Você está na página 1de 123

MANUEL JOAQUIM ALVES

ELEMENTOS DE ANÁLISE MATEMÁTICA. PARTE I

* Método de indução matemática

* Sucessão. Limite de sucessão

* Sucessões fundamentais

* Função. Limite de função

* Limites notáveis
* Comparação de infinitésimos

Imprensa Universitária
Manuel Joaquim Alves1 “Elementos de Análise Matemática. Parte I”– Maputo: Imprensa
Universitária, 2000.– 123p.

A colectânea de exercı́cios aborda o tema sobre limite de sucessão e função. O presente trabalho destina-se aos

estudantes dos cursos de Matemática, Ciências e Engenharias.

Referências bibliográficas: 4 tı́tulos.

Número de registo: 01882/RLINLD/2000

Tiragem: 1500

Revisão: Prof. Doutor A. I. Shindiapin (Professor Associado Convidado no Departamento de Matemática e Informática);

dr. Luı́s Weng Sam (Assistente no Departamento de Matemática e Informática).

c M. J. Alves, 2000
°

Este trabalho foi editado com o apoio financeiro da Cervejas de Moçambique.

Typeset by LATEX

1
Prof. Doutor M. J. Alves é mestrado (Universidade Estatal de Saint-Petersburg) e doutorado (Universidade Estatal

de Perm) em Matemática Pura. Actualmente é professor no Departamento de Matemática e Informática da Universidade

Eduardo Mondlane. O seu endereço electrónico é: majoalves@member.ams.org


CONTEÚDO

Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

1 MÉTODO DE INDUÇÃO MATEMÁTICA 8


1.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

2 SUCESSÃO. LIMITE DE SUCESSÃO 15


2.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
2.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
2.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

3 INFINITÉSIMO E INFINITAMENTE GRANDE 22


3.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
3.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
3.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

4 PROPRIEDADES ARITMÉTICAS DE SUCESSÕES CONVERGENTES 29


4.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
4.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
4.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
4.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

3
4

5 SUCESSÕES MONÓTONAS 43
5.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
5.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
5.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

6 LIMITES PARCIAIS 48
6.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
6.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
6.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
6.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

7 SUCESSÕES FUNDAMENTAIS 54
7.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
7.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
7.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
7.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

8 FUNÇÃO 60
8.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
8.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
8.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
8.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

9 LIMITE DE FUNÇÃO 71
9.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
9.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
9.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
9.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83

10 LIMITES NOTÁVEIS 85
10.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
10.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
10.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
10.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
5

11 COMPARAÇÃO DE INFINITÉSIMOS 99
11.1 Resumo teórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
11.2 Exercı́cios resolvidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
11.3 Perguntas de contrôle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
11.4 Exercı́cios propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
Respostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
Indice remissivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
PREFÁCIO

O presente trabalho é uma colectânea de exercı́cios referentes ao primeiro e segundo temas da

disciplina Análise Matemática I.

Pretendemos, deste modo, mostrar a aplicação dos teoremas e conceitos principais condu-

centes à assimilação dum dos tópicos básico e fundamental da Análise Matemática, que é a

noção de limite.

Faz-se uma breve revisão de conceitos tais como sucessão, função, seu domı́nio e con-

tradomı́nio. Introduz-se a noção de limite de sucessão e função, suas propriedades e vêm-se,

de um modo geral, os limites notáveis. Aborda-se, também, o conceito de o– pequeno, O –

grande e retratam-se algumas fórmulas assı́mptóticas que nos mostram, de modo profundo, o

seu impacto no cálculo de limites.

A assimilação dos principais conceitos e teoremas, que se encontram no resumo teórico,

são fundamentais para a compreensão dos exercı́cios resolvidos e a resolução dos exercı́cios

propostos. Subentende-se que as demonstrações destes teoremas o leitor teve a oportunidade

6
7

de aprendê-las durante as aulas teóricas ministradas.

Parte dos exercı́cios aqui retratados foram retirados do livro sob redacção do académico

russo Boris Pavlovitch Demidovitch2 .

Gostarı́amos de exprimir os nossos agradecimentos à todos que, directa ou indirectamente,

contribuı́ram para que este trabalho fosse publicado. À CERVEJAS DE MOÇAMBIQUE, que

financiou esta edição, o nosso agradecimento.

O autor

Maputo, 2001

2
Boris Pavlovitch Demidovitch (1906–1977) — matemático russo
Módulo 1

MÉTODO DE INDUÇÃO

MATEMÁTICA

1.1 Resumo teórico

Para se demonstrar que uma afirmação é correcta para qualquer número natural n, é suficiente

mostrar que:

1) a afirmação é correcta para n = 1;

2) caso o ponto anterior se cumpra, então supõe-se que a afirmação é correcta para n = k ;

3) finalmente mostramos que, com base na suposição 2), a afirmação é correcta para n =

k + 1.

8
Módulo 1. Método de indução matemática 9

1.2 Exercı́cios resolvidos

1) Nos exercı́cios seguintes mostre, aplicando o método de indução matemática, que as igual-

dades têm lugar para qualquer n natural:

n(n + 1)
(a) 1 + 2 + · · · + n = ;
2
1(1 + 1)
Resolução. Para n = 1 temos 1 = , i.e. o ponto 1) do método de indução
2
matemática cumpre-se. Suponhamos que para n = k a igualdade é válida, i.e.
k(k + 1)
1+2+···+k = . Sendo assim, mostremos que para n = k + 1 a igualdade
2
se cumpre, i.e.
(k + 1)(k + 2)
1 + 2 + · · · + k + (k + 1) = ?
2

Realmente,

k(k + 1) k(k + 1) + 2(k + 1) (k + 1)(k + 2)


1+2+· · ·+k+(k+1) = +(k+1) = = . ¤
2 2 2
n(n + 1)(2n + 1)
(b) 12 + 22 + · · · + n2 = ;
6
1(1 + 1)(2 + 1) 2·3
Resolução. Para n = 1 temos 12 = = = 1. Suponhamos que
6 6
para n = k a igualdade é válida, i.e.

k(k + 1)(2k + 1)
12 + 22 + · · · + k 2 = .
6

Vamos mostrar que para n = k + 1 a igualdade cumpre-se, i.e.

(k + 1)(k + 2)(2k + 3)
12 + 22 + · · · + k 2 + (k + 1)2 = ?
6
10 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

Com efeito:

k(k + 1)(2k + 1)
12 + 22 + · · · + k 2 + (k + 1)2 = + (k + 1)2 =
6
k(k + 1)(2k + 1) + 6(k + 1)2 (k + 1)[k(2k + 1) + 6(k + 1)]
= = =
6 6
(k + 1)(2k 2 + k + 6k + 6) (k + 1)(2k 2 + 7k + 6) (k + 1)(k + 2)(2k + 3)
= = = . ¤
6 6 6
1 1 1 n
(c) arctg + arctg + · · · + arctg 2 = arctg ;
2 8 2n n+1
1 1
Resolução. Para n = 1 temos arctg = arctg , i.e. a igualdade cumpre-se.
2 1+1
Suponhamos que para n = k a igualdade é correcta, i.e.

1 1 1 k
arctg + arctg + · · · + arctg 2 = arctg .
2 8 2k k+1

Mostremos que a igualdade é correcta para n = k + 1, i.e.

1 1 1 1 k+1
arctg + arctg + · · · + arctg 2 + arctg = arctg ?
2 8 2k 2(k + 1)2 k+2

Para tal vamos mostrar, inicialmente, a igualdade:

α+β
arctgα + arctgβ = arctg .
1 − αβ

Fazendo θ1 = arctgα e θ2 = arctgβ temos que α = tgθ1 e β = tgθ2 . Seja

tgθ1 + tgθ2 α+β


γ = θ1 + θ2 =⇒ tgγ = tg(θ1 + θ2 ) = = =⇒
1 − tgθ1 tgθ2 1 − αβ
α+β
=⇒ γ = θ1 + θ2 = arctgα + arctgβ = arctg .
1 − αβ
Módulo 1. Método de indução matemática 11

Assim,

1 1 1 k 1
arctg + · · · + arctg 2 + arctg 2
= arctg + arctg =
2 2k 2(k + 1) k+1 2(k + 1)2
k 1
k+1
+
2(k+1)2 (2k 2 + 2k + 1)(k + 1)
= arctg k
= arctg =
1− · 1
k+1 2(k+1)2
(2k 3 + 6k 2 + 5k + 2)

(2k 2 + 2k + 1)(k + 1) k+1


= arctg 2
= arctg . ¤
(2k + 2k + 1)(k + 2) k+2

2) Demonstre a desigualdade de Bernoulli1 :

(1 + x1 )(1 + x2 ) · · · (1 + xn ) ≥ 1 + x1 + · · · + xn ,

onde xi > −1, i = 1, 2, . . . , n e xi xj > 0, i, j = 1, 2, . . . , n;

Resolução. Para n = 1 a desigualdade cumpre-se. Suponhamos que ela é correcta para

n = k , i.e.

(1 + x1 )(1 + x2 ) · · · (1 + xk ) ≥ 1 + x1 + x2 + · · · + xk .

Vamos mostrar a validade desta desigualdade para n = k + 1. Temos, para xi > −1,

(1 + x1 )(1 + x2 ) · · · (1 + xk )(1 + xk+1 ) ≥ (1 + x1 + x2 + · · · + xk )(1 + xk+1 ) =

= (1 + x1 + x2 + · · · + xk + xk+1 ) + (x1 + x2 + · · · + xk )xk+1 ≥ 1 + x1 + x2 + · · · + xk + xk+1 .

Nós fizemos uso da desigualdade (x1 + x2 + · · · + xk )xk+1 ≥ 0, pois segundo a condição

do exercı́cio xi xj > 0, i, j = 1, 2, . . . , n. ¤
1
Jacob I Bernoulli (1654–1705) — matemático suı́ço
12 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

3) Demonstre a desigualdade

1 3 2n − 1 1
· ··· <√ ;
2 4 2n 2n + 1

Resolução. Para n = 1 a desigualdade cumpre-se, pois

1 1 1
<√ =√ ;
2 2·1+1 3

suponhamos que ela também cumpre-se para n = k , i.e.

1 3 2k − 1 1
· ··· <√ .
2 4 2k 2k + 1

Vamos mostrar que esta desigualdade é correcta para n = k + 1, i.e.

1 3 2k − 1 2k + 1 1
· ··· · <√ ?
2 4 2k 2k + 2 2k + 3

Na verdade:
1 3 2k − 1 2k + 1 1 2k + 1
· ··· · <√ · =
2 4 2k 2k + 2 2k + 1 2k + 2
√ r
1 2k + 3 2k + 1 1 4k 2 + 8k + 3 1
=√ ·√ · =√ · < √ . ¤
2k + 3 2k + 1 2k + 2 2k + 3 4k 2 + 8k + 4 2k + 3

4) Demonstre a desigualdade
¯ Ã !¯
¯ Xn ¯ X n
¯ ¯
¯sin xi ¯ ≤ sin xi , 0 ≤ xi ≤ π, i = 1, 2, . . . , n;
¯ ¯
i=1 i=1

Resolução. Para n = 1 temos | sin x1 | = sin x1 pois, para 0 ≤ x1 ≤ π , o seno é positivo.

Suponhamos que para n = k a desigualdade tem lugar, i.e.


¯ Ã !¯
¯ Xk ¯ X k
¯ ¯
¯sin xi ¯ ≤ sin xi .
¯ ¯
i=1 i=1
Módulo 1. Método de indução matemática 13

Vamos mostrar que para n = k + 1 a desigualdade cumpre-se:


¯ Ã !¯ ¯ Ã k !¯
¯ k+1
X ¯ ¯ X ¯
¯ ¯ ¯ ¯
¯sin xi ¯ = ¯sin xi + xk+1 ¯ =
¯ ¯ ¯ ¯
i=1 i=1
¯ Ã ! Ã k ! ¯
¯ X k X ¯
¯ ¯
= ¯sin xi cos xk+1 + cos xi sin xk+1 ¯ ≤
¯ ¯
i=1 i=1
¯ Ã k !¯ ¯ Ã k !¯
¯ X ¯ ¯ X ¯
¯ ¯ ¯ ¯
≤ ¯sin xi ¯ | cos xk+1 | + ¯cos xi ¯ | sin xk+1 | ≤
¯ ¯ ¯ ¯
i=1 i=1
k
X k+1
X
≤ sin xi + sin xk+1 = sin xi . ¤
i=1 i=1

1.3 Perguntas de contrôle

1) Em que consiste o método de indução matemática?

1.4 Exercı́cios propostos

Para os exercı́cios seguintes demonstre, usando o método de indução matemática, as igualdades

ou desigualdades:

1) 13 + 23 + · · · + n3 = (1 + 2 + · · · + n)2 ;

2) 1 + 2 + 22 + · · · + 2n−1 = 2n − 1;

3) (1 + x)n ≥ 1 + nx (n > 1, x > −1);

1 1 1 √
4) 1 + √ + √ + · · · + √ > n, (n ≥ 2);
2 3 n
14 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

x1 + x2 + · · · + xn √
5) ≥ n x1 x2 · · · xn (xk ≥ 0, k = 1, 2, . . . , n).
n

6) Utilizando o método de indução matemática demonstre, que

∀ n ∈ N : n ≤ 2n−1 .
Módulo 2

SUCESSÃO. LIMITE DE SUCESSÃO

2.1 Resumo teórico

Se a cada número natural n se faz corresponder um certo número real xn , então diremos que

está definida a sucessão numérica x1 , x2 , . . . , xn , . . . A denotação usada é {xn }∞


n=1 ou, caso

não suscite dúvidas, xn . O número xn é o n-ésimo termo (ou elemento) da sucessão {xn }∞
n=1 .
½ ¾
xn
As sucessões {xn + yn }, {xn − yn }, {xn yn } e chamaremos soma, diferença, produto
yn
e quociente, respectivamente, das sucessões {xn } e {yn } (para o quociente supõe-se que yn 6=

0, ∀ n ∈ N).

Diremos que a sucessão {xn } é limitada se ∀ n ∈ N ∃ M > 0 : |xn | ≤ M . Do ponto de

vista geométrico significa que todos os elementos da sucessão se encontram na vizinhança do

ponto 0 e raio M .

15
16 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

Diremos que a sucessão {xn } não é limitada se ∃ n0 ∈ N ∀ M > 0 : |xn0 | > M .

Diremos que o número a é limite da sucessão {xn } se

∀ ε > 0 ∃ N = N (ε) ∈ N ∀ n > N : |xn − a| < ε.

A denotação usada é lim xn = a, ou lim xn = a, ou xn → a. Do ponto de vista geométrico


n→∞

significa que em qualquer vizinhança de a e raio ε “caiem” todos os elementos da sucessão

{xn }, com excepção dum número finito. Se uma sucessão tem limite finito, então diremos que

ela é convergente; se uma sucessão não tem limite, ou o seu limite é igual à infinito, então

diremos que ela é divergente.

Teorema 1. Se a sucessão {xn } é convergente, então o seu limite é único.

Teorema 2. Se a sucessão {xn } é convergente, então ela é limitada.

A afirmação contrária não é verdadeira: uma sucessão pode ser limitada, mas não ser

convergente. Por exemplo, a sucessão de termo geral (−1)n é limitada, mas não converge.

2.2 Exercı́cios resolvidos

1) Utilizando a definição de limite mostre que

n
lim = 1;
n+1
Módulo 2. Sucessão. Limite de sucessão 17

Resolução. Pegamos um ε > 0 qualquer e vamos ver o módulo da diferença entre o

n-ésimo termo e a unidade, i.e.


¯ ¯ ¯ ¯
¯ n ¯ ¯ 1 ¯
|xn − 1| = ¯¯ − 1¯¯ = ¯¯− ¯.
n+1 n + 1¯
¯ ¯
¯ 1 ¯¯ 1
Assim, |xn − 1| = ¯−¯ = ; de acordo com a definição temos que achar um
n+1 ¯ n+1
1
número natural N tal, que ∀ n > N terá lugar a desigualdade < ε. Resolvendo
n+1
1
esta desigualdade em relação à n temos n > − 1. Na qualidade de N podemos tomar
· ¸ ε
1 1
a parte inteira de − 1, i.e. N = −1 . ¤
ε ε

2) No exercı́cio anterior ache N , para ε = 0.1, ε = 0.01 e ε = 0.001. Que conclusão tira

sobre o comportamento de N a medida que o raio da vizinhança diminui?

Resolução. Calculando directamente obtemos:


· ¸
1
N (0.1) = − 1 = 9;
0.1
· ¸
1
N (0.01) = − 1 = 99;
0.01
· ¸
1
N (0.001) = − 1 = 999.
0.001

Vemos que N cresce, o que implica que mais termos caiem fora da vizinhança de 1. ¤

3) Utilizando a definição mostre que

5 · 3n
lim = 5;
n→∞ 3n − 2
18 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

Resolução. Pela definição de limite significa que


¯ ¯
¯ 5 · 3n ¯
¯
∀ε>0 ∃N ∈N ∀n>N :¯ n − 5¯¯ < ε.
3 −2

Assim,
¯ ¯
¯ 5 · 3n ¯ 10
¯ ¯
¯ 3n − 2 − 5¯ = 3n − 2 < ε.

Resolvendo esta inequação em relação à n temos


µ ¶
10
n > log3 +2 .
ε

Na qualidade de N podemos tomar


· µ ¶¸
10
N = log3 +2 . ¤
ε

4) Mostre, utilizando a definição de limite, que

1
lim √ = 0;
n→∞ n!

Resolução. Sabendo que para n > 1 é válida a desigualdade n! > 2n−1 temos

1 1 1
√ < (n−1)/2 < ε =⇒ 2(n−1)/2 > .
n! 2 ε

Daqui, logaritmizando na base 2, obtemos n > 1 − log2 ε2 , portanto podemos tomar

N = [1 − log2 ε2 ]. ¤

5) Formule, na linguagem “ε − N ”, o facto de que o número a não é limite da sucessão {xn }

e dê uma interpretação geométrica;


Módulo 2. Sucessão. Limite de sucessão 19

Resolução. Por definição, dizer que lim xn = a significa que

∀ ε ∃ N ∀ n > N : |xn − a| < ε.

Utilizando a regra de construção da negação temos que lim xn 6= a se

∃ ε > 0 ∀ N ∃ n > N : |xn − a| ≥ ε.

A interpretação geométrica deste facto é que existe uma vizinhança de a de raio ε tal que

fora dela se encontra um número infinito de termos da sucessão. ¤

6) Mostre que a sucessão de termo geral xn = (−1)n n é divergente;

Resolução. Por definição, |(−1)n n| = n > E verifica-se para n > E ≡ N , onde E > 0

é qualquer. ¤

n
7) Mostre que a sucessão de termo geral xn = 2n(−1) não é limitada;

Resolução. De acordo com a definição de sucessão não limitada, precisamos mostrar que

∀ M > 0 ∃ n0 ∈ N tal, que |xn0 | > M . Pegando um número n qualquer, mas par, de

modo que n > log2 M temos xn = 2n > 2log2 M = M . ¤

2.3 Perguntas de contrôle

1) Formule as definições:

(a) sucessão;
20 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

(b) sucessão limitada;

(c) limite de sucessão.

Dê uma interpretação geométrica destas definições.

2) Diga se é correcta a seguinte definição de limite de sucessão: lim xn = α se ∀ ε > 0 ∃ k > 0

(não obrigatóriamente natural) tal, que ∀ n > k : |xn − α| < ε.

3) Mostre, com um exemplo, que o número N que figura na definição de limite duma

sucessão, depende de ε.

4) Seja pois {xn } uma sucessão e o número α, que satisfaz a condição: ∃ N tal, que ∀ ε > 0

e ∀ n > N : |xn − α| < ε. Será que qualquer sucessão convergente para α satisfaz esta

condição?

5) Seja lim xn = α.

(a) Será possı́vel que todos os termos da sucessão sejam positivos (negativos) se α = 0?

(b) Demonstre que lim xn+1 = α, lim xn+2 = α;

(c) Demonstre que xn é limitada.

6) Suponhamos que numa certa vizinhança do ponto α se encontram um número infinito de

elementos da sucessão {xn }. Desta condição será verdade, que:

(a) lim xn = α?
Módulo 2. Sucessão. Limite de sucessão 21

(b) Nenhum ponto, que se encontre fora desta vizinhança, é o limite desta sucessão?

(c) A sucessão {xn } é limitada?

7) Diga o que entende por sucessão convergente e sucessão divergente.

8) A sucessão {xn } é limitada (não é limitada). Será que daı́ advém o facto que {xn } é

convergente (divergente)?

9) Demonstre que o limite duma sucessão (caso exista) é um só.

2.4 Exercı́cios propostos

1) Verifique se as sucessões seguintes são limitadas:

1
(a) xn = (−1)n ;
n
(b) xn = 2n;

(c) xn = ln n;

(d) xn = sin n.

2) Utilizando a definição de limite mostre que:

(−1)n
(a) lim = 0;
n
2n
(b) lim = 2.
n+3
Módulo 3

INFINITÉSIMO E INFINITAMENTE

GRANDE

3.1 Resumo teórico

Diremos que a sucessão de termo geral xn é um infinitésimo se lim xn = 0. Diremos que a

sucessão de termo geral xn é infinitamente grande se

∀ E > 0 ∃ N ∀ n > N : |xn | > E.

Do ponto de vista geométrico dizer que uma sucessão é infinitamente grande significa que em

qualquer vizinhança de zero se encontra um número finito de elementos, e fora da vizinhança

há um número infinito de termos. Se a sucessão {xn } é um infinitamente grande, então escreve-

22
Módulo 3. Infinitésimo e infinitamente grande 23

se lim xn = ∞. Se, a partir de um certo número, todos os termos da sucessão são positivos

(negativos), então escreve-se lim xn = +∞ (lim xn = −∞).

Note-se que uma sucessão infinitamente grande não é convergente e a escrita simbólica

lim xn = ∞ (lim xn = −∞) significa sómente que a sucessão {xn } é infinitamente grande,

contudo não significa que ela tem limite. Qualquer que seja a sucessão infinitamente grande,

ela não é limitada, já que fora de qualquer vizinhança de zero encontra-se um número infinito

de termos.

Teorema 3. A soma de dois infinitésimos é um infinitésimo.

Teorema 4. O produto de uma sucessão limitada por um infinitésimo é um infinitésimo.

Teorema 5. Se a sucessão {xn } (xn 6= 0) é infinitamente grande, então a partir de um certo


½ ¾
1
número n está definida a sucessão , que é um infinitésimo.
xn

3.2 Exercı́cios resolvidos

1) Formule, na linguagem “ε–N ”, a negação de que a sucessão {xn } é um infinitamente

grande. Dê a interpretação geométrica desta negação;

Resolução. A sucessão xn é infinitamente grande se ∀ E > 0 ∃ N ∀ n > N : |xn | > E .

A negação será: ∃ E > 0 tal, que ∀ N ∃ n > N : |xn | ≤ E .

Do ponto de vista geométrico isto significa, que existe uma certa vizinhança do ponto zero
24 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

e raio E , no qual se encontra um número infinito de termos desta sucessão. ¤

2) Demonstre que a sucessão an é um infinitamente grande, para o caso quando |a| > 1;

Resolução. Mostremos que a sucessão {an } satisfaz a definição de infinitamente grande,

i.e.

∀ E > 0 ∃ N ∀ n > N : |a|n > E.

Resolvendo esta desigualdade temos n > log|a| E , assim N = [log|a| E]. ¤

n
3) Mostre que a sucessão de termo geral xn = n(−1) não é limitada, contudo não tende para

o infinito;

Resolução. Seja E > 0 um número qualquer. Então, para n = 2k (k = 1, 2, . . .) temos

|x2k | = 2k > E se k > E/2, i.e. a sucessão xn não é limitada. Contudo, para E > 1 e
1
n = 2k − 1 (k = 1, 2, . . .) |x2k−1 | = < 1 e não pode ser superior à E > 1, i.e. não
2k − 1
é infinitamente grande. ¤

4) Demonstre que a sucessão de termo geral an é um infinitésimo, para o caso quando |a| < 1;

Resolução. Para a = 0 temos an = 0, qualquer que seja o número natural n; supon-


µµ ¶n ¶−1 ¯ ¯ ½ ¾
1 ¯1¯ 1
n
hamos que a 6= 0, então a = . Como ¯¯ ¯¯ > 1, então a sucessão é
a a an
µµ ¶n ¶−1
n 1
um infinitamente grande e a sucessão de termo geral a = é um infinitésimo,
a
segundo o Teorema 5. ¤

2n
5) Mostre que a sucessão de termo geral é um infinitésimo;
n!
Módulo 3. Infinitésimo e infinitamente grande 25

¯ n¯
2n ¯2 ¯
Resolução. Dizer que lim = 0 significa: ∀ ε > 0 ∃ N ∀ n > N : ¯¯ ¯¯ < ε. Temos
n! n!
µ ¶n−2
2n 2 2 2 2 2
= · · ··· ≤ 2 =
n! 1 2 3 n 3
µ ¶n µ ¶n
9 2 2 2
= · < ε =⇒ < ε =⇒ n > log2/3 (2ε/9).
2 3 3 9
£ ¤
Assim, N = log2/3 (2ε/9) . ¤
½ ¾
an
6) Mostre que a sucessão é um infinitésimo;
n!
Resolução. Temos a avaliação
¯ n¯
¯ a ¯ |a| |a| |a| |a| |a|
¯ ¯= · ··· · ··· <
¯ n! ¯ 1 2 m m+1 n
µ ¶n−m µ ¶n−m
|a|m |a| |a| m!ε
< < ε =⇒ < m =⇒
m! m + 1 m+1 |a|
µ ¶
m!ε
=⇒ (n − m) > log|a|/(m+1) ,
|a|m
µ ¶
m!ε
i.e. n > m + log|a|/(m+1) qualquer que seja ε e |a| < m + 1. ¤
|a|m
1 3 2n − 1
7) Mostre que a sucessão de termo geral · · ··· é um infinitésimo;
2 4 2n
Resolução. Segundo o exercı́cio 5 do ponto 1.2 temos

1 3 2n − 1 1
· ··· <√ < ε =⇒
2 4 2n 2n + 1
µ ¶
1 1 1
=⇒ 2n + 1 > 2 =⇒ n > −1 .
ε 2 ε2
· µ ¶¸
1 1
Assim, N = −1 . ¤
2 ε2
26 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

3.3 Perguntas de contrôle

1) Formule as definições:

(a) sucessão infinitamente pequena;

(b) sucessão infinitamente grande.

2) Formule, na linguagem “ε–N ”, que:

(a) a sucessão {xn } é um infinitésimo;

(b) a sucessão {xn } é um infinitamente grande. Dê a interpretação geométrica.

3) Dê a definição, na linguagem “ε–N ”, que lim xn = −∞.

4) Suponhamos que um número infinito de termos duma sucessão se encontra:

(a) em qualquer vizinhança de zero;

(b) fora de qualquer vizinhança de zero.

Da condição a) (da condição b)) implica que a sucessão é infinitamente pequena

(infinitamente grande)? Limitada (não limitada)?

5) Sabe-se que yn 6= 0, ∀ n ∈ N e

(a) lim xn = lim yn = 0;

(b) lim xn = lim yn = ∞.


Módulo 3. Infinitésimo e infinitamente grande 27

xn
Será que a sucessão de termo geral é um infinitamente grande (infinitamente
yn
pequeno)?

6) Mostre que a soma de dois infinitésimos é um infinitésimo.

7) É correcto dizer que a soma de dois infinitamente grande é um infinitamente grande?

8) Demonstre que se lim xn = ∞, então a partir de um certo n está definida a sucessão


½ ¾
1 1
e lim = 0.
xn xn

9) Seja {xn + yn } um infinitésimo. Será correcto afirmar que {xn } e {yn } são infinitésimos?

10) Demonstre que se xn ≥ yn e lim yn = +∞, então lim xn = +∞.

3.4 Exercı́cios propostos

1) Demonstre que as sucessões seguintes são infinitésimos:

(a) xn = nk , k < 0;

(b) xn = (−1)n (0.999)n ;



n
(c) xn = 2 ;

(d) xn = log(log n), n ≥ 2.

2) Mostre que a sucessão [1+(−1)n ]n não é limitada, contudo não é um infinitamente grande.
28 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

3) Ache o menor termo da sucessão:

(a) xn = n2 − 9n − 100;
100
(b) xn = n + .
n
Módulo 4

PROPRIEDADES ARITMÉTICAS

DE SUCESSÕES CONVERGENTES

4.1 Resumo teórico

Teorema 6. Seja lim xn = a e lim yn = b. Então:

1) lim (xn + yn ) = a + b;

2) lim (xn yn ) = ab;

xn
3) se b 6= 0, então a partir de um certo número está definida a sucessão de termo geral
yn
xn a
e lim = .
yn b
xn
Se lim xn = lim yn = 0, então lim chama-se indeterminação do tipo 0/0. De modo
yn

29
30 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

análogo se definem as indeterminações do tipo ∞/∞, 0 · ∞, ∞ − ∞. É claro que para tais

limites o Teorema 6 não se aplica.

Teorema 7. Se lim xn = a e a partir de um certo número temos que xn ≥ b (xn ≤ b), então

a ≥ b (a ≤ b).

Teorema 8. Se lim xn = lim yn = a e a partir de um certo número cumpre-se a dupla de-

sigualdade

xn ≤ z n ≤ y n ,

então lim zn = a.

4.2 Exercı́cios resolvidos

1) Calcule lim xn , se:

n
9+ n+1
(a) xn = ;
2 + n1
n 1
Resolução. Façamos yn = 9 + e zn = 2 + ; é claro que
n+1 n
µ ¶
n
lim yn = lim 9 + = 10
n(1 + n1 )

e
µ ¶
1
lim zn = lim 2 + = 2.
n
Módulo 4. Propriedades aritméticas de sucessões convergentes 31

Assim, aplicando o Teorema 6 temos

yn lim yn 10
lim xn = lim = = = 5. ¤
zn lim zn 2
n
(b) xn = ;
3n + 2
Resolução. Calculando directamente temos:

n n 1 1
lim = lim 2 = lim 2 = . ¤
3n + 2 n(3 + n ) 3+ n
3
10n
(c) xn = ;
n2 + 1
Resolução. Calculando directamente temos:

10n 10n 10
lim = lim 1 = lim = 0. ¤
2
n +1 n(n + n ) n + n1
n2 − n
(d) xn = √ ;
n− n
Resolução. Calculando directamente e tendo em consideração o facto de que

√ √
n2 − n = (n + n)(n − n)

temos:
√ √
n2 − n (n + n)(n − n) √
lim √ = lim √ = lim(n + n) = ∞ + ∞ = ∞. ¤
n− n n− n
5 · 3n
(e) xn = ;
3n − 2
Resolução. Calculando directamente temos:

5 · 3n 5 · 3n 5
lim = lim 2 = lim = 5. ¤
n
3 −2 n
3 (1 − 3n ) 1 − 32n
32 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

2 − n n · 2−n
(f) xn = + ;
n+1 n+2
2−n n · 2−n
Resolução. Denote-se yn = e zn = . Temos
n+1 n+2
n( n2 − 1)
lim yn = lim = −1
n(1 + n1 )

e
n 1
lim zn = lim 2 = lim = 0.
n(1 + n )2n (1 + n2 )2n

Assim, lim xn = lim yn + lim zn = −1. ¤


µ ¶5
n+1
(g) xn = ;
n
Resolução. Calculando directamente temos:
µ ¶5 · µ ¶¸5
n+1 n+1
lim = lim = 15 = 1. ¤
n n
n3 + 27
(h) xn = ;
n4 − 15
Resolução. O numerador comporta-se como n3 e o denominador como n4 . Daı́,

que
n3 + 27 n3 1
lim 4
= lim 4
= lim = 0. ¤
n − 15 n n
(n + 5)3 − n(n + 7)2
(i) xn = ;
n2
Resolução. Desenvolvemos, primeiro, o numerador:

(n + 5)3 − n(n + 7)2 = n3 + 15n2 + 75n + 125 − n3 − 14n2 − 49n =

= n2 + 26n + 125.
Módulo 4. Propriedades aritméticas de sucessões convergentes 33

Assim,
n2 + 26n + 125 n2
lim xn = lim = lim = 1. ¤
n2 n2
2n+2 + 3n+3
(j) xn = ;
2n + 3n
Resolução. No numerador e denominador vamos evidenciar a potência de maior

base. Assim,

4 · 2n + 27 · 3n 3n [4(2/3)n + 27]
lim xn = lim = lim n = 27,
2n + 3n 3 [(2/3)n + 1]

pois (2/3)n → 0, porque 2/3 < 1. ¤

xn − 1
2) Sabe-se que lim xn = 1. Ache lim yn , se yn = ;
x2n − 1

Resolução. Usando a expressão da diferença de quadrados temos

x2n − 1 = (xn + 1)(xn − 1).

Assim,
xn − 1 1 1 1
lim xn = lim = lim = = . ¤
(xn + 1)(xn − 1) xn + 1 1 + lim xn 2

3) Calcule
1 + a + · · · + an
lim ,
1 + b + · · · + bn

para |a| < 1, |b| < 1;

Resolução. Os numerador e denominador são somas de n termos de progressões geomé-

tricas de razão a e b, respectivamente. Assim, com base na fórmula que permite calcular
34 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

tais somas, temos:

1 − an+1 1 − bn+1
1 + a + · · · + an = , 1 + b + · · · + bn = .
1−a 1−b

Em conclusão:

1 + a + · · · + an (1 − an+1 )(1 − b) 1−b


lim n
= lim n+1
= .
1 + b + ··· + b (1 − a)(1 − b ) 1−a

Nós exploramos o facto que lim an+1 = 0 e lim bn+1 = 0, pois |a| < 1 e |b| < 1 segundo a

condição do exercı́cio. ¤

4) Calcule
µ ¶
1 2 n−1
lim 2
+ 2 + ··· + ;
n n n2

Resolução. Reescrevemos o termo geral de forma mais compacta:

1 2 n−1 1 + 2 + · · · + (n − 1)
xn = 2
+ 2 + ··· + 2
= .
n n n n2

O numerador é a soma de n − 1 termos duma progressão aritmética, cujo primeiro termo

é 1 e razão igual à 1. Deste modo, e aplicando a fórmula que permite achar a soma dos

elementos duma progressão aritmética, temos:

(1 + n − 1)(n − 1) n(n − 1) 1
lim xn = lim 2
= lim 2
= . ¤
2·n 2·n 2

5) Calcule
µ ¶
1 1 1
lim + + ··· + ;
2 2·3 n(n + 1)
Módulo 4. Propriedades aritméticas de sucessões convergentes 35

1 A B
Resolução. Vamos primeiro escrever na forma + . Achamos A e B :
k(k + 1) k k+1
1 A B A(k + 1) + Bk
= + = ;
k(k + 1) k k+1 k(k + 1)

daqui tirámos que (A + B)k + A = 1 =⇒ A = −B e A = 1. Assim,

1 1 1
= − .
k(k + 1) k k+1

Voltando à nossa sucessão temos:


µ ¶ µ ¶ µ ¶
1 1 1 1 1 1 1 1 1
+ + ··· + = 1− + − + ··· + − =1− .
2 2·3 n(n + 1) 2 2 3 n n+1 n+1

Agora é fácil achar o limite:


µ ¶ µ ¶
1 1 1 1
lim + + ··· + = lim 1 − = 1. ¤
1·2 2·3 n(n + 1) n+1

6) Calcule
µ ¶
1 3 5 2n − 1
lim + 2 + 3 + ··· + ;
2 2 2 2n

Resolução. Fazendo
1 3 5 2n − 1
Sn = + 2 + 3 + ··· +
2 2 2 2n

temos
1 1 3 5 2n − 1
Sn = 2 + 3 + 4 + · · · + n+1 ;
2 2 2 2 2

assim,

1 1 1 3−1 5−3 2n − 1 − 2n + 3 2n − 1
Sn − Sn = Sn = + 2 + 3 + · · · + − n+1 =
2 2 2 2 2 2n 2
36 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

1 1 1 1 2n − 1 1 2n − 1
= + + 2 + · · · + n−1 − n+1 = − n+1 + xn ,
2 2 2 2 2 2 2
1 1 1
onde xn = + 2 + · · · + n−1 . É fácil ver que xn é a soma de n − 1 termos de uma
2 2 2
1
progressão geométrica, cuja razão é . Assim,
2
1 1
2
(1 − 2n−1 ) 1
xn = 1 = 1 − n−1 .
1− 2 2

Temos, finalmente,
µ ¶
1 1 2n − 1 1 1 3
lim Sn = lim − n+1 + 1 − n−1 = +1= .
2 2 2 2 2 2

Daqui concluı́mos que lim Sn = 3. ¤

7) Calcule

2

4

8

2n
lim 2· 2· 2··· 2;

Resolução. Temos

√ √ √ √
2n 1 1 1 1 1
2 = 2 2 + 4 + 8 +···+ 2n = 21− 2n .
2 4 8
xn = 2· 2· 2···

Assim, lim xn = 2lim(1− 2n ) = 21 = 2.


1
¤

8) Calcule

n cos n
;lim
n+1

n
Resolução. Fazendo xn = cos n e yn = podemos ver que xn = cos n é limitada
√ n+1 √
n n cos n
e lim yn = √ √ 1 = 0 é um infinitésimo. Assim, tende para zero, pois
n( n + √n ) n+1
segundo o Teorema 4, é o produto duma sucessão limitada por um infinitésimo. ¤
Módulo 4. Propriedades aritméticas de sucessões convergentes 37

9) Calcule
14 + 24 + 34 + · · · + n4
lim ;
n5

def
Resolução. Denotemos Sn = 14 + 24 + 34 + · · · + n4 . Vamos procurar Sn na forma

Sn = An5 + Bn4 + Cn3 + Dn2 + En + F ;

então,

Sn+1 − Sn = A[(n + 1)5 − n5 ] + B[(n + 1)4 − n4 ]+

+C[(n + 1)3 − n3 ] + D[(n + 1)2 − n2 ] + E[(n + 1) − n].

Para qualquer natural n temos

(n + 1)4 = 5An4 + (10A + 4B)n3 + (10A + 6B + 3C)n2 +

+(5A + 4B + 3C + 2D)n + A + B + C + D + E.

Igualando os coeficientes com os mesmos expoentes à esquerda e direita temos:

5A =1

10A + 4B =4

10A + 6B + 3C =6

5A + 4B + 3C + 2D = 4

A + B + C + D + E = 1.
38 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

Daqui tirámos A = 1/5, B = 1/2, C = 1/3, D = 0, E = 1/30. Deste modo, para

qualquer natural n temos:

1 1 1 1
Sn = n5 + n4 + n3 − n + F.
5 2 3 30

Colocando n = 1 temos

1 1 1 1
1= + + − + F =⇒ F ≡ 0.
5 2 3 30

Assim,
µ ¶
14 + 24 + 34 + · · · + n4 1 1 1 1 1
lim = lim + + 2− = . ¤
n5 5 2n 3n 30n4 5

10) Seja a > 1. Demonstre que



lim n
a = 1;


Resolução. Denotamos n
a − 1 = αn , então αn > 0 e

a = (1 + αn )n = 1 + nαn + · · · + αnn ≥ nαn .

a
Daqui concluı́mos que 0 < αn ≤ , ∀ n. Significa que lim αn = 0, consequentemente
n

lim n
a = lim(1 + αn ) = 1. ¤

11) Demonstre que



lim n
n = 1;
Módulo 4. Propriedades aritméticas de sucessões convergentes 39


Resolução. Fazendo n
n − 1 = αn , então αn > 0 e

n(n − 1) 2 n(n − 1) 2
n = (1 + αn )n = 1 + nαn + αn + · · · + αnn ≥ αn ,
2 2
n n2 αn2
para n ≥ 2. Como n − 1 ≥ para n ≥ 2, então n ≥ donde tirámos, que
2 4
2
0 ≤ αn ≤ √ . Assim, lim αn = 0 e, consequentemente,
n

lim n
n = lim(1 + αn ) = 1. ¤

4.3 Perguntas de contrôle

1) Dê a definição de sucessão convergente.

2) Formule, na linguagem “ε–N ”, a definição de sucessão divergente e dê a interpretação

geométrica desta definição.

3) Formule os teoremas 6–8.

4) Suponhamos que xn converge e yn diverge. Demonstre que xn +yn diverge, αxn converge,

αyn diverge, para α 6= 0. Mostre, com exemplos, que a sucessão xn yn pode convergir ou

divergir.

5) Suponhamos que a sucessão xn +yn converge. Deste facto implica que xn e yn convergem?

6) Suponhamos que lim xn = a. Demonstre que xn pode representar-se na forma xn =

a + αn , onde αn é um infinitésimo.
40 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

7) Demonstre o Teorema 7.

8) Suponhamos que lim xn = a e ∀ n, xn > b. Deste facto implica que a > b?

4.4 Exercı́cios propostos

1) Sabe-se que a sucessão xn converge e yn diverge. Será possı́vel que xn yn seja convergente?

1 1 (−1)n 1
2) São dadas as sucessões , 2, e . Escolha destes infinitésimos as sucessões
n n n n + 100
que:

xn
(a) lim = 0;
yn

xn
(b) lim = 1;
yn

xn
(c) lim = ∞.
yn

3) Investigue a convergência das sucessões (conforme os parâmetros α, β e γ ):

nα + 1
(a) xn = β ;
n +3


3
γ√ n3 + 1 − n
(b) xn = n √ .
n+1− n

4) Calcule os limites das sucessões seguintes:


Módulo 4. Propriedades aritméticas de sucessões convergentes 41


3
n2 sin(n!)
(a) xn = ;
n+2

√ √
(b) xn = n+1− n;

(−2)n + 3n
(c) xn = .
(−2)n+1 + 3n+1

5) Calcule
µ ¶
1 2 3 (−1)n−1 n
lim − + − ··· + .
n n n n

6) Calcule
µ ¶
12 22 (n − 1)2
lim + + · · · + .
n3 n3 n3

7) Calcule
µ ¶
1 1 1
lim + + ··· + .
1·2·3 2·3·4 n(n + 1)(n + 2)

8) Sabe-se que xn 6= 1 e lim xn = 1. Calcule

x2n − 3xn + 2
lim .
x2n − 1

9) Seja Sn a soma dos n primeiros termos duma progressão aritmética, cuja razão é d 6= 0

e termo geral an . Calcule:

Sn
(a) lim ;
n2
42 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

Sn
(b) lim , an 6= 0;
a2n

10) Calcule lim xn se xn = 0.11 . . . 1(n vezes).


Módulo 5

SUCESSÕES MONÓTONAS

5.1 Resumo teórico

Diremos que a sucessão xn é decrescente (crescente) se xn+1 ≤ xn (xn+1 ≥ xn ), qualquer

que seja n ∈ N. As sucessões decrescentes ou crescentes chamam-se sucessões monótonas.

Diremos que a sucessão xn é estritamente crescente (estritamente decrescente) se

xn < xn+1 (xn > xn+1 ), qualquer que seja n ∈ N. As sucessões estritamente crescentes ou

estritamente decrescentes chamam-se sucessões estritamente monótonas.

Teorema 9. Qualquer sucessão limitada e monótona é convergente.

Teorema 10. Qualquer sucessão xn crescente e limitada superiormente é convergente.

Teorema 11. Qualquer sucessão xn decrescente e limitada inferiormente é convergente.

43
44 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

5.2 Exercı́cios resolvidos

1) Mostre que a sucessão


n!
xn = , n∈N
(2n + 1)!!

tem limite e calcule esse limite;

Resolução. Vamos verificar se esta sucessão é monótona e limitada. Para tal analisemos

o quociente
xn+1 (n + 1)!(2n + 1)!! n+1 1
= = < < 1,
xn n!(2n + 3)!! 2n + 3 2

daı́ que xn é estritamente decrescente. É evidente que esta sucessão é limitada pois, para
1
qualquer n ≥ 1, tem lugar a dupla desigualdade 0 < xn < x1 = e, pelo Teorema 9,
3
ela é convergente. Vamos calcular este limite. Suponhamos que lim xn = c. É claro que

também lim xn+1 = c. Assim,

xn+1 n+1 xn c
c = lim xn+1 = lim xn · = lim xn · = lim =
xn 2n + 3 2 2
c c
Então c − = = 0 =⇒ c = 0. ¤
2 2

2) Mostre que a sucessão xn , onde x1 = 0, xn+1 = 6 + xn , tem limite e calcule esse limite;

Resolução. Vamos mostrar que a sucessão xn = 6 + xn é crescente e, para tal, faremos

isto usando o método de indução matemática. Temos

√ √ √
x2 = 6 + x1 = 6+0= 6 > 0 = x1 .
Módulo 5. Sucessões monótonas 45

Suponhamos que xk+1 > xk . Então x2k+2 > x2k+1 e tal como xk+2 > 0 e xk+1 > 0 a

desigualdade xk+2 > xk+1 é correcta.

Mostremos que xn é limitada. É claro que para qualquer natural n temos 0 ≤ xn e

x2n < x2n+1 = 6 + xn , i.e. x2n − xn − 6 < 0 de onde tirámos que xn < 3. Assim, 0 ≤ xn < 3

para qualquer n natural.

Sendo xn uma sucessão crescente e limitada, então ela é convergente. Suponhamos que

lim xn = c. Fazendo a passagem do limite na igualdade x2n+1 = 6 + xn e tendo em conta,

que lim xn+1 = c2 obtemos c2 = 6 + c daı́, que c = 3 (porque xn ≥ 0). ¤


µ ¶n
1
3) Demonstre que a sucessão xn = 1 + é monótona e limitada;
n

Resolução. Temos

1 n+1 µ ¶n+1
xn+1 (1 + n+1 ) 1 n+1
= 1 n = 1− 2
· >
xn (1 + n ) (n + 1) n
µ ¶
1 n+1
> 1− · = 1.
n+1 n

Vemos que xn+1 > xn , i.e. xn é estritamente crescente.

Mostremos que xn é limitada. Pelo binómio de Newton1 temos


µ ¶n
1 1 n(n − 1) 1
xn = 1+ =1+n· + · 2+
n n 2! n

n(n − 1)(n − 2) 1 n(n − 1) · · · (n − (n − 1)) 1


+ · 3 + ··· + · n =
3! n n! n
1
Isaac Newton (1643–1727) — fı́sico, astrónomo e matemático inglês
46 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

µ ¶ µ ¶µ ¶ µ ¶µ ¶ µ ¶
1 1 1 1 2 1 1 2 n−1
= 2+ 1− + 1− 1− +· · ·+ 1− 1− ··· 1 − <
2! n 3! n n n! n n n
µ ¶
1 1 1 1 1 1 1
< 2 + + + ··· + < 2 + + 2 + · · · + n−1 = 2 + 1 − n−1 < 3.
2! 3! n! 2 2 2 2

Assim, 2 ≤ xn < 3. Ao mostrarmos que a sucessão xn é limitada, exploramos o facto,


i
que 1 − < 1, ∀ 1 ≤ i ≤ n e n! > 2n−1 , n ≥ 2. ¤
n

5.3 Perguntas de contrôle

1) Defina sucessão monótona.

2) Formule o teorema de convergência para uma sucessão monótona.

3) A condição de que uma sucessão é limitada, é necessária e suficiente para a convergência

dela, caso seja monótona?

5.4 Exercı́cios propostos

P
n 1
1) Demonstre que a sucessão xn = é convergente.
k=1 n + k

2) Demonstre a convergência e calcule o limite da sucessão xn dada na forma recorrente:

(a) x1 = a, x2 = b, a 6= b,

xn−1 + xn−2
xn = , ∀ n ≥ 3;
2
Módulo 5. Sucessões monótonas 47

(b) x1 é qualquer número negativo e


µ ¶
1 a
xn+1 = xn + , ∀ n ≥ 1, a > 0.
2 xn
Módulo 6

LIMITES PARCIAIS

6.1 Resumo teórico

Seja xn uma sucessão. Vejamos qualquer sucessão crescente de números inteiros positivos

k1 , k2 , . . . , kn , . . . De xn escolhemos os termos xk1 , xk2 , . . . , xkn , . . . A sucessão xkn chamaremos

subsucessão de xn .

Teorema 12. Se lim xn = a, então qualquer subsucessão sua xkn converge para a.

Teorema 13. De qualquer sucessão limitada podemos extrair uma subsucessão convergente.

Suponhamos que xkn é uma subsucessão de xn e lim xkn = α. Então α chamaremos


n→∞

limite parcial da sucessão xn . Ao maior dos limites parciais da sucessão xn chamaremos

limite superior de xn (denota-se lim xn ) e ao menor dos limites parciais chamaremos limite

48
Módulo 6. Limites parciais 49

inferior de xn (denota-se lim xn ). É claro que se xn é convergente, então tem lugar a igualdade:

lim xn = lim xn = lim xn .

6.2 Exercı́cios resolvidos

1
1) Dada a sucessão xn = 1 − , ache lim xn e lim xn ;
n
Resolução. A sucessão xn converge para 1, portanto lim xn = lim xn = 1. ¤
µ ¶
n−1 3
2) Dada a sucessão xn = (−1) 2+ , ache lim xn e lim xn ;
n
Resolução. Todos os termos desta sucessão encontram-se em duas subsucessões, uma

com ı́ndice par e outra com ı́ndice ı́mpar. Assim,


µ ¶
3
x2k = − 2 + , lim x2k = −2,
2k
µ ¶
3
x2k+1 = − 2 + , lim x2k+1 = 2.
2k + 1

Então lim xn = 2 e lim xn = −2. ¤

n nπ
3) Ache lim xn e lim xn para a sucessão, cujo termo geral é xn = 1 + cos ;
n+1 2
4k
Resolução. Para n = 4k temos x4k = 1 + ; para n = 2k − 1 temos x2k−1 = 1 e
4k + 1
4k − 2
para n = 4k − 2 temos x4k−2 = 1 − . Deste modo,
4k − 1

lim x4k = 1 + 1 = 2, lim x2k−1 = 1, lim x4k−2 = 0.

Portanto, lim xn = 0 e lim xn = 2. ¤


50 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

4) Calcule lim xn e lim xn da sucessão


µ ¶n
1 nπ
xn = 1+ · (−1)n + sin ;
n 4

Resolução. Para n = 8k − 7:
µ ¶8k−7 √ √
1 2 2
x8k−7 =− 1+ + → −e + , k → ∞;
8k − 7 2 2

Para n = 8k − 6:
µ ¶8k−6
1
x8k−6 = 1+ + 1 → e + 1, k → ∞;
8k − 6

Para n = 8k − 5:
µ ¶8k−5 √ √
1 2 2
x8k−5 =− 1+ + → −e + , k → ∞;
8k − 5 2 2

Para n = 4k :
µ ¶4k
1
x4k = 1+ → e, k → ∞;
4k

Para n = 8k − 3:
µ ¶8k−3 √ √
1 2 2
x8k−3 =− 1+ − → −e − , k → ∞;
8k − 3 2 2

Para n = 8k − 2:
µ ¶8k−2
1
x8k−2 = 1+ − 1 → −e − 1, k → ∞;
8k − 2

Para n = 8k − 1:
µ ¶8k−1 √ √
1 2 2
x8k−1 =− 1+ − → −e − , k → ∞.
8k − 1 2 2
Módulo 6. Limites parciais 51


2
Portanto, lim xn = −e − e lim xn = e + 1. ¤
2

6.3 Perguntas de contrôle

1) Dê a definição de:

(a) sucessão;

(b) subsucessão;

(c) limite parcial duma sucessão;

(d) limite superior e limite inferior duma sucessão.

2) Dê a interpretação geométrica de limite parcial.

3) Dadas as sucessões {n(−1)n + 1}, {n}, {(−1)n + 1} diga qual delas:

(a) tem limite parcial;

(b) não tem limite parcial;

(c) tem dois limites parciais;

(d) tem um limite parcial.

4) Demonstre que se uma sucessão é convergente, então ela tem só um limite parcial que

coincide com o seu limite. A afirmação inversa é correcta?


52 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

5) Formule o teorema de Bolzano1 -Weierstrass2 (Teorema 13).

6.4 Exercı́cios propostos

1) Demonstre que de qualquer sucessão não limitada podemos extrair uma subsucessão in-

finitamente grande.

2) Demonstre que qualquer subsucessão extraı́da duma sucessão infinitamente grande é in-

finitamente grande.

3) Sabe-se que as sucessões xn e yn têm um limite parcial cada. Mostre, com exemplos, que

as sucessões xn + yn e xn yn podem:

(a) não ter limites parciais;

(b) ter um só limite parcial;

(c) ter dois limites parciais.

4) Ache lim xn e lim xn se:

n(n−1)
(a) xn = 1 + 2(−1)n+1 + 3(−1) 2 ;

1
Bernhard Bolzano (1781–1848) — matemático checo
2
Karl Theodor Wilhelm Weierstrass (1815–1897) — matemático alemão
Módulo 6. Limites parciais 53

n−1 2πn
(b) xn = cos ;
n+1 3

πn
(c) xn = 1 + n sin ;
2

(−1)n 1 + (−1)n
(d) xn = + ;
n 2

n nπ
(e) xn = sin2 ;
n+1 4


n n
(f) xn = 1 + 2−1 n;

2nπ
(g) xn = cosn .
3
Módulo 7

SUCESSÕES FUNDAMENTAIS

7.1 Resumo teórico

Diremos que a sucessão xn é fundamental (ou de Cauchy1 ) se

∀ ε > 0 ∃ N : ∀ n > N ∀ p > 0 =⇒ |xn+p − xn | < ε.

A interpretação geométrica desta definição é seguinte: se a sucessão xn é fundamental, então

para qualquer ε > 0 existe um natural N tal, que a distância entre dois termos quaisquer da

sucessão, com ı́ndices superiores à N , é menor que ε.

Teorema 14. (Critério de Cauchy)

No conjunto dos números reais as duas afirmações são equivalentes:


1
Augustin Louis Cauchy (1789–1857) — matemático francês

54
Módulo 6. Sucessões fundamentais 55

1) xn converge;

2) xn é fundamental.

7.2 Exercı́cios resolvidos

1) Utilizando o critério de Cauchy mostre que a sucessão

sin 1 sin 2 sin n


xn = + 2 + ··· + n
2 2 2

é convergente;

Resolução. Avaliamos o módulo da diferença:


¯ ¯
¯ sin (n + 1) sin (n + 2) sin (n + p) ¯¯
¯
|xn+p − xn | = ¯ + + ··· + ≤
2n+1 2n+2 2n+p ¯
1 1 1 1
≤ + + ··· + < < ε,
2n+1 2n+2 2n+p 2n

para n > − log2 ε e para todo p > 0. Exploramos o facto de que

1 1
+ ··· +
2n+1 2n+p

é a soma de p termos duma progressão geométrica. ¤

2) Utilizando o critério de Cauchy mostre que a sucessão


n
X cos k
xn =
k=1
3k

é convergente;
56 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

Resolução. Avaliamos o módulo da diferença:


¯ ¯
¯ cos (n + 1) cos (n + 2) cos (n + p) ¯
|xn+p − xn | = ¯¯ + + · · · + ¯≤
3n+1 3n+2 3n+p ¯
1 1 1 1 1
≤ + + ··· + < < < ε,
3n+1 3n+2 3n+p 2 · 3n 3n

para n > − log3 ε e para todo p > 0. ¤


n
X 1
3) Demonstre que a sucessão xn = diverge;
k=1
k
Resolução. De acordo com o critério de Cauchy é suficiente mostrar que ela não é

fundamental. Avaliando a diferença e tendo em conta que n + i ≤ n + p para qualquer

i ≤ p, temos:

1 1 1 1 1 1 p
|xn+p − xn | = + + ··· + ≥ + + ··· + = .
n+1 n+2 n+p n+p n+p n+p n+p
Xn
n 1 1
Pegando p = n obtemos |x2n − xn | ≥ = daı́, que a sucessão xn = não é
n+n 2 k=1
k
fundamental. ¤

4) Utilizando o critério de Cauchy mostre que a sucessão


n
X sin k
xn =
k=1
k2

é convergente;

Resolução. Vamos mostrar que esta sucessão é fundamental. Avaliamos o módulo da

diferença:
1 1
|xn+p − xn | ≤ + · · · + <
(n + 1)2 (n + p)2
Módulo 6. Sucessões fundamentais 57

µ ¶ µ ¶
1 1 1 1 1 1 1
< − + ··· + − = − < .
n n+1 n+p−1 n+p n n+p n

Assim,
1
|xn+p − xn | < < ε, ∀ n > N = [1/ε], p > 0.
n

Neste exercı́cio usamos a desigualdade

1 1 1 1
2
< = − . ¤
k k(k − 1) k−1 k

5) Utilizando o critério de Cauchy mostre que a sucessão

1 1 1
xn = + + ··· + , n = 2, 3, . . .
ln 2 ln 3 ln n

diverge;

Resolução. A divergência da sucessão vem do facto que

1 1 p p 1
|xn+p − xn | = + ··· + > > =
ln(n + 1) ln(n + p) ln(n + p) n+p 2

se p = n. ¤

7.3 Perguntas de contrôle

1) Defina:

(a) sucessão fundamental;

(b) sucessão não fundamental.


58 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

2) Dê a interpretação geométrica das duas definições anteriores.

3) Formule o critério de Cauchy (Teorema 14).

7.4 Exercı́cios propostos

1) Mostre que a sucessão xn é fundamental se:

n+1
(a) xn = ;
3n − 2

(b) xn = a + aq + · · · + aq n−1 , onde q < 1, n ∈ N;

(−1)n−1
(c) x1 = 1, xn = xn−1 + , n = 2, 3, . . ..
n!

2) Demonstre que a sucessão xn é convergente se:

sin a sin 2a sin na


(a) xn = + 2
+ ··· + , a ∈ R1 ;
2 2 2n

1 1
(b) xn = 1 + + ··· + ;
2! n!

cos 1! cos 2! cos n!


(c) xn = + + ··· + .
1·2 2·3 n(n + 1)

3) Utilizando a negação do critério de Cauchy mostre que a sucessão xn diverge se:


Módulo 6. Sucessões fundamentais 59

n cos nπ − 1
(a) xn = ;
2n

µ ¶n
n 1
(b) xn = (−1) 1+ ;
n

1 2 n
(c) xn = 2
+ 2 + ··· + .
2 3 (n + 1)2
Módulo 8

FUNÇÃO

8.1 Resumo teórico

A variável y chama-se função da variável x se a cada valor de x, que pertence ao conjunto

E ⊂ R1 , corresponde um valor definido da variável y . A variável x chama-se argumento

ou variável independente, o conjunto E chama-se domı́nio ou conjunto de definição da

função e denota-se D . O conjunto dos valores que a função toma chama-se contradomı́nio e

denota-se CD .

A notação y = f (x) significa que y é função de x. O valor de f (x) para x = x0 denota-se

f (x0 ).

Ao lugar geométrico de pontos pertencentes à R2 e cujas coordenadas satisfazem a equação

y = f (x) chama-se gráfico da função y = f (x). Diremos que o conjunto E ⊂ R1 é simétrico

60
Módulo 8. Função 61

se para qualquer x ∈ E implica que também −x ∈ E. Seja f (x) uma função definida num

conjunto simétrico. Se para qualquer x ∈ E temos f (x) = f (−x), então diz-se que a função

f (x) é par. Se para qualquer x ∈ E temos f (−x) = −f (x), então diz-se que a função f (x) é

ı́mpar. Para uma função par, o seu gráfico é simétrico em relação ao eixo das ordenadas (eixo

Y). Para uma função ı́mpar, o seu gráfico é simétrico em relação à origem (ponto (0, 0)).

Seja f (x) uma função definida no conjunto E ⊂ R1 e seja T um valor positivo. Diz-se que

f (x) é T -periódica se:

1) x + T ∈ E;

2) f (x + T ) = f (x).

8.2 Exercı́cios resolvidos

1) Ache o domı́nio da função:

x2
(a) f (x) = ;
1+x
x2
Resolução. A expressão tem sentido sómente para valores de x que não
1+x
x2
anulem o denominador, i.e. 1 + x 6= 0, portanto a função f (x) = é definida
1+x
em D(f ) = {x ∈ R1 : 1 + x 6= 0}, i.e. D(f ) = (−∞, −1) ∪ (−1, +∞). ¤

(b) f (x) = 3x − x2 ;

Resolução. A expressão 3x − x2 tem sentido sómente para valores de x tais, que
62 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

3x − x2 ≥ 0. Assim, resolvendo esta desigualdade temos D(f ) = [0, 3]. ¤

(c) f (x) = ln(x2 − 4);

Resolução. A expressão logarı́tmica ln(x2 − 4) tem sentido se o argumento fôr

estritamente positivo, i.e. x2 −4 > 0. Resolvendo esta desigualdade obtemos D(f ) =

(−∞, −2) ∪ (2, +∞). ¤


2x
(d) f (x) = arcsin ;
1+x
2x
Resolução. A expressão arcsin tem sentido se o seu argumento fôr maior ou
1+x
2x
igual à −1 e menor ou igual à 1, i.e. −1 ≤ ≤ 1. Resolvendo esta dupla
1+x · ¸
1
desigualdade e não olvidando que 1 + x 6= 0, temos: D(f ) = − , 1 . ¤
3
ln(1 + x)
(e) f (x) = ;
x−1
Resolução. A função está definida se x − 1 6= 0 e 1 + x > 0. Deste modo achamos

D(f ) = (−1, 1) ∪ (1, +∞). ¤

2) Ache o domı́nio e o contradomı́nio da função:


(a) f (x) = 2 + x − x2 ;

Resolução. A expressão 2 + x − x2 tem sentido se o radicando fôr positivo, i.e.

2 + x − x2 ≥ 0. Resolvendo esta desigualdade temos D(f ) = [−1, 2]. Esboçando



o gráfico da função f (x) = 2 + x − x2 vemos que no intervalo [−1, 1/2] a função

cresce de 0 até 3/2 e no intervalo [1/2, 2] a função decresce de 3/2 até zero. Assim,

o contradomı́nio, i.e. os valores da variável dependente, é o intervalo [0, 3/2]. ¤


Módulo 8. Função 63

(b) f (x) = log(1 − 2 cos x);

Resolução. O logarı́tmo tem significado se o argumento fôr estritamente positivo,

portanto 1 − 2 cos x > 0. Resolvendo esta desigualdade encontramos


µ ¶
π 5π
D(f ) = 2kπ + , 2kπ + , k = 0, ±1, ±2, . . .
3 3

Tendo em conta que para valores de x pertencentes ao domı́nio é válida a desigualdade

0 < 1−2 cos x < 3 e o logarı́tmo é uma função monótona crescente no intervalo (0, 3],

então CD(f ) = (−∞, log 3]. ¤


2x
(c) f (x) = arccos ;
1 + x2
2x
Resolução. É evidente que −1 ≤ ≤ 1. Resolvendo esta dupla desigualdade
1 + x2
obtemos D(f ) = R1 . O contradomı́nio é CD(f ) = [0, π]. ¤

3) Dado o triângulo ABC , cuja base AC = b e altura DB = h, foi nele inscrito o rectângulo

KLM N , cuja altura é KL = x. Expresse o perı́metro P do rectângulo KLM N como

função de x;

Resolução. O perı́metro deste rectângulo é igual à 2KL + 2KN = 2x + 2KN . Tendo

em conta que os triângulos ABD e ALK são semelhantes, então

DB KL h x ADx
= =⇒ = =⇒ AK = .
AD AK AD AK h

Do mesmo modo, como também os triângulos DBC e N M C são semelhantes, temos

DB NM h x DCx
= =⇒ = =⇒ N C = .
DC NC DC NC h
64 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

Calculamos agora

x x
KN = AC − (AK + N C) = b − (AD + DC) = b − · b.
h h

Assim,
µ
³ ¶
x´ b
P (x) = 2x + 2KN = 2x + 2b 1 − = 2x 1 − + 2b. ¤
h h

4) Ache f (x) se f (x + 1) = x2 − 3x + 2;

Resolução. Factorizando a expressão

f (x + 1) = x2 − 3x + 2 = (x − 1)(x − 2) = (x + 1 − 2)(x + 1 − 3)

e fazendo x + 1 = t temos

f (t) = (t − 2)(t − 3) = t2 − 5t + 6. ¤
µ ¶
1 √
5) Ache f (x) se f = x + 1 + x2 , x > 0;
x
1
Resolução. Fazendo t = temos:
x
µ ¶ r à r !
1 1 1 1 √
f (t) = f = x + x 1 + 2 = x 1 + 1 + 2 = (1 + 1 + t2 ). ¤
x x x t
µ ¶
1 1
6) Ache f (x) se f 1+ = x2 + , (|x| ≥ 2);
x x2
Resolução. Fazendo

1 1 1
t=x+ =⇒ t2 = x2 + 2 + 2 =⇒ t2 − 2 = x2 + 2 .
x x x

Em conclusão: f (t) = t2 − 2. ¤
Módulo 8. Função 65

7) Diga qual das funções é par ou ı́mpar:

(a) f (x) = 3x − x3 ;

Resolução. f (−x) = 3(−x) − (−x)3 = −3x + x3 = −(3x − x3 ) = −f (x). A função

é ı́mpar. ¤

(b) f (x) = ax + a−x , (a > 0);

Resolução. f (−x) = a−x + a−(−x) = a−x + ax = f (x). A função é par. ¤

1−x
(c) f (x) = ln
1+x
Resolução. Primeiro vamos verificar se o domı́nio da função é um conjunto simétrico.
1−x 1−x
A expressão ln tem sentido se > 0 e 1 + x 6= 0. Resolvendo esta
1+x 1+x
inequação obtemos que D(f ) = (−1, 1), o domı́nio é um intervalo simétrico. Esta

função é ı́mpar, pois

1 − (−x) 1+x 1−x


f (−x) = ln = ln = − ln = −f (x). ¤
1 + (−x) 1−x 1+x

8) Demonstre que qualquer função f (x), definida no intervalo simétrico (−m, m), pode

representar-se na forma duma soma de duas funções, uma par e outra ı́mpar;

f (x) − f (−x) f (x) + f (−x)


Resolução. Façamos f1 (x) = e f2 (x) = . É evidente que
2 2
estas funções também estão definidas no intervalo simétrico (−m, m). Temos

f (−x) − f (−x) f (x) − f (−x)


f1 (−x) = =− = −f1 (x)
2 2
66 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

e
f (−x) + f (−(−x)) f (−x) + f (x)
f2 (−x) = = = f2 (x),
2 2

portanto f1 (x) é ı́mpar e f2 (x) é par. Como f (x) = f1 (x) + f2 (x), então a afirmação fica

demonstrada. ¤

9) Diga quais das seguintes funções são periódicas e defina os seus menores perı́odos, se:

(a) f (x) = A cos bx + B sin bx;

Resolução. f (x) é periódica se f (x + T ) = f (x). A função f (x) podemos escrever

na forma
µ ¶
√ A B
f (x) = A2 + B 2 √ cos bx + √ sin bx = ρ sin(bx + φ),
2
A +B 2 A + B2
2

A √
onde φ = arctg , ρ = A2 + B 2 . Assim,
B

f (x + T ) = ρ sin(bx + φ + bT ) = ρ sin(bx + φ) = f (x)

2kπ 2π
se bT = 2kπ , k = 1, 2, . . ., i.e. T = . O menor perı́odo é T0 = . ¤
b b
1 1
(b) f (x) = sin x + sin 2x + sin 3x;
2 3
Resolução. Vamos resolver a equação f (x + T ) − f (x) = 0. Temos:

1 1
f (x+T )−f (x) = sin(x+T )−sin x+ [sin 2(x+T )−sin 2x]+ [sin 3(x+T )−sin 3x] =
2 3
µ ¶ µ ¶ µ ¶
T T T 2 3T T
= 2 sin cos x + + sin T cos 2 x + + sin cos 3 x + = 0.
2 2 2 3 2 2
Módulo 8. Função 67

Isto é possı́vel se:


 

 T 

 sin = 0,
 
 T = 2kπ,

 2 


 


 


 


 
 2nπ
 sin T = 0, =⇒  T = mπ, i.e. T = 2kπ = mπ =
3
,

 


 


 


 


 

 3T 

 sin = 0,  T = 2nπ ,

2 3
onde k, m, n são números naturais. Deste modo T0 = 2π . ¤

10) Demonstre que para a função de Dirichlet1





 1 se x fôr racional,
D(x) =


 0 se x fôr irracional,

o seu perı́odo é um número racional T qualquer;

Resolução. Como T é um número racional, então a soma x + T é racional para x

racional e irracional para x irracional. Assim,





 1 se x fôr racional,
D(x + T ) =


 0 se x fôr irracional,

i.e. D(x + T ) = D(x). ¤

11) Demonstre que se para a função f (x), (−∞ < x < +∞) tem lugar a igualdade f (x+T ) =
1
Johann Peter Gustav Lejeunne Dirichlet (1805–1859) — matemático alemão
68 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

kf (x), onde k e T são constantes positivas, então f (x) = ax φ(x), onde a é uma constante

e φ(x) é uma função com perı́odo T ;

Resolução. Fazendo k = aT , então f (x + T ) = aT f (x). Qualquer função f (x) (−∞ <

x < +∞) pode representar-se na forma f (x) = ax φ(x), onde φ(x) é uma certa função.

De acordo com a condição temos

ax+T φ(x + T ) = aT · ax φ(x).

Dividindo tudo por ax+T > 0 obtemos φ(x + T ) = φ(x). ¤

8.3 Perguntas de contrôle

1) Dê a definição de função.

2) Defina gráfico duma função.

3) Defina função par e função ı́mpar. Dê um exemplo duma função não par e não ı́mpar.

4) Defina função periódica.

8.4 Exercı́cios propostos

1) Ache os domı́nios para as seguintes funções:


r
1+x
(a) y = (x − 2) ;
1−x
Módulo 8. Função 69

p √
(b) y = sin x;

(c) y = cos x2 ;

(d) y = arccos(2 sin x);

(e) y = (2x)!;
√ √
(f) y = sin 2x + sin 3x, 0 ≤ x ≤ 2π .

2) Ache o domı́nio e contradomı́nio das funções:


³ x´
(a) y = arcsin log ;
10
(b) y = (−1)x .

3) A função y = sign x define-se do seguinte modo:






 −1 se x < 0,


sign x = 0 se x = 0,





 1 se x > 0.
Construa o gráfico desta função e mostre que |x| = x · sign x.

4) A função y = [x] (parte inteira do número x), define-se do seguinte modo: se x = n + r ,

onde n é um número inteiro e 0 ≤ r ≤ 1, então [x] = n. Construa o gráfico desta função.

5) Ache f (−2), f (−1), f (0), f (1) e f (2) se





 1+x , se − ∞ < x ≤ 0,
f (x) =


 2x , se 0 < x < +∞.
70 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

6) Ache f (0.9), f (0.99), f (0.999) e f (1) se f (x) = 1 + [x].


µ ¶
x
7) Ache f (x) se f = x2 .
x+1

8) Diga quais das funções são pares ou ı́mpares:

p p
(a) f (x) = 3
(1 − x)2 + 3 (1 + x)2 ;
¡ √ ¢
(b) f (x) = ln x + 1 + x2 .

9) Diga quais das funções são periódicas e ache o menor perı́odo:

(a) f (x) = sin2 x;

(b) f (x) = sin x2 ;



(c) f (x) = tgx;

(d) f (x) = tg x.

10) Demonstre que a soma e produto de duas funções periódicas, definidas num domı́nio

comum e cujos perı́odos são comensuráveis, são também funções periódicas.


Módulo 9

LIMITE DE FUNÇÃO

9.1 Resumo teórico

Diremos que a função f (x) é limitada superiormente (majorada) no conjunto E ⊂ R1 se

existe um número real M tal, que f (x) ≤ M , qualquer que seja x ∈ E.

Diremos que a função f (x) é limitada inferiormente (minorada) no conjunto E ⊂ R1

se existe um número real m tal, que f (x) ≥ m, qualquer que seja x ∈ E.

Diremos que a função f (x) é limitada no conjunto E ⊂ R1 se ela fôr majorada e minorada,

i.e. se existem dois números reais M e m tais, que m ≤ f (x) ≤ M , qualquer que seja x ∈ E.

Ao menor dos majorantes duma função num determinado conjunto E ⊂ R1 chamaremos

supremmum desta função. Denota-se sup f (x).


x∈E

Ao maior dos minorantes duma função num determinado conjunto E ⊂ R1 chamaremos

71
72 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

infimmum desta função. Denota-se inf f (x).


x∈E

Seja α e β o supremmum e infimmum da função f (x) no conjunto E ⊂ R1 , respectivamente.

A diferença α − β chamaremos oscilação da função f (x) no conjunto E. Denota-se osc f (x).


x∈E

Chamaremos vizinhança do ponto a com raio ε, ao conjunto de pontos que satisfazem

a dupla desigualdade: a − ε < x < a + ε ou |x − a| < ε. Denota-se1 U (a; ε). Chamaremos


def
vizinhança com buraco do ponto a à vizinhança de a menos o ponto a. Denota-se U̇ (a; ε) =

U (a; ε) \ {a}.

Diremos que o ponto a (a ∈ E ou a ∈


/ E) é ponto de acumulação de E se em qualquer

vizinhança de a existem pontos de E diferentes de a. Por outras palavras, U̇ (a; ε) ∩ E 6= ∅.

Segundo Cauchy, diremos que o número b é limite da função f (x) quando x tende para a se

∀ ε > 0 ∃ δ = δ(ε) > 0 : ∀ x ∈ E, 0 < |x − a| < δ =⇒ |f (x) − b| < ε.

Na linguagem de vizinhança f (x) tende para b quando x tende para a se qualquer que seja

a vizinhança do ponto a com raio δ , existe uma vizinhança do ponto b com raio ε tal que

qualquer que seja x pertencente à vizinhança com buraco do ponto a temos que f (x) pertence

à vizinhança do ponto b.

Segundo Heine2 , diremos que o número b é limite da função f (x) quando x tende para

a se para qualquer sucessão xn convergente para a, xn ∈ E, xn 6= a, a sucessão f (xn ) tende

para b.
1
Usa-se a letra maiúscula U, da inicial Umgebung que em alemão significa vizinhança.
2
Heinrich Eduard Heine (1821–1881) — matemático alemão
Módulo 9. Limite de função 73

A denotação usada é: lim f (x) = b.


x→a

Teorema 15. As definições de limite duma função segundo Heine e Cauchy são equivalentes.

Teorema 16. Sejam f (x) e g(x) duas funções definidas numa certa vizinhança do ponto a,

com excepção talvez do próprio ponto a. Suponhamos que lim f (x) = b, lim g(x) = c. Então:
x→a x→a

1) lim [f (x) ± g(x)] = b ± c;


x→a

2) lim f (x) · g(x) = bc;


x→a

f (x) b
3) lim = , se c 6= 0.
x→a g(x) c

Teorema 17. Sejam f (x), g(x) e h(x) três funções definidas numa certa vizinhança do ponto

a, com excepção talvez do próprio ponto a. Suponhamos também que nessa vizinhança tem

lugar a dupla desigualdade:

f (x) ≤ g(x) ≤ h(x).

Se lim f (x) = lim h(x) = b, então lim g(x) = b.


x→a x→a x→a

Diremos que o número b é limite à esquerda do ponto a da função f (x) se:

∀ ε > 0 ∃ δ(ε) > 0 : ∀ x 6= a, a − δ < x < a =⇒ |f (x) − b| < ε.

A denotação usada é: b = lim− f (x) = f (a− ). Diremos que o número b é limite à direita do
x→a

ponto a da função f (x) se:

∀ ε > 0 ∃ δ(ε) > 0 : ∀ x 6= a, a < x < a + δ =⇒ |f (x) − b| < ε.


74 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

A denotação usada é: b = lim+ f (x) = f (a+ ). Os limites à esquerda ou à direita são comumente
x→a

chamados limites laterais. Se uma função tem limite quando x → a, então os limites laterais

coincidem.

9.2 Exercı́cios resolvidos

1) Usando a linguagem “ε–δ ” mostre que lim x2 = 4.


x→2

Resolução. Seja ε um número real positivo qualquer. Então,

|x2 − 4| = |(x − 2)2 + 4(x − 2)| ≤ |x − 2|2 + 4|x − 2| < ε.

Fazendo t = |x − 2| > 0 temos:

√ √
t2 + 4t − ε < 0 =⇒ (t + 2 + 4 + ε)(t + 2 − 4 + ε) < 0.

Resolvendo esta desigualdade obtemos

√ √ ε
0<t< 4 + ε − 2, i.e. 0 < |x − 2| < 4+ε−2= √ = δ(ε). ¤
4+ε+2

2) Seja

a0 xn + a1 xn−1 + · · · + an
R(x) = ,
b0 xm + b1 xm−1 + · · · + bm
Módulo 9. Limite de função 75

onde a0 6= 0 e b0 6= 0. Demonstre que






 +∞ , se n > m;










a0
lim R(x) = , se n = m;
x→+∞ 
 b0











 0 , se n < m.

Resolução. Pegando a parte mais velha do numerador e denominador e evidenciando-as

temos: ³ ´
n a1 an
a0 x 1+ a0 x
+ ··· + a0 xn
lim ³ ´=
x→+∞ b1 bm
b 0 xm 1 + b0 x
+ ··· + b0 xm

a1 an
1+ a0 x
+ ··· + a0 xn a 0 xn
= lim b1 bm
· lim =
x→+∞ 1+ + ··· + x→+∞ b0 xm
b0 x b0 xm




 +∞ , se n > m;








n


a0 x a0
= lim = , se n = m;
x→+∞ b0 x m 
 b0











 0 , se n < m. ¤

3) Nos exercı́cios seguintes calcule:

x2 − 1
(a) lim ;
x→0 2x2 − x − 1
76 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

Resolução. Calculamos directamente:

x2 − 1 0−1 −1
lim 2
= = = 1.
x→0 2x − x − 1 0−0−1 −1

Na realidade, já que x → 0, o numerador comporta-se como −1 e o denominador

comporta-se também como −1. ¤

x2 − 1
(b) lim ;
x→1 2x2 − x − 1

Resolução. Colocando directamente o valor de x = 1 na expressão obtemos uma

indeterminação do tipo 0/0. Significa que o valor x = 1 é raı́z do numerador e

denominador. Factorizando o numerador e denominador temos:

x2 − 1 (x − 1)(x + 1) x+1 2
lim 2
= lim = lim = .
x→1 2x − x − 1 x→1 (x − 1)(2x + 1) x→1 2x + 1 3

x2 − 1
(c) lim ;
x→∞ 2x2 − x − 1

Resolução. A parte mais velha do numerador é x2 e a parte mais velha do denom-


1
inador é 2x2 , portanto o limite é igual à . Vamos mostrar que é realmente isso.
2
Evidenciamos no numerador e denominador x2 :

x2 − 1 x2 (1 − x12 ) 1 − x12 1
lim 2
= lim 1 1 = lim 1 1 = . ¤
x→∞ 2x − x − 1 2
x→∞ x (2 − − x2 ) x→∞ 2 − x − x2 2
x

4) Calcule
(1 + x)5 − (1 + 5x)
lim ;
x→0 x2 + x 5
Módulo 9. Limite de função 77

Resolução. Desenvolvendo a expressão (1 + x)5 segundo o binómio de Newton temos:


µ ¶ µ ¶ µ ¶ µ ¶
5 5 5 2 5 3 5 4
(1 + x) = 1 + x+ x + x + x + x5 =
1 2 3 4

= 1 + 5x + 10x2 + 10x3 + 5x4 + x5 .

Assim,

(1 + x)5 − (1 + 5x) 1 + 5x + 10x2 + 10x3 + 5x4 + x5 − 1 − 5x


lim = lim =
x→0 x2 + x5 x→0 x2 + x5
10x2 + 10x3 + 5x4 + x5 x2 (10 + 10x + 5x2 + x3 )
= lim = lim =
x→0 x2 + x5 x→0 x2 (1 + x3 )
10 + 10x + 5x2 + x3
= lim = 10. ¤
x→0 1 + x3

5) Calcule
(x + 1)(x2 + 1) · · · (xn + 1)
lim n+1 ;
x→∞ [(nx)n + 1] 2

Resolução. Pegando o numerador e evidenciando, para cada factor, a parte mais velha

temos:
µ ¶ µ ¶ µ ¶
2 n 1 2 1 n 1
(x + 1)(x + 1) · · · (x + 1) = x 1 + x 1 + 2 ···x 1 + n =
x x x
µ ¶µ ¶ µ ¶
2 n 1 1 1
= x · x ···x 1 + 1 + 2 ··· 1 + n =
x x x
µ ¶µ ¶ µ ¶
1+2+···+n 1 1 1
=x 1+ 1 + 2 ··· 1 + n =
x x x
µ ¶µ ¶ µ ¶
n(n+1) 1 1 1
=x 2 · 1+ 1 + 2 ··· 1 + n .
x x x
78 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

n(n + 1)
Exploramos aqui o facto que 1 + 2 + · · · + n = , pois é a soma de n termos duma
2
progressão aritmética, cujo primeiro e último termos são 1 e n, respectivamente.

Assim,
(x + 1)(x2 + 1) · · · (xn + 1)
lim n+1 =
x→∞ [(nx)n + 1] 2

n(n+1)
x 2 · (1 + x1 )(1 + 1
x2
) · · · (1 + 1
xn
) 1
= lim n(n+1) n+1
= n(n+1)
. ¤
x→∞ 1
(nx) 2 (1 + (nx)n
) 2 n 2

6) Calcule
x3 − 2x2 − 4x + 8
lim ;
x→2 x4 − 8x2 + 16

Resolução. Temos uma indeterminação do tipo 0/0. Factorizando o numerador e de-

nominador temos:

x3 − 2x2 − 4x + 8 = (x − 2)2 (x + 2), x4 − 8x2 + 16 = (x2 − 4)2 = (x − 2)2 (x + 2)2 .

Assim,

x3 − 2x2 − 4x + 8 (x − 2)2 (x + 2) 1 1
lim 4 2
= lim 2 2
= lim = . ¤
x→2 x − 8x + 16 x→2 (x − 2) (x + 2) x→2 x + 2 4

7) Calcule q p √
x+ x+ x
lim √ ;
x→∞ x+1

Resolução. Temos que


r v às !
q u
√ u 1 1
x+ x + x = tx 1 + √ 1+ √ .
x x
Módulo 9. Limite de função 79

Assim, r
q √ q
p √ x 1+ √1 1+ √1
x+ x+ x x x
lim √ = lim √ = 1. ¤
x→∞ x+1 x→∞ x+1

8) Calcule

1 + 2x − 3
lim √ ;
x→4 x−2

Resolução. Vamos primeiro fazer algumas transformações:


√ √ √ √
1 + 2x − 3 ( 1 + 2x − 3)( 1 + 2x + 3)( x + 2)
√ = √ √ √ =
x−2 ( x − 2)( x + 2)( 1 + 2x + 3)
√ √
(2x − 8)( x + 2) 2( x + 2)
= √ =√ .
(x − 4)( 1 + 2x + 3) 1 + 2x + 3

Calculando agora o limite obtemos:


√ √
1 + 2x − 3 2( x + 2) 4
lim √ = lim √ = . ¤
x→4 x−2 x→4 1 + 2x + 3 3

9) Calcule
√ √
x + 13 − 2 x + 1
lim ;
x→3 x2 − 9

Resolução. Temos uma indeterminação do tipo 0/0. Multiplicando o numerador e


√ √
denominador pela expressão x + 13 + 2 x + 1 teremos:
√ √ √ √
( x + 13 − 2 x + 1)( x + 13 + 2 x + 1)
lim √ √ =
x→3 (x2 − 9)( x + 13 + 2 x + 1)
−3 1
= lim √ √ =− . ¤
x→3 (x + 3)( x + 13 + 2 x + 1) 16
80 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

10) Calcule

3
8 + 3x − x2 − 2
lim ;
x→0 x + x2

Resolução. Multiplicamos o numerador e denominador pela expressão

def
p
3

φ(x) = (8 + 3x − x2 )2 + 2 8 + 3x − x2 + 4.

Então,

3
8 + 3x − x2 − 2 x(3 − x) 3−x 1 1
lim 2
= lim = lim · lim = . ¤
x→0 x+x x→0 x(x + 1)φ(x) x→0 x + 1 x→0 φ(x) 4

11) Estude o comportamento das raı́zes x1 e x2 da equação quadrática ax2 + bx + c = 0, se o

coeficiente a tende para zero e os coeficientes b e c mantêm-se constantes, sendo b 6= 0;

Resolução. É sobejamente conhecida a fórmula que permite calcular as raı́zes duma

equação quadrática:
√ √
−b + b2 − 4ac −b − b2 − 4ac
x1 = , x2 = .
2a 2a

Vamos calcular

b2 − 4ac − b2 −4ac c
lim x1 = lim √ = lim √ =− ;
a→0 a→0 2a(b + 2 2
b − 4ac) a→0 2a(b + b − 4ac) b

calculamos o limite da raı́z x2 :



−b − b2 − 4ac
lim x2 = lim = ∞. ¤
a→0 a→0 2a
Módulo 9. Limite de função 81

12) Calcule as constantes a e b a partir da condição


µ ¶
x2 + 1
lim − ax − b = 0;
x→∞ x+1

Resolução. Temos que

x2 + 1 x2 (1 − a) + x(−a − b) + (1 − b)
− ax − b = .
x+1 x+1

Para que o limite desta expressão seja igual à zero, quando x → ∞, é necessário que os

coeficientes ligados às partes literais do numerador sejam iguais à zero, i.e. 1 − a = 0,

−a − b = 0, Assim, a = 1, b = −1. ¤

13) Calcule

¡√ ¢
(a) lim x2 + x − x ;
x→−∞

Resolução. Vamos multiplicar e dividir pelo conjugado:

³√ ´ x x
lim x2 + x − x = lim √ = lim q =
x→−∞ x→−∞ x2 + x + x x→−∞ |x| 1 + 1
+x
x

x x
= lim q = lim ³ q ´ = +∞. ¤
x→−∞ 1 x→−∞ 1
−x 1 + x
+x x − 1+ x
+1
¡√ ¢
(b) lim x2 + x − x ;
x→+∞

Resolução. Vamos multiplicar e dividir pelo conjugado:

³√ ´ x x
lim x2 + x − x = lim √ = lim q =
x→+∞ x→+∞ x2 + x + x x→+∞ |x| 1 + 1
+x
x
82 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

x x 1
= lim q = lim ³q ´= . ¤
x→+∞
x 1 + x1 + x
x→+∞
x 1+ 1
+1 2
x

1
(c) lim− arctg ;
x→1 1−x
1 1
Resolução. Temos → + = +∞, se x → 1, x < 1.
1−x 0
π
Assim, arctg(+∞) = . ¤
2
1
(d) lim+ arctg ;
x→1 1−x
1 1
Resolução. Temos → − = −∞, se x → 1, x > 1.
1−x 0
π
Assim, arctg(−∞) = − . ¤
2
1
(e) lim− 1 ;
x→0 1 + ex
1 1 1
Resolução. Temos → − = −∞ se x → 0, x < 0. Assim, e x → e−∞ = 0, se
x 0
x → 0, x < 0. Portanto

1 1
lim− 1 = 1 = 1. ¤
x→0 1+e x 1 + lim− e x
x→0

1
(f) lim+ 1 ;
x→0 1 + ex
1 1 1
Resolução. Temos que → + = +∞ se x → 0, x > 0. Assim, e x → e+∞ = +∞,
x 0
se x → 0, x > 0. Portanto

1 1 1
lim+ 1 = 1 = = 0. ¤
x→0 1+e x 1 + lim+ e x 1+∞
x→0
Módulo 9. Limite de função 83

9.3 Perguntas de contrôle

1) Dê a definição de limite de função segundo Heine e Cauchy. Qual o significado da

equivalência destas duas definições?

2) Utilizando a definição de limite segundo Heine mostre que o limite num ponto é único.

3) Formule as propriedades aritméticas de limite de função.

9.4 Exercı́cios propostos

1) Utilizando a linguagem “ε–δ ” mostre, que

x2 − 1 3
lim 2
= .
x→2 x + 1 5

2) Calcule:

(1 + x)(1 + 2x)(1 + 3x) − 1


(a) lim ;
x→0 x
(x − 1)(x − 2)(x − 3)(x − 4)(x − 5)
(b) lim ;
x→∞ (5x − 1)5
(2x − 3)20 (3x + 2)30
(c) lim .
x→∞ (2x + 1)50

3) Calcule:

x2 − 5x + 6
(a) lim ;
x→1 x2 − 8x + 15

x4 − 3x + 2
(b) lim 5 ;
x→1 x − 4x + 3
84 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

(x2 − x − 2)20
(c) lim .
x→2 (x3 − 12x + 16)10

4) Calcule:
√ √ √
x+ 3x+ 4x
(a) lim √ ;
x→∞ 2x + 1

1−x−3
(b) lim √ ;
x→−8 2+ 3x
√ √
1+x− 1−x
(c) lim √ √ ;
x→0 3 1 + x − 3 1 − x

x
(d) Dada a função f (x) = diga se existe lim f (x).
|x| x→0
Módulo 10

LIMITES NOTÁVEIS

10.1 Resumo teórico

Suponhamos, que ψ(x) → 0, x → a. Então:

Teorema 18.
sin ψ(x)
lim = 1.
x→a ψ(x)

sin x
Para o caso particular, quando ψ(x) ≡ x e a = 0 temos lim = 1.
x→0 x

Teorema 19.
eψ(x) − 1
lim = 1.
x→a ψ(x)
ex − 1
Para o caso particular, quando ψ(x) ≡ x e a = 0 temos lim = 1.
x→0 x

85
86 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

Teorema 20.
ln[1 + ψ(x)]
lim = 1.
x→a ψ(x)
ln(1 + x)
Para o caso particular, quando ψ(x) ≡ x e a = 0 temos lim = 1.
x→0 x

Teorema 21.
[1 + ψ(x)]µ − 1
lim = 1.
x→a µψ(x)
(1 + x)µ − 1
Para o caso particular, quando ψ(x) ≡ x e a = 0 temos lim = 1.
x→0 µx

Teorema 22.
1
lim [1 + ψ(x)] ψ(x) = e.
x→a

1
Para o caso particular, quando ψ(x) ≡ x e a = 0 temos lim (1 + x) x = e.
x→0

10.2 Exercı́cios resolvidos

1) Calcule
sin 5x
lim ;
x→0 x

t
Resolução. Fazendo t = 5x temos que x = e t → 0. Assim,
5

sin 5x 5 sin t sin t


lim = lim = 5 lim = 5,
x→0 x t→0 t t→0 t

sin t
pois lim = 1 é um limite notável. ¤
t→0 t
Módulo 10. Limites notáveis 87

2) Calcule
sin x
lim ;
x→∞ x

1
Resolução. A função sin x é limitada e tende para zero, quando x tende para o
x
sin x
infinito. Então, lim = 0, pois é o produto duma função limitada por uma função
x→∞ x

infinitamente pequena. ¤

3) Calcule
sin mx
lim ,
x→π sin nx

m, n são inteiros;

Resolução. Fazendo x − π = t → 0 temos

sin mx sin m(t + π)


lim = lim =
x→π sin nx t→0 sin n(t + π)

sin mt cos mπ + cos mt sin mπ cos mπ sin mt


= lim = lim =
t→0 sin nt cos nπ + cos nt sin nπ t→0 cos nπ sin nt

sin mt m sin mt nt
= (−1)m−n lim = (−1)m−n lim lim =
t→0 sin nt t→0 mt t→0 n sin nt
µ ¶−1
m−n m sin mt sin nt m
= (−1) lim lim = (−1)m−n . ¤
n t→0 mt t→0 nt n

4) Calcule
1 − cos x
lim ;
x→0 x2

Resolução. Pegamos a expressão 1 − cos x e vamos fazer algumas transformações:

x x x
1 − cos x = sin2 + cos2 − cos 2 =
2 2 2
88 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

x x x x x
= sin2 + cos2 − cos2 + sin2 = 2 sin2 .
2 2 2 2 2

Assim,
1 − cos x 2 sin2 x2 sin x2 sin x2
lim = lim = lim 2 · =
x→0 x2 x→0 x2 x→0 x x
1 sin x sin x 1
= lim x 2 · lim x 2 = ,
2 x→0 2 x→0
2
2
sin x2
pois lim x = 1. ¤
x→0
2

5) Calcule
tgx
lim ;
x→0 x

Resolução. Temos

tgx sin x 1 sin x


lim = lim = lim · lim = 1. ¤
x→0 x x→0 x cos x x→0 cos x x→0 x

6) Calcule
tgx − sin x
lim ;
x→0 sin3 x

Resolução. Temos

sin x
tgx − sin x cos x
− sin x sin x − cos x sin x
= = =
sin3 x 3
sin x cos x sin3 x
sin x(1 − cos x) 2 sin2 x2 2 x2 sin2 x2
= = = · .
sin3 x cos x cos x sin2 x cos x sin2 x x2

Assim,
tgx − sin x x2 sin2 x2
lim = 2 lim · lim =
x→0 sin3 x x→0 sin2 x x→0 x2
Módulo 10. Limites notáveis 89

³ x ´2 µ ¶
sin x2 2 1 1
= 2 lim lim x = . ¤
x→0 sin x x→0 4 2
2

7) Calcule
sin 5x − sin 3x
lim ;
x→0 sin x

Resolução. Façamos primeiro algumas transformações:

sin 5x − sin 3x sin 5x sin 3x x sin 5x x sin 3x


= − = − =
sin x sin x sin x x sin x x sin x
x 5 sin 5x x 3 sin 3x x sin 5x x sin 3x
= · − · =5 · −3 · .
sin x 5x sin x 3x sin x 5x sin x 3x

Calculando o limite obtemos:

sin 5x − sin 3x x sin 5x x sin 3x


lim = 5 lim · − 3 lim · = 5 − 3 = 2. ¤
x→0 sin x x→0 sin x 5x x→0 sin x 3x

8) Calcule
cos x − cos 3x
lim ;
x→0 x2

Resolução. Vamos explorar a fórmula

α+β β−α
cos α − cos β = 2 sin sin .
2 2

Assim,
x + 3x 3x − x
cos x − cos 3x = 2 sin sin = 2 sin 2x sin x.
2 2

Calculando o limite temos:

cos x − cos 3x 2 sin 2x sin x


lim 2
= lim =
x→0 x x→0 x2
90 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

sin 2x sin x
= 4 lim · = 4. ¤
x→0 2x x

9) Calcule
sin x − sin a
lim ;
x→a x−a

Resolução. Vamos explorar a fórmula

α−β α+β
sin α − sin β = 2 sin cos .
2 2

Assim,
x−a x+a
sin x − sin a = 2 sin cos .
2 2
x−a x+a
Fazendo ≡ t → 0 e tendo em conta que cos → cos a, x → a obtemos:
2 2
sin x − sin a sin t
lim = cos a lim = cos a. ¤
x→a x−a t→0 t

10) Calcule
sin(a + 2x) − 2 sin(a + x) + sin a
lim ;
x→0 x2

Resolução. Fazemos algumas transformações no numerador, não olvidando que

α+β α−β
sin α + sin β = 2 sin cos .
2 2

Assim,

sin(a + 2x) − 2 sin(a + x) + sin a = sin(a + 2x) + sin a − 2 sin(a + x) =


Módulo 10. Limites notáveis 91

a + 2x + a a + 2x − a
= 2 sin cos − 2 sin(a + x) =
2 2

= 2 sin(a + x) cos x − 2 sin(a + x) = 2 sin(a + x)(cos x − 1) =

x x
= −4 sin(a + x) sin2 = −4 sin(a + x) sin2 .
2 2

Portanto
µ ¶2
sin(a + 2x) − 2 sin(a + x) + sin a sin θ
lim = − sin a lim = − sin a,
x→0 x2 θ→0 θ
x
onde ≡ θ. ¤
2

11) Calcule

1 − cos x
lim √ ;
x→0 1 − cos x


Resolução. Vamos multiplicar e dividir por 1 − cos x e ter em conta que

√ 2 x
1 − cos x = 2 sin .
2

Assim,

1 − cos x 1 − cos x 2 sin2 x
2
√ = √ √ = √ √ .
1 − cos x (1 + cos x)2 sin2 x
(1 + cos x)2 sin2 x
2 2

Passando para o limite obtemos zero, pois o numerador comporta-se como x2 enquanto

que o denominador comporta-se como x. ¤

12) Calcule
µ ¶ x−1
x2 − 1 x+1
lim ;
x→∞ x2 + 1
92 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

Resolução. A base e o expoente tendem para 1, quando x tende para o infinito, portanto

o limite é igual à 1. ¤

13) Calcule

x
lim 1 − 2x;
x→0

Resolução. Temos uma indeterminação do tipo 1∞ . Assim,

√ 1 −2
lim x
1 − 2x = lim (1 − 2x) x = lim (1 − 2x) −2x = e−2 . ¤
x→0 x→0 x→0

14) Calcule

lim (1 + x2 )ctg x ;
2

x→0

Resolução. Temos uma indeterminação do tipo 1∞ . Calculamos o limite:

2 2 ln(1+x2 )
lim cos x ·ln(1+x2 ) lim x ·
lim (1 + x )ctg x = ex→0 sin2 x
2
2
= ex→0 sin2 x x2
= e1 = e. ¤
x→0

15) Calcule
ln x − ln a
lim ;
x→a x−a

Resolução. Fazendo a substituição x − a = t temos

ln x − ln a ln(t + a) − ln a
lim = lim =
x→a x−a t→0 t
ln(1 + at ) 1 ln(1 + θ) 1
= lim = lim = .
t→0 t a θ→0 θ a
t
Aqui nós fizemos a substituição = θ → 0. ¤
a
Módulo 10. Limites notáveis 93

16) Calcule

lim x[ln(1 + x) − ln x];


x→∞

Resolução. Temos que

x+1
lim x[ln(1 + x) − ln x] = lim x ln =
x→∞ x→∞ x
µ ¶
1 ln(1 + t)
= lim x ln 1 + = lim = 1.
x→∞ x t→0 t
1
Nós fizemos a substituição x = . ¤
t

17) Calcule
ln cos ax
lim ;
x→0 ln cos bx

Resolução. Fazendo algumas transformações no numerador e denominador temos:

³ ´
2 ax
ln cos ax = ln(1 + cos ax − 1) = ln 1 − 2 sin .
2

De modo semelhante obtemos


µ ¶
bx 2
ln cos bx = ln 1 − 2 sin .
2

Assim,
ln cos ax ln(1 − 2 sin2 ax
2
)
lim = lim =
x→0 ln cos bx x→0 ln(1 − 2 sin2 bx )
2

ln(1 − 2 sin2 ax
2
) −2 sin2 bx
2
−2 sin2 ax
2 a2
= lim · lim · lim = . ¤
x→0 −2 sin2 ax
2
x→0 ln(1 − 2 sin2 bx ) x→0 −2 sin2 bx
2 2
b2
94 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

18) Calcule
ax − 1
lim , a > 0;
x→0 x

Resolução. Fazendo ax = ex ln a temos

ax − 1 ex ln a − 1
lim = ln a lim = ln a,
x→0 x x→0 x ln a

ex ln a − 1
pois lim = 1. ¤
x→0 x ln a

19) Calcule
ax − xa
lim , a > 0;
x→a x − a

Resolução. Fazendo algumas transformações no numerador temos

h³ a ´a i
ax − xa = ax − aa + aa − xa = aa (ax−a − 1) + xa −1 .
x

Deste modo,
ax−a − 1 e(x−a) ln a − 1
lim = lim = ln a;
x→a x − a x→a x−a
a
( xa )a − 1 ea ln x − 1
lim = lim =
x→a x − a x→a x−a
a
ea ln x − 1 a ln xa ln(1 + a−x
x
)
= lim a · lim = a lim (a−x)
= −1.
x→a a ln x x→a x − a x→a −x
x

Assim,
a x − xa a
lim = aa ln a − aa = aa ln . ¤
x→a x − a e
Módulo 10. Limites notáveis 95

20) Calcule
µ ¶ x1
ax + bx + cx
lim , a > 0, b > 0, c > 0;
x→0 3

Resolução. Temos uma indeterminação do tipo 1∞ . Sendo assim,


µ x ¶1
a + bx + cx x x x x
lim 1 ln( a +b3 +c )
lim = ex→0 x .
x→0 3

Vamos calcular o limite que está no expoente:


µ x ¶ µ x ¶
1 a + bx + cx 1 a + bx + cx
lim ln = lim ln −1+1 =
x→0 x 3 x→0 x 3
µ x ¶
1 a − 1 bx − 1 cx − 1
= lim ln + + +1 =
x→0 x 3 3 x
µ ¶
1 ax − 1 bx − 1 cx − 1
= lim + + =
x→0 x 3 3 3
µ x ¶
1 a − 1 bx − 1 cx − 1
= lim + + =
3 x→0 x x x
1 √3
= (ln a + ln b + ln c) = ln abc.
3
Deste modo
µ ¶ x1
ax + bx + cx √
3 √
= eln abc 3
lim = abc. ¤
x→0 3

21) Calcule
ax − ab
lim , a > 0;
x→b x − b

Resolução. Evidenciando no numerador ab temos

ax − ab ax−b − 1 at − 1
lim = ab lim = ab lim = ab ln a.
x→b x − b x→b x − b t→0 t

Nós fizemos a substituição x − b ≡ t → 0. ¤


96 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

10.3 Perguntas de contrôle

sin x
1) Mostre que lim = 1.
x→0 x

ln(1 + x)
2) Mostre que lim = 1.
x
(1 + x)n − 1
3) Mostre que lim = n.
x→0 x

10.4 Exercı́cios propostos

1) Calcule:

(a) lim xctg3x;


x→0

1 + sin x − cos x
(b) lim ;
x→0 1 + sin px − cos px

πx
(c) lim (1 − x)tg ;
x→1 2
³π ´
(d) lim tg2xtg −x .
x→π/4 4

2) Calcule:

cos x − cos a
(a) lim ;
x→a x−a
tgx − tga
(b) lim ;
x→a x−a
cos(a + 2x) − 2 cos(a + x) + cos a
(c) lim ;
x→0 x2
tg(a + 2x) − 2tg(a + x) + tga
(d) lim ;
x→0 x2
Módulo 10. Limites notáveis 97

ctgx − ctga
(e) lim ;
x→a x−a
sin(x − π3 )
(f) limπ ;
x→ 3 1 − 2 cos x

x2
(g) lim √ √ ;
x→0 1 + x sin x − cos x
√ √
cos x − 3 cos x
(h) lim 2 ;
x→0
√ sin x
1 − cos x2
(i) lim .
x→0 1 − cos x

3) Calcule:
µ ¶x
x+a
(a) lim ;
x→∞ x−a
µ ¶x
a1 x + b1
(b) lim , a1 > 0, a2 > 0;
x→∞ a2 x + b2

(c) lim (1 + sin πx)ctg(x−1) ;


x→1
µ ¶ sin1 x
1 + tgx
(d) lim .
x→0 1 + sin x

4) Calcule:

(a) lim [sin ln(x + 1) − sin ln x];


x→+∞

ln(x2 − x + 1)
(b) lim ;
x→+∞ ln(x10 + x + 1)

ln(2 + e3x )
(c) lim ;
x→+∞ ln(3 + e2x )

ln(nx + 1 − n2 x2 )
(d) lim √ .
x→0 ln(x + 1 − x2 )

5) Calcule:
98 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

xx − aa
(a) lim , a > 0;
x→a x − a

1
(b) lim (x + ex ) x ;
x→0

ax+h + ax−h − 2ax


(c) lim , a > 0.
h→0 h2
Módulo 11

COMPARAÇÃO DE

INFINITÉSIMOS

11.1 Resumo teórico

Diremos que a função α(x) é um infinitésimo, quando x tende para a, se lim α(x) = 0.
x→a

Sejam α(x) e β(x) dois infinitésimos, quando x tende para a.

1) Diremos que α(x) e β(x) são dois infinitésimos da mesma ordem se

α(x)
lim = c 6= 0.
x→a β(x)

2) Diremos que α(x) e β(x) são dois infinitésimos equivalentes se

α(x)
lim = 1.
x→a β(x)

99
100 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

A denotação usada é: α(x) ∼ β(x), x → a.

α(x)
3) Se lim = 0 então diremos que α(x) é um infinitésimo de maior ordem que β(x)
x→a β(x)

e denota-se α(x) = o(β(x)), x → a.

Para x → 0 têm lugar as seguintes fórmulas assı́mptóticas:

1) sin x = x + o(x);

x2
2) cos x = 1 − + o(x2 );
2

3) ln(1 + x) = x + o(x);

4) ax = 1 + x ln a + o(x);

5) ex = 1 + x + o(x);

6) (1 + x)α = 1 + x + o(x);

7) tgx = x + o(x).

11.2 Exercı́cios resolvidos

1) Verifique se 2x2 = o(x), x → 0;

2x2
Resolução. Por definição, basta verificar se lim = 0. Com efeito:
x→0 x

2x2
lim = lim 2x = 0,
x→0 x x→0
Módulo 11. Comparação de infinitésimos 101

portanto 2x2 = o(x). ¤

2) Verifique se 3x = o(x);

3x
Resolução. Temos que lim 6= 0, portanto a igualdade 3x = o(x), x → 0 não é
x→0 x

correcta. ¤

3) Verifique se 1 − cos x = o(x), x → 0;

Resolução. Temos que


1 − cos x 2 sin2 x
2
lim = lim =0
x→0 x x→0 x

daı́ que é correcta a igualdade 1 − cos x = o(x), x → 0. ¤

4) Suponhamos que x → 0. Extraia o termo principal do tipo cxn (c é constante) e defina

a ordem infinitésimal em relação à x, para:

(a) f (x) = 2x − 3x3 + x5 ;

Resolução. Tendo em conta que −3x3 + x5 = o(x) temos

f (x) = 2x + o(x),

portanto c = 2 e n = 1. ¤
√ √
(b) f (x) = 1+x− 1 − x;

Resolução. Multiplicando e dividindo f (x) pela expressão

√ √
1+x+ 1−x
102 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

temos que
2x
f (x) = √ √ .
1+x+ 1−x
f (x)
A questão que se coloca é: qual deverá ser o valor de c e n de modo que lim = 1.
x→0 cxn

Calculando este limite temos:

2x x
lim √ √ = lim =1
x→0 cxn ( 1 + x + 1 − x) x→0 cxn
√ √
se c = 1 e n = 1, portanto 1+x− 1 − x ∼ x, x → 0. ¤

(c) f (x) = tgx − sin x;

Resolução.
· 2 ¸
sin x sin x x 2
tgx − sin x = − sin x = (1 − cos x) = [x + o(x)] + o(x ) =
cos x cos x 2

x3 x2 x3
= + x · o(x2 ) + o(x) + o(x) · o(x2 ) = + o(x3 ), x → 0.
2 2 2
1
Assim, c = e n = 3. ¤
2

5) Seja x → 1. Extraia o membro principal da forma c(x − 1)n para:

(a) f (x) = x3 − 3x + 2;

Resolução.

f (x) (x − 1)2 (x + 2) 3(x − 1)2


lim = lim = lim =1
x→1 c(x − 1)n x→1 c(x − 1)n x→1 c(x − 1)n

se c = 3 e n = 2. ¤
Módulo 11. Comparação de infinitésimos 103

(b) f (x) = ln x;

Resolução.
f (x) ln x
lim n
= lim =
x→1 c(x − 1) x→1 c(x − 1)n

ln(1 + x − 1) (x − 1) + o(x − 1)
= lim = lim =1
x→1 c(x − 1)n x→1 c(x − 1)n

se c = 1 e n = 1. ¤

(c) f (x) = ex − e;

Resolução. Temos que escolher c e n de modo que

f (x)
lim = 1.
x→1 c(x − 1)n

Assim,

ex − e e(ex−1 − 1) e[(x − 1) + o(x − 1)]


lim = lim = lim =1
x→1 c(x − 1)n x→1 c(x − 1)n x→1 c(x − 1)n

se c = e e n = 1. ¤
µ ¶n
1
6) Seja x → +∞. Extraia o membro principal da forma c para:
x
x+1
(a) f (x) = ;
x4 + 1
Resolução. Para x → +∞ o numerador x + 1 ∼ x e o denominador x4 + 1 ∼ x4 .
x 1
Deste modo f (x) ∼ 4
= 3 , x → +∞. Assim, c = 1 e n = 3. ¤
x x
√ √
(b) f (x) = x+1− x;
104 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

√ √
Resolução. Multiplicando e dividindo f (x) por x+1+ x temos

1
f (x) = √ √ .
x+1+ x
√ √ √ 1 1 1
Por outro lado x+1+ x ∼ 2 x, portantof (x) ∼ √ . Assim c = e n = .
2 x 2 2

1 1
(c) f (x) = sin ;
x x
Resolução.
· µ ¶¸ µ ¶
1 1 1 1 1
f (x) = +o = 2 +o , x → +∞.
x x x x x2

Assim, c = 1, n = 2. ¤

7) Seja x → +∞. Extraia o membro principal da forma cxn para:

(a) f (x) = x2 + 100x + 10000;

Resolução. Tendo em conta, que

100x + 10000
lim =0
x→+∞ x2

vemos, que 100x + 10000 = o(x2 ), x → +∞. Assim, f (x) = x2 + o(x2 ), portanto

c = 1 e n = 2. ¤
2x5
(b) f (x) = 3 ;
x − 3x + 1
Resolução. Para o denominador temos x3 − 3x + 1 ∼ x3 , x → +∞. Assim,

f (x) ∼ 2x2 , x → +∞, portanto concluı́mos que c = 2 e n = 2. ¤


Módulo 11. Comparação de infinitésimos 105


3

(c) f (x) = x2 − x + x;

Resolução. Quando x → +∞ temos

√ √ √ ³√ ´
3 3 3
x2 −x∼ x2 e x=o x2 .

√ ³√ ´ 2
3 3
Assim, f (x) = x2 + o x2 , x → +∞, portanto c = 1 e n = . ¤
3

8) Calcule
(1 + mx)n − (1 + nx)m
lim ,
x→0 x2

onde m e n são elementos de N;

Resolução. Fazendo uso do binómio de Newton temos:


µ ¶ µ ¶
n n(n − 1) 2 2 n 3 3 n
(1 + mx) = 1 + mnx + mx + m x + ··· + m n xn
2 3 n

e
µ ¶ µ ¶
m m(m − 1) 2 2 m 3 3 m m m
(1 + nx) = 1 + mnx + nx + n x + ··· + n x .
2 3 m

Quando x → 0 são válidas as igualdades:


µ ¶ µ ¶
n 3 3 n
m x + ··· + mn xn = o(x2 ),
3 n
µ ¶ µ ¶
m 3 3 m m m
n x + ··· + n x = o(x2 ).
3 m

Deste modo têm lugar as fórmulas assı́mptóticas:

n(n − 1) 2 2
(1 + mx)n = 1 + mnx + m x + o(x2 ),
2
106 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

m(m − 1) 2 2
(1 + nx)m = 1 + mnx + n x + o(x2 ).
2

Colocando estas expressões no numerador e após algumas operações teremos:

(1 + mx)n − (1 + nx)m 2−1 nm(n − m)x2 + o(x2 ) 1


lim 2
= lim 2
= mn(n − m). ¤
x→0 x x→0 x 2

9) Calcule
x100 − 2x + 1
lim ;
x→1 x50 − 2x + 1

Resolução. Façamos a substituição x − 1 ≡ θ → 0. Então

x100 − 2x + 1 (1 + θ)100 − 2θ − 1
lim = lim .
x→1 x50 − 2x + 1 θ→0 (1 + θ)50 − 2θ − 1

Considerando as fórmulas

(1 + θ)n = 1 + nθ + o(θ), θ → 0,

temos:
100θ − 2θ + o(θ) 98θ + o(θ) 49
lim = lim = . ¤
θ→0 50θ − 2θ + o(θ) θ→0 48θ + o(θ) 24

10) Calcule
√ √
m
1 + αx − n
1 + βx
lim ,
x→0 x

m e n são elementos de Z;

Resolução. Temos que


m α
1 + αx = 1 + x + o(x), x → 0,
m
Módulo 11. Comparação de infinitésimos 107

p
n β
1 + βx = 1 + x + o(x), x → 0.
n

Colocando estas fórmulas assı́mptóticas na nossa expressão temos:


α
m
x − βn x + o(x) α β
lim = − . ¤
x→0 x m n

11) Calcule
ln(1 + 3x )
lim ;
x→−∞ ln(1 + 2x )

Resolução. Considerando o facto que

ln(1 + 3x ) ∼ 3x , x → −∞,

ln(1 + 2x ) ∼ 2x , x → −∞

temos
µ ¶x
ln(1 + 3x ) 3x 2
lim = lim = lim = 0. ¤
x→−∞ ln(1 + 2x ) x→−∞ 2x x→∞ 3

12) Calcule
ln(1 + xex )
lim √ ;
x→0 ln(x + 1 + x2 )

Resolução. Vamos achar as fórmulas assı́mptóticas para ln(x + 1 + x2 ) e ln(1 + xex ),

quando x → 0. Temos:

√ √
ln(1 + 1 + x2 ) = ln(1 + x + 1 + x2 − 1) =
µ ¶
x2
= ln 1 + x + √ = ln(1 + x + o(x)) = x + o(x), x → 0,
1 + 1 + x2
108 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

ln(1 + xex ) = x + o(x), x → 0.

Deste modo é fácil ver que

ln(1 + xex ) x + o(x)


lim √ = lim = 1. ¤
x→0 ln(x + 1 + x2 ) x→0 x + o(x)

13) Calcule
ln(x2 + ex )
lim ;
x→0 ln(x4 + e2x )

Resolução. Temos que

ln(x2 + ex ) = ln(1 + x2 + ex − 1) = ln[1 + ex − 1 + o(x)] =

= ex − 1 + o(x) = x + o(x), x → 0,

ln(x4 + e2x ) = ln(1 + e2x − 1 + x4 ) = ln[1 + e2x − 1 + o(x)] =

= e2x − 1 + o(x) = 2x + o(x), x → 0.

Assim,
ln(x2 + ex ) x + o(x) 1
lim = lim = . ¤
x→0 ln(x4 + e2x ) x→0 2x + o(x) 2

14) Nos exercı́cios seguintes ache as fórmulas assı́mptóticas, quando x → 0, com resto na

forma o(xn ), n ≥ 0:


(a) f (x) = sin2 (5 x);
Módulo 11. Comparação de infinitésimos 109

√ √ √ √
Resolução. sin2 (5 x) = (sin 5 x)2 = [5 x + o( x)]2 =

√ √ √ √
= 25x + 10 x · o( x) + o( x) · o( x) =

= 25x + 10 · o(x) + o(x) = 25x + o(x), x → 0. ¤

(b) f (x) = cos(4x2 );


16 4
Resolução. cos(4x2 ) = 1 − x + o(x4 ) = 1 − 8x4 + o(x4 ), x → 0. ¤
2
(c) cos(4x2 + x);
x2
Resolução. cos(4x2 + x) = cos[x + o(x)] = 1 − + o(x2 ), x → 0. ¤
2
(d) f (x) = ln cos 2x;

Resolução. f (x) = ln cos 2x = ln(1 + cos 2x − 1) =

= ln[1 − 2x2 + o(x2 )] = −2x2 + o(x2 ). ¤

15) Calcule

lim sin(π x2 + 1), x ∈ N;
x→+∞

Resolução. Temos
r
√ 1
x2 + 1 = x 1+ =
x2
µ ¶ 12 · µ ¶¸ µ ¶
1 1 1 1 1 1
=x 1+ 2 =x 1+ · 2 +o =x+ +o , x → +∞.
x 2 x x2 2x x

Assim,
· µ ¶¸
√ π 1
lim sin(π x2 + 1) = lim sin πx + +o =
x→+∞ x→+∞ 2x x
110 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

· µ ¶¸
x π 1
= lim (−1) sin +o = 0. ¤
x→+∞ 2x x

11.3 Perguntas de contrôle

1) Dê a definição de função infinitamente pequena, para:

(a) x → a;

(b) x → ∞

Dê exemplos de tais funções.

2) Formule a definição e dê exemplos de função infinitamente pequena α(x) tal, que:

(a) Seja da mesma ordem que β(x) no ponto x = a;

(b) Seja equivalente à β(x) no ponto x = a;

(c) Seja de ordem superior que β(x) no ponto x = a.

3) Dê exemplos de funções α(x) para as quais é justa a igualdade:

(a) α(x) = o(x), x → 0;



(b) α(x) = o( 1 − x), x → 1;
µ ¶
1
(c) α(x) = o , x → ∞.
x2

4) Demonstre que x3 = o(x2 ) quando x → 0. Será correcta a igualdade x3 = o(β) quando

x → 0 se:
Módulo 11. Comparação de infinitésimos 111

(a) β(x) = x;

(b) β(x) = x2 sin x?

5) Mostre que (x − 1)2 = o(x − 1) quando x → 1. Será correcta a igualdade (x − 1)2 = o(β)

quando x → 1 se:

(a) β(x) = (x − 1)3 ;

(b) β(x) = sin(x − 1)2 ;


(x − 1)2
(c) β(x) = ?
ln x

6) Escreva as fórmulas assı́mptóticas para as funções sin x, tgx, cos x, ln(1 + x), ex quando

x → 0.

7) Escreva as fórmulas assı́mptóticas com resto na forma o(xα ) quando x → 0 ou com resto
µ ¶
1
na forma o quando x → ∞ (α > 0), para as funções compostas sin y , tgy , cos y ,

ln(1 + y) se:

(a) y = 3x e x → 0;

(b) y = x3 e x → 0;
1
(c) y = e x → ∞.
x

8) Verifique se é verdadeira a igualdade

√ 1
1 + x2 = 1 + x2 + o(x2 )
2
112 M.J. Alves. Elementos de análise matemática. Parte I

quando x → 0.

11.4 Exercı́cios propostos

1) Será correcta a igualdade o[o(x)] = o(x1+ε ) quando x → 0 se:

(a) ε > 0;

(b) ε = 0;

(c) −1 < ε < 0.

Justifique.

2) Serão correctas as igualdades:

(a) o(x + x2 ) = o(x2 ), x → 0;

(b) o(x) = o(x2 ), x → 0;

(c) o(x2 ) = o(x), x → 0;


µ ¶ µ ¶
1 1
(d) o 2
=o , x → ∞;
x x
µ ¶ µ ¶
1 1
(e) o 2
=o , x → ∞?
x x

Justifique as suas respostas.

3) Utilizando as propriedades do sı́mbolo “o pequeno”, escreva para a função α(x) a igual-

dade do tipo α(x) = o(1) ou α(x) = o[(x − a)k ] quando x → a se:


Módulo 11. Comparação de infinitésimos 113

(a) α(x) = o[−5x + x2 − x3 + o(−5x + x2 − x3 )], x → 0;

(b) α(x) = (x − 1)o[(x − 1)2 + o(x − 1)], x → 1.

4) Calcule
cos x − cos 3x
lim ;
x→0 x2

5) Calcule
πx
lim (1 − x)tg ;
x→1 2

6) Calcule
³√ √ ´
lim 1 + x + x2 − 1 − x + x2 ;
x→+∞

7) Calcule
ln x − ln a
lim ;
x→a x−a

8) Calcule
√ √
n
m
1 + ax · 1 + bx − 1
lim , m, n ∈ N;
x→0 x

9) Calcule
cos(xex ) − cos(xe−x )
lim .
x→0 x3
BIBLIOGRAFIA CITADA

[1] M. J. Alves, Método de indução matemática, DMI, Maputo, 1990.

[2] M. J. Alves, Sucessão. Limite de sucessão, DMI, Maputo, 1991.

[3] M. J. Alves, E. V. Alves Função. Limite de função, DMI, Maputo, 1993.

[4] B. P. Demidovitch, Problemas e Exercı́cios de Análise Matemática, Mir, Moscovo, 1978.

114
RESPOSTAS

Módulo 2. Sucessão. Limite se sucessão

1.

a) Sim

b) Não

c) Não

d) Sim

Módulo 3. Infinitésimo e infinitamente grande

3.

a) x4 = x5 = −120

b) x10 = 20

Módulo 4. Propriedades aritméticas de sucessões convergentes

3.

a) Converge se α > 0, β > 0, α ≤ β ou α ≤ 0 e β qualquer

115
116 Respostas

b) Converge se γ ≤ 3/2

4.

a) 0

b) 0

c) 1/3

5. 1/2

6. 1/3

7. 1/4

8. 3

9.

a) d/2

b) 1/2d

10. 1/9

Módulo 6. Limites parciais

4.

a) lim xn = 6, lim xn = −4

b) lim xn = 1, lim xn = −1/2

c) lim xn = +∞, lim xn = −∞

d) lim xn = 0, lim xn = 0
Respostas 117

e) lim xn = 1, lim xn = 0

f) lim xn = 2, lim xn = 1

g) lim xn = 1, lim xn = 0

Módulo 8. Função

1.

a) −1 ≤ x < 1

b) 4k 2 π 2 ≤ x ≤ (2k + 1)2 π 2 , k = 0, 1, 2 . . .
r r r
π π π
c) |x| < ∧ (4k − 1) ≤ |x| ≤ (4k + 1), k = 1, 2, . . .
2 2 2
π
d) |x − kπ| ≤ , k = 0, ±1, ±2, . . .
6
e) x = 1/2, 1, 3/2, 2, . . .

f) 0 ≤ x ≤ π/3, 4π/3 ≤ x ≤ 3π/2

2.

a) D(f ) : 1 ≤ x ≤ 100, CD(f ) : −π/2 ≤ y ≤ π/2


p
b) D(f ) : x = , onde p e q são números inteiros, CD(f ) : y = ±1
2q + 1
5. f (−2) = −1, f (−1) = 0, f (0) = 1, f (1) = 2, f (2) = 4

6. f (0.9) = 1, f (0.99) = 1, f (0.999) = 1, f (1) = 2


µ ¶2
x
7. f (x) =
1−x
8.

a) par
118 Respostas

b) ı́mpar

9.

a) periódica, T = π

b) não periódica

c) periódica, T = π

d) não periódica

Módulo 9. Limite de função



1. δ < 2 − 3

2.

a) 6

b) 5−5

c) (3/2)30

3.

a) −1/2

b) 1

c) (3/2)10

4.

a) 1/ 2

b) −2
Respostas 119

c) 3/2

5. Não

Módulo 10. Limites notáveis

1.

a) 1/3

b) 1/p

c) 2/π

d) 1/2

2.

a) − sin a

b) sec2 a, (a 6= (2kπ + 1)π/2), k = 0, ±1, ±2, . . .

c) − cos a
2 sin a
d) , (a 6= (2k + 1)π/2), k é inteiro
cos3 a
1
e) − 2 , (a 6= kπ), k é inteiro
sin a

f) 1/ 3

g) 4/3

h) −1/12

i) 2

3.
120 Respostas

a) e2a
b1 −b2
b) 0 se a1 < a2 , +∞ se a1 > a2 e e a1
se a1 = a2

c) e−π

d) 1

4.

a) 0

b) 1/5

c) 3/2

d) n

5.

a) aa ln ae

b) e2

c) ax ln2 a

Módulo 11. Comparação de infinitésimos

1.

a) não

b) sim

c) sim

2. Não é correcta
Respostas 121

3. 4

4. 2/π

5. 1

6. 1/a
α β
7. +
m n
8. −2

9. −π 2 /4
INDICE REMISSIVO

Bernoulli 11 Infinitésimo 71, 99

equivalente 99
Cauchy 54
maior ordem 100
Demidovitch 7
da mesma ordem 99
Dirichlet 67
Intervalo simétrico 60
Domı́nio 60

Função 60 Limite

ı́mpar 60 à direita 73

limitada 71 à esquerda 73

par 60 de função 71, 72

periódica 60 segundo Cauchy 73

segundo Heine 73
Gráfico 60
inferior 48
Heine 73
lateral 74

Infimmum 71 parcial 48

Infinitamente grande 22 superior 48

122
Indice remissivo 123

Método

indução matemática 8

Newton 45, 77

Oscilação 72

Ponto de acumulação 72

Subsucessão 48

Sucessão 15

convergente 16

crescente 43

decrescente 43

divergente 16

fundamental 54

limitada 15

monótona 43

Supremmum 71

Variável

independente 60

Vizinhança com buraco 72