Você está na página 1de 4

Micoses superficiais cutâneas Dermatofitoses

Conceito: São micoses causadas por fungos filamentosos, hialinos e septados, apresentam micro e macroconídeos (Exceção: Epidermophyton), chamados dermatófitos, são queratinofilicos, causando lesões em pelos e/ou extrato córneo de homens e animais. Nestas micoses é comum a apresentação de uma resposta inflamatória, podendo haver pústula, eritema, prurido, rubor e ardor. São divididos em 3 grupos de acordo com o habitat: geofilícos (resposta inflamatória mais evidente), zoofílicos (resposta inflamatória moderada) e antropofílicos. É diferente de Dermatomicoses, pois estas doenças são causadas por fungos diferentes dos dermatófitos. São fungos anamorfos com reprodução assexuada. Cosmopolitas.

Patogenia:

A instalação se dá em pele glaba, inicia-se sempre com a inoculação de um artroconídeo ou fragmento de hifa depositada sobre a pele, favorecido por lesão cutânea ou escoriação preexistente. O fungo penetra na camada córnea da epiderme e cresce dicotomicamente (de forma circular e centrífuga) que com o passar de dias resulta em uma lesão macroscópica de aspecto redondo, onde há visível descamação com presença ou não de reação inflamatória. Nas Dermatofitoses os pelos quando atacados sempre são secundariamente à evolução de uma lesão da pele. A penetração se faz de forma voluntária em unha previamente doente e é favorecida por trauma. A invasão começa preferencialmente na parte distal indo em direção a proximal, o que ajuda no diagnostico diferencial das onicomicoses por dermatófitos que compreendem primariamente a borda livre das unhas quando comparadas as onicomicoses de leveduras que comprometem primariamente a prega ungueal proximal. O processo infeccioso primário, não está relacionado apenas com a força mecânica, mas também a ação de algumas enzimas pelos Dermatófitos. A formação de enzimas e a habilidade de causar inflamação cutânea contribuem para a disseminação do fungo.

Fatores predisponentes: Condições climáticas (calor e umidade), Condições precárias de higiene, indumentária inadequada, corticoterapia, hábitos, profissão (soldado do exército que usa coturno, por exemplo) e meio social.

Manifestações clínicas: Lesão vermelha circular com bordos regulares ou irregulares. Crescimento centrífugo, pruriginosa, vesículas (bolhas pústulas), alopecia (queda de cabelo), rubor, edema, secreção purulenta e destruição ungueal (unha) completa ou parcial.

Principais agentes etiológicos:

Epidermophyton floccosum Reservatório e hábito: dermatófito antropofílico, compromete pele e unhas. Característica singular: Quando observado em cultura apresenta apenas a presença de macroconídios na forma de clava, divididos por finos septos e com superfície lisa. Pode lembrar um cacho de bananas. *Microconídios sempre ausentes e este gênero não ataca pelos e cabelos.

Microsporum: em cultura apresentam macroconídeos de forma navícular, divididos por septos transversais de espessura variada. Na sua parte distal tem protuberâncias que lhes conferem aspecto verrugoso. Pode existir também microconídios juntos aos macroconídios distribuídos pelas hifas. Hábito: compromete pele e pelos.

  • M. canis- reservatório: dermatófito zoofílico

  • M. gypseum- reservatório: dermatófito geofílico

Trichophyton vasta presença de microconidios distribuídos de forma peculiar nas hifas. Hábito: pelos, unhas e pele

  • T. rubrum: dermatófito antropofílico

  • T. tonsurans: dermatófito antropofílico

  • T. mentagrophytes: T. mentagrophytes var. mentagrophytes é um dermatófito zoofílico T. mentagrophytes var. interdigitale é um dermatófito antropofílico.

Classificação de acordo com a localização:

Tinea barbae

Infecção na pele e pelo na região da barba.

Manifestação clínica: podem desenvolver kerions (tumefações esponjosas) e fístulas. Principais agentes etiológicos: T. verrucossom e T. mentagrophytes.

Tinea manun: Infecção na área palmar e interdigital das mãos. Manifestação clínica: as lesões eritematosas com intensa perda de queratina, podendo forma fissuras.

Tinea unguium (Onicomicose provocada por dermatófitos)

Manifestação clínica: se a lesão envolve a base da unha (pele envolta da unha) é chamada de perioníquio,

formam-se vesículas que podem liberar material purulento. Se a infecção é na lâmina ungueal, chamada de ônix, as lesões tornam-se amareladas e a unha quebradiça.

Tinea pedis: Lesões nas solas dos pés e interdigitais. Manifestação clínica: as lesões eritematosas com intensa perda de queratina, podendo forma fissuras.

Tinea cruris (virilha): Infecção na região da virilha. Manifestação clínica: forma lesões eritematosas úmidas, bilaterais e com intenso prurido.

Tinea capitis: Infecções que envolvem o couro cabeludo. Manifestação clínica: ocorrem lesões com áreas de eritema com desenvolvimento de reações inflamatórias com foliculites, formação de kerions e extensas áreas de alopecia, o bulbo capilar permanece.

Diagnóstico laboratorial (parasitismo no pelo): na invasão ectotrix: perceber artroconídios que se acumulam ao redor da haste do pelo, formando uma bainha em mosaico. Na invasão endothrix: perceber artroconídios dentro das hastes dos pelos, usualmente não se observam artroconídios do lado de fora do cabelo.

Tinea corporis

Manifestação clínica: é uma mancha escamosa, avermelhada circular, com margens demarcadas. Pode ocorrer aparecimento de bolhas ou pústulas.

Tinea imbricata

Causada pelo fungo T. concentrum Causa infecção crônica na pele com lesões em forma de anéis concêntricos.

OS PRINCIPAIS FUNGOS DERMATÓFITOS

Gênero Epidermophyton E.FLOCCOSUM

Macroscopicamente encontra-se implicado, sobretudo em lesões de grandes dobras. As colônias caracterizam-

se pela presença de uma textura algodonosa baixa, com relevo umbilicado (apresenta uma depressão central afunilada) evoluindo para pulverulenta na região intermediária. As bordas do verso são de cor amarela esverdeada ou castanho amarelada.

Microscopicamente tem Macroconídeos em forma de clave (Tem apenas macroconídeos, formato parecido com uma raquete com extremidades arredondadas) de uma mesma hifa podem surgir vários macroconídeos.

Classificação de acordo com a localização: Tinea barbae Infecção na pele e pelo na região da
Classificação de acordo com a localização: Tinea barbae Infecção na pele e pelo na região da
Classificação de acordo com a localização: Tinea barbae Infecção na pele e pelo na região da

CARACTERISTICAS MICROSCÓPICAS: macroconídeo de parede fina em formato de clave, com 2 a 5 septos e presença de hifas septadas.

Gênero Trichophyton

  • T. MENTAGROPHYTE:

Apresenta elevada tendência ao pleomorfismo (capacidade de variar sua forma de acordo com o período do ciclo de vida/reprodutivo ou das condições ambientais). Causa diversos quadros de epidermofitíases (Lesões que acometem

exclusivamente a camada córnea da pele glabra), onicomicoses, lesões do couro cabeludo e lesões interdigitopalmares. Geralmente desencadeada pela variedade zoofílica, apresenta intensa resposta inflamatória. Tem intensa atividade da enzima urease. Microscopia: Apresenta exuberância de estruturas de frutificação; Grande quantidade de microconídios arredondados e agrupados, com aspecto de cachos.

Gênero Trichophyton T. MENTAGROPHYTE: Apresenta elevada tendência ao pleomorfismo ( capacidade de variar sua forma de
Gênero Trichophyton T. MENTAGROPHYTE: Apresenta elevada tendência ao pleomorfismo ( capacidade de variar sua forma de
Gênero Trichophyton T. MENTAGROPHYTE: Apresenta elevada tendência ao pleomorfismo ( capacidade de variar sua forma de

CARACTERISTICAS MICROSCÓPICAS: Macroconídios alongado, com aspecto de charuto, microconídios agrupados ou dispersos. Presença de hifas septadas e algumas em espiral.

OBS: Na macroscópica todos os tricophytons se assemelham com diferença do Rubrum, que possui uma pigmentação, todos costumam ser algodonosos e brancos.

  • T. TONSURANS:

É um parasita antropofílico de alta prevalência na África do Norte e América do Sul. Comumente causador de

lesões tonsurantes no couro cabeludo, mais raramente pode causar onicomicoses e lesões em pele glaba. Pode apresentar uma pequena quantidade de urease ou não. Não penetra no pelo.

Gênero Trichophyton T. MENTAGROPHYTE: Apresenta elevada tendência ao pleomorfismo ( capacidade de variar sua forma de
Gênero Trichophyton T. MENTAGROPHYTE: Apresenta elevada tendência ao pleomorfismo ( capacidade de variar sua forma de
Gênero Trichophyton T. MENTAGROPHYTE: Apresenta elevada tendência ao pleomorfismo ( capacidade de variar sua forma de

CARACTERISTICAS MICROSCÓPICAS: Hifas septadas em forma de balão e diversidade de microconídios.

  • T. RUBRUM:

É uma espécie antropofílica cosmopolita, sua transmissão é exclusivamente inter-humanas ou por fômites (é

qualquer objeto inanimado ou substância capaz de absorver, reter e transportar organismos contagiantes ou infecciosos (de

germes a parasitas), de um indivíduo a outro) contaminados. É refratária ao tratamento imposto em razão de sua grande adaptação ao hospedeiro humano, daí sua maior facilidade de burlar as defesas inatas do hospedeiro e permanecer como uma infecção residual, com exacerbações clinicas eventuais. O reverso da colônia com o passar do tempo tem coloração avermelhada. Microconídios em forma de lágrima é o que caracteriza esse agente. Macroconídios (quando der para visualizar), grande quantidade de Microconídios piriformes e regulares. Hifas septadas e mais retilíneas.

Gênero Trichophyton T. MENTAGROPHYTE: Apresenta elevada tendência ao pleomorfismo ( capacidade de variar sua forma de
Gênero Trichophyton T. MENTAGROPHYTE: Apresenta elevada tendência ao pleomorfismo ( capacidade de variar sua forma de

CARACTERISTICAS MICROSCÓPICAS: Microconídios piriforme, macroconídios de forma clava e alongada.

Gênero Microsporum

M. Gypseum: Chamado de areia do deserto porque sua colônia é arenosa de cor bege. Fungo geofílico que contamina o homem através de contato com o solo contaminado. Suas lesões clinicas são geralmente em áreas descobertas do corpo, caracterizando uma epidermofitíase, raramente pode parasitar cabelos mas quando acontece causa grande inflamação no couro cabeludo. Numerosos macroconídeos e Microconídeos não muito diferenciados menores do que no Trichophyton.

Gênero Microsporum M. Gypseum: Chamado de areia do deserto porque sua colônia é arenosa de cor

CARACTERISTICAS MICROSCÓPICAS: Macroconídeos de parede fina, de 3 a 7 septações e extremidades mais arredondadas em relação aos do M. Canis e superfície levemente rugosa.

M. CANIS

Fungo zoofílico transmitido ao homem por diversos animais domésticos, tendo como principal meio reservatório os felinos jovens. Clinicamente responsável por lesões no couro cabeludo, caracterizado por grandes placas de

alopecia (é a redução parcial ou total de pelos ou cabelos em uma determinada área de pele) principalmente em

crianças.

Gênero Microsporum M. Gypseum: Chamado de areia do deserto porque sua colônia é arenosa de cor
Gênero Microsporum M. Gypseum: Chamado de areia do deserto porque sua colônia é arenosa de cor
Gênero Microsporum M. Gypseum: Chamado de areia do deserto porque sua colônia é arenosa de cor

CARACTERISTICAS MICROSCÓPICAS: Macroconídeos de parede grossas, com 5 a 7 septos, microconídeos de quantidade variada. Bem afilado nas extremidades e apresentam rugosidades na parede externa.