Você está na página 1de 23

Divulgação de Resultado

Terceiro Trimestre 2008

Teleconferência

Inglês
Data: 17 de novembro de 2008 (segunda-feira)
Horário: 13h00 (horário de Brasília) 10h00 (horário de NY)
Telefone EUA: +1 (800) 860-2442
Telefone Brasil: +55 (11) 4688-6301
Telefone Demais Países: +1 (412) 858-4600
Código: MMX

Português
Data: 17 de novembro de 2008 (segunda-feira)
Horário: 15h00 (horário de Brasília)
Telefone para conexão: +55 (11) 4688-6300
Código: 255993#

Relações com Investidores

Nelson José Guitti Marilia Botelho Priscylla Setimi


Guimarães Gerente de RI Analista de RI
Diretor Financeiro e de RI
MMX AVANÇA NO DESENVOLVIMENTO DAS OPERAÇÕES
3T08
Desempenho da MMX no 3T08
BR GAAP
A MMX Mineração e Metálicos S.A. (“MMX” ou a “Companhia”) (BOVESPA:
MMXM3) divulga o resultado consolidado do terceiro trimestre de 2008 (3T08)
apresentado de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, em Reais.

Com a operação de cisão ocorrida em 19 de junho, a Companhia decidiu


apresentar seus resultados do 3T08 comparando-os com resultados do primeiro e
segundo trimestres de 2008 sem considerar as companhias cindidas, visando
permitir uma melhor análise da performance da Companhia e assegurar melhor
entendimento do negócio.

Cabe destacar que os números referentes ao primeiro e segundo trimestre de


2008 sem considerar as empresas cindidas foram base para a emissão dos
relatórios em US GAAP revisados pela KPMG e disponibilizados no site da MMX
(www.mmx.com.br/ri).

A cotação do dólar em 30 de setembro de 2008 era de R$ 1,9143.

Esse Release foi reapresentado devido à retificação dos valores de EBITDA


(Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization), conforme
comunicado ao mercado publicado em 25 de novembro de 2008. Os valores
corrigidos encontram-se à página 9 deste documento.

Destaques do Trimestre

√ Produção total de minério de ferro alcançou 1,377 milhão de toneladas no


trimestre, e 4,041 milhões no acumulado do ano;
√ A Receita Bruta de minério de ferro foi de R$174 milhões, 54% superior ao
período anterior;
√ A produção de ferro-gusa registrou recorde em setembro - 28 mil toneladas –
alcançando 70 mil toneladas no periodo, 13% superior ao trimestre anterior;
√ No trimestre as vendas de ferro-gusa propiciaram a Receita Bruta de R$ 67,7

1
milhões;
√ A MMX registrou Lucro Bruto de R$96,9 milhões no trimestre, acumulando
R$179,6 milhões no ano;
√ A MMX encerrou o trimestre com uma posição de caixa de R$240 milhões;
√ A MMX Metálicos Corumbá adquiriu floresta plantada de pinus, no estado do
Mato Grosso do Sul, cuja madeira será transformada em carvão vegetal,
suprirá cerca de 25% da demanda da planta de ferro gusa da MMX Metálicos
durante os anos de 2009, 2010 e 2011;
√ A MMX iniciou o desenvolvimento de novos negócios no Chile, adquirindo 2
direitos minerários de minério de ferro e firmando contrato de opção para
aquisição de outros dois direitos.
Destaques Consolidados

1T08 2T08 3T08 9M08

Vendas - Minério de Ferro (mil t.) 1.038 1.271 1.657 3.966


Vendas - Ferro-Gusa (t.) 61.639 24.913 77.189 163.740
Receita Bruta (R$ mil) 148.549 121.313 252.767 522.630
Receita Minério de Ferro (R$ mil) 89.682 113.293 174.522 377.497

Receita Ferro Gusa (R$ mil) 56.006 3.348 67.708 127.062

Outras Receitas (R$ mil) 2.861 4.672 10.537 18.070

Lucro Bruto (R$ mil) 33.097 49.660 96.933 179.690


EBITDA (R$ mil) (21.444) (9.800) 13.803 (17.441)
Lucro Líquido (R$ mil) (21.446) 24.039 (343.393) (340.800)

Caixa Líquido (R$ mil) (493.230) (421.410) (1.227.015)

Patrimônio Líquido (R$ mil) 754.353 778.392 434.999

Contexto Econômico, Cenário e Perspectivas para o Setor de Mineração

O mundo vivenciou no primeiro semestre do ano a continuação de um ritmo muito


forte de crescimento, com destaque para o avanço dos investimentos em infra-
estrutura e ampliação do consumo, notadamente nos países emergentes e
especialmente na China, principais motores da indústria siderúrgica e
consequentemente da mineração: forte demanda, perspectiva de elevação de
preços e altos custos de frete transoceânico foram dominantes neste período.

2
A atual crise financeira, que promoveu o enxugamento do crédito de maneira
geral, está levando a um desaquecimento da atividade econômica global num
ritmo nunca antes visto.

Nos países desenvolvidos, agora já não se espera crescimento econômico


pujante no curto prazo, e a desaceleração do ritmo de crescimento nos países
emergentes, notadamente a China, já provoca uma retração importante
principalmente na indústria da construção civil, máquinas e infra-estrutura,
principais motores da indústria siderúrgica. As expectativas de crescimento do PIB
chinês que, no início do ano eram da ordem de 11% ao ano, já foram revistas para
7% a.a. e agora estão em torno de 5-6% a.a., de acordo com alguns analistas
econômicos.

O impacto que esta desaceleração tem na indústria siderúrgica é traduzido pelos


já anunciados cortes de aproximadamente 30% na produção global de aço e pela
determinação das usinas chinesas em reduzir os preços de minério de ferro
importado que, no mercado spot, estão perto dos níveis de 2006 – em junho deste
ano atingiram seu pico, próximo a US$ 230/ton, caindo para menos de US$
100/ton em outubro.

Surgem, então, três visões sobre este quadro: (I) a China deve recuperar o ritmo
de crescimento no médio-longo prazos – acreditamos que a partir do 2S09 -
graças ao pacote de incentivo do Governo Chinês para investir em infra-estrutura
nos próximos 25 anos: a China ainda tem uma demanda impressionante por
moradias, e o setor imobiliário é responsável por 30% da demanda por aços
longos. Vale lembrar que o consumo de aço per capita nos países emergentes é
muito baixo, principalmente na China, e deve crescer, pressionando, mesmo que
a longo prazo, a indústria siderúrgica e consequentemente a de minério de ferro ;
(II) o desequilíbrio momentâneo entre oferta e demanda – menor demanda - por
minério de ferro tende a forçar os preços para baixo no curto prazo, mas não de
forma dramática como apontam algumas projeções, até porque o preço do minério
entregue na China sofreu uma queda significativa graças à impressionante
redução nos preços de frete transoceânico, recuando de US$ 108,00/ton em maio
para algo em torno de US$ 11,0/ton no final de outubro; e, (III) os projetos em
desenvolvimento e mesmo minas em operação com custo elevado tendem a

3
fechar ou atrasar, provocando, no médio-longo prazo, novo desequilíbrio porém
no pólo contrário, da oferta.

Apesar de reconhecermos a complexidade e o grau de incerteza e insegurança no


curto prazo, a combinação destas três perspectivas nos leva a continuar
acreditando nos fundamentos de longo prazo do setor. Haverá, sim, uma
reorganização dos participantes do mercado, beneficiando aqueles que
apresentam maior produtividade, qualidade e menores custos operacionais, além
de um portfolio otimizado investimentos.

A MMX sempre pautou sua atuação no setor na busca de oportunidades que


agregem valor aos nossos negócios, adquirindo e desenvolvendo ativos com
qualidade diferenciada, custos reduzidos e logística associada. Estamos
permanentemente monitorando e avaliando os movimentos do setor, e preparados
para nos adequarmos à realidade momentânea de baixa demanda do minério de
ferro e ferro gusa.

Por esse motivo, em novembro decidimos suspender temporariamente as


atividades da planta de metálicos e na mina de minério de ferro de Corumbá, de
tal forma a reduzir custos e evitar o aumento de estoques. As operações serão
retomadas com a melhora das condições econômicas globais.

Desempenho das Operações

Minério de Ferro

Produção
A MMX avança no desenvolvimento de suas operações, e já atingiu a produção
de 4 milhões de toneladas de minério de ferro nos 9 primeiros meses do ano.

Produção em mil toneladas

4
4.041

Sudeste
Corumbá
2.695

1.431 1.377
1.232

1.010 848
837
1.346

396 421 529

1T08 2T08 3T08 9M08

Neste trimestre, a MMX Sudeste produziu 848 mil toneladas, 16% a menos que no
trimestre anterior.

Esta queda pontual explica-se pela parada programada de 70 dias de uma de


suas plantas de beneficiamento para repotenciamento. Este repotenciamento foi
concluído em outubro.

Também em outubro a MMX iniciou as operações de sua nova planta de


concentração magnética. Com estes dois eventos e outros investimentos
realizados ao longo do ano - como a renovação da frota de equipamentos e
veículos e as melhorias operacionais da planta atual da Minerminas - a MMX
Sudeste concluiu a primeira fase do plano de negócios divulgado em julho de
2008, passando de uma capacidade instalada de 4,3 milhões para 8,7 milhões de
toneladas anuais de minério de ferro.

No trimestre, o Sistema Corumbá produziu 529 mil toneladas, 26% a mais que no
trimestre anterior, alcançando sucessivos recordes mensais de produção, de 184
e 186 mil toneladas, nos meses de julho e agosto.

Vendas e Receita
Vendas em mil toneladas

5
3.966

Corumbá Sudeste

2.707

1.657
1.271
1.038
1.180
803
725 1.259
314 468 477

1T08 2T08 3T08 9M08

A Receita Bruta de minério de ferro no trimestre foi de R$174 milhões,


acumulando R$377 milhões no ano.

Sistema Sudeste

No terceiro trimestre foram vendidas 1,180 milhão de tolenadas de minério de


ferro, 47% a mais que no segundo trimestre.

Nos 2º e 3º trimestres a MMX Sudeste performou vendas para o Mercado Externo,


notadamente Europa e Oriente Médio, a despeito do planejamento original prever
vendas apenas no mercado interno.

Vendas (mil t) 1T08 2T08 3T08 9M08


Mercado Interno 100% 82% 61% 78%
Mercado Externo 0% 18% 39% 22%

Este feito foi possível graças aos esforços na negociação de disponibilidade


portuária, tornando possível a realização de quatro embarques de
aproximadamente 150 mil toneladas cada, sendo um no segundo trimestre e três
no terceiro trimestre.

Sistema Corumbá

As vendas de minério de ferro do Sistema Corumbá no terceiro trimestre foram em


linha com o trimestre anterior, atingindo 477 mil toneladas e totalizando 1.259 mil
toneladas no acumulado do ano.

6
As vendas para o mercado interno, que representam 25% do total, destinam-se
praticamente em sua totalidade para a MMX Metálicos Corumbá, para a produção
de ferro-gusa.

A MMX tem se empenhado no desenvolvimento de mercado para seu minério de


Corumbá, buscando parcerias com grandes siderúrgicas sul-americanas e
européias. Neste esforço de vendas, a MMX promoveu vendas pontuais na
modalidade CFR – Custo e Frete – arcando com o custo do frete transocenânico.
Este fato impactou negativamente as despesas com vendas, dado o alto nível dos
preços de frete ainda vivenciados no 3º trimestre. Também neste esforço, a MMX
promoveu vendas para um de seus clientes a preços de 2007 até setembro,
retomando os patamares atuais a partir de então.

Estas práticas foram necessárias para estabelecer o relacionamento de longo


prazo com novos clientes, e já não estão mais sendo adotadas pela Companhia.

Em novembro a MMX anunciou a suspensão temporária das atividades da mina


de Corumbá, como efeito da contração da demanda, principalmente da planta de
ferro-gusa, seu maior cliente individual. Esta medida visa a reduzir custos da
operação e evitar o aumento de estoques.

Ferro Gusa

Produção

MMX Metálicos Corumbá produziu 70 mil toneladas de ferro gusa no 3T08,


12,90% maior que a produção do 2T08.

Após paradas intermitentes de um dos altos fornos em julho devido à baixa


disponibilidade de carvão vegetal certificado, a planta voltou a operar
normalmente, alcançando, em setembro, o segundo mês consecutivo de recorde
de produção (28 mil toneladas) e menor consumo de carvão vegetal.

Produção em mil toneladas

7
185

70
62
52

1T08 2T08 3T08 9M08

Vendas e Receita
Vendas em mil toneladas

164

77
62
25

1T08 2T08 3T08 9M08

As vendas de gusa alcançaram uma Receita Bruta de R$67,7 milhões no trimestre


e R$127 milhões no acumulado do ano.

Praticamente toda a venda de ferro-gusa destina-se ao mercado externo (97%),


em contrato de longo prazo na modalidade CFR-porto de destino, para clientes na
América do Sul ou FOB-Porto Argentina, para clientes fora da América do Sul.

As vendas no mercado interno, que somam 3% nos 9 primeiros meses do ano,


são eventuais.

As atividades da planta de ferro-gusa serão suspensas a partir do final de


novembro, como efeito do desaquecimento econômico global. Em todo o Brasil,
grande produtor de ferro-gusa, um número significativo de plantas tiveram suas
operações interrompidas, como resultado da contração da demanda e da queda
brusca nos preços.

A retomada das operações está condicionada à melhoria das condições do


cenário econômico mundial.

8
G&A / EBITDA

EBITDA

R$ mil 1T08 2T08 3T08 9M08

EBITDA Consolidado (21.444) (9.800) 13.803 (17.441)

EBITDA das Operações

Corumbá Mineração (7.666) (4.797) (16.464) (28.927)

Sudeste 5.933 19.021 31.161 56.114

Metálicos Corumbá (3.415) (4.088) 18.208 10.706

Na MMX Corumbá Mineração, o EBITDA negativo resulta do esforço de vendas


e desenvolvimento de mercado, que implicou: (i) na realização de vendas na
modalidade CFR – Custo e Frete – arcando com aproximadamente R$ 30 milhões
com despesas de transporte internacional, no momento de pico nos preços de
frete; e, (ii) na venda para um de seus clientes a preços de 2007 até setembro.
Estas práticas foram necessárias para estabelecer o relacionamento de longo
prazo com novos clientes, e já não estão mais sendo adotadas pela Companhia.

Na MMX Sudeste, observa-se o efeito positivo das exportações no 2º e 3º


trimestres. Este feito foi possível graças aos esforços na negociação de
disponibilidade portuária, tornando possível a realização de quatro embarques de
aproximadamente 150 mil toneladas cada, sendo um no segundo trimestre e três
no terceiro trimestre.

Despesas Gerais e Administrativas (“G&A”)

G&A Consolidado 1T08 2T08 3T08 9M08

G&A Controladora 13.706 20.423 20.439 54.568


G&A Operações 16.049 15.561 4.348 35.958
G&A Consolidado 29.755 35.984 24.787 90.525

9
G&A Controladora 1T08 2T08 3T08 9M08

Despesas Administrativas 2.466 15.312 11.221 28.998


TI 6.079 (237) 2.270 8.113
Desenvolvimento Sustentável 1.689 776 710 3.175
Projetos & Pesquisa Geológica 1.312 1.530 3.241 6.083
Despesas Gerais 849 552 3 1.403
SubTotal 12.395 17.933 17.444 47.772
Despesas Tributárias 1.046 1.892 2.296 5.234
Depreciação & Amortização 264 598 700 1.562
TOTAL G&A Controladora 13.706 20.423 20.439 54.568

As Despesas Administrativas da Controladora incluem atividades específicas dos


projetos. A MMX está em processo de reestruturação das estruturas corporativas
e administrativas locais que implicará na alocação das equipes de engenharia,
tecnologia mineral e pesquisa geológica diretamente nos custos de capital dos
projetos em que eles atuam, pois atualmente encontram-se lotadas na
Controladora. Já a equipe de exploração mineral de novas áreas continuará
alocada na Controladora.

Esta reestruturação deverá produzir uma redução de aproximadamente 60% no


G&A para 2009.

Em 2008 a MMX está investindo na implantação de seu sistema de gestão (ERP)


e de sistemas específicos para gestão operacional, especialmente em
manutenção, controle de qualidade e geoestatísca.

Resultado Financeiro

O trimestre foi fortemente impactado pelo resultado das operações de hedge além
da desvalorização cambial de 20%. Abaixo a abertura do Resultado Financeiro,
em R$ mil:
1T08 2T08 3T08 9M08
Receita Financeira 25.422 35.566 19.511 80.500

Despesa Financeira (17.365) (28.533) (216.586) (262.484)

Variação Cambial 8.534 59.763 (160.838) (92.541)


16.592 66.797 (357.914) (274.526)

10
As despesas financeiras incluem o pagamento em reais do equivalente a US$15
milhões referente a cláusula rescisória do contrato de assessoria financeira
decorrente da operação de alienação dos ativos da MMX Minas-Rio e MMX
Amapá para a Anglo American e principalmente o resultado do hedge de moeda –
R$165 milhões - feito para proteger os investimentos.

Risco de Taxa de Câmbio

A Companhia possui uma política de eliminação dos riscos financeiros e a utiliza


para minimizar os efeitos da variação cambial sobre seus investimentos de capital
(“Capex”) e custos de produção (“Opex”) denominados em reais ante suas
receitas que são em sua grande parte atreladas ao dólar, uma vez que os preços
de minério de ferro e de ferro gusa são cotados internacionalmente na moeda
norte-americana.

Tendo em vista que os investimentos de capital e custos de produção para o


segundo semestre de 2008 a 2011 serão equivalentes a US$1,5 bilhão, a
Companhia contratou proteções através de NDF’s (“Non Deliverable Forwards”)
equivalentes a US$650 milhões, para o período de 2008/2009 com o objetivo de
amortecer o efeito da variação da moeda em seu Capex e em seu Opex.

Os contratos de NDF’s firmados não ocasionam impactos no caixa em 2008, pois


possuem vencimentos somente em 2009, concentrados entre os meses de
fevereiro e agosto de 2009 (os detalhes das operações com derivativos
encontram-se nas Notas Explicativas às Informações Trimestrais).

Resultado Líquido

O prejuízo líquido de R$ 343 milhões no trimestre foi fortemente impactado pelo


resultado financeiro negativo em R$ 358 milhões.

Posição de Caixa e Dívida

A MMX encerrou o 3T08 com uma Dívida Financeira Bruta de R$776,9 milhões,

11
um saldo de compromissos com Aquisições de R$689,7 milhões e um Caixa e
Aplicações Financeiras de R$239,6 milhões. A Dívida Líquida, incluindo os
compromissos com aquisições, é de R$1.227 milhões.

Caixa vs Dívida (R$ milhões)

440 529
240

(501) (433) (493) (509) (441) (421) (690) (777)


(1.227)
Mar/08 Jun/08 Set/08

Caixa Aquisições Dívida Bruta Caixa Líquido

Caixa

As grandes saídas de caixa não operacionais que provocaram a redução de


R$289 milhões no trimestre foram: transferência em reais equivalentes a US$118
milhões para a IronX, em consonância com o acordado na operação de cisão da
MMX; o equivalente em reais a US$15 milhões para pagamento de cláusula
rescisória do contrato de assessoria financeira como decorrência da operação de
alienação de ativos para Anglo American; e, US$26,3 milhões referentes aos
investimentos no Chile, pagos em pesos chilenos.

Aquisições

O incremento de aproximadamente 36% no saldo de obrigações no 3º trimestre


refere-se principalmente à conclusão da aquisição do Direito Minerário de Bom
Sucesso, pelo valor de US$193 milhões. A primeira parcela referente a aquisição
de Bom Sucesso - aproximadamente US$63 milhões - foi paga no fechamento da
operação em julho, e as três parcelas restantes de US$43 milhões cada serão
pagas em janeiro/2009, julho/2009 e janeiro/2010.

No Chile, a MMX adquiriu dois direitos minerários e firmou contratos de opção


pelos quais poderá adquirir outros dois direitos minerários, todos de minério de
ferro, na região de Copiapó, norte do Chile. O valor total das aquisições poderá

12
chegar a US$ 44,5 milhões, caso as opções sejam exercidas. Desse total, US$
26 milhões já foram pagos.

Saldo Aquisições R$ MM
NE Urucum 18
Bom Sucesso 241
AVG/Minerminas 426
Chile 5
Total 690

Também no trimestre foram pagas parcelas referentes às aquisições da AVG


(US$ 45 milhões), Minerminas (US$16 milhões) e direitos minerários de NE
Urucum no Sistema Corumbá (US$2 milhões).

No 4º trimestre haverá apenas um pagamento, de US$1,5 milhão, referente às


aquisições no Chile.

Endividamento

No 3º trimestre a MMX captou novos financiamentos à exportação de longo prazo,


além de ter promovido a renegociação de dívidas existentes. Com isso, houve
uma melhora no perfil da dívida, conforme quadro abaixo:

Jun-08 Set-08

24%

44% Circulante
56%
Longo Prazo
76%

Praticamente toda a dívida refere-se a financiamento de exportação, denominada


em dólares, com custo médio ponderado de 7,7% ao ano acrescido de variação
cambial em dólares americanos. Sobre o saldo de 30 de junho o custo médio
ponderado era de 6,5% ao ano acrescido de variação cambial em dólares
americanos.

13
Investimentos

Ao longo de 2008 a MMX vem implementando seu plano de investimentos visando


principalmente a expansão da produção de Sudeste, melhorias operacionais em
Corumbá e dando seqüência ao programa florestal.

Abaixo, o quadro de saldo do ativo imobilizado e variação no ano, em R$ milhões:

446

139
307

dez-07 set-08

Do total investido no ano, 43% referem-se ao Sistema Sudeste, contando


principalmente com a renovação da frota de equipamentos de mina e os gastos
com o repotenciamento da mina já existente e implantação da nova planta de
concentração magnética.

Em Corumbá, a conclusão do alto forno 2 e os investimentos com o plano florestal


– plantio de árvores para corte futuro, aquisição de terras, instalações e
equipamentos de irrigação – contribuem com 32% do investimento.

Controladora

Destaques do trimestre:

√ Como parte das negociações ocorridas entre os Controladores da MMX e


Anglo American, a MMX subscreveu Debêntures de emissáo da Anglo Ferrous
Brazil S.A. (anteriormente denominada IronX) no valor de R$112,4 milhões,
sem garantia real ou preferência e não conversíveis em ações. Por meio
destas Debêntures, a MMX fará jus a uma remuneração atrelada à
participação anual nos lucros da emissora. (Os detalhes sobre as debêntures

14
e sua forma de cálculo encontram-se nas Notas Explicativas às Informações
Trimestrais);

√ Despesas Gerais e Administrativas foram de R$20,4 milhões no trimestre e


R$54,6 milhões acumulado no ano;

√ O Resultado de Equivalência Patrimonial negativo em R$263,8 milhões no


trimestre reflete o prejuízo observado nas empresas controladas, notadamente
em função de despesas financeiras;

√ Como conseqüência, o Patrimônio Líquido sofreu uma redução de R$ 343,4


milhões no trimestre, encerrando setembro com R$ 435 milhões.

MMX no Novo Mercado

A MMX é listada na Bovespa, no segmento especial do Novo Mercado, sob o


código MMXM3. A Companhia integra as carteiras dos Índices de Ações com
Governança Corporativa Diferenciada (“IGC”), com Tag Along Diferenciado
(“ITAG”) e o Índice Brasil (“IBrX-100”). A cotação das ações é unitária e negociada
unitariamente.

O Capital Social é composto exclusivamente por ações ordinárias, sendo


assegurado aos minoritários, conforme Estatuto Social da Companhia, tratamento
igualitário àquele dado ao acionista controlador, em caso de alienação de controle
(tag along de 100%).

O capital social da MMX é formado por 304.609.640 ações.

Ao final do 3T08 o free float da MMX alcançou 35,88%, representado por cerca de
3.700 acionistas participando na Bovespa.

As ações da MMX tiveram uma desvalorização de 57,97% no 3T08, chegando a


R$8,90 em 30 de setembro de 2008. No acumulado de 2008 a desvalorização
alcançou 55,74% e, em 12 meses, monta a 34,27%. O valor de mercado da MMX,
em 30 de setembro de 2008, era de R$2,7 bilhões. A volatilidade das ações da

15
MMX acompanhou a profunda crise financeira iniciada nos EUA que atualmente
afeta os demais mercados do mundo e as commodities. O Ibovespa apresentou
uma desvalorização de 23,80% no 3T08.

No terceiro trimestre de 2008 foram negociadas 93.219 mil ações em 77.819


transações. Os títulos da MMX estiverem presentes em todos os pregões do
3T08, com média diária de 1.198 negócios, 98% superior ao observado no 2T08,
mostrando o aumento da liquidez das ações da Companhia.

GDRs da MMX na TSX

A MMX possui Global Depositary Receipts – Nível 1 (“GDRs”) negociados na


Bolsa de Valores de Toronto (“TSX”) desde junho de 2007, com o código XMM.
Devido à baixa de liquidez e custos implícitos representativos, a MMX decidiu, em
Reunião do Conselho de Administração, cancelar o registro para negociação dos
“GDRs” da Companhia na Toronto Stock Exchange (“TSX”) e conseqüentemente,
o cancelamento do registro da Companhia na Ontario Securities Commission
(“OSC”), como poderá ser vistos em Eventos Subseqüentes.

Eventos Subseqüentes

a. Aumento de Capital da MMX

Em 13 de outubro de 2008, em Reunião do Conselho de Administração foi


aprovado o aumento do capital social da Companhia no valor de R$115.560,
mediante a emissão de 256.800 ações ordinárias da Companhia, como resultado
do exercício das opções de subscrição de ações outorgadas na Assembléia Geral
Extraordinária de 28 de abril de 2006 a determinados colaboradores da
Companhia.

As ações provenientes do aumento de capital ora aprovado participarão em


absoluta igualdade de condições em todos os benefícios concedidos às ações

16
ordinárias existentes, inclusive no que diz respeito ao recebimento integral de
dividendos e eventuais remunerações de capital que vierem a ser aprovados pela
Companhia.

b. Início das operações da Planta de Concentração Magnética na MMX Sudeste

Em 30 de outubro de 2008, a MMX comunicou aos seus acionistas e investidores,


que a sua subsidiária MMX Sudeste deu início à operação de sua nova planta de
concentração magnética.

O início de operação desta planta conclui a primeira etapa do plano de negócios


da MMX Sudeste divulgado no dia 24 de julho de 2008.

Com o início das operações da planta de concentração e os demais investimentos


já realizados, a MMX Sudeste alcançará uma capacidade instalada de 8,7 milhões
de toneladas anuais de minério de ferro (base úmida).

Com a conclusão desta fase de expansão da MMX Sudeste e considerando a


capacidade instalada atual do Sistema Corumbá, a MMX atingirá o importante
marco de capacidade instalada de 10,8 milhões de toneladas (base úmida) por
ano de minério de ferro.

c. Cancelamento voluntário do registro para negociação na Bolsa de Valores


de Toronto, Canadá (Toronto Stock Exchange - “TSX”)

Em 30 de outubro de 2008, a MMX anunciou sua decisão de realizar o


cancelamento voluntário do registro para negociação na Bolsa de Valores de
Toronto, Canadá (Toronto Stock Exchange - “TSX”), de seu programa de Global
Depositary Receipts (“GDRs”). Os GDRs terão o seu registro cancelado e
cessarão sua negociação na TSX no fechamento do pregão daquela bolsa de 6
de novembro de 2008.

A Companhia decidiu atuar no mercado de capitais da América do Norte por meio


da listagem de GDRs na TSX, em junho de 2007, visando melhor posicionar-se
para captar recursos no Canadá e também se beneficiar do acesso a uma maior
base de investidores, conquistando cobertura adicional e aumentando sua
visibilidade junto a investidores especializados (institucionais). Entretanto, até hoje

17
a Companhia não conduziu nenhuma oferta de valores mobiliários no Canadá e
não tem o propósito de realizá-la no futuro.

Adicionalmente, os principais investidores da Companhia são os mesmos que


adquiriram ações ordinárias da Companhia em sua oferta pública inicial na Bolsa
de Valores de São Paulo (“Bovespa”), em 2006, e não se utilizam do registro da
MMX na TSX para negociar as ações de emissão da Companhia. É importante
ressaltar que a maior parte do volume diário de negociação dos valores
mobiliários de emissão da Companhia ocorre na Bovespa, e o volume negociado
na TSX tem assumido papel de menor relevo neste contexto.

d. MMX anuncia nova oportunidade de negócios no Chile

Em 5 de novembro de 2008, a Companhia comunicou ao mercado a conclusão da


aquisição de dois direitos minerários, através de sua subsidiária integral MMX
Chile, em áreas adjacentes a 90 km da cidade de Copiapó, no norte do Chile.

Os direitos minerários totalizam uma área de aproximadamente 1.760 hectares e


estão a cerca de 50km de distância da costa chilena com acesso a águas
naturalmente profundas.

O valor total de aquisição dos direitos minerários, caso as opções sejam


exercidas, poderá atingir US$44,5 milhões. Desse total, US$26 milhões já foram
pagos e o restante será desembolsado em parcelas até o final da campanha
exploratória. O mapeamento geológico e o licenciamento ambiental já estão em
curso, tendo o programa de exploração e caracterização mineralógica, o prazo
estimado em 2 anos e deverá ter início no primeiro trimestre de 2009.

A campanha exploratória deverá demandar recursos estimados em


aproximadamente US$17 milhões. Baseado na geologia regional e em trabalhos
técnicos publicados, a MMX acredita que o potencial geológico dos direitos
minerários ora adquiridos pode representar uma oportunidade para um novo
sistema de minério de ferro, com volumes significativos e logística favorável para
o escoamento da produção.

e. MMX suspende temporariamente as operações em Corumbá

18
Em 7 de novembro de 2008 a MMX informou que está adotando medidas para se
adequar ao cenário de desaceleração do crescimento da economia global, com
ajuste de seus programas de produção de metálicos e de minério de ferro, o que
implicará numa redução do ritmo de suas operações neste último trimestre de
2008. Acredita-se que esta decisão contribuirá para reduzir os custos das
operações e evitar o aumento de estoques. Para isso, a MMX está tomando as
providências necessárias para suspender integralmente, a partir do final de
novembro, as atividades da Usina de Metálicos e da Mina de Corumbá,
localizadas no estado de Mato Grosso do Sul. A suspensão será apenas
temporária e não implicará em demissões, devendo a retomada das operações
ser condicionada à melhoria das condições do cenário econômico mundial. Não
haverá qualquer paralisação ou diminuição no ritmo das atividades da MMX
Sudeste.

Também como conseqüência da desaceleração econômica global, a MMX decidiu


adiar indefinidamente os investimentos na Usina de Tarugos de Corumbá, que
previa desembolsos de aproximadamente US$200 milhões, conforme programa
de investimentos da Companhia.

19
MMX Mineração e Metálicos S.A.
(Companhia aberta)
Demonstrações de resultados
Exercícios findos em 30 de setembro de 2008 e 2007
(Em milhares de reais)

Controladora Consolidado

30/9/08 30/9/07 30/9/08 30/9/07

Receita operacional bruta - - 522.630 109.269

Deduções - - (32.413) (980)

Receita operacional líquida - - 490.217 108.289

Custos dos produtos vendidos e dos serviços prestados - - (310.527) (84.354)

Lucro (prejuízo) bruto - - 179.690 23.935

Outras receitas (despesas) operacionais


Administrativas e gerais (54.568) (45.354) (94.325) (61.967)
Comerciais - - (132.921) (50.835)
Receitas financeiras 46.707 83.782 80.500 92.293
Despesas financeiras (24.429) (2.297) (262.484) (27.982)
Variação cambial líquida (2.269) 225 (92.541) 21.823
Resultado de equivalência patrimonial (249.300) (16.817) - -
Provisão para perda na realização do investimento - -
Provisão para passivo descoberto (46.952) - - -
Ganho sobre aumento de capital - - -
Provisão para realização de estoque a valor de mercado - - 3.647 -
Amortização do ágio - (42.640)
Outras receitas (despesas) operacionais 69 (7.828) 285 4.096
Lucro (prejuízo) operacional (330.742) 11.711 (360.789) 1.363

Resultado não operacional (10.058) 830.781 (3.545) 831.019

Lucro (prejuízo) antes do imposto de renda e da contribuição social (340.800) 842.492 (364.334) 832.382

Imposto de renda e contribuição social (8.637) (882) (8.700)

Lucro (prejuízo) antes das participações minoritárias (340.800) 833.855 (365.216) 823.682

Participações minoritárias - - 24.416 10.173

Lucro líquido (prejuízo) do exercício (340.800) 833.855 (340.800) 833.855

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

20
MMX Mineração e Metálicos S.A.
(Companhia aberta)
Balanços patrimoniais
em 30 de setembro de 2008 e 31 de dezembro 2007
(Em milhares de reais)

Controladora Consolidado

Ativo 30/9/08 31/12/07 30/9/08 31/12/07

Circulante
Disponibilidades 26.472 368.931 239.606 1.424.938
Contas a receber - - 95.901 40.510
Estoques - - 157.838 153.968
Adiantamentos 3.880 5.715 26.361 41.147
Impostos a recuperar 35.198 23.118 64.992 36.479
Depósito vinculado 4.955 6.375 4.955 6.375
Retenções contratuais 11.377 42.992 11.377 42.992
Despesas Antecipadas 233 58 640 1.924
Contas a receber por cessão de imobilizado - 13.359 - -
Outros créditos 178 6 1.285 1.368

82.293 460.554 602.955 1.749.701

Não circulante
Realizável a longo prazo
Adiantamentos - - 13.154 41.621
Impostos a recuperar 235 124 24.871 47.877
Investimentos Temporários - Debêntures 112.394 112.394
Despesas antecipadas 160 203 214 257
Depósitos judiciais 8 8 340 611
Empresas controladas, coligadas e outras pessoas ligadas 205.597 316.417 1.195 4.449
Créditos com terceiros - - 2.523 2.774
Outros créditos - - 345 -
Estoques - - 2.872 -

318.394 316.752 157.908 97.589


Ativo permanente
Investimentos 74.816 1.077.377 1.220 3.396
Intangíveis 604 810 956.454 744.746
Provisão para perda de investimento - (9.780) - (9.780)
Ágio na aquisição de controlada 4 9.990 547.133 457.499
Direitos minerais e concessão 600 600 404.379 285.156
Obrigações ligadas a retirada de ativos - - 4.942 10.101
Direito de passagem - - - 1.770
Imobilizado 40.651 16.698 407.917 1.115.104
Diferido - - 51.417 278.953

116.071 1.094.885 1.417.008 2.142.199

516.758 1.872.191 2.177.871 3.989.489

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

21
MMX Mineração e Metálicos S.A.
(Companhia aberta)
Balanços patrimoniais
em 30 de setembro de 2008 e 31 de dezembro 2007
(Em milhares de reais)

Controladora Consolidado

Passivo 30/9/08 31/12/07 30/9/08 31/12/07

Circulante
Fornecedores 8.334 15.351 52.946 129.116
Empréstimos e financiamentos 1.143 548 436.558 701.900
Impostos e contribuições a recolher 3.474 13.594 25.780 61.420
Salários e remunerações 309 4.528 2.723 17.564
Provisão para perda com derivativos - - 165.705 20.495
Obrigações com aquisições de investimentos - - 318.639 149.192
Obrigações com aquisições de imobilizado - - - 12.004
Empresas controladas e coligadas 1.776 682 1.040 2.851
Imposto de renda e contribuição social a pagar - - - 84.859
Provisão para passivo a descoberto 50.369 12.959 - -
Obrigações com terceiros - -
Outras obrigações 8.582 2.948 19.971 41.360

73.987 50.610 1.023.362 1.220.761

Não circulante
Exigível a longo prazo

Empréstimos e financiamentos 7.772 7.909 340.350 388.239


Impostos e contribuições a recolher - - 1.101 972
Obrigações com aquisições de investimentos - - 371.075 437.038
Obrigações ligadas a retiradas de ativos e reflorestamento - - 5.922 12.431
Provisão para contingências - - 3.842 242
Obrigações com aquisições de imobilizado - - - 0
Resultados de exercícios futuros - - - 68.774
Outras obrigações - - - 3.776

7.772 7.909 722.290 911.472

Participações de minoritários - - (2.780) 43.584

Patrimônio líquido
Capital social 775.799 1.142.804 775.799 1.142.804
Reservas de lucros - 670.868 - 670.868
Prejuízos acumulados (340.800) - (340.800) -

434.999 1.813.672 434.999 1.813.672

516.758 1.872.191 2.177.871 3.989.489

22