Você está na página 1de 2

a ampulheta trabalha firme, os gros descem todos os dias

se apressam quando acham que devem


amenizam quando querem brincar

trabalha firme como uma funo necessria


como a vida de um canalha
o tempo ronda minha mente, meu mundo
faz ser lembrado cada segundo

um, dois, trs


ele se acha o mximo
me manda um adeus e depois um ol
como se isso fosse certo
um, dois, trs
cada segundo
v pro inferno

voc v as coisas como quer v-las


tente se convencer de maneira contrria a sua opinio
pode no ser fcil, mas um exerccio de vida

convivo contigo h anos, e te amo do mesmo jeito


no comando meu corao, evito apenas contradies
e nem sempre consigo

as verdades voam por a e decido no agarr-las


passam diante dos meus olhos como absolutas
e se chocam contra a parede

no controlo meu corao, ele me escolhe


tento apenas me manter de p
nas tempestades de poeira
elas podem lhe levar daqui

estarei de p, tentando mais uma vez permanecer


a ampulheta trabalha como pode
os gros correm e brincam
eu tento permanecer, mas no escolho
ele me escolhe, eu apenas tento me manter de p

diga-me seus medos, tambm tenho os meus


no deixo que tomem de conta de mim
preservo-os numa caixa, mas lhes deixo passar sede
eu sou dono de minha mente, no de meu corao
fao tudo que posso para permanecer de p
mesmo durante a tempestade de poeira
mesmo quando o cu desmoronar
ele nunca levar minhas palavras nem o meu amor
estarei sempre firme, como um tronco, como um trovo
eu no estou no comando, mas confio no meu corao
e ele continua batendo, firme, como um tronco, como um trovo
diante das balizes do tempo