Você está na página 1de 2

'ArJ

~

..

I

f

_.

f-

I

F fi C .h.d~

'ArJ • I f _. f- I F fi C .h.d~ 488 Neste livro José Arthur
'ArJ • I f _. f- I F fi C .h.d~ 488 Neste livro José Arthur

488

Neste livro José Arthur Giannotti analisa com par-

ticular criatividade e penetração as relações entre as

ciências

 

em particular

e

as

ciênc ns sociais -

e as condições sociais

e políticas nas quais o trabalho intelectual se insere. Para o

autor a ciência

nao pode

ser

reduzida

a mero

discurso

coerente

consigo mesmo.

como

se pairasse

acima

das

opções pessoais,

dos

..

,

interesses de classe e da ação vigilante

do

estado.

Ao

contrá-

 

rio,

a

Ciência

se

reporta a objetos que,

por

sua vez,

aao parci-

almente constituídos

pelo

próprio

discurso

científico.

'.

poe

~ue a

Perfila-se.

inteligibilidade

assim, do discurso

uma

crítica

ontológica que

vai

além

dientífico

su-

da

análise

circunscrita ao hível dos conceitos para alcançar areIa

ção entre

estes

e

os

objetos

(sociais e materiais)

aos

quais

se

referem.

 

Para aprofundar esses

pressupostos

ontológicos

Gi

annotti começa por

fazer um ensaio sobre Durkheim no qual

mos-

tra como a reflexão desse autor. ao dotar os fatos sociais de um

movimento circular. acaba por aproximar-se da visão Kant{ana de Deus. A partir daí o ensaio sugere que a sociologia

nasceu

na

pena de Durkheim comprometida com uma nova versão da

teologia.

Para escapar destas amarras metafísicas. a sociologia deveriains

pirar-se noutro paradigllla ontológico.

capaz

de

romper

a

"circula

ridade do social", Esta proeza foi realizada pelo pensamento marxista que fundamenta as categorias teóricas necessárias ao

conhecimento no processo de trabalho. Por esta perspectiva, o -

conhecimento

os

conceitos

e

o discurso

sao historicamente

z.

situados

e produzidos:

nao

existe

a

separaçao

entre uma

ordem

lógica.

da verdade.

e

uma ordem histórica,

do

continRente;

nem

é necessário supor que a verdade do objeto está asseguaada

pelo

próprio

sujeito,

pelo

entendimento. A distinção entre razão e

história

se

refaz

num percurso

em que

ambas

são mutuamente refe-

ridas e encontram sua explicação num modo de produção e num pro-

cesso lie

ceito

mas

trabalhar que criam as so

que,

por

sua vez,

condições

objetivas

para

se materializam

através

 

o

con-

 

das

no-

çoes

que

sao

seus

fundamentos

formais.

 
 

A multiplicidade

dos

planos

destes

Estudos

e

os

vários

caminhos

intelectuais que eles

abrem mostram um autor

com

batente no plano intelectual

e

mordaz

na

crítica.

E acima

de

tudo,

deixam entrever

o

filósofo

obcecado por

descobrir

os

va-

rios problemas que uma antologia

do

social

levantam •