Você está na página 1de 7

1­ TEORIA DOS CONJUNTOS

1. Simbologia

Consta na tabela abaixo alguns dos s í mbolos que utilizaremos com mais freqü ê ncia nos tó picos seguintes. À medida que avan çarmos em nosso

estudo, o uso destes s í mbolos tornar­se­ á mais claro

ao leitor.

S Í MBOLO

LEIA­SE

x

para todo x

x

existe x

|

x

existe um ú nico x

P

Q

se P, entã o Q

P

Q

P se, e somente se, Q

2. Conceitos Primitivos

Conjunto: representado por uma letra mai ú scula.

Elemento de um conjunto: representado por uma letra minú scula.

Igualdade de conjuntos.

Quando um determinado objeto x é elemento do

conjunto

escrevemos:

e

A,

diz­se

que

ele

pertence

a

A,

x A (leia­se: x pertence a A)

O s í mbolo indica uma relaç ã o de pertin ê ncia

entre elemento e conjunto.

Se x n ão pertence ao conjunto A, escrevemos:

x A (leia­se: x n ã o pertence a A)

3. Representaç õ es de Um Conjunto

Alé m de representar um conjunto por uma letra

(geralmente mai ú scula), podemos representá ­lo, ainda, de tr ê s formas:

(i) por enumeraç ã o/nomeaç ã o de seus elementos;

(ii)

por

descri çã o

de

uma

propriedade

caracterí stica do conjunto;

(iii)

graficamente.

(i) enumerando/nomeando seus elementos:

Um conjunto pode ser representado colocando­se seus elementos entre um par de chaves e separados por v í rgula ou ponto e v í rgula.

Exemplo:

A

= {1, 3, 5, 7}

B

= {a, e, i, o, u}

C

= {0; 1; 2; 3}

(ii) descri ç ã o de uma propriedade caracterí stica a todos os elementos:

Usa­se o s í mbolo | (leia­se: tal que).

C = {x | x possui determinada propriedade}

onde se l ê : C é o conjunto dos elementos x, tal que

possui uma determinada propriedade.

Exemplos:

A

B

= {x|x é í mpar e está entre 0 e 8}

= {x|x é vogal do nosso alfabeto}

(iii) graficamente:

Utilizamos o Diagrama de Venn­Euler.

(iii) graficamente: Utilizamos o Diagrama de Venn­Euler . Atrav é s do Diagrama de Venn­Euler os

Atrav é s do Diagrama de Venn­Euler os elementos de

um conjunto s ã o representados por pontos interiores

a uma linha fechada que n ão se entrelaç a. Os pontos externos a esta linha representam os elementos que n ã o pertencem ao conjunto.

Exemplo:

1

Observando percebemos que 1 ∈ A, 2 ∉ A, a representa çã o 3 ∈

Observando

percebemos que 1 A,

2 A,

a

representa çã o

3 A,

grá fica

acima,

7 A; e que

5 A e

4 A e

6 A.

OBSERVA Ç Ã O:

Quando um conjunto possui um n ú mero elevado de elementos , poré m é bem

definido, podemos representá ­lo indicando os primeiros e os ú ltimos elementos, intercalando­os por retic ê ncias. Por

exemplo:

D = {1, 3, 5,

, 97, 99}, indica o

conjunto de nú meros í mpares positivos menores do que 100;

E =

conjunto cujos elementos s ão as letras do nosso alfabeto.

z}, indica o

{a,

b,

c,

d,

,

v,

x,

Tamb é m

usamos

retic ê ncias para

Exemplos:

C = {5}

o ú nico elemento do conjunto C é o algarismo 5.

Seja

A = {1, 3, 5, 7}

D = {x A | x > 5} = {7}

e

ent ão o conjunto D é um conjunto unitá rio, pois o

ú nico elemento de A, tal que ele seja maior do que 5,

é o elemento 7.

Conjunto Vazio: é aquele que n ão possui elementos.

Indicamo­lo por { } ou .

OBSERVAÇÃO: o sí mbolo {∅} denota um conjunto unitá rio! Exemplo: Seja A = {1,
OBSERVAÇÃO: o sí mbolo {∅} denota
um conjunto unitá rio!
Exemplo:
Seja
A = {1, 3, 5, 7}
e

D = {x A | x é par}

logo, D = { } ou D =

Conjunto Universo: é o conjunto de referê ncia, onde

conjuntos com infinitos elementos, que

estamos

resolvendo

determinado

problema

tenham uma lei de formaç ã o bem clara. Por exemplo:

matemá tico.

F = {0, 1, 2, 3,

},

indica o conjunto dos

Exemplo:

n ú meros inteiros nã o negativos;

G =

conjunto dos n ú meros inteiros.

{

;

­2;

­1;

0;

1;

2;

},

4. N ú mero

Conjunto

de

Elementos

indica o

de

Um

Consideramos um conjunto C. Chamamos de

n ú mero de elementos desse conjunto e indicamos

por n(C), ao n ú mero de elementos diferentes entre si, que pertencem ao conjunto.

Exemplos:

a) O conjunto A = {1, 3, 5, 7}

é tal que n(A)

=

4;

b) O conjunto B = {a, e, i, o, u}

é tal que n(B)

= 5.

5. Conjuntos Especiais

Conjunto Unitá rio: é aquele formado por apenas um elemento.

2

Resolver a equaç ã o: x + 3 = 0

Se o conjunto universo é U=(naturais), o

conjunto Solu çã o será S = .

Se U = (inteiros), entã o S = {­3}.

Mais para a frente, estudaremos os conjuntos numé ricos, incluindo os conjuntos dos n úmeros naturais e inteiros.

É fundamental saber em que Conjunto Universo estamos trabalhando. Do Conjunto Universo, extra í mos o Conjunto Solu ç ã o S, conforme foi mostrado neste exemplo.

6. Igualdade de Conjuntos

Se todo elemento de A é elemento de B e todo elemento de B é elemento de A, ent ão os conjuntos A e B s ã o iguais.

e

indicaremos por A = B, se ambos possuí rem os

mesmos

ocorrer,

Ou

seja,

dois

conjuntos

A

e

B

isso

s ão

n ão

iguais,

elementos.

Quando

diremos que A e B s ã o diferentes, e indicaremos por

A B.

Exemplos:

{a; e; i; o; u} = {a; e; i; o; u}

{a; e; i; o; u} = {i; u; o; a; e}

{a; e; i; o; u} {a; e; i}

{x | x 2 = 100} = {­10 , 10}

7. Subconjuntos

Dados os conjuntos A e B, dizemos que B é subconjunto de A se, e somente se, todo elemento de B é elemento de A.

A se, e somente se, todo elemento de B é elemento de A . B ⊂

B A ⇔ ∀ x  x B x A

Dizemos que o conjunto B está contido no conjunto A, ou ainda que o conjunto A conté m o conjunto B:

B A o u AB

Por outro lado, tem­se que B A se, e somente se, existir pelo menos um elemento de B que nã o é elemento de A:

B A ⇔ ∃ x  x B e

x A

OBSERVA Ç Õ ES:

Dois conjuntos A e B s ão iguais (A = B) quando seus elementos s ã o os mesmos, ou seja, A B e B A .

Qualquer que seja o conjunto A, tem­se que o conjunto vazio é subconjunto de A.

Qualquer que seja o conjunto A, tem­se que A é subconjunto de A.

8. Conjunto das Partes de Um Conjunto

O conjunto de todos os

subconjuntos de A é

chamado o conjunto das partes de A e é indicado por P(A).

Sendo A um conjunto finito com n elementos, é poss í vel provar que o n ú mero de subconjuntos de A é 2 n , ou seja:

n[P(A)] = 2 n

Como exemplo, considere o conjunto A = {1, 2, 3}. Podemos formar subconjuntos:

com 3 elementos: {1, 2, 3}

com 2 elementos: {1, 2}; {1, 3}; {2, 3}

com 1 elemento: {1}; {2}; {3}

sem elementos: ou { } (conjunto vazio)

Assim, o conjunto das partes de A será aquele formado por todos os subconjuntos de A:

P(A)={;{1};{2};{3};{1,2};{1,3};{2,3};{1, 2, 3}}

3 elementos, o

n ú mero de subconjuntos de A tem n[P(A)] = 2 3 =8 elementos.

Como o conjunto

A

possui n

=

9. Opera ç õ es com

Conjuntos

Antes de prosseguirmos, daremos as defini ç õ es de Complementar e de Conjunto Universo.

Complementar:

Dados os conjuntos A e B, com

complementar de B em relaç ã o a A ao conjunto:

B A , chama­se

B em rela ç ã o a A ao conjunto: B ⊂ A , chama­se C

C

B

A

={ x A : x B }

O conjunto complementar de B em rela çã o a A é formado pelos elementos que faltam para “B se tornar A”, isto é , para B se igualar a A.

Conjunto Universo:

Na teoria dos conjuntos deve­se fixar sempre um conjunto U, que conté m todos os conjuntos que possam ser envolvidos. O conjunto U será chamado

3

de conjunto universo.

Se

qualquer,

complementar de A ao conjunto:

U

é

o

conjunto

de

forma

universo e A é um conjunto

chama­se

que

A U ,

universo e A é um conjunto chama­se que A ⊂ U , A = C A

A

= C

A

U

Uniã o de Conjuntos:

={ x U : x A }

Dados os conjuntos A e B num universo U, chama­se de uniã o (ou reuni ã o de A com B) ao conjunto dos elementos que pertencem a pelo menos um dos conjuntos A ou B.

que pertencem a pelo menos um dos conjuntos A ou B. A ∪ B ={ x

A B={ x U : x A ou

PROPRIEDADES:

x B }

A B = B A

B A AB = A

A ∪{}= A

AB ∪ C = A ∪ B C = A BC

Exemplos:

a) {a, b, c} {d, e} = {a, b, c, d, e}

b) {a, b, c} {b. c} = {a, b, c}

Intersecç ã o de Conjuntos:

Dados os conjuntos A e B num universo U, chama­se de intersec ç ã o de A com B ao conjunto dos elementos comuns a A e B.

o de A com B ao conjunto dos elementos comuns a A e B.   A
 

A B={ x U : x

A e x B }

 

Note que

x deve

pertencer

a

A

e pertencer a

B

simultaneamente.

PROPRIEDADES:

A B= B A

B A AB = B

A ∩{}={}

A B ∩ C = A∩ B C =

A B C AB ⊂ A B

Exemplos:

a) {a. b. c} {a, c} = {a, c }

b) {a, b, c} {b, c, d} = {b, c}

OBSERVA Ç Ã O:

Quando a intersecç ão entre dois conjuntos é vazia, dizemos que os conjuntos s ã o disjuntos. Exemplo:

{a. b. c} {d, e} = { } ou

Diferen ç a entre conjuntos:

Dados os conjuntos A e B num universo U, chama­se de diferen ç a entre A e B, nesta ordem, ao conjunto dos elementos de A que n ã o s ão elementos de B. Ou seja, o elemento está em A e n ão está em B.

Ou seja, o elemento est á em A e n ã o est á em B

A B={ x U : x

A e x B }

Observer que na diferen ça entre conjuntos, ao contrá rio do que ocorreu na defini ç ã o de complementar de B em rela çã o a A, n ã o é exigido que B seja subconjunto de A.

PROPRIEDADES:

AB ⊂ A

A −{}= A

{}− A ={}

B A AB = C A

A − A B = A B

B

4

Exercícios – Teoria de Conjuntos

1. (PUC/SP) Assinale a afirmaç ã o verdadeira com rela çã o aos conjuntos A e B:

a) A B AB = A

b)

c)

d)

A B = B

e) A B= B B A

A B=

A B =

A B

=

A = ou B =

A =

2. Seja X um conjunto tal que:

X

– {1, 2, 3, 7, 8} = {4} e

X

{1, 2, 3, 5, 6} = {1, 2, 3}.

Então, X cont ém:

a)

{1, 2, 3}

b)

{1, 2, 3, 4}

 

c)

{1, 2, 3, 4, 5, 6}

d) {1,

2,

3,

4,

7,

8,

 

9}

e)

{1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8}

e)

Se A B e B X, então X – B = A.

7. (PUC/SP) Se A = e B = {}, entã o:

a)

A B

c)

A = B

e)

B A

b)

A B =

d)

A B = B

8. (UDF) Sejam trê s conjuntos finitos A, B e C.

de

A(BC) sabendo­se que n(AB) = 20,

Determinar

o

n ú mero

de

elementos

n(AC) = 10 e n(ABC) = 5.

a)

20

b)

25

c)

15

d)

10

e)

n.d.a.

3. (CESCEM) Sendo A = {Ø, a, {b}}ab Ø ,

então:

9. (F.C.

Chagas) Para os conjuntos A =

B = {a, {A}}, podemos afirmar:

a)

{, {b}} A

b)

{, b} A

a)

B A

c)

{, {a}} A

d)

{a, b} A

c)

A B

e)

{{a}, {b}} A

e)

{A} B

b)

d)

A = B

a = A

{a}

e

4. (F.C. Chagas) Se A = {; 3; {3}; {2; 3}}, ent ã o:

a)

{2, 3} A

b)

2 A

c)

∅ ∉ A

d)

3 A

e)

{3} A

5. (UFES) Se A e B s ão dois conjuntos nã o vazios

e, se ocorrer A B, ent ão:

a)

A

B = B

b)

A B

c)

A B = B

d)

A B =

e)

nda.

6. (MACK) A sentença verdadeira é :

a) Se X A e X B, ent ão X A B.

b) Se A B, ent ão A B = B.

c) Se X A B, ent ão X A e X B.

d) Se A B = A, entã o A B.

10. (CESGRANRIO) Se X e Y

s ão conjuntos e

XY=Y, pode­se sempre concluir que:

a)

c)

e)

X Y

X Y = Y

Y X

b)

d)

X = Y

X =

11. (F.

Est ácio

de

S á)

Sejam

os conjuntos

A

=

{1,

2,

3,

4}

e

B

=

{2,

4, 6, 8}.

Preenchendo os parê nteses à direita com os n ú meros da coluna da esquerda, obteremos, de cima para baixo, a seq ü ência:

1)

A B

2)

A B

3)

A ­ B

4)

B ­ A

5)

(A B) – (A B)

(

) {1, 3}

(

) {2, 4}

(

) {1, 3, 6, 8}

(

) {1, 2, 3, 4, 6, 8}

(

) {6, 8}

5

a)

1 4 2 5 3

b)

3 1 5 2 4

c)

5 1 4 2 3

d)

1 2 5 3 4

e)

3 1 4 2 5

12. (OSEC) Se um conjunto C tem n elementos, então, qualquer que seja n, o conjunto, cujos elementos s ão todos os subconjuntos contidos em C, tem:

a)

2n elementos

b)

n 2 elementos

c)

2 n elementos

d) n 2 + 1 elementos

e)

n.d.a.

13. (MACK) Sendo A ={1, 2, 3, 5, 7, 8} e B = {2,

3, 7}, então o complementar de B em A é:

a )

b) {8}

c)

{8, 9, 10}

d)

{9, 10, 11,

}

e)

{1, 5, 8}

14. (UFMG)

cojunto dos n ú meros

naturais, K = {3x; x N}, L = {5x; x N} e M

= {15x; x N}. Qual afirmativa é certa?

Seja

N

o

a)

A = F

c)

A = B C

e)

B = E

b)

B A

d)

D = E F

17.

(UFB) Dado os conjuntos A = {a, b, c, d}, B = {c, d, e, f, g} e C = {b, d, e, g}, então:

I. A – (B C) = A

II. (A B) – (A C) = B

III. (A C) – B = A – B Marque:

a) se todas as afirmativas s ã o verdadeiras.

b) se apenas I e II s ã o verdadeiras.

c) se apenas I é verdadeira.

d) se apenas III é verdadeira.

e) se todas as afirmativas s ã o falsas.

18.

GABARITO

a)

K L = M

b)

K L

c)

N – L = M

d)

K – L = M

e)

K L = M

15. (UFB)

=

B = {x Z | x – 3 = 0}, então:

a) (A B) (A B) = {­3}

b) P(A) = {0, {3}, {­3}, {3, ­3}}

c) (A – B) – (A B) = {­3}

Se

A

{x

Z

|

x 2

9

 

1.

e

2. b

3.

a

4. e

5.

a

6. a

7.

a

8. b

9.

e

10. a

=

0}

e

11.

b

12. c

 

13.

e

14. e

15.

c

16. e

17.

d

d) A C A B = {3}

e)

(A B)

C A B = {­3}

16. (UFES) Dados os conjuntos:

A={x∈ℝ ;5x3}∩{x∈ℝ ;2x7} B={x∈ℝ ;2x3}∪{x∈ℝ;2x7} C={x∈ℝ ;2x3} D={x∈ℝ ;2x3} E={x∈ℝ ;2x7} F={x∈ℝ ;5x7}

diga qual das afirmaçõ es abaixo é correta:

6