Você está na página 1de 7

c c

       


 !  "     

Bruno César da Silva¹


Fitim Halimi²
Mariana Bracarense Leão³

#$

O estudo do território vem nos propiciar uma visão mais ampla das atuais necessidades
da sociedade, nos permitindo ter uma visão individualizada de pequenas partes que
formam um todo. Cada território tem suas características e carências próprias, não
podendo assim, padronizar atitudes, e sim promover ações direcionadas para cada
território a fim de que, haja a promoção do desenvolvimento do todo.

O território é o lugar em que desembocam todas as ações do homem, é sua moradia, é


seu trabalho, é sua cultura, é sua comunidade, é onde a história do homem plenamente
se realiza através de sua atuação, de sua existência. Não é apenas um pedaço de terra,
mas sim esse pedaço de terra usado, modificado, em constantes construções e
desconstruções, sendo reconstruído em todos os novos passos da existência dos
indivíduos pertencentes a este espaço, a este ambiente. É onde ocorrem suas trocas,
tornando assim, o objeto de identificação destes indivíduos, sua identidade.

O território usado é o chão mais a identidade. A identidade é o sentimento de pertencer


àquilo que nos pertence. O território é o fundamento do trabalho, o lugar da residência,
das trocas materiais e espirituais e do exercício da vida.(2) Parece lícito afirmar que a
diversidade que emerge de diferentes olhares sobre o território regional contribui para
uma melhor aproximação à realidade e para a identificação de alternativas múltiplas,
diversificadas e localizadas, para a resolução dos problemas priorizados coletivamente.¹
E é com esse intuito que o estudo do território se faz, afim de analisar a realidade de
cada território para promoção de atitudes direcionadas para a melhoria daquela região.
Com esse olhar podemos constatar como é importante o estudo do território para a área

____________________________________________________________________________

¹ ² ³ Graduandos em Fisioterapia , Bacharelado ʹ CENTRO UNIVERSITÁRIO IZABELA HENDRIX.


da saúde. À partir da análise do território na saúde, visto que o objetivo desta é atender
as necessidades da sociedade e melhorar a qualidade de vida dos indivíduos, podemos
compreender quais são as reais carências e prioridades de diversas comunidades para
promover um atendimento direcionado e efetivo. Já visionando o nosso Sistema Único
de Saúde, o SUS, digamos que este enfoque é essencial, pois há uma grande demanda
versus os recursos disponíveis, logo a qualidade efetiva no atendimento a comunidade
visa também oportunizar que esse atendimento abranja um maior número de pessoas.

Nesse contexto, a territorialização em saúde se coloca como uma metodologia capaz de


operar mudanças no modelo assistencial e nas práticas sanitárias vigentes, desenhando
novas configurações loco-regional, a partir do reconhecimento e esquadrinhamento do
território segundo a lógica das relações entre ambiente, condições de vida, situação de
saúde e acesso às ações e serviços de saúde. (4) Propiciando assim, ações de promoção
e prevenção à saúde, podendo ser elaboradas medidas e soluções mais efetivas para
problemas e doenças típicas daquele território e mesmo estratégias para que esta não
chegue a acometer aquela comunidade.

No caso específico deste trabalho o estudo foi voltado para a análise do território de um
usuário da terceira idade, logo, tivemos que levar em consideração o fator
envelhecimento.

O envelhecimento é um processo lento e gradativo que todo ser humano deve preparar-
se para o mesmo, pois através de uma preparação organizada e bem orientada pode-se
evitar uma série de alterações desencadeadas pelo organismo.(5) Evitando os
acometimento de patologias comuns nesta etapa da vida, como hipertensão, diabetes,
osteoporose, obesidade, artrite, artrose entre outras, melhora a qualidade de vida do
idoso.

De acordo com Hernandes (2000) este processo pode ser amenizado e diminuído com a
prática de uma atividade física regular e bem orientada, auxiliando assim nas
degenerações e transformações do organismo. Um fator de suma importância neste
processo que não pode de maneira alguma ser desprezado é a nutrição, pois através da
mesma podemos melhorar as condições de vida facilitando e tornando o envelhecimento
menos drástico para o indivíduo.(5) Existem outros fatores importantes que dependem
da conscientização da sociedade, pois, se os jovens de hoje forem conscientes dos
cuidados que a saúde exige, será um idoso amanhã com uma boa qualidade de vida.

Mas para os problemas atuais é importante destacar a carência de conhecimentos e


cuidados da sociedade para com os idosos, visto que é uma população que vem
crescendo muito e tende a ser predominante daqui a poucos anos.

O idoso, sendo uma pessoa experiente e vivida, possui uma bagagem a ser considerada,
e precisa ser valorizado e respeitado. Precisamos nos preocupar mais com sua saúde
como um todo, que incumbe preocupar com seu bem-estar bio-psico-social, e ao
aumento da sua auto-estima. O idoso precisa continuar participando dos processos
sociais, se sentir atuante, ao invés de ser excluído, como tem acontecido nos tempos
atuais.

% &!

Identificar o território de um usuário acompanhado pela fisioterapia no centro de Saúde


Cidade Ozanam.

% '(

Analisar as necessidades de saúde do usuário, na tentativa de identificar os possíveis


problemas da atenção primária no território. Compreender as barreiras e facilitadores
para o acesso do usuário à saúde. Propor ações com base territorial para melhorar ou
minimizar os problemas de saúde na atenção primária.

!)

Foi feito uma visita ao Centro de Saúde Cidade Ozanam, na rua Ozanam, nº 385 no
bairro Ipiranga, onde participamos da atividade física que os fisioterapeutas
desenvolvem todos dias na parte da manhã com os usuários.

O intuito era acompanhar um usuário, após a atividade, até a sua casa para avaliar o seu
território. Foi-nos indicado por uma estagiária da atividade, que aleatoriamente
escolheu o Sr. R.A, 83, sexo masculino, casado. Acompanhamos o Sr. R.A até a sua
casa, rua Maria Rita, nº 194 no bairro Ipiranga, e no percurso avaliamos o ambiente e o
trajeto que o usuário vivencia ao ir ao C.S e ao retornar para sua casa. No caminho
fizemos algumas perguntas sobre sua rotina diária e semanal, quais as atividades que
faz, questionamos sobre sua constituição familiar, sobre suas atividades sociais, sobre
seu modo de vida, sobre sua saúde, sobre sua alimentação e seu acompanhamento
médico, e as patologias que possui.

Feito isso, fizemos um relatório sobre o território do usuário e um mapa indicando o


trajeto de sua casa até o C.S.

Utilizamos também apoio literário através de cinco artigos, utilizando as palavras


chaves território, saúde e envelhecimento.

!

Durante o percurso do C.S à casa do Sr. R.A, por volta de sete quarteirões, observamos
que o bairro é calmo, não oferecendo aparentemente nenhum tipo de perigo que pode
ser considerado como um dificultador ou obstáculo para acesso do usuário ao C.S. Nas
ruas há calçadas e asfalto por todo o percurso, pouca sinalização, no entanto, pouca
movimentação de carros. É um bairro aparentemente de classe média e observa-se mais
residências do que comércio.

Conforme relatado pelo Sr. R.A, ele participa deste grupo de atividade física junto aos
fisioterapeutas do C.S à 5 anos, e freqüenta todos os dias. E freqüenta também as
reuniões no C. S. sobre pressão alta e Diabetes.

O Sr. R.A nos disse que sempre freqüenta o C.S, faz suas consultas médicas, e lá seus
adquire medicamentos. Ele diz que compreende algumas deficiências no atendimento
devido a grande demanda, logo, diz estar satisfeito, embora ele tenha informado que
quando necessita de consultas especializadas e exames ele encaminha-se para uma
clínica de seu plano de saúde particular pois, no SUS é muito demorado.

Ele relatou sobre sua rotina diária, que ao sair da atividade pela manhã vai para sua
casa, costuma ajudar sua esposa em seus afazeres domésticos, tais como ir ao
supermercado ou açougue, varrer o terreiro da casa e etc. Costuma ir até a Praça Sete no
centro de BH para tomar café com seus amigos e conversar. É casado à 60 anos, e mora
com sua esposa. Eles têm 4 filhos e 7 netos que os visitam sempre.

Possui bons hábitos alimentares e sua esposa o ajuda a manter os hábitos mais saudáveis
possíveis, visto que ele precisa de certos cuidados com a alimentação devido a Diabetes
e a pressão alta.
| 
  l    t

    i
  t  
 t t    t 
  i
it  i til   

l  t
   li  t  ili   t 
 l t  
l  i     t t 
       
 ii
lt    t
l 

 t
  t l i 

  il

t   l



i  t
 i 
l       t  i  tii í i

l   
i  
liit í i t  
i
 li t  

li  t  it ili  t  
l



° S °e

°sS



°sS  


 !  

C t
     tt 
 

i 
i
 tit i   l 


lii    t    
ii
lt 
 
  t l i 

|tii    li C  


      i it     lt 
tii j
     li   i  t i it  i t
it 
        tiit
  l
it i t t 

ili      
 l t i i 
ii  
tí ti l
  il l   tiil       
l
i t
 t  ili   i   l i  ti 

lii R| t
   i 
t 

i 

   l
i
 tit i i l
 iit t i 

i    
  i      

i   ti t 
    i   j
iil 

li  i   i ií
     i    i t t   t
    tit i 

  
 li i 

i  
l     

   i   ii  
t i t ti 
litti 

|t   t  t
     li   i !    
   tl    
    "  i i t 
t  t 
  i   i t   i t  i  
tt t   # liittt   
    # liit

t i t  t 
 l   i 
t  
    i##i
  i t  
 i   
 t     l
i  
l  l t 

problema e quais são as verdadeiras origens do mesmo e para isso é necessário sair do
atendimento de uma sala e preocupar-se com a vida do paciente, pois este deve ser o
dever do profissional da saúde, preocupar-se com a vida do paciente para á partir daí
estar capacitado a atendê-lo, e cuidar do mesmo. E após esta análise o profissional
poderá atuar tratando, prevenindo e promovendo a saúde do paciente.

(*

1-RIBEIRO, P.T.; Rio de Janeiro, Maio de 2007. Direito à saúde: integridade,


diversidade e territorialidade.

2-SANTOS, M.; São Paulo, 1999. O Dinheiro e o Território. Revista Geographia ± Ano.
1 ± No 1 - 1999.

3-SANTOS, M.; Saúde e ambiente no processo de desenvolvimento. Conferência


magna proferida no I Seminário Nacional Saúde e Ambiente no Processo de
Desenvolvimento, em 12 de julho de 2000.

4-GODIM, G.M.M.; MONKEN, M.; Territorialização em Saúde.

5-ARAÚJO, A.; O Processo de envelhecimento e suas alterações fisiológicas no


organismo.