Você está na página 1de 9
REVISTA DE EDUCACAO FidiCA NP 127 ANO DE 2003 AVALIACAO DAS QUALIDADES FISICAS DE CRIANGAS ATRAVES DO EUROFIT Attila Jozsef Flegner '*e Fernando Octavio da Silva Martins? 1. Escola de Educagao Fisica do Exército — Rio de Janeiro/RU 2. Universidade Federal do Rio de Janeiro — Rio de Janeiro/RJ 3. Universidade Estacio de SA — Rio de Janeiro/RU Resumo presente estudo mostra a importancia da aptidao fisica em criangas em idade escolar. O nu- mero de pessoas fisicamente inaptas tem aumen- tado rapidamente e ha poucas pesquisas sobre este assunto. Ha, pois, uma grande necessidade de um estudo cientifico sobre a importancia da avaliagéo da aptidéo fisica infantil. O programa de educacao fisica tem objetivos especiticos que it alunos no desenvolvimento das qualidades fisicas, na aprendizagem de habilidades motoras nos des- portos e no desenvolvimento da auto-estima. A mostra utiizada para esta analise foi composta de 1020 criangas em idade escolar, subdivididas por faixa etaria entre 10 e 15 anos, no Colégio Beatriz Silva, em Teresdpolis — RV. O teste aplicado foi 0 EUROFIT (teste adotado apés varios anos de estu- do pela Comunidade Européia), que mediu os indi- cadores: forga estatica e dinamica, agilidade, flexi- bilidade, equilibrio, velocidade segmentar de mem- Abstract The present study has shown the importance of physical fitness in children in school age. The number of people with poor physical fitness is increasing too fast, and there are few researches about this subject, then there is a great need for a scientific study about the importance of children's physical fitness assessment. The physical fitness program has specific purposes that will help students to develop physical qualities, motor ability and self 48 bros superiores e resisténcia cardio-respiratéria. Os testes foram subdivididos de acordo com o proto- colo EUROFIT. A relagao para grau e desempenho foi a escala monolog (semilog), utilizando-se o mai- or escore e a média. Com a unido destes pontos, forma-se uma retae ela propociona uma escala de graus/desempenho exponencial. A partir dos resul- tados do desempenho, foi teita a distrinuigao percentual de freqiiéncia dos graus obtides . Os meninos demonstraram resultados superiores a0 das meninas em todas as idades, na maioria dos testes, exceto no teste de equilibrio e no teste de flexibilidade. Nos testes de velocidade, os meninos obtiveram melhor desempenho. Em ambos os se- x0s ¢ idades, 0s resultados obtidos nos testes fica- ram abaixo do grau 5 (média). Notou-se um baixo nivel de aptidéo motora quando os graus foram co- locados na curva de distribuigdo que mostrou a moda deslocada para a esquerda Palavras-chave: aptidao fisica, criangas, EUROFIT. confidence. The sample used for this study was composed of 1020 children, divided by agein groups from 10 to 15, at Beatriz Silva school in Teresdpolis, RJ. The Eurofit test was used to estimate balance, speed limb movment, flexibility, explosive strength, static strength, functional strength, running speed in endurance. These tests were divided according to the Eurofit pattern, The monolog (semilag) scale was used for the grading of the tests, observing the results of the highest and average scores. A scale was done by joining such vatues (points) and then it was written REVISIA DE EDUCACAO FISICA - NP 127 - ANO DE 2003 - PAG, 48-56 REVISE DE EDUCACAO FidiCa in a degree scale. The results were presented in percentage distribution of frequency of the degrees obtained by the Eurofit fitness test. In most of the tests, the boys showed best results than the girls. The girls had better results in balance and flexibility. Ne 127 ANO DE 2008 The boys had better results in speed and power. However, a low average score was found when grades were distributed, showing a curve skwised to the left Keywords: physical fitness, chidren, EUROFIT INTRODUGAO A presente investigagao tem como objetivo principal levantar e analisar as qualidades fisicas de criangas em idade escolar por meio de uma ba- teria de testes, 0 EUROFIT. Este instrumento é 0 resultado de dez anos de trabalho coordenado de pesquisadores europeus, com 0 auxilio de 50.000 criangas européias. No presente estudo, além do levantamento das diversas varidveis da aptidao tisi- ca em criangas com idade entre 10 e 15 anos, de ambos os sexes, totalizando 1020 sujeitos, obte- ve-se um perfil desta populagao através da elabo- ragao de uma tabela de relagdo logaritmica entre grau e desempenho e, na base destes graus, a dis- tribuigao percentual O respeito ao aluno é primordial. A base da justiga e do respeito é fundamentada na avaliagao objetiva, com autenticidade cientifica, principalmente quanto & validade ¢ adequagao a faixa etaria dos testes utilizados. A discriminagao da escala de desempenhos traduzidos em graus deve ser moti- vo de estimulo para aqueles que almejam a exce- léncia @ 0 auto-aperfeigoamento. Quando o siste- ma de avaliagao nao puder, com precisao, estabe- lecer tais diferengas, nao sera também capaz do identiticar pontos fortes e fracos, ndo serd util para diagnéstico, tampouco para verificagao de aprendi- zagem ou adequagdo do método de ensino. Por- tanto, para qué perder tempo em aplica-lo? Ha que se lembrar, ainda, que, por este instrumento (tes- tes), no 6 apenas o aluno, mas também 0 profes- sor que esta sendo avaliado. Acredita-se que os objetivos da Educagdo Fi- sica so diagnosticados pela pesquisa apresenta- da, Ficam claros os varios pontos positivos que se- rao enfatizados nas aulas de educagao fisica, es- senciais ao processo de desenvolvimento de cada crianga. Além disso, defronta-se com poucos da- dos nas escolas sobre a identiticagao dos indices FEWSIA DE EDUCAGAO FISICA - NP 127 - ANO DF 2008 - PAG. 42.56, que a crianga, em uma idade especifica, deveria ser Capaz de alcangar em termos de habilidade motora ou valéncias fisicas. Para um pais que al- meja ser olimpico, faltam estes dados e os profes- sores da rede escolar desconhecem tais escores, 0 que é muito grave. Nota-se que estas reflexdes @ observagGes so passiveis de resposta unicamente pela aplicag&o continua de testes, o que constitul a justificativa deste estudo, METODOLOGIA ‘As escolas foram escolhidas por convenién- cia, representando o universo de escolas municipais de Teresdpalis, tendo como participantes as cinco escolas de quinta & citava séries do primeiro grau. A aplicagao do teste atingiu 31% de criangas que estu- dam nos turnos da manhd e tarde, do municipio de Teresdpolis. A amostragem foi do tipo aleatério ca- sual, pois todas as criangas que estavam na escola no momento da coleta de dados participaram, quan- do preenchidos 0s critérios de inclusdo e exclusdo, Procedimentos Ostestes foram realizados em uma area aber- ta (quadra de esportes) de superficie rugosa, nao escorregadia (cimento). Qs testes foram aplicados em forma de cir cuito, seguindo uma ordem rigorosa. Cada estagao foi demarcada através de numeragao sequenciada, com os testes divididos em duas etapas: 1? etapa, Avaliagao Mortoldgica; 2* etapa, Avaliagao de Apt- do Motora, Para cada teste foi dada uma instrugao espe- cifica, o mais objetivamente possivel, demostrando como a crianga deveria executar o teste. Para a execugao da bateria de testes nao foi fealizado nenhum exercicio de aquecimento ou de alongamento antes do inicio dos testes. 49 REVISTA, OE ee EDUCACAO FidiCA Nao foi permitido a crianga fazer nenhum en- saio preliminar dos testes, a menos que estivesse explicitamente escrito nas instrugdes do EUROFIT. As criangas permaneceram descansando entre os testes. O professor avaliador foi responsdvel pela aplicagéio de todos os exercicios realizados de acor- do com a padronizagao do Eurofit. A seqtiéncia dos testes antropométricos divi diu-se na seguinte ordem: altura, peso , composi- 40 corporal. A seqiiéncia dos testes de aptidéio motora foi descrita no protocolo e executada na seguinte or- dem: Flamingo Balance Test (FLB), Teste de Equi- iibrio; Plate Tapping (PLT), Toque nos Discos; Sit and Reach (SAR), Sentar e Alcangar; Standing Broad Jump (SBW), Salto em Distancia sem Corri- da; Hand Grip (UGA), Apreensaio de Mao; Sit Ups (SUP), Flexao de Tronca: Bent Arm Hang (BAH), Pendurar na Barra; Shuttle Run (SHR), Endurance Shuttle Run, Resisténcia (em anexo figuras 1 a7). Elaboragao das Tabelas de Grau e Desempenho A projegdo da curva em papel Monolog (Seimilog) simplifica solugdes matematicas. Utiizan- do 0 método grafico a partir da unio dos pontos de reparo, traga-se no papel Monolog uma reta que expressa a distribuipao da “performance” em razao iogaritmica para avaliagao em graus. Para tragar esta reta, une-se 0 maior valor do teste, atriuindo- Ihe 0 grau 10 na escala Monolog, até encontrar a média da escala, que 6 cinco. Com a unio destes dois pentos, enquadram-se os desempenhos de acordo com 0s graus obtidos. Isto significa que, para um aumento linear dos graus, a “performance” aumenta em escala logaritmica, premiando-se, desta forma, de manei- ra mais acentuada e justa, os niveis mais altos de desempenho. Quando este sistema é usado para acompanhar 0 pracesso (um dos objetivos de ava- liar), as melhoras em niveis mais altos custam mais aplicagao e, proporcionalmente, serao, de forma mais justa, diferenciadas, isto é, em razdo logaritmica. Ando observagio deste detalhe é ge- 50 Ne 127 ANO DE 2008 radora de injustiga e/ou causa de acomodacao. Desta maneira, pode-se fazer um melhor jul- gamento individual, quanto a determinagao da posi- 40 do aluno em relagao ao grupo ou a um padrao previamente admitido, além da possibilidade primor- dial em testes de habilidade motora, que é 0 aconselhamento mais preciso para o desperto onde um maior potencial é demonstrado . Protocolo O protocol utilizado foi Eurofit, aplicando a padronizagdo descrita ¢ os equipamentos aprovados pelo COUNCIL OF EUROPE, Commitee of Experts on Research (1988). Instrumentagao Os oritérios de autenticidade cientifica dos testes que compdem a bateria Eurofit nao so da- dos, mas 0 fato de terem sido selecionados por “experts” de varios paises europeus e adotados pelos paises da Comunidade Européia representa a validade deste instrumento (face validity). Os de- mais instrumentos usados na coleta de dados fo- ram: dinamémetro (Grow); trena metélica 50m (Elson); compasso de Dobra Cuténea Profissional (Lafayette); balanga com toesa e estadiémetro modelo 31 (Filizola); espessimetro; cronémetro di- gital (Cronograph Sports); Aparethagem de som Sharp e Mesa ajustavel com discos de carpete (co- nhecidos como “top plate’, os discos tem uma dis~ tancia de 80 om um do outro e sua borda mede 60 om em relagao a outra); um retngulo de carpete fixado de 10 x 20 om, entre os dois discos, em uma medida eqitidistante (teste de velocidade dos mem- bros superiores); uma caixa de madeira (com as seguintes dimensées: 35 cm de comprimento, 45 om de largura 32 cm de altura); os “top plate” se prolon- gam 15 cm acima do lado do suporte dos pés; uma fita métrica é marcada no meio do “top plate’; uma régua de 30 om solta no topo da caixa, para que a crianga mova quando se esticar com as méos em- purrando a régua(teste de flexibilidade); trés colchdes de gindstica artistica; trave para teste de equilibrio; colchdes; fita adesiva e fita K-7. REVISIA DE EDUCAGAO FISICA - NP 127 - ANC DE 2003 - PAG, 42-56 REVISTA DE ee, ee EDUCACAO FiIdiCA Ne 127 ANO DE 2003 Tratamento Estatistico TABELA 3 - Numero de Alunos Percentual por Desempenho/Grau Os dados do estudo foram tratados através Masculino 12 anos de estatistica descritiva, contendo média (X), desvio padrdo (DP), variancia ($*), maior valor (>), menor valor (<) @ amplitude, sendo os resultados apresentados nas tabelas de 1 a 12. Resultados TABELA 1 - Numero de Alunos Percentual por De- sempenho/Grau Masculino 10 anos TABELA 4 - Numero de Alunos Percentual por Desempenho/Grau Masculino 13 anos TABELA 2 - Numero de Alunos Percentual por Desempenho/Grau Be Masculine 11 anos TABELA 5 - Numero de Alunos Percentual por Desempenho/Grau z Masculing 14 anos EVISTA DE EDUCAGAO FISCA + Ne 12? - ANO DE 2008 - PAG. 48-56 51 REVISTA DE emer <—_— EDUCACAO FidiCA TABELA 6 - Numero de Alunos Percentual por Desempenho/Grau Masculino 15 anos NP 127 AN DE 2003, TABELA 9 - Nimero de Alunas Percentuai por Desempenho/Grau Feminino 12 anos sesso EGESs leeenewnedg] evens: TABELA 7 - NUmero de Alunas Percentual por Desempenho/Grau Feminino 10 anos TABELA 10 - Numero de Alunas Percentua! por Desempenho/Grau Feminino 13 anos aad fest ect =o) aes Desempenho/Grau Feminino 11 anos TABELA 11 - Numero de Alunas Percentual por Desempenho/Grau Feminino 14 anos 52 REVISTA DE EDUCAGAO FISICA - N° 127 « ANO DE 2003 - PAG. 48.56 REVISTA DE eee EDUCACAO FISICA NP 127 ANO DE 2003 TABELA 12 - Numero de Alunas Percentual por Desempenho/Grau Feminino 15 anos Consideragées Finais ‘Aassociagao entre aptidao fisica e saude re- sultou numa mudanga no conceito de aptidao fisica nos Ultimos anos, na estruturagao de programas © na construgdo de testes. Estes testes e programas tendem a salientar a importancia da atividade fisica para todos os individuos. De posse dos resultados transformados em graus, observou-se que 0s grupos masculino ¢ fe- minino apresentaram uma distribuigao tendo como concentragao predominante os graus abalxo ou, quando muito, na média nota 5, —nota minima, bas- tante aquém do esperado. Felizmente, existem alu- nos com resultados elevados (potencial inato} que puxaram 0 ponto de reparo para cima, permitindo, que a maioria ficasse com as notas (graus) abaixo de 5 (média), Provavelmente, por esta razdo tais alunos venham a so tomar atletas olimpicos, mas isto ndo é fruto de planejamento. Quantos talentos estéio sendo desperdicados? Quantos serdo apro- veitados que nao sejam pelo acaso? Os verdadei- ros potenciais sao raros como as pérolas valiosas (um em cada 8000). Analisando a amostra total de 1020 criangas, observou-se que os testes medem qualidades/na- bilidades fisicas distintas, isto é, nao ha duplicago quanto as valéncias fisicas medidas, demonstran- do um cuidado na elaboragao dos testes que com- pdem a bateria, Considerando que, segundo Baungartner & REVISIA DE EDUCAGAO FISICA - N° 127 - ANO DE 2003 - PAG, 48-56 Jackson (1976), existe uma alta correlagao entre as habilidades fisicas e 0 desempenho (performance atlética) € satide, o estado atual em que essas crian- (gas se encontram, quanto aos niveis de habilidades motoras basicas encontradas, nao permite um prog- néstico otimista num futuro préximo, conseqiente- mente, nem de atletas de alto nivel, e, talvez, nem futuros cidadaos de sade robusta. A tendéncia, principalmente no grupo femini~ no, é uma piora com a idade, em vez de uma me- Ihora, 0 que seria o desejado. Ha o aumento de peso corporal, mas nao a esperada correspondente melhora de desempenho; pelo contrario, significa um peso nao util. Quanto aos meninos, se verificou uma evolugao com a idade, apesar de que, nessa faixa etdria, o desenvolvimento hormonal e, conse- qientemente, o aumento da massa muscular, de- veriam proporcionar resultados favoraveis mais di- ferenciados com o aumento da idade. Pode-se, ain- da, levar em consideracao que as criangas de 14.@ 15 anos poderiam estar no segundo grau e que es- ses dados foram coletados em escolas de 1° grau, indicando que estes alunos estdo atrasados, nao apenas na area da escolaridade (desenvolvimento cognitive), mas também na area fisica, podendo, assim, ndo representar adequadamente 0 que de- veria ser o mais esperado com o aumento da taixa etaria, Lamentavelmente, isto jd é uma realidade nas escolas da rede publica. Observou-se que os testes de habilidades motoras S40 capazes de discriminar criangas que tenham algum tipo de aptido, que é confirmada pela competéncia nas aulas de Educacao Fisica Os resultados dos testes evidenciaram a im- portancia de uma bateria de testes para medir os niveis de aptidao fisica das criangas, pelo fato des- tas demonstrarem seus pontos fortes e fracos em cada valéncia fIsica, auxiliando no crescimento @ desenvolvimento dos mesmos. Qs testes que compoem a bateria, em parti- cular, os antropométricos demonstram que se deve ufiliz4-los como indicadores de satide e nao ape- nas na avaliag&o da aptidao fisica. ‘Os meninos e as meninas devem ter aulas, de Educagdio Fisica separados, pois apresentam interesses, niveis de desenvolvimento e, acima de tudo, desempenho nas habilidades motoras bem diferenciados, 0 que aumenta com o crescimento. 53 REVSTA DE ep EDUCACAO FidiCA O nivel da aula, assim, tende a ser menos intenso, prejudicando, principaimente, os meninos, observan- do-se, ainda, que, em geral, hd mais meninas nas turmas do que meninos, agravando o problema. As aulas de Educagao Fisica deveriam ser aplicadas a partir da diviséo em subgrupos, por ni- vel de aptiddo motora mostrada por meio de tes- tes. A partir dos resultados, observou-se quanto os testes apresentados podem servir de modelo pre- ventivo para agrupamentos de forma mais homo- génea. Muito ao contrario de alguns tedricos que nao trabalham em regéncia de turma, o grau de re- jeigdo e insatistacdo 6 muito maior nas turmas he- terogéneas do que nas turmas formadas por crit 08 que tendam & homogeneizacao quanto as habi- tidades fisicas. Ficou evidenciado que o planejamento curricular necessita de uma forte restruturagao para as aulas de Educagdo Fisica, pois os resultados inferiores & média estimada ficaran muito aquém do esperado. Cada pessoa 6 um caso tinico, com a sua bagagem peculiar, diferenciando-se dos outros de inumeras maneiras. A fung&o fundamental do pro- NP 127 ANO DE 2003 fessor de Educagao Fisica 6 compreender as ne- cessidades de cada pessoa, a fim de dar uma ori- entagdo adequada e adaptar os programas as suas necessidades. Para que isso ocorra, a medi¢do por meio de instrumentos validos @ de facil aplicagao & fundamental. No se sugere aqui a aplicagao do protocolo completo do Eurofit, pois embora o custo no seja proibitivo, o tempo de aplicagao em tur- mas grandes e mistas 0 inviabiliza, No entanto, al- guns de seus itens, de acordo com critérios que o professor de Educagao Fisica tem competéncia para escolher, deveriam ser implementados por lei, ‘como foi feito pelos paises de maior potencial alim- pico. Por outro tado, nao se conhece, na literatura cientifica mais aprofundada, testes de talentos desportivos que nao sejam fundamentados em tes- tes dos parametros da aptidao fisica com pressu- postos fisioligicos e biomecanicos aceitaveis. Enderego para correspondéncia: e-mail: Attilajf@ aol.com Av, Jodo Luiz Alves - S/Nr Fortaleza de Sao Joao - Urea - Rio de Janeiro - RJ CEP: 22.291-090 REVISTA DE mem, EDUCACAO Fi Fi NP 127 ANO DE 2003 REFERENCIAS ASTRAND, P.O. & RODAHL, K. Crianga adolescente: desempenho, mensuragao, educacao. Revista Brasi- leira de Ciénoia e movimento, v.6, n.2, p. 58-59, 1992. AUSTRALIAN SPORTS COMMISSION, Physiological Tests for Elite Athletes. Champaign, USA: Human Kinetics, 2000. BAUNGARTNER, T. A. & JACKSON, A. S. Measurement for Evaluation in Physical Education. Boston, Copyright, 1975. BARBANTI, Valdir, J. Desenvolvimento das capaci- dades fisicas na Puberdade. Revista de Educacao Fisica Universidade de Sao Paulo, p.3-5, 1989. BARROW, H. M. & MacGEE, R. A Pratical Approach to Measurement Physical Education. 28 edigao, Philadelphia, Lea & Febiger, 1973. CORBIN, C. 8. Becoming Physically Educated in the Elementary School. 2” edition, Philadelphia: Lea & Febiger, 1976. COMMITTEE OF EXPERTS ON SPORTS RESEARCH. Hanabook for the EUROFIT. Tests of Physical Fitness, Rome, 1988. DIRIX, A. Knutigen, K. Tittel. The Olimpic Book of Sports Medicine. v. A. London, Blackwell Scientific. Publ, 1988. FLEGNEA, Attila, J. & ROCHA, Mauricio J. L. SOA- RES, Victor M. FERRAZ, Inah B. DIOGO, Mirian, GUIMARAES, José Ney. F.. Verifique o quanto vocé 6 capaz. Cademo Técnico do MEC. n 5, p.05-31, 1974. FLEGNER, ATTILA, J.MORELLIL., RIBAS,W.P., RODRIGUES, A. C., FARIAS UNIOR,A. C. F,, FARIA, ZMLP. Critério de Avaliagdo em Educagao Fisica. Re- Vista Brasileira de Educagao Fisica.n.30, p.63-69, 1979. FLEISHMAN, E. A. The Struture and Measurement of Physical Fitness. U.S.A. Prentice Hall, Englewood Cliffs, 1974, GUEDES, P. O. Estudos Antropométricos Entre Escolares. Revista Brasileira de Educagao Fisica e dos Desportos, p.12-17, 1993. KISS, M.A. M., PINI, M.C., FERREIRA, M.B., VAS- CONCELOS, M. A. R. & SOUZA, C. P. Bateria de Testes Escolares, 2° Jomada Internacional de Mo- dicina do Esporte, 3* Congresso Brasileiro de Medi- cina e Esporte. Porto Alegre, Brasil, 1975. REVISTA DE EDUCAGAG FISICA - N° 127 - ANO DE 2903 - PAG, 48-56 LARSON, A. L. Fitness, health and work capacity: international Standards for Assessment. (2a. ed.) New York: Mc Millan publishing INC. p. 453-506, 1974. MARTINS, Fernando, O. S. Comparagdo da Apti- dao Fisica de Criangas Carentes com Criancas da Classe Média através do EUROFIT. Revista Sprint, p.39-43, 1995. MARTINS, Fernando, O. S. Avatiagao das Quatida- des Fisicas de Criancas através do EUROFIT. Dis- sertag&o de Mestrado, Universidade Castelo Bran- co, Rio de Janeiro,1998. MARSH, H. V. Physical Fitness Self-Concept: Relations of Physical Fitness to Field and Technical indicators for Boys and Girls Aged. 9-15. Journal of Sport & Exercise Psychology. n.15, p.184-206, 1993, MATSUDO, V. K. R. Bateria de testes de aptido fisica geral. Revista Brasileira de Ciéncias do Es- porte, v.2, n.1, 1980, MATSUDO, V.K.R. Teste em Giéncia do Esporte. ‘Sao Caetano do Sul, Sao Paulo, 1984. MONTOYE, HJ. KEMPER,H.C.G., SARIS, WH.M., WASHBURN,R.A. Measuring Physical Activity and Energy Expenditure. Human Kinetics: Champaign, IL, 1996. MOOD, D. P. Physical Education: Past Practice, Present, Development and Future Challenge. The Physical Educators. v.37 n.4, p.202-205, 1980. MORROW, J.R., JACKSON, A.W. Measurement and Evaluation in Human Performance. Human Kinetics: Champaign, IL, 1995. NADORLL., Béla,0., Gyula, F,, Kéroly, O., Endre,R., Mikids,Zs. Sportképességek Mérése. 2" ed. Franklin Nyomda:Budapest, 1989. NAHAS, M. V. & CORBIN, C, B. Aptiddo fisica e sau- de nos programas de educacao tisica: desenvolvi- mentos recentes @ tendéncias intemacionais, Re- vista Brasileira de Movimento. v.6, n.2, p.47-58, 1992. PHILLIPS, D. A. Hornak, Measurement and Evolution. In Ph 4? edigdo New York: John Wiley and Sons Ine, 1979. RIZZO, J. P. Medidas antropométricas. Revista Brasi- leira de Educagao Fisica e Desportos, p.39-41, 1978. SMITH, D. W. Growth and Its Disorders. Major Problems in Clinical Pediatrics, v, 15, Philadelphia: Saunders, 1977. TESTA Of ag EDUCACAO FISICA NP 127 ANO DE 2003 ANEXOL FIGURA 1 - teste de FIGURA 2 — teste de FIGURA 3 - teste de toque equilibrio apreensao de mao nos discos Ti PELLLA FIGURA 5 - teste de salto em distancia sem corrida FIGURA 6 - teste de flexao de tronco FIGURA 7 — teste de pendurar na barra 56 REVISTA DE EDUCACAG FISICA - NP 127 - ANO DE 2008 - PAG. 48.66