Você está na página 1de 26
PROCEDIMENTO PARA VERIFICAÇÃO DA PERFORMANCE DAS PIPETAS GILSON (OPERATION QUALIFICATION) REF: LT802292B
PROCEDIMENTO PARA VERIFICAÇÃO DA PERFORMANCE DAS PIPETAS GILSON (OPERATION QUALIFICATION) REF: LT802292B

PROCEDIMENTO PARA VERIFICAÇÃO DA PERFORMANCE DAS PIPETAS GILSON

(OPERATION QUALIFICATION)

REF: LT802292B

PROCEDIMENTO PARA VERIFICAÇÃO DA PERFORMANCE DAS PIPETAS GILSON (OPERATION QUALIFICATION) REF: LT802292B

INTRODUÇÃO

Este documento descreve o método para verificação da performance das pipetas Gilson utilizando-se o método gravimétrico. A utilização dos procedimentos descritos neste método garante conformidade com as especificações Gilson para exatidão e precisão.

Embora este documento não relacione outros métodos, que podem estar sendo utilizados pelo usuário, o método e cálculos aqui descritos podem ser aplicados em outros testes, fora

do

escopo deste documento.

O

teste de conformidade para verificação da exatidão e precisão é aplicável a qualquer

pipeta Gilson: Pipetman (P e F), Pipetman Ultra, Distriman ou Microman. Este teste, que está de acordo com padrões internacionais, analisa o sistema de pipetagem como um todo:

pipeta, ponteira e operador.

Nota: Para resultados confiáveis, o operador deve ser bem treinado e qualificado.

O método descrito neste documento inclui um procedimento para correção das perdas por

evaporação para pequenos volumes. Também, na conversão para volume das massas obtidas na balança, são feitas correções referentes à temperatura e pressão no momento da execução do teste.

O usuário deve estabelecer uma rotina para testar suas pipetas com base em: necessidades

em termos de exatidão e precisão, frequência de uso, número de usuários para uma mesma pipeta, número de ciclos em cada utilização da pipeta e a natureza dos líquidos pipetados. Auxílio para se estabelecer estes procedimentos está disponível na Analítica (representante Exclusivo da Gilson no Brasil).

Nota 1: para a Pipetman Ultra, o teste a ser feito pelo usuário está descrito no Manual de Operação, como parte do procedimento de recalibração.

Nota 2: As especificações de exatidão e precisão descritas para cada modelo só são garantidas pelo fabricante quando se utiliza ponteiras originais Gilson (ponteiras DIAMOND ).

REF: LT802292B

NOV/ 2001

fabricante quando se utiliz a ponteiras originais Gilson (ponteiras DIAMOND ). REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag

Pag 2 / 26

DOCUMENTOS RELACIONADOS

Documento

Referência

Manual de operação da Pipetman P

LT801117

Manual de operação da Pipetman F

LT801118

Manual de operação da Pipetman 8x200

LT801236

Manual de operação da Microman

LT801367

Manual de operação da Distriman

LT801285

Manual de operação da Pipetman Ultra

LT801441

prEN ISO/ FDIS 8655

*

REF: LT802292B

NOV/ 2001

Manual de operação da Pipetman Ultra LT801441 prEN ISO/ FDIS 8655 * REF: LT802292B NOV/ 2001

Pag 3 / 26

DEFINIÇÕES

Exatidão (Erro Médio ou Erro Sistemático): diferença entre o volume dispensado e o volume nominal ou o volume selecionado na pipeta.

Calibração (Ajuste): conjunto de operações que estabelecem a relação entre o volume dispensado e o volume nominal ou selecionado correspondente na pipeta.

Volume morto de ar: nas pipetas de deslocamento de ar, é o volume de ar entre a parte inferior do pistão e a superfície do líquido.

Taxa de evaporação: estimativa da perda de água causada pela evaporação durante o processo de pesagem.

Análise gravimétrica: procedimento geral baseado na determinação da massa das alíquotas de água dispensadas por uma pipeta. Os valores são corrigidos com relação à perda por evaporação, e então, a massa real e o volume são calculados, com base na densidade da água em temperaturas específicas com correções para a pressão atmosférica do local (fator Z).

Volume Nominal: maior volume selecionável pelo usuário e especificado pela Gilson.

Nota: isto significa que, para uma pipeta de volume variável com uma faixa de volume útil de 10µl a 100µl, o seu volume nominal é 100µl.

Volume selecionado: volume ajustado pelo usuário, para a dispensa do volume escolhido dentro da faixa de volume útil.

Nota: para as pipetas e volume fixo, o volume selecionado é igual ao volume nominal.

Precisão (Erro Aleatório): dispersão dos volumes dispensados ao redor da média dos volumes dispensados. Também conhecida (de acordo com o contexto) como desvio padrão, reprodutibilidade ou repetibilidade.

REF: LT802292B

NOV/ 2001

acordo com o contexto) como desvio padrão, reprodutibilidade ou repetibilidade. REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 4

Pag 4 / 26

Repetibilidade: é a dispersão entre os resultados de medidas sucessivas (realizadas em um curto espaço de tempo), onde não há alteração dos parâmetros nem das condições.

Reprodutibilidade: é a dispersão entre os resultados de medidas realizadas em condições diferentes (local ou operador diferente), mantendo todos os parâmetros constantes.

Especificações Volumétricas (Erros Máximos Admissíveis): são os extremos permitidos (superior e inferior) para o desvio entre o volume dispensado e o volume nominal ou o volume selecionado.

Faixa de volume útil: parte do volume nominal que pode ser dispensado, dentro do erro máximo especificado na Norma Internacional ISO/ DIS 8655. O valor superior da faixa de volume útil é sempre o volume nominal. O valor inferior é 10% do volume nominal, se não estiver especificado de forma diferente pelo fabricante.

Recalibração (ajuste feito pelo operador): é um procedimento, definido pela Gilson e que pode ser executado pelo usuário final, para garantir que a pipeta opere conforme as especificações publicadas.

Pesagem: pesar significa determinar a massa de uma alíquota.

Fator Z: fator de conversão (µL/mg) considerando-se a densidade da água em contato com o ar, em função da temperatura e da pressão.

Ex: Designação (abreviatura) de um instrumento projetado para dispensar volumes.

In: Designação (abreviatura) de um instrumento projetado para aspirar volumes.

REF: LT802292B

NOV/ 2001

In: Designação (abreviatura) de um instrumento projetado para aspirar volumes. REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 5

Pag 5 / 26

CONDIÇÕES AMBIENTAIS

A sala de teste (laboratório) deve ter controle de temperatura e umidade para que as

condições ambientais do local onde será feita a verificação e a temperatura dos equipamentos utilizados sejam estáveis e homogêneas antes e durante todo o procedimento.

A temperatura da pipeta e da água destilada utilizada no teste gravimétrico deve estar

estabilizada antes do início do procedimento (coloque-as na sala 12 horas antes do início do procedimento). Idealmente, a verificação deve ser feita nas seguintes condições:

1)

Temperatura estável (água,pipeta e ambiente) em 21.5 ± 1.5ºC

Se

por alguma razão a pipeta for verificada em uma temperatura fora da especificada, a

correção é feita utilizando-se um fator Z diferente para a conversão da massa em volume

(µl/mg).

2)

Umidade Relativa de 45% a 75%

Para minimizar a taxa de evaporação, esta faixa de umidade relativa deve ser mantida durante todo o procedimento de verificação.

3)

Pressão barométrica de 1013 ± 25 hPa

Se

o local do teste possuir uma pressão atmosférica diferente, a correção é feita utilizando-

se um fator Z diferente na conversão de massa para volume (µl/mg).

Operação da pipeta

OPERADOR

Um procedimento adequado de pipetagem contribui significantemente para a reprodutibilidade dos resultados no teste de verificação. Operadores sem experiência podem ter variações importantes nos resultados. Para resultados confiáveis, o operador deve ser bem treinado e qualificado.

Se deve ter cuidado em manter um ritmo constante na aspiração e na dispensa das alíquotas: pressionar/ liberar o botão de operação suavemente e com velocidade constante.,

REF: LT802292B

NOV/ 2001

pressionar/ liberar o botão de oper ação suavemente e com velocidade constante., REF: LT802292B NOV/ 2001

Pag 6 / 26

Observar a profundidade de imersão da ponteira (veja esta informação no manual de operação da pipeta que está sendo testada).

Treinamento

O teste de conformidade deve ser feito por um operador qualificado. Se necessário, contate

a Analítica para maiores informações sobre treinamento.

PONTEIRAS

A pipeta que será testada deve ser operada segundo as instruções fornecidas pelo manual de

operação. Novamente, com base no manual de operação que acompanha a pipeta que será testada, tenha certeza, antes de começar o teste, que ela está limpa, montada corretamente e de estar utilizando genuínas ponteiras Gilson.

Como a qualidade das ponteiras utilizadas no teste é um fator importante para se assegurar que a performance da pipeta esteja de acordo com a especificação, a escolha da ponteira é um passo fundamental no processo de calibração. Por exemplo, todos os modelos da Pipetman possuem calibração de fábrica, realizada com ponteiras Gilson Diamond, de ótima qualidade. Então, para a Pipetman, você deve usar exclusivamente as ponteiras Gilson Diamond para realizar o teste gravimétrico.

EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO TESTE

Para garantir a integridade do procedimento de verificação, todos os equipamentos utilizados durante o procedimento devem ser verificados regularmente.

Balança

Balanças apropriadas, conforme a OIML R 76-1 (OIML - International Organization of Legal Metrology), devem ser selecionadas para realização do teste de performance da pipeta, conforme tabela abaixo.

As balanças devem ser calibradas e certificadas por pessoal qualificado usando pesos rastreáveis a autoridades reconhecidas nacionalmente (Empresas/ Instituições pertencentes

à Rede Brasileira de Calibração - RBC).

REF: LT802292B

NOV/ 2001

Pag 7 / 26

(Empresas/ Instituições pertencentes à Rede Brasileira de Calibração - RBC). REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 7

A legibilidade da balança deve ser escolhida de acordo com o nível de exatidão requerido, que deve ser um décimo do desvio a ser conseguido. Para a Pipetman e Microman, escolha

a balança de acordo com o volume nominal da pipeta - volume máximo - (veja tabela). Para

a Distriman, os volumes que serão testados são específicos para cada modelo de Distritip, de acordo com a alíquota de volume específica (escolha a legibilidade de acordo com o volume da alíquota).

VOLUME NOMINAL

DISPLAY (mg)

LEGIBILIDADE DA BALANÇA (g)

< 100µL

0,001

10

-6

100µL a 1000µL

0,01

10

- 5

> 1000µL

0,1

10

- 4

Termômetro

Use um termômetro calibrado para medir a temperatura da água no começo e no final de cada série de teste. Use um termômetro com uma incerteza de medição de até 0.1ºC.

Recipientes Recipientes que serão utilizados durante o procedimento:

- Recipiente de origem

É o recipiente que contém a água que será utilizada para a realização das medidas (o

volume deste recipiente deve ser suficiente para a execução de TODAS as medidas).

- Recipiente de pesagem

É o recipiente que será utilizado para a realização da medida (é o que será colocado

no prato de pesagem da balança).

REF: LT802292B

NOV/ 2001

r ealização da medida (é o que será colocado no prato de pesagem da balança). REF:

Pag 8 / 26

- Recipiente de descarte É um terceiro recipiente que recolherá as alíquotas que não serão pesadas.

Containers especiais são utilizados como recipiente para a dispensa da água durante a pesagem. O controle da evaporação durante o teste gravimétrico é essencial. Para minimizar a evaporação, a Gilson utiliza recipientes cilíndricos e com tampa, feitos de plástico não poroso.

A Gilson fornece um kit para pesagem (ref. F144700) que contém 4 recipientes para pesagem de tamanhos diferentes (tipos A, B, C e D), 3 recipientes de origem (recipiente que contém a água que será utilizada para a realização das medidas, e que deve ser suficiente para a execução de todas as medidas), filtros para limpeza/ secagem dos recipientes e uma pinça. Componentes individuais do kit também estão disponíveis como peças de reposição.

Quando os volumes a serem testados são menores do que 200µL, a Gilson utiliza recipientes para pesagem com tampas (tipo A e B, mostrados na página seguinte).

REF: LT802292B

NOV/ 2001

recipientes para pesagem com tampas (tipo A e B, mostrados na página seguinte). REF: LT802292B NOV/

Pag 9 / 26

recipiente tipo A e sua tampa (ambos têm que ser manipulados com a pinça) deve ser utilizado para volumes de até 20 µL (requer balança de 6 casas).

recipiente tipo B e sua tampa devem ser utilizados para volumes entre 21 a 200µL (requer balança de 5 casas). Este recipiente possui o´rings da Pipetman P5000 acoplados para evitar aquecimento devido a manipulação (evitando-se contato direto da mão do operador com o recipiente evita-se aquecimento da água).

recipiente tipo C (50 mm x 35 mm) deve ser utilizado com volumes entre 201 a 5000µL (requer balança de 4 casas).

recipiente tipo D (70 mm x 50 mm) deve ser utilizado para volumes acima de 5000µL (requer balança de 4 casas).

Tipo A Tipo B Tipo C Tipo D
Tipo A
Tipo B
Tipo C
Tipo D

REF: LT802292B

NOV/ 2001

acima de 5000 µ L (requer balança de 4 casas). Tipo A Tipo B Tipo C

Pag 10 / 26

Água

No teste, utiliza-se água destilada ou deionizada e degaseificada, conforme a Norma ISO

3696, à temperatura ambiente. Para evitar flutuações na temperatura da água, use um

recipiente de origem grande (por exemplo, o recipiente tipo D, mostrado anteriormente). O

recipiente de origem deve conter água suficiente para a realização de todas as medidas.

VERIFICAÇÃO DA PERFORMANCE A verificação da performance analisa tanto a exatidão (erro sistemático) como a precisão

(erro aleatório). Condições, procedimentos e qualificações previamente descritas neste

documento devem ser implantados para garantir a validade dos resultados dos testes.

Após rinsar a ponteira, faça 10 pesagens individuais para cada volume selecionado. Para as

pipetas de volume variável três volumes diferentes devem ser selecionados de acordo com a

faixa de volume do modelo que está sendo avaliado (veja a próxima tabela). Estes volumes

devem ser o volume nominal (máximo), 50% do volume nominal (volume intermediário) e

o volume mínimo da faixa de volume do modelo. Para as pipetas de volume fixo (Pipetman

F) utiliza-se apenas o volume nominal.

1. Ajuste

na

pipeta

o

procedimento).

volume

do

teste

(este

deve

ser

mantido

durante

todo

o

2. Estime a taxa de evaporação (para volumes pequenos, menores do que 20µl).

3. Faça o teste de verificação: registre as massas no Relatório de Verificação de

Performance.

4. Faça os cálculos: registre os resultados no Relatório de Verificação de Performance.

5. Compare os resultados com as especificações de exatidão e precisão que estão

relacionadas no manual de operação da pipeta.

REF: LT802292B

NOV/ 2001

exatidão e precisão que estão relacionadas no manual de operação da pipeta. REF: LT802292B NOV/ 2001

Pag 11 / 26

Volume Mínimo (µL)

Volume Intermediário (µL)

Volume Máximo (µL)

PIPETMAN

P2, U2

0,5

1

2

P10, U10

1

5

10

P20, U20

2

10

20

P100, U100

20

50

100

P200, U200

50

100

200

P8x200

20

100

200

P1000, U1000

200

500

1000

P5000, U5000

1000

2500

5000

P10 ml, U10ml

1000

5000

10000

MICROMAN

M10

1

5

10

M25

3

12,5

25

M50

20

-

50

M100

10

50

100

M250

50

125

250

M1000

200

500

1000

DISTRIMAN

125µL

2

5

10

1250 µL

20

50

100

12,5 ml

200

500

1000

Estimando a taxa de evaporação (massa média evaporada por ciclo de pesagem)

Para volumes abaixo de 200 µL, a pesagem requer o uso de tampas nos recipientes para

pesagens. Para volumes abaixo de 20µl, além da tampa, é necessário o uso de pinça. O objetivo é minimizar, controlar e quantificar a perda por evaporação durante o ciclo de pesagem.

A evaporação pode ser estimada, realizando-se uma série de quatro simulações de pesagens, onde se repete o ciclo de pesagem sem que haja dispensa de água no recipiente

REF: LT802292B

NOV/ 2001

onde se repete o ciclo de pesagem se m que haja dispensa de água no recipiente

Pag 12 / 26

de pesagem. A diferença total atribuída à evaporação é calculada e dividida por 4, para se obter uma média. A faixa é expressa em mg/ciclo (ou se for um único ciclo, deve ser expresso em mg).

As taxas de evaporação geralmente estão entre 0,010mg e 0,025 mg por ciclo de pesagem. Recalcule a taxa de evaporação a cada 4 horas ou sempre que as condições ambientais forem alteradas (temperatura, pressão e umidade).

1. Adicione água ao recipiente para pesagem até que este esteja com 1/3 do seu volume

cheio.

2. Utilize a pinça para colocar a tampa no recipiente e colocá-lo no prato da balança.

3. Com a pipeta, aspire a alíquota do recipiente de origem.

4. Tare a balança e remova o recipiente para pesagem do prato da balança.

5. Use a pinça para removê-lo.

6. Dispense a alíquota no recipiente de descarte ou retorne-a para o recipiente de origem.

Não a dispense no recipiente para pesagem.

7.

Utilize pinças para colocar a tampa no recipiente e colocá-lo no prato da balança.

8.

Registre o resultado e 1 .

9.

Repita as etapas de 3 a 8, três vezes para obter e 2 , e 3 e e 4 .

10.

Calcule a perda/ ciclo: e = (e 1 + e 2 + e 3 + e 4 )/4 (mg).

11.

A evaporação por ciclo e (mg) deve ser adicionada ao peso médio antes do cálculo do

volume médio.

Teste Gravimétrico

As técnicas de aspiração e dispensa estão descritas no manual de operação da pipeta que está sendo testada. Embora vários métodos alternativos de pipetagem sejam possíveis, sempre utilize o modo normal (modo direto, não utilizar o modo reverso). Para todas as pipetas, evite segurar ou esquentar o porta-cone com a mão durante o teste.

REF: LT802292B

NOV/ 2001

as pipetas, evite segurar ou esquentar o porta-cone com a mão durante o teste. REF: LT802292B

Pag 13 / 26

Para pipetas multi-canal, encaixe as ponteiras em todos os canais, mas teste um canal por vez. E registre os resultados para cada canal.

1.

Preparação

1.1

Coloque

água

do

recipiente

de

origem

no

recipiente

para

pesagem

a

uma

profundidade de, no mínimo, 3 mm.

1.2 Meça e registre a temperatura da água do recipiente de origem (t 1 ), a pressão do ar e

a umidade relativa da sala. Se o recipiente para pesagem possui tampa, coloque-a (usando

uma pinça).

1.3

Encaixe uma nova ponteira.

1.4

Selecione e ajuste o volume que será testado (este não deverá ser alterado durante o

teste).

1.5

Pré-rinse a ponteira, aspirando a alíquota do recipiente de origem e dispensando no

recipiente de descarte 5 vezes, para equilibrar a umidade do ar dentro da atmosfera da pipeta.

1.6

Coloque o recipiente para pesagem com água no prato da balança e tare-a (m 0 = 0).

2.

Ciclo do teste

Cada ciclo do teste deve demorar menos de 1 minuto. Entretanto, um ritmo constante durante a operação de pesagem deve ser mantido (o ritmo do ciclo e entre os ciclos).

2.1 Encaixe uma nova ponteira na pipeta.

2.2 Pré-rinse a ponteira aspirando e dispensando no recipiente de descarte uma vez.

2.3 Aspire, como especificado no manual de operação da pipeta, o volume a ser testado

(consulte tabela página 12).

REF: LT802292B

NOV/ 2001

de operação da pipeta, o volume a ser testado (consulte tabela página 12). REF: LT802292B NOV/

Pag 14 / 26

2.4

Se o recipiente para pesagem possuir tampa, remova-a usando a pinça.

2.5 Dispense o volume testado no recipiente para pesagem e recoloque a tampa com o

auxílio da pinça.

2.6

Registre a massa m 1 do volume testado.

2.7

Tare a balança.

3.

Repita o teste descrito acima (do item 2.1 ao 2.7) até completar 10 medidas (m 1 a

m

10 ).

4.

Após a última medida, verifique e registre a temperatura da água do recipiente de

origem (t 2 ), a pressão atmosférica e a umidade relativa da sala.

Fórmulas (Parte 1 de 2)

CÁLCULOS

1. Cálculo da temperatura média

Calcule a temperatura média (t) da água

destilada (próximo a 21,5 ± 1,5°C)

2. Cálculo da pressão média

Use

temperatura média (t) para determinar o

Fator-Z correspondente na tabela.

a pressão barométrica média (B) e a

REF: LT802292B

NOV/ 2001

barométrica média ( B ) e a REF: LT802292B NOV/ 2001 t = (t 1 +

t = (t 1 + t 2 )/ 2

B = (B 1 + B 2 )/ 2

Pag 15 / 26

3.

Cálculo do volume a partir da massa

Multiplique as massas (mg), depois das correções das perdas por evaporação (para volumes abaixo de 200 µL) pelo fator Z para obter os volumes (µL).

4. Cálculo do volume médio

Após calcular o volume individual das pesagens, calcule o volume médio (resultado expresso em µL).

V i = Z (m i + e )

V i = volumes individuais (µL)

m i = massas individuais (mg)

e = taxa de evaporação (mg)

Z= fator Z (µL/ mg)

n

V

1

 

=

 

n

V

i

i =1

V i = Volumes individuais

V = volume médio

n= número de pesagens

Fórmulas (Parte 2 de 2)

5. Exatidão (Erro Sistemático)

Diferença entre o volume médio do teste e o volume ajustado na pipeta. Para pipetas de volume fixo, substitua V s por V o = volume nominal. A exatidão pode ser expressa em µL ou

e s = V - V s

e s = erro médio

V = volume médio

V s = volume ajustado

REF: LT802292B

NOV/ 2001

 V - V s e s = erro médio  V = volume médio V

Pag 16 / 26

como porcentagem:

6. Precisão (Erro aleatório)

Dispersão

redor da média dos volumes dispensados.

o

ao

dos

volumes

(de

dispensados

acordo

com

Também conhecida

contexto)

reprodutibilidade ou repetibilidade.

como

desvio

padrão,

e s = 100% (V - V s )/V s

como desvio padrão, e s = 100% (  V - V s )/V s Vi

Vi = volumes individuais

V = volume médio (calculado como no item anterior)

n = número de medidas

 

DP

= desvio padrão

Como porcentagem, também conhecido como coeficiente de variação (CV).

CV

= (DP/ V)x 100%

REF: LT802292B

NOV/ 2001

também conhecido como coeficiente de variação (CV). CV = (DP/ V)x 100% REF: LT802292B NOV/ 2001

Pag 17 / 26

Cálculos: fator Z

Z = fator de conversão (µL/ mg), t (°C) = média da temperatura* , B = pressão atmosférica

(hPa)

= média da temperatura* , B = pressão atmosférica (hPa) * esta média é obtida a

* esta média é obtida a partir do valor da temperatura da água do recipiente de origem

medida no início do teste (t 1 )e da temperatura da água do recipiente de origem medida ao

final do teste (t 2 ). Consulte página 15 item "Cálculo da temperatura média".

REF: LT802292B

NOV/ 2001

(t 2 ). Consulte página 15 item "Cálculo da temperatura média". REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag

Pag 18 / 26

RELATÓRIO DO PROCEDIMENTO DE VERIFICAÇÃO

Identificação da pipeta Modelo

Número de série

Ponteiras utilizadas no teste

Identificação do técnico Empresa

Nome

Tel/Email

Técnico

Nome

Tel/Email

Condições Data/ Hora do teste

Localização

Temperatura (°C)

Umidade (%)

Pressão (hPa)

Balança

Modelo

Número de série

Sensitividade

REF: LT802292B

NOV/ 2001

Pressão (hPa) Balança Modelo Número de série Sensitividade REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 19 / 26

Pag 19 / 26

Resultados do teste

De acordo com o documento "Procedimento para Verificação da Performance das Pipetas Gilson".

Pesagem 1 Pesagem 2 Pesagem 3 Pesagem 4 Pesagem 5 Pesagem 6 Pesagem 7 Pesagem 8 Pesagem 9 Pesagem 10 Volume médio (V, µL) Exatidão (V - V o ) Exatidão (%) Precisão (DP) Precisão (CV, %)

m i (mg) V i (µL)
m i (mg)
V i (µL)
m i (mg) V i (µL)
m i (mg)
V i (µL)
m i (mg) V i (µL)
m i (mg)
V i (µL)

COMPARADO COM AS ESPECIFICAÇÕES:

APROVADA

REPROVADA

REF: LT802292B

NOV/ 2001

m i (mg) V i (µL) COMPARADO COM AS ESPECIFICAÇÕES: APROVADA REPROVADA REF: LT802292B NOV/ 2001

Pag 20 / 26

TABELAS DE ESPECIFICAÇÕES GILSON

Pipetman Ultra

U2 U10 U20 U100 U200 U1000 U5000 U10 ml
U2
U10
U20
U100
U200
U1000
U5000
U10 ml

REF: LT802292B

NOV/ 2001

GILSON Pipetman Ultra U2 U10 U20 U100 U200 U1000 U5000 U10 ml REF: LT802292B NOV/ 2001

Pag 21 / 26

REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 22 / 26

REF: LT802292B

NOV/ 2001

REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 22 / 26

Pag 22 / 26

Pipetman F

Pipetman F Microman REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 23 / 26

Microman

Pipetman F Microman REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 23 / 26

REF: LT802292B

NOV/ 2001

Pipetman F Microman REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 23 / 26

Pag 23 / 26

Distriman

Distriman REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 24 / 26

REF: LT802292B

NOV/ 2001

Distriman REF: LT802292B NOV/ 2001 Pag 24 / 26

Pag 24 / 26

Laboratório de Serviços de Pipetas (LSP)

Um dos nossos laboratórios (sob orientação e supervisão da Gilson) é dedicado exclusivamente às manutenções e calibrações das pipetas Gilson. Peças originais e pessoal treinado na França garantem serviços de qualidade internacional. Cada pipeta recebida passa por um processo de descontaminação, desmontagem, limpeza, troca de peças danificadas, montagem e calibração. Todo o trabalho é feito de acordo com as Normas Internacionais Gilson, em ambiente controlado e com instrumentos de medidas (balanças, pesos padrão, termômetros, etc) calibrados e com certificados rastreavéis à Rede Brasileira de Calibração (RBC). O Certificado de Conformidade, que é emitido ao final dos serviços, garante que sua pipeta está operando dentro das rígidas especificações Gilson. Peças originais (porta-cone, selo, o’ring, botão, etc) são disponíveis para que o usuário possa, ele mesmo, realizar os procedimentos básicos de manutenção.

O envio das suas pipetas é muito fácil!!

Importante: Descontamine suas pipetas antes de envia-las

Se você está na CIDADE DE SÃO PAULO ou GRANDE SÃO PAULO, solicite a retirada das suas pipetas via fax ou via e-mail:

Fax: (11) 2162-8081 E-mail: LSP@novanalitica.com.br, aos cuidados do Laboratório de Serviços de Pipetas.

Se você preferir, envie-nos sua pipeta via Sedex (lembre-se de reforçar a embalagem, evitando danos durante o transporte), ao seguinte endereço:

Nova Analítica Ltda Rua Assungui, 432 - Saúde 04131-000 - São Paulo - SP Aos cuidados do Laboratório de Serviços de Pipetas

REF: LT802292B

NOV/ 2001

- 000 - São Paulo - SP Aos cuidados do Laboratório de Serviços de Pipetas REF:

Pag 25 / 26

Em outras localidades, envie-nos sua pipeta via Sedex para o mesmo endereço mencionado acima ou contate um de nossos representantes, espalhados pelo Brasil. Consulte-nos para maiores detalhes.

Orçamento Prévio

Assim que a pipeta é recebida em nosso laboratório, ela é inspecionada e um orçamento prévio é enviado via fax ou e-mail ao cliente. Nenhuma pipeta será reparada ou calibrada sem aprovação prévia do responsável. O orçamento é gratuito. Caso você não aprove os serviços, não haverá outras despesas exceto o transporte de ida e volta

haverá outras despesas exceto o transporte de ida e volta Rua Assugui , 432 04131 -

Rua Assugui, 432 04131-000 - São Paulo - SP Fone (0XX11) 2162 - 8080 Fax (0XX11) 2162 - 8081 Email: analitica@novanalitica.com.br

Rua da Tranquilidade, 38 21221-270 - Rio de Janeiro -RJ Fone (0XX21) 3351 - 6895 Fax (0XX21) 3351 - 4653 E-mail: analiticario@novanalitica.com.br