Metodologia da Pesquisa

1

Metodologia da Pesquisa

2

Metodologia da Pesquisa
Marcelo Rythowem Thereza Martins de Oliveira Valtuir Soares Filho

Palmas-TO/ 2006

Metodologia da Pesquisa

3

Fundação Universidade do Tocantins Humberto Luiz Falcão Coelho Reitor Livio William Reis de Carvalho Vice-Reitor Galileu Marcos Guarenghi Pró-Reitor Acadêmico Maria Luiza C. G. Maria Lourdes F. P. Aires Material Didático Edglei Rodrigues Designer Edglei Rodrigues Paginação Metodologia da Pesquisa 4 . Thereza Martins de Oliveira. Valtuir Soares Filho Organização dos Conteúdos Karylleila Andrade Klinger. Kyldes Batista Vicente. do Nascimento Pró-Reitora de Pós-Graduação e Extensão Antônia Custódia Pedreira Pró-Reitora da Pesquisa Maria Valdênia Rodrigues Noleto Pró-Reitora de Administração e Finanças Claudemir Andreaci Diretor de Educação a Distância e Tecnologias Educacionais Geraldo da Silva Gomes Coordenador Pedagógico Marcelo Rythowem.

A bibliografia indicada pode e deverá ser referência para suas consultas. Marcelo Rythowem. o que se verá. buscamos lhe oferecer subsídios nessa perspectiva. extratos da ABNT. Ele será seu grande companheiro para sistematizar suas atividades de produção acadêmica. dentre outras produções. Faça bom uso do material. neste material.Apresentação A disciplina Metodologia da Pesquisa objetiva auxiliá-lo na compreensão dos procedimentos que permitirão a você realizar seus estudos e organizar suas produções de forma sistemática e científica e conforme as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas e Técnicas). Ao preparar este Caderno de Conteúdos e Atividades. A metodologia científica possibilita instrumentais indispensáveis para que você seja capaz de atingir seus objetivos neste curso: o estudo e a pesquisa nas áreas de conhecimento em que está inserido. Thereza Martins de Oliveira e Valtuir Soares Filho Metodologia da Pesquisa 5 . resulta da nossa experiência como professores da disciplina com base na pesquisa bibliográfica por meio da produção e da síntese de textos de Metodologia Científica. Portanto.

São Paulo: DP & A. Como elaborar Projetos de Pesquisa. Amado L. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. Pedro A. 6. MÁTTAR NETO. Aurélio Buarque de Holanda. de A. Belo Horizonte: UFMG. 2003. SANTOS. manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. ed. ed.. e ampl. Filosofia da educação. 2002. saber. 5. 2003.PLANO DE ENSINO CURSO: XX CURSO SUPERIOR DE POLÍCIA/ XIV. 2002. São Paulo: Atlas. e ampl. Maria M. 4. Antonio C. 2. Metodologia Científica na Era da Informática. FERREIRA. rev. de. M. OBJETIVO Compreender os pressupostos teórico-metodológicos básicos de iniciação à pesquisa científica. ed. 3. 1999. Trad. ciência e tecnologia. Metodologia Científica. 5. 1996. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ARANHA. LAVILLE. Antônio Raimundo dos. relações entre conhecimeto. Heloísa Monteiro e Francisco Settineri.Porto Alegre: Artes Médicas. ed. 1999. São Paulo: Moderna. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.. São Paulo: Prentice-Hall. DIONNE. ed. rev. Metodologia Científica a Construção do Conhecimento. e BERVIAN. Metodologia da Pesquisa 6 . A construção do saber. CERVO. ed. L. GIL. São Paulo: Saraiva.. João Augusto. 2002. Christian. São Paulo: Atlas.CURSO ESPECIAL DE POLÍCIA DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa EMENTA Conceitos fundamentais acerca do pensamento científico. Jean. Introdução à Metodologia do Trabalho Científico. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO • O conhecimento científico • O conhecimento científico • Concepção atual do método • A pesquisa científica • Tipos de pesquisa • Elementos do projeto de pesquisa • Elaboração de Trabalho de Conclusão de Curso • Redação científica • Relatório de pesquisa • Normas da ABNT BIBLIOGRAFIA BÁSICA ANDRADE.

Normas para apresentação de Trabalhos Acadêmicos (ABNT/NBR 14724. 5. Eva M. agosto 2002). ed. São Paulo: Cortez. Maria Luiza. A Metodologia Científica. ______________________. 2000. PASQUARELLI. ed. ed. 22. A Fundamentos de Metodologia Científica. TOMASI. Marina de. 2004. João Bosco. SEVERINO. Carolina. 2002. Metodologia da Pesquisa 7 . Antonio J. São Paulo: Atlas.LAKATOS. e MARCONI. 2004. Osasco: Edifeo. 2003. São Paulo: Atlas. São Paulo: Atlas. Metodologia do Trabalho Científico. MEDEIROS. 5. Português Forense.

SUMÁRIO Aula 01 O conhecimento científico Aula 02 O conhecimento e o método Aula 03 Concepção atual do método Aula 04 A pesquisa científica Aula 05 Tipos de pesquisa Aula 06 Elementos do projeto de pesquisa Aula 07 Elaboração de Trabalho de Conclusão de Curso Aula 08 Redação científica Aula 09 Relatório de pesquisa Aula 10 Normas da ABNT 09 14 19 29 33 40 46 52 60 65 Metodologia da Pesquisa 8 .

Introdução A ciência. Senso comum. • Identificar as diferentes classes de conhecimento científico e suas características. • Interpretar a evolução do conhecimento científico como processo histórico. nossas experiências. religião são conhecimentos produzidos sobre qualquer realidade da natureza ou humana. e suas verdades são dogmas que não podem ser questionados pelos fiéis. fruto das condições sociais em que esse conhecimento foi produzido. Esses conhecimentos. Por outro lado. embora algumas tenham o mesmo objeto de estudo. A filosofia tem como ponto de partida o pensamento – aqui entendido como coerência lógica de seus argumentos e raciocínios. uma oportunidade de superar as limitações que nossa condição humana nos impõe. é vista pelas pessoas de maneira antagônica: para alguns. Seria. O senso comum é adquirido e absorvido a partir de nossas vivências. tais como senso comum. para o desenvolvimento das Metodologia da Pesquisa 9 . pois permite ao ser humano obter um conhecimento que não tem limites. arte. pois abre a possibilidade de dominar e modificar a natureza e os seres humanos. ou conhecimento científico. muitos a interpretam como uma forma muito perigosa de relacionar-se com o mundo. com base na aprendizagem. filosofia. religião. crenças. São várias as definições sobre o conhecimento científico. Vamos encontrar nessas definições elementos comuns que o diferenciam de outras formas de conhecimento que produzimos. Os filósofos preocupam-se em refletir criticamente sobre qualquer realidade. Os pressupostos de uma ciência têm na sua base uma concepção filosófica. inter-relacionam-se. dos costumes. filosofia.1 O Conhecimento Científico Objetivos • Compreender a diferença do conhecimento produzido cientificamente das outras modalidades de conhecimento. mas com enfoque diferente. valores sociais. desde crianças. O senso comum é ponto de partida para filosofar. seria o caminho de redenção da humanidade. com base nas crenças. livros sagrados. Essas diferenças nos possibilitam compreender o objeto de cada uma. A religião tem como ponto de partida a fé. crenças. dessa forma. no entanto.

Do exemplo acima. Essas distinções e aproximações entre as modalidades de conhecimento lhe permitirão compreender com melhor discernimento as características básicas do conhecimento científico. objetivo. muitos cientistas haviam alertado para os riscos da prática citada. Máttar Neto (2002) esclarece que as noções de experiência e verificação são essenciais nas ciências. não pode receber transfusões de sangue. pois opera com ocorrências ou fatos. desde que se possa provar sua inexatidão. descobriu-se. 30-42). • O conhecimento científico é racional e objetivo porque é constituído por conceitos. Um exemplo disso pode ser constatado recentemente a respeito da reposição hormonal para mulheres na menopausa. ele precisa ser verificado por meio da experimentação para a comprovação de suas hipóteses. Você encontrará outras análises se consultar diferentes autores. imagens.ciências. Seu objetivo não é apresentar um conjunto de verdades inquestionáveis. destacamos outro aspecto do conhecimento científico: para ser aceito. Suas soluções e procedimento científico de “análise” conduziam à síntese. modelos de conduta. o conhecimento científico é racional. por razões doutrinárias. Metodologia da Pesquisa 10 . com a diferença de que tem a pretensão de ser sistemático e revelar aspectos da realidade. Não se trata da única caracterização dessa forma de conhecimento. lógico e confiável. juízos e raciocínios a partir da observação dos fatos e não por sensações. p. Características do conhecimento científico A partir de Lakatos e Marconi (2003. O que é o conhecimento científico? Da mesma forma que o conhecimento filosófico. mais tarde. pode ocorrer que novos fatos levem o cientista a abandonar um conjunto de saberes articulados que até então se apresentavam confiáveis em favor de outros mais consistentes. que poderia provocar um aumento no risco de câncer e deixou de ser prescrito pelos ginecologistas. isto é. porém. um grupo religioso. por serem parciais os problemas da Ciência. mas admite que seus resultados são falíveis. p. apresentamos algumas características do conhecimento científico. Com certeza. 23) apresentam a ciência como um conhecimento racional. As religiões são analisadas pelos filósofos e demais ciências sociais enquanto valores vivenciados pelas pessoas. o conhecimento científico deve ser justificado e é sempre passível de revisão. É também analítico porque decompõe o todo em suas partes componentes. Esse tratamento foi considerado adequado por muitos anos para aliviar os sintomas da menopausa. colaborou financeiramente para a invenção do sangue artificial. Lakatos e Marconi (2003. mas ela só deixou de ser consenso na comunidade médica após estudos baseados na observação de seus efeitos e desses efeitos que comprovaram os riscos da reposição hormonal. Por exemplo.

os mesmos princípios que possam ser aplicados a todas as sociedades e ações humanas. Essa característica refere-se ao conhecimento no campo das ciências exatas e da natureza. cria métodos. pode. é também preditivo porque. nas diversas etapas históricas. a aplicação de normas e técnicas. p. portanto. os enunciados particulares em esquemas amplos. • O conhecimento científico é falível não é definitivo. construído historicamente e. quando passa pela prova da experiência (ciências factuais) ou da demonstração (ciências formais). conduz a novas indagações. prever ocorrências. humanos. pela complexidade e processos de mudanças que sofrem ao longo da história. pois seria necessário dominar as principais ciências e os principais métodos científicos pelo menos em seus Metodologia da Pesquisa 11 . em leis e princípios já estabelecidos. limitem o conhecimento. o cientista baseia-se em conhecimento anterior. além de inquirir como as coisas são. a priori. pois o cientista não age ao acaso. Dessa forma. pela indução probabilística. procedimentos e ferramentas de observação. 27). • O Conhecimento Científico é útil em decorrência de sua aplicabilidade. em etapas. • O Conhecimento científico é geral em decorrência de situar os fatos singulares em modelos gerais. é muito difícil fazer uma classificação das ciências em nossos dias. • O conhecimento científico é metódico isto porque é planejado. intenta responder por quê. planeja seu trabalho. busca. uniformidade. Os fenômenos sociais. no processo de investigação. seres ou fenômenos. na variedade e unicidade. pela inesgotável sede de conhecimento que os seres humanos possuem. Obedece a um método preestabelecido. experimentação que lhe conferem credibilidade pelos resultados que apresenta. não permitem encontrar leis gerais. Divisão e Classificação das Ciências De acordo com Máttar Neto (2003. É dessa forma também aberto: não conhece barreiras que. deve saber proceder para encontrar o que almeja. fundamentando-se em leis já estabelecidas e em informações fidedignas sobre o estado ou o relacionamento das coisas. a uniformidade e a generalidade. Além disso. que conduz. sugere novas hipóteses derivadas da própria combinação das idéias existentes. O conhecimento científico explica os fatos em termos de leis e as leis em termos de princípios. particularmente em hipóteses já confirmadas. absoluto ou final – o próprio progresso da ciência descortina novos horizontes. • Conhecimento Científico é dinâmico.• O Conhecimento científico é verificável uma vez que é considerado verificável em virtude de ser aceito como válido. a descoberta de leis ou princípios gerais que permitem a elaboração de modelos ou sistemas mais amplos. suas teorias e os resultados de suas investigações passam por processos de validação ou substituição.

Filosofia. pois não possuem objeto de estudo empírico ou real. deve seguir uma definição de critérios. as transformações da sociedade interferem no modo como Metodologia da Pesquisa 12 . uma vez que a ciência é muito dinâmica. as empíricas utilizam principalmente a sensação e a observação. que estudam basicamente os números e as formas de raciocínio. física. Qualquer divisão das ciências que se faça. p. Como deveriam ser classificadas a antropologia e a psicologia: ciências humanas ou ciências biológicas? Mesmo reconhecendo a fragilidade dessa classificação. engenharias e geologia meteorológica. ciências da computação. Ramos do Conhecimento Matemática. Enquanto as ciências formais fazem da demonstração seu método básico. Moles (apud MÁTTAR NETO. medicina odontologia. direito e turismo. história. Para Máttar Neto (2003. Da mesma forma. astronomia. a divisão adotada nesse modelo utiliza critérios mais bem definidos. As ciências empíricas incluem todas as ciências naturais e humanas que têm a natureza ou o ser humano como seus objetos de estudo. p 28). Segundo Máttar Neto.Exatas. pois não classifica importantes ciências da modernidade. 2003. estatística. sociologia. economia. essa divisão é frágil. 27) sugere que se utilizem dois eixos distintos: as técnicas experimentais e os processos racionais utilizados pelas ciências. fisioterapia. do ponto de vista histórico. nutrição.Formais x Empíricas Uma outra forma de classificar as ciências é separando-as em ciências formais ou puras ou ciências empíricas ou fatuais. educação física. veterinária e agronomia. tarefa praticamente impossível na atualidade. surgindo a cada momento novas ciências. 1. ciências administrativas e contábeis. isto é. geografia. essa divisão é largamente utilizada pelas instituições de ensino brasileiro para separar os estudantes e planejar seus currículos. letras. 2. Ciências O Objeto Principal Todas as que têm a Exatas matemática como pilar básico. Biologia.aspectos básicos. Estudo da natureza e o Biológicas ser humano em seus aspectos biológicos. biológicas e humanas. biológicas e humanas. Esse autor ressalta que qualquer classificação seria provisória. as ciências empíricas estariam submetidas à evolução temporal de seus objetos de estudo. A política educacional brasileira elaborou um critério de classificação das ciências em três grandes grupos: exatas. O ser humano a partir Humanas da ótica sociológica. Por essa divisão. as ciências formais seriam compostas pela lógica e a matemática.

uma tendência a compreender os problemas de forma transdisciplinar. Seria necessário acrescentar um terceiro grupo que é formado por ciências hermenêuticas. E. pelos interesses econômicos das empresas. que prejudica a construção do conhecimento em áreas fundamentais. isto é. na busca da verdade. mantém a ciência em conexão com a tecnologia.se produz a ciência. cujos resultados. apesar de possuir uma maior definição quanto ao critério de divisão. 1 – Assinale abaixo a alternativa que NÃO corresponde a uma característica do conhecimento científico. pois. a) O conhecimento científico depende da autoridade representada pelo cientista. voltadas para resultados mais rápidos em função desses interesses. 2003. ao juntar no grupo das ciências empíricas um grande número de ciências que são claramente distintas. elabore uma síntese esquemática da unidade. Esse grupo seria das ciências humanas. qualquer divisão de ciências seria incompleta. Como dissemos anteriormente. Por ser falível. ainda necessitaria de uma subdivisão (MÁTTAR NETO. Teve. Formam-se grupos de pesquisa em âmbito internacional em rede. critérios esses muitas vezes com prioridades para as necessidades dos países hegemônicos. quase sempre. cria ferramentas da observação e experimentação que lhe conferem um conhecimento adequado das coisas. atualmente. as ciências formais são a-históricas. p. dada à dinâmica do processo de criação científica. ciências da interpretação. Por outro lado. c) O conhecimento científico é considerado verificável em virtude de ser aceito como válido. revertem de forma conseqüente para a pesquisa aplicada. quando passa pela prova da experiência (ciências factuais) ou da demonstração (ciências formais). permite que um problema seja tratado por diversos ângulos. As agências financiadoras de pesquisa nacionais e internacionais têm seus critérios para apoio à pesquisa. também. Isso é hoje mais difícil porque as fronteiras entre os saberes são cada vez mais difusas. 28). Isto é. a oportunidade de estudar as características do conhecimento científico diferenciado das demais formas de conhecimento. Máttar Neto questiona ainda o fato de não haver uma distinção entre ciência aplicada e ciência pura. Metodologia da Pesquisa 13 . Temos. pois o tempo não seria uma variável significativa para elas. Cientistas que se dedicam à pesquisa básica têm denunciado essa política. Essa divisão. Comentário Para a realização dessa atividade. embora mais demorados. Síntese da unidade Nesta unidade você pôde perceber a definição e classificação das ciências. b) O conhecimento científico não é definitivo. privilegiam apoio à pesquisa aplicada. várias ciências são necessárias para desenvolver um determinado problema. d) O Conhecimento Científico é útil em decorrência de sua objetividade.

2 O Conhecimento e o Método Objetivos • Investigar o conceito de método. Porém o progresso da ciência é. Hoje as ciências utilizam uma tal diversidade de métodos que fica impossível para um cientista dominá-los. não é diferente. Para Máttar Neto. por acaso ou como efeito colateral de objeto principal da pesquisa. descobrir acidentalmente respostas a uma pergunta não formulada. por parte do conhecente. O ser humano. metodologia histórica. Apresentaremos neste tema as linhas gerais do método. o viagra entre outros. Introdução O método tornou-se fundamental nas ciências para que se chegasse aos resultados que temos hoje. • Apresentar a evolução histórica do método utilizado nas ciências. isto é. metodologia para determinação do valor de sistemas de Metodologia da Pesquisa 14 . ao procurar descobrir a verdade dos fatos. métodos científicos para antropologia. fruto de investigações e questionamentos que se utilizam de procedimentos padronizáveis que chamaríamos aqui de método. ou de pseudo-serendipidade. É necessário a utilização do método para que a ciência encontre as respostas necessárias para alcançar seus objetivos. mesmo uma pequena parte deles. Porém é muito difícil falarmos de um método científico. chegar acidentalmente à reposta para uma pergunta formulada ou mesmo de imaginação científica criadora. métodos probabilísticos para o design estrutura de aeronave. procurando ir à frente da própria observação que se faz dos fatos. com a fragmentação do saber. seria impossível reunir em único texto todos os métodos possíveis utilizados pelas ciências em suas investigações. ou seja. No caso da ciência. métodos para estudos de genética molecular. uma vez que. não o faz de modo passivo. Muitos avanços científicos. Uma lista despretensiosa e desordenada pode nos assustar: métodos da física computacional. é possível falar em serendipidade. metodologia lingüística para análise de acidentes de avião. há uma infinidade de ciências que possuem métodos específicos. De acordo com Máttar Neto (2003). foram “descobertos acidentalmente”. ao se relacionar com o mundo externo por meio do conhecimento. na maioria dos casos. métodos para estudo de pigmentos do fitoplânctron em oceanografia. como o teflon. A imaginação trabalha em paralelo. Há sempre uma atitude ativa.

métodos para estudos em economia. métodos para determinação de critérios ecológicos em hidrobiocenose. metodologia para estudo de renda familiar. Método é a forma de proceder ao longo de um caminho. Em seu sentido mais geral. Na ciência. métodos para pesquisa demográfica. traçam de modo ordenado a forma de proceder do cientista ao longo de um percurso para alcançar um objetivo. métodos em estudos em corais. métodos para análises microscopias em arqueologia. 5.conversão de energia do vento. Metodologia da Pesquisa 15 . métodos em ecologia das plantas. Método é a ordem que se deva impor aos indiferentes processos necessários para atingir um fim dado (. métodos de computação do nível da água em grandes lagos e reservatórios. a utilização de métodos científicos não é da alçada exclusiva da ciência. métodos experimentais para ecologia microbial. A seguir. 4. nem todos os ramos de estudo que empregam esses métodos são ciências. métodos para avaliação de dados experimentais em psicologia e outros (MÁTTAR. métodos geofísicos em geologia. Nas ciências. métodos multidimensionais para mapeamento cientrométrico em cartografia. isto é. métodos em biológica molecular estrutural. métodos neurocitoquímicos. Método é o “caminho pelo qual se chega a determinado resultado. Para elas. o método é a ordem que se deve impor aos diferentes processos necessários para atingir um fim dado ou um resultado desejado. os métodos constituem os instrumentos básicos que ordenam de início o pensamento em sistemas. 32).. O que é Método? Etimologicamente. metodologia para estudo da comunicação entre animais. mas. métodos para estudo de biologia marinha. métodos em química ecológica. Método é um conjunto coerente de procedimentos racionais ou prático-racionais que orienta o pensamento para serem alcançados conhecimentos válidos. ) é o caminho a seguir para chegar à verdade nas ciências. “via. Logo: qual caminho seguir para investigar os fenômenos? 1. metodologia para filmagem antropológica. métodos de inversão para estudos atmosféricos. ainda que se esse caminho não tenha sido fixado de antemão de modo refletido e deliberado”. métodos para arqueologia medieval. métodos químicos para pesquisa do solo e de minerais. “ao longo de”. 3. apresentamos uma relação dos possíveis conceitos de método.. metodologia para medições oceânicas. em contrapartida. entende-se por método o conjunto de processos que o espírito humano deve empregar na investigação e demonstração da verdade. métodos para pesquisas em fotossíntese. metodologia para pesquisa criminológica. caminho”. 2003. precisam de um caminho seguro para chegar a seus objetivos. método (grego)vem de meta. e hodós. 2. métodos para estudos em fisiologia. Lakatos e Marconi (2000) observam que todas as ciências caracterizam-se pela utilização de métodos científicos. mas não há ciência sem o emprego de métodos científicos. metodologia sintética para estudo de química orgânica. p.

8. permite alcançar o objetivo – conhecimentos válidos e demonstráveis –. Podemos falar em métodos científicos. com maior segurança e economia. o que influenciou de forma decisiva o mundo ocidental. O método científico proposto por Bacon traz algumas conseqüências éticas em pelo menos dois aspectos: o ser humano enquanto objeto de pesquisa pode ser manipulado. a ciência deveria propiciar uma melhoria na qualidade de vida das pessoas. Mas como se daria isso? Em primeiro lugar. servindo de base para o desenvolvimento posterior do capitalismo. A adoção desse método trouxe uma série de avanços. então. Esses obstáculos seriam os pré-juízos. Resumindo. (LAKATOS. Para Bacon. 44-45). regra para a pesquisa científica. 7. pela educação e inclinações pessoais. não resultados das investigações científicas. O Método de Francis Bacon (1561-1626) Bacon elaborou uma crítica da ciência antiga. não há ciência sem método. o método é o conjunto das atividades sistemáticas e racionais que. traçando o caminho a ser seguido. pois seu resultado não propiciava coisas úteis à humanidade. Feito isso. o método indutivo porque procura interpretar os fatos particulares em busca de leis universais que regem a natureza. MARCONI. idéias pré-concebidas que impedem o avanço do conhecimento. seja material ou conceitual. Nesse sentido. Bacon dá a esses pré-juízos o nome de ídolos. Na Antiguidade e Idade Média. por meio da pesquisa tecnológica. pela tirania da linguagem e pelo respeito exagerado para com a autoridade. p. tirava conclusões precipitadas que não produzia nada de novo. detectando erros e auxiliando as decisões do pesquisador. Porém o método científico não é único. experimentado livremente? Que tipo de Metodologia da Pesquisa 16 . O método proposto por Bacon seria. A construção histórica do método científico a partir do Renascimento (séc. Método científico é “um conjunto de procedimentos por intermédio dos quais (a) se propõe os problemas científicos e (b) colocam-se à prova as hipóteses científicas”. Para ele. O método adequado seria. cânone. Método é um procedimentos regular. Estes ídolos seriam causados pelas falhas e insuficiência dos sentidos. 2000.6. A característica distintiva do método é a de ajudar a compreender. diríamos que a finalidade da atividade científica é a produção de conhecimentos demonstráveis por intermédio da comprovação das hipóteses apresentadas. XIV) Como você teve a oportunidade de ver no início desta unidade. esse método conseguia apenas antecipações estéreis. era necessário eliminar os obstáculos ao conhecimento. no sentindo mais amplo. mas o próprio processo de investigação. seria necessário usar um método adequado para o avanço do conhecimento. daí em diante. explícito e passível de ser repetido para conseguir-se alguma coisa. Veja a seguir como o método científico foi se constituindo a partir de seus primórdios no Renascimento. usava-se o método dedutivo.

49). até o conhecimento dos objetos que não se disponham.conseqüências a exploração da natureza. nessa fase. senão aquilo que se apresenta como tal clareza ao espírito que torne impossível a dúvida”. formula a ou as leis que descobriu. dividido em quatro fases. evitar a precipitação e o preconceito e não incluir juízos. Metodologia da Pesquisa 17 . servirão para formular hipóteses. pouco a pouco. desenvolveu o na matemática – com Seu método pode ser a) A da evidência – “não acolher jamais como verdadeira uma coisa que não se reconheça evidentemente como tal. O Método de Renée Descartes (1596-1650) Considerado o pai da filosofia moderna. assim como evidências que as confirmem. b) A da análise – “dividir cada uma das dificuldades em tantas partes quantas necessárias para melhor resolvê-las”. d) A da enumeração – “realizar sempre enumerações tão cuidadas e revisões tão geris que se possa ter certeza de nada haver omitido” (HEGENBERG apud LAKATOS. Renée Descartes foi deles. de forma natural. o cientista. fundamentado nas evidências que obteve. c) A da síntese – “conduzir ordenadamente os pensamentos. MARCONI. d) Testagem das Hipóteses – por intermédio da repetição dos experimentos. principiando com os objetos mais simples e mais fáceis de conhecer. de forma sistemática. desde que tenha percorrido todas as fases anteriores. por sua vez. c) Repetição – os experimentos devem ser repetidos em outros lugares por outros cientistas. e) Formulação de Generalização e Leis – o cientista. conforme a abordagem de Lakatos e Marconi: a) Experimentação – nessa fase. para poder observar e registrar. realiza experimentos acerca do problema. todas as informações que têm possibilidade de coletar. deve acompanhar os seguintes passos. e generaliza suas explicações para todos os fenômenos da mesma espécie (LAKATOS. p. Ao contrário método dedutivo. p. por meio do método científico. isto é. 48). em seqüências de complexidade crescente”. MARCONI. as hipóteses procuram explicitar (e explicar) a relação casual entre os fatos. em seguida. 2000. 2000. procura-se obter novos dados. pode acarretar para o equilíbrio ecológico? Sendo o conhecimento científico o único caminho seguro para a verdade dos fatos. conforme o texto a seguir: Hipótese – tese provisória que procura explicar certo fenômeno devendo ser demonstrada. pois o grau de confirmação das hipóteses depende da quantidade de evidências favoráveis. tendo por finalidade acumular dados que. A análise compreende o processo em que determinado problema geral é decomposto em seus elementos constitutivos. b) Formulação de Hipóteses – tendo por base os experimentos e a análise dos resultados obtidos por seu intermédio. até chegar às partes mais simples. Sua contribuição se deu também certeza você deve se lembrar do plano cartesiano. contemporâneo de Galileu e Bacon. testam-se as hipóteses. para subir.

por causa dessa divisão. I . Metodologia da Pesquisa 18 3 .O método cartesiano compreende as fases de análise. após a resolução dos problemas mais simples. b) Somente I e II são verdadeiras. levando à perda da visão do todo. ao dividir o conhecimento em diversas disciplinas. Analise as assertivas abaixo e classifique-as em verdadeiras ou falsas. é que. com maior segurança e economia. síntese. obedecendo a preocupação que as pessoas da época tinham em relação à resolução de seus problemas. o conhecimento fragmentou-se. O grande problema apontado. II e III são verdadeiras. permite alcançar o objetivo da pesquisa. c) Somente II e III são verdadeiras. você deve levar em conta que o método científico é uma construção histórica e que não se pode atribuir a um ou outro pensador o título de pai desse método. hoje. Síntese da unidade Nesta unidade. provocando a multiplicação de abordagens parcelares da realidade. a) I. demonstração e experimentação.Método é o conjunto das atividades sistemáticas e racionais que.A síntese compreende o processo de reunificação das partes em seu todo maior. Assinale a alternativa que corresponde ao julgamento correto. III – Francis Bacon elaborou a crítica da ciência antiga e propôs o método experimental que consistia na proposição de uma hipótese que deveria ser comprovada pela experimentação. d) Somente I e III são verdadeiras. você teve a oportunidade de compreender o conceito de método e sua evolução ao longo da história. II . Nosso atual modelo de educação baseia-se no método cartesiano. O método cartesiano proporcionou avanços significativos para a ciência porque permitiu que problemas de alta complexidade fossem abordados a partir de suas partes. Comentário Ao realizar essa atividade.

A especialização e a fragmentação do conhecimento fazem com que. Porém. que ainda não estavam presentes nas partes examinadas. • Analisar as concepções apresentadas e demonstrar sua pertinência ao trabalho de pesquisa. o método baseia-se na teoria da investigação. dentre os métodos. se no primeiro é possível deduzir uma verdade já implícita na premissa maior. seja em relação às ciências humanas e sociais. Atualmente. tira conclusões gerais. Esses métodos são formas de argumentação utilizadas nas ciências naturais. Método Indutivo Podemos caracterizar a indução como processo mental que. suficientemente constados se possa chegar a conclusões cujo conteúdo é mais amplo do que as premissas em que se baseiam. na atualidade. Metodologia da Pesquisa 19 . O objetivo do método indutivo é fazer com que. cada problema/investigação tenha um método específico: cada situação a ser resolvida emprega o método que lhe é mais adequado. alguns que são mais utilizados. partindo de dados particulares. o argumento indutivo fundamenta-se em premissas.3 Concepção atual do método Objetivos • Apresentar algumas das principais concepções metodológicas usadas na atualidade. • Exemplo: A mangueira é um vegetal que realiza fotossíntese. podemos citar. humanas e exatas. Introdução Com o passar do tempo. Já não podemos mais compreender as questões metodológicas por um prisma unilateral. muitas modificações foram sendo feitas nos métodos existentes. inclusive surgiram outros novos. no método indutivo só é possível chegar a um conhecimento provável. Vejamos a seguir as principais construções metodológicas atualmente utilizadas do ponto de vista da argumentação. Da mesma forma que o método dedutivo. seja pelo ponto de vista de argumentação. Porém. por meio da observação de dados particulares. mesmo diante de tal fragmentação.

Quarta. todos os dias da semana têm 24 horas. Observação dos fenômenos: consiste em observar os fatos ou fenômenos para. 3. ocorre um salto porque. Quinta. todo metal é condutor de energia. Terça. Quinta. Logo. Quarta. todos os vegetais realizam fotossíntese. Segunda. Sábado e Domingo são dias da semana. mesmo sem observá–los. A indução se realiza por três etapas: 1. Como esse tipo de indução não leva a novos conhecimentos. Logo. Ferro conduz energia. A orquídea realiza fotossíntese. Terça. Descoberta da relação: o objetivo dessa fase é detectar a relação constante existente entre eles. por meio da comparação. 56). Logo. Sexta. observações àquilo que se pode afirmar ou negar dos demais elementos da mesma categoria à indução científica. • Exemplo: O alumímio conduz energia. Induz. aplica-se a hipótese levantada aos demais casos. A indução nessa situação é feita a partir da observação de todos os casos e não de apenas alguns. a indução apresenta duas formas: a) Completa ou formal: foi estabelecida por Aristóteles. pois apenas organiza coisas já conhecidas. Formas e tipos de indução De acordo com Lakatos e Marconi (2000 p.A grama reliza fotossíntese. b) Incompleta ou científica: essa forma de indução foi criada por Galileu Galilei e aperfeiçoada por Bacon. Níquel conduz energia. Generalização: nesta etapa. Sexta. Sábado e Domingo têm 24 horas. por meio da generalização das relações encontradas entre os fenômenos e os fatos semelhantes. não tem influência para o processo da ciência. Fundamenta-se na causa ou na lei que rege o fenômeno ou fato. constatada em um número significativo de casos. Ora. às vezes. por meio de análise. Metodologia da Pesquisa 20 . mas não em todos. 2. • Exemplo: Segunda. descobrir as causas de sua manifestação. de um só. de alguns casos adequadamente observados e.

Deduzir nada mais é que comparar uma situação particular frente a uma teoria ou verdade geral. Tendo em vista que permite formular generalizações a partir da análise de um pequeno número de casos. Vênus. para concluir se aquele caso particular se encaixa na teoria geral. Vênus. que a dedução vai do geral para o particular. Sócrates é homem. por meio da colocação de uma condição. Sua forma pode ser descrita a partir do exemplo abaixo. Todos os homens são mortais. Júpiter. O exemplo clássico de dedução é o silogismo aristotélico. Marte. portanto. Saturno. por dedução. Ora Mercúrio. para o progresso do conhecimento e para a construção do saber. Argumentos Condicionais São aqueles que. Júpiter. Netuno e Plutão não têm brilho próprio. de forma efetiva. podem contribuir para a produção de saberes em que não é possível elaborar. Terra. pelo menos ainda. contribui. A indução é amplamente utilizada nas ciências naturais. a segunda é uma antecedente desse Metodologia da Pesquisa 21 .• Exemplo: Mercúrio. Todavia a dedução tem sido muito utilizada para a construção de teorias que partem de saberes prévios e que. teoria ou hipótese geral que é aceita por todos e da qual é possível tirar conclusões particulares. todos os planetas não têm brilho próprio. Temos assim algumas possibilidades para o uso da dedução. Urano. Outros desdobramentos do método dedutivo são dados pelos argumentos condicionais. • Afirmação do antecedente: é chamada assim porque a primeira premissa é um enunciado condicional. determinam o resultado a ser alcançado pela conclusão. pois não acrescenta nada de novo ao conhecimento. experimentos. Saturno. Para alguns. Um exemplo disso é a teoria dos buracos negros que por meio de uma série de deduções tem sido elaborada. Urano. Logo. Marte. Logo. Apenas confirma se uma situação particular se encaixa em princípios universais. Temos dois tipos de argumentos condicionais: a afirmação antecedente (modus ponens) e a negação do conseqüente (modus tollens). Netuno e Plutão são planetas. Diz-se. Método Dedutivo O raciocínio dedutivo parte de uma lei. Sócrates é mortal. a dedução é um raciocínio estéril. Terra.

p. se se opuser. o infinito.enunciado e a terceira. Isto comprova na visão do método hipotéticodedutivo que nem sempre a indução leva a um conhecimento confiável. ou ao apriorismo. então todos sabem quais são os seus objetivos. o poder de compra está menor com essa taxa de inflação. então q. às conquistas de posição e às mudanças de ofício. segundo a argumentação de Hume – de uma causa X não se pode inferir uma conseqüência Y – é impossível porque exigiria que uma quantidade pequena de situações atingisse o universal. Vejamos estes dois exemplos: Se a taxa de inflação for maior que o aumento do salário. uma crença. O argumento condicional pode ser utilizado sem obedecer a essa fórmula padrão. (Idem). às misturas de sangue. Como tudo isso aparece nesta sociedade. MARCONI. É expressa pela forma: Se p. Então. é um ato psicológico. 74). • Método hipotético-dedutivo Abordaremos o método hipotético dedutivo a partir das idéias de Sir Karl Raymond Popper. a resposta é sim. p. Então. Todos os cisnes são brancos? Após a observação de um certo número de casos chega-se a conclusão de que não necessariamente. Metodologia da Pesquisa 22 . q. A abordagem de Popper parte das seguintes premissas: • Para ele. MARCONI. então q. Veja os exemplos: Se a equipe estiver unida. não-q. • A negação do conseqüente recebe essa denominação porque a primeira premissa é um condicional. Veja o exemplo: Esta sociedade apresenta um sistema de castas? Apresentará se for dividida em grupos hereditariamente especializados. a equipe não será unida. 2000. sem necessidade de ser demonstrada. um pulo no escuro e não conseqüência lógica necessária. Possui a seguinte forma: Se p. 2000. que lançou as bases desse método e do critério de falseabilidade. justificada (LAKATOS. não-p. Ora. na sua concepção. que consiste em admiti-la como algo já dado simplesmente aceito. p. ao mesmo tempo. é a conseqüência da primeira. 65). pois. haverá uma perda do poder de compra dos salários. (LAKATOS. hierarquicamente sobrepostos e mutuamente opostos. A maioria da equipe não sabe qual é o objetivo a ser alcançado. Ora. ou conclusão. Então. sendo a segunda a negação do conseqüente desse condicional. a indução não pode ser justificada como método porque leva a um círculo sem fim em busca de fatos que a confirmem. • A indução. A taxa de inflação foi o dobro dos ganhos salariais Por isso.

ao mesmo tempo. sujeitando suas respostas aos testes provisórios. A metodologia é como uma arma de busca. Hegel também reconhecia que a realidade era processo contínuo. era impossível compreender a doença sem saber o que era a saúde. cujo objetivo é a tentativa de falseamento para eliminação de erros tornado falsas as conseqüências derivadas ou deduzidas da hipótese.• O avanço da ciência. mas se tem a segurança da eliminação do erro. falsear uma hipótese do que confirmá-la.nessa etapa do método hipotéticodedutivo. o quente sem o frio. frustrando as expectativas. em suas conseqüências sempre dedutivamente. Não se tratava de uma racionalidade estática. criticando as teorias e as opiniões alheias e. Ele reconhecia que a realidade era um contínuo fluxo. buscar o que é falso. compreender a escuridão sem saber o que era a luz. demonstrável – era um ídolo e.. ocorre porque ela está sempre propondo e descobrindo problemas novos e mais gerais. pois acumulamos experiências que nos transformam a cada dia. b) conjecturas – é uma solução proposta em forma de proposição passível de teste. eliminam-se as concepções equivocadas. tudo se move. Ao procurar demonstrar os erros. Um exemplo de contradição: machismo e feminismo são atitudes contraditórias. caçada aos problemas e destruição de erros. mostrando-nos como podemos detectar e eliminar o erro. insustentável e inatingível. 73). tudo se transforma. p. E poderia ser compreendida porque era perfeitamente racional. Metodologia da Pesquisa 23 . mas dinâmica. seria mais fácil demonstrar que algo pode estar errado do que certo. O método hipotético-dedutivo apresenta as seguintes etapas: a) problema – surge a partir do momento em que determinada situação não se enquadra num esquema pré-estabelecido. é mais fácil negar. A conjectura é utilizada para explicar ou prever aquilo que despertou uma curiosidade intelectual ou uma dificuldade de ordem prática ou teórica. renovados e mais rigorosos. as nossas próprias. (POPPER apud LAKATOS. não se tem certeza da posse da verdade. 2000. para Popper. desencadeando a pesquisa. que Marconi e Lakatos chamam de “método de tentativas e eliminação de erros”. c) tentativa de falseamento . Assim. portanto. A dialética tem seu início com o pensamento de Heráclito de Éfeso. são realizados os testes. • Método dialético O termo “dialética” significa a relação entre termos opostos. MARCONI.. É celebre a sua afirmação de que é impossível banhar-se duas vezes no mesmo rio: em primeiro lugar porque as águas que correm no rio não são as mesmas e também porque nós não somos os mesmos. Compreendia que o movimento era a passagem de uma realidade para o seu oposto. Popper propõe o método hipotético-dedutivo. Por acreditar que a episteme – conhecimento absolutamente certo. A convivência e o respeito entre homens e mulheres seria a atitude síntese de ambas. direto ou indireto. Seguindo o raciocínio do método hipotético-dedutivo.

) Lei da interpenetração dos contrários – a dialética considera a contradição inerente à realidade das coisas. (. única forma de apreender a realidade em sua totalidade. Lei da negação da negação .) Na biologia.o analfabeto é aquele que não domina a leitura. deixa o estado líquido e passa para o gasoso.. Dentre os métodos utilizados nas ciências humanas e sociais destacamos de forma sintética: Qualquer que seja o método adotado para realizar sua pesquisa. sua pesquisa não conduz a lugar nenhum. Mas os dois pólos contrários são também inseparáveis.. abarcando o afirmativo e o negativo. Marx e Engels propunham a dialética materialista. deriva um terceiro momento: a negação da negação. as coisas e sua contradição. mesmo em oposição. p.O método usado para compreender a realidade era dialético. (ARANHA. 3 – SÍNTESE – é o momento de união entre as partes postas pela tese e antítese num todo único. Qual a concepção que você vai adotar sobre analfabeto? Você terá pelo menos três concepções básicas: . mas é o contrário. ao alcançar 100ºC. a consciência humana.da interação das forças contraditórias. O exemplo clássico é o da água esquentando... Por ex: vou investigar o número de analfabetos existente no Brasil. Sem teoria. Como desdobramentos posteriores da dialética materialista. alterações acumuladas levam à formação de uma nova espécie. é a realidade material que transforma a mentalidade. que é o surgimento do novo. A contradição é o atrito. Hegel desenvolve a dialética em três momentos: 1 – TESE – afirmação de uma idéia. segundo a teoria evolucionista de Darwin. 1996. há a geração do novo. o ovo já tem em germe a sua negação. E justamente a contradição é a força motriz que provoca o movimento e a transformação. não é a consciência humana que transforma a realidade como queria Hegel. em que uma nega a outra. . 2 – ANTÍTESE . (. ou seja. Por exemplo. isto é. antíteses e síntese eis a tríade que explica o movimento do mundo e do pensamento. a luta que surge entre os contrários.negação da tese afirmada.89-90). teremos então a construção das leis da dialética que passam a fundamentar os procedimentos do método dialético: Lei da passagem da quantidade à qualidade – o processo de transformação das coisas se faz por saltos. e a isso chamamos de unidade dos contrários pois. os Metodologia da Pesquisa 24 . a síntese. Mudanças mínimas de quantidade vão se acrescentando e provocando em determinado momento uma mudança qualitativa: o ser passa a ser outro. nele coexistem duas forças: que ele permaneça ovo e que ele venha a ser pinto. Como Hegel propunha a dialética no campo das idéias.. em que são anuladas as imperfeições e se conserva a positividade de cada uma delas. estão em relação recíproca. você deve ter clareza da teoria que adotou para fundamentar a investigação. a escrita. Tese. Por estarem em luta.o analfabeto é aquele que não sabe escrever o nome e não sabe contar – somar. dividir etc.

• Método comparativo É usado para comparações de grupos no presente. ao mesmo tempo. • Método Tipológico Esse método foi empregado por Max Weber e possui semelhanças com o método comparativo. determinou as características essenciais da cidade.o analfabeto é aquele que domina a leitura. tipo ideal. entretanto. construídos a partir da análise de aspectos essenciais do fenômeno. Conforme acentua Lakatos (2000. a partir daí. p. mas não sabe interpretar o mundo a partir dos conhecimentos adquiridos. p. uma vez que também realiza comparações. Em uma pesquisa. posso utilizar esse método delimitando um período histórico e. Método Histórico Consiste em investigar acontecimentos. para não correr o risco de realizar um simples levantamento bibliográfico. o objeto de estudo e a teoria selecionada. e da concepção/teoria que irá adotar nela. já subentende que se refere ao plano das idéias. Por isso. mostrou que. ao comparar diversos tipos de cidades. dependendo dos objetivos de sua pesquisa. o pesquisador cria tipos ou modelos ideais. Esse é um método auxiliar de outros métodos. econômicos e etc. é importante que você esteja por dentro das várias modalidades de método histórico. • Método Estatístico Significa a redução de fenômenos sociológicos. no passado. processos e instituições do passado para verificar sua influência na sociedade de hoje. os conhecimentos básicos da matemática. ao utilizar desse método.94). Observe que o próprio nome. Não se esqueça. você saberá qual o caminho-método irá adotar. pode ser usado mais de um método. Exemplo: Características do turismo no Brasil e Estados Unidos. políticos.conhecimentos básicos da matemática ou. a termos quantitativos. ou entre os existentes e os do passado. realizando entrevistas. 93-94): Ao comparar fenômenos sociais complexos. que o método histórico adotado varia conforme a concepção que o fundamenta. quanto entre sociedades de iguais ou de diferentes estágios de desenvolvimento. Weber. Coforme Maconi e Lakatos (2000. bibliografia. . da Metodologia da Pesquisa • 25 . conforme o objetivo proposto. a escrita. mas servir de modelo para a análise e compreensão de casos concretos. o método histórico. Ex: para entender o desenvolvimento do Turismo no estado de São Paulo. sem saber como irá analisar os dados e informações coletadas. realizar a pesquisa coletando documentos. Vai-se buscar elemento do passado. A característica principal do tipo ideal é não existir na realidade. Uma vez selecionado o conceito. utiliza.

mesma maneira. significa que você tem construído mentalmente uma estrutura de família. que será estudado nesta disciplina. apresentou o tipo ideal de organização burocrática. O método funcionalista tem sua origem no positivismo e foi bastante utilizado por Malinowiski que estudou determinadas culturas de sociedades simples (nativas). sua forma de organização. Para um maior esclarecimento sobre o assunto. retornando. esse método consiste em estudar determinadas realidades dando prioridade a função dos indivíduos. Quando você faz isso. além disso. seu modelo de ação no dia a dia. mas a partir da realidade. a seguir. tome como exemplo uma família na nossa sociedade e veja como ela funciona. pesquisou as diferentes formas de capitalismo para estabelecer a caracterização ideal do capitalismo moderno. mas. ao Metodologia da Pesquisa • 26 . • Método estruturalista O método estruturalista parte do funcionalismo para estudar a sociedade e as diferentes culturas. Conforme aponta Lakatos. Você vai estudar mais detalhadamente esse clássico da Sociologia nas aulas seguintes. tendo demonstrado que a racionalidade dos protestantes e sua atitude ascética levaram à acumulação de capital. Tal como o funcionalismo. quais são seus aspectos centrais. o desenvolvimento do capitalismo na Europa. Emile Durkheim. o estruturalismo considera as funções e os sistemas. assim. na realidade. O funcionalismo considera que a sociedade é formada por partes interdependentes. O sociólogo francês Claude Lévi-Strauss é o principal responsável pelo desenvolvimento desse método. ao nível abstrato. Método funcionalista Como o termo indica. por fim. por intermédio da constituição de um modelo que represente o objeto de estudo. seus valores etc. Feito esse percurso. O método parte da investigação de um fenômeno concreto eleva-se. e. ao estudar as culturas indígenas. A partir de então. Tal estudo resultou na obra intitulada A ética protestante e o espírito do capitalismo. principalmente no Brasil. constrói mentalmente as estruturas que são percebidas na realidade. você analisa algum problema com base nesse método. partindo do exame dos tipos de organização. o pesquisador realiza seus estudos e tira suas conclusões. um dos sociólogos clássicos. foi também um dos teóricos que desenvolveu seus estudos a partir do método funcionalista. Foi com essa metodologia que Weber estudou a relação entre protestantismo e capitalismo. de modo que se deve analisar cada realidade exatamente a partir das funções para entender o todo. você tem possibilidade de imaginar uma família moderna. favorecendo. grupos ou instituições. O estruturalismo. Dessa forma. prioriza os elementos centrais ou estruturais para analisar uma dada cultura.

(2000.concreto. entre outros). O método dialético apreende a realidade em sua totalidade. O método hipotético-dedutivo parte de uma idéia geral sob a forma de uma hipótese que será ou não validada a partir da investigação dos fenômenos. tira conclusões gerais. Estudo sobre as contradições do fenômeno da globalização. antítese e síntese. Considera-se que uma linguagem abstrata deve ser indispensável para assegurar a possibilidade de comparar experiências. A metodologia varia conforme a concepção teórica. à primeira vista. não poderiam ser estudadas. o que é construído pelas idéias para compreender uma dada realidade. o objeto e finalidade da pesquisa. • Metodologia da Pesquisa 27 . irredutíveis que. p. p. mas está aberta às transformações que ocorrem com o ser humano e com a sociedade. documentos históricos. (observações. as coisas em sua contradição nas fases de tese. A diferença é que o tipo ideal não existe na realidade. por meio da análise das contradições abarcando o afirmativo e o negativo. Síntese da unidade O que você precisa saber? A indução é o processo mental que. ao passo que a estrutura construída mentalmente por meio do método estruturalista é uma representação concebível da realidade. Pode-se utilizar em uma mesma investigação levantamentos estatísticos (aspectos quantitativos) e análise qualitativa. entrevistas. pois considera as operações mentais. comparando as sociedades desenvolvidas e subdesenvolvidas. em outras palavras. isto é. políticas e culturais desiguais entre os que detêm o poder e os que não o possuem. partindo de dados particulares. por exemplo. valoriza a contradição dinâmica do fenômeno observado e a atividade criadora do sujeito que observa as contradições entre o todo e a parte e os vínculos do saber e do agir com a vida social dos homens. Método dialético Parte da concepção de que a sociedade é dinâmica e contraditória. teoria ou hipótese geral que é aceita por todos da qual é possível tirar conclusões particulares. conforme afirma Lakatos (2000. dessa vez com uma realidade estruturada e relacionada com a experiência do sujeito social. que ainda não estavam presentes nas partes examinadas. A ciência não é um conhecimento pronto e acabado. 95-96) Observe que esse método também apresenta semelhança com o tipológico. relatos orais. nada poderiam ensinar.96). se assim permanecessem. Do ponto de vista do método. O raciocínio dedutivo parte de uma lei. em conseqüência das relações econômicas.

da qual é possível tirar conclusões particulares. na sua reflexão. fenômenos. isto é. instituições ou acontecimentos do passado. que. b) Consiste em investigar os fatos.1 – Na atualidade. d) Estuda a sociedade ou outros fenômenos sociais do ponto de vista da função de suas unidades. teoria ou hipótese geral que é aceita por todos. há um método adequado. Metodologia da Pesquisa 28 . da investigação. buscando compreender os efeitos dos fenômenos. como um sistema organizado de atividades. Assinale nas alternativas abaixo aquela que representa o método dedutivo. em que os fenômenos estudados são submetidos à influência de certas variáveis. você deverá considerar. para cada problema – ponto de origem. Comentário Na realização dessa atividade. a fim de verificar sua influência na sociedade de hoje. a) Fundamenta-se na realização de experimentos controlados. o método é compreendido como uma ferramenta que deve se adequar à investigação e à comprovação/refutação dos resultados esperados pelo pesquisador. c) Parte de uma lei.

Introdução É muito comum associarmos a pesquisa à atividade daqueles cientistas geniais. Problemas na área ambiental.4 A Pesquisa Científica Objetivos • Compreender os diferentes significados de pesquisa. entre outros. realizando experiências mirabolantes. que afetam o globo. saúde. O que é pesquisa? O termo pesquisa pode ser compreendido segundo vários significados. mas todos nós já realizamos alguma investigação. trancados em seus laboratórios. educação. A pesquisa em rede. mas também nos discursos públicos. como você verá neste tema. p 276) que “a vida cotidiana também faz de nós. é um personagem em extinção. a pesquisa pode ser feita por todos aqueles que tenham a curiosidade necessária e dominarem os métodos adequados. Pesquisar. são investigados em rede. grandes consumidores de pesquisa. Quanto a consumir pesquisa. às vezes. fazer análises de conteúdos. meio doidos. com a formação de grupos de pesquisadores. As agências financiadoras de projeto aprovam projetos em abordagem interdisciplinar. • Elaborar uma interpretação pessoal a respeito da importância da pesquisa para suas atividades profissionais. • Identificar os níveis de pesquisa. em nossas trocas com os outros etc. possibilita que um mesmo problema seja investigado por vários grupos de vários países. é algo extremamente importante para o desenvolvimento de habilidades cognitivas e para a produção de novos conhecimentos necessários para a solução dos problemas que nossa sociedade enfrenta. interpretar dados estatísticos. comentam Laville & Dionne (1999.. sobretudo por meio da mídia ou da publicidade. em intercâmbio sistemático. em suas várias regiões. O pesquisador individual. preparar um questionário. quer desejemos ou não. por ex.” Observam esses autores que “Aaprendizagem da metodologia da pesquisa nos ajuda a ser consumidores esclarecidos. Na verdade. Há uma diferença fundamental entre consumir pesquisa e fazer pesquisa. hoje. Poucas pessoas são pesquisadores profissionais. conduzir uma entrevista. viabilizada pela internet. bem como eventuais Metodologia da Pesquisa 29 .

ao mesmo tempo.). Para que alcance seus resultados. por meio de métodos específicos de cada ciência. entre outros). p. é uma busca de dados e informações. Aplica-se a levantamento de opinião (pesquisas de mercado. eleitoral etc. 17) que a define como um procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. propriamente científico: dentre as várias definições. 145). Significado restrito. p. lúdico. 2003. Como pudemos perceber. já produzidas por meio da investigação científica e publicadas nos livros didáticos. 1556). Pesquisa escolar. paciência e seriedade no tratamento dos dados. De acordo com a concepção de Gil (idem). ética na divulgação de seus resultados. a pesquisa é desenvolvida mediante o concurso dos conhecimentos disponíveis e a utilização cuidadosa de métodos. detetive. em sua origem. é desenvolvida por uma série de fases. investigação policial. Há um elemento de criatividade. um processo de descoberta e de invenção. em sua maior parte. “indagação ou busca minuciosa para averiguação da realidade. para investigar um problema/hipóteses com vistas a validar as respostas encontradas: “Às vezes a pesquisa vai confirmar suas idéias ou opiniões. acadêmica: levantamento de informações sistematizadas. desde a formulação do problema até a apresentação dos resultados. técnicas e outros procedimentos científicos. investigação. se suas suposições têm fundamentos. A pesquisa exige rigor. Compreender e articular essas diferentes fases é uma forma de promover o desenvolvimento e aprofundar o conhecimento. mesmo que. de alguma forma. citamos Gil (2002. resultar em uma aplicação prática. utiliza-se a pesquisa quando não se dispõe de informação suficiente para responder a um problema. inquirição”. às vezes vai modificá-las. quando a informação disponível se encontra em tal estado de desordem que não possa ser adequadamente relacionada ao problema. a pesquisa é sempre resultado da busca de solução para algum problema. entre outros. p. Os problemas podem ser de duas diferentes ordens de razão: razões de ordem intelectual e razões de ordem prática. Metodologia da Pesquisa 30 . pode. envolvido na atividade de investigação científica”. é comum classificar as pesquisas de acordo com a sua orientação final. Ambas as formas estão interligadas. Como instrumento de investigação científica. a pesquisa. mas quase sempre vai ajudar a dar forma a seu pensamento” (MÁTTAR NETO. pois investigar um problema de ordem intelectual. A partir dessa concepção. ou então. não distorcidos. Percorrendo um longo caminho. para conhecer algo não devidamente esclarecido pelo professor ou pelo aluno – por interesse pessoal ou por solicitação do professor. Para Máttar Neto (2003. seja por curiosidade do pesquisador. p.produtores de pesquisas”. É grande a responsabilidade do pesquisador para apresentar resultados que construíram por meio de suas investigações (éticos. Vamos distinguir alguns tipos de pesquisa: Significado amplo: segundo Aurélio (1999. “A pesquisa é. 146).

muitas vezes. O que se percebe na realidade é que ambas se complementam. o sujeito do conhecimento é desafiado a responder a esses problemas oferecendo soluções concretas a problemas concretos atuais ou futuros. logo em seguida foi possível “aplicar” esse conhecimento em instrumentos até hoje utilizados pela medicina. ou teórica. 2003. Na pesquisa de ponta. Metodologia da Pesquisa 31 . p. é realizada pelos grupos de pesquisa constituídos por cientistas que se dedicam exclusivamente a essa atividade. solucionar problemas. não permite buscar as raízes do problema. antes de tudo. Na tradição intelectual ocidental. doutorado. uma vez que no Brasil. doenças como AIDS. o estudante precisa realizar uma série de trabalhos acadêmicos para aferir como está o andamento de sua aprendizagem. e o ensino da pesquisa adquire uma nova configuração. células tronco. quando foram descobertas as propriedades radioativas de alguns elementos químicos. e a pesquisa aplicada. O tempo disponível. Entretanto. Da mesma forma.. como os Raios X. A pesquisa acadêmica é. Para Santos. Elaboram e executam projetos na área de sua formação. o pesquisador é docente. tão utilizados nos hospitais até hoje. mas a aquisição do espírito e método para a indagação intencional (SANTOS. uma atividade pedagógica que visa despertar o espírito de busca intelectual autônoma. preparação. principalmente nos países do primeiro mundo. entretanto. Exemplos: pesquisas na área da biogenética. p. Em geral..na vida acadêmica. não necessariamente terá condições de investigar no nível denominado pesquisa de ponta. entre outras. que quem realiza pesquisa no sentido propriamente científico não necessariamente passa pelo ensino superior. 24).Teríamos a chamada pesquisa pura. mestrado. O pós-graduando adquiriu maior grau de autonomia e é portador de uma bagagem de conhecimentos para realizar investigações em maior nível de complexidade e profundidade. indicar respostas adequadas. na maioria dos casos. “uma pesquisa sobre problemas práticos pode conduzir a descoberta de princípios científicos. A pesquisa acadêmica é. pois. uma pesquisa pura pode fornecer conhecimentos passíveis de aplicação prática imediata”. há a possibilidade de ingresso em um curso de pós-graduação. Níveis da pesquisa científica Podemos distinguir dois níveis de pesquisa: • Pesquisa acadêmica . exercício. Os estudantes recebem orientações para iniciação às atividades de pesquisa. O resultado mais importante não é a oferta de uma resposta salvadora para a Humanidade. Por exemplo. Como Gil afirma (2002. A pesquisa de ponta refere-se a buscar respostas aos fatores fundamentais do problema levantado. Ressaltamos. • Pesquisa de ponta – após a formação básica. 18). É necessário que se aprendam as formas de problematizar necessidades. é comum colocá-las em campos opostos como se fossem excludentes.

exercício.Muitas pessoas talentosas e com espírito de investigação aguçado para investigar problemas em busca de fatores explicativos são aceitas na comunidade científica como capacitadas para essa atividade. Os problemas podem ser de duas diferentes ordens de razão: razões de ordem intelectual e razões de ordem prática. Temos assim dois níveis de pesquisa: acadêmica e de ponta. pois investigar um problema de ordem intelectual. • Distinguimos a pesquisa pura da prática e suas interrelações. Síntese da unidade Abordamos nesta unidade: • A relevância da pesquisa para a sociedade contemporânea. mesmo que em sua origem seja por curiosidade do pesquisador. c . pode de alguma forma resultar em uma aplicação prática. Metodologia da Pesquisa 32 . antes de tudo. • Apresentamos os dois níveis básicos de pesquisa: a acadêmica .Na pesquisa de ponta.como iniciação de aprendizagem e a de ponta – realizada por profissionais que buscam encontrar os fatores explicativos para o problema levantado.A pesquisa de ponta refere-se a buscar respostas aos fatores fundamentais do problema levantado. o sujeito do conhecimento é desafiado a responder ao problema. oferecendo respostas concretas a problemas concretos atuais ou futuros. sugerimos que você releia o tópico referente aos níveis de pesquisa. Comentário Para a realização dessa atividade. com destaque para suas especificidades.A pesquisa é sempre resultado da busca de solução para algum problema. O resultado mais importante não é a oferta de uma resposta salvadora para a humanidade. mas a aquisição do espírito e método para a indagação intencional. é imprescindível a formação acadêmica em nível de pós-graduação. 1 . b – Para a realização da pesquisa. preparação. • Os diferentes significados de pesquisa: sentido amplo. propriamente científico. • Conceituamos a pesquisa científica. Assinale abaixo a alternativa INCORRETA sobre a pesquisa: a .A pesquisa acadêmica é. acadêmico e restrito. Ambas as formas estão interligadas. e podem dar importantes contribuições na área investigada. d .

ex-post-facto. é possível adotar três critérios para identificação da natureza metodológica dos trabalhos de pesquisa: por meio de seus objetivos: exploratórias. bem como os procedimentos da coleta são conseqüentemente selecionadas a partir do problema/hipóteses levantados e dos objetivos selecionados. Introdução Os níveis de pesquisa apresentados na aula anterior apontam para a necessidade de distinção entre os diferentes tipos de pesquisa.5 Tipos de pesquisa Objetivos • Identificar os diferentes tipos de pesquisa. • Posicionar-se a respeito da utilização adequada dos tipos de pesquisa em uma investigação científica. seleciono as fontes que irei utilizar e os procedimentos que serão adotados. exploratórias e descritivas. o pesquisador precisa identificar se a pesquisa. quanto aos objetivos. quanto aos objetivos. Pesquisas segundo os objetivos Definir o objetivo de uma pesquisa constitui a sua espinha dorsal. será somente exploratória. descritivas. a teoria que fundamenta a investigação. geralmente. documental. explicativas. segundo os procedimentos de coleta: experimental. pesquisa-ação. Já as explicativas situam-se no nível da pesquisa de ponta. As fontes utilizadas para coleta de dados e informações. fontes e procedimentos da coleta de dados. segundo as fontes utilizadas na coleta de dados: campo. As pesquisas acadêmicas são. É importante destacar que uma vez definido o problema. levantamento. bibliografia. Tipos de pesquisa científica No campo da pesquisa. exploratória e descritiva ou exploratória e explicativa. por não buscarem explicações do problema a partir de suas raízes. Trata-se de explicitar: o que pretendo alcançar com a pesquisa que vou realizar? Metodologia da Pesquisa 33 . estudo de caso. Esses critérios não são excludentes: ao definir o objetivo de uma pesquisa. bibliográfica. laboratório.

Variável, em uma pesquisa, “É um conceito, e como tal um substantivo que representa classes de objetos.” São aspectos observáveis de um fenômeno e devem apresentar variações ou diferenças em relação ao mesmo ou a outros fenômenos. Ex.: sexo, estado civil etc. Variável independente é aquela que afeta outra variável, mas não precisa estar relacionada entre elas. Influencia outra variável: A variável dependente: a que é afetada, ou explicada pela variável independente. Essa variável em uma pesquisa é o antecedente e a dependente é o conseqüente. O pesquisado elabora as hipóteses a partir da primeira para a segunda. (SOUZA, M. M. Ribeiro, 1998.

Esse critério leva em conta o grau de aproximação do pesquisador com o problema que irá estudar e o nível conceitual com que o pesquisador se coloca diante do seu objeto de estudo. Nesse critério, as pesquisas podem ser classificadas em exploratórias, descritivas ou explicativas. Exploratórias – via de regra, toda pesquisa tem início com a exploração do problema/fenômeno que vai ser investigado. Trata-se de responder às perguntas: o que eu sei sobre o problema que quero investigar? O que já está publicado a respeito? São informações preliminares que o pesquisador deverá coletar, que lhe permitirão delimitar, de forma mais objetiva, o problema e construir suas hipóteses. Do ponto de vista conceitual, você deve selecionar a melhor teoria que irá fundamentar sua pesquisa e destacar e explicitar os conceitos básicos que serão utilizados como referências. As fontes de coleta de dados e informações geralmente envolvem o levantamento bibliográfico e documental, a realização de entrevistas com pessoas que tiveram contato ou experiências com o problema a ser pesquisado, análise de situações que permitam uma maior compreensão a respeito do assunto, visita a websites, entre outros. A pesquisa exploratória lhe permitirá mapear o seu objeto de estudo e, muitas vezes, você irá descobrir que o problema (ou um de seus aspectos) que pretende investigar já foi solucionado. Quando você respondeu à pergunta acima colocada: o que pretende alcançar com a pesquisa que vou realizar, praticamente tem definida se sua pesquisa será descritiva ou explicativa.Vejamos por que: • Descritivas – seu principal objetivo é descrever as características de uma determinada população ou fenômeno por meio do estabelecimento de relação entre variáveis. É feita na forma de levantamento de dados sistematicamente organizados. As pesquisas descritivas podem visar ao estudo das características de um grupo, obter a opinião de uma determinada população ou investigar como se dá o atendimento do sistema público de saúde em uma localidade, por exemplo. Em geral, a pesquisa descritiva objetiva descreve um fenômeno por meio de seus efeitos, utilizando, como procedimento de coleta de dados, a estatística, com ênfase na análise quantitativa. Explicativas – são consideradas as mais profundas porque buscam explicar as razões ou fatores que determinam a ocorrência de determinado fenômeno. Como não se resumem a apenas descrever ou explorar um fenômeno, as hipóteses levantadas podem não ser validadas, e novas hipóteses serão elaboradas para novas investigações. Não se pode, aqui, desmerecer as outras modalidades de pesquisa, tendo em vista que uma pesquisa explicativa pode ser o desdobramento de uma pesquisa exploratória ou descritiva. Por exemplo: o resultado de uma pesquisa descritiva sobre os efeitos no mercado de trabalho pela não qualificação da mão-de-obra necessária pode provocar indagações diversas que levam a uma •

Observação: “observar não significa apenas “olhar”, mas discriminar e discernir. Significa separar, em meio à complexa vida social, aquilo que é circunstancial e periférico daquilo que é essencial e diz respeito ao problema investigado”. Podemse nesse processo distinguir três etapas: a primeira, reunião de uma massa de dados considerados importantes (dados brutos).A segunda, codificação, em que os dados são compilados e classificados. A terceira, tabulação, disposição dos dados segundo sua significância, encadeados numa ordem lógica que permite verificar as relações que eles mantêm entre si (COSTA, Cristina, 2001, p. 211).

Metodologia da Pesquisa

34

pesquisa explicativa: quais as razões da não qualificação da mão-deobra necessária a determinado tipo de trabalho? Pesquisas segundo as fontes de dados Uma pesquisa só é possível desde que haja a disponibilidade de fontes de dados para que possa coletá-los e analisá-los. Numa analogia bastante simples, da mesma forma que um automóvel se locomove por causa do combustível que queima, a pesquisa depende de fontes de dados para que possa elaborar seus raciocínios, pois “entende-se pesquisa como atividade intelectual, como desenvolvimento de raciocínios, cujo combustível são dados” (GIL, 2002, p. 19). Dentre as possíveis fontes de pesquisa, três merecem destaque por serem as mais utilizadas: bibliografia a respeito do tema, um campo em que se possa observar e um laboratório em que se possa recriar. • Pesquisa de campo – geralmente é realizada por meio de observação direta do pesquisador. Os dados são colhidos no local onde são produzidos, por isso os dados obtidos são mais fidedignos. Sua maior desvantagem é que os resultados podem demorar mais a aparecer. • Laboratório – geralmente utilizada como experimento. Essa fonte de dados é uma forma de coleta de dados usual em áreas da biologia, por exemplo, de fenômenos ligados à pesquisa de ponta, também chamada básica, como as pesquisas que vêm sendo realizadas no campo da biogenética, das doenças como AIDS, DNA, com aplicações práticas, inclusive na investigação criminal. Na pesquisa de laboratório, podem-se ter duas situações distintas: pela interferência artificial em um fenômeno ou pela artificialização da capacidade humana de captar os dados. No primeiro caso, o objetivo é construir um padrão de observação que muitas vezes é impossível na realidade fora do laboratório. No outro caso, os mecanismos naturais de observação não permitem uma observação acurada do fenômeno e então é necessário artificializar o ambiente e os instrumentos de observação. • Bibliografia – a pesquisa bibliográfica é a mais utilizada, sobretudo, no meio acadêmico. Você já deve ter ouvido aquela expressão “não precisamos reinventar a roda”. Pois é grande parte das pesquisas realizadas em laboratório e/ou de campo acabam se transformando em livros, revistas e outras formas de divulgação bibliográfica, inclusive na internet. Por meio da pesquisa bibliográfica, é possível acessar o conhecimento produzido e acumulado ao longo de vários anos, como fonte de informações para pesquisa exploratória, explicada acima. Outras fontes de dados: censo, história de vida e levantamento histórico.

Experimento: “na área social o experimento é uma técnica importante quando a situação que se quer estudar envolve grande risco social e humano, como a organização da população durante incêndios, a prevenção urbana contra a violência do crime organizado, entre outros exemplos. A idéia do evento simulado tem sido cada vez mais usada em muitas disciplinas e áreas profissionais, especialmente na educação e na psicologia. (COSTA, Cristina, 2001, p. 222-223).

Dados censitários O levantamento sistemático de dados censitários a respeito de uma população constitui a sociometria. Os paises que dispõem de um banco de dados a respeito, sistemática e periodicamente, atualizam-nos e editam, possibilitando aos pesquisadores a utilização de técnicas de amostragem, como analisar relações entre aspectos de uma população. No Brasil, temos o Instituto Brasileiro de Pesquisas (IBGE). Costa (2001, p. 233) cita exemplos
Metodologia da Pesquisa

35

de pesquisas realizadas por sociólogos, com a utilização de dados censitários. Entre esses, a de Kingsley Davis, em 1963, que:
...fez uma análise de dados censitários que procurava relacionar aumento de renda per capita e aumento demográfico. Tomando as taxas de países “desenvolvidos” (industrializados) e “subdesenvolvidos” (não-industrializados), constatou que, nos primeiros, à medida que crescia a renda per capita, diminui a taxa de crescimento demográfico. Inversamente, nos países de pequena renda per capita a taxa de crescimento demográfico aumentava consideravelmente (COSTA, 2001, p. 233).

Comenta Costa que, em termos metodológicos, Davis descobriu que a taxa de crescimento era a variável dependente, conseqüência da renda per capita, variável independente. Essa autora chama a atenção para a necessidade de que os dados censitários sejam de fonte fidedigna e, ao realizar uma pesquisa desse tipo, testar, numa pequena amostra, as variáveis que se quer experimentar. História de vida É um outro método de pesquisa amplamente utilizado em sociologia. A história de vida “compõe-se de relatos, depoimentos, memórias e documentos pertencentes ao depoente”. (COSTA, 2001, p. 234). É um tipo de fonte de coleta de dados e informações que apresenta vantagens, como fator importante para recuperar interpretações “não-oficiais” sobre certos acontecimentos, e pode revelar novos aspectos desses acontecimentos, a visão de quem viveu e testemunhou. Atualmente, tem-se valorizado “a análise dos valores, das tradições, da expressão de opinião” que permite a decifração mais apurada desses depoimentos (COSTA, 2001, p. 234). Levantamento histórico Trata-se de realizar levantamentos de documentação para apreender o processo de transformação de determinado fenômeno. Esses documentos constituem fonte preciosa de informação, tais como correspondências, diários, contratos, relatos de viajantes, atas de instituições, entre tantos outros. As fontes de pesquisa acima citadas podem ser usadas de forma combinadas, dependendo do objetivo a ser alcançado, e do problema a ser desvendado. Caracterização das pesquisas segundo os procedimentos de coleta de dados Conforme Santos (2002, p. 29-32), os procedimentos de coleta são os métodos práticos utilizados para juntar as informações necessárias à construção dos raciocínios em torno de um fato/fenômeno/processo. Na verdade, a coleta de dados de cada pesquisa terá peculiaridades adequadas àquilo que se quer descobrir. Mas é possível apontar alguns procedimentosMetodologia da Pesquisa

36

que comporão a amostra. um conjunto significativo de casos. as informações que se desejam. A pesquisa ex-post-facto é. compreender porque determinada campanha publicitária não atingiu seus objetivos. também. para alcançar os Metodologia da Pesquisa 37 . Entre as principais vantagens do levantamento. para que se possa compreender qual a sua influência no objeto de estudo que pode ser um fato. já descritos neste tema. comum a utilização do estudo de caso quando se trata de reconhecer num caso um padrão científico já delineado. significa "a partir de depois do fato". isto é. também. A pesquisa experimental. é elaborada uma análise quantitativa dos dados para que se formulem as conclusões. podem ser utilizados como meio de coleta. pesquisados e pesquisadores. aos quais se fazem as adaptações de espaço/tempo/matéria necessárias às exigências de cada caso. Admite que outros procedimentos. escolhe-se a variável que se quer analisar e neutraliza-se as demais. A observação se dá depois que ocorre o problema a ser investigado. determinar a forma pela qual será realizado o controle e observação dos efeitos produzidos por uma variável no objeto de estudo. uma pesquisa experimental. análise estatística dos dados coletados. Assim. Por exemplo. A partir da coleta das informações solicitadas. fenômeno ou processo.Literalmente. aplicação dos questionários. necessita de muito cuidado para se inferir generalizações dos resultados. a economia e rapidez e a possibilidade de quantificação. geralmente. • Levantamento – Busca obter. É. Suas principais limitações se devem ao caráter subjetivo da opinião dos entrevistados. é feita por amostragem. Exemplos: pesquisa para descobrir uma vacina contra o vírus da AIDS ou da gripe aviária. Por exemplo. é selecionado para que se verifique seus aspectos característicos. Todos os envolvidos. porque é anterior ou sem o controle do pesquisador. observação etc. • Estudo de caso – quando se quer aprofundar o conhecimento sobre um determinado objeto de pesquisa. observar como se comporta um consumidor em um determinado ambiente de consumo. comumente utilizados. Diferencia-se desta. estão o conhecimento direto da realidade. É comum a participação e o envolvimento cooperativo entre os pesquisadores e a comunidade envolvida na pesquisa. Esse tipo de pesquisa necessita de um bom planejamento para que a experimentação seja realizada de modo a se observar os aspectos que interessam ao estudo. no qual possa ser enquadrado. Os resultados poderão ser aplicados a todos os casos. podem adotar procedimentos como experimentação. Muito utilizado nas pesquisas exploratórias e descritivas. junto a um determinado grupo. pesquisa bibliográfica. • Ex-post-facto .padrão. Costuma exigir do pesquisador grande equilíbrio intelectual e capacidade de observação porque ao lidar com casos isolados. é realizado em três etapas: seleção da amostra a ser pesquisada. • Pesquisa-ação – está voltada para a resolução de um problema ou suprimento de uma necessidade. muitas vezes. escolhe-se dentro de um universo bastante extenso para ser esgotado. também. o que colabora para a perda de objetividade. Uma pesquisa para compreender a preferência dos consumidores masculinos de uma determinada faixa etária seria um exemplo de levantamento. • Pesquisa experimental – Parte da determinação de um objeto de estudo e da seleção de variáveis que poderiam provocar algum tipo de influência. É preciso.

• Bibliografia – de acordo com Santos. tratamento analítico e publicação.resultados almejados. Ao adotar esse critério. É o nome genérico dado às fontes de informação bibliográficas que ainda não receberam organização. A utilização total ou parcial de quaisquer dessas fontes caracteriza a pesquisa como pesquisa bibliográfica (SANTOS. panfletos etc. anais de congressos etc.). que certamente contará com o acompanhamento de seu orientador. Nesse critério. p. hospitais. as pesquisas podem ser classificadas em exploratórias. obras originais de qualquer natureza. 1. 32). São fontes documentais: tabelas estatísticas. leva-se em conta o grau de aproximação do pesquisador com o problema que irá estudar e o nível conceitual com que o pesquisador se coloca diante do seu objeto de estudo. Enfatizamos a relação conseqüente entre problema/hipóteses e a seleção dos métodos de pesquisa que devem ser escolhidos. conceituais ou explicativas. igrejas. Por exemplo. enciclopédias.). 2003. associações. uma empresa que pretende resolver o problema do absenteísmo ao trabalho. relatórios de empresas. quanto aos objetivos da pesquisa. epitáfios. fitas gravadas de áudio e vídeo. Síntese da unidade Aspectos que destacamos nesta unidade: Os tipos de pesquisa segundo os objetivos. fotografias. Analise as assertivas abaixo classificando-as em verdadeiras ou falsas. se exploratória e explicativa. que contêm informações já elaboradas e publicadas por outros autores. revistas. documentos informativos arquivados em repartições públicas. Metodologia da Pesquisa 38 . fontes e procedimentos da coleta e os critérios para sua seleção. É o conjunto de materiais escritos/ gravados. A adequada seleção dos tipos de pesquisa para realização da investigação poderá facilitar e simplificar seu trabalho. A utilização de qualquer dessas fontes de informação caracteriza a pesquisa como pesquisa documental (SANTOS. relatórios de simpósios/seminários. se exploratória. 2003. as publicações periódicas (jornais.Definir o objetivo de uma pesquisa constitui a sua espinha dorsal. se exploratória e acadêmica (descritiva). correspondência pessoal ou comercial etc. • Documento – Para Santos. tais como dicionários. São fontes bibliográficas os livros (de leitura corrente ou de referência. 32). anuários etc. páginas de web sites. sindicatos. mecânica ou eletronicamente. p.

SOUZA. introdução à ciência da sociedade. In Análise experimental dos níveis de ruído produzido por peça de mão de alta rotação em consultórios odontológicos: possibilidades de humanização do posto de trabalho do cirurgião dentista. III . Disponível em: <http://portalteses. b) Somente I e III são verdadeiras. 2. o problema e construir suas hipóteses. 1997. II – Nas pesquisas descritivas o principal objetivo é descrever as características de uma determinada população ou fenômeno por meio do estabelecimento de relação entre variáveis. M.I . c) I. São informações preliminares que o pesquisador deverá coletar. São Paulo: Moderna. Hilda M.cict. acesso em 13 julho 2006.br/>.Exploratórias são as pesquisas que têm início com a exploração do problema/fenômeno que vai ser investigado. Sociologia. II e III são falsas. de forma mais objetiva. [Tese de Doutorado]. Ribeiro de. d) Somente II e III são falsas. Fundação Oswaldo Cruz. 1998. ed. Glossário. Cristina. II e III são verdadeiras. Metodologia da Pesquisa 39 . que lhe permitirão delimitar.fiocruz. Escola Nacional de Saúde Pública.Explicativas são consideradas as mais profundas porque buscam explicar as razões ou fatores que determinam a ocorrência de determinado fenômeno. Referências COSTA. Assinale a alternativa que corresponde ao julgamento correto: a) I. Comentário Você poderá ter maior clareza para responder a questão acima revendo os conceitos sobre o tipo de pesquisa segundo os objetivos.

entre outras. O desenvolvimento de uma pesquisa está muito mais ligado ao estilo pessoal de seus autores. projeto. Há autores que propõem a elaboração de pré-projeto. Compreender o significado de cada um desses elementos. dependendo de muitos fatores: Tratando-se de elaboração de um projeto de pesquisa para uma agência de fomento. o projeto deve seguir os seguintes passos: • • Metodologia da Pesquisa Título Escolha do tema com justificativa 40 . nacional ou estrangeira. Não existem regras fixas para elaboração de um projeto. Porém. como CNPq. bem como ao fio de problema a ser resolvido. O que é um projeto de pesquisa? Como elaborar um projeto de pesquisa? Quais seus elementos principais? O projeto é uma intenção planejada para a realização da pesquisa.6 Elementos do projeto de pesquisa Objetivos • • • Identificar os elementos de um projeto de pesquisa. entre outros mecanismos. pode sofrer alterações. Ao longo da realização da pesquisa. planejamento da pesquisa. não são necessárias tantas sofisticações para realizarmos uma investigação científica. Introdução A literatura existente sobre como elaborar um projeto de pesquisa é ampla e muitas vezes confusa e complicada. Fundo Nacional do Meio Ambiente. Na realidade. é preciso definir com clareza quais as etapas principais por que passará a pesquisa. Distinguir os aspectos básicos de um projeto de pesquisa. quais os recursos necessários para atingir os resultados e como tudo isso se processará na pesquisa.

o pesquisador deve repensar o seu tema. para uma ciência ou para a instituição onde você trabalha ou para a qual você vai realizar a pesquisa. é reformulado após o projeto pronto. conciso. Essa primeira leitura permitirá esclarecer os aspectos centrais e os secundários na delimitação do tema a ser pesquisado. previsto relativamente à extensão e ao grau de profundidade do problema a ser investigado. . em linguagem popular. que é delimitado de um assunto. Título do projeto É elaborado a partir da escolha do tema e. quase sempre. Trata-se. quando delimitamos o tema. as razões acima apontadas para a seleção do tema são redigidas com o título: Justificativa. Revisão de literatura Escolhido o tema. Se tais critérios não podem ser preenchidos. Escolha do tema/justificativa A escolha do tema deve considerar os seguintes critérios: . já elaboramos uma pergunta prévia sobre o que desejamos saber a respeito do tema. A adoção de uma teoria que irá embasar sua pesquisa está diretamente relacionada ao conceito que o pesquisador irá adotar sobre Metodologia da Pesquisa 41 . No projeto.tempo disponível para realizar a pesquisa.• • • • • • • • Revisão da literatura Problema Hipóteses (caso haja necessidade) Objetivos Metodologia Recursos materiais.a disponibilidade de recursos para a execução do projeto. Deve ser claro. . Não há sucesso na investigação se você não tem gosto e aptidão pelo tema escolhido. .a viabilidade de obtenção de dados e informações sobre o tema selecionado. . . humanos e financeiros Cronograma de execução Bibliografia A seguir vamos acompanhar a explicação de cada um desses passos. como se diz. para uma análise exploratória inicial e para a seleção da teoria e dos conceitos que serão adotados pertinentes ao tema e ao respectivo problema.o pesquisador deve ter uma relativa familiaridade com o tema escolhido. “de saber vender o peixe”. Na realidade. deve-se buscar as fontes bibliográficas a respeito.ser relevante para uma sociedade. Exemplo: • Assunto: violência urbana • Tema: (delimitação do assunto): violência urbana nas grandes cidades do Brasil.do ponto de vista pessoal do pesquisador deve atender ao seu interesse e estar apaixonado pelo tema. com base nos autores Santos (2002) e Máttar Neto (2003). e redigido de tal forma que o leitor compreenda de imediato sobre o objeto de investigação pretendido.

• A hipótese é formulada pela junção da pergunta delimitada com o conteúdo da resposta em uma única frase.: suponhamos que você tenha selecionado pelo critério de maior freqüência de assaltos à mão armada seguidos de assassinatos. pode-se. e também delimitar a extensão do ponto de vista físico. deverá adotar aquela que melhor fundamente a sua pesquisa. uma prévia descrição da problemática levantada. Ex. já explicada anteriormente. Os temas tratados no campo das ciências humanas são analisados sobre diversas óticas. Mas. selecionar. Se você consultar a bibliografia (livros ou site na internet) existente sobre esse tema. Por exemplo: a partir do tema – violência urbana nas grandes cidades do Brasil: Quais as formas de violência são mais freqüentes nas grandes cidades brasileiras? A elaboração do problema requer a compreensão das situações de violência que ocorrem nessas cidades. Sem problema não há pesquisa. pela complexidade das ações sociais. com valores que variam no contexto histórico em que ocorrem. a profundidade. selecionar os tipos mais freqüentes de violência presentes nas grandes cidades. A extensão privilegia uma abordagem ampla do problema. à luz de uma teoria ou uma conceituação clara sobre o seu significado. entre as capitais. Continuando nosso exemplo sobre violência urbana nas grandes cidades brasileiras. levando em consideração seus vários aspectos. a partir da pesquisa exploratória. Por exemplo: A hipótese poderia Metodologia da Pesquisa 42 . irá constatar a multiplicidade de posições e. Esse problema deve ser selecionado e delimitado. A pesquisa exploratória. O trabalho posterior da pesquisa será confirmar ou negar a hipótese. É uma construção intelectual a priori do autor da pesquisa baseada em alguns conhecimentos prévios a respeito do problema que você delimitou.violência. entre essas. Problema O problema é o núcleo em torno do qual se desenvolve uma pesquisa. ou seja. o que é um problema? Geralmente é uma necessidade humana que é transformada em uma pergunta que deverá ser respondida pela pesquisa. investiga a fundo um dos aspectos de um determinado problema deixando de lado outros. deve-se escolher um aspecto bem específico para que dele se extraia o máximo em uma pesquisa. por outro lado. Problema: Qual o perfil sócio-econômico dos grupos que praticam assaltos à mão armada com assassinato? Formulação de hipóteses Muitos trabalhos científicos não necessitam de hipóteses (podem ser simplesmente um estudo bibliográfico sobre um problema). A hipótese é uma solução possível para um problema. Uma pesquisa pode levar em consideração duas abordagens de um determinado problema: a extensão e a profundidade. quais aspectos você irá privilegiar para realizar sua investigação. Falando em termos práticos. Geralmente. é um recurso importante como fonte de informações para que se possa selecionar e delimitar mais precisamente o problema. o processo de seleção e delimitação permitirá escolher quais os aspectos relevantes de um problema. Uma resposta provisória que você elabora que será confirmada ou negada a partir da coleta e análise dos dados.

Metodologia da Pesquisa 43 . diferenciar. classificar. porque deve apresentar claramente aquilo que se pretende com a pesquisa. relatar. localizar. avaliar. • Transformação de cada um dos aspectos em um objetivo. conhecer. Análise . discriminar. determinar. Cada um dos objetivos específicos será uma parte componente da redação final do texto. demonstrar. estruturar. deduzir. reunir. Objetivos Podem ser: Objetivo Geral e Específicos. Exemplo de objetivo geral a partir do problema acima levantado: Descrever e examinar os tipos grupos que praticam assalto a mão armada com assassinato para subsidiar as ações que reduzam esses delitos nas grandes cidades brasileiras. quais as suas expectativas em relação aos resultados de sua pesquisa. provar. escolher. esquematizar.analisar. contrastar. reconhecer. debater.compreender. • Sempre são formulados pela junção de duas partes: uma ação. investigar. citar. sintetizar. produzir. Compreensão . Avaliação – argumentar. organizar. decidir. construir. Objetivos específicos Para resolver o problema proposto pelo objetivo geral é necessário subdividi-lo em objetivos específicos. Portanto. criticar. medir. Deve-se sempre usar um verbo no infinitivo (terminados em –ar. -ir). interpretar. documentar. propor. definir. empregar. veja a seguir uma relação de verbos que indicam diferentes graus de raciocínio: Conhecimento – apontar. concluir. comparar. • Para facilitar a construção de objetivos. praticar. formular. selecionar. traçar. Síntese – compor. • Verificação da suficiência dos objetivos específicos propostos. especificar. Aplicação – aplicar. • Escolha da melhor seqüência lógica. a ser aplicada a um conteúdo. Deve delimitar quais os aspectos a serem abordados na investigação. identificar. -er. descrever. é necessária a organização dos objetivos específicos atendendo a quatro momentos: • Levantamento dos componentes do problema. estimar. reafirmar. julgar.ser (caso os indícios na pesquisa exploratória já apontassem para esta hipótese): O perfil sócio-econômico dos grupos de indivíduos que praticam assaltos a mão armada com assassinato pertence a segmentos de renda média e alta. examinar. diferenciar. Por isso o objetivo é considerado como a espinha dorsal do projeto. discutir. desenvolver. selecionar. Objetivo Geral Explicita onde o pesquisador pretende chegar. operar.

Apresentamos abaixo uma matriz como referência para elaboração de um cronograma: Cronograma de execução das atividades da pesquisa Período 1º semestre de 2006 Atividade Escolha do tema Revisão da literatura Elaboração do problema e hipóteses Metodologia Previsão dos recursos Bibliografia Redação do projeto Encaminhamento do projeto X X X X X X jan X X X X X fev mar abr mai jun jul Metodologia da Pesquisa 44 . cada procedimento deve ser planejado de acordo com sua relação com os objetivos específicos. Cronograma de execução das atividades da pesquisa Trata-se de prever o tempo de execução das atividades previstas. É importante que. para controle e informação do andamento da pesquisa. se leve em conta os recursos já disponíveis para a sua consecução.Metodologia Vimos que metodologia significa o caminho a seguir para a obtenção de dados e informações e alcançar os resultados pretendidos (objetivos). O nível de detalhamento dos recursos depende das exigências da agência de fomento que irá financiar o projeto. Deve-se apontar como será feita a coleta dos dados . É evidente que isso fica a cargo das opções do pesquisador. Caso contrário. Nas aulas 2. quando solicitado pela instituição ou pela agência de fomento. humanos e financeiros necessários para a execução da pesquisa. 3 e 5 você poderá rever os métodos e tipos de pesquisa apropriados para ser adotados na sua investigação. em função do problema levantado. Em relação à escolha das fontes e dos procedimentos de coleta. Portanto.se pesquisa de campo. das hipóteses elaboradas e do objetivo da pesquisa. Previsão dos recursos Prever a utilização de recursos materiais. Os métodos de pesquisa estão umbilicalmente ligados ao problema e aos objetivos definidos para sua pesquisa. é importante elencar as atividades práticas que serão realizadas para a coleta dos dados com os quais serão formulados os raciocínios. experiência em laboratório ou pesquisa bibliográfica. por meio de relatórios parciais. ao propor uma determinada pesquisa. corre-se o risco de não se alcançarem os objetivos propostos.

deve-se levar em consideração sua relevância do ponto vista acadêmico. Seguir os procedimentos apontados no roteiro do projeto é uma das formas eficazes de se alcançar em conhecimentos significativos e relevantes. profissional e social. à relativa familiaridade com o tema. • • 1. o pesquisador deve estar consciente de qual a melhor forma de abordagem de um problema. Síntese da unidade • • O planejamento de uma pesquisa é extremamente importante para que seus objetivos sejam alcançados. desde a elaboração até o final da execução da pesquisa. Metodologia da Pesquisa 45 . a partir de um problema de relevância para seu interesse acadêmico. entre outros. Tema 3. elabore os cinco primeiros passos de um projeto de pesquisa. A seleção do tema deve atender ao gosto pessoal. Lembre-se de que. Objetivos específicos Comentário Para você realizar essa atividade. e sua redação. ao escolher do tema. Você poderá ler alguns projetos já aprovados para familiarizar-se com a linguagem e a forma da redação e. à disponibilidade de tempo. certamente. objetiva e conter todas as informações necessárias para a avaliação correta de quem irá julgar sobre a validade ou não da proposta. Utilizando o roteiro abaixo. Hipóteses 5. de recursos. Como não há um único caminho a ser seguido na pesquisa. 2. Objetivo geral 6. faça uma releitura cuidadosa do tema e elabore um quadro síntese. Problema 4. à relevância social. terá um orientador que acompanhará suas atividades.Redação do Projeto Deve ser concisa.

• Elaborar seu Trabalho de Conclusão de Curso. por LE PLAY (1806-1882). ainda. É comum a apresentação de trabalhos acadêmicos também monográficos. dissertação de mestrado ou tese de doutorado. muitas vezes chamados simplesmente de monografias (monos = um só e graphien = escrever). dissertação de mestrado e tese de doutorado. Dentre os TCCs mais freqüentes. d) em apresentação oral. Nos cursos de doutorado deve necessariamente apresentar uma Por dentro da História A primeira monografia foi publicada em 1855 (embora já viesse empregando o método desde 1830). O TCC poderá ser apresentado da seguinte forma: a) por meio de um artigo sintético para ser publicado em algum periódico. Metodologia da Pesquisa 46 . O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) constitui-se numa atividade acadêmica que visa à sistematização do conhecimento sobre um objeto de estudo ou problemas relacionados com o curso dos acadêmicos. As opções quanto à modalidade desse trabalho dependem das alternativas que a instituição (para quem você vai realizar esse trabalho) oferece para sua escolha. a saber. você recebeu os subsídios fundamentais para a construção de um Trabalho de Conclusão de Curso.7 Elaboração de Trabalho de Conclusão de Curso Objetivos • Conhecer os passos fundamentais para elaboração de um Trabalho de Conclusão de Curso. c) na forma de um livro. e de pós-graduação Lato Sensu. pode ser inovador quanto ao tema ou à abordagem metodológica. O TCC pode ser de natureza prática ou teórica. Introdução Nas unidades anteriores. b) por meio de uma monografia com objetivos acadêmicos (monografia de conclusão de curso). O autor descreve com minúcias o gênero de vida dos operários e o orçamento de uma famíliapadrão daquela classe. LES OUVRIERS EURPÉENS. destacam-se aqueles exigidos para obtenção de graus universitários Stricto Sensu. ou constituir-se em ampliação de trabalhos já existentes em que a idéia central será contestada ou aprofundada. desenvolvido mediante controle. para a conclusão de curso de graduação. orientação e avaliação de um orientador. Para a conclusão de cursos de especialização (Lato Sensu) ou.

O interesse do acadêmico. f. livrarias. Essas estão sempre orientadas para resolver um problema. que pode ser apresentado na forma de uma questão. sobre livros e demais publicações disponibilizados por sites. No caso dos acadêmicos que ainda não exerçam atividades profissionais de qualquer ordem. leitura de outras obras. interesses pessoais. tais como livros e artigos de revistas especializadas de sua área de interesse. por exemplo). deve ser aceitável que o estudante apresente um texto que verse sobre partes de uma elaboração científica plena. pressupõe-se que já se tenha definido uma idéia. em função de seu trabalho. dissertações e monografias em geral. preferências pessoais. por esses se constituírem. Tome Nota!! A escolha de um tema digno de estudo deve resultar em um TCC que: • Corresponda ao gosto e interesse do acadêmico. ou indagação própria. • Propicie experiências duráveis e de grande valor para acadêmico. ou bibliotecas acadêmicas on line. sobre o qual será centrada a investigação. momento profissional em que se encontra (mudança de emprego. facilitando a especialização em uma área específica de seu campo de atuação. Para aqueles que trabalham em alguma organização (pública. Para o sucesso da pesquisa. • Seja viável em termos de levantamento de dados e informações. é conveniente levar em consideração o interesse pelo tema. c. consultas a catálogos de teses. b. Na construção do TCC. ou cooperativas) sugere-se que possa vincular o processo ensino-aprendizagem aos seus problemas organizacionais. Nos demais níveis de graduação respeitando-se sua complexidade deve ser um trabalho que demonstre capacidade do autor em desenvolver conhecimento sobre uma determinada área do saber. melhor ainda. um tema ou assunto. g. privada. entre outras. que tenha despertado interesse de estudo durante a realização do curso. em razão de que poderá contribuir com boas modificações do trabalho. Muitos orientandos ficam perdidos no meio do caminho por não seguir esse critério. do terceiro setor. possivelmente. ou profissionais. assunto discutido no tema 04 desta apostila. por um tema que mereça ser desenvolvido na forma de monografia. d. e. • Corresponda às possibilidades de tempo e de recursos financeiros aluno. troca de mensagens via Internet. Metodologia da Pesquisa . bem como originalidade e utilidade do tema. sociais. um estudo de caso. entre outros. disponibilizadas de forma convencional nas bibliotecas e via Internet. um projeto de pesquisa. surge das mais diferentes maneiras. é aconselhável a escolha de um assunto no qual queiram se especializar no futuro ou. Como escolher um assunto ou tema? Para se chegar à elaboração do TCC. em uma efetiva motivação e utilidade. tais como uma pesquisa bibliográfica. A opinião. informações e dados obtidos em home pages/sites da Internet. ou uma proposta ou avaliação de intervenção organizacional. A escolha do orientador deve seguir o critério da afinidade com o tema e também pessoal. dentre elas: a. formação e conhecimentos prévios do acadêmico. entre outras possibilidades. O tema do TCC pode surgir de situações pessoais. experiência. uma pesquisa empírica. • Possua importância teórica e prática.tese inédita a respeito do problema pesquisado. o conhecimento e a experiência do orientador do TCC também devem ser levadas em consideração. Fique Ligado!! A escolha um tema ligado a suas atividades profissionais poderá capitalizar os resultados da monografia para o seu ambiente profissional. 47 Importante! A apresentação científica é resultado da realização da pesquisa a partir do projeto elaborado.

produz e analisa dados. Ou seja. aplicáveis a um pequeno conjunto de fatores ou variáveis que compõem o campo de estudo abordado. * ver abaixo. ASSUNTO PESQUISA PESQUISA EMPÍRICA BIBLIOGRÁFICA (exploratória) PESQUISA NÃO EMPÍRICA DOCUMENTAÇÃO CRÍTICA À METODOLOGIA INDUTIVA DOCUMENTAÇÃO METODOLOGIA DEDUTIVA RESULTADOS CONSTRUCÃO RESULTADOS REDAÇÃO Apesar de o fluxograma ser auto-explicativo. procedendo sempre pela via do controle empírico e factual. gostaríamos de sugerir uma proposta de fluxograma para facilitar sua tarefa. é preferível escrever de forma detalhada e consistir sobre poucas coisas do que falar genericamente sobre muitas coisas. Redação Definitiva: Consta das 3 partes da construção do TCCIntrodução. será oportuno destacar que: • Pesquisa Empírica: é a pesquisa dedicada ao tratamento da face empírica e factual da realidade. Foi adaptada do livro Como fazer uma monografia. de teorias. a maquete. seja para explicitá-las ou interpretá-las criticamente.Recomenda-se que o assunto. rascunho. seja delimitado para que se possa aprofundar e aprimorar conhecimentos. Escolha de um assunto ou tema Agora que você já possui as noções básicas para construir seu Trabalho de Conclusão de Curso. • Pesquisa não Empírica: é análise conceitual. Desenvolvimento e Conclusão. escrito pelo professor Délcio Vieira Salomon: ESCOLHA DO Dicas para construir o TCC Redação Provisória: fazer primeiramente um esboço. Linguagem Científica: existe a tendência em se descuidar da linguagem quando se redige um trabalho científico. uma vez escolhido. planejamento. Metodologia da Pesquisa 48 . Estrutura Material da TCC: o TCC deve agradar ao público e também o serviço de documentação (obedecer às normas técnicas elaboradas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas).

revistas e demais meios de publicação. Note que toda pesquisa requer levantamento bibliográfico para conhecer o que se pesquisou sobre o assunto. as idéias são ordenadas em títulos. Fique Ligado! A exemplificação para anotação de referências bibliográficas apresentadas neste tema não se limita apenas aos três modelos. 49 Quando redigir use: Correção gramatical. Constitui a referência para analisar os dados da pesquisa realizada. c. Apêndices ou anexos. II. Sobre a revisão bibliográfica Para a construção dos trabalhos de conclusão de curso. No momento de registrar as referências. objetiva. • Redação e construção: é a fase de finalização de todo o trabalho de pesquisa e levantamento de dados. É a fase da crítica da documentação que irá possibilitar a depuração da informação apreendida. Glossário. Linguagem direta. Desenvolvimento. f. detalhamento da metodologia a ser utilizada. • Pesquisa Bibliográfica: (exploratória): momento de coleta de informações relevantes ao tema do TCC em livros. Preocupação em se redigir com simplicidade. Importante! Fundamentação teórica é a seleção de uma teoria a partir do problema levantado e da bibliografia consultada. ou fundamentação teórica do problema a ser investigado. identificada a problemática do trabalho. além das orientações apresentadas no tema 06 (normas da ABNT). Agradecimentos. d. objetivos claramente definidos. Assim. Evite períodos extensos. Introdução. VIII. IV. b. sugerimos a seguinte estrutura: I. concisa. a ironia causticante. O projeto e a estrutura do TCC Um projeto de TCC deverá possuir os seguintes elementos: a. Referências Bibliográficas. Precisão e rigor com o vocabulário técnico. sites. lista de referências Após a construção do projeto e todo trabalho de levantamento de dados para a elaboração do TCC. Nessa fase. capítulo introdutório com a caracterização clara do problema a ser investigado. XI. III. além de uma revisão preliminar da literatura. sem cair no hermetismo.• Metodologia indutiva e dedutiva: veja definições e procedimentos no tema 03. CD-ROM. Página de Dedicatória. Conclusão e Sugestões. deve-se efetuar uma pesquisa criteriosa sobre os diversos autores que abordaram. Para efeito didático. Exposição clara. consulte o manual de normas técnicas da instituição. Sumário V. os recursos retóricos. a instituição onde o acadêmico estiver matriculado se pronunciará quanto à estrutura mínima exigida. tempo de compromisso do orientador. • Crítica à documentação: nem todo material produzido deverá ser levado a público na construção do saber. faz-se necessária a revisão bibliográfica. IX. VI. Folha de rosto. delimitação do estudo e definição de termos. gráficas. chega-se à fase de estruturar legalmente o trabalho. evitando o colóquio excessivamente familiar e vulgar. efetivamente. Metodologia da Pesquisa . condizente com a redação científica. folha de rosto com dados gerais de identificação. • Documentação: é a fase em que as informações coletadas nas diferentes etapas da pesquisa são registradas para balizar a construção do saber na elaboração do TCC. cronograma. Capa. X. VII. figuras etc. e. Quando se tratar de uma monografia. capítulos.

Graziela. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Gilberto. a) O TCC pode ser de natureza prática ou teórica. Olympio. Palmas. Assinale dentre as alternativas abaixo a que NÃO corresponde a uma característica do TCC. apontando-se suas conclusões. TO. 1943. Olympio. efetua-se um apanhado acerca dos limites investigados por cada um dos autores pesquisados. desenvolvido mediante controle. sobre um determinado tema. REIS. tal problema. graduação ou especialização. Sobrados e Mucambos: decadência do patriarcado rural no Brasil. bem como às revistas técnicas e científicas. críticas e observações gerais. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro: J. b) Quando a referência for de vários autores: COELHO. 1 . São Paulo: Nacional. 1943. bem como as disposições reguladas pela instituição em que o aluno estuda. 2005 c) Quando a referência for de várias obras do mesmo autor citadas no mesmo trabalho: FREIRE. Aline Martins.Atenção! A revisão bibliográfica não se confunde com a fundamentação teórica. 1936 Síntese da unidade Para a conclusão dos cursos de atualização. Gilberto. artigos de jornais e outros periódicos. O arranjo das referências deverá estar de acordo com o sistema de chamada autor-data (em ordem alfabética) ou numérica (em ordem numérica.O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) constitui-se numa atividade acadêmica que visa a sistematização do conhecimento sobre um objeto de estudo ou problemas relacionados com o curso dos acadêmicos. UNITINS-EaD. José Kasuo. como aparece no texto). Essa pesquisa não se limita aos autores clássicos. a formatação espacial está normatizada na NBR-6023 de agosto de 2002. será necessário seguir as orientações das ABNT. visando a agregar um caráter científico ao trabalho que está sendo desenvolvido. Rio de Janeiro: J. é exigido a apresentação de um TCC . orientação e avaliação de um orientador. devendo ser estendida às teses e dissertações de mestrado e doutorado. tendo em vista que esta visa apenas à apresentação das diversas opiniões dos autores sobre um determinado conceito. In: Caderno de Conteúdos e Atividades: Curso Seqüencial em Fundamentos e Práticas Judiciárias. OTSUKA. Para a elaboração desse trabalho. Veja alguns exemplos: a) Quando a referência for de apenas um autor: FREIRE.Trabalho de Conclusão de Curso. ___________. Para o registro da bibliografia pesquisada. Metodologia da Pesquisa 50 . 2v. A partir da identificação desses autores.

Como se faz uma monografia. Comentário Para a realização dessa atividade. 1993. São Paulo: Martins Fontes. Referências SALOMON. procure construir uma síntese esquemática da unidade.b) O TCC poderá ser apresentado na forma de um artigo sintético para ser publicado em algum periódico. d) A monografia é uma das formas mais usuais de TCC. Delcio Vieira. Metodologia da Pesquisa 51 . c) O TCC deve necessariamente apresentar uma tese original em qualquer um dos níveis de ensino.

Um relatório escrito pelo então prefeito de Palmares. de redação de textos oficiais escritos sob a forma literária. conforme as diferentes necessidades de comunicação: • Textos literários • Textos oficiais e comerciais • Textos científicos Os textos literários têm objetivo artístico. quem não se lembra das sugestões de produção textual apresentadas pelas professoras do ensino fundamental nos primeiros anos de formação? “Minhas férias”. o memorial. é uma verdadeira peça literária pela linguagem utilizada. Expressam a realidade recriando-a. a fábula. Fique Ligado! Nos dias atuais a importância do estilo de linguagem científica está atrelado ao objeto fim das pesquisas. o parecer. os estilos de redação e as formas básicas de apresentação de textos originários de pesquisa científica e da postura ética na produção e redação de textos. a “Excursão” “O passeio no parque”. como relatórios. resenha. o ofício. o requerimento. resumo e sinopse. a crônica. Como exemplos o memorando. compõem o universo do texto literário. Não se concebe mais pesquisas que não cumpram seu papel: informar e formar. o romance. interpretando-a. a novela. Os textos científicos têm por finalidade comunicar corretamente os resultados de uma pesquisa. Há casos registrados no passado. • Aprender a redigir textos de cunho científico por meio de atividades práticas. a poesia. artigos de pesquisa. A anedota. Introdução Nesta aula vamos abordar os itens necessários ao texto da redação científica. entre tantas outras. por descrição ou por narrativa. p 33-34) distingue três grandes grupos de textos escritos. Os textos oficiais e comerciais têm o objetivo de estabelecer comunicação formal e documentada em ambientes de trabalho institucionais. Metodologia da Pesquisa 52 . século XX. entre outras formas. Graciliano Ramos. Santos (2003.8 Redação Científica Objetivos • Conhecer o estilo e as modalidades de redação de uma pesquisa científica. Nesse quesito entra a comunicabilidade que deverá ser acessível ao leitor. Conceito de Redação Quando se pensa em redação. Vale a pena conferir. A correção da informação implica uma postura Prefira termos de fácil entendimento a expressões arcaicas de dúbio sentido.

em que a concisão é geralmente desejada pelo periódico e pelo leitor. Algumas talvez tenham sido importantes em uma determinada fase do projeto. Itens necessários ao texto da redação científica Na redação de trabalhos acadêmicos. tanto das observações. Metodologia da Pesquisa 53 . acabaram por revelar-se apenas como tentativas de análises ou de experimentos. Outra técnica. colaborará para evitar dúbias interpretações acerca do texto. Esse procedimento possibilita a verificação do alcance da mensagem do texto.precisa e clara. Caso seja necessário. Há observações e argumentos que não contribuem com a idéia central do relato e desviam a atenção do leitor para pontos menos importantes. ilustre seu texto com figuras. talvez. é apresentar o texto a um terceiro para apreciação. Nem toda observação forte durante a execução do trabalho ou que foi lida na literatura deverá ser necessariamente relatado ao leitor. Muita atenção com termos vagos ou que possam ser mal interpretados. se possível.ética. • Precisão na linguagem Na construção de um trabalho científico. mas que terminaram em becos sem saída. muito eficaz. Ao final do trabalho. Deve-se seguir alguns princípios básicos para a promoção de interação entre autor e leitor. sites de pesquisa e outras formas de publicação científica. tese ou artigo. O leitor quer um relato lógico. mas com o aprimoramento da idéia podem ter perdido sua relevância. O pesquisador deve realizar uma cuidadosa releitura sobre a sua redação. Para o leitor. Palavras e figuras que entrarem no texto devem ser escolhidas com cuidado para exprimir o que o realmente o autor deseja e não apenas para ilustrar ou ganhar espaço na construção do trabalho. com a demonstração clara da metodologia utilizada e os procedimentos adotados. colocando-se no lugar do leitor. a linguagem deverá ser além de cunho científico . tabelas. gráficos. Mas necessitam ser decodificadas pelo leitor. como do raciocínio feitos pelo autor. Na seleção da informação que você dispõe. apresente só o que for relevante. Isso é ainda mais importante em um artigo. Será que os signos são facilmente decodificáveis? Muitos têm várias possibilidades de decodificação (muitas palavras têm vários significados). nada deve ficar obscuro ou subentendido. para que a transmissão da informação e a sua compreensão por parte do leitor sejam eficazes. • Objetividade na apresentação Será conveniente escolher criteriosamente o material que será utilizado no texto de uma dissertação. sem a menor significância para a compreensão do texto. fidedignidade aos resultados obtidos. Os vários sinônimos de uma palavra têm diferenças pequenas e sutis entre si. objetivo e. à medida que percorre o texto. artigos para periódicos científicos. Sem qualquer ordem de prioridade. algumas características devem ser observadas pelo autor. retilíneo. alguns tópicos. ei-los: • Clareza de expressões Tudo que tiver sido escrito deve ser perfeitamente compreensível pelo leitor. O uso de signos e símbolos podem guiar o leitor durante a leitura.

O foco da produção científica está na socialização do conhecimento: por isso a necessidade de uma linguagem. uma vez que nesta última a escolha de termos é bem mais ampla. "praticamente todos". De qualquer forma. ou com uma seqüência de idéias que é interrompida por digressões irrelevantes. Se for por ignorância.É mais fácil ser preciso na linguagem científica do que na literária. pois escrever erradamente pode resultar de ignorância ou de desleixo. servindo apenas para confundi-lo e proferir idéias contrárias àquelas que necessariamente o texto gostaria de exprimir. "vários deles" são interpretadas de formas diferentes e tiram força às afirmações. um texto correto expõe os conceitos e a lógica pretendida numa seqüência que constitui um estímulo para o prosseguimento da leitura. Expressões como "nem todos". Metodologia da Pesquisa 54 . não é necessário perder muito tempo e espaço com essa recomendação. • precisão. leva o leitor a desviar a atenção. panfletos informativos. A falta de clareza de um texto aparece muitas vezes acompanhada de ambigüidade. isto é. mas clara para oportunizar a disseminação do conhecimento aprendido na pesquisa. Estilo de redação Na construção de um trabalho científico. falta de ordem na apresentação de idéias. expondo. • Utilização correta das regras da língua Nesse item. podem ser resumidos nas seguintes características: • clareza. Uma redação é clara quando não deixa margem a interpretações diferentes da que o autor deseja comunicar. Fique Ligado! Analise diferentes construções textuais encontradas na literatura. A observância destes princípios devem garantir o máximo de isenção e clareza na descrição da atividade de investigação desenvolvida. quando atribui a cada palavra empregada a tradução exata do pensamento que se deseja transmitir. tais como por exemplo "quer chova ou faça sol" ou "das duas. o estilo da redação deverá ter por referência um conjunto de princípios básicos. A comunicabilidade é um ponto essencial na linguagem científica. uma") devem constituir preocupação sempre presente na redação acadêmica. será um desrespeito ao leitor. cheia de termos desnecessários. a lógica e a continuidade que sustentam as idéias defendidas. quando necessário. o leitor (e membro da Banca Examinadora – quando seu trabalho é passivo de avaliação) terá todo direito de pensar que o trabalho em si também foi feito com desleixo. o que desencoraja fortemente o leitor. Os princípios básicos indispensáveis à redação científica. Se for por desleixo. comuns a outras formas de escrita. Ao contrário. "menos da metade". A leitura torna-se dispersa com a inserção de frases que substituem simples palavras. será aproveitável a consulta aos dicionários e aos textos de gramática. isto é. relatórios publicados em jornais e na internet. Procure identificar o estilo de redação empregada. assim. gibis. mesmo que técnica. jornais. Os assuntos devem ser tratados de maneira direta e simples. ou ainda com maior precisão: "93%". utilização excessiva de termos com pouco uso na língua. a seleção de termos inequívocos e a cautela no uso de expressões coloquiais (de uso comum. A construção de uma linguagem rebuscada. Enfim seja qual for a razão. A linguagem empregada no texto deverá instigar o leitor a “mergulhar na leitura”. Será sempre melhor utilizar expressões como: "cerca de 90%". • comunicabilidade e • consistência. "40%". O uso de coeficientes matemáticos de porcentagem possibilita ao leitor maior clareza do que expressões confusas. O autor é claro quando usa linguagem precisa.

apresenta matéria de categoria diferente da abordada pelas três primeiras. • Consistência da Expressão Gramatical A consistência de expressão gramatical é violada quando. não define com clareza as idéias apresentadas. entre outras regras: (1) identificação da Empresa. um período completo. devendo. ser curioso.A chave para uma boa compreensão deverá ser. Nesse sentido. • Consistência de Categoria A consistência de categoria reside no equilíbrio que deve ser mantido nas principais secções de um capítulo ou subsecções de uma secção. permanece o item 1 e se altera o conteúdo dos itens 2 e 3. o primeiro é um substantivo. (3) ordenar fatos por data". por que abordar a economia indígena? • Consistência de Seqüência A consistência de seqüência está relacionada com a seqüência que deve ser mantida na apresentação de capítulos. por exemplo. o acadêmico deverá buscar uma rotina de pesquisa. consistência de categoria e consistência de seqüência. ora por verbo. a pontuação correta para proporcionar pausas adequadas à compreensão do texto. indicam que o autor precisa melhorar seu modo de escrever Durante as leituras complementares. resumos e citações bibliográficas. será de grande importância para a sistematização de futuros textos. teriam de ser enunciados da seguinte forma: "(2) ordem cronológica de apresentação. a curiosidade levou o homem às grandes descobertas. mesmo que não orientada pelos professores. A quarta secção. pertencer a um outro capítulo. uma frase e o terceiro. (2) organizar por ordem cronológica. Pontuação em excesso cansa a leitura e. Ao contrário. é importante a construção de mecanismos de registros de suas pesquisas como por exemplo a montagem de um banco de dados com textos. o que pode ser analisado de três formas complementares: consistência da expressão gramatical. Para que seja observada a consistência da expressão gramatical. o segundo. como um elemento importante no estilo. Outro exemplo seria o de uma enumeração cujos itens se iniciassem. numa enumeração de três itens. Por último. Um pesquisador deverá. O trabalho baseado na pesquisa levará o aluno a desenvolver competências e habilidades voltadas Lembre-se de que textos longos e complexos. portanto. com frases retóricas e palavras incomuns não demonstram erudição. Metodologia da Pesquisa 55 . deve-se observar. respectivamente. e não menos essencial. Por exemplo: um capítulo cujas três primeiras secções se referem. também. leitura e visão multirreferencial do mundo. A busca de um perfil de pesquisador proporcionará ao estudante mecanismo e rotinas de trabalho que simplificam a tarefa da escrita. Como deve ser o perfil de um pesquisador? Da construção dos trabalhos acadêmicos a artigos científicos ou um simples relatório de leitura. Se o tema do capítulo aborda a história dos povos indígenas. ora por substantivo. No exemplo: "Na análise das demonstrações contábeis. secções e subsecções e deve seguir a ordem lógica organizada no corpo do trabalho. deverá ser observado o princípio da consistência. (3) ordem dos fatos ocorridos”. sem dúvida. o que confunde e distrai o leitor. O hábito da pesquisa. quando deficiente. em primeiro lugar. à história dos indígenas do norte do Brasil e uma quarta secção que trate da produção do artesanato indígena no Brasil está desequilibrado.

informe científico. relatório científico. publicações. méritos. lugar comum.idéias principais. p 33-47). pesquisar. Resenha Consiste no exame e apresentação do conteúdo de obras prontas. artigo científico. existem periódicos especializados e ainda site grátis na internet ávidos a publicar trabalhos científicos. sinopse e resumo. selecionamos algumas formas de redação que julgamos relevantes: resenha. pressupostos para o entendimento do assunto e breve explicação das concluões do autor • Crítica . Formas básicas de apresentação de textos orginários de pesquisas científicas Para Santos (2002. na construção do texto. modismos. organizar um roteiro com as idéias e a ordem em que elas serão apresentadas. realizar diversas leituras do texto escrito. e 9.para o assunto. 8. Metodologia da Pesquisa 56 . jargões. monografia. artigo científico. paper ou comunicação científica. Preferir as mais simples. acompanhado ou não de avaliação crítica. atividades desenvolvidas na área.autor. • Conteúdo . contribuições importantes. 2002. 36). trabalhar com dicionário e uma gramática . iniciar a escrita com frases curtas e simples. Em função dos objetivos deste curso. Estabelecer um plano lógico para o texto. pesquisar. sempre. são considerados textos científicos: resenha. apresentar seus textos aos colegas. sinopse e resumo. usar palavras precisas e específicas. em especial o foco do trabalho. 5. p. usuais e curtas. 6. total de páginas resenhadas.determinação histórica e metodologica (científica. Relatório científico Essa forma de redação será desenvolvida na unidade 9. pesquisar. monografia. relatório científico. textos acadêmicos . evitar regionalismos. jornalística. ensaio científico. abreviaturas sem a devida explicação. Em geral é elaborada por pessoas especializadas no tema abordado. Imprenta: Conjunto de informações identificando a casa editora. Os temores à ignorância vão aos poucos sendo substituídos pela certeza da busca constante. Um bom pesquisador busca sempre uma boa orientação e procura divulgar o fruto do seu trabalho. o pesquisador deverá: 1. • Credenciais do autor . pormenores importantes. 2. sempre checar as informações antes de retratá-la no texto. 4. antes de levar o trabalho a público. palavras e frases longas. Para isso. estilo. 7.a consulta deverá ser feita sempre que as dúvidas surgirem. imprenta. forma. sua localização (cidade) e a data de edição de um livro (ano). artigo relatório. Mas sempre. A resenha deve conter: • Identificação da obra .formação. considerações éticas (SANTOS. didática) da obra. título.dissertação e teses.

portanto. Por outro lado. sem entretanto alterar o que o autor da obra está dizendo. interpretados. A diferença é o formato reduzido (entre cinco a dez páginas). Os dados e informações coletados na pesquisa a partir de um problema. resumo (ou abstract. Não se deve. extraindose as idéias principais do autor e as respectivas argumentações. É um texto analítico sobre um tema específico. tendo como ponto de partida uma hipótese geral ou um princípio (para buscar a verificação com os dados e infomações coletadas em casos particulares). • Palavras-chave. com apresentação concisa das grandes linhas da obra. não há interpretação pessoal sobre a obra do autor. e a redação final deve ser constituida de textos prétextuais. Santos destaca que é uma forma muito útil para a realização de levantamentos bibliográficos.Monografia O projeto elaborado com o planejamento da pesquisa a ser realizada é o ponto de partida do trabalho monográfico. • Autor(res). • Referências bibliográficas (SANTOS. Sinopse e resumo As duas formas são textos reduzidos. • Complementam-no os elementos prós-textuais: • Conclusão. cerca de 10 a 25% do texto original. p. são organizados e trabalhados analiticamente. mas a elaboração sintética das idéias do autor. 41. • Introdução. corpo do trabalho ordenado logicamente em capítulos e textos póstextuais. desenvolvido em profundidade. confome os objetivos propostos no projeto. com redação pessoal. com muitos exemplos. As partes da monografia seguem as orientações já fornecidas na unidade 07. No resumo. • Credenciais do(s) autor(es). conforme dissemos. Deve levantar as idéias essenciais do texto-base respeitando-se a mensagem do autor. Via de regra é elaborada pelo próprio autor da obra. • Sinopse. A sinopse é um texto de 25 a 50 linhas. • Corpo do trabalho. Artigo científico A elaboração do texto de um artigo científico segue os mesmos critérios de uma monografia.42). atinge-se estrangeiros). o corpo do artigo é um trabalho completo: • Título (subtítulo do trabalho). O raciocínio argumentativo poderá ser indutivo (quando parte de experiências e observações particulares para chegar a uma conclusão ou a um princípio geral) ou dedutivo. Como na monografia. 2002.Elaboração de um Trabalho de Conclusão de Curso. o resumo é um texto mais longo. e pode ser resumido. com utilização de referencial teórico. Metodologia da Pesquisa 57 . como na sinopse. considerar o resumo uma transcrição de parágrafos do texto. Muitas vezes o texto resumido é longo.

ou outros livros de metodologia científica. comparando-o a outras matérias e sempre cite a fonte da informação. cuidado com os texto. Ética na produção e redação dos textos Com o advento da internet e agora com as políticas de inclusão social. Numa sociedade virtuzalizada. gráficos. propriedade sintática e clareza semântica. nem todo material encontrado na rede mundial de computadores será confiável. consulte seu orientador. elegância. Analise com cuidado.Sobre as demais formas citadas. simplicidade. Fique Ligado! Ao utilizar material eletrônico coletado da rede mundial de computadores. Na dúvida. Há sites que veiculam conteúdo sério e de grande valor científico. Sempre que optar por utilizar textos. Se estiver num grau avançado de leituras sobre tema pesquisado. Metodologia da Pesquisa 58 . procure identificar a fonte da postagem da informação. O texto deverá respeitar as regras gramaticais da língua e a normatização do documento. Mas cuidado. o autor necessita de árduo trabalho de pesquisa. Mas “postar” um texto em site gratuito. espera-se organização lógica. artigos. notícias encontradas nas páginas da internet.00. Além da confiabilidade da informação. o pesquisador deverá levar em consideração a proteção dos direitos autorais de quem escreve. Para construção de textos precisos. é natural que os direitos de propriedade sejam mais complexos do que numa sociedade essencialmente materializada. p 156-162) trata do tema. È uma obra interessante para você se atualizar nos caminhos da internet. custa. em certos casos. procure certificar-se da informação. você poderá consultar Santos. levando-se em consideração a quantia paga em pontos públicos de acesso à internet. a gama de informação no siber espaço está muito grande. Máttar Neto (2003. dados coletados pela rede mundial de computadores. menos de R$1. concisão. serão necessárias várias tentativas até chegar ao esperado. Publicar um livro no Brasil custa caro. certifique-se de que o autor permite utilização. busque outras fontes. normalmente está descrito ao final do conteúdo com a expressão “permitida a divulgação desde que cite a fonte”. figuras. Mas toda regra tem sua exceção. compare com as idéias coletadas nos livros que você pesquisou. Para que um texto científico venha reunir todas estas características. registro e arquivamento da sua obra. Na produção e impressão de livro. Por isso. Síntese da unidade Na construção da redação científica. seu autor deve conhecer modelos literários apropriados e ter passado por uma experiência de redação científica sistemática.

2.Construa em seu caderno um resumo sobre as formas de linguagem abordadas neste capítulo. revistas. Metodologia da Pesquisa 59 . Comentário Para realizar essa atividade final. Compare vários estilos de escrita em jornais. 1. livros e no próprio material didático que você tem à mão. você deverá rever os conceitos apresentados neste tema sobre a redação científica. Elabore um quadro síntese com as principais formas de redação científica descritas nesse texto.

CAPES. por meio de organismos de fomento à pesquisa. é salutar para o desenvolvimento do saber que os resultados. A sociedade tem então o direito de ter acesso aos seus resultados. é o grande financiador das pesquisas. Quantas vidas não foram poupadas com a ajuda desse medicamento. Todavia. A divulgação dos resultados de uma pesquisa é de fundamental importância para a comunidade científica que poderá validá-la. Introdução A pesquisa científica deve ser comunicada. Um exemplo atual dessa questão são as pesquisas realizadas com células tronco. FAPESP entre outros. No caso brasileiro. em determinados ramos da pesquisa científica. resolvesse guardar sua descoberta somente para si. • Refletir sobre a importância da elaboração de relatórios de pesquisa. Imagine se o cientista que descobriu a penicilina. O Estado. pesquisas desenvolvidas pelo setor privado ainda são raridades. sempre que possível e oportuno. ou não. Apresentaremos nesta unidade o relatório de pesquisa. e então. cujos benefícios se mostram bastante promissores num futuro relativamente próximo. reestruturar seus padrões de investigação ou mesmo aprofundar determinado assunto. Ninguém faz uma pesquisa para guardá-la somente para si.9 Relatório de pesquisa Objetivos • Apresentar as características de um relatório de pesquisa. Metodologia da Pesquisa 60 . pois envolvem grandes somas de investimento e é a forma de muitas empresas garantirem seu faturamento. Dessa forma. Seria uma tragédia. sejam divulgados. especialmente nos países desenvolvidos onde boa parte do investimento em pesquisa é feito por empresas privadas. É importante também para o público em geral que poderá usufruir de seus benefícios de forma direta ou indireta. ferramenta imprescindível para que os frutos de uma determinada pesquisa sejam do conhecimento da comunidade acadêmica e do público em geral. as informações são guardadas a sete chaves. por algum acesso de vaidade. tais como o CNPq.

e que se propõe apenas a relatar. que é mais simples do que uma obra científica final. Na introdução. Por fim. curioso para a leitura integral do texto. resultados de uma pesquisa realizada ou em curso.O que é um relatório de pesquisa? É uma apresentação científica intermediária. O leitor que tiver contato com o relatório deverá identificar com facilidade o objetivo da pesquisa tendo por referência o problema a ser enfrentado. é importante informar ao leitor o que contém cada capítulo. deve-se também justificar a relevância acadêmica e social da pesquisa. Metodologia da Pesquisa 61 . Outro aspecto importante na introdução é a apresentação dos objetivos da pesquisa. Para que a pesquisa seja compreendida é necessário deixar de forma explícita qual problema será abordado. apresentar o objetivo geral que deve ser expresso sem rodeios. provisoriamente. sem descrever os resultados. As demais. Deve estar aí contido de forma bem clara o problema. de preferência em uma frase ou oração curta. Essa justificativa deve servir como um chamariz para que desperte o interesse do leitor. de forma clara e concisa. veja a unidade 08 na qual foram apresentadas. afinal o importante é manter o leitor interessado. Introdução A introdução é o cartão de visitas do relatório. Esse tipo de documento científico tem uma estrutura constituída de: Folha de rosto Dedicatória e agradecimentos Apresentação ou prefácio Lista de gráficos ou tabelas Sumário Introdução Referencial teórico Metodologia utilizada (denominada também como Material e métodos) Resultados e discussão Sugestões/recomendações Conclusão Bibliografia Anexos ou apêndices Glossário Índice remissivo Vejamos passo a passo em que consiste cada uma das partes características do relatório de pesquisa. Inicialmente deve.

o pesquisador poderá apreciar os resultados alcançados e sua coerência com os objetivos propostos e a abordagem teórica utilizada. É fruto de pesquisa bibliográfica e dá ao leitor uma noção da fundamentação teórica adotada para a realização da pesquisa. Sugestões/recomendações Uma pesquisa deve ter relevância científica e social. desde o início da pesquisa. • quais os critérios utilizados para a seleção das informações ou amostras. Essa análise deve ser feita a partir do referencial teórico que o autor da pesquisa apresentou e que guiou o posicionamento do problema no contexto da pesquisa. deve-se levar em conta os aspectos quantitativos expressos na forma de gráficos e tabelas para que facilite a percepção do leitor. • o tratamento dispensado aos dados coletados. tais como: • explicitação do objeto de estudo. É muito difícil que. Por se tratar de uma pesquisa científica. são explicitados também os significados dos conceitos-chave que serão utilizados na pesquisa. Quando se percebe que o projeto é inviável. ele deve ser avaliado e revisto para evitar o constrangimento de realizar uma pesquisa que não atingiu seus objetivos. • os recursos humanos e materiais envolvidos. Resultados e discussão Nessa seção apresentam-se os resultados obtidos. Portanto é importante que o Metodologia da Pesquisa 62 . Nesse momento. não deve ser feita por capricho ou vaidade pessoal. • descrição detalhada e rigorosa dos procedimentos de coleta de dados utilizados. o que exige o acompanhamento de um orientador com relativa experiência no campo em que se realiza a pesquisa. É importante que os resultados apresentados estejam de acordo com a exposição dos objetivos anteriormente citados. Geralmente é realizado na forma de um texto que não deve ocupar uma extensão muito grande no relatório. Metodologia A metodologia deve descrever detalhadamente todos os procedimentos utilizados na elaboração da pesquisa. já se sabe o que se deseja. ao final da pesquisa. • em que contexto se insere a pesquisa. No referencial teórico. se afirme que os objetivos não foram alcançados. Outro elemento a ser abordado nessa seção é a análise dos resultados alcançados. Os pesquisadores iniciantes terão certa dificuldade em realizar essa adaptação.Referencial teórico O referencial teórico é utilizado para explicitar qual é o estado da questão na atualidade a respeito do problema ao qual a pesquisa pretende responder. Geralmente. • a maneira como foram coletados os dados referentes à pesquisa.

acabadas. nem sempre é fácil aceitar os resultados de determinado estudo porque contrariam suas crenças pessoais e seus valores que são fruto de uma mentalidade construída pela cultura em que vive. passa a ser questionada pela comunidade científica e sociedade em geral. Espera-se que o pesquisador demonstre com honestidade as suas conclusões sem a intenção de manipular os resultados para dar uma falsa idéia de sucesso na pesquisa ou agradar a agência financiadora. O que deve ser levado em conta em um relatório? O relatório de pesquisa deve ser um instrumento de divulgação do conhecimento. traduza para a sociedade em geral quais os benefícios na melhoria da qualidade de vida das pessoas que os resultados do trabalho trarão. Para muitas pessoas. É uma síntese dos resultados da pesquisa. Síntese da unidade Nesta unidade. Deixar em aberto novas possibilidades. Qualquer forma de manipulação representa um ato de desrespeito ao leitor e perda da credibilidade da atividade científica. respeitando a profundidade científica da pesquisa. teríamos o engessamento do conhecimento por meio de posturas dogmáticas. o relatório deve levar em conta as pessoas que são leigas e usar uma linguagem que.pesquisador aponte em que áreas deve ser utilizado o resultado de sua pesquisa. formato e postura científica. • Fidedignidade aos dados: a pesquisa precisa ser fidedigna aos dados coletados. Se assim fossem. Conclusão Representa a parte final do trabalho e deve retomar as idéias-chave desenvolvidas no referencial teórico. Essa retomada é necessária para. Alguns elementos devem caracterizar o relatório: • Linguagem clara e acessível: sempre que possível. Se uma pesquisa levanta dúvidas quanto aos seus resultados. as quais não permitem que o conhecimento seja dinâmico e se desenvolva. É necessário que seja acessível ao maior número possível de leitores. as pesquisas devem permitir que novos conhecimentos sejam acrescidos aos seus resultados. Portanto as conclusões nem sempre são fechadas. novamente. situar o leitor no contexto da pesquisa. apresentamos a você os principais elementos de um relatório de pesquisa quanto à linguagem. como a comunidade científica e a sociedade podem se beneficiar de seu trabalho e a relevância da pesquisa para a área do conhecimento em que está inserida. o que pode levar até ao fechamento dos canais financiadores da pesquisa. na metodologia e análise dos dados. A conclusão não deve trazer informações que não estejam contidas no corpo do trabalho. Metodologia da Pesquisa 63 . que devem estar em consonância com o objetivo geral da investigação que foi proposto no projeto.

que é mais simples do que uma obra científica final. experimentação.1. experimentação. Metodologia da Pesquisa 64 . resultados de uma pesquisa realizada ou em curso. d) Análise dos dados. a que indica elementos da estrutura de um relatório de pesquisa: a) Introdução. introdução. c) Comprovação. comprovação. dentre as alternativas abaixo. Assinale. metodologia. resultados e discussão. e que se propõe apenas a relatar.O relatório de pesquisa é uma apresentação científica intermediária. metodologia. b) Introdução. Comentário Releia esta unidade e elabore uma síntese com os pontos principais de um relatório de pesquisa científica. provisoriamente. bibliografia.

• Familiarizar-se com a aplicação das normas da ABNT na construção de alguns modelos de documentos técnicos.0 cm. verifique se há alterações na norma. definiu uma norma (NBR nº 14724) para apresentação de trabalhos científicos caracterizados como monografia.0 cm e direita: 2. você iniciará sua aprendizagem sobre como buscar referências básicas para a elaboração de todos os trabalhos. Antes de formatar o material produzido. O Corpo do Texto Antes de apresentar os elementos do trabalho científico. é conveniente mencionar os padrões para a formatação dos documentos. Na construção do trabalho. recomenda-se usar fonte de tamanho 12 para o texto. dissertação e tese. O importante é que a fonte escolhida seja de fácil visualização.0 cm. Os títulos que aparecem na capa e folha de rosto não devem ultrapassar o tamanho 18. Nota-se que as normas estão em constante revisão. Nele apresentam-se as normas para apresentação gráfica dos trabalhos acadêmicos. A ABNT. O papel a ser utilizado para a digitação ou datilografia do texto é o A4. Metodologia da Pesquisa 65 .10 Normas da ABNT Objetivos • Conhecer as principais normas da ABNT. e tamanho 10 para citações longas (destacadas no texto conforme será visto abaixo) e notas de rodapé.0 cm. inferior: 2. As margens das páginas obedecem ao seguinte padrão: • Superior: 3. esquerda: 3. Usa-se fonte 14 para os títulos de capítulos. Recomenda-se o uso de fonte Arial ou a Times New Roman. Introdução Com este tema. Não há uma norma rígida que defina exatamente como um trabalho deve ser formatado. contudo.

acesso em 15 de maio de 2006.pedagogiaemfoco.0 cm 3.se usar a entrelinha simples. a 2 cm da borda superior. ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha (NBR 14724.4). resenha. O autor deverá preparar uma apresentação (elementos pré-textuais) e um fechamento (elementos póstextuais) de seu trabalho. devem ser contadas para a numeração em algarismos arábicos.br/met07.0cm 2. ela deve ter o espaço duplo (nova norma ABNT) para o corpo do texto (salvo orientação específica do orientador) e. à exceção dos resumos. Esquema representativo das partes componentes de um trabalho acadêmico Adaptado de http://www.3. destacadas do texto.0cm Quanto à entrelinha. a partir da folha de rosto.htm. deve se seguir uma regra simples: todas as páginas. Havendo apêndice e anexo. mas começa-se efetivamente colocar a numeração a partir da primeira página dos elementos textuais (introdução). seja resumo. nas notas de rodapé.. deve .0cm 2. Componentes do trabalho acadêmico/científico A apresentação dos trabalhos acadêmico-científicos. do primeiro ao último volume. as suas folhas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve dar seguimento ao texto principal. Metodologia da Pesquisa 66 . Desenvolvimento e Conclusão. indicações de título e fonte das figuras e das citações longas. item 5. A numeração é colocada no canto superior direito da folha. Títulos e subtítulos de seção devem ser separados do texto precedente e do subseqüente por duas entrelinhas duplas. No caso de o trabalho ser constituído de mais de um volume. deve conter três requisitos lógicos estruturados: Introdução. Na paginação do documento. deve ser mantida uma única seqüência de numeração das folhas. relatório etc.pro.

*** Obrigatórios em todo trabalho acadêmico.título (e subtítulo. pois o identifica. Metodologia da Pesquisa 67 .se houver mais de um volume. ** Obrigatoriedade restrita a determinados tipos de trabalhos. . Elementos pré-textuais • Capa .cidade e ano/semestre de conclusão do trabalho.nome da instituição onde o trabalho foi executado (opcional). se houver) do trabalho. Os elementos da capa são os seguintes: .Independentemente do nível do trabalho. . . a capa é obrigatória em qualquer trabalho acadêmico. a especificação do respectivo volume.Índice * Anexo ** Apêndice * Glossário * Referências *** Conclusão *** Desenvolvimento *** Introdução *** Sumário *** Elementos pós-textuais Elementos textuais Lista de Símbolos * Lista de Abreviatura * Lista de Tabela * Lista de Ilustração * Abstract * Resumo ** Epígrafe * Agradecimentos * Dedicatória * Folha de Aprovação ** Errata * Folha de Rosto *** Capa *** Elementos pré-textuais ATENÇÃO: * Opcionais.

o conteúdo do trabalho. Não é contado na numeração dos documentos. • O nome do autor ou dos autores do trabalho. É a citação de uma frase de algum autor que expresse. assinatura dos componentes da banca e as instituições a que fazem parte. • Epígrafe . que vem após a folha de aprovação. titulação. • Folha de aprovação – Elemento obrigatório da monografia e outros trabalhos a serem submetidos à aprovação. mostrando seu anverso e deve conter os seguintes elementos: • As mesmas informações contidas na capa. sua elaboração necessita de criatividade e imaginação.Também opcional. • Agradecimento – Representa a revelação de gratidão àqueles que contribuíram na elaboração do trabalho. • Abstract ou Resumo em Língua Estrangeira – Obrigatório em artigos científicos destinados a publicação em periódicos especializados. contém informações essenciais à identificação do trabalho e deve manter coerência de forma com a capa. Consiste numa apresentação sucinta do conteúdo do trabalho. • Dedicatória .Elemento opcional. permitindo uma visão rápida. O resumo deve.• Folha de Rosto – Também conhecida como contra-capa. clara e geral desse conteúdo e das conclusões a que o autor chegou ao realizá-lo. Pode estar localizada também nas folhas de abertura das seções primárias. Esse elemento é de cunho bastante pessoal e. • Natureza • Objetivos • Nome da instituição • Área de concentração • Data da aprovação • Nome. Metodologia da Pesquisa 68 . Não possui título. de certa forma. Deve vir acompanhada do nome do autor da frase. A folha de rosto deverá vir logo após a capa. • As informações essenciais da origem do trabalho. devidamente centralizado. teses e artigos científicos. Também é um item dispensável. mostra um vínculo de relação íntima ou de apreço. • Resumo em Língua Portuguesa – Elemento obrigatório em monografias. portanto. Deve vir após a folha de rosto e deve conter os seguintes elementos: • Nome do autor • Título (e subtítulo. A localização fica a critério da estética do autor do trabalho. se houver) do trabalho. de forma consistente. permitir que o leitor decida sobre a necessidade de consultar ou não o texto. portanto não existe um elemento básico normatizado. sendo simplesmente indicado pela palavra Resumo.

sua área do conhecimento e tema abordado). Não existe nenhum padrão em termos de número de páginas. em linhas gerais. É um item opcional. Elementos Textuais Os elementos textuais consistem no corpo do trabalho propriamente dito.Abreviações e siglas apresentadas no texto. tabelas etc. exposta pelo seu autor em três partes fundamentais: introdução. • Introdução visa a contextualizar o trabalho acadêmico (discorre sobre que tipo de trabalho foi realizado. portanto. Caso haja mais de um tipo pode ser apresentado separadamente (fotografias. a idéia anunciada na introdução é trabalhada sob a forma de capítulos. Essas três partes estão logicamente encadeadas: na introdução. delinear o quadro teórico no qual o trabalho foi desenvolvido. desenvolve e conclui as idéias que constituem o trabalho acadêmico apresentado. bem como apresentar uma indicação de sua importância ou relevância. Consiste na enumeração das principais divisões. seções e outras partes do trabalho com a indicação das respectivas páginas. entre as quais: De que trata o assunto? Qual a situação – problema levantada? Em que se fundamenta o estudo? Qual o objetivo do pesquisador? Qual o relato histórico do problema? 69 . • Sumário: Conforme NBR. Veja no sumário desta apostila o que destacamos neste parágrafo. com o nome da ilustração e a página onde se encontra. • Desenvolvimento do trabalho é composto por tantos capítulos ou subtítulos quantos se fizerem necessários para a solução do problema de pesquisa ou trabalho. apresentar o problema de pesquisa. após introdução. algumas perguntas devem ser respondidas. no qual o autor classifica o trabalho de acordo com critérios Metodologia da Pesquisa Para auxiliar na elaboração da introdução.• Lista de Ilustrações . A matéria do trabalho é. no desenvolvimento. 6027. os professores estipulam seu limite conforme a necessidade do trabalho solicitado). • Lista de Abreviações e Siglas .Apresentada na ordem em que aparece no trabalho.). são ordenados os capítulos desenvolvidos sobre o tema que constituem. definir seus objetivos (geral e específicos) e limitações (estas são opcionais). a introdução pode ser considerada como uma espécie de apresentação do trabalho. Um capítulo que pode ser apresentado no desenvolvimento são as metodologias. Geralmente. apresentada em ordem alfabética. na conclusão. o sumário é o último elemento pré-textual de caráter obrigatório. resume-se o que se alcançou e fecha-se o trabalho. O autor apresenta. As divisões deverão ser elaboradas em números arábicos. Em relação ao tópico desenvolvimento do trabalho. gráficos. cuja investigação e solução foram tratadas ao longo do estudo. anuncia-se o que se pretende fazer. desenvolvimento e conclusão. É um item opcional. A grande maioria dos trabalhos acadêmicos exigirá a apresentação de um referencial teórico. trabalhos muito curtos não devem ser antecedidos por uma introdução muito longa. devendo a introdução ser elaborada de maneira equilibrada em relação ao conteúdo do trabalho (ou seja. na realidade. ou seja. Alguns autores defendem o uso do termo Considerações Finais no lugar de Conclusão. A revisão da literatura a respeito do tema do trabalho pode ser dividida em tantos capítulos quanto forem necessários. a essência do trabalho.

e as recomendações feitas são apresentadas sinteticamente (devem-se evitar recomendações que sejam polêmicas ou controversas na conclusão.1. conhecidas até a revisão de 2000 da NBR 6023 como referências bibliográficas. e que os capítulos podem ser divididos em seções. a caracterização da instituição. Em relação à apresentação dos capítulos do desenvolvimento. O título mais geral se deve ao fato de que. hoje em dia. as conclusões devem apenas trazer o que já foi tratado no trabalho. no início deste material. É essencial que as conclusões permitam analisar até que ponto os objetivos definidos na introdução foram cumpridos pelo autor do trabalho. na maior parte. Um aspecto que não pode ser esquecido: conclusões não podem introduzir elementos novos no trabalho. devem ter dimensões bem maiores que trabalhos apresentados para uma disciplina. análise e tratamento dos dados constantes do trabalho. existem muito mais opções de obras que podem ser usadas como referências. Elementos Pós-Textuais Os elementos pós-textuais são. não sendo aconselhável ir além disso. Relatórios de estágio. não somente os livros e textos impressos.Consiste num fechamento do trabalho. Na construção dos elementos textuais. mas não tão fundamentais que exijam sua colocação ao longo do desenvolvimento do mesmo. apresentando-se somente os aspectos que possam ser considerados aceitáveis sem maiores discussões). em que os principais aspectos abordados são recapitulados resumidamente. • Conclusão ou Considerações Finais . A conclusão do trabalho também pode apontar possibilidades de estudos mais profundos ou outros problemas que possam vir a ser objeto de análise pelo autor ou por outros pesquisadores. por exemplo. dá-se preferência ao termo considerações finais no lugar de conclusão. A numeração dos capítulos e seções é progressiva e utiliza algarismos romanos ou arábicos. As referências consistem numa listagem das obras consultadas e citadas ao longo do trabalho. Naturalmente. • Referências.previamente definidos e apresenta os métodos e técnicas utilizados para a coleta. é preciso lembrar que cada capítulo inicia uma nova página. como importante para a compreensão do trabalho. elementos opcionais. as observações elencadas na unidade 5 serão utilizadas. apresentadas de acordo com os padrões definidos pela NBR 6023:2002. Mesmo que corram o risco de ser repetitivas. A numeração dos títulos deve ir até três algarismos (1. síntese. repercussão e encaminhamentos futuros de trabalho na conclusão. Outros elementos podem ser agregados de acordo com as necessidades do trabalho. Em alguns trabalhos (como os relatórios de estágio).1. projeção. A NBR 14724:2002 considera opcionais os aspectos referentes à importância. as dimensões dos elementos textuais num trabalho acadêmico são muito variáveis. bem como as limitações do estudo desenvolvido. permitindo ao leitor identificar e consultar as fontes originais sobre as quais se baseou o trabalho. Veja o exemplo no índice de referências bibliográficas. e constituem-se de todos aqueles documentos cuja apresentação é considerada. por exemplo). caso não tenham sido apresentadas na introdução. de acordo com o critério estabelecido pelo autor. pelo autor. pois trabalham com maior número de elementos. Metodologia da Pesquisa 70 .

São identificados pela expressão APÊNDICES (em maiúsculas). Apêndices e anexos devem ser antecedidos por lista específica. já referida anteriormente. As palavras devem ser apresentadas em ordem alfabética.• Glossário apresenta palavras e expressões técnicas de uso restrito ou de sentido obscuro. seguido de suas definições. deixando mais tempo livre para a autêntica produção. • Anexos. é conveniente antecedê-las por uma folha de identificação. por sua vez. • Apêndices apresentam textos ou documentos elaborados pelo próprio autor do trabalho e complementam a argumentação desenvolvida por ele. na qual eles são devidamente identificados. são documentos não elaborados pelo autor e usados para fundamentar. Metodologia da Pesquisa 71 . Na hipótese de serem apresentadas como anexos. por exemplo). As páginas dos anexos são numeradas em seqüência aos elementos textuais. a página inicial das seções apêndices e anexos deve ser colocada de acordo com a regra de apresentação do sumário. não devendo ser numeradas. por letras maiúsculas consecutivas e por um travessão separando-os do título (na hipótese de existirem mais elementos do que letras no alfabeto usam-se letras dobradas: apêndice AA. No sumário. Seu sistema de identificação é semelhante ao dos apêndices. Para evitar a perda de tempo na disposição espacial dos trabalhos acadêmicos apresentamos alguns modelos adotados pela UNITINS. cópias de documentos. comprovar ou ilustrar a argumentação deste. que poderão facilitar essa tarefa. nas quais não seja possível acrescentar um título.

.......... 04 2 A PRÁTICA DA LEITURA ... Acadêmicos Palmas.......... 2006 Exemplo de sumário. entrevistas.......... dessa obra de Máttar Neto descreve a Metodologia da Pesquisa 72 .....BALANÇO PATRIMONIAL...3 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE .............. O item 6.... 09 CONSIDERADÕES FINAIS ................15 Modelos de Sumário e página de introdução ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ ________________________ Documentos não previstos na NBR 6................. dos Cursos Ciências EaD da UNITINS....... SUMÁRIO INTRODUÇÃO.... correspondência (cartas... A introdução é a primeira página numerada.......... bilhetes e telegramas).................................... 05 2.................2....... TO........................................... Palmas -TO.......1....07 3 DESCRIÇÃO.........023 Você poderá consultar o texto de Máttar Neto (2003.. TO.... Entre os quais: programas de televisão e rádio..... 13 ANEXOS ...BALANÇO PATRIMONIAL...................9.............. 12 INTRODUÇÃO REFERÊNCIAS ..... p 216: 223) sobre a forma de referências a documentos ainda não previstos pela NBR..... 2006 Relatório apresentado como prérequisito avaliativo da disciplina Metodologia da Ciência e da Pesquisa.........................2......07 2.... informação verbal..Modelos de Capa e Folha de rosto FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS UNITINS CIÊNCIAS CONTÁBEIS EAD METODOLOGIA DA CIÊNCIA E DA PESQUISA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS UNITINS CIÊNCIAS CONTÁBEIS EAD METODOLOGIA DA CIÊNCIA E DA PESQUISA RELATÓRIO DE PESQUISA: A PRÁTICA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DE PESQUISA: A PRÁTICA DE LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE Acadêmicos Palmas............. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS .......... O autor apresenta sugestões para formatação das referências a alguns documentos que não estão incluídos na norma.........

Metodologia da Pesquisa 73 . Síntese da unidade Você ficou conhecendo as principais normas da ABNT para elaboração de um trabalho científico. O esquema representativo das partes componentes de um Trabalho Acadêmico apresentado nesta unidade pode contribuir para uma melhor revisão do tema tratado.atual situação quanto ao uso de documentos eletrônicos. Essas normas estão em constante revisão. Pesquise em um site de busca uma monografia e avalie o formato da apresentação e a consistência do conteúdo apresentado Comentário A análise de uma monografia lhe permitirá se familiarizar com o processo de construção de um trabalho científico a partir das normas da ABNT. Vale a pena conferir.

Metodologia da Pesquisa 74 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful