Você está na página 1de 13

MMX divulga resultado do 2T08

Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2008 – A MMX Mineração e Metálicos S.A. (Bovespa: MMXM3; TSX: XMM)
– (“MMX” ou “Companhia”) divulga o resultado do segundo trimestre de 2008 (2T08) e o acumulado no
primeiro semestre de 2008 (1S08). As informações trimestrais financeiras foram elaboradas de acordo com
práticas contábeis adotadas no Brasil, baseada na Lei das Sociedades por Ações e nas regulamentações da
CVM (“BR GAAP”) e serão apresentadas para referência no final deste documento.

SUMÁRIO DO PERÍODO

 A produção de minério de ferro da MMX foi de 1.430 mil toneladas no 2T08, com vendas de 1.163 mil
toneladas, sendo 57% para o mercado interno e 43% para o mercado externo.

 A Receita Líquida no trimestre alcançou R$90,1 milhões, refletindo o aumento no volume de vendas
da MMX Sudeste e Corumbá, o maior volume direcionado ao mercado externo e o maior nível de
preços médios praticados.

 Em abril de 2008, foi aprovado em AGE o desdobramento das ações ordinárias da MMX, por meio do
qual cada 1 ação ordinária passou a ser representada por 20 ações da mesma classe.

 Em AGE realizada em 19 de junho de 2008 foi aprovada a cisão parcial da MMX, com versão de
parcelas de seu patrimônio à IronX e à LLX, no âmbito da operação de vendas de certos ativos da
MMX para a Anglo American Participações em Mineração Ltda. (“Anglo American”).

 No dia 20 de junho iniciou-se o período de 30 dias para direito de recesso dos acionistas da
Companhia em função da operação de cisão parcial. O período encerrou-se no dia 21 de julho, sem o
exercício do direito de recesso por parte de qualquer acionista.

Relações com Investidores: Nelson Guitti Marília Botelho Gina Pinto


Diretor Financeiro e de RI Gerente de RI Analista de RI

Tel: (21)2555-5634 ri@mmx.com.br


(21)2555-5558 www.mmx.com.br/ri
(21)2555-5563

1
Comentário de Desempenho Consolidado no Trimestre
Produção
A produção de minério de ferro da MMX alcançou 1.430 mil toneladas no 2T08, sendo 1.009 mil toneladas da
MMX Sudeste e 421 mil toneladas da MMX Corumbá. Neste mesmo período foram produzidos 59,2 mil
toneladas de ferro gusa na MMX Corumbá. A produção do 1S08 alcançou 2.656 mil toneladas de minério de
ferro e 112 mil toneladas de ferro gusa.

Produção de Minério de Ferro (mil tons)


1.430
1.226 256
1.009 216
830 556
256
216 466
396 421 451
-
105 390
77 617
544
319 316 225 301

1T08 2T08 1T08 2T08 1T08 2T08

Corumbá Sudeste Total MMX

Granulado Sinter Feed Pellet Feed

No acumulado do ano, a produção do Sistema MMX Corumbá foi de 817 mil toneladas de minério de ferro
seguindo o seu plano de produção de minério de ferro, que visa à produção de 1,9 milhão de tonelada em
2008. A usina de ferro gusa atingiu em janeiro de 2008 a capacidade nominal de produção de 400 mil
toneladas por ano com a entrada em operação do 2º alto forno. Entretanto, a escassez de carvão vegetal de
origem certificada na região levou a MMX a revisar a sua estimativa de produção para 230 mil toneladas em
2008, conforme anunciado em Fato Relevante no dia 24 de julho. A MMX decidiu adotar critérios ainda mais
restritivos do que a própria legislação impõe, até que padrões mais rigorosos sejam adotados por todos os
seus fornecedores.

No acumulado do ano, a produção da MMX Sudeste foi de 1.839 mil toneladas de minério de ferro . Tal nível
de produção só não foi maior devido ao atraso no fechamento de acordo coletivo para implantação de 4
turnos nas operações e na contratação de mão-de-obra, o que fez, inclusive, com que a MMX revisasse a
previsão de produção em 2008 para 4,3 milhões de toneladas. O quarto turno entrou em efeito em meados de
maio e a MMX Sudeste segue seu plano de produção de minério de ferro com previsão de recuperação de
sua capacidade efetiva de produção em 2009.

2
Vendas

No 2T08 o volume de vendas alcançou 1.163 mil toneladas de minério de ferro, sendo 57% direcionado para
o mercado interno e 43% para o mercado externo. Do total de vendas, 803 mil toneladas foram da MMX
Sudeste e 360 mil toneladas da MMX Corumbá. As vendas da MMX Sudeste para o mercado externo foram
negativamente impactadas por problemas portuários em Itaguaí, onde 2 navios foram embarcados, de 10
programados. Esta situação está parcialmente solucionada com a confirmação de 8 navios a serem
embarcados nos próximos meses. No acumulado em 2008 as vendas de minério de ferro totalizaram 2.111
mil toneladas, sendo 66% para o mercado interno e 34% para o mercado externo, e as vendas de ferro gusa
totalizaram de 87 mil toneladas.

Vendas no 2T08 (mil tons)


1.163 Mix de Vendas de Minério de Ferro 2T08

504 1%

Granulado
Sinter Feed
659
25 50% 49% Pellet Feed
25
Minério de Ferro Ferro Gusa
Mercado Interno Mercado Externo

Receita Líquida

A receita líquida no 2T08 alcançou R$90,1 milhões e foi positivamente impactada pelo maior volume de
vendas, o maior volume de exportações, bem como pelo maior nível de preços médios praticados, fruto do
reajuste anual positivo. A receita líquida do 1S08 foi de R$250 milhões.

Despesas e Receitas Operacionais


No 2T08 as despesas administrativas totalizaram R$12,8 milhões e as despesas com vendas R$38,3 milhões
e no acumulado em 2008 estas despesas foram de R$65,7 milhões e R$69 milhões, respectivamente.

O resultado de outras despesas operacionais, no valor de R$8,8 milhões negativos no 2T08, reflete a
amortização do ágio na aquisição da AVG e Minerminas, no valor de R$14,9 milhões, que foi parcialmente
compensado pela reversão da provisão para perda do estoque a valor de mercado no valor de R$6,1 milhões.
No acumulado em 2008 o resultado de outras despesas operacionais foi de R$24 milhões negativos,
principalmente devido à amortização do ágio na aquisição da AVG e Minerminas.

EBITDA

O EBITDA acumulado de abril a junho de 2008 foi de R$56 milhões, positivamente impactado pela redução
nas despesas administrativas. Em 2008 o EBITDA acumulado é de R$21,6 milhões negativos. Este indicador
ainda reflete a fase inicial das operações da MMX, com volume de produção em fase de desenvolvimento
para atingir a plena capacidade e esperamos melhoras graduais com a evolução das operações, e
conseqüente incremento das vendas.

3
EBITDA (R$ MM) e Margem EBITDA (% )

1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08

62%

56.0

(19.7) (24.0) (23.1) (72.7) (77.6)

-40% -48%
-79%

-76%
-97%
EBITDA Margem EBITDA

Resultado Financeiro e dívida


O resultado financeiro líquido da MMX foi positivo em R$76 milhões no 2T08 e R$83,4 milhões no 1S08,
explicado por: (a) R$22,1 milhões de receitas financeiras no trimestre, geradas pelas aplicações financeiras
do caixa e R$61 milhões de receitas financeiras no 1S08; (b) ganhos com variação cambial na ordem de
R$55 milhões no trimestre em função do efeito da apreciação de 9% do Real frente ao Dólar sobre o saldo da
dívida em moeda estrangeira e R$68,3 milhões no 1S08; e (c) R$1,1 milhão de despesas financeiras no
trimestre, referentes principalmente ao pagamento de juros sobre a dívida, sendo de R$45,9 milhões as
despesas financeiras no 1S08.

A MMX apresentou caixa líquido negativo de R$421 milhões no 2T08:

 O saldo de caixa e aplicações financeiras em 30 de junho de 2008 totalizou R$528,6 milhões.

 A dívida bruta fechou o trimestre em R$950 milhões.

Dívida x Caixa (R$ MM)

mar/08 jun/08

1,950
1,430
950
529
(520) (421)

Dívida Bruta Caixa Caixa Líquido

4
Resultado não operacional
O resultado não operacional negativo de R$252,3 milhões no 2T08 é explicado pela exclusão do ganho sobre
o aumento de capital decorrente da subscrição de 15% das ações da ex-controlada LLX pela Ontário
Teachers’ Pension Plan (OTPP). Em função da cisão parcial do patrimônio líquido da Companhia, este valor
deixou de fazer parte do resultado da MMX. No acumulado em 2008 este efeito é anulado e o resultado não
operacional foi de R$2,4 milhões.

Resultado Líquido
O prejuízo líquido no 2T08 foi de R$181,6 milhões, afetado principalmente pelo resultado não operacional
negativo, que por sua vez foi parcialmente compensado pelos resultados operacional e financeiro positivos.
No 1S08 o lucro líquido foi de R$2,6 milhões.

Investimentos

A MMX deu prosseguimento ao plano de desenvolvimento de seus diversos projetos visando o cumprimento
do cronograma de execução estabelecido. O total de investimentos em imobilizado e diferido requeridos no
2T08 nas operações de Corumbá e Sudeste foi de R$43 milhões, sendo de R$456 milhões o total investido
nas operações da MMX até o momento. No 1S08 foram investidos R$86 milhões nas operações da MMX,
dos quais R$66 milhões nas operações de Corumbá e Sudeste.

O Novo Plano de Negócios da MMX, divulgado em 24 de julho de 2008, prevê investimentos totais de US$1,5
bilhão até 2015, dos quais US$62 milhões na MMX Corumbá Mineração, US$333 milhões na MMX Corumbá
Metálicos, principalmente na planta de tarugos, e US$1,1 bilhão na expansão da MMX Sudeste.

Investimento Acumulado em Imobilizado e Diferido (R$ MM)


456
402
359
334

55 42
37 31

Corumbá Sudeste Outras Total

1T08 2T08

Os comentários de desempenho consolidado incluem informações relacionadas a investimentos projetados e


quantidades estimadas de produção mineral as quais não fazem parte do escopo de revisão das informações
trimestrais e, consequentemente, não foram revisadas pela KPMG Auditores Independentes.

5
Informações Trimestrais da Controladora
Listamos abaixo os principais números do 2º trimestre de 2008 (2T08) e do 1º semestre de 2008 (1S08):

 Receita financeira líquida de R$17,9 milhões no 1T08 e de 33,6 milhões no 1S08;

 Despesas gerais e administrativas de R$20,4 milhões no 2T08 e de R$34,1 milhões no 1S08;

 Resultado não operacional negativo de R$253,7 milhões no 2T08, devido à exclusão do ganho sobre
aumento de capital decorrente da subscrição de 15% das ações da ex-controlada LLX pela Ontario
Teachers’ Pension Plan (OTPP). Este valor deixou de fazer parte do resultado da MMX em função da
cisão parcial do patrimônio líquido da Companhia. No acumulado em 2008 este efeito é anulado;

 Patrimônio líquido de R$778 milhões em junho de 2008.

MMX no Novo Mercado

A MMX é listada na Bovespa, no segmento especial do Novo Mercado, sob o código MMXM3. A Companhia
integra as carteiras dos Índices de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (“IGC”), com Tag Along
Diferenciado (“ITAG”) e o Índice Brasil (“IBrX-100”). A cotação das ações é unitária e negociada
unitariamente.

O Capital Social é composto exclusivamente por ações ordinárias, sendo assegurado aos minoritários,
conforme Estatuto Social da Companhia, tratamento igualitário àquele dado ao acionista controlador, em caso
de alienação de controle (tag along de 100%).

Em 7 de abril de 2008, dando continuidade ao programa de desdobramento de suas ações, conforme


divulgado no Prospecto referente a Oferta Pública, foi aprovado o terceiro desdobramento de ações, na
proporção de 20 novas ações ordinárias em substituição a cada ação existente. O capital social passou a ser
representado por 304.610 mil ações.

Ao final do 2T08 o free float da MMX alcançou 32,7%, representado por cerca de 2.500 acionistas
participando na Bovespa, sendo 2.149 pessoas físicas.

A cotação das ações da MMX alcançou R$49,50 em 30 de junho de 2008, representando uma valorização de
4,76% no segundo trimestre de 2008, 5,3% acumulado em 2008 e 93% em 12 meses. O valor de mercado
alcançou R$15,1 bilhões.

No segundo trimestre de 2008 foram negociadas 45.751 mil ações em 38.747 transações. Os títulos da MMX
estiverem presentes em todos os pregões do 2T08, com média diária de 605 negócios, 392% superior ao
observado no 1T08, mostrando o aumento da liquidez das ações da Companhia.

GDRs da MMX na TSX


A MMX possui Global Depositary Receipts – Nível 1 (“GDRs”) negociados na Bolsa de Valores de Toronto
(“TSX”) desde junho de 2007, com o código XMM. Com esta iniciativa, a MMX passou a ser a primeira
empresa brasileira a listar na TSX.

Após o desdobramento realizado em abril de 2008, cada ação da MMX, que até então equivalia a 20 GDRs,
passou a corresponder a 1 (um) GDR. Em 30 de junho de 2008 os GDRs estavam representados por 10.704
mil ações, 10,7% do Free Float e 3,5% do capital total da Companhia.

6
Eventos Subsequentes

Aquisição do Direito Minerário de Bom Sucesso


Dia 3 de julho de 2008, a Companhia, por meio de uma subsidiária da MMX Sudeste Ltda., concluiu a
operação de aquisição do direito minerário de Bom Sucesso por US$193 milhões, com pagamento em quatro
parcelas com vencimento em janeiro de 2010. A Unidade de Bom Sucesso é um projeto greefield a ser
desenvolvido pela MMX.

Com esta aquisição a MMX Sudeste passou a ser composta pelas Unidades de Bom Sucesso e Serra Azul,
esta última formada pelas empresas AVG e Minerminas, agora já integradas operacionalmente. A Companhia
estima que a MMX Sudeste atingirá uma produção anual total de 33,7 milhões de toneladas de minério de
ferro a partir de 2013, dentro do Novo Plano de Negócios divulgado em Fato Relevante no dia 24 de julho de
2008.

Resultado do Final do Período de Direito de Recesso Referente à Cisão Parcial


Em 22 de julho de 2008 a MMX divulgou Aviso aos Acionistas informando que não houve exercício de direito
de recesso por parte de qualquer acionista da Companhia em decorrência de sua cisão parcial (“Cisão
Parcial”). O prazo para exercício do direito de recesso se encerrou no dia 21 de julho de 2008.

As ações da IronX, da LLX e da MMX passaram a ser negociadas de forma separada no segmento do Novo
Mercado da Bovespa no dia 28 de julho de 2008. As cotações de partida de cada empresa foram calculadas
pela aplicação do percentual do patrimônio líquido da MMX atribuído a cada empresa com a cisão, conforme
Laudo de Avaliação da KPMG Auditores Independentes, sobre a cotação de fechamento do dia 25/07, de
R$43,50. As negociações iniciaram com um leilão tendo como referência as cotações abaixo:

MMX: 42,78% x R$43,50 = R$18,61


LLX: 9,15% x R$43,50 = R$3,98
IronX: 48,07% x R$43,50 = R$20,91

Processo de Investigação da Polícia Federal

Em 11 de julho de 2008, foi executado mandado de busca e apreensão emitido com base em decisão da 1a
Vara Federal de Macapá, por conta de um processo investigatório promovido pela Policia Federal contra as
empresas MMX Amapá e e MMX Logística. Em 23 de julho de 2008, a MMX Amapá esclareceu, por força de
comunicado ao mercado, que:

A Estrada de Ferro do Amapá (“EFA”) foi construída em 1957 pela Icomi, pertencente ao Grupo Caemi e
devolvida ao Estado do Amapá (o “Estado”) em 2004, após intensa batalha judicial, travada pelo fato de que
não interessava ao Estado assumir a administração de estrada de ferro deficitária e em precário estado de
conservação.

Nesse contexto, a MMX Amapá prontificou-se a operá-la emergencialmente, na qualidade de permissionária,


pelo prazo de 6 meses, mediante garantia do Estado de que acataria determinação judicial (suscitada pela
União Federal) de realizar licitação e de que incluiria no correspondente edital cláusula que garantisse o
ressarcimento, pelo licitante vencedor, dos investimentos indispensáveis na recuperação da ferrovia. No
contrato de permissão, a MMX Amapá se comprometeu ao investimento mínimo de R$3 milhões no prazo de
6 meses e sem garantias adicionais, além de manter as operações com o mesmo prejuízo operacional de
antes.

Posteriormente, a licitação na modalidade de maior valor de outorga, ou seja, quem apresentasse a maior
oferta pela EFA seria declarado vencedor do certame, teve seu Edital regularmente publicado e a vistoria

7
conjunta das instalações da EFA nele prevista ocorreu com a presença de 7 empresas. Entretanto, na sessão
inicial da concorrência pública, realizada em 31 de janeiro de 2006, apenas empresa do mesmo grupo
econômico que a MMX Amapá apresentou a garantia de proposta exigida pelo contrato, mediante fiança
bancária de cerca de R$1,6 milhão.

O processo licitatório que redundou na concessão da EFA foi questionado sem sucesso perante o Poder
Judiciário.

Ao contrário do que foi noticiado - que a licitação havia sido "dirigida" pela MMX Amapá, a concorrência
pública em questão tratou-se de licitação de maior preço, cujas regras e garantias exigidas dos licitantes
foram proporcionais às responsabilidades deles exigidas pelo serviço público a ser prestado, sem qualquer
intenção de excluir a participação de competidores idôneos.

A empresa do grupo vencedora da licitação, MMX Logística do Amapá, pagou pela outorga da concessão a
quantia de R$814 mil e se comprometeu, ainda, conforme exigia o edital, a fazer investimentos mínimos de
R$40.700 durante os dois primeiros anos de contrato, período no qual recuperou a ferrovia. Os investimentos
do grupo na ferrovia, todavia, já excederam R$70 milhões e a EFA opera com prejuízos mensais sucessivos,
tendo acumulado mais de R$60 milhões de perdas até o momento.

Além da questão da licitação, foram imputadas práticas ilícitas relativas à sonegação de impostos federais da
Mineração Pedra Branca do Amapari (“MPBA”) pela venda de ouro e troca de favores que essa empresa teria
feito com empresas ligadas indiretamente ao governo estadual. Contudo, a MPBA não é controlada pelo
grupo do qual pertence a MMX desde janeiro de 2004, quando sequer havia iniciado suas operações de lavra
de ouro no Estado.

Apos revisão de todo o material referente a investigação por parte de consultores da Anglo American
Participações , aquela empresa e Eike Batista, acionista controlador da Companhia e da IronX, em 5 de
agosto de 2008, concluíram a operação por meio da qual a Anglo American Participações adquiriu o controle
da IronX, empresa que controla o projeto de minério de ferro do Sistema Minas-Rio e Sistema Amapá.

Em relação ao processo de investigação ora em andamento, Eike Batista ofereceu uma indenização pessoal,
a qual não gerará qualquer obrigação adicional para a MMX, e que cobrirá qualquer prejuízo eventual que
possa vir a ser incorrido pela Anglo American Participações como resultado da referida investigação. A Anglo
American Participações aceitou os termos e condições da indenização.

Anglo American Adquire o Controle Acionário da Iron X


Em 5 de agosto de 2008 a MMX, a IronX Mineração S.A. (“IronX”) e a Anglo American Participações em
Mineração Ltda. (“Anglo American”), comunicaram ao mercado que a Anglo American adquiriu a totalidade
das ações de emissão da IronX detidas diretamente pelo Sr. Eike Batista e por outros acionistas vendedores
relacionados ao Sr. Eike Batista (a “Aquisição”).

Como resultado da Aquisição, a Anglo American adquiriu do Sr. Eike Batista e de outros acionistas
vendedores, mediante pagamento em dinheiro, 193.462.160 ações ordinárias representativas de 63,3% do
capital social da IronX, por valor equivalente a cerca de R$ 5,4 bilhões, representando um preço por ação da
IronX de R$ 28,147.

Uma vez que a Aquisição resultou na transferência do controle da IronX, a Anglo American irá realizar oferta
pública para a aquisição das ações ordinárias dos acionistas remanescentes da IronX, de acordo com os
termos e condições do art. 254-A da Lei das Sociedades por Ações, da Instrução CVM nº 361 e do item 8.1
do Regulamento do Novo Mercado da Bovespa (a “OPA de Alienação de Controle”), pelo mesmo preço por
ação pago ao Sr. Eike Batista e aos demais acionistas vendedores. O preço total da aquisição de 100% das
ações emitidas pela IronX, caso a OPA de Alienação de Controle seja bem sucedida, será equivalente a
aproximadamente R$ 8,6 bilhões.

8
Ademais, de acordo com a comunicação formal arquivada pela Anglo American na sede social da MMX em
31 de março de 2008, a Anglo American pretende implementar, concomitantemente à OPA de Alienação de
Controle, oferta pública de fechamento de capital e de saída do segmento do Novo Mercado da Bovespa (a
“OPA de Fechamento de Capital”). Se a avaliação econômica realizada de acordo com as leis e regulamentos
aplicáveis à OPA de Fechamento de Capital apurar um valor por ação superior àquele pago ao Sr. Eike
Batista e aos demais acionistas vendedores, a Anglo American deverá decidir se irá ou não prosseguir com a
OPA de Fechamento de Capital. Se a Anglo American decidir não prosseguir com a OPA de Fechamento de
Capital, ela manterá e dará andamento à OPA de Alienação de Controle.

Nesse sentido, os atuais administradores da IronX convocaram uma assembléia geral extraordinária, a ser
realizada em 18 de agosto de 2008, na qual será decidido, dentre outras matérias, (i) a saída da IronX do
segmento do Novo Mercado, e (ii) a contratação de uma instituição financeira ou empresa especializada
responsável pela elaboração do laudo de avaliação do valor de mercado das ações da Companhia.

Os comentários de desempenho da controladora incluem informações relacionadas a investimentos


projetados e quantidades estimadas de produção mineral as quais não fazem parte do escopo de revisão das
informações trimestrais e, consequentemente, não foram revisadas pela KPMG Auditores Independentes.

9
MMX Mineração e Metálicos S.A.
(Companhia aberta)
Balanços patrimoniais
em 30 de junho de 2008 e 31 de dezembro 2007
(Em milhares de reais)

Controladora Consolidado

Ativo 30/6/08 31/12/07 30/6/08 31/12/07

Circulante
Disponibilidades 393.235 368.931 528.579 1.424.938
Contas a receber - - 61.104 40.510
Estoques - - 140.826 153.968
Adiantamentos 3.756 5.715 18.028 41.147
Impostos a recuperar 31.102 23.118 43.606 36.479
Depósito vinculado 4.848 6.375 4.848 6.375
Retenções contratuais 11.438 42.992 11.438 42.992
Despesas Antecipadas 58 58 742 1.924
Contas a receber por cessão de imobilizado - 13.359 - -
Outros créditos 140 6 577 1.368

444.577 460.554 809.748 1.749.701

Não circulante
Realizável a longo prazo
Adiantamentos - - 11.230 41.621
Impostos a recuperar 223 124 23.891 47.877
Despesas antecipadas 179 203 233 257
Depósitos judiciais 8 8 306 611
Empresas controladas e coligadas 168.950 316.417 3.455 4.449
Créditos com terceiros - - 2.887 2.774
Estoques - - 2.872 -

169.360 316.752 44.874 97.589


Ativo permanente
Investimentos 242.141 1.077.377 1.214 3.396
Intangíveis 604 810 619.014 744.746
Provisão para perda de investimento (9.780) (9.780) (9.780) (9.780)
Ágio na aquisição de controlada 9.784 9.990 571.826 457.499
Direitos minerais e concessão 600 600 52.013 285.156
Obrigações ligadas a retirada de ativos - - 4.955 10.101
Direito de passagem - - - 1.770
Imobilizado 39.155 16.698 370.618 1.115.104
Diferido - - 49.166 278.953

281.900 1.094.885 1.040.012 2.142.199

895.837 1.872.191 1.894.634 3.989.489

10
MMX Mineração e Metálicos S.A.
(Companhia aberta)
Balanços patrimoniais
em 30 de junho de 2008 e 31 de dezembro 2007
(Em milhares de reais)

Controladora Consolidado

Passivo 30/6/08 31/12/07 30/6/08 31/12/07

Circulante
Fornecedores 8.987 15.351 40.593 129.116
Empréstimos e financiamentos 754 548 333.263 701.900
Impostos e contribuições a recolher 4.106 13.594 27.580 61.420
Salários e remunerações 274 4.528 2.621 17.564
Provisão para perda com derivativos - - - 20.495
Obrigações com aquisições de investimentos - - 144.549 149.192
Obrigações com aquisições de imobilizado - - - 12.004
Empresas controladas e coligadas 1.211 682 544 2.851
Imposto de renda e contribuição social a pagar - - 2.948 84.859
Provisão para passivo a descoberto 14.824 12.959 - -
Obrigações com terceiros 78.906 78.906
Outras obrigações 1.560 2.948 7.917 41.360

110.622 50.610 638.921 1.220.761

Não circulante
Exigível a longo prazo
Empréstimos e financiamentos 6.823 7.909 108.069 388.239
Impostos e contribuições a recolher - - 511 972
Obrigações com aquisições de investimentos - - 364.109 437.038
Obrigações ligadas a retiradas de ativos e reflorestamento - - 5.758 12.431
Provisão para contingências - - 4.042 242

Obrigações com aquisições de imobilizado - 0


Resultados de exercícios futuros - - - 68.774
Outras obrigações - - 804 3.776

6.823 7.909 483.293 911.472

Participações de minoritários - - (5.972) 43.584

Patrimônio líquido
Capital social 775.799 1.142.804 775.799 1.142.804
Reservas de lucros - 670.868 - 670.868
Prejuízos acumulados 2.593 - 2.593 -

778.392 1.813.672 778.392 1.813.672

895.837 1.872.191 1.894.634 3.989.489

11
MMX Mineração e Metálicos S.A.
(Companhia aberta)
Demonstrações de resultados
Exercícios findos em 30 de junho de 2008 e 2007
(Em milhares de reais)

Controladora Consolidado

30/6/08 30/6/07 30/6/08 30/6/07

Receita operacional bruta - - 269.862 50.551

Deduções - - (19.704) (601)

Receita operacional líquida - - 250.158 49.950

Custos dos produtos vendidos e dos serviços prestados - - (167.401) (38.486)

Lucro (prejuízo) bruto - - 82.757 11.464

Outras receitas (despesas) operacionais


Administrativas e gerais (34.128) (20.318) (65.738) (29.590)
Comerciais - - (69.031) (35.666)
Receitas financeiras 35.011 58.792 60.989 61.000
Despesas financeiras (552) (1.147) (45.898) (16.712)
Variação cambial líquida (889) 225 68.298 13.171
Resultado de equivalência patrimonial 14.566 (9.575) - -
Provisão para passivo descoberto (11.415) - - -
Provisão para realização de estoque a valor de mercado - - 3.647 -
Amortização do ágio (27.827)
Outras receitas (despesas) operacionais - (12.174) 181 2.823
Lucro (prejuízo) operacional 2.593 15.803 7.378 6.490

Resultado não operacional - - 2.357 -

Lucro (prejuízo) antes do imposto de renda e da contribuição social 2.593 15.803 9.735 6.490

Imposto de renda e contribuição social - (7.732) (10.621) (7.732)

Lucro (prejuízo) antes das participações minoritárias 2.593 8.071 (886) (1.242)

Participações minoritárias - - 3.479 9.313

Lucro líquido (prejuízo) do exercício 2.593 8.071 2.593 8.071

Lucro líquido (prejuízo) por lote de mil ações - R$ - 1

Quantidade de ações ao final do exercício (por lote de mil) 7.608

12
MMX Mineração e Metálicos S.A.
(Companhia aberta)
Demonstrações dos fluxos de caixa
Exercícios findos em 30 de junho de 2008 e 2007
(Em milhares de reais)

Controladora Consolidado

30/06/08 30/6/07 30/06/08 30/6/07

Fluxos de caixa das atividades operacionais


Lucro líquido (prejuízo) do exercício 2.593 8.071 2.593 8.071
Itens de resultado que não afetam o caixa:
Depreciação e amortização 837 82 44.472 4.906
Resultado de equivalência patrimonial 14.566 9.575 - -
Provisão para passivo a descoberto 1.865 12.174 - -
Variação monetária e juros 11.047 (9.560) (36.449) (30.083)
Participações de minoritários - - 131.389 49.780
Ganho por variação de percentual em participação de controladas - - - -
Custo residual do ativo permanente baixado 15 - 45.762 3.804
Variações nos ativos e passivos:
Aumento em retenções contratuais 31.554 104.539 31.554 104.539
Aumento (redução) em deposito vinculado 1.528 (146) 1.527 (146)
Aumento (redução) em estoque - - (1.959) (84.539)
Aumento (redução) em contas a receber - (8.984) (36.190) (71.256)
Empresas controladas e coligadas - - 561 -
Aumento em outros créditos 7.125 - (110.851) -
Aumento (redução) em fornecedores (6.365) (674) (28.206) 30.300
Aumento de imposto de renda e contribuição social a pagar - - 42.852 -
Aumento de impostos e contribuições a recolher (9.488) - 8.098 -
Obrigações com aquisições de investimentos - - 39.169 -
Aumento (redução) em outras obrigações 73.263 10.812 (312) 54.006
Aumento de obrigações com aquisições de investimentos - - 39.116 -
Aumento em resultados de exercícios futuros - - 288.502 -

Disponibilidades líquidas geradas pelas (aplicadas nas)


atividades operacionais 128.540 125.889 461.628 69.382

Fluxos de caixa das atividades de investimentos


Créditos com pessoas ligadas
Empréstimos concedidos (173.422) (204.517) - -
Empréstimos liquidados 311.507 170.817 - -
Provisão para perda com derivativos - - (20.495) -
Aquisição em investimentos permanentes em outras sociedades (333.887) (147.222) (204.152) (9.780)
Redução no valor de aquisição de investimentos - - - (76.967)
Obrigações ligadas a retirada de ativos - - (1.360) -
Aquisições de bens do imobilizado (23.309) (557) (607.169) (361.985)
Baixa de direitos - - - 525
Aquisição de direitos minerários - - 17.383 (11.027)
Adições ao ativo diferido - - (264.464) 51.764

Disponibilidades líquidas aplicadas nas


atividades de investimentos (219.111) (181.479) (1.080.257) (407.470)

Fluxos de caixa das atividades de financiamentos


Redução de capital, líquido (367.005) - - -
Redução de reservas de lucro (670.868) - - -
Empréstimos e financiamentos
Empréstimos obtidos - - 704.077 464.711
Empréstimos liquidados (334) (10.038) (416.342) (158.033)
Débitos com pessoas ligadas
Empréstimos obtidos 57.230 - - -
Empréstimos liquidados (58.911) - - -

Disponibilidades líquidas geradas pelas (aplicadas nas)


atividades de financiamentos (1.039.888) (10.038) 287.735 306.678

Efeito liquido decorrente da Cisão 1.154.763 - (565.465) -

Demonstração do aumento (redução) nas disponibilidades

No início do exercício 368.931 727.843 1.424.938 779.212


No fim do exercício 393.235 662.215 528.579 747.802

Aumento (redução) nas disponibilidades 24.304 (65.628) (896.359) (31.410)


13