Você está na página 1de 2

NOTA

Como é do conhecimento de todos, a CELGPAR e suas SUBSIDIÁRIAS se


encontram atualmente com elevado endividamento junto às administrações
públicas federal e estadual e credores privados, bem como possui elevado
endividamento relativo a tributos, encargos setoriais e financiamentos.

Nesse sentido, o Governo do estado de Goiás, ciente da situação critica da


CElGpar e de suas subsidiárias e de forma a garantir o suprimento eficiente
e adequado à demanda do mercado consumidor do Estado de Goiás, na área
de energia elétrica, está contraindo um empréstimo junto a Caixa Econômica
Federal, em condições de mercado, visando aportar, a partir de novembro de
2010, os referidos recursos financeiros na CELGPAR e suas SUBSIDIÁRIAS,
na forma de liquidação de dívidas do ESTADO junto a CELGPAR e suas
SUBSIDIARIAS e de aumento de capital;

A ELETROBRAS, na qualidade de sociedade de economia mista sob controle


da União, com atuação no setor de energia elétrica, tem por objetivo social,
dentre outros, colaborar, técnica e administrativamente, com as empresas
de cujo capital participe acionariamente, além de possuir conhecimento
técnico e a experiência em gestão de empresas do setor elétrico, assim
como de outros ativos do setor elétrico brasileiro, detidos pela ELETROBRAS,
bem como seu interesse como acionista da CELGPAR e credora de suas
SUBSIDIÁRIAS, em recuperar os investimentos realizados nas referidas
companhias;

Além disso, em razão da experiência da ELETROBRAS descrita acima, há


interesse do ESTADO em viabilizar a implantação e compartilhamento dessa
experiência na CELGPAR e suas SUBSIDIÁRIAS, mediante o estabelecimento
de acordo de acionistas entre o ESTADO e a ELETROBRAS que estabeleça a
gestão compartilhada das mencionadas empresas;

O sucesso desta gestão compartilhada se dará a partir da liberação da 1ª


parcela do financiamento acima mencionado com novas práticas de
governança corporativa na CELGPAR e suas SUBSIDIÁRIAS, de modo a
viabilizar o equilíbrio econômico-financeiro, a qualidade dos serviços e a
modicidade tarifária para o consumidor;

Para concretização foi assinado nesta data um Protocolo de Intenções entre


a Eletrobrás, Estado de Goiás e Celgpar, com o objetivo de estabelecer
condições e premissas que deverão ser observadas pelas PARTES para futura
parceria visando:

(i) a recuperação econômica e financeira da CELGPAR e suas


SUBSIDIÁRIAS, de forma a possibilitar o equacionamento de suas
dívidas;
(ii) a adoção de um modelo de gestão adequado, que possibilite a
manutenção, pela CELGPAR e suas SUBSIDIÁRIAS, do padrão de
qualidade dos serviços, compatível com o requerido pelo Poder
Concedente e Agência Reguladora, e a busca gradativa dos padrões
técnicos e financeiros mais elevados, compatíveis com as empresas
de referência bem como a transferência de know how em gestão de
empresas do setor elétrico brasileiro;

(iii) implementação de uma melhoria na estrutura de capital da


CELGPAR e de suas SUBSIDIÁRIAS, mediante a utilização de
fontes atrativas de financiamento, com vistas ao reequilíbrio de seu
endividamento e redução do custo de capital, associado a um forte
programa de racionalização dos custos de operação e manutenção,
objetivando permitir a expansão do investimento.

Neste novo modelo de operação, o Estado de Goiás disponibilizará um


volume menor de ações da CELGPAR, entre 6 e 8%, o que
possibilitará, após 2015, uma retomada do controle da companhia
saneada e com concessão renovada, possibilitando, se necessário, a
venda de até 35% das ações que, nessas circunstâncias, significará
um considerável aporte de recursos para investimento.

A Contratação do empréstimo de R$ 3.728 milhões pelo Estado de


Goiás, com garantia da União, visando o pagamento de uma dívida
histórica com a CELG e aporte para integralização de capital, somente
será possível porque o Governo Estadual fez seu dever de casa
viabilizando o ajuste fiscal de tal forma que os índices de
individamento remanescente passaram a comportar tal operação de
crédito.
DESCRIÇÃO R$ (milhões)
A) Aplicação dos Recursos pelo Estado 3.728,0
Pagamento integral da dívida com CELG D 1.722,0
Aporte de Capital na CELGPAR 2.007,0

Deve-se destacar que com a operação de crédito e aporte realizados


pelo Estado a CELGPAR retomará o ritmo de investimentos
necessários ao desenvolvimento de Goiás e o ICMS que passará a ser
pago regularmente, em torno de R$ 80 milhões mensais (mesmo não
computados o impacto do crescimento do consumo e revisão das
tarifas), será suficiente para o pagamento das parcelas do
empréstimo e ampliação dos investimentos em infraestrutura,
educação, saúde e ciência e tecnologia por parte da Administração
Direta.