara) que tem o poder de assumir qualquer forma à vontade
(Kama-rupa-dhara), cujos três olhos são o Sol, a Lua e o Fogo (soma-
süryägni-Netra), e que proteje a Lua (somapa).
Verso 145

namah somäya vämäya

vämadeväya te namah

säma-svanäya saumyäya

bhakti-gamyäya vai namah

Reverências a ti, oh Senhor Nrsimha, que é o Soma (soma), Vama (VAMA),
Vamadeva (Vamadeva), os hinos do Sama Veda (SAMA-Svana), bonito
(saumya), e atingível através do serviço devocional (Bhakti Gamya).

Verso 146

kushanda-gana-näthäya

sarva-shreyas-karäya cha

bhishmäya bhisha-däyaiva

bhima-vikramanäya cha

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que é o mestre dos kushandas
(kushanda-win-Natha), o benfeitor de todos (sarva-Shreyas-kara), feroz
(Bhishma e bhisha-daya), todo-poderoso (bhima-vikramana).
Verso 147

mriga-griväya jiväya

jitäyäjita-kärine

jatine jamadagnäya

namas te jäta-vedase

Aquele que tem o pescoço de um Leão (Mriga-GRIVA), a vida de todos os
que vivem (jiva), o vencedor dos demônios (jita), invencível (Ajita-kari),
cujo cabelo está emaranhado (jati) que é Parashurama (jamadagna) e que
é o mestre de todas as opulências (JATA-vedāḥ).

Verso 148

japa-kusuma-varnäya

japyäya japitäya cha

jaräyujäyända-jäya

sveda-jäyodbhijäya cha

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, cuja tez é da cor de uma rosa (Japa-
kusuma-varna), que são glorificados com japa-mantras (japya e japita) que
é o criador de todas as entidades vivas nascidas do ventre (jaräyuja). Que
é o criador das entidades vivas nascidas a partir de ovos cósmicos (ANDA-
ja), que é o criador de entidades vivas que nascem da transpiração (Sveda-
ja), que é o criador de entidades vivas germinadas a partir de sementes
(udbhija).
Verso 149

janärdanäya rämäya

jähnavi-janakäya cha

jarä-janmädi-düräya

pradyumnäya pramodine

Aquele que remove o sofrimento de seus devotos (Janardana) que é o
supremo desfrutador (Rama) que é o pai do Ganges (Jahnavi-janaka), que
salva as entidades vivas, desde o nascimento, velhice, e uma série de
problemas (Jara-janmädi duro) que é Pradyumna (Pradyumna) que é a
bem-aventurança (pramodi).

Verso 150

jihvä-raudräya rudräya

virabhadräya te namah

chid-rüpäya samudräya

kad-rudräya pracetase

Cuja língua mostra sua ira (Jihva-raudra) que é feroz (Rudra) que é heróico
(Virabhadra), cuja forma é transcendental (chid-rupa) que é o oceano
(Samudra) que é feroz (kad-Rudra), e que é o mais inteligente (pracetäh).
Verso 151

indriyäyendriya-jnäya

namo ‘stv indränujäya cha

atindriyäya säräya

indirä-pataye namah

Reverências ao Senhor Nrsimha, que é o mMstre dos sentidos (indriya),
cognoscível espiritualmente pelos sentidos (indriya-JNA), o irmão mais
novo de Indra (indränuja), além do alcance dos sentidos materiais
(atindriya), o melhor (SARA), o marido da Deusa da Fortuna (INDIRA-pati).

Verso 152

ishänäya cha idyäya

ishitäya inäya cha

vyomätmane cha vyomne cha

namas te vyoma-keshine

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que é o Mestre Supremo (Ishana), o
supremo objeto de adoração (IDYA), o controlador supremo (Ishita), todo-
glorioso (INA), e o Mestre do céu espiritual (vyomätmä e vyoma), e toca o
céu (vyoma-Keshi).
Verso 153

vyoma-dhäräya cha vyoma-

vakträyäsura-ghätine

namas te vyoma-damshträya

vyoma-väsäya te namah

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que sustenta o céu (vyoma-dhara),
cuja boca aberta é como o céu (vaktra vyoma) que mata os demônios
(asura-Ghati), cujos dentes são como o céu (vyoma-damshtra), e cuja casa
está no céu espiritual (vyoma-vasa).

Verso 154

sukumäräya rämäya

shubhäcäräya te namah

vishväya vishva-rüpäya

namo vishvätmakäya cha

Reverências a Ti, ó Senhor Nrsimha, que é suave e macio (sukumära), o
supremo desfrutador (Rama), auspicioso (shubhächära), e a forma
universal (Vishva, Vishva-rupa, e vishvätmaka).
Verso 155

jnänätmakäya jnänäya

vishveshäya parätmane

ekätmane namas tubhyam

namas te dvädashätmane

Reverências a Ti, oh Senhor Nrsimha, que é o objeto do conhecimento
transcendental (jnänätmaka e Jnana), o Mestre do Universo (vishvesha), a
Superalma (parätma), a Suprema Personalidade de Deus, que nenhum
rival tem (Ekatma) aquele que é o Supremo Senhor e aparece em doze
formas (dvädashätmä).

Verso 156

chatur-vimshati-rüpäya

panca-vimshati-mürtaye

shad-vimshakätmane nityam

sapta-vimshatikätmane

Que aparece em vinte e quatro formas (chatur-vimshati-rupa), que
aparece em vinte e cinco formas (pancha-vimshati-murti), que aparece em
vinte e seis formas (sável-vimshakätmä), e que aparece em vinte e sete
formas (sapta vimshatikätmä).
Verso 157

dharmärtha-käma-mokshäya

viraktäya namo namah

bhäva-shuddhäya siddhäya

sädhyäya sharabhäya cha

Reverências ao Senhor Nrsimha, que provém a religião, desenvolvimento
econômico, sentido de gratificação, e libertação (dharmärtha-kama-
moksha), que está sempre distante da matéria (Virakta), que é o mais
puro (bhava-shuddha), que é perfeito (siddha), que é o objetivo da vida
espiritual (sadhya), que é muito feroz (sharabha).

Verso 158

prabodhäya subodhäya

namo budhi-priyäya cha

snigdhäya cha vidagdhäya

mugdhäya munaye namah

Que é o conhecimento transcendental personificado (prabodha e
subodha), e que é muito querido para o sábio (Buddhi-priya). Reverências
ao Senhor Nrsimha, aquele que ama Seus devotos (snigdha), que é mais
inteligente (Vidagdha), que é encantador (Mugdha), e que é sábio (muni).
Verso 159

priyam-vadäya shravyäya

shruk-shruväya shritäya cha

griheshäya maheshäya

brahmeshäya namo namah

Reverências ao Senhor Nrsimha, que fala de forma doce (priyam-vada),
cujas glórias devem ser ouvidas (shravya), para quem são realizados
Yajnas (shruk-shruva), o abrigo dos Devotos (Shrita), o Senhor de todas as
casas (grihesha), a Suprema Personalidade de Deus (Mahesha), e o Senhor
dos Brahmanas (brahmesha).

Verso 160

shridharäya sutirthäya

hayagriväya te namah

ügräya ügra-vegäya

ügra-karma-ratäya cha

Oh Senhor Nrsimha, reverências a você, que é o marido da Deusa da
Fortuna (Shridhara), o melhor dos santos sagrados (sutirtha), a
encarnação Hayagriva (Hayagriva), temível (UGRA), poderoso (Ugra-vega),
e feroz (Ugra-karma-rato).
Verso 161

ügra-neträya vyaghräya

samagra-guna-shäline

bala-graha-vinäshäya

pishäca-graha-ghätine

Oh Senhor Nrsimha, reverências a Você, cujos olhos são temíveis (Ugra-
Netra) que é feroz (Vyaghra), que têm todas as virtudes (Samagra-guna-
Chali), que destrói os demônios e espíritos malignos (bullet-graha-
vinäsha), que destroí os embusteiros (pishacha-graha-Ghati).

Verso 162

dushta-graha-nihantre cha

nigrahänugrahäya cha

vrisha-dhvajäya vrishnyäya

vrishäya vrishabhäya cha

Que elimina os maus espíritos (dushta-graha-nihantä) que é o mais
misericordioso (nigrahänugraha), que carrega uma bandeira marcada com
um touro (Vrisha-dhvaja) que é o melhor (vrishnya, Vrisha e Vrishabha).
Verso 163

ügra-shraväya shäntäya

namah shruti-dharäya cha

namas te deva-devesha

namas te madhusüdana

Que é o mais famosos (Ugra-shrava) que é pacífico (Shanta), que se
lembra de tudo (shruti-dhara), e que é o governante dos Semi-deuses
(deva-devesha). Reverências a Você, o matador do demônio Madhu
(Madhusūdana).

Verso 164

namas ‘te pundarikäksha

namas ‘te durita-kshaya

namas ‘te karunä-sindho

namas ‘te samitinjäya

Oh Senhor que tem olhos de lótus (Pundarikaksha), reverências a você! O
Senhor que livra seus devotos de uma série de problemas (durita-Kshaya),
reverências a você! Oh oceano de misericórdia (karuna-sindhu),
reverências a você! Oh Senhor vitorioso na batalha (samitijäya),
reverências a você!
Verso 165

namas ‘te narasimhäya

namas ‘te garuda-dhvaja

yajna-netra namas te ‘stu

käla-dhvaja jaya-dhvaja

Oh Senhor Nrsimha, reverências a você! O Senhor cuja bandeira é
marcada com Garuda (Garuda-dhvaja), reverências a você! Reverências a
Ti, oh Senhor cujos olhos estão o Yajna Védico (yajña-Netra), cuja bandeira
é o tempo (kala-dhvaja), que detêm a bandeira da vitória (jaya-dhvaja)!

Verso 166

agni-netra namas te ‘stu

namas te hy amara-priya

mahä-netra namas te ‘stu

namas te bhakta-vatsala

Oh Senhor cujos olhos estão encandecentes (agni-Netra), reverências a
você! Oh Senhor querido para os Semi-deuses (amara-priya), reverências a
você! Oh Senhor cujos olhos são grandes (maha-Netra), reverências a
você! Oh Senhor que ama seus devotos (bhakta-vatsala), reverências a
você!
Verso 167

dharma-netra namas te ‘stu

namas te karunä-kara

punya-netra namas te ‘stu

namas te ‘bhishta-däyaka

Oh olho da religião (dharma-Netra), reverências a você! Oh misericordioso
(Karuna-kara), reverências a você! Oh Senhor cujos olhos são sagrados
(punya-Netra), reverências a você! Oh Senhor, que satisfaz os desejos de
seus devotos (abhishta-däyaka), reverências a você!

Verso 168

namo namas te daya-simha-rüpa

namo namas te narasimha-rüpa

namo namas te rana-simha-rüpa

namo namas te narasimha-rüpa

Oh Leão misericordioso (daya-simha-rupa), reverências a você! Oh Senhor
Nrsimha, reverências a você! Oh Guerreiro-Leão (Simha sapo-Rupa),
reverências a você! Oh Senhor Nrsimha, reverências a você!
Verso 169

uddhatya garvitam daityam

nihatyäjau sura-dvisham

deva-käryam mahat kritvä

garjase vätma-tejase

Óh Senhor, Você matou o demônio orgulhoso que odiava seu devoto, em
sua missão brilhante de salvar seu devoto. Agora você rugi bem alto.

Verso 170

ati-rudram idam rüpam

duhsaham duratikramam

drishtvä tu shankitä sarvä

devatäs tväm upägatäh

Olhando para esta forma feroz, poderoso e invencível, os Semi-deuses
assustados se aproximam de você.
Versos 171 e 172

etän pashyan maheshänam

brahmänam mäm shaci-patim

dik-pälän dvädashädityän

rudrän uraga-räkshasän

sarvän rishi-ganän saptam

atrim gaurim sarasvatim

lakshmim nadish cha tirthäni

ratim bhüta-ganäny api

Por favor, olhe para eles, a Shiva, para mim, a Brahma, a Indra, no aos
doze Adityas, os Rudras, os Uragas e Rakshasas, e todos os sábios, os sete
sábios, pelo Atri, Gauri, Saraswati, Lakshmi, os rios sagrados
personificados, os lugares santos personificados, Rati, e os Bhutas.
Verso 173

prasida tvam mahä-simha

ügra-bhävam imam tyaja

prakriti-stho bhava tvam hi

shänta-bhävam cha dhäraya

O grande leão, por favor, seja misericordioso para conosco. Por favor,
desista de sua raiva. Por favor, manifeste seu Ser. Por favor, seja
pacificado.

Verso 174

ity uktvä dandavad bhümau

papäta sa pitämahah

prasida tvam prasida tvam

prasideti punah punah

Depois de falar essas palavras, o Avô Brahma caiu no chão como uma
vara. Uma e outra vez ele disse: Por favor, seja misericordioso! Por favor,
seja misericordioso! Por favor, seja misericordioso!
Tradução por Caroline N. F.

Projeto Bhaktí Shastra Mantra

http://bhaktishastramantra.blogspot.com.br/

Blog de Nrisimhadeva

https://narasimhadeva.blogspot.com.br/

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful