Você está na página 1de 28

Aspectos Fundamentais no Controle da Combusto e Emisses

de Poluentes em Caldeiras Bagao de Cana

Eng. Carlos Eduardo de Abreu


 O processos da combusto

VAPOR
PRODUTOS DA
COMBUSTO
CO2
COMBUSTVEL CO
C + H2 + O2 + HC H2O
Bagao de cana N2
O2
CALDEIRA NOx
COMBURENTE CINZAS
O2 + N2
(ar atmosfrico)
Combusto

Conjunto de reaes qumicas que liberam grande quantidade de calor


Combustvel + Comburente Produtos da combusto + Calor
 Sequncia da queima do
combustvel slido em suspenso
 Sequncia da queima do combustvel

. Secagem

. Emisso de volteis

. Ignio dos volteis

. Queima dos volteis em chama

. Extino da chama dos volteis

. Combusto do resduo de carbonoso


Processo de queima dos combustveis slidos
em uma fornalha de leito fixo

Liberao de vapor
dgua

Queima dos
volteis Reduo
Queima do
resduo
carbonoso

Cinzas

O bagao decomposto em 4 fraes:


umidade matria voltil carbono fixo e cinzas

A QUEIMA SE D NA FASE GASOSA


 Otimizao no controle de
combusto

Funo do ar primrio

Fornecer oxignio necessrio combusto,


normalmente aquecido temperaturas que
podem estar entre 150 a 300 C .

Funo do ar secundrio

Complementar o fornecimento de oxignio necessrio


combusto dos gases destilados do bagao
(volteis da combusto). Tem por funo promover
a turbulncia, exercer contrria ao fluxo e forar a
requeima das cinzas , do CO e do carbono fixo.
Temp. de ignio = 350 C (bagao seco)
= 525 C (bagao mido - 50 %)

Ponto de inflamao do CO = 650C

Ponto de amolecimento das cinzas = 950 C

Ponto de escorificao das cinzas = 1.140 C

Temperatura mdia na fornalha = 700 a 920 C

Temp. adiabtica de chama com 32% exc. ar a 50% umid, ar prim. 25C = 1.160 C

Temp. adiabtica de chama com 32% exc. ar a 50 % umid, ar prim. 230C = 1.270 C
 Otimizao no controle de combusto
pelo controle visual da chama
 Otimizao no controle de combusto
pelo controle visual da chama