Você está na página 1de 6

´

Algebra Linear I - Aula 5

1. Produto vetorial.

2. Aplica¸c˜oes.

3. Produto misto.

Roteiro

1 Produto vetorial

Defini¸c˜ao: Dados vetores u¯ = ( u 1 , u 2 , u 3 ) e v¯ = ( v 1 , v 2 , v 3 ) de R 3 definimos o produto vetorial u¯ × v¯ como o vetor

u¯ × v¯ =

j

u 1 u 2 u 3

v 2 v 3

v 1

i

k

=

u 2 u 3 v 2 v 3

,

u 1 u 3 v 1 v 3

,

u 1 u 2 v 1 v 2

,

onde

i = (1 , 0 , 0) ,

j = (0 , 1 , 0) e k = (0 , 0 , 1) .

1.1 Propriedades do produto vetorial

O vetor u¯ × v¯ ´e ortogonal aos vetores u¯ e v¯, isto ´e,

u¯ · u × v¯) = v¯ · u × v¯) = 0 .

Para provar a afirma¸c˜ao ´e suficiente interpretar u¯ · u × v¯) como um determinante com duas linhas iguais. Veja que

u¯ · u × v¯) = ( u 1 , u 2 , u 3 ) ·

= u 1

u 2 u 3 v 2 v 3

u 2 u 3 v 2 v 3

,

u 2

u 1 u 3 v 1 v 3

=

u 1 u 2 u 3 u 1 u 2 u 3 v

3

v 1 v 2

= 0 .

1

u 1 u 3 v 1 v 3

+ u 3

,

u 1 u 2 v 1 v 2

=

u 1 u 2 v 1 v 2

=

u¯ × v¯ = v¯ × u¯ (a troca da ordem de duas linhas de um determinante muda o sinal).

u¯ × u¯ = 0 (um determinante de uma matriz com duas linhas iguais vale zero).

u + u¯ ) × v¯ = (¯u × v¯) + (¯u × v¯),

( σ u¯) × v¯ = σ u × v¯), para todo σ

u¯ × v¯ = 0 se, e somente se, os vetores u¯ e v¯ s˜ao paralelos (¯v = σ u¯ ).

R.

Tamb´em temos as seguintes propriedades:

O m´odulo do produto vetorial u¯ × v¯ ´e a ´area de um paralelogramo de lados u¯ e v¯, (lembre o significado geom´etrico de um determinante dois por dois como ´area de um paralelogramo).

O m´odulo do produto vetorial verifica a f´ormula:

||u¯ × v¯|| = ||u¯ || ||v¯|| sen α,

onde α ´e o ˆangulo entre os vetores u¯ e v¯.

Orienta¸c˜ao do vetor u¯ × v¯: o sentido de u¯ × v¯ pode ser determinado usando a regra da m˜ao direita, se θ ´e o ˆangulo formado pelos vetores u¯ e v¯, e u¯ ´e girado um ˆangulo at´e coincidir com v¯, se os dedos da m˜ao direita se fecharem no sentido desta rota¸c˜ao ent˜ao o polegar aponta no sentido de u¯ × v¯. Dito de outra forma, primeiro colocamos o canto da m˜ao coincidindo com o primeiro vetor com a parte que corresp onde ao dedo polegar sobre a origem do vetor. Depois fazemos girar a m˜ao at´e coincidir con o vetor v¯ (usando o caminho mais curto), deste jeito, o polegar apontara no sentido do vetor u¯ × v¯.

Exemplo 1. Verificam-se as igualdades

i × j = k,

i × k = j,

2

j × k = i.

Observa¸c˜ao 1. N˜ao ´e v´alida, em geral, a f´ormula

u¯ × v × w¯ ) = (¯u × v¯) × w.¯

Por exemplo,

pois j × j = 0 ). Por´em

i × ( j × j) = 0

( i × j) × j = k × j = i.

Portanto, a express˜ao u¯ × v¯ × w¯ n˜ao tem sentido: s˜ao necess´arios parˆenteses para saber quais s˜ao os produtos vetorias que devemos calcular.

2 Aplica¸c˜oes do produto vetorial

2.1 C´alculo da ´area de um paralelogramo

Exemplo 2. Determine a ´area do paralelogramo de v´ertices (0 , 0 , 0) , (1 , 2 , 3)

e (2 , 1 , 1) .

Resposta: A ´area ´e igual ao m´odulo do produto vetorial dos vetores (1, 2 , 3) e (2 , 1 , 1). Temos que

(1 , 2 , 3) × (2 , 1 , 1) =

i

1

2

j

2

1

k

3

1

= ( 1 , 5 , 3) .

Verifiqe que este vetor ´e ortogonal aos vetores (1, 2 , 3) e (2 , 1 , 1). Temos

( 1 , 5 , 3) = 1 + 5 2 + 3 2 = 35.

Portanto, a ´area ´e 35.

Quest˜ao 1. O quarto v´ertice do paralelogramo do exemplo anterior est´a determinado? Quantas possibilidades existem? (um desenho ajuda, veja os desenhos do significado geom´etrico do determinante).

Exemplo 3. Considere um paralelogramo P cujos v´ertices s˜ao a origem, o ponto A = (1 , 2 , 3) e um terceiro v´ertice C na reta ( t, t, t) . Determine C de forma que o paralelogramo P tenha ´area 1 .

3

Resposta: Para cada t, sejam C t = ( t, t, t) e P t um paralelogramo com

v´ertices (0 , 0 , 0), (1 , 2 , 3)

ponto procurado ´e (por exemplo) C = (1 / 6 , 1 / 6, 1 / 6).

Existem outras possibilidades? Em caso Caso afirmativo determine os

e ( t, t, t). A ´area de P t ´e |t| 6 (justifique). Logo o

diferentes casos.

2.2 C´alculo do vetores ortogonais a dois vetores dados u e v

Observe que dados dois vetores u¯ e v¯ para determinar um vetor ortogonal aos dois vetores ´e suficiente calcular u¯ × v¯.

Exemplo 4. Determine um vetor ortogonal a u¯ = (1 , 2 , 3) e v¯ = (2 , 1 , 1) .

Resposta: Por exemplo, o vetor u¯ × v¯ = ( 1 , 5 , 3) (verifique, usando o

produto escalar, a ortogonalidade).

3 Produto Misto

Dados trˆes vetores de R 3

u¯ = ( u 1 , u 2 , u 3 ) ,

v¯ = ( v 1 , v 2 , v 3 ) e w¯ = ( w 1 , w 2 , w 3 )

definimos o produto misto u¯ · v × w¯ ) como

u¯ · v × w¯ ) =

u 1

v 1

v

2

u 2 u 3

v 3

w 1 w 2 w 3

.

Observe que a express˜ao (¯u · v¯) × w n˜ao faz sentido: n˜ao ´e poss´ıvel calcular o produto vetorial de um n´umero (¯u · v¯) por um vetor.

3.1 Significado geom´etrico do produto misto

Propriedade 3.1 (Volume e produto misto) . O valor absoluto

|u¯ · v × w¯ ) |

´e o volume do paralelep´ıpedo de arestas u¯ , v¯ e w¯ .

4

n¯

n ¯ u ¯ w ¯ v ¯ h Figura 1: Produto misto Prova: Para provar

u¯

u ¯ w ¯

w¯

n ¯ u ¯ w ¯ v ¯ h Figura 1: Produto misto Prova: Para provar

v¯

h
h
n ¯ u ¯ w ¯ v ¯ h Figura 1: Produto misto Prova: Para provar

Figura 1: Produto misto

Prova: Para provar a propriedade considere o vetor n¯ = v¯ × w¯ . Suponha que a base do paralelep´ıpedo cont´em os vetores v¯ e w¯ . A ´area A da base ´e A = |n¯ | (esta afirma¸c˜ao segue do significado geom´etrico do produto vetorial). Ent˜ao, a altura h do paralelep´ıpedo ´e |u¯ | cos α , onde α ´e o ˆangulo formado por n¯ e u¯ . Portanto, o volume do paralelep´ıpedo ´e base por altura, isto ´e,

A h = |n¯ ||u¯ | cos α = |u¯ · n¯ | = |u¯ · v¯ × w¯ |.

Obtemos assim a propriedade.

3.2 Propriedades do produto misto

Enumeraremos as principais propriedades do produto misto. Estas proprie- dades decorrem das propriedades dos determinantes.

u¯ · u × v¯) = 0 = u¯ · v × u¯ ), pois u¯ × v¯ = n¯ ´e ortogonal a u¯ , logo u¯ · n¯ = 0 (v. tamb´em pode interpretar como um determinante com duas linhas iguais).

O produto misto verifica as seguines rela¸c˜oes (correspondentes a trocar a ordem de colunas em um determinante): u¯ · v × w¯ ) = u¯ · ( w¯ × v¯) = w¯ · u × v¯) = w¯ · v × u¯ ), etc.

5

u¯ · ( w¯ × w¯ ) = 0 = w¯ · u × w¯ ).

Exemplo 5. Sabendo que

determine

Observe que

v¯ · u × w¯ ) ,

u¯ · v × w¯ ) = 2

w¯ · u × v¯) ,

u¯ · ( w¯ × v¯) .

v¯ · u × w¯ ) = u¯ · v × w¯ ) = 2 .

Tamb´em

w¯ · u × v¯) = u¯ · ( w¯ × v¯) = u¯ · v × w¯ ) = 2 .

6