Você está na página 1de 128

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB/EAD

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL – UAB


LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

GRUPO 13
Pólo: Paulo Afonso
Seminário Integralizador II

Paulo Afonso, 2010


UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB/EAD
UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL – UAB
LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

OFICINAS DE MATEMÁTICA
Seminário Integralizador II

Potfólio de Oficinas, direcionadas para


professores do Ensino Fundamental I,
apresentada à Universidade do Estado da
Bahia (UNEB), pelo alunos do G13 – pólo de
Paulo Afonso – BA, como requisito parcial
de avaliação na disciplina de Seminário
Integralizador II, ministrada pela professora
Joseane de Almeida Topázio, e orientado pela
professora tutora presencial Solange
Fernandes Maia Pereira, no II Semestre do
Curso de Licenciatura em Matemática.

Paulo Afonso, 2010

2
“Uma Matemática que se apóia em
reconhecimentos anteriores e
trabalhada em correspondência
com o conhecimento
psicogenético da criança é
gostoso e fácil de construir”.

(Ernesto Rosa Neto, 1995)

3
Conteúdo
APRESENTAÇÃO ........................................................................................................ 5
GRUPO 1 ..................................................................................................................... 8
GRANDEZAS E MEDIDAS ........................................................................................... 8
OFICINA 1................................................................................................................. 9
OFICINA 2............................................................................................................... 15
OFICINA 3............................................................................................................... 20
OFICINA 4............................................................................................................... 25
OFICINA 5............................................................................................................... 29
GRUPO 2 ................................................................................................................... 34
ESPAÇO E FORMA.................................................................................................... 34
OFICINA 6............................................................................................................... 35
OFICINA 7............................................................................................................... 37
OFICINA 8............................................................................................................... 39
OFICINA 9............................................................................................................... 41
OFICINA 10............................................................................................................. 43
GRUPO 3 ................................................................................................................... 64
NÚMEROS E OPERAÇÕES....................................................................................... 64
OFICINA 11............................................................................................................. 65
OFICINA 12............................................................................................................. 72
OFICINA 13............................................................................................................. 75
OFICINA 14............................................................................................................. 82
OFICINA 15........................................................................................................... 103
GRUPO 4 ................................................................................................................. 108
TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO .......................................................................... 108
OFICINA 16........................................................................................................... 109
OFICINA 17........................................................................................................... 113
Blocos de anotações ............................................................................................. 113
OFICINA 18........................................................................................................... 117
OFICINA 19........................................................................................................... 121
OFICINA 20........................................................................................................... 124

4
APRESENTAÇÃO

A educação, atualmente, constitui uma das metas prioritárias dos países


desenvolvidos ou daqueles em vias de desenvolvimento. Apesar das inúmeras
variáveis que colaboram ou intervêm diretamente no processo de
desenvolvimento de uma nação, a educação se destaca como uma das forças
capazes de provocar o desenvolvimento nacional.

Entretanto, apesar da educação no Brasil se constituir, não apenas direito de


todos, apoiado no artigo 32 da lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional
(LDB), como também instrumento de promoção social e humano, o Ensino
Fundamental (1ª a 8ª séries ou do 1º ao 9º ano) continua sendo responsável
pelo maior índice de reprovação e evasão escolar.

Hoje a Matemática está passando por grandes transformações, mas os meios


de observações, de coleta de dados e de processamento desses dados, que
são essenciais na criação Matemática mudaram profundamente, não que se
tenha relaxado no rigor, mas sem dúvida a rigidez científica hoje é de outra
natureza, tendo maior flexibilidade. Apesar das mudanças os alunos se
encontram desestimulados com as escolas e com o trabalho realizado por elas;
é claro, são vários os motivos, entre eles: a repetência sucessiva, a evasão
escolar, a formação precária dos professores, assuntos desmotivadores e
distantes da realidade etc. E todos esses motivos estão também relacionados
com a Matemática ou com as formas de abordagem do conteúdo matemático.

“Além disso, a disciplina Matemática vem sendo utilizada, há muito


tempo, como instrumento de seleção. E isto tem a ver, certamente,
com o fato do seu ensino ter sido pensado historicamente, pelos/as
professores/as como sendo a maneira por excelência de desenvolver o
raciocínio, tornando-se, assim, um conhecimento eficaz para destacar
os/as aluno/as mais inteligentes. Junto a isso, os/as professores/as têm
apontado, como objetivo principal dessa disciplina, o desenvolvimento
de habilidades para resolver problemas, o que favoreceria a
compreensão do mundo e a formação do pensamento crítico do/a
aluno/a, assegurando o seu desenvolvimento individual e a sua
inserção na sociedade.”(Lara, 2003: 9).

5
Assim, a disciplina Matemática continua sendo o calvário para vários
estudantes brasileiros e está tornando-se comum dizer que o aluno brasileiro
está muito aquém do que se considera ideal. São várias as pesquisas e os
dados cada vez mais desanimadores. Na mesma proporção que o
analfabetismo diminui e a inclusão educacional cresce, a qualidade desaba. E
isso não acontece apenas quando se compara a educação brasileira com a de
outros países.

Então, diante desta dinâmica, apresentamos este Portfólio como uma


compilação de atividades que foram construídas ao longo do terceiro semestre,
pelos alunos da Universidade do Estado da Bahia/ EaD, pólo Paulo Afonso,
grupo 13, sob a orientação da Professora Formadora Joseane de Almeida
Topázio e a Professora Tutora presencial Solange Fernandes maia Pereira, na
disciplina Seminário Integralizador II que é uma disciplina do curso de
licenciatura em Matemática, na qual o foco principal é construir um portfólio de
oficinas envolvendo o conteúdo de matemática estabelecido nos documentos
oficiais, voltadas para professores que ensinam matemática do 1º ao 5º ano,
como continuidade do trabalho investigativo realizado no Seminário
Integralizador I, num contexto de formação colaborativa, a fim de discutir os
blocos de conteúdos de matemática previstos para serem desenvolvidos do 1º
ao 5º ano de acordo com os PCNs. Desta forma tem como objetivos organizar
oficinas com conteúdos de matemáticos do 1º ao 5º ano, voltadas para
professores que ensinam matemática nesses anos, discutir e propor
alternativas didáticas pedagógicas, para fortalecer o espírito de pesquisa e a
busca de novas idéias para a dinâmica da sala de aula, proporcionar ao
licenciando a vivência de diferentes formas de atuação no processo e
ensino/aprendizagem visando favorecer ao seu desenvolvimento profissional
não só na dimensão da sala de aula, mas ampliar a relação da Universidade do
Estado da Bahia com a comunidade. Diante disso este portfólio será
apresentado e disponibilizado à Secretaria de Educação ou diretores e
diretoras de escolas municipais, como um trabalho de extensão universitária,
voltado para a formação continuada dos professores e professoras do 1º ao 5º.

Esse referencial curricular reconhece a importância da participação construtiva


do aluno e, ao mesmo tempo, da intervenção do professor para a

6
aprendizagem de conteúdos específicos que favoreçam o desenvolvimento das
capacidades necessárias à formação do indivíduo.
Nessa perspectiva foram desenvolvidas oficinas com todos os blocos de
conteúdos: Números e operações, espaço e forma, grandezas e medidas e
tratamento da informação.

7
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB/EAD
UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL – UAB
LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

GRUPO 1
GRANDEZAS E MEDIDAS
Seminário Integralizador II

Adriano Ferreira Batista


Francisco de Souza Lima
Gláucia Lima da Cruz
Jorge Ricardo Domingo da Cruz
Luciano Santos de Assis 8
Manoel Ricardo Xavier
OFICINA 1

DESCOBRINDO MEDIDAS

OBJETIVOS:

 Descobrir a importância de padronizar as unidades de medidas;


 Explorar diferentes unidades de medida e instrumentos de uso social
para medir comprimento, massa e capacidade;
 Identificar a unidade de medida correta para os vários objetos
apresentados;
 Resolver problemas que envolvam as diferentes unidades de medida;.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

Medidas de:

 Comprimento

 Massa

 Capacidade

SÉRIE:

4º ano do Ensino Fundamental

9
RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

 Cadeira;

 Figuras de objetos que se encontram no cotidiano dos alunos;

 Lápis;

 Borracha;

 Cópia das atividades;

 Fita métrica ou trena;

 Garrafa plástica de 1 l;

 4 copos plásticos de 250 ml;

 Balança doméstica;

 1 pacote de sal de 1kg;

 2 potes de manteiga de 500g;

 1 pacote de biscoito de 250 g.

10
PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

A aula começará com um texto, problematizando a forma como as pessoas


faziam para medir antigamente. Em seguida, cada aluno medirá a altura de sua
cadeira. Cada aluno usará a sua criatividade, usando instrumentos improvisados
por eles. Surgiram, então, diferentes unidades de medida, isto fará com que
cheguem à conclusão que será necessário padronizar uma unidade de medida,
e neste momento será apresentado o metro. Hora de pedir ao aluno que meça
sua própria altura, e depois compare com a altura de um lápis, percebendo
assim que existem unidades para objetos maiores e unidades para objetos
menores (m, cm). No segundo momento, serão apresentadas figuras de outros
objetos (feijão, leite, margarina,...) e explorado a unidade mais apropriada para
cada um. A partir dessa introdução, a turma será dividida em equipes de acordo
com a dinâmica: Cada aluno receberá uma figura; a equipe 1 será formada pelos
alunos que pegaram figuras relacionadas ao “m e ao cm”; equipe 2, figuras
relacionadas ao “kg e a g”; equipe 3, figuras relacionadas ao “l e ao ml”.
Formado os grupos, eles irão trabalhar com o material concreto e responder a
atividade proposta (anexo).

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Cada grupo vai comparar a massa de no mínimo 10 objetos que se
encontram na sala de aula, segurando-os nas mãos;
Coloque-os sobre uma mesa em ordem crescente de massa, isto é, do
mais leve para o mais pesado;
Conferir
A se os
presente grupos
oficina temacertaram a ordem,
como objetivo pesando
subsidir os objetos
o professor de na
matemática das
REFERÊNCIAS
balança; BIBLIOGRÁFICAS:
séries
Conferir iniciais,
a medida através
de massade texto, aatividade
utilizando balança. programada e pequenas
4- Discussão Coletiva
experiências; possibilitando uma aula mais dinâmica e um processo de ensino
O grupo deverá discutir os acertos e os erros da ordem dos objetos;
aprendizagem
Observar o quemais solidificado.
os outros grupos fizeram e conversar sobre a diferença
da massa dos objetos escolhidos;
Relacionar
5- Registroo tema grandezas e medidas com situações do cotidiano, fazer uso
Escreva os nomes
de material dos eobjetos
concreto em ordem
explorar crescente de
o conhecimento massa,
prévio do isto é, dosão as
aluno,
mais leve para o mais pesado.
estratégias usadas para favorecer a construção efetiva do conhecimento.
Dessa forma, acredito que essa oficina possa trazer benefícios significativos
para o trabalho do professor assim como para a aprendizagem do aluno.

11
ANEXOS DA OFICINA 1:

Medida de massa, comprimento e


capacidade.
1- Observe as figuras e separe-as, na tabela abaixo, de acordo
com a unidade de medida mais adequada para cada objeto.

LITRO (l) GRAMA(g) METRO(m)

2- De acordo com as figuras acima, qual se aproxima mais das


medidas abaixo:
a) 2 l (litros) _______________ b)200ml ( mililitros) ________
c) 1kg (quilograma) _________ d)100g (gramas) ___________
e) 1km (quilômetro) _________ f)1 m(metro)______________

3-

12
Agora responda:
Quem é o mais alto?________________________
E o mais baixo?____________________________
Qual a diferença da altura entre eles? ________________

4- Para responder as questões


abaixo vamos precisar de uma
garrafa plástica (vazia) de 1 litro e
4 copos de 250ml com água. Tudo
pronto? Então responda:

a) Se cada copo tem 250ml, 2 copos terá ____________.


b) Despeje a água de 2 copos na garrafa. Como ficou a garrafa?
_________________.
c) Podemos concluir que 500ml = __________________.
d) Para encher a garrafa que tem capacidade para 1 litro, o que
devemos fazer?________________________________.
e) Com a água dos 4 copos nós enchemos a garrafa, então
podemos concluir que:
4 copos de 250 ml = ______ml = ______l.

5 - Responda usando:
1 Balança doméstica;
1 pacote de sal de 1kg;
2 potes de manteiga de 500g;
1 pacote de biscoito de 250 g;

13
a) Qual o objeto mais pesado? _____________
b) Qual o objeto mais leve? ________________
c) Se um pacote de biscoito tem 250g, 2 pacotes terá
____________.
b) Um pote de manteiga pesa igual a ______________pacotes de
biscoito.
c) Dois potes de manteiga pesam iguais a
______________pacote sal.
d) Quantos pacotes de biscoito equivalem ao peso do pacote de
sal?
e) Podemos concluir que: 2 potes de manteiga = ________g,
4 pacotes de biscoito =________g
1 pacote de sal = _______kg .
Referências bibliográficas

http://revistaescola.abril.com.br/matematica/pratica-pedagogica/pesos-volumes-
429046.shtml . Acesso em: 16 jul. 2010

http://novaescola.abril.uol.com.br/ed/153_jun02/html/erauma_conto.htm . Acesso
em: 20 jul. 2010

Milane, Estela; Imenes, Luis Márcio; Lellis, Marcelo. Projeto Conviver:


Matemática – 1.ed. – São Paulo: Moderna, 2008.

Bonjorno, José Roberto;Azenha, Regina. Matemática Pode Contar Comigo, 3º e


4º ano.- São Paulo: FTD, 2008.

14
OFICINA 2
ESTUDO DAS MEDIDAS

OBJETIVOS:

Um dos principais objetivos desta oficina é facilitar o aprendizado


do aluno, por meio de técnicas que incentivam o desenvolvimento
do raciocínio( e, portanto da cognição e metacognição), em relação
ao bloco de conteúdo Medidas e grandezas.Sendo assim, a
execução desta oficina proporcionará meios para uma melhor
compreenção dos atributos dos objetos, conceitos, unidades,
sistemas e processos de medidas.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

Unidades de medidas:

 Kilômetro

 Metro

 Milímetro

 Centímetro

 Decímetro

15
SÉRIE:

2º ano do Ensino Fundamental

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

 Fita Métrica

 Régua de 30 cm

 Trena

 Um livro

 Um palito de fósforo

 A figura de um barco

 A figura de um pé

 A figura de uma formiga

 A figura de uma mesa

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

Pretendemos estimular os participantes a fazerem o uso de medidas


antropométricas (dedo, mão, pé, passo) medindo objetos e espaços da sala de
aula para que o aluno possa determinar as unidades adequadas para cada
situação. Em seguida, apresentaremos alguns instrumentos de medidas
usados comumente no nosso dia a dia. Apresentaremos o metro como
unidade padronizada incentivando o aluno a conhecer algumas unidades de
medidas, incluindo o centímetro, decímetro e o metro.

16
CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Lecionar a matemática é desenvolver o raciocínio lógico,estimular o


pensamento independente, a criatividade e a capacidade de resolver
problemas.

Nós, como educadores matemáticos, devemos procurar alternativas


para aumentar
REFERÊNCIAS a motivação para a aprendizagem,desenvolver a
BIBLIOGRÁFICAS:
autoconfiança, a organização, a concentração, a atenção, o raciocínio
lógicodedutivo e o senso cooperativo,desenvolvendo a sociazação e
aumentando as interações do indivíduo com outras pessoas.

17
ANEXOS DA OFICINA 2:

Dentre as unidades de medidas citadas (milímetro, centímetro, metro,


quilômetro) qual a unidade adequada para medir o tamanho de:

1. Um barco

2. Um palito de fósforo

3. Um pé

18
4. Uma mesa

5. uma formiga

Cada aluno deve analisar cada figura e colocar ao lado qual a


unidade de comprimento utilizada para medí-las.

19
OFICINA 3

CÁLCULO DO IMC

OBJETIVOS:

 Cálcular o índice de massa corporal dos alunos – IMC,


usando calculadora e registrando em tabela;
 Explorar as unidades de medidas de massa e comprimento.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

Unidades de Medidas:

 Metro;
 Quilograma;

SÉRIE:

5° Ano do Ensino Fundamental

20
RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

 Balança;
 Calculadora;
 Fita métrica:
 Tabela do IMC.

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

Usando a fita métrica, será medida a altura de cada aluno. Depois,


com a balança, será medida a massa correspondente a cada um e
registrada em uma tabela. Usando a fórmula do IMC (IMC = P(kg) ÷
H2(m)) e o auxílio da calculadora será calculado o IMC de cada
aluno. E, por fim, será feito uma análise desses dados com a tabela
do IMC, verificando quem está abaixo do peso, acima do peso,
obeso ou com um bom grau de acuidade.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

As crianças da era da internet estão cada vez mais vivendo no


sedentarismo frente à tv, computador ou um vídeo game, com isso
aumenta o número de doenças ligadas a obesidade como doenças
cardiovasculares. Mediante o resultado dos índices encontrados
nesta oficina, espera-se que sejam tomadas atitudes que melhorem
a vida de cada aluno para que possam crescer saudáveis e
inteligentes.

21
ANEXOS DA OFICINA 3:

TABELA DE DADOS PARA CÁLCULO DO IMC

ALUNO (A) MASSA (Kg) ALTURA(m) IMC

22
23
24
OFICINA 4

GRANDEZAS E MEDIDAS

OBJETIVOS:

 Conhecer instrumentos de medição e unidades de medida e as diversas


relações entre elas;
 Aprofundar o estudo de equivalências entre unidades de medida, usando
exemplos práticos do dia-a-dia;
 Estimar resultados de problemas que envolvem volume capacidade e
massa;
 Aprender equivalências entre unidades de medida de volume, massa
(gramas e quilo) e capacidade (mililitros e litros).

CONTEÚDOS ABORDADOS

 RELAÇÃO ENTRE UNIDADES DE MEDIDAS;


 CAPACIDADE DE MASSA

SÉRIE:

5º ano

25
RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

 Água
 Garrafa pet 1lt
 Recipiente
 Balança

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

Provar por meio da oficina e usando calculo que 1 dm3 =1 litro= 1kg.

“Perguntamos: para que precisamos saber desta relação?”

Pensando nesta relação me veio a cabeça como os policiais pesam os carros


tanques que carrega petróleo e água. Então podemos dizer que a balança
usada por eles usa este conceito de relação de que 1 litro é igual a 1 kg.

Agora explicando como poderiamos provar este cálculo em sala de aula


poderiamos comparar o tanque a um litro de água e um recipiente onde
calculariamos 1dm3 e usariamos a uma balança normal de 5 kl. Dessa forma
convocaríamos os alunos a fazer o experimento onde eles encheriam o litro
de água e pegaria outro recipiente e calcularia o volume cúbico dele onde
usariamos só 1 dm3 do recipiente. Depois colocaria o litro na balança e
comprovaria que 1 litro é igual a 1 kl, pegaria o recipiente onde foi calculado
1dm3 e colocaria um litro de água nele, para comprovação de que
corresponde a 1dm3.
CONSIDERAÇÕES FINAIS:

26
As atividades matemáticas devem estar ligadas ao cotidiano dos alunos para
que se tornem atrativas e ocasione uma aprendizagem significativa. Nesse
contexto, as oficinas matemáticas proporcionam uma forma prática de se
trabalhar a matemática, bem como a abordagem de grandezas e medidas
através dessa metodologia, possibilitando aos alunos a compreensão dos
procedimentos de medida, noções de massa e capacidade, assim como e as
diversas relações entre elas.

27
ANEXOS DA OFICINA 4:

ATIVIDADE

Uma indústria importou vinho estrangeiro em 20 barris de 160 litros cada.


Calcule o numero necessário de garrafas com capacidade de 0,8dm3 para
colocar todo vinho importado?

Usar nesta atividade a fórmula 1 dm3 =1 l = kg como foi ensinado na oficina.

(A) 1000 (B) 2000 (C) 3000 (D) 4000 (E) 5000

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

http://alfabetizacaoemmatematica.blogspot.com/2008/11/grandezas-e-
medids.html?zx=f01d4faae85ccb18

http://www.mathema.com.br/default.asp?url=http://www.mathema.com.br/e_medio/jogo
s/poliedros.html

28
OFICINA 5

IMPORTÂNCIA DA FRAÇÃO

OBJETIVOS:

Propiciar concepções diferenciadas sobre fração para os alunos de matemática que


cursam nas séries iniciais e a importância do trabalhar com material concreto, bem como,
conhecer as várias maneiras de representar um nº fracionário relacionando-o
com medidas e quantidades.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Experiência I: Conceito de frações usando QUANTIDADES

 Experiência II: Conceito de frações usando MEDIDAS

SÉRIE:

4ª série do ensino fundamental

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

 Experiência I: 12 tampinhas(1 inteiro) de garrafa pet

 Experiência II: Folhas de papel, cola, régua, lápis de cor

29
PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

EXPERIÊNCIA I:

DESENVOLVIMENTO: Dividir em 2 grupos iguais. Cada grupo corresponde a


½ das tampas?
- Quantas tampas correspondem a ½ do inteiro?
- Dividir em 3 grupos, ou seja em 1/3.
- Quanto é 1/3 de 12 tampas?
- Quanto é 2/3 de 12 tampas? E 3/3 de 12?
- Dividir em 4 grupos, ou seja, em ¼.
- Dividir em 6 grupos, ou seja, em 1/6.
VARIANTE: Fazer a mesma atividade com 15 tampas, 20 tampas, 24 tampas.
É importante que o aluno represente as atividades através desenhos fazendo
anotações. Neste momento aproveita-se para reforçar os conceitos de divisão
e multiplicação.
Outras sugestões:
1 – Escrever 3 frações que representam a mesma quantidade do inteiro em nº
e por extenso.
2 – Contar os alunos da sala (ex: 24 alunos é o inteiro): Quantos alunos são ½,
1/3, 2/3, ¼, 2/4, ¾, 4/4, 1/6,..., 1/12?
3 – Contar as salas de aula da escola.
4 – Usar dinheiro (ex: R$ 10,00 – 1 inteiro).
5 – Usar 1 litro (1 inteiro) – 1000 ml.
TERMOS DA FRAÇÃO
1 – NUMERADOR: nº de partes que eu tomei, pintei ou comi do inteiro
2 – DENOMINADOR: nº de partes que eu divido o inteiro

30
EXPERIÊNCIA II:

DESENVOLVIMENTO: Confeccionar uma fita métrica de 1 metro.

 Dividi-la em 10 partes iguais (pintando-as de cores diferentes), cada


parte 1/10 chama-se decímetro (dm).

 Dividi-la em 100 partes iguais 1/100(centímetro(cm)).

 Dividi-la em 1000 partes iguais 1/1000(milímetro(mm)).

QUESTIONAMENTOS:

1- Quantos cm tem 1/10 do metro?


2- Quantos cm tem 3/10 do metro?
3- Quantos cm tem ½ do metro?
4- Quantos cm tem 1/5, 2/5, 3/5 do metro?
5- Quantos mm tem 1/10 do metro?

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Por meio deste trabalho que ora realizado com alunos de séries iniciais,
podemos observar uma mudança um tanto que progressiva, na estrutura
ideológica, nos conceitos matemáticos sobre fração, pois foram realizadas
experiências práticas, utilizando objetos e materiais que levassem o aluno a
compreender melhor o assunto abordado, e o melhor, aprendendo brincando.
Acreditamos na tese que a matemática só surte efeito na vida da criança se for
usada uma linguagem própria, dando oportunidade para que ela construa os
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
seus próprios conhecimentos.

31
ANEXOS DA OFICINA 5:

32
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

http://wandarocha.blogspot.com/2009/04/oficina-de-matematica-040409.html

33
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB/EAD
UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL – UAB
LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

GRUPO 2
ESPAÇO E FORMA
Seminário Integralizador II

André José Costa


Eliene Pereira de Santana
Jeober Marinho da Silva
José Pereira da Silva 34
Maria de Lourdes do Nascimento
OFICINA 6

O USO DO TANGRAN PARA COMPREENDER OS ESPAÇOS E


AS FORMAS

OBJETIVOS:

 Conhecer o tangran e usá-lo na construção de figuras geométricas


planas;
 Comparar áreas de figuras geométricas planas (triângulos e
quadrado);
 Usar o tangran como instrumento de atividade lúdica, montando
figuras diversas.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Figuras geométricas planas


 Perímetro e Áreas de figuras planas
 O tangran como instrumento lúdico

SÉRIE:

4ª série/5º ano

35
RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Régua, caneta, papel, cartolina, lápis, tesoura, papel ofício, computador,


data-show, retroprojetor, tangran de madeira, emborrachados, jogo da
memória com formas geométricas, dominó das formas geométricas.

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

 Apresentação, em cartaz, e uso de jogo da memória e dominó das


formas geométricas planas;
 Confecção de tangran em papel ofício e cartolina;
 Comparação de áreas de figuras planas através das peças do tangran,
por exemplo: quantos triângulos pequenos formam um quadrado?
 Usar as peças do tangran para montar diversas figuras: retângulos,
triângulos maiores, paralelogramos, formas abstratas, formas de
animais;
 Usar jogos online sobre formas geométricas planas.

36
OFICINA 7

ESPAÇO E FORMA - MAQUETE

OBJETIVOS:

 Interpretar informações provenientes de uma representação da sala de


aula através de instruções para a localização de lugares conhecidos.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Espaço e forma (atividade de localização e orientação)

SÉRIE:

3ª Série/4º ano

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Caixa de fósforos, caixa de papelão, cola tesoura cartolina, papel de seda


colorido e figuras para enfeitar a sala.

37
PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

 Dividir a sala em cinco grupos, e fazer uma maquete da sala de aula,


com a caixa maior fazer a sala, com as caixas de fósforos fazer as
cadeiras, as mesas e o birô; com a cartolina fazer o quadro, as estantes
e os armários, as figuras para colar na parede da sala.

 Cada grupo deverá colar com o auxílio do professor os alunos que


representam as seguintes situações:
 O que senta mais longe da professora;
 O aluno que senta a direita, a esquerda, a sua frente e atrás de cada
um do grupo, especificando um ponto de referência;
 A gravura deverá seguir o padrão da sala de aula.

38
OFICINA 8
ORIGAMI – A ARTE DA DOBRADURA

OBJETIVOS:

 Usar a técnica da dobradura como instrumento lúdico na confecção de


sólidos geométricos (um cudo).

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Construindo um cubo

SÉRIE:

4° e 5° anos do Ensino Fundamental I

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Papel ofício de cores diferentes, textos informativos sobre origamis, cartazes,


tesoura, cola.

39
PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

 Distribuirei papel ofício de cores diferentes para construção de um


quadrado;

 Indagarei sobre as formas adquiridas através das dobraduras (triângulo,


quadrado, retângulo) em relação à quantidade de lados, quantos
triângulos cabem no quadrado;

 Distribuirei papel com os procedimentos das dobraduras.

40
OFICINA 9

CONSTRUINDO OS SÓLIDOS DE PLATÃO

OBJETIVOS:

 Contruir os sólidos geométricos de Platão e identificar algumas de


suas propriedades (formato das faces, quantidade de faces, vértices,
arestas).

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Os sólidos geométricos de Platão

SÉRIE:

4° e 5° anos do Ensino Fundamental I

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Canudos, linha, agulhão, tesoura, régua, caneta para retroprojetor, cópias


dos procedimentos para as construções.

41
PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

 Indagarei sobre as formas adquiridas através dos procedimentos iniciais


(triângulo, quadrado, retângulo) em relação à quantidade de lados, quantas
faces, vértices e arestas, antes apresentando-as.

 Distribuirei papel com os procedimentos das dobraduras;

 Distribuirei os canudinhos, linha, tesoura, régua e agulhão e pedirei que


sigam as orientações dos procedimentos que estão na folha.

42
OFICINA 10

CONSTRUINDO BRINQUEDOS COM AS FIGURAS GEOMÉTRICAS


PLANAS E ALGUMAS ESPACIAIS

OBJETIVOS:

 Conhece algumas formas geométricas planas (triângulo, quadrado,


retângulo, círculo) e espaciais (esfera, paralelepípedo, cubo) e usá-las
na confecção de brinquedos.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Formas geométricas planas e espaciais

SÉRIE:

1º, 2º e 3º anos do Ensino Fundamental I

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Bolas de isopor, computador, datashow, jogos online,


caixas de creme dental, de sapato, emborrachado das
formas geométricas planas, cartolina, lápis grafite,
hidrocor, cola, tesoura.

43
PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

 Apresentação das formas geométricas planas e espaciais através de


cartazes;

 Usar os emborrachados das formas geométricas para desenhá-las


(face) em cartolinas, cortá-las e colá-las para montar o boneco, a
paisagem e o trenzinho, conforme figuras em anexo;

 Explorar as formas geométricas planas desenhadas, indagando sobre


sua forma (contornos retos, curvos, quantidade de lados, relacioná-las
aos objetos do dia-a-dia, etc)

 Confeccionar um boneco com as formas geométricas espaciais


estudadas (esfera, paralelepípedo, cubo) e relacionar suas faces às
figuras planas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

É nosso dever como futuros professores de Matemática contribuir com ações


que possam fazer do seu ensino-aprendizagem uma prática prazerosa e
eficiente.

Nesta nova conjuntura as oficinas servem como ferramentas de capacitação e


formação continuada da prática docente, despertando nos personagens
envolvidos nesse processo um maior compromisso com a qualidade da
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
educação.

44
ANEXOS DA OFICINA 6:

 Apresentação das formas geométricas planas (quadrado, retângulo,


cículo, triângulo, paralelogramo, trapézio, losango), através de cartazes;
 Aplicação de jogos: jogo da memória com figuras planas, dominó com
figuras planas.
 Confeção de tangran, em cartolina, e indentificação geométrica de suas
peças (tiângulos, quadrado e paralelogramo);
 Uso das peças do tangran para montar figuras diversas e comparar as
áreas de algumas;
 Jogos de computador envolvendo formas geométricas e as peças do
tangran.

Jogos:

45
46
Soluções para a atividade acima:

47
21

Tangran emborrachado

Dominó das formas


geométricas planas

Jogo da memória das Jogo da memória das


formas geométricas planas
formas geométricas planas

Dominó das formas


geométricas planas Jogo de Tangran

48
Jogos online

http://fliperaminha.terra.com.br/games/memoria_formas_geometricas.asp

http://www.jogarjogosonline.com.br/jogos-online-gratis/jogos-infantil/tangran/

http://www.escolagames.com.br/jogos/formasGeometricas/

23
49
ANEXOS DA OFICINA 7:

Representação da sala de aula

Maquete da sala As maquetes construidas

50
ANEXOS DA OFICINA 8:

51
ORIGAMI MODULAR
Seguem abaixo os símbolos utilizados
internacionalmente para compreensão dos
desenhos gráficos usados para fazer os
diagramas das dobraduras.

Símbolos Gráficos

Fonte: http:://www.nihonsite.com/orig/simb1_index.cfm

52
SUGESTÕES DE ATIVIDADES
Atividade 1:
Nas atividades aqui propostas, utilizaremos
papeis quadrados para fazermos nossos
origamis modulares. Porém, as folhas que
costumamos ter a nosso alcance são de
formato retangular.

A obtenção do quadrado é o pontapé inicial


de nossa aula.

A cada passo na montagem do módulo


haverá a exploração de conceitos
geométricos.
1.Tirando um quadrado de um retângulo

Metodologia:

a. Observar as diferenças e semelhanças entre


o retângulo e o quadrado formado (medida
dos lados, as áreas).
b. Com o quadrado formado, observar a linha
que o divide (diagonal) e as figuras a partir
daí formadas (dois triângulos).

2. Como se fosse um livro

Metodologia:

53
a. Observar que a linha formada é a altura do
quadrado (mesma medida do lado);

3. Portas de um armário

Metodologia:

a. Observar as linhas formadas;


b. Verificar a existência de figuras semelhantes,
formadas a partir das linhas marcadas no
papel;

4. O de cima desce e o de baixo sobe

5. Embutir as pontas

54
6. Fim da primeira face

Com o fim desse módulo, novas atividades


podem ser formadas. Tais atividades saem
da geometria plana e passam para geometria
espacial ou tridimencional.

SUGESTÕES DE
ATIVIDADES
Atividade 2:
Propomos para um segundo momento a
montagem de um Cubo Sonobe (hexaedro
regular). Serão necessários 6 módulos, que
serão encaixados uns aos outros.

Observar que todos os módulos deverão


estar no mesmo sentido, ou seja, que o
trapézio esteja na mesma inclinação e
tamanho em todos os 6 módulos antes de
encaixá-los.

55
ANEXOS DA OFICINA 9:
30

ATIVIDADE 1: Construção de um tetraedro regular

Tome o fio de linha, passe-o através de três pedaços de canudo, construindo


um triângulo e o feche por meio de um nó. Agora, passe o restante da linha
por mais dois pedaços de canudo, juntando-os e formando mais um triângulo
com um dos lados do primeiro triângulo. Finalmente, passe a linha por um dos
lados desse triângulo e pelo pedaço que ainda resta, fechando a estrutura com
um nó. Essa estrutura representa as arestas de um tetraedro regular e as
etapas intermediárias de sua construção estão representadas na Figura 1.

56
Temos observado que alguns alunos mais habilidosos, ao fazerem essa
construção, não dão o nó indicado para a obtenção do primeiro triângulo,
utilizando o pedaço de linha sem interrupções para a construção do esqueleto
do tetraedro. Isso demonstra que tais alunos perceberam que os nós, apesar
de facilitarem a construção, podem ser evitados.

Nas construções das estruturas é importante observar que, para sedar firmeza
aos vértices de uma estrutura, é necessário reforçá-los, passando o fio de
linha mais de uma vez por cada pedaço de canudo,ligando-o aos outros dois.
O esquema apresentado na Figura 2 ilustra essa situação.

Note-se que, a seguir, nós nos referiremos às estruturas construídas pelo


nome dos sólidos geométricos cujas paralelas representam.

Para a próxima atividade, são necessários dois metros de linha, doze pedaços
de canudo de mesma cor e comprimento (novamente sugerimos a medida de
8 centímetros).

31
ATIVIDADE 2: Construção de um octaedro regular

Com pedaços de canudos e o fio de linha, construa quatro triângulos e os una,


dois a dois, conforme o esquema apresentado na Figura 3.

Para a atividade a seguir, são necessários três metros de linha, trinta pedaços
de canudo de mesma cor e comprimento (sugerimos a medida de 7
centímetros).

57
ATIVIDADE S: Construção de um icosaedro regular
Construa quatro triângulos seguindo o esquema da Figura 4a e os una
obtendo uma pirâmide regular de base pentagonal, como a desenhada na
Figura 4b. Repita essa construção, obtendo mais uma pirâmide. Una cada
uma das pirâmides através dos vértices das bases, por meio de pedaços de
canudos, de tal forma que em cada vértice se encontrem cinco canudos
(Figura 4c).

Também é muito importante que incentivemos o aluno a tentar construir um


cubo com pedaços de canudo. Ele observará que a estrutura construída "não
permanece em pé" sobre a mesa como acontece com as estruturas anteriores,
isto é, a estrutura não tem rigidez própria. Como torná-la rígida é o próximo
desafio que o aluno deve enfrentar e é o objetivo da atividade a seguir. Para a
realização dessa atividade serão necessários doze pedaços de canudo
32 da
mesma cor e medindo 8 cm, seis canudos de outra cor ou de diâmetro menor
do que o anterior e mais um canudo de cor diferente das demais.

ATIVIDADE 4: Construção de um cubo e de suas diagonais

Com pedaços de canudo da mesma cor construa um cubo de 8 cm de aresta.


Para isso, passe o
fio através de quatro
canudos e passe a
linha novamente por
dentro do primeiro
canudo, construindo
um quadrado.

58
Considerando um dos lados desse quadrado e passando a linha por mais três
canudos, construa mais um quadrado. Observe que ainda faltam dois canudos
para completar as arestas do cubo. Prenda-os de maneira a completá-lo. Se
você não conseguir realizar essa tarefa, observe o esquema da Figura 5.

Se o aluno observou que a estrutura construída não tem rigidez própria, pois
os seus lados não ficam por si sós perpendiculares à superfície da mesa,
então é necessário que o levemos a conjecturar em como tornar essa
estrutura rígida. Nesse processo, notamos que mesmo alunos de 12 e 13 anos
observam que, se construirmos triângulos nas faces dessa estrutura ou no seu
interior, ela se enrijecerá. Dando continuidade a esse raciocínio, sugerimos ao
aluno a tarefa seguinte:

Agora, com pedaços de canudo de cor (ou diâmetro) diferente da usada para
representar as arestas do cubo, construa uma diagonal em cada face, de
modo que em cada vértice que determina a diagonal cheguem mais duas
diagonais. Que estrutura você construiu? Observe a Figura 6. Assim
procedendo, o aluno construirá um tetraedro formado por seis diagonais das
faces do cubo. A seguir, com um pedaço de canudo de cor diferente das
anteriores, construa uma diagonal do cubo.

Devemos levar o aluno a 33


observar que essa
diagonal formará, com
uma das arestas do cubo
e com uma das diagonais
da face, um triângulo
retângulo. Essa
construção é muito útil para ilustrar aplicações do Teorema de Pitágoras, pois
a maioria dos alunos têm problemas para visualizar situações como essa.
Observe a Figura 7.

Temos verificado que alunos de 13 a 15 anos percebem que, após as


atividades anteriores, já construíram quatro dos cinco poliedros regulares de

59
Platão (v. RPM 15, p. 42) e a questão se é possível construir o dodecaedro
pode surgir naturalmente. Apesar de ser uma tarefa trabalhosa, os alunos se
propõem a construir essa estrutura, porém, preferencialmente, em grupo e não
como uma tarefa individual.

As atividades que seguem complementam as construções das estruturas dos


sólidos regulares mais simples. Elas são interessantes, pois envolvem as
estruturas anteriormente construídas e podem ser utilizadas em diversas
situações de ensino nas séries mais avançadas.

ATIVIDADE 5: Construção de uma pirâmide de base triangular sobre


cada face de um tetraedro

Agora, com pedaços de canudo construa um


triângulo equilátero Você seria capaz de construir
uma pirâmide regular tendo esse triângulo como base
e cujas faces laterais sejam triângulos retângulos
isósceles? Observe a pirâmide desenhada na Figura
8.

A seguir, com seis pedaços de canudo, construa um tetraedro regular e,


tomando cada face desse tetraedro como base, construa uma pirâmide regular
cujas faces sejam triângulos retângulos isósceles. Que estrutura você
construiu? Observe novamente a Figura 6.

O objetivo dessa última atividade é levar o aluno a observar que, como na


atividade anterior, ele obteve um cubo com o tetraedro no seu interior, tendo,
no entanto, o tetraedro como estrutura de partida para a construção.

A seguir, propomos duas situações geométricas que poderão servir como


desafio aos alunos mais experientes e habilidosos.

ATIVIDADE 6: Construção de um octaedro regular dentro de um cubo

Com pedaços de canudos construa um cubo. Encontre uma. construção


adequada para mostrar que os centros de cada face do cubo, isto é, o ponto

60
onde as diagonais da face se encontram, são vértices de um octaedro regular.
Observe a representação geométrica dessa situação na Figura 9.

ATIVIDADE 7: Construção de um cubo dentro de um octaedro regular


Com pedaços de canudo
construa um octaedro
regular. Como você
construiria um cubo no
interior do octaedro, cujos
vértices pertencessem às
suas faces? Observe a
representação geométrica
dessa situação na Figura 10. (Para essa construção sugerimos que sejam
construídas as medianas das faces do octaedro com pedaços de linha.)

Por meio das atividades relatadas, buscamos enfatizar a importância de uma


abordagem pedagógica que dê oportunidade ao aluno para desenvolver sua
coordenação motora, se concentrar numa tarefa, exercitar a sua paciência,
criar imagens, interpretar desenhos, conjecturar e intuir soluções para
problemas, habilidades essas que são úteis não somente para o
desenvolvimento de idéias matemáticas, mas também para o desenvolvimento
integral do ser humano. Além disso, o colorido das estruturas construídas e a
beleza das suas formas ajudam o aluno a se interessar pelas aulas de
Geometria.

61
ANEXOS DA OFICINA 10:

Boneco das formas Trenzinho das formas

Paisagem das formas Boneco das formas espaciais

Sólidos geométricos

Objetos

62
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

KALLEF, A.M. Tomando o ensino da Geometria em nossas mios. A


Educação Matemática em Revista, SBEM, n° 2, pp. 19-25, 1994.

LINDQUIST, M. M.; SHULTE, A.P. (ed.)- Aprendendo e ensinando Geometria.


São Paulo, Atual Editora, 1994.

MULATINHO, Paulo. Origami, 30fold by fold projects. Chartwel Books.Inc.


1995. 76, 77p.

Sites

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro03.pdf
http://www.escolagames.com.br/jogos/formasGeometricas/
http://www.jogarjogosonline.com.br/jogos-online-gratis/jogos-infantil/tangran/
http://fliperaminha.terra.com.br/games/memoria_formas_geometricas.asp

http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.educ.fc.ul.pt/icm/icm2002/i
cm208/images/propostes.gif&imgrefurl=http://www.educ.fc.ul.pt/icm/icm2002/ic
m208/8ano.html&usg=__KaeT-
2sVKTVq1NpSk7TQSnr15EQ=&h=1314&w=814&sz=18&hl=pt-
BR&start=14&um=1&itbs=1&tbnid=p0wglTdqJ4GWMM:&tbnh=150&tbnw=93&p
rev=/images%3Fq%3Dtangrans%2Bfiguras%26um%3D1%26hl%3Dpt-
BR%26sa%3DX%26tbs%3Disch:1

http://www.junior.te.pt/servlets/Jardim?P=Jogos&ID=18

http://www.junior.te.pt/servlets/Jardim?P=Jogos

http://www.educacaopublica.rj.gov.br/oficinas/matematica/origami/01.html

63
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB/EAD
UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL – UAB
LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

GRUPO 3
NÚMEROS E OPERAÇÕES
Seminário Integralizador II

Adeilson de Jesus Santos


Agideon Santos dos Santos
Antenor de Carvalho
Fábio Júnior Máximo Pimentel 64
Ronivon de Jesus Oliveira
OFICINA 11

SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL

OBJETIVOS:

 Compreender o sistema de numeração decimal;

 Resolver problemas simples de adição ;

 Desenvolver a escrita de números com mais de um algarismo.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Contagem periódica de objetos (coleções);

 Problemas de adição (agregar) ;

 Produção de notações numéricas;

 Contagem e sobrecontagem ;

 Explicitação, análise e comparação dos procedimentos selecionados.

SÉRIE:

2ª Ano

65
RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Tampinhas (de refrigerante, suco e outras)

Monte um cartaz para registrar a como a coleção vai evoluindo a cada aula.
Deixe-o fixado em uma das paredes da sala.

66
PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

Inicie a atividade com uma roda de conversa, levar para a sala de aula uma
coleção de tampinhas. As tampinhas poderão servir, futuramente, de peças
para jogos de percurso ou outros envolvendo a contagem.
Organizar as crianças em grupos de quatro e entregue para cada grupo uma
certa quantidade de tampinhas para que contem e registrem. Conforme o
andamento da atividade, ofereça, para os grupos que precisarem, uma fita
métrica, uma cartela da tele-sena ou uma tabela numérica como apoio para a
contagem e para o registro das quantidades.
Depois que cada grupo anotou sua quantidade de tampinhas, organize a
socialização dos registros.

 Antecipação dos possíveis registros das crianças:

 Faz desenhos ou marcas correspondentes a cada peça da coleção;

 Escreve a série numérica, colocando um número para cada peça da


coleção;

 Anota um único algarismo representando o total de tampinhas;

 Organiza as tampinhas em grupos e anota a quantidade de cada grupo


(depois soma).

 Marcar na lousa quantas tampinhas cada grupo contou.

 Compare o estado das coleções, perguntando para os alunos:

 Que grupo tem maior quantidade tampinhas?

 Que grupo tem a menor quantidade de tampinhas


É possível saber sem ter que contá-las novamente?

67
CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Esta oficina foi realizado com aluno do 2ª ano, tem com objetivo principal,
promover o aprendizado do educando, de uma forma recreativa e dinamica
para que os mesmos consigam compreender os princípios básicos do
sistems de numeração decimal podendo utilizá-la no seu cotidiano, e colocar
em prátiica.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

http://www.pepere.org/jogos-online_2_aa/tampinha-garrafa_v_33.html

http://www.youtube.com/watch?v=ZPhV3w96XB0

68
ANEXOS DA OFICINA 11:

Atividades programadas

1. Observe o números abaixo:

 QUARENTA E UM: 41

 SESSENTA E TRÊS: 63

 CINQUENTA E OITO: 58

Quantos algarismos tem cada número? _________

2.Escreva outros números que você conhece com dois algarismos:

3. Pinte todos os números de dois algarismos do quadro abaixo:

1 2 3 4 5 6 7 8 9

10 11 12 13 14 15 16 17 18 19

20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

30 31 32 33 34 35 36 37 38 39

40 41 42 43 44 45 46 47 48 49

50 51 52 53 54 55 56 57 58 59

60 61 62 63 64 65 66 67 68 69

69
70 71 72 73 74 75 76 77 78 79

80 81 82 83 84 85 86 87 88 89

90 91 92 93 94 95 96 97 98 99

100 101 102 103 104 105 106 107 108 109

110 111 112 113 114 115 116 117 118 119


Qual é o menor número de dois algarismos? _______

 Qual é o maior número de dois algarismos? __________

 Há quantos números de dois algarismos começados por:

1 2 3 4 5 6 7 8 9

Para finalizar, organize uma discussão coletiva a partir das perguntas:

 Qual é o menor número?

 Pinte no quadro (de vermelho) o dia de hoje.

 Quais números estão entre o 20 e o 30? Qual número vem depois do


45?

 Qual número vem antes de 29?

 Recortes de revistas

70
Fotos

71
OFICINA 12

ADIÇÃO

OBJETIVOS:

 Utilizar uma forma convencional para calcular.

 Conhecer e re4solver cálculos de adição.

 Efetuar cálculos mental por meio de jogos.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Conceito de adição.
 Adição sem e com reserva.
 Bingo com cálculo envolvendo adição.

SÉRIE:

4ª série (5ºAno)

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Papel, lápis, borracha, caneta , giz, lousa, livro didático, cartolina e piloto.

72
PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

 Conversação, explicação com cartaz, seguido de acompanhamento no


livro didático, após atividade na lousa e correção, calculando o
resultado da adição.

 Reexplicação sobre conceito, após cartaz mostrando o que é adição


com reserva e sem reserva, seguido de atividade escrita na lousa e
correção da mesma, conhecendo os cálculos de adição.

 Conversação, após distribuir cartelas cálculos de adição, em seguida


iniciar o bingo onde o professor dita os cálculos e o educando resolve
mentalmente e marca na cartela. Quem preencher primeiro a mesma é
o vencedor, efetuando cálculos mental por meio de jogos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Esses conteúdos foram trabalhados de maneira lúdicos, para que o aluno


posse a compreender e aprender a efetuar cálculos envolvendo adição,
melhorando o seu raciocínio lógico e o conhecimentos matemáticos, por meio
de atividades em cartaz na lousa e jogos.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Bonjorno, José Roberto e Azena, Regina. Matemática. Coleção Pode Contar Comigo .

73
ANEXOS DA OFICINA 12:

74
OFICINA 13

OFICINA DE SUBTRAÇÃO COM ÁBACO CHINÊS

OBJETIVOS:

 Inserir o jogo como forma ludica de trabalhar o conteúdo.

 Aprimorar o desenvoltura do raciocinio logico nas operaçoes com


subtração.

 Definir conceitos matemáticosapartir dos procedimentos realizados


durante a atividade com o jogo.

 Melhorar a percepção e etender o conceito da subtração

 Melhorar as relaçoes atitudinais eprocedimentais entre os colegas de


sala.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

Subtração (subtração operação inversa a adição).

SÉRIE:

4ª série (ou 5º ano do ensino fundamental).

75
RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

 Ábaco feito de material reutilizável.

 Isopor (ou madeira furada).

 Tampas de refrigerante (ou pedaços de papelão.

 Palitos de churrasco.

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

O professor inicia com uma conversação com a turma onde explica que um
aluno bem treinado no ábaco consegue fazer contas mais rápido do que
alunos utilizando a maquina de calcular em seguida apresentaram o ábaco
mostrando como fusiona e junto com os educando trabalhar cálculos de
adição e subtração.

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

A oficina tem o objetivo ajuda no aprendizado de maneira dinamica para que


os mesmos consigam compreender os principios basicos da subtração.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

http://www.google.com.br/images?hl=pt-
BR&q=SUBTRA%C3%87%C3%83O&um=1&ie=UTF-
8&source=univ&ei=aaVHTPreB86RuAfeoIAv&sa=X&oi=image_result_group&ct
=title&resnum=4&ved=0CDUQsAQwAw

http://criancas.uol.com.br/atividades/ult6124u39.jhtm

http://www.a77.com.br/matematica/

76
ANEXOS DA OFICINA 13:

77
78
79
80
81
OFICINA 14

MULTIPLICAÇÃO

OBJETIVOS:

 Aprender a multiplicação de uma forma lúdica, dinâmica e divertida;

 Multiplicar quantidades com valores diferentes;

 Ler, interpretar e resolver os problemas de multiplicação corretamente;

 Completar a lacunas utilizandoos números de emborrachado

o adequadamente;

 Desenvolver o raciocinio lógico e cálculo mental de forma divertida.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Tabuada cantada;

 Jogo de dominó com cálculos;

 Problemas em fichas;

 Memorizando melhor a tabuada;

 Bingo de multiplicação.

SÉRIE:

5º ano

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

82
 Músicas;

 Dominó em fichas;

 Cartelas de emborrachado;

 Palitos, boliche;

 Cartelas de bingo em fichas;

 Giz, cola, cartolina, som, material dourado e cartaz;

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

 Distribuir a tabuada cantada, ou seja, as versões das músicas infantis,


depois cantar juntos com os educandos e pedir que memorizem a
música, para que ao mesmo tempo possam aprender a tabuada, isso
será feito durante vários dias da semana;

 Colocar os alunos para formarem duplas, em seguida será distribuído


um dominó para cada dupla, após isso os alunos irão começar a jogar,
um de cada vez, completando o calculo com o resultado, no final
vencerá o jogo que ficar sem nem uma carta na mão.

 Colocar vários problemas de multiplicação colado nos boliches, depois a


turma será dividida em dois grupos e assim começará o jogo, quem
derrubar menos boliche irá responder um problema que estará colado
no mesmo.

 O professor irá colocar os alunos em duas filas, após isso pedirá que os
mesmos corram até os números de emborrachado e peguem um
número de cada vez e preencha corretamente a cartela que ficará no
chão longe dos alunos, depois de preenchida a cartela o outro grupo vai
corrigir e ver se realmente está correta, vencerá quem preencher a
cartela corretamente.

83
Será distribuída uma ficha para cada aluno, depois eles escolherão números
de 0 a 100 e colocarão um número para cada quadrinho da cartela, após isso o
professor fará perguntas relacionadas a multiplicação e se os alunos tiverem o
resultado na cartela, ou seja, se eles escolheram algum resultado semelhante
eles irão marcar, ganhará o jogo e um premio quem preencher primeiro a
cartela

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Essa oficina busca, promover o aprendizado do educando, de uma forma


lúdica e dinmica para que os mesmos consigam compreender os princípios
básicos da multiplicação e possam utilizá-la no seu cotidiano, ou seja, colocar
em prátiica o que foi visto na teoria.

84
ANEXOS DA OFICINA 14:

85
Exemplo de problemas utilizado durante a oficina:

Um celular novo custa 150 reais. Quanto custa 3 celulares iguais a esse?

Marcos tem 5 pocotes de figurinhas, cada pacote contem 26 figurinhas.


Quantas figurinhas ele tem nos 5 envelopes?

TABUADA CANTADA:

Do 2 Do 3

Melodia: CIRANDA CIRANDINHA Melodia: A BARATA DIZ QUE TEM

Ciranda , cirandinha A barata diz que sabe

Vamos já memorizar A tabuada do três

A tabuada do dois É mentira da barata

Que agora vou cantar Ela erra toda vez

1 x 2 resulta dois Há há háHó hó h

2 x 2 dá sempre quatro óEla erra toda vez ( BIS)

3 x 2 lá vem o seis 1 x 3 dá três

4 x 2 oito no ato 2 x 3 seis tem pose

Essa nova tabuada 3 x 3 dá nove

É bem fácil de aprender 4 x 3 resulta doze

De um jeitinho bem gostoso há há há

É assim que vou dizer ! hó hó hó

5 x 2 lembra o dez 4 x 3 resulta doze ( BIS)

6 x 2 doze tem vez 5 x 3 são quinze

7 x 2 dá o quatorze 6 x 3 dezoito é fato7

8 x 2 dá dezesseis x 3 vinte e um

86
Por isso criançada 8 x 3 vinte e quatro

Preste muita atenção há há háhó

Nestes versos bem bonitos hó hó

Dessa mágica canção 8 x 3 vinte e quatro ( BIS )

9 x 2 dá o dezoito e como é que termina

10 x 2 pense no vinte a tabuada do três

E assim cantarolando 9 x 3 vinte e Sete

Tudo fica em sua me 10 x 3 quanto é que dá

há há há

hó hó hó

trinta é fácil de lembrar (BIS)

Do 4

Melodia: A carrocinha pegou 6 x 4 dá vinte e quatro

7 x 4 dá vinte e oito
A tabuada do quatro
8 x 4 dá trinta e dois
Eu vou logo aprender ( BIS)
A tabuada do quatro
1 x 4 sempre é quatro
Eu vou logo aprender( BIS )
2 x 4 é que dá oito
9 x 4 é trinta e seis
3 x 4 dá sempre doze
10 x 4 é que são quarenta
4 x 4 dá dezesseis
É gostoso cantar
A tabuada do quatro
Quero ver se você tenta
Eu vou logo aprender( BIS )

5 x 4 dá vinte

87
Do 5 Do 6

Melodia: Escravos de Jó Melodia: Eu sou pobre, pobre,


pobre

De 5 em cinco vamos saltear


A tabuada do seis
Pense, cante, deixe rolar
Vou agora recitar
É 5, é 10, é 15, é 20 e 25
Vamos logo coleguinhas
É 30, é 35, e 40 tem também
Todos a cantar
Depois do quarenta, o que será que
2 x 6 resulta doze
tem
3 x 6 dá dezoito
Pense, cante, tenta dizer
4 x 6 vinte e quatro
45 e 50
Bauru está no prato
é fácil de aprender.
5 x 6 são trinta

6 x 6 trinta e seis

7 x 6 quarenta e dois

Bife com arroz

8 x 6 quarenta e oito

9 x 6 cinqüenta e quatro

10 x 6 são sessenta

Queijo com polenta

É muito bom amiguinhos

Essa música cantar

O problema é que agora

Fome vai nos dar .

88
Do 7 Do 8

Melodia: ENTREI NA RODA Melodia: Samba lelê

A tabuada do oito
Refrão:
Eu vou agora cantar
Ai eu entrei aqui
Basta pensar um pouquinho
Para cantar a lei do Sete
Para as frases lembrar
Vou mostrar pra todo mundo
1 x 8 sempre dá oito
O que eu aprendi neste bimestre
2 x 8 dá dezesseis
2 x 7 são quatorze
3 x 8 é vinte e quatro
3 x 7 vinte e um
tem também na tabuada do seis
4 x7 vinte e oito
A tabuada do oito
Aposto não erro nenhum
Não mete medo em ninguém
5 x 7 trinta e cinco
Tiro um tempinho e canto
6 x 7 quarenta e dois
Vou é me dar muito bem.
7 x 7 quarenta e Nove
4 x 8 trinta e dois
O que será que vem depois?
5 x 8 é quarenta, sim
8 x7 cinqüenta e seis
6 x 8 quarenta e oito
9 x 7 sessenta e três
Estou chegando perto do fim
10 x 7 são setenta
A tabuada do oito
Consegui e passo a vez
nunca mais vou esquecer

este sambinha gostoso

Vai me fazer aprender

7 x 8 cinqüenta e seis

89
8 x 8 sessenta e quatro

9 x 8 setenta e dois

10 x 8 oitenta e eu passo !

Do 9 E tire um, e tire um !

Melodia: Polegares

2 x 9 são dezoito

3 x 9 vinte e Sete

4x9,4x9

trinta e seis, trinta e seis

5 x 9 quarenta e cinco

6 x 9 cinqüenta e quatro

7 x 9, 7 x 9

Sessenta e três, sessenta e três

8 x 9 setenta e dois

9 x 9 oitenta e um

E 10 x 9, e 10 x 9

É sempre noventa, é sempre


noventa

A tabuada do vezes Nove

Não apresenta problema algum

Some sempre dez, some sempre


dez

90
Abaixo está disponivel algumas imagens do desenvolvimento das
atividades durante a oficina:

Jogo do boliche:

91
MINHA TURMINHA!!!

92
Cartela com multiplicação de emborrachado:

93
94
95
Alunos resolvendo problemas de multiplicação:

96
97
Jogo do dominó com multiplicação:

98
Alunos resolvendo cálculos de multiplicação:

99
100
Participação do professor nas atividades desenvolvidas:

101
102
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Livro do aluno;

DANTE,Roberto.didática da resolução de problemas.são paulo,


ática,1995.

Coleção a maneira lúdica de ensinar! Graça Batituci e Celia Maria


Melo.

http://3.bp.blogspot.com/_hGGq2Bji6rE/SaAPPXsT7nI/AAAAAAAABzQ/TX
u3mUlysx4/s400/TABUADA_COM_RESULTADOS.GIF

http://resumododia.com/tabuada-para-imprimir-multiplicacao-e-
divisao.html

http://thays-educar.blogspot.com/2009/08/atividades-de-multiplicacao.html

OFICINA 15

DIVISÃO

OBJETIVOS:

 Resolver problemas de divisão com procedimentos numéricos (sem


usar desenhos)

 Perceber regularidades nas tabuadas do 2, do 3 e do 4

 Relacionar a divisão com a multiplicação

CONTEÚDOS ABORDADOS:

Construção progressiva de estratégias de cálculo mental para resolver


multiplicações e divisões; 103
SÉRIE:

3º ano

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

 Papel para confeccionar um cartaz e pincel atômico

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

Proponha o seguinte problema para ser resolvido individualmente:

Maria ganhou um buquê com 12 flores e colocou-as em 2 vasos. Quantas


flores ela colocou em cada vaso?"

Entregue uma folha em branco para cada criança registrar o que for preciso
para a resolução do problema. Assim que todos terminarem de resolver o
problema, compartilhe os resultados.

Supõe-se que as crianças dividirão as flores de maneira equitativa. Pergunte


então, se é possível distribuí-las de maneira não equitativa. Retome o
enunciado, discuta as possíveis respostas. Proponha que anotem as respostas
possíveis na sua folha.

Releia o enunciado e pergunte o que o enunciado deveria dizer para que cada
104
vaso recebesse a mesma quantidade de flor.
CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Essa oficina foi realizada com os aunos do 3º ano do ensino fundamental I,


tendo uma participação de todos e percebeu-se que atraves de um simples
problema de divisão pode se construir uma tabuada de divisão, melhorando
ainda mais o aprendizado dos educandos.

105
ANEXOS DA OFICINA 15:

Atividades programadas

1. Construção de tabuada

Fotos:

106
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

http://revistaescola.abril.com.br/matematica/pratica-
pedagogica/jogo-tabuada-428051.shtml

http://www.dm.ufscar.br/~caetano/iae2004/G4/tabuada.htm

107
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB/EAD
UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL – UAB
LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

GRUPO 4
TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO
Seminário Integralizador II

Edilânia Dias Barbosa


Edilza Dias Barbosa
Julierme Alves 108
Jailma Maria Domingos da Cruz
Telma Carneiro de Moura
OFICINA 16

BRINCADEIRAS DE CRIANÇAS

OBJETIVOS:

Identificar as brincadeiras favoritas entre os alunos de uma turma.

Organizar uma pesquisa de opinião na sala de aula.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

Organização de gráficos e tabelas.

SÉRIE:

3° Série

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Caixa de fósforos, Cartolina, Indrocor, Fita adesiva, Régua, Papel oficio,


Tesoura, cola.

109
Desenvolvimento

1ª etapa

Proponha à turma que traga caixa de fósforos cartolina, indrocor, papel oficio,
tesoura e cola. Divida os alunos em grupos de quatro. Diga para a sua turma
que cada caixa de fósforos representa uma brincadeira Peça que escreva na
folha de oficio o nome da brincadeira e cole na caixa de fósforos, usando o
indrocor colorido cada nome de uma cor.

2ª etapa

Escreva na cartolina uma tabela com os nomes das brincadeiras que saíram no
grupo.

3ª etapa

Proponha que cada aluno vá e cole a sua caixa no espaço que está escrito o
nome da brincadeira.

110
Apresenta o resultado.

Futebol Pique Pião Roda

4ª etapa
Proponha que o grupo socialize seus cartazes e explicando cada brincadeira
colocando ao lado numero de vezes que foi colado à caixa de fósforos.

Com este resultado aluno deve fazer outra tabela na folha de papel oficio.

Brincadeir Marcas Número


a s

Futebol 8

Pique 4

Pião 2

111
Roda 6

Total 20 20

E com resultado fazer uma tabela no caderno colocando a resultado da


brincadeira que a turma mais gostou.

Brincadeira Numero de aluno que gostou

Futebol 10

Roda 6

Pique 4

Pião 2

Avaliação
Proponha à turma um novo exercício, com base nos conhecimentos adquiridos
na aula. Peça que diga ao professor de educação física para brincar com a
turma a brincadeira que teve mais caixa de fósforos.

112
OFICINA 17
BRINCANDO E APRENDENDO

OBJETIVOS:

 Mostra que a matematica pode estar bem perto do aluno.

 Trabalhando a adição e a sutração com jogos de diferentes cores.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Adição

 Sutração

 Trabalhando quantidades.

 Cálculos entre o maior e menor número.

SÉRIE:

2° Série

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Jogos com peças coloridos pega varetas (ludicos).


Cartolina colorida
Lapis de cores
Lapis grafite

Regua
Palitos grandes
Blocos de anotações
113
Desenvolvimento

1ª etapa

Pedir aos alunos que tragam os jogos pega varetas para a sala de aula.

Formar grupos de 5 alunos.

2ª etapa:

Antes de iniciar a brincadeira explicar as regras da brincadeira cada aluno tem


sua vez no jogo, tirando uma vareta e o grupo deve anotar o valor, este
participante joga ate tocar com que esta tirando em outra, passando a
vez.explicando a regra iniciar a e iniciar a brincadeira.

114
3ª etapa:

Pedir que cada participante junte as vareta que conseguir tirar para fazer a
somatória do ponto.

Peça que cada grupo faça uma tabela usando uma cartolina colorida
escrevendo a cor e seu respectivo valor numérico.

Cor Valor

4ª etapa:

Com os pontos adquiridos serão anotados no bloco de anotações, para no final


fazer a contagem. Peça que cada grupo faça uma tabela e se colocado o nome
do participante e sua pontuação.

Crianças Pontuação

15

Marcos

115
11

Luísa

13

Milena

12

Carlos

16

Silvia

Avaliação

Proponha à turma um novo exercício,pedindo que eles escreva os números da


tabela do menor para maior Analise os resultados e certifique-se de que os
alunos entenderam o o conteúdo.

116
OFICINA 18

TRANSPORTE MAIS USADO PELOS ALUNOS?

OBJETIVOS:

Ler e interpretar as tabelas e os gráficos que foram elaborados, explorando o


máximo as informações obtidas.

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Leitura

 Interpretação

 graficos

SÉRIE:

3° série

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Cartolina

Figura de meio de transporte

Hidrocor

Fita adesiva

Hidrocor

Pincel para quadro branco


117
Papel oficio
DESENVOLVIMENTO

1ª etapa

Proponha à turma que traga figurado meio transporte que cada um utiliza para
chegar à escola.

Divida a turma em grupo 5 aluno por grupo.

118
2ª etapa

Selecione as figuras que cada aluno trouxe, fazendo uma seleção dos meios
de transporte colocando toda a figura de ônibus junta depois de carro, depois
de moto, depois de bicicleta e depois andando.

3ª etapa

Proponha que cada grupo depois que fez a seleção das figuras e com a
cartolina faça uma tabela para colar a figura.

Nessa tabela cada grupo vai escreve transporte utilizado cole a figura escreva
o numero de aluno que utiliza esse meio de transporte.

Transporte Figura Quantidade de aluno

Ônibus 12

119
Carro 5

Bicicleta 4

Moto 2

Andando 6

4ª etapa

De volta à sala proponha que a turma socialize as informações apresentando


uma tabela com o nome do meio de transporte mais usado e menos usado.

Meio de transporte mais utilizado Meio de transporte menos utilizado

Ônibus 12 alunos Moto 2 alunos.

Avaliação
Proponha à turma um novo exercício, com base nos conhecimentos adquiridos
na aula. Peça que escreva o pequeno texto falando como se sente utilizando

120
esse meio de transporte. Se gosta?mesmo aquele que vem andando para
escola.

OFICINA 19

TEMPO MÉDIO PARA O NASCIMENTO DE ALGUMAS


ESPÉCIES

OBJETIVOS:

 Identificar o tempo de gestação de algumas espécies.

 Trabalhar matemática junto com outra disciplina.


(interdisplinaridade)

CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Gráficos

 Tabelas

 Dados numéricos

SÉRIE:

3° série

121
RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Papel quadriculado para construir tabela.

Livros de ciências

Gráficos de jornais e revista

Lápis

Régua

Gravura

Cartolina

Lápis colorido

Desenvolvimento

1ª etapa

Proponha que os alunos tragam livros de ciências velhos. Peça que recorte
espécies de animais com diferente tempo de gestação.

Divida a turma em grupo de cinco pessoas em cada grupo.

122
2ª etapa
Peça que separe cinco figuras de animais que tenham tempo de gestação
diferente um do outro

3ª etapa
Peça que cada grupo pegue a cartolina e faça uma tabela colando a figura do
animal e escrevendo o seu tempo de gestação.

Tempo de uma gestação

Figura do animal

18 meses

12 meses

15 meses

23 meses

123
9 meses

4ª etapa
Pergunte a todos como fizeram para encontrar o tempo de gestação de cada
afinal se o livro utilizado forneceu as informações ou se precisou de outra
fonte.depois peça para apresentarem seu cartaz.

Avaliação
Analise o cartaz de cada grupo e peça para cada um escreve no seu caderno
o animal que leva mais tempo para nascer e o que leva menos tempo,peça
também para escrever o que conseguiu aprender nessa atividade em relação a
tempo de gestação de cada animal.

OFICINA 20

QUAL A SUA ALTURA?

OBJETIVOS:

Conceituar média numa situação contextual de medidas de altura dos


alunos da sala, coletando informação por meio das medidas dos alunos.

124
CONTEÚDOS ABORDADOS:

 Leitura

 Interpretação

 Criação de registro

SÉRIE:

2° série

RECURSOS / MATERIAIS NECESSÁRIOS:

Fita métrica

Trena

Giz

Fichas

Fitas de jornal de um metro de comprimento

Lápis de cor

Régua

Barbante

Papel craft.

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS / DESENVOLVIMENTO:

Proponha que traga fita medrica e cordão. divida a sala em grupo de cinco
aluno em cada grupo.

125
2°etapa:

peça cada verifique a medida do colega es escreva no caderno.

126
3°etapa

Fazer o seguinte questionário:

 Qual a medida de sua altura?

 O que você usaria para fazer essa medida?

 Qual a medida da altura dos seus colegas?

 Quem é o mais alto? E o mais baixo?

Logo depois contruir uma tabela com os dados escrevendo o nome do colega
que verificou a medida.

aluno medida

pedro 1,20m

luisa 1,13m

cauã 1,17m

breno 1,00m

127
ialey 1,12m

bianca 1,19m

claudia 1,21m

Avaliação

Analise a tabela e peça que eles escrevam as dificuldade que tiveram em


trabalhar com fita métrica.

128