Você está na página 1de 98
INTRODUCAO Este livro trata da populaggo kachin ¢ chan do nordeste da Birmania, mas pretende também fornecer uma contribuigio a teoria antropol6gica, Nao foi proje- ado como uma descrigio etnogréfica. A maioria dos fatos etnogréficos a que me refiro foram publicados anteriormente. Nao se deve, pois. procurar qualquer originalidade nos fatos de que trato, mas na interpretacio desses mesmos fatos. A populagio de que nos ocupamos é a que habita a regio assinalada com o nome KACHIN nomapa 1 emostrada em grande escala no mapa 2, Essa populagao fala diferentes linguas ¢ disletos, ¢ existem grandes diferengas de cultura entre uma outa parte da regido em questo. No entanto, é comum denominar-se a totalidade dessa populagio com os termos chan e kachin. Neste livro chamarei toda a regio de Regido das Colinas de Kachin. ‘Num nivel grosseiro de generalizago, os chans ocupam os vales ribeirinhos onde cultivam arroz em campos irrigados; sio um povo relativamente sofisticado, ‘com uma cultura algo semethante & dos birmaneses. Os kachins, por outro lado, ‘ocupam as colinas onde cultivam arroz usando sobretudo as técnicas de cultura itinerante através de derrubadas ¢ queimadas. A literatura publicada no século pasado quase sempre tratou esses kachins como selvagens primitivos e belicosos, to diferentes dos chans na aparéncia, na lingua ¢ na cultura geral que devem ser considerados de origem racial totaimente distinta!, 1. Por exemplo, Malcom (1837) lckstedt (1944) “s SISTEWAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA Sendo assim, est dentro das convengées normais da antropologia que as monografias sobre os kachins ignorem os chans e as monografias sobre os chans ignorem os kachins. Todavia, os kachins e os chans so em quase toda parte vizinhos préximos e esto bastante associados nas questées comuns da vida. Considere-se, por exemplo, 0 seguinte documento. Faz parte do registro textual do depoimento de uma testemunha num inquérito confidencial realizado nos Estados Chans do Norte em 1930, [Nome da testemunha: Hpaka Lung Hseng Raa: Kachin Lahtawng (Pawyam, pseudo-chan) dade: 79 Religifo: budista zawti Reside em: Man Hkawng, Mong Hko [Nascido em: Pao Mo, Mong Hko ‘Ocupaglo: Chefe aposentado Pai: Ma La, antigamente Duwa de Pao Mo ‘Quando eu era menino, cerca de setenta anos arés, o Regente (chan) Sa0 Hkam Hseng, que entéo reinava em Mong Mao, mandou um parente seu, de nome Hge Hkam, negociar uma slianga com os kachins de Mong Hko, Pouco tempo depois Nge Hkam estabeleceu-se em Pao ‘Mo e mais tarde trocou de nome com meu antepassado Hko Tso Li e meu avé MaNaw, ento uwas de Pao Mo; depois disso nos tomamos chans e budisls e prosperamos grandemente e, como membros do cld Hkam, sempre que famos a Méng Mao ficdvamos com o Regente, © inversamente, em Mong Hko nossa casa era deles. [..] Parece que essa testemunha considerava que nos dltimos setenta anos ou aproximadamente sua familia tinha sido simultaneamente kachin ¢ chan. Como kachin, a testemunha era membro da linhagem do cla Lahtaw(ng). Como chan, era bbudista ¢ membro do cla Hkam, a casa real do Estado de Mong Mao. Além disso, Méng Mao ~ 0 conhecido Estado Chan desse nome em territério cchinés ~ ¢ tratado aqui como sendo uma entidade politica do mesmo tipo e tendo quase a mesma situagéo de Mong Hko, que aos olhos da administragao britanica de 1930 nada mais era que um “eftculo” administrativo kachin no Estado Hsenwi do Notte. Dados desse tipo ndo podem ajustar-se prontamente a qualquer esquema etnogrifico que, em termos lingttisticos, situa kachins e chans em “categorias” raciais diferentes. © problema, contudo, nio é simplesmente o de distinguir entre kachins € chans; hé também a dificuldade de distinguir os kachins entre si. A literatura 2. Harvey & Barton (1930), p. 81 nro ucto discrimina diversas variedades de kachins. Algumas dessas subcategories séo principalmente lingifsticas, como quando se distinguem os kachins que falam jinghpaw, dos atsis, dos marus, dos lisus, dos nungs etc.; outras so sobretudo territoriais, como quando se distinguem os singphos de Assam dos jinghpahs da Birmfnia, ou os hkahkus da regio do Alto Mali Hke (Triangulo) dos gauris, aleste de Bhamo. Porém a tendéncia geral tem sido minimizar a importncia dessas distingdes € dizer que 0 essencial da cultura kachin é uniforme em toda a Regifio das Colinas de Kachin’ Livros com tftulos como The Kachin Tribes of Burma; The Kachins, their Religion and Mythology; The Kachins, their Customs and Tradi- tions; Beitrag zur Ethnologie der Chingpaw (Kachin) von Ober-Burma* referem- se por implicacao a todos os kachins onde quer que sejam encontrados, isto 6, a uma populacio de cerca de 300 mil pessoas escassamente espalhadas por uma regio de uns 130 mil quil6metros quadrados*. ‘Nao faz parte de meu problema imediato discutir até que ponto semelhantes generalizagSes sobre a uniformidade da cultura kachin sio efetivamente justificd- veis; meu interesse reside antes no problema de saber até que pontose pode afirmar que um iinico tipo de estrutura social prevalece ao longo da regiéo kachin. E legitimo pensar que a sociedade kachin é organizada em toda parte segundo um conjunto particular de prineipios, ou seré que essa categoria bastante vaga de kachin inclui muitas formas diferentes de organizagio social? ‘Antes de tentar investigar essa questio, devemos primeiro deixar claro 0 que se entende por continuidade e por mudanga com respeito aos sistemas sociais. Sob 4que citcunstincias podemos dizer de duas sociedades vizinhas A e B que “essas duas sociedades tém estruturas sociais fundamentalmente distintas”, enquanto entre duas outras sociedades Ce D podemos afirmar que “nessas duas sociedades a estrutura social 6 essencialmente a mesma”? No restante deste capitulo de abertura meu objetivo sera explicar o ponto de vista te6rico a partir do qual abordo essa questo basi A tese, em suma, & a seguinte. Os antropélogos sociais que, na esteira de Radcliffe-Brown, usam o conceito de estrutura social como uma categoria por meio da qual se pode comparar uma sociedade com outra pressupsem na verdade que as sociedades de que tratam existem durante todo o tempo em equilfbrio estével. Seré, ento, possivel descrever, por meio de categorias sociol6gicas comuns, sociedades. que presumivelmente ndo esto em equilibrio estavel? 3. Porexemplo, Hanson (1913), p. 13. 44 Carrapet (1929); Githodes (1922); Hanson (1913); Wehsl (1904) 5. Chaptndice 5. o SISTEMAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA Minha conclusdo é que, conquanto modelos conceituais de sociedade sejam necessariamente modelos de sistemas de equilfbrio, as sociedades reais nfo podem jamais estar em equilibrio. A discrepancia esté ligada ao fato de que, quando estruturas sociais se expressam sob forma cultural, a representagio é imprecisa em comparagio com a fomecida pelas categorias exatas que o soci6logo, qua cientista, gostaria de empregar. Digo que essas inconsisténcias na légica da expressio ritual so sempre necessérias para o bom funcionamento de qualquer sistema social. ‘A maior parte de meu livro é um desenvolvimento desse tema. Sustento que essa estrutura social em situagées prticas (em contraste com o modelo abstrato do sociélogo) consiste num conjunto de idéias sobre a distribuigio de poder entre pessoas e grupos de pessoas. Os individuos podem nutrir, e nutrem, idéias contra- dit6rias ¢ incongruentes sobre esse sistema. Sdo capazes de fazé-lo sem embaraco por causa da forma em que suas idéias sio expressas. A forma é a forma cultural; a expresso ¢ a expresso ritual, A dtima parte deste capitulo introdutério € uma claboragio desta portentosa observagio. Antes, porém, voltemos a estrutura social e &s unidades sociais, Estrutura Social Num certo nivel de abstragdo podemos discutir a estrutura social simples- mente em termos dos principios de organizacio que unem as partes componentes do sistema. Nesse nivel, a forma da estrutura pode ser considerada de mancira totalmente independente do conteiido cultural". Um conhecimento da forma de sociedade entre os cagadores gilyaks da Sibéria Oriental” e entre os pastores nuers do Sudao* me ajuda a entender a forma da sociedade kachin, a despeito do fato de estes tiltimos serem, em sua maioria, agricultores itinerantes que habitam a densa floresta de mongao das chuvas. [Nese nivel de abstracio, nfo € dificil distinguir um modelo formal de outto. As estruturas que 0 antropélogo descreve so modelos que existem apenas em sua propria mente na forma de construcGes Iégicas. Muito mais dificil € relacionar tal abstragio com os dados do trabalho empfrico de campo. Como podemos ter realmente certeza de que um modelo formal particular se ajusta aos fatos melhor do que qualquer outro modelo possivel? 6. Fontes (1945, pp 5860 iets 4. Lasers (900, apa XVI yea ce Evans Prichard (1040, Seah 2 wraopueko ‘As sociedades reais existem no tempo ¢ no espago. A situagéo demogritica, ecolbgica, econdmica e de politica externa ndo se estruturam num ambiente fixo, mas num ambiente em constante mudanga. Toda sociedade real é um processo no tempo. As mudancas que resultam dese processo podem ser discutidas sob dois angulos’. Primeio, existem as que so coerentes com uma continuidade da ordem formal existente. Por exemplo, quando um chefe morre e ésubstituido por seu filho, ‘ou quando uma linhagem se segmenta e temos duas linhagens onde anteriormente havia apenas uma, as mudangas séo parte do processo de continuidade. Nao hé ‘mudanga na estrutura formal. Segundo, existem mudangas que de fato refletem modificagées na estrutura formal. Se, por exemplo, se puder demonstrar que numa localidade particular, durante certo lapso de tempo, um sistema politico composto de segmentos de linhagem igualitérios substituido por uma hierarquia ordenada de tipo feudal, podemos falar de uma mudanga na estrutura social formal. Quando, neste livro, eu falo de mudancas da estrutura social, sempre me estou referindo a mudancas deste ultimo tipo. Unidades Sociais ‘Nocontexto da Regio das Colinas de Kachin, 0 conceito de “uma sociedade” apresenta muitas dificuldades que se tomnardo cada vez mais evidentes no curso dos préximos capftulos. Por ora vou seguir a recomendacao insatisfatéria de Radcliffe-Brown ¢ interpretar “uma sociedade” como se significasse “alguma localidade conveniente”™, Alternativamente, aceito os argumentos de Nadel. Por “uma sociedade” entendo realmente qualquer unidade politica autOnoma" ‘As unidades politicas na Regio das Colinas de Kachin variam grandemente de tamanho ¢ parecem ser intrinsecamente instéveis. Num extremo da escala pode-se encontrar uma aldeia composta de quatro famflias que reivindicam firme- mente o seu direito de ser considerada uma unidade plenamente auténoma. No ‘outro extremo temos o Estado Chan de Hsenwi, que, antes de 1885, continha 49 subestados (méng), alguns dos quais compreendiam por sua vez mais de cem aldeias separadas. Entre esses dois extremos podemos distinguir numerosas outras, variedades de “sociedade”. Esses virios tipos de sistemas politicos diferem uns 9. Fortes, op cit pp. S455. 10, Radclife-Brown (1940), 1, CE Nadel (1951, p. 187 SISTEMAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA dos outros no s6 em escala mas também nos prinefpios formais & luz dos quais io organizados. E aqui que reside 0 ponto fundamental do nosso problema. Para certas partes da Regio das Colinas de Kachin os registros hist6ricos gemufnos remontam ao comego do século XIX. Isso mostra claramente que durante 0s tltimos 130 anos a organizagéo politica da regigo foi muito instavel. Pequenas ‘unidades politicas aut6nomas tenderam frequentemente a agregar-se em sistemas ‘maiores; hierarquias feudais em larga escala fragmentaram-se em unidades meno- es. Houve mudangas violentas ¢ muito rapidas na distribuicio global do poder politico. portanto metodologicamente erréneo tratar como tipos independentes as diferentes variedades de sistemas politicos que encontramos hoje nessa regio; deveriam ser consideradas claramente como f{7] de um sistema total mais amplo em continua mudanga. Mas a esséncia de minhaTfese € que o processo pelo qual as equenas unidades se desenvolvem em unidades maiores e as grandes unidades se fragmentam em menores nao € uma simples parte do processo de continuidade estrutural; nio é apenas um processo de segmentagio e agregacio, é um processo que envolve mudanga estrutural. Eo mecanismo desse processo de mudanga que nos interessa em particular. [Nao hé divida de que tanto o estudo quanto a descrigéo da mudanga social em contextos antropol6gicos comuns apresenta grandes dificuldades. Os estudos de campo sio de curta duragio, os registros hist6ricos raramente contém dados do tipo correto em pormenores adequados. Em verdade, embora os antropélogos tenham declarado amitide um interesse especial pelo assunto, sua discussao tedrica dos problemas da mudanca social tem merecido até agora poucos aplausos! Mesmo assim, parece-me que pelo menos algumas das dificuldades s6 surgem como um produto secundério dos préprios falsos pressupostos do antropé- logo acerca da natureza desses dados. Os antropélogos sociais ingleses tenderam a extrair seus conceitos bésicos muito mais de Durkheim do que de Pareto ou de Max Weber. Em conseqiiéncia, estio fortemente predispostos em favor de sociedades que apresentam sintomas de “integragio funcional”, “solidariedade social”, “uniformidade cultural”, “equi brio estrutural”. Essas sociedades, que os historiadores ou cientistas politicos bem poderiam considerar como moribundas, costumam ser vistas pelos antropélogos como ricas ¢ idealmente afortunadas. As sociedades que exibem sintomas de faccionarismo ¢ conflito interno que conduzem a répida mudanga so, por outro lado, suspeitas de “anomia” e de decadéncia patolégica’®. 12. Por exemplo, Malinowski (1945); G, & M, Wilson (1945); Herskovits (1949). 13, Homans (1951), pp. 336. 7” iwrmoougio Essa predisposigdo a favorecer as interpretagbes do “equilfbrio” decorre da natureza dos materiais do antropélogo ¢ das condigées sob as quais ele exccuta o seu trabalho. © antropélogo social normalmente estuda a populagio de um local particular num determinado ponto do tempo e nao esté muito preocupado com a probabilidade de ser ov nao a mesma localidade estudada de novo por outros antropélogos numa data posterior. Desse modo, temos estudos da sociedade trobriand, da sociedade tikopia, da sociedade nuer, mas ndo da “sociedade tro- briand de 1914”, da “sociedade tikopia de 1929”, da “sociedade nuer de 1935”. Quando as sociedades antropol6gicas sao assim dissociadas do tempo e do espaco, a interpretagio que é dada a0 mate pois, se assim néo fosse, decerto pareceria ao leitor que a andlise era incompleta. Mais do que isso, porém: como na maioria dos casos 0 trabalho de investigagio foi realizado definitivamente sem qualquer nogio de repeticao, a apresentagio € de equilibrio estével; 08 autores escrever como se os trobrianders, os tikopias, os ruers fossem 0 que so, agora e para todo o sempre. Com efeito, a confusio entre os conceitos de equilfbrio e de estabilidade esta tdo profundamente arraigada na literatura antropoldgica que 0 uso de qualquer desses termos esté sujeito a ambi- gilidade. Eles nao sao, claro esté, a mesma coisa. Minha posicdo pessoal é a que segue. 1 énecessariamente uma andlise de eqniltbria, Sistemas de Modelo Quando o antropélogo tenta descrever um sistema social, ele descreve neces- sariamente apenas um modelo da realidade social. Esse modelo representa, com feito, a hipstese do antropélogo sobre “o modo como o sistema social opera”. As diferentes partes do sistema de modelo formam, portanto, necessariamente, um todo coerente~ é um sistema em equilibrio. Isso porg=spio implica que a realidade social forma um todo coerente; a0 contrétio, a situ 1 é na maioria dos casos ccheia de incongruéncias; e so precisamente essas incongruéncias que nos podem propiciar uma compreensio dos processos de mudanca social. Em situagGes como as que encontramos na Regio das Colinas de Kachin, podemos considerar que qualquer individuo particular detém uma condigio social ‘em sistemas sociais diferentes a0 mesmo tempo. Para 0 proprio individuo, tais sistemas apresentem-se como allernativas ou incongruéneias no esquema de valo- res pelo qual ele ordena sua vida. O processo global de mudanga estrutural realiza-se por meio da manipulagio dessas alternativas como forma de progresso social. Todo individuo de uma sociedade, cada qual em seu proprio interesse, se n SISTEMAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA empenha em explorara situagio & medida que apercebe e, a0 fazé-lo, acoletividade de indivéduos altera a estrutura da propria sociedade. Essa idéia um tanto complicada receberé frequente ilustracéo nas piginas seguintes, mas o argumento pode ser ilustrado por um simples exemplo. Em matéria politica, os kachins tém diante de si dois modos ideais de vida totalmente contraditérios. Um deles é 0 sistema chan de governo, que se assemelha uma hierarquia feudal. O outro é aquele que denomino neste livro organizacéo de tipo gumlao; 6 um sistema essencialmente anarquista ¢ igualitirio, Nao é raro encontrar um kachin ambicioso que assuma os nomes eos titulos de um principe chana fim de justificar sua pretensio 8 aristocracia, mas que apela simultaneamente 8 prinefpios gumlao de igualdade a fim de fugir a obrigacio de pagar direitos feudais a0 seu proprio chefe tradicional, E assim como os individuos kachins se véem freqiientemente diante de uma escolha quanto ao que é moralmente correto, da mesma forma pode-se dizer que 0 conjunto das comunidades kachin se oferece uma escolha quanto 20 tipo de sistema politico que seré 0 seu ideal. Em suma, minha (ese é que em termos de organizagio politica as comunidades kachins oscilam entre dois tipos polares — “‘democracia” gumlao, de um lado, ¢ autocracia chan, de outro. 3 auténticas comunidades kachins nao sio nem do tipo gumlao net ‘mas estdo organizadas segundo um sistema descrito neste livro como gumsa", que 6, com efeito, uma espécie de compromisso entre o ideal gumlao e o chan. Num capitulo posterior descrevo o sistema gumsa como se fosse um terceiro modelo estitico entre 0 modelo gumlao ¢ 0 chan, mas naturalmente o leitor precisa compreender que as comunidades gumsa nfo sto estéticas. Algumas, soba influén- cia de circunstancias econdmicas favordveis, tendem cada vez mais para o modelo ‘chan, até que no final os aristocratas kachins sentem que “se tornaram chans” (sam tai sai), como no caso do anciéo de Mong Hko, que encontramos na pégina 66; outras comunidades gumsa movem-se na diregio oposta e tornam-se gumlao. A organizagio social kachin, tal como € descrita nos relatos etnograticos existentes, sempre o sistema gumsa; mas minha tese € que esse sistema considerado em si ‘mesmo € realmente incompreensivel, pois esta cheio de contradigdes inerentes. Apenas enquanto esquema de modelo ele pode ser representado como um sistema de equilibrio's, embora Lévi-Strauss tenha percebido que a estrutura assim repre- sentada contém elementos que estio “en contradiction avec le systéme, et doit donc 14, Salvo quando ¢ dectarado em contétio, todas as palnasnativas usadas nese Livro so palavas da lingua jinghpaw pronunciadas de acordo com o sistema de romanizagf ciado por Hanson; ef. Hanson (1906). 15. Leach (1952), pp. 40-45 n monucko entrainer sa ruine”"*, No campo da realidade social, as estruturas politicas gumsa io essencialmente instaveis, e sustento que elas 6 se tornam plenamente inteli ‘giveis em termos do contraste apresentado pelos tipos polares de organizagio ‘gumlao e chan, fa maneira de estudar os fendmenos de mudanga estrutural consiste em del GGesames ines ne modngs tren nec sopodepalte dentro de um dado sistema, A descrigdo estrutural de um sistema social fomece-nos um modelo ideali zado que declara as relagGes de status “corretas” existentes entre grupos dentro do sistema total e entre as pessoas sociais que compdem grupos particulares”. A posigio de qualquer pessoa social em tal sistema de modelo é necessariamente fixa, ‘conquanto se possa pensar que os individuos preenchem diferentes posigdes no desempenho de diferentes tipos de ocupagao ¢ em diferentes estégios de sua carrera. Quando nos referimos a mudanga estrutural, temos de considerar nio apenas as mudangas na posigéo dos individuos com respeito a um sistema ideal de relacionamentos de status, mas também as mudangas no préprio sistema ide seja, mudancas na estrutura de poder. O poder em qualquer sistema deve ser pensado como um atributo de “deten- totes de cargo”, isto 6, de pessoas sociais que ocupam posigSes as quais 0 poder esté ligado. Os individuos exercem poder somente em sua capacidade de pessoas sociais. Como regra geral, creio que nunca se justifica que 0 antrop6logo social interprete @ aco como sendo inambiguamente orientada para algum fim particular. Por essa razo nunca me contento com os argumentos racionalistas referentes 3s ““necessidades” e “metas” como os aventados por Malinowski e por Talcott Par- sons't, mas considero necessario e justificavel supor que (@Ffesejo consciente ou inconsciente de adquirir poder é um motivo muito geral ES humanas. Por isso, suponho que os individuos que se defrontam com uma escolha de acio iri geralmente usar tal escolha para adquirir poder, vale dizer, procurardo o reconhe- cimento como pessoas sociais que tém poder; ou, para me servir de uma linguagem diferente, eles procurario ter acesso a0 cargo on ao apreco de seus companheiros que pode levé-los ao cargo. O aprego é um produto cultural. O que é admirado em uma sociedade pode ser deplorado em outra. A peculiaridade do tipo de situagio nas Colinas de Kachin 16, “..em contradigho com o sistema e deve aarreta a sus ruina”. Lévi-Strauss (1949), p. 325. 17, Para esse uso da expresio “pessoa social”, cf. especialmente Radelitfe-Brown (1940) p. 5 18 Malinowski (1944); Parsons (1949); Parsons & Shs (1951), Pate I a SISTEMAS POLITICOS DA ALTA BIRMANA 6 que um individuo pode pertencer a mais de um sistema de aprego, e que esses sistemas podem nio ser coerentes. que € meritéria segundo as idéias chans pode ser tachada de humilhante no ‘gumiao. Portanto, raramente é clara a ‘melhor maneira de um individuo adquirir aprego em qualquer situagéo particular. Isso parece dificil, porém 0 leitor nio precisa imaginar que tal incerteza seja de qualquer modo incomum; em nossa propria sociedade a aco eticamente correta para um homem de negécios cristao é quase sempre igualmente ambigua. Ritual ara elaborar esta argumentacdo devo primeiramente explicar como uso 0 conceito de ritual. O ritual, digo eu, “serve para expressar 0 status do individuo enquanto pessoa social no sistema estrutural em que ele se encontra temporaria mente”. Obviamente, a importancia de semelhante aforismo dependera do sentido que se deve atribuir & palavra ritual. Os antropélogos sociais ingleses, em sua maioria, seguiram Durkheim ao dividir as ages sociais em duas grandes classes ~ a saber, ritos religiosos que so sagrados e atos técnicos que so profanos. Das muitas dificuldades que resultam dessa posigio, uma das mais importantes diz respeito a definigdo e & classificagao de magia. Haveré uma classe especial de agdes que se podem descrever como atos migicos e, se houver, pertencerio & categoria “sagrada” ou & categoria “profana”, estario mais ligadas & natureza e & fungdo dos atos religiosos ou as dos atos técnicos? Varias respostas foram dadas a essa pergunta. Malinowski, por exemplo, situa a magia no terreno do sagrado”; Mauss parece consideré-la profana™. Mas, independentemente de a principal dicotomia estar situada entre 0 magico-religioso (Sagrado) e 0 técnico (profano), ou entre o religioso (sagrado) e 0 magico-téenico (profano), permanece o pressuposto de que situagdes de algum modo sagradas e profanas sio distintas como totalidades. Ritual € pois uma palavra usada para descrever as agées sociais que ocorrem em situagdes sagradas. Uso a palavra de modo diferente deste. Do ponto de vista do observador, as agSes afiguram-se meios para atingir fins, ¢ € perfeitamente exeqiiivel seguir a recomendacdo de Malinowski e classifi- car as agbes sociais no tocante a seus fins — isto &, as “necessidades basicas” que 20, Mauss (1947), p. 207, ” urtaopu¢ko parecem satisfazer. Mas os fatos que se revelam desse modo sio fatos técnicos; a anflise nfo fornece nenhum critério para distinguir as peculiaridades de alguma cultura ou de alguma sociedade. Pouquissimas ages, com efeito, tém essa forma elementar funcionalmente definida. Por exemplo, se se deseja cultivar arroz, é certamente essencial ¢ funcionalmente necessério limpar um pedago de chao € jogar sementes nele. E sem diivida as perspectivas de uma boa colheita melhorardo se o terreno for cercado e as ervas daninhas forem capinadas de quando em quando. (Os kachins fazem todas essas coisas e, na medida em que ofazem, esto executando simples atos técnicos de um tipo funcional. Essas ages servem para atender a “necessidades bisicas”, Mas hd muito mais do que isso. No “procedimento costu- meiro” dos kachins, as rotinas de limpar o terreno, plantar as sementes, cercar 0 pedago de terra e capinar as ervas daninhas sio Dp rsronzats de acordo com as convengdes formais ¢ entremeadas com tod0S bs tipos de adornos e omatos tecnicamente supérfluos. Sao esses adornos ¢ ornatos que tomam o desempenho ‘um desempenho kachin, e nfo um mero ato funcional. E 0 mesmo sucede com todo tipo de ago técnica; hé sempre o elemento que funcionalmente é essencial, ¢ outro elemento que é apenas o costume local, um adomno estético. Tais adornos estéticos, Malinowski os chama de “costume neutro”, e nesse esquema de andlise funcional 0 tratados como irrelevancias menores. Parece-me, contudo, que so precisamen- te esses adomos costumeiros que fornecem ao antropélogo social seus dados bésicos. Logicamente, estética e ética sdo idénticas, Se quisermos entender as normas éticas de uma sociedade, é a estética que devemos estudar. Na origem, os pormenores do costume podem ser um acidente histérico; mas para os individuos que vivem numa sociedade tais pormenores nunca podem ser irrelevantes, sio parte do sistema total de comunicagio interpessoal dentro do grupo. Sao agées simbéli- cas, ropresentagbes. & tarefa do antropélogo tentar descobrir ¢ traduzit para seu proprio jargio técnico aquilo que esta simbolizado ou representado. Tudo isso, € claro, esta muito préximo de Durkheim. Mas Durkheim e seus discipulos parecem ter acreditado que as representagées coletivas estavam confi- nadas & esfera do sagrado, e desde que afirmam que a dicotomia entre o sagrado € profano era universal e absoluta, inferia-se que s6 eram especificamente sagrados 0s simbolos que o antropélogo submetia & andlise. Quanto a mim, acho injustificével a énfase que Durkheim coloca na dicoto- mia absoluta entre 0 sagrado ¢ 0 profano®. Parece, antes, que as ages acontecem 21. Malinowski in Hogbin (1934), p. xxv 22, Wingenstein (1922) 6421. 23, Durkheim (1925), p53. * SISTEMAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA ‘numa escala continua. Num extremo temos as agbes que sio inteiramente profanas, {nteiramente funcionais, pura e simples técnica; no outro, temos as ages que so inteiramente sagradas, estritamente estéticas, tecnicamente ndo-funcionais. Entre esses dois extremos temos a grande maioria das agées soci parte de uma das esferas e em parte da outra, Desse ponto de vista, técnica ¢ ritual, profano e sagrado nao denotam tipos de ago, mas aspectos de virtualmente qualquer tipo de agio. A técnica tem conseqiiéncias materiais econémicas que sio mensursveis e prediziveis; o ritual, por outro lado, ¢ uma declaragdo simbélica que “diz” alguma coisa sobre os individuos envolvidos na aco. Assim, de certos pontos de vista pode-se dizer que uum sacrificio religioso kachin 6 um ato puramente técnico econémico. £ um procedimento para matar gado ¢ distribuir a came, e acho que talvez haja pouca diivida de que para a maioria dos kachins isso parece ser 0 aspecto mais importante da questo. Um nat galaw (“executar um nat”, sacrificio) € quase sindnimo de uma boa festa. Mas do ponto de vista do observador ha muita coisa que ocorre num sacrificio que é absolutamente irrelevante no que conceme a matadouro, a cozi- mento ¢ a distribuigio de carne. Séo esses outros aspectos que tém significado como simbolos de status social, ¢ so esses outros aspectos que descrevo como que participa em rituais quer envolvam ou nao diretamente qualquer conceituagio do sobrenatural ou do metafisico™. mito, em minha terminologia, é a contrapartida do ritual; mito implica ritual, ritual implica mito, ambos sio uma s6 ¢ a mesma coisa, Essa posigio é ligeiramente diferente das teorias de Jane Harrison, de Durkheim e de Malinowski A doutrina classica na antropologia social inglesa é que mito e ritual sio entidades conceitualmente distintas que perpetuam uma & outra mediante uma interdepen- déncia funcional ~ o rito € uma dramatizagio do mito, 0 mito € a sangao ou a |justificativa do rito, Esse enfoque do material toma possivel discutir 0s mitos isoladamente como constituindo um sistema de crengas, e de fato uma parte muito grande da literatura antropolégica sobre religio diz respeito quase totalmente & discussdo do contetido da crenca e da racionalidade ou nfo desse conteido. Mas tais argumentos parecem-me um contra-senso escolistico. A meu ver, 0 mito encarado como uma afirmacdo em palavras “diz” a mesma coisa que o ritual encarado como uma afirmagio em aco. Indagar sobre 0 contetido da crenga que nio esta contido no contexido do ritual é um contra-senso. Se eu desenhar um diagrama grosseiro de um automével no quadro-negro escrever embaixo “isto € um carro”, ambas as declaragGes ~ 0 desenho € 0 escrito 24, Cf. dlstingto feta por Merton (1951) entre fungho manifesta e fang laren 76 ntroucho —“dizem” a mesma coisa ~ nenhuma diz mais do que @ outta, e seria claramente um contra-senso perguntar: “O carro é Ford ou Cadillac?” De igual modo, parece- me que, se eu vir um kachin matando um porco ¢ Ihe perguntar 0 que est fazendo ele disser nat jaw nngai ~ “Esto dando-o aos nats” -, esta afirmacao é apenas ‘uma descrigdo do que ele esté fazendo. E um contra-senso fazer perguntas com: “Os nats tém pernas? Eles comem came? Eles vivem no céu?” Em algumas partes deste livro farei freqientes referéncias a mitologia kachin, ‘mas nao farei nenhuma tentativa de encontrar qualquer coeréncia 6gica nos mitos aque me refiro. Os mitos, paramim, sio apenas um modo de descrever certos tipos de comportamento humano; 0 jargio do antropélogo € o uso que ele faz dos modelos estruturais so outras tantas maneiras de descrever os mesmos tipos de ‘comportamento humano. Na anélise sociol6gica nunca podemos ter uma autono- mia absoluta. Por abstrata que seja a minha representacio, minha preocupagio é sempre com o mundo material do comportamento humano observavel, nunca com ‘ametafisica ou com sistemas de idéias que tais. Interpretacao Em suma, portanto, minha opiniao aqui é que agio ritual e crenga devem ser entendidas como formas de afirmacao simbélica sobre a ordem social. Embora eu no afirme que 0s antropslogos estéo sempre em condigies de interpretar esse simbolismo, digo entretanto que a principal tarefa da antropologia social é tentar tal interpretacao™. Devo admitir aqui um pressuposto psicolégico basico. Suponho que todos os seres humanos, qualquer que seja a sua cultura e 0 seu grau de complexidade mental, tendem a construir simbolos e a fazer associagSes mentais do mesmo tipo geral. Isso é uma suposicio muito ampla, se bem que todos os antropdlogos a fagam. A situagdo importa nisto: suponho que com paciéncia eu, um inglés, posso aprender a falar qualquer outra lingua verbal ~ por exemplo, Kachin. Além disso, suponho que entio serei capaz de dar uma tradugio aproxiémada em ingles de qualquer afirmagio verbal comum feita por um kachin. Quando se trata de afirma- ‘gdes que, embora verbais, so inteiramente simbélicas — como, por exemplo, na poesia ~, a tradugio torna-se muito dificil, visto que uma tradugdo literal, palavra por palavra, provavelmente nao traz quaisquer associagées para o leitor inglés. 25. © conceito de eds, tal como fol desenvolvido por Bateson (1936), tem relevinciapaa esa parte de minha angameniaéo. SISTEMAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA comum; suponho todavia que posso, com paciéncia, chegar a compreender apro- ximadamente até mesmo a poesia de uma cultura estrangeira e que posso entio comunicar a outros essa compreensio, Da mesma maneia, suponho que posso dar ‘um interpretagio aproximada mesmo de ages simbélicas ndo-verbais, como itens do ritual. E dificil justificar completamente esse tipo de suposigo, mas sem ele todas as atividades dos antrop6logos tornam-se sem sentido. Desse ponto de vista posso voltar ao problema que levantei no comego deste capitulo, isto é, a relacio entre uma estrutura social considerada como modelo abstrato de uma sociedade ideal ea estrutura social de qualquer sociedade empfrica conereta. Estou afirmando que onde quer que eu encontre um “ritual” (no sentido em que 0 defini) posso, como antropélogo, interpreté-lo. © ritual em seu contexto cultural é um modelo de simbolos; as palavras com que 0 interpreto sio outro modelo de simbolos composto largamente de termos técnicos inventados por antrop6logos — palavras como linhagem, classe, status etc. Os dois sistemas de sfmbolo tém algo em comum, a saber, uma estrutura comum. De igual modo, uma partitura musical e sua execugo tém uma estrutura comum". Isso € o que estou querendo dizer quando afirmo que o ritual torna explfcita a estrutura social ‘Acestrutura que é simbolizada no ritual & o sistema das relagbes “corretas” socialmente aprovadas entre individuos e grupos. Essas relagées nfo sio formal- mente reconhecidas em todos os tempos. Quando os homens estio envolvidos em atividades priticas para satisfazer o que Malinowski denomina “as necessidades bésicas”, as implicagbes das relagSes estruturais podem ser totalmente desprezadas; ‘um chefe kachin trabalha em seu campo lado a lado com 0 menor dos seus servos. Na verdade, estou preparado para afirmar que o desprezo da estrutura formal € cessencial para o prosseguimento das atividades sociais informais ordinérias. ‘No entanto, se quisermos evitar a anarquia, os individuos que compdem uma sociedade devem de tempos em tempos ser lembrados, pelo menos em simbolo, da ordem bésica que presumivelmente guia suas atividades sociais. Os desempenhos rituais t8m essa funcéo para o grupo participante como um todo”; eles tornam momentaneamente explicito aquilo que de outro modo ¢ ficgio. 26, Russell (1948), p. 479. 23h, Paro individ, a pacipasio num ritual pode também te ouras fngdes ~ por exempo, uma fungio psloldgica catia mas so, a mes ver, est fora do mbito do antropSlogo social * wronucko Estrutura Social e Cultura Minha opini&o quanto ao tipo de relacio que existe entre estrutura social ¢ cultura™* € uma decorréncia imediata disso. A cultura proporciona @ forma, a “roupagem” da situago social. Para mim, a situacéo cultural é um fator dado, é um produto e um acidente da hist6ria. Nao sei por que as mulheres kachins antes de se casarem andam com a cabega descoberia e 0 cabelo cortado curto, mas usam um turbante depois, tanto quanto néo sei por que as mulheres inglesas pdem um anel num dedo particular para denotar a mesma mudanga de status social; tudo 0 que me interessa é que nesse contexto kachin o uso de um turbante por uma mulher tem esse significado simbélico. & uma afirmagio sobre o status da mulher. Porém a esirutura da situacio é largamente independente da sua forma cultural. © mesmo tipo de rela¢o estrutural pode existir em muitas culturas diferentes ¢ ser simbolizado de maneiras correspondentemente diferentes. No exemplo que acabamos de dar, o casamento é um relacdo estrutural que é comum tanto & sociedade inglesa quanto & kachin; é simbolizado por um anel em uma e por um turbante na outra, Isso significa que um nico e mesmo elemento da estrutura social pode aparecer com uma roupagem cultural na localidade A e outra rowpagem cultural na Ioealidade Ro Mas Ae R podem ger lugares adjacentes no. mapa, Em outras palavras, nfo existe razo intrinseca pela qual as fronteiras, significativas dos sistemas sociais devam sempre coincidir com as fronteiras culturais. Admito que as diferengas de cultura sio estruturalmente significativas, mas © mero fato de dois grupos de pessoas serem de cultura diferente néo implica necessariamente ~ como quase sempre se sup6s ~ que pertengam a dois sistemas sociais totalmente diferentes. Nesse livro pressuponho 0 contrério. Em qualquer regio geografica que carega de fronteiras naturais bésicas, é provével que os seres humanos das regides adjacentes do mapa tenham relagdes uns com 0 outros ~ pelo menos até certo ponto -, nao importa quais possam ser 28. Como este livre pode ser lio tanto por antopSlogos americanas como ingleses, devo advrtt que 0 termo cultura, tal como 0 uso, no € aquela categoria sbrangeate que consti o tema dt antropotogia cultural americana. Sow um antroplogo sociale esou interessado a exratua social da sociedad kachio, Pars mim, os conceitos de eultutaesociedade sfo absolatamente dstnios. “Se se considers Sociedade como um agreyado de relagoes socials, ent a cultura € o conteddo dessas relagbes. A sociedade encarece o componente homano,ongregado de pessoas e as relagSes ene elas. A cul ‘enfatza 0 componente dos recuracsacumslados, amo material como material, que a pessossherdam, tempregam, transmutam, 2umentam €transmitem” (Firth, 1951, p. 27) Para 0 uso algo diferente do termo cultura coment ene os antrop6logos americanos, ver Kroeber (1952) e Kroeber & Kluckhohn (4952). * SISTEMAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA seus atributos culturais. Na medida em que essas relagdes sio ordenadas e no totalmente fortuitas, hé implicita nelas uma estrutura social. Mas - pode-se per- guntar — se as estruturas sociais sio expressas em simbolos culturais, como se podem expressar as relagbes culturais entre grupos de cultura diferente? Minha resposta é que a manutengio da diferenca cultural e a insisténcia nessa diferenca podem por si mesmas tornar a agio ritual expressiva das relagbes sociais. Na regifo geogrifica discutida neste livro, as variagées culturais entre um grupo ¢ outro séo muito numerosas € muito acentuadas. Mas as pessoas que falam uma Ifngua diferente, usam roupa diferente, adoram divindades diferentes etc. naio io vistas como estrangeiros inteiramente, fora do Ambito do reconhecimento social. Os kachins e os chans sio mutuamente arrogantes uns com os outros, mas, resume-se que os kachins e os chans tém, apesar de tudo, um antepassado comum. Nesse contexto, atributos culturais como lingua, roupa e procedimento ritual so meros rétulos simbélicos que denotam os diferentes setores de um sistema estru- tural tinico e extenso. Para os meus propésitos, o que tem significado real é 0 modelo estrutural bisico, ¢ no o modelo cultural manifesto. Estou interessado nao tanto na interpre- taco estrutural de uma cultura particular, mas no modo como as estruturas particulares podem admitir virias interpretagdes culturais e no modo como estru- turas diferentes podem ser representadas pelo mesmo conjunto de simbolos cultu- ais. Ao tratar desse tema, procuro demonstrar um mecanismo bésico da mudanga social AS CATEGORIAS CHAN E KACHIN E SUAS SUBDIVISOES Deve ter ficado evidente, pelo que foi dito, que um requisite bésico paras compreensii da tese deste livro 6 que o leitor seja capaz de conceituar para si ‘mesmo exatamente 0 que se entende por categoria kachin ¢ chan e suas vérias subdivisses, ¢ também pelas subcategorias contrastantes kachin gumsa e kachin gumlao. O presente capitulo é uma tentativa de tornar claras essas distingdes no plano muito superficial da emografia descritiva; somente mais tarde patentear-se-4 até onde se podem distinguir as categorias no nivel da estrutura social Chan Examinemos em primeiro lugar acategoria chan. A palavra nessa forma deriva do birmanés. Os termos geogrificos Assam ¢ Siio sio vocibulos correlatas. O cequivalente kachin (jinghpaw) do birmanés chan 6 sam. Os birmaneses aplicam 0 termo chan, de maneira bastante coerente, a todos os habitantes da Birménia politica da regizo fronteiriga entre Birmania e Yun-nan que se autodenominam Tais, No coeste e no sudeste da Birmfnia isso envolve certa ambighidade, uma vez que os birmaneses distinguem os chans dos siameses, embora ambos os grupos se autode- ‘nominem tais. Mas para o noroeste da Birmania a definigio ésuficientemente clara. (Os chans, assim definidos, encontram-se territorialmente dispersos, mas tém uma cultura razoavelmente uniforme. As variagbes dialetais entre diferentes loca- cy SISTEWAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA lidades sio consideraveis, mas ainda assim, & parte umas poucas excegies espe- ciais, pode-se dizer que todos os chans da Birmania do Norte ¢ do Yun-nan Ocidental falam uma mesma lingua, a saber, o tai. As excegSes so os chans de ‘Méng Hsa (os maingthas ou a’changs), que falam 0 que parece ser um dialeto do maru; os chans do vale do Kubaw, que falam atualmente uma corruptela do birmangs; e pequenos bolsdes heterogéneos de chans nas regides do alto Chindwin do vale do Hukawng, cuja lingua atual parece ser principalmente o jinghpaw, ‘com forte mistura do tai e do assamés. A maior parte da populagio conhecida pelo nome de kadu parece entrar nessa categoria’. Ha também um pequeno grupo de pessoas que habitam o Irrawaddy, perto de Sinbo, que vivem como chans mas falam ‘uma lingua chamada hpon, mais ou menos intermediéria entre o maru eo birmanés. Segundo parece, a maioria dos derradeiros falantes do hpon — existem apenas algumas centenas deles - consideram-se tais. ‘Um critério mais importante de identidade de grupo € que todos os chans sio budistas®. E verdade que a maioria ndo é muito devota, ¢ o budismo chan inclui varias seitas decididamente heréticas, mas ser budista é simbolicamente importante ‘como indice da complexidade chan. Quando, como sucede com nao pouca frequén- cia, um kachin “se torna um chan” (sam tai), a adogio do budismo é uma parte decisiva do processo. O individuo que na Birménia atual (1951) recebe o titulo oficial de “Chefe do Estado de Kachin” é um budista-kachin-e-chan desse género. ‘Um segundo critério geral é que “todos os povoados chans estao associados a cultura do arroz itrigado”. Podemos aqui combinar o conceito chan com os dados citados no capitulo 2. A Birmania do Norte 6 uma regido de colinas ¢ montanhas. Os chans estio espalhados por essa regio, mas nao aleatoriamente. Os povoados chans ocorrem somente ao longo dos vales dos rios ou em bolsdes de tertit6rio plano nas colinas. Esses povoados esto sempre associados as terras de arroz intigado, Hé portanto uma grosseira equivaléncia entre cultura e sofisticagio. Nessa regio, a prosperidade que provém das planicies onde se cultiva 0 arroz itrigado subentende o budismo, que por sua vezsubentende a vinculacéo a um Estado feudal ago encontram-se mais ou menos fora 10 que estamos estudando. Os palaungs néo derivam sua prosperidade econdmica do arroz itrigado, mas do cultivo do ché; so budistas ¢ tém um sistema social do tipo chan, mas habitam as colinas’. Existem também alguns habitantes sofisticados nos Estados de Was, que se enriqueceram com os lucros decorrentes 1.Ver também p. 108 2. Na Indochina hi um gropo nfo budstaconbecido como “tai negro", mas concento-me aqui apenas tos chans da Regifo das Colinas de Kachin. 3, Milne (1924); Cameron (1911); Lows (1906). * _SITeMAS POLITICOSDAALTA Bn dda cultura da papoula. Ainda vivem nas montanhas, mas adotaram o budismo e so cconhecidos pela designagio de tais lois (isto é chans das colinas). A proposigio inversa é epenas aproximadamente verdadeira. No interior da Regio das Colinas de Kachin a majoria das comunidades (mas no todas) que dependem totalmente do cultivo do arroz irrigado sdo chans (ou birmaneses). As principais excecbes slo as seguintes. A leste, na parte alta da bacia do rio Shweli, ao norte de Tengyueh, a populacio que cultiva arroz, na sua maiora, fala o chinés. Mais para o este, no vale do Hukawng, hi regiées de arroz irrigado em que os, hhabitantes atuais se consideram mais kachins (jinghpaw) do que chans. Finalmen- te, em Assam, na fronteira ocidental da regio, ocamp6nio assamés comum cultiva (© arroz ittigado. Devo ainda acrescentar que nos distritos administrativos de Bhamo ¢ de Myitkyina, na Birménia, os primeiros Estados Chans jé néo existem ‘como entidades politicas separadas. Nessas regiGes no se pode estabelecer uma distinggo clara entre os componentes chans © of hirmaneses da poplagho que habita ovale O cultivo de arroz pelos chans é feito quase sempre em regides planas que permitem 0 uso de arados © grades puxados por béfalos. As comunidades chans esto muito ocasionalmente associadas aos sistemas de terragos de colina como os, ‘mencionados no capitulo 2, mas a maioria dos sistemas de terragos de colina dessa regitio sio cultivados por kachins. ‘Tentei indicar nos mapas 3 e 4 a distribuicao aproximada de povoados chans, ‘mas os bolsoes desses assentamentos si0 amide tio pequenos que s6 um mapa ‘em pequena escala poderia dar uma verdadeira indicacéo do quanto, geografica- ‘mente falando, 08 chans 0s kachins esto “misturados”. (Os birmaneses estabelecom uma distingio entre os chans birmaneses (Shan B’mah), os chans chineses (Shan Tayok) e os chans hkamtis. Grosso modo, os ‘chans bitmaneses compreendem os chans dos Estados Chans birmaneses, onde 0 ‘budismo é mais ou menos do tipo birmanés ¢ onde os principes (saohpa) ha muito esto subordinados nominalmente ao rei birmanés. Os chans chineses sio os dos Estados Chans do Yun-nan, o mais importante dos quais se situa na regio ao sul de Tengyueh e a oeste do Salween. Muitos dos chans que ora residem na Birmania, nos distritos de Bhamo e de Myitkyina, sio imigrantes recentes do Yun-nan e sio classificados pelos birmaneses como chans chineses, Os chans hkamtis sio consi- {derados um subtipo dos chans birmaneses. Com base na hist6ria, podemos defini- “A “Apaenterete ets exresi é snl sont nos dns de Bao ede Myittyiny; ver Benson (4933), p18, i “8 Mapa 4. Distribuicio da populagdo chan e kachin por volta de 1825 na poredo norte da Regio das Colinas de Kachin, BAM0R EG } / SISTEMAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA os como os chans que possivelmente estabeleceram uma certa alianga politica com © antigo Estado Chan de Mogaung (Méng Kawng). ‘Até a metade do século XVIII os Estados Chans da Birminia do Norte conservaram um grau significativo de independéncia e demonstraram muito mais lealdade & China que & Birménia, No dltimo quartel do século XVIII, no curso de uma série de guerras algo irresolvidas entre a Birménia e a China, 0s vérios principados chans da regio do alto Irrawaddy (Mogaung, Mobnyin, Waingmaw, Bhamo) parecem ter tomado o partido dos chineses; em conseqiiéncia, sofreram uma destruigéo nas mos dos exércitos birmaneses*. A partir do final do século XVIII néo houve principes chans (saohpa) regulares nesses Estados. Estes eram tratados como dependéncias feudais diretas da coroa birmanesa. Os rendimentos do departamento de myosa dependiam da mercé do rei e 0 governante do Estado (myowun) era nomeado diretamente pelo castelo de Ava. Hkamti parece ter sido originariamente um titulo associado a familia real de a independente, continuou a servir para descrever aqueles principados chans que anteriormente haviam sido dependéncias politicas de Mogaung num sentido feudal. Como esses Estados Hkamtis desempenharam um papel de relevo nos negé- ccios dos kachins, vale a pena enumeré-los em detalhe. Mogaung. Depois da eliminagao de Mogaung como unidade politi ‘2, Hkamti Long (Grande Hkamti), hoje uma confederagio de sete pequenos principados chans, situada perto das cabeceiras do Irrawaddy (Mali Hka). Embora a principio tenha sido talvez colonizado diretamente desde a China, Hkamti Long parece ter sido uma dependéncia de ‘Mogaung nos séculos XVII e XVILP. No mapa 2, Hkamti Long aparece com o nome de Putao; (0s principados componentes sio mostrados no mapa 4 'b. Chans do vale do Hukawng, sobretudo os de Maingkwan, Ningbyen e Taro, Bsses ‘chans s8o hoje, em sua maior, dependentes polticamente dos kachins citcunvizinhos. Diz-se {que sio os emanescentes de uma populago outrora muito mais mumerosa em linhagens feudais* (mapa 4. . Singkaling Hkamti, Pequeno Estado chan no alto Chindwin. O grosso da populacio local € formado de kachins ¢ de nagas. O elemento chan, inclusive a familia governante, parece {er vindo de Ningbyen, no vale do Hukawng® (mapas 3 ¢ 4). 4. Os Hkamti de Assam. Localizados a leste de Sadiya e também na margem do Dihing, perto de Ledo (mapa 4). Os primeiros derivam de colonizadores vindos de Hkamti Long que entraram em Assam por volta de 1795. Os iltimos provém de virios grupos de colonizadores ‘Ver Imbault-Huart (1878), onde Meng K’ong = Mogaung; Meng Yang CConbecem-se as varanes: Kati, Kans, Khampti, Kami ete Barnard (1925); MacGregor (1894). Kawlu Ma Naving (1942), pt Chan States and Karenn, pp. 75-16. Mohayin AS CATEGORIAS CHAN & KACHIV E SUAS SUBDIVISOES cchans que entraram em Assam, durante 0s séculos XVIII e XIX, procedentes do vale do Hkawng", Nos Gltimos 120 anos os hkamtis de Assam sempre estiveram muito misturados ‘com os assameses, 0s mishmis, os nagas e os kachins (singphos)". . A egio das Minas de Jade, que foram um fator importante na queda dos principes do ‘Mogaung no século XVII, estiveram, pelo menos nos tiltimos sessenta anos, sob o controle de ‘uma linhagem de chefes kachins. Esses chefes, chamados embora de kachins pela administragSo britiica,imitaram as maneiras dos chans e casaram-se nas famflias chans. Assumiram também fo titulo de Kansi (Kant) duwa como herdeitos, segundo parece, do domfnio chan original” (mapa 2). Por essa lista pode-se ver que existe uma confusio entre 0 uso do termo ‘hkamti para denotar um grupo particular de povos de origem étnica supostamente comum ¢ 0 uso do mesmo termo como o nome de um estado politico. Essa ambighidade aplica-se também ao termo mais geral chan, Quase todos os Estados CChans da Regifio das Colinas de Kachin incluem elementos de populagdo nfo-chan. Em muitos casos, os elementos ndo-chans sio muito mais numerosos que os elementos chans. A capital politica de um estado chan é, em todos 0s casos, uma municipalidade localizada na vizinhanga de terras de arroz irrigado, mas as depen- déncias feudais de tal estado podem incluir no apenas outras comunidades de cchans cultivadores de arroz irrigado, como também vérias aldeias de colina com uma populagdo ndo-chan e uma economia de taungya. Em alguns casos, a hierar- quia politica dai resultante é um tanto complexa. Por exemplo, antes de 1895, 0 atual Estado de Méng Wan, chan chinés, inclufa néo s6 as aldeias chans do vale do Nam Wan como também numerosos povoados kachins que hoje estdo no lado bbirmanés da fronteira. Em sua maioria, os aldeses chans da planicie de Nam Wan nfo pagavam seus impostos feudais diretamente aos saohpa de Mong Wan, mas a uum ou outro de varios chefes tribais kachins. Os chefes kachins, por seu turno, pagavam seus impostos aos saohpa de Méng Wan. Os aldedes chans pagavam seus impostos com arroz, enquanto os chefes kachins pagavam os seus com pélvora, arranjo economicamente muito satisfatério para ambas as partes”. ‘Uma referéncia a0 Chan States Gazeteer mostra que em 1900 havia nume- +0808 exemplos similares nos quais 0s dominios politicos kachins estavam integra- dos numa estrutura feudal chan mais ampla. A total separagdo politica do territ6rio kashin ¢ chan, que prevaleceu durante a iltima fase do regime britinico na 10, Dalton (1872, 96 1. Ver, especialmente, Pemberton (1835); Mackenzie (1884); Michel (1883). 12. Hertz (1912) 13. RNEF. (1899), p.3 14, Scot & Hardiman (1900-1901), SISTEWAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA Birminia, nfo era um fendmeno natural, mas fruto de uma ago administrativa por parte do poder superior. {A distribuigio esparsa da crescente populagio cultivadora de arroz irrigado ¢ budista, de lingua tai, foi objeto de freqiientes comentarios ¢ especulagio pseudo-hist6rica. Parece que a teoria explicativa aventada mais comumente é a de que os povos de lingua tibetano-birmanesa e os de Iingua tai representam duas fam(lias étnicas diferentes. Atribui-se aos povos tibetano-birmaneses uma tendén- cia geral a migrar do Norte para o Sul. Segundo essa teoria, a migragio para o Sul foi temporariamente interrompida entre os séculos Vill e XI d. C. por uma infiltragio em sentido oeste dos chans de lingua tai. Essa migragio dos chans para 0 Oeste corresponde & expansio politica do “Império” Chan de Nanchao, que tinha sua capital nas vizinhancas de Tali. Mais tarde, com o declinio do poderio politico chan, supde-se que se tenha reencetado 0 movimento tibetano-birmanés para o Sul. De acordo com essa teoria, os Kachins de fala jinghpaw sio os Gltimos dos tibetano-birmaneses a chegarem do Norte; durante 0s séculos XVIII e XIX, supbe-se que tenham “devastado” os chans, de modo que os chans da Birménia do Norte de hoje sio meros sobreviventes dessa invasio paga'®. Essa complicada interpretagio dos testemunhos é desnecesséria. Como Von Eickstedt reconheceu claramente", a esséncia da cultura chan (tai) €a sua associa- go com 0 cultivo do arroz irrigado. Na Regio das Colinas de Kachin, com rarfssimas excegies, onde quer que exista uma extensio de terreno adequado para © cultivo do arroz irrigado, ou encontramos chans ou nio encontramos ninguém. 86 excepcionalmente é que deparamos com algum dos povos “kachins” domicilia- dos nas planicies e nos vales. E, vice-versa, em localidades adequadas somente para 0 cultivo de faungya, ou encontramos kachins ou no encontramos ninguém, A inferéncia € clara; € improvavel que a distribuigéo dos povoados chans tenha sido alguma vez, em qualquer época desde a difusto original da cultura chan, substancialmente diversa do que 6 agora. Se, como é bem possivel, houve anterior- ‘mente uma populagio chan numericamente maior do que a atual, isso nao implica que os chans estivessem mais amplamente dispersos; significa apenas que os povoados chans atuais eram anteriormente um pouco maiores. Nunca houve uma poptlagdo chan domiciliada nas regides de montanha. Somente em localidades ‘como 0 vale do Hukawng, onde vamos encontrar kachins cultivando o arroz pelos 15, Hs uma extens literatara sabe ete spico; ver, po exemplo, Enriquez (1933); Hanson (1913); Lowis (1919); Elcksted (1944, Na ertica, Groen (1933; 1934 indicou que as diferengas nos tpos fscos no Notdeste da Birminin no correspondem de modo nenhum as distibuigheslingltstias; sso invalida toda a tse 16, Bicksteat (1944), 100 ASCATEGORS CHAN & RACHIN E SUAS SURDIUISOES métodos chans, é que se pode inferir com alguma probabilidade que os kachins tenham “devastado” ou desalojado uma populado chan. B quanto a isso, se deparamos com povos de lingua kachin cultivando arroz pelos métodos chans, quase se poderia inferir que esses “kachins” jé esto em via de “se tornarem chans”. E bem possfvel que nos dltimos mil anos, ou aproximadamente, tenham ocorrido muitas migragSes ¢ mudancas demograficas substanciais entre a popula- gio montanhesa ao longo da Regio das Colinas de Kachin, mas cumpre lembrar que essas mudancas poderiam ocorter sem afetar a posicdo da populagio chan nas planicies € nos vales. Fatos ou inferéncias sobre a histéria de um segmento da populacio total podem, portanto, dar-nos certos indicios sobre a hist6ria do outro. Histéria fatual, pois qualquer parle da Regio das Colinas de Kachin 6 fragmentéria. Dou um resumo dessa historia estabelecida no cepftulo 8, juntamente com minhas proprias conjecturas sobre alguns dos fatos decisivos acerca dos quais dispomos senio de provas circunstanciais. Mas no capitulo 8 ocupo-me prineipalmente da “hist conjecturas sobre os chans. Um dos fatos que se podem dar como estabelecidos € que os chineses, ja no século Id. C., estavam familiarizados com vérias rotas do Yun-nan & fndia. Nao podemos saber ao certo quais eram essas rotas, mas, desde que sto constitufdas apenas por um niimero muito limitado de desfiladeiros através das principais cadeias de montanhas, as rotas ndo podem ter diferido muito das que conhecemos hoje. Nao & desarrazoado ver a colonizagio chan original dos vales dos rios como. tum processo associado & permanéncia dessas rotas de comércio. Hé testemunhos de que as comunicagdes eram mantidas através de uma série de pequenas guarni- ‘gGes militares estabelecidas em postos apropriados a0 longo da rota. E claro que essas guamigdes precisaram mantcr-se a si mesmas ¢ deveriam portanto estar jtuadas num terreno adequado ao cultivo do arroz. O povoado assim formado iria constituir o micleo de uma regio de cultura complexa que, com o passar do tempo, ‘evoluiria para um tipo de Estado chan subalterno. ‘A extensdo em que qualquer estado particular iria desenvolver-se seria condicionada pelas circunstincias locais. Em Hkamti Long, por exemplo, a drea apropriada a desenvolver-se em plan ” kachin, ¢ por isso ser melhor expor desde jé minhas de arroz é substancial, e, segundo parece, no passado foi de fato cultivada uma drea muito maior do que agora. As rotas comerciais através de Hkamti Long permaneceram pouco usadas por mais de um século: antigamente, quando essa rota comercial era muito mais frequentada, é possivel que a populagio tenha sido maior. Em contrapartida, a escala da comunidade chan em Sima-pa dificilmente deve ter mudado durante séculos. Trata-se de uma pequena planteie de arroz de 101 SISTEMAS POLI; 05 DAALTA BIRMANIA mais ou menos sete quilémetros quadrados, situada a uma altitude elevada (cerca de 1700 metros acima do nivel do mar). Constitui uma das principais passagens do Yun-nan para a Alta Birménia e situa-se na rota das antigas caravanas de jade de Mogaung para Tengyueh. Esti portanto localizada estrategicamente ¢ esteve certamente ali durante longo tempo. E apenas um lugarejo, mas em alguma ¢poca do passado pode ter sido um pouco maior, pois fica a pelo menos um dia de marcha de qualquer outra comunidade chan ou chinesa, ¢ toda a tetra de arroz que é disponivel no local esté plenamente ocupada (mapa 2, p. 87). Essa explicagio segundo a qual a localizago e a escala das comunidades chans foram determinadas pela estratégia e economia das rotas comerciais é claramente especulativa, mas ajusta-se melhor a0s fatos conhecidos do que as teorias que explicam a atual distribui¢ao dos povoados chans como o resultado de alguma fabulosa conquista militar em larga escala"”. Uma importante implicagéo de minha tese € que a cultura chan, tal como a conhecemos hoje, nao deve set considerada um complexo importado de fora, j4 pronto, para a regio, como a maioria das autoridades no assunto parece ter suposto, E um desenvolvimento nativo resultante da interagdo econémica, durante um longo perfodo, de colénias militares de pequena escala com uma populagio montanhesa nativa. ‘O processo pelo qual acorre o desenvolvimento de tipo chan é hem ilustrada. pela descrigéo de Ming Ka feita por Davies. Os atuais habitantes de Mong Ka sio cchineses de lingua lisu; sua semelhanca cultural geral com os chans de comunida- des similares, como a de Sima-pa, € muito grande, O topénimo Méng Ka é chan, Davies escreve 0 seguinte: ‘A pequena planicie de arroz de Méng Ka (1 700 km') € habitada por cineses ¢ lisus. A. terra 6 totalmente cultivada, mas nfo ¢ fen, e 0 povo ndo obtém dela senio 0 necesstio para viver [..] © chefe de Mang Ka 6 conhecido pelo nome de Yang-hsing-kuan, que significa simplesmente “o tunclonério cujo sobrenome é Yang”. Seu cargo € hereditério. Parece que urn seu antepastado, quma outra época, conquistou os habitantes lisus originals para o governo chings e, como recompensa, ele seus homens se estabeleceram ali como colonizadores-solda- dos, ¢ 0 governo do lugar foi dado a cle ¢ a seus descendentes. Os lisus ¢ os chineses agora vivem juntos em perfeita amizade e sem diivida os colonizadores originals casaram-se com mulheres lisus de modo que seus descendentes sio por rage tio lisus quanto chineses". Existem varios outros tipos de testemunhos que respaldam a opinigo de que grandes porgies de povos hoje conhecidos como chans so descendentes de 17, & desnecessrio dizer que at préprin tradigSes chant tre o atsunio fo expres conguistas militares [€ Bliss (1876)] mas tas relatos nko tm valor hstéric. 18, Davies (1909), pp. 37-38. Mong Ka é um posto de servigo na rota de Sadon para Tengyueh. em fungho de [AS CATEGORIAS CHAN E KACHIN E SUAS SUBDIVISOES membros de tribos das colinas que foram, no passado recente, assimilados por formes mais requintadas de cultura budista-chan. Por exemplo, Wilcox, 0 primeiro inglés a visitar Hkamti Long, menciona que “a massa da populagio trabalhadora é da tribo khaphok, cujo dialeto é estreitamente aparentado com o singpho”". Esse termo chan Kha-phok ou hka-hpaw pode traduzit-se por “escravo ka- chin, Barnard, mais tarde uma autoridade na mesma regio, menciona que dois ‘grupos de classe baixa da sociedade hkamti so denominados hsampyens (isto 6, sam hpyen) e chares#', Na lingua jinghpaw esses termos significariam “soldado mercenétio chan’ ¢ “soldado contratado”, respectivamente; subentende-se que esses, chans de classe baixa so de origem kachin jinghpaw. De modo anilogo, se se ‘examinar, como fizemos, a longa sucessao de referéncias aos hkamtis de Assam que aparecem em documentos de lingua inglesa, oficiais ¢ outros, entre 1824 ¢ 1940, & inevitavel a conclusio de que os ancestrais de muitos povos hoje classificados como hhkamtis (isto €, chans) teriam sido mais apropriadamente classificados, um século airs, sob algum outro nome, como singpho, lisu ou nung (isto é, kachins). Detathes sobre essa mudanga evidente de identidade cultural sfo dados no apéndice 1. O que eu quero ressaltar aqui é que a localizagéo territorial, a relativa complexidade ¢ as principais caracteristicas da organizagio econdmica do que chamamos agora de sociedade chan so determinadas em grande parte pelo meio ambiente. Dados 0s requisitos de uma economia assentada no cultive do arroz irtigado nesse terreno, 08 povoados chans dificilmente seriam diferentes do que sio. Bis por que me sinto autorizado a tratar o sistema social de tipo chan como um ponto relativamente estivel no fluxo total. Nos meus iltimos capitulos tebricos discuto os sistemas sociais kachins ~ 0 tipo gumiao e 0 tipo gumsa ~ como sendo intrinsecamente instéveis, a0 paso que considero 0 tipo oposto, chan, como intrinsecamente estével. A justificagéo para {sso deve ser encontrada em dados de campo como os que mencionei acima, A cultura chan atual estende-se por bolsdes esparsos de Assam a Tongking e, para 0 sul, a Bangkok e a0 Cambodja. Os povos das colinas vizinhos dos chans sfo espantosamente variados em sua cultura; os chans, dada sua ampla dispersio e sua forma esparsa de povoamento, S40 espantosamente uniformes. Minha tese é que essa uniformidade esté correlacionada a uma uniformidade da organizagéo politica chan, ‘que por sua vez € largamente determinada pelos fatos econdmicos especificos da situagio chan. Minha suposigdo hist6rica & que os chans dos vales assimilaram em 18, Witeox (1832),p. 446. 20, Barnard (1936), p vil. CE pp. 269, 284. 21, Barnard (1925), p. 139. 103 SISTEWAS POLITICOS DA ALTA BIRMANIA toda parte, durante séculos, seus vizinhos das colinas, mas os fatores econémicos imutéveis na situaglo significaram que o padrio de assimilagio foi muito semelhan- te em toda parte. A prépria cultura chan foi relativamente pouco modificada. Kachin Isso quanto ao sentido bésico do termo chan; a categoria kachin é mais complicada. Primeiro, a propria palavra, Kachin é uma romanizagio do termo birmanés om yf. Essa grafia comegou a ser usada por volta de 1890. Antes dessa data a forma usual era Kakhyen. ara os birmaneses a categoria originariamente era vaga, aplicade indistinta- ‘mente aos bérbaros das fronteiras do Nordeste. Aparece pela primeira vez em inglés por volta de 1837", Era usada, entéo, como um termo geral para designar os membros das tribos que no eram palaungs, que viviam no distrito de Bhamo € no Estado de Hsenwi do Norte. Essa populagdo era na época, como hoje, poliglota; incluia falantes das Iinguas ¢ dialetos atualmente conhecidos pelos nomes de jinghpaw, gauri, maru, atsi lachi e lisu. De inicio, portanto, o kachin ndo era uma categoria lingiistica, Outra categoria de populagao birmanesa foi a princfpio romanizada com a designagio de theinbaw. Outras versdes da mesma palavra aparecem na literatura na forma de singpho, singfo, chingpaw, jinghpaw etc. uma calogoria que os povos que félam a I{ngua que hoje denominamos jinghpaw aplicam-se a si ‘mesmos. Mas, assim como consideramos que a expressio inglesa “We Britons” tanto pode incluir quanto excluir os escoceses, os galeses e os canadenses na mente do falante, assim a expressio “Nés jinghpaw” (ankte jinghpaw ni) é ambigua, Comumente inclui muitos povos que nao falam a lingua jinghpaw, e na verdade a palavra pode ser usada até para abarcar toda a humanidade. Os birma- neses usavam theinbaw principalmente com referéncia aos bérbaros do distrito de Mogaung e do vale do Hukawng. Parecem té-los tratado como uma categoria diferente dos kakhyens. Os briténicos foram os primeiros a estabelecer, por volta de 1824, contato politico com os falantes do jinghpaw ¢ de outras linguas “kachins” cm Assam; os ppovos em questo eram entéo chamados singphos ¢ kakoos. Em 1837, 0 servigo de inteligéncia militar britanico tinha reunido um corpo de informagdes muito subs- tancial, relativo nao apenas aos singphos de Assam mas também aos seus parentes 2 Hannay (1837); Burney (1837); Richardson (1837); Malcom (1839. 104