Você está na página 1de 6

VlI.3

PROIBIÇÃODOABUSODEPODERPElOSSrPERIOlli

Todas as formas de abuso de poder

~rnem permitidas

e tampouco

toleradas

são antiéticas

e não de\"em éticas.

pelas empresas

As principais lle serão tratadas

formas de abuso de poder, além do assédio sexua~.

no subitem

VII.5

são:

· Arrogância, assim entendidos

a soberba,

a insolência,

o atrevi-

mento, o descaso com os direitos de cidadania alheios.

· Intolerância sem base lógica, caracterizada pela responsabi- lização de alguém por um acontecimento ruim, mesmo que não lhe tenha sido possível evitá-Io.

· Indisponibilidade ou dificuldade para ouvir os outros.

· Narcisismo profissional, caracterizado pelo excesso de auto-ad- miração, transformando-se nas manifestações mais patológi- cas no hábito de creditar todos os feitos bons a si mesmo.

· Descortesia

· Gritos e ameaças.

· Violência física contra colegas e subordinados.

· Coação moral e constrangimentos.

· Perseguições.

· Atentados

· Vinganças

para com os colegas de trabalho.

contra

pessoais

a liberdade

ou atitudes

individual

dos empregados.

não-profissionais

de disputa

de

carreira

ou de poder.

· Punições indevidas.

· Avaliações

de desempenho

injustas.

VlI.5

PROTEÇÃOCONTRAASSÉDIOSEXUAL

Os princípios

ética:

empresa

éticos

aplicáveis

ao assunto

determinam

que

a

· estabeleça uma norma escrita, dispondo com toda a clareza que

não permitirá

e nem tolerará assédio sexual nas relações de

trabalho;

· treine e conscientize o seu pessoal sobre o tema, alertando a

todos para não incidir em comportamentos que possam carac- terizar assédio sexual;

· receba denúncias através do seu canal de comunicação e esta-

beleça uma forma de levantamento e avaliação dos fatos para cada uma delas;

acima. As pu-

nições deverão levar em conta o nível de conscientização

o assunto, exigível do infrator, considerados os treinamentos específicos a que tenha sido submetido e a sua obrigação de liderar pelo exemplo;

· proceda

a punições

por violações dos princípios

sobre

· crie um ambiente de trabalho no qual todas as pessoas possam

ser vistas pelas outras exclusivamente como profissionais.

O Brasil ainda não tem uma regulamentação

específica

sobre a

matéria, mas algumas condutas já são passíveis de punição dentro do atual Código Penal.

O anteprojeto

de Código

Penal em elaboração

no Ministério

da

Justiça

contém

de detenção

previsão específica sobre a matéria e estabelece

a pena

de seis meses a dois anos e multa.3

O assédio

sexual

consiste

de uma

abordagem,

gesto,

convite,

sugestão, exposição, comentário, atitude ou qualquer outra ação, de natureza sexual, praticada por um agente contra uma vítima. Para

pela

vítima.

caracterizá-Io,

é preciso

que a ação do agente não seja desejada

3 Há também

o projeto

da Silva, transformando

de Lei nO 235/95,

em

tramitação

no Senado

Federal,

de autoria

da senadora

Benedita

o assédio em crime, mas prevendo

as mesmas punições para as falsas denúncias.

PRINCÍPIOS

ÉTICOS APLICÁVEIS ÀS RELAÇOES COM EMPREGADO~

Mesmo

for

este não

que

por

a vítima

permita

ou

ela desejado,

restará

se conforme

caracterizado

com

o assédio,

o ilícito.

se

femini-

no, ou apresentar orientação sexual diversa do seu aparelho biológi- co. Da mesma forma, a vítima também pode pertencer a qualquer uma dessas categorias.

agente do assédio sexual pode ser do sexo masculino,

o

o assédio pode se caracterizar, principalmente, por ações, ges- tos, palavras e atitudes.

As principais

ações

e gestos

podem

ser:

· Escrever e endereçar à vítima, ou colocar em local onde esta

possa ler, carta, bilhete, mensagem, e-mail ou qualquer outro

escrito, contendo

relacionamento

um convite,

sugestão

ou insinuação

sexual.

de um

íntimo,

amoroso

ou de natureza

· Efetuar o agente um contato físico com a vítima, desde aperto

de mão, abraço

profissional, até toques no corpo da vítima.

ou outro que não possa se classificar como

· Exibir o agente partes íntimas do seu próprio corpo à vítima.

· Portar, manter ou exibir material pornográfico no ambiente de trabalho. Para os fins desse item, a empresa pode classificar como material pornográfico toda e qualquer publicação (livro,

vídeo,

que

revista, jornal),

fotografia,

obras

em CD

e outros

contenham

cenas ou situações pornográficas,

ou de sexo

ou de

nudez.

As principais conter:

palavras

caracterizadoras

do assédio sexual podem

 

·

convites em geral, quer seja para almoço, jantares, eventos, en- contros ou quaisquer outros;

·

referências verbais a qualidades estético-corporais da vítima,

e

ainda que sob a forma de elogio;

 

·

elogios indevidos à vítima, demonstrando claramente um ato preparatório de uma abordagem sexual;

·

declarações de sentimentos, ainda que amorosos;

143

· piadas e brincadeiras de mau gosto sobre o sexo oposto ou so- bre a vítima e qualquer de suas características ou sobre qual- quer assunto de natureza íntima ou sexual;

· qualquer outra comunicação, insinuação, interpelação ou inda- gação de natureza íntima ou sexual.

do agente, que podem

caracterizar o assédio. A mais comum no Brasil é o "olhar que despe".

Pode

cunstâncias.

As atitudes

são as demais

um simples

manifestações

suspiro,

ser também

dependendo

das demais

cir-

Os tribunais norte-americanos têm tido a oportunidade de ofere- cer grandes contribuições ao estudo e regulamentação da matéria. Eles costumam buscar em cada caso certas características indicadoras da

ocorrência

em um caso concreto,

quando

efetiva

do assédio.

quase

São circunstâncias

que asseguram

que, se presentes

do ilícito,

a existência

alegado

pela vítima. São elas:

· A troca de favores, consistente na prática do agente de premi-

ar a vítima ela concorde

com uma decisão

profissional,

ou tolere o assédio.

na medida

em que

· O ambiente hostil caracterizado pela imposição de hostilida- de à vítima, no ambiente de trabalho, quando ela não consente e nem tolera o assédio.

que, em ca-

sos de assédio sexual, Cjuando a vítima for mulher, o julgador procure analisar os fatos sob uma perspectiva feminina. Isso porque, segundo eles, há certos comportamentos em relação ao sexo oposto que os homens consideram normais há séculos, mas que as mulheres jamais aceitaram como legítimos.

Esses mesmos

tribunais

têm recomendado

também

Conforme

já visto,

o assédio

sexual

pode

sujeitar

o agente

a

procedimento

e condenação

criminal.

Essas penalidades

tendem a

se exacerbar

no futuro, principalmente

com o advento

do novo

Có-

digo Penal.

PRINCiPIaS

ÉTICOS APLIcA VEIS ÀS RELAÇÓES COM EMPREGADOS

A empresa pode ser responsabilizada

no campo cível se: tiver se

omitido em claramente proibir a prática, ou se, mesmo proibindo, tiver deixado de tomar providências para fazer cessar um caso con- creto, ou para punir o agente.

A responsabilidade

civil poderá

gerar para a empresa o dever de

pagar indenização

à vítima, inclusive por danos morais.

CASO

PARA ESTUDO

NU ~i7 (FICTÍCIO)

o sr. "WW" era diretor da "Z do Brasil". A "Z Estrangeira",

controladora da Z do Brasil, havia enviado uma equipe de audito- res para revisar as operações locais. Dois deles, do sexo masculino, passaram a revisar diretamente os trabalhos do sr. WW e a despender horas do dia e da noite conversando com ele, para com- preender as atividades locais. Muitas vezes, os três foram jantar juntos. Ao final da auditoria, o sr. WW imaginou um jantar de des- pedida e convidou para acompanhá-Io e aos auditores uma exe- cutiva, administradora de empresas, de nome "AA", e duas outras analistas de negócios, também administradoras de empresa "BB"

eram

das direta ou indiretamente ao sr. WW. Ao final do jantar, AA fi-

cou só na mesa com um dos auditores, o RR, quando os demais comensais foram à toalete. RR dirigiu-se a AA e, sem maiores ro- deios, convidou-a para passar a noite com ele, em colóquio amo- roso e sexual, no hotel em que estava hospedado. AA indignou-

e "EE".

Todas as convidadas

solteiras,

jovens

e subordina-

e na manhã seguinte apresentou à Z do

Brasil uma reclamação formal de assédio sexual por parte de RR. Este, interrogado pelo advogado da empresa, declarou que não reconhecia ter incidido no ilícito do assédio sexual, porque: nas circunstâncias, imaginou que o sr. WW houvesse se entendido pre- viamente com as moças para que estas agradassem aos auditores,

o que parecia terem elas concordado com a sua presença no even-

to, e AA usava saia curta e blusa extremamente decotada, o que significava, no entender de RR, que ela estava emitindo uma men-

sagem implícita de receptividade a um convite de natureza sexu-

al. Finalizou dizendo que se AA queria o convite, o que na opinião dele ficava comprovado pela mensagem sexual implícita ("roupas" .

não

não desejado pela vítima.

se, deixou o ambiente,

havia o elemento principal do assédio, que é o fato de ser ele

QUESTÕES

PARA REFLEXÃO

a. Você consegue imaginar alguma justificativa ética para o pro- cedimento.do sr. WW levando as suas subordinadas para jantar com os auditores?

b. Você acredita

que elas foram ao jantar

por livre e espontânea

vontade?

c. Na sua opinião,

há fundamento

de defesa do auditor?

ético no primeiro

argumento

d. E em relação ao segundo?