Você está na página 1de 3

S E M E S T R E / 2 0 1 5

SEMIOLOGIA MÉDICA

SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim

MEDICINA PUC Minas/Betim

SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim
SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim
SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim

Porto 5ª edição

ALTURA E OUTRAS MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS

1. AVALIAÇÃO DA ALTURA

Na prática diária, a única medida rotineira no adulto é a planta-vértice (altura total = vai da planta dos pés ao vértice da cabeça). Na criança, recomenda-se medir a altura na posição deitada até os 4 anos, usando-se fita métrica ou régua graduada. No idoso a altura é quase sempre menor do que alcançou no final de sua fase de crescimento (encurtamento da coluna por redução dos corpos vertebrais e dos discos intervertebrais, além do aumento de suas

curvaturas)

.

Posição do paciente: ereta, sem flexão de joelhos, pés juntos e olhar direcionado para frente

Solicitar que o paciente faça uma inspiração profunda

Checar mais de uma vez

2. ENVERGADURA

Distância compreendida entre os extremos dos membros superiores (mms), de braços abertos com abdução de 90º

IMPORTANTÂNCIA: Na maioria das situações, normalmente a envergadura equivale a altura, no entanto, em algumas situações como na síndrome de Marfan e no hipogonadismo hipergonadotrófico (eunucoidismo) a envergadura é maior que a altura. No nanismo hipofisário, os mms também são desproporcionalmente longos em relação ao resto do corpo.

3. DISTÂNCIA PUBOVÉRTICE

Entre a sínfise pubiana e o ponto mais alto da cabeça

4. DISTÂNCIA PUBOPLANTAR

Entre a sínfise pubiana e a planta dos pés

5. PESO

Calibrar diariamente a balança

Despir o paciente ou descontar a roupa (cerca de 300-500g)

Certificar de que o paciente não está se apoiando em objetos e os pés estão posicionados na balança

I
I

Sabrina Barbosa

S E M E S T R E / 2 0 1 5

SEMIOLOGIA MÉDICA

SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim

MEDICINA PUC Minas/Betim

SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim
SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim
SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim

Porto 5ª edição

Classificação na idade adulta:

- Peso ideal: Estatisticamente obtido de dados de grandes grupos da população. Não existe tabela. Aplicar regra de Broca.

Regra de Broca: o peso ideal se aproxima do número de centímetros que excede um metro de altura e se expressa em kg. Ex1: Homem, 1,70m, peso ideal em torno de 70kg. Ex2: Para mulheres subtrai-se 5% ao valor encontrado. Mulher, 1,60m, peso ideal igual a (60-5%) 57kg.

- Peso máximo normal: soma-se 10% ao peso ideal

- Peso mínimo normal; subtrai-se 10% do peso ideal ** A magreza equivale a uma redução do peso em 10-15% dos valores ponderais preconizados em função da estatura, sexo e idade. Há dois tipos: 1) Magreza constitucional: traço genético, 2) Magreza patológica: em diabéticos, tuberculose, hipertireoidismo, anorexia nervosa e ingestão insuficiente de alimentos. CAQUEXIA é o estado de extrema magreza com comprometimento do estago geral do paciente (cirrose, desnutrição grave, neoplasias malignas, AIDS).

6. IMC

Surgiu da necessidade de um indicador mais adequado para alterações do peso

Além do peso e altura, também leva em conta o sexo

IMC = P/A²

Classificação:

 

Baixo peso

<20kg/m²

 

Normal

20-24,99kg/m²

Sobrepeso

25-29,99kg/m²

Obesidade Classe I

30-34,9kg/m²

Obesidade Classe II

35-39,9kg/m²

Obesidade Classe III

>40kg/m²

7. CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL E RELAÇÃO CINTURA-QUADRIL

Acima da crista ilíaca

Valores normais: homens até 102cm e mulheres até 88cm

Relação com alterações metabólicas, incluindo dislipidemias, resistência à

I
I

insulina, diabetes tipo 2, HAS e doença arterial coronariana

Sabrina Barbosa

S E M E S T R E / 2 0 1 5

SEMIOLOGIA MÉDICA

SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim

MEDICINA PUC Minas/Betim

SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim
SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim
SEMIOLOGIA MÉDICA MEDICINA PUC Minas/Betim

Porto 5ª edição

Homem: obesidade central ou tipo androide (morfologia corporal - forma de maçã)

Mulher: obesidade periférica ou ginecoide ou gluteofemoral (forma de pêra).

I
I

Sabrina Barbosa